SlideShare uma empresa Scribd logo
Reunião Recurso e Reforço 2014
Porque continuar:
- Há não está adiantando nada!
- Dá trabalho demais, cansa, coitado(a) vou deixar ele(a)
faltar...
- Temos que persistir depende de nós e deles. Mais na
frente eles vão ver o quanto valeu a pena.
O desenvolvimento cognitivo é muito importante e deve ser
desenvolvido na pessoa quando ela ainda é criança ou
adolescente.
Uma criança desenvolve sua inteligência e aprende sobre seu
ambiente à medida em que se desenvolve cognitivamente. A
memória, a concentração, a atenção, a percepção, a
imaginação e a criatividade são todos componentes
fundamentais do desenvolvimento cognitivo.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Ler e escrever: a leitura melhora a capacidade da
mente para compreender muitas coisas, além de
encorajar seu cérebro a pensar de forma crítica. A
leitura de livros que você nunca leu antes, de jornais,
revistas, periódicos ou outros gêneros faz com que seu
QI aumente. Tome cuidado para não ler um livro que
não esteja no seu nível e faça você perder o gosto pela
leitura. Além disso, não leia algo demasiado fácil. A
escrita também é uma forma de desenvolver o
raciocínio lógico e um bom exercício é tentar escrever
com a mão oposta, fazendo a outra parte do seu
cérebro funcionar.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Reunião Recurso e Reforço 2014
Jogos de estratégia: não importa se é um jogo de
tabuleiro, como o xadrez, ou jogos de videogame, um
jogo de estratégia sempre irá ajudar você a melhorar
seu raciocínio lógico. Os jogos são uma ótima maneira
de estimular o cérebro e jogos simples como o jogo da
memória faz parte desta lista. Escolher jogos que você
nunca jogou antes também é uma ótima dica. Além
disso, as cruzadinhas, os jogos de sudoku ... são
ótimos.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Ouvir música erudita: estudos afirmam que ouvir
música erudita (música clássica) faz com que o seu
cérebro melhore em curto prazo. Ouvir músicas de
Mozart antes de uma prova, por exemplo, melhora o
desempenho. Fazendo isso sempre, seu raciocínio
lógico irá melhorar cada vez mais.
Ter uma boa alimentação: não adianta estudar, fazer
testes de QI ou ouvir música clássica se você não tiver
hora e alimentação balanceada, rica em verduras,
frutas e legumes. Muitas propriedades presentes nos
alimentos ajudam o cérebro a trabalhar melhor e a
desenvolver o lado lógico. Por isso, não deixe de se
alimentar bem e, se necessário, consulte um
nutricionista.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Praticar exercícios: os exercícios aqui não são os de
matemática, mas os exercícios físicos. Praticar esportes faz
com que aumente o fluxo sanguíneo para o cérebro, fazendo
com que os resultados sejam positivos em se falando de
pensamento, raciocínio ou memória. Por isso, escolha um
esporte e comece a praticar.
Cuidados necessários: Você deve estabelecer um bom
horário de estudo, para que sua alimentação e suas horas de
sono não sejam prejudicadas. Virar a noite estudando não é
uma boa ideia. Além disso, não exagere nos jogos. Jogar
desenvolve sim o raciocínio lógico, mas de forma exagerada
pode desenvolver vícios e acabar não ajudando no que é
necessário. Portanto, estabeleça metas e horários, para que
tudo seja organizado.
Reunião Recurso e Reforço 2014
As principais etapas do desenvolvimento de uma criança identificados por
Piaget são: o estágio sensório-motor (de 0 a 2), o estágio pré-operacional (de
2 a 7), o estágio operacional concreto (de 7 a 11) e o estágio operacional
formal (11 e acima).
O estágio operacional concreto ( dos 7 aos 11anos)
Nessa fase, a compreensão e o pensamento da criança são mais
independentes. Ela está se separando dos pais, e o jogo e aventura com os
colegas é uma grande parte disso. As crianças nessa fase podem operar
brinquedos e equipamentos mais sofisticados e são muitas vezes altamente
interessadas em jogos de computador, mas esse interesse deve ser
equilibrado com a necessidade de socializar e formar relacionamentos de
funcionamento com os outros.
O estágio operacional formal(dos 11anos acima)
Crianças de 11 anos ou mais ainda jogam, mas é provável que seu jogo seja
mais formal, na forma de esportes, por exemplo. Isso reflete o que Piaget
chamou de o estágio operacional formal, no qual a criança está funcionando
de forma semelhante à de um adulto, em muitos aspectos, com mais
estrutura e regras em seu jogo e provavelmente menos do elemento
imaginativo.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Segundo Vygotsky e Piaget as crianças aprendem
