SlideShare uma empresa Scribd logo
TEMA:
O MINISTÉRIO DOS DIÁCONOS
Pr. Alberto Simonton
2
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO 03
I- O SIGNIFICADO DO TERMO DIÁCONO 04
II - A ORIGEM DO OFÍCIO DIACONAL 05
Análise de (At 6:1-6) 05
Análise de (1Tm 3:8-13) 06
III - A NECESSIDADE DE VOCAÇÃO PARA O OFÍCIO 07
Base Bíblica 07
Base Constitucional (Manual Presbiteriano) 08
IV - REQUISITOS PARA OS CANDIDATOS AO DIACONATO 09
V - O SERVIÇO DO MINISTÉRIO DIACONAL 11
Base Bíblica 11
Base do Manual Presbiteriano 12
VI- A QUESTÃO DA ORDENAÇÃO DE DIACONISAS 13
Resposta a Argumentos Feministas 13
Posição da IPB quanto a ordenação de Diaconisas 15
CONCLUSÃO 16
BIBLIOGRAFIA
17
3
INTRODUÇÃO
Uma igreja para crescer bem e desenvolver sua vida espiritual deve lutar para ter bons oficiais em seu meio.
Todavia, nos tempos difíceis nos quais vivemos temos visto que cada vez mais as igrejas têm desprezado as orientações
das Escrituras quanto aos ofícios eclesiásticos. Vemos um afastamento daquilo que Deus ordenou na Sua santa Palavra,
tanto no que diz respeito ao tipo de serviço a ser realizado pelos oficiais, como no que diz respeito à escolha destes
oficiais.
É preciso mudar esta situação. Não podemos nos acostumar com esta deficiência da igreja, ou até nos agradar
dela! A volta aos padrões bíblicos é uma questão indispensável à vida da igreja. É por isto que este trabalho visa orientar
os membros das igrejas quanto à escolha dos oficiais ao diaconato, bem como explicar outros aspectos deste ministério.
Muitas são as opiniões acerca do que deve ser o serviço dos diáconos. Nós, porém, devemos aprender o que Deus revela
por meio de suas Sagradas Escrituras.
Lembremos que de forma alguma este estudo é exaustivo em seu conteúdo, mas intenciona tirar dúvidas essências
sobre o assunto. Cabe ao leitor retirar o restante de suas dúvidas em outras fontes. Todavia, aqui nós encontraremos
conteúdo suficiente para melhorar nossa visão a respeito do assunto proposto.
Deus abençoe seus estudos!
Pr. Alberto Simonton
4
I- O SIGNIFICADO DO TERMO DIÁCONO
Durante o passar do tempo as palavras vão recebendo novos sentidos, e principalmente quando vemos que certas
palavras são originadas em outra língua, em outro tempo, e em outra cultura. É o caso da palavra diácono como a
estudaremos. Para uma correta compreensão do tema que estamos estudando devemos igualmente conhecer o significado
correto do termo diácono. Para tanto, devemos procurar o significado deste vocábulo na língua original (grego), e na
época original em que os escritores a utilizaram (50 - 100 d.C.). Por isto, antes de tudo, vamos esclarecer o significado do
termo ―diácono‖.
Quando olhamos para nossa época, língua, e cultura, a palavra diácono tomou um rumo de significado diferente
daquilo que originalmente significava. Em alguns dicionários de nossa língua, o termo é tomado com um significado bem
simples e não possuindo uma variação de sentidos. Vejamos os exemplos abaixo:
1. ―Clérigo que recebeu a segunda das ordens maiores‖;1
2. ―Clérigo cuja função é inferior à do padre‖;2
3. ―Clérigo que recebeu a ordem do diaconato.‖3
É claro que estes dicionários não esgotam o significado do termo como encontramos em várias das denominações
evangélicas deste país, contudo, estes exemplos já nos servem para demonstrar quão perigoso é firmar-se nos conceitos
aprendidos em nossa cultura. Devemos obrigatoriamente buscar o sentido na língua grega da época de Paulo.
Na língua grega da época de Paulo, a palavra diácono tinha vários significados. E foi assim utilizada nos textos
bíblicos:
a)Servo (Mt 20:26; 22:13; Mc 9:35);
b)Garçom (Jo 2:5,9);
c)Agente (Rm 13:4);
d)Auxiliar (2 Co 6:4; Ef 6:21; Cl 1:23,25; 1 Tm 4:6);
e)Oficial (Fp 1:1; 1 Tm 3:8,12).4
Como podemos observar, em todas as suas nuances de significados está presente a idéia de ―serviço a outro‖.
Entretanto, não queremos simplesmente saber os significados possíveis da palavra diácono, mas entender firmemente que
um dos significados do termo era ―ser um oficial da igreja‖. Vejamos a análise abaixo:
diakonos é achada 29 vezes no NT. Seu significado primário é ―aquele que serve à mesa‖ (Mt 22:13, onde
há uma nota escatológica; Jo 2:5, 9). Significa um ―servo‖ em um sentido mais amplo em Mt 20:26 par. Mc
10:43; cf. Lc 18:26; Mt 23:11, e um ―ajudante‖ em Ef 6:21; Cl 4:7... Em Fp 1:1 e 1Tm 3:8-13, diakonos é
usado para um homem que detém o cargo de diácono na igreja.5
Concluindo nossa primeira parte deste estudo, podemos dizer que há vários significados para a palavra diácono no
Novo Testamento, mas todos eles têm a ver com ―serviço a outra pessoa‖. E um destes significados, já na época da igreja
apostólica, era ―ser um oficial da igreja ao lado dos presbíteros‖.
II - A ORIGEM DO OFÍCIO DIACONAL
Ao observarmos as denominações evangélicas (e até mesmo a Igreja Católica Romana), podemos ver a presença
de diáconos. Contudo, ao buscar descobrir suas funções, evidencia-se o fato de que o serviço diaconal não provém de uma
unanimidade de interpretação bíblica. Ou seja, o diácono em uma denominação possui determinadas atribuições, em outra
denominação possui outras. Tudo depende do modo como a igreja interpreta a visão bíblica do serviço diaconal. Sendo
1
Celso Pedro Luft, Mini Dicionário Luft. 3º Ed. São Paulo, Editora Scipione Ltda, 1991, p 212.
2
Aurélio Buarque de Holanda, Miniaurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4º ed. Rio de Janeiro, Nova
Fronteira, 2000, p 234.
3
Dic Michaelis UOL, 2001.
4
F. W. Gingrich e Frederick W. Danker, Léxico do N.T. Grego/Português. São Paulo, Vida Nova, 2000, p 53.
5
K. Hess, “Servir, Diácono, Adoração” in Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol II. Editores, Lothar
Coenen e Colin Brown. São Paulo, Vida Nova, 2000, p 2343.
5
assim, prova-se ser imprescindível ver nas Escrituras o modo como surgiu o ministério do diaconato e qual a visão
apostólica sobre ele, a fim de entendermos corretamente o serviço dos diáconos. Para esta análise vamos utilizar as
passagens bíblicas de (At 6:1-6; 1Tm 3:8-13).
Análise de (At 6:1-6)
Apesar de não haver no texto de (At 6:1-6) os termos diácono, ou ministério diaconal, ou ofício de diácono...
contudo, a passagem demonstra um serviço (v.2 – διακονειν τραπεζαις : “servir às mesas”) a ser realizado para o
benefício da igreja, o qual era relacionado com a assistência social aos pobres. Além disto, é muito significativo que os
homens escolhidos para esta obra foram investidos pelos próprios apóstolos (―... lhes impuseram as mãos‖ At 6:6). Isto
denota que aqueles homens foram consagrados a este serviço. Não eram mais somente ―membros comuns‖ da igreja,
tinham o aval e a autoridade provinda dos governantes da igreja, que neste caso eram os apóstolos.
Resumindo, (At 6) pode não ser explícito quanto a este assunto, todavia, analisando toda a revelação, vemos que
―os primórdios do diaconato formal, ou ofício formal de diácono, podem ser achados em At 6. Um problema na
distribuição dos bens destinados à assistência social causou nomeação de sete líderes que deixaram os apóstolos livres de
―servir a mesas‖ (diakoneõ, 6:2). O grupo elegeu os sete, que foram ordenados ao serviço pelos apóstolos (6.6).‖6
Além
disto, esta interpretação do texto de (At 6) não é provinda de um só intérprete isolado. Observemos a explicação abaixo:
Segundo a opinião predominante, At 6:1-6 contém o registro da instituição do diaconato... com toda
probabilidade, At 6 se refere à instituição do diaconato, pois: (1) O nome diakonoi que, antes do evento
narrado em Atos 6, era sempre empregado no sentido geral de servo ou servidor, subseqüentemente
começou a ser empregado como designativo daqueles que se dedicavam às obras de misericórdia e caridade,
e, com o tempo, veio a ser usado exclusivamente neste sentido. A única razão que se pode atribuir a isto
acha-se em Atos 6. (2) Os sete homens ali mencionados foram encarregados da tarefa de distribuir bem as
dádivas trazidas para as agapae (festas de amor cristão), ministério que noutras partes é particularmente
descrito pela palavra diakonia, At 11:29; Rm 12:7; 2Co 8:4; 9:1, 12, 13; Ap 2:19. (3) Os requisitos para o
ofício, como são mencionados em Atos 6, são muito exigentes, e nesse aspecto, concorda com as exigências
mencionadas em 1Tm 3:8-10, 12. (4) Muito pouco se pode dizer em favor da acariciada idéia de alguns
críticos de que o diaconato só foi desenvolvido mais tarde, mais ou menos na época do aparecimento do
ofício episcopal.7
O Pr. Ewerton B. Tokashiki tem observações interessantes quanto ao texto de (At 6:1-6). Ele nos mostra pelo
menos quatro razões para o surgimento do diaconato:
1. Para evitar a desordem nos relacionamentos da Igreja. Surgia o grave problema da murmuração.
2. Para evitar que houvesse partidos dentro da Igreja. A omissão às mesas das viúvas enfatizava as
diferenças entre o grupo dos judeus helênicos e judeus palestinos.
3. Para evitar a injustiça na distribuição de alimentos e donativos aos necessitados.
4. Para que os mestres da Palavra sejam dedicados no ensino da mesma. É importante observarmos que os
apóstolos não estavam rejeitando o ―servir às mesas das viúvas‖. John R. W. Stott faz uma importante
contribuição ao entendimento deste assunto ao dizer que ―não há aqui nenhuma sugestão de que os apóstolos
considerassem a obra social inferior à obra pastoral, ou de que a achassem pouco digna para eles. Era apenas uma
questão de chamado. Eles não poderiam ser desviados de sua tarefa prioritária‖.8
Análise de (1Tm 3:8-13)
As cartas pastorais tinham como objetivo orientar os obreiros auxiliares do apóstolo Paulo que estavam em igrejas
de outras regiões. Duas destas cartas foram endereçadas ao jovem Timóteo, e uma foi endereçada a Tito. Na carta a Tito
nós não temos referência à eleição de diáconos, mas somente de presbíteros. Contudo, na primeira carta a Timóteo, Paulo
o orienta quanto a eleição de presbíteros (1Tm 3:1-7) e de diáconos (1Tm 3:8-13).
6
Gary M. Burge, “Diácono, Diaconisa” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A. Elwell. São Paulo,
Vida Nova, 2009, p 464.
7
Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 591.
8 http://doutrinacalvinista.blogspot.com/search/label/Teologia%20Sistem%C3%A1tica. Acessado em 09 08 2008.
6
Nestas orientações nós podemos ver claramente que já existia neste tempo (62-64 d.C.) a instituição de oficiais. E
que estes oficiais eram de duas classes diferentes: Presbíteros e Diáconos. Esta diferença também é evidente quando
Paulo escrevendo aos Filipenses, em sua saudação ele se refere a ―todos os santos em Cristo Jesus‖, aos ―presbíteros‖, e
aos ―diáconos‖, fazendo deste modo clara distinção entre estes três destinatários (Fp 1:1). Esta distinção fica mais
evidente ainda quando observamos diferentes traduções do mesmo texto:
1. ―Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus, inclusive bispos e diáconos que
vivem em Filipos‖9
(Almeida Revista e Atualizada);
2. ―Eu, Paulo, e Timóteo, servos de Cristo Jesus, escrevemos esta carta para todos os moradores da cidade de Filipos
que pertencem ao povo de Deus e que crêem em Cristo Jesus e também para os bispos e diáconos da
igreja‖10
(Nova Tradução na Linguagem de Hoje);
3. ―Paulo e Timóteo servos de Cristo Jesus a todos os santos em Cristo Jesus os que estão em Filipos com bispos e
diáconos‖11
(tradução literal em português)
Pois bem, chegamos a conclusão de que o texto de (At 6:1-6) descreve como ocorreu a origem do ofício de
diácono. Já neste texto de (1Tm 3:8-13), vemos que esta instituição continuou a existir nas igrejas apostólicas mesmo
depois daquela ocasião em particular em Jerusalém, sendo assim, uma instituição que deveria permanecer na era pós-
apostólica.
Resumindo, nesta passagem nós tiramos a seguintes conclusões: 1º - A instituição do ofício não foi uma
instituição particular, pertencente somente àquela igreja de Jerusalém, e somente para aquela ocasião; 2º - Paulo
distingue claramente o ofício de diácono do ofício de presbítero. Os dois foram chamados para serviços eclesiásticos
diferentes. Por isto, onde tiver uma igreja do Senhor que tenha a oportunidade de eleger diáconos, estes devem ser eleitos
e ordenados para seu ofício a fim de beneficiar o povo de Deus.
III - A NECESSIDADE DE VOCAÇÃO PARA O OFÍCIO
Agora que já conhecemos o significado do termo diácono, e a origem do ofício diaconal, podemos partir para a
questão da vocação para este encargo eclesiástico. Ora, se vamos colocar homens na igreja que exercerão este importante
ministério, então, que eles sejam vocacionados por Deus para tal obra!
Base Bíblica
Devido ao fato de os diáconos constituírem um ofício da igreja, é de suma importância que a igreja reconheça sua
vocação para tal serviço. A Bíblia não fala explicitamente que os candidatos ao ofício devam sentir ou perceber sua
vocação quando fala de eleição para o ofício (1Tm 3:8-13). Entretanto, seguindo toda revelação bíblica, podemos perceber
que há indícios que mostram a necessidade de capacitação para a obra. Apresentamos as seguintes razões para se exigir
evidências de vocação naqueles que são candidatos ao ofício de diácono da igreja:
1. A Bíblia fala que somos todos capacitados por Deus para diversos serviços dentro do corpo de Cristo. Ora, se
temos que colocar alguém para o serviço ministerial, nada mais lógico do que colocar aquele que se mostram
capacitados para tal obra ministerial;
2. Partimos do entendimento de que o Deus que capacita com dons espirituais para o ministério é também o mesmo
Deus que direciona o crente a querer, projetar, ou aceitar o ministério diaconal. Como os teólogos geralmente
concordam: Um modo de descobrir os nossos dons é olhando para aquilo que nós desejamos fazer, gostamos de
fazer, e nos vemos capazes de fazer. Quem não se vê deste modo em relação ao ofício de diácono, não deveria se
considerar apto ou vocacionado para tal serviço;
A Teologia Reformada ensina que com respeito à vocação dos ofícios da igreja podemos distinguis dois aspectos
interligados e indispensáveis. São eles: A Vocação Interna e a Vocação Externa. A Vocação Interna diz respeito ao
chamado que Deus faz no interior do vocacionado. A Vocação Externa diz respeito à aprovação do Povo de Deus quanto
9
A Bíblia Sagrada. Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. 2º Ed. Barueri – SP:
Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, p 210.
10
Bíblia Sagrada: Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil, 2000, p 161.
11
Novo Testamento interlinear grego-português. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004, p 728.
7
ao chamado do indivíduo. Ou seja, a vocação para o ofício tem duas características: a confirmação subjetiva no interior do
servo de Deus, e a confirmação objetiva por meio da aprovação e eleição da igreja de Deus. Para melhor compreensão
apresentamos abaixo o conceito destas duas vocações:
1- Vocação Interna
―Às vezes se pensa que a vocação interna para um ofício na igreja consiste numa indicação extraordinária de Deus
do fim para o qual o indivíduo é chamado -- uma espécie de revelação especial. Mas não está certo. Consiste, antes,
em certas indicações providenciais ordinárias dadas por Deus, e inclui principalmente três coisas: (a) a consciência
