SlideShare uma empresa Scribd logo
Seja Bem Vindo!
Curso
Libras Básico
Carga horária: 50hs
Dicas importantes
• Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não
apenas terminar o curso. Qualquer um termina, só os determinados aprendem!
• Leia cada trecho do conteúdo com atenção redobrada, não se deixando
dominar pela pressa.
• Explore profundamente as ilustrações explicativas disponíveis, pois saiba
que elas têm uma função bem mais importante que embelezar o texto, são
fundamentais para exemplificar e melhorar o entendimento sobre o conteúdo.
• Saiba que quanto mais aprofundaste seus conhecimentos mais se
diferenciará dos demais alunos dos cursos.
Todos têm acesso aos mesmos cursos, mas o aproveitamento que cada aluno
faz do seu momento de aprendizagem diferencia os “alunos certificados” dos
“alunos capacitados”.
• Busque complementar sua formação fora do ambiente virtual onde faz o
curso, buscando novas informações e leituras extras, e quando necessário
procurando executar atividades práticas que não são possíveis de serem feitas
durante o curso.
• Entenda que a aprendizagem não se faz apenas no momento em que está
realizando o curso, mas sim durante todo o dia-a-dia. Ficar atento às coisas que
estão à sua volta permite encontrar elementos para reforçar aquilo que foi
aprendido.
• Critique o que está aprendendo, verificando sempre a aplicação do
conteúdo no dia-a-dia. O aprendizado só tem sentido quando pode
efetivamente ser colocado em prática.
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Conteúdo
Apresentação 03
1. O que é a surdez 04
2. Os números da surdez 04
2.1 No Brasil 04
2.2 No Mundo 04
2.3 Outros Números 04
3. Prevenção 05
3.1 Para quem ainda não teve filhos 05
3.2 Para quem está grávida 05
3.3 Para quem já teve filhos 05
3.3.1 Cuidados Importantes 05
4. Prevenção – Fatores de Risco 06
4.1 Para o bebê - 0 a 28 dias 06
4.2 Para a criança - 29 dias a 2 anos 07
4.3 Para o adulto 07
5. Níveis de Surdez 07
6. Comunicação Gestual 07
6.1 Universalidade 07
7. LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais 08
7.1 Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002 08
8. Conselhos Úteis no aprendizado e uso da LIBRAS 09
9. Aspectos Linguísticos da LIBRAS 11
9.1 Variações linguísticas 11
9.1.1 Variações regionais 11
9.1.2 Variações sociais 12
9.1.3 Mudanças históricas 13
9.2 Iconicidade e arbitrariedade 14
9.2.1 Sinais icônicos 14
9.2.2 Sinais arbitrários 15
9.3 Estrutura gramatical 15
9.3.1 Aspectos estruturais 15
9.3.1.1 Parâmetros principais 16
9.3.1.2 Parâmetros secundários 20
9.3.1.3 Componentes não manuais 20
9.3.2 Estrutura sintática 21
9.3.2.1 Sistema pronominal 22
9.3.2.2 Tipos de verbos 25
__________________________________________________________________________________________
Pg. 2
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
9.3.2.3 Tipos de frases 26
9.3.2.4 Noções temporais 28
9.3.2.5 Classificadores 28
9.3.2.6 Role-play 31
9.3.3 Formação de palavras 31
9.3.3.1 Sinais compostos 31
9.3.3.2 Gênero 32
9.3.3.3 Adjetivos 32
9.3.3.4 Numerais e quantificação 33
9.3.3.5 Formação de plural 33
9.3.3.6 Intensificadores e advérbios de modo 33
9.3.3.7 Advérbios de tempo 33
9.3.3.8 Polissemia 34
9.3.3.9 Gíria 34
9.3.3.10 Alfabeto manual 34
9.3.3.11 Empréstimo da língua portuguesa 35
10. Tabela de Classificadores 35
11. Alfabeto Brasileiro de Sinais 37
11.1 Números 37
11.2 Alfabeto – desenhos de João Félix 38
12. Sinais – Família 39
13. Sinais – Cores 40
14. Sinais – Meses 41
15. Sinais – Dias da Semana 42
16. Sinais – Frutas 43
17. Sinais – Alimentação 44
18. Sinais – Bíblicos 46
19. Sinais – Animais 47
20. Sinais – Sentimentos 49
21. Sinais – Verbos 50
__________________________________________________________________________________________
Pg. 3
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Não existe maior barreira que a da comunicação.
Você consegue imaginar-se criança, querendo
dizer para sua mãe que sente alguma dor, sem que ela
te entenda. Ou mesmo, você sentir medo do "bicho-
papão" e ela achar que você está com dor de barriga e
te dar aquelas gotinhas no copo e dizer: - “Você vai
sarar...", mas o que você realmente está pedindo é a
sua companhia; ou ainda você querer dizer o quanto a
ama e que ela é importante para você e isto parecer
impossível.
A vida do surdo é cheia de momentos como estes, desde criança e
como adultos também.
Começando com o termo "deficiente auditivo", a sociedade trata o
surdo como se fosse um incapaz.
Conhecemos as necessidades de muitas pessoas com deficiência, mas
para os surdos não há condições mínimas de atendimento. Em repartições
públicas, hospitais, lojas e locais adaptados que lidam com questões de
acessibilidade raramente há alguém preparado para atendê-los.
O que você sabe sobre surdez? Aquele alfabeto brasileiro de sinais
que você já deve ter visto é quase nada. Você pensa que a comunicação
do surdo é daquela forma?
Mesmo os profissionais da área precisam saber mais. Eles sabem
sobre ouvido, mas será que sabem sobre o surdo?
Pais e familiares precisam saber o que fazer, afinal de contas um
filho surdo não nasce com manual de instruções.
Nosso objetivo é que o surdo conquiste sua total cidadania. O
primeiro passo é a informação. O reconhecimento de uma língua própria,
a LIBRAS já foi uma vitória. Você tem ideia do que é LIBRAS?
Quero convidá-lo(a) a conhecer um pouco mais sobre surdez. Você
vai ficar encantado(a) e ao mesmo tempo surpreso(a).
Que tal fazer esta diferença?
__________________________________________________________________________________________
Pg. 4
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
1. O que é Surdez?
Surdez é o nome dado à impossibilidade e dificuldade de ouvir, podendo
ter como causa vários fatores que podem ocorrer antes, durante ou após
o nascimento. A deficiência auditiva pode variar de um grau leve a
profunda, ou seja, a criança pode não ouvir apenas os sons mais fracos
ou até mesmo não ouvir som algum.
2. Os Números da Surdez
2.1 No Brasil
No Brasil, estima-se que existam cerca de 15 milhões de pessoas com
algum tipo de perda auditiva. No Censo de 2000, realizado pelo
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 3,3% da
população responderam ter algum problema auditivo. Aproximadamente 1%
declarou ser incapaz de ouvir.
No Maranhão, de acordo com levantamentos realizados pelo IBGE/2000, o
número de surdos é de aproximadamente 200 mil pessoas, enquanto na ilha
de São Luís foram registrados 27.922 surdos
Atualmente o Brasil atende a cerca de 700 mil pessoas com surdez nos
diversos níveis e modalidades de ensino, distribuídas entre escolas
especiais para surdos, escolas de ensino regular e ONG's.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 1,5%
da população brasileira (2,25 milhões) é portadora de deficiência
auditiva.
Em 1998, havia 293.403 alunos, distribuídos da seguinte forma: 58% com
problemas mentais; 13,8%, com deficiências múltiplas; 12%, com
problemas de audição; 3,1% de visão; 4,5%, com problemas físicos; 2,4%,
de conduta. Apenas 0,3% com altas habilidades ou eram superdotados e
5,9% recebiam "outro tipo de atendimento” (Sinopse Estatística da
Educação Básica/Censo Escolar 1998, do MEC/INEP).
No Brasil, empresas com mais de cem funcionários devem contratar 2% de
pessoas com deficiência, com 201 a 500 funcionários - 3%, de 501 a 1000
- 4 % e de 1001 funcionários em diante, 5%.
2.2 No Mundo
Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que 10% da
população mundial apresentam algum problema auditivo.
2.3 Outros Números
Enquanto a redução do processo de audição entre as mulheres se torna
mais acentuado a partir dos 55 anos, após a menopausa, os homens
começam a sofrer essa degradação, em média, já após os 30 anos de
idade. Essa foi a conclusão de pesquisadores da Universidade de Dakota
do Sul (Estados Unidos), após realizarem estudo que avaliou de que
maneira a idade e o sexo interferem no processo auditivo.
Casos de surdez podem ser evitados. Para isso é necessário que se
tomem alguns cuidados
__________________________________________________________________________________________
Pg. 5
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
3. Prevenção
3.1 Para quem ainda não teve filhos
Se você pretende ter filhos, procure um médico. Ele vai pedir para que
você faça alguns exames. Estes exames podem revelar doenças que nem
mesmo você sabe que tem. Essas doenças podem ser tratadas, evitando
complicações para o seu bebê.
Uma das doenças que você não deve ter durante a gravidez é a rubéola.
Ela pode causar surdez e outras deficiências à criança que vai nascer.
Antes de engravidar a mulher deve ser vacinada contra rubéola.
Consulte seu médico.
3.2 Para quem está grávida
O principal conselho é sempre ter um médico acompanhando a sua
gravidez. Faça o Pré-natal! Você estará assim diminuindo os
riscos de seu filho ter surdez e outros problemas.
As condições de saúde da mãe são importantes para se ter um
filho saudável. Se a mãe tiver doenças, como por exemplo,
pressão alta, diabetes, rubéola e etc., ou fazer uso de drogas
e álcool, poderá causar danos no desenvolvimento da
criança, inclusive a surdez. Não tome nenhum remédio sem
a aprovação de seu médico. Seu bebê está crescendo e
muitos remédios podem trazer sérios prejuízos a ele.
Evite tirar radiografias! Se houver necessidade disso,
conte ao médico ou ao dentista que está grávida, para
que ele possa tomar os devidos cuidados.
Informe-se se na sua cidade tem algum estabelecimento
que realiza o "Teste da orelhinha". Esse exame pode ser
feito em recém-nascidos e detecta se o bebê tem algum
problema de audição.
3.3 Para quem já teve filhos
Quem já teve filhos sabe a preocupação que traz qualquer doença.
Quando esta doença deixa um defeito, é muito pior. Previna doenças que
causem a surdez como meningite, sarampo e caxumba, entre outras.
Vacine seu filho contra essas doenças e evite o contato com
pessoas doentes. As dores de ouvido devem ser examinadas pelo médico,
porque gripes e resfriados mal curados podem alterar a audição.
Diante de qualquer anormalidade, consulte o médico. Ele vai ajudar
a cuidar de seu filho evitando complicações.
3.3.1 Cuidados Importantes
Não use cotonete na parte de dentro do canal do ouvido,
limpe somente a parte externa da orelha.
Explique para seu filho que objetos como botões,
tampinhas ou mesmo feijões, não devem ser colocados no
ouvido, pois podem machucar e prejudicar sua audição.
Se você tem um bebê fique atenta(o);
•Ele se assusta com portas que batem?
•Olha quando você chama?
•Escuta a campainha da casa ou do telefone?
__________________________________________________________________________________________
Pg. 6
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Se ele não reage com esses sons, é sinal que não está ouvindo bem.
Não deixe seu filho em lugares onde o barulho é muito forte. Evite
brincadeiras com objetos barulhentos, como bombinhas, por exemplo.
O excesso de barulho pode prejudicar a audição
4. Prevenção – Fatores de Risco
Qualquer bebê recém-nascido pode apresentar um problema auditivo
no nascimento ou adquiri-lo nos primeiros anos de vida. Isto pode
acontecer mesmo que não haja casos de surdez na família ou nenhum fator
de risco aparente. Por isto peça ao pediatra para fazer o Teste da
Orelhinha quando seu filho nascer.
A audição começa a partir do 5º mês de gestação e se desenvolve
intensamente nos primeiros meses de vida. Qualquer problema auditivo
deve ser detectado ao nascer, pois os bebês que têm perda auditiva
diagnosticada cedo e iniciam o tratamento até os 6 meses de idade
apresentam desenvolvimento muito próximo ao de uma criança ouvinte.
O diagnóstico após os 6 meses traz prejuízos inaceitáveis para o
desenvolvimento da criança e sua relação com a família. Infelizmente,
no Brasil, a idade média de diagnóstico da perda auditiva
neurosensorial severa a profunda é muito tardia, em torno de 4 anos de
idade.
Lembre-se de que ouvir é fundamental para o desenvolvimento da
fala e da linguagem.
Se o exame não foi realizado no nascimento, faça-o agora. Procure
o audiologista.
4.1 Para o bebê - 0 a 28 dias
HISTÓRICO FAMILIAR - ter outros casos de surdez na família
INFECÇÃO INTRAUTERINA - provocada por citomegalovírus, rubéola,
sífilis, herpes genital ou toxoplasmose.
ANOMALIAS CRÂNIO-FACIAIS - deformações que afetam a orelha e/ou o
canal auditivo (p.ex.: duto fechado)
PESO INFERIOR A 1.500 GRAMAS AO NASCER
HIPERBILIRUBINEMIA - transtorno que ocorre 24 horas depois do parto.
O bebê fica todo amarelo por causa do aumento de uma substância
chamada bilirrubina. Ele precisa tomar banho de luz e fazer
exosanguíneo transfusão
MEDICAÇÃO OTOTÓXICAS - uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeos
que podem afetar o ouvido interno
MENINGITE BACTERIANA - a surdez é umas das consequências possíveis
quando o bebê tem este tipo de meningite
NOTA APGAR MENOR DO QUE 4 NO PRIMEIRO MINUTO DE NASCIDO E MENOR DO
QUE 6 NO QUINTO MINUTO - Todo bebê quando nasce, recebe uma nota,
composta por uma avaliação que inclui muitos fatores. Virgínia Apgar
é o nome da médica que inventou o teste.
VENTILAÇÃO MECÂNICA EM UTI NEONATAL POR MAIS DE 5 DIAS - quando o
bebê teve que ficar entubado por não conseguir respirar sozinho
OUTROS SINAIS FÍSICOS ASSOCIADOS À SÍNDROMES NEUROLÓGICAS - p.ex.:
Síndrome de Down ou de Waldenburg
__________________________________________________________________________________________
Pg. 7
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
4.2 Para a criança - 29 dias a 2 anos
OS PAIS DEVEM OBSERVAR SE HÁ ATRASO DE FALA OU DE LINGUAGEM - aos 7
meses ele já deve imitar alguns sons; com 1 ano já deve falar cerca
de 10 palavras e com 2 anos o vocabulário deve estar em torno de 100
palavras
MENINGITE BACTERIANA OU VIRÓTICA - esta é a maior causa de surdez no
Brasil
TRAUMA DE CABEÇA ASSOCIADA À PERDA DE CONSCIÊNCIA OU FRATURA CRANIANA
MEDICAÇÃO OTOTÓXICA - uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeos
que podem afetar o ouvido interno
OUTROS SINAIS FÍSICOS ASSOCIADOS À SÍNDROMES NEUROLÓGICAS - p.ex.:
Síndrome de Down e de Waldenburg
INFECÇÃO DE OUVIDO PERSISTENTE OU RECORRENTE POR MAIS DE 3 MESES -
OTITES
4.3 Para o adulto
Além daqueles encontrados nas crianças, os adultos podem adquirir a
surdez através de:
Uso continuado de aparelho com fone de ouvido
Trabalho em ambiente de alto nível de pressão sonora
Infecção de ouvido constante e acidentes
5. Níveis de Surdez
Pelo decreto Nº3.298 De 20 de dezembro De 1999
Art.4º é considerada pessoa portadora de deficiência aquela que se
enquadrar em uma das seguintes categorias:
A) De 25 a 40 Decibéis – Surdez Leve
B) De 41 a 55 Decibéis - Surdez Moderada
C) De 56 a 70 Decibéis - Surdez Acentuada
D) De 71 a 90 Decibéis - Surdez Severa
E) De Acima de 91 Decibéis - Surdez Profunda
F) Anacusia
6. Comunicação Gestual
Existem várias formas de comunicação gestual: Português
sinalizado; Libras; mímica; pantomima, alfabeto manual, comunicação
total, bilinguismo e outros.
6.1 Universalidade
Ao contrário do que muitos pensam a língua de sinais não é
universal, nem mesmo a nível nacional existe uma padronização, inda
mais em um país de grandes dimensões como o nosso. Em uma cidade como
São Paulo podemos observar até certos "bairrismos". Grupos de surdos
possuem sinais diferentes para uma mesma situação.
__________________________________________________________________________________________
Pg. 8
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
7. LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS, ou Língua Brasileira de Sinais, é a língua materna dos
surdos brasileiros e, como tal, poderá ser aprendida por qualquer
pessoa interessada pela comunicação com essa comunidade. Como língua,
esta é composta de todos os componentes pertinentes às línguas orais,
como gramática semântica, pragmática sintaxe e outros elementos,
preenchendo, assim, os requisitos científicos para ser considerada
instrumental linguístico de poder e força. Possui todos os elementos
classificatórios identificáveis de uma língua e demanda de prática para
seu aprendizado, como qualquer outra língua. Foi na década de 60 que as
línguas de sinais foram estudadas e analisadas, passando então a ocupar
um status de língua. É uma língua viva e autônoma, reconhecida pela
linguística Pesquisas com filhos surdos de pais surdos estabelecem que
a aquisição precoce da Língua de Sinais dentro do lar é um benefício e
que esta aquisição contribui para o aprendizado da língua oral como
Segunda língua para os surdos.
Os estudos em indivíduos surdos demonstram que a Língua de Sinais
apresenta uma organização neural semelhante à língua oral, ou seja, que
esta se organiza no cérebro da mesma maneira que as línguas faladas. A
Língua de Sinais apresenta, por ser uma língua, um período crítico
precoce para sua aquisição, considerando-se que a forma de comunicação
natural é aquela para o qual o sujeito está mais bem preparado,
levando-se em conta a noção de conforto estabelecido diante de qualquer
tipo de aquisição na tenra idade.
extraído de www.feneis.com.br
7.1 LEI Nº 10.436, de 24 de abril de 2002
Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras
providências
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte
Lei:
Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a
Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a
ela associados.
Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a
forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de
natureza visual motora, com estrutura gramatical própria, constituem um
sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de
comunidades de pessoas surdas do Brasil.
Art. 2o Deve ser garantido, por parte do poder público em geral e
empresas concessionárias de serviços públicos, formas
institucionalizadas de apoiar o uso e difusão da Língua Brasileira de
Sinais - Libras como meio de comunicação objetiva e de utilização
corrente das comunidades surdas do Brasil.
Art. 3o As instituições públicas e empresas concessionárias de serviços
públicos de assistência à saúde devem garantir atendimento e tratamento
__________________________________________________________________________________________
Pg. 9
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
adequado aos portadores de deficiência auditiva, de acordo com as
normas legais em vigor.
Art. 4o O sistema educacional federal e os sistemas educacionais
estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusão
nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudiologia e de
Magistério, em seus níveis médio e superior, do ensino da Língua
Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parâmetros
Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislação vigente.
Parágrafo único. A Língua Brasileira de Sinais - Libras não poderá
substituir a modalidade escrita da língua portuguesa.
Art. 5o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 24 de abril de 2002; 181o da Independência e 114o da
República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Paulo Renato Souza
(Consulte também o Decreto 5626 em nosso site – muito importante)
8. Conselhos Úteis no aprendizado e uso da LIBRAS
· Estude o material recebido, sempre que possível, com a presença de
uma pessoa surda.
· O estudo em grupo poderá facilitar o aprendizado, bem como o estímulo
individual.
· Para que um sinal seja produzido corretamente, é necessário observar:
configuração de mão, ponto de articulação, movimento e expressão.
· Focalize o rosto do usuário da LIBRAS, não as mãos. Como usuário da
LIBRAS, você aprenderá a ampliar seu campo visual.
· Caso não encontre um sinal para uma determinada palavra, lembre-se de
que somente a comunidade surda poderá criá-lo.
· Certifique-se de que haja claridade suficiente no momento da conversa
em LIBRAS.
· Não tenha receio de sinalizar e errar. O erro faz parte do processo
de aprendizagem.
· Pode ser que em sua cidade, devido ao regionalismo, os surdos
utilizem alguns sinais diferentes para a mesma palavra. Caso isto
ocorra, busque conhecê-los também com o próprio surdo.
· Nem sempre você encontrará um sinal que signifique exatamente a
