SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
"São os filhos do deserto,/ Onde a terra esposa a luz./ Onde vive em campo aberto/ A tribo dos
                                                                homens nus.../ São os guerreiros ousados/ Que com os tigres mosqueados/ Combatem na
                                                                solidão./ Ontem simples, fortes, bravos./ Hoje míseros escravos, / Sem luz, sem ar, sem razão..."
                                                                                 (O trecho acima é do poema "O navio negreiro", escrito em 18 de abril de 1869, quando Castro Alves tinha apenas 22 anos.)




•   O Abolicionismo foi a campanha cívica que pôs fim à escravidão no Brasil contou
                                                                                                                                                                                                [2]
    com a participação de vários setores da sociedade brasileira, à exceção dos
    grandes proprietários de terra - como os cafeicultores paulistas, que certamente
    perdiam com o fim da mão-de-obra escrava.                                                                                                      [1]


•   Vários acontecimentos dos anos 1860 favoreceram o abolicionismo. Por exemplo, a
    guerra do Paraguai, que se estendeu de 1864 a 1870. Milhares de escravos foram
    libertados para combater no lugar de seus proprietários. Além disso, houve a
    guerra civil americana, entre 1861 e 1865, que terminou com a vitória dos nortistas,
    favoráveis ao fim da escravatura. Houve a extinção da servidão na Rússia em 1861 e
    o fim da escravidão nos impérios francês e português. Tudo isso impulsionou o
    movimento abolicionista aqui.


•   Os Abolicionistas pertenciam a várias classes sociais, inclusive das elites políticas,
    como Joaquim Nabuco [2] (principal representante do abolicionismo no Parlamento
    brasileiro); gente que pretendia reformar a monarquia, ou intelectuais brancos,                                      [3]
    como o teatrólogo Artur Azevedo e o poeta Castro Alves [1]; negros como o                                                                                                                      [4]
    advogado Luís Gama [3] ou o engenheiro André Rebouças [4]. O próprio exército,
    que se formou na guerra do Paraguai e que contou com colaboração dos escravos.
    Além disso, as classes médias urbanas que começavam a ter significado na
    sociedade brasileira, os estudantes universitários, que vão desenvolver inúmeras
    atividades em prol da abolição.
O Bill Aberdeen
• Foi aprovada pelo Parlamento Inglês, em 1845, e declarava
  legal o aprisionamento de qualquer navio que faça o tráfico de    Lei do Ventre Livre
  escravos (incluindo brasileiros), autoriza a perseguição, em      • A Lei do Ventre Livre, também conhecida como “Lei
  terra, dos traficantes e determina que os infratores sejam          Rio Branco” foi uma lei abolicionista, promulgada
  julgados na Inglaterra.                                             em 28 de setembro de 1871 (assinada pela Princesa
                                                                      Isabel). Esta lei considerava livre todos os filhos de
                                                                      mulher escravas nascidos a partir da data da lei.
Lei Eusébio de Queirós                                                                                                         Euséb io de Queir ós Coutinho Matos o
                                                                                                                               da Câm ara (S ão Paulo de Luand a,
                                                                    • Como seus pais continuariam escravos, a lei              1812 — Rio d e Janeir o, 7 de m aio d e
• Foi a legislação brasileira do Segundo Reinado, que proibiu o       estabelecia duas possibilidades para as crianças
                                                                                                                               1868) foi um mag istr ado e p olítico
                                                                                                                               brasileiro.
  tráfico interatlântico de escravos.                                 que nasciam livres. Poderiam ficar aos cuidados
• Foi aprovada em 4 de setembro de 1850, principalmente               dos senhores até os 21 anos de idade ou entregues
  devido à pressão da Inglaterra, materializada pela aplicação        ao governo. O primeiro caso foi o mais comum e
  unilateral, por aquele país, do chamado "Bill Aberdeen". Por        beneficiaria os senhores que poderiam usar a mão-
  essa razão, no Brasil, o Partido Conservador, então no poder,       de-obra destes “livres” até os 21 anos de idade.
  passou a defender, no Poder Legislativo, o fim do tráfico
  negreiro. À frente dessa defesa esteve o ministro Eusébio de
  Queirós, que insistiu na necessidade do país tomar por si só a
  decisão de colocar fim ao tráfico, preservando a imagem de
  nação soberana.                                                   Lei dos Sexagenários (ou Lei Saraiva-
                                                                    Cotejipe)
Lei Nabuco de Araújo                                                •   Foi promulgada a 28 de setembro de 1885 e
                                                                        garantia liberdade aos escravos com mais de 60
• Para acabar com a clandestinidade, foi criada no dia 5 de julho       anos de idade.
  de 1854 a lei Nabuco de Araújo, como forma de completar a lei
  de 1850 e reforçar a repressão ao tráfico negreiro. Porém, o                                                                  George Hamilton-Gord on, 4.º Conde de
                                                                                                                                Aberdeen (Edimburgo, 28 de janeiro de
  contrabando só diminui somente a partir de 1856.                                                                              1784 — Londres, 14 de dezembro de
                                                                                                                                1860) foi um político britânico.
 Em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a lei Áurea que aboliu      Pena de Ouro usada pela princesa Isabel para assinar a
                                                                               Lei Áurea. A pena é toda feita em ouro 18 quilates, com 27
   a escravidão no Brasil. "Áurea" quer dizer "de ouro" e a expressão          diamantes e 25 pedras vermelhas cravejadas.
   refere-se ao caráter glorioso da lei que pôs fim a essa forma desumana
   de exploração do trabalho. Em território brasileiro, a escravidão vigorou
   por cerca de três séculos, do início da colonização à assinatura da lei
   Áurea. Apesar disso, ainda hoje, há formas de trabalho ilegais
   semelhantes à escravidão.

 Abolicionista convicta, já havia lutado pela aprovação da Lei do Ventre
   Livre, em 1871, e financiava com dinheiro próprio não só a alforria de
   dezenas de escravos, mas também o Quilombo do Leblon, que cultivava
   camélias brancas - a flor-símbolo da abolição.

