SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
AULA 08 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
ARCADISMO NO BRASIL
I - CONTEXTO HISTÓRICO
O Arcadismo brasileiro tem como marco inicial a publicação das
Obras Poéticas de Cláudio Manuel da Costa, em 1768, e se estende
até 1836 com a publicação de Suspiros poéticos e Saudades, de
Gonçalves de Magalhães, obra que instaura o Romantismo brasileiro.
Mas o que será que estava acontecendo no Brasil nessa época?
Vejamos esta imagem:
A cidade de Vila Rica, atual Ouro Preto em Minas Gerais foi sede dos principais
acontecimentos do século XVIII, assistiu ao ciclo da mineração, à Inconfidência, à
grande produção dos poetas árcades.
Vila Rica também foi palco do grande artista plástico, arquiteto e
escultor brasileiro desse período – Antônio Francisco Lisboa, o nosso
Aleijadinho. Lembre-se de que o Barroco no Brasil compreende duas
grandes manifestações: o Barroco Literário e arquitetônico do século
XVII, principalmente na Bahia e o Barroco mineiro do século XVIII,
conhecido como o Barroco tardio.
Com o passar do tempo Portugal perdeu grande parte de suas
colônias no Oriente, passando a depender cada vez mais da exploração
do Brasil.
A decadência da economia canavieira e a descoberta de ouro em
Minas Gerais provocaram o deslocamento do eixo econômico, político e
cultural para o Sudeste do país. (Lembre-se de que antes o centro de
todas as atividades era o Nordeste, principalmente os estados de
Pernambuco e Bahia).
Os aumentos freqüentes dos impostos pagos pelos brasileiros
sobre os minérios e as mercadorias em geral, provocaram uma
insatisfação generalizada e fizeram com que os brasileiros começassem
a manifestar os primeiros desejos de emancipação, que culminaram com
a Inconfidência Mineira, da qual muitos do poetas árcades participaram.
II – CARACTERÍSTICAS
Esses fatos foram responsáveis por um grande sentimento
nativista, o índio aparece pela primeira vez como herói literário. O
Arcadismo brasileiro assinala o início da busca de uma identidade
nacional para a nossa literatura, o que só será alcançado, segundo
alguns estudiosos no movimento posterior, ou seja, no Romantismo.
Os principais autores do Arcadismo brasileiro foram:
* Cláudio Manuel da Costa
* Tomás Antônio Gonzaga
* Basílio da Gama
* Santa Rita Durão
Dos quatro, apenas Tomás Antônio Gonzaga não era brasileiro.
Além de apresentarem semelhanças quanto à produção árcade, todos
tiveram envolvimento com a Inconfidência Mineira. Eles escreveram nos
mais variados gêneros literários.
Vejamos as principais vertentes do Arcadismo brasileiro:
POESIA LÍRICA
ARCADISMO
BRASILEIRO POESIA SATÍRICA
POESIA ÉPICA
A poesia lírica ora apresenta resíduos do Barroco, ora apresenta
antecipações do Romantismo. Seus principais representantes são
Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga. Esse último, Tomás
Antônio Gonzaga, foi também a figura central da poesia satírica. E na
poesia épica destacam-se Cláudio Manuel da Costa, Basílio da Gama e
Santa Rita Durão.
2.1– Cláudio Manuel da Costa
Seu pseudônimo árcade era Glauceste Satúrnio e sua musa
inspiradora era Nise. Sua obra lírica foi muito influenciada pelo
Classicismo português, embora também apresentasse em alguns
momentos resíduos do Barroco. Os temas mais comuns de sua poesia
lírica são: o sentimento amoroso e a descrição da natureza.
É freqüente em seus textos uma tentativa de conciliação das
características do Arcadismo e a paisagem mineira. Mas apesar dessa
identidade com a região mineira, mostra em vários momentos um
grande apego à metrópole portuguesa. A paisagem mineira aparece em
sua obra através de referências à natureza áspera da região. Palavras
como: pedras, rochedos, penhascos e penhas são recorrentes em sua
obra, como vemos neste fragmento:
“... Destes penhascos fez a natureza
O berço, em que nasci! oh quem cuidara
Que entre penhas tão duras se criara
Uma alma terna, um peito sem dureza!”
