SlideShare uma empresa Scribd logo
1



    A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA OPERACIONAL E GERENCIAL PARA AS
                         INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS




    THE IMPORTANCE OF THE AUDIT AND OPERATIONAL MANAGEMENT FOR
                           PUBLIC AND PRIVATE INSTITUTIONS




                                                      Mario Ferreira Neto; netoferreiramario@hotmail.com1
                                           Deise Regina Cabrera - CRA/GO 15021; pradorey@hotmail.com2
                                          Derival Alves Ferro - CRC/GO 16079; derivalferro@hotmail.com3
                                        Orientador - Prof. Dr. Antônio de Loureiro Gil; algilgil@uol.com.br4
                                                  MBA em Perícia Judicial e Auditoria – IPECON/PUC-GO




RESUMO
         A auditoria em estudo tem se destacado como uma eficiente ferramenta de apoio e
controle de desempenhos e de resultados da administração das organizações governamentais e
não governamentais, por ser uma atividade universal.
         O texto deste artigo tem como objetivo primordial demonstrar a importância da
auditoria operacional e gerencial nas instituições públicas ou privadas, subsidiariamente tem
objetivo de analisar a contribuição da auditoria operacional e de gestão para as entidades
públicas ou privadas, por meio de suas normas, visando evidenciar a economicidade, a
eficácia e a eficiência do processo/produto dessas normas dentro destas organizações e
verificar se as normas são ou não cumpridas, bem como identificar as vantagens dessa
auditoria para a administração das instituições públicas, privadas ou não-governamentais, de
caráter filantrópico, política, religiosa, social, entre outras.

1 Especializando da Pós-Graduação: MAB em Perícia Judicial e Auditoria – PUC-GO/IPECON.
2 Especializanda da Pós-Graduação: MAB em Perícia Judicial e Auditoria – PUC-GO/IPECON.
3 Especializando da Pós-Graduação: MAB em Perícia Judicial e Auditoria – PUC-GO/IPECON.
4 Professor Mestre e Doutor pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São

Paulo – FEA/USP.
2



         As modalidades de auditoria em estudo tem se destacado com uma eficiente
ferramenta de apoio e controle do desempenho e dos resultados da administração das
organizações governamentais e não-governamentais, por ser uma atividade universal.
         A fundamentação teórica da auditoria foi alicerçada em diversas teorias, que
abordam as questões relacionadas com auditoria operacional e de gestão, onde as funções
administrativas de planejamento – estabelecimento de objetivos e processos necessários ao
fornecimento de resultados de acordo com os requisitos e políticas pré-determinadas;
execução – implementar as ações necessárias; controle – monitorar e medir os processos e os
produtos em relação às políticas, aos objetivos e aos requisitos estabelecidos e relatar os
resultados; ação – executar ações para promover continuamente a melhoria dos processos.
Esta ferramenta leva o nome de ciclo PDCA (Planejar - plan, Executar - do, Controlar - check,
Agir - act).
         A função básica da auditoria operacional e gerencial é elaborar diagnósticos que
permitam visualizar e avaliar a situação da instituição ou organização público-privada
auditada de acordo com o desempenho relativo ao funcionamento e desenvolvimento das
atividades e à utilização dos recursos e meios da maneira mais eficiente, com economicidade
para atingir a eficácia. A auditoria operacional e de gestão é uma ferramenta de elevado
potencial no gerenciamento e na redução de riscos e fraudes, garantindo a economicidade, a
eficiência e a eficácia dos seus resultados.


PALAVRAS-CHAVE:             Auditoria.    Controle.   Economicidade.   Eficácia.   Eficiência.
Efetividade. Gestão. Operacional. Produtividade.


ABSTRACT
The audit study has emerged as an efficient tool support and control performance and
results of the administration of governmental and nongovernmental organizations, as it is a
universal activity.
The text of this article aims to demonstrate the paramount importance of auditing and
management in public or private institutions, the alternative is to analyze the contribution
of auditing and management for both public and private, through its rules, aimed at
highlighting the economy, efficiency and effectiveness of the process / product standards
within these organizations and see if these standards are not met, and identify the
advantages of this audit for the administration of public, private or non-governmental,
philanthropic, political, religious, social, among others.
3



The arrangements for audit study has excelled with an efficient tool to support and control
the performance and results of the administration of government and non-governmental, as
a universal activity.
The theoretical basis of the audit was rooted in several theories that address issues related
to auditing and management, where the administrative functions of planning - setting
objectives and processes necessary to provide results in accordance with the requirements
and policies predetermined ; implementation - implement the necessary actions, control -
monitor and measure processes and product against policies, objectives and requirements
and report results; action - take actions to continually improve processes. This tool takes
the name of the PDCA cycle (Plan - plan, Run - do, Check - Check, Act - act).
The basic function of auditing and management is to develop diagnostics that allow
viewing and evaluating the situation of the institution or organization public / private
audited in accordance with the performance on the operation and development of activities
and use of resources and the most efficient way, with economy to achieve efficacy.
Performance auditing and management is a tool with great potential in managing and
reducing risk and fraud, ensuring economy, efficiency and effectiveness of their results.


KEY-WORDS:         Audit.   Control.   Economy.   Effectiveness.   Efficiency.   Effectiveness.
Management. Operational. Productivity.


INTRODUÇÃO
         A nominada terceira revolução industrial não está relacionada ao aço, ao carvão, a
eletricidade ou ao petróleo, mas está ligada a informação e, posteriormente ao conjunto destas
informações sedimentadas em conhecimento, capazes de fornecer subsídios aos sistemas
eletrônicos e intelecto humano que deverão administrar e gerenciar mais eficaz/eficiente os
processos/produtos atinentes aos recursos econômicos, humanos, materias e tecnológicos em
relação aos bens, produtos e serviços cada vez mais escassos.
         Com a evolução da instituição/organização, ao atingir determinada aparência ou
nível de expansão, por mais que o administrador ou gestor controle ou fiscalize os
procedimentos e rotinas estabelecidas nas normas ou regimentos da entidade, a eficácia estará
comprometida. Á medida que a instituição/organização se expande, as possibilidades de perda
de valores ou de comprometimento de produtividade aumentam, quando, as operações
diversificam-se, os departamentos de administração e de gestão geralmente são deslocados
para outros endereços. Não há mais condições para que uma pessoa ou um pequeno grupo de
4



pessoas detenham o controle administrativo e/ou operacional de um complexo organizacional
onde haja garantia de total proteção.
         As transformações ocorridas no perfil da sociedade brasileira exigem o
redimensionamento do Estado, bem como das Empresas Privadas; as experiências recentes
que envolvem modelos alternativos de administração e gestão pública e privada exigem
mudanças que têm evidenciado o fortalecimento da necessidade de auditoria operacional e de
gestão na administração das diversas organizações.
         São consideráveis as transformações que vêm ocorrendo no mundo das organizações
em face da globalização, exigindo cada vez mais, a busca por novas estratégias para garantir a
sobrevivência. A auditoria operacional e de gestão tem se destacado como uma importante
ferramenta administrativa que visa constituir um controle gerencial com atuação na
verificação, no exame e na avaliação da eficácia nos controles.
         Esse paradigma emergente da administração e da gestão público-privada, entre
outros aspectos, enfatiza os ideais de democracia e cidadania, ressaltando a participação e o
controle da sociedade civil sobre a administração.
         Um dos principais problemas que atinge tanto as instituições da administração
pública quanto privada são os desvios, erros, falhas e fraudes que são denominadas de
corrupção; procedimento este que está relacionado com a falta de controle adequado sobre um
determinado processo, implicando em um conjunto de atos que provocam a utilização
indevida do processo e dos recursos pertencentes às entidades, seja para benefício próprio ou
de terceiros.
         Nesse contexto de mudanças onde o cidadão é elevado a um patamar maior de
destaque no planejamento, execução, controle e auditoria, tanto na condução das políticas
públicas como nas empresas privadas, impõe-se a qualificação operacional e da gestão,
principalmente no que concerne ao correto diagnóstico, à implementação e ao
acompanhamento dos resultados das políticas, de forma consistente e sistemática.
         A auditoria - chamada independente - quanto interna tem muito a colaborar na
administração operacional e de gestão das entidades públicas e privadas. A complexidade
operacional e as demandas geradas por controles do patrimônio exige um acompanhamento
efetivo por parte dos administradores, acionistas, controladores, fornecedores e dos gestores
de capital.
         A auditoria operacional também chamada de auditoria de desempenho (visa
examinar as atividades dentro de aspectos de economicidade, eficácia e eficiência) e da
auditoria de resultados ou de gestão, tem seu foco no processo de gestão. Não atua na busca
5



de irregularidades - como acontece com as modalidades de auditoria de conformidade e
legalidade (visa examinar a conformidade e a legalidade das ações e dos atos de gestão dos
responsáveis pela administração em relação aos aspectos: contábil, financeiro, orçamentário e
patrimonial).
         Auditoria é uma atividade destinada a examinar, indagar, observar, questionar -
tendo como base o controle administrativo - para que possa assessorar a administração. Sua
principal função é avaliar, verificar economicidade, a eficácia e a eficiência dos controles para
levar informações e recomendações seguras aos interessados, respeitando os critérios de
conformidade, integridade e legalidade contábil, financeira, gerencial e operacional.
         O presente trabalho surgiu da necessidade de esclarecer a importância da Auditoria
Operacional e Gerencial para as instituições públicas ou privadas diante dos cenários hostis
que se configuram para as mesmas, em função da: competitividade em nível global; aumento
do nível de exigência dos consumidores/clientes; máxima necessidade de transparência no
cumprimento da responsabilidade política e social; dificuldades ou escassez de recursos
financeiros, humanos, materiais e tecnológicos.
         Procura ressaltar a importância e a relevância da auditoria operacional e de gestão no
cenário atual para as organizações públicas ou privadas como surgimento de proposta para
responder às exigências de um mundo empresarial abrangente e dinâmico e cujos
procedimentos podem ser aplicados pelas diversas áreas da organização.


TEMA
         A importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições públicas ou
privadas na tomada de decisões evidencia a necessidade da utilização das novas vertentes
dessa área de conhecimento, ao demonstrar suas definições e aplicações de forma clara e
abrangente.


JUSTIFICATIVA
         Desde o século passado, importantes mutações econômicas, filosóficas, religiosas,
políticas e sociais estão alterando características das diversas regiões do mundo, ampliando
conceitos para um mundo globalizado. Inovações tecnológicas e a informação disseminada de
forma muito rápida têm contribuído para o aumento da competitividade e a diminuição das
barreiras físicas entre as organizações em todo o mundo.
         Essas modificações têm induzido às instituições públicas ou privadas a se utilizarem,
cada vez mais, de novos métodos e procedimentos administrativos e de gestão, novos
6



processos/produtos, novas metodologias e projetos com alto índice de inovação, resultando na
reavaliação de diversos paradigmas.
           Tais transformações fazem com que, as instituições estatais ou privadas se focalizem
em seus objetivos, missões, metas, funções, finalidades alternativas para se manter no
mercado dos negócios com foco na competitividade cotidiana. Essa necessidade de assegurar
a continuidade das organizações também se reproduz e repercute na preocupação com a
qualidade, a produtividade e a inovação resultantes do conhecimento do trabalho operacional
e gerencial.
           Atualmente, são priorizadas as atividades fins para que as instituições públicas ou
privadas     possam    responder   com    economicidade,    efetividade,    eficácia,   eficiência,
produtividade e rapidez, às exigências do mercado de negócios e as necessidades dos
consumidores/usuários, transmitindo-se a outrem profissional a execução das atividades meio,
principalmente a auditoria. Nesta perspectiva, essas atividades atuam como participantes das
mutações processadas nas entidades estatais, paraestatais, privadas ou organizações para
avaliar os controles e recomendar ou sugerir as ações e os ajustes necessários nos sistemas e
procedimentos internos gerenciais.
           Com a evolução e competitividade dos mercados, cada vez mais as instituições
públicas e privadas estão na busca de novas tecnologias operacionais e de gestão, que
permitam a administração vislumbrar perspectivas futuras para a organização.
           É comum visualizar-se que boa parte das instituições seja pública ou privada não
conseguem cumprir adequadamente suas atribuições legais não só por falta de capacitação
adequada de seus funcionários (servidores técnicos), mas principalmente pela falta de uma
estrutura organizacional eficiente. Essa deficiência é mais visível quando ocorrem alterações
na atuação institucional oriundas de novas exigências impostas pela sociedade competitiva do
mercado, que implicam em novos conhecimentos técnico-científicos e novas habilidades
comportamentais das pessoas que compõem tais organizações, pois ainda que as pessoas se
adaptem mais facilmente a essas novas exigências, as estruturas organizacionais tendem a
perpetuar o “status quo”.
           A evidência pode ser obtida, durante a auditoria operacional e de gestão, com ênfase
sobre aquelas ações, atividades, processos/produtos e tarefas onde a intervenção humana pode
ter um impacto maior. O profissional da auditoria pode analisar as instruções de trabalho,
atividades de testes, inspeções ou monitoramento, registros da análise crítica da gerência,
definições de responsabilidades e autoridades, registros de não-conformidades, relatórios de
auditorias, reclamações de clientes, registros de validação de processos.
7



          A relevância desse trabalho apresenta importantes dimensões: a) os benefícios
ocasionados para a administração e gestão das instituições de um modo geral; b) as
contribuições para o desenvolvimento da administração, ciência contábil e áreas afins de
conhecimento; c) contribuir com a melhoria do desempenho da atividade econômico
administrativa proporcionando o equilíbrio das funções patrimoniais para acarretar nos
resultados operacionais no aperfeiçoamento do estudo e otimização da auditoria operacional e
de gestão; d) servir-se de instrumento para futuros aprofundamentos relacionados ao tema.
          Os ciclos e controles das instituições organizacionais podem focar no universo
pertinente a determinada área, departamento, órgão ou setor, mas não sempre integrada e
relacionada harmoniosamente com outras áreas.
          Os resultados de uma auditoria operacional e de gestão trazem uma visão global
dessas áreas, departamentos, órgãos, segmentos ou setores das instituições pública ou privada,
dessa forma podem contribuir para a otimização dos processos/produtos.


PROBLEMAS
          Que tipo de informação é importante ou relevante para a auditoria operacional e de
gestão?
          Quais os resultados que se podem alcançar com a implantação da auditoria
operacional e de gestão nas instituições públicas ou privadas?
          Como auditar a “competência” e a eficácia das ações tomadas pelos administradores-
gestores?
          Qual a relevância da auditoria operacional e de gestão como instrumento de
assessoramento na avaliação dos controles?
          Qual a importância ou a utilidade da auditoria operacional e de gestão para a
continuidade operacional das políticas públicas e dos negócios?


HIPÓTESES
          A hipótese básica é que tanto a auditoria operacional quanto a de gestão são
atividades afetas ao processo/produto que modernizaram o perfil das modalidades de auditoria
e vieram para somar no processo operacional e de gestão de uma entidade pública ou privada.
          A auditoria não vive somente de dados passados, a auditoria operacional e de gestão
basicamente é alicerçada do passado para o presente enquanto a auditoria gerencial é
fundamentada no presente para o futuro, pois a tomada de decisões é somente para frente,
porque não se decide com a informação, mas com conhecimento.
8



         Dentro das várias ramificações interessantes da auditoria operacional e de gestão,
talvez a que agregue maior valor aos interessados seja a auditoria de gestão, porque a
matemática faz com que o ser humano audita para conseguir atingir o futuro, pois o risco é
um cálculo matemático no evento futuro.
         O critério é à base do julgamento. Os trabalhos de auditoria operacional e de gestão
envolvem a aplicação explícita ou implícita de alguns critérios por meio dos quais o
profissional de auditoria irá julgar o comportamento da atividade, da organização ou do
projeto que está sendo avaliado, examinado ou verificado, com vistas a auxiliar aquele
profissional a fazer algum julgamento ou recomendação.
         A auditoria operacional e de gestão tem a pretensão de analisar o planejamento, a
organização e os sistemas internos de controle administrativo e avaliar a eficiência, a
economicidade e a produtividade com que são utilizados os recursos financeiros, humanos e
materiais.
         A auditoria operacional e de gestão é um instrumento de significativa importância no
assessoramento e contribuição da avaliação dos ciclos e controles nas entidades
organizacionais públicas ou privadas.


METODOLOGIA
         A metodologia utilizada foi o estudo, a interpretação e a revisão bibliográfica dos
diversos autores das mais variadas áreas de auditorias em todo o referencial teórico e em
alguns periódicos especializados, a partir de materiais já publicados (artigos, livros e sites
especializados) analisando-se os métodos comparativos, dedutivos e bibliográficos com a
utilização de fontes primárias e secundárias, examinando a atuação da auditoria operacional e
de gestão como um instrumento de assessoramento e contribuição dos ciclos e controles,
analisando o processo de mudanças de paradigmas na concepção e evolução da auditoria,
mostrando objetivos e finalidades, buscando também nesse estudo aspectos atuais de trabalho.
         Esse procedimento metodológico para este trabalho foi de caráter qualitativo, no
âmbito da abordagem da atuação da auditoria operacional e de gestão como instrumento de
assessoramento dos ciclos e controles.


OBJETIVOS GERAIS
         Assessorar no desempenho de suas funções e responsabilidades, de acordo com o
planejamento, com o programa de trabalho, avaliando se a organização, o departamento, as
atividades, os sistemas, os controles, as funções ou as operações estão alcançando os objetivos
9



das instituições ou das organizações públicas ou privadas na busca da economicidade,
eficácia, eficiência e produtividade.
           Verificar, diretamente, a importância e a relevância da auditoria operacional e de
gestão e indiretamente a essencialidade da auditoria interna ou externa, suas contribuições
para a melhoria dos procedimentos operacionais e gerenciais das organizações públicas ou
privadas.
           Demonstrar a importância da participação da auditoria operacional e de gestão no
assessoramento e contribuição da avaliação dos ciclos e controles nas instituições pública e
privada.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
           Analisar a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições
pública ou privada afetas à economicidade, efetividade, eficácia e eficiência do planejamento,
execução, controle e auditoria;
           Assessorar os membros da administração e da gestão de uma instituição a exercer de
forma efetiva e produtiva suas responsabilidades, fornecendo-lhes análises objetivas,
recomendações e outros comentários pertinentes às atividades revisadas;
           Examinar minuciosamente a posição hierárquica da auditoria operacional e de gestão
na estrutura organizacional das instituições pública ou privada;
           Comparar os objetivos e finalidades da auditoria operacional e de gestão com a
auditoria interna e externa, independente;
           Identificar os tipos de ciclos e controles utilizadas pelas instituições públicas ou
privadas;
           Identificar as normas e órgãos relacionados à auditoria operacional e de gestão e os
instrumentos de análise utilizados pela auditoria na avaliação dos ciclos e controles;
           Distinguir os modelos, procedimentos e técnicas da auditoria operacional e de gestão
aplicável a todas as áreas das organizações estatais, paraestatais e privadas;
           Identificar as barreiras encontradas na implantação da auditoria operacional e de
gestão na estrutura das instituições públicas ou privadas;
           Observar minuciosa e criticamente a eficiência e a eficácia das ações tomadas para
satisfazer as necessárias competências;
           Reconhecer a relevância da auditoria operacional e de gestão como uma ferramenta
indispensável para a segurança na tomada de decisões administrativas e gerenciais das
instituições.
10




A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA OPERACIONAL E DE GESTÃO
         A evolução da auditoria surgiu com o desenvolvimento econômico-industrial que
impulsionou as grandes empresas, formadas por capitais de diversas pessoas que buscaram
nos princípios gerais de contabilidade e matemática financeira controlar e proteger o seu
patrimônio.
         A Revolução Industrial na segunda metade do século XVIII veio consolidar a
necessidade da auditoria nas instituições tanto privadas quanto públicas devido ao aumento da
complexidade societária pela abertura do capital a terceiros como pela instituição de impostos
e taxas às empresas com base nos lucros para constituir-se as rendas (receitas) do Estado.
         No Brasil, a auditoria emergiu com a instalação das empresas multinacionais,
principalmente no período do Governo de Getúlio Vargas que iniciou a empenhar-se na luta
para reverter o excessivo predomínio das atividades ruralistas e o domínio dos grandes
produtores agrícolas.
         As inovações administrativas e gerenciais que decorreram da nova cultura
operacional e organizacional conduzida pelas empresas multinacionais, consideram-se como o
grande incentivo para a auditoria no Brasil, passando a representar a profissionalização do
setor empresarial e acabou por enraizar-se também no setor público, no qual cada vez mais se
impõe a prática do ciclo da qualidade de organização do processo/produto: planejamento,
execução, controle e auditoria.
         Um dos tipos de auditoria é a auditoria operacional e de gestão, as quais
conjuntamente consistem em revisões metódicas de ações, atividades, metas, processos,
programas, projetos ou segmentos operacionais e gerenciais dos setores público ou privado,
com a finalidade de avaliar, comunicar e examinar (verificar) se os recursos das instituições
são utilizados com economicidade (comprovação da justificativa econômica do ato praticado
pelo administrador-gestor), efetividade, eficácia e eficiência, se estão sendo atingidos os
objetivos operacionais e de gestões propostos e desejados, bem como se há produtividade na
operacionalização e na gestão destas instituições.
         A auditoria operacional consiste na avaliação dos critérios, mecanismos,
parâmetros e procedimentos de controle adotados por uma instituição, certificando a sua
regularidade, por meio de estudos e exames de documentação comprobatória das ações, dos
atos e fatos administrativos e a verificação da eficiência dos sistemas de controles
administrativo, contábil, operacional e organizacional.
         Auditoria neste aspecto é chamada de auditoria de conformidade e legalidade.
11



        A auditoria operacional auxilia a administração-gestão no gerenciamento e nos
resultados, por meio de recomendações ou sugestões que visem aprimorar parâmetros e
procedimentos, melhorar controles, aumentar e partilhar a responsabilidade gerencial.
        Há mais de 35 anos, Cook (1976) a auditoria operacional e de gestão, já era
considerada como:
        “Um exame e uma avaliação abrangente das operações de uma empresa, com a finalidade de
        informar a administração se as várias atividades são ou não cumpridas de um modo compatível
        às políticas estabelecidas, com vistas à consecução dos objetivos”.


