SlideShare uma empresa Scribd logo
INSPEÇÃO
ANTE-MORTEM




              AVES
Inspeção Ante mortem

 Exame visual dos lotes de aves destinadas ao
  abate feito pelo Médico Veterinário
  (encarregado da Inspeção Federal)
Objetivos da inspeção Ante
           mortem
 Evitar o abate de animais que não estejam
  enquadrados no limite de 6 a 8 horas de jejum.
 Através do Boletim Sanitário, ter conhecimento
  do lote, para poder distinguir se há alguma ave
  que necessite de matança de emergência
  imediata.
 Detectar doença que não seja possível a
  identificação no exame post mortem
Objetivos da inspeção Ante
mortem
 Identificar os lotes que possam, por algum
    problema, dificultar a rotina de abate,
    exigindo um exame mais minucioso.

 Identificar os lotes que utilizaram
    antibioticos, pois estes podem deixar
    residuos na carne.

Alguns antibióticos
Necropsia

 Cabe ao veterinário responsável observar na
  recepção do lote, e caso seja preciso, é de
  obrigatoriedade haver uma sala de necropsia.

 A seção de necropsia deve dispor de
  equipamentos e utensílios necessários para a
  finalidade
Necropsia em ave




 Foto: http://easybreeding.blogspot.com/2009/05/fotos-necropsia-
 en-aves_16.html
Necropsia

 Quando a área de necropsia for próxima a
  plataforma de inspeção ante mortem, a mesma
  deve ser bem isolada para evitar a interferência
  no fluxograma da industria e na recepção das
  aves.

 As aves necropsiadas tem como destino a
  incinerãção .

 Forno crematório deve ser isolado da industria,
  devendo ser próximo a graxaria.
Incinerador e forno
crematório
Exemplo de      Exemplo de
incinerador     forno
                crematório




                http://www.necropolis.pt/5038/index.html?*s
                ession*id*key*=*session*id*val*
Dados a serem enviados a
inspeção federal
 Devem ser enviados para a Inspeção Federal a
  notificação de abate e boletim sanitário, que deve
  conter as seguintes informações:
   Procedência das aves, constando o nome e endereço da
      granja produtora e o número do lote ou galpão;
     Nº de aves (inicial e final);
      Doenças detectadas no lote;
     Tipo de tratamento a que o lote foi submetido,
      especificando o agente terapêutico usado e duração do
      tratamento;
     Data de suspensão de ração com antibiótico e/ou
      coccidiostáticos; Data e hora de retirada de alimentação;
   Outros dados julgados necessários;
   Assinatura do Médico Veterinário responsável pelo plantel.
Exemplo de boletim sanitário
Matança mediata e imediata

 Os animais portadores de doenças que
  necessitam de Matança de Emergência
  Mediata, devem ser abatidos no final da
  matança normal.
 Quando há a necessidade de matança
  imediata, cuidados e atenções deverão ser
  dobrados e caso preciso após esse abate
  tomar medidas higiênicas e sanitárias, e caso
  necessário a desinfecção.
Zoonoses

 Quando for comprovadamente detectadas
 aves com zoonoses, o médico veterinário, só
 poderá autorizar o sacrifício ao final da
 matança, se forem atendidas as exigências do
 órgão oficial de Defesa Sanitária.
Tratemento medicamentoso e
transporte
 Aves que fizeram tratamento com
  medicamentos deve ser respeitado um certo
  período entre a suspensão da aplicação e o
  abate.

 Deve ser observado as condições de
  transporte das aves vivas, com foco para a
  lotação das gaiolas.
Transporte das aves
  Caminhão transportador
                                                           Modelo de gaiola




http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/A   http://www.logismarket.ind.br/caixaplast/gaiola-para-
ve/SistemaProducaoFrangosCorteColoniais/preparo.htm        aves-vivas-para-transporte/1727639456-1357231164-
                                                           p.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeasFisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeas
José Alcides C M Ribeiro
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
Pelo Siro
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Killer Max
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
Raquel Jóia
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdfAULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
Aldrin83
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
Daniel Jovana Joaquim
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
LarissaFerreira258
 
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
RodrigoMenck2
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
garciagotaeficiente
 
Inspeção Sanitaria
Inspeção SanitariaInspeção Sanitaria
Inspeção Sanitaria
Jarbas Franco
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Killer Max
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoMastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Leonardo Gravina
 
AULA Introdução Zootecnia Bruno
AULA Introdução Zootecnia Bruno AULA Introdução Zootecnia Bruno
AULA Introdução Zootecnia Bruno
JulioGarcia972475
 