de estar sendo impelido a alguma tarefa especial no reino de Deus, por amor a Deus e Sua causa; (b) a convicção
que o indivíduo tem de que está, pelo menos em certa medida, intelectual e espiritualmente qualificado para o
ofício em vista; e (c) a experiência de que, evidentemente, Deus está pavimentando o caminho que leva à meta.‖12
2 - Vocação Externa
―Esta é a vocação que chega à pessoa pela instrumentalidade da igreja. Não é emitida pelo papa (conceito católico
romano), nem por um bispo ou colégio de bispos (episcopal), mas, sim, pela igreja local. Tanto os oficiais como
os membros comuns da igreja tomam parte nela. Que os oficiais têm parte em sua direção, não, porém, com a
exclusão do povo, é evidenciado por passagens como At 1:15-26; 6:2-6; 14:23. O povo foi admitido, mesmo à
escolha de um apóstolo, segundo At 1:15-26. O que se vê é que, na era apostólica, os oficiais guiavam a escolha
que o povo fazia, chamando a atenção para as qualificações necessárias que se exigiam para o ofício, mas
deixavam o povo tomar parte na escolha propriamente dita, At 1:15-26; 6:1-6; lTm 3:2-13.‖13
Com estes dois aspectos da vocação nós podemos evitar os seguintes erros: a) O de eleger pessoas que não são
chamadas interiormente por Deus (vocação interna); b) O de eleger homens que dizem ser chamados interiormente, mas
que não são aprovados e reconhecidos em sua vocação pelo povo de Deus (vocação externa).
Base Constitucional (Manual Presbiteriano)
Em nosso Manual Presbiteriano também vemos a importância e indispensabilidade de que os oficiais demonstrem
vocação para o ministerial que irão desempenhar. Abaixo nós relacionamos três artigos da nossa Constituição que falam a
respeito da vocação para o ofício. Cada um deles nos ensina um aspecto deste assunto:
1. A vocação deve ser reconhecida exteriormente, e não depender somente de impressões subjetivas do
indivíduo: CI/IPB - Art. 28 - A admissão a qualquer ofício depende: a) da vocação do Espírito Santo,
reconhecida pela aprovação do povo de Deus;
2. A vocação é direcionada a um dos dois ofícios. Ela não é “toda abrangente ministerialmente”. CI/IPB - Art.
29 - Nenhum oficial pode exercer simultaneamente dois ofícios nem pode ser constrangido a aceitar cargo ou
ofício contra a sua vontade.
3. A vocação abrange o lado interno (testemunho interno do Espírito Santo) e externo (aprovação do povo de
Deus) do indivíduo. CI/IPB - Art. 108 - Vocação para ofício na Igreja é a chamada de Deus, pelo Espírito Santo,
mediante o testemunho interno de uma boa consciência e a aprovação do povo de Deus, por intermédio de um
concílio.
Além destas evidências, entende-se que o oficial deve ser alguém doutrinariamente sadio, e submisso às
autoridades constituídas da igreja: Art. 114 – ―Só poderá ser ordenado e instalado quem, depois de instruído, aceitar a
doutrina, o governo e a disciplina da Igreja Presbiteriana do Brasil, devendo a Igreja prometer tributar-lhe honra e
obediência, no Senhor, segundo a Palavra de Deus e esta Constituição.‖
Resumindo, quem não evidencia um chamado interno do Espírito para a obra (vocação interna), a aprovação do
povo de Deus (vocação externa), e concordância quanto ao governo e doutrina da igreja, não satisfaz os requisitos para o
ofício por deixar de mostrar evidências suficientes de seu chamado ministerial, o qual deve abranger todos estes aspectos.
12 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 591.
13 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 592.
8
IV - REQUISITOS PARA OS CANDIDATOS AO DIACONATO
Da mesma forma que o apóstolo faz uma lista de qualidades exigidas dos candidatos ao presbiterato, ele faz agora
para a escolha dos diáconos (1Tm 3:8-12). Abaixo damos uma breve explicação do significado destas qualificações
oferecidas pelo teólogo William Hendriksen14
:
Qualificações requeridas Significado
“Respeitáveis...”
Isto se refere não só ao decoro necessário ou à decência de
atitude e conduta, mas também ao fato de seus
pensamentos e atitudes interiores revelarem que são
homens de honradez e respeitabilidade operadas pelo
Espírito Santo.
“De uma só palavra...”
Ele não diz uma coisa a uma pessoa e algo diferente, a
outra.
“Não inclinados a muito vinho...”
Moderado em seu uso do vinho, se porventura quiser
beber algum.
“Não cobiçosos de sórdida ganância...”
Aquele que faz desfalque ou larápio e o homem que
abraça uma boa causa por amor de alguma vantagem
material. É o homem de espírito mercenário que se
entrega totalmente à busca de riquezas, ansioso por
aumentar suas possessões sem importar os métodos, sejam
justos ou espúrios.
“Conservando o mistério da fé
com a consciência limpa...”
Um bom diácono, portanto, é atento ao dever por amor a
Cristo... Por amor a Cristo, o diácono apto vigia a si
mesmo escrupulosamente, fazendo tudo a seu alcance
para permanecer na mais íntima união possível com ele,
ou seja, com o mais sublime dos mistérios divinamente
revelados, a saber: ―Deus manifestado na carne‖ para a
salvação, em termos iguais, de judeus e gentios.
“Marido de uma só mulher...”
Em sua relação conjugal deve ser exemplo para os demais
na fidelidade para com sua esposa... seja inteiramente fiel
e leal à sua única e exclusiva esposa
“Governe bem os filhos e o lar...”
Deve ser dotado com a habilidade de supervisionar,
presidir, administrar... Essa capacidade de administrar ou
governar bem sua própria família se faz evidente quando o
pai mantém sua prole em submissão.
Ainda no (v.10) encontramos a seguinte expressão ―E também estes sejam primeiro provados, depois exercitem o
diaconato, se forem irrepreensíveis.‖ Ora, o que significa esta provação dos candidatos? É o que veremos nos comentários
abaixo:
O que se diz aos bispos vale também para os diáconos. Não deve ser eleito nenhum neófito. Devem servir
somente homens provados nessa capacidade. Isso não significa que o futuro diácono deva antes de tudo
viver um período de prova, mas, antes, mediante uma vida consagrada, deve ele dar testemunho de seu
caráter. Deve estar em condições de sustentar a prova tendo os olhos de toda a igreja (e dos de fora!)
focalizados nele. Se passar no teste com êxito, então é irrepreensível .15
E também:
14
William Hendriksen, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo Cultura Cristã, 2001, p 160, 165-167.
15
William Hendriksen, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 167.
9
Um requerimento ainda deve ser observado – um que também ressaltará quão alto é o padrão para os
diáconos. Lemos em 1 Timóteo 3:10: ―E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem
irrepreensíveis‖. Já examinamos a idéia do diácono ser irrepreensível.4 Mas como sabemos se um homem é
irrepreensível ou não? A resposta é: prove-o! Somente após ser provado, e encontrado irrepreensível, ele
poderá ser instalado no ofício como um diácono... Ora, o Espírito Santo em nosso texto requer que a igreja
prove homens para o ofício de diácono. Há muitos homens na igreja; mas não pense que todos eles estão
qualificados para serem diáconos! Um processo de provação deve acontecer, a fim de sabermos quem está
preparado para ser um diácono. Alguns homens, quando provados, não se mostrarão como irrepreensíveis.
Eles não podem ser colocados no ofício. Outros se mostrarão irrepreensíveis; eles estão qualificados... A
melhor forma de cumprir o requerimento que um diácono deve ser primeiro provado é simples: os concílios
devem avaliar cada homem cujo nome aparece para o ofício, se ele está verdadeiramente preparado ou não.
Os homens do concílio devem discutir a pessoa entre si, em confidencialidade, mas também em verdadeiro
amor por essa pessoa e a igreja. A questão deve ser aberta e honestamente encarada: ―Existem razões que
possam ser apresentadas para o motivo pelo qual tal homem não está qualificado para o ofício?‖16
A igreja deve levar muito a sério estes requisitos par o ofício do diaconato. O que se vê muito acontecer por aí é
escolherem pessoas nas quais se tem afinidade, amizade, posição social elevada, nível cultural privilegiado... Enquanto
que os requisitos ordenados por Deus, dia-a-dia estão sendo esquecidos. É indispensável cumprir as exigências divinas
quanto a este serviço, a fim de podermos ter oficiais capazes de beneficiar e abençoar a igreja de Cristo, e não somente
homens preenchendo cargos.
V - O SERVIÇO DO MINISTÉRIO DIACONAL
Tendo visto a origem do ministério diaconal, o significado do termo diácono, suas qualificações necessárias para
o ofício, agora, devemos responder à pergunta: O que o diácono deve fazer especificamente? Há muitas diferenças de
interpretação quanto a este aspecto do ofício de diácono. Já vimos anteriormente que há diferenças quanto ao que é um
diácono. Ora, se há diferenças de interpretação quanto ao que é um diácono, é muito natural que também haja divergência
quanto ao seu serviço específico! Desta forma, continuaremos a pesquisar biblicamente para ver qual é o serviço que cabe
a estes oficiais.
Base Bíblica
Pelos registros que encontramos nas Escrituras nós não encontramos muitas passagens relatando ou descrevendo
explicitamente o serviço diaconal. Vemos muitos textos falando do serviço dos presbíteros da igreja, mas não se fala
abundantemente sobre o que o diácono deve fazer no corpo de Cristo. Todavia, podemos concluir qual seja seu serviço
por meio dos poucos testos que se referem de alguma forma a estes homens. Abaixo colocamos algumas explicações a
respeito do serviço de diácono de acordo com a posição reformada:
1. ―À luz de Atos 6 aprendemos que os diáconos foram eleitos porque os presbíteros não tinham tempo e energia
para tomar sobre si o encargo dos pobres e necessitados, além da realização de sua outra obra: governar a igreja,
pregar a Palavra, administrar os sacramentos, guiar a congregação na oração, etc. Conseqüentemente os diáconos
foram eleitos para ―servir às mesas‖. Sua tarefa específica é recolher as ofertas do povo de Deus traz como sinal
de gratidão ao Senhor, distribuir esses donativos no espírito adequado a todos os que estão necessitados, para
prevenir a pobreza onde quer que seja possível fazê-lo, e por meio de suas orações e palavras baseadas nas
Escrituras consolar e animar os angustiados.‖17
2. ―Os diáconos tinham a responsabilidade de servir à igreja em vários papéis suplementares, mas não desfrutavam
de autoridade para o ensino, reconhecida pela igreja, semelhante àquela detida pelos presbíteros.‖18
3. ―... Ofício eclesiástico dos diáconos (―servo, ajudadores‖), que tem a ver com as questões materiais, seculares da
vida diária das igrejas, sobretudo a ministração de atos caridosos...‖19
16
Douglas J. Kuiper, As Qualificações dos Diáconos (7): Sua Provação. Fonte: www.monergismo.com.
17
William Hendriksen, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 165.
18
D.A.Carson, “Autoridade na Igreja” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A. Elwell. São Paulo,
Vida Nova, 2009, p 294.
10
4. ―Diáconos não são governantes, mas uma classe subordinada de oficiais que servem sob a direção dos presbíteros.
Os diáconos assistem aos presbíteros, aliviando-os especialmente das perturbações ocasionadas pelas atividades
temporais da Igreja.‖20
Talvez devido aos poucos informes bíblicos, ou por causa da negligência de muitos líderes, o serviço diaconal nas
igrejas foi sendo cada vez menos compreendido. Muitos deles ficam até sendo responsáveis por coisas triviais e simples,
deixando de resolver as questões mais importantes e significativas:
Os presbiterianos quase sempre mostram pouco entendimento da natureza do ofício diaconal.
Conseqüentemente o diaconato degenera-se facilmente num serviço de zeladoria em prol da congregação
local. Embora os diáconos, nesta situação, estejam servindo sob direção dos presbíteros, dificilmente
estarão desempenhando o nobre papel do ofício. Resumindo, qual deve ser o papel dos diáconos? Eles são
ministros de misericórdia em favor dos membros carentes da congregação (Rm 12:8); visitam os aflitos e
provêem recursos para aliviar os necessitados.21
Resumindo podemos dizer que biblicamente o serviço do ofício diaconal consiste em: Recolher as ofertas do povo
de Deus traz como sinal de gratidão ao Senhor, distribuir esses donativos no espírito adequado a todos os que estão
necessitados, por meio de suas orações e palavras baseadas nas Escrituras consolar e animar os angustiados, seu ofício
tem a ver com as questões materiais, seculares da vida diária das igrejas, sobretudo a ministração de atos caridosos, seu
serviço é de assistência aos presbíteros, aliviando-os especialmente das perturbações ocasionadas pelas atividades
temporais da Igreja. Eles são ministros de misericórdia em favor dos membros carentes da congregação (Rm 12:8);
visitam os aflitos e provêem recursos para aliviar os necessitados.
Base do Manual Presbiteriano
A IPB entendeu desta forma o serviço do ofício diaconal, tanto é assim que na CI/IPB Art. 25, ela divide
claramente as funções de doutrina, governo e beneficência entre os oficiais: ministros, presbíteros e diáconos,
respectivamente. E também na CI/IPB Art. 53 declara que o diácono deve se dedicar especialmente às seguintes obras: a)
à arrecadação de ofertas para fins piedosos; b) ao cuidado dos pobres, doentes e inválidos; c) à manutenção da ordem e
reverência nos lugares reservados ao serviço divino; d) ao exercício da fiscalização para que haja boa ordem na casa de
Deus e suas dependências.
Assim como no caso do presbítero regente, o diácono exerce suas funções durante um período de cinco anos.
Após este período ele poderá continuar no exercício de seu cargo, desde que seja novamente eleito pela igreja (CI/IPB -
Art. 54). Dentro deste período de cinco anos há alguns fatores que podem impedi-lo de continuar a exercer o ofício até o
fim do mandato de cinco anos. São eles: (CI/IPB - Art. 56 - b) mudar-se para lugar que o impossibilite de exercer o
cargo; c) for deposto; d) ausentar-se sem justo motivo, durante seis meses, das reuniões do Conselho, se for presbítero, e
da Junta Diaconal, se for diácono; e) for exonerado administrativamente ou a pedido, ouvida a Igreja. Se alguma destas
situações ocorrerem dentro do período de cinco anos em que ele foi eleito, o exercício de sua função no ofício cessa.
A IPB considera o exercício do diaconato algo muito sério. Por isto exige deles que sejam homens de conduta
exemplar na igreja, exerçam o serviço de forma fiel, e promovam o bem da igreja: (CI/IPB - Art. 55) - “O presbítero e o
diácono devem ser assíduos e pontuais no cumprimento de seus deveres, irrepreensíveis na moral, sãos na fé, prudentes
no agir, discretos no falar e exemplos de santidade na vida.”; (PL/IPB - Art. 29) -“Prometerão cumprir com zelo e
fidelidade o seu ofício e também manter e promover a paz, unidade, edificação e pureza da Igreja”. E além disto, devem
tanto possuir uma crença sadia, quanto mostrarem-se submissos às autoridades da igreja: (PL/IPB - Art. 28) – ―Os
presbíteros e diáconos assumirão compromisso na reafirmação de sua crença nas Sagradas Escrituras como a Palavra
de Deus e na lealdade à Confissão de Fé, aos Catecismos e à Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil”.
A IPB orienta em seu Manual Presbiteriano que os diáconos componham a Junta Diaconal da igreja, a qual será