        O citado autor explicita que está correlacionado a auditoria operacional e de gestão,
uma avaliação da utilização de recursos financeiros, humanos, materiais e tecnológicos, bem
como uma recomendação ou sugestão dos critérios ou procedimentos operacionais e
gerenciais. Essa auditoria deve compreender as recomendações ou sugestões para soluções de
problemas e dos métodos para aumentarem a eficiência e os lucros.
        Entende Haller (1986) que a auditoria operacional define-se:
        “Revisões metódicas de programas, organizações, atividades ou segmentos operacionais dos
        setores público e privado, com finalidade de avaliar e comunicar se os recursos da organização
        estão sendo usados eficientemente e se estão sendo alcançados os objetivos operacionais”.


        A auditoria operacional pode ser considerada como um processo/produto, isto é,
relação entre custos e gastos com bens e serviços de avaliação do desempenho real em
comparação com o desempenho previsto, conduzindo-se a recomendações ou sugestões
destinadas a melhorar este desempenho.
        De acordo com Sá (1998, p. 449), a Auditoria Operacional é a “auditoria que visa
ao exame do desempenho administrativo em face do patrimônio em gestão”.
        Segundo Crepaldi (2000, p. 32), a Auditoria Operacional:
        “Consiste de revisões metodológicas de programas, atitudes ou segmentos operacionais dos
        setores públicos e privados, com a finalidade de avaliar e comunicar se os setores da
        organização estão sendo usados eficientemente e se estão sendo alcançados os objetivos
        operacionais”.


        Conforme Gil (1999, p. 13), a Auditoria Operacional e de Gestão:
        “é função organizacional de revisão, avaliação e emissão de opinião quanto ao ciclo
        administrativo (planejamento, execução e controle) em todos os momentos/ambientes das
        entidades”.


        Citado autor entende que os resultados exercidos em uma linha de negócios, produtos
ou serviços, podem ser analisados no horizonte temporal passado/presente pela auditoria
12



operacional e no horizonte presente/futuro pela auditoria de gestão, obtendo-se momentos de
auditoria a nível operacional e de gestão.
          No interior dos níveis encontram-se processos e resultados; sequências de atividades
e tarefas, produtos e serviços; realização de ações e atividades administrativas, contábeis e
financeiras, de planejamentos e pesquisas, desenvolvimento de novos sistemas e tecnologias,
qualidade de execução, de informações e de contrainformações.
          Por outra face, a auditoria operacional governamental é a avaliação acerca da
economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade dos departamentos, órgãos ou
setores auditados; programas e projetos de governo; ações e atividades ou segmentos das
políticas públicas, empenhando-se em auxiliar a administração pública direta ou indireta no
gerenciamento e nos resultados, por meio de recomendações ou resoluções (determinações)
que visem aperfeiçoar os métodos e procedimentos, melhorar os controles de desempenho e
resultados, aumentar e distribuir a responsabilidade de administração e de gestão.
          Por estes conceitos, restam demonstrados de maneira abrangente a importância, as
finalidades e os objetivos da Auditoria Operacional e de Gestão dentro das instituições.
Assim, analisando os conceitos mencionados, pode-se afirmar taxativamente que a auditoria
operacional e de gestão é uma ferramenta ou um instrumento, por utilizar-se de
procedimentos e técnicas específicas, de maneira eficaz e eficiente na administração e na
gestão das instituições, se operacionalizados e realizados adequada e corretamente.
          Neste sentido tem por objetivo avaliar e fiscalizar as informações a respeito da
utilização adequada e correta ou não dos recursos contábil-financeiros, humanos, materiais e
tecnológicos das instituições; emitir opiniões, recomendações ou sugestões técnico-
profissionais dos resultados obtidos durante a realização dos trabalhos, apresentando-os
imparcialmente à administração e a gestão das instituições.
          A auditoria operacional e de gestão também tem por finalidade auxiliar a
administração e a gestão de uma empresa ou entidade ou organização, examinando os
procedimentos internos em busca de atingir maior economicidade, efetividade, eficácia,
eficiência e produtividade, através de análises, estudos e exames entre períodos com critérios
e métodos para recomendar ou sugerir melhorias para cada setor ou órgão analisado-auditado.
          A auditoria se aplica aos diversos tipos de instituições pública ou privada, de
variados ramos de atividades, por utilizar-se de informações e registros contábeis e gerenciais
para avaliar os custos, os benefícios, as despesas, os rendimentos e os prejuízos, buscando
indispensavelmente a otimização para o desempenho operacional da administração e da
gestão.
13



         Um dos pontos relevantes da auditoria operacional e de gestão é por ser um novo
enfoque da auditoria, diferenciando-se da auditoria tradicional, a qual está direcionada
somente para detectar se há ou não a ocorrência desvios, erros, falhas, fraudes ou
irregularidades, por basear-se nas análises e exames de documentos, de manuais ou rotinas de
atividades contábeis ou administrativas, bem como na avaliação de desempenho atual e real
da instituição.
         A auditoria operacional e de gestão é de suma importância nas instituições pública ou
privada por ter uma tendência moderna para melhoria da operacionalização e da gestão, por
meio de uma análise, estudo, exame e verificação minuciosa mais completa de todo o
contexto operacional e organizacional, porque realiza, previamente, uma revisão avaliativa do
passado, presente e futuro das ações e atividades das instituições, estudando e examinando a
estrutura formal e informal, as linhas de comunicação, o fluxo das informações internas e
externas, os ciclos e procedimentos operacionais e a evolução da capacidade, eficácia,
eficiência e produtividade da atividade de pessoal.
         A auditoria operacional e de gestão atua em todos os sistemas, setores, órgãos,
departamentos, ambientes e áreas das instituições pública ou privada. Deste modo, todos os
processos podem ser analisados, avaliados e orientados, passo a possa ou ponto a ponto,
identificando os possíveis desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades para emitir
recomendações ou sugestões de ação para otimizar as atividades operacional, organizacional e
gerencial das entidades.
         Uma das funções da auditoria operacional e de gestão é a aplicação de testes que
avaliem se os critérios, procedimentos ou padrões contidos são efetivamente seguidos pelos
funcionários (servidores), se existe a necessidade de treinamento, capacitação e adequação aos
critérios de seleção de pessoal. Ainda recorre-se a verificação da ocorrência de desvios, erros,
falhas, fraudes ou irregularidades nos setores operacionais e administrativos.
         São de suma importância o exame e a avaliação em que o objetivo geral é assessorar
a administração-gestão para analisar se as ações, atividades, departamentos, órgãos,
operações, projetos, programas ou que passaram pela auditoria, alcançaram ou não os
objetivos de economia, eficácia e eficiência, de organização e gerenciamento.
         Em uma auditoria operacional, os critérios ou padrões pelos quais o desempenho de
um departamento, órgão ou programa público ou privado será aferido com as definições para
cada auditoria. Mas, os critérios podem ser definidos em função de: a) objetivos e metas
fixados em contrato, lei, manual, regulamento ou regimento interno; b) doutrinas e opiniões
de especialistas na área; c) desempenho de entidades similares.
14



          Assim, como o propósito dessa auditoria é melhorar o desempenho de
departamentos, órgãos, programas e projetos, pois os pareceres ou relatórios produzidos pelo
profissional da auditoria operacional devem conter recomendações ou sugestões para o
aperfeiçoamento da gestão, dos processos/produtos, dos controles, dos resultados, entre
outros.
          Um dos objetivos da auditoria na área operacional é assessorar a administração no
desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se a instituição ou
organização, departamentos ou setores, funções, operações, programas e sistemas auditados
estão atingindo os objetivos propostos com identificação de desvios, erros, falhas, fraudes ou
irregularidades no sistema operacional.
          Outro objetivo da modalidade de auditoria operacional refere-se à avaliação das
metas, programas e projetos é examinar a efetividade destas metas, programas e projetos das
entidades públicas ou privadas, isto é, os benefícios e impactos gerados com as ações, atos e
atividades destas instituições.
          Nestes sentidos, os objetivos da auditoria operacional e gestão dependem das
necessidades das instituições auditadas, porém de forma geral, procuram apresentar um
diagnóstico da situação atual das ações e atividades desenvolvidas pelas entidades, para
depois, apontar um caminho para a realização das ações e atividades futuras.
          De acordo com Gil (1999, p. 25), os objetivos da auditoria operacional são definidos
como formas de:
          “avaliar o nível de operacionalização das unidades consoantes os normativos vigentes;
          contribuir para otimização da dinâmica de atuação das unidades via auditoria preventiva,
          baseada na aplicação de ckecklist, cobrindo produtos, serviços e infraestrutura; verificar a
          adequacidade das normas operacionais das unidades em função da evolução da tecnologia de
          cada organização; estimular a qualidade organizacional”.


          A auditoria de avaliação das metas, programas e projetos verificam em que medida
as ações implementadas lograram êxito em produzir os efeitos pretendidos pela gestão
administrativa e a de desempenho operacional busca apurar, além da eficiência operativa, o
grau de cumprimento das metas, programas e projetos, comparando as previstas com as
realizadas.
          A auditoria de gestão consiste em acompanhar, avaliar e examinar a execução de
programas e projetos específicos, atuando nas áreas inter-relacionadas da organização, a fim
de avaliar a eficácia de seus resultados em relação aos recursos humanos, materiais e
tecnológicos disponíveis. Neste tipo de auditoria é procedida à análise da realização físico-
financeira em face dos objetivos e metas estabelecidos, ainda a análise dos demonstrativos e
15



dos relatórios de acompanhamento produzidos com vistas à avaliação dos resultados
alcançados e à eficiência gerencial.
         A auditoria de gestão, conhecida por auditoria operacional, de acordo com Crepaldi
(2009, p.12), pode ser definida: “um processo de avaliação do desempenho real, em
confronto com o esperado, o que leva, inevitavelmente, à apresentação de
recomendações destinadas a melhorar e a aumentar o êxito da organização”.
         Esse tipo de auditoria destina-se a revisar as operações, como um serviço prestado às
instituições públicas ou privadas, conforme explicitado por Crepaldi (2009, p. 14): “Constitui
um controle gerencial que funciona mediante análise e avaliação da eficácia de outros
controles”.
         A auditoria de desempenho operacional e de gestão constitui uma das formas de
autoria de natureza operacional, por estarem direcionados para o exame da ação
governamental ou não-governamental quantos aos aspectos da economicidade, eficácia e
eficiência, tem como foco principal o processo/produto de gestão nos seus diversos aspectos
de: planejamento, execução, controle, auditoria, acompanhamento gerencial, organização,
procedimentos operacionais, inclusive quanto aos seus resultados em termos de metas
atingidas.
         A auditoria em nível de gestão desempenha suas atividades, participando de reuniões
de diretoria, comitês operacional-financeiros, grupos envolvidos com programas e projetos de
qualidade total, entre outros. A auditoria gerencial trabalha em nível de planejamento
estratégico, tático e no processo decisório decorrente da aplicação de critérios, parâmetros,
políticas e procedimentos.
         Por auditoria de gestão, Gil (1999, p. 21) entende-se como, a “revisão, avaliação,
emissão de opinião de processos e resultados exercidos em linhas de negócios, produtos,
serviços no horizonte temporal presente/futuro”.
         Conforme esse autor, Gil (1999, p. 39/40), os objetivos da auditoria de gestão são
definidos como formas de:
         “participação da auditoria interna em todos os membros empresariais; contribuição da
         auditoria interna para manutenção da organização na vanguarda tecnológica e do segmento
         econômico de que participa; avaliação do posicionamento/situação futura da organização via
         auditoria de simulações e previsões organizacionais; selar o leque de opções de auditoria;
         estimular     os     líderes    empreendedores;   institucionalizar   os    critérios   de
         rodízio/polivalência/negociação/participação no ambiente auditoria/empresa; avaliação das
         iniciativas empresariais propostas”.

         Os objetivos da auditoria operacional e de gestão podem ser resumidos: a) assegurar
e garantir o cumprimento das normas internas e legislações externas (se houver) e dos
16



procedimentos administrativos, estruturais, gerenciais e organizacionais vigentes; b) analisar
se os procedimentos ou as rotinas das atividades da instituição, órgão ou setor são ou não
adequados e próprios às circunstâncias atuais; c) avaliar a importância dos fatos analisados,
estudados, examinados e revisados para emitir recomendações ou sugestões; d) comunicar ou
informar à administração ou gestão da instituição se está em condições de efetuar as
operações administrativas, gerenciais e organizacionais presentes e futuras.
            Essa economicidade trata de exame da essencialidade do ato praticado sob o ponto de
vista de sua adequação econômica no ambiente, no tempo, na forma e nas condições em que
ocorreu. Volta-se à forma, otimização e razoabilidade da obtenção e aplicação dos recursos
condizentes com a operação ou atividade praticada.
            A auditoria operacional e de gestão esforça-se para fazer ou alcançar alguma
probabilidade de avaliar projetos, programas e setores ou órgãos ou departamentos das
instituições públicas ou privadas na perspectiva da economicidade, efetividade, eficácia,
eficiência e produtividade. Para o presente estudo é necessário e precisa-se compreender e
entender qual é a diferença entre essas dimensões, a fim de que se possam obter resultados
coerentes e convenientes, essencialmente ao que se refere a entender e compreender o que
seja eficácia.
            Economicidade refere-se ao menor custo, isto é, ao preço coerente com o que
praticado na sociedade. Essa economicidade é a minimização dos custos dos recursos
utilizados no planejamento e na execução de uma ação, atividade ou meta, sem comprometer
os padrões de qualidade, referindo-se à capacidade de uma instituição pública ou privada de
administrar ou gerenciar adequada e corretamente os recursos, não só financeiros, mas os
recursos humanos, materiais e tecnológicos que estiverem à sua disposição.
            A eficácia implica em dispor de definição clara de objetivos, quantificação de metas,
para um determinado tempo, isto é, necessita de um sistema de informações financeiras e
técnicas.
            A eficácia está afeta ao grau de alcance dos programas, projetos ou metas, por
realizar as ações e atividades com economicidade e produtividade, em determinado período de
tempo, independente dos custos implicados. A eficácia é fazer o que deve ser feito, mas a
eficiência é fazer algo da melhor forma possível.
            A eficiência implica em dispor de definição clara de objetivos, quantificação de
metas, para um determinado tempo e um determinado custo, isto é, necessita de um sistema
de informações financeiras e técnicas. Eficiência e produtividade são conceitos semelhantes,
17



pois relacionam recursos com resultados, mas a produtividade considera os recursos em
unidades físicas, enquanto a eficiência traduz os fatores de produção em unidades monetárias.
         A eficiência está afeta ao cumprimento desejado no programa, projeto ou meta, por
realizar as ações e atividades com economicidade e produtividade, ao minimizar os custos e
produzir efetivamente os trabalhos necessários para a consecução da qualidade do
processo/produto, relação entre custos e gastos com bens e serviços.
         A economicidade é a utilização dos recursos financeiros, humanos e materiais,
considerando a relação custo ÷ benefício. Por exemplo: é a parte da gerência das virtudes de
poupança e da boa economia doméstica.
         A economicidade é a obtenção do máximo resultado possível com os meios
necessários ou obtenção do resultado desejado com o mínimo de meios necessários, isso
centra no menor custo possível. Comparação de: Custos ÷ Benefícios.
         Equação:
         Economicidade = Custos ÷ Benefícios.
         Segundo Araújo (2007: p. 35) a economicidade se refere à produtividade ao menor
custo. Uma ação é econômica quando proporciona a aquisição de um produto (bem ou
prestação de serviço) ao menor preço de mercado, sem prejuízo da qualidade. Essa ação deve
ser avaliada no transcorrer de certo período de tempo, mas jamais em função de seu resultado
imediato.
         A eficácia são os resultados obtidos que estão de acordo com os objetivos propostos
pela instituição ou organização, conforme as políticas estabelecidas, as metas operativas,
outros resultados e efeitos previstos.
         A eficácia são as metas em relação aos tempos reais em relação aos previstos. Metas
÷ Tempos, isto é, resultados reais ÷ resultados previstos. (Metas reais ÷ Tempos reais) ÷
(Metas previstas ÷Tempos previstos).
         Equação:
         Eficácia = (Metas reais ÷ Tempos reais) ÷ (Metas previstas ÷ Tempos previstos)→
         Eficácia = (Metas reais × Tempos previstos) ÷ (Metas previstas × Tempos reais).
         A eficácia corresponde à consecução dos resultados econômicos e sociais. Por
definição matemática corresponde à solução do problema. Uma ação é eficaz quando atingir
os seus objetivos propostos ou previstos, quer sejam materiais ou não.
         De acordo com Araújo (2007, p. 36) a eficácia é mensurada pela relação entre os
resultados, efetivamente, alcançados e os resultados pretendidos.
         Eficácia = Resultados alcançados ÷ Resultados pretendidos.
18



         A eficiência é a relação entre a obtenção de níveis máximos de produção com o
mínimo de recursos possíveis, tendo em conta a quantidade e qualidade apropriada, os
recursos utilizados para produzir ou atingi-los; menor custo, maior velocidade, melhor
qualidade.
         A eficiência são as metas em relação aos tempos versus custos reais e previstos.
         A eficiência: Metas ÷ (Tempos × Custos), isto é, resultados reais ÷ resultados
previstos. [Metas reais ÷ (Tempos reais × Custos reais)] ÷ [Metas previstas ÷ (Tempos
previstos × Custos previstos)].
         Equação:
         Eficiência = [Metas reais ÷ (Tempos reais × Custos reais)] ÷ [Metas previstas ÷
(Tempos previstos × Custos previstos)].
         Eficiência = Metas reais × Tempos previstos × Custos previstos ÷ Metas previstas ×
Tempos reais × Custos reais.
         Eficiência = Custos previstos × (Metas reais × Tempos previstos) ÷ Custos reais ×
(Metas previstas × Tempos reais).
         Eficiência = (Metais reais × Tempos previstos) ÷ (Metas previstas × Tempos reais) ×
(Custos reais ÷ Custos previstos).
         Eficiência = Eficácia × (Custos reais ÷ Custos previstos).
         A eficiência se relaciona com economicidade, por correlacionar-se aos recursos
utilizados, mas a economicidade se preocupa com os recursos adquiridos, ainda que não
necessariamente utilizados em certo processo produtivo.
         A eficiência está diretamente relacionada com a utilização racional dos recursos. Um
aumento na eficiência correspondente proporcionalmente a um incremento na produtividade.
Uma ação produtiva contribui para melhorar o que já era realizado. Portanto, de acordo com
Araújo (2007, p. 36) a eficiência equivale à relação entre resultados alcançados e recursos
consumidos.
         Eficiência = Resultados alcançados ÷ Recursos consumidos.
         Existem duas estratégias para atingir a eficiência: I- se com a mesma quantidade de
recursos (tempos, pessoas, materiais, espaço, entre outras) consumidos, conseguir-se o melhor
resultado; II- se obter-se o resultado esperado/proposto (desejado/previsto), com o menor
consumo de recursos.
         A produtividade é o quociente da eficácia pela eficiência.
         Equação:
         Produtividade = Eficácia ÷ Eficiência.
19



        Assim, a relação: Produtividade x Eficácia x Eficiência:
        Produtividade = Eficácia ÷ Eficiência:
        Isolando-se algebricamente a variável eficácia, tem-se:
        Eficácia = Produtividade × Eficiência.
        Isolando-se algebricamente a variável eficiência, tem-se:
        Eficiência = Produtividade ÷ Eficácia.
        Segundo Aurélio (2004: p. 333 e p. 656):
        “Economia: Ciência que trata dos fenômenos relativos à produção, distribuição e consumo de
        bens. Contenção de gastos. Economia de mercado: sistema econômico em que as decisões
        relativas à produção, preços, salários, etc., são tomadas predominantemente pela interação dos
        compradores e vendedores no mercado, com pouca influência governamental”.
        “Faculdade de produtivo. Economia: Relação entre a quantidade ou valor produzido e a
        quantidade ou valor dos insumos aplicados à produção”.