A    sanção ou aprovação da lei foi, principalmente, o resultado da
   campanha abolicionista que se desenvolvia no Brasil desde a década de
   1870, mas não se pode negar o empenho pessoal da princesa Isabel,
   então regente do Império do Brasil, para sua aprovação. Primeira
   senadora brasileira e primeira mulher a assumir uma chefia de Estado
   no continente americano, a princesa Isabel se revelou uma política
   liberal nas três vezes que exerceu a Regência do país.
Declara extinta a escravidão no Brasil:
A Princesa Imperial Regente, em nome de Sua Majestade o Imperador, o Senhor D. Pedro II, faz
saber a todos os súditos do Império que a Assembleia Geral decretou e ela sancionou a lei
seguinte:
Art. 1.º: É declarada extinta desde a data desta lei a escravidão no Brasil.
Art. 2.º: Revogam-se as disposições em contrário.
Manda, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimento e execução da referida Lei
pertencer, que a cumpram, e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém.
O secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas e interino dos
Negócios Estrangeiros, Bacharel Rodrigo Augusto da Silva, do Conselho de Sua Majestade o
Imperador, o faça imprimir, publicar e correr.
Dada no Palácio do Rio de Janeiro, em 13 de maio de 1888, 67.º da Independência e do Império.
                                   Princesa Imperial Regente.
                                     Rodrigo Augusto da Silva
Carta de lei, pela qual Vossa Alteza Imperial manda executar o Decreto da Assembleia Geral, que
houve por bem sancionar, declarando extinta a escravidão no Brasil, como nela se declara.
                                  Para Vossa Alteza Imperial ver.
                                                         Chancelaria-mor do Império - Antônio Ferreira Viana.
                                                 Transitou em 13 de maio de 1888.- José Júlio de Albuquerque.
1820
1821
1822
1823
1824
1825
1826
1827
1828
1829
1830
1831
1832
1833
1834
1835
1836
1837
1838
1839
1840
1841
1842
1843
1844
1845
1846
1847
1848
1849
1850
1851
1852
1853
1854
1855
1856
1857
1858
1859
1860
1861
1862
1863
1864
1865
1866
1867
1868
1869
1870
1871
1872
1873
1874
1875
1876
1877
1878
1879
1880
1881
1882
1883
1884
1885
1886
1887
1888
1889
1890
1891
                                          A Imigração no Brasil (1820-1923)




1892
1893
1894
1895
1896
1897
1898
1899
1900
1901
1902
1903
1904
1905
1906
1907
1908
1909
1910
1911
       (Com exceção do povos africanos)




1912
1913
1914
1915
1916
1917
1918
1919
1920
1921
1922
1923
 Após    a abolição, a vida dos negros
  brasileiros continuou muito difícil. O estado
  brasileiro não se preocupou em oferecer
  condições para que os ex-escravos
  pudessem ser integrados no mercado de
  trabalho formal e assalariado. Muitos
  setores da elite brasileira continuaram com
  o preconceito. Prova disso, foi a
  preferência pela mão-de-obra europeia,
  que aumentou muito no Brasil após a
  abolição. Portanto, a maioria dos negros
  encontrou grandes dificuldades para
  conseguir empregos e manter uma vida               Pintura O Morro da Favela (1924) de Tarsila do Amaral.
  com o mínimo de condições necessárias               Após a Lei Áurea, os negros libertos foram buscar moradia
  (moradia e educação principalmente).                em regiões precárias e afastadas dos bairros centrais das
                                                      cidades. Uma grande reforma urbana no Rio de Janeiro,
                                                      em 1904, expulsou as populações pobres para os morros
Primeira bandeira republicana, de Ruy Barbosa, utilizada como modelo para
algumas bandeiras estaduais.
Unidades Federativas representadas pelas estrelas: Amazonas, Pará, Mato Grosso, Goiás, Maranhão, Piauí,
Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais,
Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal (Guanabara-RJ).
 Durante   a Guerra do Paraguai, o contato dos militares brasileiros com a
   realidade dos seus vizinhos sul-americanos levou-os a refletir sobre a
   relação existente entre regimes políticos e problemas sociais. A partir disso,
   começou a desenvolver-se, um interesse maior pelo ideal republicano e pelo
   desenvolvimento econômico e social brasileiro.
 Dessa forma, não foi casual que a propaganda republicana tenha tido, por
   marco inicial, a publicação do manifesto Republicano em 1870 (ano em que
   terminou a Guerra do Paraguai), seguido pela Convenção de Itu em 1873 e
   pelo surgimento dos clubes republicanos, que se multiplicaram, a partir de
   então, pelos principais centros no país.
 Além   disso, vários grupos foram fortemente influenciados pela maçonaria
   (Deodoro da Fonseca era maçom, assim como todo seu ministério) e pelo
   positivismo, especialmente, após 1881, quando surgiu a igreja Positivista do
   Brasil.
 A propaganda republicana era realizada pelos que, depois, foram chamados
   de "republicanos históricos" .
 Segundo    alguns pesquisadores, os republicanos dividiam-se em duas
   correntes principais:                                                                                                                            Antônio da Silva Jardim
                                                                                                                     Quintino           Antônio     (1860 — 1891). Teve
   Os evolucionistas, que admitiam que a proclamação da república era                                               Ferreira      de     Sousa     grande     atuação      nos
     inevitável, não justificando uma luta armada;                                  Ruy Barbosa de Oliveira          Bocaiuva (1836 — 1912)         movimentos abolicionista e
                                                                                    (1849 — 1923). Foi deputado,     foi um jornalista e político   republicano,
   Os revolucionários, que defendiam a possibilidade de pegar em armas             senador, ministro. Em duas       brasileiro, conhecido por      particularmente no Rio de
     para conquistá-la, com mobilização popular e com reformas sociais e            ocasiões, foi candidato à        sua atuação no processo        Janeiro, na defesa da
     econômicas.                                                                    Presidência da República.        da Proclamação da              mobilização popular para
                                                                                    Empreendeu a Campanha            República. Como político,      que tanto a abolição
 Embora    houvesse diferenças entre cada um desses grupos no tocante às           Civilista contra o candidato     foi o primeiro ministro das    quanto      a      república
                                                                                    militar Hermes da Fonseca.       relações exteriores da
   estratégias políticas para a implementação da república e também quanto ao                                                                       produzissem      resultados
                                                                                    Notável orador e estudioso da    República, de 1889 a           efetivos em prol de toda a
   conteúdo substantivo do regime a instituir, a ideia geral, comum aos dois        língua     portuguesa,     foi   1891, e presidente do          sociedade brasileira.
   grupos, era a de que a república deveria ser um regime progressista,             membro        fundador     da    estado do Rio de Janeiro,
   contraposto à exausta monarquia. Dessa forma, a proposta do novo regime          Academia       Brasileira  de    de 1900 a 1903.
                                                                                    Letras, sendo presidente
   revestia-se de um caráter social revolucionário e não apenas do de uma           entre 1908 e 1919.
   mera troca dos governantes.
 Desde o período colonial, a Igreja Católica,
  enquanto instituição, encontrava-se submetida
  ao estado. Isso se manteve após                 a
  independência e significava, entre outras coisas,
  que nenhuma ordem do Papa poderia vigorar no
  Brasil sem que fosse previamente aprovada pelo
  imperador (Beneplácito Régio). Ocorre que, em
  1872, Vital Maria Gonçalves de Oliveira [4] e
  Antônio de Macedo Costa [5], bispos de Olinda e           [1]         [2]

