SlideShare uma empresa Scribd logo
A DESCOBERTA E A EXPLORAÇÃO DO OURO
A CORRIDA DO OURO
UMA GRAVE CRISE ATINGA A EUROPA NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XVIII.
PORTUGAL PASSAVA POR DIFICULDADES.
O ACÚÇAR PRODUZIDO NO NORDESTE BRASILEIRO ERA A PRINCIPAL RIQUEZA DA COLÔNIA, MAS SEU COMÉRCIO ESTAVA AMEAÇADO PELA CONCORRÊNCIA INSTALADA NAS ANTILHAS PELOS HOLANDESES
ANTILHAS HOLANDESAS
UMA DAS SAÍDAS PARA ESSA SITUAÇÃO DESFAVORÁVEL FOI A EXPLORAÇÃO DE METAL PRECIOSO NO INTERIOR DA COLÔNIA.
MUITAS EXPEDIÇÕES FORAM ORGANIZADAS COM ESSA FINALIDADE, COMO AS ENTRADAS E AS BANDEIRAS.
AS MONÇÕES FORAM REALIZADAS, SOBRETUDO, PARA ABASTECER AS REGIÕES MINERADORAS.
ENTRADAS
AS ENTRADAS ERAM EXPEDIÇÕES FINANCIADAS PELO GOVERNO PORTUGUÊS PARA EXPLORAR TERRITÓRIOS NA COLÔNIA.
TINHAM COMO OBJETIVOS DEFENDER A REGIÃO AÇUCAREIRA DE ATAQUES INDÍGENAS E DE PIRATAS EUROPEU
ALÉM DE PROCURAR METAIS E PEDRAS PRECISOSAS.EM GERAL PARTIAM DO LITORAL NORDESTINO E ADENTRAVAM EM DIREÇÃO AO INTERIOR
BANDEIRAS
AS BANDEIRAS SAÍAM DE SÃO PAULO DE PIRATININGA RUMO AO INTERIOR
ALI CAPTURAVAM ÍNDIOS PARA TRABALHO NAS LAVOURA E BUSCAVAM METAIS E PEDRAS PRECIOSAS.
SEU PRINCIPAL ALVO ERAM AS MISSÕES DOS PADRES JESUITAS, EM QUE VIVIAM MUITO INDÍGENAS
MISSÃO JESUÍTICA
ESSAS EXPEDIÇÕES VARIAVAM DE TAMANHO.ALGUMAS REUNIAM CENTENAS E ATÉ MILHARES DE HOMENS
A FRENTE DELAS, SEGUINDO UM COSTUME DOS ÍNDIOS TUPIS, ERGUIA-SE UMA BANDEIRA EM SINAL DE GUERRA.
POR ISSO SEU MEMBROS FICARAM CONHECIDOS COMO BANDEIRANTES
O TRANSPORTE DAS BANDEIRAS ERA FEITO PELOS RIOS, EM ESPECIAL O PINHEIROS E O TIETE, E TAMBEM POR TERRA SEGUINDO TRILHAS INDÍGENAS.
AO ENTRAR NO SERTÃO EM BUSCA DE RIQUEZAS OU PARA ABASTECER OS COLONOS AS BANDEIRAS E AS MONÇOES CONTRIBUIRAM PARA AMPLIAR AS FRONTEIRAS DA AMÉRICA PORTUGUESA ALÉM DA LINHA DE TORDESILHAS.
A GRANDE BANDEIRA DO PORTUGUÊS ANTÔNIO RAPOSO DE TAVARES ATINGIU A REGIÃO AMAZÔNICA QUE PELO TRATADO DE TORDESILHAS PERTENCIA AOS ESPANHOIS.
OS INDÍGENAS NAS LAVOURAS PAULISTAS
NO SÉCULO XVII, A REGIÃO DE SÃO PAULO DE PIRATININGA DEDICAVA-SE AO CULTIVO DE MANDIOCA, MILHO, TRIGO E ALGODÃOE A CRIAÇÃO DE GADO.
ESSES PRODUTOS ERAM CONSUMIDOS NA COLÔNIA.OS PAULISTAS CAÇAVAM ÍNDIOS PARA TRABALHAR EM SUAS PROPRIEDADES.
SEM OS RECURSOS DOS SENHORES DE ENGENHO DO NORDESTE, NÃO TINHAM CONDIÇÕES DE COMPRAR ESCRAVOS AFRICANOS.
A GRANDE MAIORIA DOS NATIVOS ESCRAVIZADOS FOI USADA NAS PLANTAÇÕES E NO TRANSPORTE DOS PRODUTOS CULTIVADOS PELOS PAULISTAS.
UMA PEQUENA PARTE DOS INDÍGENAS CAPTURADOS TERIA SIDO LEVADA PARA OS ENGENHOS DO NORDESTE E DO LITORAL FLUMINENSE.
AS PRIMEIRAS DESCOBERTAS .
É IMPOSSIVEL AFIRMAR COM EXATIDÃO O LOCAL E DATA DAS PRIMEIRAS DESCOBERTAS DO OURO NO BRASIL.
ALGUNS HISTORIADORES ATRIBUEM A ANTÔNIO RODRIGUES ARZÃO (1693)
OUTROS A BARTOLOMEU BUENO DA SIQUEIRA (1696) E DESTACAM TAMBÉM BORBA GATO, EM SABARÁ.
CONFIRMADA A DESCOBERTA DAS LAVRAS NO BRASIL MILHARES DE PESSOAS MIGRARAM PARA AS MINAS GERAIS, PRINCIPALMENTE DA COLÔNIA E DE PORTUGAL.
AS PESSOAS SE ESTABELECERAM NA REGIÃO DAS MINAS GERAIS CONCENTRARAM-SE EM POVOADOS URBANOS.
O OURO DESCOBERTO EM MINAS GERAIS ERA DE ALUVIÃO, ENCONTRADO NO LEITO E NAS MARGENS DO RIO.
ASSIM NECESSITAVA DE POUCO INVESTIMENTO E BAIXA TECNOLOGIA PARA SER EXTRAIDO.
OURO DE ALUVIÃO NA REGIÃO DE MINAS GERAIS PREDOMINOU O CHAMADO OURO DE ALUVIÃO, RESULTANTE DE UM LONGO PROCESSO NATURAL DE DESGASTE DAS ROCHAS. LEVADO PELA ÁGUA, O OURO SE ESPALHO POR UMA VASTA AREA EXTENSA. MISTURADO COM CASCALHOS, AREIA E ARGILA, ERA MAIS FACILMENTE ENCONTRADO NOS LEITOS E NAS MARGENS DOS RIOS, EM GERAL NA FORMA DE PEDRISCOS. A PRESENÇA DO METAL NO SUBSOLO, EM VEIOS MAIS PROFUNDOS, COMO OCORREU NA AMÉRICA DO NORTE FOI PEQUENA NO BRASIL.
 
