SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Disciplina: LIBRAS

LIBRAS
Paulo Roberto de A. Santos
LIBRAS como língua
• A LIBRAS é reconhecida pela lei Nº. 10.436 de

2002.
Entende-se como língua brasileira de sinais:
 A forma de comunicação e expressão, em
que os sistemas linguísticos de natureza
visual-motora
apresenta,
uma
estrutura
gramatical própria, constituindo um sistema
linguístico de transmissão de ideias e fatos,
oriundos de comunidade de pessoas surdas do
Funcionalidade da LIBRAS
•

A LIBRAS pode ser comparada as demais
línguas orais pois podem expressar ideias
sutis, complexas e abstratas, que possibilitam
aos seus usuários discutir, filosofia, literatura,
política, esporte, trabalho e também utilizá-las
em funções mais especificas como: construção
de poesia, contar histórias citar peças teatrais
e etc...
Surgimento da língua de sinais
• O registro iconográfico mais antigo que se tem

encontrado é do ano de 1579, com
representação de um alfabeto digital, numa
gravura em madeira extraída da obra de “
Cosmas Rosselius” em Veneza.

• Os monges que utilizavam esse tipo de
comunicação nos mosteiros, devido ao voto de
silêncio, passaram a ensinar o alfabeto aos
surdos.
Surgimento da língua de sinais
• Na França, o Abade de L'Epée, ao fundar

uma classe para pessoas surdas, criou
uma linguagem de gestos denominada
LINGUAGEM DE SINAIS METÓDICOS. Era
diferente do Alfabeto Manual dos monges
por utilizar códigos com significados, na
qual cada gesto representava uma palavra
ou até uma frase.
Surgimento da LIBRAS
•

A Língua Brasileira de Sinais foi
desenvolvida a partir das Línguas de Sinais
francesa. As línguas de sinais não são
universais, cada país possui a sua, e a partir
do Instituto imperial dos Surdos-Mudos ,
fundado em 1857 como primeira escola para
surdos no Brasil, atualmente denominado
Instituto Nacional da Educação de Surdos
(INES)surgiu a Língua Brasileira de Sinais.
Ela é o resultado da mistura da língua de
sinais francesa (com a chegada de Ernest
Huet em 1856) com a Língua de Sinais
brasileira antiga, já usada pelos surdos das
várias regiões do Brasil.
A comunidade surda no Brasil
A comunidade surda no Brasil
• Há pessoas surdas em todos os estados

Brasileiros e muitas destas pessoas vêm
se organizando e formando associações
pelo país, que são as comunidades
surdas Brasileiras.
• Em Natal temos a ASNAT.
A comunidade surda no Brasil
• Dentro da comunidade surda temos vários

tipos de grau de surdez, o que faz com que
existam surdos com características bem
distintas.
• Audiograma
• Audiograma
Na Família
• Ainda é realidade famílias de ouvintes que não

dominam LIBRAS e terminam se comunicando
com os filhos através de sinais caseiros e
leitura labial, quando isto é possível.
LIBRAS e o ensino regular do
surdo

• Felizmente as leis de inclusão, atualmente

deixam bastante claro o direito do surdo de ter
um intérprete de LIBRAS em sala de aula o
que vem facilitando o aproveitamento de sua
vida acadêmica.
Lei de LIBRAS
• Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro

de 2005
• Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de
2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de
Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de
19 de dezembro de 2000.
Lei de LIBRAS
DA INCLUSÃO DA LIBRAS COMO DISCIPLINA
CURRICULAR

• Art. 3º A Libras deve ser inserida como disciplina

curricular obrigatória nos cursos de formação de
professores para o exercício do magistério, em nível
médio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia, de
instituições de ensino, públicas e privadas, do sistema
federal de ensino e dos sistemas de ensino dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
• § 1º Todos os cursos de licenciatura, nas diferentes
áreas do conhecimento, o curso normal de nível médio,
o curso normal superior, o curso de Pedagogia e o
curso de Educação Especial são considerados cursos
de formação de professores e profissionais da
Lei de LIBRAS
• § 2º A Libras constituir-se-á em disciplina
curricular optativa nos demais cursos de
educação superior e na educação profissional,
a partir de um ano da publicação deste
Decreto.
Lei de LIBRAS
• DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE
LIBRAS E DO INSTRUTOR DE LIBRAS
• Art. 4º A formação de docentes para o ensino
de Libras nas séries finais do ensino
fundamental, no ensino médio e na educação
superior deve ser realizada em nível superior,
em curso de graduação de licenciatura plena
em Letras: Libras ou em Letras: Libras/Língua
Portuguesa como segunda língua.
Lei de LIBRAS
• Art. 6º A formação de instrutor de Libras, em
nível médio, deve ser realizada por meio de:
• I - cursos de educação profissional;
• II - cursos de formação continuada promovidos
por instituições de ensino superior; e
• III - cursos de formação continuada promovidos
por instituições credenciadas por secretarias
de educação.
Lei de LIBRAS
• Art. 7º Nos próximos dez anos, a partir da publicação

