SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Rodrigo Alcantara Gaspar
Capítulo 1: A Travessia

A Travessia

 As viagens entre a costa
da África e o Brasil
duravam de 30 a 45
dias em condições
precárias.
 Os escravizados eram
transportados para o
Brasil nos Navios
Negreiros.
A Travessia

 Detalhe do local onde
os negros ficavam.

 Os Navios Negreiros
também eram
conhecidos como
Navios Tumbeiros,
devido ao grande
número de morte que
aconteciam durante as
viagens.
Capítulo 2: A Venda

A Venda

 Assim que chegavam
muitos escravos eram
leiloados ainda nos
portos.
 Os escravos eram
tratados como
mercadoria, desta
forma eram vendidos e
comprados.
A Venda

 O comércio de escravos
logo se mostrou
altamente lucrativo.
 O comércio de escravo
não acontecia
exclusivamente no
Brasil, podemos
perceber sua presença
em todo o continente
americano.
A Venda

Capítulo 3: O Trabalho

O Trabalho

 "Os escravos são as
mãos e os pés do
senhor de engenho,
porque sem eles no
Brasil não é possível
fazer, conservar e
aumentar fazenda.“
Antonil, Cultura e
Opulência do Brasil, 1711,
Livro I, Capítulo, IX
O Trabalho

 Os escravos plantavam,
colhiam, cozinhavam,
construíam, produziam
açúcar, trabalhavam
nas minas, nas fazenda
de café, ou seja, faziam
TODO e QUALQUER
tipo de trabalho.
O Trabalho

O Trabalho

Nas Minas de Ouro

Nas Fazendas de café
O Trabalho

 Algumas vezes, até
mesmo AMAMENTAR
o filho do Senhor de era
obrigação das escravas.
Capítulo 4: Senzala

Senzala

 As Senzalas eram onde
os escravos ficaram.
 Hoje são grandes
atrações turísticas,
entretanto no período
da escravidão era palco
de grande tristeza.
A Senzala

 Para evitar fugas
durante a calada da
noite, os escravos
dormiam presos.
Senzala

Senzala Uruaé

Casarão nº 6 - porão-senzala
Capítulo 5: Castigos

Castigos

 Tantos os motivos
quanto as formas dos
castigos eram diversas
 A mais comum eram as
chicotadas. Ao lado as
marcas do sofrimento.
Castigos

 O Pelourinho era uma
coluna feita de madeira
ou pedra localizada em

praças movimentadas
onde os escravos e
infratores eram punidos.
Castigos

 Instrumentos de ferro
utilizados para
maltratar os escravos.
Castigos

 Máscara de Flandres:
utilizada como forma
de punição aos escravos
que furtavam alimentos
ou ingeriam terra.
 A máscara poderia
cobrir todo o rosto ou
só a boca.
Capítulo 6: Resistência

Resistência

 Era comum os escravos
fugirem das fazendas
onde trabalhavam.
 O Capitão do Mato era o
responsável por
recapturar os fugitivos.
 Havia muitos anúncios
nos jornais da época com
recompensas generosas
para quem captura-se ou
desse notícias sobre o
paradeiro do foragido.
Resistência

 Os Quilombos são
locais de refúgios dos
africanos e
afrodescendentes no
Brasil.
 Abrigava também
minorias indígenas e
branca.
Resistência

 Visite o mapa em:
http://1.bp.blogspot.com
/_zMzKDp_TpFw/S_G5_
wLeQpI/AAAAAAAAA
Ns/Qnrvvdfools/s1600/
MAPA+QUILOMBOS.jpg
Acessado em: 24/10/2013 ás
21h:20min.
Resistência

 O quilombo mais
conhecido, sem dúvida
é o de Palmares. Este se
localizava na Capitânia
de Pernambuco, atual
Estado de Alagoas.
 Entretanto existiram
várias outros
quilombos.
Resistência

Resistência

 A Capoeira é um misto
de Dança, arte-marcial,
esporte e cultura.
 A prática desse esporte
tinha como finalidade
ter mais agilidade nas
fugas.
 Por muitos anos foi
proibia de ser
praticada.
Resistência

