SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - Libras
Semestre: 1 semestre 2014 - 6° Fase – POLO – PEARA A/B
Alunos: Jaqueline Kamphorst Leal
Luciana Paiano de Souza
Maura Aparecida Flicidade
A finalidade deste trabalho é mostrar a desmistificação de
mitos que ainda existem sobre as línguas de sinais. Mitos que não
devem ser considerados preconceitos, mas sim, falta de
conhecimento por parte da sociedade no geral e principalmente por
parte dos professores. Acreditar que um dos deveres, como
professores de LIBRAS, é analisar a situação de cada aluno e ajudar
no seu desenvolvimento enquanto educador, mesmo que especial, e
para aqueles que ainda não tem conhecimento de um
esclarecimento maior, procurar a qualificação adequada para cada
caso, incluindo este aluno no contexto educacional. Esclarecendo
que a língua de sinais – Libras é tão importante quanto a língua oral.
Publico alvo: Professores
 Mito 1 : “ A Língua de Sinais seria uma mistura de pantomima e
gesticulação concreta, capaz de expressar conceitos abstratos”.
 Mito 2 : “ Haveria uma única e universal Língua de Sinais usada por
todas as pessoas surdas”.
 Mito 4 : “ A Língua de Sinais seria um sistema de comunicação
superficial, com conteúdos restrito, sendo estética, expressiva e
linguisticamente inferior ao sistema de comunicação oral”.
 Mito 5 : “ As Línguas de Sinais derivariam da comunicação gestual
espontânea dos ouvintes”.
Um gesto e uma imagem vale
mais do que mil palavras!
“Os sinais não são símbolos arbitrários como as palavras, mas
carregam uma relação icônica ou representacional de seus
referentes. No entanto, vários estudos concluíram que as
línguas de sinais expressam conceitos abstratos. Pode-se
discutir sobre política, economia, matemática, física, psicologia
em uma língua de sinais, respeitando-se as diferenças culturais
que determinam a forma de as línguas expressarem quaisquer
conceitos”.
Muitas vezes as pessoas acham que sabem a língua de sinais
porque sinalizam alguns gestos e sinais ou o fazem através de
apontamentos. Para conversar em língua de sinais, não basta
conhecer os sinais, precisa-se estudar a gramática da língua.
Acreditava-se que além dos gestos e do alfabeto os surdos
poderiam utilizar a linguagem labial e ainda se houvesse algum
sinal que não existisse fariam algum tipo de mímica. Tudo na
língua de sinais tem algum sentido, tudo está encaixado em
alguma cultura. As dificuldades que os surdos e mudos tiveram
para aprender sua estrutura, comprova na prática de hoje, que é
uma língua estruturada e não apenas um conjunto de gestos.
“Use-me” eu posso
falar por você!
“Essa concepção ainda faz parte do senso comum. As pessoas
normalmente perguntam se as línguas de sinais não são universais.
Cada país apresenta sua respectiva língua de sinais. A língua de sinais
americana é diferente da língua de sinais brasileira, assim como estas
diferem da língua de sinais britânica, da língua de sinais francesa, e
assim por diante”.
O conceito de que existe uma língua de surdos universal parece, pois,
ser uma crença generalizada na nossa sociedade e é consequência do
desconhecimento da natureza das línguas de sinais. É importante
reiterar que a Língua de Sinais não tem um caráter universal, já que
cada país possui sua própria língua, que, no caso do Brasil, é a
LIBRAS. Porém, para cada estado do Brasil, existe uma variação da
língua, ou seja, um dialeto próprio, acontecendo que até mesmo as
cidades de um estado, podem apresentar diferenças, porém pouco
relevantes. O contato dos surdos entre si em lugares como
associações, escolas e demais locais onde possam participar, trocando
conhecimentos de LIBRAS (já que possuem níveis de
desenvolvimento variados), enriquece a cultura surda, pois, como já
foi dito, cada lugar possui sinais próprios. Também o alfabeto manual
