SlideShare uma empresa Scribd logo
MANEJO PRÉ-ABATE E PEGA DO FRANGO-
COMO REDUZIR PERDAS E MAXIMIZAR O LUCRO
Eng. Fabio G. Nunes
fabio.g.nunes@uol.com.br
1º Seminário Regional AVIAGEN
Bento Gonçalves, RS
6 de Outubro de 2011
OBJETIVO
Demonstrar como as várias etapas da
produção do frango de corte podem
afetar a qualidade e o rendimento de
carcaça e, assim, elevar as perdas no
Abatedouro e os custos das
empresas, reduzindo a sua
competitividade;
2
3
Na avicultura de
corte o Campo e o
Abate funcionam de
forma interdependente
e inter-relacionada em
alto grau;
CONSIDERAÇÕES GERAIS
4
Assim, os efeitos das
ações nem sempre são
vistos na hora em que
elas são tomadas;
Mas, como a pedra
jogada no lago, eles
aparecem, em
geral, mais tarde;
CONSIDERAÇÕES GERAIS
5
Por isto, o trabalho para garantir a
qualidade e o rendimento de carcaça
e, assim, reduzir as perdas no
Abatedouro e maximizar o lucro das
empresas...
Deve iniciar no alojamento dos
pintinhos, passar pelo manejo e só
terminar ao termos as aves processadas;
CONSIDERAÇÕES GERAIS
6
Assim, é preciso ver e gerenciar o
negócio de modo integrado e não por
partes -
matrizes, incubação, nutrição, engorda e
etc.,
CONSIDERAÇÕES GERAIS
Prática comum, mas equivocada na
maioria das empresas avícolas...
7
CONSIDERAÇÕES GERAIS
E tendo em mente
que o "norte" de uma
empresa avícola é o
Abatedouro, e não as
atividades das outras
áreas que ao redor
dele giram;
8
Logo, o frango deve ser produzido
de modo a permitir ao Abatedouro:
- Otimizar os Processos;
- Maximizar as Coletas Produtivas;
- Minimizar Condenações e Perdas;
CONSIDERAÇÕES GERAIS
9
Portanto, para cumprir o seu
papel, o Campo têm de ter ouvidos e
olhos voltados ao Abatedouro e
cabeça e mãos trabalhando
CONSIDERAÇÕES GERAIS
a uniformidade e
o resultado do lote
e a qualidade de
carcaça;
10
AREAS DE RISCO
Pre-Abate
Impacto
Idade
Engorda
Alojamento
Abate
Observar
* Densidade
* Idade das Matrizes
* Uniformidade P1d
- Aves Uniformes
11
ALOJAMENTO
12
E SE ME DESCUIDO....?
13
14
Observar
* Distribuição das aves
* Ambiente Controlado;
- Uso de Cercos
15
ENGORDA
Observar
Nutrição
* Desenvolvimento
* Empenamento
* Qualidade de Pele
16
ENGORDA
17
E SE ME DESCUIDO....?
Observar
Nutrição
* Qualidade de Cama
- Umidade
- Enfermidades
- Calo de Patas
Peito
18
ENGORDA
19
E SE ME DESCUIDO....?
20
Observar
Ambiência
* Enfermidades
* Qualidade da Cama
- Calo de Patas
- Calo de Peito
21
ENGORDA
22
E SE ME DESCUIDO....?
23
Observar
* Janela de 8 a 12h
* Programa Retirada
* Horários Programa
* Água Abundante
24
PRE-ABATE: JEJUM
25
E SE ME DESCUIDO....?
26
27
28
29
30
Observar
* Programa Retirada
* Horários Programa
* Equipe: Método
Treinamento
Supervisão
Pagamento
31
PRE-ABATE: APANHE
32
E SE ME DESCUIDO....?
33
34
35
36
Observar
* Programa Retirada
* Horários
* Recursos na Carga
* Equipe: Treinamento
Supervisão
* Caminhão
37
PRE-ABATE: TRANSPORTE
Observar
* Condições Físicas do Galpão
* Temperatura
* Tempo
* Supervisão
38
PRE-ABATE: ESPERA
39
E SE ME DESCUIDO....?
40
SIF
41
CONDENAÇÕES PARCIAIS
ABATEDOURO
*5 bilhões de aves/ano, 2.5 kg PV e perda estimada
de 10% do peso vivo após a condenação