•
•

deste Decreto, caso não haja docente com título de
pós-graduação ou de graduação em Libras para o
ensino dessa disciplina em cursos de educação
superior, ela poderá ser ministrada por profissionais
que apresentem pelo menos um dos seguintes perfis:
I - professor de Libras, usuário dessa língua com
curso de pós-graduação ou com formação superior e
certificado de proficiência em Libras, obtido por meio
de exame promovido pelo Ministério da Educação;
II - instrutor de Libras, usuário dessa língua com
formação de nível médio e com certificado obtido por
meio de exame de proficiência em Libras, promovido
pelo Ministério da Educação;
LIBRAS
• Esta língua é considerada pelos

surdos como sua 1º língua, foi
introduzida no Brasil em 1857.

• Apresenta duas formas distintas de

se comunicar, são elas: os sinais
propriamente ditos e a datilologia
(alfabeto manual).
Alfabeto Manual

Fonte: www.dicionariodelibras.com.br
Sinais

Fonte: www.dicionariodelibras .com.br
Iconicidade e Arbitrariedade
•

Como a LIBRAS utiliza a modalidade
gestual-visual-espacial,
muitas
pessoas
pensam que os sinais são apenas reprodução
de gestos parecidos com os objetos, o que não
é verdade, os sinais não são “desenhos no ar”.
Claro que alguns sinais são bem parecidos
com os objetos, isso é utilizado até como uma
forma de facilitar o aprendizado, mas lembrese isso não é regra e a maioria dos casos os
sinais são arbitrários.
Sinais Icônicos
• Para um sinal ser considerado icônico ele

deve apresentar uma configuração manual
parecida com um objeto.

• Ex: TELEFONE

BORBOLETA
Sinais arbitrários
•

São aqueles que não apresentam semelhança entre
o sinal representado e o objeto real.

• O fato de a LIBRAS mostrar arbitrariedade demonstra

que essa língua apresenta uma das propriedades
básicas para ser de fato considerada como uma
língua. Durante muito tempo afirmou-se que as
línguas de sinais não eram línguas por serem
icônicas, não representando, portanto, conceitos
abstratos. O que é um engano pois em libras
podemos representar toda a complexidade de uma
língua inclusive conceitos abstratos.
Sinais arbitrários
Exemplo de sinais arbitrários:
• Ao contrário do que muitas pessoas

imaginam, a língua de sinais não
são simplesmente mímicas e gestos
soltos, sendo utilizada pelos surdos
para facilitar a comunicação.

•É

uma língua que apresenta
estruturas gramaticais próprias.
Português
(Regras)
•
•
•
•
•

Fonológico
Morfológico
Sintático
Semântico
Pragmático

x

LIBRAS
(Parâmetros)
• Configuração de
Mãos
• Ponto de
Articulação
• Movimento
• Orientação
• Expressão Facial /
Corporal
Configuração das
Mãos
• Ex: Desculpa, Brincar e idade.
Ponto de Articulação
• Local onde o sinal é feito.

• Pode ser tocando alguma parte do
corpo ou estar em um lugar neutro .
Movimento
• Os sinais podem ter movimentos ou
não.

• Os sinais PENSAR e AJOELHAR
não apresentam movimento; Já os
sinais TRABALHAR e BRINCAR
possuem movimento.
Orientação / Direção
• Ex: os verbos IR e VIR

Fonte: www.dicionariodelibras.com.br
Expressão Facial e/ou
Corporal
• Fundamental para o entendimento
real do sinal.

• É considerada como a entonação
em Língua de sinais.
Convenções de LIBRAS
• Datilologia: Usada para expressar nomes próprios
ou palavras que não possuem sinais.