é diferente entre os países; por exemplo, o alfabeto manual brasileiro
é parecido com o de outros países, como Estados Unidos e França,
pois foi influenciado pelo alfabeto francês.
“Use-me”, sou
um sinal
universal!
“A alegação de empobrecimento lexical nas línguas de sinais surgiu a partir
de uma situação sociolinguística marcada pela proibição e intolerância em
relação aos sinais na sociedade e, em especial, na educação. Entretanto, sabe-
se que tais línguas desenvolvem itens lexicais apropriados a situações em que
são usados. À medida que as línguas de sinais garantem maior aceitação,
especialmente em círculos escolares, registra-se aumento no vocabulário
denotando referentes técnicos.”
É comum até pessoas que trabalham na área de Educação de Surdos ou
escolas de surdos pensarem desta maneira, acontecendo que vários deles
reduzem o conteúdo ao ensinar para surdos porque pensam que não existem
sinais para explanar um determinado assunto. Precisam-se anos de
experiência para saber Libras e mesmo assim as vezes fica difícil conhecer
perfeitamente a língua assim como ocorre com o português. Muitos pensam
que essa língua não apresenta elementos como preposições e conjunções.
No entanto, por ser uma língua de modalidade espaço-visual, a Língua de
Sinais agrega esses elementos estruturais nos sinais por meio de expressões
faciais e corporais. As línguas de sinais podem ser utilizadas para várias
funções identificadas na produção das línguas humanas.
É um erro achar que a língua brasileira de sinais é apenas uma versão oral da
língua portuguesa. Pois as línguas de sinais possuem vocabulário e
gramática própria não dependendo da língua oral embora haja semelhanças
e aspectos comum entre a língua de sinais e a língua oral falada em
determinada região.
“Não sou
diferente das
línguas orais”,
posso
demonstrar
meu sentimento
com um simples
gesto!
“A ideia de que as línguas de sinais não são línguas, mas sim
apenas “gestos” que se originam na comunicação gestual
espontânea, portanto, universal, inferior e limitada, advém de
longa data, quando se acreditava que a linguagem estava
associada à capacidade do ser humano de “falar”. Essa concepção
histórica perpassou os preceitos religiosos e as questões político-
sociais. As igrejas ensinavam os surdos a falarem para que esses
confessassem sua fé, caso contrário, estariam fadados à queimar
no inferno. Pelo contrário, obrigou-se o uso da fala, mesmo sendo
essa bastante limitada, não produtiva e, na maioria das vezes, sem
significado para o surdo”.
“As línguas de sinais possuem sinais mais complexos e, na maioria
deles, completamente diferentes dos que ouvintes utilizam. Por
esse motivo, a comunicação entre ouvintes e surdos é bem mais
difícil do que possa parecer.” Muitas vezes as pessoas acham que
sabem a língua de sinais porque sinalizam alguns gestos e sinais
ou o fazem através de apontamentos. Há alguns sinais que são
semelhantes aos gestos, mas isso não pode ser generalizado.
Assim, gestos que são comuns das pessoas faladas em nossa
cultura, como o gesto de DORMIR, não faz parte de LIBRAS, em
que o sinal correspondente é completamente diferente. Outro
exemplo de discordância está entre o gesto usual de CHORAR que
é completamente diferente do sinal em LIBRAS.
“Eu também posso ser
reconhecido pela
minha complexidade”!
Referências bibliográficas
LABORIT, Emmanuelle. O voo da gaivota.
São Paulo: Best Seller, 1994.
GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é
essa? Crenças e preconceitos em torno da
língua de sinais e da realidade surda. 1a.
ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
SCHMITT, Dionísio. Línguas Brasileira de
Sinais Caderno pedagógico – 1ª Ed. –
Florianópolis: DOPESC: UDESC/CEAD,
2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOLÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
Jaqueline Souza
 