        Diante dessas definições, tem-se:
        Economicidade = Custos ÷ Benefícios.
        Portanto, economia é igual ao quociente de custos por benefícios. Isso contempla a
definição de economicidade, porque quanto maior for o custo em relação ao menor ou igual
benefício, maior será a economicidade, assim o inverso, quanto menor for o custo em relação
ao igual ou maior benefício, menor será a economicidade.
        Neste aspecto, pode-se afirmar, sem exagero que, produtividade é o inverso da
economicidade.
        Deste modo, Produtividade = Eficácia ÷ Eficiência, passar a ser definida como:
        Produtividade = 1 ÷ (Custos ÷ Benefícios) = 1 × (Benefícios ÷ Custos), assim:
        Produtividade = Benefícios ÷ Custos.
        Portanto, produção é igual ao quociente de benefícios por custos. Isso contempla a
definição de produtividade, porque quanto maior for o benefício em relação ao menor ou igual
custo, maior será a produtividade, assim o inverso, quanto menor for o benefício em relação
ao igual ou maior custo, menor será a produtividade.
        Diante destes aspectos economicidade e produtividade, percebe-se que há uma intima
relação que podem comprometer a eficácia e a eficiência na operacionalização e gestão das
organizações públicas ou privadas.
        A efetividade é algo bem mais abrangente e relevante, por determinarem se os
objetivos alcançados ou atingidos foram suficientes para solucionar o problema que deu
origem. A eficácia e a efetividade são usadas, algumas vezes, indistintamente, apesar de seus
significados serem distintos. Efetividade é considerada o indicador mais apropriado para
20



enfocar o ponto de vista do cidadão, por avaliar a produção estatal e empresarial sob a ótica
de quem a recebe.
          A efetividade é também denominada de indicador de satisfação, trata-se de uma
medida mais qualitativa do que quantitativa. As medidas das coisas que o Estado ou a
Empresa faz ou produz, estão mais relacionadas à eficácia, que não é adequada para mensurar
a qualidade de suas ações, atividades e serviços.
          A efetividade se afere no mundo real, fora da organização ou programa, enquanto a
eficácia - do mesmo modo que a economicidade e a eficiência - pode ser mensurada, sem sair
dessa organização ou programa.
          A auditoria operacional e de gestão é de suma importância e relevância por ter
objetivo de otimizar (aperfeiçoar, realizar melhor ou de forma mais produtiva) o
planejamento, a execução e o controle, porque a auditoria facilita e propicia a tomada da
melhor decisão, não se decide com a informação, mas com o conhecimento.
          A auditoria operacional propõe-se a avaliar e examinar (verificar) as ações
governamentais e não-governamentais quanto à economicidade, eficácia e eficiência.
Entende-se por ações governamentais: atividades, políticas, processos, programas, projetos e
sistemas. Essa auditoria também pode ser aplicada a qualquer entidade ou órgão público ou
privado. A convergência dessa auditoria é o processo/produto de gestão. A avaliação de
modalidade da auditoria operacional propõe-se a avaliar e examinar as ações, atividades,
metas, processos, programas, projetos. O foco centra-se nos resultados obtidos comparados
com os previstos.
          A auditoria operacional propõe-se a avaliar e examinar a ação estatal ou privada
quanto à economicidade; eficiência na gestão de seus recursos, de todas as naturezas,
produzindo mais a menores custos; eficácia na execução de seus programas e projetos,
alcançando objetivos e metas previstas e formular recomendações ou exarar determinações
que visem o aumento dos graus da economicidade, eficiência e eficácia, isto é, contribuir para
o aprimoramento da gestão da ação governamental e não governamental considerada como
objeto.
          A auditoria operacional caracteriza-se pela aplicação da avaliação operacional na
organização estatal ou privada em que é implantada. Cada instituição ou organização possui
necessidades próprias, sendo assim, é aplicado e desenvolvido um programa para a avaliação
dos controles internos de acordo com os processos, a carteira de clientes e fornecedores, os
projetos, as atividades segmentadas ou não, o sistema, os departamentos e as operações. A
auditoria operacional tem como característica utilizar a avaliação da gestão nos diversos
21



níveis hierárquicos de cada área, de acordo com o programa e também de acordo com a
extensão de exames, como: a) Planejamento estratégico, políticas, planos e metas; b) Estrutura
funcional, instalações, produção, processos, entre outros; c) Métodos e rotinas das atividades
desenvolvidas de acordo com o planejamento; d) Controles internos e controles
administrativos e gerenciais; e) Aproveitamento dos recursos, perdas prováveis e
improváveis; f) Resultados alcançados; g) Verificação quanto à utilização e aplicação de
normas, leis, regulamentação e normatização aplicada à atividade.
         Para tanto, todas estas etapas que caracterizam a Auditoria Operacional, realizada de
acordo com o programa adequado às atividades da instituição ou organização visam à
verificação das atividades e processos na busca constante do aperfeiçoamento dos controles,
da racionalização dos processos e do aprimoramento da gestão administrativa e gerencial, de
forma a influenciar na tomada de decisões.
         A visão do controle operacional centra-se na função administrativa que consiste em
avaliar, calcular e mensurar o desempenho dos funcionários (servidores) para assegurar que os
objetivos das organizações públicas ou privadas sejam alcançados.
         A tarefa do controle é a investigação (verificação) para busca da verdade real, se tudo
está se realizando em conformidade e legalidade com que fora planejado e organizado, de
acordo com as regulamentações e ordens dadas para identificar os possíveis desvios, erros,
falhas ou fraudes para que possa corrigi-las e evitar-se sua repetição.
         O controle operacional deve seguir critérios e padrões das instituições para o objetivo
comum, resultado satisfatório, haja vista o ciclo administrativo do PDCA (Planejamento -
plan, Desvio - do, Controle - check, Ação - action). O PECA (Planejamento, Execução,
Controle, Auditoria) é um ciclo da qualidade organizacional em que está inserida a função
administrativa da auditoria, segundo Gil (1999, p. 56), que segue a execução do plano,
programa ou projeto para verificar a manutenção dos critérios ou padrões preestabelecidos
para procurar assinalar e remover qualquer anomalia prejudicial ao regular funcionamento da
instituição pública ou privada.
         A auditoria de gestão deve estar centrada em situações empresariais de maior risco
para a continuidade dos negócios, proporcionando às organizações recomendações que
auxiliem na tomada de decisões.
         Por exemplo, na aquisição de uma empresa já estabelecida, o adquirente passa a
assumir a responsabilidade do empreendimento e precisa conhecer como constam os registros
contábeis e gerenciais, qual a situação patrimonial da empresa adquirida, isto é, precisa
conhecer aquilo que assumirá. É indispensável conhecer todas as contas do ativo e do passivo,
22



os direitos e obrigações, a curto e em longo prazo, tudo mais, antes de tomar a decisão de
adquirir um negócio já instalado e organizado.
        A auditoria operacional e de gestão tem uma função de regular, porque ajuda a
eliminar desperdícios, simplificar tarefas, servir de ferramenta de apoio à administração e
gestão, transmitir informações aos administradores sobre o desenvolvimento das atividades
executadas, um administrador-gestor pode servir-se desta auditoria para planejar, executar e
controlar o gerenciamento da instituição.
        A auditoria operacional e de gestão, seja por exigência de órgãos reguladores, dos
órgãos societários ou para atender as exigências legais, suprirão os administradores e
acionistas com uma opinião notável e competente sobre as demonstrações tanto contábeis
quanto administrativas gerenciais, de modo que essas passem a merecer a credibilidade
necessária por parte dos clientes/usuários das informações econômico-financeiras e gerenciais
auditadas.
        A existência de auditorias regulares permite minimizar a possibilidade de desvios,
falhas, fraudes, negligências e omissões. Uma boa auditoria revela, nos relatórios, falhas de
controles que deverão ser supridas, permitindo aos gestores ações práticas em prol da defesa
do patrimônio.
        Um bom gestor sempre valorizará as atividades de auditorias, sejam internas ou
externas (operacional e de gestão), pois auditar é para colaborar com a qualidade e melhoria
da instituição. Quando se iria realizar uma auditoria, de imediato, o administrador dizia aos
auditados, "quem não deve não teme". Porém, a transparência é a marca e a qualidade de um
bom administrador-gestor.
        Os administradores-gestores que agirem desta forma que prestaram contas de
maneira aberta se cercaram de cuidados com relação ao ambiente de controles da instituição.
Esses gestores melhoraram seus sistemas de contabilidade e controles gerenciais, criando
condições para que a contabilidade e a gestão produzissem demonstrações contábeis e
controles confiáveis e que representassem a posição administrativa, financeira e patrimonial
da organização, bem como o resultado de suas operações no exercício em avaliação.
        A tendência é que a auditoria seja uma ferramenta cada vez mais presente e eficiente
nas organizações, quem desprezá-la tornar-se-á suspeito sobre si. Assim, poderá surgir a
indagação: Por que não utilizar-se de uma ferramenta que comprovadamente traz benefícios
aos controles de qualquer entidade?
        A auditoria operacional destina-se à avaliação da economicidade, eficiência e
eficácia do processo/produto e dos resultados em relação aos recursos materiais e humanos
23



disponíveis. Realiza a função de assessorar e gerenciar a administração no desempenho
efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se os objetivos organizacionais e
gerenciais estão sendo atingidos com eficiência, eficácia e economia na obtenção e utilização
dos recursos (financeiros, humanos, materiais, e tecnológicos), bem como em observância às
leis, manuais, normas, recomendações e regulamentos aplicáveis e com devida segurança.
         O desempenho é resultado obtido dos principais indicadores de processos e de
produto que permitem avaliar e compará-los em relação às metas, padrões, referenciais
pertinentes e outros processos e produtos. Estes resultados devem expressar satisfação,
insatisfação, eficiência e eficácia, podem ser apresentados em termos financeiros ou não.
         A título de exemplo, a auditoria de desempenho poderá tratar, conforme os
programas e projetos de qualidade no Serviço Público ou Privado, dos seguintes pontos: a)
resultados relativos aos clientes; b) resultados orçamentários e financeiros; c) resultados
relativos aos servidores; d) resultados relativos aos fornecedores e às parcerias institucionais;
e) resultados relativos aos serviços/produtos e aos processos organizacionais.
         A auditoria operacional é a auditoria de gestão, que tem foco não na despesa em si,
mas no funcionamento do mecanismo tanto estatal como paraestatal e não estatal.
         O processo de gestão em seus aspectos de planejamento, execução, controle,
organização, procedimentos operacionais, alcance de metas, acompanhamento gerencial e
auditoria.
         O controle é uma função administrativa operacional e de gestão com objetivo de
controlar, demonstrar e registrar toda atividade exercida em determinado período para
correção dos desvios, erros, falhas ou fraudes e para prevenção de novas ou repetições destes
desvios, erros, falhas ou fraudes, quer nas direções e gestões das instituições e em seus
planejamentos, a fim de se criar restrições (Teoria das Restrições).
         A ação preventiva ou corretiva deve ter reflexos a médio e em longo prazo, em
tempo hábil para que possa ocorrer uma melhora gradativa em todo o processo operacional e
de gestão.
         Lembre-se que as instituições estatais e paraestatais, o resultado é o social/político
enquanto as instituições privadas, o resultado é o lucro.
         Em uma auditoria convencional é averiguado se todos os dispêndios obedeceram ao
rito previsto nos manuais, nas normas ou regulamentações administrativo-financeiras. Na
auditoria operacional é verificado se o dispêndio está inserido em uma moldura maior de
correta atuação da esfera pública ou privada; se está de acordo com os cânones da
economicidade, eficácia e eficiência; se está afinado com as ações, atividades, metas,
24



programas, projetos ou segmentos operacionais dos setores público e privado vinculados a
uma determinada política pública ou privada; se esta política pública ou privada está atingindo
os resultados almejados ou propostos.
         A auditoria operacional abrange a verificação do processo/produto: a) da existência
de recursos ociosos ou insuficientemente empregados; b) da eficácia, da eficiência e da
economicidade da gestão através da apuração dos custos dos produtos e serviços.
         A auditoria de gestão tem por finalidade emitir opinião sobre a regularidade dos
procedimentos administrativos e gerenciais e das contas; verificar a execução de acordos,
contratos, convênios e a execução da probidade na aplicação de dinheiro público ou privado,
na administração e guarda dos bens e valores do Estado ou instituição privada; conhecer e
avaliar políticas, decisões, metas, planos, programas e projetos ocorridos na consecução dos
objetivos filosóficos, políticos e sociais das organizações governamentais e não
governamentais.
         A auditoria operacional e de gestão abrange a verificação do processo/produto: a) da
execução dos planos, programas e projetos de trabalho e avaliação dos resultados em termos
monetários e de realização de obras e prestação de serviços; b) da distorção ou pontos de
estrangulamento na execução dos planos, programas e projetos; c) da execução de acordos,
contratos e convênios de fornecimentos, obras ou prestação de serviços e seus cronogramas
financeiros e físicos.
         Por fim, pode-se definir que a auditoria operacional e de gestão baseia-se em avaliar
ações administrativas e gerenciais e os procedimentos relacionados ao processo/produto
operacional ou parte dele, dos departamentos, entidades ou órgãos públicos ou privados,
atividades, metas, programas, projetos ou segmentos destes, com a finalidade de emitir
recomendação ou sugestão sobre a gestão. Atua nas áreas inter-relacionadas das entidades ou
órgãos, avaliando a eficácia dos seus resultados em relação aos recursos financeiros,
humanos, materiais e tecnológicos disponíveis, bem como a economicidade e eficiência dos
controles existentes para a gestão dos recursos públicos ou privados. A filosofia de
abordagem dos fatos é de apoio pela avaliação do atendimento às diretrizes, normas e
regulamentações, bem como pela apresentação de recomendações ou sugestões para seu
aperfeiçoamento.
         Os indispensáveis objetivos desta modalidade de auditoria operacional e gerencial
são: a) comprovar a conformidade, legalidade e legitimidade das diretrizes, normas e
regulamentações, políticas e estratégias; b) avaliar os controles internos ou externos; c)
identificar procedimentos desnecessários ou duplos para recomendar sua correção; d)
25



identificar as áreas críticas e riscos potenciais, proporcionando as bases para sua minimização,
redução ou eliminação; e) melhorar o desempenho para aumentar o êxito das
organizações/entidades; f) avaliar as medidas adotadas para a preservação dos ativos e do
patrimônio para evitar-se os desperdícios de recursos; g) aferir a confiabilidade, a
fidedignidade, a segurança e a consistência dos sistemas administrativos, gerenciais e de
informações; h) avaliar o alcance das metas, programas, projetos e objetivos para identificar
as causas dos desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades, quando houver; i) identificar
as áreas que concorrem para aumento ou diminuição de custos ou receitas; j) assessorar,
recomendar e sugerir a implantação de mudanças.
          Os procedimentos de auditoria representam um conjunto de técnicas que o auditor
utiliza para colher as evidências sobre as informações das demonstrações financeiras e
gerenciais. Esses procedimentos devem ser efetivos e eficientes.
          A qualquer espécie de auditoria, mas a auditoria operacional e de gestão deve seguir
os principais procedimentos:
          a) Contagem física: procedimento utilizado para as contas do ativo e consiste em
identificar fisicamente o bem declarado nas demonstrações financeiras, como dinheiro em
caixa, estoques, títulos de aplicações, bens do ativo imobilizado, entre outros;
          b) Confirmação de terceiros: procedimento utilizado pelo auditor para confirmar,
por meio de carta (carta de circularização), bens de propriedade da empresa em poder de
terceiros, direitos a receber e obrigações;
          c) Conferência de cálculos: contador efetua diversos cálculos em todo o processo de
elaboração das demonstrações financeiras e gerenciais, na base de teste. São testados, por
exemplo, os cálculos de valorização de estoques, de amortização de despesas antecipadas e
diferidas, das depreciações dos bens do ativo imobilizado, dos juros provisionados, entre
outros;
          d) Inspeção de documentos: existem dois tipos de documentos, os internos e os
externos. Esses documentos representam os comprovantes hábeis que suportam os
lançamentos nas contas contábeis. Exemplo: documentos internos: relatório de despesas,
boletim de caixa, apropriação de custos, depreciação, registro de empregado, folha de
pagamento, entre outros; documentos externos: notas fiscais, duplicatas de fornecedores,
apólice de seguro, contratos, escritura de imóveis, certificado de propriedade de veículos,
entre outros.
          As normas de auditoria abrangem instruções, manuais, procedimentos, regulamentos
a serem observados pelo auditor quando da realização do seu trabalho. Foram estabelecidas
26



com a finalidade de orientar as atividades a serem desenvolvidas, bem como proporcionar a
aplicação sistemática e metodológica de suas ações.
         Os mais variados fins da auditoria operacional e de gestão atestam, por si só, a
grande utilidade desta técnica de economicidade, eficácia e eficiência do processo/produto. A
sua profundidade, pelo contato direto com os elementos, atribui a essa auditoria um caráter de
grande auxiliar da análise dos balanços, das operações e das situações, requerendo cuidados
especiais.
         O aspecto psicológico da auditoria exige os mais profundos cuidados por parte dos
executores dos serviços e trabalhos, conforme a política seguida, a auditoria pode até
apresentar aspectos negativos. O profissional de auditoria deve ser convenientemente hábil
para conviver com o pessoal de seu cliente.
         Diversos profissionais protestam até contra o conceito comum que se firmou, de que
a auditoria é uma chave para descobrir desvios, erros, falhas, fraudes, negligências e omissões
procurando esclarecer que modernamente não se pode mais encarar assim o assunto. A fraude
não pode ser excluída dos propósitos de exame do auditor. A fraude consiste em uma ação
deliberada prejudicial a alguém (outrem) com benefício a quem pratica a ação, no ambiente
do intangível. Exemplo: alterar artigo, cláusula ou parte de um contrato.
         Toda análise, verificação e acompanhamento das ações e atividades precisam estar
de acordo com o que a instituição ou organização estatal, paraestatal ou privada pretende com
o trabalho a ser desempenhado ou desenvolvido, mesmo considerando as questões
“presente/passado” e “presente/futuro”. Lembre-se que o passado das organizações públicas
ou privadas é o melhor parâmetro para aferir qualquer medição, medida ou definição de novas
metas de acordo com a capacidade instalada e de pessoal.
         No mundo atual, com a decadência dos princípios de ética, de honestidade, de moral
e de verdade, acentuado com a pobreza moral que domina as administrações de instituições
públicas ou privadas, dentre: instituições bancárias e seguradoras, grandes grupos
empresariais, entre outras, é impossível desconhecer a influência desse mal social. A
corrupção assusta e a Administração, a Contabilidade, a Gestão, a Matemática, dentre outras,
não pode sonegar sua contribuição na descoberta da desonestidade contra o patrimônio
público e particular. Escândalos sucessivos ocorrem requerendo o trabalho sério e competente
tanto da auditoria operacional e de gestão quanto da auditoria interna para a apuração das
responsabilidades de seus administradores-gestores.
         A importância essencial para a continuidade das políticas públicas e dos negócios das
instituições públicas ou privadas centra-se que a auditoria de natureza operacional e de gestão
27



é um processo de coleta para estudo ou exame; análise minuciosa ou sistemática de
informações sobre características; processos e impactos de uma ação, atividade, meta,
programa, projeto ou organização, com base em critérios e parâmetros fundamentados de
indicadores e métricas, com objetivo de avaliar a economicidade, efetividade, eficácia,
eficiência e a produtividade; desenvolver recomendações ou sugestões para aperfeiçoamento
da administração-gestão e contribuir para a responsabilização dos administradores-gestores
pelo desempenho da ação estatal ou da operacionalização organizacional dos negócios da
empresa.
         Com base nos estudos de Albuquerque (2007, p.117), para que a auditoria
operacional se consolide é necessário que importantes instrumentos da doutrina a respeito de
administração/gestão, como o desenvolvimento de indicadores de desempenho e a
disseminação de sistemas de gestão por objetivos e metas, sejam efetivamente
implementados.
         Em diversos países, já ocorreram reformas e implantações de novos mecanismos de
planejamento governamental e empresarial. Na prática referem-se ao dilema entre controlar o
processo administrativo e os gastos em função da necessidade de ajustes pretendidos nesse
processo para dotar-lhe maior flexibilidade e sistemas de controle - medida de implementação
gradual e complexa essencial na concepção de gestão no sentido de institucionalizar as
mudanças com foco no resultado.
         A ausência de sistemas de controle de custos na Administração Pública ou Privada
são fatores que contribuem para limitar os objetivos quanto às questões de economicidade,
bem como aquelas atinentes à eficiência operacional, direcionadas para custos em sentido
estrito e medidas através da relação direta entre processos/produtos.
         A auditoria operacional compreende uma série de procedimentos aplicados de forma
independente com o objetivo de avaliar os aspectos de economia, eficácia, eficiência,
produtividade e efetividade de uma gestão. Isso está afeto, se as operações estão
proporcionando aumento de receitas e diminuição dos custos, reduzindo práticas ineficientes e
eliminando desperdícios, se for o caso, propondo recomendações e sugestões para melhorar o
desempenho.
         Cabe ao administrador/gestor à responsabilidade pela implementação das ações
capazes de assegurar o incremento do desempenho operacional. Ao auditor operacional a
tarefa de acompanhar e avaliar, se o administrador/gestor tem assumido à sua
responsabilidade.
28



