SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Formadora: Lurdes Martins
UFCD 6560
COMUNICAÇÃO
NA INTERAÇÃO
COM O UTENTE,
CUIDADOR E/OU
FAMILIA
1- A comunicação na interação com o
utente, cuidador e/ou família
1 . 2 - A C O M U N I C A Ç Ã O N A
I N T E R A Ç Ã O C O M
I N D I V Í D U O S C O M
A L T E R A Ç Õ E S D E
C O M P O R T A M E N T O
 Agitação
• O trabalho desenvolvido na área do atendimento em instituições
de saúde é propício ao aparecimento de situações de crise. As
questões de saúde e doença são por vezes motivo de alteração
de estados emocionais.
• Esta intervenção centra-se na resolução do problema de imediato,
através da utilização de recursos pessoais, sociais e ambientais.
• A família deverá ser envolvida neste processo e deverá ajudar o
indivíduo na escolha se estratégias para enfrentar os seus
sentimentos de ansiedade e angustia.
 Agitação
• Exemplos de ajuda que são desenvolvidos e fornecidos a uma
família que se encontra em crise:
1º- Se um membro de uma determinada família perante uma
determinada situação fica sem saber que decisão tomar, o
técnico/a de saúde, conjuntamente com ele, podem elaborar
estratégias de ação/ sugestões;
2º- Perante um elemento da família que não é capaz de
estar junto do utente, o técnico/a de saúde deverá aperceber-se
dessa situação e fornecer-lhe apoio como também orientá-la;
 Agitação
3º- Outro exemplo comum em que o profissional pode atuar, surge quando o
familiar fica demasiado centrado nos aspetos tecnológicos que envolvem o
utente em situação de internamento, podendo o profissional verbalizar que
ele próprio tomará conta desses aspetos;
4º- Perante um familiar hostil, agressivo com diálogo provocador para com o
utente deve este profissional refletir sobre o fenómeno observado para
poder intervir, nomeadamente através de perguntas ao familiar do que se
passa. Se esta intervenção não resultar poderá ser necessário uma
avaliação familiar;
5º-Se o familiar se encontra "perdido" relativamente a situação do utente, a
intervenção poderá passar pela explicação/clarificação da situação.
 Agitação: Forma de atuação
• Procurar compreender o que originou a agitação. Não se deve partir do princípio que o
doente o quer agredir ou ofender pessoalmente;
• Não personalize as situações (lembre-se que não o estão a atacar a si);
• Mantenha a calma e escute o cliente/utente;
• Concentre-se na situação e não na pessoa;
• Não o contradiga;
• Não discuta (evitar discutir, “ralhar” ou fazer qualquer coisa que se assemelhe a um
castigo);
• Não lhe diga que é grosseiro ou mal-educado;
• Não forçar contactos físicos e deixar-lhe bastante espaço livre;
• Interprete corretamente o comportamento;
• Encaminhe o cliente/utente para a melhor solução;
• Gratifique-se por acalmar um cliente/utente agitado.
 Agitação: Forma de atuação
• Nos casos em que o utente está desorientado e confuso:
deve-se explicar o que será feito, repetindo-lhe tantas vezes
quanto necessário.
• Em utentes extremamente agitados ou descontrolados
Pode ser necessária a contenção física
 Agitação
• Contenção física
 Essa contenção tem a finalidade de evitar
danos à integridade física da equipa, de outros
utentes e de si próprios, além de danos
materiais.
Em alguns casos, a contenção física promove
por si só o alívio da sintomatologia do utente.
 Agitação
• Contenção física
Utilizar só quando estritamente
necessário – desumano e levanta
questões éticas!
 Pedir ajuda de outro membro da
equipa para realizar a contenção física
Utilizar por curtos períodos
Vigiar as extremidades corporais com
frequência
Vigiar regularmente o comportamento
do doente
 Agitação
• Contenção física
Optar pela restrição
física do tronco em
pessoas com alto
risco de queda (no
leito e principalmente
quando se sentam na
cadeira/cadeirão).
 Agitação
• Contenção física
Evitar a contenção física
dos membros superiores
(a pessoa fica impedida
de gestos simples como:
coçar, assoar o nariz …).
 Agitação
• Contenção física
Se o motivo da contenção for para a
manutenção de dispositivos (sondas
mesogástricas, algálias, cateteres
endovenosos) utilizar luvas de
proteção nas mãos.
Tenha orgulho em ser um
profissional competente e com
espírito de serviço, centrado no
outro.
Os utentes agradecem e as
organizações evoluem!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou FamíliaUFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou FamíliaManualis
 
Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...
Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...
Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...Lurdesmartins17
 
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptxUFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptxNome Sobrenome
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdeIsabel Henriques
 
Tarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacaoTarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacaoLurdesmartins17
 
Manual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertiva
Manual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertivaManual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertiva
Manual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertivaAna Camões
 
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptxComunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptxindriuks
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeLurdesmartins17
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde MentalNome Sobrenome
 
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581-   Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581-   Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de SaúdeNome Sobrenome
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalFrancisco Santos
 
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índiceUFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índiceManuais Formação
 
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDEUFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDEManualis
 
Equipa Multidisciplinar
Equipa MultidisciplinarEquipa Multidisciplinar
Equipa MultidisciplinarFábio Simões
 
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceUfcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceManuais Formação
 

Mais procurados (20)

UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou FamíliaUFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
 
Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...
Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...
Agressividade a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de com...
 
Atendimento Presencial
Atendimento PresencialAtendimento Presencial
Atendimento Presencial
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptxUFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares  .pptx
UFCD - 6561 -Equipas Multidisciplinares .pptx
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
 
As técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdfAs técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdf
 
Tarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacaoTarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacao
 
Manual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertiva
Manual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertivaManual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertiva
Manual ufcd-0350-comunicacao-interpessoal-comunicacao-assertiva
 
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptxComunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
Comunicação na prestação de cuidados de saúde.pptx
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
 
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581-   Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581-   Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mental
 
6564
65646564
6564
 
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índiceUFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
 
UFCD_6573 Qualidade na saúde
UFCD_6573 Qualidade na saúdeUFCD_6573 Qualidade na saúde
UFCD_6573 Qualidade na saúde
 
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDEUFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
UFCD - 6559 - COMUNICAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM SAÚDE
 
Equipa Multidisciplinar
Equipa MultidisciplinarEquipa Multidisciplinar
Equipa Multidisciplinar
 
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índiceUfcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
Ufcd 6582 cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem_índice
 

Semelhante a Agitacao a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comportamento

Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaClaudio Viegas
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxJessiellyGuimares
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasLuís Fernando Tófoli
 
Relacionamento Terapeutico Prof Paula .pptx
Relacionamento Terapeutico Prof Paula .pptxRelacionamento Terapeutico Prof Paula .pptx
Relacionamento Terapeutico Prof Paula .pptxPaulaFernandaOliveir4
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfMarcio Amoedo
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevestania m f contrim
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída Nucleo Nacional
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1Flora Couto
 
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.pptAbordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.pptAntnioMalvarMartinsN1
 
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações DolorosasRelação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações DolorosasLuciana Krebs
 
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea OremTeoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea OremWendrews Miguel
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfssmxmnx8gj
 

Semelhante a Agitacao a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comportamento (20)

As técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdfAs técnicas de comunicação .pdf
As técnicas de comunicação .pdf
 
Joana_Autocuidado
Joana_AutocuidadoJoana_Autocuidado
Joana_Autocuidado
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
 
Relacionamento Terapeutico Prof Paula .pptx
Relacionamento Terapeutico Prof Paula .pptxRelacionamento Terapeutico Prof Paula .pptx
Relacionamento Terapeutico Prof Paula .pptx
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
Palestra positivo
Palestra positivoPalestra positivo
Palestra positivo
 
Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.pptAbordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
 
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações DolorosasRelação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
Relação médico-paciente - Comunicações Dolorosas
 
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea OremTeoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Recaida
RecaidaRecaida
Recaida
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
 

