SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
AULA 18 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
SIMBOLISMO EM PORTUGAL E
NO BRASIL
I – CARACTERÍSTICAS
O Simbolismo, assim como o Realismo-Naturalismo e o
Parnasianismo, é um movimento literário do final do século XIX .
Para começarmos nossas reflexões veja a próxima imagem:
Essa imagem é uma conhecida tela de Monet, chamada Nenúfares – Reflexos
verdes. Ela nos apresenta uma característica marcante do Simbolismo: repare que não
há uma definição da imagem. O que vemos são apenas contornos. Monet apenas
sugere o que pode ser a realidade.
No Simbolismo, ao contrário do Realismo, não há uma
preocupação com a representação fiel da realidade, a arte preocupa-se
com a sugestão.
O Simbolismo é justamente isso, sugestão e intuição. É também a
reação ao Realismo/Naturalismo/Parnasianismo, é o resgate da
subjetividade, dos valores espirituais e afetivos. Percebe-se no
Simbolismo uma aproximação com os ideais românticos, entretanto,
com uma profundidade maior, os simbolistas preocupavam-se em
retratar em seus textos o inconsciente, o irracional, com sensações e
atitudes que a lógica não conseguia explicar.
O leitor não deveria tentar entender os textos, mas se deixar levar
pelas sensações.
Em Portugal, esse movimento literário tem início, em 1890, com a
publicação do poema Oaristos, de Eugênio de Castro. (Oaristo é um
termo grego que significa “diálogo íntimo” ou “diálogo amoroso”).
Entre as principais características parnasianas estão:
• Espiritualismo e
Misticismo
• Sugestão
• Imprecisão
• Sinestesias
• Musicalidade
• Maiúsculas alegorizantes
Espiritualismo e Misticismo = Para os simbolistas a arte era
uma forma de religião. Os textos simbolistas apresentam muitas vezes
uma visão cristã. Era comum a distinção entre corpo e alma e o desejo
de purificação, de sublimação: anulação da matéria para a libertação da
alma. Era também comum a utilização de vocábulos ligados ao místico e
ao religioso, como missal, breviário, hinos, salmos, entre outros.
Sugestão = Para a arte simbolista mais importante que nomear
as coisas era sugeri-las. Segundo os simbolistas os leitores é que
deveriam adivinhar o enigma de cada poema.
Imprecisão = Atrelada à característica anterior, a realidade
deveria ser expressa de maneira vaga e imprecisa. O Simbolismo
buscava a essência do ser humano, os estados da alma, o inconsciente.
Sinestesias = Na poesia simbolista era comum a presença de
sinestesias. A sinestesia é uma figura de linguagem que consiste na
fusão de várias sensações, sem que necessariamente haja lógica:
“Nasce a manhã, a luz tem cheiro ... Ei-la que assoma
Pelo ar sutil ... Tem cheiro a luz, a manhã nasce ...
Oh sonora audição colorida do aroma!”
Alphonsus de Guimaraens
Musicalidade = A poesia deveria se aproximar da música. Para
conseguirem essa aproximação os simbolistas usaram em grande escala
as figuras de linguagem associadas à sonoridade, como as rima, o eco,
a aliteração, entre outras. Daí a expressão simbolista: “A música antes
de qualquer coisa”.
Veja um exemplo de aliteração. Lembre-se de que a aliteração é
a repetição de sons consonantais:
“E as cantinelas de serenos sons amenos
fogem fluidas fluindo à fina flor dos fenos”.
Eugênio de Castro
Maiúsculas alegorizantes = Correspondem à utilização de
letras maiúsculas no meio do texto sem que haja alguma razão
gramatical para o seu uso. Elas são usadas para enfatizar as palavras:
“Indefiníveis músicas supremas,
Harmonias da Cor e do Perfume ...
Horas do Ocaso, trêmulas, extremas,
Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume ...”
Cruz e Souza
Procure identificar as características simbolistas no próximo texto:
Arte Poética
Paul Verlaine (tradução de Augusto de Campos)
Antes de tudo, a Música. Preza
Portanto, o Ímpar. Só cabe usar
O que é mais vago e solúvel no ar,
Sem nada em si que pousa ou que pesa.
Pesar palavras será preciso,
Mas com algum desdém pela pinça:
Nada melhor do que a canção cinza
Onde o Indeciso se une ao Preciso.
(...)
Pois a Nuance é que leva a palma,
Nada de Cor; somente a nuance!
Nuance, só, que nos afiance