juntando novas informações com conhecimentos que já
adquiriram. A aprendizagem dos alunos é afetada pelo
ambiente em que eles aprendem, bem como suas
origens e crenças. Eles também acreditam que a
sociedade desempenha um grande papel na forma
como os alunos aprendem e compreendem.
Montessori encarava a Educação como o meio através do
qual a criança desenvolveria sua personalidade até que
adquirisse maturidade e independência.
“Se pretendemos realmente alcançar uma reconstrução,
o desenvolvimento das potencialidades humanas deve
ser o objetivo da educação”
Reunião Recurso e Reforço 2014
A nossa proposta é ajudar os alunos a superarem as
dificuldades apresentadas, através de estabelecimento de
rotina de estudo, comportamento, socialização, interação
e atividades cognitivas, através de jogos pedagógicos.
O Jogo e as atividades trabalhadas nas salas vão ajudar
os alunos a superar dificuldades, a desenvolver conceitos
como o de esperar e respeitar o outro, base da vida
social. Sabemos que a criança aprende pela experiência e
que sua inteligência pode ser estimulada e até
desenvolvida, cabe ao adulto ajudá-la e criar condições
ideais para isso.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Para que isso ocorra é necessária à colaboração dos
responsáveis e da criança a qual deve ter liberdade com
responsabilidade e é isso que a levará à independência
através de um trabalho cooperativo.
Vamos citar um exemplo a dificuldade que alguns alunos
tem com a matemática a discalculia: Ao contrário do que
muitos pais imaginam, a discalculia nada tem haver com a
inteligência, podendo atingir pessoas com potencial de
aprendizagem em diversas áreas. Geralmente, ela aparece
associada a outros distúrbios como a AAD (Desordem do
Déficit de Atenção), que se reconhece pela dificuldade de
concentração e organização. Além disso, é comum a falta de
noção espacial, levando quem tem o problema a derrubar
objetos, esbarrar em móveis como se não tivesse noção da
extensão de seus braços e pernas.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Reunião Recurso e Reforço 2014
Reunião Recurso e Reforço 2014
“A prática avaliativa deve ser capaz de ir além de avaliar a
aprendizagem, mas entender o valor individual de cada aluno,
propiciando o seu crescimento como indivíduo e como integrante de
uma sociedade. E que acima de tudo, seja uma avaliação envolvida
com uma prática pedagógica real, inovadora, não excludente e muito
amorosa”. (Luckesi,1996).
10 coisas que não se deve dizer
para as crianças
O médico pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital
e Maternidade São Luiz, em São Paulo, fez uma lista
com 10 exemplos que coisas que não devemos
dizer às crianças nem na frente delas, pois podem
interferir na formação da personalidade delas.
1 – Não rotule seu filho de pestinha, chato, lerdo ou
outro adjetivo agressivo, mesmo que de brincadeira.
Isso fará com que ele se torne realmente isso.
2 – Não diga apenas sim. Os nãos e porquês fazem
parte da relação de amizade que os pais querem
construir com os filhos.
3 – Não pergunte à criança se ela quer fazer uma
atividade obrigatória ou ir a um evento indispensável.
Diga apenas que agora é a hora de fazer.
4 – Não mande a criança parar de chorar. Se for o caso,
pergunte o motivo do choro ou apenas peça que mante-
nha a calma, ensinando assim a lidar com suas emoções.
5 – Não diga que a injeção não vai doer, porque você
sabe que vai doer. A menos que seja gotinha, diga que
será rápido ou apenas uma picadinha, mas não engane.
6 – Não diga palavrões. Seu filho vai repetir as palavras de
baixo calão que ouvir.
7 – Não ria do erro da criança. Fazer piada com mau
comportamento ou erros na troca de letras pode inibir
o desenvolvimento saudável.
8 – Não diga mentiras. Todos os comportamentos dos
pais são aprendidos pelos filhos e servem de espelho.
9 – Não diga que foi apenas um pesadelo e mande
voltar para a cama. As crianças têm dificuldade de
separar o mundo real do imaginário. Quando acontecer
um sonho ruim, acalme seu filho e leve-o para a cama,
fazendo companhia até dormir.
10 – Nunca diga que vai embora se não for obedecido.
Ameaças e chantagens nunca são saudáveis.
Reunião Recurso e Reforço 2014
Créditos
Pesquisa e organização dos slides:
Dalva Pereira Martins
Jurema Mendes de Souza
Marina Braga
Rúbia Cristina Pereira Santos
Fotos:
Alunos e professoras das Salas Reforço e Recurso
Escola Municipal Higino Guerra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aulaAutismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
SA Asperger
 