palavra que deseja empregar. Caso isso ocorra, procure um sinal que
mais se aproxime. Ex.: CONFECCIONAR (FAZER - sinal em LIBRAS).
· Os termos técnicos, possivelmente, não terão sinais específicos que
os represente exatamente. Portanto, é recomendável digitá-lo para o
surdo e tentar "interpretá-lo", até que ele, entendendo o contexto,
crie o sinal correspondente.
· Informe aos surdos sobre o que acontece ao seu redor.
· Procure dar ao surdo o máximo de informações visuais. Ex.: campainha
luminosa para início e término de qualquer atividade.
__________________________________________________________________________________________
Pg. 10
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
· Se você quiser chamar a atenção de um surdo, procure tocá-lo no ombro
se estiver próximo, ou acene com os braços se estiver distante.
· O contato com a comunidade surda é fundamental nesse processo de
aprendizado da língua, pois além do grande exercício que se pode fazer,
é uma preciosa oportunidade de se conhecer também a cultura dessa
comunidade.
· Sugerimos aos participantes que desejem aprofundar-se no estudo da
LIBRAS que entrem em contato com as associações e federações de surdos
locais e regionais, cujos contatos poderão ser obtidos na FENEIS -
Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos.
· Exercite sempre!
(Adaptado de material: Curso de Capacitação dos Docentes do SENAI para Comunicação em
LIBRAS com Alunos Surdos)
9. Aspectos Linguísticos da LIBRAS
Fonte: Secretaria de Estado da Educação – Depto. Educação Especial
Curitiba: SEED/SUED/DEE. 1998 – Karin Lilian Strobel e Sueli Fernandes
9.1 VARIAÇÕES LINGÜÍSTICAS
Na maioria do mundo, há, pelo menos, uma língua de sinais usada ampla-
mente na comunidade surda de cada país, diferente daquela da língua fa-
lada utilizada na mesma área geográfica. Isto se dá porque essas lín-
guas são independentes das línguas orais, pois foram produzidas dentro
das comunidades surdas.
A Língua de Sinais Americana (ASL) é diferente da Língua de Sinais Bri-
tânica (BSL), que difere, por sua vez, da Língua de Sinais Francesa
(LSF).
Ex.: NOME
ASL LIBRAS
Além disso, dentro de um mesmo país há as variações regionais.
A LIBRAS apresenta dialetos regionais, salientando assim, uma vez mais,
o seu caráter de língua natural.
9.1.1 VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região
para outra, no mesmo país.
Ex.:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 11
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
VERDE
Rio de Janeiro São Paulo Curitiba
MAS
Rio de Janeiro São Paulo Curitiba
9.1.2 VARIAÇÃO SOCIAL: refere-se à variações na configuração das mãos
e/ou no movimento, não modificando o sentido do sinal.
Ex.:
AJUDAR
CONVERSAR
AVIÃO
__________________________________________________________________________________________
Pg. 12
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
SEMANA
9.1.3 MUDANÇAS HISTÓRICAS: com o passar do tempo, um sinal pode sofrer
alterações decorrentes dos costumes da geração que o utiliza.
Ex.:
AZUL
1º 2º 3º
BRANCO
1º 2º 3º
__________________________________________________________________________________________
Pg. 13
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
9.2 ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE
A modalidade gestual-visual-espacial pela qual a LIBRAS é produzi-
da e percebida pelos surdos leva, muitas vezes, as pessoas a pensarem
que todos os sinais são o “desenho” no ar do referente que representam.
É claro que, por decorrência de sua natureza linguística, a realização
de um sinal pode ser motivada pelas características do dado da realida-
de a que se refere, mas isso não é uma regra. A grande maioria dos si-
nais da LIBRAS são arbitrários, não mantendo relação de semelhança al-
guma com seu referente.
Vejamos alguns exemplos entre os sinais icônicos e arbitrários.
9.2.1 SINAIS ICÔNICOS
Uma foto é icônica porque reproduz a imagem do referente, isto é, a
pessoa ou coisa fotografada. Assim também são alguns sinais da LIBRAS,
gestos que fazem alusão à imagem do seu significado.
Ex.:
TELEFONE BORBOLETA
Isso não significa que os sinais icônicos são iguais em todas as lín-
guas. Cada sociedade capta facetas diferentes do mesmo referente, re-
presentadas através de seus próprios sinais, convencionalmente, (FER-
REIRA BRITO, 1993) conforme os exemplos abaixo:
ÁRVORE
LIBRAS - representa o tronco usando o antebraço e a mão aberta, as fo-
lhas em movimento.
LSC (Língua de Sinais Chinesa) - representa apenas o tronco da árvore
com as duas mãos (os dedos, indicador e polegar, ficam abertos e cur-
vos).
LIBRAS LSC
__________________________________________________________________________________________
Pg. 14
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
CASA
LIBRAS ASL
9.2.2 SINAIS ARBITRÁRIOS
São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o dado da realidade
que representam.
Uma das propriedades básicas de uma língua é a arbitrariedade existente
entre significante e referente. Durante muito tempo afirmou-se que as
línguas de sinais não eram línguas por serem icônicas, não representan-
do, portanto, conceitos abstratos. Isto não é verdade, pois em língua
de sinais tais conceitos também podem ser representados, em toda sua
complexidade.
Ex.:
CONVERSAR DEPRESSA
PESSOA PERDOAR
9.3 ESTRUTURA GRAMATICAL
9.3.1 ASPECTOS ESTRUTURAIS
A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir de alguns
parâmetros que estruturam sua formação nos diferentes níveis linguísti-
cos. Três são seus parâmetros principais ou maiores: a Configuração
da(s) mão(s)-(CM), o Movimento - (M) e o Ponto de Articulação - (PA); e
__________________________________________________________________________________________
Pg. 15
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
outros três constituem seus parâmetros menores: Região de Contato, Ori-
entação da(s) mão(s) e Disposição da(s) mão(s).(FERREIRA BRITO, 1990)
9.3.1.1 Parâmetros principais
Os parâmetros principais são:
a) configuração da mão (CM)
b) ponto de articulação (PA)
c) movimento (M)
VELHO
a) Configuração da mão (CM): é a forma que a mão assume durante a rea-
lização de um sinal. Pelas pesquisas linguísticas, foi comprovado que
na LIBRAS existem 43 configurações das mãos (Quadro I), sendo que o al-
fabeto manual utiliza apenas26 destas para representar as letras.
Ex.:
TELEFONE BRANCO
CM [Y] CM [B ]
VEADO ONTEM
CM [5] CM [ L]
__________________________________________________________________________________________
Pg. 16
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
QUADRO I
AS 46 CONFIGURAÇÕES DE MÃO DA LIBRAS
(FERREIRA BRITO, 1995, p.220)
b) Ponto de articulação (PA): é o lugar do corpo onde será realizado o
sinal.
Ex.:
LARANJA APRENDER
__________________________________________________________________________________________
Pg. 17
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
c) Movimento (M): é o deslocamento da mão no espaço, durante a realiza-
ção do sinal.
Ex.:
GALINHA HOMEM
Direcionalidade do movimento
a) Unidirecional: movimento em uma direção no espaço, durante a reali-
zação de um sinal.
Ex.: PROIBIDO, SENTAR, MANDAR.
b) Bidirecional: movimento realizado por uma ou ambas as mãos, em duas
direções diferentes.
Ex.: PRONTO, JULGAMENTO, GRANDE, COMPRIDO, DISCUTIR,
EMPREGADO, PRIMO, TRABALHAR, BRINCAR.
c) Multidirecional: movimentos que exploram várias direções no espaço,
durante a realização de um sinal.
Ex.: INCOMODAR, PESQUISAR.
Tipos de movimentos
a) movimento retilíneo:
ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE
b) movimento helicoidal:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 18
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
ALT@ MACARRÃO AZEITE
c) movimento circular:
BRINCAR IDIOTA BICICLETA
d) movimento semicircular:
SURDO SAPO CORAGEM
e) movimento sinuoso:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 19
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
BRASIL RIO NAVIO
f) movimento angular:
RAIO ELÉTRICO DIFÍCIL
9.3.1.2 Parâmetros secundários
a) Disposição das mãos: a realização dos sinais na LIBRAS pode ser fei-
to com a mão dominante ou por ambas as mãos.
Ex.: BURRO, CALMA, DIFERENTE, SENTAR, SEMPRE, OBRIGADO
b) Orientação das mãos: direção da palma da mão durante a execução do
sinal da LIBRAS, para cima, para baixo, para o lado, para a frente,
etc. Também pode ocorrer a mudança de orientação durante a execução de
um sinal.
Ex.: MONTANHA, BAIXO, FRITAR.
c) Região de contato: a mão entra em contato com o corpo, através do:
Toque: MEDO, ÔNIBUS, CONHECER.
Duplo toque: FAMÍLIA, SURDO, SAÚDE.
Risco: OPERAR, JOSÉ (nome bíblico), PESSOA.
Deslizamento: CURSO, EDUCADO, LIMPO, GALINHA.
9.3.1.3 Componentes não manuais
Além desses parâmetros, a LIBRAS conta com uma série de componentes não
manuais, como a expressão facial ou o movimento do corpo, que muitas
vezes podem definir ou diferenciar significados entre sinais. A expres-
são facial e corporal podem traduzir alegria, tristeza, raiva, amor,
encantamento, etc., dando mais sentido à LIBRAS e, em alguns casos, de-
terminando o significado de um sinal.
__________________________________________________________________________________________
Pg. 20
Ex.:
(QUADROS apud STROBEL, 1995, p.25)
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Ex.:
O dedo indicador em [G] sobre a boca, com a expressão facial calma e
serena, significa silêncio; o mesmo sinal usado com um movimento mais
rápido e com a expressão de zanga significa uma severa ordem: Cale a
boca!
A mão aberta, com o movimento lento e com expressão serena, significa
calma; o mesmo sinal com movimento brusco e com expressão séria signi-
fica pára.
Em outros casos, utilizamos a expressão facial e corporal para negar,
afirmar, duvidar, questionar, etc.
Sinais faciais: em algumas ocasiões, o sinal convencional é modificado,
sendo realizado na face, disfarçadamente.
Exemplos: ROUBO, ATO-SEXUAL.
9.3.2 ESTRUTURA SINTÁTICA
A LIBRAS não pode ser estudada tendo como base a Língua Portuguesa,
porque ela tem gramática diferenciada, independente da língua oral. A
ordem dos sinais na construção de um enunciado obedece a regras própri-
as que refletem a forma de o surdo processar suas ideias, com base em
sua percepção visual espacial da realidade. Vejamos alguns exemplos que
demonstram exatamente essa independência sintática do português:
Exemplo 1: LIBRAS: EU IR CASA. (verbo direcional)
Português : " Eu irei para casa. "
para - não se usa em LIBRAS, porque está incorporado ao verbo
Exemplo 2: LIBRAS: FLOR EU-DAR MULHER^BENÇÃO (verbo direcional)
Português: "Eu dei a flor para a mamãe."
Exemplo 3: LIBRAS: PORQUE ISTO (expressão facial de interrogação)
Português: "Para que serve isto?"
Exemplo 4: LIBRAS: IDADE VOCÊ (expressão facial de interrogação)
Português: “Quantos anos você tem?”
__________________________________________________________________________________________
Pg. 21
PORTUGUÊS LIBRAS
- Você encontrou seu amigo? VOCÊ ENCONTRAR AMIGO
(expressão de interrogação)
- Você encontrou seu amigo. VOCÊ ENCONTRAR AMIGO
(expressão de afirmação)
- Você encontrou seu amigo! VOCÊ ENCONTRAR AMIGO
(expressão de alegria)
- Você encontrou seu amigo!? VOCÊ ENCONTRAR AMIGO
(expressão de dúvida / desconfiança)
- Você não encontrou seu amigo. VOCÊ NÃO-ENCONTRAR AMIGO
(expressão de negação)
- Você não encontrou seu amigo? VOCÊ NÃO-ENCONTRAR AMIGO
(expressão de interrogação/ negação)
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Há alguns casos de omissão de verbos na LIBRAS:
Exemplo 5: LIBRAS: CINEMA O-P-I-A-N-O MUITO-BOM
Português: “O filme O Piano é maravilhoso!”
Exemplo 6: LIBRAS: PORQUE PESSOA FELIZ-PULAR
Português: "... porque as pessoas estão felizes demais!"
Exemplo 7: LIBRAS: PASSADO COMEÇAR FÉRIAS EU VONTADE... DEPRESSA VIAJAR
Português: “Quando chegaram as férias, eu fiquei ansiosa para viajar.”
Observação: na estruturação da LIBRAS observa-se que a mesma possui re-
gras próprias; não são usados artigos, preposições, conjunções, porque
esses conectivos estão incorporados ao sinal.
9.3.2.1 Sistema pronominal
a) Pronomes pessoais: a LIBRAS possui um sistema pronominal para repre-
sentar as seguintes pessoas do discurso:
 No singular, o sinal para todas as pessoas é o mesmo CM[G], o que
diferencia uma das outras é a orientação das mãos;
 Dual: a mão ficará com o formato de dois, CM [K] ou [V];
 Trial: a mão assume o formato de três, CM [W];
 Quatrial: o formato será de quatro, CM [54];
 Plural: há dois sinais:
Sinal composto (pessoa do discurso no singular + grupo).
Configuração da mão [Gd] fazendo um círculo (nós).
Primeira pessoa
Singular: EU - apontar para o peito do enunciador (a pessoa que fala)
Dual: NÓS – 2
Trial: NÓS - 3
Quatrial: NÓS – 4
Plural:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 22
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
NÓS - GRUPO NÓS - TOD@
Segunda pessoa
Singular: VOCÊ - apontar para o interlocutor (a pessoa com quem se
fala).
Dual: VOCÊ - 2
Trial: VOCÊ - 3
Quatrial: VOCÊ – 4
Plural: VOCÊ - GRUPO VOCÊ - TODO
Terceira pessoa
Singular: ELE - apontar para uma pessoa que não está na conversa ou
para um lugar convencional.
Dual: ELE - 2
Trial: ELE - 3
Quatrial: ELE – 4
Plural:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 23
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
ELE - GRUPO ELE - TODO
Quando se quer falar de uma terceira pessoa presente, mas deseja-se ser
discreto, por educação, não se aponta para essa pessoa diretamente. Ou
se faz um sinal com os olhos e um leve movimento de cabeça em direção à
pessoa mencionada ou aponta-se para a palma da mão (voltada para a Di-
reção onde se encontra a pessoa referida).
b) Pronomes demonstrativos: na LIBRAS os pronomes demonstrativos e os
advérbios de lugar tem o mesmo sinal, sendo diferenciados no contexto.
Configuração de mão [G]
ESTE / AQUI - olhar para o lugar apontado, perto da 1ª pessoa.
ESSE / AÍ - olhar para o lugar apontado, perto da 2ª pessoa.
AQUELE / LÁ - olhar para o lugar distante apontado.
Tipos de referentes:
- Referentes presentes. Ex.: EU, VOCÊ, ELE...
- Referentes ausentes com localizações reais. Ex.: RECIFE, PREFEITURA,
EUROPA...
- Referentes ausentes sem localização.
c) Pronomes possessivos: também não possuem marca para gênero e estão
relacionados às pessoas do discurso e não à coisa possuída, como acon-
tece em Português:
EU: MEU IRMÃO ( CM [5] batendo no peito do emissor)
VOCÊ: TEU AMIGO ( CM [K] movimento em direção à pessoa referida)
ELE / ELA: SEU NAMORADO (CM [K] movimento em direção à pessoa referida)
Observação: para os possessivos no dual, trial, quadrial e plural (gru-
po) são usados os pronomes pessoais correspondentes.
d) Pronomes interrogativos: os pronomes interrogativos QUE, QUEM e ONDE
se caracterizam, essencialmente, pela expressão facial interrogativa
feita simultaneamente ao pronome.
QUE / QUEM: usados no início da frase. (CM [bO].
QUEM: com o sentido de quem é e quem é são mais usados no final da fra-
se.
QUANDO: a pergunta com quando está relacionada a um advérbio de tempo
(hoje, amanhã, ontem) ou a um dia de semana específico.
Ex.:
ELE VIAJAR RIO QUANDO-PASSADO (interrogação)
ELE VIAJAR RIO QUANDO-FUTURO (interrogação)
EU CONVIDAR VOCÊ VIR MINHA ESCOLA. VOCÊ PODER D-I-A (interrogação)
__________________________________________________________________________________________
Pg. 24
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
QUE-HORAS? / QUANTAS-HORAS?
Para se referir às horas aponta-se para o pulso e relaciona-se o nume-
ral para a quantidade desejada.
Ex.:
CURSO COMEÇAR QUE-HORAS AQUI (interrogação)
Resposta: CURSO COMEÇAR HORAS DUAS.
Para se referir a tempo gasto na realização de uma atividade, sinaliza-
se um círculo ao redor do rosto, seguido da expressão facial adequada.
Ex.: VIAJAR RIO-DE-JANEIRO QUANTAS-HORAS (interrogação)
POR QUE / PORQUE
Como não há diferença entre ambos, o contexto é que sugere, através das
expressões faciais e corporais, quando estão sendo usados em frases in-
terrogativas ou explicativas.
e) Pronomes indefinidos:
NINGUÉM (igual ao sinal acabar): usado somente para pessoa;
NINGUÉM / NADA (1) (mãos abertas esfregando-se uma na outra): é usado
para pessoas e coisas;
NENHUM (1) / NADA (2) (CM [F] balança-se a mão) é usado para pessoas e
coisas e pode ter o sentido de "não ter";
NENHUM (2) / POUQUINHO (CM [F] palma da mão virada para cima): é um re-
forço para a frase negativa e pode vir após NADA.
9.3.2.2 Tipos de verbos
 Verbos direcionais
 Verbos não direcionais
a) Verbos direcionais - verbos que possuem marca de concordância. A di-
reção do movimento, marca no ponto inicial o sujeito e no final o obje-
to.
Ex.:
"Eu pergunto para você." "Você pergunta para mim."
"Eu aviso você." "Você me avisa."
__________________________________________________________________________________________
Pg. 25
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Verbos direcionais que incorporam o objeto
Ex.:TROCAR
TROCAR-SOCO
TROCAR-BEIJO
TROCAR-TIRO
TROCAR-COPO
TROCAR-CADEIRA
b) Verbos não direcionais: verbos que não possuem marca de concordân-
cia.
Quando se faz uma frase é como se eles ficassem no infinitivo. Os ver-
bos não direcionais aparecem em duas subclasses:
- Ancorados no corpo: são verbos realizados com contato muito próximo
do corpo. Podem ser verbos de estado cognitivo, emotivo ou experienci-
ais, como: pensar, entender, gostar, duvidar, odiar, saber; e verbos de
ação, como: conversar, pagar, falar.
- Verbos que incorporam o objeto: quando o verbo incorpora o objeto,
alguns parâmetros modificam-se para especificar as informações.
Ex.: COMER
COMER-MAÇÃ
COMER-BOLACHA
COMER-PIPOCA
TOMAR /BEBER
TOMAR-CAFÉ
TOMAR-ÁGUA
BEBER-PINGA / BEBER-CACHAÇA
CORTAR-TESOURA
CORTAR-CABELO
CORTAR-UNHA
CORTAR-PAPEL
CORTAR-FACA
CORTAR-CORPO - “operar”
CORTAR-FATIA
9.3.2.3 Tipos de frases
Para produzirmos uma frase em LIBRAS nas formas afirmativa, exclamati-
va, interrogativa, negativa ou imperativa é necessário estarmos atentos
às expressões faciais e corporais a serem realizadas, simultaneamente,
às mesmas.
-Afirmativa: a expressão facial é neutra.
-Interrogativa: sobrancelhas franzidas e um ligeiro movimento da cabe-
ça, inclinando-se para cima.
-Exclamativa: sobrancelhas levantadas e um ligeiro movimento da cabeça
inclinando-se para cima e para baixo.
-Forma negativa: a negação pode ser feita através de três processos:
a) incorporando-se um sinal de negação diferente do afirmativo:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 26
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
TER / NÃO-TER GOSTAR / NÃO-GOSTAR
b) realizando-se um movimento negativo com a cabeça, simultaneamente à
ação que está sendo negada.
NÃO-CONHECER NÃO-PROMETER
c) acrescida do sinal NÃO (com o dedo indicador) à frase afirmativa.
NÃO COMER
Observação: em algumas ocasiões podem ser utilizados dois tipos de ne-
gação ao mesmo tempo.
NÃO-PODER
-Imperativa: Saia! Cala a boca! Vá embora!
__________________________________________________________________________________________
Pg. 27
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
9.3.2.4 Noções temporais
Quando se deseja especificar as noções temporais, acrescentamos sinais
que informam o tempo presente, passado ou futuro, dentro da sintaxe da
LIBRAS.
Ex.:
Presente
(agora / hoje)
LIBRAS - HOJE EU-IR CASA MULHER^BENÇÃO MEU
Português - "Hoje vou à casa da minha mãe"
LIBRAS - AGORA EU EMBORA
Português - “Eu vou embora agora.”
Passado
(Ontem / Há muito tempo / Passou / Já)
LIBRAS - DELE HOMEM^IRMÃO VENDER CARRO JÁ
Português - "O irmão dele vendeu o carro."
LIBRAS- ONTEM EU-IR CASA MEU MULHER^BENÇÃO
Português- "Ontem, eu fui à casa da minha mãe."
LIBRAS - TERÇA-FEIRA PASSADO EU-IR RESTAURANTE COMER^NOITE
Português- "Na terça-feira passada eu jantei no restaurante."
Futuro
(amanhã / futuro / depois / próximo)
LIBRAS - EU ESTUDAR AMANHÃ
Português - "Amanhã irei estudar”
LIBRAS - PRÓXIMA QUINTA-FEIRA EU ESTUDAR
Português - "Estudarei na quinta-feira que vem"
LIBRAS - DEPOIS EU ESTUDAR
Português - "Depois irei estudar"
LIBRAS- FUTURO EU ESTUDAR FACULDADE MATEMÁTICA
Português - "Um dia farei faculdade de matemática"