Mitos Sobre Ls E Surdo
Mitos Sobre Ls E SurdoMitos Sobre Ls E Surdo
Mitos Sobre Ls E Surdo
Daniel de Menezes
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
LiseteLima
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
marciaorion
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1
David Santos
 
Libras
LibrasLibras
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
Vanessa Dagostim
 
LIBRAS
LIBRAS LIBRAS
Congresso Letramento
Congresso   LetramentoCongresso   Letramento
SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos
SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos
SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
unidadebetinho
 
Projeto Libras - Multiplicando mãos que falam
Projeto Libras - Multiplicando mãos que falamProjeto Libras - Multiplicando mãos que falam
Projeto Libras - Multiplicando mãos que falam
angelabsuassuna
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Sinal de Acesso
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
Fatima Marins
 
Libras 01
Libras 01Libras 01
Libras 01
Thiagoak2013
 
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apostila de Libras - História e educação
Apostila de Libras - História e educaçãoApostila de Libras - História e educação
Apostila de Libras - História e educação
lsquadros
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
Maryanne Monteiro
 

Mais procurados (19)

LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOLÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
 
Mitos Sobre Ls E Surdo
Mitos Sobre Ls E SurdoMitos Sobre Ls E Surdo
Mitos Sobre Ls E Surdo
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
 
LIBRAS
LIBRAS LIBRAS
LIBRAS
 
Congresso Letramento
Congresso   LetramentoCongresso   Letramento
Congresso Letramento
 
SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos
SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos
SignWriting: as implicações e possibilidades para o futuro dos surdos
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
 
Projeto Libras - Multiplicando mãos que falam
Projeto Libras - Multiplicando mãos que falamProjeto Libras - Multiplicando mãos que falam
Projeto Libras - Multiplicando mãos que falam
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
Libras 01
Libras 01Libras 01
Libras 01
 
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
 
Apostila de Libras - História e educação
Apostila de Libras - História e educaçãoApostila de Libras - História e educação
Apostila de Libras - História e educação
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
 

Destaque

Desafio Na FormaçAo De Profissionais
Desafio Na FormaçAo De ProfissionaisDesafio Na FormaçAo De Profissionais
Desafio Na FormaçAo De Profissionais
Vanessa Dagostim
 
2 sequência..
2 sequência..2 sequência..
2 sequência..
elannialins
 
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
1712 Libras
1712 Libras1712 Libras
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
Janaina Martins
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
Maísa Allana
 
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para SurdosEnsino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
Wania Ap. Boer
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
Lene Reis
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Universidade Estadual de Londrina - UEL
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
megainfoin
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
Jana Bento
 

Destaque (11)

Desafio Na FormaçAo De Profissionais
Desafio Na FormaçAo De ProfissionaisDesafio Na FormaçAo De Profissionais
Desafio Na FormaçAo De Profissionais
 
2 sequência..
2 sequência..2 sequência..
2 sequência..
 
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
 
1712 Libras
1712 Libras1712 Libras
1712 Libras
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
 
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para SurdosEnsino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
 

Semelhante a Lingua brasileira de sinais

AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docxAVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
Tatylieber
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
FernandoSilvaMoraes1
 
Aula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdf
Aula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdfAula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdf
Aula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdf
sandralopes1561
 
Surdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSurdos de Malas Prontas
Surdos de Malas Prontas
Sinalacesso
 
Surdez
SurdezSurdez
Bilinguismo
BilinguismoBilinguismo
Bilinguismo
mdseducopedia
 
Paper libras
Paper librasPaper libras
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
emilenemd
 
Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7
Patikaka
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
Thainá Assunção
 
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionanteApostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
EvandroPereira67
 
22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito
22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito
22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito
Bruno Motta
 
3 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 20153 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 2015
Adriana De Almeida Braga
 
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario LibrassssssssssssssssssssssssssssssssssssssSeminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
jeniffersb018
 
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfVeredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
potiragomes27
 
Trabalho cas
Trabalho casTrabalho cas
Trabalho cas
MARILU RIBEIRO
 
Apts
AptsApts
Apts
maraieva
 
Perspectivas educativas
Perspectivas educativasPerspectivas educativas
Perspectivas educativas
ysabello7
 
Trabalho da eulália
Trabalho da euláliaTrabalho da eulália
Trabalho da eulália
Gabinessa
 
Trabalho da eulália
Trabalho da euláliaTrabalho da eulália
Trabalho da eulália
Gabinessa
 

Semelhante a Lingua brasileira de sinais (20)

AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docxAVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
 
Aula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdf
Aula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdfAula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdf
Aula 1 Morfologia- Fonética - Fonologia.pdf
 
Surdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSurdos de Malas Prontas
Surdos de Malas Prontas
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Bilinguismo
BilinguismoBilinguismo
Bilinguismo
 
