SlideShare uma empresa Scribd logo
ANTROPOLOGIA
DA RELIGIÃO
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
>
> Analisar o caminho trilhado pelos antropólogos clássicos no contexto da
análise da religião.
>
> Descrever as teorias sobre as sociedades e as visões do mundo dos mais
importantes antropólogos clássicos.
>
> Relacionar as teorias dos antropólogos clássicos com as teorias de outros
antropólogos de sua época. 	
Introdução
A antropologia clássica, desde seu ensejo inicial, no século XIX, se defrontou
com grandes problemáticas em torno da relação entre natureza e meio social.
Nesse contexto, a corrente evolucionista se tornou predominante, uma vez que
a história e a antropologia, de uma só vez, podiam ser pensadas de forma linear.
Considerava-sequequantomaisconhecimentoumasociedade,umacomunidade
ou uma tribo tinha, mais evoluída ela era. Mais tarde, Franz Boas e sua seguidora,
Ruth Benedict, estabeleceram, a partir de estudos etnográficos, a relação entre
determinismomentaledeterminismodomeio,parapensaraanormalidadecomo
resultado de uma sociedade.
Já no século XX, com Claude Lévi-Strauss, surgiu uma perspectiva multicul-
turalista. O antropólogo francês revolucionou a forma como a antropologia era
pensada até então quando uniu o determinismo natural ao social e cultural, sob
aalegaçãodequeosujeitoéconstituídodemodomúltiplo.Posteriormente,após
Antropólogos
clássicos
Mayara Dionizio
umapossívelsuperaçãodaantropologiamodernista,surgiramcorrentesdiversas
que pensavam a figura do antropólogo, bem como a importância do relato das
experiências dos estudados.
Neste capítulo, você vai compreender a leitura antropológica da religião em
relação à cultura e à natureza. Você também vai verificar como os antropólogos
maisconsagradoscompreenderamassociedadesequaiseramassuasrespectivas
visões de mundo. Por fim, você vai estudar as diferenças entre a antropologia
clássica moderna e as teorias antropológicas pós-moderna e contemporânea.
A análise antropológica clássica sobre
a religião
Quando pensamos as sociedades ocidentais em suas estruturas fundantes,
inevitavelmente encontramos fronteiras que não só dividem os saberes e as
instituições, mas também os unem. É nesse hiato correlacionado que a filosofia,
a história e a religião se cruzam. Mais tarde, acrescidas dos saberes sociológi-
cos e antropológicos, as ciências humanas se voltaram para o indivíduo, não
somente em sua individualidade, mas, antes, em sua manifestação coletiva.
Nesse contexto, antes de nos aprofundarmos nos aspectos mais transdisci-
plinares, cabe compreender com maior atenção a relação entre a antropologia
e a história, para então delimitarmos a análise religiosa dos antropólogos clás-
sicos. Se podemos pensar as sociedades ocidentais por meio de uma cronologia
marcada, que nos remete ao conceito de historicidade, isso se dá também pela
possibilidade de uma etnografia singular das sociedades, dos povos.
Ao contrário de uma concepção evolutiva da história, a antropologia nos
permite pensar a história não só como um sistema progressivo das ideias e
dos sistemas filosóficos, mas antes a partir da essencialidade singular etno-
gráfica de cada povo. Assim, dignifica-se a experiência comum da passagem
temporal e da passagem individual do tempo. O que nos leva àquilo que nos
disse Émile Durkheim sobre a sociedade: todas as sociedades constroem
uma noção de tempo, contudo, elas se realizam empiricamente de acordo
com a sua cultura própria.
De acordo com Lévi-Strauss (1975), a diferença entre as sociedades se
mostra a partir daquelas que têm história e daquelas que não tem. Isto é, há
aquelas sociedades que reivindicam a mudança, e há aquelas que buscam
a reiteração. Assim, essas distinções servem tão só para classificar as dife-
renças culturais, ressaltando a unidade da história em suas diferenciações,
segundo o antropólogo.
Antropólogos clássicos
2
Voltando para a antropologia e seu amplo arcabouço contextual, podemos
dizer que a antropologia clássica, a partir do evolucionismo, se volta ao pen-
samento diacrônico. Ou seja, nos primórdios do pensamento antropológico,
encontrava-se uma busca fundante por apenas uma história. Nela, estariam
compreendidas as distinções: na história entendida linearmente de modo
comparativo, aquelas sociedades ainda ligadas ao passado ocidental em sua
estruturação seriam pensadas como menos evoluídas, se comparadas às so-
ciedades que evoluíram dado o acúmulo de conhecimento e desenvolvimento
tecnológico. Essas sociedades tidas como menos evoluídas passavam a ser
classificadas como primitivas e infantis, logo, desinteressantes ao estudo
das ciências humanas de modo geral.
Tal modo segregacionista de pensar a história dos povos primitivos a
partir do evolucionismo passou a ser rejeitado por escolas antropológicas
insurgentes. É nesse contexto que encontramos os primeiros embates acerca
da disciplina de antropologia. Já no século XVIII, a partir da distinção acerca
das noções de cultura — ou seja, aquela entendida como civilização, ligado
ao iluminismo, ou aquela pensada de acordo com o romantismo alemão,
kultur — surgiram as primeiras associações entre os conceitos de civilização
e história. Se, de um lado, a cultura é aquilo que é progressivo, acumulativo
e atribuído à essencialidade humana, ou ainda à sua especialidade, por
outro lado, a civilização em sua abordagem também “cultural” é resultado
de um processo racional atribuído somente ao ser humano. Em ambas as
compreensões, encontramos o ser humano como um ser privilegiado em
relação a outras espécies, e as sociedades modernas como superiores às
sociedades “primitivas”.
Por esse motivo, a cultura passou a ser objeto da antropologia clássica
como uma via de acesso à reconstituição das origens e dos níveis de evolu-
ção entre as sociedades “selvagens” e as sociedades “civilizadas”. Isso nos
permite observar que a cultura pensada de forma evolucionista decorre em
um etnocentrismo, em uma imposição universalista do que é o indivíduo e,
por fim, lança as bases para o colonialismo. Essa retórica, ao final do século
XIX, levou ao embate construtivista entre a corrente da kultur (aquela ligada à
formação do espírito) e o evolucionismo, que ganhava uma enorme projeção
no continente europeu. De um lado, o etnocentrismo/evolucionismo/univer-
salismo, e de outro, o relativismo, que defendia o não universal.
Nesse contexto se deu o marco para o surgimento da antropologia estadu-
nidense, com a publicação do antropólogo Boas (2014): As limitações do método
comparativo em antropologia social. No texto, Boas (2014) argumenta que a
cultura deve ser pensada em sua particularidade, o que o liga diretamente
Antropólogos clássicos 3
à corrente da kultur. Boas (2014) entende, a partir de seus estudos acerca da
distribuição espacial dos mitos do povos ameríndios da América do Norte, que
a cultura é composta por elementos que são frutos de um processo histórico
em que se relaciona o intercâmbio entre os povos e, por isso, trata-se de um
processo de constante transformação cultural.
Isso implica também na análise sobre o fenômeno religioso: uma vez que
a cultura é composta também a partir da difusão cultural, ela não tem uma
origem comum, como argumentavam os evolucionistas. As instituições, a
organização social e espacial e, acentuadamente, a religião são resultados
de diversos processos históricos. Para tanto, Boas exemplifica sua teoria a
partir da reflexão sobre tribos primitivas organizadas em clãs totêmicos,
que têm formulações totalmente distintas entre si, portanto, não advêm
de uma origem idêntica psíquica de tribos distintas. Isto é, apesar de uma
predisposição psíquica, cada tribo se desenvolve de forma singular, de acordo
com o seu processo histórico.
Nesse contexto, a partir da obra de Benedict (2013) — seguidora da
antropologia boasiana — intitulada Padrões de cultura, publicada origi-
nalmente em 1934, sobre a cultura do Novo México, os Dobu da Nova Guiné
e os Kwatiutl da Columbia Britânica, podemos compreender os padrões
culturais em sua relação com a sociedade. Para Benedict (2013), é a socie-
dade mesma que acaba legitimando a integração social e a validade de
suas instituições. É por esse motivo que Benedict (2013) argumenta que os
desviantes são reprimidos socialmente e institucionalmente e usa como
exemplo a experiência com o uso de entorpecentes. Em muitas sociedades,
são aceitos rituais em que é feito o uso de substâncias entorpecentes, a
fim de se atingir um estado transcendente; contudo, em grande parte da
sociedade ocidental, o uso dessas substâncias não é aceito, mesmo em
condições culturais e religiosas.
Em 1944, Benedict realizou um estudo antropológico, a pedido do
governo norte-americano, sobre os padrões culturais japoneses es-
tabelecido após a Segunda Guerra Mundial. Isso se deu muito pelo
interesse sobre a lógica do comportamento dos soldados japoneses
durante a guerra: demonstravam orientação, determinação e disciplina
mesmo quando se encontravam em desvantagem. Benedict concluiu que
o comportamento dos japoneses estava ligado aos padrões culturais
peneirados socialmente e reforçados institucionalmente. Curiosamente,
nesse sentido, comparados culturalmente ao exército norte-americano,
Antropólogos clássicos
4
os japoneses estavam em busca da afirmar seu lugar como superiores
aos demais, enquanto os norte-americanos lutavam por valores como
liberdade e democracia. Por esse motivo, Benedict chegou à constatação
de que há relação entre a cultura e a estrutura psíquica: “[...] esta relação
é recíproca e tão íntima que não se pode tratar de padrões culturais
sem considerar especificamente as relações destes com a psicologia do
indivíduo [...]” (BENEDICT, 1988, p. 12).
Portanto, é a partir desses padrões culturais selecionados e reforçados
institucionalmente que podemos compreender a cultura também pelo que
dela difere. Assim, as condutas tidas como “desviantes” são o que possibilita
o olhar sobre o que padroniza. Para Benedict (1988), essa padronização revela
que a sociedade é tão predominante e busca se manter dentro de sua própria
estrutura que aqueles que são considerados “anormais” não são admitidos.
É nesse hiato entre a cultura e a disposição psíquica que encontramos a
noção de louco. Isto é, os conceitos de louco e normal, ou, no sentido foucaul-
tiano, razoado e desarrazoado, são pensados como uma construção cultural.
Por exemplo, Benedict (1988) trata sobre a questão de como as sociedades
ocidentais entendem a homossexualidade: nas sociedades capitalistas, os
homossexuais são considerados como anormais; já em outras sociedades, a
homossexualidade é valorizada. Nesse contexto, podemos citar a compreensão
platônica acerca da sexualidade na República (PLATÃO, 2000), em que o amor
sexual entre homens é valorizado, pois é entendido como o amor entre iguais
superiores hierarquicamente.