9.3.2.5 Classificadores (Cl)
Um classificador (Cl) é uma forma que estabelece um tipo de concordân-
cia em uma língua. Na LIBRAS, os classificadores são formas representa-
das por configurações de mão que, substituindo o nome que as precedem,
podem vir junto de verbos de movimento e de localização para classifi-
car o sujeito ou o objeto que está ligado à ação do verbo.
Portanto, os classificadores na LIBRAS são marcadores de concordância
de gênero para pessoas, animais ou coisas. São muito importantes, pois
ajudam construir sua estrutura sintática, através de recursos corporais
que possibilitam relações gramaticais altamente abstratas.
Muitos classificadores são icônicos em seu significado pela semelhança
entre a sua forma ou tamanho do objeto a ser referido. Às vezes o Cl
refere-se ao objeto ou ser como um todo, outras refere-se apenas a uma
parte ou característica do ser.
(FERREIRA BRITO, 1995)
Ex.:
LIBRAS - CARRO BATER POSTE
__________________________________________________________________________________________
Pg. 28
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Cl Verbo em Cl movimento
Português - "O carro bateu no poste."
LIBRAS - PRATOS-EMPILHADOS
Cl Verbo em localização
Português - "Os pratos estão empilhados"
Tipos de classificadores
a) Quanto à forma e tamanho dos seres (tipos de objetos):
Cl[B] - para superfícies planas, lisas ou onduladas (telhados,
papel,bandeja, porta, parede, rua, mesa, etc.) ou qualquer superfície
em relação à qual se pode localizar um objeto (em cima, embaixo, à di-
reita, à esquerda, etc.); para veículos como ônibus, carro, trem, cami-
nhão, etc.;
Cl [B] - pé dentro de um sapato, bandeja, prato, livro, espelho,
papel, etc.;
Cl [V] - para pessoas (uma pessoa andando, duas pessoas andando
juntas, pessoas paradas). A orientação da palma da mão é, também, um
componente importante, pois pode diferenciar o sentido do sinal a de-
pender da direção para onde estiver voltada em relação ao corpo;
Cl [54] - pessoas (quatro pessoas andando juntas, pessoas em
fila), árvores, postes;
Cl: [Y] - pessoas gordas, veículos aéreos (avião, helicóptero),
objetos altos e largos, de forma irregular (jarra, pote, peças decora-
tivas, bomba de gasolina, lata de óleo, gancho de telefone, bule de
café ou chá, sapato de salto alto, ferro, chifre de touro ou vaca);
Cl: [C] - objetos cilíndricos e grossos (copos, vasos);
__________________________________________________________________________________________
Pg. 29
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Cl: [G] - descreve com a extremidade do indicador, com as duas
mãos, objetos ou locais (quadrado, redondo, retângulo, etc.) fios ou
tiras (alças de bolsas);
- localiza com a ponta do indicador, cidades, locais e outros referen-
tes (buraco pequeno);
- o indicador representa objetos longos e finos (pessoa, poste, prego);
Cl: [F] - com a mão direita: objetos cilíndricos, planos e pe-
quenos (botões, moedas, medalha, gota de água);
- com as duas mãos: objetos cilíndricos longos (cano fino, cadeira de
ferro ou metal, etc.).
Observação: as expressões faciais têm importância fundamental na reali-
zação dos classificadores, pois intensificam seu significado.
Ex.:
- bochechas infladas e olhos bem abertos para coisas grandes ou gros-
sas.
- olhos semifechados com o franzir da testa, ombros levantados e incli-
nação da cabeça para frente, para coisas estreitas ou finas:
- expressão facial normal para tamanhos médios:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 30
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
b) Quanto ao modo de segurar certos objetos:
Cl: [F] - objetos pequenos e finos (botões, moedas, palitos de fósfo-
ros, asa de xícara);
Cl: [H] - segurar cigarro;
Cl: [C] - copos e vasos;
Cl: [As] - buque de flores, faca, carimbo, sacola, mala, guarda-chuva,
caneca ou chopp, pedaço de pau, etc. (funciona como parte do verbo e
representa o objeto que se moveu ou é localizado).
9.3.2.6 Role-Play
Este é um recurso muito usado na LIBRAS quando os surdos estão desen-
volvendo a narrativa. O sinalizador coloca-se na posição dos persona-
gens referidos na narrativa, alternando com eles em situações de diálo-
go ou ação.
9.3.3 FORMAÇÃO DE PALAVRAS
Como já vimos anteriormente, na LIBRAS os sinais são formados a partir
de parâmetros principais e secundários e através de alguns componentes
não-manuais.
Há, também, uma série de outros sinais que são formados por processos
de derivação, composição ou empréstimos do português. Vejamos alguns
exemplos:
9.3.3.1 Sinais compostos
Da mesma forma que no português, teremos compostos de palavras no qual
um elemento será o principal- o núcleo - e um elemento o especificador-
o adjunto. É interessante observar, que na LIBRAS a estrutura não será
apenas binária e, neste caso, teremos dois ou mais elementos especifi-
cadores de uma palavra núcleo.
Ex.:
Simples: CAFÉ, AMIGO, CONHECER
Composto: “zebra”: CAVALO^LISTRAS
“açougueiro”: HOMEM^VENDER^CARNE
“faqueiro”: CAIXA^GUARDAR^COLHER^FACA^GARFO
Em alguns casos, quando ao sinal acrescenta-se outro, o mesmo passa a
ter outro significado.
Ex.:
pílula
PILULA^EVITAR^GRÁVIDA “pílula anticoncepcional”
PÍLULA^CALMA “calmante”
PÍLULA^DOR DE CABEÇA “analgésico”
médico
MÉDIC@^SEXO “ginecologista’
MÉDIC@^OLHO “oftalmologista”
MÉDIC@^CRIANÇA “pediatra”
MÉDIC@^CORAÇÃO “cardiologista”
__________________________________________________________________________________________
Pg. 31
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
a) Sinais compostos com formatos: há execução de um sinal convencional
com acréscimo de outro sinal na "forma" do objeto que se quer especifi-
car.
Ex.:
retângulo
RETÂNGULO^TELEGRAMA “bilhete de telegrama”
RETÂNGULO^CONSTRUÇÃO “tijolo”
RETÂNGULO^DINHEIRO “cédula”
RETÂNGULO^CARTA “envelope”
RETÂNGULO^ÔNIBUS “passagem de ônibus”
b) Sinais compostos por categorias: para classificar um sinal por cate-
goria ou por grupo, acrescentamos à palavra-núcleo o sinal VARIADOS.
Ex.:
MAÇÃ^VARIADOS “frutas”
CARRO^VARIADOS “meios de transportes”
COR^VARIADOS “colorido”
COMER^VARIADOS ‘alimentos”
LEÃO^VARIADOS “animais”
9.3.3.2 Gênero (feminino / masculino)
É interessante observar que não há flexão de gênero em LIBRAS, os subs-
tantivos e adjetivos são, em geral, não marcados.
Entretanto, quando se quer explicitar substantivos dentro de determina-
dos contextos, a indicação de sexo é feita pospondo-se o sinal
"HOMEM/MULHER", indistintamente, para pessoas e animais, ou a indicação
é obtida através de sinais diferentes para um e para outro sexo:
Exemplos:
HOMEM “homem”
MULHER “mulher”
HOMEM^VELHO “vovô”
MULHER^VELHA “vovó”
Adjetivos, artigos, pronomes e numerais não apresentam flexão de gêne-
ro, apresentando-se em forma neutra. Esta forma neutra está representa-
da pelo símbolo @.
Ex.: AMIG@, FRI@, MUIT@, CACHORR@, SOLTEIR@
9.3.3.3 Adjetivos
São sinais que se apresentam na forma neutra, não havendo, portanto,
nem marca para gênero (masculino e feminino) e nem para número(singular
e plural). Geralmente, aparecem na frase após o substantivo que quali-
ficam.
Ex.: GATO PEQUENO COR BRANCO ESPERTO
“O gato é pequeno, branco e esperto.”
__________________________________________________________________________________________
Pg. 32
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
9.3.3.4 Numerais e quantificação
A LIBRAS apresenta diferentes formas de sinalizar os numerais, a depen-
der da situação:
- cardinais: até 10, representações diferentes para quantidades e car-
dinais; a partir de 11 são idênticos.
- ordinais: do primeiro até o nono tem a mesma forma dos cardinais, mas
os ordinais possuem movimento enquanto que os cardinais não possuem. Os
ordinais do 1 º ao 4 º têm movimentos para cima e para baixo e os ordi-
nais do 5 º até o 9 º têm movimentos para os lados. A partir do numeral
dez não há mais diferenças.
- valores monetários, pesos e medidas: para representar valores monetá-
rios de 1 até 9, usa-se o sinal do numeral correspondente ao valor, in-
corporando a este o sinal VÍRGULA ou, também, após o sinal do numeral
correspondente acrescenta-se o sinal de R-S “ real” . Para os valores
de 1.000 até 9.000 usa - se a incorporação do sinal VÍRGULA ou PONTO.
9.3.3.5 Formas de plural
Há plural na LIBRAS no uso repetido de sinais ou indicando a quantida-
de.
Ex.: MUITO-ANO (quantidade), MUITO-ANO(duração),DOIS-DIA, TRÊS-DIA,
QUATRO-DIA, TODO-DIA,DOIS-SEMANA, TRÊS-SEMANA, DOIS-MÊS, ...
Classificadores possuem plural.
Ex.: "Pessoas em fila."
"As pessoas sentam em círculo."
9.3.3.6 Intensificadores e advérbios de modo
Utiliza-se a repetição exagerada para intensificar o significado do si-
nal.
Ex.:
COMER – COMER - COMER “Comer sem parar.”
FUMAR – FUMAR - FUMAR “Fumar sem parar.”
FALAR – FALAR - FALAR “Falar sem parar.”
- Advérbios de modo:
MUITO: utilizado como intensificador em LIBRAS e expresso através das
expressões facial e corporal ou de uma modificação no movimento do si-
nal.
RÁPIDO: para estabelecer um modo rápido de se realizar a ação, há uma
repetição do sinal da ação e a incorporação de um movimento acelerado.
9.3.3.7 Advérbios de tempo: (frequência)
N-U-N-C-A: sinal soletrado;
FREQUENTE e FREQUENTEMENTE: mesma configuração de mão [L], mas para a
segunda ideia o sinal é feito repetidamente.
__________________________________________________________________________________________
Pg. 33
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
SEMPRE “continuar” e MESMO: mesma configuração de mão [V], mas no pri-
meiro há um movimento para frente do emissor.
9.3.3.8 Polissemia
Há sinais que denotam vários significados apesar de apresentarem uma
única forma na LIBRAS.
Ex.:
OCUPADO / PROIBIDO /
NÃO PODER
CADEIRA / SENTAR AÇÚCAR / DOCE / GUAR-
DANAPO
9.3.3.9 Gíria
É utilizada em LIBRAS, porém não pode ser traduzida para o português,
pois o sinal a ser utilizado varia de acordo com o contexto em que
ocorre.
Ex.:
Não tem dono; fico com ele.
Conseguir namorado. (rápido)
Problema meu.
Eu progredi.
Estou com sono, é o violino tocando (desinteresse total com relação à
palestra, aulas, etc.)
Que estranho, esquisito, não sabia disto.
Simples, vulgar.
Vou ignorar isto, não farei isto, preguiça de fazer.
Terei que aguentar, paciência.
9.3.3.10 Alfabeto Manual
É a soletração de letras com as mãos. É muito aconselhável soletrar de-
vagar, formando as palavras com nitidez. Entre as palavras soletradas,
é melhor fazer uma pausa curta ou mover a mão direita para o lado es-
querdo, como se estivesse empurrando a palavra já soletrada para o
lado. Normalmente o alfabeto manual é utilizado para soletrar os nomes
de pessoas, de lugares, de rótulos, etc., e para os vocábulos não exis-
tentes na língua de sinais.
Ex.(página seguinte).
9.3.3.11 Empréstimos da língua portuguesa.
Alguns sinais são realizados através da soletração, uso das iniciais
das palavras, cópia do sinal gráfico pela influência da Língua Portu-
guesa escrita. Estes empréstimos sofrem mudanças formativas e acabam
tornando-se parte do vocabulário da LIBRAS.
Ex.:
__________________________________________________________________________________________
Pg. 34
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
N-U-N-C-A "nunca"
B-R “bar”, A-L "azul"
MATEMÁTICA
MARROM, ROXO, CINZA.
Esta descrição sucinta da LIBRAS não é suficiente para conhecê-la na
sua estrutura lingüística como um todo e, muito menos, em suas especi-
ficidades enquanto língua de uma comunidade. No entanto, parece ser um
primeiro passo para que saibamos que a LIBRAS é uma língua natural com
toda complexidade dos sistemas lingüísticos que servem à comunicação,
socialização e ao suporte do pensamento de muitos grupos sociais.
Mesmo a despeito de mais de um século de proibição de seu uso nas esco-
las de surdos, preconceito e marginalização por parte da sociedade como
um todo, as línguas de sinais resistiram, demonstrando a necessidade
essencial de sua utilização entre as pessoas surdas.
10. Tabela de Classificadores
CLD - Classificador Descritivo
Se refere ao tamanho e forma; utiliza para descrever a aparência de um
objeto, isto é, a forma, o tamanho, a textura ou o desenho de um
objeto. Usualmente produzido com ambas as mãos, para formas simétricas
ou assimétricas.
Exemplos: - a forma e o desenho de um vaso; - o desenho de papel de
parede; - a altura e a largura de uma caixa; - a descrição da roupa ou
dos itens que estão no corpo. (Não descreve posição ou movimento)
CL-esp Classificador que especifica o tamanho e da forma de uma parte
do corpo
A função é similar ao CL-D mas é utilizado para descrever a forma, o
tamanho, e a textura de uma parte do corpo de pessoas ou animais.
Exemplos: - as orelhas de um elefante; - bicos de aves diversas; - o
nariz de uma pessoa; - o pêlo de um gato; - o penteado de uma pessoa;
- bochechas gordas de um bebê. (Não descreve posição ou movimento)
CL-PC Classificador de uma Parte do Corpo
Retrata uma parte específica do corpo em uma posição determinado ou
fazendo uma ação. A configuração da mão retrata a forma de uma parte
do corpo.
Exemplos: - a ação da boca de um hipopótamo; - as orelhas de um cavalo
em movimento; - os olhos de alguém em movimento; - a cabeça de alguém
repousando no seu ombro; - os dedos do pé sacudindo; - a ação de pés
andando na lama; - a posição das pernas de alguém sentada em uma
cadeira. (Descreve posição ou movimento)
CL-L Classificador Locativo
Retrata um objeto como lugar determinado em relacionamento a outro
objeto. Configuração da mãom pode retratar uma parte ou o objeto todo
iconicamente.
Exemplos: - uma prateleira onde estão copos ou livros; - o chão onde
caiu um lápis; - a cabeça de alguém batida por uma bola; - o alvo onde
voa uma flecha; - o gol onde entra uma bola.
__________________________________________________________________________________________
Pg. 35
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
CL – S Classificador Semântico
Função similar ao CL-L por retratar um objeto em um lugar específico
(às vezes indicando movimento). A configuração da mão retrata o objeto
todo e o retrata abstratamente (muito pouco ou não se relaciona à
aparência do objeto).
Exemplo: - C copos na prateleira de um armário; - B veículos ou
objetos planos; - I pessoas andando em uma direção determinada; - Y um
avião ou objetos no lugar fixo; - V reta ou dobrada retratando a
orientação do corpo ou das pernas de um animal ou de uma pessoa e/ou
suas ações.
CL – I Classificador Instrumenta l
Esse classificador mostra como se usa alguma coisa.
Exemplos: - carregando um balde pela alça; - puxando uma gaveta; -
tocando a campainha da porta; - virando uma página; - limpando com um
pano. (Mostra como alguém manipula um objeto)
CL – C Classificador do Corpo
A parte superior do corpo se torna o classificador na qual a parte
superior (do sinalizador) "desempenha" o verbo da frase, especialmente
os braços. CL-C é similar a CL-I, salvo CL-C não mostra nem a
manipulação nem o toque de objetos.
Exemplos: - acenando com a mão para alguém - atravessando os braços
com o beiço espichado; - coçando a cabeça com perplexidade; - movendo
os braços como em correr. (Não mostra a manipulação de um objeto)
CL – P Classificador do Plural
Indica o movimento ou a posição de um número de objetos, pessoas ou
animais. Pode ser um número determinado ou não-determinado.
Exemplos: - três pessoas andando juntas (número determinado); -
pessoas sentadas na platéia (número não-determinado); - uma fila
comprida de pessoas avançando lentamente; - muitos carros estacionados
na rua; - dois gatos em cima de um muro.
CL – E Classificador de Elemento
Esses classificadores retratam movimentos de "elementos" ou coisas que
não são sólidas, isto é, ar, fumaça, água/líquido, chuva, fogo, luz.
Exemplos: - água gotejando da torneira; - luz piscando no sinal de
advertência; - o movimento de um líquido no corpo ou dentro do corpo;
- o vapor subindo de uma xícara de chá quente.
CL – N. CL-NOME
Esses classificadores utilizam as configurações das mãos do alfabeto
manual ou os números, mas são parte de uma descrição.
Exemplos: - números e nome na camisa de futebol; - um título de um
livro; - insígnia em um boné; - uma sigla escrita na porta de um
banco.
FONTE: http://orbita.starmedia.com/vozesdosilencio/textos/tabela_cl.htm
__________________________________________________________________________________________
Pg. 36
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
11. Alfabeto Brasileiro de Sinais
11.1 Números
________________________________________________________________________________________
Pg. 37
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
11.2 Alfabeto – desenhos de João Felix
________________________________________________________________________________________
Pg. 38
________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
Pg. 39
FAMÍLIA
FAMÍLIA MULHER HOMEM
GERAÇÃO
OU
SOGRO
GENRO NETO IRMÃO / IRMÃ
MAMÃE PAPAI
VOVÔ / VOVÓ BISAVÔ / BISAVÓ
Observações:
E / FILHO / FILHA
ESPOSA
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 40
GEMÊOS PRIMO / PRIMA
SOBRINHO TIO / TIA NOIVO/NOIVA
CORES
COR / COLORIDO AZUL
OU
PRETO BEGE
BRANCO CINZA
AMARELO LARANJA
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
VERMELHO VERDE
CASTANHO ROSA
MESES
MÊS JANEIRO
FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO
JUNHO JULHO
AGOSTO SETEMBRO
________________________________________________________________________________________
Pg. 41
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 42
OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO
DIAS DA SEMANA
SEMANA
OU
SEGUNDA-FEIRA
OU
TERÇA-FEIRA
OU
QUARTA-FEIRA
OU
QUINTA-FEIRA
OU
SEXTA-FEIRA
SÁBADO DOMINGO
Observação:
FRUTAS
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 43
ABACAXI CAJU BANANA
CAQUI MARACUJÁ
COCO FIGO LARANJA
MAMÃO MANGA
MELANCIA MELÃO
MORANGO GOIABA MEXIRICA
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
UVA PERA
PÊSSEGO CEREJA
LIMÃO TOMATE
ALIMENTAÇÃO
AÇÚCAR BALA BATATA
BISCOITO DOCE BOLO
CEBOLA CENOURA
________________________________________________________________________________________
Pg. 44
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 45
CHICLETE CARNE BOMBOM
CHOCOLATE CHURRASCO
CHURRASCO(2) FEIJÃO LANCHE
COMER LEITE
OVO PÃO
PASTEL PIZZA
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 46
QUEIJO SAL JANTAR
SALADA SORVETE
BÍBLICOS
ALMA ANJO
BÍBLIA
CATÓLICO CRUZ IGREJA
DEUS JESUS CRISTO
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 47
PASTOR CRISTÃO
PADRE
Observações:
ANIMAIS
ANIMAIS BODE BURRO
BOI CABRA CARNEIRO
CACHORRO CAVALO
COELHO MACACO ELEFANTE
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
GATO GIRAFA
JACARÉ LEÃO
LOBO MORCEGO
OVELHA PORCO RATO
SAPO
OU
PEIXE
ARANHA TARTARUGA
PÁSSARO
SENTIMENTOS
________________________________________________________________________________________
Pg. 48
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
___________________________________________________________________________________________
AMOR INIMIZADE
CORAGEM TRISTEZA
ALEGRIA FELICIDADE PAZ
Observações:
VERBOS
ABRIR ACABAR
________________________________________________________________________________________
Pg. 49
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 50
ACHAR
ACORDAR ACREDITAR
ACUSAR AFASTAR
AJOELHAR AJUDAR AMAR
ANDAR APRENDER
ARREPENDER ATRAPALHAR
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 51
ATRASAR AUMENTAR
AVISAR BATER
BEIJAR BEBER
BRIGAR BRINCAR
CAIR CANTAR
CHAMAR CHEIRAR
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 52
CHORAR CHUTAR COMBINAR
COMEÇAR COMER
COMPRAR CONHECER
CONSEGUIR CONTAR
CONVERSAR COZINHAR CUIDAR
DAR DESCULPAR DECIDIR
___________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 53
DORMIR
DEIXAR/PERMITIR
MEDIR
ENCONTRAR
LEMBRAR LER
MANDAR / ORDENAR
MOSTRAR ESCUTAR
ESPERAR NAMORAR
OBEDECER PEDIR
___________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
Pg. 54
PEGAR PERGUNTAR
PERMANECER PROCURAR
QUEBRAR QUERER
RESPONDER REUNIR
Observações:
SENTAR
TER
CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS)
________________________________________________________________________________________
Pg. 55
TOCAR TRABALHAR
TROCAR VER

