SlideShare uma empresa Scribd logo
A REFORMA PROTESTANTE
Introdução
Tendo passado tanto tempo desviada dos planos do Senhor, podia parecer que a Igreja de Deus não tinha
mais solução. Contudo, Deus não abandonaria jamais a sua noiva:
Às vezes, no curso da História da Igreja, houve momentos em que nos é difícil ver a ação do
Espírito Santo de Deus. Em alguns períodos parecerá que toda a Igreja abandonou por completo a fé
bíblica. Contudo, devemos nos lembrar que a História da Igreja é também a história dos atos de
pessoas pecadoras como nós e, se abrirmos bem os nossos olhos, e olharmos para a História com os
óculos da fé, veremos que, nos momentos mais escuros da história eclesiástica, nunca faltaram
aqueles que preservaram a chama santa e ajudaram a conduzir a Igreja no caminho certo. E dentre os
que preservaram a fé certamente estão inseridos os reformadores do século XVI.1
E assim, depois de um período de grande afastamento das Escrituras, e do plano divino para a Igreja, o
Senhor age poderosamente em seu povo fazendo com que retornem àquilo que Ele revelou. Devido ao grande
esfriamento ocorrido na Igreja durante séculos, era preciso um grande movimento também para avivá-la. Assim, o
mundo estava sendo preparado por Deus para que este evento de reforma pudesse obter êxito. Foram desta forma,
providenciados por Deus o surgimento do Humanismo atrelado ao desejo de insatisfação quanto às condições da
Igreja, a fim de que a Reforma fosse eficaz e decisiva.
O que foi a Reforma?
Como é de se esperar, os fatos históricos são interpretados de modos variados dependendo do historiador.
Portanto, não seria diferente com respeito à Reforma:
O nome e o sentido dados à Reforma são condicionados pela visão do historiador. O historiador
católico romano entende-a apenas como uma revolta de protestantes contra a Igreja universal. O
historiador protestante considera-a como uma reforma que fez a vida religiosa voltar aos padrões do
Novo Testamento. O historiador secular interpreta-a como um movimento revolucionário.2
Evidentemente não levaremos em conta a interpretação histórica daqueles que não se baseiam na Soberania
divina sobre a história humana, nem a interpretação dos que não valorizam as Escrituras como única autoridade
válida para uma interpretação correta dos fatos do mundo. Assim, é preciso nos apegar à interpretação protestante
da história.
Contudo, ainda temos que levar em consideração a seguinte questão: Precisamos entender a história da
Reforma? A resposta só pode ser positiva tendo em vista que somos fruto deste acontecimento singular na história
da Igreja Cristã. Porém, muitas vezes se ouve falar da Reforma, mas não exatamente do que ela significou. Por isto
devemos buscar conceituar a Reforma a fim de podermos compreendê-la melhor. Pode-se explicar o movimento da
Reforma da seguinte maneira:
“Reforma, movimento cismático dentro da Igreja católica que questionava a supremacia eclesiástica
do papa, propiciando a instauração das igrejas protestantes.”3
Ou ainda podemos afirmar que a
Reforma foi um movimento religioso que tencionou trazer a Igreja cristã novamente à submissão
completa às Escrituras Sagradas.
Ou podemos explicar ainda mais extensivamente:
O bem conhecido termo “Reforma Protestante” foi consagrado pelo tempo. Porque a Reforma
procurava voltar à pureza original do Cristianismo do Novo Testamento é que se continuou a usar o
1
COSTANZA, José Roberto. A Reforma Protestante. Fonte: http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=32. Acessado em
18.07.09.
2
CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: uma história da Igreja Cristã. São Paulo, Vida Nova, 1995, p 224.
3
A Reforma do Século XVI. http://www.pregai.hpg.ig.com.br/principal.html. Acessado em 21.05.07.
termo para descrever o movimento religioso de 1517 a 1545. Os reformadores estavam interessados
em desenvolver uma teologia que estivesse em completa concordância com o Novo Testamento;
eles criam que isto seria possível a partir do instante em que a Bíblia se tornasse a autoridade final
da Igreja.4
Conclusões
Com o advento da Reforma, outro cisma ocorre no cristianismo mundial; resultando assim em mais uma
Igreja Cristã distinta. Pelo que, hoje, podemos encontrar espelhada no mundo: a Igreja Católica, a Igreja Ortodoxa e
a Igreja Protestante.
Ainda que a Igreja Protestante seja um segmento do Cristianismo mundial, ela se dividiu (ou se apresentou)
de forma variada desde o período da Reforma. As quatro principais igrejas protestantes que emergiram da Reforma
são: Luterana, conhecida como evangélica na Europa continental; Calvinista ou Reformada; Anabatista e a
Anglicana. Em comum, elas rejeitam a autoridade do papa, e dão ênfase à importância da Bíblia e da fé pessoal.5
Estes foram os ramos protestantes originais, pois como bem sabemos, hoje a variação de pensamentos dentro do