Atraso cognitivo
Atraso cognitivoAtraso cognitivo
Atraso cognitivo
sedf
 
A infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaA infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positiva
Lilian Ferraz
 
Estimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAH
Estimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAHEstimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAH
Estimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAH
viasdosaber
 
Disciplina positiva
Disciplina positivaDisciplina positiva
Disciplina positiva
Tamara Pina
 
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosUma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
SimoneHelenDrumond
 
principios básicos da cultura escolar
principios básicos da cultura escolarprincipios básicos da cultura escolar
principios básicos da cultura escolar
Marcos Dieison
 
A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.
A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.
A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.
dilsoncatarino
 
Palestra para pais
Palestra para paisPalestra para pais
Palestra para pais
Alfredo Leite
 
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenhaAula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
Cybeli Moraes
 
Transtorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencaoTranstorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencao
68bomfim
 
E book aulas online.docx
E book aulas online.docxE book aulas online.docx
E book aulas online.docx
Karina Vasconcelos
 
Trabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downTrabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de down
Cintia Sena
 
Os tipos de educando
Os tipos de educandoOs tipos de educando
Os tipos de educando
Kátia Rumbelsperger
 
Diálogo com os filhos
Diálogo com os filhosDiálogo com os filhos
Diálogo com os filhos
dajudaviana
 
Orientando crianças
Orientando criançasOrientando crianças
Orientando crianças
Fabiana Santos
 
Entrada escola
Entrada escolaEntrada escola
Entrada escola
Bruno Gomes
 
Livro4
Livro4Livro4

Mais procurados (18)

Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aulaAutismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
Autismo 50-dicas-para-admininistrar-o-deficit-de-atencao-em-sala-de-aula
 
Atraso cognitivo
Atraso cognitivoAtraso cognitivo
Atraso cognitivo
 
A infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaA infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positiva
 
Estimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAH
Estimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAHEstimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAH
Estimulação cognitiva e técnicas de intervenção clínica no TDAH
 
Disciplina positiva
Disciplina positivaDisciplina positiva
Disciplina positiva
 
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhosUma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
Uma visão conceitual, puramente teórica e unilateral de como educar os filhos
 
principios básicos da cultura escolar
principios básicos da cultura escolarprincipios básicos da cultura escolar
principios básicos da cultura escolar
 
A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.
A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.
A Arte De Educar Com Limites, Sem Medo De Errar.
 
Palestra para pais
Palestra para paisPalestra para pais
Palestra para pais
 
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenhaAula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
 
Transtorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencaoTranstorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencao
 
E book aulas online.docx
E book aulas online.docxE book aulas online.docx
E book aulas online.docx
 
Trabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de downTrabalho sindrome de down
Trabalho sindrome de down
 
Os tipos de educando
Os tipos de educandoOs tipos de educando
Os tipos de educando
 
Diálogo com os filhos
Diálogo com os filhosDiálogo com os filhos
Diálogo com os filhos
 
Orientando crianças
Orientando criançasOrientando crianças
Orientando crianças
 
Entrada escola
Entrada escolaEntrada escola
Entrada escola
 
Livro4
Livro4Livro4
Livro4
 

Destaque

Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
Fatima Ali
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
Alexandra Gonçalves
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Marcia Oliveira
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
nelsonalves70
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
Heydy Silva
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Sequência Didática para produção de bilhete
Sequência Didática para produção de bilheteSequência Didática para produção de bilhete
Sequência Didática para produção de bilhete
Roseli Reis
 

Destaque (7)

Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Sequência Didática para produção de bilhete
Sequência Didática para produção de bilheteSequência Didática para produção de bilhete
Sequência Didática para produção de bilhete
 

Semelhante a Reunião Recurso e Reforço 2014

estimulação cognitiva
 estimulação cognitiva estimulação cognitiva
estimulação cognitiva
cristinaaziani
 
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
Leandro Rodrigues
 
7º ano reda cem - 7.4
7º ano   reda cem - 7.47º ano   reda cem - 7.4
7º ano reda cem - 7.4
MatheusMesquitaMelo
 
O lúdico e a criança
O lúdico e a criançaO lúdico e a criança
O lúdico e a criança
Cecília Alcântara
 