Paper libras
Paper librasPaper libras
Paper libras
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
 
Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionanteApostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
Apostila_LIBRAS para sua aula ficar emocionante
 
22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito
22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito
22653284 a-gramatica-de-libras-lucinda-ferreira-brito
 
3 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 20153 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 2015
 
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario LibrassssssssssssssssssssssssssssssssssssssSeminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
Seminario Librassssssssssssssssssssssssssssssssssssss
 
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfVeredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
 
Trabalho cas
Trabalho casTrabalho cas
Trabalho cas
 
Apts
AptsApts
Apts
 
Perspectivas educativas
Perspectivas educativasPerspectivas educativas
Perspectivas educativas
 
Trabalho da eulália
Trabalho da euláliaTrabalho da eulália
Trabalho da eulália
 
Trabalho da eulália
Trabalho da euláliaTrabalho da eulália
Trabalho da eulália
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Lingua brasileira de sinais

  • 1. Disciplina: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - Libras Semestre: 1 semestre 2014 - 6° Fase – POLO – PEARA A/B Alunos: Jaqueline Kamphorst Leal Luciana Paiano de Souza Maura Aparecida Flicidade
  • 2. A finalidade deste trabalho é mostrar a desmistificação de mitos que ainda existem sobre as línguas de sinais. Mitos que não devem ser considerados preconceitos, mas sim, falta de conhecimento por parte da sociedade no geral e principalmente por parte dos professores. Acreditar que um dos deveres, como professores de LIBRAS, é analisar a situação de cada aluno e ajudar no seu desenvolvimento enquanto educador, mesmo que especial, e para aqueles que ainda não tem conhecimento de um esclarecimento maior, procurar a qualificação adequada para cada caso, incluindo este aluno no contexto educacional. Esclarecendo que a língua de sinais – Libras é tão importante quanto a língua oral. Publico alvo: Professores  Mito 1 : “ A Língua de Sinais seria uma mistura de pantomima e gesticulação concreta, capaz de expressar conceitos abstratos”.  Mito 2 : “ Haveria uma única e universal Língua de Sinais usada por todas as pessoas surdas”.  Mito 4 : “ A Língua de Sinais seria um sistema de comunicação superficial, com conteúdos restrito, sendo estética, expressiva e linguisticamente inferior ao sistema de comunicação oral”.  Mito 5 : “ As Línguas de Sinais derivariam da comunicação gestual espontânea dos ouvintes”. Um gesto e uma imagem vale mais do que mil palavras!
  • 3. “Os sinais não são símbolos arbitrários como as palavras, mas carregam uma relação icônica ou representacional de seus referentes. No entanto, vários estudos concluíram que as línguas de sinais expressam conceitos abstratos. Pode-se discutir sobre política, economia, matemática, física, psicologia em uma língua de sinais, respeitando-se as diferenças culturais que determinam a forma de as línguas expressarem quaisquer conceitos”. Muitas vezes as pessoas acham que sabem a língua de sinais porque sinalizam alguns gestos e sinais ou o fazem através de apontamentos. Para conversar em língua de sinais, não basta conhecer os sinais, precisa-se estudar a gramática da língua. Acreditava-se que além dos gestos e do alfabeto os surdos poderiam utilizar a linguagem labial e ainda se houvesse algum sinal que não existisse fariam algum tipo de mímica. Tudo na língua de sinais tem algum sentido, tudo está encaixado em alguma cultura. As dificuldades que os surdos e mudos tiveram para aprender sua estrutura, comprova na prática de hoje, que é uma língua estruturada e não apenas um conjunto de gestos. “Use-me” eu posso falar por você!