protestantismo é enorme!
Cabe agora esclarecer que a designação “protestante” é utilizada de forma natural nos dias de hoje para
referir-se aos dissidentes da Igreja Católica. Contudo, o que ela quer dizer? Sobre o que estes cristãos protestam?
Por mais estranho que possa parecer, a origem deste “título” não teve a ver com alguma discordância teológica,
mas derivou-se de uma questão político-eclesiástica:
Em 1529, tendo recebido reforços daqueles que desistiram, por medo, de apoiar a Reforma, reuniu-
se, na cidade de Spira, nova Dieta, para deliberar sobre os últimos acontecimentos que agitavam a
nação alemã. A maioria católica decidiu pelo impedimento de qualquer propaganda da Reforma.
Contra isso, os do partido de Lutero protestaram, razão pela qual, daí por diante, os seguidores da
Reforma são geralmente chamados de "Protestantes".6
E ainda:
Em 1529 os príncipes católicos reuniram-se em torno de uma resolução que impedia a introdução da
Reforma em seus territórios, mas reclamavam liberdade de culto romano nos territórios
conquistados pela Reforma. A recusa solene dos príncipes de “fé evangélica” (como se chamavam)
de concordar com esta imposição tornou-os conhecidos por “protestantes”, como passaram a ser
chamados.7
Evidentemente que, a julgar pela importância dos acontecimentos relacionados a esta ruptura com a Igreja
Católica, “comemorar a Reforma não é uma questão de saudosismo ou apego à tradição, mas significa reafirmar os
fundamentos bíblicos redescobertos e confessados pelos reformadores, sem os quais ficaremos à deriva no mar de
incertezas que caracteriza a presente era.”8
Porém, não percamos de vista que nem todos comemoram a Reforma, a
qual fica muitas vezes relevada a um acontecimento do passado sem, aparentemente, possuir significado
importante para a história de suas igrejas:
Por várias razões, é bastante reduzido, em termos proporcionais, o número de protestantes que
valorizam e celebram a Reforma do século 16. Os pentecostais e neopentecostais, tendo surgido
tardiamente e rompido com as igrejas históricas em diversos aspectos importantes, sentem pouca ou
nenhuma afinidade com a obra dos reformadores. Muitos batistas, quer por se considerarem
diferentes das demais igrejas evangélicas, quer por verem as raízes do seu movimento em épocas
anteriores ao século 16, também não se identificam com a Reforma Protestante. Os metodistas
mantiveram certos aspectos da herança protestante original, mas também produziram alterações
significativas na mesma... Restam os quatro grupos iniciais da Reforma do século 16: luteranos,
calvinistas, anabatistas e anglicanos. Os anabatistas, representados mormente pelos menonitas,
pretenderam ser os “reformadores da Reforma”, visto entenderem que os primeiros líderes não
foram longe o bastante na sua ruptura com o catolicismo medieval. A comunidade anglicana, em
4
CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: uma história da Igreja Cristã. São Paulo, Vida Nova, 1995, p 224.
5
A Reforma do Século XVI. Fonte: http://www.pregai.hpg.ig.com.br/principal.html. Acessado em 21/05/2007.
6
COSTANZA, José Roberto. A Reforma Protestante. Fonte: http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=32. Acessado em
18/07/2009.
7
FERREIRA, Franklin. Martinho Lutero: “Não me envergonho do Evangelho”. Fonte: www.monergismo.com
8
MATOS, Alderi Souza de. Ainda há motivos para comemorar a Reforma? Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew
Jumper . Acessado em 17/07/2007.
virtude do seu caráter misto protestante-católico, também hesita em assumir entusiasticamente os
seus laços com a Reforma. Desse modo, são especialmente os luteranos e os calvinistas que
continuam a celebrar com maior ênfase o evento de 31 de outubro de 1517 e suas vastas
conseqüências. Aliás, historicamente os presbiterianos têm uma razão adicional para comemorar a
Reforma, uma vez que os protestantes suíços ligados a Zuínglio e Calvino receberam desde o início
a designação específica de “reformados”.9
Por fim, é nosso dever ter sempre em mente que os reformadores não “estrelas” dentro deste movimento
importante da Reforma. Em todos os aspectos, Deus é o autor, consumador, e merecedor de glória em tudo que
aconteceu. “A reforma não se produziu porque Lutero, Zuínglio e Calvino, os principais reformadores do século
XVI, se propuseram a isso, mas porque chegou o momento oportuno de Deus.”10
9
MATOS, Alderi Souza de. Ainda há motivos para comemorar a Reforma? Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew
Jumper . Acessado em 17/07/2007.
10
COSTANZA, José Roberto. A Reforma Protestante. Fonte: http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=32. Acessado em
18/07/2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Solascriptura
SolascripturaSolascriptura
Solascriptura
Claudio Pereira
 