Cláudio Manuel da Costa também escreveu um poema épico
chamado Vila Rica, em que narra a história da fundação da cidade,
enaltecendo os feitos dos bandeirantes.
2.2– Tomás Antônio Gonzaga
Seu pseudônimo árcade era Dirceu e sua musa inspiradora era
Marília. Entre suas principais obras estão Cartas Chilenas e Marília de
Dirceu.
Cartas Chilenas são poemas satíricos escritos em decassílabos,
mas com uma estrutura epistolar, ou seja, em formato de cartas. Esses
textos eram manuscritos e circularam na cidade de Vila Rica, pouco
tempo antes da Inconfidência Mineira, eles contavam a história de
Fanfarrão Minésio, um governador arbitrário, imoral e narcisista. O
emissor das cartas era Critilo e o destinatário era Doroteu. Após vários
estudos, descobriu-se que Critilo era o próprio Tomás Antônio Gonzaga
e que Doroteu era Cláudio Manuel da Costa. Mas por que Cartas
Chilenas? Na realidade o Chile era Minas Gerais e Santiago era Vila Rica;
Tomás Antônio Gonzaga estava criticando o próprio governador da
época. (Luís da Cunha Meneses). Suas sátiras em geral criticavam
pessoas especificas e não instituições.
As liras de Marília de Dirceu, inspiradas romance do poeta com
Maria Dorotéia, tornaram-se uma das obras mais publicadas em língua
portuguesa (liras são composições poéticas em que se repete, a cada
estrofe, um estribilho, um refrão).
A obra está dividida em duas partes: na primeira, encontramos a
felicidade proporcionada pelo amor. Na Segunda, num tom mais
negativo, provocado pelos sofrimentos advindos da prisão, encontramos
uma série de reflexões sobre a justiça humana e a lembrança da amada.
Tomás Antônio Gonzaga realmente foi preso e degredado para
Moçambique por sua participação na Inconfidência Mineira.
2.3– Basílio da Gama
Outro grande árcade foi Basílio da Gama. Sua obra mais
importante é sem dúvida o poema épico, O Uraguai, que narra as lutas
dos índios de Sete Povos das Missões, no Uruguai contra o exército luso-
espanhol. Basílio da Gama não fica preso ao modelo camoniano, o
poema apresenta apenas cinco cantos e os versos são brancos, ou seja,
sem rimas e não estão divididos em estrofes. As personagens
mitológicas são substituídas por elementos da cultura indígena. Aparece
a figura do índio como “bom selvagem” e a descrição da natureza
brasileira, numa espécie de antecipação romântica. Entre as
personagens destacam-se: Gomes Freire Andrada, o herói português;
Balda o vilão, uma caricatura dos jesuítas e os índios Cacambo, Lindóia,
sua esposa, Caitutu e Tanajura, a vidente.
O episódio mais famoso do poema é a morte de Lindóia, que se
deixa ser picada por uma serpente venenosa, depois da morte do
marido.
2.4 – Santa Rita Durão
Caramuru, poema épico que narra a descobrimento da Bahia, é a
sua obra mais importante desse autor, mas segundo histórias,
Caramuru não foi bem aceito na época, o que fez Santa Rita Durão
rasgar todos os outros poemas que já havia escrito.
O poema, escrito nos moldes da épica camoniana, caracteriza-se
pela exaltação da paisagem brasileira. Entre as personagens destacam-
se: o português Diogo Álves Correia, o Caramuru; e as índias Moema e
Paraguaçu. Moema era apaixonada por Diogo, mas é Paraguaçu quem
se casa com ele. Quando os dois estão indo para Paris, Moema se lança
ao mar nadando atrás do navio e acaba morrendo afogada.
O episódio mais famoso é a morte de Moema. Vejamos a
ilustração:
A Morte de Moema, Vitor Meireles (1832 – 1903)
Não se esqueça: o Arcadismo brasileiro foi o movimento que
assinalou o início da busca de uma identidade nacional para a nossa
literatura.
III – EXERCÍCIOS
1- (MACKENZIE) – Uma das afirmações abaixo não se refere ao
Neoclassicismo nem se relaciona com seu contexto histórico-social.
Aponte-a.
a) “O poeta que não seguir os Antigos perderá de todo o norte, e não
poderá jamais alcançar aquela força, energia e majestade que nos
retratam o famoso e angélico semblante da Natureza. Devemos
imitar e seguir os antigos: assim no-lo ensina Horácio, no-lo dita a