A RESPOSTA AO PROBLEMA PRINCIPAL
        Qual a importância ou a utilidade da auditoria operacional e de gestão para a
continuidade operacional dos negócios?
        Entre os tipos de auditoria que podem ser realizados em uma empresa, estão à
auditoria operacional e de gestão. Consistem em revisões metódicas de ações, atividades,
metas, processos/produtos, programas, projetos ou segmentos operacionais dos setores
público ou privado, com a finalidade de avaliar, comunicar e examinar (verificar) se os
recursos das organizações são utilizados com economicidade (comprovação da justificativa
econômica do ato praticado pelo administrador-gestor), efetividade, eficácia e eficiência, se
estão sendo atingidos os objetivos operacionais e de gestão propostos e/ou esperados.
        A auditoria operacional consiste em avaliar os procedimentos e mecanismos de
controle adotados por uma organização, certificando a sua regularidade, por meio de exames
de documentação comprobatória dos atos e fatos administrativos e a verificação da eficiência
dos sistemas de controle administrativo e contábil – também chamada de auditoria de
conformidade. A auditoria operacional auxilia a administração na gerência e nos resultados,
por meio de recomendações que visem aprimorar procedimentos, melhorar controles e
aumentar a responsabilidade gerencial.
        A auditoria operacional tem como característica utilizar a avaliação da gestão nos
diversos níveis hierárquicos de cada área, de acordo com o programa e também de acordo
com a extensão de exames, como: a) Planejamento estratégico, políticas, planos e metas; b)
Estrutura funcional, instalações, produção, processos, entre outros; c) Métodos e rotinas das
atividades desenvolvidas de acordo com o planejamento; d) Controles internos e controles
administrativos e gerenciais; e) Aproveitamento dos recursos, perdas prováveis e
improváveis; f) Resultados alcançados; g) Verificação quanto à utilização e aplicação de
normas, leis, regulamentação e normatização aplicada à atividade.
        Tem a finalidade de auxiliar a administração de uma empresa ou entidade,
examinando procedimentos internos que buscam atingir maior economicidade, efetividade e
eficiência, através de estudos e análise entre períodos e métodos para recomendar ou sugerir
melhorias para cada setor analisado para atingir a eficácia. Também tem como função a
aplicação de testes que avaliem se os critérios, procedimentos ou padrões contidos são
efetivamente seguidos pelos funcionários, se existe a necessidade de treinamento, capacitação
e adequação aos critérios de seleção de pessoal.
        Em uma auditoria operacional, os critérios ou padrões pelos quais o desempenho de
um departamento, órgão ou programa será aferido com as definições obtidas em cada
29



auditoria. Mas, os critérios podem ser definidos em função de: a) objetivos e metas fixados
em contrato, lei, manual, regulamento ou determinado em regimento interno pela
administração; b) doutrinas e opiniões de especialistas; c) desempenho de entidades similares.
           Assim, como o propósito dessa auditoria é melhorar o desempenho de
departamentos, órgãos, programas e projetos - pois os pareceres ou relatórios produzidos pelo
profissional da auditoria operacional - devem conter recomendações ou sugestões para o
aperfeiçoamento da gestão, dos processos/produtos, dos controles, dos resultados, entre
outros.
           Um dos objetivos da auditoria na área operacional é assessorar a administração no
desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se a instituição ou
organização, departamentos ou setores, funções, operações, programas e sistemas auditados
estão atingindo os objetivos propostos com identificação de desvios, erros, falhas, fraudes ou
irregularidades no sistema operacional.
          Outro objetivo afeta a avaliação das metas, programas e projetos examinando a
efetividade destas metas, programas e projetos das entidades públicas ou privadas, isto é, os
benefícios e impactos gerados com as ações, atos e atividades destas instituições.
          Os objetivos são: a) a auditoria operacional é uma ação ou atividade de avaliação
independente, nas instituições públicas ou privadas, com a finalidade de revisar as operações
administrativas, contábeis, gerenciais, financeiras e outras, com o um serviço prestado aos
administradores ou gestores; b) um controle de gestão com a finalidade de medir a eficácia
dos outros controles; c) objetivo integral ou total da auditoria operacional e de gestão é de
assessorar os membros da administração ou gestão a exercer, efetivamente suas
responsabilidades, fornecendo-lhes analises concretas e objetivas, recomendações ou
sugestões e outros comentários pertinentes às ações ou atividades revisadas; d) a auditoria
operacional e de gestão deve estar igual ou semelhante de todas as fases das ações ou
atividades das instituições, nas quais possa vir a servir aos administradores ou gestores da
empresa, entidade ou organização.
          A auditoria operacional e de gestão é de suma importância e relevância por ter
objetivo de otimizar (aperfeiçoar, realizar melhor ou de forma mais produtiva) o
planejamento, a execução e o controle, porque a auditoria facilita e propicia a tomada da
melhor decisão, não se decide com a informação, mas com o conhecimento.
          A auditoria operacional destina-se à avaliação da economicidade, eficiência e eficácia
do processo/produto e dos resultados em relação aos recursos materiais e humanos
disponíveis. Realiza a função de assessorar e gerenciar a administração no desempenho
30



efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se os objetivos organizacionais e
gerenciais estão sendo atingidos com eficiência, eficácia e economia na obtenção e utilização
dos recursos (financeiros, humanos, materiais, e tecnológicos), bem como em observância às
leis, manuais, normas, recomendações e regulamentos aplicáveis e com devida segurança.
       A auditoria de gestão consiste em acompanhar, avaliar e examinar a execução de
programas e projetos específicos, atuando nas áreas inter-relacionadas da organização, a fim
de avaliar a eficácia de seus resultados em relação aos recursos humanos, materiais e
tecnológicos disponíveis.
       A auditoria de gestão deve estar centrada em situações empresariais de maior risco
para a continuidade dos negócios, proporcionando às organizações recomendações que
auxiliem na tomada de decisões.
       A auditoria de gestão tem por finalidade emitir opinião sobre a regularidade dos
procedimentos administrativos e gerenciais e das contas; verificar a execução de acordos,
contratos, convênios e a execução da probidade na aplicação de dinheiro público ou privado,
na administração e guarda dos bens e valores do Estado ou instituição privada; conhecer e
avaliar políticas, decisões, metas, planos, programas e projetos ocorridos na consecução dos
objetivos filosóficos, políticos e sociais das organizações governamentais e não
governamentais.
       Por fim, pode-se definir que a auditoria operacional e de gestão baseia-se em avaliar
ações administrativas e gerenciais e os procedimentos relacionados ao processo/produto
operacional ou parte dele, dos departamentos, entidades ou órgãos públicos ou privados,
atividades, metas, programas, projetos ou segmentos destes, com a finalidade de emitir
recomendação ou sugestão sobre a gestão. Atua nas áreas inter-relacionadas das entidades ou
órgãos, avaliando a eficácia dos seus resultados em relação aos recursos financeiros,
humanos, materiais e tecnológicos disponíveis, bem como a economicidade e eficiência dos
controles existentes para a gestão dos recursos públicos ou privados. A filosofia de
abordagem dos fatos é de apoio pela avaliação do atendimento às diretrizes, normas e
regulamentações, bem como pela apresentação de recomendações ou sugestões para seu
aperfeiçoamento.
       Os indispensáveis objetivos desta modalidade de auditoria operacional e de gestão são:
a) comprovar a conformidade, legalidade e legitimidade das diretrizes, normas e
regulamentações, políticas e estratégias; b) avaliar os controles internos ou externos; c)
identificar procedimentos desnecessários ou duplos para recomendar sua correção; d)
identificar as áreas críticas e riscos potenciais, proporcionando as bases para sua minimização,
31



redução ou eliminação; e) melhorar o desempenho para aumentar o êxito das
organizações/entidades; f) avaliar as medidas adotadas para a preservação dos ativos e do
patrimônio para evitar-se os desperdícios de recursos; g) aferir a confiabilidade, a
fidedignidade, a segurança e a consistência dos sistemas administrativos, gerenciais e de
informações; h) avaliar o alcance das metas, programas, projetos e objetivos para identificar
as causas dos desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades, quando houver; i) identificar
as áreas que concorrem para aumento ou diminuição de custos ou receitas; j) assessorar,
recomendar e sugerir a implantação de mudanças.
       A auditoria operacional e de gestão é importante para a adequada operacionalização e
gestão dos recursos públicos ou privados, a prevenção e detecção de desvios, erros, falhas ou
fraudes.
       Assim, com a auditoria operacional e de gestão, tanto as instituições públicas ou
privadas, através de seus órgãos de controle, dispõem de um relevante instrumento para
defesa da efetividade de nossa Lei Constitucional, defesa necessária para desempenho e
desenvolvimento adequado de qualquer organização governamental ou não governamental.
       A auditoria operacional é idêntica em todas as dimensões ou níveis de gestão, nas
etapas de planejamento, execução e supervisão, controle e autoauditoria sob o ponto de vista
da economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade. Essa auditoria também
conhecida como auditoria de gestão, de eficiência, de resultados ou de práticas de gestão,
centrando-se na avaliação ou verificação de todos os métodos ou sistemas utilizados pelo
administrador ou gestor para tomar decisões. Analisa a execução e supervisão das decisões
tomadas e observa se os resultados pretendidos foram ou não atingidos.
       Fundamentado na inteligência competitiva, afirma-se que há fragilidades que podem
implicar a eficácia de por em prática ou execução das recomendações ou sugestões opinadas
ou pronunciadas pela auditoria operacional e de gestão, caso identificadas admitir-se-ão que
as instituições públicas ou privadas, tanto uma ou outra estratégia de prevenção quanto uma
ou outra estratégia de contingência para fazer oposição aos fatores de risco, se houver
concretização.


CONCLUSÃO
           A auditoria operacional e de gestão é importante para a adequada operacionalização
e gerenciamento dos recursos; a prevenção e detecção de desvios, erros, falhas, fraudes,
negligências e omissões; o cumprimento do que estabelece a Constituição Federal de 1988 no
que se refere aos controles operacionais internos em todos os Poderes.
32



            A auditoria operacional e de gestão, pode ser definida, como aquela que avalia -
segue a mesma direção, por ser da mesma filosofia ou política - verifica a ação para por, em
prática, metas, planos, programas e projetos; executar as ações, atividades, metas, programas
e projetos, a gestão dos sistemas e a administração dos órgãos ou departamentos, tendo em
vista a utilização econômica de seus recursos, com eficaz e eficiente geração de processos e
produtos - bens e serviços - o efetivo resultado de suas ações, atividades, metas, programas e
projetos.
            A auditoria operacional e de gestão nas instituições públicas ou privadas, através de
seus órgãos de controle, dispõem de um relevante instrumento para defesa da efetividade de
nossa Lei Constitucional, defesa necessária para desempenho e desenvolvimento adequado de
qualquer organização governamental ou não-governamental.
            A instituição que utiliza a auditoria operacional e de gestão como ferramenta de
apoio a administração/gestão é beneficiada na economicidade, eficácia, eficiência, gerência,
liderança, manutenção, produtividade e na criação de outros controles internos ou externos.
Essa auditoria é uma das ferramentas mais importantes para avaliar o grau ou nível de
conformidade de uma organização ou de um sistema operacional e gerencial implantada em
uma instituição pública ou privada com um critério e procedimento estabelecido.
            A auditoria operacional e de gestão, por definição, auditoria de desempenho, deve
buscar precipuamente avaliar o nível de excelência das organizações públicas ou privadas, a
partir de seus aspectos: economicidade, eficácia, eficiência, efetividade e produtividade que
existem para auxiliar os órgãos de controle, no atendimento das novas ações.
            Verificou-se que a auditoria operacional e de gestão tem desempenhando um papel
de grande relevância para qualquer organização pública ou privada, por exemplo: a
eliminação de desperdícios, a simplificação de tarefas, a minimização de erros e falhas até
mesmo de desvios e fraudes, o apoio aos administradores-diretores na tomada de decisões
com base em informações e recomendações contidas nos relatórios emitidos pelo (s) auditor
(es): verificação e constatação de irregularidades, regulamentação das atividades da
instituição,    avaliação    da   capacidade    dos   administradores-gestores   dentre   outras
recomendações sobre possíveis melhorias e ações que devem ser tomadas.
            Auditoria de natureza operacional e de gestão é um processo de coleta e análise
sistemáticas de informações sobre características, processos e impactos de um programa,
atividade ou organização, com base em critérios fundamentados, com o objetivo de avaliar a
economicidade, eficiência, eficácia, efetividade e produtividade, gerar recomendações para
33



aperfeiçoar a gestão e contribuir para a responsabilização dos administradores/gestores pelo
desempenho da ação estatal ou empresarial.
         Observa-se que o objetivo da auditoria operacional e de gestão é dar subsídios para
todos os membros da administração, com o intuito de fazer melhorar a gestão na busca da
eficiência por meio da economicidade para atingir a eficácia.
         A auditoria operacional e de gestão também tem o objetivo de emitir recomendação
ou sugestão com vistas a certificar a regularidade dos recursos econômicos; a verificar a
execução de contratos, acordos, convênios ou ajustes, a probidade na aplicação dos recursos;
guardar e zelar os valores e o patrimônio das instituições públicas ou privadas.
         Finalmente, evidencia-se que diretamente, a auditoria operacional e de gestão e
indiretamente, o controle interno, são indispensáveis, pois é através desses controles que as
instituições públicas ou privadas garantem a veracidade de suas informações para a tomada de
decisões futuras com a segurança necessária.
         Ressalta que este estudo não procurou esgotar inteiramente o tema a respeito da
auditoria operacional e de gestão, mas examinar e investigar um pouco o assunto, visando
aprofundar o conhecimento e a sua importância para as organizações públicas ou privadas que
se beneficiam direta ou indiretamente dos resultados das diversas áreas que podem ser
auditadas.
         Face às considerações expostas, pode-se afirmar categoricamente que a auditoria
operacional e de gestão é um instrumento de suma importância de economicidade,
efetividade,   eficácia,   eficiência   e   produtividade   voltada   para   o   desempenho    e
desenvolvimento dos resultados administrativos gerenciais e organizacionais, principalmente
como resposta às exigências impostas pelo mercado de concorrências e competitividades dos
negócios.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALBUQUERQUE, Frederico de Freitas Tenório. A Auditoria Operacional e seus Desafios:
Um Estudo a partir da experiência do Tribunal de Contas da União. Rio de Janeiro:
Livraria Editora Renovar: 2007.

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: Um Curso Moderno e Completo. 7.ed. São
Paulo: Atlas, 2010.
34



ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Auditoria Operacional. 3.ed. Rio de
Janeiro: FGV Editora, 2007.


ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Auditoria Operacional. 4.ed. Rio de
Janeiro: FGV, 2008.


ATTIE, William. Auditoria: Conceitos e Aplicações. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2011.


CARVALHO, José Carlos Oliveira de. Auditoria Geral e Pública. Rio de Janeiro: Elsevier,
2008.


CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas,
2000.


CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. 5.ed. São Paulo:
Atlas, 2009.


COOK e WINKLE, John W., e Gary M. Auditoria: filosofia e técnica. São Paulo, Saraiva,
1976.


FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio. 3.ed. Curitiba: Editora
Positivo, 2004.


FRANCO, Hilário e MARRA, Ernesto. Auditoria Contábil. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2000.


GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria Operacional e de Gestão: Qualidade da Auditoria. 4.
ed. São Paulo: Atlas, 1999.


GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria de Negócios: Auditoria Governamental –
Contingência versus Qualidade. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2002.


GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria da Qualidade. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1999.
35



HALLER Edward. Avaliação de desempenho operacional – estabelecimento e
administração de uma auditoria operacional. São Paulo: Price Waterhouse, 1986.


JUND, Sérgio. Auditoria: Conceitos, Normas, Técnicas e Procedimentos. 3.ed. Rio de
Janeiro: Impetus, 2002.


LISBOA, Ibraim. Auditoria Interna Operacional – Teoria e Prática para Execução
Eficaz. São Paulo: Maph Editora, 2010.


SÁ, Antônio Lopes de. Curso de Auditoria. 7.ed. São Paulo: Atlas, 1994.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdfTreinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Leonardo dos santos macedo
 
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Diego Omero
 
Lesão muscular
Lesão muscularLesão muscular
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoAula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Claudio Bernardi Stringari
 
Modulo 05
Modulo 05Modulo 05
Modulo 05
SemioOrto
 
Protocolo de Tabata Adaptado ao Futebol
Protocolo de Tabata Adaptado ao FutebolProtocolo de Tabata Adaptado ao Futebol
Protocolo de Tabata Adaptado ao Futebol
Fernando Farias
 
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
Saulo Oliveira
 
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeirosTrabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
Thiago Yajima
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
Karenn Paty
 
Fisioterapia mecanoterapia
Fisioterapia mecanoterapiaFisioterapia mecanoterapia
Fisioterapia mecanoterapiaJosé Wilton
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
Percione B V Soares
 
Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)
Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)
Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)
Ricardo Viana Vargas
 
Resumo indicadores
Resumo indicadoresResumo indicadores
Resumo indicadores
Randolfo Barreto Paiva
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Universidade Pedagogica
 
Palestra Perícia Contábil
Palestra Perícia ContábilPalestra Perícia Contábil
Palestra Perícia Contábil
Antonio Quirino
 
Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária
Souza Neto
 
MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...
MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...
MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...
VernicaHolandaSantos
 
Projeto de implantação de um sistema ERP
Projeto de implantação de um sistema ERPProjeto de implantação de um sistema ERP
Projeto de implantação de um sistema ERP
Victor Claudio
 
Regularização Imobiliária Nacional
Regularização Imobiliária NacionalRegularização Imobiliária Nacional
Regularização Imobiliária Nacional
IRIB
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
Camila Falcão
 

Mais procurados (20)

Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdfTreinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
 
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
 
Lesão muscular
Lesão muscularLesão muscular
Lesão muscular
 
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoAula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
 
Modulo 05
Modulo 05Modulo 05
Modulo 05
 
Protocolo de Tabata Adaptado ao Futebol
Protocolo de Tabata Adaptado ao FutebolProtocolo de Tabata Adaptado ao Futebol
Protocolo de Tabata Adaptado ao Futebol
 
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
 
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeirosTrabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Fisioterapia mecanoterapia
Fisioterapia mecanoterapiaFisioterapia mecanoterapia
Fisioterapia mecanoterapia
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
 
Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)
Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)
Fluxo de Processos do Guia PMBOK® – 6ª Edição (Versão simplificada)
 
Resumo indicadores
Resumo indicadoresResumo indicadores
Resumo indicadores
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
 
Palestra Perícia Contábil
Palestra Perícia ContábilPalestra Perícia Contábil
Palestra Perícia Contábil
 
Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária
 
MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...
MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...
MEMÓRIA E COGNIÇÃO: UM ESTUDO SOBRE A PERFORMANCE DO CAPOEIRISTA PELO OLHAR D...
 
Projeto de implantação de um sistema ERP
Projeto de implantação de um sistema ERPProjeto de implantação de um sistema ERP
Projeto de implantação de um sistema ERP
 
Regularização Imobiliária Nacional
Regularização Imobiliária NacionalRegularização Imobiliária Nacional
Regularização Imobiliária Nacional
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
 

Destaque

20091 apost topic_v_-_control
20091 apost topic_v_-_control20091 apost topic_v_-_control
20091 apost topic_v_-_control
zeramento contabil
 
Auditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais Diferenças
Auditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais DiferençasAuditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais Diferenças
Auditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais Diferenças
Marlon de Freitas
 
Governança de TI e Auditoria Interna
Governança de TI e Auditoria InternaGovernança de TI e Auditoria Interna
Governança de TI e Auditoria Interna
Editora Fórum
 
A UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASIL
A UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASILA UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASIL
A UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASIL
Alexandre Luna
 
CARTA DE APRESENTACAO
CARTA DE APRESENTACAOCARTA DE APRESENTACAO
CARTA DE APRESENTACAO
Vladmir TCHISSINGUI
 
Auditoria marcelo aragao_topicos
Auditoria marcelo aragao_topicosAuditoria marcelo aragao_topicos
Auditoria marcelo aragao_topicos
Hiroshi Okawati
 
Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...
Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...
Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...
Sérgio Caribé
 
Contrato de experiência
Contrato de experiênciaContrato de experiência
Contrato de experiência
Thelma Mariano
 
Auditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informaçãoAuditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informação
Silvino Neto
 
Ecad - Coordenação de auditoria interna
Ecad - Coordenação de auditoria internaEcad - Coordenação de auditoria interna
Ecad - Coordenação de auditoria interna
Alerj
 
ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...
ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...
ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...
Ancelma_Lima
 
Cartas de Respostas a Anúncios
Cartas de Respostas a AnúnciosCartas de Respostas a Anúncios
Cartas de Respostas a Anúncios
secractualidade
 
02 auditoria interna
02 auditoria interna02 auditoria interna
02 auditoria interna
Portal_do_Estudante_aud
 
O papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - Monografia
O papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - MonografiaO papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - Monografia
O papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - Monografia
Universidade Pedagogica
 
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
Luiz Carlos de Almeida
 
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de AuditoriaAulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Auditoria de Processos
Auditoria de ProcessosAuditoria de Processos
Auditoria de Processos
Rafael Esnarriaga
 
Carta De RecomendaçãO
Carta De RecomendaçãOCarta De RecomendaçãO
Carta De RecomendaçãO
Rodrisantos
 
Pedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao ModeloPedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao Modelo
guest3bbab5
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
instituto monitor
 

Destaque (20)

20091 apost topic_v_-_control
20091 apost topic_v_-_control20091 apost topic_v_-_control
20091 apost topic_v_-_control
 
Auditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais Diferenças
Auditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais DiferençasAuditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais Diferenças
Auditoria Interna e Auditoria Externa: Quais As Principais Diferenças
 
Governança de TI e Auditoria Interna
Governança de TI e Auditoria InternaGovernança de TI e Auditoria Interna
Governança de TI e Auditoria Interna
 
A UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASIL
A UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASILA UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASIL
A UTILIZAÇÃO DO C.O.S.O. NA CONTROLADORIA: UM ESTUDO NO BRASIL
 
CARTA DE APRESENTACAO
CARTA DE APRESENTACAOCARTA DE APRESENTACAO
CARTA DE APRESENTACAO
 
Auditoria marcelo aragao_topicos
Auditoria marcelo aragao_topicosAuditoria marcelo aragao_topicos
Auditoria marcelo aragao_topicos
 
Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...
Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...
Auditoria sobre as condições de acessibilidade nas entidades da administração...
 
Contrato de experiência
Contrato de experiênciaContrato de experiência
Contrato de experiência
 
Auditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informaçãoAuditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informação
 
Ecad - Coordenação de auditoria interna
Ecad - Coordenação de auditoria internaEcad - Coordenação de auditoria interna
Ecad - Coordenação de auditoria interna
 
ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...
ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...
ARTIGO CIENTÍFICO, O PAPEL DO CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA PARA EVITAR FR...
 
Cartas de Respostas a Anúncios
Cartas de Respostas a AnúnciosCartas de Respostas a Anúncios
Cartas de Respostas a Anúncios
 
02 auditoria interna
02 auditoria interna02 auditoria interna
02 auditoria interna
 
O papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - Monografia
O papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - MonografiaO papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - Monografia
O papel da auditoria interna nas instituicoes publicas - Monografia
 
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...A importância da comunicação integrada   externa e interna para o sucesso da ...
A importância da comunicação integrada externa e interna para o sucesso da ...
 