No Brasil, as Condenações Parciais
pelo SIF afetam 6% do abate anual.
São perdidos 75 milhões de quilos de
carne por ano;
As 6 principais causas são:
contaminação, dermatite &
celulite, contusão & fratures e artrite;
42
ABATEDOURO
Elas respondem por 85% das perdas
- 63.750.000 Kg de carne por ano:
* Contaminação: 39%
* Dermatite & Celulite: 33%
* Fraturas & Contusões: 18%
* Artrite: 10%
43
ABATEDOURO
Dados em '000 quilos; Carne perdida;;pessoas com dieta
de 30kg/ano e grãos para produzir esta carne
44
Contaminação 24.863 829.000 27.400
Dermatite
& Celulite
21.038 701.000 23.250
Fraturas &
Contusões
11.475 383.000 12.700
Artrite 6.375 213.000 7.755
Total 63.750 2.125.000 71.105
As perdas não se limitam às
Condenações, apenas;
A desclassificação de cortes e/ou
carcaças por presença de arranhões
ou lesões menores também impõem
perdas econômicas à industria;
45
ABATEDOURO
46
ABATEDOURO
47
ABATEDOURO
As perdas nos vários processos
avícolas costumam ser de 0,5%, 1%
ou mesmo 1,5%;
Valores que, de tão
pequenos, nem impressionam, nem
chamam nossa atenção, não é
verdade?
48
ABATEDOURO
Mas o que está por detrás destes
números tão pequenos?
49
ABATEDOURO
Vamos ver o que
eles significam em
uma empresa que
abate 200 mil aves
por dia de 2,4 Kg?
Perder 0,5% do peso vivo por um
jejum inadequado, que significa?
200.000 x 2,5 kg = 500.000 Kg/dia
Dia: 2.500 kg
Mês: 62.500 kg
Ano: 750.000 kg
750.000 kg : 2,5 kg = 300.000 aves
300.000 : 200.000 = 1,5 dia de Abate
50
JEJUM
É comum ouvir das empresas
"minha mortalidade de transporte tá
bem; só 0,25% !" O que isto significa?
200.000 x 22 x 12 = 52.800.000/ano
52.800.000 x 0,25% = 132.000 aves
Quase 1 dia de abate perdido por ano!
51
MORTALIDADE
"A condenação parcial por X tá
bem; só 1,5% !" O que isto significa?
200.000 x 22 x 12 = 52.800.000/ano
52.800.000 x 1,5% = 792.000 aves/ano
792.000 x 2,5 x 0,93 = 1.841.400 Kg
1.841.400 x10% = 184.140 kg
184.140 : 2,5 Kg = 73.656 aves/ano
0,3 dia de Abate
52
CONDENAÇÃO
Jejum...................1,5 dia de Abate
Mortalidade ......1 dia de Abate
Condenação...18,5 dias de Abate
Total...................21 dias de Abate
53
RESUMINDO
Em avicultura de corte, GRAMAS é
a distância entre o sucesso e o
fracasso de uma empresa;
Assim, reduzir as perdas ao mínimo
deve ser o objetivo Nº 1 de qualquer
empresa avícola;
54
CONCLUSÃO
A redução de perdas requer uma
administração integrada da empresa;
Com todas as áreas trabalhando
orientadas por um objetivo comum - a
qualidade e o rendimento da matéria-
prima no Abatedouro;
55
CONCLUSÃO
Lembre-se que os percentuais de
perdas são números pequenos em
valores absolutos, porém gigantes
quando analisados pelo abate anual;
Isto sugere uma nova forma de ver
os processos. Pense nisto! Sucesso!
56
CONCLUSÃO
57
OBRIGADO !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
Felisberto Fmuandissa
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Filgueira Nogueira
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
jessica zambonato
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
Aurielle Medeiros
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
Med. Veterinária 2011
 