razão; e o confessa todo o mundo literário.”
b) “Este é o chamado Século das Luzes, na medida exata em que se
opõe a um certo obscurantismo do século anterior e propaga a
ciência, o saber e o progresso: Iluminismo, Ilustração,
Enciclopedismo.”
c) “Nomear um objeto significa suprimir as três quartas partes do
gozo de uma poesia, que consiste no prazer de adivinhar pouco a
pouco. Sugerir, eis o sonho.”
d) “... recriam, em seus textos, as paisagens campestres de outras
épocas, com pastores e pastoras cantando e vivendo uma
existência sadia e amorosa, preocupados apenas em cuidar de
seus rebanhos.”
e) “A parte deveria ser universal, isto é, preocupar-se com
problemas, verdades e situações eternas do homem, do homem
de todos os tempos, e não se limitar a sentimentos de ordem
individual ou a situações puramente pessoais.”
R: C
2- (VUNESP) – Considerado o “mais árcade” dos poetas brasileiros
do fim do século XVIII, ele realizou plenamente o ideal áurea
mediocritas (áurea mediana): Dirceu, o pastor, louvou a vida
campestre e a simplicidade; elevou a mulher à categoria de musa
inspiradora constante – como foi comum no Neoclassicismo europeu–
e defendeu a utópica superioridade do homem natural.
O poeta a que se refere o trecho acima é:
a) Cláudio Manuel da Costa
b) Castro Alves
c) Casimiro de Abreu
d) Tomás Antônio Gonzaga
e) Gonçalves Dias
R: D
3- (ITA) – Uma das afirmações abaixo é incorreta. Assinale-a.
a) O escritor árcade reaproveita os seres criados pela mitologia
greco-romana, deuses e entidades pagãs. Mais esses mesmos
deuses convivem com outros seres do mundo cristão.
b) A produção literária do Arcadismo brasileiro constitui-se sobretudo
de poesia, que pode ser lírico-amorosa, épica e satírica.
c) O árcade recusa o jogo de palavras e as complicadas construções
da linguagem barroca, preferindo a clareza, a ordem lógica na
escrita.
d) O poema épico Caramuru, de Santa Rita Durão, tem como assunto
o descobrimento da Bahia, levado a efeito por Diogo Álvares
Correia, misto de missionário e colono português.
e) A morte de Moema, índia que se deixa picar por uma serpente,
como prova de fidelidade e amor ao índio Cacambo, é o trecho
mais conhecido da obra O Uraguai, de Basílio da Gama.
R: E
4- (ITA) – Dadas as afirmações:
I) O Uraguai, poema épico clássico que antecipa em várias
direções o Romantismo, é motivado por dois propósitos
indisfarçáveis: exaltação da política pombalina e antijesuitismo
radical.
II) O (a) autor (a) do poema épico Vila Rica, no qual exalta os
bandeirantes e narra a história atual de Ouro Preto, desde a
sua fundação, cultivou a poesia bucólica, pastoril, na qual
menciona a natureza como refúgio.
III) Em Marília Dirceu, Marília é quase sempre um vocativo; embora
tenha a estrutura de um diálogo – só Gonzaga fala, raciocina;
constantemente cai em contradição quanto à sua postura de
pastor e sua realidade de burguês.
Está (ão) correta (s):
a) Apenas I;
b) Apenas II;
c) Apenas I e II;
d) Apenas I e III;
e) Todas;
R: D
5 – (PUCCAMP)
Acaso são estes
os sítios formosos,
onde passava
os anos gostosos?
São estes os prados,
aonde brincava,
enquanto pastava,
o manso rebanho
que Alceu me deixou?
Os versos acima, de Tomás Antônio Gonzaga, são expressão de um
momento estético em que o poeta:
a) Buscava expressão para o sentimento religioso associado à
natureza, revestindo freqüentemente o poema do tom solene da
meditação.
b) Tentava exprimir a insatisfação do mundo contemporâneo, dava
grande ênfase à vida sentimental, tornando o coração a medida
mais exata da existência.
c) Buscava a “naturalidade”. O que havia de mais simples, mais
“natural”, que a vida dos pastores e a contemplação direta da
natureza?
d) Tinha predileção pelo soneto, exercitando a precisão descritiva e
dissertativa, o jogo intelectual, a famosa “chave de ouro”.
e) Acentuava a busca da elegância e do requinte formal, perdendo-
se na minúcia descritiva de objetos raros: vasos, taças, leques.
R: C

