SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Abolicionismo
Abolicionismo
O quefoioAbolicionism
o:
O quefoioAbolicionism
o:
 O Abolicionismo foi um movimento social, ocorrido entre
O Abolicionismo foi um movimento social, ocorrido entre 1870
1870
e
e 1888
1888, que defendeu o fim da
, que defendeu o fim da escravidão
escravidão no
no Brasil
Brasil. Terminou
. Terminou
com a promulgação da
com a promulgação da Lei Áurea
Lei Áurea, que extinguiu o regime
, que extinguiu o regime
escravista originário da colonização portuguesa.
escravista originário da colonização portuguesa.
BillAberdeen
BillAberdeen
 Desde 1831 o Brasil havia prometido acabar com o
Desde 1831 o Brasil havia prometido acabar com o
comércio negreiro.Em Março de 1845 esgotou-se o
comércio negreiro.Em Março de 1845 esgotou-se o
prazo do último tratado assinado entre Brasil e Grã-
prazo do último tratado assinado entre Brasil e Grã-
Bretanha e o Governo britânico decretou, em agosto, o
Bretanha e o Governo britânico decretou, em agosto, o
Bill
Bill Aberdeen
Aberdeen .
.
 O Ato dava o direito de aprisionar navios negreiros,
O Ato dava o direito de aprisionar navios negreiros,
mesmo em águas territoriais brasileiras, e julgar seus
mesmo em águas territoriais brasileiras, e julgar seus
comandantes. deveriam se desfazer da carga,
comandantes. deveriam se desfazer da carga,
devolvendo os escravos à África , no Brasil o
devolvendo os escravos à África , no Brasil o Bill
Bill
Aberdeen
Aberdeen provocou pânico em traficantes e
provocou pânico em traficantes e
proprietários de escravos com isso o preço por
proprietários de escravos com isso o preço por
escravos aumentou
escravos aumentou
 Cedendo às pressões,
Cedendo às pressões, D. Pedro II
D. Pedro II deu passo
deu passo
importante: seu Gabinete elaborou um projeto
importante: seu Gabinete elaborou um projeto
de lei, apresentado ao Parlamento pelo Ministro
de lei, apresentado ao Parlamento pelo Ministro
da Justiça
da Justiça Eusébio de Queirós
Eusébio de Queirós, que adotava
, que adotava
medidas eficazes para a extinção do tráfico.
medidas eficazes para a extinção do tráfico.
Estima-se que o tráfico negreiro envolveu entre 9 a 11 milhões de escravos transportados
Estima-se que o tráfico negreiro envolveu entre 9 a 11 milhões de escravos transportados
 Os
Os conservadores
conservadores continuavam empenhados em manter o sistema escravista e a
continuavam empenhados em manter o sistema escravista e a
estrutura colonial de produção. Para racionalizar o uso da mão de obra
estrutura colonial de produção. Para racionalizar o uso da mão de obra
escrava, incentivaram então o
escrava, incentivaram então o tráfico interno
tráfico interno, realizado pelos antigos
, realizado pelos antigos
traficantes .
traficantes .
Mas o esvaziamento descontentará os senhores de escravos e de terras
Mas o esvaziamento descontentará os senhores de escravos e de terras
nordestinas, que viraram abolicionistas. Estes abolicionistas esperavam que,
nordestinas, que viraram abolicionistas. Estes abolicionistas esperavam que,
cessando o fornecimento de escravos, a escravidão desaparecesse aos poucos
cessando o fornecimento de escravos, a escravidão desaparecesse aos poucos
– o que não aconteceu.
– o que não aconteceu.
* Tantos foram os protestos que