regida por um regimento aprovado pelo Conselho local (CI/IPB - Art. 58 - A Junta Diaconal dirigir-se-á por um
regimento aprovado pelo Conselho).
19
Robert H. Gundry, Panorama do Novo Testamento. São Paulo, Vida Nova, 2001, p 244.
20
Kevin Reed, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002, p 24.
21
Kevin Reed, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002, p 24, 25.
11
Além de seu trabalho ordinário os diáconos podem ser chamados pelo Conselho a fim de opinar sobre questões
administrativas da igreja (CI/IPB - Art. 8º, § 1º - “O Conselho, quando julgar conveniente, poderá consultar os diáconos
sobre questões administrativas, ou incluí-los, pelo tempo que julgar necessário, na administração civil”).
VI- A QUESTÃO DA ORDENAÇÃO DE DIACONISAS
Durante o passar dos anos a igreja sempre teve que enfrentar dois perigos: A heresias externas vindas do
paganismo que querem entrar na vida da igreja, e heresias surgidas de dentro da própria igreja. Isto aconteceu com
respeito a vários temas doutrinários como a doutrina de Cristo, a doutrina da trindade a doutrina da salvação, a doutrina
dos sacramentos... Todas elas enfrentaram problemas e desafios tanto externos quanto internos. Seguindo estes mesmos
acontecimentos, a doutrina do governo da igreja também tem ―sofrido‖ com algumas investidas heréticas. Dentre elas a
questão da ordenação feminina.
Não nos deteremos aqui sobre a questão histórica que explica como a visão da ordenação feminina surgiu dentro
da igreja de Cristo, mas nos deteremos somente no âmago da questão: É da vontade de Deus que as mulheres sejam
ordenadas para o ofício diaconal? É com esta pergunta que nos preocupamos, pois todas as demais questões não vão
resolver a situação de forma alguma, pois toda nossa argumentação tem que ser fundamentada nas Escrituras. Por isto, não
nos deteremos nos argumentos sociológicos ou filosóficos dos intérpretes feministas, nem utilizaremos os argumentos
históricos ou tradicionais dos conservadores. Utilizaremos as Escrituras, que são a verdade de Deus e a autoridade última
para qualquer questão, e utilizaremos também as decisões da IPB quanto a ordenação de diaconisas, por entender que suas
decisões refletem sua posição teológica (e conseqüentemente sua interpretação) sobre o assunto.
Resposta a Argumentos Feministas
Certamente seria contraproducente nos delongar respondendo a todas as alegações dos intérpretes feministas. Por
isto, abordaremos somente alguns argumentos mais fortes, e que se fundamentam em textos da Sagrada Escritura. Para
tanto, exporemos abaixo algumas respostas que o teólogo Augustus Nicodemus dá a respeito de dúvidas sobre a
ordenação feminina22
:
1. Febe não era uma diaconisa, conforme Romanos 16:1-2? Isto não prova que as mulheres podem exercer
autoridade eclesiástica na Igreja?
Resposta: Temos de considerar os seguintes aspectos.
(1) Não é claro se Febe era realmente uma diaconisa. Muito embora no original grego Paulo empregue o
termo ―diácono‖ para se referir a ela, lembremos que este termo no Novo Testamento nem sempre significa o
ofício de diácono. Pode ser traduzido como servo, ministro, etc. Portanto, nossa tradução ―Recomendo-vos a
nossa irmã Febe, que está servindo à igreja de Cencréia‖ é perfeitamente possível e não é uma tradução
preconceituosa.
(2) Mesmo que houvesse diaconisas na Igreja apostólica, é certo que elas não exerceriam qualquer autoridade
sobre as igrejas e sobre os homens – a presidência era dos presbíteros, cf. 1Tm 5:17; o trabalho delas seria
provavelmente com outras mulheres (Tt 2:3-4) e relacionado com assistência aos pobres. É interessante que a
primeira referência que existe na história da Igreja sobre o trabalho de mulheres, diz assim: ―A mulher deve servir
às mulheres‖ (Didascalia Apostolorum). Isto queria dizer que elas instruíam as outras que iam se batizar,
ajudavam no enterro de mulheres, cuidavam das pobres e doentes. Não há qualquer indício de que tais mulheres
eram ordenadas para o exercício da autoridade eclesiástica.
2. Se as mulheres recebem os mesmos dons espirituais que os homens, não é uma prova de que Deus deseja que elas
sejam ordenadas ao ministério?
Resposta: Não. As condições para o oficialato na Igreja apostólica estão prescritas em 1Timóteo e Tito 1.
Percebe-se que o dom do ensino é apenas um dos requisitos. Há outros, como por exemplo, governar a própria
22
Augustus Nicodemus Lopes, “Pastoras, Presbíteras, Diaconisas: Uma Perspectiva Bíblica” in Série Cadernos Bíblicos.
Volume I. Primeira Igreja Presbiteriana do Recife. Recife, jul/2002, p 18, 19, 20, 21.
12
casa e ser marido de uma só mulher, que não podem ser preenchidos por mulheres cristãs, por mais dons que
tenham.
3. Paulo escreveu suas cartas para atender a problemas locais e específicos. Como podemos aplicar hoje o que
Paulo escreveu, se a situação e o contexto são diferentes?
Resposta: Quase todos os livros do Novo Testamento foram escritos em resposta a uma situação específica de
uma ou mais comunidades cristãs do século I, e nem por isto os que querem a ordenação feminina defendem que
nada do Novo Testamento se aplica às igrejas cristãs de hoje. A carta aos Gálatas, por exemplo, onde Paulo
expõe a doutrina da justificação pela fé somente, foi escrita para combater o legalismo dos judaizantes que
procuravam minar as igrejas gentílicas da Galácia, em meados do século I. Ousaríamos dizer que o ensino de
Paulo sobre a justificação pela fé não tem mais relevância para as igrejas do final do século XX, por ter sido
exposto em reação a uma heresia que afligia igrejas locais no século I? O ponto é que existem princípios e
verdades permanentes que foram expressos para atender a questões locais, culturais e passageiras. Passam as
circunstâncias históricas, mas o princípio teológico permanece. Assim, o comportamento inadequado das
mulheres das igrejas de Corinto e de Éfeso, às quais Paulo escreveu determinando que ficassem caladas na Igreja,
foi um momento histórico definido, mas os princípios aplicados por Paulo para resolver os problemas causados
por estas atitudes permanecem válidos. Ou seja, o ensino de que as mulheres devem estar submissas à liderança
masculina nas igrejas e na família, sem ocupar posições de liderança e governo, é o princípio permanente e válido
para todas as épocas e culturas.
4. Havia uma mulher chamada Júnias que Paulo considera como apóstola, em Romanos 16:7. Se havia apóstolas,
por que não pastoras, presbíteras e diaconisas?
Resposta: A passagem diz o seguinte: “Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e companheiros de prisão,
os quais são notáveis entre os apóstolos, e estavam em Cristo antes de mim” (Rm 16:7). Não é tão simples assim
deduzir que Júnias era uma apóstola. Há várias questões relacionadas com a interpretação deste texto. Júnias é um
nome masculino ou feminino? Existe muita disputa sobre isto, embora a evidência aponte para um nome
masculino. Outra coisa, a expressão ―notável entre os apóstolos‖ significa que Júnias era um dos apóstolos, já
antes de Paulo, e um apóstolo notável, ou apenas que os apóstolos, antes de Paulo, tinham Júnias em alta conta? A
última possibilidade é a mais provável. Em última análise, só podemos afirmar com certeza, a partir de Romanos
16:7, que, quem quer que tenha sido, Júnias era uma pessoa tida em alta conta por Paulo, e que ajudou o apóstolo
em seu ministério. Não se pode afirmar com segurança que era uma mulher, nem que era uma ―apóstola‖, e muito
menos uma como os Doze ou Paulo. A passagem não serve como evidência bíblica para a ordenação feminina no
período apostólico. E essa conclusão está em harmonia com o fato de que Jesus não escolheu mulheres para serem
apóstolos. Não há nenhuma referência indisputável a uma ―apóstola‖ no Novo Testamento.
5. Em 1Timóteo 3:11, ao descrever as qualificações do diácono, Paulo se refere às mulheres: “Da mesma sorte,
quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo”. Este
versículo não prova que havia diaconisas nas igrejas apostólicas?
Resposta: Não necessariamente. Esta passagem tem sido entendida de diferentes modos: (1) Paulo pode estar se
referindo às mulheres dos diáconos (Calvino). Porém, ele emprega para elas a expressão ―é necessário‖
(1Tm 3:11), que foi a mesma que empregou para os presbíteros (3:2) e os diáconos (3:8), ao descrever suas
qualificações. Logo, não nos parece que o apóstolo se refira às mulheres dos diáconos. (2) Paulo pode estar se
referindo à todas as mulheres da igreja; entretanto, é bastante estranho que ele tenha colocado instruções para
todas as mulheres bem no meio das instruções aos diáconos! (3) Paulo pode estar se referindo às assistentes dos
diáconos, mulheres piedosas, que prestavam assistência em obras de misericórdia aos necessitados das igrejas
(Hendriksen). (4) Paulo se referia à diaconisas. Porém, é no mínimo estranho que Paulo não empregou o termo
apropriado para descrever a função delas (diaconisas), já que ele vinha falando de presbíteros e diáconos. A opção
3 nos parece a melhor e mais provável: havia mulheres piedosas nas igrejas apostólicas, não ordenadas como
―diaconisas‖, que ajudavam os diáconos nas obras de misericórdia, trabalhando diretamente com as mulheres
carentes e necessitadas. É a estas que Paulo aqui se refere.
Além destes argumentos, nós podemos ainda falar que o próprio texto exclui as mulheres do diaconato ao exigir
como pré-requisito que sejam ―maridos de uma só mulher (1Tm 3:12):
13
[...] O versículo 12 não diz meramente que um diácono deve ter um cônjuge, deixando aberta a
possibilidade que o diácono seja uma mulher, mas diz que os diáconos devem ser ―maridos‖ de uma esposa.
A palavra traduzida como ―maridos‖ refere-se claramente a um homem. Uma mulher não pode ser um
marido. Assim, Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, ensina explicitamente que um diácono deve ser um
homem. Se o versículo 11 permite as mulheres serem diaconisas, então Paulo se contradiz, e o próprio
Espírito também.23
Posição da IPB quanto a ordenação de Diaconisas
A IPB ao longo de sua jornada aqui no Brasil certamente teve que se deparar com muitos líderes que desejaram (e
muitos ainda desejam) a ordenação de mulheres ao diaconato. Contudo, desde há muito tempo sua posição continua sendo
a mesma: As mulheres não devem ser ordenadas para o ofício do diaconato. Vejamos as decisões que os concílios da IPB
tomaram acerca deste assunto:
1 - AG-1930-037 - Diaconisas - 1) Uma senhora não pode ser eleita e ordenada diaconisa. Todavia, constitucional
a eleição, pelo Conselho, de senhoras para cargos piedosos e de caridade, na Igreja. AG-1930-037. 2) O L/O Art.
51º, faculta às igrejas e não às Assembléias eclesiásticas eleger ou nomear mulheres piedosas para cuidarem dos
enfermos, etc., não significando isso, que se deve ordená-las. AG-1936-044.
2 - SC-74-058 - Doc. XXXV - Quanto ao Doc. 39 - Consulta Sobre a Possibilidade de Eleição de Diaconisa - O
Supremo Concílio resolve: responder que de acordo com a legislação vigente na Igreja Presbiteriana do Brasil,
não se admite a eleição de diaconisas.
3 - SC-78-091 - Presbitério de Londrina - Proposta para instituição do Diaconato Feminino - Doc. XCI - Quanto
ao Doc. 38 - proposta para a instituição do Diaconato Feminino - O Supremo Concílio resolve: deixar de apreciar
a proposta em virtude de o assunto em foco já estar plenamente regulamentado pelas resoluções nº 37 da
Assembléia Geral de 1930 e nº 44 da Assembléia Geral de 1936. Além do mais, a Constituição vigente não
contempla o Diaconato Feminino.
4 - CI/IPB - Art. 25 - § 2º - Para o oficialato só poderão ser votados homens maiores de 18 anos e civilmente
capazes.
Resumindo, não há espaço para a ordenação de acordo com uma fiel interpretação das Escrituras. Portanto, quem
ainda luta por isto, rebela-se contra a Suprema Autoridade da Palavra de Deus. E ainda que as Escrituras abrissem espaço
para tal procedimento, a nossa denominação IPB não aprova atualmente a questão. Portanto, seria insubmissão ordenar
mulheres ao diaconato.
23
Douglas J. Kuiper, As Qualificações dos Diáconos (3): Recipientes Masculinos da Graça de Deus. Fonte: www.monergismo.com.
14
CONCLUSÃO
Tendo aprendido várias verdades acerca do ministério diaconal, agora só resta à igreja colocar em
prática o que conheceu. Como vimos, o serviço dos diáconos não deve ser menosprezado ou desvalorizado. Os
diáconos são instrumentos importantes na vida eclesiástica da igreja. E seu serviço traz benefícios espirituais ao
povo de Deus.
Além disto, é preciso resgatar o devido respeito aos diáconos como autoridades ordenadas da igreja. Não
se deve tratar os diáconos como simples ―servos‖ do povo, mas dispensar também respeito e consideração. Eles
são representantes de Cristo, mesmo que não sejam autoridades na esfera da Palavra e no governo como são os
presbíteros.
Quanto aos diáconos, cabe a eles atenciosamente observar o que diz as Escrituras a seu respeito a fim de
cumprir seu ministério com fidelidade no temor do Senhor. Não devem descansar no fato de seres oficiais
ordenados. Devem se preocupar diariamente com o ministério entregue por Deus em suas mãos!
Deus abençoe a Igreja!
15
BIBLIOGRAFIA
— A BÍBLIA SAGRADA. Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. 2º Ed.
Barueri – SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.
— BERKHOF, Louis, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990.
— BÍBLIA SAGRADA: NOVA TRADUÇÃO NA LINGUAGEM DE HOJE. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil,
2000.
— BURGE, Gary M., “Diácono, Diaconisa” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A.
Elwell. São Paulo, Vida Nova, 2009.
— CARSON, D.A., “Autoridade na Igreja” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A.
Elwell. São Paulo, Vida Nova, 2009.
— DIC MICHAELIS UOL, 2001.
— GINGRICH, F. W. e Frederick W. Danker, Léxico do N.T. Grego/Português. São Paulo, Vida Nova, 2000.
— GUNDRY, Robert H., Panorama do Novo Testamento. São Paulo, Vida Nova, 2001.
— HENDRIKSEN, William, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo Cultura Cristã, 2001.
— HESS, K., “Servir, Diácono, Adoração” in Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol II.
Editores, Lothar Coenen e Colin Brown. São Paulo, Vida Nova, 2000.
— HOLANDA, Aurélio Buarque de, Miniaurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4º ed. Rio
de Janeiro, Nova Fronteira, 2000.
— http://doutrinacalvinista.blogspot.com/search/label/Teologia%20Sistem%C3%A1tica. Acessado em 09 08 2008.
— LOPES, Augustus Nicodemus, “Pastoras, Presbíteras, Diaconisas: Uma Perspectiva Bíblica” in Série Cadernos
Bíblicos. Volume I. Primeira Igreja Presbiteriana do Recife. Recife, jul/2002.
— LUFT, Celso Pedro, Mini Dicionário Luft. 3º Ed. São Paulo, Editora Scipione Ltda, 1991.
— NOVO TESTAMENTO INTERLINEAR GREGO-PORTUGUÊS. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004.
— REED, Kevin, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002.
— KUIPER, Douglas J., As Qualificações dos Diáconos (3): Recipientes Masculinos da Graça de Deus. Fonte:
www.monergismo.com.
— ________, Douglas J., As Qualificações dos Diáconos (7): Sua Provação. Fonte: www.monergismo.com.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
vagner costa
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
Gcom digital factory
 