Bovinos de corte
Bovinos de corteBovinos de corte
Bovinos de corte
Fabrício Farias
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
Aurielle Medeiros
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
AgroTalento
 
Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
Portal Canal Rural
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
JosyeGirllan Viana
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
Brenda Bueno
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
Julihilda Araujo
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Jeovaci Martins Da Rocha Júnior
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
Lucas Camilo
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e CaprinosManual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Sérgio Amaral
 

Mais procurados (20)

Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Bovinos de corte
Bovinos de corteBovinos de corte
Bovinos de corte
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
 
Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e CaprinosManual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
 

Semelhante a Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro

Palestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo CandiottoPalestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo Candiotto
Embrapa Milho e Sorgo
 
Palestra Marcelo
Palestra MarceloPalestra Marcelo
Palestra Marcelo
Diego de Oliveira Carvalho
 
manejo de aves- tamires.pdf
manejo de aves- tamires.pdfmanejo de aves- tamires.pdf
manejo de aves- tamires.pdf
TamiresFelipe3
 
121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel
121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel
121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel
AgroTalento
 
Microsoft Power Point Pal Blog Saa Jsanches[1]
Microsoft Power Point   Pal Blog Saa Jsanches[1]Microsoft Power Point   Pal Blog Saa Jsanches[1]
Microsoft Power Point Pal Blog Saa Jsanches[1]
guestcf69461
 
Manejo na Apicultura Racional
Manejo na Apicultura RacionalManejo na Apicultura Racional
Manejo na Apicultura Racional
Jefferson Bandero
 
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
Revista Cafeicultura
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Agricultura Sao Paulo
 
Viva o camarao
Viva o camaraoViva o camarao
Viva o camarao
Liliam Da Paixão
 
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
FAO
 
Palestra armindo
Palestra armindoPalestra armindo
Palestra armindo
ambiental
 
Poedeira comercial
Poedeira comercialPoedeira comercial
Poedeira comercial
Carlos César Martins
 
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Neltton Yglesias
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Samuel Vieira
 
Empresa de pao de queijo
Empresa de pao de queijoEmpresa de pao de queijo
Empresa de pao de queijo
Lucas Wallace Sousa Alves
 
Seminário Guaraves Alimentos
Seminário Guaraves AlimentosSeminário Guaraves Alimentos
Seminário Guaraves Alimentos
Weysser Felipe
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Josmar Almeida Junior
 
Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário
Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário
Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário
Exagro
 
Impactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da PisciculturaImpactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da Piscicultura
Guilherme Wolff Bueno
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
HailtonBarbosadosSan
 

Semelhante a Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro (20)

Palestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo CandiottoPalestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo Candiotto
 
Palestra Marcelo
Palestra MarceloPalestra Marcelo
Palestra Marcelo
 
manejo de aves- tamires.pdf
manejo de aves- tamires.pdfmanejo de aves- tamires.pdf
manejo de aves- tamires.pdf
 
121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel
121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel
121024 18-wbeef-engorda-a-pasto-armindo-kichel
 
Microsoft Power Point Pal Blog Saa Jsanches[1]
Microsoft Power Point   Pal Blog Saa Jsanches[1]Microsoft Power Point   Pal Blog Saa Jsanches[1]
Microsoft Power Point Pal Blog Saa Jsanches[1]
 
Manejo na Apicultura Racional
Manejo na Apicultura RacionalManejo na Apicultura Racional
Manejo na Apicultura Racional
 
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
 
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
 
Viva o camarao
Viva o camaraoViva o camarao
Viva o camarao
 
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
A importância da integração lavoura-pecuária com plantio direto na estratégia...
 