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pgApostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pg
Marli Dionisia da Silva
 
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de SinaisOficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
andrea giovanella
 
Verbos em libras
Verbos em librasVerbos em libras
Verbos em libras
Nelinha Soares
 
Alfabeto manual Numerais em LIBRAS
Alfabeto manual   Numerais em LIBRASAlfabeto manual   Numerais em LIBRAS
Alfabeto manual Numerais em LIBRAS
Nelinha Soares
 
2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística
Universidade Federal de Uberlândia
 
Libras parte-1
Libras parte-1Libras parte-1
Libras parte-1
André Sabatini
 
Libras online1
Libras online1Libras online1
Libras online1
Juliana De Matos Peixoto
 
Apostila em libras
Apostila em librasApostila em libras
Apostila em libras
Nelinha Soares
 
Familia e Identidade Surda
Familia e Identidade SurdaFamilia e Identidade Surda
Familia e Identidade Surda
dilaina maria araujo maria
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Modulo 2 libras
Modulo 2 librasModulo 2 libras
Modulo 2 libras
Priscila
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
profamiriamnavarro
 
Libras ilustrada 1 alfabeto manual
Libras ilustrada 1   alfabeto manualLibras ilustrada 1   alfabeto manual
Libras ilustrada 1 alfabeto manual
Dilceia Adilson Goulart
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
profamiriamnavarro
 
L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016
Classe Especial SZ Inclusão
 
Apostia libras basico
Apostia libras basicoApostia libras basico
Apostia libras basico
mjlibras
 
1. cumprimentos
1. cumprimentos1. cumprimentos
1. cumprimentos
Valeria Nunes
 
Curso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 AulaCurso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 Aula
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
Lene Reis
 
Brincando com-a-libras (1)
Brincando com-a-libras (1)Brincando com-a-libras (1)
Brincando com-a-libras (1)
Domingas Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Apostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pgApostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pg
 
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de SinaisOficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
 
Verbos em libras
Verbos em librasVerbos em libras
Verbos em libras
 
Alfabeto manual Numerais em LIBRAS
Alfabeto manual   Numerais em LIBRASAlfabeto manual   Numerais em LIBRAS
Alfabeto manual Numerais em LIBRAS
 
2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística
 
Libras parte-1
Libras parte-1Libras parte-1
Libras parte-1
 
Libras online1
Libras online1Libras online1
Libras online1
 
Apostila em libras
Apostila em librasApostila em libras
Apostila em libras
 
Familia e Identidade Surda
Familia e Identidade SurdaFamilia e Identidade Surda
Familia e Identidade Surda
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Mundo Surdo
 
Modulo 2 libras
Modulo 2 librasModulo 2 libras
Modulo 2 libras
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
 
Libras ilustrada 1 alfabeto manual
Libras ilustrada 1   alfabeto manualLibras ilustrada 1   alfabeto manual
Libras ilustrada 1 alfabeto manual
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
 
L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016
 
Apostia libras basico
Apostia libras basicoApostia libras basico
Apostia libras basico
 
1. cumprimentos
1. cumprimentos1. cumprimentos
1. cumprimentos
 
Curso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 AulaCurso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 Aula
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
Brincando com-a-libras (1)
Brincando com-a-libras (1)Brincando com-a-libras (1)
Brincando com-a-libras (1)
 

Semelhante a Libras basico

Curso libras básico.
Curso libras básico.Curso libras básico.
Curso libras básico.
Leandro Dos Anjos
 
Apostila de-libras
Apostila de-librasApostila de-libras
Apostila de-libras
anelucy70
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
thiagomagro
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
Daniele Martins
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
Denis Alves
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
Evandro de Jesus
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
Elenilda Craveiro
 
Apostila libras inicial
Apostila libras inicialApostila libras inicial
Apostila libras inicial
SimoneHelenDrumond
 
7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf
7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf
7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf
antoniojosdaschagas
 
Capacitacao a distancia para atencao basica diabetes medico
Capacitacao a distancia para atencao basica diabetes medicoCapacitacao a distancia para atencao basica diabetes medico
Capacitacao a distancia para atencao basica diabetes medico
manoelramosdeoliveir1
 
Cartilha direitos
Cartilha direitosCartilha direitos
Cartilha direitos
mariasidnei35
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
ACECTALCT
 
X9 escolar Berizal - mg
X9 escolar  Berizal - mgX9 escolar  Berizal - mg
X9 escolar Berizal - mg
Núbia Almeida Batista
 
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da SaúdeNova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Curriculo natural funcional
Curriculo natural funcionalCurriculo natural funcional
Curriculo natural funcional
France Jane Leandro
 
Direitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leituraDireitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leitura
SimoneHelenDrumond
 
Cuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da família
Cuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da famíliaCuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da família
Cuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da família
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Uma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpii
Uma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpiiUma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpii
Uma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpii
Crisitna Bueno
 
Roteiro de estudos Ciclo Autoral . De 27 á 30 de abril.
Roteiro de estudos Ciclo  Autoral . De 27 á 30 de abril.Roteiro de estudos Ciclo  Autoral . De 27 á 30 de abril.
Roteiro de estudos Ciclo Autoral . De 27 á 30 de abril.
Proval Val
 

Semelhante a Libras basico (20)

Curso libras básico.
Curso libras básico.Curso libras básico.
Curso libras básico.
 