Conclui-se que as relações entre cultura e predisposição psíquica
são inter-relacionadas. Assim, a sociedade, desde o surgimento da an-
tropologia, vem sendo pensada a partir dessas relações. Franz Boas foi
o responsável por inaugurar essa forma “neoevolucionista” de pensar a
antropologia, que, por conseguinte, foi aprofundada por Ruth Benedict,
sua seguidora. Essas noções sobre a cultura e a psiquiatria que levaram
ao reconhecimento de uma cultura dos desviantes possibilitou a reflexão
acerca das questões de gênero e da cultura de forma ampla. Fruto desses
estudos antropológicos e etnográficos, em 1960, surgiu o movimento
pós-moderno, que também influenciou diversos movimentos insurgentes
das minorias (Figura 1), considerados como rupturas culturais e psíquicas,
nas quais se insere a crítica aos discursos religiosos considerados como
conservadores da ordem até então vigente.
Antropólogos clássicos 5
Figura 1. Jornadas estudantis em maio de 1968, na França — um movimento de contraluta,
que lutava contra o conservadorismo e os padrões culturais da sociedade francesa.
Fonte: Cros (2000? apud COGGIOLA, 2018, documento on-line).
As sociedades e as visões do mundo dos
mais importantes antropólogos clássicos
A obra do antropólogo Claude Lévi-Strauss se tornou fundamentalmente
norteadora na esfera antropológica. Entre os pensadores mais caros a essa
tradição, Lévi-Strauss revolucionou a forma de pensar a sociedade a partir
da relação entre natureza e cultura. Nesse sentido, mais do que uma sepa-
ração ou junção entre esses campos, a antropologia straussiana de dedicou
a refletir sobre o que vincula esses campos no contexto social e formativo.
Desde o final do século XIX, a antropologia se manteve às voltas com a
pressuposição de uma unidade humana em que não se consideravam as teorias
e diversidades culturais, muito menos os dados empíricos ou dialéticos ou
ainda as identidades e diferenciações. A questão que se colocou à antropologia
nesse sentido é: de que forma as diferenciações vinculantes ou irruptivas se
transformam no campo da cultura e da psique? Lévi-Strauss (1973) entende que
essa vinculação, além de fundamentar o problema estrutural da antropologia,
também caracteriza e define o que ele entende como campo da etnologia.
Segundo o filósofo contemporâneo Descola (2011, p. 35), “[...] ninguém
duvida que o século XX, em antropologia, ficará como o século de Lévi-Strauss,
a tal ponto suas ideias, mesmo quando rejeitadas, marcaram vigorosamente
Antropólogos clássicos
6
o conceito que se tem dessa ciência, de seu objeto e de seus métodos [...]”.
Nesse contexto, convém ressaltar por quais vias a antropologia straussiana
marcou fortemente o pensamento antropológico:
1.	 a relação entre continuidade e descontinuidade no que compete à
natureza e à cultura;
2.	 as relações estruturais entre cultura e natureza, ou, ainda, entre espírito
e determinações ecológicas.
Analisaremos o que nos diz Lévi-Strauss sobre essas estruturas a partir
de sua conferência intitulada Structuralism and ecology, que ocorreu em 1972,
nos Estados Unidos. Nessa conferência, o antropólogo explicitou o papel da
junção entre o espírito e a ecologia na operação estrutural do sistema social
e psíquico. Ou seja, Lévi-Strauss defendia que a seleção feita socialmente em
torno de um significante não é um processo puramente natural.
A partir da obra O pensamento selvagem, também de Lévi-Strauss (1989),
podemos compreender como as culturas, tanto animais quanto vegetais,
demonstram aleatoriedade simbólica entre si: trata-se, portanto, de carac-
terísticas distintas presentes nas mesmas espécies ou reinos em sua função
simbólica. Assim, a arbitrariedade fundamental que define os traços dessas
espécies se organiza em decorrência das transformações das regras que até
outrora eram predominantes. Esse percurso percorrido pelo antropólogo tem
em vista compreender como os mitos oriundos de tribos, em especial aquelas
mais próximas, são utilizados e têm suas funções simbólicas distintas no que
compete às suas relações com a natureza. Dito de outro modo, Lévi-Strauss
(1989) compreende que, nas tribos, os mitos são os mesmos, por muitas vezes,
mas se estruturam em relação à natureza de formas distintas entre as tribos.
Tais afirmações de Lévi-Strauss (1989) geraram conflitos com os materia-
listas norte-americanos. No caso em questão, a controvérsia se deu com o
professor de ecologia cultural Marvin Harris. Para Harris (1966), a antropologia
estrutural se encontrava fundamentada em um naturalismo radical, isto é,
em um determinismo geográfico. Ao pensar as transformações culturais, Lévi-
-Strauss (1989) teria vinculado a ecologia e a cultura a partir das disposições
geográficas das tribos e das espécies. O que traz à luz o caráter condicionante
da leitura straussiana: a cultura seria resultado também das relações empí-
ricas estabelecidas a partir de uma estrutura orgânica. Descola (2011, p. 37)
vê nessa querela entre os estudiosos a disputa entre um programa científico
de caráter dualista e uma epistemologia monista, dizendo respeito:
Antropólogos clássicos 7
[...] à etnografia, assistida pela história e pela tecnologia, o estudo da base material
das sociedades; à antropologia estrutural, o estudo das ideologias — e uma teoria
do conhecimento decididamente monista, visto que ela considera o espírito dando
sentido ao mundo como parte e produto desse mesmo mundo.
De acordo com Lévi-Strauss (1989), não poderíamos compreender o sujeito
a partir de uma separação desvinculante entre cultura e psique, matéria e
espírito, mas tão só a partir da vida social pensada por determinismos com-
plementares. O que nos leva a pensar a sociedade como uma junção entre o
determinismo econômico — aquele que se coloca de forma coercitiva na vida
do sujeito, exigindo dele uma ação tecnoeconômica — e o determinismo de
funcionamento, que exige formas de ação inerentes ao sujeito. Esses deter-
minismos exigem do antropólogo o conhecimento tanto sobre propriedades
objetivas em relação aos objetos naturais quanto sobre a ecologia de uma
sociedade. Isso implica os seguintes aspectos:
„
„ primeiro, conhecendo os objetos naturais, pode-se compreender melhor
a seleção social em torno de um significante (seja o mito, a religião,
entre outros significantes);
„
„ em segundo lugar, conhecendo a ecologia social, pode-se compreender
a produção ideológica de uma sociedade, ou seja, a forma como ela
dispõe e organiza os seus pensamentos.
Assim, segundo Lévi-Strauss (1989), existe uma simetria entre os deter-
minismos, o mental e o do meio. Contudo, o determinismo do meio é consi-
derado pelo antropólogo como inferior hierarquicamente; isso porque é no
material da realidade que encontramos a matéria-prima para aquilo que vai
se tornar miticamente um significante. O que significa que Lévi-Strauss não
rejeita totalmente o materialismo, mas não o considera tão determinante
para além de meramente produto da atividade simbólica. Trata-se, assim,
de uma afinidade que é capaz de unir o mental e o meio. Portanto, os dados
imediatos não são:
[...] uma espécie de cópia autêntica dos objetos apreendidos, mas consistem em
propriedades distintivas, abstraídas do real por mecanismos de codificação e de
decodificação inscritos no sistema nervoso e que funcionam por meio de oposições
binárias: contraste entre movimento e imobilidade, presença ou ausência de cor,
diferenças de contorno dos objetos (LÉVI-STRAUSS, 1976 apud DESCOLA, 2011, p. 39).
Antropólogos clássicos
8
Para além da obra straussiana, outro pensador que se dedicou a pensar
sobre a sociedade e a sua vinculação com a cultura e a natureza foi Marshall
Sahlins, participante e fundador da Escola de Cultura e Personalidade, que
surgiu em meados da década de 1940 e tinha como principal característica
a oposição ao particularismo histórico alemão. Sahlins, nesse contexto,
foi responsável por retomar o conceito de evolucionismo aliado à questão
cultural, juntamente com Leslie White. A obra de Sahlins é dividida em dois
grandes marcos: primeiramente, têm-se a fase de juventude de viés estrita-
mente neoevolucionista; posteriormente, tal noção é associada às relações
de produção no contexto tecnológico insurgente (SAHLINS, 1976).
Entre os anos de 1954 e 1955, Sahlins realizou uma pesquisa de campo
em algumas comunidades do Pacífico e pôde, a partir de então, analisar
suas hipóteses evolucionistas de caráter marxista. Assim, a evolução das
comunidades era analisada de acordo com as suas hierarquias, que, por sua
vez, se dividiam em dois eixos de análise (SAHLINS, 1976):
„
„ a matéria da qual a sociedade/comunidade dispõe (incluindo o avanço
tecnológico);
„
„ como o poder é distribuído entre os membros.
Portanto, a ênfase do estudo foi dada à questão econômica e à organização
política. Sahlins chegou à conclusão de que o fator mais determinante nessa co-
munidade estava ligado à questão material. Ou seja, o desenvolvimento político
se encontrava pautado, ritmado pelo progresso tecnológico. Ao se desenvolver
uma tecnologia, a economia se desenvolvia com vistas a esse progresso, o que
acabava por determinar a distribuição de poderes políticos (SAHLINS, 1976).
Já em 1960, Sahlins reelaborou seus posicionamentos em razão do evo-
lucionismo e acabou por adotar uma visão mais perspectivista e, portanto,
culturalista. Isso decorreu dos diálogos insurgentes no cenário acadêmico
entre o estruturalismo francês e o materialismo histórico. Em 1976, Sahlins
publicou Cultura e razão prática; nessa obra, o autor apresenta uma análise
cultural do Ocidente e o processo de produção capitalista enquanto simbólico.
Concluiu-se que os objetos produzidos pelas sociedades ocidentais não têm
apenas uma utilidade prática, mas também uma função simbólica, o que levou
Sahlins a entender que o esquema simbólico é a real finalidade dos objetos
produzidos. De acordo com Gonçalves (2010), os produtos vendidos, antes de
determinarem os seus valores em si, determinam o valor econômico daquele
Antropólogos clássicos 9
que compra, daquela relação de compra. Por fim, Sahlins (1976) concluiu
que a produção capitalista só se realiza a partir dos objetos produzidos por
meio de uma mediação simbólica — trata-se, antes de tudo, de um projeto
cultural determinante.
Os antropólogos clássicos e os antropólogos
contemporâneos
Ao tratarmos das teorias antropológicas clássicas e das teorias contemporâ-
neas, tratamos também de uma série de tendências metodológicas e teóricas
que marcam constantes mudanças na disciplina de antropologia desde seu
surgimento, no século XX. Contudo, foi a crítica americana sobre os modelos
de pesquisa e abordagem antropológica que acarretou um deslocamento no
modo como se pensava a disciplina até então. Existem duas abordagens mais
referidas a esse período: a abordagem interpretativa, representada forte-