* Tantos foram os protestos que Eusébio de Queirós
Eusébio de Queirós teve que
teve que
comparecer à Câmara dos Deputados em julho de 1852, apelar para a
comparecer à Câmara dos Deputados em julho de 1852, apelar para a
mudança da opinião pública. Lembrou que muitos fazendeiros
mudança da opinião pública. Lembrou que muitos fazendeiros
enfrentavam dificuldades financeiras, sem poder pagar suas dívidas
enfrentavam dificuldades financeiras, sem poder pagar suas dívidas
com os traficantes. Lembrou ainda que se continuasse a entrar no
com os traficantes. Lembrou ainda que se continuasse a entrar no
Império tamanha grande quantidade de escravos africanos, haveria um
Império tamanha grande quantidade de escravos africanos, haveria um
desequilíbrio entre as categorias da população - livres e escravos. A
desequilíbrio entre as categorias da população - livres e escravos. A
chamada «boa sociedade» ficaria exposta a «perigos gravíssimos», pois
chamada «boa sociedade» ficaria exposta a «perigos gravíssimos», pois
o desequilíbrio já provocara numerosas rebeliões (como a dos
o desequilíbrio já provocara numerosas rebeliões (como a dos Malês
Malês,
,
em Salvador, em 1835).
em Salvador, em 1835).
LeidoVentreLivre
LeidoVentreLivre
 O gabinete do
O gabinete do Visconde do Rio Branco
Visconde do Rio Branco, do Partido
, do Partido
Conservador, que promulgou a primeira lei
Conservador, que promulgou a primeira lei
abolicionista, a
abolicionista, a Lei do Ventre Livre
Lei do Ventre Livre, em 28 de setembro
, em 28 de setembro
de 1871.
de 1871.
 A Lei do Ventre Livre declarava de condição livre os
A Lei do Ventre Livre declarava de condição livre os
filhos de mulher escrava nascidos desde a data da lei. O
filhos de mulher escrava nascidos desde a data da lei. O
índice de mortalidade infantil entre os escravos
índice de mortalidade infantil entre os escravos
aumentou, pois além das péssimas condições de vida,
aumentou, pois além das péssimas condições de vida,
cresceu o descaso pelos recém-nascidos .
cresceu o descaso pelos recém-nascidos .
Cam
panhaAbolicionista
Cam
panhaAbolicionista
Em 1880, políticos importantes, como Joaquim Nabuco e José do Patrocínio, criam, no
Rio de Janeiro, a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, que estimula a formação de dezenas de
agremiações semelhantes pelo Brasil.
José do Patrocínio Joaquim Nabuco
 Da mesma forma, o jornal
Da mesma forma, o jornal O Abolicionista
O Abolicionista, de Nabuco, e a
, de Nabuco, e a
Revista Ilustrada
Revista Ilustrada, de
, de Ângelo
Ângelo Agostini
Agostini, servem de modelo a
, servem de modelo a
outras publicações antiescravistas. Advogados, artistas,
outras publicações antiescravistas. Advogados, artistas,
intelectuais, jornalistas e políticos engajam-se no movimento e
intelectuais, jornalistas e políticos engajam-se no movimento e
arrecadam fundos para pagar cartas de
arrecadam fundos para pagar cartas de alforria
alforria. No
. No Recife
Recife, os
, os
alunos da Faculdade de Direito mobilizam-se, sendo fundada
alunos da Faculdade de Direito mobilizam-se, sendo fundada
uma associação abolicionista por alunos como
uma associação abolicionista por alunos como Plínio de Lima
Plínio de Lima,
,
Castro Alves
Castro Alves,
, Rui Barbosa
Rui Barbosa,
, Aristides
Aristides Spínola