Apostila de-libras
Apostila de-librasApostila de-libras
Apostila de-libras
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
 
Apostila libras inicial
Apostila libras inicialApostila libras inicial
Apostila libras inicial
 
7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf
7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf
7º-ANO-CIENCIAS-1-1-19.pdf
 
Capacitacao a distancia para atencao basica diabetes medico
Capacitacao a distancia para atencao basica diabetes medicoCapacitacao a distancia para atencao basica diabetes medico
Capacitacao a distancia para atencao basica diabetes medico
 
Cartilha direitos
Cartilha direitosCartilha direitos
Cartilha direitos
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
 
X9 escolar Berizal - mg
X9 escolar  Berizal - mgX9 escolar  Berizal - mg
X9 escolar Berizal - mg
 
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da SaúdeNova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
Nova CADERNETA da GESTANTE - Ministério da Saúde
 
Curriculo natural funcional
Curriculo natural funcionalCurriculo natural funcional
Curriculo natural funcional
 
Direitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leituraDireitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leitura
 
Cuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da família
Cuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da famíliaCuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da família
Cuidado e crescimento do PREMATURO: batalhas e conquistas da família
 
Uma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpii
Uma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpiiUma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpii
Uma conversa sobre estudar em tempo de pandemia cpii
 
Roteiro de estudos Ciclo Autoral . De 27 á 30 de abril.
Roteiro de estudos Ciclo  Autoral . De 27 á 30 de abril.Roteiro de estudos Ciclo  Autoral . De 27 á 30 de abril.
Roteiro de estudos Ciclo Autoral . De 27 á 30 de abril.
 

Mais de Vagner Soares da Costa

04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx
04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx
04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx
Vagner Soares da Costa
 
estruturas metálicas dimensionamento .ppt
estruturas metálicas dimensionamento .pptestruturas metálicas dimensionamento .ppt
estruturas metálicas dimensionamento .ppt
Vagner Soares da Costa
 
Métodos de dobra/curvamentos de tubos.ppt
Métodos de dobra/curvamentos de tubos.pptMétodos de dobra/curvamentos de tubos.ppt
Métodos de dobra/curvamentos de tubos.ppt
Vagner Soares da Costa
 
11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx
11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx
11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx
Vagner Soares da Costa
 
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
Vagner Soares da Costa
 
09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx
09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx
09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx
Vagner Soares da Costa
 
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
Vagner Soares da Costa
 
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
Vagner Soares da Costa
 
06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx
06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx
06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx
Vagner Soares da Costa
 
05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx
05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx
05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx
Vagner Soares da Costa
 
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
Vagner Soares da Costa
 
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
Vagner Soares da Costa
 
0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL
0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL
0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL
Vagner Soares da Costa
 
NOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS
NOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAISNOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS
NOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS
Vagner Soares da Costa
 
Mecânica - Tipos de cortes por vários processos
Mecânica -  Tipos de cortes por vários processosMecânica -  Tipos de cortes por vários processos
Mecânica - Tipos de cortes por vários processos
Vagner Soares da Costa
 
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - TécnicaApostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Vagner Soares da Costa
 
Caderno tarefas fresador mecanico.pdf
Caderno tarefas fresador mecanico.pdfCaderno tarefas fresador mecanico.pdf
Caderno tarefas fresador mecanico.pdf
Vagner Soares da Costa
 
49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf
49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf
49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf
Vagner Soares da Costa
 
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Vagner Soares da Costa
 

Mais de Vagner Soares da Costa (19)

04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx
04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx
04 - FAZER ESBOÇO DE VISTAS A PARTIR DE ISOMÉTRICA.pptx
 
estruturas metálicas dimensionamento .ppt
estruturas metálicas dimensionamento .pptestruturas metálicas dimensionamento .ppt
estruturas metálicas dimensionamento .ppt
 
Métodos de dobra/curvamentos de tubos.ppt
Métodos de dobra/curvamentos de tubos.pptMétodos de dobra/curvamentos de tubos.ppt
Métodos de dobra/curvamentos de tubos.ppt
 
11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx
11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx
11 - GONIÔMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA.pptx
 
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
 
09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx
09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx
09 - MICRÔMETRO SISTEMA INGLES MILESINAL.pptx
 
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
 
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
 
06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx
06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx
06 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES MILESIMAL.pptx
 
05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx
05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx
05 - PAQUÍMETRO INTRODUÇÃO E LEITURA NO SISTEMA INGLES FRACIONÁRIO.pptx
 
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
07 - MICRÔMETRO EXTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
 
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
08 - MICRÔMETRO INTERNO SISTEMA MÉTRICO.pptx
 
0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL
0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL
0000 - INTRODUÇÃO A METROLOGIA DIMENSIONAL
 
NOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS
NOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAISNOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS
NOÇOES DE ELEMENTOS DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS
 
Mecânica - Tipos de cortes por vários processos
Mecânica -  Tipos de cortes por vários processosMecânica -  Tipos de cortes por vários processos
Mecânica - Tipos de cortes por vários processos
 
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - TécnicaApostila técnica sobre abrasivos - Técnica
Apostila técnica sobre abrasivos - Técnica
 
Caderno tarefas fresador mecanico.pdf
Caderno tarefas fresador mecanico.pdfCaderno tarefas fresador mecanico.pdf
Caderno tarefas fresador mecanico.pdf
 
49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf
49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf
49337383-Tarefas-Trator-Geral.pdf
 