mente por Clifford Geertz nos anos 1970, e as perspectivas pós-modernas,
que partem da abordagem etnográfica. Ambas as formas de pensar e aplicar
a antropologia, em um sentido metodológico, se desenvolveram e possibili-
taram a antropologia tal como vemos hoje, por um viés mais perspectivista.
A abordagem de Geertz (1989) argumentava em função da interpretação
das culturas como um conjunto de textos. Para tanto, a metodologia se
fundamentava em um modelo de leitura contextual, o que trazia para a
antropologia uma possibilidade diferente daquela da vivência sob argu-
mento de autoridade. Ou seja, sendo a antropologia um estudo científico,
era necessário que os estudos apresentassem mais dados do que aqueles
somente autorreferenciados pela experiência — o que se traduz na contem-
poraneidade (a partir do identitarismo) como a autoridade do “lugar de fala”.
A antropologia interpretativa conseguia, assim, analisar as culturas como
texto em detrimento da autoridade etnográfica, o que tornou possível a
desmistificação e o questionamento acerca das descrições etnográficas e,
por outro lado, o estabelecimento de um rigor maior. Dessa forma, ao mesmo
tempo que Geertz (1989) rompe com o modelo clássico, também questiona o
processo de interpretação, pois entende que a cultura observada é separada
do antropólogo que a interpreta.
Nos anos 1980, influenciadas pela antropologia interpretativa, várias
perspectivas pós-modernas surgiram e passaram a apresentar formas me-
todológicas de pesquisa e texto. Metodologias baseadas na produção de
textos dialógicos, testemunhais e polifônicos ganharam espaço nas discus-
Antropólogos clássicos
10
sões acadêmicas. Ao mesmo tempo, os críticos ao positivismo científico, ao
empirismo e ao reducionismo passaram a insinuar que a antropologia deveria
abandonar essas abordagens e assumir uma postura humanista e parcial no
que se refere às análises culturais.
Nesse contexto, a antropologia se abriu totalmente ao empreendimento
geertziano de uma análise que considera a cultura como texto e começou a
reconhecer a autoridade científica e etnográfica a partir da crise da repre-
sentação. Cabe ressaltar que esse movimento de crise da representação
consiste no reconhecimento dos limites da linguagem, no sentido de uma
apreensão do ser pela palavra. Essa foi a temática central para os movimentos
estruturalistas e pós-estruturalistas franceses.
Assim, os teóricos da segunda metade do século XX passaram a analisar
o texto a partir de seu contexto estrutural, o que compreende o importante
conceito derridiano de desconstrução. Ou seja, decompõe-se a estrutura para
melhor compreendê-la. Tal movimento filosófico estabeleceu relações com
todas as áreas das ciências humanas, em especial a antropologia. Isso levou
a antropologia a experimentar estilos distintos que passavam por dialetos
e, até mesmo, interpretações idiossincráticas.
Você sabe o que significa o termo “desconstrução”, cunhado primeira-
mente pelo filósofo franco-argelino Jacques Derrida? Trata-se de um
conceito elaborado como uma crítica aos conceitos filosóficos que apresentam
uma pressuposição sem levar em consideração a estrutura. Dito de outro modo,
Derrida era associado ao movimento francês pós-estruturalista, o que significa
que o seu pensamento filosófico se debruçava sobre a investigação das estruturas.
Nesse sentido, o conceito de desconstrução leva em consideração a estrutura
que compõe o objeto de análise. Assim, mais do que uma crítica expressa à ideia
de objetos não analisados em sua estrutura, a desconstrução derridiana busca
desmontar, decompor, desconstruir os elementos de um texto, da escrita.
Podemos dizer que a crise da representação possibilitou a abertura in-
clusive para abordagens tidas como mais moderadas e que buscavam uma
“verdade etnográfica”, ou aquelas que estipulavam a impossibilidade de
estabelecer uma objetividade a partir de um contato subjetivo. Tais tendências
transparecem como a antropologia assumiu, a partir de Geertz (1989), uma
abordagem mais crítica, dialógica e polissêmica, uma vez que foi com o pós-
-modernismo que a desconstrução dos textos etnográficos se fez possível,
contrariando a abordagem mais clássica, em que as etnografias dos cânones
da antropologia eram indiscutíveis.
Antropólogos clássicos 11
Resta-nos delimitar mais precisamente o modernismo antropológico,
para, de fato, entendermos com maior propriedade a ressignificação da
disciplina. Ao contrário de outras disciplinas das ciências humanas — a título
de ilustração, as ciências sociais em que faz parte da análise a ausência do
pesquisador da “cena”, no sentido freudiano do termo —, na antropologia,
é fundamental a presença do antropólogo no trabalho de campo — ou seja,
também no texto etnográfico. Portanto, o antropólogo é aquele que mede
os universos culturais, fazendo-os se conhecerem, ainda que seja por meio
de seus olhos.
De acordo com Caldeira (1988), o antropólogo em cena exige uma ambi-
guidade, pois ele é tanto quem revela uma realidade quanto aquele que se
ausenta, tentando garantir a objetividade do estudo. Para Geertz (1989, p. 94),
a presença do antropólogo, sobretudo nos textos, deve ser compreendida a
partir das “[...] peculiaridades de uma curiosa estratégia de construção textual
[...]”, o que pode ser verificado, segundo Geertz (1989), nas heterogeneidades
presentes nas discursividades de Bronisław Malinowski, E. E. Evans-Pritchard
e Claude Lévi-Strauss, por exemplo.
Nesse contexto, podemos identificar em Malinowski, ilustrativamente, a
legitimação da figura profissional do antropólogo, que se dá por meio de uma
abordagem antropológica que propõe a observação participante. Cabe res-
saltar que foi essa abordagem que garantiu à antropologia o status científico
e causou a ruptura com o pensamento preponderantemente evolucionista
do século XIX. Até esta feita, os antropólogos eram aqueles que, fechados em
suas salas, colecionavam tesouros etnográficos do mundo todo e, com isso,
construíam narrativas acerca da história da humanidade. Foi com Malinowski
que a etnografia se fez presente na antropologia enquanto metodologia que
possibilitava a descrição e a tradução dos costumes de um povo. A produção
de conhecimento antropológico passou a ter como objeto de estudo, se
podemos assim dizer, o estudo dos povos coloniais. De acordo com Geertz
(1989), tratava-se de um processo em que se colocava tudo para dentro, e a
etnografia possibilitava que o antropólogo colocasse para fora, para a prosa.
Contudo, o século XX trouxe outras contextualizações do mundo ocidental.
Ocorreu de forma mais aprofundada o processo de descolonização dos paí-
ses colonizados, muito pela mundialização da cultura e da economia e pela
ascensão de campos de estudos das ciências humanas, que possibilitaram
outras condições de produção do conhecimento. Assim, o antropólogo não
era mais aquele que tinha um acesso exclusivo às comunidades, às tribos
e aos povos “distintos”. Nesse sentido, Marcus e Fisher (1986) cunharam o
termo “visão do mundo de ourives” para descrever a crise da representação
Antropólogos clássicos
12
e os efeitos que ela causou na antropologia, uma vez que, agora, a disciplina
necessitava mais do que nunca entender os processos culturais de perto.
Foi aí que a antropologia, que até então tinha seu foco estritamente no
estudo das sociedades primitivas, voltou-se às sociedades mais complexas
e às nações-Estado. Isso resultou em inovações no texto etnográfico e na
forma como a diversidade cultural passou a ser pensada e tratada. Assim,
as mudanças consideradas contemporâneas na etnografia consistem em
aplicar uma metodologia que seja capaz de ter uma função estratégica nesse
contexto; detalhadamente, elas abrangem repensar a figura do antropólogo/
autor, a produção de conhecimento textual, o objeto, o leitor, a legibilidade
e a legitimidade do texto. Isso ocorre principalmente por se considerar
o processo de autocrítica antropológica (atual na disciplina), assim como
outros aspectos da prática metodológica, o que recentemente vem sendo
questionado e descontruído das mais diversas formas.
Conclui-se que a mudança gradual no campo metodológico da antropo-
logia acabou, na contemporaneidade, por colocar paralelamente o nativo e
os cidadãos, ao passo que os nativos revelam a diversidade irredutível entre
ambos. Por outro lado, ao contrário da antropologia moderna, que recons-
truía o todo para dar sentido à heterogeneidade cultural, a antropologia
contemporânea coloca para si a tarefa de considerar o ponto de vista dos
nativos e as suas experiências, a fim de o antropólogo poder representá-los.
É nesse ponto que os modos de vida trocam influências, encontram suas
semelhanças e também as criam, lutam por superioridade, por dominação,
traduzem-se e subvertem-se.
Referências
BENEDICT, R. O crisântemo e a espada. São Paulo: Perspectiva, 1988.BENEDICT, R. Padrões
de cultura. Petrópolis: Vozes, 2013. Originalmente publicado em 1934.
BOAS, F. As limitações do método comparativo da antropologia. Rio de Janeiro: Zahar,
2014.
CALDEIRA, T. P. R. A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. Novos
Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 21, p. 133–157, 1988.
COGGIOLA, O. 1968 no mundo, além da lenda. 2018. Disponível em: https://jornal.usp.
br/artigos/1968-no-mundo-alem-da-lenda/. Acesso em: 28 out. 2020.
DESCOLA, P. As duas naturezas de Lévi-Strauss. Sociologia & antropologia, Rio de
Janeiro, v. 1, n. 2, p. 35–51, 2011.
GEERTZ, C. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC,1989.
GONÇALVES, A. Sobre o conceito de cultura na antropologia. Cadernos de Estudos
Sociais, Recife, v. 25, n. 1, p. 61–74, 2010.
Antropólogos clássicos 13
HARRIS, M. The cultural ecology of India's sacred cattle. Current Anthropology, [s. l.],
v. 7, n. 1, p. 261–276, 1966.
LÉVI-STRAUSS, C. Anthropologie structurale deux. Paris: Plon, 1973.
LÉVI-STRAUSS, C. Introdução à obra de Marcel Mauss. São Paulo: Edusp, 1975. v. 2.
LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989.
LÉVI-STRAUSS, C. Structuralism and ecology. Paris: Plon, 1972.
MARCUS, G. E.; FISCHER, M. M. J. Anthropology as cultural critique: an experimental
moment in the human sciences. Chicago: University of Chicago, 1986.
PLATÃO. A república. 3. ed. Belém: EDUFPA, 2000.
SAHLINS, M. Culture and practical reason. Chicago: The University of Chicago, 1976.
Leituras recomendadas
BOAS, F. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
LÉVI-STRAUSS, C. Le triangle culinaire. Paris: L’Arc, 1965.
LÉVI-STRAUSS, C. Les structures élementaires de la parenté. Paris: Mouton et Co., 1967.
LÉVI-STRAUSS, C. Mythologiques. Paris: Plon, 1964 (Le Cru et le Cruit, v. 1).
LÉVI-STRAUSS, C. Structuralisme et empirisme. L’Homme, Paris, v. 16, n. 2–3, p. 23–38, 1976.
Antropólogos clássicos
14
Antropologia da religião