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de AuditoriaAulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
Aulas 9 e 10 - 7 Fundamentos de Auditoria
 
Auditoria de Processos
Auditoria de ProcessosAuditoria de Processos
Auditoria de Processos
 
Carta De RecomendaçãO
Carta De RecomendaçãOCarta De RecomendaçãO
Carta De RecomendaçãO
 
Pedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao ModeloPedido Habilitacao Modelo
Pedido Habilitacao Modelo
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
 

Semelhante a Artigo a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições públicas e privadas

Gespublica 2
Gespublica 2Gespublica 2
Modelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da Governança
Modelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da GovernançaModelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da Governança
Modelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da Governança
Guttenberg Ferreira Passos
 
Apostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE MG.pdf
Apostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE       MG.pdfApostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE       MG.pdf
Apostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE MG.pdf
mattoso1970
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
osatoas
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
mattoso1970
 
Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...
Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...
Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...
Jennifer Isabel Arroyo Chacón
 
C I na administração pública municipal implantação no estado do paraná
C I na administração pública municipal implantação no estado do paranáC I na administração pública municipal implantação no estado do paraná
C I na administração pública municipal implantação no estado do paraná
Marllon Barros
 
Trabalho interessante
Trabalho interessanteTrabalho interessante
Trabalho interessante
dryanny
 
Resultado no setor publico
Resultado  no setor publicoResultado  no setor publico
Resultado no setor publico
Mardem
 
IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...
IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...
IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...
Fundação de Economia e Estatística
 
O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...
O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...
O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...
erickarossana
 
10 passos para a boa governanca.pdf
10 passos para a boa governanca.pdf10 passos para a boa governanca.pdf
10 passos para a boa governanca.pdf
Antonio Paulo
 
Adm EstratéGica Na GestãO PúBlica
Adm EstratéGica Na GestãO PúBlicaAdm EstratéGica Na GestãO PúBlica
Adm EstratéGica Na GestãO PúBlica
pragomes
 
Gestão Operacional
Gestão OperacionalGestão Operacional
Gestão Operacional
Carlos Ferreira
 
Pipa Marina
Pipa MarinaPipa Marina
Pipa Marina
Marina Campos
 
Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14
Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14
Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14
Rodrigo Zardo
 
Nota de aula - Introdução a Auditoria
Nota de aula - Introdução a AuditoriaNota de aula - Introdução a Auditoria
Nota de aula - Introdução a Auditoria
Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará
 
AMBIENTE DA CONTROLADORIA
AMBIENTE DA CONTROLADORIAAMBIENTE DA CONTROLADORIA
AMBIENTE DA CONTROLADORIA
Aline Maia
 
Controladoria a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...
Controladoria  a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...Controladoria  a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...
Controladoria a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...
Professor Francisco Silva
 
Controladoria organizacional artigo científico
Controladoria organizacional   artigo científicoControladoria organizacional   artigo científico
Controladoria organizacional artigo científico
Professor Francisco Silva
 

Semelhante a Artigo a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições públicas e privadas (20)

Gespublica 2
Gespublica 2Gespublica 2
Gespublica 2
 
Modelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da Governança
Modelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da GovernançaModelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da Governança
Modelo em Rede de Alinhamento das Ações aos Pilares da Governança
 
Apostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE MG.pdf
Apostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE       MG.pdfApostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE       MG.pdf
Apostila-controle-interno-e-auditoria-governamental-CGE MG.pdf
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
 
Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...
Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...
Auditoria governamental e tipos de serviços de auditoria prestados pela equip...
 
C I na administração pública municipal implantação no estado do paraná
C I na administração pública municipal implantação no estado do paranáC I na administração pública municipal implantação no estado do paraná
C I na administração pública municipal implantação no estado do paraná
 
Trabalho interessante
Trabalho interessanteTrabalho interessante
Trabalho interessante
 
Resultado no setor publico
Resultado  no setor publicoResultado  no setor publico
Resultado no setor publico
 
IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...
IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...
IV Seminário de Avaliação de Políticas Públicas e Qualidade do Gasto Dagomar ...
 
O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...
O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...
O gerenciamento de riscos como ferramenta para governança corporativa em empr...
 
10 passos para a boa governanca.pdf
10 passos para a boa governanca.pdf10 passos para a boa governanca.pdf
10 passos para a boa governanca.pdf
 
Adm EstratéGica Na GestãO PúBlica
Adm EstratéGica Na GestãO PúBlicaAdm EstratéGica Na GestãO PúBlica
Adm EstratéGica Na GestãO PúBlica
 
Gestão Operacional
Gestão OperacionalGestão Operacional
Gestão Operacional
 
Pipa Marina
Pipa MarinaPipa Marina
Pipa Marina
 
Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14
Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14
Texto 1 leit_pre__769%3bvia_ativ_7mai14
 
Nota de aula - Introdução a Auditoria
Nota de aula - Introdução a AuditoriaNota de aula - Introdução a Auditoria
Nota de aula - Introdução a Auditoria
 
AMBIENTE DA CONTROLADORIA
AMBIENTE DA CONTROLADORIAAMBIENTE DA CONTROLADORIA
AMBIENTE DA CONTROLADORIA
 
Controladoria a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...
Controladoria  a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...Controladoria  a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...
Controladoria a estruturaçao da controladoria organizacional para pequenas e...
 
Controladoria organizacional artigo científico
Controladoria organizacional   artigo científicoControladoria organizacional   artigo científico
Controladoria organizacional artigo científico
 

Mais de marioferreiraneto

Resenha critica do filme o clube do imperador
Resenha critica do filme   o clube do imperadorResenha critica do filme   o clube do imperador
Resenha critica do filme o clube do imperador
marioferreiraneto
 
Resenha critica do filme o clube do imperador
Resenha critica do filme   o clube do imperadorResenha critica do filme   o clube do imperador
Resenha critica do filme o clube do imperador
marioferreiraneto
 
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidorArtigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
marioferreiraneto
 
Respostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro textoRespostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro texto
marioferreiraneto
 
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
marioferreiraneto
 
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeiraFórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
marioferreiraneto
 
Fórmulas estatística - medidas - central e dispersão
Fórmulas   estatística - medidas - central e dispersãoFórmulas   estatística - medidas - central e dispersão
Fórmulas estatística - medidas - central e dispersão
marioferreiraneto
 
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
marioferreiraneto
 
Monografia avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveira
Monografia   avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveiraMonografia   avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveira
Monografia avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveira
marioferreiraneto
 
Artigo a história da inflação e dos juros no brasil
Artigo a história da inflação e dos juros no brasilArtigo a história da inflação e dos juros no brasil
Artigo a história da inflação e dos juros no brasil
marioferreiraneto
 
Artigo redes sociais - influencias - mário e yasmim
Artigo   redes sociais - influencias - mário e yasmimArtigo   redes sociais - influencias - mário e yasmim
Artigo redes sociais - influencias - mário e yasmim
marioferreiraneto
 
Artigo importância da nova sistemática para dfc
Artigo   importância da nova sistemática para dfcArtigo   importância da nova sistemática para dfc
Artigo importância da nova sistemática para dfc
marioferreiraneto
 
Artigo impacto - cm - jm - mm
Artigo   impacto - cm - jm - mmArtigo   impacto - cm - jm - mm
Artigo impacto - cm - jm - mm
marioferreiraneto
 
Artigo criminalidade e direitos humanos
Artigo   criminalidade e direitos humanosArtigo   criminalidade e direitos humanos
Artigo criminalidade e direitos humanos
marioferreiraneto
 
Artigo aplicação dos principios da cf na fixação da pena
Artigo   aplicação dos principios da cf na fixação da penaArtigo   aplicação dos principios da cf na fixação da pena
Artigo aplicação dos principios da cf na fixação da pena
marioferreiraneto
 
Artigo como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012
Artigo   como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012Artigo   como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012
Artigo como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012
marioferreiraneto
 
Artigo importância da nova sistemática para dfc
Artigo   importância da nova sistemática para dfcArtigo   importância da nova sistemática para dfc
Artigo importância da nova sistemática para dfc
marioferreiraneto
 
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
marioferreiraneto
 
Artigo desobediência civil
Artigo   desobediência civilArtigo   desobediência civil
Artigo desobediência civil
marioferreiraneto
 
Artigo desobediência civil
Artigo   desobediência civilArtigo   desobediência civil
Artigo desobediência civil
marioferreiraneto
 

Mais de marioferreiraneto (20)

Resenha critica do filme o clube do imperador
Resenha critica do filme   o clube do imperadorResenha critica do filme   o clube do imperador
Resenha critica do filme o clube do imperador
 
Resenha critica do filme o clube do imperador
Resenha critica do filme   o clube do imperadorResenha critica do filme   o clube do imperador
Resenha critica do filme o clube do imperador
 
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidorArtigo   responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
Artigo responsabilidade civil na relação consumerista-fonercedor e consumidor
 
Respostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro textoRespostas das questões do livro texto
Respostas das questões do livro texto
 
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013Resumo do livreto   mestrado em matemática financeira - 3-2013
Resumo do livreto mestrado em matemática financeira - 3-2013
 
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeiraFórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
Fórmulas e nomenclaturas de matemática financeira
 
Fórmulas estatística - medidas - central e dispersão
Fórmulas   estatística - medidas - central e dispersãoFórmulas   estatística - medidas - central e dispersão
Fórmulas estatística - medidas - central e dispersão
 
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
 
Monografia avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveira
Monografia   avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveiraMonografia   avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveira
Monografia avaliação do ensino superior - universidade salgado de oliveira
 
Artigo a história da inflação e dos juros no brasil
Artigo a história da inflação e dos juros no brasilArtigo a história da inflação e dos juros no brasil
Artigo a história da inflação e dos juros no brasil
 
Artigo redes sociais - influencias - mário e yasmim
Artigo   redes sociais - influencias - mário e yasmimArtigo   redes sociais - influencias - mário e yasmim
Artigo redes sociais - influencias - mário e yasmim
 
Artigo importância da nova sistemática para dfc
Artigo   importância da nova sistemática para dfcArtigo   importância da nova sistemática para dfc
Artigo importância da nova sistemática para dfc
 
Artigo impacto - cm - jm - mm
Artigo   impacto - cm - jm - mmArtigo   impacto - cm - jm - mm
Artigo impacto - cm - jm - mm
 
Artigo criminalidade e direitos humanos
Artigo   criminalidade e direitos humanosArtigo   criminalidade e direitos humanos
Artigo criminalidade e direitos humanos
 
Artigo aplicação dos principios da cf na fixação da pena
Artigo   aplicação dos principios da cf na fixação da penaArtigo   aplicação dos principios da cf na fixação da pena
Artigo aplicação dos principios da cf na fixação da pena
 
Artigo como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012
Artigo   como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012Artigo   como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012
Artigo como contestar uma estatistica eleitoral - palmas - 23-9-2012
 
Artigo importância da nova sistemática para dfc
Artigo   importância da nova sistemática para dfcArtigo   importância da nova sistemática para dfc
Artigo importância da nova sistemática para dfc
 
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...Monografia   virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
Monografia virtualização do processo - vantagens e desvantagens, benefícios...
 
Artigo desobediência civil
Artigo   desobediência civilArtigo   desobediência civil
Artigo desobediência civil
 
Artigo desobediência civil
Artigo   desobediência civilArtigo   desobediência civil
Artigo desobediência civil
 

Artigo a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições públicas e privadas