O sonho ao sonho e a flauta na alma!
(...)
Que teu verso seja a aventura
Esparsa ao árdego ar da manhã
Que enchem de aroma o timo e a hortelã...
E todo o resto é literatura.
Nesse poema encontramos várias características simbolistas, entre
elas a musicalidade, a presença do sonho e a imprecisão na forma
de expressar a realidade.
II- SIMBOLISMO EM PORTUGAL – AUTORES
Veja os três maiores representantes do Simbolismo português:
* Eugênio de Castro
* Antônio Nobre
* Camilo Pessanha
A importância de Eugênio de Castro para o Simbolismo
português deve-se mais ao fato de ter sido ele o autor do marco inicial
do movimento. Antônio Nobre publicou um único livro, com um nome
bem sugestivo S ó. Só é um livro marcado pelo saudosismo e
sentimentalismo, além de apresentar uma rica musicalidade.
Mas Camilo Pessanha é o grande representante do Simbolismo
português:
Camilo Pessanha morou muito tempo em Macau, colônia portuguesa na China.
Contam os historiadores que ele era viciado em ópio e que retornou a Portugal para
tratar da saúde debilitada. Ele foi um dos poetas que mais influenciou o Modernismo
português.
Seus textos apresentavam uma linguagem moderna e precisa,
com temas ligados à fugacidade da vida. Eram comuns imagens de
naufrágios, rios e água. A freqüente recorrência à brevidade da vida,
deixou em seus textos um forte pessimismo.
Veja um fragmento de um de seus textos:
“Passou o Outono já, já torna o frio ...
_ Outono de seu riso magoado.
Álgido Inverno! Oblíquo o sol, gelado ...
_ O sol, e as águas límpidas do rio.
Águas claras do rio! Águas do rio,
Fugindo sob o meu olhar cansado,
Para onde me levais meu vão cuidado?
Aonde vais, meu coração vazio?(...)”
III – SIMBOLISMO NO BRASIL – AUTORES
No Brasil, o Simbolismo tem início em 1893, com a publicação de
Missal (textos em prosa) e Broquéis (poesias), de Cruz e Souza.
Didaticamente, permaneceu no cenário literário até 1902 quando ocorre
a publicação do livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, considerado o
texto introdutor do Pré-Modernismo.
Missal é o nome de um livro que contém orações utilizadas nas
missas e broquéis vem de broquel, tipo de um escudo espartano, numa
clara aproximação com o parnasianismo e seu gosto por objetos antigos.
O Simbolismo no Brasil não teve muita aceitação por parte do
público leitor. A maior parte dos leitores preferia os textos parnasianos.
Os parnasianos tinham a imprensa como aliada, pois seus poemas
vendiam muito mais. É por isso que se costuma dizer que o Brasil não
teve um momento tipicamente simbolista, ele ficou meio à margem da
literatura oficial da época.
Veja os maiores representantes do Simbolismo brasileiro:
* Cruz e Sousa
* Alphonsus de Guimaraens
Cruz e Sousa é considerado não só o maior poeta do Simbolismo
brasileiro, mas também um dos maiores representantes do Simbolismo
mundial:
Cruz e Sousa era chamado de “O cisne negro” ou “Dante negro”. Por ser negro
foi vítima de muitos preconceitos.
Partindo de seus sofrimentos enquanto homem negro, alcançou a
dor e o sofrimento do ser humano. Suas poesias eram marcadas por um
forte misticismo e religiosidade, na busca de um mundo mais
espiritualizado. Outra característica interessante de sua obra é a
recorrência direta e indireta à cor branca, vista na maioria das vezes
como símbolo da pureza. Cruz e Sousa escrevia muito sobre “véus
brancos”, “neve”, “luar”, “virginais brancores”, entre outras sugestões.
Veja um fragmento de um de seus textos mais conhecidos:
Violões que choram
Ah! Plangentes violões dormentes, mornos,
Soluços ao luar, choros ao vento...
Tristes perfis, os mais vagos contornos,
Bocas murmurejantes de lamento.
(...)
Sutis palpitações à luz da lua.
Anseio de momentos mais saudosos,
Quando lá choram na deserta rua
As cordas vivas dos violões chorosos.
Quando os sons dos violões vão soluçando.
Quando os sons dos violões nas cordas gemem,
E vão dilacerando e deliciando,
Rasgando as almas que nas sombras tremem.
(...)
Vozes veladas, veludosas vozes,
Volúpias dos violões, vozes veladas,
Vagam nos velhos vórtices velozes
Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas (...)”