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 antropologia
Aula 1   antropologiaAula 1   antropologia
Aula 1 antropologia
Ludmila Moura
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
Fernando Augusto
 
Povos Incas
Povos IncasPovos Incas
Povos Incas
Sthefanie Vieira
 
Teocentrismo
TeocentrismoTeocentrismo
Teocentrismo
LariRodrigues
 
Período Socrático
Período SocráticoPeríodo Socrático
Período Socrático
João Paulo Azevedo
 
Mapa Antropologia
Mapa AntropologiaMapa Antropologia
Mapa Antropologia
Biosfera MS
 
Introdução às Ciências Humanas
Introdução às Ciências HumanasIntrodução às Ciências Humanas
Introdução às Ciências Humanas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
Colégio Nova Geração COC
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo cultural
Maira Conde
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
dylan costa
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Rainha Maga
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
UNICEP
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
Edenilson Morais
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
Bruno Carrasco
 
mapa antropologia
mapa antropologiamapa antropologia
mapa antropologia
ze_flavio
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
Douglas Barraqui
 

Mais procurados (20)

Aula 1 antropologia
Aula 1   antropologiaAula 1   antropologia
Aula 1 antropologia
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Povos Incas
Povos IncasPovos Incas
Povos Incas
 
Teocentrismo
TeocentrismoTeocentrismo
Teocentrismo
 
Período Socrático
Período SocráticoPeríodo Socrático
Período Socrático
 
Mapa Antropologia
Mapa AntropologiaMapa Antropologia
Mapa Antropologia
 
Introdução às Ciências Humanas
Introdução às Ciências HumanasIntrodução às Ciências Humanas
Introdução às Ciências Humanas
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo cultural
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
 
mapa antropologia
mapa antropologiamapa antropologia
mapa antropologia
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 

Semelhante a Antropologia da religião

An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...
An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...
An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...
Douglas Evangelista
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
Ricardo Albert
 
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
ceakimb
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
AdelmaFerreiradeSouz
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
Salomao Lucio Dos Santos
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2
Salomao Lucio Dos Santos
 