  Belém do Pará respectivamente, resolveram
  seguir, por conta própria, as ordens do Papa Pio
  IX [3], que excluíam da igreja os maçons, e como
  D. Pedro II [1] e membros de alta influência no
  Brasil Monárquico eram maçons, a Bula não foi
  ratificada.
 Os Bispos se recusaram a obedecer ao                [3]         [4]   [5]
  imperador, sendo presos. Em 1875, graças à
  intervenção do maçom Duque de Caxias [2], os
  bispos receberam o perdão imperial e foram
  colocados em liberdade. Contudo, no episódio, a
  imagem do império desgastou-se junto à Igreja
  Católica. E este foi um fator agravante na Crise
  da Monarquia, pois o apoio da Igreja Católica era
  essencial.
   A questão militar compreende uma séries de eventos,
    ocorridos entre 1883 e 1887, que colocaram em rota de
    colisão oficiais do Exército Brasileiro e políticos monarquistas,
    especialmente os ligados ao Partido Conservador. As
    desavenças entre ambos os grupos começaram após a Guerra
    do Paraguai (1864-1870), quando os militares se deram conta
    de que tinham grande força e faziam muito pelo país, porém
    não eram reconhecidos pela monarquia.

   O auge da chamada “Questão Militar” foi o fato de os militares
    estarem proibidos por lei de se pronunciar sobre assuntos
    políticos.

   O primeiro incidente envolveu o tenente-coronel Antônio de
    Sena Madureira [1], punido por ter defendido publicamente o
    fim da escravatura. Em 1883, ele se manifestara conta a
    contribuição ao montepio (seguro de vida) dos militares. Foi
    advertido e, em seguida, punido: foi transferido para o RS,
                                                                              [2]
    onde passou a defender abertamente o fim da escravatura.
    Para piorar sua situação, apresentou seus pontos de vista no
    jornal republicano “A Federação”.
                                                                        [1]
   Ao mesmo tempo, em agosto de 1885, o coronel Raimundo
    José da Cunha Matos [2], ligado ao Partido Liberal, apurou
    irregularidades num quartel do Piauí e pediu o afastamento do
    comandante corrupto ligado ao Partido Conservador. Matos foi
    duramente atacado pela Câmara. Quando se defendeu das
    críticas em artigos de jornal – recurso veado aos militares –,
    Matos foi preso por dois dias, acirrando ainda mais a questão.
   A sucessão dos acontecimentos envolvendo o Coronel Sena
    Madureira, o Coronel Cunha Matos e a polêmica veiculada pela
    imprensa, culminaram com a manifestação dos alunos da Escola
    Militar da Praia Vermelha [1], no Rio de Janeiro. Indignada, a
    mocidade militar, em outubro de 1886, declararam o seu apoio ao
    então comandante em armas e presidente em exercício da Província
    do Rio Grande do Sul, Marechal Manuel Deodoro da Fonseca [2], que
    havia decidido não punir Sena Madureira, mas sim, unir-se a ele.

   Por não discordar com os fatos e com a sua punição, Sena Madureira
    havia se desligado do Exército. O General Deodoro, por sua vez, foi      [1]
    exonerado e transferido para o Rio de Janeiro. À chegada de ambos à
    Capital, no dia 26 de janeiro de 1887, foram recepcionados e                   [3]
    ovacionados como heróis pelos cadetes da Escola Militar. Ciente de
    que grande parte do Exército apoiava Deodoro, o governo recuou de
    sua investida contra os militares e, em meados do mês de maio, D.
    Pedro II demitiu o Ministro Alfredo Chaves, outorgando o perdão a
    Sena Madureira, Cunha Matos e Deodoro.

   Enquanto a insatisfação militar crescia, ganhava força entre a tropa a
                                                                             [2]
    propaganda Republicana. Finalmente, a 11 de novembro de 1889, em
    meio a mais uma crise, personalidades civis e militares, entre as
    quais Ruy Barbosa, Benjamin Constant [3] e Quintino Bocaiúva,
    tentaram convencer Deodoro - figura conservadora e de prestígio - a
    liderar o movimento contra a monarquia. Desse modo, assumindo o
    comando da tropa, nas primeiras horas do dia 15 de Novembro,
    Deodoro dirigiu-se ao Ministério da Guerra, onde se reuniam os
    líderes monarquistas. Todos foram depostos e foi proclamada a
    República no país.
 Com a vitória, em 15 de novembro de 1889, do movimento
   republicano liderado pelos oficiais do exército, foi
   estabelecido um "Governo Provisório" chefiado pelo
   Marechal Deodoro da Fonseca, no qual todos os membros
   do ministério empossado no dia 15 de novembro eram
   maçons.
 Durante o governo provisório, foi decretada a separação
   entre Estado e Igreja; foi concedida a nacionalidade
   brasileira a todos os imigrantes residentes no Brasil;
   foram nomeados governadores para as províncias que se
   transformaram em estados.
 A família real brasileira foi banida do território brasileiro,
   só podendo a ele retornar a partir de 1920, pouco antes
   do falecimento, em 1921, da Princesa Isabel herdeira do
   trono brasileiro e pouco antes do centenário
   da independência do Brasil que foi comemorado em 1922.
   O decreto 4120 de 3 de setembro de 1920 revogou o
   banimento da família real.
 O "Governo Provisório" terminou com a promulgação,
   em 24 de fevereiro de 1891, da                                  Foi criada uma nova bandeira nacional, em 19 de novembro, com
   primeira constituição republicana do Brasil,                    o lema positivista, "Ordem e Progresso", embora o lema por
                                                                   inteiro dos positivistas fosse 'O amor por princípio, a ordem por
   a constituição de 1891.                                         base e o progresso por fim'. Foram mantidas as cores verde e
                                                                   amarela da bandeira imperial.
Os principais pontos da Constituição foram :
                                                                                   • Abolição das instituições monárquicas;
                                                                                   • Os senadores deixaram de ter cargo vitalício;
                                                                                   • Sistema de governo presidencialista;
                                                                                   • O presidente da República passou a ser o chefe do Poder
                                                                                     Executivo;
                                                                                   • As eleições passaram a ser pelo voto direto, mas continuou a
                                                                                     ser a descoberto (não-secreto);
                                                                                   • Os mandatos tinham duração de quatro anos para o presidente,
                                                                                     nove anos para senadores e três anos para deputados federais;
                                                                                   • Não haveria reeleição de Presidente e vice para o mandato
                                                     No     início  de     1890,     imediatamente seguinte, não havendo impedimentos para um
                                                     iniciaram-se as discussões      posterior a esse;
                                                     para a elaboração da
                                                     nova constituição, que        • Os candidatos a voto efetivo seriam escolhidos por homens
                                                     seria        a     primeira     maiores de 21 anos, à exceção de analfabetos, mendigos,
                                                     constituição republicana e      soldados, mulheres e religiosos sujeitos ao voto de obediência;
                                                     que vigoraria durante toda
                                                     a República Velha. Após       • Ao Congresso Nacional cabia o Poder Legislativo, composto
                                                     um ano de negociações           pelo Senado e pela Câmara de Deputados;
                                                     com os poderes que
                                                     realmente comandavam o        • As províncias passaram a ser denominadas estados, com maior
                                                     Brasil, a promulgação da        autonomia dentro da Federação;
                                                     Constituição Brasileira de
1891 aconteceu em 24 de Fevereiro de 1891. O principal autor da constituição       • Os estados da Federação passaram a ter suas constituições
da República Velha foi Ruy Barbosa. A Constituição de 1891 era fortemente            hierarquicamente organizadas em relação à constituição
inspirada na Constituição dos Estados Unidos. Outro elemento relevante nesse         federal;
contexto é a influência do Positivismo, corrente filosófica formulada na França
por Auguste Comte.                                                                 • A Igreja Católica foi desmembrada do Estado Brasileiro,
                                                                                     deixando de ser a religião oficial do país.
   Em 25 de Fevereiro de 1891, Deodoro foi eleito presidente do Brasil pelo
    colégio eleitoral, formado por senadores e deputados federais.
   No mesmo dia o Marechal Floriano Peixoto foi eleito, também pelo Colégio
    eleitoral, vice-presidente da república, terminando assim o Governo
    Provisório. Um pouco antes, em janeiro do mesmo ano, todo o seu ministério
    havia se demitido, permitindo a Deodoro formar um novo ministério.
   Em 1890, Floriano Peixoto era ministro da Guerra de Deodoro da Fonseca, no
    lugar de Benjamin Constant que havia, em 1891, se demitido, juntamente a
    todo o ministério.