  • 1. 1 A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA OPERACIONAL E GERENCIAL PARA AS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS THE IMPORTANCE OF THE AUDIT AND OPERATIONAL MANAGEMENT FOR PUBLIC AND PRIVATE INSTITUTIONS Mario Ferreira Neto; netoferreiramario@hotmail.com1 Deise Regina Cabrera - CRA/GO 15021; pradorey@hotmail.com2 Derival Alves Ferro - CRC/GO 16079; derivalferro@hotmail.com3 Orientador - Prof. Dr. Antônio de Loureiro Gil; algilgil@uol.com.br4 MBA em Perícia Judicial e Auditoria – IPECON/PUC-GO RESUMO A auditoria em estudo tem se destacado como uma eficiente ferramenta de apoio e controle de desempenhos e de resultados da administração das organizações governamentais e não governamentais, por ser uma atividade universal. O texto deste artigo tem como objetivo primordial demonstrar a importância da auditoria operacional e gerencial nas instituições públicas ou privadas, subsidiariamente tem objetivo de analisar a contribuição da auditoria operacional e de gestão para as entidades públicas ou privadas, por meio de suas normas, visando evidenciar a economicidade, a eficácia e a eficiência do processo/produto dessas normas dentro destas organizações e verificar se as normas são ou não cumpridas, bem como identificar as vantagens dessa auditoria para a administração das instituições públicas, privadas ou não-governamentais, de caráter filantrópico, política, religiosa, social, entre outras. 1 Especializando da Pós-Graduação: MAB em Perícia Judicial e Auditoria – PUC-GO/IPECON. 2 Especializanda da Pós-Graduação: MAB em Perícia Judicial e Auditoria – PUC-GO/IPECON. 3 Especializando da Pós-Graduação: MAB em Perícia Judicial e Auditoria – PUC-GO/IPECON. 4 Professor Mestre e Doutor pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo – FEA/USP.
  • 2. 2 As modalidades de auditoria em estudo tem se destacado com uma eficiente ferramenta de apoio e controle do desempenho e dos resultados da administração das organizações governamentais e não-governamentais, por ser uma atividade universal. A fundamentação teórica da auditoria foi alicerçada em diversas teorias, que abordam as questões relacionadas com auditoria operacional e de gestão, onde as funções administrativas de planejamento – estabelecimento de objetivos e processos necessários ao fornecimento de resultados de acordo com os requisitos e políticas pré-determinadas; execução – implementar as ações necessárias; controle – monitorar e medir os processos e os produtos em relação às políticas, aos objetivos e aos requisitos estabelecidos e relatar os resultados; ação – executar ações para promover continuamente a melhoria dos processos. Esta ferramenta leva o nome de ciclo PDCA (Planejar - plan, Executar - do, Controlar - check, Agir - act). A função básica da auditoria operacional e gerencial é elaborar diagnósticos que permitam visualizar e avaliar a situação da instituição ou organização público-privada auditada de acordo com o desempenho relativo ao funcionamento e desenvolvimento das atividades e à utilização dos recursos e meios da maneira mais eficiente, com economicidade para atingir a eficácia. A auditoria operacional e de gestão é uma ferramenta de elevado potencial no gerenciamento e na redução de riscos e fraudes, garantindo a economicidade, a eficiência e a eficácia dos seus resultados. PALAVRAS-CHAVE: Auditoria. Controle. Economicidade. Eficácia. Eficiência. Efetividade. Gestão. Operacional. Produtividade. ABSTRACT The audit study has emerged as an efficient tool support and control performance and results of the administration of governmental and nongovernmental organizations, as it is a universal activity. The text of this article aims to demonstrate the paramount importance of auditing and management in public or private institutions, the alternative is to analyze the contribution of auditing and management for both public and private, through its rules, aimed at highlighting the economy, efficiency and effectiveness of the process / product standards within these organizations and see if these standards are not met, and identify the advantages of this audit for the administration of public, private or non-governmental, philanthropic, political, religious, social, among others.
  • 3. 3 The arrangements for audit study has excelled with an efficient tool to support and control the performance and results of the administration of government and non-governmental, as a universal activity. The theoretical basis of the audit was rooted in several theories that address issues related to auditing and management, where the administrative functions of planning - setting objectives and processes necessary to provide results in accordance with the requirements and policies predetermined ; implementation - implement the necessary actions, control - monitor and measure processes and product against policies, objectives and requirements and report results; action - take actions to continually improve processes. This tool takes the name of the PDCA cycle (Plan - plan, Run - do, Check - Check, Act - act). The basic function of auditing and management is to develop diagnostics that allow viewing and evaluating the situation of the institution or organization public / private audited in accordance with the performance on the operation and development of activities and use of resources and the most efficient way, with economy to achieve efficacy. Performance auditing and management is a tool with great potential in managing and reducing risk and fraud, ensuring economy, efficiency and effectiveness of their results. KEY-WORDS: Audit. Control. Economy. Effectiveness. Efficiency. Effectiveness. Management. Operational. Productivity. INTRODUÇÃO A nominada terceira revolução industrial não está relacionada ao aço, ao carvão, a eletricidade ou ao petróleo, mas está ligada a informação e, posteriormente ao conjunto destas informações sedimentadas em conhecimento, capazes de fornecer subsídios aos sistemas eletrônicos e intelecto humano que deverão administrar e gerenciar mais eficaz/eficiente os processos/produtos atinentes aos recursos econômicos, humanos, materias e tecnológicos em relação aos bens, produtos e serviços cada vez mais escassos. Com a evolução da instituição/organização, ao atingir determinada aparência ou nível de expansão, por mais que o administrador ou gestor controle ou fiscalize os procedimentos e rotinas estabelecidas nas normas ou regimentos da entidade, a eficácia estará comprometida. Á medida que a instituição/organização se expande, as possibilidades de perda de valores ou de comprometimento de produtividade aumentam, quando, as operações diversificam-se, os departamentos de administração e de gestão geralmente são deslocados para outros endereços. Não há mais condições para que uma pessoa ou um pequeno grupo de
  • 4. 4 pessoas detenham o controle administrativo e/ou operacional de um complexo organizacional onde haja garantia de total proteção. As transformações ocorridas no perfil da sociedade brasileira exigem o redimensionamento do Estado, bem como das Empresas Privadas; as experiências recentes que envolvem modelos alternativos de administração e gestão pública e privada exigem mudanças que têm evidenciado o fortalecimento da necessidade de auditoria operacional e de gestão na administração das diversas organizações. São consideráveis as transformações que vêm ocorrendo no mundo das organizações em face da globalização, exigindo cada vez mais, a busca por novas estratégias para garantir a sobrevivência. A auditoria operacional e de gestão tem se destacado como uma importante ferramenta administrativa que visa constituir um controle gerencial com atuação na verificação, no exame e na avaliação da eficácia nos controles. Esse paradigma emergente da administração e da gestão público-privada, entre outros aspectos, enfatiza os ideais de democracia e cidadania, ressaltando a participação e o controle da sociedade civil sobre a administração. Um dos principais problemas que atinge tanto as instituições da administração pública quanto privada são os desvios, erros, falhas e fraudes que são denominadas de corrupção; procedimento este que está relacionado com a falta de controle adequado sobre um determinado processo, implicando em um conjunto de atos que provocam a utilização indevida do processo e dos recursos pertencentes às entidades, seja para benefício próprio ou de terceiros. Nesse contexto de mudanças onde o cidadão é elevado a um patamar maior de destaque no planejamento, execução, controle e auditoria, tanto na condução das políticas públicas como nas empresas privadas, impõe-se a qualificação operacional e da gestão, principalmente no que concerne ao correto diagnóstico, à implementação e ao acompanhamento dos resultados das políticas, de forma consistente e sistemática. A auditoria - chamada independente - quanto interna tem muito a colaborar na administração operacional e de gestão das entidades públicas e privadas. A complexidade operacional e as demandas geradas por controles do patrimônio exige um acompanhamento efetivo por parte dos administradores, acionistas, controladores, fornecedores e dos gestores de capital. A auditoria operacional também chamada de auditoria de desempenho (visa examinar as atividades dentro de aspectos de economicidade, eficácia e eficiência) e da auditoria de resultados ou de gestão, tem seu foco no processo de gestão. Não atua na busca
  • 5. 5 de irregularidades - como acontece com as modalidades de auditoria de conformidade e legalidade (visa examinar a conformidade e a legalidade das ações e dos atos de gestão dos responsáveis pela administração em relação aos aspectos: contábil, financeiro, orçamentário e patrimonial). Auditoria é uma atividade destinada a examinar, indagar, observar, questionar - tendo como base o controle administrativo - para que possa assessorar a administração. Sua principal função é avaliar, verificar economicidade, a eficácia e a eficiência dos controles para levar informações e recomendações seguras aos interessados, respeitando os critérios de conformidade, integridade e legalidade contábil, financeira, gerencial e operacional. O presente trabalho surgiu da necessidade de esclarecer a importância da Auditoria Operacional e Gerencial para as instituições públicas ou privadas diante dos cenários hostis que se configuram para as mesmas, em função da: competitividade em nível global; aumento do nível de exigência dos consumidores/clientes; máxima necessidade de transparência no cumprimento da responsabilidade política e social; dificuldades ou escassez de recursos financeiros, humanos, materiais e tecnológicos. Procura ressaltar a importância e a relevância da auditoria operacional e de gestão no cenário atual para as organizações públicas ou privadas como surgimento de proposta para responder às exigências de um mundo empresarial abrangente e dinâmico e cujos procedimentos podem ser aplicados pelas diversas áreas da organização. TEMA A importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições públicas ou privadas na tomada de decisões evidencia a necessidade da utilização das novas vertentes dessa área de conhecimento, ao demonstrar suas definições e aplicações de forma clara e abrangente. JUSTIFICATIVA Desde o século passado, importantes mutações econômicas, filosóficas, religiosas, políticas e sociais estão alterando características das diversas regiões do mundo, ampliando conceitos para um mundo globalizado. Inovações tecnológicas e a informação disseminada de forma muito rápida têm contribuído para o aumento da competitividade e a diminuição das barreiras físicas entre as organizações em todo o mundo. Essas modificações têm induzido às instituições públicas ou privadas a se utilizarem, cada vez mais, de novos métodos e procedimentos administrativos e de gestão, novos
  • 6. 6 processos/produtos, novas metodologias e projetos com alto índice de inovação, resultando na reavaliação de diversos paradigmas. Tais transformações fazem com que, as instituições estatais ou privadas se focalizem em seus objetivos, missões, metas, funções, finalidades alternativas para se manter no mercado dos negócios com foco na competitividade cotidiana. Essa necessidade de assegurar a continuidade das organizações também se reproduz e repercute na preocupação com a qualidade, a produtividade e a inovação resultantes do conhecimento do trabalho operacional e gerencial. Atualmente, são priorizadas as atividades fins para que as instituições públicas ou privadas possam responder com economicidade, efetividade, eficácia, eficiência, produtividade e rapidez, às exigências do mercado de negócios e as necessidades dos consumidores/usuários, transmitindo-se a outrem profissional a execução das atividades meio, principalmente a auditoria. Nesta perspectiva, essas atividades atuam como participantes das mutações processadas nas entidades estatais, paraestatais, privadas ou organizações para avaliar os controles e recomendar ou sugerir as ações e os ajustes necessários nos sistemas e procedimentos internos gerenciais. Com a evolução e competitividade dos mercados, cada vez mais as instituições públicas e privadas estão na busca de novas tecnologias operacionais e de gestão, que permitam a administração vislumbrar perspectivas futuras para a organização. É comum visualizar-se que boa parte das instituições seja pública ou privada não conseguem cumprir adequadamente suas atribuições legais não só por falta de capacitação adequada de seus funcionários (servidores técnicos), mas principalmente pela falta de uma estrutura organizacional eficiente. Essa deficiência é mais visível quando ocorrem alterações na atuação institucional oriundas de novas exigências impostas pela sociedade competitiva do mercado, que implicam em novos conhecimentos técnico-científicos e novas habilidades comportamentais das pessoas que compõem tais organizações, pois ainda que as pessoas se adaptem mais facilmente a essas novas exigências, as estruturas organizacionais tendem a perpetuar o “status quo”. A evidência pode ser obtida, durante a auditoria operacional e de gestão, com ênfase sobre aquelas ações, atividades, processos/produtos e tarefas onde a intervenção humana pode ter um impacto maior. O profissional da auditoria pode analisar as instruções de trabalho, atividades de testes, inspeções ou monitoramento, registros da análise crítica da gerência, definições de responsabilidades e autoridades, registros de não-conformidades, relatórios de auditorias, reclamações de clientes, registros de validação de processos.
  • 7. 7 A relevância desse trabalho apresenta importantes dimensões: a) os benefícios ocasionados para a administração e gestão das instituições de um modo geral; b) as contribuições para o desenvolvimento da administração, ciência contábil e áreas afins de conhecimento; c) contribuir com a melhoria do desempenho da atividade econômico administrativa proporcionando o equilíbrio das funções patrimoniais para acarretar nos resultados operacionais no aperfeiçoamento do estudo e otimização da auditoria operacional e de gestão; d) servir-se de instrumento para futuros aprofundamentos relacionados ao tema. Os ciclos e controles das instituições organizacionais podem focar no universo pertinente a determinada área, departamento, órgão ou setor, mas não sempre integrada e relacionada harmoniosamente com outras áreas. Os resultados de uma auditoria operacional e de gestão trazem uma visão global dessas áreas, departamentos, órgãos, segmentos ou setores das instituições pública ou privada, dessa forma podem contribuir para a otimização dos processos/produtos. PROBLEMAS Que tipo de informação é importante ou relevante para a auditoria operacional e de gestão? Quais os resultados que se podem alcançar com a implantação da auditoria operacional e de gestão nas instituições públicas ou privadas? Como auditar a “competência” e a eficácia das ações tomadas pelos administradores- gestores? Qual a relevância da auditoria operacional e de gestão como instrumento de assessoramento na avaliação dos controles? Qual a importância ou a utilidade da auditoria operacional e de gestão para a continuidade operacional das políticas públicas e dos negócios? HIPÓTESES A hipótese básica é que tanto a auditoria operacional quanto a de gestão são atividades afetas ao processo/produto que modernizaram o perfil das modalidades de auditoria e vieram para somar no processo operacional e de gestão de uma entidade pública ou privada. A auditoria não vive somente de dados passados, a auditoria operacional e de gestão basicamente é alicerçada do passado para o presente enquanto a auditoria gerencial é fundamentada no presente para o futuro, pois a tomada de decisões é somente para frente, porque não se decide com a informação, mas com conhecimento.
  • 8. 8 Dentro das várias ramificações interessantes da auditoria operacional e de gestão, talvez a que agregue maior valor aos interessados seja a auditoria de gestão, porque a matemática faz com que o ser humano audita para conseguir atingir o futuro, pois o risco é um cálculo matemático no evento futuro. O critério é à base do julgamento. Os trabalhos de auditoria operacional e de gestão envolvem a aplicação explícita ou implícita de alguns critérios por meio dos quais o profissional de auditoria irá julgar o comportamento da atividade, da organização ou do projeto que está sendo avaliado, examinado ou verificado, com vistas a auxiliar aquele profissional a fazer algum julgamento ou recomendação. A auditoria operacional e de gestão tem a pretensão de analisar o planejamento, a organização e os sistemas internos de controle administrativo e avaliar a eficiência, a economicidade e a produtividade com que são utilizados os recursos financeiros, humanos e materiais. A auditoria operacional e de gestão é um instrumento de significativa importância no assessoramento e contribuição da avaliação dos ciclos e controles nas entidades organizacionais públicas ou privadas. METODOLOGIA A metodologia utilizada foi o estudo, a interpretação e a revisão bibliográfica dos diversos autores das mais variadas áreas de auditorias em todo o referencial teórico e em alguns periódicos especializados, a partir de materiais já publicados (artigos, livros e sites especializados) analisando-se os métodos comparativos, dedutivos e bibliográficos com a utilização de fontes primárias e secundárias, examinando a atuação da auditoria operacional e de gestão como um instrumento de assessoramento e contribuição dos ciclos e controles, analisando o processo de mudanças de paradigmas na concepção e evolução da auditoria, mostrando objetivos e finalidades, buscando também nesse estudo aspectos atuais de trabalho. Esse procedimento metodológico para este trabalho foi de caráter qualitativo, no âmbito da abordagem da atuação da auditoria operacional e de gestão como instrumento de assessoramento dos ciclos e controles. OBJETIVOS GERAIS Assessorar no desempenho de suas funções e responsabilidades, de acordo com o planejamento, com o programa de trabalho, avaliando se a organização, o departamento, as atividades, os sistemas, os controles, as funções ou as operações estão alcançando os objetivos
  • 9. 9 das instituições ou das organizações públicas ou privadas na busca da economicidade, eficácia, eficiência e produtividade. Verificar, diretamente, a importância e a relevância da auditoria operacional e de gestão e indiretamente a essencialidade da auditoria interna ou externa, suas contribuições para a melhoria dos procedimentos operacionais e gerenciais das organizações públicas ou privadas. Demonstrar a importância da participação da auditoria operacional e de gestão no assessoramento e contribuição da avaliação dos ciclos e controles nas instituições pública e privada. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Analisar a importância da auditoria operacional e de gestão para as instituições pública ou privada afetas à economicidade, efetividade, eficácia e eficiência do planejamento, execução, controle e auditoria; Assessorar os membros da administração e da gestão de uma instituição a exercer de forma efetiva e produtiva suas responsabilidades, fornecendo-lhes análises objetivas, recomendações e outros comentários pertinentes às atividades revisadas; Examinar minuciosamente a posição hierárquica da auditoria operacional e de gestão na estrutura organizacional das instituições pública ou privada; Comparar os objetivos e finalidades da auditoria operacional e de gestão com a auditoria interna e externa, independente; Identificar os tipos de ciclos e controles utilizadas pelas instituições públicas ou privadas; Identificar as normas e órgãos relacionados à auditoria operacional e de gestão e os instrumentos de análise utilizados pela auditoria na avaliação dos ciclos e controles; Distinguir os modelos, procedimentos e técnicas da auditoria operacional e de gestão aplicável a todas as áreas das organizações estatais, paraestatais e privadas; Identificar as barreiras encontradas na implantação da auditoria operacional e de gestão na estrutura das instituições públicas ou privadas; Observar minuciosa e criticamente a eficiência e a eficácia das ações tomadas para satisfazer as necessárias competências; Reconhecer a relevância da auditoria operacional e de gestão como uma ferramenta indispensável para a segurança na tomada de decisões administrativas e gerenciais das instituições.
  • 10. 10 A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA OPERACIONAL E DE GESTÃO A evolução da auditoria surgiu com o desenvolvimento econômico-industrial que impulsionou as grandes empresas, formadas por capitais de diversas pessoas que buscaram nos princípios gerais de contabilidade e matemática financeira controlar e proteger o seu patrimônio. A Revolução Industrial na segunda metade do século XVIII veio consolidar a necessidade da auditoria nas instituições tanto privadas quanto públicas devido ao aumento da complexidade societária pela abertura do capital a terceiros como pela instituição de impostos e taxas às empresas com base nos lucros para constituir-se as rendas (receitas) do Estado. No Brasil, a auditoria emergiu com a instalação das empresas multinacionais, principalmente no período do Governo de Getúlio Vargas que iniciou a empenhar-se na luta para reverter o excessivo predomínio das atividades ruralistas e o domínio dos grandes produtores agrícolas. As inovações administrativas e gerenciais que decorreram da nova cultura operacional e organizacional conduzida pelas empresas multinacionais, consideram-se como o grande incentivo para a auditoria no Brasil, passando a representar a profissionalização do setor empresarial e acabou por enraizar-se também no setor público, no qual cada vez mais se impõe a prática do ciclo da qualidade de organização do processo/produto: planejamento, execução, controle e auditoria. Um dos tipos de auditoria é a auditoria operacional e de gestão, as quais conjuntamente consistem em revisões metódicas de ações, atividades, metas, processos, programas, projetos ou segmentos operacionais e gerenciais dos setores público ou privado, com a finalidade de avaliar, comunicar e examinar (verificar) se os recursos das instituições são utilizados com economicidade (comprovação da justificativa econômica do ato praticado pelo administrador-gestor), efetividade, eficácia e eficiência, se estão sendo atingidos os objetivos operacionais e de gestões propostos e desejados, bem como se há produtividade na operacionalização e na gestão destas instituições. A auditoria operacional consiste na avaliação dos critérios, mecanismos, parâmetros e procedimentos de controle adotados por uma instituição, certificando a sua regularidade, por meio de estudos e exames de documentação comprobatória das ações, dos atos e fatos administrativos e a verificação da eficiência dos sistemas de controles administrativo, contábil, operacional e organizacional. Auditoria neste aspecto é chamada de auditoria de conformidade e legalidade.
  • 11. 11 A auditoria operacional auxilia a administração-gestão no gerenciamento e nos resultados, por meio de recomendações ou sugestões que visem aprimorar parâmetros e procedimentos, melhorar controles, aumentar e partilhar a responsabilidade gerencial. Há mais de 35 anos, Cook (1976) a auditoria operacional e de gestão, já era considerada como: “Um exame e uma avaliação abrangente das operações de uma empresa, com a finalidade de informar a administração se as várias atividades são ou não cumpridas de um modo compatível às políticas estabelecidas, com vistas à consecução dos objetivos”. O citado autor explicita que está correlacionado a auditoria operacional e de gestão, uma avaliação da utilização de recursos financeiros, humanos, materiais e tecnológicos, bem como uma recomendação ou sugestão dos critérios ou procedimentos operacionais e gerenciais. Essa auditoria deve compreender as recomendações ou sugestões para soluções de problemas e dos métodos para aumentarem a eficiência e os lucros. Entende Haller (1986) que a auditoria operacional define-se: “Revisões metódicas de programas, organizações, atividades ou segmentos operacionais dos setores público e privado, com finalidade de avaliar e comunicar se os recursos da organização estão sendo usados eficientemente e se estão sendo alcançados os objetivos operacionais”. A auditoria operacional pode ser considerada como um processo/produto, isto é, relação entre custos e gastos com bens e serviços de avaliação do desempenho real em comparação com o desempenho previsto, conduzindo-se a recomendações ou sugestões destinadas a melhorar este desempenho. De acordo com Sá (1998, p. 449), a Auditoria Operacional é a “auditoria que visa ao exame do desempenho administrativo em face do patrimônio em gestão”. Segundo Crepaldi (2000, p. 32), a Auditoria Operacional: “Consiste de revisões metodológicas de programas, atitudes ou segmentos operacionais dos setores públicos e privados, com a finalidade de avaliar e comunicar se os setores da organização estão sendo usados eficientemente e se estão sendo alcançados os objetivos operacionais”. Conforme Gil (1999, p. 13), a Auditoria Operacional e de Gestão: “é função organizacional de revisão, avaliação e emissão de opinião quanto ao ciclo administrativo (planejamento, execução e controle) em todos os momentos/ambientes das entidades”. Citado autor entende que os resultados exercidos em uma linha de negócios, produtos ou serviços, podem ser analisados no horizonte temporal passado/presente pela auditoria
  • 12. 12 operacional e no horizonte presente/futuro pela auditoria de gestão, obtendo-se momentos de auditoria a nível operacional e de gestão. No interior dos níveis encontram-se processos e resultados; sequências de atividades e tarefas, produtos e serviços; realização de ações e atividades administrativas, contábeis e financeiras, de planejamentos e pesquisas, desenvolvimento de novos sistemas e tecnologias, qualidade de execução, de informações e de contrainformações. Por outra face, a auditoria operacional governamental é a avaliação acerca da economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade dos departamentos, órgãos ou setores auditados; programas e projetos de governo; ações e atividades ou segmentos das políticas públicas, empenhando-se em auxiliar a administração pública direta ou indireta no gerenciamento e nos resultados, por meio de recomendações ou resoluções (determinações) que visem aperfeiçoar os métodos e procedimentos, melhorar os controles de desempenho e resultados, aumentar e distribuir a responsabilidade de administração e de gestão. Por estes conceitos, restam demonstrados de maneira abrangente a importância, as finalidades e os objetivos da Auditoria Operacional e de Gestão dentro das instituições. Assim, analisando os conceitos mencionados, pode-se afirmar taxativamente que a auditoria operacional e de gestão é uma ferramenta ou um instrumento, por utilizar-se de procedimentos e técnicas específicas, de maneira eficaz e eficiente na administração e na gestão das instituições, se operacionalizados e realizados adequada e corretamente. Neste sentido tem por objetivo avaliar e fiscalizar as informações a respeito da utilização adequada e correta ou não dos recursos contábil-financeiros, humanos, materiais e tecnológicos das instituições; emitir opiniões, recomendações ou sugestões técnico- profissionais dos resultados obtidos durante a realização dos trabalhos, apresentando-os imparcialmente à administração e a gestão das instituições. A auditoria operacional e de gestão também tem por finalidade auxiliar a administração e a gestão de uma empresa ou entidade ou organização, examinando os procedimentos internos em busca de atingir maior economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade, através de análises, estudos e exames entre períodos com critérios e métodos para recomendar ou sugerir melhorias para cada setor ou órgão analisado-auditado. A auditoria se aplica aos diversos tipos de instituições pública ou privada, de variados ramos de atividades, por utilizar-se de informações e registros contábeis e gerenciais para avaliar os custos, os benefícios, as despesas, os rendimentos e os prejuízos, buscando indispensavelmente a otimização para o desempenho operacional da administração e da gestão.