Mais de Lurdesmartins17

3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte iiLurdesmartins17
 
2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario
2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario
2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionarioLurdesmartins17
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte iLurdesmartins17
 
1 interrupçao voluntaria gravidez
1 interrupçao voluntaria gravidez1 interrupçao voluntaria gravidez
1 interrupçao voluntaria gravidezLurdesmartins17
 
Morbilidade e mortalidade-infantil
Morbilidade e mortalidade-infantilMorbilidade e mortalidade-infantil
Morbilidade e mortalidade-infantilLurdesmartins17
 
5 metodos de introdução alimentar
5  metodos de introdução alimentar5  metodos de introdução alimentar
5 metodos de introdução alimentarLurdesmartins17
 
3 necessidades nutricionais
3  necessidades nutricionais3  necessidades nutricionais
3 necessidades nutricionaisLurdesmartins17
 
3 alimentação primeiro ano de vida
3  alimentação primeiro ano de vida3  alimentação primeiro ano de vida
3 alimentação primeiro ano de vidaLurdesmartins17
 
1 direitos e deveres crianças
1 direitos e deveres crianças1 direitos e deveres crianças
1 direitos e deveres criançasLurdesmartins17
 
3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho
3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho
3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalhoLurdesmartins17
 
Tipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoes
Tipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoesTipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoes
Tipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoesLurdesmartins17
 
2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos
2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos
2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicosLurdesmartins17
 

Mais de Lurdesmartins17 (17)

3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte ii
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte ii
 
2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario
2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario
2 hereditariedade reproduçao_desenvolvimento embrionario
 
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i3  a importancia da vigilancia da saude materna   parte i
3 a importancia da vigilancia da saude materna parte i
 
1 interrupçao voluntaria gravidez
1 interrupçao voluntaria gravidez1 interrupçao voluntaria gravidez
1 interrupçao voluntaria gravidez
 
Morbilidade e mortalidade-infantil
Morbilidade e mortalidade-infantilMorbilidade e mortalidade-infantil
Morbilidade e mortalidade-infantil
 
6 alergias alimentares
6  alergias alimentares6  alergias alimentares
6 alergias alimentares
 
5 metodos de introdução alimentar
5  metodos de introdução alimentar5  metodos de introdução alimentar
5 metodos de introdução alimentar
 
3 necessidades nutricionais
3  necessidades nutricionais3  necessidades nutricionais
3 necessidades nutricionais
 
3 alimentação primeiro ano de vida
3  alimentação primeiro ano de vida3  alimentação primeiro ano de vida
3 alimentação primeiro ano de vida
 
1 direitos e deveres crianças
1 direitos e deveres crianças1 direitos e deveres crianças
1 direitos e deveres crianças
 
3.2 epi e coletica
3.2 epi e coletica3.2 epi e coletica
3.2 epi e coletica
 
Sistema iluminacao
Sistema iluminacaoSistema iluminacao
Sistema iluminacao
 
3.4 plano de emergencia
3.4 plano de emergencia3.4 plano de emergencia
3.4 plano de emergencia
 
Gestao luvas
Gestao luvasGestao luvas
Gestao luvas
 
3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho
3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho
3.1 sinalizacao de seguranca no local de trabalho
 
Tipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoes
Tipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoesTipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoes
Tipologia riscos profissionais_eletricos_incendio _radiacoes
 
2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos
2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos
2.3 tipologia de riscos profissionais produtos quimicos
 

Último

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...TaniaN8
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptFabioSouza270
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?carloslins20
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 

Último (12)

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 

Agitacao a comunicacao na interacao com individuos com alteracoes de comportamento