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª faseJonatas Carlos
 
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fasejacsonufcmestrado
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasilJuliana Oliveira
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européiaJuliana Oliveira
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugalJonatas Carlos
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)Edcléia Xavier
 
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalO Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalHipolito Ximenes
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assismfmpafatima
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoProf Palmito Rocha
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literaturama.no.el.ne.ves
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilhipolitus
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
 
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalO Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Machado de Assis
Machado de Assis Machado de Assis
Machado de Assis
 
O realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasilO realismo e o naturalismo no brasil
O realismo e o naturalismo no brasil
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Poesia e modernismo
Poesia e modernismoPoesia e modernismo
Poesia e modernismo
 

Semelhante a O Arcadismo brasileiro e seus principais autores e obras

arcadismomovimentoliterarioensinomed.ppt
arcadismomovimentoliterarioensinomed.pptarcadismomovimentoliterarioensinomed.ppt
arcadismomovimentoliterarioensinomed.pptMichely Zanella
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
ArcadismoISJ
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Ajudar Pessoas
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxssuser6e334c1
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoNádia França
 
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesArcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesMônica Almeida Neves
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismoterceirob
 
Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´
Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´
Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´anabiit
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraJesrayne Nascimento
 
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdfRomanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdfrafabebum
 
3º bim. parte i
3º bim. parte i3º bim. parte i
3º bim. parte iAna Paula
 

Semelhante a O Arcadismo brasileiro e seus principais autores e obras (20)

Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
 
Ssa 1 arcadismo atividades
Ssa 1  arcadismo  atividadesSsa 1  arcadismo  atividades
Ssa 1 arcadismo atividades
 
arcadismomovimentoliterarioensinomed.ppt
arcadismomovimentoliterarioensinomed.pptarcadismomovimentoliterarioensinomed.ppt
arcadismomovimentoliterarioensinomed.ppt
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil  Arcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesArcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. neves
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´
Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´
Arcadismo%20e%20bocagewsawerhtjulo 0p-´
 
ARCADISMO.ppt
ARCADISMO.pptARCADISMO.ppt
ARCADISMO.ppt
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
 
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdfRomanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Romantismo Prosa
Romantismo ProsaRomantismo Prosa
Romantismo Prosa
 
3º bim. parte i
3º bim. parte i3º bim. parte i
3º bim. parte i
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européiaJonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasilJonatas Carlos
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativaJonatas Carlos
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadasJonatas Carlos
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismoJonatas Carlos
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneoJonatas Carlos
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova repúblicaJonatas Carlos
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populistaJonatas Carlos
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundialJonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (17)

Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismo
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova república
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populista
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundial
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