   Eleito pelo Congresso Nacional (indiretamente), Deodoro iniciou seu mandato
    sob forte tensão política. Tinha a oposição do Congresso e da população
    devido à crise econômica.
   Tal fato gerou violenta reação, fazendo com que, entre agosto e novembro de
    1891, o Congresso tentasse aprovar a "Lei de Responsabilidades", que reduzia
    os poderes do presidente.
   Deodoro contra-atacou a decisão do Congresso: em 3 de novembro de 1891,
    Deodoro decretou a dissolução do Congresso, lançando um "Manifesto à
    Nação", para explicar as razões do seu ato. Tropas militares cercaram os
    prédios do Legislativo e prenderam líderes oposicionistas, a imprensa do
    Distrito Federal foi posta sob censura total, decretando, assim, o estado de
    sítio no país.

   A Primeira Revolta da Armada ocorreu no dia 23 de Novembro de 1891,
    quando o Almirante Custódio de Melo, acionado por Floriano Peixoto, a bordo
    do Encouraçado Riachuelo, ameaçou bombardear o Rio de Janeiro caso
    Deodoro não renunciasse. O Marechal Deodoro, então, cedeu às pressões e
    renunciou ao cargo de presidente da República, entregando o poder ao vice-
    presidente, Floriano Peixoto.
 Durante   seu governo, Floriano Peixoto, buscando apoio popular,
  tomou medidas para melhorar as condições de vida da população do
  Brasil, que após um governo de crises econômicas, encontrava-se em
  situação pouco privilegiada. O presidente buscou reduzir os impostos
  dos produtos de primeira necessidade, chegou até a zerar o imposto
  sobre a carne, mesmo assim, não recebeu muito apoio para
  permanecer no poder e contra seu governo enfrentou a Revolução
  Federalista e a Revolta da Armada. Floriano Peixoto foi precedido pelo
  vencedor das eleições, Prudente de Morais.


   •   A Segunda Revolta da Armada aconteceu em 1893, contra o
       presidente, marechal Floriano Peixoto. Floriano não cedeu às ameaças;
       assim, o almirante ordenou o bombardeio da capital brasileira. No ano
       seguinte Floriano e o exército brasileiro obtiveram apoio da marinha de
       guerra norte-americana no rompimento do bloqueio naval imposto                à   ç
       pela marinha brasileira. Assim, o movimento desencadeado pela
       marinha de guerra brasileira no Rio de Janeiro terminou em 1894, com
       a derrota e fuga dos revoltosos para Buenos Aires.                                à



   •   Floriano Peixoto, em seus três anos de governo como presidente,
       enfrentou a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul, iniciada em
       fevereiro de 1893. Ao atacá-la, apoiou o positivista Júlio Prates de      í

       Castilhos. Essa guerra civil foi motivada pela disputa do Partido
       Republicano Rio-Grandense (liderado por Castilhos) e o Partido
       Federalista. Atingiu os estados de Santa Catarina e Paraná, causou a
       morte de milhares de pessoas e só acabou em 1895 com a vitória de
       Castilhos.
Vocabulário:
O Hino à Proclamação da República do Brasil tem letra
                                                          Audaz: corajoso
de Medeiros e Albuquerque (1867-1934) e música            Augusto: majestoso
de Leopoldo Miguez (1850-1902). Foi publicado no Diário   Aurora: nascer do sol
Oficial de 21 de janeiro de 1890.                         Brado: grito
                                                          Estandarte: bandeira
                                                          Hostis: inimigos
                                                          Labéus: desonras
                                                          Lampejo: clarão
                                                          Louçãos: vistosos
                                                          Louros: glórias
                                                          Mister: necessário
                                                          Outrora: em outro tempo
                                                          Ovante: vitoriante
                                                          Pálio: manto
                                                          Pendão: bandeira
                                                          Porvir: tempo futuro
                                                          Púrpuras: vermelhos-escuros
                                                          Rebel: revoltoso
                                                          Régias: reais
                                                          Remir: redimir
                                                          Rubro: vermelho
                                                          Soberbo: orgulhoso
                                                          Tiranos: governantes cruéis
                                                          Torpes: repugnantes
                                                          Transes supremos: momentos
                                                          decisivos
çã   í

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
Edenilson Morais
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
joana71
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
eiprofessor
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
marcosfm32
 

Mais procurados (20)

SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
SLIDES – A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA.
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
A GUERRA DO PARAGUAI E CONFLITOS NO PRATA
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução russa de 1917 pdf
Revolução russa de 1917 pdfRevolução russa de 1917 pdf
Revolução russa de 1917 pdf
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj00 revolução russa – 9º ano sj
00 revolução russa – 9º ano sj
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
 
A Revolução Mexicana (1910)
A Revolução Mexicana (1910)A Revolução Mexicana (1910)
A Revolução Mexicana (1910)
 

Destaque

Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
A proclamação da república no Brasil
A proclamação da república no BrasilA proclamação da república no Brasil
A proclamação da república no Brasil
Sylvio Bazote
 