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Libras basico

  • 1. Seja Bem Vindo! Curso Libras Básico Carga horária: 50hs
  • 2. Dicas importantes • Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um termina, só os determinados aprendem! • Leia cada trecho do conteúdo com atenção redobrada, não se deixando dominar pela pressa. • Explore profundamente as ilustrações explicativas disponíveis, pois saiba que elas têm uma função bem mais importante que embelezar o texto, são fundamentais para exemplificar e melhorar o entendimento sobre o conteúdo. • Saiba que quanto mais aprofundaste seus conhecimentos mais se diferenciará dos demais alunos dos cursos. Todos têm acesso aos mesmos cursos, mas o aproveitamento que cada aluno faz do seu momento de aprendizagem diferencia os “alunos certificados” dos “alunos capacitados”. • Busque complementar sua formação fora do ambiente virtual onde faz o curso, buscando novas informações e leituras extras, e quando necessário procurando executar atividades práticas que não são possíveis de serem feitas durante o curso. • Entenda que a aprendizagem não se faz apenas no momento em que está realizando o curso, mas sim durante todo o dia-a-dia. Ficar atento às coisas que estão à sua volta permite encontrar elementos para reforçar aquilo que foi aprendido. • Critique o que está aprendendo, verificando sempre a aplicação do conteúdo no dia-a-dia. O aprendizado só tem sentido quando pode efetivamente ser colocado em prática.
  • 3. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Conteúdo Apresentação 03 1. O que é a surdez 04 2. Os números da surdez 04 2.1 No Brasil 04 2.2 No Mundo 04 2.3 Outros Números 04 3. Prevenção 05 3.1 Para quem ainda não teve filhos 05 3.2 Para quem está grávida 05 3.3 Para quem já teve filhos 05 3.3.1 Cuidados Importantes 05 4. Prevenção – Fatores de Risco 06 4.1 Para o bebê - 0 a 28 dias 06 4.2 Para a criança - 29 dias a 2 anos 07 4.3 Para o adulto 07 5. Níveis de Surdez 07 6. Comunicação Gestual 07 6.1 Universalidade 07 7. LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais 08 7.1 Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002 08 8. Conselhos Úteis no aprendizado e uso da LIBRAS 09 9. Aspectos Linguísticos da LIBRAS 11 9.1 Variações linguísticas 11 9.1.1 Variações regionais 11 9.1.2 Variações sociais 12 9.1.3 Mudanças históricas 13 9.2 Iconicidade e arbitrariedade 14 9.2.1 Sinais icônicos 14 9.2.2 Sinais arbitrários 15 9.3 Estrutura gramatical 15 9.3.1 Aspectos estruturais 15 9.3.1.1 Parâmetros principais 16 9.3.1.2 Parâmetros secundários 20 9.3.1.3 Componentes não manuais 20 9.3.2 Estrutura sintática 21 9.3.2.1 Sistema pronominal 22 9.3.2.2 Tipos de verbos 25 __________________________________________________________________________________________ Pg. 2
  • 4. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 9.3.2.3 Tipos de frases 26 9.3.2.4 Noções temporais 28 9.3.2.5 Classificadores 28 9.3.2.6 Role-play 31 9.3.3 Formação de palavras 31 9.3.3.1 Sinais compostos 31 9.3.3.2 Gênero 32 9.3.3.3 Adjetivos 32 9.3.3.4 Numerais e quantificação 33 9.3.3.5 Formação de plural 33 9.3.3.6 Intensificadores e advérbios de modo 33 9.3.3.7 Advérbios de tempo 33 9.3.3.8 Polissemia 34 9.3.3.9 Gíria 34 9.3.3.10 Alfabeto manual 34 9.3.3.11 Empréstimo da língua portuguesa 35 10. Tabela de Classificadores 35 11. Alfabeto Brasileiro de Sinais 37 11.1 Números 37 11.2 Alfabeto – desenhos de João Félix 38 12. Sinais – Família 39 13. Sinais – Cores 40 14. Sinais – Meses 41 15. Sinais – Dias da Semana 42 16. Sinais – Frutas 43 17. Sinais – Alimentação 44 18. Sinais – Bíblicos 46 19. Sinais – Animais 47 20. Sinais – Sentimentos 49 21. Sinais – Verbos 50 __________________________________________________________________________________________ Pg. 3
  • 5. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Não existe maior barreira que a da comunicação. Você consegue imaginar-se criança, querendo dizer para sua mãe que sente alguma dor, sem que ela te entenda. Ou mesmo, você sentir medo do "bicho- papão" e ela achar que você está com dor de barriga e te dar aquelas gotinhas no copo e dizer: - “Você vai sarar...", mas o que você realmente está pedindo é a sua companhia; ou ainda você querer dizer o quanto a ama e que ela é importante para você e isto parecer impossível. A vida do surdo é cheia de momentos como estes, desde criança e como adultos também. Começando com o termo "deficiente auditivo", a sociedade trata o surdo como se fosse um incapaz. Conhecemos as necessidades de muitas pessoas com deficiência, mas para os surdos não há condições mínimas de atendimento. Em repartições públicas, hospitais, lojas e locais adaptados que lidam com questões de acessibilidade raramente há alguém preparado para atendê-los. O que você sabe sobre surdez? Aquele alfabeto brasileiro de sinais que você já deve ter visto é quase nada. Você pensa que a comunicação do surdo é daquela forma? Mesmo os profissionais da área precisam saber mais. Eles sabem sobre ouvido, mas será que sabem sobre o surdo? Pais e familiares precisam saber o que fazer, afinal de contas um filho surdo não nasce com manual de instruções. Nosso objetivo é que o surdo conquiste sua total cidadania. O primeiro passo é a informação. O reconhecimento de uma língua própria, a LIBRAS já foi uma vitória. Você tem ideia do que é LIBRAS? Quero convidá-lo(a) a conhecer um pouco mais sobre surdez. Você vai ficar encantado(a) e ao mesmo tempo surpreso(a). Que tal fazer esta diferença? __________________________________________________________________________________________ Pg. 4
  • 6. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 1. O que é Surdez? Surdez é o nome dado à impossibilidade e dificuldade de ouvir, podendo ter como causa vários fatores que podem ocorrer antes, durante ou após o nascimento. A deficiência auditiva pode variar de um grau leve a profunda, ou seja, a criança pode não ouvir apenas os sons mais fracos ou até mesmo não ouvir som algum. 2. Os Números da Surdez 2.1 No Brasil No Brasil, estima-se que existam cerca de 15 milhões de pessoas com algum tipo de perda auditiva. No Censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 3,3% da população responderam ter algum problema auditivo. Aproximadamente 1% declarou ser incapaz de ouvir. No Maranhão, de acordo com levantamentos realizados pelo IBGE/2000, o número de surdos é de aproximadamente 200 mil pessoas, enquanto na ilha de São Luís foram registrados 27.922 surdos Atualmente o Brasil atende a cerca de 700 mil pessoas com surdez nos diversos níveis e modalidades de ensino, distribuídas entre escolas especiais para surdos, escolas de ensino regular e ONG's. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 1,5% da população brasileira (2,25 milhões) é portadora de deficiência auditiva. Em 1998, havia 293.403 alunos, distribuídos da seguinte forma: 58% com problemas mentais; 13,8%, com deficiências múltiplas; 12%, com problemas de audição; 3,1% de visão; 4,5%, com problemas físicos; 2,4%, de conduta. Apenas 0,3% com altas habilidades ou eram superdotados e 5,9% recebiam "outro tipo de atendimento” (Sinopse Estatística da Educação Básica/Censo Escolar 1998, do MEC/INEP). No Brasil, empresas com mais de cem funcionários devem contratar 2% de pessoas com deficiência, com 201 a 500 funcionários - 3%, de 501 a 1000 - 4 % e de 1001 funcionários em diante, 5%. 2.2 No Mundo Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que 10% da população mundial apresentam algum problema auditivo. 2.3 Outros Números Enquanto a redução do processo de audição entre as mulheres se torna mais acentuado a partir dos 55 anos, após a menopausa, os homens começam a sofrer essa degradação, em média, já após os 30 anos de idade. Essa foi a conclusão de pesquisadores da Universidade de Dakota do Sul (Estados Unidos), após realizarem estudo que avaliou de que maneira a idade e o sexo interferem no processo auditivo. Casos de surdez podem ser evitados. Para isso é necessário que se tomem alguns cuidados __________________________________________________________________________________________ Pg. 5
  • 7. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 3. Prevenção 3.1 Para quem ainda não teve filhos Se você pretende ter filhos, procure um médico. Ele vai pedir para que você faça alguns exames. Estes exames podem revelar doenças que nem mesmo você sabe que tem. Essas doenças podem ser tratadas, evitando complicações para o seu bebê. Uma das doenças que você não deve ter durante a gravidez é a rubéola. Ela pode causar surdez e outras deficiências à criança que vai nascer. Antes de engravidar a mulher deve ser vacinada contra rubéola. Consulte seu médico. 3.2 Para quem está grávida O principal conselho é sempre ter um médico acompanhando a sua gravidez. Faça o Pré-natal! Você estará assim diminuindo os riscos de seu filho ter surdez e outros problemas. As condições de saúde da mãe são importantes para se ter um filho saudável. Se a mãe tiver doenças, como por exemplo, pressão alta, diabetes, rubéola e etc., ou fazer uso de drogas e álcool, poderá causar danos no desenvolvimento da criança, inclusive a surdez. Não tome nenhum remédio sem a aprovação de seu médico. Seu bebê está crescendo e muitos remédios podem trazer sérios prejuízos a ele. Evite tirar radiografias! Se houver necessidade disso, conte ao médico ou ao dentista que está grávida, para que ele possa tomar os devidos cuidados. Informe-se se na sua cidade tem algum estabelecimento que realiza o "Teste da orelhinha". Esse exame pode ser feito em recém-nascidos e detecta se o bebê tem algum problema de audição. 3.3 Para quem já teve filhos Quem já teve filhos sabe a preocupação que traz qualquer doença. Quando esta doença deixa um defeito, é muito pior. Previna doenças que causem a surdez como meningite, sarampo e caxumba, entre outras. Vacine seu filho contra essas doenças e evite o contato com pessoas doentes. As dores de ouvido devem ser examinadas pelo médico, porque gripes e resfriados mal curados podem alterar a audição. Diante de qualquer anormalidade, consulte o médico. Ele vai ajudar a cuidar de seu filho evitando complicações. 3.3.1 Cuidados Importantes Não use cotonete na parte de dentro do canal do ouvido, limpe somente a parte externa da orelha. Explique para seu filho que objetos como botões, tampinhas ou mesmo feijões, não devem ser colocados no ouvido, pois podem machucar e prejudicar sua audição. Se você tem um bebê fique atenta(o); •Ele se assusta com portas que batem? •Olha quando você chama? •Escuta a campainha da casa ou do telefone? __________________________________________________________________________________________ Pg. 6
  • 8. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Se ele não reage com esses sons, é sinal que não está ouvindo bem. Não deixe seu filho em lugares onde o barulho é muito forte. Evite brincadeiras com objetos barulhentos, como bombinhas, por exemplo. O excesso de barulho pode prejudicar a audição 4. Prevenção – Fatores de Risco Qualquer bebê recém-nascido pode apresentar um problema auditivo no nascimento ou adquiri-lo nos primeiros anos de vida. Isto pode acontecer mesmo que não haja casos de surdez na família ou nenhum fator de risco aparente. Por isto peça ao pediatra para fazer o Teste da Orelhinha quando seu filho nascer. A audição começa a partir do 5º mês de gestação e se desenvolve intensamente nos primeiros meses de vida. Qualquer problema auditivo deve ser detectado ao nascer, pois os bebês que têm perda auditiva diagnosticada cedo e iniciam o tratamento até os 6 meses de idade apresentam desenvolvimento muito próximo ao de uma criança ouvinte. O diagnóstico após os 6 meses traz prejuízos inaceitáveis para o desenvolvimento da criança e sua relação com a família. Infelizmente, no Brasil, a idade média de diagnóstico da perda auditiva neurosensorial severa a profunda é muito tardia, em torno de 4 anos de idade. Lembre-se de que ouvir é fundamental para o desenvolvimento da fala e da linguagem. Se o exame não foi realizado no nascimento, faça-o agora. Procure o audiologista. 4.1 Para o bebê - 0 a 28 dias HISTÓRICO FAMILIAR - ter outros casos de surdez na família INFECÇÃO INTRAUTERINA - provocada por citomegalovírus, rubéola, sífilis, herpes genital ou toxoplasmose. ANOMALIAS CRÂNIO-FACIAIS - deformações que afetam a orelha e/ou o canal auditivo (p.ex.: duto fechado) PESO INFERIOR A 1.500 GRAMAS AO NASCER HIPERBILIRUBINEMIA - transtorno que ocorre 24 horas depois do parto. O bebê fica todo amarelo por causa do aumento de uma substância chamada bilirrubina. Ele precisa tomar banho de luz e fazer exosanguíneo transfusão MEDICAÇÃO OTOTÓXICAS - uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeos que podem afetar o ouvido interno MENINGITE BACTERIANA - a surdez é umas das consequências possíveis quando o bebê tem este tipo de meningite NOTA APGAR MENOR DO QUE 4 NO PRIMEIRO MINUTO DE NASCIDO E MENOR DO QUE 6 NO QUINTO MINUTO - Todo bebê quando nasce, recebe uma nota, composta por uma avaliação que inclui muitos fatores. Virgínia Apgar é o nome da médica que inventou o teste. VENTILAÇÃO MECÂNICA EM UTI NEONATAL POR MAIS DE 5 DIAS - quando o bebê teve que ficar entubado por não conseguir respirar sozinho OUTROS SINAIS FÍSICOS ASSOCIADOS À SÍNDROMES NEUROLÓGICAS - p.ex.: Síndrome de Down ou de Waldenburg __________________________________________________________________________________________ Pg. 7
  • 9. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 4.2 Para a criança - 29 dias a 2 anos OS PAIS DEVEM OBSERVAR SE HÁ ATRASO DE FALA OU DE LINGUAGEM - aos 7 meses ele já deve imitar alguns sons; com 1 ano já deve falar cerca de 10 palavras e com 2 anos o vocabulário deve estar em torno de 100 palavras MENINGITE BACTERIANA OU VIRÓTICA - esta é a maior causa de surdez no Brasil TRAUMA DE CABEÇA ASSOCIADA À PERDA DE CONSCIÊNCIA OU FRATURA CRANIANA MEDICAÇÃO OTOTÓXICA - uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeos que podem afetar o ouvido interno OUTROS SINAIS FÍSICOS ASSOCIADOS À SÍNDROMES NEUROLÓGICAS - p.ex.: Síndrome de Down e de Waldenburg INFECÇÃO DE OUVIDO PERSISTENTE OU RECORRENTE POR MAIS DE 3 MESES - OTITES 4.3 Para o adulto Além daqueles encontrados nas crianças, os adultos podem adquirir a surdez através de: Uso continuado de aparelho com fone de ouvido Trabalho em ambiente de alto nível de pressão sonora Infecção de ouvido constante e acidentes 5. Níveis de Surdez Pelo decreto Nº3.298 De 20 de dezembro De 1999 Art.4º é considerada pessoa portadora de deficiência aquela que se enquadrar em uma das seguintes categorias: A) De 25 a 40 Decibéis – Surdez Leve B) De 41 a 55 Decibéis - Surdez Moderada C) De 56 a 70 Decibéis - Surdez Acentuada D) De 71 a 90 Decibéis - Surdez Severa E) De Acima de 91 Decibéis - Surdez Profunda F) Anacusia 6. Comunicação Gestual Existem várias formas de comunicação gestual: Português sinalizado; Libras; mímica; pantomima, alfabeto manual, comunicação total, bilinguismo e outros. 6.1 Universalidade Ao contrário do que muitos pensam a língua de sinais não é universal, nem mesmo a nível nacional existe uma padronização, inda mais em um país de grandes dimensões como o nosso. Em uma cidade como São Paulo podemos observar até certos "bairrismos". Grupos de surdos possuem sinais diferentes para uma mesma situação. __________________________________________________________________________________________ Pg. 8
  • 10. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 7. LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais LIBRAS, ou Língua Brasileira de Sinais, é a língua materna dos surdos brasileiros e, como tal, poderá ser aprendida por qualquer pessoa interessada pela comunicação com essa comunidade. Como língua, esta é composta de todos os componentes pertinentes às línguas orais, como gramática semântica, pragmática sintaxe e outros elementos, preenchendo, assim, os requisitos científicos para ser considerada instrumental linguístico de poder e força. Possui todos os elementos classificatórios identificáveis de uma língua e demanda de prática para seu aprendizado, como qualquer outra língua. Foi na década de 60 que as línguas de sinais foram estudadas e analisadas, passando então a ocupar um status de língua. É uma língua viva e autônoma, reconhecida pela linguística Pesquisas com filhos surdos de pais surdos estabelecem que a aquisição precoce da Língua de Sinais dentro do lar é um benefício e que esta aquisição contribui para o aprendizado da língua oral como Segunda língua para os surdos. Os estudos em indivíduos surdos demonstram que a Língua de Sinais apresenta uma organização neural semelhante à língua oral, ou seja, que esta se organiza no cérebro da mesma maneira que as línguas faladas. A Língua de Sinais apresenta, por ser uma língua, um período crítico precoce para sua aquisição, considerando-se que a forma de comunicação natural é aquela para o qual o sujeito está mais bem preparado, levando-se em conta a noção de conforto estabelecido diante de qualquer tipo de aquisição na tenra idade. extraído de www.feneis.com.br 7.1 LEI Nº 10.436, de 24 de abril de 2002 Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados. Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil. Art. 2o Deve ser garantido, por parte do poder público em geral e empresas concessionárias de serviços públicos, formas institucionalizadas de apoiar o uso e difusão da Língua Brasileira de Sinais - Libras como meio de comunicação objetiva e de utilização corrente das comunidades surdas do Brasil. Art. 3o As instituições públicas e empresas concessionárias de serviços públicos de assistência à saúde devem garantir atendimento e tratamento __________________________________________________________________________________________ Pg. 9
  • 11. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ adequado aos portadores de deficiência auditiva, de acordo com as normas legais em vigor. Art. 4o O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusão nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudiologia e de Magistério, em seus níveis médio e superior, do ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislação vigente. Parágrafo único. A Língua Brasileira de Sinais - Libras não poderá substituir a modalidade escrita da língua portuguesa. Art. 5o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 24 de abril de 2002; 181o da Independência e 114o da República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Paulo Renato Souza (Consulte também o Decreto 5626 em nosso site – muito importante) 8. Conselhos Úteis no aprendizado e uso da LIBRAS · Estude o material recebido, sempre que possível, com a presença de uma pessoa surda. · O estudo em grupo poderá facilitar o aprendizado, bem como o estímulo individual. · Para que um sinal seja produzido corretamente, é necessário observar: configuração de mão, ponto de articulação, movimento e expressão. · Focalize o rosto do usuário da LIBRAS, não as mãos. Como usuário da LIBRAS, você aprenderá a ampliar seu campo visual. · Caso não encontre um sinal para uma determinada palavra, lembre-se de que somente a comunidade surda poderá criá-lo. · Certifique-se de que haja claridade suficiente no momento da conversa em LIBRAS. · Não tenha receio de sinalizar e errar. O erro faz parte do processo de aprendizagem. · Pode ser que em sua cidade, devido ao regionalismo, os surdos utilizem alguns sinais diferentes para a mesma palavra. Caso isto ocorra, busque conhecê-los também com o próprio surdo. · Nem sempre você encontrará um sinal que signifique exatamente a palavra que deseja empregar. Caso isso ocorra, procure um sinal que mais se aproxime. Ex.: CONFECCIONAR (FAZER - sinal em LIBRAS). · Os termos técnicos, possivelmente, não terão sinais específicos que os represente exatamente. Portanto, é recomendável digitá-lo para o surdo e tentar "interpretá-lo", até que ele, entendendo o contexto, crie o sinal correspondente. · Informe aos surdos sobre o que acontece ao seu redor. · Procure dar ao surdo o máximo de informações visuais. Ex.: campainha luminosa para início e término de qualquer atividade. __________________________________________________________________________________________ Pg. 10