O Arcadismo brasileiro e seus principais autores e obras

  • 1. AULA 08 – LITERATURA PROFª Edna Prado ARCADISMO NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO O Arcadismo brasileiro tem como marco inicial a publicação das Obras Poéticas de Cláudio Manuel da Costa, em 1768, e se estende até 1836 com a publicação de Suspiros poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães, obra que instaura o Romantismo brasileiro. Mas o que será que estava acontecendo no Brasil nessa época? Vejamos esta imagem: A cidade de Vila Rica, atual Ouro Preto em Minas Gerais foi sede dos principais acontecimentos do século XVIII, assistiu ao ciclo da mineração, à Inconfidência, à grande produção dos poetas árcades. Vila Rica também foi palco do grande artista plástico, arquiteto e escultor brasileiro desse período – Antônio Francisco Lisboa, o nosso Aleijadinho. Lembre-se de que o Barroco no Brasil compreende duas grandes manifestações: o Barroco Literário e arquitetônico do século XVII, principalmente na Bahia e o Barroco mineiro do século XVIII, conhecido como o Barroco tardio.
  • 2. Com o passar do tempo Portugal perdeu grande parte de suas colônias no Oriente, passando a depender cada vez mais da exploração do Brasil. A decadência da economia canavieira e a descoberta de ouro em Minas Gerais provocaram o deslocamento do eixo econômico, político e cultural para o Sudeste do país. (Lembre-se de que antes o centro de todas as atividades era o Nordeste, principalmente os estados de Pernambuco e Bahia). Os aumentos freqüentes dos impostos pagos pelos brasileiros sobre os minérios e as mercadorias em geral, provocaram uma insatisfação generalizada e fizeram com que os brasileiros começassem a manifestar os primeiros desejos de emancipação, que culminaram com a Inconfidência Mineira, da qual muitos do poetas árcades participaram. II – CARACTERÍSTICAS Esses fatos foram responsáveis por um grande sentimento nativista, o índio aparece pela primeira vez como herói literário. O Arcadismo brasileiro assinala o início da busca de uma identidade nacional para a nossa literatura, o que só será alcançado, segundo alguns estudiosos no movimento posterior, ou seja, no Romantismo. Os principais autores do Arcadismo brasileiro foram: * Cláudio Manuel da Costa * Tomás Antônio Gonzaga * Basílio da Gama * Santa Rita Durão Dos quatro, apenas Tomás Antônio Gonzaga não era brasileiro. Além de apresentarem semelhanças quanto à produção árcade, todos tiveram envolvimento com a Inconfidência Mineira. Eles escreveram nos mais variados gêneros literários.
  • 3. Vejamos as principais vertentes do Arcadismo brasileiro: POESIA LÍRICA ARCADISMO BRASILEIRO POESIA SATÍRICA POESIA ÉPICA A poesia lírica ora apresenta resíduos do Barroco, ora apresenta antecipações do Romantismo. Seus principais representantes são Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga. Esse último, Tomás Antônio Gonzaga, foi também a figura central da poesia satírica. E na poesia épica destacam-se Cláudio Manuel da Costa, Basílio da Gama e Santa Rita Durão. 2.1– Cláudio Manuel da Costa Seu pseudônimo árcade era Glauceste Satúrnio e sua musa inspiradora era Nise. Sua obra lírica foi muito influenciada pelo Classicismo português, embora também apresentasse em alguns momentos resíduos do Barroco. Os temas mais comuns de sua poesia lírica são: o sentimento amoroso e a descrição da natureza. É freqüente em seus textos uma tentativa de conciliação das características do Arcadismo e a paisagem mineira. Mas apesar dessa identidade com a região mineira, mostra em vários momentos um grande apego à metrópole portuguesa. A paisagem mineira aparece em sua obra através de referências à natureza áspera da região. Palavras como: pedras, rochedos, penhascos e penhas são recorrentes em sua obra, como vemos neste fragmento: “... Destes penhascos fez a natureza O berço, em que nasci! oh quem cuidara Que entre penhas tão duras se criara Uma alma terna, um peito sem dureza!”