Palestra armindo
Palestra armindoPalestra armindo
Palestra armindo
 
Poedeira comercial
Poedeira comercialPoedeira comercial
Poedeira comercial
 
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Empresa de pao de queijo
Empresa de pao de queijoEmpresa de pao de queijo
Empresa de pao de queijo
 
Seminário Guaraves Alimentos
Seminário Guaraves AlimentosSeminário Guaraves Alimentos
Seminário Guaraves Alimentos
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
 
Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário
Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário
Cria o sistema mais afetado pelo ciclo pecuário
 
Impactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da PisciculturaImpactos Ambientais da Piscicultura
Impactos Ambientais da Piscicultura
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
 

Mais de Fabio Nunes

PIO Diciembre 2017 #5
PIO Diciembre 2017 #5PIO Diciembre 2017 #5
PIO Diciembre 2017 #5
Fabio Nunes
 
PIO Noviembre 2017 #4
PIO Noviembre 2017 #4PIO Noviembre 2017 #4
PIO Noviembre 2017 #4
Fabio Nunes
 
PÍO #2 - Septiembre 2017
PÍO #2 - Septiembre 2017PÍO #2 - Septiembre 2017
PÍO #2 - Septiembre 2017
Fabio Nunes
 
PIO # 3 - Octubre 2017
PIO # 3 - Octubre 2017PIO # 3 - Octubre 2017
PIO # 3 - Octubre 2017
Fabio Nunes
 
PÍO #1 - Agosto 2017
PÍO #1 - Agosto 2017 PÍO #1 - Agosto 2017
PÍO #1 - Agosto 2017
Fabio Nunes
 
Congreso lationoamericano de avicultura 2015
Congreso lationoamericano de avicultura 2015Congreso lationoamericano de avicultura 2015
Congreso lationoamericano de avicultura 2015
Fabio Nunes
 
Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014
Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014
Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014
Fabio Nunes
 
Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...
Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...
Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...
Fabio Nunes
 
Efectos de la producción avícola en el entorno ambiental y social
Efectos de la producción avícola en el entorno ambiental y socialEfectos de la producción avícola en el entorno ambiental y social
Efectos de la producción avícola en el entorno ambiental y social
Fabio Nunes
 
Carne de frango - Perspectivas atual e futura
Carne de frango - Perspectivas atual e futuraCarne de frango - Perspectivas atual e futura
Carne de frango - Perspectivas atual e futura
Fabio Nunes
 
Estratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de Aves
Estratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de AvesEstratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de Aves
Estratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de Aves
Fabio Nunes
 
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e FuturaCarne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Fabio Nunes
 

Mais de Fabio Nunes (12)

PIO Diciembre 2017 #5
PIO Diciembre 2017 #5PIO Diciembre 2017 #5
PIO Diciembre 2017 #5
 
PIO Noviembre 2017 #4
PIO Noviembre 2017 #4PIO Noviembre 2017 #4
PIO Noviembre 2017 #4
 
PÍO #2 - Septiembre 2017
PÍO #2 - Septiembre 2017PÍO #2 - Septiembre 2017
PÍO #2 - Septiembre 2017
 
PIO # 3 - Octubre 2017
PIO # 3 - Octubre 2017PIO # 3 - Octubre 2017
PIO # 3 - Octubre 2017
 
PÍO #1 - Agosto 2017
PÍO #1 - Agosto 2017 PÍO #1 - Agosto 2017
PÍO #1 - Agosto 2017
 
Congreso lationoamericano de avicultura 2015
Congreso lationoamericano de avicultura 2015Congreso lationoamericano de avicultura 2015
Congreso lationoamericano de avicultura 2015
 
Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014
Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014
Fenavi Colombia - Congreso Exposición Nacional Avícola 2014
 
Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...
Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...
Procesos y Monitoreo de Pollos en Mataderos - Exigencias de Calidad y Monitor...
 