Spínola, Regueira Costa,
, Regueira Costa,
dentre outros.
dentre outros.
 Em São Paulo destaca-se o trabalho do ex-escravo, um dos
Em São Paulo destaca-se o trabalho do ex-escravo, um dos
maiores heróis da causa abolicionista, o advogado
maiores heróis da causa abolicionista, o advogado Luís Gama
Luís Gama,
,
responsável diretamente pela libertação de mais de 1.000
responsável diretamente pela libertação de mais de 1.000
cativos.
cativos.
 O país foi tomado pela causa abolicionista e, em
O país foi tomado pela causa abolicionista e, em 1884
1884, o
, o Ceará
Ceará
decretou o fim da escravidão em seu território.
decretou o fim da escravidão em seu território.
LeidosSexagenários
LeidosSexagenários
 A partir de 1887, os abolicionistas passam a atuar no
A partir de 1887, os abolicionistas passam a atuar no
campo, muitas vezes ajudando fugas em massa, fazendo
campo, muitas vezes ajudando fugas em massa, fazendo
com que por vezes os fazendeiros fossem obrigados a
com que por vezes os fazendeiros fossem obrigados a
contratar seus antigos escravos em regime assalariado.
contratar seus antigos escravos em regime assalariado.
Em 1887, diversas cidades libertam os escravos; a alforria
Em 1887, diversas cidades libertam os escravos; a alforria
era normalmente condicionada à prestação de serviços
era normalmente condicionada à prestação de serviços
 Ficou conhecida como a
Ficou conhecida como a Lei dos Sexagenários
Lei dos Sexagenários, que
, que
libertou os escravos com mais de 60 anos, mediante
libertou os escravos com mais de 60 anos, mediante
compensações financeiras aos seus proprietários. Os
compensações financeiras aos seus proprietários. Os
escravos que estavam com idade entre 60 e 65 anos
escravos que estavam com idade entre 60 e 65 anos
deveriam "prestar serviços por 3 anos aos seus senhores
deveriam "prestar serviços por 3 anos aos seus senhores
e após os 65 anos de idade seriam libertos».
e após os 65 anos de idade seriam libertos».
LeiÁurea
LeiÁurea
 Em
Em 13 de Maio
13 de Maio de
de 1888
1888, o governo imperial rendeu-se às
, o governo imperial rendeu-se às
pressões e a
pressões e a Princesa Isabel
Princesa Isabel assinou a
assinou a Lei Áurea
Lei Áurea, que extinguiu a
, que extinguiu a
escravidão no Brasil. A decisão desagradou aos fazendeiros, que
escravidão no Brasil. A decisão desagradou aos fazendeiros, que
exigiam indenizações pela perda de seus “bens”.
exigiam indenizações pela perda de seus “bens”.
 Ao abandonar o regime escravista, o Império perdeu uma coluna
Ao abandonar o regime escravista, o Império perdeu uma coluna
de sustentação política. O fim da escravatura, porém, não
de sustentação política. O fim da escravatura, porém, não
melhorou a condição social e econômica dos ex-escravos. Sem
melhorou a condição social e econômica dos ex-escravos. Sem
formação escolar ou uma profissão definida, para a maioria deles
formação escolar ou uma profissão definida, para a maioria deles
a simples emancipação jurídica não mudou sua condição
a simples emancipação jurídica não mudou sua condição
subalterna nem ajudou a promover sua cidadania ou ascensão
subalterna nem ajudou a promover sua cidadania ou ascensão
social.
social.
 Brasília, Museu da Imprensa — Original da Lei
Brasília, Museu da Imprensa — Original da Lei