  • 4. Cláudio Manuel da Costa também escreveu um poema épico chamado Vila Rica, em que narra a história da fundação da cidade, enaltecendo os feitos dos bandeirantes. 2.2– Tomás Antônio Gonzaga Seu pseudônimo árcade era Dirceu e sua musa inspiradora era Marília. Entre suas principais obras estão Cartas Chilenas e Marília de Dirceu. Cartas Chilenas são poemas satíricos escritos em decassílabos, mas com uma estrutura epistolar, ou seja, em formato de cartas. Esses textos eram manuscritos e circularam na cidade de Vila Rica, pouco tempo antes da Inconfidência Mineira, eles contavam a história de Fanfarrão Minésio, um governador arbitrário, imoral e narcisista. O emissor das cartas era Critilo e o destinatário era Doroteu. Após vários estudos, descobriu-se que Critilo era o próprio Tomás Antônio Gonzaga e que Doroteu era Cláudio Manuel da Costa. Mas por que Cartas Chilenas? Na realidade o Chile era Minas Gerais e Santiago era Vila Rica; Tomás Antônio Gonzaga estava criticando o próprio governador da época. (Luís da Cunha Meneses). Suas sátiras em geral criticavam pessoas especificas e não instituições. As liras de Marília de Dirceu, inspiradas romance do poeta com Maria Dorotéia, tornaram-se uma das obras mais publicadas em língua portuguesa (liras são composições poéticas em que se repete, a cada estrofe, um estribilho, um refrão). A obra está dividida em duas partes: na primeira, encontramos a felicidade proporcionada pelo amor. Na Segunda, num tom mais negativo, provocado pelos sofrimentos advindos da prisão, encontramos uma série de reflexões sobre a justiça humana e a lembrança da amada. Tomás Antônio Gonzaga realmente foi preso e degredado para Moçambique por sua participação na Inconfidência Mineira. 2.3– Basílio da Gama Outro grande árcade foi Basílio da Gama. Sua obra mais importante é sem dúvida o poema épico, O Uraguai, que narra as lutas dos índios de Sete Povos das Missões, no Uruguai contra o exército luso-
  • 5. espanhol. Basílio da Gama não fica preso ao modelo camoniano, o poema apresenta apenas cinco cantos e os versos são brancos, ou seja, sem rimas e não estão divididos em estrofes. As personagens mitológicas são substituídas por elementos da cultura indígena. Aparece a figura do índio como “bom selvagem” e a descrição da natureza brasileira, numa espécie de antecipação romântica. Entre as personagens destacam-se: Gomes Freire Andrada, o herói português; Balda o vilão, uma caricatura dos jesuítas e os índios Cacambo, Lindóia, sua esposa, Caitutu e Tanajura, a vidente. O episódio mais famoso do poema é a morte de Lindóia, que se deixa ser picada por uma serpente venenosa, depois da morte do marido. 2.4 – Santa Rita Durão Caramuru, poema épico que narra a descobrimento da Bahia, é a sua obra mais importante desse autor, mas segundo histórias, Caramuru não foi bem aceito na época, o que fez Santa Rita Durão rasgar todos os outros poemas que já havia escrito. O poema, escrito nos moldes da épica camoniana, caracteriza-se pela exaltação da paisagem brasileira. Entre as personagens destacam- se: o português Diogo Álves Correia, o Caramuru; e as índias Moema e Paraguaçu. Moema era apaixonada por Diogo, mas é Paraguaçu quem se casa com ele. Quando os dois estão indo para Paris, Moema se lança ao mar nadando atrás do navio e acaba morrendo afogada. O episódio mais famoso é a morte de Moema. Vejamos a ilustração: A Morte de Moema, Vitor Meireles (1832 – 1903)