  • 12. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ · Se você quiser chamar a atenção de um surdo, procure tocá-lo no ombro se estiver próximo, ou acene com os braços se estiver distante. · O contato com a comunidade surda é fundamental nesse processo de aprendizado da língua, pois além do grande exercício que se pode fazer, é uma preciosa oportunidade de se conhecer também a cultura dessa comunidade. · Sugerimos aos participantes que desejem aprofundar-se no estudo da LIBRAS que entrem em contato com as associações e federações de surdos locais e regionais, cujos contatos poderão ser obtidos na FENEIS - Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos. · Exercite sempre! (Adaptado de material: Curso de Capacitação dos Docentes do SENAI para Comunicação em LIBRAS com Alunos Surdos) 9. Aspectos Linguísticos da LIBRAS Fonte: Secretaria de Estado da Educação – Depto. Educação Especial Curitiba: SEED/SUED/DEE. 1998 – Karin Lilian Strobel e Sueli Fernandes 9.1 VARIAÇÕES LINGÜÍSTICAS Na maioria do mundo, há, pelo menos, uma língua de sinais usada ampla- mente na comunidade surda de cada país, diferente daquela da língua fa- lada utilizada na mesma área geográfica. Isto se dá porque essas lín- guas são independentes das línguas orais, pois foram produzidas dentro das comunidades surdas. A Língua de Sinais Americana (ASL) é diferente da Língua de Sinais Bri- tânica (BSL), que difere, por sua vez, da Língua de Sinais Francesa (LSF). Ex.: NOME ASL LIBRAS Além disso, dentro de um mesmo país há as variações regionais. A LIBRAS apresenta dialetos regionais, salientando assim, uma vez mais, o seu caráter de língua natural. 9.1.1 VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Ex.: __________________________________________________________________________________________ Pg. 11
  • 13. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ VERDE Rio de Janeiro São Paulo Curitiba MAS Rio de Janeiro São Paulo Curitiba 9.1.2 VARIAÇÃO SOCIAL: refere-se à variações na configuração das mãos e/ou no movimento, não modificando o sentido do sinal. Ex.: AJUDAR CONVERSAR AVIÃO __________________________________________________________________________________________ Pg. 12
  • 14. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ SEMANA 9.1.3 MUDANÇAS HISTÓRICAS: com o passar do tempo, um sinal pode sofrer alterações decorrentes dos costumes da geração que o utiliza. Ex.: AZUL 1º 2º 3º BRANCO 1º 2º 3º __________________________________________________________________________________________ Pg. 13
  • 15. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 9.2 ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE A modalidade gestual-visual-espacial pela qual a LIBRAS é produzi- da e percebida pelos surdos leva, muitas vezes, as pessoas a pensarem que todos os sinais são o “desenho” no ar do referente que representam. É claro que, por decorrência de sua natureza linguística, a realização de um sinal pode ser motivada pelas características do dado da realida- de a que se refere, mas isso não é uma regra. A grande maioria dos si- nais da LIBRAS são arbitrários, não mantendo relação de semelhança al- guma com seu referente. Vejamos alguns exemplos entre os sinais icônicos e arbitrários. 9.2.1 SINAIS ICÔNICOS Uma foto é icônica porque reproduz a imagem do referente, isto é, a pessoa ou coisa fotografada. Assim também são alguns sinais da LIBRAS, gestos que fazem alusão à imagem do seu significado. Ex.: TELEFONE BORBOLETA Isso não significa que os sinais icônicos são iguais em todas as lín- guas. Cada sociedade capta facetas diferentes do mesmo referente, re- presentadas através de seus próprios sinais, convencionalmente, (FER- REIRA BRITO, 1993) conforme os exemplos abaixo: ÁRVORE LIBRAS - representa o tronco usando o antebraço e a mão aberta, as fo- lhas em movimento. LSC (Língua de Sinais Chinesa) - representa apenas o tronco da árvore com as duas mãos (os dedos, indicador e polegar, ficam abertos e cur- vos). LIBRAS LSC __________________________________________________________________________________________ Pg. 14
  • 16. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ CASA LIBRAS ASL 9.2.2 SINAIS ARBITRÁRIOS São aqueles que não mantêm nenhuma semelhança com o dado da realidade que representam. Uma das propriedades básicas de uma língua é a arbitrariedade existente entre significante e referente. Durante muito tempo afirmou-se que as línguas de sinais não eram línguas por serem icônicas, não representan- do, portanto, conceitos abstratos. Isto não é verdade, pois em língua de sinais tais conceitos também podem ser representados, em toda sua complexidade. Ex.: CONVERSAR DEPRESSA PESSOA PERDOAR 9.3 ESTRUTURA GRAMATICAL 9.3.1 ASPECTOS ESTRUTURAIS A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir de alguns parâmetros que estruturam sua formação nos diferentes níveis linguísti- cos. Três são seus parâmetros principais ou maiores: a Configuração da(s) mão(s)-(CM), o Movimento - (M) e o Ponto de Articulação - (PA); e __________________________________________________________________________________________ Pg. 15
  • 17. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ outros três constituem seus parâmetros menores: Região de Contato, Ori- entação da(s) mão(s) e Disposição da(s) mão(s).(FERREIRA BRITO, 1990) 9.3.1.1 Parâmetros principais Os parâmetros principais são: a) configuração da mão (CM) b) ponto de articulação (PA) c) movimento (M) VELHO a) Configuração da mão (CM): é a forma que a mão assume durante a rea- lização de um sinal. Pelas pesquisas linguísticas, foi comprovado que na LIBRAS existem 43 configurações das mãos (Quadro I), sendo que o al- fabeto manual utiliza apenas26 destas para representar as letras. Ex.: TELEFONE BRANCO CM [Y] CM [B ] VEADO ONTEM CM [5] CM [ L] __________________________________________________________________________________________ Pg. 16
  • 18. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ QUADRO I AS 46 CONFIGURAÇÕES DE MÃO DA LIBRAS (FERREIRA BRITO, 1995, p.220) b) Ponto de articulação (PA): é o lugar do corpo onde será realizado o sinal. Ex.: LARANJA APRENDER __________________________________________________________________________________________ Pg. 17
  • 19. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ c) Movimento (M): é o deslocamento da mão no espaço, durante a realiza- ção do sinal. Ex.: GALINHA HOMEM Direcionalidade do movimento a) Unidirecional: movimento em uma direção no espaço, durante a reali- zação de um sinal. Ex.: PROIBIDO, SENTAR, MANDAR. b) Bidirecional: movimento realizado por uma ou ambas as mãos, em duas direções diferentes. Ex.: PRONTO, JULGAMENTO, GRANDE, COMPRIDO, DISCUTIR, EMPREGADO, PRIMO, TRABALHAR, BRINCAR. c) Multidirecional: movimentos que exploram várias direções no espaço, durante a realização de um sinal. Ex.: INCOMODAR, PESQUISAR. Tipos de movimentos a) movimento retilíneo: ENCONTRAR ESTUDAR PORQUE b) movimento helicoidal: __________________________________________________________________________________________ Pg. 18
  • 20. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ ALT@ MACARRÃO AZEITE c) movimento circular: BRINCAR IDIOTA BICICLETA d) movimento semicircular: SURDO SAPO CORAGEM e) movimento sinuoso: __________________________________________________________________________________________ Pg. 19
  • 21. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ BRASIL RIO NAVIO f) movimento angular: RAIO ELÉTRICO DIFÍCIL 9.3.1.2 Parâmetros secundários a) Disposição das mãos: a realização dos sinais na LIBRAS pode ser fei- to com a mão dominante ou por ambas as mãos. Ex.: BURRO, CALMA, DIFERENTE, SENTAR, SEMPRE, OBRIGADO b) Orientação das mãos: direção da palma da mão durante a execução do sinal da LIBRAS, para cima, para baixo, para o lado, para a frente, etc. Também pode ocorrer a mudança de orientação durante a execução de um sinal. Ex.: MONTANHA, BAIXO, FRITAR. c) Região de contato: a mão entra em contato com o corpo, através do: Toque: MEDO, ÔNIBUS, CONHECER. Duplo toque: FAMÍLIA, SURDO, SAÚDE. Risco: OPERAR, JOSÉ (nome bíblico), PESSOA. Deslizamento: CURSO, EDUCADO, LIMPO, GALINHA. 9.3.1.3 Componentes não manuais Além desses parâmetros, a LIBRAS conta com uma série de componentes não manuais, como a expressão facial ou o movimento do corpo, que muitas vezes podem definir ou diferenciar significados entre sinais. A expres- são facial e corporal podem traduzir alegria, tristeza, raiva, amor, encantamento, etc., dando mais sentido à LIBRAS e, em alguns casos, de- terminando o significado de um sinal. __________________________________________________________________________________________ Pg. 20
  • 22. Ex.: (QUADROS apud STROBEL, 1995, p.25) CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Ex.: O dedo indicador em [G] sobre a boca, com a expressão facial calma e serena, significa silêncio; o mesmo sinal usado com um movimento mais rápido e com a expressão de zanga significa uma severa ordem: Cale a boca! A mão aberta, com o movimento lento e com expressão serena, significa calma; o mesmo sinal com movimento brusco e com expressão séria signi- fica pára. Em outros casos, utilizamos a expressão facial e corporal para negar, afirmar, duvidar, questionar, etc. Sinais faciais: em algumas ocasiões, o sinal convencional é modificado, sendo realizado na face, disfarçadamente. Exemplos: ROUBO, ATO-SEXUAL. 9.3.2 ESTRUTURA SINTÁTICA A LIBRAS não pode ser estudada tendo como base a Língua Portuguesa, porque ela tem gramática diferenciada, independente da língua oral. A ordem dos sinais na construção de um enunciado obedece a regras própri- as que refletem a forma de o surdo processar suas ideias, com base em sua percepção visual espacial da realidade. Vejamos alguns exemplos que demonstram exatamente essa independência sintática do português: Exemplo 1: LIBRAS: EU IR CASA. (verbo direcional) Português : " Eu irei para casa. " para - não se usa em LIBRAS, porque está incorporado ao verbo Exemplo 2: LIBRAS: FLOR EU-DAR MULHER^BENÇÃO (verbo direcional) Português: "Eu dei a flor para a mamãe." Exemplo 3: LIBRAS: PORQUE ISTO (expressão facial de interrogação) Português: "Para que serve isto?" Exemplo 4: LIBRAS: IDADE VOCÊ (expressão facial de interrogação) Português: “Quantos anos você tem?” __________________________________________________________________________________________ Pg. 21 PORTUGUÊS LIBRAS - Você encontrou seu amigo? VOCÊ ENCONTRAR AMIGO (expressão de interrogação) - Você encontrou seu amigo. VOCÊ ENCONTRAR AMIGO (expressão de afirmação) - Você encontrou seu amigo! VOCÊ ENCONTRAR AMIGO (expressão de alegria) - Você encontrou seu amigo!? VOCÊ ENCONTRAR AMIGO (expressão de dúvida / desconfiança) - Você não encontrou seu amigo. VOCÊ NÃO-ENCONTRAR AMIGO (expressão de negação) - Você não encontrou seu amigo? VOCÊ NÃO-ENCONTRAR AMIGO (expressão de interrogação/ negação)
  • 23. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Há alguns casos de omissão de verbos na LIBRAS: Exemplo 5: LIBRAS: CINEMA O-P-I-A-N-O MUITO-BOM Português: “O filme O Piano é maravilhoso!” Exemplo 6: LIBRAS: PORQUE PESSOA FELIZ-PULAR Português: "... porque as pessoas estão felizes demais!" Exemplo 7: LIBRAS: PASSADO COMEÇAR FÉRIAS EU VONTADE... DEPRESSA VIAJAR Português: “Quando chegaram as férias, eu fiquei ansiosa para viajar.” Observação: na estruturação da LIBRAS observa-se que a mesma possui re- gras próprias; não são usados artigos, preposições, conjunções, porque esses conectivos estão incorporados ao sinal. 9.3.2.1 Sistema pronominal a) Pronomes pessoais: a LIBRAS possui um sistema pronominal para repre- sentar as seguintes pessoas do discurso:  No singular, o sinal para todas as pessoas é o mesmo CM[G], o que diferencia uma das outras é a orientação das mãos;  Dual: a mão ficará com o formato de dois, CM [K] ou [V];  Trial: a mão assume o formato de três, CM [W];  Quatrial: o formato será de quatro, CM [54];  Plural: há dois sinais: Sinal composto (pessoa do discurso no singular + grupo). Configuração da mão [Gd] fazendo um círculo (nós). Primeira pessoa Singular: EU - apontar para o peito do enunciador (a pessoa que fala) Dual: NÓS – 2 Trial: NÓS - 3 Quatrial: NÓS – 4 Plural: __________________________________________________________________________________________ Pg. 22
  • 24. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ NÓS - GRUPO NÓS - TOD@ Segunda pessoa Singular: VOCÊ - apontar para o interlocutor (a pessoa com quem se fala). Dual: VOCÊ - 2 Trial: VOCÊ - 3 Quatrial: VOCÊ – 4 Plural: VOCÊ - GRUPO VOCÊ - TODO Terceira pessoa Singular: ELE - apontar para uma pessoa que não está na conversa ou para um lugar convencional. Dual: ELE - 2 Trial: ELE - 3 Quatrial: ELE – 4 Plural: __________________________________________________________________________________________ Pg. 23
  • 25. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ ELE - GRUPO ELE - TODO Quando se quer falar de uma terceira pessoa presente, mas deseja-se ser discreto, por educação, não se aponta para essa pessoa diretamente. Ou se faz um sinal com os olhos e um leve movimento de cabeça em direção à pessoa mencionada ou aponta-se para a palma da mão (voltada para a Di- reção onde se encontra a pessoa referida). b) Pronomes demonstrativos: na LIBRAS os pronomes demonstrativos e os advérbios de lugar tem o mesmo sinal, sendo diferenciados no contexto. Configuração de mão [G] ESTE / AQUI - olhar para o lugar apontado, perto da 1ª pessoa. ESSE / AÍ - olhar para o lugar apontado, perto da 2ª pessoa. AQUELE / LÁ - olhar para o lugar distante apontado. Tipos de referentes: - Referentes presentes. Ex.: EU, VOCÊ, ELE... - Referentes ausentes com localizações reais. Ex.: RECIFE, PREFEITURA, EUROPA... - Referentes ausentes sem localização. c) Pronomes possessivos: também não possuem marca para gênero e estão relacionados às pessoas do discurso e não à coisa possuída, como acon- tece em Português: EU: MEU IRMÃO ( CM [5] batendo no peito do emissor) VOCÊ: TEU AMIGO ( CM [K] movimento em direção à pessoa referida) ELE / ELA: SEU NAMORADO (CM [K] movimento em direção à pessoa referida) Observação: para os possessivos no dual, trial, quadrial e plural (gru- po) são usados os pronomes pessoais correspondentes. d) Pronomes interrogativos: os pronomes interrogativos QUE, QUEM e ONDE se caracterizam, essencialmente, pela expressão facial interrogativa feita simultaneamente ao pronome. QUE / QUEM: usados no início da frase. (CM [bO]. QUEM: com o sentido de quem é e quem é são mais usados no final da fra- se. QUANDO: a pergunta com quando está relacionada a um advérbio de tempo (hoje, amanhã, ontem) ou a um dia de semana específico. Ex.: ELE VIAJAR RIO QUANDO-PASSADO (interrogação) ELE VIAJAR RIO QUANDO-FUTURO (interrogação) EU CONVIDAR VOCÊ VIR MINHA ESCOLA. VOCÊ PODER D-I-A (interrogação) __________________________________________________________________________________________ Pg. 24
  • 26. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ QUE-HORAS? / QUANTAS-HORAS? Para se referir às horas aponta-se para o pulso e relaciona-se o nume- ral para a quantidade desejada. Ex.: CURSO COMEÇAR QUE-HORAS AQUI (interrogação) Resposta: CURSO COMEÇAR HORAS DUAS. Para se referir a tempo gasto na realização de uma atividade, sinaliza- se um círculo ao redor do rosto, seguido da expressão facial adequada. Ex.: VIAJAR RIO-DE-JANEIRO QUANTAS-HORAS (interrogação) POR QUE / PORQUE Como não há diferença entre ambos, o contexto é que sugere, através das expressões faciais e corporais, quando estão sendo usados em frases in- terrogativas ou explicativas. e) Pronomes indefinidos: NINGUÉM (igual ao sinal acabar): usado somente para pessoa; NINGUÉM / NADA (1) (mãos abertas esfregando-se uma na outra): é usado para pessoas e coisas; NENHUM (1) / NADA (2) (CM [F] balança-se a mão) é usado para pessoas e coisas e pode ter o sentido de "não ter"; NENHUM (2) / POUQUINHO (CM [F] palma da mão virada para cima): é um re- forço para a frase negativa e pode vir após NADA. 9.3.2.2 Tipos de verbos  Verbos direcionais  Verbos não direcionais a) Verbos direcionais - verbos que possuem marca de concordância. A di- reção do movimento, marca no ponto inicial o sujeito e no final o obje- to. Ex.: "Eu pergunto para você." "Você pergunta para mim." "Eu aviso você." "Você me avisa." __________________________________________________________________________________________ Pg. 25
  • 27. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Verbos direcionais que incorporam o objeto Ex.:TROCAR TROCAR-SOCO TROCAR-BEIJO TROCAR-TIRO TROCAR-COPO TROCAR-CADEIRA b) Verbos não direcionais: verbos que não possuem marca de concordân- cia. Quando se faz uma frase é como se eles ficassem no infinitivo. Os ver- bos não direcionais aparecem em duas subclasses: - Ancorados no corpo: são verbos realizados com contato muito próximo do corpo. Podem ser verbos de estado cognitivo, emotivo ou experienci- ais, como: pensar, entender, gostar, duvidar, odiar, saber; e verbos de ação, como: conversar, pagar, falar. - Verbos que incorporam o objeto: quando o verbo incorpora o objeto, alguns parâmetros modificam-se para especificar as informações. Ex.: COMER COMER-MAÇÃ COMER-BOLACHA COMER-PIPOCA TOMAR /BEBER TOMAR-CAFÉ TOMAR-ÁGUA BEBER-PINGA / BEBER-CACHAÇA CORTAR-TESOURA CORTAR-CABELO CORTAR-UNHA CORTAR-PAPEL CORTAR-FACA CORTAR-CORPO - “operar” CORTAR-FATIA 9.3.2.3 Tipos de frases Para produzirmos uma frase em LIBRAS nas formas afirmativa, exclamati- va, interrogativa, negativa ou imperativa é necessário estarmos atentos às expressões faciais e corporais a serem realizadas, simultaneamente, às mesmas. -Afirmativa: a expressão facial é neutra. -Interrogativa: sobrancelhas franzidas e um ligeiro movimento da cabe- ça, inclinando-se para cima. -Exclamativa: sobrancelhas levantadas e um ligeiro movimento da cabeça inclinando-se para cima e para baixo. -Forma negativa: a negação pode ser feita através de três processos: a) incorporando-se um sinal de negação diferente do afirmativo: __________________________________________________________________________________________ Pg. 26
  • 28. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ TER / NÃO-TER GOSTAR / NÃO-GOSTAR b) realizando-se um movimento negativo com a cabeça, simultaneamente à ação que está sendo negada. NÃO-CONHECER NÃO-PROMETER c) acrescida do sinal NÃO (com o dedo indicador) à frase afirmativa. NÃO COMER Observação: em algumas ocasiões podem ser utilizados dois tipos de ne- gação ao mesmo tempo. NÃO-PODER -Imperativa: Saia! Cala a boca! Vá embora! __________________________________________________________________________________________ Pg. 27
  • 29. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 9.3.2.4 Noções temporais Quando se deseja especificar as noções temporais, acrescentamos sinais que informam o tempo presente, passado ou futuro, dentro da sintaxe da LIBRAS. Ex.: Presente (agora / hoje) LIBRAS - HOJE EU-IR CASA MULHER^BENÇÃO MEU Português - "Hoje vou à casa da minha mãe" LIBRAS - AGORA EU EMBORA Português - “Eu vou embora agora.” Passado (Ontem / Há muito tempo / Passou / Já) LIBRAS - DELE HOMEM^IRMÃO VENDER CARRO JÁ Português - "O irmão dele vendeu o carro." LIBRAS- ONTEM EU-IR CASA MEU MULHER^BENÇÃO Português- "Ontem, eu fui à casa da minha mãe." LIBRAS - TERÇA-FEIRA PASSADO EU-IR RESTAURANTE COMER^NOITE Português- "Na terça-feira passada eu jantei no restaurante." Futuro (amanhã / futuro / depois / próximo) LIBRAS - EU ESTUDAR AMANHÃ Português - "Amanhã irei estudar” LIBRAS - PRÓXIMA QUINTA-FEIRA EU ESTUDAR Português - "Estudarei na quinta-feira que vem" LIBRAS - DEPOIS EU ESTUDAR Português - "Depois irei estudar" LIBRAS- FUTURO EU ESTUDAR FACULDADE MATEMÁTICA Português - "Um dia farei faculdade de matemática" 9.3.2.5 Classificadores (Cl) Um classificador (Cl) é uma forma que estabelece um tipo de concordân- cia em uma língua. Na LIBRAS, os classificadores são formas representa- das por configurações de mão que, substituindo o nome que as precedem, podem vir junto de verbos de movimento e de localização para classifi- car o sujeito ou o objeto que está ligado à ação do verbo. Portanto, os classificadores na LIBRAS são marcadores de concordância de gênero para pessoas, animais ou coisas. São muito importantes, pois ajudam construir sua estrutura sintática, através de recursos corporais que possibilitam relações gramaticais altamente abstratas. Muitos classificadores são icônicos em seu significado pela semelhança entre a sua forma ou tamanho do objeto a ser referido. Às vezes o Cl refere-se ao objeto ou ser como um todo, outras refere-se apenas a uma parte ou característica do ser. (FERREIRA BRITO, 1995) Ex.: LIBRAS - CARRO BATER POSTE __________________________________________________________________________________________ Pg. 28