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O movimento abolicionista durante o império brasileiro

Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
Anderson Torres
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
Rafael Noronha
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
Auxiliadora
 
Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...
Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...
Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...
Lídia Pereira Silva Souza
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
Rodrigo
 

Semelhante a O movimento abolicionista durante o império brasileiro (20)

Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
Movimento abolicionista
Movimento abolicionistaMovimento abolicionista
Movimento abolicionista
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Revotas coloniais
Revotas coloniaisRevotas coloniais
Revotas coloniais
 
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
13 de maio libertacao dos escravos interdisciplinar historia portugues
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
01 8º ano história   rafa- escravidão 201501 8º ano história   rafa- escravidão 2015
01 8º ano história rafa- escravidão 2015
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaCrise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da república
 
A abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do impérioA abolição da escravatura e o fim do império
A abolição da escravatura e o fim do império
 
Abolição da escravatura
Abolição da escravaturaAbolição da escravatura
Abolição da escravatura
 
Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...
Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...
Aula 3- 9º HIS - A questão da inserção dos negros no período republicano do p...
 
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
 
Slaide lei áurea até os dias de hoje.
Slaide lei áurea até os dias de hoje.Slaide lei áurea até os dias de hoje.
Slaide lei áurea até os dias de hoje.
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
Jornal Nacional de Umbanda - Edição 50
 
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamentoAula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
 

Mais de Carlos Zaranza

O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiroO ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
Carlos Zaranza
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
Carlos Zaranza
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
Carlos Zaranza
 
Atividades diversificadas
Atividades diversificadasAtividades diversificadas
Atividades diversificadas
Carlos Zaranza
 

Mais de Carlos Zaranza (20)

O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiroO ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
 
Retrabalho Inove 2018
Retrabalho Inove 2018Retrabalho Inove 2018
Retrabalho Inove 2018
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francos
 
Sociedade mineradora
Sociedade mineradoraSociedade mineradora
Sociedade mineradora
 
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
 
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistênciaAfricanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistência
 
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
 
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
 
Revolução industrial texto de aprofundamento
Revolução industrial   texto de aprofundamentoRevolução industrial   texto de aprofundamento
Revolução industrial texto de aprofundamento
 
Revolução industrial texto de aprofundamento
Revolução industrial   texto de aprofundamentoRevolução industrial   texto de aprofundamento
Revolução industrial texto de aprofundamento
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisão
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
 
Desenrolando o Egito
Desenrolando o EgitoDesenrolando o Egito
Desenrolando o Egito
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Ariano Suassuna
Ariano SuassunaAriano Suassuna
Ariano Suassuna
 
Atividades diversificadas
Atividades diversificadasAtividades diversificadas
Atividades diversificadas
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 