A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1
A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1
A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1
Camila Carolina
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &
Marcello Lemanski
 
4 antropologia missionária
4 antropologia missionária4 antropologia missionária
4 antropologia missionária
faculdadeteologica
 
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASSA CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
DomingosJunior22
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
Joao Balbi
 
Reflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígenaReflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígena
Daniel Silva
 
A escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismoA escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismo
Gisele Finatti Baraglio
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
Geani Pedrosa
 
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da AlimentaçãoSlide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
SilviaSales6
 
Slides de aulas 2 semestre de 2013
Slides de aulas   2 semestre de 2013Slides de aulas   2 semestre de 2013
Slides de aulas 2 semestre de 2013
Amanda Cardoso
 
O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...
O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...
O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...
Jerbialdo
 
Cienciassociais
CienciassociaisCienciassociais
Cienciassociais
Fabiguarapari
 
Artigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitualArtigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitual
Israel serique
 

Semelhante a Antropologia da religião (20)

An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...
An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...
An dreas hofbauer entre olhares antropológicos e perspectivas dos estudos cul...
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
 
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
 
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].pptCULTURA E IDEOLOGIA   [Salvo automaticamente].ppt
CULTURA E IDEOLOGIA [Salvo automaticamente].ppt
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
 
Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2
 
A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1
A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1
A religião-e-as-religiões-africanas-no-brasil1
 
Breve trajetória da antropologia &
Breve trajetória  da antropologia                 &Breve trajetória  da antropologia                 &
Breve trajetória da antropologia &
 
4 antropologia missionária
4 antropologia missionária4 antropologia missionária
4 antropologia missionária
 
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASSA CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
A CRÍTICA DE NIETZSCHE À CULTURA DE MASS
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
 
Reflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígenaReflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígena
 
A escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismoA escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismo
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
 
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da AlimentaçãoSlide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
 
Slides de aulas 2 semestre de 2013
Slides de aulas   2 semestre de 2013Slides de aulas   2 semestre de 2013
Slides de aulas 2 semestre de 2013
 
O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...
O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...
O Darwinismo e o Sagrado na Segunda Metade do Século XIX (Juanma Sánchez Arte...
 
Cienciassociais
CienciassociaisCienciassociais
Cienciassociais
 
Artigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitualArtigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitual
 

Mais de Salomao Lucio Dos Santos

Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileirosAntropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Salomao Lucio Dos Santos
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Salomao Lucio Dos Santos
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
Salomao Lucio Dos Santos
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
Salomao Lucio Dos Santos
 
Estudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicosEstudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Apostila revisão geral
Apostila revisão geralApostila revisão geral
Apostila revisão geral
Salomao Lucio Dos Santos
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Dinãmica
DinãmicaDinãmica

Mais de Salomao Lucio Dos Santos (11)

Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
Antropologia da religião 4 mito, rito, magia,
 
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
 
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileirosAntropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
 
Estudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicosEstudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicos
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
 
Apostila revisão geral
Apostila revisão geralApostila revisão geral
Apostila revisão geral
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
 
Dinãmica
DinãmicaDinãmica
Dinãmica
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