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de CaxiasPnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Fabiana Esteves
 
PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3
ElieneDias
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
miesbella
 

Destaque (20)

A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
A proclamação da república no Brasil
A proclamação da república no BrasilA proclamação da república no Brasil
A proclamação da república no Brasil
 
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino FundamentalAbolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
Abolição e Proclamação da República no Brasil - Ensino Fundamental
 
A proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasilA proclamação da república no brasil
A proclamação da república no brasil
 
Trabahando com crianças do berçário
Trabahando com crianças do berçárioTrabahando com crianças do berçário
Trabahando com crianças do berçário
 
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de CaxiasPnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
Pnaic oficial encontro 5 Fabiana Esteves Duque de Caxias
 
Mensagem dia dos pais
Mensagem dia dos paisMensagem dia dos pais
Mensagem dia dos pais
 
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   cAtividade 3 5_eunice slides a formiga e  a neve   c
Atividade 3 5_eunice slides a formiga e a neve c
 
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
 
Dona Licinha conto1
Dona Licinha    conto1Dona Licinha    conto1
Dona Licinha conto1
 
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas geraisExpandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
Expandindo a qualidade da educação pública de minas gerais
 
Apresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricularApresentação flexibilização curricular
Apresentação flexibilização curricular
 
Letra uber
Letra uberLetra uber
Letra uber
 
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
DIA D 2014 - A COMUNIDADE ESCOLAR - O dia d e o pip 2
 
1 power~1
1 power~11 power~1
1 power~1
 
Falarcomdeu sco
Falarcomdeu scoFalarcomdeu sco
Falarcomdeu sco
 
PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3PNAIC - Ano 3 unidade 3
PNAIC - Ano 3 unidade 3
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
 
A arte de contar histórias
A arte de contar históriasA arte de contar histórias
A arte de contar histórias
 

Semelhante a Abolição e República

4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
linharespedro305
 
Libertação de escravos no Brasil
Libertação de escravos no BrasilLibertação de escravos no Brasil
Libertação de escravos no Brasil
Cristina Van Opstal
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
Rodrigo
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
Rafael Noronha
 
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesPor uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
GabaritoAulasParticulares
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidão
Rafael Noronha
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
Auxiliadora
 

Semelhante a Abolição e República (20)

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
Movimento abolicionista
Movimento abolicionistaMovimento abolicionista
Movimento abolicionista
 
06 10 leis abolicionistas
06 10 leis abolicionistas06 10 leis abolicionistas
06 10 leis abolicionistas
 
fsdfasdfasdf
fsdfasdfasdffsdfasdfasdf
fsdfasdfasdf
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
 
Brasil v - editora abril
Brasil v - editora abrilBrasil v - editora abril
Brasil v - editora abril
 
Libertação de escravos no Brasil
Libertação de escravos no BrasilLibertação de escravos no Brasil
Libertação de escravos no Brasil
 
2º reinado
2º reinado2º reinado
2º reinado
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
 
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas ParticularesPor uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
Por uma escravidão consciente - Gabarito Aulas Particulares
 
Brasil império
Brasil  impérioBrasil  império
Brasil império
 
01 8º ano história rafa- escravidão
01 8º ano história   rafa- escravidão01 8º ano história   rafa- escravidão
01 8º ano história rafa- escravidão
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
 

Mais de Gabriel Caseiro (8)

Guerra Árabe-Israelense & Revolução Iraniana
Guerra Árabe-Israelense & Revolução IranianaGuerra Árabe-Israelense & Revolução Iraniana
Guerra Árabe-Israelense & Revolução Iraniana
 
China
ChinaChina
China
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
CEI - Comunidade dos Estados Independentes
CEI - Comunidade dos Estados IndependentesCEI - Comunidade dos Estados Independentes
CEI - Comunidade dos Estados Independentes
 
A Colonização da América + Escravidão na América Latina
A Colonização da América + Escravidão na América LatinaA Colonização da América + Escravidão na América Latina
A Colonização da América + Escravidão na América Latina
 
A Colonização da América
A Colonização da AméricaA Colonização da América
A Colonização da América
 
Recursos Minerais e Energéticos
Recursos Minerais e EnergéticosRecursos Minerais e Energéticos
Recursos Minerais e Energéticos
 