• Verbos: São apresentados no infinitivo. Ex: EU
QUERER CURSO.

• Frases: Obedecem à estrutura da LIBRAS, e não
à do português. Ex: VOCÊ GOSTAR CURSO?
Convenções de LIBRAS
• Grafia: Os sinais em LIBRAS, são
representados em língua portuguesa com
letras maiúsculas. Ex: CASA, AULA.

• Pronomes Pessoais: São representados
pelo sistema de apontamento. Apontar em
LIBRAS
é
culturalmente
e
gramaticalmente aceito.
Para conversar em
LIBRAS , não basta apenas
conhecer os sinais de forma
solta, é necessário conhecer
a sua estrutura gramatical,
combinando-os em frases.
Felipe(2004)
Referências Bibliográficas
•

FELIPE, T.A. LIBRAS em contexto: curso Básico: livro
do estudante 5º edição – RJ. Libras Editora Gráfica, 2005

•

DICIONÁRIO DE LIBRAS. Brasil [ acesso em Dezembro
2007].
Disponível
em
<http//www.dicionariodelibras.com.br>.

•

QUADROS, R. M. O Tradutor e Intérprete de
Língua
Brasileira
de
Sinais
e
Língua
Portuguesa / Secretaria de Educação Especial;
Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos –
Brasília: MEC; SEESP, 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras
Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras
Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras tatimili2
 
Aspectos Linguisticos da Libras.pptx
Aspectos Linguisticos da Libras.pptxAspectos Linguisticos da Libras.pptx
Aspectos Linguisticos da Libras.pptxInclusão em LIBRAS
 
L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011Karen Araki
 
Apostila Libras Intermediario
Apostila Libras IntermediarioApostila Libras Intermediario
Apostila Libras Intermediarioasustecnologia
 
Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?Ana Paula Arja
 
Fonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaFonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaandrea giovanella
 
Educação dos surdos
Educação dos surdosEducação dos surdos
Educação dos surdosLílian Reis
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosprofamiriamnavarro
 
Aspectos Gramaticas da Libras
Aspectos Gramaticas da LibrasAspectos Gramaticas da Libras
Aspectos Gramaticas da LibrasNelinha Soares
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deMaísa Allana
 
Quiz de libras Racha a Cuca
Quiz de libras Racha a CucaQuiz de libras Racha a Cuca
Quiz de libras Racha a Cucatatimili2
 

Mais procurados (20)

Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras
Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras
Gramatica da Língua Brasileira de Sinais - Libras
 
Aspectos Linguisticos da Libras.pptx
Aspectos Linguisticos da Libras.pptxAspectos Linguisticos da Libras.pptx
Aspectos Linguisticos da Libras.pptx
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Brincando com-a-libras (1)
Brincando com-a-libras (1)Brincando com-a-libras (1)
Brincando com-a-libras (1)
 
L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Mundo Surdo
 
Apostila: libras básico
Apostila: libras básicoApostila: libras básico
Apostila: libras básico
 
Apostila Libras Intermediario
Apostila Libras IntermediarioApostila Libras Intermediario
Apostila Libras Intermediario
 
Apostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pgApostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pg
 
Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?
 
História dos Surdos
História dos Surdos História dos Surdos
História dos Surdos
 
1. cumprimentos
1. cumprimentos1. cumprimentos
1. cumprimentos
 
Fonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaFonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andrea
 
Educação dos surdos
Educação dos surdosEducação dos surdos
Educação dos surdos
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
 
Aspectos Gramaticas da Libras
Aspectos Gramaticas da LibrasAspectos Gramaticas da Libras
Aspectos Gramaticas da Libras
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
 
Quiz de libras Racha a Cuca
Quiz de libras Racha a CucaQuiz de libras Racha a Cuca
Quiz de libras Racha a Cuca
 
Aula 4 e 9
Aula 4 e 9Aula 4 e 9
Aula 4 e 9
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
 

Destaque (20)

Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Gralibras 1.Ddos
Gralibras 1.DdosGralibras 1.Ddos
Gralibras 1.Ddos
 
LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
 
Bogota Design E Participacao
Bogota Design E ParticipacaoBogota Design E Participacao
Bogota Design E Participacao
 
Aprendendo libras
Aprendendo librasAprendendo libras
Aprendendo libras
 
Fotos do Projeto de Pesquisa
Fotos do Projeto de PesquisaFotos do Projeto de Pesquisa
Fotos do Projeto de Pesquisa
 