Teologia do Pacto
Teologia do PactoTeologia do Pacto
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
Valdinar Viana
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
Gcom digital factory
 
Escatologia
EscatologiaEscatologia
Escatologia
Marcos Lacorte
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
Carlos Cirleno Neves
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
André Luiz Marques
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
Ednilson do Valle
 
2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas 2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas
Márcio Pereira
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Éder Tomé
 
O caráter de Deus
O caráter de DeusO caráter de Deus
O caráter de Deus
Quenia Damata
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
guestc5d870
 
O pecado de Davi
O pecado de DaviO pecado de Davi
O pecado de Davi
Paulo Roberto
 
Estudo das alianças bíblicas
Estudo das alianças bíblicasEstudo das alianças bíblicas
Estudo das alianças bíblicas
Estudos Bíblicos
 
EBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de Galátas
EBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de GalátasEBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de Galátas
EBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de Galátas
fa.sodre
 

Mais procurados (20)

Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Teologia do Pacto
Teologia do PactoTeologia do Pacto
Teologia do Pacto
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
 
Doutrina do homem
Doutrina do homemDoutrina do homem
Doutrina do homem
 
Escatologia
EscatologiaEscatologia
Escatologia
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
 
2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas 2 Dízimos e Ofertas
2 Dízimos e Ofertas
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
 
O caráter de Deus
O caráter de DeusO caráter de Deus
O caráter de Deus
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
O pecado de Davi
O pecado de DaviO pecado de Davi
O pecado de Davi
 
Estudo das alianças bíblicas
Estudo das alianças bíblicasEstudo das alianças bíblicas
Estudo das alianças bíblicas
 
EBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de Galátas
EBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de GalátasEBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de Galátas
EBD Jovens - Aula 01 - Introdução ao Livro de Galátas
 

Destaque

management team gathering 2016
management team gathering 2016management team gathering 2016
management team gathering 2016
Roberts Inapss
 
Rachel's CV
Rachel's CVRachel's CV
Rachel's CV
Rachel Baldwin
 
Virus y antivirus
Virus y antivirusVirus y antivirus
Virus y antivirus
lingazu
 
Teatro de ionesco 2
Teatro de ionesco 2Teatro de ionesco 2
Teatro de ionesco 2
Gabriel Quesada Mora
 
Catálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBU
Catálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBUCatálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBU
Catálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBU
Mueblipedia_Colecciones de muebles.
 
01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico
01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico
01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico
YONY RAFAEL HUAMANI
 
Маркеры РСС ICF
Маркеры РСС ICFМаркеры РСС ICF
Маркеры РСС ICF
chelokidi
 
Руководство для нового члена ICF
Руководство для нового члена ICFРуководство для нового члена ICF
Руководство для нового члена ICF
chelokidi
 
Materialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREF
Materialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREFMaterialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREF
Materialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREF
miguel angel ferraro
 
G8x apec_SK
G8x apec_SKG8x apec_SK
G8x apec_SK
Kittitat Vanichpol
 
POWER OF VIRTUAL MONEY
POWER OF VIRTUAL MONEY POWER OF VIRTUAL MONEY
POWER OF VIRTUAL MONEY
Abraham Paul
 
الدرس الحادي عشر حكم االادغام
الدرس الحادي عشر حكم االادغامالدرس الحادي عشر حكم االادغام
الدرس الحادي عشر حكم االادغام
mohamed_rds
 
UNIDADES DE TIEMPO
UNIDADES DE TIEMPOUNIDADES DE TIEMPO
UNIDADES DE TIEMPO
Pilar Mendoza
 
білозерська зош №15 день безпечний інтернет
білозерська зош №15 день безпечний інтернетбілозерська зош №15 день безпечний інтернет
білозерська зош №15 день безпечний інтернет
Анна Тараненко
 

Destaque (14)

management team gathering 2016
management team gathering 2016management team gathering 2016
management team gathering 2016
 
Rachel's CV
Rachel's CVRachel's CV
Rachel's CV
 
Virus y antivirus
Virus y antivirusVirus y antivirus
Virus y antivirus
 
Teatro de ionesco 2
Teatro de ionesco 2Teatro de ionesco 2
Teatro de ionesco 2
 
Catálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBU
Catálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBUCatálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBU
Catálogo de muebles de dormitorios infantiles y juvenilesTRIBU
 
01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico
01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico
01 la ciencia_y_el_metodo_cientifico
 
Маркеры РСС ICF
Маркеры РСС ICFМаркеры РСС ICF
Маркеры РСС ICF
 
Руководство для нового члена ICF
Руководство для нового члена ICFРуководство для нового члена ICF
Руководство для нового члена ICF
 
Materialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREF
Materialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREFMaterialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREF
Materialismo Histórico por Miguel Angel Ferraro UBA-UNTREF
 