  • 1. Formadora: Lurdes Martins UFCD 6560 COMUNICAÇÃO NA INTERAÇÃO COM O UTENTE, CUIDADOR E/OU FAMILIA
  • 2. 1- A comunicação na interação com o utente, cuidador e/ou família
  • 3. 1 . 2 - A C O M U N I C A Ç Ã O N A I N T E R A Ç Ã O C O M I N D I V Í D U O S C O M A L T E R A Ç Õ E S D E C O M P O R T A M E N T O
  • 4.  Agitação • O trabalho desenvolvido na área do atendimento em instituições de saúde é propício ao aparecimento de situações de crise. As questões de saúde e doença são por vezes motivo de alteração de estados emocionais. • Esta intervenção centra-se na resolução do problema de imediato, através da utilização de recursos pessoais, sociais e ambientais. • A família deverá ser envolvida neste processo e deverá ajudar o indivíduo na escolha se estratégias para enfrentar os seus sentimentos de ansiedade e angustia.
  • 5.  Agitação • Exemplos de ajuda que são desenvolvidos e fornecidos a uma família que se encontra em crise: 1º- Se um membro de uma determinada família perante uma determinada situação fica sem saber que decisão tomar, o técnico/a de saúde, conjuntamente com ele, podem elaborar estratégias de ação/ sugestões; 2º- Perante um elemento da família que não é capaz de estar junto do utente, o técnico/a de saúde deverá aperceber-se dessa situação e fornecer-lhe apoio como também orientá-la;
  • 6.  Agitação 3º- Outro exemplo comum em que o profissional pode atuar, surge quando o familiar fica demasiado centrado nos aspetos tecnológicos que envolvem o utente em situação de internamento, podendo o profissional verbalizar que ele próprio tomará conta desses aspetos; 4º- Perante um familiar hostil, agressivo com diálogo provocador para com o utente deve este profissional refletir sobre o fenómeno observado para poder intervir, nomeadamente através de perguntas ao familiar do que se passa. Se esta intervenção não resultar poderá ser necessário uma avaliação familiar; 5º-Se o familiar se encontra "perdido" relativamente a situação do utente, a intervenção poderá passar pela explicação/clarificação da situação.
  • 7.  Agitação: Forma de atuação • Procurar compreender o que originou a agitação. Não se deve partir do princípio que o doente o quer agredir ou ofender pessoalmente; • Não personalize as situações (lembre-se que não o estão a atacar a si); • Mantenha a calma e escute o cliente/utente; • Concentre-se na situação e não na pessoa; • Não o contradiga; • Não discuta (evitar discutir, “ralhar” ou fazer qualquer coisa que se assemelhe a um castigo); • Não lhe diga que é grosseiro ou mal-educado; • Não forçar contactos físicos e deixar-lhe bastante espaço livre; • Interprete corretamente o comportamento; • Encaminhe o cliente/utente para a melhor solução; • Gratifique-se por acalmar um cliente/utente agitado.
  • 8.  Agitação: Forma de atuação • Nos casos em que o utente está desorientado e confuso: deve-se explicar o que será feito, repetindo-lhe tantas vezes quanto necessário. • Em utentes extremamente agitados ou descontrolados Pode ser necessária a contenção física
  • 9.  Agitação • Contenção física  Essa contenção tem a finalidade de evitar danos à integridade física da equipa, de outros utentes e de si próprios, além de danos materiais. Em alguns casos, a contenção física promove por si só o alívio da sintomatologia do utente.
  • 10.  Agitação • Contenção física Utilizar só quando estritamente necessário – desumano e levanta questões éticas!  Pedir ajuda de outro membro da equipa para realizar a contenção física Utilizar por curtos períodos Vigiar as extremidades corporais com frequência Vigiar regularmente o comportamento do doente
  • 11.  Agitação • Contenção física Optar pela restrição física do tronco em pessoas com alto risco de queda (no leito e principalmente quando se sentam na cadeira/cadeirão).
  • 12.  Agitação • Contenção física Evitar a contenção física dos membros superiores (a pessoa fica impedida de gestos simples como: coçar, assoar o nariz …).
  • 13.  Agitação • Contenção física Se o motivo da contenção for para a manutenção de dispositivos (sondas mesogástricas, algálias, cateteres endovenosos) utilizar luvas de proteção nas mãos.
  • 14. Tenha orgulho em ser um profissional competente e com espírito de serviço, centrado no outro. Os utentes agradecem e as organizações evoluem!