Alphonsuns de Guimaraens é o outro representante do
Simbolismo brasileiro. Seus textos apresentavam uma temática variada:
a fuga da realidade, a natureza, a religiosidade, o amor espiritualizado,
a mulher, muitas vezes comparada à Virgem Maria.
IV – EXERCÍCIOS
1) (UNICID) – texto para questão 1.
Relembrando turíbulos de prata
Incensos aromáticos desata
Teu corpo ebúrneo, de sedosos flancos.
Claros incensos imortais que exalam,
Que lânguidas e límpidas trescalam
As luas virgens dos teus seios brancos.
(Cruz e Souza)
Os dois tercetos acima fazem parte do soneto “Incensos”, de Cruz
e Souza; neles observamos:
a) Associação do incenso e do tudo o mais que ele nos sugere ao
perfume exalado pelo corpo de uma mulher.
b) Musicalidade, valorização do inconsciente e do diáfano.
c) Afastamento do fato objetivo, sublimação alcançada pela
morte.
d) Linguagem carregada de símbolos, sentimentalismo piegas.
e) Amor espiritualizado que atesta o misticismo do poeta.
R:a
2) (ITA) – Leia com atenção as duas estrofes abaixo e compare-as
quanto ao conteúdo e à forma.
I
Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço; e a trama viva se construa
De tal modo que ninguém fique nua
Rica mas sóbria, como um templo grego.
II
Do Sonho as mais azuis diafaneidades
que fulijam, que na Estrofe se levantem
e as emoções, todas as castidades
Da alma do Verso, pelos versos cantem.
Comparando as duas estrofes, conclui-se que:
a) I é parnasiana e II, simbolista.
b) I é simbolista e II, romântica.
c) I é árcade e II, parnasiana.
d) I e II são parnasianas.
e) I e II são simbolistas.
R: a
Leia o fragmento do poema “Antífona”, de Cruz e Souza, e responda às
questões 3 e 4.
Ó Formas alvas, brancas, formas claras
De luares, de neves, de neblinas!...
Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas...
Incensos dos turíbulos das aras...
Formas do Amor, constelarmente puras,
De Virgens e de santas vaporosas...
Brilhos errantes, mádidas frescuras
E dolências de lírios e de rosas...
Indefiníveis músicas supremas,
Harmonias da Cor e do Perfume...
Horas do Ocaso, trêmulas, extremas,
Réquiem do Sol que a Dor da luz resume...
3) (PUC) – Esse trecho do poema, que abre o livro Broquéis, é
considerado uma espécie de profissão de fé simbolista. Reflita
sobre as afirmações abaixo.
I – O fragmento revela a preocupação do eu-lírico pelas formas
características pela cor branca, pelas cintilações, pela vaguidade,
pelo diáfano e pelo transparente.
II – O fragmento apresenta uma construção apoiada na
justaposição de frases nominais, com o intuito de descrever os
objetos com clareza.
III – O fragmento mostra alguns procedimentos estilísticos do
Simbolismo, com, por exemplo, a musicalidade das palavras, o
uso de reticências, o emprego de letras maiúsculas e a indefinição
do referente.
Conforme se verifica, está correto o que se afirma:
a) apenas em I e II;
b) apenas em I e III;
c) apenas em II e III;
d) apenas em I;
e) em I, II e III.
R: b
4) (PUC) No poema de Cruz e Sousa, ocorre o predomínio das
seguintes características:
a) invocações, simultaneidade de traços, dinamicidade, ausência de
seqüência temporal e descritor-observador;
b) explicações, seqüência de traços, estaticidade, seqüência
temporal e narrador-personagem;
c) explicações, seqüências de traços, dinamicidade, ausência de
conflito narrativo e ausência de narrador;
d) invocações, concomitância de traços, estaticidade, ausência de
conflito narrativo e ausência de narrador;
e) invocações, concomitância de traços, estaticidade, seqüência
temporal e descritor-observador.
R: a
5) (UNIP) Das alternativas abaixo, indique a que não se aplica ao
Simbolismo.
a) Procura evocar a realidade e não descreve-la minuciosamente.
b) O poeta evita que os sentimentos interfiram na abordagem da
realidade.
c) O valor musical dos signos lingüísticos é um efeito procurado pelos
poetas.
d) O Simbolismo mantém ligações com a poética romântica.
e) O tema da morte é valorizado pelos simbolistas.
R: b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugalJuliana Oliveira
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª faseJonatas Carlos
 