G8x apec_SK
G8x apec_SKG8x apec_SK
G8x apec_SK
 
POWER OF VIRTUAL MONEY
POWER OF VIRTUAL MONEY POWER OF VIRTUAL MONEY
POWER OF VIRTUAL MONEY
 
الدرس الحادي عشر حكم االادغام
الدرس الحادي عشر حكم االادغامالدرس الحادي عشر حكم االادغام
الدرس الحادي عشر حكم االادغام
 
UNIDADES DE TIEMPO
UNIDADES DE TIEMPOUNIDADES DE TIEMPO
UNIDADES DE TIEMPO
 
білозерська зош №15 день безпечний інтернет
білозерська зош №15 день безпечний інтернетбілозерська зош №15 день безпечний інтернет
білозерська зош №15 день безпечний інтернет
 

Semelhante a II Curso de Capacitação Ministerial

ESTUDOS DE DIACONOS.docx
ESTUDOS DE DIACONOS.docxESTUDOS DE DIACONOS.docx
ESTUDOS DE DIACONOS.docx
SERGIO DOS SANTOS
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
Moisés Sampaio
 
Cepad 2
Cepad 2Cepad 2
Cepad 2
marciothd
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
Ismael Isidio
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
Isaias Christal
 
O dom apostólico carlos carvalho
O dom apostólico    carlos carvalhoO dom apostólico    carlos carvalho
O dom apostólico carlos carvalho
MNTB / Instituto Antropos
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
Anapaula Ribeiro
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
Ismael Isidio
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
Mara Rúbia Alfarth
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
Adenísio dos Reis
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
Osmair Ribeiro da Silva
 
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
Anderson Silva
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”
JUERP
 
Epistolas paulinas
Epistolas paulinasEpistolas paulinas
Epistolas paulinas
Faetef Faetef
 
Boletim dominical Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG 09-06-2013
Boletim dominical  Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG  09-06-2013Boletim dominical  Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG  09-06-2013
Boletim dominical Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG 09-06-2013
Afonso Celso de Oliveira
 
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTELição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Erberson Pinheiro
 
Manual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia AssembleianaManual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia Assembleiana
Paulo Dias
 
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazierTexto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Paulo Dias Nogueira
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
Marina de Morais
 

Semelhante a II Curso de Capacitação Ministerial (20)

ESTUDOS DE DIACONOS.docx
ESTUDOS DE DIACONOS.docxESTUDOS DE DIACONOS.docx
ESTUDOS DE DIACONOS.docx
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
 
Cepad 2
Cepad 2Cepad 2
Cepad 2
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
 
O dom apostólico carlos carvalho
O dom apostólico    carlos carvalhoO dom apostólico    carlos carvalho
O dom apostólico carlos carvalho
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
 
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”
 
Epistolas paulinas
Epistolas paulinasEpistolas paulinas
Epistolas paulinas
 
Boletim dominical Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG 09-06-2013
Boletim dominical  Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG  09-06-2013Boletim dominical  Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG  09-06-2013
Boletim dominical Igreja Presbiteriana Nova Suíça - BH, MG 09-06-2013
 
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTELição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
Lição 7 - A IGREJA NA REFORMA PROTESTANTE
 
Manual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia AssembleianaManual de Liturgia Assembleiana
Manual de Liturgia Assembleiana
 
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazierTexto 1   carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
Texto 1 carisma do ministério pastoral - bispo josué adam lazier
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
 

Mais de Alberto Simonton

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
Alberto Simonton
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
Alberto Simonton
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
Alberto Simonton
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
Alberto Simonton
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Alberto Simonton
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
Alberto Simonton
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
Alberto Simonton
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
Alberto Simonton
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Alberto Simonton
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
Alberto Simonton
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
Alberto Simonton
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
Alberto Simonton
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
Alberto Simonton
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Alberto Simonton
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
Alberto Simonton
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
Alberto Simonton
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 

Mais de Alberto Simonton (20)

Elementos do culto
Elementos do cultoElementos do culto
Elementos do culto
 
O livro de Rute
O livro de RuteO livro de Rute
O livro de Rute
 
Os livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 SamuelOs livros de 1 e 2 Samuel
Os livros de 1 e 2 Samuel
 
Os livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 ReisOs livros de 1 e 2 Reis
Os livros de 1 e 2 Reis
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
O livro de Josué
O livro de JosuéO livro de Josué
O livro de Josué
 
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da BíbliaIntrodução aos Livros Históricos da Bíblia
Introdução aos Livros Históricos da Bíblia
 
Revelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação EspecialRevelação Geral e Revelação Especial
Revelação Geral e Revelação Especial
 
Propósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãsPropósito das missões cristãs
Propósito das missões cristãs
 
Fatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestanteFatos antecedentes à reforma protestante
Fatos antecedentes à reforma protestante
 
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores  Calvino e LuteroPontos de teologia dos reformadores  Calvino e Lutero
Pontos de teologia dos reformadores Calvino e Lutero
 
Introdução ao pentateuco
Introdução ao pentateucoIntrodução ao pentateuco
Introdução ao pentateuco
 
O que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelizaçãoO que é evangelho e evangelização
O que é evangelho e evangelização
 
Tirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missõesTirando dúvidas a respeito de missões
Tirando dúvidas a respeito de missões
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Os líderes de Israel
Os  líderes de IsraelOs  líderes de Israel
Os líderes de Israel
 
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
Estudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldiçãoEstudo sobre  os temas : puro e impuro ,  bênção e maldição
Estudo sobre os temas : puro e impuro , bênção e maldição
 
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do BrasilHistória da Igreja Presbiteriana do Brasil
História da Igreja Presbiteriana do Brasil
 
Introdução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja CristãIntrodução à História da Igreja Cristã
Introdução à História da Igreja Cristã
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 