GUERRA DOS EMBOABAS.
OCORREU NA REGIÃO DE MINAS GERAIS DE 1709 A 1710.
OS PAULISTAS HAVIAM DESCOBERTO  AS MINAS DE OURO POR ISSO PRETENDIAM CERTOS PRIVILÉGIOS NA REGIÃO.
ELES DENOMINAVAM EMBOABAS, DE FORMA PEJORATIVA, OS PORTUGUESES E AS PESSOAS DE OUTRAS REGIÕES DA COLÔNIA E NÃO ERAM BENQUISTOS PELOS DEMAIS MORADORES DESSAS ÁREAS.
ENTRE 1719 E 1710, A DISPUTA PELO CONTROLE DA ÁREA MINERADORA LEVOU A UM CONFLITO ARMADO ENTRE PAULISTAS E EMBOABAS.
A GUERRA TERMINOU COM A VITÓRIA DOS EMBOABAS E A SAÍDA DOS PAULISTAS DA REGIÃO QUE FORAM PROCURAR METAIS PRECISOSO EM OUTRAS LOCALIDADES.
OUTROS SE DIRIGIRAM PARA O SUL DA COLÔNIA ONDE FORAM CRIAR GADO.
PARA NÃO PERDER O CONTROLE SOBRE A REGIÃO MINERADORA FORAM CRIADAS VILAS ADMINISTRADAS POR FUNCIONÁRIOS LIGADOS A COROA.
AS PRIMEIRAS VILAS FORAM VILA RICA ( FUTURA OURO PRETO), RIBEIRÃO DA NOSSA SENHORA DO CARMO ( FUTURA MARIANA) E NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DO SABARÁ .
O OURO EM GOIÁS E MATO GROSSO
A DERROTA DOS PAULISTAS NA GUERRA DOS EMBOABAS OS LEVOU A OUTRAS REGIÕES DO INTERIOR, ALÉM DE MINAS GERAIS.
AS NOVAS EXPEDIÇÕES LEVARAM Á DESCOBERTA DE OURO E PROVOCARAM NOVA CORRIDA NAS ÁREAS CORRESPONDENTES AOS ATUAIS ESTADOS DE MATO GROSSO E GOIÁS.
ASSIM COMO ACONTECEU EM MINAS GERAIS A INTENSA EXPLORAÇÃO PROVOCOU O RÁPIDO ESGOTAMENTO DAS LAVRAS TAMBÉM EM MATO GROSSO E GOIÁS. EMPOBRECIDOS OS MORADORES TIVERAM DE PROCURAR NOVAS FORMAS DE SOBREVIVÊNCIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
Portal do Vestibulando
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
Portal do Vestibulando
 
Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722
Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722
Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 
Brasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas ColoniaisBrasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas Coloniais
carlosbidu
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
Marilia Pimentel
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
edna2
 
1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos
Daniel Alves Bronstrup
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Privada
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Daniel Alves Bronstrup
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
12 Expansão Bandeirante
12 Expansão Bandeirante12 Expansão Bandeirante
12 Expansão Bandeirante
Renato Coutinho
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 

Mais procurados (20)

Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722
Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722
Cpm his2ano-colonizaodaamricaespanhola-160414035722
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
Brasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas ColoniaisBrasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas Coloniais
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
 
1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
12 Expansão Bandeirante
12 Expansão Bandeirante12 Expansão Bandeirante
12 Expansão Bandeirante
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 

Destaque

Ciclo do Ouro
Ciclo do OuroCiclo do Ouro
Ciclo do Ouro
raphacorrea
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
Lúcia Santana
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
Yara Ribeiro
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de LimitesPecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Valéria Shoujofan
 
éPoca do ouro
éPoca do ouroéPoca do ouro
éPoca do ouro
Cássio Marcelo
 
A era do ouro
A era do ouroA era do ouro
A era do ouro
NBrunoFS
 
Slide - Aula descoberta do ouro
Slide - Aula descoberta do ouroSlide - Aula descoberta do ouro
Slide - Aula descoberta do ouro
Educador Lamarão
 
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROSPOVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
Stephani Coelho
 
PPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial BrasileiraPPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial Brasileira
josafaslima
 
Expansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesaExpansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesa
José Eustáquio Chaves
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
Vitor Ferreira
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
Ouro em minas gerais
Ouro em minas geraisOuro em minas gerais
Ouro em minas gerais
Marcia Dias da Silva
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Bandeirantes ...
Bandeirantes ...Bandeirantes ...
Bandeirantes ...
LivyKey
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 

Destaque (20)

Ciclo do Ouro
Ciclo do OuroCiclo do Ouro
Ciclo do Ouro
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de LimitesPecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
 
éPoca do ouro
éPoca do ouroéPoca do ouro
éPoca do ouro
 
A era do ouro
A era do ouroA era do ouro
A era do ouro
 
Slide - Aula descoberta do ouro
Slide - Aula descoberta do ouroSlide - Aula descoberta do ouro
Slide - Aula descoberta do ouro
 
