SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro Paula Sousa
ETEC Horácio Augusto da Silveira
A EXPLORAÇÃO DO OURO
Gabriel Marciano Nº11, Júlia R. Borges Nº 21, Larissa Bezerra Nº 22,
Lucas Araújo Nº 28, Stephani A. Coelho Nº 35, Luana Beatriz Nº 37
Chama-se ciclo do ouro ao período da história
do Brasil e de Portugal em que a extração e
exportação de metais preciosos, dominaram
a dinâmica econômica do Brasil colonial. O
ciclo vigorou com força durante os primeiros
60 anos do século XVIII, altura a partir da qual
a produção de ouro começou a decair devido
ao esgotamento progressivo das minas da
região explorada, que hoje compreende os
estados de Minas Gerais, Goiás e Mato
Grosso.
Até o século XVII, a economia açucareira era a
atividade predominante da colônia e o
interesse metropolitano estava inteiramente
voltado para o seu desenvolvimento. Porém,
a partir de meados do século XVII, o açúcar
brasileiro sofreu a forte concorrência
antilhana, claro, os holandeses, uma vez
“expulsos” passaram a produzir em suas
colônias no Caribe, fazendo com que a Coroa
portuguesa voltasse a estimular a descoberta
de metais.
,
Os paulistas, que
conheciam bem o sertão,
iriam desempenhar um
papel importante nessa
nova fase da história
colonial. Já em 1674,
destacou-se a bandeira de
Fernão Dias Pais, que,
apesar de não ter
descoberto metais
preciosos, serviu para
indicar o caminho para o
interior de Minas.
O Ciclo do Ouro na Economia Colonial
A importância dessa exploração foi tão grande
para Portugal, que o governo decidiu mudar a
capital, até então em Salvador, para o Rio de
Janeiro, pois desta forma estariam mais
próximos das minas de ouro. Eles também
criaram as Casas de Fundição, que cobravam
impostos altíssimos de quem extraísse o ouro,
o que deixava os mineiros completamente
irritados. Entre esses impostos se destacavam:
O Ciclo do ouro seguiu até o ano de
1785. A exploração e os muitos
impostos cobrados não agradavam
em nada a população, o que levou a
muitas revoltas na época.
Técnicas de Mineração
Os africanos trouxeram para o Brasil
várias técnicas de mineração como:
O Escravismo no
Brasil
Existe um ponto quando falamos na
economia colonial que não podemos
deixar de citar: a Escravidão. Ela foi
marcada pelo uso de escravos do
continente africano, que faziam todo
o trabalho pesado e eram tratados
como animais. Alguns índios também
foram tratados desta forma, mas por
já conhecerem o território em que
estavam era mais fácil fugir, então,
trabalhavam na agricultura,
principalmente na parte da cana-de-
açúcar, e na mineração. Foram
grandes contribuintes para o
crescimento da economia do país.
Descoberta e exploração dos
diamantes
O ouro não foi à única riqueza encontrada na região das
Minas Gerais, logo o Brasil transformou-se no primeiro
produtor moderno de diamantes do mundo. De início a
extração era livre e o pagamento dos impostos fazia-se como
o do ouro, isto é, pelo quinto. Logo as autoridades pensaram
em outra forma de controle, dadas a facilidade de burlar o
fisco.
De imediato, anularam todas as concessões de terras no local
e proibiram a exploração de ouro. A extração de diamantes foi
transformada em monopólio do governo português e quem
fosse pego explorando essas minas sem autorização podia ser
punido com o degredo (exílio) para Angola.
O Troteiríssimo
O troteiríssimo, foi uma atividade itinerante desenvolvida por
grupos de homens, que conduziam o gado, do Rio Grande do Sul
para Minas Gerais e, ao mesmo tempo, levavam consigo bens
essenciais para o interior.
Quando no século XVII começou a corrida ao ouro e pedras
preciosas em Minas Gerais, dedicavam todo o seu tempo à
mineração. Nem mesmo os escravos eram dispensados para a
lavoura. Assim a importação de bens essenciais tornou-se
imperiosa e os tropeiros passaram a abastecer a região de gado,
alimentos e produtos manufaturados. O tropeiro conduzia o gado
por trilhas conhecidas mas mesmo assim as viagens podiam durar
várias semanas. Mais tarde, no século XVIII, a sua atividade
estendeu-se aos territórios de Goiás, Mato Grosso, São Paulo e Rio
de Janeiro.
A figura do tropeiro, identificava-se
pela sua vestimenta adaptada à
viagem árdua: manta, camisa de
flanela, chapéu e botas que o
protegiam das vicissitudes do
clima. Acampava todas as noites
protegido apenas pela manta e
pelas tendas feitas de couro.
Cozinhava ainda a sua refeição na
fogueira que o aquecia. O tropeiro
foi fundamental para fomentar o
desenvolvimento do interior e
estimular a fixação das
populações.
Reforma Pombalina
A partir de 1750, a política e a administração