Efectos de la producción avícola en el entorno ambiental y social
Efectos de la producción avícola en el entorno ambiental y socialEfectos de la producción avícola en el entorno ambiental y social
Efectos de la producción avícola en el entorno ambiental y social
 
Carne de frango - Perspectivas atual e futura
Carne de frango - Perspectivas atual e futuraCarne de frango - Perspectivas atual e futura
Carne de frango - Perspectivas atual e futura
 
Estratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de Aves
Estratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de AvesEstratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de Aves
Estratégias de Agregação de Valor na Cadeia de Produção de Aves
 
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e FuturaCarne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
 

Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro

  • 1. MANEJO PRÉ-ABATE E PEGA DO FRANGO- COMO REDUZIR PERDAS E MAXIMIZAR O LUCRO Eng. Fabio G. Nunes fabio.g.nunes@uol.com.br 1º Seminário Regional AVIAGEN Bento Gonçalves, RS 6 de Outubro de 2011
  • 2. OBJETIVO Demonstrar como as várias etapas da produção do frango de corte podem afetar a qualidade e o rendimento de carcaça e, assim, elevar as perdas no Abatedouro e os custos das empresas, reduzindo a sua competitividade; 2
  • 3. 3 Na avicultura de corte o Campo e o Abate funcionam de forma interdependente e inter-relacionada em alto grau; CONSIDERAÇÕES GERAIS
  • 4. 4 Assim, os efeitos das ações nem sempre são vistos na hora em que elas são tomadas; Mas, como a pedra jogada no lago, eles aparecem, em geral, mais tarde; CONSIDERAÇÕES GERAIS
  • 5. 5 Por isto, o trabalho para garantir a qualidade e o rendimento de carcaça e, assim, reduzir as perdas no Abatedouro e maximizar o lucro das empresas... Deve iniciar no alojamento dos pintinhos, passar pelo manejo e só terminar ao termos as aves processadas; CONSIDERAÇÕES GERAIS
  • 6. 6 Assim, é preciso ver e gerenciar o negócio de modo integrado e não por partes - matrizes, incubação, nutrição, engorda e etc., CONSIDERAÇÕES GERAIS Prática comum, mas equivocada na maioria das empresas avícolas...
  • 7. 7 CONSIDERAÇÕES GERAIS E tendo em mente que o "norte" de uma empresa avícola é o Abatedouro, e não as atividades das outras áreas que ao redor dele giram;
  • 8. 8 Logo, o frango deve ser produzido de modo a permitir ao Abatedouro: - Otimizar os Processos; - Maximizar as Coletas Produtivas; - Minimizar Condenações e Perdas; CONSIDERAÇÕES GERAIS
  • 9. 9 Portanto, para cumprir o seu papel, o Campo têm de ter ouvidos e olhos voltados ao Abatedouro e cabeça e mãos trabalhando CONSIDERAÇÕES GERAIS a uniformidade e o resultado do lote e a qualidade de carcaça;
  • 11. Observar * Densidade * Idade das Matrizes * Uniformidade P1d - Aves Uniformes 11 ALOJAMENTO
  • 12. 12 E SE ME DESCUIDO....?
  • 13. 13
  • 14. 14
  • 15. Observar * Distribuição das aves * Ambiente Controlado; - Uso de Cercos 15 ENGORDA
  • 17. 17 E SE ME DESCUIDO....?
  • 18. Observar Nutrição * Qualidade de Cama - Umidade - Enfermidades - Calo de Patas Peito 18 ENGORDA
  • 19. 19 E SE ME DESCUIDO....?
  • 20. 20
  • 21. Observar Ambiência * Enfermidades * Qualidade da Cama - Calo de Patas - Calo de Peito 21 ENGORDA
  • 22. 22 E SE ME DESCUIDO....?
  • 23. 23
  • 24. Observar * Janela de 8 a 12h * Programa Retirada * Horários Programa * Água Abundante 24 PRE-ABATE: JEJUM
  • 25. 25 E SE ME DESCUIDO....?