Antropologia da religião

  • 2. OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM > > Analisar o caminho trilhado pelos antropólogos clássicos no contexto da análise da religião. > > Descrever as teorias sobre as sociedades e as visões do mundo dos mais importantes antropólogos clássicos. > > Relacionar as teorias dos antropólogos clássicos com as teorias de outros antropólogos de sua época. Introdução A antropologia clássica, desde seu ensejo inicial, no século XIX, se defrontou com grandes problemáticas em torno da relação entre natureza e meio social. Nesse contexto, a corrente evolucionista se tornou predominante, uma vez que a história e a antropologia, de uma só vez, podiam ser pensadas de forma linear. Considerava-sequequantomaisconhecimentoumasociedade,umacomunidade ou uma tribo tinha, mais evoluída ela era. Mais tarde, Franz Boas e sua seguidora, Ruth Benedict, estabeleceram, a partir de estudos etnográficos, a relação entre determinismomentaledeterminismodomeio,parapensaraanormalidadecomo resultado de uma sociedade. Já no século XX, com Claude Lévi-Strauss, surgiu uma perspectiva multicul- turalista. O antropólogo francês revolucionou a forma como a antropologia era pensada até então quando uniu o determinismo natural ao social e cultural, sob aalegaçãodequeosujeitoéconstituídodemodomúltiplo.Posteriormente,após Antropólogos clássicos Mayara Dionizio
  • 3. umapossívelsuperaçãodaantropologiamodernista,surgiramcorrentesdiversas que pensavam a figura do antropólogo, bem como a importância do relato das experiências dos estudados. Neste capítulo, você vai compreender a leitura antropológica da religião em relação à cultura e à natureza. Você também vai verificar como os antropólogos maisconsagradoscompreenderamassociedadesequaiseramassuasrespectivas visões de mundo. Por fim, você vai estudar as diferenças entre a antropologia clássica moderna e as teorias antropológicas pós-moderna e contemporânea. A análise antropológica clássica sobre a religião Quando pensamos as sociedades ocidentais em suas estruturas fundantes, inevitavelmente encontramos fronteiras que não só dividem os saberes e as instituições, mas também os unem. É nesse hiato correlacionado que a filosofia, a história e a religião se cruzam. Mais tarde, acrescidas dos saberes sociológi- cos e antropológicos, as ciências humanas se voltaram para o indivíduo, não somente em sua individualidade, mas, antes, em sua manifestação coletiva. Nesse contexto, antes de nos aprofundarmos nos aspectos mais transdisci- plinares, cabe compreender com maior atenção a relação entre a antropologia e a história, para então delimitarmos a análise religiosa dos antropólogos clás- sicos. Se podemos pensar as sociedades ocidentais por meio de uma cronologia marcada, que nos remete ao conceito de historicidade, isso se dá também pela possibilidade de uma etnografia singular das sociedades, dos povos. Ao contrário de uma concepção evolutiva da história, a antropologia nos permite pensar a história não só como um sistema progressivo das ideias e dos sistemas filosóficos, mas antes a partir da essencialidade singular etno- gráfica de cada povo. Assim, dignifica-se a experiência comum da passagem temporal e da passagem individual do tempo. O que nos leva àquilo que nos disse Émile Durkheim sobre a sociedade: todas as sociedades constroem uma noção de tempo, contudo, elas se realizam empiricamente de acordo com a sua cultura própria. De acordo com Lévi-Strauss (1975), a diferença entre as sociedades se mostra a partir daquelas que têm história e daquelas que não tem. Isto é, há aquelas sociedades que reivindicam a mudança, e há aquelas que buscam a reiteração. Assim, essas distinções servem tão só para classificar as dife- renças culturais, ressaltando a unidade da história em suas diferenciações, segundo o antropólogo. Antropólogos clássicos 2
  • 4. Voltando para a antropologia e seu amplo arcabouço contextual, podemos dizer que a antropologia clássica, a partir do evolucionismo, se volta ao pen- samento diacrônico. Ou seja, nos primórdios do pensamento antropológico, encontrava-se uma busca fundante por apenas uma história. Nela, estariam compreendidas as distinções: na história entendida linearmente de modo comparativo, aquelas sociedades ainda ligadas ao passado ocidental em sua estruturação seriam pensadas como menos evoluídas, se comparadas às so- ciedades que evoluíram dado o acúmulo de conhecimento e desenvolvimento tecnológico. Essas sociedades tidas como menos evoluídas passavam a ser classificadas como primitivas e infantis, logo, desinteressantes ao estudo das ciências humanas de modo geral. Tal modo segregacionista de pensar a história dos povos primitivos a partir do evolucionismo passou a ser rejeitado por escolas antropológicas insurgentes. É nesse contexto que encontramos os primeiros embates acerca da disciplina de antropologia. Já no século XVIII, a partir da distinção acerca das noções de cultura — ou seja, aquela entendida como civilização, ligado ao iluminismo, ou aquela pensada de acordo com o romantismo alemão, kultur — surgiram as primeiras associações entre os conceitos de civilização e história. Se, de um lado, a cultura é aquilo que é progressivo, acumulativo e atribuído à essencialidade humana, ou ainda à sua especialidade, por outro lado, a civilização em sua abordagem também “cultural” é resultado de um processo racional atribuído somente ao ser humano. Em ambas as compreensões, encontramos o ser humano como um ser privilegiado em relação a outras espécies, e as sociedades modernas como superiores às sociedades “primitivas”. Por esse motivo, a cultura passou a ser objeto da antropologia clássica como uma via de acesso à reconstituição das origens e dos níveis de evolu- ção entre as sociedades “selvagens” e as sociedades “civilizadas”. Isso nos permite observar que a cultura pensada de forma evolucionista decorre em um etnocentrismo, em uma imposição universalista do que é o indivíduo e, por fim, lança as bases para o colonialismo. Essa retórica, ao final do século XIX, levou ao embate construtivista entre a corrente da kultur (aquela ligada à formação do espírito) e o evolucionismo, que ganhava uma enorme projeção no continente europeu. De um lado, o etnocentrismo/evolucionismo/univer- salismo, e de outro, o relativismo, que defendia o não universal. Nesse contexto se deu o marco para o surgimento da antropologia estadu- nidense, com a publicação do antropólogo Boas (2014): As limitações do método comparativo em antropologia social. No texto, Boas (2014) argumenta que a cultura deve ser pensada em sua particularidade, o que o liga diretamente Antropólogos clássicos 3
  • 5. à corrente da kultur. Boas (2014) entende, a partir de seus estudos acerca da distribuição espacial dos mitos do povos ameríndios da América do Norte, que a cultura é composta por elementos que são frutos de um processo histórico em que se relaciona o intercâmbio entre os povos e, por isso, trata-se de um processo de constante transformação cultural. Isso implica também na análise sobre o fenômeno religioso: uma vez que a cultura é composta também a partir da difusão cultural, ela não tem uma origem comum, como argumentavam os evolucionistas. As instituições, a organização social e espacial e, acentuadamente, a religião são resultados de diversos processos históricos. Para tanto, Boas exemplifica sua teoria a partir da reflexão sobre tribos primitivas organizadas em clãs totêmicos, que têm formulações totalmente distintas entre si, portanto, não advêm de uma origem idêntica psíquica de tribos distintas. Isto é, apesar de uma predisposição psíquica, cada tribo se desenvolve de forma singular, de acordo com o seu processo histórico. Nesse contexto, a partir da obra de Benedict (2013) — seguidora da antropologia boasiana — intitulada Padrões de cultura, publicada origi- nalmente em 1934, sobre a cultura do Novo México, os Dobu da Nova Guiné e os Kwatiutl da Columbia Britânica, podemos compreender os padrões culturais em sua relação com a sociedade. Para Benedict (2013), é a socie- dade mesma que acaba legitimando a integração social e a validade de suas instituições. É por esse motivo que Benedict (2013) argumenta que os desviantes são reprimidos socialmente e institucionalmente e usa como exemplo a experiência com o uso de entorpecentes. Em muitas sociedades, são aceitos rituais em que é feito o uso de substâncias entorpecentes, a fim de se atingir um estado transcendente; contudo, em grande parte da sociedade ocidental, o uso dessas substâncias não é aceito, mesmo em condições culturais e religiosas. Em 1944, Benedict realizou um estudo antropológico, a pedido do governo norte-americano, sobre os padrões culturais japoneses es- tabelecido após a Segunda Guerra Mundial. Isso se deu muito pelo interesse sobre a lógica do comportamento dos soldados japoneses durante a guerra: demonstravam orientação, determinação e disciplina mesmo quando se encontravam em desvantagem. Benedict concluiu que o comportamento dos japoneses estava ligado aos padrões culturais peneirados socialmente e reforçados institucionalmente. Curiosamente, nesse sentido, comparados culturalmente ao exército norte-americano, Antropólogos clássicos 4
  • 6. os japoneses estavam em busca da afirmar seu lugar como superiores aos demais, enquanto os norte-americanos lutavam por valores como liberdade e democracia. Por esse motivo, Benedict chegou à constatação de que há relação entre a cultura e a estrutura psíquica: “[...] esta relação é recíproca e tão íntima que não se pode tratar de padrões culturais sem considerar especificamente as relações destes com a psicologia do indivíduo [...]” (BENEDICT, 1988, p. 12). Portanto, é a partir desses padrões culturais selecionados e reforçados institucionalmente que podemos compreender a cultura também pelo que dela difere. Assim, as condutas tidas como “desviantes” são o que possibilita o olhar sobre o que padroniza. Para Benedict (1988), essa padronização revela que a sociedade é tão predominante e busca se manter dentro de sua própria estrutura que aqueles que são considerados “anormais” não são admitidos. É nesse hiato entre a cultura e a disposição psíquica que encontramos a noção de louco. Isto é, os conceitos de louco e normal, ou, no sentido foucaul- tiano, razoado e desarrazoado, são pensados como uma construção cultural. Por exemplo, Benedict (1988) trata sobre a questão de como as sociedades ocidentais entendem a homossexualidade: nas sociedades capitalistas, os homossexuais são considerados como anormais; já em outras sociedades, a homossexualidade é valorizada. Nesse contexto, podemos citar a compreensão platônica acerca da sexualidade na República (PLATÃO, 2000), em que o amor sexual entre homens é valorizado, pois é entendido como o amor entre iguais superiores hierarquicamente. Conclui-se que as relações entre cultura e predisposição psíquica são inter-relacionadas. Assim, a sociedade, desde o surgimento da an- tropologia, vem sendo pensada a partir dessas relações. Franz Boas foi o responsável por inaugurar essa forma “neoevolucionista” de pensar a antropologia, que, por conseguinte, foi aprofundada por Ruth Benedict, sua seguidora. Essas noções sobre a cultura e a psiquiatria que levaram ao reconhecimento de uma cultura dos desviantes possibilitou a reflexão acerca das questões de gênero e da cultura de forma ampla. Fruto desses estudos antropológicos e etnográficos, em 1960, surgiu o movimento pós-moderno, que também influenciou diversos movimentos insurgentes das minorias (Figura 1), considerados como rupturas culturais e psíquicas, nas quais se insere a crítica aos discursos religiosos considerados como conservadores da ordem até então vigente. Antropólogos clássicos 5