portuguesa conheceram grandes mudanças. Por
vinte e sete anos, o poder foi exercido por
Sebastião José de Carvalho e Melo, o marquês de
Pombal, ministro de Estado de D. José I.
Fortemente influenciado pelo Iluminismo, Pombal
se insere no quadro do despotismo esclarecido,
em que monarcas, sem abandonar o poder
absolutista, adotam algumas práticas e princípios
liberais. Daí, uma série de medidas e reformas que
acabaram por torná-lo uma figura polêmica na
História portuguesa.
No plano interno, Marquês de Pombal instituiu uma
reforma que desagradou muitos daqueles que viviam
das regalias oferecidas pela Coroa Portuguesa. O
chamado Erário Régio tinha como papel controlar os
gastos do corpo de funcionários reais e,
principalmente, reduzir os seus gastos. Outra
importante medida foi incentivar o desenvolvimento
de uma indústria nacional com pretensões de diminuir
a dependência econômica do país. Vendo os
prejuízos trazidos com essa situação, Pombal expulsou
os jesuítas e instituiu o fim da escravidão indígena.
As terras que foram tomadas dos
integrantes da Ordem de Jesus foram
utilizadas como zonas de exploração. Com
relação aos índios, Pombal pretendia utilizá-
los como força de trabalho na colonização
de outras terras do território. Após a saída
de Pombal do governo, as transformações
sugeridas pelo ministro encerrou um
período de mudanças que poderiam acabar
com o atraso econômico de Portugal.
A Sociedade do Ouro
A enorme importância econômica e política adquirida pela
mineração brasileira, interna e externamente, podem ser
comprovadas por alguns indicadores. Um deles foi a forte
imigração da metrópole para a colônia, a ponto de as autoridades
verem-se obrigadas a aumentar as restrições á saída de pessoas do
reino. Outro indicador foi o crescimento do comércio colônia-
metrópole.
A mineração, com efeito, elevou o poder aquisitivo das camadas
mais ricas da população e provocou o surgimento de cidades, cujos
habitantes tinham necessidades de consumo cada vez mais
diversificadas. Uma das consequências disso foi o crescimento nas
vendas de mercadorias europeias pela metrópole para abastecer a
população colonial. E também o aumento do tráfico de africanos,
com a entrada no Brasil de mais de um milhão de novos escravos,
na maioria destinado ás áreas mineradoras.
Mobilidade Social
Sociedade que se formou nas regiões mineradoras,
sobretudo, em Minas Gerais, apresentava características
diferentes da civilização do açúcar no Nordeste. Foi uma
sociedade predominante urbana, mais complexa do que
aquela e de maior mobilidade social. Com a civilização do
ouro, os grupos sociais se diversificaram, aparecendo
agora, entre eles, grandes ricos mineradores,
proprietários de terras e comerciantes, funcionários,
artesãos, sacerdotes pequenos mineradores,
trabalhadores livres, profissionais liberais e intelectuais
(poetas, jornalistas, advogados.), Além de uma multidão
de escravos.
Quilombo dos Palmares
Os quilombos eram espécies de
comunidades compostas por ex -
escravos que fugiam das fazendas
na época do Brasil Colonial. O
período de maior formação dos
quilombos foi entre os séculos XVI
e XIX. Os quilombos tinham uma
organização parecida com as
aldeias africanas, de onde os
quilombolas eram originários.
Havia uma divisão de tarefas e
todos trabalhavam. Um líder
geralmente comandava o
quilombo. Viviam, principalmente,
da agricultura de subsistência e da
pesca. Podiam viver de acordo com
seus hábitos culturais africanos e
praticar livremente seus cultos
religiosos.
Era muito comum os fazendeiros e senhores de
engenhos contratarem homens armados para
desfazerem os quilombos e capturar os escravos
fugitivos. Ocorreram vários combates entres
estes homens e os quilombolas durante o
período colonial. Os quilombolas resistiam e,
muitas vezes, protegiam o quilombo mantendo
sua existência.
Os quilombos representaram uma das
formas de resistência e combate à
escravidão. Rejeitando a cruel forma
de vida, os negros buscavam a
liberdade e uma vida com dignidade,
resgatando a cultura e a forma de viver
que deixaram na África e contribuindo
para a formação da cultura afro-
brasileira.
Bibliografia
http://www.estudopratico.com.br/economia-
colonial-do-brasil-
awww.culturabrasil.org/mineracao.htmcucar-
ouro-e-escravidao/
http://
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.
aspx?codigo=496
http://www.brasilescola.com/historiab/reformas-
pombalinas.htm
http://sociedademineradora.blogspot.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Portugal
PortugalPortugal
Portugal
cattonia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundial
Susana Simões
 