Cartilha de libras
Cartilha de librasCartilha de libras
Cartilha de libras
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
 
Curso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 AulaCurso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 Aula
 
Livro brincando e aprendendo com libras
Livro brincando e aprendendo com librasLivro brincando e aprendendo com libras
Livro brincando e aprendendo com libras
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
 
LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3
 
Projeto Libras
Projeto LibrasProjeto Libras
Projeto Libras
 
ApresentaçãO 2art. Hsa Final
ApresentaçãO 2art. Hsa   FinalApresentaçãO 2art. Hsa   Final
ApresentaçãO 2art. Hsa Final
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Reinado nacional del gordo
Reinado nacional del gordoReinado nacional del gordo
Reinado nacional del gordo
 
Leilão do campo de libra
Leilão do campo de libraLeilão do campo de libra
Leilão do campo de libra
 

Semelhante a Arquivo 1

Lingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisLingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisColegio Éthicos
 
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionanteApostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionanteEvandroPereira67
 
LIB_COMP_2013.pdf. material de estudo libras
LIB_COMP_2013.pdf. material de estudo librasLIB_COMP_2013.pdf. material de estudo libras
LIB_COMP_2013.pdf. material de estudo librasAntoniaSilva68
 
Surdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSurdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSinalacesso
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Sinal de Acesso
 
Slides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptx
Slides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptxSlides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptx
Slides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptxLucasBrando77
 
Cartilha lingua brasileira_de_sinais
Cartilha lingua brasileira_de_sinaisCartilha lingua brasileira_de_sinais
Cartilha lingua brasileira_de_sinaisfabrina91
 
Texto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_ii
Texto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_iiTexto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_ii
Texto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_iiPaula Aparecida Alves
 
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOLÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOJaqueline Souza
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.dilaina maria araujo maria
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&LVanessa Dagostim
 
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfVeredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfpotiragomes27
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaprofamiriamnavarro
 

Semelhante a Arquivo 1 (20)

Lingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisLingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinais
 
Enquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quêEnquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quê
 
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionanteApostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
 
LIB_COMP_2013.pdf. material de estudo libras
LIB_COMP_2013.pdf. material de estudo librasLIB_COMP_2013.pdf. material de estudo libras
LIB_COMP_2013.pdf. material de estudo libras
 
Surdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSurdos de Malas Prontas
Surdos de Malas Prontas
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
 
Slides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptx
Slides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptxSlides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptx
Slides_-_Caracterizando_a_Librassss.pptx
 
Cartilha lingua brasileira_de_sinais
Cartilha lingua brasileira_de_sinaisCartilha lingua brasileira_de_sinais
Cartilha lingua brasileira_de_sinais
 
Andréia cristina de lima
Andréia cristina de limaAndréia cristina de lima
Andréia cristina de lima
 
Texto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_ii
Texto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_iiTexto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_ii
Texto basico -_aspectos_introdutorios_a_libras_-_unidade_ii
 
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOLÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
Trabalho cas
Trabalho casTrabalho cas
Trabalho cas
 
LIBRAS.pptx
LIBRAS.pptxLIBRAS.pptx
LIBRAS.pptx
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
 
LIBRAS
LIBRAS LIBRAS
LIBRAS
 
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfVeredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
 

Mais de Fernanda Câmara

Mais de Fernanda Câmara (20)

As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.
 
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
 
Elisabete badinter
Elisabete badinterElisabete badinter
Elisabete badinter
 
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulherCassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
 
Bourdieu
BourdieuBourdieu
Bourdieu
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
 
Gramática travaglia
Gramática   travagliaGramática   travaglia
Gramática travaglia
 
Prática texto 2
Prática   texto 2Prática   texto 2
Prática texto 2
 
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
 
Teoria da enunciação
Teoria da enunciaçãoTeoria da enunciação
Teoria da enunciação
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Aspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciaçãoAspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciação
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Arquivo 4
Arquivo 4Arquivo 4
Arquivo 4
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
 
Teoria literária 2
Teoria literária 2Teoria literária 2
Teoria literária 2
 
Safo
SafoSafo
Safo
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 
A perda da aura
A perda da auraA perda da aura
A perda da aura
 