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fasejacsonufcmestrado
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaConnce Santana
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Jonatas Carlos
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasilWilliam Marques
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasilJonatas Carlos
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasilJuliana Oliveira
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosaJonatas Carlos
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européiaJuliana Oliveira
 
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanhaQuestões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanhama.no.el.ne.ves
 
Revisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismoRevisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismoma.no.el.ne.ves
 
Modernismo 1ª fase convertido
Modernismo 1ª fase convertidoModernismo 1ª fase convertido
Modernismo 1ª fase convertidoRosangelaCruz18
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04ma.no.el.ne.ves
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoProf Palmito Rocha
 
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalO Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalHipolito Ximenes
 

Mais procurados (20)

Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
3373897 literatura-aula-26-modernismo-no-brasil-3-fase
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
 
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanhaQuestões sobre clepsidra, de camilo pessanha
Questões sobre clepsidra, de camilo pessanha
 
Revisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismoRevisando simbolismo e parnasianismo
Revisando simbolismo e parnasianismo
 
Modernismo 1ª fase convertido
Modernismo 1ª fase convertidoModernismo 1ª fase convertido
Modernismo 1ª fase convertido
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
 
Camilo Pessanha
Camilo PessanhaCamilo Pessanha
Camilo Pessanha
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em PortugalO Realismo e o Naturalismo em Portugal
O Realismo e o Naturalismo em Portugal
 

Semelhante a Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil

Semelhante a Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil (20)

simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo 2
Simbolismo 2Simbolismo 2
Simbolismo 2
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
 
Simbolismo[1]
Simbolismo[1]Simbolismo[1]
Simbolismo[1]
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
Simbolismo Site
Simbolismo SiteSimbolismo Site
Simbolismo Site
 
O que é simbolismo
O que é simbolismoO que é simbolismo
O que é simbolismo
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Literatura simbolismo
Literatura   simbolismoLiteratura   simbolismo
Literatura simbolismo
 
Mito e poesia
Mito e poesiaMito e poesia
Mito e poesia
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européiaJonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasilJonatas Carlos
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativaJonatas Carlos
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadasJonatas Carlos
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismoJonatas Carlos
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneoJonatas Carlos
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova repúblicaJonatas Carlos
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populistaJonatas Carlos
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundialJonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (18)

Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismo
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
 
Aula 24 da república militar à nova república
Aula 24   da república militar à nova repúblicaAula 24   da república militar à nova república
Aula 24 da república militar à nova república
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populista
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundial
 