Dislexia
DislexiaDislexia
A importância de brincar no desenvolvimento saudável
A importância de brincar no desenvolvimento saudávelA importância de brincar no desenvolvimento saudável
A importância de brincar no desenvolvimento saudável
André Leite
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
bela15
 
ebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmm
ebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmmebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmm
ebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmm
Abdamides Carvalho
 
Cadê a criança que estava aqui
Cadê a criança que estava aquiCadê a criança que estava aqui
Cadê a criança que estava aqui
Rodrigo Freitas
 
Autoestima Infantil
Autoestima InfantilAutoestima Infantil
Autoestima Infantil
Maria Cristina Santos Araujo
 
jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.ppt
jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.pptjogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.ppt
jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.ppt
valdicleia castro
 
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
MariaDaLuzGomesdeMed
 
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
josoejunior7478721
 
Jogo dos 7 erros
Jogo dos 7 errosJogo dos 7 erros
Jogo dos 7 erros
Carina
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
Kátia Rumbelsperger
 
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
Lucimara Lopes França
 
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenhaAula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
Beatriz Sallet
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
MarceloInacio18
 
Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia
ruben faria
 
01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf
01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf
01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf
PatrciaDaSilvaGaldin1
 

Semelhante a Reunião Recurso e Reforço 2014 (20)

estimulação cognitiva
 estimulação cognitiva estimulação cognitiva
estimulação cognitiva
 
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
40 maneiras de estimular o desenvolvimento do seu filho
 
7º ano reda cem - 7.4
7º ano   reda cem - 7.47º ano   reda cem - 7.4
7º ano reda cem - 7.4
 
O lúdico e a criança
O lúdico e a criançaO lúdico e a criança
O lúdico e a criança
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
A importância de brincar no desenvolvimento saudável
A importância de brincar no desenvolvimento saudávelA importância de brincar no desenvolvimento saudável
A importância de brincar no desenvolvimento saudável
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
ebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmm
ebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmmebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmm
ebook-pais-educacao-escolar dos filhos mmm
 
Cadê a criança que estava aqui
Cadê a criança que estava aquiCadê a criança que estava aqui
Cadê a criança que estava aqui
 
Autoestima Infantil
Autoestima InfantilAutoestima Infantil
Autoestima Infantil
 
jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.ppt
jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.pptjogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.ppt
jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renataaguilar.ppt
 
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
 
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
25-10-2017-jogosebrinacdeirasnaeducacaoinfantilenociclodealfabetizacao-renata...
 
Jogo dos 7 erros
Jogo dos 7 errosJogo dos 7 erros
Jogo dos 7 erros
 
Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1Cartilha para fases da crianças 1
Cartilha para fases da crianças 1
 
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
2ª oficina - Escola e família fortalecendo vínculos.
 
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenhaAula9 25 maio-exercicio_resenha
Aula9 25 maio-exercicio_resenha
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia Apresentação sobre jardim de infancia
Apresentação sobre jardim de infancia
 
01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf
01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf
01Livro Como conversar com crianças e pais sobre Necessidades Especiais.pdf
 

Mais de EM Higino Guerra

Resultados das avaliações externas
Resultados das avaliações externasResultados das avaliações externas
Resultados das avaliações externas
EM Higino Guerra
 
Livro o pirulito do pato
Livro o pirulito do patoLivro o pirulito do pato
Livro o pirulito do pato
EM Higino Guerra
 
Aprendizagem - Orquídeas
Aprendizagem - OrquídeasAprendizagem - Orquídeas
Aprendizagem - Orquídeas
EM Higino Guerra
 
Reunião geral
Reunião geralReunião geral
Reunião geral
EM Higino Guerra
 
Reunião geral
Reunião geralReunião geral
Reunião geral
EM Higino Guerra
 
Higiene mental
Higiene mental Higiene mental
Higiene mental
EM Higino Guerra
 

Mais de EM Higino Guerra (9)

Resultados das avaliações externas
Resultados das avaliações externasResultados das avaliações externas
Resultados das avaliações externas
 
Livro o pirulito do pato
Livro o pirulito do patoLivro o pirulito do pato
Livro o pirulito do pato
 
So um minutinho
So um minutinhoSo um minutinho
So um minutinho
 
Aprendizagem - Orquídeas
Aprendizagem - OrquídeasAprendizagem - Orquídeas
Aprendizagem - Orquídeas
 