O movimento abolicionista durante o império brasileiro

  • 2. O quefoioAbolicionism o: O quefoioAbolicionism o:  O Abolicionismo foi um movimento social, ocorrido entre O Abolicionismo foi um movimento social, ocorrido entre 1870 1870 e e 1888 1888, que defendeu o fim da , que defendeu o fim da escravidão escravidão no no Brasil Brasil. Terminou . Terminou com a promulgação da com a promulgação da Lei Áurea Lei Áurea, que extinguiu o regime , que extinguiu o regime escravista originário da colonização portuguesa. escravista originário da colonização portuguesa.
  • 3. BillAberdeen BillAberdeen  Desde 1831 o Brasil havia prometido acabar com o Desde 1831 o Brasil havia prometido acabar com o comércio negreiro.Em Março de 1845 esgotou-se o comércio negreiro.Em Março de 1845 esgotou-se o prazo do último tratado assinado entre Brasil e Grã- prazo do último tratado assinado entre Brasil e Grã- Bretanha e o Governo britânico decretou, em agosto, o Bretanha e o Governo britânico decretou, em agosto, o Bill Bill Aberdeen Aberdeen . .  O Ato dava o direito de aprisionar navios negreiros, O Ato dava o direito de aprisionar navios negreiros, mesmo em águas territoriais brasileiras, e julgar seus mesmo em águas territoriais brasileiras, e julgar seus comandantes. deveriam se desfazer da carga, comandantes. deveriam se desfazer da carga, devolvendo os escravos à África , no Brasil o devolvendo os escravos à África , no Brasil o Bill Bill Aberdeen Aberdeen provocou pânico em traficantes e provocou pânico em traficantes e proprietários de escravos com isso o preço por proprietários de escravos com isso o preço por escravos aumentou escravos aumentou
  • 4.  Cedendo às pressões, Cedendo às pressões, D. Pedro II D. Pedro II deu passo deu passo importante: seu Gabinete elaborou um projeto importante: seu Gabinete elaborou um projeto de lei, apresentado ao Parlamento pelo Ministro de lei, apresentado ao Parlamento pelo Ministro da Justiça da Justiça Eusébio de Queirós Eusébio de Queirós, que adotava , que adotava medidas eficazes para a extinção do tráfico. medidas eficazes para a extinção do tráfico. Estima-se que o tráfico negreiro envolveu entre 9 a 11 milhões de escravos transportados Estima-se que o tráfico negreiro envolveu entre 9 a 11 milhões de escravos transportados
  • 5.  Os Os conservadores conservadores continuavam empenhados em manter o sistema escravista e a continuavam empenhados em manter o sistema escravista e a estrutura colonial de produção. Para racionalizar o uso da mão de obra estrutura colonial de produção. Para racionalizar o uso da mão de obra escrava, incentivaram então o escrava, incentivaram então o tráfico interno tráfico interno, realizado pelos antigos , realizado pelos antigos traficantes . traficantes . Mas o esvaziamento descontentará os senhores de escravos e de terras Mas o esvaziamento descontentará os senhores de escravos e de terras nordestinas, que viraram abolicionistas. Estes abolicionistas esperavam que, nordestinas, que viraram abolicionistas. Estes abolicionistas esperavam que, cessando o fornecimento de escravos, a escravidão desaparecesse aos poucos cessando o fornecimento de escravos, a escravidão desaparecesse aos poucos – o que não aconteceu. – o que não aconteceu. * Tantos foram os protestos que * Tantos foram os protestos que Eusébio de Queirós Eusébio de Queirós teve que teve que comparecer à Câmara dos Deputados em julho de 1852, apelar para a comparecer à Câmara dos Deputados em julho de 1852, apelar para a mudança da opinião pública. Lembrou que muitos fazendeiros mudança da opinião pública. Lembrou que muitos fazendeiros enfrentavam dificuldades financeiras, sem poder pagar suas dívidas enfrentavam dificuldades financeiras, sem poder pagar suas dívidas com os traficantes. Lembrou ainda que se continuasse a entrar no com os traficantes. Lembrou ainda que se continuasse a entrar no Império tamanha grande quantidade de escravos africanos, haveria um Império tamanha grande quantidade de escravos africanos, haveria um desequilíbrio entre as categorias da população - livres e escravos. A desequilíbrio entre as categorias da população - livres e escravos. A chamada «boa sociedade» ficaria exposta a «perigos gravíssimos», pois chamada «boa sociedade» ficaria exposta a «perigos gravíssimos», pois o desequilíbrio já provocara numerosas rebeliões (como a dos o desequilíbrio já provocara numerosas rebeliões (como a dos Malês Malês, , em Salvador, em 1835). em Salvador, em 1835).
  • 6. LeidoVentreLivre LeidoVentreLivre  O gabinete do O gabinete do Visconde do Rio Branco Visconde do Rio Branco, do Partido , do Partido Conservador, que promulgou a primeira lei Conservador, que promulgou a primeira lei abolicionista, a abolicionista, a Lei do Ventre Livre Lei do Ventre Livre, em 28 de setembro , em 28 de setembro de 1871. de 1871.  A Lei do Ventre Livre declarava de condição livre os A Lei do Ventre Livre declarava de condição livre os filhos de mulher escrava nascidos desde a data da lei. O filhos de mulher escrava nascidos desde a data da lei. O índice de mortalidade infantil entre os escravos índice de mortalidade infantil entre os escravos aumentou, pois além das péssimas condições de vida, aumentou, pois além das péssimas condições de vida, cresceu o descaso pelos recém-nascidos . cresceu o descaso pelos recém-nascidos .