Ouça: História de Preto Velho
Resistência

 Os escravos utilizavam
do Cristianismosincrético, desta forma
conseguiram manter
sua religiosidade sem
levantar suspeitas.
 Exemplo de sincretismo
Ogum = São Jorge
Oxum = N.S. Aparecida
Resistência

 São muitas as palavras
de origem africana que
foram incorporadas na
língua portuguesa.
 Outros exemplos:
FUBÁ, QUIABO,
BANZO, TANGA,
MOCAMBO entre
outras.
Capítulo 7: Abolição

Abolição

 Sob forte pressão dos
ingleses a Lei Eusébio
de Queirós entra em
vigor, em 1850.
 Esta lei proibia a
entrada de escravizados
no Brasil.
Abolição

 A Lei do Ventre livre
estabelecia que todos os
filhos de mulheres escravas
nascidos a partir de 28 de
setembro de 1871 seriam
considerado livres.
 Entretanto, até os 8 anos
ficavam sob a autoridade do
senhor; depois, ele poderia
escolher ou recebia uma
quantia de 600 mil réis do
governo e lhe entregava o
menor ou utilizava seus
serviços até os 21 anos.
Abolição

 A Lei dos Sexagenários
declarava livre os
escravos com mais de
60 anos, mas como
forma de indenização
era preciso trabalhar
mais três anos
gratuitamente.
 Vale lembra que o fato
de um escravo chegar
aos 60 anos era RARO.
Abolição

 O Movimento
Abolicionista agitou a
sociedade brasileira no
final do Segundo
Reinado.
 Os Abolicionistas foram
ganhando força ao
longo desse período.
Abolição


 “Somente no ano de 1888,
quando a princesa Isabel assumiu
o trono na condição de regente,
os abolicionistas conseguiram
aprovar o decreto que dava fim à
escravidão no Brasil. Apesar de
conceder a liberdade para
milhares, a chamada “Lei Áurea”
não tratou de pensar ou garantir
a inserção dos negros libertos na
sociedade brasileira. Deste modo,
a abolição não trouxe
transformações significativas na
vida dessa parcela da população”.
Rainer Sousa
Abolição

 Os libertos não
receberam nenhum tipo
de ajuda por parte do
governo.
 A Liberdade foi a única
coisa que ganharam.
Capítulo 8: Discriminação


Discriminação


 Muitos libertos
negociaram sua
permanência nas
fazendas em troca de um
modesto salário ou por
parte da colheita.
 Outros foram para as
cidades em busca de uma
nova vida. Mas não
conseguiam encontrar
empregos, pois os
empresários preferiam os
imigrantes europeus.
Discriminação

 Os recém libertos
sofriam com o racismo
silencioso.
 O MITO DA
DEMOCRACIA
RACIAL, ou seja, as
pessoas afirmam que
não há
PRECONCEITO/
RACISMO no Brasil.
Discriminação

 O Dia da Consciência
Negra significa que
todos somos iguais.
 Significa que nenhuma
raça é melhor ou pior
do que a outra.
ESCRAVIDÃO

 Curso Básico sobre
Escravidão no Brasil.
 Professor Rodrigo
Alcantara Gaspar
 Para saber mais entre
no meu site:
roagaspar.weebly.com

Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
carlosbidu
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Os bandeirantes
Os bandeirantesOs bandeirantes
Os bandeirantes
Cristianerocharibas
 
Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
Alunos IFMA
 
Escravidão indígena
Escravidão indígenaEscravidão indígena
Escravidão indígena
Nara Oliveira
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
Joemille Leal
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Inconfidência mineira
Inconfidência mineiraInconfidência mineira
Inconfidência mineira
Pitágoras
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Abolição da escravidão
Abolição da escravidão
Isaquel Silva
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
Rodrigo Luiz
 
Fim do-tráfico-negreiro
Fim do-tráfico-negreiroFim do-tráfico-negreiro
Fim do-tráfico-negreiro
Junior Silva
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo
Kerol Brombal
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
Portal do Vestibulando
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 

Mais procurados (20)

Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Os bandeirantes
Os bandeirantesOs bandeirantes
Os bandeirantes
 
Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
 
Escravidão indígena
Escravidão indígenaEscravidão indígena
Escravidão indígena
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Inconfidência mineira
Inconfidência mineiraInconfidência mineira
Inconfidência mineira
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Abolição da escravidão
Abolição da escravidão
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Fim do-tráfico-negreiro
Fim do-tráfico-negreiroFim do-tráfico-negreiro
Fim do-tráfico-negreiro
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo3 brasil colônia completo
3 brasil colônia completo
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 

Destaque

Projeto 200 anos
Projeto 200 anosProjeto 200 anos
Projeto 200 anos
sandrabio
 
Fotos do Rio de Janeiro no Segundo Império
Fotos do Rio de Janeiro no Segundo ImpérioFotos do Rio de Janeiro no Segundo Império
Fotos do Rio de Janeiro no Segundo Império
Diário do Rio
 
O escravo gaúcho
O escravo gaúchoO escravo gaúcho
O escravo gaúcho
Felipe Franco
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2bAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Lila Donato
 
O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08
O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08
O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08
Mauro Sousa
 
Aula 05 o mundo egeu
Aula 05   o mundo egeuAula 05   o mundo egeu
Aula 05 o mundo egeu
Lila Donato
 
A vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilA vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasil
Janayna Lira
 
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãAula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Lila Donato
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro Alves
Kleber Brito
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Lila Donato
 
Aula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoAula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualização
Lila Donato
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Lila Donato
 
Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.
Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.
Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Lila Donato
 
Aula 02 a pré-história
Aula 02   a pré-históriaAula 02   a pré-história
Aula 02 a pré-história
Lila Donato
 
Aula 03 o egito
Aula 03   o egitoAula 03   o egito
Aula 03 o egito
Lila Donato
 
Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2
Lila Donato
 
2 Navio Negreiro
2  Navio Negreiro2  Navio Negreiro
2 Navio Negreiro
Marcas da Luta
 
05 por que estudamos história
05   por que estudamos história05   por que estudamos história
05 por que estudamos história
Renata Telha
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro Alves
Isabella Ruas
 

Destaque (20)

Projeto 200 anos
Projeto 200 anosProjeto 200 anos
Projeto 200 anos
 
Fotos do Rio de Janeiro no Segundo Império
Fotos do Rio de Janeiro no Segundo ImpérioFotos do Rio de Janeiro no Segundo Império
Fotos do Rio de Janeiro no Segundo Império
 
O escravo gaúcho
O escravo gaúchoO escravo gaúcho
O escravo gaúcho
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2bAula 07   idade média - a arte cristã primitiva 2b
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 2b
 
O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08
O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08
O padrão anatômico dos hominídeos e sua evolução(1) 29 09-08
 
Aula 05 o mundo egeu
Aula 05   o mundo egeuAula 05   o mundo egeu
Aula 05 o mundo egeu
 
A vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilA vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasil
 
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristãAula 02 arquitetura e arte paleocristã
Aula 02 arquitetura e arte paleocristã
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro Alves
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 4
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 4
 
Aula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualizaçãoAula 01 revisão e contextualização
Aula 01 revisão e contextualização
 
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3Aula 07   idade média - a arte cristã primitiva 3
Aula 07 idade média - a arte cristã primitiva 3
 
Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.
Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.
Os primeiros hominídeos e o estilo de vida no Paleolítico.
 
Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1Aula 04 arquitetura românica parte 1
Aula 04 arquitetura românica parte 1
 
Aula 02 a pré-história
Aula 02   a pré-históriaAula 02   a pré-história
Aula 02 a pré-história
 
Aula 03 o egito
Aula 03   o egitoAula 03   o egito
Aula 03 o egito
 
Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2Aula 04 arquitetura românica parte 2
Aula 04 arquitetura românica parte 2
 
2 Navio Negreiro
2  Navio Negreiro2  Navio Negreiro
2 Navio Negreiro
 
05 por que estudamos história
05   por que estudamos história05   por que estudamos história
05 por que estudamos história
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro Alves
 

Semelhante a Escravidão

Escravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colôniaEscravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colônia
Luana Silveeira
 
A escravidao
A escravidaoA escravidao
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
Rafael Noronha
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
Anderson Torres
 