  • 7. Figura 1. Jornadas estudantis em maio de 1968, na França — um movimento de contraluta, que lutava contra o conservadorismo e os padrões culturais da sociedade francesa. Fonte: Cros (2000? apud COGGIOLA, 2018, documento on-line). As sociedades e as visões do mundo dos mais importantes antropólogos clássicos A obra do antropólogo Claude Lévi-Strauss se tornou fundamentalmente norteadora na esfera antropológica. Entre os pensadores mais caros a essa tradição, Lévi-Strauss revolucionou a forma de pensar a sociedade a partir da relação entre natureza e cultura. Nesse sentido, mais do que uma sepa- ração ou junção entre esses campos, a antropologia straussiana de dedicou a refletir sobre o que vincula esses campos no contexto social e formativo. Desde o final do século XIX, a antropologia se manteve às voltas com a pressuposição de uma unidade humana em que não se consideravam as teorias e diversidades culturais, muito menos os dados empíricos ou dialéticos ou ainda as identidades e diferenciações. A questão que se colocou à antropologia nesse sentido é: de que forma as diferenciações vinculantes ou irruptivas se transformam no campo da cultura e da psique? Lévi-Strauss (1973) entende que essa vinculação, além de fundamentar o problema estrutural da antropologia, também caracteriza e define o que ele entende como campo da etnologia. Segundo o filósofo contemporâneo Descola (2011, p. 35), “[...] ninguém duvida que o século XX, em antropologia, ficará como o século de Lévi-Strauss, a tal ponto suas ideias, mesmo quando rejeitadas, marcaram vigorosamente Antropólogos clássicos 6
  • 8. o conceito que se tem dessa ciência, de seu objeto e de seus métodos [...]”. Nesse contexto, convém ressaltar por quais vias a antropologia straussiana marcou fortemente o pensamento antropológico: 1. a relação entre continuidade e descontinuidade no que compete à natureza e à cultura; 2. as relações estruturais entre cultura e natureza, ou, ainda, entre espírito e determinações ecológicas. Analisaremos o que nos diz Lévi-Strauss sobre essas estruturas a partir de sua conferência intitulada Structuralism and ecology, que ocorreu em 1972, nos Estados Unidos. Nessa conferência, o antropólogo explicitou o papel da junção entre o espírito e a ecologia na operação estrutural do sistema social e psíquico. Ou seja, Lévi-Strauss defendia que a seleção feita socialmente em torno de um significante não é um processo puramente natural. A partir da obra O pensamento selvagem, também de Lévi-Strauss (1989), podemos compreender como as culturas, tanto animais quanto vegetais, demonstram aleatoriedade simbólica entre si: trata-se, portanto, de carac- terísticas distintas presentes nas mesmas espécies ou reinos em sua função simbólica. Assim, a arbitrariedade fundamental que define os traços dessas espécies se organiza em decorrência das transformações das regras que até outrora eram predominantes. Esse percurso percorrido pelo antropólogo tem em vista compreender como os mitos oriundos de tribos, em especial aquelas mais próximas, são utilizados e têm suas funções simbólicas distintas no que compete às suas relações com a natureza. Dito de outro modo, Lévi-Strauss (1989) compreende que, nas tribos, os mitos são os mesmos, por muitas vezes, mas se estruturam em relação à natureza de formas distintas entre as tribos. Tais afirmações de Lévi-Strauss (1989) geraram conflitos com os materia- listas norte-americanos. No caso em questão, a controvérsia se deu com o professor de ecologia cultural Marvin Harris. Para Harris (1966), a antropologia estrutural se encontrava fundamentada em um naturalismo radical, isto é, em um determinismo geográfico. Ao pensar as transformações culturais, Lévi- -Strauss (1989) teria vinculado a ecologia e a cultura a partir das disposições geográficas das tribos e das espécies. O que traz à luz o caráter condicionante da leitura straussiana: a cultura seria resultado também das relações empí- ricas estabelecidas a partir de uma estrutura orgânica. Descola (2011, p. 37) vê nessa querela entre os estudiosos a disputa entre um programa científico de caráter dualista e uma epistemologia monista, dizendo respeito: Antropólogos clássicos 7
  • 9. [...] à etnografia, assistida pela história e pela tecnologia, o estudo da base material das sociedades; à antropologia estrutural, o estudo das ideologias — e uma teoria do conhecimento decididamente monista, visto que ela considera o espírito dando sentido ao mundo como parte e produto desse mesmo mundo. De acordo com Lévi-Strauss (1989), não poderíamos compreender o sujeito a partir de uma separação desvinculante entre cultura e psique, matéria e espírito, mas tão só a partir da vida social pensada por determinismos com- plementares. O que nos leva a pensar a sociedade como uma junção entre o determinismo econômico — aquele que se coloca de forma coercitiva na vida do sujeito, exigindo dele uma ação tecnoeconômica — e o determinismo de funcionamento, que exige formas de ação inerentes ao sujeito. Esses deter- minismos exigem do antropólogo o conhecimento tanto sobre propriedades objetivas em relação aos objetos naturais quanto sobre a ecologia de uma sociedade. Isso implica os seguintes aspectos: „ „ primeiro, conhecendo os objetos naturais, pode-se compreender melhor a seleção social em torno de um significante (seja o mito, a religião, entre outros significantes); „ „ em segundo lugar, conhecendo a ecologia social, pode-se compreender a produção ideológica de uma sociedade, ou seja, a forma como ela dispõe e organiza os seus pensamentos. Assim, segundo Lévi-Strauss (1989), existe uma simetria entre os deter- minismos, o mental e o do meio. Contudo, o determinismo do meio é consi- derado pelo antropólogo como inferior hierarquicamente; isso porque é no material da realidade que encontramos a matéria-prima para aquilo que vai se tornar miticamente um significante. O que significa que Lévi-Strauss não rejeita totalmente o materialismo, mas não o considera tão determinante para além de meramente produto da atividade simbólica. Trata-se, assim, de uma afinidade que é capaz de unir o mental e o meio. Portanto, os dados imediatos não são: [...] uma espécie de cópia autêntica dos objetos apreendidos, mas consistem em propriedades distintivas, abstraídas do real por mecanismos de codificação e de decodificação inscritos no sistema nervoso e que funcionam por meio de oposições binárias: contraste entre movimento e imobilidade, presença ou ausência de cor, diferenças de contorno dos objetos (LÉVI-STRAUSS, 1976 apud DESCOLA, 2011, p. 39). Antropólogos clássicos 8
  • 10. Para além da obra straussiana, outro pensador que se dedicou a pensar sobre a sociedade e a sua vinculação com a cultura e a natureza foi Marshall Sahlins, participante e fundador da Escola de Cultura e Personalidade, que surgiu em meados da década de 1940 e tinha como principal característica a oposição ao particularismo histórico alemão. Sahlins, nesse contexto, foi responsável por retomar o conceito de evolucionismo aliado à questão cultural, juntamente com Leslie White. A obra de Sahlins é dividida em dois grandes marcos: primeiramente, têm-se a fase de juventude de viés estrita- mente neoevolucionista; posteriormente, tal noção é associada às relações de produção no contexto tecnológico insurgente (SAHLINS, 1976). Entre os anos de 1954 e 1955, Sahlins realizou uma pesquisa de campo em algumas comunidades do Pacífico e pôde, a partir de então, analisar suas hipóteses evolucionistas de caráter marxista. Assim, a evolução das comunidades era analisada de acordo com as suas hierarquias, que, por sua vez, se dividiam em dois eixos de análise (SAHLINS, 1976): „ „ a matéria da qual a sociedade/comunidade dispõe (incluindo o avanço tecnológico); „ „ como o poder é distribuído entre os membros. Portanto, a ênfase do estudo foi dada à questão econômica e à organização política. Sahlins chegou à conclusão de que o fator mais determinante nessa co- munidade estava ligado à questão material. Ou seja, o desenvolvimento político se encontrava pautado, ritmado pelo progresso tecnológico. Ao se desenvolver uma tecnologia, a economia se desenvolvia com vistas a esse progresso, o que acabava por determinar a distribuição de poderes políticos (SAHLINS, 1976). Já em 1960, Sahlins reelaborou seus posicionamentos em razão do evo- lucionismo e acabou por adotar uma visão mais perspectivista e, portanto, culturalista. Isso decorreu dos diálogos insurgentes no cenário acadêmico entre o estruturalismo francês e o materialismo histórico. Em 1976, Sahlins publicou Cultura e razão prática; nessa obra, o autor apresenta uma análise cultural do Ocidente e o processo de produção capitalista enquanto simbólico. Concluiu-se que os objetos produzidos pelas sociedades ocidentais não têm apenas uma utilidade prática, mas também uma função simbólica, o que levou Sahlins a entender que o esquema simbólico é a real finalidade dos objetos produzidos. De acordo com Gonçalves (2010), os produtos vendidos, antes de determinarem os seus valores em si, determinam o valor econômico daquele Antropólogos clássicos 9