Op art
Op artOp art
Op art
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 

Abolição e República

  • 1.
  • 2.
  • 3. "São os filhos do deserto,/ Onde a terra esposa a luz./ Onde vive em campo aberto/ A tribo dos homens nus.../ São os guerreiros ousados/ Que com os tigres mosqueados/ Combatem na solidão./ Ontem simples, fortes, bravos./ Hoje míseros escravos, / Sem luz, sem ar, sem razão..." (O trecho acima é do poema "O navio negreiro", escrito em 18 de abril de 1869, quando Castro Alves tinha apenas 22 anos.) • O Abolicionismo foi a campanha cívica que pôs fim à escravidão no Brasil contou [2] com a participação de vários setores da sociedade brasileira, à exceção dos grandes proprietários de terra - como os cafeicultores paulistas, que certamente perdiam com o fim da mão-de-obra escrava. [1] • Vários acontecimentos dos anos 1860 favoreceram o abolicionismo. Por exemplo, a guerra do Paraguai, que se estendeu de 1864 a 1870. Milhares de escravos foram libertados para combater no lugar de seus proprietários. Além disso, houve a guerra civil americana, entre 1861 e 1865, que terminou com a vitória dos nortistas, favoráveis ao fim da escravatura. Houve a extinção da servidão na Rússia em 1861 e o fim da escravidão nos impérios francês e português. Tudo isso impulsionou o movimento abolicionista aqui. • Os Abolicionistas pertenciam a várias classes sociais, inclusive das elites políticas, como Joaquim Nabuco [2] (principal representante do abolicionismo no Parlamento brasileiro); gente que pretendia reformar a monarquia, ou intelectuais brancos, [3] como o teatrólogo Artur Azevedo e o poeta Castro Alves [1]; negros como o [4] advogado Luís Gama [3] ou o engenheiro André Rebouças [4]. O próprio exército, que se formou na guerra do Paraguai e que contou com colaboração dos escravos. Além disso, as classes médias urbanas que começavam a ter significado na sociedade brasileira, os estudantes universitários, que vão desenvolver inúmeras atividades em prol da abolição.
  • 4. O Bill Aberdeen • Foi aprovada pelo Parlamento Inglês, em 1845, e declarava legal o aprisionamento de qualquer navio que faça o tráfico de Lei do Ventre Livre escravos (incluindo brasileiros), autoriza a perseguição, em • A Lei do Ventre Livre, também conhecida como “Lei terra, dos traficantes e determina que os infratores sejam Rio Branco” foi uma lei abolicionista, promulgada julgados na Inglaterra. em 28 de setembro de 1871 (assinada pela Princesa Isabel). Esta lei considerava livre todos os filhos de mulher escravas nascidos a partir da data da lei. Lei Eusébio de Queirós Euséb io de Queir ós Coutinho Matos o da Câm ara (S ão Paulo de Luand a, • Como seus pais continuariam escravos, a lei 1812 — Rio d e Janeir o, 7 de m aio d e • Foi a legislação brasileira do Segundo Reinado, que proibiu o estabelecia duas possibilidades para as crianças 1868) foi um mag istr ado e p olítico brasileiro. tráfico interatlântico de escravos. que nasciam livres. Poderiam ficar aos cuidados • Foi aprovada em 4 de setembro de 1850, principalmente dos senhores até os 21 anos de idade ou entregues devido à pressão da Inglaterra, materializada pela aplicação ao governo. O primeiro caso foi o mais comum e unilateral, por aquele país, do chamado "Bill Aberdeen". Por beneficiaria os senhores que poderiam usar a mão- essa razão, no Brasil, o Partido Conservador, então no poder, de-obra destes “livres” até os 21 anos de idade. passou a defender, no Poder Legislativo, o fim do tráfico negreiro. À frente dessa defesa esteve o ministro Eusébio de Queirós, que insistiu na necessidade do país tomar por si só a decisão de colocar fim ao tráfico, preservando a imagem de nação soberana. Lei dos Sexagenários (ou Lei Saraiva- Cotejipe) Lei Nabuco de Araújo • Foi promulgada a 28 de setembro de 1885 e garantia liberdade aos escravos com mais de 60 • Para acabar com a clandestinidade, foi criada no dia 5 de julho anos de idade. de 1854 a lei Nabuco de Araújo, como forma de completar a lei de 1850 e reforçar a repressão ao tráfico negreiro. Porém, o George Hamilton-Gord on, 4.º Conde de Aberdeen (Edimburgo, 28 de janeiro de contrabando só diminui somente a partir de 1856. 1784 — Londres, 14 de dezembro de 1860) foi um político britânico.
  • 5.  Em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a lei Áurea que aboliu Pena de Ouro usada pela princesa Isabel para assinar a Lei Áurea. A pena é toda feita em ouro 18 quilates, com 27 a escravidão no Brasil. "Áurea" quer dizer "de ouro" e a expressão diamantes e 25 pedras vermelhas cravejadas. refere-se ao caráter glorioso da lei que pôs fim a essa forma desumana de exploração do trabalho. Em território brasileiro, a escravidão vigorou por cerca de três séculos, do início da colonização à assinatura da lei Áurea. Apesar disso, ainda hoje, há formas de trabalho ilegais semelhantes à escravidão.  Abolicionista convicta, já havia lutado pela aprovação da Lei do Ventre Livre, em 1871, e financiava com dinheiro próprio não só a alforria de dezenas de escravos, mas também o Quilombo do Leblon, que cultivava camélias brancas - a flor-símbolo da abolição. A sanção ou aprovação da lei foi, principalmente, o resultado da campanha abolicionista que se desenvolvia no Brasil desde a década de 1870, mas não se pode negar o empenho pessoal da princesa Isabel, então regente do Império do Brasil, para sua aprovação. Primeira senadora brasileira e primeira mulher a assumir uma chefia de Estado no continente americano, a princesa Isabel se revelou uma política liberal nas três vezes que exerceu a Regência do país.
  • 6. Declara extinta a escravidão no Brasil: A Princesa Imperial Regente, em nome de Sua Majestade o Imperador, o Senhor D. Pedro II, faz saber a todos os súditos do Império que a Assembleia Geral decretou e ela sancionou a lei seguinte: Art. 1.º: É declarada extinta desde a data desta lei a escravidão no Brasil. Art. 2.º: Revogam-se as disposições em contrário. Manda, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimento e execução da referida Lei pertencer, que a cumpram, e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém. O secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas e interino dos Negócios Estrangeiros, Bacharel Rodrigo Augusto da Silva, do Conselho de Sua Majestade o Imperador, o faça imprimir, publicar e correr. Dada no Palácio do Rio de Janeiro, em 13 de maio de 1888, 67.º da Independência e do Império. Princesa Imperial Regente. Rodrigo Augusto da Silva Carta de lei, pela qual Vossa Alteza Imperial manda executar o Decreto da Assembleia Geral, que houve por bem sancionar, declarando extinta a escravidão no Brasil, como nela se declara. Para Vossa Alteza Imperial ver. Chancelaria-mor do Império - Antônio Ferreira Viana. Transitou em 13 de maio de 1888.- José Júlio de Albuquerque.
  • 7.
  • 9.  Após a abolição, a vida dos negros brasileiros continuou muito difícil. O estado brasileiro não se preocupou em oferecer condições para que os ex-escravos pudessem ser integrados no mercado de trabalho formal e assalariado. Muitos setores da elite brasileira continuaram com o preconceito. Prova disso, foi a preferência pela mão-de-obra europeia, que aumentou muito no Brasil após a abolição. Portanto, a maioria dos negros encontrou grandes dificuldades para conseguir empregos e manter uma vida  Pintura O Morro da Favela (1924) de Tarsila do Amaral. com o mínimo de condições necessárias Após a Lei Áurea, os negros libertos foram buscar moradia (moradia e educação principalmente). em regiões precárias e afastadas dos bairros centrais das cidades. Uma grande reforma urbana no Rio de Janeiro, em 1904, expulsou as populações pobres para os morros