O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas
O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadasO protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas
O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas
Rosiane Mota
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Adriana Gomes Messias
 
A renovação da espiritualidade e da religiosidade
A renovação da espiritualidade e da religiosidadeA renovação da espiritualidade e da religiosidade
A renovação da espiritualidade e da religiosidade
Álvaro Tito
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses
365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses
365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses
Sammis Reachers
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
boasnovassena
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
Natalino das Neves Neves
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
Vítor Santos
 
Os Pais da Reforma Protestante em 200 frases
Os Pais da Reforma Protestante em 200 frasesOs Pais da Reforma Protestante em 200 frases
Os Pais da Reforma Protestante em 200 frases
Sammis Reachers
 
Boletim 148 da Comunidade Batista da Graça, Suzano
Boletim 148  da Comunidade Batista da Graça, SuzanoBoletim 148  da Comunidade Batista da Graça, Suzano
Boletim 148 da Comunidade Batista da Graça, Suzano
Silas Roberto Nogueira
 
O dom apostólico carlos carvalho
O dom apostólico    carlos carvalhoO dom apostólico    carlos carvalho
O dom apostólico carlos carvalho
MNTB / Instituto Antropos
 
Lição 9 Confrontando os Inimigos da Cruz
Lição 9 Confrontando os Inimigos da CruzLição 9 Confrontando os Inimigos da Cruz
Lição 9 Confrontando os Inimigos da Cruz
Antonio Fernandes
 
História do protestantismo
História do protestantismoHistória do protestantismo
História do protestantismo
Haroldo Xavier Silva
 
Catecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolicaCatecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolica
Silva Guthierre
 
A Reforma Protestante
A  Reforma  ProtestanteA  Reforma  Protestante
A Reforma Protestante
igrejaviva24horas
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
Andre Nascimento
 
Os legados da reforma protestante 1 de 9
Os legados da reforma protestante 1 de 9Os legados da reforma protestante 1 de 9
Os legados da reforma protestante 1 de 9
Pedro Siena
 
Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013
Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013
Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013
ELIAS OMEGA
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
pr_afsalbergaria
 

Mais procurados (20)

Solascriptura
SolascripturaSolascriptura
Solascriptura
 
O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas
O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadasO protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas
O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
A renovação da espiritualidade e da religiosidade
A renovação da espiritualidade e da religiosidadeA renovação da espiritualidade e da religiosidade
A renovação da espiritualidade e da religiosidade
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses
365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses
365 Frases de Martinho Lutero + As 95 Teses
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
 