  • 11. que compra, daquela relação de compra. Por fim, Sahlins (1976) concluiu que a produção capitalista só se realiza a partir dos objetos produzidos por meio de uma mediação simbólica — trata-se, antes de tudo, de um projeto cultural determinante. Os antropólogos clássicos e os antropólogos contemporâneos Ao tratarmos das teorias antropológicas clássicas e das teorias contemporâ- neas, tratamos também de uma série de tendências metodológicas e teóricas que marcam constantes mudanças na disciplina de antropologia desde seu surgimento, no século XX. Contudo, foi a crítica americana sobre os modelos de pesquisa e abordagem antropológica que acarretou um deslocamento no modo como se pensava a disciplina até então. Existem duas abordagens mais referidas a esse período: a abordagem interpretativa, representada forte- mente por Clifford Geertz nos anos 1970, e as perspectivas pós-modernas, que partem da abordagem etnográfica. Ambas as formas de pensar e aplicar a antropologia, em um sentido metodológico, se desenvolveram e possibili- taram a antropologia tal como vemos hoje, por um viés mais perspectivista. A abordagem de Geertz (1989) argumentava em função da interpretação das culturas como um conjunto de textos. Para tanto, a metodologia se fundamentava em um modelo de leitura contextual, o que trazia para a antropologia uma possibilidade diferente daquela da vivência sob argu- mento de autoridade. Ou seja, sendo a antropologia um estudo científico, era necessário que os estudos apresentassem mais dados do que aqueles somente autorreferenciados pela experiência — o que se traduz na contem- poraneidade (a partir do identitarismo) como a autoridade do “lugar de fala”. A antropologia interpretativa conseguia, assim, analisar as culturas como texto em detrimento da autoridade etnográfica, o que tornou possível a desmistificação e o questionamento acerca das descrições etnográficas e, por outro lado, o estabelecimento de um rigor maior. Dessa forma, ao mesmo tempo que Geertz (1989) rompe com o modelo clássico, também questiona o processo de interpretação, pois entende que a cultura observada é separada do antropólogo que a interpreta. Nos anos 1980, influenciadas pela antropologia interpretativa, várias perspectivas pós-modernas surgiram e passaram a apresentar formas me- todológicas de pesquisa e texto. Metodologias baseadas na produção de textos dialógicos, testemunhais e polifônicos ganharam espaço nas discus- Antropólogos clássicos 10
  • 12. sões acadêmicas. Ao mesmo tempo, os críticos ao positivismo científico, ao empirismo e ao reducionismo passaram a insinuar que a antropologia deveria abandonar essas abordagens e assumir uma postura humanista e parcial no que se refere às análises culturais. Nesse contexto, a antropologia se abriu totalmente ao empreendimento geertziano de uma análise que considera a cultura como texto e começou a reconhecer a autoridade científica e etnográfica a partir da crise da repre- sentação. Cabe ressaltar que esse movimento de crise da representação consiste no reconhecimento dos limites da linguagem, no sentido de uma apreensão do ser pela palavra. Essa foi a temática central para os movimentos estruturalistas e pós-estruturalistas franceses. Assim, os teóricos da segunda metade do século XX passaram a analisar o texto a partir de seu contexto estrutural, o que compreende o importante conceito derridiano de desconstrução. Ou seja, decompõe-se a estrutura para melhor compreendê-la. Tal movimento filosófico estabeleceu relações com todas as áreas das ciências humanas, em especial a antropologia. Isso levou a antropologia a experimentar estilos distintos que passavam por dialetos e, até mesmo, interpretações idiossincráticas. Você sabe o que significa o termo “desconstrução”, cunhado primeira- mente pelo filósofo franco-argelino Jacques Derrida? Trata-se de um conceito elaborado como uma crítica aos conceitos filosóficos que apresentam uma pressuposição sem levar em consideração a estrutura. Dito de outro modo, Derrida era associado ao movimento francês pós-estruturalista, o que significa que o seu pensamento filosófico se debruçava sobre a investigação das estruturas. Nesse sentido, o conceito de desconstrução leva em consideração a estrutura que compõe o objeto de análise. Assim, mais do que uma crítica expressa à ideia de objetos não analisados em sua estrutura, a desconstrução derridiana busca desmontar, decompor, desconstruir os elementos de um texto, da escrita. Podemos dizer que a crise da representação possibilitou a abertura in- clusive para abordagens tidas como mais moderadas e que buscavam uma “verdade etnográfica”, ou aquelas que estipulavam a impossibilidade de estabelecer uma objetividade a partir de um contato subjetivo. Tais tendências transparecem como a antropologia assumiu, a partir de Geertz (1989), uma abordagem mais crítica, dialógica e polissêmica, uma vez que foi com o pós- -modernismo que a desconstrução dos textos etnográficos se fez possível, contrariando a abordagem mais clássica, em que as etnografias dos cânones da antropologia eram indiscutíveis. Antropólogos clássicos 11
  • 13. Resta-nos delimitar mais precisamente o modernismo antropológico, para, de fato, entendermos com maior propriedade a ressignificação da disciplina. Ao contrário de outras disciplinas das ciências humanas — a título de ilustração, as ciências sociais em que faz parte da análise a ausência do pesquisador da “cena”, no sentido freudiano do termo —, na antropologia, é fundamental a presença do antropólogo no trabalho de campo — ou seja, também no texto etnográfico. Portanto, o antropólogo é aquele que mede os universos culturais, fazendo-os se conhecerem, ainda que seja por meio de seus olhos. De acordo com Caldeira (1988), o antropólogo em cena exige uma ambi- guidade, pois ele é tanto quem revela uma realidade quanto aquele que se ausenta, tentando garantir a objetividade do estudo. Para Geertz (1989, p. 94), a presença do antropólogo, sobretudo nos textos, deve ser compreendida a partir das “[...] peculiaridades de uma curiosa estratégia de construção textual [...]”, o que pode ser verificado, segundo Geertz (1989), nas heterogeneidades presentes nas discursividades de Bronisław Malinowski, E. E. Evans-Pritchard e Claude Lévi-Strauss, por exemplo. Nesse contexto, podemos identificar em Malinowski, ilustrativamente, a legitimação da figura profissional do antropólogo, que se dá por meio de uma abordagem antropológica que propõe a observação participante. Cabe res- saltar que foi essa abordagem que garantiu à antropologia o status científico e causou a ruptura com o pensamento preponderantemente evolucionista do século XIX. Até esta feita, os antropólogos eram aqueles que, fechados em suas salas, colecionavam tesouros etnográficos do mundo todo e, com isso, construíam narrativas acerca da história da humanidade. Foi com Malinowski que a etnografia se fez presente na antropologia enquanto metodologia que possibilitava a descrição e a tradução dos costumes de um povo. A produção de conhecimento antropológico passou a ter como objeto de estudo, se podemos assim dizer, o estudo dos povos coloniais. De acordo com Geertz (1989), tratava-se de um processo em que se colocava tudo para dentro, e a etnografia possibilitava que o antropólogo colocasse para fora, para a prosa. Contudo, o século XX trouxe outras contextualizações do mundo ocidental. Ocorreu de forma mais aprofundada o processo de descolonização dos paí- ses colonizados, muito pela mundialização da cultura e da economia e pela ascensão de campos de estudos das ciências humanas, que possibilitaram outras condições de produção do conhecimento. Assim, o antropólogo não era mais aquele que tinha um acesso exclusivo às comunidades, às tribos e aos povos “distintos”. Nesse sentido, Marcus e Fisher (1986) cunharam o termo “visão do mundo de ourives” para descrever a crise da representação Antropólogos clássicos 12
  • 14. e os efeitos que ela causou na antropologia, uma vez que, agora, a disciplina necessitava mais do que nunca entender os processos culturais de perto. Foi aí que a antropologia, que até então tinha seu foco estritamente no estudo das sociedades primitivas, voltou-se às sociedades mais complexas e às nações-Estado. Isso resultou em inovações no texto etnográfico e na forma como a diversidade cultural passou a ser pensada e tratada. Assim, as mudanças consideradas contemporâneas na etnografia consistem em aplicar uma metodologia que seja capaz de ter uma função estratégica nesse contexto; detalhadamente, elas abrangem repensar a figura do antropólogo/ autor, a produção de conhecimento textual, o objeto, o leitor, a legibilidade e a legitimidade do texto. Isso ocorre principalmente por se considerar o processo de autocrítica antropológica (atual na disciplina), assim como outros aspectos da prática metodológica, o que recentemente vem sendo questionado e descontruído das mais diversas formas. Conclui-se que a mudança gradual no campo metodológico da antropo- logia acabou, na contemporaneidade, por colocar paralelamente o nativo e os cidadãos, ao passo que os nativos revelam a diversidade irredutível entre ambos. Por outro lado, ao contrário da antropologia moderna, que recons- truía o todo para dar sentido à heterogeneidade cultural, a antropologia contemporânea coloca para si a tarefa de considerar o ponto de vista dos nativos e as suas experiências, a fim de o antropólogo poder representá-los. É nesse ponto que os modos de vida trocam influências, encontram suas semelhanças e também as criam, lutam por superioridade, por dominação, traduzem-se e subvertem-se. Referências BENEDICT, R. O crisântemo e a espada. São Paulo: Perspectiva, 1988.BENEDICT, R. Padrões de cultura. Petrópolis: Vozes, 2013. Originalmente publicado em 1934. BOAS, F. As limitações do método comparativo da antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. CALDEIRA, T. P. R. A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 21, p. 133–157, 1988. COGGIOLA, O. 1968 no mundo, além da lenda. 2018. Disponível em: https://jornal.usp. br/artigos/1968-no-mundo-alem-da-lenda/. Acesso em: 28 out. 2020. DESCOLA, P. As duas naturezas de Lévi-Strauss. Sociologia & antropologia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 35–51, 2011. GEERTZ, C. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC,1989. GONÇALVES, A. Sobre o conceito de cultura na antropologia. Cadernos de Estudos Sociais, Recife, v. 25, n. 1, p. 61–74, 2010. Antropólogos clássicos 13
  • 15. HARRIS, M. The cultural ecology of India's sacred cattle. Current Anthropology, [s. l.], v. 7, n. 1, p. 261–276, 1966. LÉVI-STRAUSS, C. Anthropologie structurale deux. Paris: Plon, 1973. LÉVI-STRAUSS, C. Introdução à obra de Marcel Mauss. São Paulo: Edusp, 1975. v. 2. LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989. LÉVI-STRAUSS, C. Structuralism and ecology. Paris: Plon, 1972. MARCUS, G. E.; FISCHER, M. M. J. Anthropology as cultural critique: an experimental moment in the human sciences. Chicago: University of Chicago, 1986. PLATÃO. A república. 3. ed. Belém: EDUFPA, 2000. SAHLINS, M. Culture and practical reason. Chicago: The University of Chicago, 1976. Leituras recomendadas BOAS, F. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004. LÉVI-STRAUSS, C. Le triangle culinaire. Paris: L’Arc, 1965. LÉVI-STRAUSS, C. Les structures élementaires de la parenté. Paris: Mouton et Co., 1967. LÉVI-STRAUSS, C. Mythologiques. Paris: Plon, 1964 (Le Cru et le Cruit, v. 1). LÉVI-STRAUSS, C. Structuralisme et empirisme. L’Homme, Paris, v. 16, n. 2–3, p. 23–38, 1976. Antropólogos clássicos 14