  • 4. “Essa concepção ainda faz parte do senso comum. As pessoas normalmente perguntam se as línguas de sinais não são universais. Cada país apresenta sua respectiva língua de sinais. A língua de sinais americana é diferente da língua de sinais brasileira, assim como estas diferem da língua de sinais britânica, da língua de sinais francesa, e assim por diante”. O conceito de que existe uma língua de surdos universal parece, pois, ser uma crença generalizada na nossa sociedade e é consequência do desconhecimento da natureza das línguas de sinais. É importante reiterar que a Língua de Sinais não tem um caráter universal, já que cada país possui sua própria língua, que, no caso do Brasil, é a LIBRAS. Porém, para cada estado do Brasil, existe uma variação da língua, ou seja, um dialeto próprio, acontecendo que até mesmo as cidades de um estado, podem apresentar diferenças, porém pouco relevantes. O contato dos surdos entre si em lugares como associações, escolas e demais locais onde possam participar, trocando conhecimentos de LIBRAS (já que possuem níveis de desenvolvimento variados), enriquece a cultura surda, pois, como já foi dito, cada lugar possui sinais próprios. Também o alfabeto manual é diferente entre os países; por exemplo, o alfabeto manual brasileiro é parecido com o de outros países, como Estados Unidos e França, pois foi influenciado pelo alfabeto francês. “Use-me”, sou um sinal universal!
  • 5. “A alegação de empobrecimento lexical nas línguas de sinais surgiu a partir de uma situação sociolinguística marcada pela proibição e intolerância em relação aos sinais na sociedade e, em especial, na educação. Entretanto, sabe- se que tais línguas desenvolvem itens lexicais apropriados a situações em que são usados. À medida que as línguas de sinais garantem maior aceitação, especialmente em círculos escolares, registra-se aumento no vocabulário denotando referentes técnicos.” É comum até pessoas que trabalham na área de Educação de Surdos ou escolas de surdos pensarem desta maneira, acontecendo que vários deles reduzem o conteúdo ao ensinar para surdos porque pensam que não existem sinais para explanar um determinado assunto. Precisam-se anos de experiência para saber Libras e mesmo assim as vezes fica difícil conhecer perfeitamente a língua assim como ocorre com o português. Muitos pensam que essa língua não apresenta elementos como preposições e conjunções. No entanto, por ser uma língua de modalidade espaço-visual, a Língua de Sinais agrega esses elementos estruturais nos sinais por meio de expressões faciais e corporais. As línguas de sinais podem ser utilizadas para várias funções identificadas na produção das línguas humanas. É um erro achar que a língua brasileira de sinais é apenas uma versão oral da língua portuguesa. Pois as línguas de sinais possuem vocabulário e gramática própria não dependendo da língua oral embora haja semelhanças e aspectos comum entre a língua de sinais e a língua oral falada em determinada região. “Não sou diferente das línguas orais”, posso demonstrar meu sentimento com um simples gesto!
  • 6. “A ideia de que as línguas de sinais não são línguas, mas sim apenas “gestos” que se originam na comunicação gestual espontânea, portanto, universal, inferior e limitada, advém de longa data, quando se acreditava que a linguagem estava associada à capacidade do ser humano de “falar”. Essa concepção histórica perpassou os preceitos religiosos e as questões político- sociais. As igrejas ensinavam os surdos a falarem para que esses confessassem sua fé, caso contrário, estariam fadados à queimar no inferno. Pelo contrário, obrigou-se o uso da fala, mesmo sendo essa bastante limitada, não produtiva e, na maioria das vezes, sem significado para o surdo”. “As línguas de sinais possuem sinais mais complexos e, na maioria deles, completamente diferentes dos que ouvintes utilizam. Por esse motivo, a comunicação entre ouvintes e surdos é bem mais difícil do que possa parecer.” Muitas vezes as pessoas acham que sabem a língua de sinais porque sinalizam alguns gestos e sinais ou o fazem através de apontamentos. Há alguns sinais que são semelhantes aos gestos, mas isso não pode ser generalizado. Assim, gestos que são comuns das pessoas faladas em nossa cultura, como o gesto de DORMIR, não faz parte de LIBRAS, em que o sinal correspondente é completamente diferente. Outro exemplo de discordância está entre o gesto usual de CHORAR que é completamente diferente do sinal em LIBRAS. “Eu também posso ser reconhecido pela minha complexidade”! Referências bibliográficas LABORIT, Emmanuelle. O voo da gaivota. São Paulo: Best Seller, 1994. GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. 1a. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. SCHMITT, Dionísio. Línguas Brasileira de Sinais Caderno pedagógico – 1ª Ed. – Florianópolis: DOPESC: UDESC/CEAD, 2013