  • 10. Primeira bandeira republicana, de Ruy Barbosa, utilizada como modelo para algumas bandeiras estaduais. Unidades Federativas representadas pelas estrelas: Amazonas, Pará, Mato Grosso, Goiás, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal (Guanabara-RJ).
  • 11.  Durante a Guerra do Paraguai, o contato dos militares brasileiros com a realidade dos seus vizinhos sul-americanos levou-os a refletir sobre a relação existente entre regimes políticos e problemas sociais. A partir disso, começou a desenvolver-se, um interesse maior pelo ideal republicano e pelo desenvolvimento econômico e social brasileiro.  Dessa forma, não foi casual que a propaganda republicana tenha tido, por marco inicial, a publicação do manifesto Republicano em 1870 (ano em que terminou a Guerra do Paraguai), seguido pela Convenção de Itu em 1873 e pelo surgimento dos clubes republicanos, que se multiplicaram, a partir de então, pelos principais centros no país.  Além disso, vários grupos foram fortemente influenciados pela maçonaria (Deodoro da Fonseca era maçom, assim como todo seu ministério) e pelo positivismo, especialmente, após 1881, quando surgiu a igreja Positivista do Brasil.  A propaganda republicana era realizada pelos que, depois, foram chamados de "republicanos históricos" .  Segundo alguns pesquisadores, os republicanos dividiam-se em duas correntes principais: Antônio da Silva Jardim Quintino Antônio (1860 — 1891). Teve  Os evolucionistas, que admitiam que a proclamação da república era Ferreira de Sousa grande atuação nos inevitável, não justificando uma luta armada; Ruy Barbosa de Oliveira Bocaiuva (1836 — 1912) movimentos abolicionista e (1849 — 1923). Foi deputado, foi um jornalista e político republicano,  Os revolucionários, que defendiam a possibilidade de pegar em armas senador, ministro. Em duas brasileiro, conhecido por particularmente no Rio de para conquistá-la, com mobilização popular e com reformas sociais e ocasiões, foi candidato à sua atuação no processo Janeiro, na defesa da econômicas. Presidência da República. da Proclamação da mobilização popular para Empreendeu a Campanha República. Como político, que tanto a abolição  Embora houvesse diferenças entre cada um desses grupos no tocante às Civilista contra o candidato foi o primeiro ministro das quanto a república militar Hermes da Fonseca. relações exteriores da estratégias políticas para a implementação da república e também quanto ao produzissem resultados Notável orador e estudioso da República, de 1889 a efetivos em prol de toda a conteúdo substantivo do regime a instituir, a ideia geral, comum aos dois língua portuguesa, foi 1891, e presidente do sociedade brasileira. grupos, era a de que a república deveria ser um regime progressista, membro fundador da estado do Rio de Janeiro, contraposto à exausta monarquia. Dessa forma, a proposta do novo regime Academia Brasileira de de 1900 a 1903. Letras, sendo presidente revestia-se de um caráter social revolucionário e não apenas do de uma entre 1908 e 1919. mera troca dos governantes.
  • 12.  Desde o período colonial, a Igreja Católica, enquanto instituição, encontrava-se submetida ao estado. Isso se manteve após a independência e significava, entre outras coisas, que nenhuma ordem do Papa poderia vigorar no Brasil sem que fosse previamente aprovada pelo imperador (Beneplácito Régio). Ocorre que, em 1872, Vital Maria Gonçalves de Oliveira [4] e Antônio de Macedo Costa [5], bispos de Olinda e [1] [2] Belém do Pará respectivamente, resolveram seguir, por conta própria, as ordens do Papa Pio IX [3], que excluíam da igreja os maçons, e como D. Pedro II [1] e membros de alta influência no Brasil Monárquico eram maçons, a Bula não foi ratificada.  Os Bispos se recusaram a obedecer ao [3] [4] [5] imperador, sendo presos. Em 1875, graças à intervenção do maçom Duque de Caxias [2], os bispos receberam o perdão imperial e foram colocados em liberdade. Contudo, no episódio, a imagem do império desgastou-se junto à Igreja Católica. E este foi um fator agravante na Crise da Monarquia, pois o apoio da Igreja Católica era essencial.
  • 13. A questão militar compreende uma séries de eventos, ocorridos entre 1883 e 1887, que colocaram em rota de colisão oficiais do Exército Brasileiro e políticos monarquistas, especialmente os ligados ao Partido Conservador. As desavenças entre ambos os grupos começaram após a Guerra do Paraguai (1864-1870), quando os militares se deram conta de que tinham grande força e faziam muito pelo país, porém não eram reconhecidos pela monarquia.  O auge da chamada “Questão Militar” foi o fato de os militares estarem proibidos por lei de se pronunciar sobre assuntos políticos.  O primeiro incidente envolveu o tenente-coronel Antônio de Sena Madureira [1], punido por ter defendido publicamente o fim da escravatura. Em 1883, ele se manifestara conta a contribuição ao montepio (seguro de vida) dos militares. Foi advertido e, em seguida, punido: foi transferido para o RS, [2] onde passou a defender abertamente o fim da escravatura. Para piorar sua situação, apresentou seus pontos de vista no jornal republicano “A Federação”. [1]  Ao mesmo tempo, em agosto de 1885, o coronel Raimundo José da Cunha Matos [2], ligado ao Partido Liberal, apurou irregularidades num quartel do Piauí e pediu o afastamento do comandante corrupto ligado ao Partido Conservador. Matos foi duramente atacado pela Câmara. Quando se defendeu das críticas em artigos de jornal – recurso veado aos militares –, Matos foi preso por dois dias, acirrando ainda mais a questão.
  • 14. A sucessão dos acontecimentos envolvendo o Coronel Sena Madureira, o Coronel Cunha Matos e a polêmica veiculada pela imprensa, culminaram com a manifestação dos alunos da Escola Militar da Praia Vermelha [1], no Rio de Janeiro. Indignada, a mocidade militar, em outubro de 1886, declararam o seu apoio ao então comandante em armas e presidente em exercício da Província do Rio Grande do Sul, Marechal Manuel Deodoro da Fonseca [2], que havia decidido não punir Sena Madureira, mas sim, unir-se a ele.  Por não discordar com os fatos e com a sua punição, Sena Madureira havia se desligado do Exército. O General Deodoro, por sua vez, foi [1] exonerado e transferido para o Rio de Janeiro. À chegada de ambos à Capital, no dia 26 de janeiro de 1887, foram recepcionados e [3] ovacionados como heróis pelos cadetes da Escola Militar. Ciente de que grande parte do Exército apoiava Deodoro, o governo recuou de sua investida contra os militares e, em meados do mês de maio, D. Pedro II demitiu o Ministro Alfredo Chaves, outorgando o perdão a Sena Madureira, Cunha Matos e Deodoro.  Enquanto a insatisfação militar crescia, ganhava força entre a tropa a [2] propaganda Republicana. Finalmente, a 11 de novembro de 1889, em meio a mais uma crise, personalidades civis e militares, entre as quais Ruy Barbosa, Benjamin Constant [3] e Quintino Bocaiúva, tentaram convencer Deodoro - figura conservadora e de prestígio - a liderar o movimento contra a monarquia. Desse modo, assumindo o comando da tropa, nas primeiras horas do dia 15 de Novembro, Deodoro dirigiu-se ao Ministério da Guerra, onde se reuniam os líderes monarquistas. Todos foram depostos e foi proclamada a República no país.