Último

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

II Curso de Capacitação Ministerial

  • 1. TEMA: O MINISTÉRIO DOS DIÁCONOS Pr. Alberto Simonton
  • 2. 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 I- O SIGNIFICADO DO TERMO DIÁCONO 04 II - A ORIGEM DO OFÍCIO DIACONAL 05 Análise de (At 6:1-6) 05 Análise de (1Tm 3:8-13) 06 III - A NECESSIDADE DE VOCAÇÃO PARA O OFÍCIO 07 Base Bíblica 07 Base Constitucional (Manual Presbiteriano) 08 IV - REQUISITOS PARA OS CANDIDATOS AO DIACONATO 09 V - O SERVIÇO DO MINISTÉRIO DIACONAL 11 Base Bíblica 11 Base do Manual Presbiteriano 12 VI- A QUESTÃO DA ORDENAÇÃO DE DIACONISAS 13 Resposta a Argumentos Feministas 13 Posição da IPB quanto a ordenação de Diaconisas 15 CONCLUSÃO 16 BIBLIOGRAFIA 17
  • 3. 3 INTRODUÇÃO Uma igreja para crescer bem e desenvolver sua vida espiritual deve lutar para ter bons oficiais em seu meio. Todavia, nos tempos difíceis nos quais vivemos temos visto que cada vez mais as igrejas têm desprezado as orientações das Escrituras quanto aos ofícios eclesiásticos. Vemos um afastamento daquilo que Deus ordenou na Sua santa Palavra, tanto no que diz respeito ao tipo de serviço a ser realizado pelos oficiais, como no que diz respeito à escolha destes oficiais. É preciso mudar esta situação. Não podemos nos acostumar com esta deficiência da igreja, ou até nos agradar dela! A volta aos padrões bíblicos é uma questão indispensável à vida da igreja. É por isto que este trabalho visa orientar os membros das igrejas quanto à escolha dos oficiais ao diaconato, bem como explicar outros aspectos deste ministério. Muitas são as opiniões acerca do que deve ser o serviço dos diáconos. Nós, porém, devemos aprender o que Deus revela por meio de suas Sagradas Escrituras. Lembremos que de forma alguma este estudo é exaustivo em seu conteúdo, mas intenciona tirar dúvidas essências sobre o assunto. Cabe ao leitor retirar o restante de suas dúvidas em outras fontes. Todavia, aqui nós encontraremos conteúdo suficiente para melhorar nossa visão a respeito do assunto proposto. Deus abençoe seus estudos! Pr. Alberto Simonton
  • 4. 4 I- O SIGNIFICADO DO TERMO DIÁCONO Durante o passar do tempo as palavras vão recebendo novos sentidos, e principalmente quando vemos que certas palavras são originadas em outra língua, em outro tempo, e em outra cultura. É o caso da palavra diácono como a estudaremos. Para uma correta compreensão do tema que estamos estudando devemos igualmente conhecer o significado correto do termo diácono. Para tanto, devemos procurar o significado deste vocábulo na língua original (grego), e na época original em que os escritores a utilizaram (50 - 100 d.C.). Por isto, antes de tudo, vamos esclarecer o significado do termo ―diácono‖. Quando olhamos para nossa época, língua, e cultura, a palavra diácono tomou um rumo de significado diferente daquilo que originalmente significava. Em alguns dicionários de nossa língua, o termo é tomado com um significado bem simples e não possuindo uma variação de sentidos. Vejamos os exemplos abaixo: 1. ―Clérigo que recebeu a segunda das ordens maiores‖;1 2. ―Clérigo cuja função é inferior à do padre‖;2 3. ―Clérigo que recebeu a ordem do diaconato.‖3 É claro que estes dicionários não esgotam o significado do termo como encontramos em várias das denominações evangélicas deste país, contudo, estes exemplos já nos servem para demonstrar quão perigoso é firmar-se nos conceitos aprendidos em nossa cultura. Devemos obrigatoriamente buscar o sentido na língua grega da época de Paulo. Na língua grega da época de Paulo, a palavra diácono tinha vários significados. E foi assim utilizada nos textos bíblicos: a)Servo (Mt 20:26; 22:13; Mc 9:35); b)Garçom (Jo 2:5,9); c)Agente (Rm 13:4); d)Auxiliar (2 Co 6:4; Ef 6:21; Cl 1:23,25; 1 Tm 4:6); e)Oficial (Fp 1:1; 1 Tm 3:8,12).4 Como podemos observar, em todas as suas nuances de significados está presente a idéia de ―serviço a outro‖. Entretanto, não queremos simplesmente saber os significados possíveis da palavra diácono, mas entender firmemente que um dos significados do termo era ―ser um oficial da igreja‖. Vejamos a análise abaixo: diakonos é achada 29 vezes no NT. Seu significado primário é ―aquele que serve à mesa‖ (Mt 22:13, onde há uma nota escatológica; Jo 2:5, 9). Significa um ―servo‖ em um sentido mais amplo em Mt 20:26 par. Mc 10:43; cf. Lc 18:26; Mt 23:11, e um ―ajudante‖ em Ef 6:21; Cl 4:7... Em Fp 1:1 e 1Tm 3:8-13, diakonos é usado para um homem que detém o cargo de diácono na igreja.5 Concluindo nossa primeira parte deste estudo, podemos dizer que há vários significados para a palavra diácono no Novo Testamento, mas todos eles têm a ver com ―serviço a outra pessoa‖. E um destes significados, já na época da igreja apostólica, era ―ser um oficial da igreja ao lado dos presbíteros‖. II - A ORIGEM DO OFÍCIO DIACONAL Ao observarmos as denominações evangélicas (e até mesmo a Igreja Católica Romana), podemos ver a presença de diáconos. Contudo, ao buscar descobrir suas funções, evidencia-se o fato de que o serviço diaconal não provém de uma unanimidade de interpretação bíblica. Ou seja, o diácono em uma denominação possui determinadas atribuições, em outra denominação possui outras. Tudo depende do modo como a igreja interpreta a visão bíblica do serviço diaconal. Sendo 1 Celso Pedro Luft, Mini Dicionário Luft. 3º Ed. São Paulo, Editora Scipione Ltda, 1991, p 212. 2 Aurélio Buarque de Holanda, Miniaurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4º ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2000, p 234. 3 Dic Michaelis UOL, 2001. 4 F. W. Gingrich e Frederick W. Danker, Léxico do N.T. Grego/Português. São Paulo, Vida Nova, 2000, p 53. 5 K. Hess, “Servir, Diácono, Adoração” in Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol II. Editores, Lothar Coenen e Colin Brown. São Paulo, Vida Nova, 2000, p 2343.
  • 5. 5 assim, prova-se ser imprescindível ver nas Escrituras o modo como surgiu o ministério do diaconato e qual a visão apostólica sobre ele, a fim de entendermos corretamente o serviço dos diáconos. Para esta análise vamos utilizar as passagens bíblicas de (At 6:1-6; 1Tm 3:8-13). Análise de (At 6:1-6) Apesar de não haver no texto de (At 6:1-6) os termos diácono, ou ministério diaconal, ou ofício de diácono... contudo, a passagem demonstra um serviço (v.2 – διακονειν τραπεζαις : “servir às mesas”) a ser realizado para o benefício da igreja, o qual era relacionado com a assistência social aos pobres. Além disto, é muito significativo que os homens escolhidos para esta obra foram investidos pelos próprios apóstolos (―... lhes impuseram as mãos‖ At 6:6). Isto denota que aqueles homens foram consagrados a este serviço. Não eram mais somente ―membros comuns‖ da igreja, tinham o aval e a autoridade provinda dos governantes da igreja, que neste caso eram os apóstolos. Resumindo, (At 6) pode não ser explícito quanto a este assunto, todavia, analisando toda a revelação, vemos que ―os primórdios do diaconato formal, ou ofício formal de diácono, podem ser achados em At 6. Um problema na distribuição dos bens destinados à assistência social causou nomeação de sete líderes que deixaram os apóstolos livres de ―servir a mesas‖ (diakoneõ, 6:2). O grupo elegeu os sete, que foram ordenados ao serviço pelos apóstolos (6.6).‖6 Além disto, esta interpretação do texto de (At 6) não é provinda de um só intérprete isolado. Observemos a explicação abaixo: Segundo a opinião predominante, At 6:1-6 contém o registro da instituição do diaconato... com toda probabilidade, At 6 se refere à instituição do diaconato, pois: (1) O nome diakonoi que, antes do evento narrado em Atos 6, era sempre empregado no sentido geral de servo ou servidor, subseqüentemente começou a ser empregado como designativo daqueles que se dedicavam às obras de misericórdia e caridade, e, com o tempo, veio a ser usado exclusivamente neste sentido. A única razão que se pode atribuir a isto acha-se em Atos 6. (2) Os sete homens ali mencionados foram encarregados da tarefa de distribuir bem as dádivas trazidas para as agapae (festas de amor cristão), ministério que noutras partes é particularmente descrito pela palavra diakonia, At 11:29; Rm 12:7; 2Co 8:4; 9:1, 12, 13; Ap 2:19. (3) Os requisitos para o ofício, como são mencionados em Atos 6, são muito exigentes, e nesse aspecto, concorda com as exigências mencionadas em 1Tm 3:8-10, 12. (4) Muito pouco se pode dizer em favor da acariciada idéia de alguns críticos de que o diaconato só foi desenvolvido mais tarde, mais ou menos na época do aparecimento do ofício episcopal.7 O Pr. Ewerton B. Tokashiki tem observações interessantes quanto ao texto de (At 6:1-6). Ele nos mostra pelo menos quatro razões para o surgimento do diaconato: 1. Para evitar a desordem nos relacionamentos da Igreja. Surgia o grave problema da murmuração. 2. Para evitar que houvesse partidos dentro da Igreja. A omissão às mesas das viúvas enfatizava as diferenças entre o grupo dos judeus helênicos e judeus palestinos. 3. Para evitar a injustiça na distribuição de alimentos e donativos aos necessitados. 4. Para que os mestres da Palavra sejam dedicados no ensino da mesma. É importante observarmos que os apóstolos não estavam rejeitando o ―servir às mesas das viúvas‖. John R. W. Stott faz uma importante contribuição ao entendimento deste assunto ao dizer que ―não há aqui nenhuma sugestão de que os apóstolos considerassem a obra social inferior à obra pastoral, ou de que a achassem pouco digna para eles. Era apenas uma questão de chamado. Eles não poderiam ser desviados de sua tarefa prioritária‖.8 Análise de (1Tm 3:8-13) As cartas pastorais tinham como objetivo orientar os obreiros auxiliares do apóstolo Paulo que estavam em igrejas de outras regiões. Duas destas cartas foram endereçadas ao jovem Timóteo, e uma foi endereçada a Tito. Na carta a Tito nós não temos referência à eleição de diáconos, mas somente de presbíteros. Contudo, na primeira carta a Timóteo, Paulo o orienta quanto a eleição de presbíteros (1Tm 3:1-7) e de diáconos (1Tm 3:8-13). 6 Gary M. Burge, “Diácono, Diaconisa” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A. Elwell. São Paulo, Vida Nova, 2009, p 464. 7 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 591. 8 http://doutrinacalvinista.blogspot.com/search/label/Teologia%20Sistem%C3%A1tica. Acessado em 09 08 2008.
  • 6. 6 Nestas orientações nós podemos ver claramente que já existia neste tempo (62-64 d.C.) a instituição de oficiais. E que estes oficiais eram de duas classes diferentes: Presbíteros e Diáconos. Esta diferença também é evidente quando Paulo escrevendo aos Filipenses, em sua saudação ele se refere a ―todos os santos em Cristo Jesus‖, aos ―presbíteros‖, e aos ―diáconos‖, fazendo deste modo clara distinção entre estes três destinatários (Fp 1:1). Esta distinção fica mais evidente ainda quando observamos diferentes traduções do mesmo texto: 1. ―Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus, inclusive bispos e diáconos que vivem em Filipos‖9 (Almeida Revista e Atualizada); 2. ―Eu, Paulo, e Timóteo, servos de Cristo Jesus, escrevemos esta carta para todos os moradores da cidade de Filipos que pertencem ao povo de Deus e que crêem em Cristo Jesus e também para os bispos e diáconos da igreja‖10 (Nova Tradução na Linguagem de Hoje); 3. ―Paulo e Timóteo servos de Cristo Jesus a todos os santos em Cristo Jesus os que estão em Filipos com bispos e diáconos‖11 (tradução literal em português) Pois bem, chegamos a conclusão de que o texto de (At 6:1-6) descreve como ocorreu a origem do ofício de diácono. Já neste texto de (1Tm 3:8-13), vemos que esta instituição continuou a existir nas igrejas apostólicas mesmo depois daquela ocasião em particular em Jerusalém, sendo assim, uma instituição que deveria permanecer na era pós- apostólica. Resumindo, nesta passagem nós tiramos a seguintes conclusões: 1º - A instituição do ofício não foi uma instituição particular, pertencente somente àquela igreja de Jerusalém, e somente para aquela ocasião; 2º - Paulo distingue claramente o ofício de diácono do ofício de presbítero. Os dois foram chamados para serviços eclesiásticos diferentes. Por isto, onde tiver uma igreja do Senhor que tenha a oportunidade de eleger diáconos, estes devem ser eleitos e ordenados para seu ofício a fim de beneficiar o povo de Deus. III - A NECESSIDADE DE VOCAÇÃO PARA O OFÍCIO Agora que já conhecemos o significado do termo diácono, e a origem do ofício diaconal, podemos partir para a questão da vocação para este encargo eclesiástico. Ora, se vamos colocar homens na igreja que exercerão este importante ministério, então, que eles sejam vocacionados por Deus para tal obra! Base Bíblica Devido ao fato de os diáconos constituírem um ofício da igreja, é de suma importância que a igreja reconheça sua vocação para tal serviço. A Bíblia não fala explicitamente que os candidatos ao ofício devam sentir ou perceber sua vocação quando fala de eleição para o ofício (1Tm 3:8-13). Entretanto, seguindo toda revelação bíblica, podemos perceber que há indícios que mostram a necessidade de capacitação para a obra. Apresentamos as seguintes razões para se exigir evidências de vocação naqueles que são candidatos ao ofício de diácono da igreja: 1. A Bíblia fala que somos todos capacitados por Deus para diversos serviços dentro do corpo de Cristo. Ora, se temos que colocar alguém para o serviço ministerial, nada mais lógico do que colocar aquele que se mostram capacitados para tal obra ministerial; 2. Partimos do entendimento de que o Deus que capacita com dons espirituais para o ministério é também o mesmo Deus que direciona o crente a querer, projetar, ou aceitar o ministério diaconal. Como os teólogos geralmente concordam: Um modo de descobrir os nossos dons é olhando para aquilo que nós desejamos fazer, gostamos de fazer, e nos vemos capazes de fazer. Quem não se vê deste modo em relação ao ofício de diácono, não deveria se considerar apto ou vocacionado para tal serviço; A Teologia Reformada ensina que com respeito à vocação dos ofícios da igreja podemos distinguis dois aspectos interligados e indispensáveis. São eles: A Vocação Interna e a Vocação Externa. A Vocação Interna diz respeito ao chamado que Deus faz no interior do vocacionado. A Vocação Externa diz respeito à aprovação do Povo de Deus quanto 9 A Bíblia Sagrada. Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. 2º Ed. Barueri – SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, p 210. 10 Bíblia Sagrada: Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil, 2000, p 161. 11 Novo Testamento interlinear grego-português. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004, p 728.