  • 13. 13 Um dos pontos relevantes da auditoria operacional e de gestão é por ser um novo enfoque da auditoria, diferenciando-se da auditoria tradicional, a qual está direcionada somente para detectar se há ou não a ocorrência desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades, por basear-se nas análises e exames de documentos, de manuais ou rotinas de atividades contábeis ou administrativas, bem como na avaliação de desempenho atual e real da instituição. A auditoria operacional e de gestão é de suma importância nas instituições pública ou privada por ter uma tendência moderna para melhoria da operacionalização e da gestão, por meio de uma análise, estudo, exame e verificação minuciosa mais completa de todo o contexto operacional e organizacional, porque realiza, previamente, uma revisão avaliativa do passado, presente e futuro das ações e atividades das instituições, estudando e examinando a estrutura formal e informal, as linhas de comunicação, o fluxo das informações internas e externas, os ciclos e procedimentos operacionais e a evolução da capacidade, eficácia, eficiência e produtividade da atividade de pessoal. A auditoria operacional e de gestão atua em todos os sistemas, setores, órgãos, departamentos, ambientes e áreas das instituições pública ou privada. Deste modo, todos os processos podem ser analisados, avaliados e orientados, passo a possa ou ponto a ponto, identificando os possíveis desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades para emitir recomendações ou sugestões de ação para otimizar as atividades operacional, organizacional e gerencial das entidades. Uma das funções da auditoria operacional e de gestão é a aplicação de testes que avaliem se os critérios, procedimentos ou padrões contidos são efetivamente seguidos pelos funcionários (servidores), se existe a necessidade de treinamento, capacitação e adequação aos critérios de seleção de pessoal. Ainda recorre-se a verificação da ocorrência de desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades nos setores operacionais e administrativos. São de suma importância o exame e a avaliação em que o objetivo geral é assessorar a administração-gestão para analisar se as ações, atividades, departamentos, órgãos, operações, projetos, programas ou que passaram pela auditoria, alcançaram ou não os objetivos de economia, eficácia e eficiência, de organização e gerenciamento. Em uma auditoria operacional, os critérios ou padrões pelos quais o desempenho de um departamento, órgão ou programa público ou privado será aferido com as definições para cada auditoria. Mas, os critérios podem ser definidos em função de: a) objetivos e metas fixados em contrato, lei, manual, regulamento ou regimento interno; b) doutrinas e opiniões de especialistas na área; c) desempenho de entidades similares.
  • 14. 14 Assim, como o propósito dessa auditoria é melhorar o desempenho de departamentos, órgãos, programas e projetos, pois os pareceres ou relatórios produzidos pelo profissional da auditoria operacional devem conter recomendações ou sugestões para o aperfeiçoamento da gestão, dos processos/produtos, dos controles, dos resultados, entre outros. Um dos objetivos da auditoria na área operacional é assessorar a administração no desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se a instituição ou organização, departamentos ou setores, funções, operações, programas e sistemas auditados estão atingindo os objetivos propostos com identificação de desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades no sistema operacional. Outro objetivo da modalidade de auditoria operacional refere-se à avaliação das metas, programas e projetos é examinar a efetividade destas metas, programas e projetos das entidades públicas ou privadas, isto é, os benefícios e impactos gerados com as ações, atos e atividades destas instituições. Nestes sentidos, os objetivos da auditoria operacional e gestão dependem das necessidades das instituições auditadas, porém de forma geral, procuram apresentar um diagnóstico da situação atual das ações e atividades desenvolvidas pelas entidades, para depois, apontar um caminho para a realização das ações e atividades futuras. De acordo com Gil (1999, p. 25), os objetivos da auditoria operacional são definidos como formas de: “avaliar o nível de operacionalização das unidades consoantes os normativos vigentes; contribuir para otimização da dinâmica de atuação das unidades via auditoria preventiva, baseada na aplicação de ckecklist, cobrindo produtos, serviços e infraestrutura; verificar a adequacidade das normas operacionais das unidades em função da evolução da tecnologia de cada organização; estimular a qualidade organizacional”. A auditoria de avaliação das metas, programas e projetos verificam em que medida as ações implementadas lograram êxito em produzir os efeitos pretendidos pela gestão administrativa e a de desempenho operacional busca apurar, além da eficiência operativa, o grau de cumprimento das metas, programas e projetos, comparando as previstas com as realizadas. A auditoria de gestão consiste em acompanhar, avaliar e examinar a execução de programas e projetos específicos, atuando nas áreas inter-relacionadas da organização, a fim de avaliar a eficácia de seus resultados em relação aos recursos humanos, materiais e tecnológicos disponíveis. Neste tipo de auditoria é procedida à análise da realização físico- financeira em face dos objetivos e metas estabelecidos, ainda a análise dos demonstrativos e
  • 15. 15 dos relatórios de acompanhamento produzidos com vistas à avaliação dos resultados alcançados e à eficiência gerencial. A auditoria de gestão, conhecida por auditoria operacional, de acordo com Crepaldi (2009, p.12), pode ser definida: “um processo de avaliação do desempenho real, em confronto com o esperado, o que leva, inevitavelmente, à apresentação de recomendações destinadas a melhorar e a aumentar o êxito da organização”. Esse tipo de auditoria destina-se a revisar as operações, como um serviço prestado às instituições públicas ou privadas, conforme explicitado por Crepaldi (2009, p. 14): “Constitui um controle gerencial que funciona mediante análise e avaliação da eficácia de outros controles”. A auditoria de desempenho operacional e de gestão constitui uma das formas de autoria de natureza operacional, por estarem direcionados para o exame da ação governamental ou não-governamental quantos aos aspectos da economicidade, eficácia e eficiência, tem como foco principal o processo/produto de gestão nos seus diversos aspectos de: planejamento, execução, controle, auditoria, acompanhamento gerencial, organização, procedimentos operacionais, inclusive quanto aos seus resultados em termos de metas atingidas. A auditoria em nível de gestão desempenha suas atividades, participando de reuniões de diretoria, comitês operacional-financeiros, grupos envolvidos com programas e projetos de qualidade total, entre outros. A auditoria gerencial trabalha em nível de planejamento estratégico, tático e no processo decisório decorrente da aplicação de critérios, parâmetros, políticas e procedimentos. Por auditoria de gestão, Gil (1999, p. 21) entende-se como, a “revisão, avaliação, emissão de opinião de processos e resultados exercidos em linhas de negócios, produtos, serviços no horizonte temporal presente/futuro”. Conforme esse autor, Gil (1999, p. 39/40), os objetivos da auditoria de gestão são definidos como formas de: “participação da auditoria interna em todos os membros empresariais; contribuição da auditoria interna para manutenção da organização na vanguarda tecnológica e do segmento econômico de que participa; avaliação do posicionamento/situação futura da organização via auditoria de simulações e previsões organizacionais; selar o leque de opções de auditoria; estimular os líderes empreendedores; institucionalizar os critérios de rodízio/polivalência/negociação/participação no ambiente auditoria/empresa; avaliação das iniciativas empresariais propostas”. Os objetivos da auditoria operacional e de gestão podem ser resumidos: a) assegurar e garantir o cumprimento das normas internas e legislações externas (se houver) e dos
  • 16. 16 procedimentos administrativos, estruturais, gerenciais e organizacionais vigentes; b) analisar se os procedimentos ou as rotinas das atividades da instituição, órgão ou setor são ou não adequados e próprios às circunstâncias atuais; c) avaliar a importância dos fatos analisados, estudados, examinados e revisados para emitir recomendações ou sugestões; d) comunicar ou informar à administração ou gestão da instituição se está em condições de efetuar as operações administrativas, gerenciais e organizacionais presentes e futuras. Essa economicidade trata de exame da essencialidade do ato praticado sob o ponto de vista de sua adequação econômica no ambiente, no tempo, na forma e nas condições em que ocorreu. Volta-se à forma, otimização e razoabilidade da obtenção e aplicação dos recursos condizentes com a operação ou atividade praticada. A auditoria operacional e de gestão esforça-se para fazer ou alcançar alguma probabilidade de avaliar projetos, programas e setores ou órgãos ou departamentos das instituições públicas ou privadas na perspectiva da economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade. Para o presente estudo é necessário e precisa-se compreender e entender qual é a diferença entre essas dimensões, a fim de que se possam obter resultados coerentes e convenientes, essencialmente ao que se refere a entender e compreender o que seja eficácia. Economicidade refere-se ao menor custo, isto é, ao preço coerente com o que praticado na sociedade. Essa economicidade é a minimização dos custos dos recursos utilizados no planejamento e na execução de uma ação, atividade ou meta, sem comprometer os padrões de qualidade, referindo-se à capacidade de uma instituição pública ou privada de administrar ou gerenciar adequada e corretamente os recursos, não só financeiros, mas os recursos humanos, materiais e tecnológicos que estiverem à sua disposição. A eficácia implica em dispor de definição clara de objetivos, quantificação de metas, para um determinado tempo, isto é, necessita de um sistema de informações financeiras e técnicas. A eficácia está afeta ao grau de alcance dos programas, projetos ou metas, por realizar as ações e atividades com economicidade e produtividade, em determinado período de tempo, independente dos custos implicados. A eficácia é fazer o que deve ser feito, mas a eficiência é fazer algo da melhor forma possível. A eficiência implica em dispor de definição clara de objetivos, quantificação de metas, para um determinado tempo e um determinado custo, isto é, necessita de um sistema de informações financeiras e técnicas. Eficiência e produtividade são conceitos semelhantes,
  • 17. 17 pois relacionam recursos com resultados, mas a produtividade considera os recursos em unidades físicas, enquanto a eficiência traduz os fatores de produção em unidades monetárias. A eficiência está afeta ao cumprimento desejado no programa, projeto ou meta, por realizar as ações e atividades com economicidade e produtividade, ao minimizar os custos e produzir efetivamente os trabalhos necessários para a consecução da qualidade do processo/produto, relação entre custos e gastos com bens e serviços. A economicidade é a utilização dos recursos financeiros, humanos e materiais, considerando a relação custo ÷ benefício. Por exemplo: é a parte da gerência das virtudes de poupança e da boa economia doméstica. A economicidade é a obtenção do máximo resultado possível com os meios necessários ou obtenção do resultado desejado com o mínimo de meios necessários, isso centra no menor custo possível. Comparação de: Custos ÷ Benefícios. Equação: Economicidade = Custos ÷ Benefícios. Segundo Araújo (2007: p. 35) a economicidade se refere à produtividade ao menor custo. Uma ação é econômica quando proporciona a aquisição de um produto (bem ou prestação de serviço) ao menor preço de mercado, sem prejuízo da qualidade. Essa ação deve ser avaliada no transcorrer de certo período de tempo, mas jamais em função de seu resultado imediato. A eficácia são os resultados obtidos que estão de acordo com os objetivos propostos pela instituição ou organização, conforme as políticas estabelecidas, as metas operativas, outros resultados e efeitos previstos. A eficácia são as metas em relação aos tempos reais em relação aos previstos. Metas ÷ Tempos, isto é, resultados reais ÷ resultados previstos. (Metas reais ÷ Tempos reais) ÷ (Metas previstas ÷Tempos previstos). Equação: Eficácia = (Metas reais ÷ Tempos reais) ÷ (Metas previstas ÷ Tempos previstos)→ Eficácia = (Metas reais × Tempos previstos) ÷ (Metas previstas × Tempos reais). A eficácia corresponde à consecução dos resultados econômicos e sociais. Por definição matemática corresponde à solução do problema. Uma ação é eficaz quando atingir os seus objetivos propostos ou previstos, quer sejam materiais ou não. De acordo com Araújo (2007, p. 36) a eficácia é mensurada pela relação entre os resultados, efetivamente, alcançados e os resultados pretendidos. Eficácia = Resultados alcançados ÷ Resultados pretendidos.
  • 18. 18 A eficiência é a relação entre a obtenção de níveis máximos de produção com o mínimo de recursos possíveis, tendo em conta a quantidade e qualidade apropriada, os recursos utilizados para produzir ou atingi-los; menor custo, maior velocidade, melhor qualidade. A eficiência são as metas em relação aos tempos versus custos reais e previstos. A eficiência: Metas ÷ (Tempos × Custos), isto é, resultados reais ÷ resultados previstos. [Metas reais ÷ (Tempos reais × Custos reais)] ÷ [Metas previstas ÷ (Tempos previstos × Custos previstos)]. Equação: Eficiência = [Metas reais ÷ (Tempos reais × Custos reais)] ÷ [Metas previstas ÷ (Tempos previstos × Custos previstos)]. Eficiência = Metas reais × Tempos previstos × Custos previstos ÷ Metas previstas × Tempos reais × Custos reais. Eficiência = Custos previstos × (Metas reais × Tempos previstos) ÷ Custos reais × (Metas previstas × Tempos reais). Eficiência = (Metais reais × Tempos previstos) ÷ (Metas previstas × Tempos reais) × (Custos reais ÷ Custos previstos). Eficiência = Eficácia × (Custos reais ÷ Custos previstos). A eficiência se relaciona com economicidade, por correlacionar-se aos recursos utilizados, mas a economicidade se preocupa com os recursos adquiridos, ainda que não necessariamente utilizados em certo processo produtivo. A eficiência está diretamente relacionada com a utilização racional dos recursos. Um aumento na eficiência correspondente proporcionalmente a um incremento na produtividade. Uma ação produtiva contribui para melhorar o que já era realizado. Portanto, de acordo com Araújo (2007, p. 36) a eficiência equivale à relação entre resultados alcançados e recursos consumidos. Eficiência = Resultados alcançados ÷ Recursos consumidos. Existem duas estratégias para atingir a eficiência: I- se com a mesma quantidade de recursos (tempos, pessoas, materiais, espaço, entre outras) consumidos, conseguir-se o melhor resultado; II- se obter-se o resultado esperado/proposto (desejado/previsto), com o menor consumo de recursos. A produtividade é o quociente da eficácia pela eficiência. Equação: Produtividade = Eficácia ÷ Eficiência.
  • 19. 19 Assim, a relação: Produtividade x Eficácia x Eficiência: Produtividade = Eficácia ÷ Eficiência: Isolando-se algebricamente a variável eficácia, tem-se: Eficácia = Produtividade × Eficiência. Isolando-se algebricamente a variável eficiência, tem-se: Eficiência = Produtividade ÷ Eficácia. Segundo Aurélio (2004: p. 333 e p. 656): “Economia: Ciência que trata dos fenômenos relativos à produção, distribuição e consumo de bens. Contenção de gastos. Economia de mercado: sistema econômico em que as decisões relativas à produção, preços, salários, etc., são tomadas predominantemente pela interação dos compradores e vendedores no mercado, com pouca influência governamental”. “Faculdade de produtivo. Economia: Relação entre a quantidade ou valor produzido e a quantidade ou valor dos insumos aplicados à produção”. Diante dessas definições, tem-se: Economicidade = Custos ÷ Benefícios. Portanto, economia é igual ao quociente de custos por benefícios. Isso contempla a definição de economicidade, porque quanto maior for o custo em relação ao menor ou igual benefício, maior será a economicidade, assim o inverso, quanto menor for o custo em relação ao igual ou maior benefício, menor será a economicidade. Neste aspecto, pode-se afirmar, sem exagero que, produtividade é o inverso da economicidade. Deste modo, Produtividade = Eficácia ÷ Eficiência, passar a ser definida como: Produtividade = 1 ÷ (Custos ÷ Benefícios) = 1 × (Benefícios ÷ Custos), assim: Produtividade = Benefícios ÷ Custos. Portanto, produção é igual ao quociente de benefícios por custos. Isso contempla a definição de produtividade, porque quanto maior for o benefício em relação ao menor ou igual custo, maior será a produtividade, assim o inverso, quanto menor for o benefício em relação ao igual ou maior custo, menor será a produtividade. Diante destes aspectos economicidade e produtividade, percebe-se que há uma intima relação que podem comprometer a eficácia e a eficiência na operacionalização e gestão das organizações públicas ou privadas. A efetividade é algo bem mais abrangente e relevante, por determinarem se os objetivos alcançados ou atingidos foram suficientes para solucionar o problema que deu origem. A eficácia e a efetividade são usadas, algumas vezes, indistintamente, apesar de seus significados serem distintos. Efetividade é considerada o indicador mais apropriado para
  • 20. 20 enfocar o ponto de vista do cidadão, por avaliar a produção estatal e empresarial sob a ótica de quem a recebe. A efetividade é também denominada de indicador de satisfação, trata-se de uma medida mais qualitativa do que quantitativa. As medidas das coisas que o Estado ou a Empresa faz ou produz, estão mais relacionadas à eficácia, que não é adequada para mensurar a qualidade de suas ações, atividades e serviços. A efetividade se afere no mundo real, fora da organização ou programa, enquanto a eficácia - do mesmo modo que a economicidade e a eficiência - pode ser mensurada, sem sair dessa organização ou programa. A auditoria operacional e de gestão é de suma importância e relevância por ter objetivo de otimizar (aperfeiçoar, realizar melhor ou de forma mais produtiva) o planejamento, a execução e o controle, porque a auditoria facilita e propicia a tomada da melhor decisão, não se decide com a informação, mas com o conhecimento. A auditoria operacional propõe-se a avaliar e examinar (verificar) as ações governamentais e não-governamentais quanto à economicidade, eficácia e eficiência. Entende-se por ações governamentais: atividades, políticas, processos, programas, projetos e sistemas. Essa auditoria também pode ser aplicada a qualquer entidade ou órgão público ou privado. A convergência dessa auditoria é o processo/produto de gestão. A avaliação de modalidade da auditoria operacional propõe-se a avaliar e examinar as ações, atividades, metas, processos, programas, projetos. O foco centra-se nos resultados obtidos comparados com os previstos. A auditoria operacional propõe-se a avaliar e examinar a ação estatal ou privada quanto à economicidade; eficiência na gestão de seus recursos, de todas as naturezas, produzindo mais a menores custos; eficácia na execução de seus programas e projetos, alcançando objetivos e metas previstas e formular recomendações ou exarar determinações que visem o aumento dos graus da economicidade, eficiência e eficácia, isto é, contribuir para o aprimoramento da gestão da ação governamental e não governamental considerada como objeto. A auditoria operacional caracteriza-se pela aplicação da avaliação operacional na organização estatal ou privada em que é implantada. Cada instituição ou organização possui necessidades próprias, sendo assim, é aplicado e desenvolvido um programa para a avaliação dos controles internos de acordo com os processos, a carteira de clientes e fornecedores, os projetos, as atividades segmentadas ou não, o sistema, os departamentos e as operações. A auditoria operacional tem como característica utilizar a avaliação da gestão nos diversos
  • 21. 21 níveis hierárquicos de cada área, de acordo com o programa e também de acordo com a extensão de exames, como: a) Planejamento estratégico, políticas, planos e metas; b) Estrutura funcional, instalações, produção, processos, entre outros; c) Métodos e rotinas das atividades desenvolvidas de acordo com o planejamento; d) Controles internos e controles administrativos e gerenciais; e) Aproveitamento dos recursos, perdas prováveis e improváveis; f) Resultados alcançados; g) Verificação quanto à utilização e aplicação de normas, leis, regulamentação e normatização aplicada à atividade. Para tanto, todas estas etapas que caracterizam a Auditoria Operacional, realizada de acordo com o programa adequado às atividades da instituição ou organização visam à verificação das atividades e processos na busca constante do aperfeiçoamento dos controles, da racionalização dos processos e do aprimoramento da gestão administrativa e gerencial, de forma a influenciar na tomada de decisões. A visão do controle operacional centra-se na função administrativa que consiste em avaliar, calcular e mensurar o desempenho dos funcionários (servidores) para assegurar que os objetivos das organizações públicas ou privadas sejam alcançados. A tarefa do controle é a investigação (verificação) para busca da verdade real, se tudo está se realizando em conformidade e legalidade com que fora planejado e organizado, de acordo com as regulamentações e ordens dadas para identificar os possíveis desvios, erros, falhas ou fraudes para que possa corrigi-las e evitar-se sua repetição. O controle operacional deve seguir critérios e padrões das instituições para o objetivo comum, resultado satisfatório, haja vista o ciclo administrativo do PDCA (Planejamento - plan, Desvio - do, Controle - check, Ação - action). O PECA (Planejamento, Execução, Controle, Auditoria) é um ciclo da qualidade organizacional em que está inserida a função administrativa da auditoria, segundo Gil (1999, p. 56), que segue a execução do plano, programa ou projeto para verificar a manutenção dos critérios ou padrões preestabelecidos para procurar assinalar e remover qualquer anomalia prejudicial ao regular funcionamento da instituição pública ou privada. A auditoria de gestão deve estar centrada em situações empresariais de maior risco para a continuidade dos negócios, proporcionando às organizações recomendações que auxiliem na tomada de decisões. Por exemplo, na aquisição de uma empresa já estabelecida, o adquirente passa a assumir a responsabilidade do empreendimento e precisa conhecer como constam os registros contábeis e gerenciais, qual a situação patrimonial da empresa adquirida, isto é, precisa conhecer aquilo que assumirá. É indispensável conhecer todas as contas do ativo e do passivo,
  • 22. 22 os direitos e obrigações, a curto e em longo prazo, tudo mais, antes de tomar a decisão de adquirir um negócio já instalado e organizado. A auditoria operacional e de gestão tem uma função de regular, porque ajuda a eliminar desperdícios, simplificar tarefas, servir de ferramenta de apoio à administração e gestão, transmitir informações aos administradores sobre o desenvolvimento das atividades executadas, um administrador-gestor pode servir-se desta auditoria para planejar, executar e controlar o gerenciamento da instituição. A auditoria operacional e de gestão, seja por exigência de órgãos reguladores, dos órgãos societários ou para atender as exigências legais, suprirão os administradores e acionistas com uma opinião notável e competente sobre as demonstrações tanto contábeis quanto administrativas gerenciais, de modo que essas passem a merecer a credibilidade necessária por parte dos clientes/usuários das informações econômico-financeiras e gerenciais auditadas. A existência de auditorias regulares permite minimizar a possibilidade de desvios, falhas, fraudes, negligências e omissões. Uma boa auditoria revela, nos relatórios, falhas de controles que deverão ser supridas, permitindo aos gestores ações práticas em prol da defesa do patrimônio. Um bom gestor sempre valorizará as atividades de auditorias, sejam internas ou externas (operacional e de gestão), pois auditar é para colaborar com a qualidade e melhoria da instituição. Quando se iria realizar uma auditoria, de imediato, o administrador dizia aos auditados, "quem não deve não teme". Porém, a transparência é a marca e a qualidade de um bom administrador-gestor. Os administradores-gestores que agirem desta forma que prestaram contas de maneira aberta se cercaram de cuidados com relação ao ambiente de controles da instituição. Esses gestores melhoraram seus sistemas de contabilidade e controles gerenciais, criando condições para que a contabilidade e a gestão produzissem demonstrações contábeis e controles confiáveis e que representassem a posição administrativa, financeira e patrimonial da organização, bem como o resultado de suas operações no exercício em avaliação. A tendência é que a auditoria seja uma ferramenta cada vez mais presente e eficiente nas organizações, quem desprezá-la tornar-se-á suspeito sobre si. Assim, poderá surgir a indagação: Por que não utilizar-se de uma ferramenta que comprovadamente traz benefícios aos controles de qualquer entidade? A auditoria operacional destina-se à avaliação da economicidade, eficiência e eficácia do processo/produto e dos resultados em relação aos recursos materiais e humanos
  • 23. 23 disponíveis. Realiza a função de assessorar e gerenciar a administração no desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se os objetivos organizacionais e gerenciais estão sendo atingidos com eficiência, eficácia e economia na obtenção e utilização dos recursos (financeiros, humanos, materiais, e tecnológicos), bem como em observância às leis, manuais, normas, recomendações e regulamentos aplicáveis e com devida segurança. O desempenho é resultado obtido dos principais indicadores de processos e de produto que permitem avaliar e compará-los em relação às metas, padrões, referenciais pertinentes e outros processos e produtos. Estes resultados devem expressar satisfação, insatisfação, eficiência e eficácia, podem ser apresentados em termos financeiros ou não. A título de exemplo, a auditoria de desempenho poderá tratar, conforme os programas e projetos de qualidade no Serviço Público ou Privado, dos seguintes pontos: a) resultados relativos aos clientes; b) resultados orçamentários e financeiros; c) resultados relativos aos servidores; d) resultados relativos aos fornecedores e às parcerias institucionais; e) resultados relativos aos serviços/produtos e aos processos organizacionais. A auditoria operacional é a auditoria de gestão, que tem foco não na despesa em si, mas no funcionamento do mecanismo tanto estatal como paraestatal e não estatal. O processo de gestão em seus aspectos de planejamento, execução, controle, organização, procedimentos operacionais, alcance de metas, acompanhamento gerencial e auditoria. O controle é uma função administrativa operacional e de gestão com objetivo de controlar, demonstrar e registrar toda atividade exercida em determinado período para correção dos desvios, erros, falhas ou fraudes e para prevenção de novas ou repetições destes desvios, erros, falhas ou fraudes, quer nas direções e gestões das instituições e em seus planejamentos, a fim de se criar restrições (Teoria das Restrições). A ação preventiva ou corretiva deve ter reflexos a médio e em longo prazo, em tempo hábil para que possa ocorrer uma melhora gradativa em todo o processo operacional e de gestão. Lembre-se que as instituições estatais e paraestatais, o resultado é o social/político enquanto as instituições privadas, o resultado é o lucro. Em uma auditoria convencional é averiguado se todos os dispêndios obedeceram ao rito previsto nos manuais, nas normas ou regulamentações administrativo-financeiras. Na auditoria operacional é verificado se o dispêndio está inserido em uma moldura maior de correta atuação da esfera pública ou privada; se está de acordo com os cânones da economicidade, eficácia e eficiência; se está afinado com as ações, atividades, metas,