Os Pais da Reforma Protestante em 200 frases
Os Pais da Reforma Protestante em 200 frasesOs Pais da Reforma Protestante em 200 frases
Os Pais da Reforma Protestante em 200 frases
 
Boletim 148 da Comunidade Batista da Graça, Suzano
Boletim 148  da Comunidade Batista da Graça, SuzanoBoletim 148  da Comunidade Batista da Graça, Suzano
Boletim 148 da Comunidade Batista da Graça, Suzano
 
O dom apostólico carlos carvalho
O dom apostólico    carlos carvalhoO dom apostólico    carlos carvalho
O dom apostólico carlos carvalho
 
Lição 9 Confrontando os Inimigos da Cruz
Lição 9 Confrontando os Inimigos da CruzLição 9 Confrontando os Inimigos da Cruz
Lição 9 Confrontando os Inimigos da Cruz
 
História do protestantismo
História do protestantismoHistória do protestantismo
História do protestantismo
 
Catecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolicaCatecismo igreja-catolica
Catecismo igreja-catolica
 
A Reforma Protestante
A  Reforma  ProtestanteA  Reforma  Protestante
A Reforma Protestante
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
 
Os legados da reforma protestante 1 de 9
Os legados da reforma protestante 1 de 9Os legados da reforma protestante 1 de 9
Os legados da reforma protestante 1 de 9
 
Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013
Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013
Brasil-Renúncia_do_papa_Bento_XVI-2013
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
 

Destaque

Rojas hernandezpractica2
Rojas hernandezpractica2Rojas hernandezpractica2
Rojas hernandezpractica2
hydnerie
 
Para bond
Para bondPara bond
Para bond
Scratsh Sama
 
ADO DOT NET
ADO DOT NETADO DOT NET
ADO DOT NET
Salman Mushtaq
 
AF Global Audit Report
AF Global Audit ReportAF Global Audit Report
AF Global Audit Report
Jim Gremillion Jr
 
Tipografia 2
Tipografia 2Tipografia 2
Tipografia 2
Scratsh Sama
 
單疑點的單點突破術
單疑點的單點突破術單疑點的單點突破術
單疑點的單點突破術
執中 徐
 
trabajo de word del desarrollo humano
trabajo de word del desarrollo humanotrabajo de word del desarrollo humano
trabajo de word del desarrollo humano
juan sebastian duran rangel
 
Catalogue 2016-17
Catalogue 2016-17Catalogue 2016-17
Catalogue 2016-17
Sanjay Vohra
 
Transporte internacional
Transporte internacionalTransporte internacional
Transporte internacional
Milena Herrera Saenz
 

Destaque (9)

Rojas hernandezpractica2
Rojas hernandezpractica2Rojas hernandezpractica2
Rojas hernandezpractica2
 
Para bond
Para bondPara bond
Para bond
 
ADO DOT NET
ADO DOT NETADO DOT NET
ADO DOT NET
 
AF Global Audit Report
AF Global Audit ReportAF Global Audit Report
AF Global Audit Report
 
Tipografia 2
Tipografia 2Tipografia 2
Tipografia 2
 
單疑點的單點突破術
單疑點的單點突破術單疑點的單點突破術
單疑點的單點突破術
 
trabajo de word del desarrollo humano
trabajo de word del desarrollo humanotrabajo de word del desarrollo humano
trabajo de word del desarrollo humano
 
Catalogue 2016-17
Catalogue 2016-17Catalogue 2016-17
Catalogue 2016-17
 
Transporte internacional
Transporte internacionalTransporte internacional
Transporte internacional
 

Semelhante a A Reforma Protestante

34
3434
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Paulo Dias Nogueira
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
adalbertovha
 
A contra reforma católica
A contra reforma católicaA contra reforma católica
A contra reforma católica
Alberto Simonton
 
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante   um resumo dos principais movimentosReforma protestante   um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Carlos132Silva
 
Credos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdf
Credos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdfCredos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdf
Credos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdf
Randecio
 
Protestantismo
ProtestantismoProtestantismo
Protestantismo
Moises Firmo Schimdty
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
Aida Fonseca
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
Aida Fonseca
 