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROSPOVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
PPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial BrasileiraPPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial Brasileira
 
Expansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesaExpansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesa
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
 
Ouro em minas gerais
Ouro em minas geraisOuro em minas gerais
Ouro em minas gerais
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Bandeirantes ...
Bandeirantes ...Bandeirantes ...
Bandeirantes ...
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 

Semelhante a A descoberta e a exploração do ouro

Mineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIIIMineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIII
Aulas de História
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
tyromello
 
Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
Nívia Sales
 
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
isameucci
 
Mineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptxMineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptx
GabrielDominguesRoch
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
Péricles Penuel
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
Aulas de História
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
RegisdeSouzaMaxtarc
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Cátia Botelho
 
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
DirleySantos2
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
Leila Maria Martins
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
História de minas gerais
História de minas geraisHistória de minas gerais
História de minas gerais
Fabi
 
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaRetrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Fabio Santos
 
História 6º
História 6ºHistória 6º
História 6º
Gomes Guida
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
Ócio do Ofício
 
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Valdir Lamim-Guedes
 
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
isameucci
 
Apostila. Mineração- Brasil Colônia.
Apostila. Mineração- Brasil Colônia. Apostila. Mineração- Brasil Colônia.
Apostila. Mineração- Brasil Colônia.
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 

Semelhante a A descoberta e a exploração do ouro (20)

Mineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIIIMineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIII
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
 
Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
 
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
 
Mineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptxMineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptx
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
História de minas gerais
História de minas geraisHistória de minas gerais
História de minas gerais
 
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil ColôniaRetrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
Retrospectiva Histórica Do Brasil Colônia
 
História 6º
História 6ºHistória 6º
História 6º
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
 
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
 
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
 
Apostila. Mineração- Brasil Colônia.
Apostila. Mineração- Brasil Colônia. Apostila. Mineração- Brasil Colônia.
Apostila. Mineração- Brasil Colônia.
 

Mais de Lucas Degiovani

O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O  surgimento da sociedade de-massas - 9-anoO  surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
Lucas Degiovani
 
A era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoA era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-ano
Lucas Degiovani
 
A colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-anoA colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-ano
Lucas Degiovani
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
Lucas Degiovani
 
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 anoA cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
Lucas Degiovani
 
A economia feudal e sua transformacao - 7-ano
A economia feudal e sua transformacao - 7-anoA economia feudal e sua transformacao - 7-ano
A economia feudal e sua transformacao - 7-ano
Lucas Degiovani
 
A sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-anoA sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-ano
Lucas Degiovani
 
A vida humana no paleolitico 6-ano
A vida humana no paleolitico 6-anoA vida humana no paleolitico 6-ano
A vida humana no paleolitico 6-ano
Lucas Degiovani
 
A evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-anoA evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-ano
Lucas Degiovani
 
A idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-anoA idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-ano
Lucas Degiovani
 
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
Lucas Degiovani
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Lucas Degiovani
 
As novas tecnologias - 9o ano
As novas tecnologias - 9o anoAs novas tecnologias - 9o ano
As novas tecnologias - 9o ano
Lucas Degiovani
 
O Absolutismo - 8o ano
O Absolutismo - 8o anoO Absolutismo - 8o ano
O Absolutismo - 8o ano
Lucas Degiovani
 
O Absolutismo Inglês - 8o ano
O Absolutismo Inglês - 8o anoO Absolutismo Inglês - 8o ano
O Absolutismo Inglês - 8o ano
Lucas Degiovani
 
Os Francos e o Império Cristão 7o ano
Os Francos e o Império Cristão 7o anoOs Francos e o Império Cristão 7o ano
Os Francos e o Império Cristão 7o ano
Lucas Degiovani
 
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o anoOs Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Lucas Degiovani
 
O Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o anoO Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o ano
Lucas Degiovani
 
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o AnoO Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
Lucas Degiovani
 