Reunião geral
Reunião geralReunião geral
Reunião geral
 
Reunião geral
Reunião geralReunião geral
Reunião geral
 
Zumbi
ZumbiZumbi
Zumbi
 
Dia da consciência negra
Dia da consciência negraDia da consciência negra
Dia da consciência negra
 
Higiene mental
Higiene mental Higiene mental
Higiene mental
 

Reunião Recurso e Reforço 2014

  • 2. Porque continuar: - Há não está adiantando nada! - Dá trabalho demais, cansa, coitado(a) vou deixar ele(a) faltar... - Temos que persistir depende de nós e deles. Mais na frente eles vão ver o quanto valeu a pena. O desenvolvimento cognitivo é muito importante e deve ser desenvolvido na pessoa quando ela ainda é criança ou adolescente. Uma criança desenvolve sua inteligência e aprende sobre seu ambiente à medida em que se desenvolve cognitivamente. A memória, a concentração, a atenção, a percepção, a imaginação e a criatividade são todos componentes fundamentais do desenvolvimento cognitivo.
  • 4. Ler e escrever: a leitura melhora a capacidade da mente para compreender muitas coisas, além de encorajar seu cérebro a pensar de forma crítica. A leitura de livros que você nunca leu antes, de jornais, revistas, periódicos ou outros gêneros faz com que seu QI aumente. Tome cuidado para não ler um livro que não esteja no seu nível e faça você perder o gosto pela leitura. Além disso, não leia algo demasiado fácil. A escrita também é uma forma de desenvolver o raciocínio lógico e um bom exercício é tentar escrever com a mão oposta, fazendo a outra parte do seu cérebro funcionar.
  • 7. Jogos de estratégia: não importa se é um jogo de tabuleiro, como o xadrez, ou jogos de videogame, um jogo de estratégia sempre irá ajudar você a melhorar seu raciocínio lógico. Os jogos são uma ótima maneira de estimular o cérebro e jogos simples como o jogo da memória faz parte desta lista. Escolher jogos que você nunca jogou antes também é uma ótima dica. Além disso, as cruzadinhas, os jogos de sudoku ... são ótimos.
  • 9. Ouvir música erudita: estudos afirmam que ouvir música erudita (música clássica) faz com que o seu cérebro melhore em curto prazo. Ouvir músicas de Mozart antes de uma prova, por exemplo, melhora o desempenho. Fazendo isso sempre, seu raciocínio lógico irá melhorar cada vez mais. Ter uma boa alimentação: não adianta estudar, fazer testes de QI ou ouvir música clássica se você não tiver hora e alimentação balanceada, rica em verduras, frutas e legumes. Muitas propriedades presentes nos alimentos ajudam o cérebro a trabalhar melhor e a desenvolver o lado lógico. Por isso, não deixe de se alimentar bem e, se necessário, consulte um nutricionista.
  • 11. Praticar exercícios: os exercícios aqui não são os de matemática, mas os exercícios físicos. Praticar esportes faz com que aumente o fluxo sanguíneo para o cérebro, fazendo com que os resultados sejam positivos em se falando de pensamento, raciocínio ou memória. Por isso, escolha um esporte e comece a praticar. Cuidados necessários: Você deve estabelecer um bom horário de estudo, para que sua alimentação e suas horas de sono não sejam prejudicadas. Virar a noite estudando não é uma boa ideia. Além disso, não exagere nos jogos. Jogar desenvolve sim o raciocínio lógico, mas de forma exagerada pode desenvolver vícios e acabar não ajudando no que é necessário. Portanto, estabeleça metas e horários, para que tudo seja organizado.
  • 13. As principais etapas do desenvolvimento de uma criança identificados por Piaget são: o estágio sensório-motor (de 0 a 2), o estágio pré-operacional (de 2 a 7), o estágio operacional concreto (de 7 a 11) e o estágio operacional formal (11 e acima). O estágio operacional concreto ( dos 7 aos 11anos) Nessa fase, a compreensão e o pensamento da criança são mais independentes. Ela está se separando dos pais, e o jogo e aventura com os colegas é uma grande parte disso. As crianças nessa fase podem operar brinquedos e equipamentos mais sofisticados e são muitas vezes altamente interessadas em jogos de computador, mas esse interesse deve ser equilibrado com a necessidade de socializar e formar relacionamentos de funcionamento com os outros. O estágio operacional formal(dos 11anos acima) Crianças de 11 anos ou mais ainda jogam, mas é provável que seu jogo seja mais formal, na forma de esportes, por exemplo. Isso reflete o que Piaget chamou de o estágio operacional formal, no qual a criança está funcionando de forma semelhante à de um adulto, em muitos aspectos, com mais estrutura e regras em seu jogo e provavelmente menos do elemento imaginativo.