  • 24. 24 programas, projetos ou segmentos operacionais dos setores público e privado vinculados a uma determinada política pública ou privada; se esta política pública ou privada está atingindo os resultados almejados ou propostos. A auditoria operacional abrange a verificação do processo/produto: a) da existência de recursos ociosos ou insuficientemente empregados; b) da eficácia, da eficiência e da economicidade da gestão através da apuração dos custos dos produtos e serviços. A auditoria de gestão tem por finalidade emitir opinião sobre a regularidade dos procedimentos administrativos e gerenciais e das contas; verificar a execução de acordos, contratos, convênios e a execução da probidade na aplicação de dinheiro público ou privado, na administração e guarda dos bens e valores do Estado ou instituição privada; conhecer e avaliar políticas, decisões, metas, planos, programas e projetos ocorridos na consecução dos objetivos filosóficos, políticos e sociais das organizações governamentais e não governamentais. A auditoria operacional e de gestão abrange a verificação do processo/produto: a) da execução dos planos, programas e projetos de trabalho e avaliação dos resultados em termos monetários e de realização de obras e prestação de serviços; b) da distorção ou pontos de estrangulamento na execução dos planos, programas e projetos; c) da execução de acordos, contratos e convênios de fornecimentos, obras ou prestação de serviços e seus cronogramas financeiros e físicos. Por fim, pode-se definir que a auditoria operacional e de gestão baseia-se em avaliar ações administrativas e gerenciais e os procedimentos relacionados ao processo/produto operacional ou parte dele, dos departamentos, entidades ou órgãos públicos ou privados, atividades, metas, programas, projetos ou segmentos destes, com a finalidade de emitir recomendação ou sugestão sobre a gestão. Atua nas áreas inter-relacionadas das entidades ou órgãos, avaliando a eficácia dos seus resultados em relação aos recursos financeiros, humanos, materiais e tecnológicos disponíveis, bem como a economicidade e eficiência dos controles existentes para a gestão dos recursos públicos ou privados. A filosofia de abordagem dos fatos é de apoio pela avaliação do atendimento às diretrizes, normas e regulamentações, bem como pela apresentação de recomendações ou sugestões para seu aperfeiçoamento. Os indispensáveis objetivos desta modalidade de auditoria operacional e gerencial são: a) comprovar a conformidade, legalidade e legitimidade das diretrizes, normas e regulamentações, políticas e estratégias; b) avaliar os controles internos ou externos; c) identificar procedimentos desnecessários ou duplos para recomendar sua correção; d)
  • 25. 25 identificar as áreas críticas e riscos potenciais, proporcionando as bases para sua minimização, redução ou eliminação; e) melhorar o desempenho para aumentar o êxito das organizações/entidades; f) avaliar as medidas adotadas para a preservação dos ativos e do patrimônio para evitar-se os desperdícios de recursos; g) aferir a confiabilidade, a fidedignidade, a segurança e a consistência dos sistemas administrativos, gerenciais e de informações; h) avaliar o alcance das metas, programas, projetos e objetivos para identificar as causas dos desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades, quando houver; i) identificar as áreas que concorrem para aumento ou diminuição de custos ou receitas; j) assessorar, recomendar e sugerir a implantação de mudanças. Os procedimentos de auditoria representam um conjunto de técnicas que o auditor utiliza para colher as evidências sobre as informações das demonstrações financeiras e gerenciais. Esses procedimentos devem ser efetivos e eficientes. A qualquer espécie de auditoria, mas a auditoria operacional e de gestão deve seguir os principais procedimentos: a) Contagem física: procedimento utilizado para as contas do ativo e consiste em identificar fisicamente o bem declarado nas demonstrações financeiras, como dinheiro em caixa, estoques, títulos de aplicações, bens do ativo imobilizado, entre outros; b) Confirmação de terceiros: procedimento utilizado pelo auditor para confirmar, por meio de carta (carta de circularização), bens de propriedade da empresa em poder de terceiros, direitos a receber e obrigações; c) Conferência de cálculos: contador efetua diversos cálculos em todo o processo de elaboração das demonstrações financeiras e gerenciais, na base de teste. São testados, por exemplo, os cálculos de valorização de estoques, de amortização de despesas antecipadas e diferidas, das depreciações dos bens do ativo imobilizado, dos juros provisionados, entre outros; d) Inspeção de documentos: existem dois tipos de documentos, os internos e os externos. Esses documentos representam os comprovantes hábeis que suportam os lançamentos nas contas contábeis. Exemplo: documentos internos: relatório de despesas, boletim de caixa, apropriação de custos, depreciação, registro de empregado, folha de pagamento, entre outros; documentos externos: notas fiscais, duplicatas de fornecedores, apólice de seguro, contratos, escritura de imóveis, certificado de propriedade de veículos, entre outros. As normas de auditoria abrangem instruções, manuais, procedimentos, regulamentos a serem observados pelo auditor quando da realização do seu trabalho. Foram estabelecidas
  • 26. 26 com a finalidade de orientar as atividades a serem desenvolvidas, bem como proporcionar a aplicação sistemática e metodológica de suas ações. Os mais variados fins da auditoria operacional e de gestão atestam, por si só, a grande utilidade desta técnica de economicidade, eficácia e eficiência do processo/produto. A sua profundidade, pelo contato direto com os elementos, atribui a essa auditoria um caráter de grande auxiliar da análise dos balanços, das operações e das situações, requerendo cuidados especiais. O aspecto psicológico da auditoria exige os mais profundos cuidados por parte dos executores dos serviços e trabalhos, conforme a política seguida, a auditoria pode até apresentar aspectos negativos. O profissional de auditoria deve ser convenientemente hábil para conviver com o pessoal de seu cliente. Diversos profissionais protestam até contra o conceito comum que se firmou, de que a auditoria é uma chave para descobrir desvios, erros, falhas, fraudes, negligências e omissões procurando esclarecer que modernamente não se pode mais encarar assim o assunto. A fraude não pode ser excluída dos propósitos de exame do auditor. A fraude consiste em uma ação deliberada prejudicial a alguém (outrem) com benefício a quem pratica a ação, no ambiente do intangível. Exemplo: alterar artigo, cláusula ou parte de um contrato. Toda análise, verificação e acompanhamento das ações e atividades precisam estar de acordo com o que a instituição ou organização estatal, paraestatal ou privada pretende com o trabalho a ser desempenhado ou desenvolvido, mesmo considerando as questões “presente/passado” e “presente/futuro”. Lembre-se que o passado das organizações públicas ou privadas é o melhor parâmetro para aferir qualquer medição, medida ou definição de novas metas de acordo com a capacidade instalada e de pessoal. No mundo atual, com a decadência dos princípios de ética, de honestidade, de moral e de verdade, acentuado com a pobreza moral que domina as administrações de instituições públicas ou privadas, dentre: instituições bancárias e seguradoras, grandes grupos empresariais, entre outras, é impossível desconhecer a influência desse mal social. A corrupção assusta e a Administração, a Contabilidade, a Gestão, a Matemática, dentre outras, não pode sonegar sua contribuição na descoberta da desonestidade contra o patrimônio público e particular. Escândalos sucessivos ocorrem requerendo o trabalho sério e competente tanto da auditoria operacional e de gestão quanto da auditoria interna para a apuração das responsabilidades de seus administradores-gestores. A importância essencial para a continuidade das políticas públicas e dos negócios das instituições públicas ou privadas centra-se que a auditoria de natureza operacional e de gestão
  • 27. 27 é um processo de coleta para estudo ou exame; análise minuciosa ou sistemática de informações sobre características; processos e impactos de uma ação, atividade, meta, programa, projeto ou organização, com base em critérios e parâmetros fundamentados de indicadores e métricas, com objetivo de avaliar a economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e a produtividade; desenvolver recomendações ou sugestões para aperfeiçoamento da administração-gestão e contribuir para a responsabilização dos administradores-gestores pelo desempenho da ação estatal ou da operacionalização organizacional dos negócios da empresa. Com base nos estudos de Albuquerque (2007, p.117), para que a auditoria operacional se consolide é necessário que importantes instrumentos da doutrina a respeito de administração/gestão, como o desenvolvimento de indicadores de desempenho e a disseminação de sistemas de gestão por objetivos e metas, sejam efetivamente implementados. Em diversos países, já ocorreram reformas e implantações de novos mecanismos de planejamento governamental e empresarial. Na prática referem-se ao dilema entre controlar o processo administrativo e os gastos em função da necessidade de ajustes pretendidos nesse processo para dotar-lhe maior flexibilidade e sistemas de controle - medida de implementação gradual e complexa essencial na concepção de gestão no sentido de institucionalizar as mudanças com foco no resultado. A ausência de sistemas de controle de custos na Administração Pública ou Privada são fatores que contribuem para limitar os objetivos quanto às questões de economicidade, bem como aquelas atinentes à eficiência operacional, direcionadas para custos em sentido estrito e medidas através da relação direta entre processos/produtos. A auditoria operacional compreende uma série de procedimentos aplicados de forma independente com o objetivo de avaliar os aspectos de economia, eficácia, eficiência, produtividade e efetividade de uma gestão. Isso está afeto, se as operações estão proporcionando aumento de receitas e diminuição dos custos, reduzindo práticas ineficientes e eliminando desperdícios, se for o caso, propondo recomendações e sugestões para melhorar o desempenho. Cabe ao administrador/gestor à responsabilidade pela implementação das ações capazes de assegurar o incremento do desempenho operacional. Ao auditor operacional a tarefa de acompanhar e avaliar, se o administrador/gestor tem assumido à sua responsabilidade.
  • 28. 28 A RESPOSTA AO PROBLEMA PRINCIPAL Qual a importância ou a utilidade da auditoria operacional e de gestão para a continuidade operacional dos negócios? Entre os tipos de auditoria que podem ser realizados em uma empresa, estão à auditoria operacional e de gestão. Consistem em revisões metódicas de ações, atividades, metas, processos/produtos, programas, projetos ou segmentos operacionais dos setores público ou privado, com a finalidade de avaliar, comunicar e examinar (verificar) se os recursos das organizações são utilizados com economicidade (comprovação da justificativa econômica do ato praticado pelo administrador-gestor), efetividade, eficácia e eficiência, se estão sendo atingidos os objetivos operacionais e de gestão propostos e/ou esperados. A auditoria operacional consiste em avaliar os procedimentos e mecanismos de controle adotados por uma organização, certificando a sua regularidade, por meio de exames de documentação comprobatória dos atos e fatos administrativos e a verificação da eficiência dos sistemas de controle administrativo e contábil – também chamada de auditoria de conformidade. A auditoria operacional auxilia a administração na gerência e nos resultados, por meio de recomendações que visem aprimorar procedimentos, melhorar controles e aumentar a responsabilidade gerencial. A auditoria operacional tem como característica utilizar a avaliação da gestão nos diversos níveis hierárquicos de cada área, de acordo com o programa e também de acordo com a extensão de exames, como: a) Planejamento estratégico, políticas, planos e metas; b) Estrutura funcional, instalações, produção, processos, entre outros; c) Métodos e rotinas das atividades desenvolvidas de acordo com o planejamento; d) Controles internos e controles administrativos e gerenciais; e) Aproveitamento dos recursos, perdas prováveis e improváveis; f) Resultados alcançados; g) Verificação quanto à utilização e aplicação de normas, leis, regulamentação e normatização aplicada à atividade. Tem a finalidade de auxiliar a administração de uma empresa ou entidade, examinando procedimentos internos que buscam atingir maior economicidade, efetividade e eficiência, através de estudos e análise entre períodos e métodos para recomendar ou sugerir melhorias para cada setor analisado para atingir a eficácia. Também tem como função a aplicação de testes que avaliem se os critérios, procedimentos ou padrões contidos são efetivamente seguidos pelos funcionários, se existe a necessidade de treinamento, capacitação e adequação aos critérios de seleção de pessoal. Em uma auditoria operacional, os critérios ou padrões pelos quais o desempenho de um departamento, órgão ou programa será aferido com as definições obtidas em cada
  • 29. 29 auditoria. Mas, os critérios podem ser definidos em função de: a) objetivos e metas fixados em contrato, lei, manual, regulamento ou determinado em regimento interno pela administração; b) doutrinas e opiniões de especialistas; c) desempenho de entidades similares. Assim, como o propósito dessa auditoria é melhorar o desempenho de departamentos, órgãos, programas e projetos - pois os pareceres ou relatórios produzidos pelo profissional da auditoria operacional - devem conter recomendações ou sugestões para o aperfeiçoamento da gestão, dos processos/produtos, dos controles, dos resultados, entre outros. Um dos objetivos da auditoria na área operacional é assessorar a administração no desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se a instituição ou organização, departamentos ou setores, funções, operações, programas e sistemas auditados estão atingindo os objetivos propostos com identificação de desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades no sistema operacional. Outro objetivo afeta a avaliação das metas, programas e projetos examinando a efetividade destas metas, programas e projetos das entidades públicas ou privadas, isto é, os benefícios e impactos gerados com as ações, atos e atividades destas instituições. Os objetivos são: a) a auditoria operacional é uma ação ou atividade de avaliação independente, nas instituições públicas ou privadas, com a finalidade de revisar as operações administrativas, contábeis, gerenciais, financeiras e outras, com o um serviço prestado aos administradores ou gestores; b) um controle de gestão com a finalidade de medir a eficácia dos outros controles; c) objetivo integral ou total da auditoria operacional e de gestão é de assessorar os membros da administração ou gestão a exercer, efetivamente suas responsabilidades, fornecendo-lhes analises concretas e objetivas, recomendações ou sugestões e outros comentários pertinentes às ações ou atividades revisadas; d) a auditoria operacional e de gestão deve estar igual ou semelhante de todas as fases das ações ou atividades das instituições, nas quais possa vir a servir aos administradores ou gestores da empresa, entidade ou organização. A auditoria operacional e de gestão é de suma importância e relevância por ter objetivo de otimizar (aperfeiçoar, realizar melhor ou de forma mais produtiva) o planejamento, a execução e o controle, porque a auditoria facilita e propicia a tomada da melhor decisão, não se decide com a informação, mas com o conhecimento. A auditoria operacional destina-se à avaliação da economicidade, eficiência e eficácia do processo/produto e dos resultados em relação aos recursos materiais e humanos disponíveis. Realiza a função de assessorar e gerenciar a administração no desempenho
  • 30. 30 efetivo de suas funções e responsabilidades, avaliando se os objetivos organizacionais e gerenciais estão sendo atingidos com eficiência, eficácia e economia na obtenção e utilização dos recursos (financeiros, humanos, materiais, e tecnológicos), bem como em observância às leis, manuais, normas, recomendações e regulamentos aplicáveis e com devida segurança. A auditoria de gestão consiste em acompanhar, avaliar e examinar a execução de programas e projetos específicos, atuando nas áreas inter-relacionadas da organização, a fim de avaliar a eficácia de seus resultados em relação aos recursos humanos, materiais e tecnológicos disponíveis. A auditoria de gestão deve estar centrada em situações empresariais de maior risco para a continuidade dos negócios, proporcionando às organizações recomendações que auxiliem na tomada de decisões. A auditoria de gestão tem por finalidade emitir opinião sobre a regularidade dos procedimentos administrativos e gerenciais e das contas; verificar a execução de acordos, contratos, convênios e a execução da probidade na aplicação de dinheiro público ou privado, na administração e guarda dos bens e valores do Estado ou instituição privada; conhecer e avaliar políticas, decisões, metas, planos, programas e projetos ocorridos na consecução dos objetivos filosóficos, políticos e sociais das organizações governamentais e não governamentais. Por fim, pode-se definir que a auditoria operacional e de gestão baseia-se em avaliar ações administrativas e gerenciais e os procedimentos relacionados ao processo/produto operacional ou parte dele, dos departamentos, entidades ou órgãos públicos ou privados, atividades, metas, programas, projetos ou segmentos destes, com a finalidade de emitir recomendação ou sugestão sobre a gestão. Atua nas áreas inter-relacionadas das entidades ou órgãos, avaliando a eficácia dos seus resultados em relação aos recursos financeiros, humanos, materiais e tecnológicos disponíveis, bem como a economicidade e eficiência dos controles existentes para a gestão dos recursos públicos ou privados. A filosofia de abordagem dos fatos é de apoio pela avaliação do atendimento às diretrizes, normas e regulamentações, bem como pela apresentação de recomendações ou sugestões para seu aperfeiçoamento. Os indispensáveis objetivos desta modalidade de auditoria operacional e de gestão são: a) comprovar a conformidade, legalidade e legitimidade das diretrizes, normas e regulamentações, políticas e estratégias; b) avaliar os controles internos ou externos; c) identificar procedimentos desnecessários ou duplos para recomendar sua correção; d) identificar as áreas críticas e riscos potenciais, proporcionando as bases para sua minimização,
  • 31. 31 redução ou eliminação; e) melhorar o desempenho para aumentar o êxito das organizações/entidades; f) avaliar as medidas adotadas para a preservação dos ativos e do patrimônio para evitar-se os desperdícios de recursos; g) aferir a confiabilidade, a fidedignidade, a segurança e a consistência dos sistemas administrativos, gerenciais e de informações; h) avaliar o alcance das metas, programas, projetos e objetivos para identificar as causas dos desvios, erros, falhas, fraudes ou irregularidades, quando houver; i) identificar as áreas que concorrem para aumento ou diminuição de custos ou receitas; j) assessorar, recomendar e sugerir a implantação de mudanças. A auditoria operacional e de gestão é importante para a adequada operacionalização e gestão dos recursos públicos ou privados, a prevenção e detecção de desvios, erros, falhas ou fraudes. Assim, com a auditoria operacional e de gestão, tanto as instituições públicas ou privadas, através de seus órgãos de controle, dispõem de um relevante instrumento para defesa da efetividade de nossa Lei Constitucional, defesa necessária para desempenho e desenvolvimento adequado de qualquer organização governamental ou não governamental. A auditoria operacional é idêntica em todas as dimensões ou níveis de gestão, nas etapas de planejamento, execução e supervisão, controle e autoauditoria sob o ponto de vista da economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade. Essa auditoria também conhecida como auditoria de gestão, de eficiência, de resultados ou de práticas de gestão, centrando-se na avaliação ou verificação de todos os métodos ou sistemas utilizados pelo administrador ou gestor para tomar decisões. Analisa a execução e supervisão das decisões tomadas e observa se os resultados pretendidos foram ou não atingidos. Fundamentado na inteligência competitiva, afirma-se que há fragilidades que podem implicar a eficácia de por em prática ou execução das recomendações ou sugestões opinadas ou pronunciadas pela auditoria operacional e de gestão, caso identificadas admitir-se-ão que as instituições públicas ou privadas, tanto uma ou outra estratégia de prevenção quanto uma ou outra estratégia de contingência para fazer oposição aos fatores de risco, se houver concretização. CONCLUSÃO A auditoria operacional e de gestão é importante para a adequada operacionalização e gerenciamento dos recursos; a prevenção e detecção de desvios, erros, falhas, fraudes, negligências e omissões; o cumprimento do que estabelece a Constituição Federal de 1988 no que se refere aos controles operacionais internos em todos os Poderes.
  • 32. 32 A auditoria operacional e de gestão, pode ser definida, como aquela que avalia - segue a mesma direção, por ser da mesma filosofia ou política - verifica a ação para por, em prática, metas, planos, programas e projetos; executar as ações, atividades, metas, programas e projetos, a gestão dos sistemas e a administração dos órgãos ou departamentos, tendo em vista a utilização econômica de seus recursos, com eficaz e eficiente geração de processos e produtos - bens e serviços - o efetivo resultado de suas ações, atividades, metas, programas e projetos. A auditoria operacional e de gestão nas instituições públicas ou privadas, através de seus órgãos de controle, dispõem de um relevante instrumento para defesa da efetividade de nossa Lei Constitucional, defesa necessária para desempenho e desenvolvimento adequado de qualquer organização governamental ou não-governamental. A instituição que utiliza a auditoria operacional e de gestão como ferramenta de apoio a administração/gestão é beneficiada na economicidade, eficácia, eficiência, gerência, liderança, manutenção, produtividade e na criação de outros controles internos ou externos. Essa auditoria é uma das ferramentas mais importantes para avaliar o grau ou nível de conformidade de uma organização ou de um sistema operacional e gerencial implantada em uma instituição pública ou privada com um critério e procedimento estabelecido. A auditoria operacional e de gestão, por definição, auditoria de desempenho, deve buscar precipuamente avaliar o nível de excelência das organizações públicas ou privadas, a partir de seus aspectos: economicidade, eficácia, eficiência, efetividade e produtividade que existem para auxiliar os órgãos de controle, no atendimento das novas ações. Verificou-se que a auditoria operacional e de gestão tem desempenhando um papel de grande relevância para qualquer organização pública ou privada, por exemplo: a eliminação de desperdícios, a simplificação de tarefas, a minimização de erros e falhas até mesmo de desvios e fraudes, o apoio aos administradores-diretores na tomada de decisões com base em informações e recomendações contidas nos relatórios emitidos pelo (s) auditor (es): verificação e constatação de irregularidades, regulamentação das atividades da instituição, avaliação da capacidade dos administradores-gestores dentre outras recomendações sobre possíveis melhorias e ações que devem ser tomadas. Auditoria de natureza operacional e de gestão é um processo de coleta e análise sistemáticas de informações sobre características, processos e impactos de um programa, atividade ou organização, com base em critérios fundamentados, com o objetivo de avaliar a economicidade, eficiência, eficácia, efetividade e produtividade, gerar recomendações para
  • 33. 33 aperfeiçoar a gestão e contribuir para a responsabilização dos administradores/gestores pelo desempenho da ação estatal ou empresarial. Observa-se que o objetivo da auditoria operacional e de gestão é dar subsídios para todos os membros da administração, com o intuito de fazer melhorar a gestão na busca da eficiência por meio da economicidade para atingir a eficácia. A auditoria operacional e de gestão também tem o objetivo de emitir recomendação ou sugestão com vistas a certificar a regularidade dos recursos econômicos; a verificar a execução de contratos, acordos, convênios ou ajustes, a probidade na aplicação dos recursos; guardar e zelar os valores e o patrimônio das instituições públicas ou privadas. Finalmente, evidencia-se que diretamente, a auditoria operacional e de gestão e indiretamente, o controle interno, são indispensáveis, pois é através desses controles que as instituições públicas ou privadas garantem a veracidade de suas informações para a tomada de decisões futuras com a segurança necessária. Ressalta que este estudo não procurou esgotar inteiramente o tema a respeito da auditoria operacional e de gestão, mas examinar e investigar um pouco o assunto, visando aprofundar o conhecimento e a sua importância para as organizações públicas ou privadas que se beneficiam direta ou indiretamente dos resultados das diversas áreas que podem ser auditadas. Face às considerações expostas, pode-se afirmar categoricamente que a auditoria operacional e de gestão é um instrumento de suma importância de economicidade, efetividade, eficácia, eficiência e produtividade voltada para o desempenho e desenvolvimento dos resultados administrativos gerenciais e organizacionais, principalmente como resposta às exigências impostas pelo mercado de concorrências e competitividades dos negócios. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE, Frederico de Freitas Tenório. A Auditoria Operacional e seus Desafios: Um Estudo a partir da experiência do Tribunal de Contas da União. Rio de Janeiro: Livraria Editora Renovar: 2007. ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: Um Curso Moderno e Completo. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  • 34. 34 ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Auditoria Operacional. 3.ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2007. ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Auditoria Operacional. 4.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008. ATTIE, William. Auditoria: Conceitos e Aplicações. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2011. CARVALHO, José Carlos Oliveira de. Auditoria Geral e Pública. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, 2000. CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2009. COOK e WINKLE, John W., e Gary M. Auditoria: filosofia e técnica. São Paulo, Saraiva, 1976. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio. 3.ed. Curitiba: Editora Positivo, 2004. FRANCO, Hilário e MARRA, Ernesto. Auditoria Contábil. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2000. GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria Operacional e de Gestão: Qualidade da Auditoria. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999. GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria de Negócios: Auditoria Governamental – Contingência versus Qualidade. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2002. GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria da Qualidade. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1999.
  • 35. 35 HALLER Edward. Avaliação de desempenho operacional – estabelecimento e administração de uma auditoria operacional. São Paulo: Price Waterhouse, 1986. JUND, Sérgio. Auditoria: Conceitos, Normas, Técnicas e Procedimentos. 3.ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2002. LISBOA, Ibraim. Auditoria Interna Operacional – Teoria e Prática para Execução Eficaz. São Paulo: Maph Editora, 2010. SÁ, Antônio Lopes de. Curso de Auditoria. 7.ed. São Paulo: Atlas, 1994.