Último

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 

Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil

  • 1. AULA 18 – LITERATURA PROFª Edna Prado SIMBOLISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I – CARACTERÍSTICAS O Simbolismo, assim como o Realismo-Naturalismo e o Parnasianismo, é um movimento literário do final do século XIX . Para começarmos nossas reflexões veja a próxima imagem: Essa imagem é uma conhecida tela de Monet, chamada Nenúfares – Reflexos verdes. Ela nos apresenta uma característica marcante do Simbolismo: repare que não há uma definição da imagem. O que vemos são apenas contornos. Monet apenas sugere o que pode ser a realidade. No Simbolismo, ao contrário do Realismo, não há uma preocupação com a representação fiel da realidade, a arte preocupa-se com a sugestão. O Simbolismo é justamente isso, sugestão e intuição. É também a reação ao Realismo/Naturalismo/Parnasianismo, é o resgate da
  • 2. subjetividade, dos valores espirituais e afetivos. Percebe-se no Simbolismo uma aproximação com os ideais românticos, entretanto, com uma profundidade maior, os simbolistas preocupavam-se em retratar em seus textos o inconsciente, o irracional, com sensações e atitudes que a lógica não conseguia explicar. O leitor não deveria tentar entender os textos, mas se deixar levar pelas sensações. Em Portugal, esse movimento literário tem início, em 1890, com a publicação do poema Oaristos, de Eugênio de Castro. (Oaristo é um termo grego que significa “diálogo íntimo” ou “diálogo amoroso”). Entre as principais características parnasianas estão: • Espiritualismo e Misticismo • Sugestão • Imprecisão • Sinestesias • Musicalidade • Maiúsculas alegorizantes Espiritualismo e Misticismo = Para os simbolistas a arte era uma forma de religião. Os textos simbolistas apresentam muitas vezes uma visão cristã. Era comum a distinção entre corpo e alma e o desejo de purificação, de sublimação: anulação da matéria para a libertação da alma. Era também comum a utilização de vocábulos ligados ao místico e ao religioso, como missal, breviário, hinos, salmos, entre outros. Sugestão = Para a arte simbolista mais importante que nomear as coisas era sugeri-las. Segundo os simbolistas os leitores é que deveriam adivinhar o enigma de cada poema.
  • 3. Imprecisão = Atrelada à característica anterior, a realidade deveria ser expressa de maneira vaga e imprecisa. O Simbolismo buscava a essência do ser humano, os estados da alma, o inconsciente. Sinestesias = Na poesia simbolista era comum a presença de sinestesias. A sinestesia é uma figura de linguagem que consiste na fusão de várias sensações, sem que necessariamente haja lógica: “Nasce a manhã, a luz tem cheiro ... Ei-la que assoma Pelo ar sutil ... Tem cheiro a luz, a manhã nasce ... Oh sonora audição colorida do aroma!” Alphonsus de Guimaraens Musicalidade = A poesia deveria se aproximar da música. Para conseguirem essa aproximação os simbolistas usaram em grande escala as figuras de linguagem associadas à sonoridade, como as rima, o eco, a aliteração, entre outras. Daí a expressão simbolista: “A música antes de qualquer coisa”. Veja um exemplo de aliteração. Lembre-se de que a aliteração é a repetição de sons consonantais: “E as cantinelas de serenos sons amenos fogem fluidas fluindo à fina flor dos fenos”. Eugênio de Castro Maiúsculas alegorizantes = Correspondem à utilização de letras maiúsculas no meio do texto sem que haja alguma razão gramatical para o seu uso. Elas são usadas para enfatizar as palavras: “Indefiníveis músicas supremas, Harmonias da Cor e do Perfume ... Horas do Ocaso, trêmulas, extremas, Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume ...” Cruz e Souza