Mapas
MapasMapas

Mais de Lucas Degiovani (20)

O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O  surgimento da sociedade de-massas - 9-anoO  surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
O surgimento da sociedade de-massas - 9-ano
 
A era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoA era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-ano
 
A colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-anoA colonizacao da america do norte - 8-ano
A colonizacao da america do norte - 8-ano
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
 
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 anoA cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
A cultura e a ciencia na europa feudal 7 ano
 
A economia feudal e sua transformacao - 7-ano
A economia feudal e sua transformacao - 7-anoA economia feudal e sua transformacao - 7-ano
A economia feudal e sua transformacao - 7-ano
 
A sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-anoA sociedade feudal - 7-ano
A sociedade feudal - 7-ano
 
A vida humana no paleolitico 6-ano
A vida humana no paleolitico 6-anoA vida humana no paleolitico 6-ano
A vida humana no paleolitico 6-ano
 
A evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-anoA evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-ano
 
A idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-anoA idade dos metais 6-ano
A idade dos metais 6-ano
 
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
05 o-neolitico-e-a-revolucao-agricola-6-ano
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
 
As novas tecnologias - 9o ano
As novas tecnologias - 9o anoAs novas tecnologias - 9o ano
As novas tecnologias - 9o ano
 
O Absolutismo - 8o ano
O Absolutismo - 8o anoO Absolutismo - 8o ano
O Absolutismo - 8o ano
 
O Absolutismo Inglês - 8o ano
O Absolutismo Inglês - 8o anoO Absolutismo Inglês - 8o ano
O Absolutismo Inglês - 8o ano
 
Os Francos e o Império Cristão 7o ano
Os Francos e o Império Cristão 7o anoOs Francos e o Império Cristão 7o ano
Os Francos e o Império Cristão 7o ano
 
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o anoOs Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
 
O Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o anoO Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o ano
 
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o AnoO Trabalho do Historiador - 6o Ano
O Trabalho do Historiador - 6o Ano
 