  • 30. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Cl Verbo em Cl movimento Português - "O carro bateu no poste." LIBRAS - PRATOS-EMPILHADOS Cl Verbo em localização Português - "Os pratos estão empilhados" Tipos de classificadores a) Quanto à forma e tamanho dos seres (tipos de objetos): Cl[B] - para superfícies planas, lisas ou onduladas (telhados, papel,bandeja, porta, parede, rua, mesa, etc.) ou qualquer superfície em relação à qual se pode localizar um objeto (em cima, embaixo, à di- reita, à esquerda, etc.); para veículos como ônibus, carro, trem, cami- nhão, etc.; Cl [B] - pé dentro de um sapato, bandeja, prato, livro, espelho, papel, etc.; Cl [V] - para pessoas (uma pessoa andando, duas pessoas andando juntas, pessoas paradas). A orientação da palma da mão é, também, um componente importante, pois pode diferenciar o sentido do sinal a de- pender da direção para onde estiver voltada em relação ao corpo; Cl [54] - pessoas (quatro pessoas andando juntas, pessoas em fila), árvores, postes; Cl: [Y] - pessoas gordas, veículos aéreos (avião, helicóptero), objetos altos e largos, de forma irregular (jarra, pote, peças decora- tivas, bomba de gasolina, lata de óleo, gancho de telefone, bule de café ou chá, sapato de salto alto, ferro, chifre de touro ou vaca); Cl: [C] - objetos cilíndricos e grossos (copos, vasos); __________________________________________________________________________________________ Pg. 29
  • 31. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Cl: [G] - descreve com a extremidade do indicador, com as duas mãos, objetos ou locais (quadrado, redondo, retângulo, etc.) fios ou tiras (alças de bolsas); - localiza com a ponta do indicador, cidades, locais e outros referen- tes (buraco pequeno); - o indicador representa objetos longos e finos (pessoa, poste, prego); Cl: [F] - com a mão direita: objetos cilíndricos, planos e pe- quenos (botões, moedas, medalha, gota de água); - com as duas mãos: objetos cilíndricos longos (cano fino, cadeira de ferro ou metal, etc.). Observação: as expressões faciais têm importância fundamental na reali- zação dos classificadores, pois intensificam seu significado. Ex.: - bochechas infladas e olhos bem abertos para coisas grandes ou gros- sas. - olhos semifechados com o franzir da testa, ombros levantados e incli- nação da cabeça para frente, para coisas estreitas ou finas: - expressão facial normal para tamanhos médios: __________________________________________________________________________________________ Pg. 30
  • 32. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ b) Quanto ao modo de segurar certos objetos: Cl: [F] - objetos pequenos e finos (botões, moedas, palitos de fósfo- ros, asa de xícara); Cl: [H] - segurar cigarro; Cl: [C] - copos e vasos; Cl: [As] - buque de flores, faca, carimbo, sacola, mala, guarda-chuva, caneca ou chopp, pedaço de pau, etc. (funciona como parte do verbo e representa o objeto que se moveu ou é localizado). 9.3.2.6 Role-Play Este é um recurso muito usado na LIBRAS quando os surdos estão desen- volvendo a narrativa. O sinalizador coloca-se na posição dos persona- gens referidos na narrativa, alternando com eles em situações de diálo- go ou ação. 9.3.3 FORMAÇÃO DE PALAVRAS Como já vimos anteriormente, na LIBRAS os sinais são formados a partir de parâmetros principais e secundários e através de alguns componentes não-manuais. Há, também, uma série de outros sinais que são formados por processos de derivação, composição ou empréstimos do português. Vejamos alguns exemplos: 9.3.3.1 Sinais compostos Da mesma forma que no português, teremos compostos de palavras no qual um elemento será o principal- o núcleo - e um elemento o especificador- o adjunto. É interessante observar, que na LIBRAS a estrutura não será apenas binária e, neste caso, teremos dois ou mais elementos especifi- cadores de uma palavra núcleo. Ex.: Simples: CAFÉ, AMIGO, CONHECER Composto: “zebra”: CAVALO^LISTRAS “açougueiro”: HOMEM^VENDER^CARNE “faqueiro”: CAIXA^GUARDAR^COLHER^FACA^GARFO Em alguns casos, quando ao sinal acrescenta-se outro, o mesmo passa a ter outro significado. Ex.: pílula PILULA^EVITAR^GRÁVIDA “pílula anticoncepcional” PÍLULA^CALMA “calmante” PÍLULA^DOR DE CABEÇA “analgésico” médico MÉDIC@^SEXO “ginecologista’ MÉDIC@^OLHO “oftalmologista” MÉDIC@^CRIANÇA “pediatra” MÉDIC@^CORAÇÃO “cardiologista” __________________________________________________________________________________________ Pg. 31
  • 33. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ a) Sinais compostos com formatos: há execução de um sinal convencional com acréscimo de outro sinal na "forma" do objeto que se quer especifi- car. Ex.: retângulo RETÂNGULO^TELEGRAMA “bilhete de telegrama” RETÂNGULO^CONSTRUÇÃO “tijolo” RETÂNGULO^DINHEIRO “cédula” RETÂNGULO^CARTA “envelope” RETÂNGULO^ÔNIBUS “passagem de ônibus” b) Sinais compostos por categorias: para classificar um sinal por cate- goria ou por grupo, acrescentamos à palavra-núcleo o sinal VARIADOS. Ex.: MAÇÃ^VARIADOS “frutas” CARRO^VARIADOS “meios de transportes” COR^VARIADOS “colorido” COMER^VARIADOS ‘alimentos” LEÃO^VARIADOS “animais” 9.3.3.2 Gênero (feminino / masculino) É interessante observar que não há flexão de gênero em LIBRAS, os subs- tantivos e adjetivos são, em geral, não marcados. Entretanto, quando se quer explicitar substantivos dentro de determina- dos contextos, a indicação de sexo é feita pospondo-se o sinal "HOMEM/MULHER", indistintamente, para pessoas e animais, ou a indicação é obtida através de sinais diferentes para um e para outro sexo: Exemplos: HOMEM “homem” MULHER “mulher” HOMEM^VELHO “vovô” MULHER^VELHA “vovó” Adjetivos, artigos, pronomes e numerais não apresentam flexão de gêne- ro, apresentando-se em forma neutra. Esta forma neutra está representa- da pelo símbolo @. Ex.: AMIG@, FRI@, MUIT@, CACHORR@, SOLTEIR@ 9.3.3.3 Adjetivos São sinais que se apresentam na forma neutra, não havendo, portanto, nem marca para gênero (masculino e feminino) e nem para número(singular e plural). Geralmente, aparecem na frase após o substantivo que quali- ficam. Ex.: GATO PEQUENO COR BRANCO ESPERTO “O gato é pequeno, branco e esperto.” __________________________________________________________________________________________ Pg. 32
  • 34. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 9.3.3.4 Numerais e quantificação A LIBRAS apresenta diferentes formas de sinalizar os numerais, a depen- der da situação: - cardinais: até 10, representações diferentes para quantidades e car- dinais; a partir de 11 são idênticos. - ordinais: do primeiro até o nono tem a mesma forma dos cardinais, mas os ordinais possuem movimento enquanto que os cardinais não possuem. Os ordinais do 1 º ao 4 º têm movimentos para cima e para baixo e os ordi- nais do 5 º até o 9 º têm movimentos para os lados. A partir do numeral dez não há mais diferenças. - valores monetários, pesos e medidas: para representar valores monetá- rios de 1 até 9, usa-se o sinal do numeral correspondente ao valor, in- corporando a este o sinal VÍRGULA ou, também, após o sinal do numeral correspondente acrescenta-se o sinal de R-S “ real” . Para os valores de 1.000 até 9.000 usa - se a incorporação do sinal VÍRGULA ou PONTO. 9.3.3.5 Formas de plural Há plural na LIBRAS no uso repetido de sinais ou indicando a quantida- de. Ex.: MUITO-ANO (quantidade), MUITO-ANO(duração),DOIS-DIA, TRÊS-DIA, QUATRO-DIA, TODO-DIA,DOIS-SEMANA, TRÊS-SEMANA, DOIS-MÊS, ... Classificadores possuem plural. Ex.: "Pessoas em fila." "As pessoas sentam em círculo." 9.3.3.6 Intensificadores e advérbios de modo Utiliza-se a repetição exagerada para intensificar o significado do si- nal. Ex.: COMER – COMER - COMER “Comer sem parar.” FUMAR – FUMAR - FUMAR “Fumar sem parar.” FALAR – FALAR - FALAR “Falar sem parar.” - Advérbios de modo: MUITO: utilizado como intensificador em LIBRAS e expresso através das expressões facial e corporal ou de uma modificação no movimento do si- nal. RÁPIDO: para estabelecer um modo rápido de se realizar a ação, há uma repetição do sinal da ação e a incorporação de um movimento acelerado. 9.3.3.7 Advérbios de tempo: (frequência) N-U-N-C-A: sinal soletrado; FREQUENTE e FREQUENTEMENTE: mesma configuração de mão [L], mas para a segunda ideia o sinal é feito repetidamente. __________________________________________________________________________________________ Pg. 33
  • 35. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ SEMPRE “continuar” e MESMO: mesma configuração de mão [V], mas no pri- meiro há um movimento para frente do emissor. 9.3.3.8 Polissemia Há sinais que denotam vários significados apesar de apresentarem uma única forma na LIBRAS. Ex.: OCUPADO / PROIBIDO / NÃO PODER CADEIRA / SENTAR AÇÚCAR / DOCE / GUAR- DANAPO 9.3.3.9 Gíria É utilizada em LIBRAS, porém não pode ser traduzida para o português, pois o sinal a ser utilizado varia de acordo com o contexto em que ocorre. Ex.: Não tem dono; fico com ele. Conseguir namorado. (rápido) Problema meu. Eu progredi. Estou com sono, é o violino tocando (desinteresse total com relação à palestra, aulas, etc.) Que estranho, esquisito, não sabia disto. Simples, vulgar. Vou ignorar isto, não farei isto, preguiça de fazer. Terei que aguentar, paciência. 9.3.3.10 Alfabeto Manual É a soletração de letras com as mãos. É muito aconselhável soletrar de- vagar, formando as palavras com nitidez. Entre as palavras soletradas, é melhor fazer uma pausa curta ou mover a mão direita para o lado es- querdo, como se estivesse empurrando a palavra já soletrada para o lado. Normalmente o alfabeto manual é utilizado para soletrar os nomes de pessoas, de lugares, de rótulos, etc., e para os vocábulos não exis- tentes na língua de sinais. Ex.(página seguinte). 9.3.3.11 Empréstimos da língua portuguesa. Alguns sinais são realizados através da soletração, uso das iniciais das palavras, cópia do sinal gráfico pela influência da Língua Portu- guesa escrita. Estes empréstimos sofrem mudanças formativas e acabam tornando-se parte do vocabulário da LIBRAS. Ex.: __________________________________________________________________________________________ Pg. 34
  • 36. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ N-U-N-C-A "nunca" B-R “bar”, A-L "azul" MATEMÁTICA MARROM, ROXO, CINZA. Esta descrição sucinta da LIBRAS não é suficiente para conhecê-la na sua estrutura lingüística como um todo e, muito menos, em suas especi- ficidades enquanto língua de uma comunidade. No entanto, parece ser um primeiro passo para que saibamos que a LIBRAS é uma língua natural com toda complexidade dos sistemas lingüísticos que servem à comunicação, socialização e ao suporte do pensamento de muitos grupos sociais. Mesmo a despeito de mais de um século de proibição de seu uso nas esco- las de surdos, preconceito e marginalização por parte da sociedade como um todo, as línguas de sinais resistiram, demonstrando a necessidade essencial de sua utilização entre as pessoas surdas. 10. Tabela de Classificadores CLD - Classificador Descritivo Se refere ao tamanho e forma; utiliza para descrever a aparência de um objeto, isto é, a forma, o tamanho, a textura ou o desenho de um objeto. Usualmente produzido com ambas as mãos, para formas simétricas ou assimétricas. Exemplos: - a forma e o desenho de um vaso; - o desenho de papel de parede; - a altura e a largura de uma caixa; - a descrição da roupa ou dos itens que estão no corpo. (Não descreve posição ou movimento) CL-esp Classificador que especifica o tamanho e da forma de uma parte do corpo A função é similar ao CL-D mas é utilizado para descrever a forma, o tamanho, e a textura de uma parte do corpo de pessoas ou animais. Exemplos: - as orelhas de um elefante; - bicos de aves diversas; - o nariz de uma pessoa; - o pêlo de um gato; - o penteado de uma pessoa; - bochechas gordas de um bebê. (Não descreve posição ou movimento) CL-PC Classificador de uma Parte do Corpo Retrata uma parte específica do corpo em uma posição determinado ou fazendo uma ação. A configuração da mão retrata a forma de uma parte do corpo. Exemplos: - a ação da boca de um hipopótamo; - as orelhas de um cavalo em movimento; - os olhos de alguém em movimento; - a cabeça de alguém repousando no seu ombro; - os dedos do pé sacudindo; - a ação de pés andando na lama; - a posição das pernas de alguém sentada em uma cadeira. (Descreve posição ou movimento) CL-L Classificador Locativo Retrata um objeto como lugar determinado em relacionamento a outro objeto. Configuração da mãom pode retratar uma parte ou o objeto todo iconicamente. Exemplos: - uma prateleira onde estão copos ou livros; - o chão onde caiu um lápis; - a cabeça de alguém batida por uma bola; - o alvo onde voa uma flecha; - o gol onde entra uma bola. __________________________________________________________________________________________ Pg. 35
  • 37. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ CL – S Classificador Semântico Função similar ao CL-L por retratar um objeto em um lugar específico (às vezes indicando movimento). A configuração da mão retrata o objeto todo e o retrata abstratamente (muito pouco ou não se relaciona à aparência do objeto). Exemplo: - C copos na prateleira de um armário; - B veículos ou objetos planos; - I pessoas andando em uma direção determinada; - Y um avião ou objetos no lugar fixo; - V reta ou dobrada retratando a orientação do corpo ou das pernas de um animal ou de uma pessoa e/ou suas ações. CL – I Classificador Instrumenta l Esse classificador mostra como se usa alguma coisa. Exemplos: - carregando um balde pela alça; - puxando uma gaveta; - tocando a campainha da porta; - virando uma página; - limpando com um pano. (Mostra como alguém manipula um objeto) CL – C Classificador do Corpo A parte superior do corpo se torna o classificador na qual a parte superior (do sinalizador) "desempenha" o verbo da frase, especialmente os braços. CL-C é similar a CL-I, salvo CL-C não mostra nem a manipulação nem o toque de objetos. Exemplos: - acenando com a mão para alguém - atravessando os braços com o beiço espichado; - coçando a cabeça com perplexidade; - movendo os braços como em correr. (Não mostra a manipulação de um objeto) CL – P Classificador do Plural Indica o movimento ou a posição de um número de objetos, pessoas ou animais. Pode ser um número determinado ou não-determinado. Exemplos: - três pessoas andando juntas (número determinado); - pessoas sentadas na platéia (número não-determinado); - uma fila comprida de pessoas avançando lentamente; - muitos carros estacionados na rua; - dois gatos em cima de um muro. CL – E Classificador de Elemento Esses classificadores retratam movimentos de "elementos" ou coisas que não são sólidas, isto é, ar, fumaça, água/líquido, chuva, fogo, luz. Exemplos: - água gotejando da torneira; - luz piscando no sinal de advertência; - o movimento de um líquido no corpo ou dentro do corpo; - o vapor subindo de uma xícara de chá quente. CL – N. CL-NOME Esses classificadores utilizam as configurações das mãos do alfabeto manual ou os números, mas são parte de uma descrição. Exemplos: - números e nome na camisa de futebol; - um título de um livro; - insígnia em um boné; - uma sigla escrita na porta de um banco. FONTE: http://orbita.starmedia.com/vozesdosilencio/textos/tabela_cl.htm __________________________________________________________________________________________ Pg. 36
  • 38. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 11. Alfabeto Brasileiro de Sinais 11.1 Números ________________________________________________________________________________________ Pg. 37
  • 39. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ 11.2 Alfabeto – desenhos de João Felix ________________________________________________________________________________________ Pg. 38
  • 40. ________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ Pg. 39 FAMÍLIA FAMÍLIA MULHER HOMEM GERAÇÃO OU SOGRO GENRO NETO IRMÃO / IRMÃ MAMÃE PAPAI VOVÔ / VOVÓ BISAVÔ / BISAVÓ Observações: E / FILHO / FILHA ESPOSA
  • 41. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 40 GEMÊOS PRIMO / PRIMA SOBRINHO TIO / TIA NOIVO/NOIVA CORES COR / COLORIDO AZUL OU PRETO BEGE BRANCO CINZA AMARELO LARANJA
  • 42. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ VERMELHO VERDE CASTANHO ROSA MESES MÊS JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO ________________________________________________________________________________________ Pg. 41
  • 43. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 42 OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO DIAS DA SEMANA SEMANA OU SEGUNDA-FEIRA OU TERÇA-FEIRA OU QUARTA-FEIRA OU QUINTA-FEIRA OU SEXTA-FEIRA SÁBADO DOMINGO Observação: FRUTAS
  • 44. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 43 ABACAXI CAJU BANANA CAQUI MARACUJÁ COCO FIGO LARANJA MAMÃO MANGA MELANCIA MELÃO MORANGO GOIABA MEXIRICA
  • 45. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ UVA PERA PÊSSEGO CEREJA LIMÃO TOMATE ALIMENTAÇÃO AÇÚCAR BALA BATATA BISCOITO DOCE BOLO CEBOLA CENOURA ________________________________________________________________________________________ Pg. 44
  • 46. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 45 CHICLETE CARNE BOMBOM CHOCOLATE CHURRASCO CHURRASCO(2) FEIJÃO LANCHE COMER LEITE OVO PÃO PASTEL PIZZA
  • 47. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 46 QUEIJO SAL JANTAR SALADA SORVETE BÍBLICOS ALMA ANJO BÍBLIA CATÓLICO CRUZ IGREJA DEUS JESUS CRISTO
  • 48. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 47 PASTOR CRISTÃO PADRE Observações: ANIMAIS ANIMAIS BODE BURRO BOI CABRA CARNEIRO CACHORRO CAVALO COELHO MACACO ELEFANTE
  • 49. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ GATO GIRAFA JACARÉ LEÃO LOBO MORCEGO OVELHA PORCO RATO SAPO OU PEIXE ARANHA TARTARUGA PÁSSARO SENTIMENTOS ________________________________________________________________________________________ Pg. 48
  • 50. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ___________________________________________________________________________________________ AMOR INIMIZADE CORAGEM TRISTEZA ALEGRIA FELICIDADE PAZ Observações: VERBOS ABRIR ACABAR ________________________________________________________________________________________ Pg. 49
  • 51. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 50 ACHAR ACORDAR ACREDITAR ACUSAR AFASTAR AJOELHAR AJUDAR AMAR ANDAR APRENDER ARREPENDER ATRAPALHAR
  • 52. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 51 ATRASAR AUMENTAR AVISAR BATER BEIJAR BEBER BRIGAR BRINCAR CAIR CANTAR CHAMAR CHEIRAR
  • 53. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 52 CHORAR CHUTAR COMBINAR COMEÇAR COMER COMPRAR CONHECER CONSEGUIR CONTAR CONVERSAR COZINHAR CUIDAR DAR DESCULPAR DECIDIR
  • 54. ___________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 53 DORMIR DEIXAR/PERMITIR MEDIR ENCONTRAR LEMBRAR LER MANDAR / ORDENAR MOSTRAR ESCUTAR ESPERAR NAMORAR OBEDECER PEDIR
  • 55. ___________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________ CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) Pg. 54 PEGAR PERGUNTAR PERMANECER PROCURAR QUEBRAR QUERER RESPONDER REUNIR Observações: SENTAR TER
  • 56. CURSO BÁSICO DA LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) ________________________________________________________________________________________ Pg. 55 TOCAR TRABALHAR TROCAR VER