  • 4. Procure identificar as características simbolistas no próximo texto: Arte Poética Paul Verlaine (tradução de Augusto de Campos) Antes de tudo, a Música. Preza Portanto, o Ímpar. Só cabe usar O que é mais vago e solúvel no ar, Sem nada em si que pousa ou que pesa. Pesar palavras será preciso, Mas com algum desdém pela pinça: Nada melhor do que a canção cinza Onde o Indeciso se une ao Preciso. (...) Pois a Nuance é que leva a palma, Nada de Cor; somente a nuance! Nuance, só, que nos afiance O sonho ao sonho e a flauta na alma! (...) Que teu verso seja a aventura Esparsa ao árdego ar da manhã Que enchem de aroma o timo e a hortelã... E todo o resto é literatura. Nesse poema encontramos várias características simbolistas, entre elas a musicalidade, a presença do sonho e a imprecisão na forma de expressar a realidade.
  • 5. II- SIMBOLISMO EM PORTUGAL – AUTORES Veja os três maiores representantes do Simbolismo português: * Eugênio de Castro * Antônio Nobre * Camilo Pessanha A importância de Eugênio de Castro para o Simbolismo português deve-se mais ao fato de ter sido ele o autor do marco inicial do movimento. Antônio Nobre publicou um único livro, com um nome bem sugestivo S ó. Só é um livro marcado pelo saudosismo e sentimentalismo, além de apresentar uma rica musicalidade. Mas Camilo Pessanha é o grande representante do Simbolismo português: Camilo Pessanha morou muito tempo em Macau, colônia portuguesa na China. Contam os historiadores que ele era viciado em ópio e que retornou a Portugal para tratar da saúde debilitada. Ele foi um dos poetas que mais influenciou o Modernismo português.
  • 6. Seus textos apresentavam uma linguagem moderna e precisa, com temas ligados à fugacidade da vida. Eram comuns imagens de naufrágios, rios e água. A freqüente recorrência à brevidade da vida, deixou em seus textos um forte pessimismo. Veja um fragmento de um de seus textos: “Passou o Outono já, já torna o frio ... _ Outono de seu riso magoado. Álgido Inverno! Oblíquo o sol, gelado ... _ O sol, e as águas límpidas do rio. Águas claras do rio! Águas do rio, Fugindo sob o meu olhar cansado, Para onde me levais meu vão cuidado? Aonde vais, meu coração vazio?(...)” III – SIMBOLISMO NO BRASIL – AUTORES No Brasil, o Simbolismo tem início em 1893, com a publicação de Missal (textos em prosa) e Broquéis (poesias), de Cruz e Souza. Didaticamente, permaneceu no cenário literário até 1902 quando ocorre a publicação do livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, considerado o texto introdutor do Pré-Modernismo. Missal é o nome de um livro que contém orações utilizadas nas missas e broquéis vem de broquel, tipo de um escudo espartano, numa clara aproximação com o parnasianismo e seu gosto por objetos antigos. O Simbolismo no Brasil não teve muita aceitação por parte do público leitor. A maior parte dos leitores preferia os textos parnasianos. Os parnasianos tinham a imprensa como aliada, pois seus poemas vendiam muito mais. É por isso que se costuma dizer que o Brasil não teve um momento tipicamente simbolista, ele ficou meio à margem da literatura oficial da época.
  • 7. Veja os maiores representantes do Simbolismo brasileiro: * Cruz e Sousa * Alphonsus de Guimaraens Cruz e Sousa é considerado não só o maior poeta do Simbolismo brasileiro, mas também um dos maiores representantes do Simbolismo mundial: Cruz e Sousa era chamado de “O cisne negro” ou “Dante negro”. Por ser negro foi vítima de muitos preconceitos. Partindo de seus sofrimentos enquanto homem negro, alcançou a dor e o sofrimento do ser humano. Suas poesias eram marcadas por um forte misticismo e religiosidade, na busca de um mundo mais espiritualizado. Outra característica interessante de sua obra é a recorrência direta e indireta à cor branca, vista na maioria das vezes
  • 8. como símbolo da pureza. Cruz e Sousa escrevia muito sobre “véus brancos”, “neve”, “luar”, “virginais brancores”, entre outras sugestões. Veja um fragmento de um de seus textos mais conhecidos: Violões que choram Ah! Plangentes violões dormentes, mornos, Soluços ao luar, choros ao vento... Tristes perfis, os mais vagos contornos, Bocas murmurejantes de lamento. (...) Sutis palpitações à luz da lua. Anseio de momentos mais saudosos, Quando lá choram na deserta rua As cordas vivas dos violões chorosos. Quando os sons dos violões vão soluçando. Quando os sons dos violões nas cordas gemem, E vão dilacerando e deliciando, Rasgando as almas que nas sombras tremem. (...) Vozes veladas, veludosas vozes, Volúpias dos violões, vozes veladas, Vagam nos velhos vórtices velozes Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas (...)” Alphonsuns de Guimaraens é o outro representante do Simbolismo brasileiro. Seus textos apresentavam uma temática variada: a fuga da realidade, a natureza, a religiosidade, o amor espiritualizado, a mulher, muitas vezes comparada à Virgem Maria.