Mapas
MapasMapas
Mapas
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

A descoberta e a exploração do ouro

  • 1. A DESCOBERTA E A EXPLORAÇÃO DO OURO
  • 3. UMA GRAVE CRISE ATINGA A EUROPA NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XVIII.
  • 4. PORTUGAL PASSAVA POR DIFICULDADES.
  • 5. O ACÚÇAR PRODUZIDO NO NORDESTE BRASILEIRO ERA A PRINCIPAL RIQUEZA DA COLÔNIA, MAS SEU COMÉRCIO ESTAVA AMEAÇADO PELA CONCORRÊNCIA INSTALADA NAS ANTILHAS PELOS HOLANDESES
  • 7. UMA DAS SAÍDAS PARA ESSA SITUAÇÃO DESFAVORÁVEL FOI A EXPLORAÇÃO DE METAL PRECIOSO NO INTERIOR DA COLÔNIA.
  • 8. MUITAS EXPEDIÇÕES FORAM ORGANIZADAS COM ESSA FINALIDADE, COMO AS ENTRADAS E AS BANDEIRAS.
  • 9. AS MONÇÕES FORAM REALIZADAS, SOBRETUDO, PARA ABASTECER AS REGIÕES MINERADORAS.
  • 11. AS ENTRADAS ERAM EXPEDIÇÕES FINANCIADAS PELO GOVERNO PORTUGUÊS PARA EXPLORAR TERRITÓRIOS NA COLÔNIA.
  • 12. TINHAM COMO OBJETIVOS DEFENDER A REGIÃO AÇUCAREIRA DE ATAQUES INDÍGENAS E DE PIRATAS EUROPEU
  • 13. ALÉM DE PROCURAR METAIS E PEDRAS PRECISOSAS.EM GERAL PARTIAM DO LITORAL NORDESTINO E ADENTRAVAM EM DIREÇÃO AO INTERIOR
  • 15. AS BANDEIRAS SAÍAM DE SÃO PAULO DE PIRATININGA RUMO AO INTERIOR
  • 16. ALI CAPTURAVAM ÍNDIOS PARA TRABALHO NAS LAVOURA E BUSCAVAM METAIS E PEDRAS PRECIOSAS.
  • 17. SEU PRINCIPAL ALVO ERAM AS MISSÕES DOS PADRES JESUITAS, EM QUE VIVIAM MUITO INDÍGENAS
  • 19. ESSAS EXPEDIÇÕES VARIAVAM DE TAMANHO.ALGUMAS REUNIAM CENTENAS E ATÉ MILHARES DE HOMENS
  • 20. A FRENTE DELAS, SEGUINDO UM COSTUME DOS ÍNDIOS TUPIS, ERGUIA-SE UMA BANDEIRA EM SINAL DE GUERRA.
  • 21. POR ISSO SEU MEMBROS FICARAM CONHECIDOS COMO BANDEIRANTES
  • 22. O TRANSPORTE DAS BANDEIRAS ERA FEITO PELOS RIOS, EM ESPECIAL O PINHEIROS E O TIETE, E TAMBEM POR TERRA SEGUINDO TRILHAS INDÍGENAS.
  • 23. AO ENTRAR NO SERTÃO EM BUSCA DE RIQUEZAS OU PARA ABASTECER OS COLONOS AS BANDEIRAS E AS MONÇOES CONTRIBUIRAM PARA AMPLIAR AS FRONTEIRAS DA AMÉRICA PORTUGUESA ALÉM DA LINHA DE TORDESILHAS.
  • 24. A GRANDE BANDEIRA DO PORTUGUÊS ANTÔNIO RAPOSO DE TAVARES ATINGIU A REGIÃO AMAZÔNICA QUE PELO TRATADO DE TORDESILHAS PERTENCIA AOS ESPANHOIS.
  • 25. OS INDÍGENAS NAS LAVOURAS PAULISTAS
  • 26. NO SÉCULO XVII, A REGIÃO DE SÃO PAULO DE PIRATININGA DEDICAVA-SE AO CULTIVO DE MANDIOCA, MILHO, TRIGO E ALGODÃOE A CRIAÇÃO DE GADO.
  • 27. ESSES PRODUTOS ERAM CONSUMIDOS NA COLÔNIA.OS PAULISTAS CAÇAVAM ÍNDIOS PARA TRABALHAR EM SUAS PROPRIEDADES.
  • 28. SEM OS RECURSOS DOS SENHORES DE ENGENHO DO NORDESTE, NÃO TINHAM CONDIÇÕES DE COMPRAR ESCRAVOS AFRICANOS.
  • 29. A GRANDE MAIORIA DOS NATIVOS ESCRAVIZADOS FOI USADA NAS PLANTAÇÕES E NO TRANSPORTE DOS PRODUTOS CULTIVADOS PELOS PAULISTAS.
  • 30. UMA PEQUENA PARTE DOS INDÍGENAS CAPTURADOS TERIA SIDO LEVADA PARA OS ENGENHOS DO NORDESTE E DO LITORAL FLUMINENSE.