Manejo de leitões 2
Manejo de leitões 2Manejo de leitões 2
Manejo de leitões 2
Marília Gomes
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
gepaunipampa
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
RodrigoMenck2
 
Abate animal
Abate animalAbate animal
Abate animal
Weslley Sanjes
 

Mais procurados (20)

Fisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeasFisiologia da reprodução - fêmeas
Fisiologia da reprodução - fêmeas
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdfAULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
2 - TAXONOMIA ZOOTÉCNICA.pdf
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Inspeção Sanitaria
Inspeção SanitariaInspeção Sanitaria
Inspeção Sanitaria
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevençãoMastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção
 
AULA Introdução Zootecnia Bruno
AULA Introdução Zootecnia Bruno AULA Introdução Zootecnia Bruno
AULA Introdução Zootecnia Bruno
 
Manejo de leitões 2
Manejo de leitões 2Manejo de leitões 2
Manejo de leitões 2
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
 
Abate animal
Abate animalAbate animal
Abate animal
 

Destaque

Art 186-Ictericia \ Inspecao veterinaria
Art 186-Ictericia \ Inspecao veterinariaArt 186-Ictericia \ Inspecao veterinaria
Art 186-Ictericia \ Inspecao veterinaria
Maira Veruska
 
Abate de bovinos -
Abate de bovinos - Abate de bovinos -
Abate de bovinos -
Tiago Faisca
 
Sacrificio de aves de producción
Sacrificio de aves de producción Sacrificio de aves de producción
Sacrificio de aves de producción
Janitzin Herrera
 
FAENAMIENTO DE POLLOS ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZ
FAENAMIENTO DE POLLOS  ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZFAENAMIENTO DE POLLOS  ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZ
FAENAMIENTO DE POLLOS ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZ
Anita Belén
 
Inspeccion de pollos en matadero
Inspeccion de pollos en mataderoInspeccion de pollos en matadero
Inspeccion de pollos en matadero
Liz Santisteban
 
Crematório, Medellín, Colômbia
Crematório, Medellín, ColômbiaCrematório, Medellín, Colômbia
Crematório, Medellín, Colômbia
Ítalo Fernandes
 
INCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANA
INCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANAINCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANA
INCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANA
mncr catadores
 
Platelmintos verminoses
Platelmintos verminosesPlatelmintos verminoses
Platelmintos verminoses
Joao Moreira
 
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucroManejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Fabio Nunes
 
Classificação nr36
Classificação nr36Classificação nr36
Classificação nr36
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Riispoa
RiispoaRiispoa
inspeccion post mortem
inspeccion post mortem inspeccion post mortem
inspeccion post mortem
Kit Cisneros Fdez
 
Adequação ambiental dos postos de revenda de combustíveis
Adequação ambiental dos postos de revenda de combustíveisAdequação ambiental dos postos de revenda de combustíveis
Adequação ambiental dos postos de revenda de combustíveis
Portal Brasil Postos
 
Inocuidad en los Procesos Cárnicos
Inocuidad en los Procesos CárnicosInocuidad en los Procesos Cárnicos
Inocuidad en los Procesos Cárnicos
usapeec_mexico
 
Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2
UFPEL
 
Aula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações CadavéricasAula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações Cadavéricas
Raimundo Tostes
 
Certificación tipo inspección federal (TIF)
Certificación tipo inspección federal (TIF)Certificación tipo inspección federal (TIF)
Certificación tipo inspección federal (TIF)
usapeec_mexico
 
Sistema respiratorio aves
Sistema respiratorio avesSistema respiratorio aves
Sistema respiratorio aves
Luz Da M C
 
Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2
Bhanny2
 
Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual - Clóvis...
Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual -  Clóvis...Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual -  Clóvis...
Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual - Clóvis...
Sistema FIEB
 

Destaque (20)

Art 186-Ictericia \ Inspecao veterinaria
Art 186-Ictericia \ Inspecao veterinariaArt 186-Ictericia \ Inspecao veterinaria
Art 186-Ictericia \ Inspecao veterinaria
 
Abate de bovinos -
Abate de bovinos - Abate de bovinos -
Abate de bovinos -
 
Sacrificio de aves de producción
Sacrificio de aves de producción Sacrificio de aves de producción
Sacrificio de aves de producción
 