Reformas Protestantes - Luterana, Anglicana e Calvinista
Reformas Protestantes - Luterana, Anglicana e CalvinistaReformas Protestantes - Luterana, Anglicana e Calvinista
Reformas Protestantes - Luterana, Anglicana e Calvinista
Luísa Duarte
 
Reforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igrejaReforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igreja
huguex99
 
Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo a. kenne...
Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo   a. kenne...Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo   a. kenne...
Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo a. kenne...
Milly Barbosa
 
Reforma e Contra Reforma
Reforma e Contra ReformaReforma e Contra Reforma
Reforma e Contra Reforma
Marcos Aurélio
 
Aula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptx
Aula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptxAula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptx
Aula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptx
repertoriorenan
 
Revista ebd corrida (1)
Revista ebd corrida (1)Revista ebd corrida (1)
Revista ebd corrida (1)
Gilma Avila
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma   Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Valkuiria Andrade
 
Protestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma ProtestanteProtestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma Protestante
Alexandre Santos
 
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair AguilarContra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 
157
157157

Semelhante a A Reforma Protestante (20)

34
3434
34
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
 
A contra reforma católica
A contra reforma católicaA contra reforma católica
A contra reforma católica
 
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante   um resumo dos principais movimentosReforma protestante   um resumo dos principais movimentos
Reforma protestante um resumo dos principais movimentos
 
Credos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdf
Credos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdfCredos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdf
Credos e Confissões de Fé - Esequias Soares.pdf
 
Protestantismo
ProtestantismoProtestantismo
Protestantismo
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
 
Reformas Protestantes - Luterana, Anglicana e Calvinista
Reformas Protestantes - Luterana, Anglicana e CalvinistaReformas Protestantes - Luterana, Anglicana e Calvinista
Reformas Protestantes - Luterana, Anglicana e Calvinista
 
Reforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igrejaReforma e contra reforma da igreja
Reforma e contra reforma da igreja
 
Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo a. kenne...
Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo   a. kenne...Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo   a. kenne...
Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo a. kenne...
 
Reforma e Contra Reforma
Reforma e Contra ReformaReforma e Contra Reforma
Reforma e Contra Reforma
 
Aula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptx
Aula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptxAula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptx
Aula 14 - Contrarrefotrma Cat.ólica.pptx
 
Revista ebd corrida (1)
Revista ebd corrida (1)Revista ebd corrida (1)
Revista ebd corrida (1)
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma   Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Protestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma ProtestanteProtestantismo E Reforma Protestante
Protestantismo E Reforma Protestante
 
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair AguilarContra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
157
157157
157
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 
II Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação MinisterialII Curso de Capacitação Ministerial
II Curso de Capacitação Ministerial
 

Último

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 

Último (10)