  • 32. É IMPOSSIVEL AFIRMAR COM EXATIDÃO O LOCAL E DATA DAS PRIMEIRAS DESCOBERTAS DO OURO NO BRASIL.
  • 33. ALGUNS HISTORIADORES ATRIBUEM A ANTÔNIO RODRIGUES ARZÃO (1693)
  • 34. OUTROS A BARTOLOMEU BUENO DA SIQUEIRA (1696) E DESTACAM TAMBÉM BORBA GATO, EM SABARÁ.
  • 35. CONFIRMADA A DESCOBERTA DAS LAVRAS NO BRASIL MILHARES DE PESSOAS MIGRARAM PARA AS MINAS GERAIS, PRINCIPALMENTE DA COLÔNIA E DE PORTUGAL.
  • 36. AS PESSOAS SE ESTABELECERAM NA REGIÃO DAS MINAS GERAIS CONCENTRARAM-SE EM POVOADOS URBANOS.
  • 37. O OURO DESCOBERTO EM MINAS GERAIS ERA DE ALUVIÃO, ENCONTRADO NO LEITO E NAS MARGENS DO RIO.
  • 38. ASSIM NECESSITAVA DE POUCO INVESTIMENTO E BAIXA TECNOLOGIA PARA SER EXTRAIDO.
  • 39. OURO DE ALUVIÃO NA REGIÃO DE MINAS GERAIS PREDOMINOU O CHAMADO OURO DE ALUVIÃO, RESULTANTE DE UM LONGO PROCESSO NATURAL DE DESGASTE DAS ROCHAS. LEVADO PELA ÁGUA, O OURO SE ESPALHO POR UMA VASTA AREA EXTENSA. MISTURADO COM CASCALHOS, AREIA E ARGILA, ERA MAIS FACILMENTE ENCONTRADO NOS LEITOS E NAS MARGENS DOS RIOS, EM GERAL NA FORMA DE PEDRISCOS. A PRESENÇA DO METAL NO SUBSOLO, EM VEIOS MAIS PROFUNDOS, COMO OCORREU NA AMÉRICA DO NORTE FOI PEQUENA NO BRASIL.
  • 40.  
  • 42. OCORREU NA REGIÃO DE MINAS GERAIS DE 1709 A 1710.
  • 43. OS PAULISTAS HAVIAM DESCOBERTO AS MINAS DE OURO POR ISSO PRETENDIAM CERTOS PRIVILÉGIOS NA REGIÃO.
  • 44. ELES DENOMINAVAM EMBOABAS, DE FORMA PEJORATIVA, OS PORTUGUESES E AS PESSOAS DE OUTRAS REGIÕES DA COLÔNIA E NÃO ERAM BENQUISTOS PELOS DEMAIS MORADORES DESSAS ÁREAS.
  • 45. ENTRE 1719 E 1710, A DISPUTA PELO CONTROLE DA ÁREA MINERADORA LEVOU A UM CONFLITO ARMADO ENTRE PAULISTAS E EMBOABAS.
  • 46. A GUERRA TERMINOU COM A VITÓRIA DOS EMBOABAS E A SAÍDA DOS PAULISTAS DA REGIÃO QUE FORAM PROCURAR METAIS PRECISOSO EM OUTRAS LOCALIDADES.
  • 47. OUTROS SE DIRIGIRAM PARA O SUL DA COLÔNIA ONDE FORAM CRIAR GADO.
  • 48. PARA NÃO PERDER O CONTROLE SOBRE A REGIÃO MINERADORA FORAM CRIADAS VILAS ADMINISTRADAS POR FUNCIONÁRIOS LIGADOS A COROA.
  • 49. AS PRIMEIRAS VILAS FORAM VILA RICA ( FUTURA OURO PRETO), RIBEIRÃO DA NOSSA SENHORA DO CARMO ( FUTURA MARIANA) E NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DO SABARÁ .
  • 50. O OURO EM GOIÁS E MATO GROSSO
  • 51. A DERROTA DOS PAULISTAS NA GUERRA DOS EMBOABAS OS LEVOU A OUTRAS REGIÕES DO INTERIOR, ALÉM DE MINAS GERAIS.
  • 52. AS NOVAS EXPEDIÇÕES LEVARAM Á DESCOBERTA DE OURO E PROVOCARAM NOVA CORRIDA NAS ÁREAS CORRESPONDENTES AOS ATUAIS ESTADOS DE MATO GROSSO E GOIÁS.
  • 53. ASSIM COMO ACONTECEU EM MINAS GERAIS A INTENSA EXPLORAÇÃO PROVOCOU O RÁPIDO ESGOTAMENTO DAS LAVRAS TAMBÉM EM MATO GROSSO E GOIÁS. EMPOBRECIDOS OS MORADORES TIVERAM DE PROCURAR NOVAS FORMAS DE SOBREVIVÊNCIA