FAENAMIENTO DE POLLOS ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZ
FAENAMIENTO DE POLLOS  ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZFAENAMIENTO DE POLLOS  ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZ
FAENAMIENTO DE POLLOS ANA BELÉN CHIFLA Y CARINA NÚÑEZ
 
Inspeccion de pollos en matadero
Inspeccion de pollos en mataderoInspeccion de pollos en matadero
Inspeccion de pollos en matadero
 
Crematório, Medellín, Colômbia
Crematório, Medellín, ColômbiaCrematório, Medellín, Colômbia
Crematório, Medellín, Colômbia
 
INCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANA
INCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANAINCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANA
INCINERAÇÃO E SAÚDE HUMANA
 
Platelmintos verminoses
Platelmintos verminosesPlatelmintos verminoses
Platelmintos verminoses
 
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucroManejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
 
Classificação nr36
Classificação nr36Classificação nr36
Classificação nr36
 
Riispoa
RiispoaRiispoa
Riispoa
 
inspeccion post mortem
inspeccion post mortem inspeccion post mortem
inspeccion post mortem
 
Adequação ambiental dos postos de revenda de combustíveis
Adequação ambiental dos postos de revenda de combustíveisAdequação ambiental dos postos de revenda de combustíveis
Adequação ambiental dos postos de revenda de combustíveis
 
Inocuidad en los Procesos Cárnicos
Inocuidad en los Procesos CárnicosInocuidad en los Procesos Cárnicos
Inocuidad en los Procesos Cárnicos
 
Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2
 
Aula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações CadavéricasAula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações Cadavéricas
 
Certificación tipo inspección federal (TIF)
Certificación tipo inspección federal (TIF)Certificación tipo inspección federal (TIF)
Certificación tipo inspección federal (TIF)
 
Sistema respiratorio aves
Sistema respiratorio avesSistema respiratorio aves
Sistema respiratorio aves
 
Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2
 
Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual - Clóvis...
Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual -  Clóvis...Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual -  Clóvis...
Principais Normas Regulamentadoras – NRs em revisão & estágio atual - Clóvis...
 

Semelhante a Ante morten

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptx
BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptxBIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptx
BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptx
Brunoaguiar97
 
Anexo Portaria 399 2009
Anexo Portaria 399 2009Anexo Portaria 399 2009
Anexo Portaria 399 2009
BeefPoint
 
Resolução CFMV
Resolução CFMVResolução CFMV
Resolução CFMV
RaquelMariaCury
 
Esclarecimento nº 6 controlo de animais vivos
Esclarecimento nº 6   controlo de animais vivosEsclarecimento nº 6   controlo de animais vivos
Esclarecimento nº 6 controlo de animais vivos
PM24
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
Maira Veruska
 
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
RaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadilRaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
Vinicius Ramos
 
Ficha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdfFicha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdf
RuiMota29
 
Certificação Carne de aves
Certificação Carne de avesCertificação Carne de aves
Certificação Carne de aves
Nayara Michelle
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo
 
Apresentação .pdf
Apresentação .pdfApresentação .pdf
Apresentação .pdf
anat67
 
AULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdf
AULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdfAULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdf
AULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdf
Aldrin83
 
Mpb animal
Mpb animalMpb animal
Mpb animal
RaquelTorres119
 
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Kayo Alves Figueiredo
 
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Alisson Rios
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Manual_Suinos_BEA_CAP.pdf
Manual_Suinos_BEA_CAP.pdfManual_Suinos_BEA_CAP.pdf
Manual_Suinos_BEA_CAP.pdf
Maria Silva
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
anarosapovoa
 
Violencia animal
Violencia animalViolencia animal
Violencia animal
laercio221
 
Processamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJ
Processamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJProcessamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJ
Processamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJ
João Felix
 
Coelho
CoelhoCoelho
Coelho
Evelyn Golin
 

Semelhante a Ante morten (20)

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptx
BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptxBIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptx
BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA.pptx
 
Anexo Portaria 399 2009
Anexo Portaria 399 2009Anexo Portaria 399 2009
Anexo Portaria 399 2009
 
Resolução CFMV
Resolução CFMVResolução CFMV
Resolução CFMV
 
Esclarecimento nº 6 controlo de animais vivos
Esclarecimento nº 6   controlo de animais vivosEsclarecimento nº 6   controlo de animais vivos
Esclarecimento nº 6 controlo de animais vivos
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
 
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
RaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadilRaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
 
Ficha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdfFicha Técnica 5.2.pdf
Ficha Técnica 5.2.pdf
 