  • 7. 7 ao chamado do indivíduo. Ou seja, a vocação para o ofício tem duas características: a confirmação subjetiva no interior do servo de Deus, e a confirmação objetiva por meio da aprovação e eleição da igreja de Deus. Para melhor compreensão apresentamos abaixo o conceito destas duas vocações: 1- Vocação Interna ―Às vezes se pensa que a vocação interna para um ofício na igreja consiste numa indicação extraordinária de Deus do fim para o qual o indivíduo é chamado -- uma espécie de revelação especial. Mas não está certo. Consiste, antes, em certas indicações providenciais ordinárias dadas por Deus, e inclui principalmente três coisas: (a) a consciência de estar sendo impelido a alguma tarefa especial no reino de Deus, por amor a Deus e Sua causa; (b) a convicção que o indivíduo tem de que está, pelo menos em certa medida, intelectual e espiritualmente qualificado para o ofício em vista; e (c) a experiência de que, evidentemente, Deus está pavimentando o caminho que leva à meta.‖12 2 - Vocação Externa ―Esta é a vocação que chega à pessoa pela instrumentalidade da igreja. Não é emitida pelo papa (conceito católico romano), nem por um bispo ou colégio de bispos (episcopal), mas, sim, pela igreja local. Tanto os oficiais como os membros comuns da igreja tomam parte nela. Que os oficiais têm parte em sua direção, não, porém, com a exclusão do povo, é evidenciado por passagens como At 1:15-26; 6:2-6; 14:23. O povo foi admitido, mesmo à escolha de um apóstolo, segundo At 1:15-26. O que se vê é que, na era apostólica, os oficiais guiavam a escolha que o povo fazia, chamando a atenção para as qualificações necessárias que se exigiam para o ofício, mas deixavam o povo tomar parte na escolha propriamente dita, At 1:15-26; 6:1-6; lTm 3:2-13.‖13 Com estes dois aspectos da vocação nós podemos evitar os seguintes erros: a) O de eleger pessoas que não são chamadas interiormente por Deus (vocação interna); b) O de eleger homens que dizem ser chamados interiormente, mas que não são aprovados e reconhecidos em sua vocação pelo povo de Deus (vocação externa). Base Constitucional (Manual Presbiteriano) Em nosso Manual Presbiteriano também vemos a importância e indispensabilidade de que os oficiais demonstrem vocação para o ministerial que irão desempenhar. Abaixo nós relacionamos três artigos da nossa Constituição que falam a respeito da vocação para o ofício. Cada um deles nos ensina um aspecto deste assunto: 1. A vocação deve ser reconhecida exteriormente, e não depender somente de impressões subjetivas do indivíduo: CI/IPB - Art. 28 - A admissão a qualquer ofício depende: a) da vocação do Espírito Santo, reconhecida pela aprovação do povo de Deus; 2. A vocação é direcionada a um dos dois ofícios. Ela não é “toda abrangente ministerialmente”. CI/IPB - Art. 29 - Nenhum oficial pode exercer simultaneamente dois ofícios nem pode ser constrangido a aceitar cargo ou ofício contra a sua vontade. 3. A vocação abrange o lado interno (testemunho interno do Espírito Santo) e externo (aprovação do povo de Deus) do indivíduo. CI/IPB - Art. 108 - Vocação para ofício na Igreja é a chamada de Deus, pelo Espírito Santo, mediante o testemunho interno de uma boa consciência e a aprovação do povo de Deus, por intermédio de um concílio. Além destas evidências, entende-se que o oficial deve ser alguém doutrinariamente sadio, e submisso às autoridades constituídas da igreja: Art. 114 – ―Só poderá ser ordenado e instalado quem, depois de instruído, aceitar a doutrina, o governo e a disciplina da Igreja Presbiteriana do Brasil, devendo a Igreja prometer tributar-lhe honra e obediência, no Senhor, segundo a Palavra de Deus e esta Constituição.‖ Resumindo, quem não evidencia um chamado interno do Espírito para a obra (vocação interna), a aprovação do povo de Deus (vocação externa), e concordância quanto ao governo e doutrina da igreja, não satisfaz os requisitos para o ofício por deixar de mostrar evidências suficientes de seu chamado ministerial, o qual deve abranger todos estes aspectos. 12 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 591. 13 Louis Berkhof, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990, p 592.
  • 8. 8 IV - REQUISITOS PARA OS CANDIDATOS AO DIACONATO Da mesma forma que o apóstolo faz uma lista de qualidades exigidas dos candidatos ao presbiterato, ele faz agora para a escolha dos diáconos (1Tm 3:8-12). Abaixo damos uma breve explicação do significado destas qualificações oferecidas pelo teólogo William Hendriksen14 : Qualificações requeridas Significado “Respeitáveis...” Isto se refere não só ao decoro necessário ou à decência de atitude e conduta, mas também ao fato de seus pensamentos e atitudes interiores revelarem que são homens de honradez e respeitabilidade operadas pelo Espírito Santo. “De uma só palavra...” Ele não diz uma coisa a uma pessoa e algo diferente, a outra. “Não inclinados a muito vinho...” Moderado em seu uso do vinho, se porventura quiser beber algum. “Não cobiçosos de sórdida ganância...” Aquele que faz desfalque ou larápio e o homem que abraça uma boa causa por amor de alguma vantagem material. É o homem de espírito mercenário que se entrega totalmente à busca de riquezas, ansioso por aumentar suas possessões sem importar os métodos, sejam justos ou espúrios. “Conservando o mistério da fé com a consciência limpa...” Um bom diácono, portanto, é atento ao dever por amor a Cristo... Por amor a Cristo, o diácono apto vigia a si mesmo escrupulosamente, fazendo tudo a seu alcance para permanecer na mais íntima união possível com ele, ou seja, com o mais sublime dos mistérios divinamente revelados, a saber: ―Deus manifestado na carne‖ para a salvação, em termos iguais, de judeus e gentios. “Marido de uma só mulher...” Em sua relação conjugal deve ser exemplo para os demais na fidelidade para com sua esposa... seja inteiramente fiel e leal à sua única e exclusiva esposa “Governe bem os filhos e o lar...” Deve ser dotado com a habilidade de supervisionar, presidir, administrar... Essa capacidade de administrar ou governar bem sua própria família se faz evidente quando o pai mantém sua prole em submissão. Ainda no (v.10) encontramos a seguinte expressão ―E também estes sejam primeiro provados, depois exercitem o diaconato, se forem irrepreensíveis.‖ Ora, o que significa esta provação dos candidatos? É o que veremos nos comentários abaixo: O que se diz aos bispos vale também para os diáconos. Não deve ser eleito nenhum neófito. Devem servir somente homens provados nessa capacidade. Isso não significa que o futuro diácono deva antes de tudo viver um período de prova, mas, antes, mediante uma vida consagrada, deve ele dar testemunho de seu caráter. Deve estar em condições de sustentar a prova tendo os olhos de toda a igreja (e dos de fora!) focalizados nele. Se passar no teste com êxito, então é irrepreensível .15 E também: 14 William Hendriksen, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo Cultura Cristã, 2001, p 160, 165-167. 15 William Hendriksen, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 167.
  • 9. 9 Um requerimento ainda deve ser observado – um que também ressaltará quão alto é o padrão para os diáconos. Lemos em 1 Timóteo 3:10: ―E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis‖. Já examinamos a idéia do diácono ser irrepreensível.4 Mas como sabemos se um homem é irrepreensível ou não? A resposta é: prove-o! Somente após ser provado, e encontrado irrepreensível, ele poderá ser instalado no ofício como um diácono... Ora, o Espírito Santo em nosso texto requer que a igreja prove homens para o ofício de diácono. Há muitos homens na igreja; mas não pense que todos eles estão qualificados para serem diáconos! Um processo de provação deve acontecer, a fim de sabermos quem está preparado para ser um diácono. Alguns homens, quando provados, não se mostrarão como irrepreensíveis. Eles não podem ser colocados no ofício. Outros se mostrarão irrepreensíveis; eles estão qualificados... A melhor forma de cumprir o requerimento que um diácono deve ser primeiro provado é simples: os concílios devem avaliar cada homem cujo nome aparece para o ofício, se ele está verdadeiramente preparado ou não. Os homens do concílio devem discutir a pessoa entre si, em confidencialidade, mas também em verdadeiro amor por essa pessoa e a igreja. A questão deve ser aberta e honestamente encarada: ―Existem razões que possam ser apresentadas para o motivo pelo qual tal homem não está qualificado para o ofício?‖16 A igreja deve levar muito a sério estes requisitos par o ofício do diaconato. O que se vê muito acontecer por aí é escolherem pessoas nas quais se tem afinidade, amizade, posição social elevada, nível cultural privilegiado... Enquanto que os requisitos ordenados por Deus, dia-a-dia estão sendo esquecidos. É indispensável cumprir as exigências divinas quanto a este serviço, a fim de podermos ter oficiais capazes de beneficiar e abençoar a igreja de Cristo, e não somente homens preenchendo cargos. V - O SERVIÇO DO MINISTÉRIO DIACONAL Tendo visto a origem do ministério diaconal, o significado do termo diácono, suas qualificações necessárias para o ofício, agora, devemos responder à pergunta: O que o diácono deve fazer especificamente? Há muitas diferenças de interpretação quanto a este aspecto do ofício de diácono. Já vimos anteriormente que há diferenças quanto ao que é um diácono. Ora, se há diferenças de interpretação quanto ao que é um diácono, é muito natural que também haja divergência quanto ao seu serviço específico! Desta forma, continuaremos a pesquisar biblicamente para ver qual é o serviço que cabe a estes oficiais. Base Bíblica Pelos registros que encontramos nas Escrituras nós não encontramos muitas passagens relatando ou descrevendo explicitamente o serviço diaconal. Vemos muitos textos falando do serviço dos presbíteros da igreja, mas não se fala abundantemente sobre o que o diácono deve fazer no corpo de Cristo. Todavia, podemos concluir qual seja seu serviço por meio dos poucos testos que se referem de alguma forma a estes homens. Abaixo colocamos algumas explicações a respeito do serviço de diácono de acordo com a posição reformada: 1. ―À luz de Atos 6 aprendemos que os diáconos foram eleitos porque os presbíteros não tinham tempo e energia para tomar sobre si o encargo dos pobres e necessitados, além da realização de sua outra obra: governar a igreja, pregar a Palavra, administrar os sacramentos, guiar a congregação na oração, etc. Conseqüentemente os diáconos foram eleitos para ―servir às mesas‖. Sua tarefa específica é recolher as ofertas do povo de Deus traz como sinal de gratidão ao Senhor, distribuir esses donativos no espírito adequado a todos os que estão necessitados, para prevenir a pobreza onde quer que seja possível fazê-lo, e por meio de suas orações e palavras baseadas nas Escrituras consolar e animar os angustiados.‖17 2. ―Os diáconos tinham a responsabilidade de servir à igreja em vários papéis suplementares, mas não desfrutavam de autoridade para o ensino, reconhecida pela igreja, semelhante àquela detida pelos presbíteros.‖18 3. ―... Ofício eclesiástico dos diáconos (―servo, ajudadores‖), que tem a ver com as questões materiais, seculares da vida diária das igrejas, sobretudo a ministração de atos caridosos...‖19 16 Douglas J. Kuiper, As Qualificações dos Diáconos (7): Sua Provação. Fonte: www.monergismo.com. 17 William Hendriksen, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo, Cultura Cristã, 2001, p 165. 18 D.A.Carson, “Autoridade na Igreja” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A. Elwell. São Paulo, Vida Nova, 2009, p 294.
  • 10. 10 4. ―Diáconos não são governantes, mas uma classe subordinada de oficiais que servem sob a direção dos presbíteros. Os diáconos assistem aos presbíteros, aliviando-os especialmente das perturbações ocasionadas pelas atividades temporais da Igreja.‖20 Talvez devido aos poucos informes bíblicos, ou por causa da negligência de muitos líderes, o serviço diaconal nas igrejas foi sendo cada vez menos compreendido. Muitos deles ficam até sendo responsáveis por coisas triviais e simples, deixando de resolver as questões mais importantes e significativas: Os presbiterianos quase sempre mostram pouco entendimento da natureza do ofício diaconal. Conseqüentemente o diaconato degenera-se facilmente num serviço de zeladoria em prol da congregação local. Embora os diáconos, nesta situação, estejam servindo sob direção dos presbíteros, dificilmente estarão desempenhando o nobre papel do ofício. Resumindo, qual deve ser o papel dos diáconos? Eles são ministros de misericórdia em favor dos membros carentes da congregação (Rm 12:8); visitam os aflitos e provêem recursos para aliviar os necessitados.21 Resumindo podemos dizer que biblicamente o serviço do ofício diaconal consiste em: Recolher as ofertas do povo de Deus traz como sinal de gratidão ao Senhor, distribuir esses donativos no espírito adequado a todos os que estão necessitados, por meio de suas orações e palavras baseadas nas Escrituras consolar e animar os angustiados, seu ofício tem a ver com as questões materiais, seculares da vida diária das igrejas, sobretudo a ministração de atos caridosos, seu serviço é de assistência aos presbíteros, aliviando-os especialmente das perturbações ocasionadas pelas atividades temporais da Igreja. Eles são ministros de misericórdia em favor dos membros carentes da congregação (Rm 12:8); visitam os aflitos e provêem recursos para aliviar os necessitados. Base do Manual Presbiteriano A IPB entendeu desta forma o serviço do ofício diaconal, tanto é assim que na CI/IPB Art. 25, ela divide claramente as funções de doutrina, governo e beneficência entre os oficiais: ministros, presbíteros e diáconos, respectivamente. E também na CI/IPB Art. 53 declara que o diácono deve se dedicar especialmente às seguintes obras: a) à arrecadação de ofertas para fins piedosos; b) ao cuidado dos pobres, doentes e inválidos; c) à manutenção da ordem e reverência nos lugares reservados ao serviço divino; d) ao exercício da fiscalização para que haja boa ordem na casa de Deus e suas dependências. Assim como no caso do presbítero regente, o diácono exerce suas funções durante um período de cinco anos. Após este período ele poderá continuar no exercício de seu cargo, desde que seja novamente eleito pela igreja (CI/IPB - Art. 54). Dentro deste período de cinco anos há alguns fatores que podem impedi-lo de continuar a exercer o ofício até o fim do mandato de cinco anos. São eles: (CI/IPB - Art. 56 - b) mudar-se para lugar que o impossibilite de exercer o cargo; c) for deposto; d) ausentar-se sem justo motivo, durante seis meses, das reuniões do Conselho, se for presbítero, e da Junta Diaconal, se for diácono; e) for exonerado administrativamente ou a pedido, ouvida a Igreja. Se alguma destas situações ocorrerem dentro do período de cinco anos em que ele foi eleito, o exercício de sua função no ofício cessa. A IPB considera o exercício do diaconato algo muito sério. Por isto exige deles que sejam homens de conduta exemplar na igreja, exerçam o serviço de forma fiel, e promovam o bem da igreja: (CI/IPB - Art. 55) - “O presbítero e o diácono devem ser assíduos e pontuais no cumprimento de seus deveres, irrepreensíveis na moral, sãos na fé, prudentes no agir, discretos no falar e exemplos de santidade na vida.”; (PL/IPB - Art. 29) -“Prometerão cumprir com zelo e fidelidade o seu ofício e também manter e promover a paz, unidade, edificação e pureza da Igreja”. E além disto, devem tanto possuir uma crença sadia, quanto mostrarem-se submissos às autoridades da igreja: (PL/IPB - Art. 28) – ―Os presbíteros e diáconos assumirão compromisso na reafirmação de sua crença nas Sagradas Escrituras como a Palavra de Deus e na lealdade à Confissão de Fé, aos Catecismos e à Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil”. A IPB orienta em seu Manual Presbiteriano que os diáconos componham a Junta Diaconal da igreja, a qual será regida por um regimento aprovado pelo Conselho local (CI/IPB - Art. 58 - A Junta Diaconal dirigir-se-á por um regimento aprovado pelo Conselho). 19 Robert H. Gundry, Panorama do Novo Testamento. São Paulo, Vida Nova, 2001, p 244. 20 Kevin Reed, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002, p 24. 21 Kevin Reed, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002, p 24, 25.