  • 7. Cam panhaAbolicionista Cam panhaAbolicionista Em 1880, políticos importantes, como Joaquim Nabuco e José do Patrocínio, criam, no Rio de Janeiro, a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, que estimula a formação de dezenas de agremiações semelhantes pelo Brasil. José do Patrocínio Joaquim Nabuco
  • 8.  Da mesma forma, o jornal Da mesma forma, o jornal O Abolicionista O Abolicionista, de Nabuco, e a , de Nabuco, e a Revista Ilustrada Revista Ilustrada, de , de Ângelo Ângelo Agostini Agostini, servem de modelo a , servem de modelo a outras publicações antiescravistas. Advogados, artistas, outras publicações antiescravistas. Advogados, artistas, intelectuais, jornalistas e políticos engajam-se no movimento e intelectuais, jornalistas e políticos engajam-se no movimento e arrecadam fundos para pagar cartas de arrecadam fundos para pagar cartas de alforria alforria. No . No Recife Recife, os , os alunos da Faculdade de Direito mobilizam-se, sendo fundada alunos da Faculdade de Direito mobilizam-se, sendo fundada uma associação abolicionista por alunos como uma associação abolicionista por alunos como Plínio de Lima Plínio de Lima, , Castro Alves Castro Alves, , Rui Barbosa Rui Barbosa, , Aristides Aristides Spínola Spínola, Regueira Costa, , Regueira Costa, dentre outros. dentre outros.  Em São Paulo destaca-se o trabalho do ex-escravo, um dos Em São Paulo destaca-se o trabalho do ex-escravo, um dos maiores heróis da causa abolicionista, o advogado maiores heróis da causa abolicionista, o advogado Luís Gama Luís Gama, , responsável diretamente pela libertação de mais de 1.000 responsável diretamente pela libertação de mais de 1.000 cativos. cativos.  O país foi tomado pela causa abolicionista e, em O país foi tomado pela causa abolicionista e, em 1884 1884, o , o Ceará Ceará decretou o fim da escravidão em seu território. decretou o fim da escravidão em seu território.
  • 9. LeidosSexagenários LeidosSexagenários  A partir de 1887, os abolicionistas passam a atuar no A partir de 1887, os abolicionistas passam a atuar no campo, muitas vezes ajudando fugas em massa, fazendo campo, muitas vezes ajudando fugas em massa, fazendo com que por vezes os fazendeiros fossem obrigados a com que por vezes os fazendeiros fossem obrigados a contratar seus antigos escravos em regime assalariado. contratar seus antigos escravos em regime assalariado. Em 1887, diversas cidades libertam os escravos; a alforria Em 1887, diversas cidades libertam os escravos; a alforria era normalmente condicionada à prestação de serviços era normalmente condicionada à prestação de serviços  Ficou conhecida como a Ficou conhecida como a Lei dos Sexagenários Lei dos Sexagenários, que , que libertou os escravos com mais de 60 anos, mediante libertou os escravos com mais de 60 anos, mediante compensações financeiras aos seus proprietários. Os compensações financeiras aos seus proprietários. Os escravos que estavam com idade entre 60 e 65 anos escravos que estavam com idade entre 60 e 65 anos deveriam "prestar serviços por 3 anos aos seus senhores deveriam "prestar serviços por 3 anos aos seus senhores e após os 65 anos de idade seriam libertos». e após os 65 anos de idade seriam libertos».
  • 10. LeiÁurea LeiÁurea  Em Em 13 de Maio 13 de Maio de de 1888 1888, o governo imperial rendeu-se às , o governo imperial rendeu-se às pressões e a pressões e a Princesa Isabel Princesa Isabel assinou a assinou a Lei Áurea Lei Áurea, que extinguiu a , que extinguiu a escravidão no Brasil. A decisão desagradou aos fazendeiros, que escravidão no Brasil. A decisão desagradou aos fazendeiros, que exigiam indenizações pela perda de seus “bens”. exigiam indenizações pela perda de seus “bens”.  Ao abandonar o regime escravista, o Império perdeu uma coluna Ao abandonar o regime escravista, o Império perdeu uma coluna de sustentação política. O fim da escravatura, porém, não de sustentação política. O fim da escravatura, porém, não melhorou a condição social e econômica dos ex-escravos. Sem melhorou a condição social e econômica dos ex-escravos. Sem formação escolar ou uma profissão definida, para a maioria deles formação escolar ou uma profissão definida, para a maioria deles a simples emancipação jurídica não mudou sua condição a simples emancipação jurídica não mudou sua condição subalterna nem ajudou a promover sua cidadania ou ascensão subalterna nem ajudou a promover sua cidadania ou ascensão social. social.
  • 11.  Brasília, Museu da Imprensa — Original da Lei Brasília, Museu da Imprensa — Original da Lei