  • 15. Segundo Vygotsky e Piaget as crianças aprendem juntando novas informações com conhecimentos que já adquiriram. A aprendizagem dos alunos é afetada pelo ambiente em que eles aprendem, bem como suas origens e crenças. Eles também acreditam que a sociedade desempenha um grande papel na forma como os alunos aprendem e compreendem. Montessori encarava a Educação como o meio através do qual a criança desenvolveria sua personalidade até que adquirisse maturidade e independência. “Se pretendemos realmente alcançar uma reconstrução, o desenvolvimento das potencialidades humanas deve ser o objetivo da educação”
  • 17. A nossa proposta é ajudar os alunos a superarem as dificuldades apresentadas, através de estabelecimento de rotina de estudo, comportamento, socialização, interação e atividades cognitivas, através de jogos pedagógicos. O Jogo e as atividades trabalhadas nas salas vão ajudar os alunos a superar dificuldades, a desenvolver conceitos como o de esperar e respeitar o outro, base da vida social. Sabemos que a criança aprende pela experiência e que sua inteligência pode ser estimulada e até desenvolvida, cabe ao adulto ajudá-la e criar condições ideais para isso.
  • 19. Para que isso ocorra é necessária à colaboração dos responsáveis e da criança a qual deve ter liberdade com responsabilidade e é isso que a levará à independência através de um trabalho cooperativo. Vamos citar um exemplo a dificuldade que alguns alunos tem com a matemática a discalculia: Ao contrário do que muitos pais imaginam, a discalculia nada tem haver com a inteligência, podendo atingir pessoas com potencial de aprendizagem em diversas áreas. Geralmente, ela aparece associada a outros distúrbios como a AAD (Desordem do Déficit de Atenção), que se reconhece pela dificuldade de concentração e organização. Além disso, é comum a falta de noção espacial, levando quem tem o problema a derrubar objetos, esbarrar em móveis como se não tivesse noção da extensão de seus braços e pernas.
  • 23. “A prática avaliativa deve ser capaz de ir além de avaliar a aprendizagem, mas entender o valor individual de cada aluno, propiciando o seu crescimento como indivíduo e como integrante de uma sociedade. E que acima de tudo, seja uma avaliação envolvida com uma prática pedagógica real, inovadora, não excludente e muito amorosa”. (Luckesi,1996).
  • 24. 10 coisas que não se deve dizer para as crianças
  • 25. O médico pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo, fez uma lista com 10 exemplos que coisas que não devemos dizer às crianças nem na frente delas, pois podem interferir na formação da personalidade delas. 1 – Não rotule seu filho de pestinha, chato, lerdo ou outro adjetivo agressivo, mesmo que de brincadeira. Isso fará com que ele se torne realmente isso. 2 – Não diga apenas sim. Os nãos e porquês fazem parte da relação de amizade que os pais querem construir com os filhos.
  • 26. 3 – Não pergunte à criança se ela quer fazer uma atividade obrigatória ou ir a um evento indispensável. Diga apenas que agora é a hora de fazer. 4 – Não mande a criança parar de chorar. Se for o caso, pergunte o motivo do choro ou apenas peça que mante- nha a calma, ensinando assim a lidar com suas emoções. 5 – Não diga que a injeção não vai doer, porque você sabe que vai doer. A menos que seja gotinha, diga que será rápido ou apenas uma picadinha, mas não engane. 6 – Não diga palavrões. Seu filho vai repetir as palavras de baixo calão que ouvir.
  • 27. 7 – Não ria do erro da criança. Fazer piada com mau comportamento ou erros na troca de letras pode inibir o desenvolvimento saudável. 8 – Não diga mentiras. Todos os comportamentos dos pais são aprendidos pelos filhos e servem de espelho. 9 – Não diga que foi apenas um pesadelo e mande voltar para a cama. As crianças têm dificuldade de separar o mundo real do imaginário. Quando acontecer um sonho ruim, acalme seu filho e leve-o para a cama, fazendo companhia até dormir. 10 – Nunca diga que vai embora se não for obedecido. Ameaças e chantagens nunca são saudáveis.
  • 29. Créditos Pesquisa e organização dos slides: Dalva Pereira Martins Jurema Mendes de Souza Marina Braga Rúbia Cristina Pereira Santos Fotos: Alunos e professoras das Salas Reforço e Recurso Escola Municipal Higino Guerra