Certificação Carne de aves
Certificação Carne de avesCertificação Carne de aves
Certificação Carne de aves
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
 
Apresentação .pdf
Apresentação .pdfApresentação .pdf
Apresentação .pdf
 
AULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdf
AULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdfAULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdf
AULA 1 - INTRODUÇÃO À INSPEÇÃO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.pdf
 
Mpb animal
Mpb animalMpb animal
Mpb animal
 
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
 
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
Produção de queijo cream cheese e legislação de leite orgânico eaf441
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Manual_Suinos_BEA_CAP.pdf
Manual_Suinos_BEA_CAP.pdfManual_Suinos_BEA_CAP.pdf
Manual_Suinos_BEA_CAP.pdf
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
 
Violencia animal
Violencia animalViolencia animal
Violencia animal
 
Processamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJ
Processamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJProcessamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJ
Processamento de Produtos de Origem Animal - CTUR- UFRRJ
 
Coelho
CoelhoCoelho
Coelho
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Ante morten

  • 2. Inspeção Ante mortem  Exame visual dos lotes de aves destinadas ao abate feito pelo Médico Veterinário (encarregado da Inspeção Federal)
  • 3. Objetivos da inspeção Ante mortem  Evitar o abate de animais que não estejam enquadrados no limite de 6 a 8 horas de jejum.  Através do Boletim Sanitário, ter conhecimento do lote, para poder distinguir se há alguma ave que necessite de matança de emergência imediata.  Detectar doença que não seja possível a identificação no exame post mortem
  • 4. Objetivos da inspeção Ante mortem  Identificar os lotes que possam, por algum problema, dificultar a rotina de abate, exigindo um exame mais minucioso.  Identificar os lotes que utilizaram antibioticos, pois estes podem deixar residuos na carne. 
  • 6. Necropsia  Cabe ao veterinário responsável observar na recepção do lote, e caso seja preciso, é de obrigatoriedade haver uma sala de necropsia.  A seção de necropsia deve dispor de equipamentos e utensílios necessários para a finalidade
  • 7. Necropsia em ave Foto: http://easybreeding.blogspot.com/2009/05/fotos-necropsia- en-aves_16.html
  • 8. Necropsia  Quando a área de necropsia for próxima a plataforma de inspeção ante mortem, a mesma deve ser bem isolada para evitar a interferência no fluxograma da industria e na recepção das aves.  As aves necropsiadas tem como destino a incinerãção .  Forno crematório deve ser isolado da industria, devendo ser próximo a graxaria.
  • 9. Incinerador e forno crematório Exemplo de Exemplo de incinerador forno crematório http://www.necropolis.pt/5038/index.html?*s ession*id*key*=*session*id*val*
  • 10. Dados a serem enviados a inspeção federal  Devem ser enviados para a Inspeção Federal a notificação de abate e boletim sanitário, que deve conter as seguintes informações:  Procedência das aves, constando o nome e endereço da granja produtora e o número do lote ou galpão;  Nº de aves (inicial e final);  Doenças detectadas no lote;  Tipo de tratamento a que o lote foi submetido, especificando o agente terapêutico usado e duração do tratamento;  Data de suspensão de ração com antibiótico e/ou coccidiostáticos; Data e hora de retirada de alimentação;  Outros dados julgados necessários;  Assinatura do Médico Veterinário responsável pelo plantel.
  • 11. Exemplo de boletim sanitário
  • 12. Matança mediata e imediata  Os animais portadores de doenças que necessitam de Matança de Emergência Mediata, devem ser abatidos no final da matança normal.  Quando há a necessidade de matança imediata, cuidados e atenções deverão ser dobrados e caso preciso após esse abate tomar medidas higiênicas e sanitárias, e caso necessário a desinfecção.
  • 13. Zoonoses  Quando for comprovadamente detectadas aves com zoonoses, o médico veterinário, só poderá autorizar o sacrifício ao final da matança, se forem atendidas as exigências do órgão oficial de Defesa Sanitária.
  • 14. Tratemento medicamentoso e transporte  Aves que fizeram tratamento com medicamentos deve ser respeitado um certo período entre a suspensão da aplicação e o abate.  Deve ser observado as condições de transporte das aves vivas, com foco para a lotação das gaiolas.
  • 15. Transporte das aves Caminhão transportador Modelo de gaiola http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/A http://www.logismarket.ind.br/caixaplast/gaiola-para- ve/SistemaProducaoFrangosCorteColoniais/preparo.htm aves-vivas-para-transporte/1727639456-1357231164- p.html