  • 15.  Com a vitória, em 15 de novembro de 1889, do movimento republicano liderado pelos oficiais do exército, foi estabelecido um "Governo Provisório" chefiado pelo Marechal Deodoro da Fonseca, no qual todos os membros do ministério empossado no dia 15 de novembro eram maçons.  Durante o governo provisório, foi decretada a separação entre Estado e Igreja; foi concedida a nacionalidade brasileira a todos os imigrantes residentes no Brasil; foram nomeados governadores para as províncias que se transformaram em estados.  A família real brasileira foi banida do território brasileiro, só podendo a ele retornar a partir de 1920, pouco antes do falecimento, em 1921, da Princesa Isabel herdeira do trono brasileiro e pouco antes do centenário da independência do Brasil que foi comemorado em 1922. O decreto 4120 de 3 de setembro de 1920 revogou o banimento da família real.  O "Governo Provisório" terminou com a promulgação, em 24 de fevereiro de 1891, da Foi criada uma nova bandeira nacional, em 19 de novembro, com primeira constituição republicana do Brasil, o lema positivista, "Ordem e Progresso", embora o lema por inteiro dos positivistas fosse 'O amor por princípio, a ordem por a constituição de 1891. base e o progresso por fim'. Foram mantidas as cores verde e amarela da bandeira imperial.
  • 16. Os principais pontos da Constituição foram : • Abolição das instituições monárquicas; • Os senadores deixaram de ter cargo vitalício; • Sistema de governo presidencialista; • O presidente da República passou a ser o chefe do Poder Executivo; • As eleições passaram a ser pelo voto direto, mas continuou a ser a descoberto (não-secreto); • Os mandatos tinham duração de quatro anos para o presidente, nove anos para senadores e três anos para deputados federais; • Não haveria reeleição de Presidente e vice para o mandato No início de 1890, imediatamente seguinte, não havendo impedimentos para um iniciaram-se as discussões posterior a esse; para a elaboração da nova constituição, que • Os candidatos a voto efetivo seriam escolhidos por homens seria a primeira maiores de 21 anos, à exceção de analfabetos, mendigos, constituição republicana e soldados, mulheres e religiosos sujeitos ao voto de obediência; que vigoraria durante toda a República Velha. Após • Ao Congresso Nacional cabia o Poder Legislativo, composto um ano de negociações pelo Senado e pela Câmara de Deputados; com os poderes que realmente comandavam o • As províncias passaram a ser denominadas estados, com maior Brasil, a promulgação da autonomia dentro da Federação; Constituição Brasileira de 1891 aconteceu em 24 de Fevereiro de 1891. O principal autor da constituição • Os estados da Federação passaram a ter suas constituições da República Velha foi Ruy Barbosa. A Constituição de 1891 era fortemente hierarquicamente organizadas em relação à constituição inspirada na Constituição dos Estados Unidos. Outro elemento relevante nesse federal; contexto é a influência do Positivismo, corrente filosófica formulada na França por Auguste Comte. • A Igreja Católica foi desmembrada do Estado Brasileiro, deixando de ser a religião oficial do país.
  • 17. Em 25 de Fevereiro de 1891, Deodoro foi eleito presidente do Brasil pelo colégio eleitoral, formado por senadores e deputados federais.  No mesmo dia o Marechal Floriano Peixoto foi eleito, também pelo Colégio eleitoral, vice-presidente da república, terminando assim o Governo Provisório. Um pouco antes, em janeiro do mesmo ano, todo o seu ministério havia se demitido, permitindo a Deodoro formar um novo ministério.  Em 1890, Floriano Peixoto era ministro da Guerra de Deodoro da Fonseca, no lugar de Benjamin Constant que havia, em 1891, se demitido, juntamente a todo o ministério.  Eleito pelo Congresso Nacional (indiretamente), Deodoro iniciou seu mandato sob forte tensão política. Tinha a oposição do Congresso e da população devido à crise econômica.  Tal fato gerou violenta reação, fazendo com que, entre agosto e novembro de 1891, o Congresso tentasse aprovar a "Lei de Responsabilidades", que reduzia os poderes do presidente.  Deodoro contra-atacou a decisão do Congresso: em 3 de novembro de 1891, Deodoro decretou a dissolução do Congresso, lançando um "Manifesto à Nação", para explicar as razões do seu ato. Tropas militares cercaram os prédios do Legislativo e prenderam líderes oposicionistas, a imprensa do Distrito Federal foi posta sob censura total, decretando, assim, o estado de sítio no país.  A Primeira Revolta da Armada ocorreu no dia 23 de Novembro de 1891, quando o Almirante Custódio de Melo, acionado por Floriano Peixoto, a bordo do Encouraçado Riachuelo, ameaçou bombardear o Rio de Janeiro caso Deodoro não renunciasse. O Marechal Deodoro, então, cedeu às pressões e renunciou ao cargo de presidente da República, entregando o poder ao vice- presidente, Floriano Peixoto.
  • 18.  Durante seu governo, Floriano Peixoto, buscando apoio popular, tomou medidas para melhorar as condições de vida da população do Brasil, que após um governo de crises econômicas, encontrava-se em situação pouco privilegiada. O presidente buscou reduzir os impostos dos produtos de primeira necessidade, chegou até a zerar o imposto sobre a carne, mesmo assim, não recebeu muito apoio para permanecer no poder e contra seu governo enfrentou a Revolução Federalista e a Revolta da Armada. Floriano Peixoto foi precedido pelo vencedor das eleições, Prudente de Morais. • A Segunda Revolta da Armada aconteceu em 1893, contra o presidente, marechal Floriano Peixoto. Floriano não cedeu às ameaças; assim, o almirante ordenou o bombardeio da capital brasileira. No ano seguinte Floriano e o exército brasileiro obtiveram apoio da marinha de guerra norte-americana no rompimento do bloqueio naval imposto à ç pela marinha brasileira. Assim, o movimento desencadeado pela marinha de guerra brasileira no Rio de Janeiro terminou em 1894, com a derrota e fuga dos revoltosos para Buenos Aires. à • Floriano Peixoto, em seus três anos de governo como presidente, enfrentou a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul, iniciada em fevereiro de 1893. Ao atacá-la, apoiou o positivista Júlio Prates de í Castilhos. Essa guerra civil foi motivada pela disputa do Partido Republicano Rio-Grandense (liderado por Castilhos) e o Partido Federalista. Atingiu os estados de Santa Catarina e Paraná, causou a morte de milhares de pessoas e só acabou em 1895 com a vitória de Castilhos.
  • 19. Vocabulário: O Hino à Proclamação da República do Brasil tem letra Audaz: corajoso de Medeiros e Albuquerque (1867-1934) e música Augusto: majestoso de Leopoldo Miguez (1850-1902). Foi publicado no Diário Aurora: nascer do sol Oficial de 21 de janeiro de 1890. Brado: grito Estandarte: bandeira Hostis: inimigos Labéus: desonras Lampejo: clarão Louçãos: vistosos Louros: glórias Mister: necessário Outrora: em outro tempo Ovante: vitoriante Pálio: manto Pendão: bandeira Porvir: tempo futuro Púrpuras: vermelhos-escuros Rebel: revoltoso Régias: reais Remir: redimir Rubro: vermelho Soberbo: orgulhoso Tiranos: governantes cruéis Torpes: repugnantes Transes supremos: momentos decisivos
  • 20. çã í