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
Marquês de Pombal
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Aulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.pptAulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.ppt
Deisy Bezerra
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
Rodrigo F Menegatti
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
Alexandre Protásio
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
Carlos Glufke
 
APOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS - Escravidão no Brasil 8°ano.pdf
APOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS  - Escravidão no Brasil 8°ano.pdfAPOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS  - Escravidão no Brasil 8°ano.pdf
APOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS - Escravidão no Brasil 8°ano.pdf
Dyegovila1
 
Abolição e República
Abolição e RepúblicaAbolição e República
Abolição e República
Gabriel Caseiro
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 
01 8º ano história rafael - escravidão.
01 8º ano história   rafael  - escravidão.01 8º ano história   rafael  - escravidão.
01 8º ano história rafael - escravidão.
Rafael Noronha
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
ecsette
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
Dandara Lima
 
A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...
A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...
A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...
manuelacarvalho
 

Semelhante a Escravidão (20)

Escravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colôniaEscravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colônia
 
A escravidao
A escravidaoA escravidao
A escravidao
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
 
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Aulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.pptAulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.ppt
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
 
APOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS - Escravidão no Brasil 8°ano.pdf
APOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS  - Escravidão no Brasil 8°ano.pdfAPOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS  - Escravidão no Brasil 8°ano.pdf
APOSTILA ESTUDOS AMAZÔNICOS - Escravidão no Brasil 8°ano.pdf
 
Abolição e República
Abolição e RepúblicaAbolição e República
Abolição e República
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
01 8º ano história rafael - escravidão.
01 8º ano história   rafael  - escravidão.01 8º ano história   rafael  - escravidão.
01 8º ano história rafael - escravidão.
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
 
A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...
A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...
A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existiu durante muito t...
 