  • 26. 26
  • 27. 27
  • 28. 28
  • 29. 29
  • 30. 30
  • 31. Observar * Programa Retirada * Horários Programa * Equipe: Método Treinamento Supervisão Pagamento 31 PRE-ABATE: APANHE
  • 32. 32 E SE ME DESCUIDO....?
  • 33. 33
  • 34. 34
  • 35. 35
  • 36. 36
  • 37. Observar * Programa Retirada * Horários * Recursos na Carga * Equipe: Treinamento Supervisão * Caminhão 37 PRE-ABATE: TRANSPORTE
  • 38. Observar * Condições Físicas do Galpão * Temperatura * Tempo * Supervisão 38 PRE-ABATE: ESPERA
  • 39. 39 E SE ME DESCUIDO....?
  • 42. ABATEDOURO *5 bilhões de aves/ano, 2.5 kg PV e perda estimada de 10% do peso vivo após a condenação No Brasil, as Condenações Parciais pelo SIF afetam 6% do abate anual. São perdidos 75 milhões de quilos de carne por ano; As 6 principais causas são: contaminação, dermatite & celulite, contusão & fratures e artrite; 42
  • 43. ABATEDOURO Elas respondem por 85% das perdas - 63.750.000 Kg de carne por ano: * Contaminação: 39% * Dermatite & Celulite: 33% * Fraturas & Contusões: 18% * Artrite: 10% 43
  • 44. ABATEDOURO Dados em '000 quilos; Carne perdida;;pessoas com dieta de 30kg/ano e grãos para produzir esta carne 44 Contaminação 24.863 829.000 27.400 Dermatite & Celulite 21.038 701.000 23.250 Fraturas & Contusões 11.475 383.000 12.700 Artrite 6.375 213.000 7.755 Total 63.750 2.125.000 71.105
  • 45. As perdas não se limitam às Condenações, apenas; A desclassificação de cortes e/ou carcaças por presença de arranhões ou lesões menores também impõem perdas econômicas à industria; 45 ABATEDOURO
  • 48. As perdas nos vários processos avícolas costumam ser de 0,5%, 1% ou mesmo 1,5%; Valores que, de tão pequenos, nem impressionam, nem chamam nossa atenção, não é verdade? 48 ABATEDOURO
  • 49. Mas o que está por detrás destes números tão pequenos? 49 ABATEDOURO Vamos ver o que eles significam em uma empresa que abate 200 mil aves por dia de 2,4 Kg?
  • 50. Perder 0,5% do peso vivo por um jejum inadequado, que significa? 200.000 x 2,5 kg = 500.000 Kg/dia Dia: 2.500 kg Mês: 62.500 kg Ano: 750.000 kg 750.000 kg : 2,5 kg = 300.000 aves 300.000 : 200.000 = 1,5 dia de Abate 50 JEJUM
  • 51. É comum ouvir das empresas "minha mortalidade de transporte tá bem; só 0,25% !" O que isto significa? 200.000 x 22 x 12 = 52.800.000/ano 52.800.000 x 0,25% = 132.000 aves Quase 1 dia de abate perdido por ano! 51 MORTALIDADE
  • 52. "A condenação parcial por X tá bem; só 1,5% !" O que isto significa? 200.000 x 22 x 12 = 52.800.000/ano 52.800.000 x 1,5% = 792.000 aves/ano 792.000 x 2,5 x 0,93 = 1.841.400 Kg 1.841.400 x10% = 184.140 kg 184.140 : 2,5 Kg = 73.656 aves/ano 0,3 dia de Abate 52 CONDENAÇÃO
  • 53. Jejum...................1,5 dia de Abate Mortalidade ......1 dia de Abate Condenação...18,5 dias de Abate Total...................21 dias de Abate 53 RESUMINDO
  • 54. Em avicultura de corte, GRAMAS é a distância entre o sucesso e o fracasso de uma empresa; Assim, reduzir as perdas ao mínimo deve ser o objetivo Nº 1 de qualquer empresa avícola; 54 CONCLUSÃO
  • 55. A redução de perdas requer uma administração integrada da empresa; Com todas as áreas trabalhando orientadas por um objetivo comum - a qualidade e o rendimento da matéria- prima no Abatedouro; 55 CONCLUSÃO
  • 56. Lembre-se que os percentuais de perdas são números pequenos em valores absolutos, porém gigantes quando analisados pelo abate anual; Isto sugere uma nova forma de ver os processos. Pense nisto! Sucesso! 56 CONCLUSÃO