Arquivo 1

  • 2. LIBRAS como língua • A LIBRAS é reconhecida pela lei Nº. 10.436 de 2002. Entende-se como língua brasileira de sinais:  A forma de comunicação e expressão, em que os sistemas linguísticos de natureza visual-motora apresenta, uma estrutura gramatical própria, constituindo um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidade de pessoas surdas do
  • 3. Funcionalidade da LIBRAS • A LIBRAS pode ser comparada as demais línguas orais pois podem expressar ideias sutis, complexas e abstratas, que possibilitam aos seus usuários discutir, filosofia, literatura, política, esporte, trabalho e também utilizá-las em funções mais especificas como: construção de poesia, contar histórias citar peças teatrais e etc...
  • 4. Surgimento da língua de sinais • O registro iconográfico mais antigo que se tem encontrado é do ano de 1579, com representação de um alfabeto digital, numa gravura em madeira extraída da obra de “ Cosmas Rosselius” em Veneza. • Os monges que utilizavam esse tipo de comunicação nos mosteiros, devido ao voto de silêncio, passaram a ensinar o alfabeto aos surdos.
  • 5. Surgimento da língua de sinais • Na França, o Abade de L'Epée, ao fundar uma classe para pessoas surdas, criou uma linguagem de gestos denominada LINGUAGEM DE SINAIS METÓDICOS. Era diferente do Alfabeto Manual dos monges por utilizar códigos com significados, na qual cada gesto representava uma palavra ou até uma frase.
  • 6. Surgimento da LIBRAS • A Língua Brasileira de Sinais foi desenvolvida a partir das Línguas de Sinais francesa. As línguas de sinais não são universais, cada país possui a sua, e a partir do Instituto imperial dos Surdos-Mudos , fundado em 1857 como primeira escola para surdos no Brasil, atualmente denominado Instituto Nacional da Educação de Surdos (INES)surgiu a Língua Brasileira de Sinais. Ela é o resultado da mistura da língua de sinais francesa (com a chegada de Ernest Huet em 1856) com a Língua de Sinais brasileira antiga, já usada pelos surdos das várias regiões do Brasil.
  • 7. A comunidade surda no Brasil
  • 8. A comunidade surda no Brasil • Há pessoas surdas em todos os estados Brasileiros e muitas destas pessoas vêm se organizando e formando associações pelo país, que são as comunidades surdas Brasileiras. • Em Natal temos a ASNAT.
  • 9. A comunidade surda no Brasil • Dentro da comunidade surda temos vários tipos de grau de surdez, o que faz com que existam surdos com características bem distintas.
  • 12. Na Família • Ainda é realidade famílias de ouvintes que não dominam LIBRAS e terminam se comunicando com os filhos através de sinais caseiros e leitura labial, quando isto é possível.
  • 13. LIBRAS e o ensino regular do surdo • Felizmente as leis de inclusão, atualmente deixam bastante claro o direito do surdo de ter um intérprete de LIBRAS em sala de aula o que vem facilitando o aproveitamento de sua vida acadêmica.
  • 14. Lei de LIBRAS • Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 • Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
  • 15. Lei de LIBRAS DA INCLUSÃO DA LIBRAS COMO DISCIPLINA CURRICULAR • Art. 3º A Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia, de instituições de ensino, públicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. • § 1º Todos os cursos de licenciatura, nas diferentes áreas do conhecimento, o curso normal de nível médio, o curso normal superior, o curso de Pedagogia e o curso de Educação Especial são considerados cursos de formação de professores e profissionais da
  • 16. Lei de LIBRAS • § 2º A Libras constituir-se-á em disciplina curricular optativa nos demais cursos de educação superior e na educação profissional, a partir de um ano da publicação deste Decreto.
  • 17. Lei de LIBRAS • DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LIBRAS E DO INSTRUTOR DE LIBRAS • Art. 4º A formação de docentes para o ensino de Libras nas séries finais do ensino fundamental, no ensino médio e na educação superior deve ser realizada em nível superior, em curso de graduação de licenciatura plena em Letras: Libras ou em Letras: Libras/Língua Portuguesa como segunda língua.