  • 9. IV – EXERCÍCIOS 1) (UNICID) – texto para questão 1. Relembrando turíbulos de prata Incensos aromáticos desata Teu corpo ebúrneo, de sedosos flancos. Claros incensos imortais que exalam, Que lânguidas e límpidas trescalam As luas virgens dos teus seios brancos. (Cruz e Souza) Os dois tercetos acima fazem parte do soneto “Incensos”, de Cruz e Souza; neles observamos: a) Associação do incenso e do tudo o mais que ele nos sugere ao perfume exalado pelo corpo de uma mulher. b) Musicalidade, valorização do inconsciente e do diáfano. c) Afastamento do fato objetivo, sublimação alcançada pela morte. d) Linguagem carregada de símbolos, sentimentalismo piegas. e) Amor espiritualizado que atesta o misticismo do poeta. R:a 2) (ITA) – Leia com atenção as duas estrofes abaixo e compare-as quanto ao conteúdo e à forma. I Mas que na forma se disfarce o emprego Do esforço; e a trama viva se construa De tal modo que ninguém fique nua Rica mas sóbria, como um templo grego. II Do Sonho as mais azuis diafaneidades que fulijam, que na Estrofe se levantem e as emoções, todas as castidades Da alma do Verso, pelos versos cantem. Comparando as duas estrofes, conclui-se que:
  • 10. a) I é parnasiana e II, simbolista. b) I é simbolista e II, romântica. c) I é árcade e II, parnasiana. d) I e II são parnasianas. e) I e II são simbolistas. R: a Leia o fragmento do poema “Antífona”, de Cruz e Souza, e responda às questões 3 e 4. Ó Formas alvas, brancas, formas claras De luares, de neves, de neblinas!... Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas... Incensos dos turíbulos das aras... Formas do Amor, constelarmente puras, De Virgens e de santas vaporosas... Brilhos errantes, mádidas frescuras E dolências de lírios e de rosas... Indefiníveis músicas supremas, Harmonias da Cor e do Perfume... Horas do Ocaso, trêmulas, extremas, Réquiem do Sol que a Dor da luz resume... 3) (PUC) – Esse trecho do poema, que abre o livro Broquéis, é considerado uma espécie de profissão de fé simbolista. Reflita sobre as afirmações abaixo. I – O fragmento revela a preocupação do eu-lírico pelas formas características pela cor branca, pelas cintilações, pela vaguidade, pelo diáfano e pelo transparente. II – O fragmento apresenta uma construção apoiada na justaposição de frases nominais, com o intuito de descrever os objetos com clareza. III – O fragmento mostra alguns procedimentos estilísticos do Simbolismo, com, por exemplo, a musicalidade das palavras, o uso de reticências, o emprego de letras maiúsculas e a indefinição do referente. Conforme se verifica, está correto o que se afirma: a) apenas em I e II;
  • 11. b) apenas em I e III; c) apenas em II e III; d) apenas em I; e) em I, II e III. R: b 4) (PUC) No poema de Cruz e Sousa, ocorre o predomínio das seguintes características: a) invocações, simultaneidade de traços, dinamicidade, ausência de seqüência temporal e descritor-observador; b) explicações, seqüência de traços, estaticidade, seqüência temporal e narrador-personagem; c) explicações, seqüências de traços, dinamicidade, ausência de conflito narrativo e ausência de narrador; d) invocações, concomitância de traços, estaticidade, ausência de conflito narrativo e ausência de narrador; e) invocações, concomitância de traços, estaticidade, seqüência temporal e descritor-observador. R: a 5) (UNIP) Das alternativas abaixo, indique a que não se aplica ao Simbolismo. a) Procura evocar a realidade e não descreve-la minuciosamente. b) O poeta evita que os sentimentos interfiram na abordagem da realidade. c) O valor musical dos signos lingüísticos é um efeito procurado pelos poetas. d) O Simbolismo mantém ligações com a poética romântica. e) O tema da morte é valorizado pelos simbolistas. R: b