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 

A Reforma Protestante

  • 1. A REFORMA PROTESTANTE Introdução Tendo passado tanto tempo desviada dos planos do Senhor, podia parecer que a Igreja de Deus não tinha mais solução. Contudo, Deus não abandonaria jamais a sua noiva: Às vezes, no curso da História da Igreja, houve momentos em que nos é difícil ver a ação do Espírito Santo de Deus. Em alguns períodos parecerá que toda a Igreja abandonou por completo a fé bíblica. Contudo, devemos nos lembrar que a História da Igreja é também a história dos atos de pessoas pecadoras como nós e, se abrirmos bem os nossos olhos, e olharmos para a História com os óculos da fé, veremos que, nos momentos mais escuros da história eclesiástica, nunca faltaram aqueles que preservaram a chama santa e ajudaram a conduzir a Igreja no caminho certo. E dentre os que preservaram a fé certamente estão inseridos os reformadores do século XVI.1 E assim, depois de um período de grande afastamento das Escrituras, e do plano divino para a Igreja, o Senhor age poderosamente em seu povo fazendo com que retornem àquilo que Ele revelou. Devido ao grande esfriamento ocorrido na Igreja durante séculos, era preciso um grande movimento também para avivá-la. Assim, o mundo estava sendo preparado por Deus para que este evento de reforma pudesse obter êxito. Foram desta forma, providenciados por Deus o surgimento do Humanismo atrelado ao desejo de insatisfação quanto às condições da Igreja, a fim de que a Reforma fosse eficaz e decisiva. O que foi a Reforma? Como é de se esperar, os fatos históricos são interpretados de modos variados dependendo do historiador. Portanto, não seria diferente com respeito à Reforma: O nome e o sentido dados à Reforma são condicionados pela visão do historiador. O historiador católico romano entende-a apenas como uma revolta de protestantes contra a Igreja universal. O historiador protestante considera-a como uma reforma que fez a vida religiosa voltar aos padrões do Novo Testamento. O historiador secular interpreta-a como um movimento revolucionário.2 Evidentemente não levaremos em conta a interpretação histórica daqueles que não se baseiam na Soberania divina sobre a história humana, nem a interpretação dos que não valorizam as Escrituras como única autoridade válida para uma interpretação correta dos fatos do mundo. Assim, é preciso nos apegar à interpretação protestante da história. Contudo, ainda temos que levar em consideração a seguinte questão: Precisamos entender a história da Reforma? A resposta só pode ser positiva tendo em vista que somos fruto deste acontecimento singular na história da Igreja Cristã. Porém, muitas vezes se ouve falar da Reforma, mas não exatamente do que ela significou. Por isto devemos buscar conceituar a Reforma a fim de podermos compreendê-la melhor. Pode-se explicar o movimento da Reforma da seguinte maneira: “Reforma, movimento cismático dentro da Igreja católica que questionava a supremacia eclesiástica do papa, propiciando a instauração das igrejas protestantes.”3 Ou ainda podemos afirmar que a Reforma foi um movimento religioso que tencionou trazer a Igreja cristã novamente à submissão completa às Escrituras Sagradas. Ou podemos explicar ainda mais extensivamente: O bem conhecido termo “Reforma Protestante” foi consagrado pelo tempo. Porque a Reforma procurava voltar à pureza original do Cristianismo do Novo Testamento é que se continuou a usar o 1 COSTANZA, José Roberto. A Reforma Protestante. Fonte: http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=32. Acessado em 18.07.09. 2 CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: uma história da Igreja Cristã. São Paulo, Vida Nova, 1995, p 224. 3 A Reforma do Século XVI. http://www.pregai.hpg.ig.com.br/principal.html. Acessado em 21.05.07.
  • 2. termo para descrever o movimento religioso de 1517 a 1545. Os reformadores estavam interessados em desenvolver uma teologia que estivesse em completa concordância com o Novo Testamento; eles criam que isto seria possível a partir do instante em que a Bíblia se tornasse a autoridade final da Igreja.4 Conclusões Com o advento da Reforma, outro cisma ocorre no cristianismo mundial; resultando assim em mais uma Igreja Cristã distinta. Pelo que, hoje, podemos encontrar espelhada no mundo: a Igreja Católica, a Igreja Ortodoxa e a Igreja Protestante. Ainda que a Igreja Protestante seja um segmento do Cristianismo mundial, ela se dividiu (ou se apresentou) de forma variada desde o período da Reforma. As quatro principais igrejas protestantes que emergiram da Reforma são: Luterana, conhecida como evangélica na Europa continental; Calvinista ou Reformada; Anabatista e a Anglicana. Em comum, elas rejeitam a autoridade do papa, e dão ênfase à importância da Bíblia e da fé pessoal.5 