  • 11. 11 Além de seu trabalho ordinário os diáconos podem ser chamados pelo Conselho a fim de opinar sobre questões administrativas da igreja (CI/IPB - Art. 8º, § 1º - “O Conselho, quando julgar conveniente, poderá consultar os diáconos sobre questões administrativas, ou incluí-los, pelo tempo que julgar necessário, na administração civil”). VI- A QUESTÃO DA ORDENAÇÃO DE DIACONISAS Durante o passar dos anos a igreja sempre teve que enfrentar dois perigos: A heresias externas vindas do paganismo que querem entrar na vida da igreja, e heresias surgidas de dentro da própria igreja. Isto aconteceu com respeito a vários temas doutrinários como a doutrina de Cristo, a doutrina da trindade a doutrina da salvação, a doutrina dos sacramentos... Todas elas enfrentaram problemas e desafios tanto externos quanto internos. Seguindo estes mesmos acontecimentos, a doutrina do governo da igreja também tem ―sofrido‖ com algumas investidas heréticas. Dentre elas a questão da ordenação feminina. Não nos deteremos aqui sobre a questão histórica que explica como a visão da ordenação feminina surgiu dentro da igreja de Cristo, mas nos deteremos somente no âmago da questão: É da vontade de Deus que as mulheres sejam ordenadas para o ofício diaconal? É com esta pergunta que nos preocupamos, pois todas as demais questões não vão resolver a situação de forma alguma, pois toda nossa argumentação tem que ser fundamentada nas Escrituras. Por isto, não nos deteremos nos argumentos sociológicos ou filosóficos dos intérpretes feministas, nem utilizaremos os argumentos históricos ou tradicionais dos conservadores. Utilizaremos as Escrituras, que são a verdade de Deus e a autoridade última para qualquer questão, e utilizaremos também as decisões da IPB quanto a ordenação de diaconisas, por entender que suas decisões refletem sua posição teológica (e conseqüentemente sua interpretação) sobre o assunto. Resposta a Argumentos Feministas Certamente seria contraproducente nos delongar respondendo a todas as alegações dos intérpretes feministas. Por isto, abordaremos somente alguns argumentos mais fortes, e que se fundamentam em textos da Sagrada Escritura. Para tanto, exporemos abaixo algumas respostas que o teólogo Augustus Nicodemus dá a respeito de dúvidas sobre a ordenação feminina22 : 1. Febe não era uma diaconisa, conforme Romanos 16:1-2? Isto não prova que as mulheres podem exercer autoridade eclesiástica na Igreja? Resposta: Temos de considerar os seguintes aspectos. (1) Não é claro se Febe era realmente uma diaconisa. Muito embora no original grego Paulo empregue o termo ―diácono‖ para se referir a ela, lembremos que este termo no Novo Testamento nem sempre significa o ofício de diácono. Pode ser traduzido como servo, ministro, etc. Portanto, nossa tradução ―Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que está servindo à igreja de Cencréia‖ é perfeitamente possível e não é uma tradução preconceituosa. (2) Mesmo que houvesse diaconisas na Igreja apostólica, é certo que elas não exerceriam qualquer autoridade sobre as igrejas e sobre os homens – a presidência era dos presbíteros, cf. 1Tm 5:17; o trabalho delas seria provavelmente com outras mulheres (Tt 2:3-4) e relacionado com assistência aos pobres. É interessante que a primeira referência que existe na história da Igreja sobre o trabalho de mulheres, diz assim: ―A mulher deve servir às mulheres‖ (Didascalia Apostolorum). Isto queria dizer que elas instruíam as outras que iam se batizar, ajudavam no enterro de mulheres, cuidavam das pobres e doentes. Não há qualquer indício de que tais mulheres eram ordenadas para o exercício da autoridade eclesiástica. 2. Se as mulheres recebem os mesmos dons espirituais que os homens, não é uma prova de que Deus deseja que elas sejam ordenadas ao ministério? Resposta: Não. As condições para o oficialato na Igreja apostólica estão prescritas em 1Timóteo e Tito 1. Percebe-se que o dom do ensino é apenas um dos requisitos. Há outros, como por exemplo, governar a própria 22 Augustus Nicodemus Lopes, “Pastoras, Presbíteras, Diaconisas: Uma Perspectiva Bíblica” in Série Cadernos Bíblicos. Volume I. Primeira Igreja Presbiteriana do Recife. Recife, jul/2002, p 18, 19, 20, 21.
  • 12. 12 casa e ser marido de uma só mulher, que não podem ser preenchidos por mulheres cristãs, por mais dons que tenham. 3. Paulo escreveu suas cartas para atender a problemas locais e específicos. Como podemos aplicar hoje o que Paulo escreveu, se a situação e o contexto são diferentes? Resposta: Quase todos os livros do Novo Testamento foram escritos em resposta a uma situação específica de uma ou mais comunidades cristãs do século I, e nem por isto os que querem a ordenação feminina defendem que nada do Novo Testamento se aplica às igrejas cristãs de hoje. A carta aos Gálatas, por exemplo, onde Paulo expõe a doutrina da justificação pela fé somente, foi escrita para combater o legalismo dos judaizantes que procuravam minar as igrejas gentílicas da Galácia, em meados do século I. Ousaríamos dizer que o ensino de Paulo sobre a justificação pela fé não tem mais relevância para as igrejas do final do século XX, por ter sido exposto em reação a uma heresia que afligia igrejas locais no século I? O ponto é que existem princípios e verdades permanentes que foram expressos para atender a questões locais, culturais e passageiras. Passam as circunstâncias históricas, mas o princípio teológico permanece. Assim, o comportamento inadequado das mulheres das igrejas de Corinto e de Éfeso, às quais Paulo escreveu determinando que ficassem caladas na Igreja, foi um momento histórico definido, mas os princípios aplicados por Paulo para resolver os problemas causados por estas atitudes permanecem válidos. Ou seja, o ensino de que as mulheres devem estar submissas à liderança masculina nas igrejas e na família, sem ocupar posições de liderança e governo, é o princípio permanente e válido para todas as épocas e culturas. 4. Havia uma mulher chamada Júnias que Paulo considera como apóstola, em Romanos 16:7. Se havia apóstolas, por que não pastoras, presbíteras e diaconisas? Resposta: A passagem diz o seguinte: “Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e companheiros de prisão, os quais são notáveis entre os apóstolos, e estavam em Cristo antes de mim” (Rm 16:7). Não é tão simples assim deduzir que Júnias era uma apóstola. Há várias questões relacionadas com a interpretação deste texto. Júnias é um nome masculino ou feminino? Existe muita disputa sobre isto, embora a evidência aponte para um nome masculino. Outra coisa, a expressão ―notável entre os apóstolos‖ significa que Júnias era um dos apóstolos, já antes de Paulo, e um apóstolo notável, ou apenas que os apóstolos, antes de Paulo, tinham Júnias em alta conta? A última possibilidade é a mais provável. Em última análise, só podemos afirmar com certeza, a partir de Romanos 16:7, que, quem quer que tenha sido, Júnias era uma pessoa tida em alta conta por Paulo, e que ajudou o apóstolo em seu ministério. Não se pode afirmar com segurança que era uma mulher, nem que era uma ―apóstola‖, e muito menos uma como os Doze ou Paulo. A passagem não serve como evidência bíblica para a ordenação feminina no período apostólico. E essa conclusão está em harmonia com o fato de que Jesus não escolheu mulheres para serem apóstolos. Não há nenhuma referência indisputável a uma ―apóstola‖ no Novo Testamento. 5. Em 1Timóteo 3:11, ao descrever as qualificações do diácono, Paulo se refere às mulheres: “Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo”. Este versículo não prova que havia diaconisas nas igrejas apostólicas? Resposta: Não necessariamente. Esta passagem tem sido entendida de diferentes modos: (1) Paulo pode estar se referindo às mulheres dos diáconos (Calvino). Porém, ele emprega para elas a expressão ―é necessário‖ (1Tm 3:11), que foi a mesma que empregou para os presbíteros (3:2) e os diáconos (3:8), ao descrever suas qualificações. Logo, não nos parece que o apóstolo se refira às mulheres dos diáconos. (2) Paulo pode estar se referindo à todas as mulheres da igreja; entretanto, é bastante estranho que ele tenha colocado instruções para todas as mulheres bem no meio das instruções aos diáconos! (3) Paulo pode estar se referindo às assistentes dos diáconos, mulheres piedosas, que prestavam assistência em obras de misericórdia aos necessitados das igrejas (Hendriksen). (4) Paulo se referia à diaconisas. Porém, é no mínimo estranho que Paulo não empregou o termo apropriado para descrever a função delas (diaconisas), já que ele vinha falando de presbíteros e diáconos. A opção 3 nos parece a melhor e mais provável: havia mulheres piedosas nas igrejas apostólicas, não ordenadas como ―diaconisas‖, que ajudavam os diáconos nas obras de misericórdia, trabalhando diretamente com as mulheres carentes e necessitadas. É a estas que Paulo aqui se refere. Além destes argumentos, nós podemos ainda falar que o próprio texto exclui as mulheres do diaconato ao exigir como pré-requisito que sejam ―maridos de uma só mulher (1Tm 3:12):
  • 13. 13 [...] O versículo 12 não diz meramente que um diácono deve ter um cônjuge, deixando aberta a possibilidade que o diácono seja uma mulher, mas diz que os diáconos devem ser ―maridos‖ de uma esposa. A palavra traduzida como ―maridos‖ refere-se claramente a um homem. Uma mulher não pode ser um marido. Assim, Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, ensina explicitamente que um diácono deve ser um homem. Se o versículo 11 permite as mulheres serem diaconisas, então Paulo se contradiz, e o próprio Espírito também.23 Posição da IPB quanto a ordenação de Diaconisas A IPB ao longo de sua jornada aqui no Brasil certamente teve que se deparar com muitos líderes que desejaram (e muitos ainda desejam) a ordenação de mulheres ao diaconato. Contudo, desde há muito tempo sua posição continua sendo a mesma: As mulheres não devem ser ordenadas para o ofício do diaconato. Vejamos as decisões que os concílios da IPB tomaram acerca deste assunto: 1 - AG-1930-037 - Diaconisas - 1) Uma senhora não pode ser eleita e ordenada diaconisa. Todavia, constitucional a eleição, pelo Conselho, de senhoras para cargos piedosos e de caridade, na Igreja. AG-1930-037. 2) O L/O Art. 51º, faculta às igrejas e não às Assembléias eclesiásticas eleger ou nomear mulheres piedosas para cuidarem dos enfermos, etc., não significando isso, que se deve ordená-las. AG-1936-044. 2 - SC-74-058 - Doc. XXXV - Quanto ao Doc. 39 - Consulta Sobre a Possibilidade de Eleição de Diaconisa - O Supremo Concílio resolve: responder que de acordo com a legislação vigente na Igreja Presbiteriana do Brasil, não se admite a eleição de diaconisas. 3 - SC-78-091 - Presbitério de Londrina - Proposta para instituição do Diaconato Feminino - Doc. XCI - Quanto ao Doc. 38 - proposta para a instituição do Diaconato Feminino - O Supremo Concílio resolve: deixar de apreciar a proposta em virtude de o assunto em foco já estar plenamente regulamentado pelas resoluções nº 37 da Assembléia Geral de 1930 e nº 44 da Assembléia Geral de 1936. Além do mais, a Constituição vigente não contempla o Diaconato Feminino. 4 - CI/IPB - Art. 25 - § 2º - Para o oficialato só poderão ser votados homens maiores de 18 anos e civilmente capazes. Resumindo, não há espaço para a ordenação de acordo com uma fiel interpretação das Escrituras. Portanto, quem ainda luta por isto, rebela-se contra a Suprema Autoridade da Palavra de Deus. E ainda que as Escrituras abrissem espaço para tal procedimento, a nossa denominação IPB não aprova atualmente a questão. Portanto, seria insubmissão ordenar mulheres ao diaconato. 23 Douglas J. Kuiper, As Qualificações dos Diáconos (3): Recipientes Masculinos da Graça de Deus. Fonte: www.monergismo.com.
  • 14. 14 CONCLUSÃO Tendo aprendido várias verdades acerca do ministério diaconal, agora só resta à igreja colocar em prática o que conheceu. Como vimos, o serviço dos diáconos não deve ser menosprezado ou desvalorizado. Os diáconos são instrumentos importantes na vida eclesiástica da igreja. E seu serviço traz benefícios espirituais ao povo de Deus. Além disto, é preciso resgatar o devido respeito aos diáconos como autoridades ordenadas da igreja. Não se deve tratar os diáconos como simples ―servos‖ do povo, mas dispensar também respeito e consideração. Eles são representantes de Cristo, mesmo que não sejam autoridades na esfera da Palavra e no governo como são os presbíteros. Quanto aos diáconos, cabe a eles atenciosamente observar o que diz as Escrituras a seu respeito a fim de cumprir seu ministério com fidelidade no temor do Senhor. Não devem descansar no fato de seres oficiais ordenados. Devem se preocupar diariamente com o ministério entregue por Deus em suas mãos! Deus abençoe a Igreja!
  • 15. 15 BIBLIOGRAFIA — A BÍBLIA SAGRADA. Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. 2º Ed. Barueri – SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. — BERKHOF, Louis, Teologia Sistemática. Campinas, Luz Para o Caminho, 1990. — BÍBLIA SAGRADA: NOVA TRADUÇÃO NA LINGUAGEM DE HOJE. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil, 2000. — BURGE, Gary M., “Diácono, Diaconisa” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A. Elwell. São Paulo, Vida Nova, 2009. — CARSON, D.A., “Autoridade na Igreja” in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. editor Walter A. Elwell. São Paulo, Vida Nova, 2009. — DIC MICHAELIS UOL, 2001. — GINGRICH, F. W. e Frederick W. Danker, Léxico do N.T. Grego/Português. São Paulo, Vida Nova, 2000. — GUNDRY, Robert H., Panorama do Novo Testamento. São Paulo, Vida Nova, 2001. — HENDRIKSEN, William, 1Timóteo, 2Timóteo e Tito. São Paulo Cultura Cristã, 2001. — HESS, K., “Servir, Diácono, Adoração” in Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol II. Editores, Lothar Coenen e Colin Brown. São Paulo, Vida Nova, 2000. — HOLANDA, Aurélio Buarque de, Miniaurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4º ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2000. — http://doutrinacalvinista.blogspot.com/search/label/Teologia%20Sistem%C3%A1tica. Acessado em 09 08 2008. — LOPES, Augustus Nicodemus, “Pastoras, Presbíteras, Diaconisas: Uma Perspectiva Bíblica” in Série Cadernos Bíblicos. Volume I. Primeira Igreja Presbiteriana do Recife. Recife, jul/2002. — LUFT, Celso Pedro, Mini Dicionário Luft. 3º Ed. São Paulo, Editora Scipione Ltda, 1991. — NOVO TESTAMENTO INTERLINEAR GREGO-PORTUGUÊS. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004. — REED, Kevin, Governo Bíblico de Igreja. São Paulo, Os Puritanos, 2002. — KUIPER, Douglas J., As Qualificações dos Diáconos (3): Recipientes Masculinos da Graça de Deus. Fonte: www.monergismo.com. — ________, Douglas J., As Qualificações dos Diáconos (7): Sua Provação. Fonte: www.monergismo.com.