  • 18. Lei de LIBRAS • Art. 6º A formação de instrutor de Libras, em nível médio, deve ser realizada por meio de: • I - cursos de educação profissional; • II - cursos de formação continuada promovidos por instituições de ensino superior; e • III - cursos de formação continuada promovidos por instituições credenciadas por secretarias de educação.
  • 19. Lei de LIBRAS • Art. 7º Nos próximos dez anos, a partir da publicação • • deste Decreto, caso não haja docente com título de pós-graduação ou de graduação em Libras para o ensino dessa disciplina em cursos de educação superior, ela poderá ser ministrada por profissionais que apresentem pelo menos um dos seguintes perfis: I - professor de Libras, usuário dessa língua com curso de pós-graduação ou com formação superior e certificado de proficiência em Libras, obtido por meio de exame promovido pelo Ministério da Educação; II - instrutor de Libras, usuário dessa língua com formação de nível médio e com certificado obtido por meio de exame de proficiência em Libras, promovido pelo Ministério da Educação;
  • 20. LIBRAS • Esta língua é considerada pelos surdos como sua 1º língua, foi introduzida no Brasil em 1857. • Apresenta duas formas distintas de se comunicar, são elas: os sinais propriamente ditos e a datilologia (alfabeto manual).
  • 23. Iconicidade e Arbitrariedade • Como a LIBRAS utiliza a modalidade gestual-visual-espacial, muitas pessoas pensam que os sinais são apenas reprodução de gestos parecidos com os objetos, o que não é verdade, os sinais não são “desenhos no ar”. Claro que alguns sinais são bem parecidos com os objetos, isso é utilizado até como uma forma de facilitar o aprendizado, mas lembrese isso não é regra e a maioria dos casos os sinais são arbitrários.
  • 24. Sinais Icônicos • Para um sinal ser considerado icônico ele deve apresentar uma configuração manual parecida com um objeto. • Ex: TELEFONE BORBOLETA
  • 25. Sinais arbitrários • São aqueles que não apresentam semelhança entre o sinal representado e o objeto real. • O fato de a LIBRAS mostrar arbitrariedade demonstra que essa língua apresenta uma das propriedades básicas para ser de fato considerada como uma língua. Durante muito tempo afirmou-se que as línguas de sinais não eram línguas por serem icônicas, não representando, portanto, conceitos abstratos. O que é um engano pois em libras podemos representar toda a complexidade de uma língua inclusive conceitos abstratos.
  • 26. Sinais arbitrários Exemplo de sinais arbitrários:
  • 27. • Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a língua de sinais não são simplesmente mímicas e gestos soltos, sendo utilizada pelos surdos para facilitar a comunicação. •É uma língua que apresenta estruturas gramaticais próprias.
  • 29. Configuração das Mãos • Ex: Desculpa, Brincar e idade.
  • 30. Ponto de Articulação • Local onde o sinal é feito. • Pode ser tocando alguma parte do corpo ou estar em um lugar neutro .
  • 31. Movimento • Os sinais podem ter movimentos ou não. • Os sinais PENSAR e AJOELHAR não apresentam movimento; Já os sinais TRABALHAR e BRINCAR possuem movimento.
  • 32. Orientação / Direção • Ex: os verbos IR e VIR Fonte: www.dicionariodelibras.com.br
  • 33. Expressão Facial e/ou Corporal • Fundamental para o entendimento real do sinal. • É considerada como a entonação em Língua de sinais.
  • 34. Convenções de LIBRAS • Datilologia: Usada para expressar nomes próprios ou palavras que não possuem sinais. • Verbos: São apresentados no infinitivo. Ex: EU QUERER CURSO. • Frases: Obedecem à estrutura da LIBRAS, e não à do português. Ex: VOCÊ GOSTAR CURSO?
  • 35. Convenções de LIBRAS • Grafia: Os sinais em LIBRAS, são representados em língua portuguesa com letras maiúsculas. Ex: CASA, AULA. • Pronomes Pessoais: São representados pelo sistema de apontamento. Apontar em LIBRAS é culturalmente e gramaticalmente aceito.
  • 36. Para conversar em LIBRAS , não basta apenas conhecer os sinais de forma solta, é necessário conhecer a sua estrutura gramatical, combinando-os em frases. Felipe(2004)
  • 37. Referências Bibliográficas • FELIPE, T.A. LIBRAS em contexto: curso Básico: livro do estudante 5º edição – RJ. Libras Editora Gráfica, 2005 • DICIONÁRIO DE LIBRAS. Brasil [ acesso em Dezembro 2007]. Disponível em <http//www.dicionariodelibras.com.br>. • QUADROS, R. M. O Tradutor e Intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos – Brasília: MEC; SEESP, 2003.