  • 6. Não se esqueça: o Arcadismo brasileiro foi o movimento que assinalou o início da busca de uma identidade nacional para a nossa literatura. III – EXERCÍCIOS 1- (MACKENZIE) – Uma das afirmações abaixo não se refere ao Neoclassicismo nem se relaciona com seu contexto histórico-social. Aponte-a. a) “O poeta que não seguir os Antigos perderá de todo o norte, e não poderá jamais alcançar aquela força, energia e majestade que nos retratam o famoso e angélico semblante da Natureza. Devemos imitar e seguir os antigos: assim no-lo ensina Horácio, no-lo dita a razão; e o confessa todo o mundo literário.” b) “Este é o chamado Século das Luzes, na medida exata em que se opõe a um certo obscurantismo do século anterior e propaga a ciência, o saber e o progresso: Iluminismo, Ilustração, Enciclopedismo.” c) “Nomear um objeto significa suprimir as três quartas partes do gozo de uma poesia, que consiste no prazer de adivinhar pouco a pouco. Sugerir, eis o sonho.” d) “... recriam, em seus textos, as paisagens campestres de outras épocas, com pastores e pastoras cantando e vivendo uma existência sadia e amorosa, preocupados apenas em cuidar de seus rebanhos.” e) “A parte deveria ser universal, isto é, preocupar-se com problemas, verdades e situações eternas do homem, do homem de todos os tempos, e não se limitar a sentimentos de ordem individual ou a situações puramente pessoais.” R: C 2- (VUNESP) – Considerado o “mais árcade” dos poetas brasileiros do fim do século XVIII, ele realizou plenamente o ideal áurea mediocritas (áurea mediana): Dirceu, o pastor, louvou a vida campestre e a simplicidade; elevou a mulher à categoria de musa inspiradora constante – como foi comum no Neoclassicismo europeu– e defendeu a utópica superioridade do homem natural. O poeta a que se refere o trecho acima é: a) Cláudio Manuel da Costa
  • 7. b) Castro Alves c) Casimiro de Abreu d) Tomás Antônio Gonzaga e) Gonçalves Dias R: D 3- (ITA) – Uma das afirmações abaixo é incorreta. Assinale-a. a) O escritor árcade reaproveita os seres criados pela mitologia greco-romana, deuses e entidades pagãs. Mais esses mesmos deuses convivem com outros seres do mundo cristão. b) A produção literária do Arcadismo brasileiro constitui-se sobretudo de poesia, que pode ser lírico-amorosa, épica e satírica. c) O árcade recusa o jogo de palavras e as complicadas construções da linguagem barroca, preferindo a clareza, a ordem lógica na escrita. d) O poema épico Caramuru, de Santa Rita Durão, tem como assunto o descobrimento da Bahia, levado a efeito por Diogo Álvares Correia, misto de missionário e colono português. e) A morte de Moema, índia que se deixa picar por uma serpente, como prova de fidelidade e amor ao índio Cacambo, é o trecho mais conhecido da obra O Uraguai, de Basílio da Gama. R: E 4- (ITA) – Dadas as afirmações: I) O Uraguai, poema épico clássico que antecipa em várias direções o Romantismo, é motivado por dois propósitos indisfarçáveis: exaltação da política pombalina e antijesuitismo radical. II) O (a) autor (a) do poema épico Vila Rica, no qual exalta os bandeirantes e narra a história atual de Ouro Preto, desde a sua fundação, cultivou a poesia bucólica, pastoril, na qual menciona a natureza como refúgio. III) Em Marília Dirceu, Marília é quase sempre um vocativo; embora tenha a estrutura de um diálogo – só Gonzaga fala, raciocina; constantemente cai em contradição quanto à sua postura de pastor e sua realidade de burguês. Está (ão) correta (s): a) Apenas I; b) Apenas II; c) Apenas I e II; d) Apenas I e III; e) Todas; R: D
  • 8. 5 – (PUCCAMP) Acaso são estes os sítios formosos, onde passava os anos gostosos? São estes os prados, aonde brincava, enquanto pastava, o manso rebanho que Alceu me deixou? Os versos acima, de Tomás Antônio Gonzaga, são expressão de um momento estético em que o poeta: a) Buscava expressão para o sentimento religioso associado à natureza, revestindo freqüentemente o poema do tom solene da meditação. b) Tentava exprimir a insatisfação do mundo contemporâneo, dava grande ênfase à vida sentimental, tornando o coração a medida mais exata da existência. c) Buscava a “naturalidade”. O que havia de mais simples, mais “natural”, que a vida dos pastores e a contemplação direta da natureza? d) Tinha predileção pelo soneto, exercitando a precisão descritiva e dissertativa, o jogo intelectual, a famosa “chave de ouro”. e) Acentuava a busca da elegância e do requinte formal, perdendo- se na minúcia descritiva de objetos raros: vasos, taças, leques. R: C