Escravidão

  • 2.
  • 3. Capítulo 1: A Travessia 
  • 4. A Travessia   As viagens entre a costa da África e o Brasil duravam de 30 a 45 dias em condições precárias.  Os escravizados eram transportados para o Brasil nos Navios Negreiros.
  • 5. A Travessia   Detalhe do local onde os negros ficavam.  Os Navios Negreiros também eram conhecidos como Navios Tumbeiros, devido ao grande número de morte que aconteciam durante as viagens.
  • 6. Capítulo 2: A Venda 
  • 7. A Venda   Assim que chegavam muitos escravos eram leiloados ainda nos portos.  Os escravos eram tratados como mercadoria, desta forma eram vendidos e comprados.
  • 8. A Venda   O comércio de escravos logo se mostrou altamente lucrativo.  O comércio de escravo não acontecia exclusivamente no Brasil, podemos perceber sua presença em todo o continente americano.
  • 10. Capítulo 3: O Trabalho 
  • 11. O Trabalho   "Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles no Brasil não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda.“ Antonil, Cultura e Opulência do Brasil, 1711, Livro I, Capítulo, IX
  • 12. O Trabalho   Os escravos plantavam, colhiam, cozinhavam, construíam, produziam açúcar, trabalhavam nas minas, nas fazenda de café, ou seja, faziam TODO e QUALQUER tipo de trabalho.
  • 14. O Trabalho  Nas Minas de Ouro Nas Fazendas de café
  • 15. O Trabalho   Algumas vezes, até mesmo AMAMENTAR o filho do Senhor de era obrigação das escravas.
  • 17. Senzala   As Senzalas eram onde os escravos ficaram.  Hoje são grandes atrações turísticas, entretanto no período da escravidão era palco de grande tristeza.
  • 18. A Senzala   Para evitar fugas durante a calada da noite, os escravos dormiam presos.
  • 21. Castigos   Tantos os motivos quanto as formas dos castigos eram diversas  A mais comum eram as chicotadas. Ao lado as marcas do sofrimento.
  • 22. Castigos   O Pelourinho era uma coluna feita de madeira ou pedra localizada em praças movimentadas onde os escravos e infratores eram punidos.
  • 23. Castigos   Instrumentos de ferro utilizados para maltratar os escravos.
  • 24. Castigos   Máscara de Flandres: utilizada como forma de punição aos escravos que furtavam alimentos ou ingeriam terra.  A máscara poderia cobrir todo o rosto ou só a boca.
  • 26. Resistência   Era comum os escravos fugirem das fazendas onde trabalhavam.  O Capitão do Mato era o responsável por recapturar os fugitivos.  Havia muitos anúncios nos jornais da época com recompensas generosas para quem captura-se ou desse notícias sobre o paradeiro do foragido.
  • 27. Resistência   Os Quilombos são locais de refúgios dos africanos e afrodescendentes no Brasil.  Abrigava também minorias indígenas e branca.
  • 28. Resistência   Visite o mapa em: http://1.bp.blogspot.com /_zMzKDp_TpFw/S_G5_ wLeQpI/AAAAAAAAA Ns/Qnrvvdfools/s1600/ MAPA+QUILOMBOS.jpg Acessado em: 24/10/2013 ás 21h:20min.
  • 29. Resistência   O quilombo mais conhecido, sem dúvida é o de Palmares. Este se localizava na Capitânia de Pernambuco, atual Estado de Alagoas.  Entretanto existiram várias outros quilombos.
  • 31. Resistência   A Capoeira é um misto de Dança, arte-marcial, esporte e cultura.  A prática desse esporte tinha como finalidade ter mais agilidade nas fugas.  Por muitos anos foi proibia de ser praticada.
  • 33. Resistência   Os escravos utilizavam do Cristianismosincrético, desta forma conseguiram manter sua religiosidade sem levantar suspeitas.  Exemplo de sincretismo Ogum = São Jorge Oxum = N.S. Aparecida
  • 34. Resistência   São muitas as palavras de origem africana que foram incorporadas na língua portuguesa.  Outros exemplos: FUBÁ, QUIABO, BANZO, TANGA, MOCAMBO entre outras.
  • 36. Abolição   Sob forte pressão dos ingleses a Lei Eusébio de Queirós entra em vigor, em 1850.  Esta lei proibia a entrada de escravizados no Brasil.
  • 37. Abolição   A Lei do Ventre livre estabelecia que todos os filhos de mulheres escravas nascidos a partir de 28 de setembro de 1871 seriam considerado livres.  Entretanto, até os 8 anos ficavam sob a autoridade do senhor; depois, ele poderia escolher ou recebia uma quantia de 600 mil réis do governo e lhe entregava o menor ou utilizava seus serviços até os 21 anos.
  • 38. Abolição   A Lei dos Sexagenários declarava livre os escravos com mais de 60 anos, mas como forma de indenização era preciso trabalhar mais três anos gratuitamente.  Vale lembra que o fato de um escravo chegar aos 60 anos era RARO.
  • 39. Abolição   O Movimento Abolicionista agitou a sociedade brasileira no final do Segundo Reinado.  Os Abolicionistas foram ganhando força ao longo desse período.
  • 40. Abolição   “Somente no ano de 1888, quando a princesa Isabel assumiu o trono na condição de regente, os abolicionistas conseguiram aprovar o decreto que dava fim à escravidão no Brasil. Apesar de conceder a liberdade para milhares, a chamada “Lei Áurea” não tratou de pensar ou garantir a inserção dos negros libertos na sociedade brasileira. Deste modo, a abolição não trouxe transformações significativas na vida dessa parcela da população”. Rainer Sousa
  • 41. Abolição   Os libertos não receberam nenhum tipo de ajuda por parte do governo.  A Liberdade foi a única coisa que ganharam.
  • 43. Discriminação   Muitos libertos negociaram sua permanência nas fazendas em troca de um modesto salário ou por parte da colheita.  Outros foram para as cidades em busca de uma nova vida. Mas não conseguiam encontrar empregos, pois os empresários preferiam os imigrantes europeus.
  • 44. Discriminação   Os recém libertos sofriam com o racismo silencioso.  O MITO DA DEMOCRACIA RACIAL, ou seja, as pessoas afirmam que não há PRECONCEITO/ RACISMO no Brasil.
  • 45. Discriminação   O Dia da Consciência Negra significa que todos somos iguais.  Significa que nenhuma raça é melhor ou pior do que a outra.
  • 46. ESCRAVIDÃO   Curso Básico sobre Escravidão no Brasil.  Professor Rodrigo Alcantara Gaspar  Para saber mais entre no meu site: roagaspar.weebly.com Obrigado!