Estes foram os ramos protestantes originais, pois como bem sabemos, hoje a variação de pensamentos dentro do protestantismo é enorme! Cabe agora esclarecer que a designação “protestante” é utilizada de forma natural nos dias de hoje para referir-se aos dissidentes da Igreja Católica. Contudo, o que ela quer dizer? Sobre o que estes cristãos protestam? Por mais estranho que possa parecer, a origem deste “título” não teve a ver com alguma discordância teológica, mas derivou-se de uma questão político-eclesiástica: Em 1529, tendo recebido reforços daqueles que desistiram, por medo, de apoiar a Reforma, reuniu- se, na cidade de Spira, nova Dieta, para deliberar sobre os últimos acontecimentos que agitavam a nação alemã. A maioria católica decidiu pelo impedimento de qualquer propaganda da Reforma. Contra isso, os do partido de Lutero protestaram, razão pela qual, daí por diante, os seguidores da Reforma são geralmente chamados de "Protestantes".6 E ainda: Em 1529 os príncipes católicos reuniram-se em torno de uma resolução que impedia a introdução da Reforma em seus territórios, mas reclamavam liberdade de culto romano nos territórios conquistados pela Reforma. A recusa solene dos príncipes de “fé evangélica” (como se chamavam) de concordar com esta imposição tornou-os conhecidos por “protestantes”, como passaram a ser chamados.7 Evidentemente que, a julgar pela importância dos acontecimentos relacionados a esta ruptura com a Igreja Católica, “comemorar a Reforma não é uma questão de saudosismo ou apego à tradição, mas significa reafirmar os fundamentos bíblicos redescobertos e confessados pelos reformadores, sem os quais ficaremos à deriva no mar de incertezas que caracteriza a presente era.”8 Porém, não percamos de vista que nem todos comemoram a Reforma, a qual fica muitas vezes relevada a um acontecimento do passado sem, aparentemente, possuir significado importante para a história de suas igrejas: Por várias razões, é bastante reduzido, em termos proporcionais, o número de protestantes que valorizam e celebram a Reforma do século 16. Os pentecostais e neopentecostais, tendo surgido tardiamente e rompido com as igrejas históricas em diversos aspectos importantes, sentem pouca ou nenhuma afinidade com a obra dos reformadores. Muitos batistas, quer por se considerarem diferentes das demais igrejas evangélicas, quer por verem as raízes do seu movimento em épocas anteriores ao século 16, também não se identificam com a Reforma Protestante. Os metodistas mantiveram certos aspectos da herança protestante original, mas também produziram alterações significativas na mesma... Restam os quatro grupos iniciais da Reforma do século 16: luteranos, calvinistas, anabatistas e anglicanos. Os anabatistas, representados mormente pelos menonitas, pretenderam ser os “reformadores da Reforma”, visto entenderem que os primeiros líderes não foram longe o bastante na sua ruptura com o catolicismo medieval. A comunidade anglicana, em 4 CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos: uma história da Igreja Cristã. São Paulo, Vida Nova, 1995, p 224. 5 A Reforma do Século XVI. Fonte: http://www.pregai.hpg.ig.com.br/principal.html. Acessado em 21/05/2007. 6 COSTANZA, José Roberto. A Reforma Protestante. Fonte: http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=32. Acessado em 18/07/2009. 7 FERREIRA, Franklin. Martinho Lutero: “Não me envergonho do Evangelho”. Fonte: www.monergismo.com 8 MATOS, Alderi Souza de. Ainda há motivos para comemorar a Reforma? Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper . Acessado em 17/07/2007.
  • 3. virtude do seu caráter misto protestante-católico, também hesita em assumir entusiasticamente os seus laços com a Reforma. Desse modo, são especialmente os luteranos e os calvinistas que continuam a celebrar com maior ênfase o evento de 31 de outubro de 1517 e suas vastas conseqüências. Aliás, historicamente os presbiterianos têm uma razão adicional para comemorar a Reforma, uma vez que os protestantes suíços ligados a Zuínglio e Calvino receberam desde o início a designação específica de “reformados”.9 Por fim, é nosso dever ter sempre em mente que os reformadores não “estrelas” dentro deste movimento importante da Reforma. Em todos os aspectos, Deus é o autor, consumador, e merecedor de glória em tudo que aconteceu. “A reforma não se produziu porque Lutero, Zuínglio e Calvino, os principais reformadores do século XVI, se propuseram a isso, mas porque chegou o momento oportuno de Deus.”10 9 MATOS, Alderi Souza de. Ainda há motivos para comemorar a Reforma? Fonte: Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper . Acessado em 17/07/2007. 10 COSTANZA, José Roberto. A Reforma Protestante. Fonte: http://www.ipb.org.br/estudos_biblicos/index.php3?id=32. Acessado em 18/07/2009.