Tratado De Methuen E Ouro Brasileiro
Tratado De Methuen E Ouro BrasileiroTratado De Methuen E Ouro Brasileiro
Tratado De Methuen E Ouro Brasileiro
Ana Barreiros
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
Jorge Almeida
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
PAFB
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
Pedro Gervásio
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
João Lima
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
Fernando Alvarado
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
Daniel Alves Bronstrup
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
carlosbidu
 
A frança antes da revolução
A frança antes da revoluçãoA frança antes da revolução
A frança antes da revolução
Nelia Salles Nantes
 

Mais procurados (20)

Portugal
PortugalPortugal
Portugal
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundial
 
Tratado De Methuen E Ouro Brasileiro
Tratado De Methuen E Ouro BrasileiroTratado De Methuen E Ouro Brasileiro
Tratado De Methuen E Ouro Brasileiro
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
 
A frança antes da revolução
A frança antes da revoluçãoA frança antes da revolução
A frança antes da revolução
 

Semelhante a A exploração do ouro no brasil

ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
DenisBrito16
 
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
marlete andrade
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
Franciele Marques
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
Lúcia Santana
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Deusirene Aparecida
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
MairaDeOliveiraPotri
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
historiando
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
Fernanda Stang
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
Nelia Salles Nantes
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
Andrei Rita
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Lucas Reis
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
Cristine Becker
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
mvmachado
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
geografiamarioemaristela
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
Yara Ribeiro
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro

Semelhante a A exploração do ouro no brasil (20)

ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 

Último

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 

Último (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 

A exploração do ouro no brasil

  • 1. Centro Paula Sousa ETEC Horácio Augusto da Silveira A EXPLORAÇÃO DO OURO Gabriel Marciano Nº11, Júlia R. Borges Nº 21, Larissa Bezerra Nº 22, Lucas Araújo Nº 28, Stephani A. Coelho Nº 35, Luana Beatriz Nº 37
  • 2. Chama-se ciclo do ouro ao período da história do Brasil e de Portugal em que a extração e exportação de metais preciosos, dominaram a dinâmica econômica do Brasil colonial. O ciclo vigorou com força durante os primeiros 60 anos do século XVIII, altura a partir da qual a produção de ouro começou a decair devido ao esgotamento progressivo das minas da região explorada, que hoje compreende os estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.
  • 3. Até o século XVII, a economia açucareira era a atividade predominante da colônia e o interesse metropolitano estava inteiramente voltado para o seu desenvolvimento. Porém, a partir de meados do século XVII, o açúcar brasileiro sofreu a forte concorrência antilhana, claro, os holandeses, uma vez “expulsos” passaram a produzir em suas colônias no Caribe, fazendo com que a Coroa portuguesa voltasse a estimular a descoberta de metais.
  • 4. , Os paulistas, que conheciam bem o sertão, iriam desempenhar um papel importante nessa nova fase da história colonial. Já em 1674, destacou-se a bandeira de Fernão Dias Pais, que, apesar de não ter descoberto metais preciosos, serviu para indicar o caminho para o interior de Minas.
  • 5. O Ciclo do Ouro na Economia Colonial A importância dessa exploração foi tão grande para Portugal, que o governo decidiu mudar a capital, até então em Salvador, para o Rio de Janeiro, pois desta forma estariam mais próximos das minas de ouro. Eles também criaram as Casas de Fundição, que cobravam impostos altíssimos de quem extraísse o ouro, o que deixava os mineiros completamente irritados. Entre esses impostos se destacavam:
  • 6. O Ciclo do ouro seguiu até o ano de 1785. A exploração e os muitos impostos cobrados não agradavam em nada a população, o que levou a muitas revoltas na época.
  • 7. Técnicas de Mineração Os africanos trouxeram para o Brasil várias técnicas de mineração como:
  • 8. O Escravismo no Brasil Existe um ponto quando falamos na economia colonial que não podemos deixar de citar: a Escravidão. Ela foi marcada pelo uso de escravos do continente africano, que faziam todo o trabalho pesado e eram tratados como animais. Alguns índios também foram tratados desta forma, mas por já conhecerem o território em que estavam era mais fácil fugir, então, trabalhavam na agricultura, principalmente na parte da cana-de- açúcar, e na mineração. Foram grandes contribuintes para o crescimento da economia do país.
  • 9. Descoberta e exploração dos diamantes O ouro não foi à única riqueza encontrada na região das Minas Gerais, logo o Brasil transformou-se no primeiro produtor moderno de diamantes do mundo. De início a extração era livre e o pagamento dos impostos fazia-se como o do ouro, isto é, pelo quinto. Logo as autoridades pensaram em outra forma de controle, dadas a facilidade de burlar o fisco. De imediato, anularam todas as concessões de terras no local e proibiram a exploração de ouro. A extração de diamantes foi transformada em monopólio do governo português e quem fosse pego explorando essas minas sem autorização podia ser punido com o degredo (exílio) para Angola.
  • 10. O Troteiríssimo O troteiríssimo, foi uma atividade itinerante desenvolvida por grupos de homens, que conduziam o gado, do Rio Grande do Sul para Minas Gerais e, ao mesmo tempo, levavam consigo bens essenciais para o interior. Quando no século XVII começou a corrida ao ouro e pedras preciosas em Minas Gerais, dedicavam todo o seu tempo à mineração. Nem mesmo os escravos eram dispensados para a lavoura. Assim a importação de bens essenciais tornou-se imperiosa e os tropeiros passaram a abastecer a região de gado, alimentos e produtos manufaturados. O tropeiro conduzia o gado por trilhas conhecidas mas mesmo assim as viagens podiam durar várias semanas. Mais tarde, no século XVIII, a sua atividade estendeu-se aos territórios de Goiás, Mato Grosso, São Paulo e Rio de Janeiro.
  • 11. A figura do tropeiro, identificava-se pela sua vestimenta adaptada à viagem árdua: manta, camisa de flanela, chapéu e botas que o protegiam das vicissitudes do clima. Acampava todas as noites protegido apenas pela manta e pelas tendas feitas de couro. Cozinhava ainda a sua refeição na fogueira que o aquecia. O tropeiro foi fundamental para fomentar o desenvolvimento do interior e estimular a fixação das populações.
  • 12. Reforma Pombalina A partir de 1750, a política e a administração portuguesa conheceram grandes mudanças. Por vinte e sete anos, o poder foi exercido por Sebastião José de Carvalho e Melo, o marquês de Pombal, ministro de Estado de D. José I. Fortemente influenciado pelo Iluminismo, Pombal se insere no quadro do despotismo esclarecido, em que monarcas, sem abandonar o poder absolutista, adotam algumas práticas e princípios liberais. Daí, uma série de medidas e reformas que acabaram por torná-lo uma figura polêmica na História portuguesa.
  • 13. No plano interno, Marquês de Pombal instituiu uma reforma que desagradou muitos daqueles que viviam das regalias oferecidas pela Coroa Portuguesa. O chamado Erário Régio tinha como papel controlar os gastos do corpo de funcionários reais e, principalmente, reduzir os seus gastos. Outra importante medida foi incentivar o desenvolvimento de uma indústria nacional com pretensões de diminuir a dependência econômica do país. Vendo os prejuízos trazidos com essa situação, Pombal expulsou os jesuítas e instituiu o fim da escravidão indígena.
  • 14. As terras que foram tomadas dos integrantes da Ordem de Jesus foram utilizadas como zonas de exploração. Com relação aos índios, Pombal pretendia utilizá- los como força de trabalho na colonização de outras terras do território. Após a saída de Pombal do governo, as transformações sugeridas pelo ministro encerrou um período de mudanças que poderiam acabar com o atraso econômico de Portugal.
  • 15. A Sociedade do Ouro A enorme importância econômica e política adquirida pela mineração brasileira, interna e externamente, podem ser comprovadas por alguns indicadores. Um deles foi a forte imigração da metrópole para a colônia, a ponto de as autoridades verem-se obrigadas a aumentar as restrições á saída de pessoas do reino. Outro indicador foi o crescimento do comércio colônia- metrópole. A mineração, com efeito, elevou o poder aquisitivo das camadas mais ricas da população e provocou o surgimento de cidades, cujos habitantes tinham necessidades de consumo cada vez mais diversificadas. Uma das consequências disso foi o crescimento nas vendas de mercadorias europeias pela metrópole para abastecer a população colonial. E também o aumento do tráfico de africanos, com a entrada no Brasil de mais de um milhão de novos escravos, na maioria destinado ás áreas mineradoras.
  • 16. Mobilidade Social Sociedade que se formou nas regiões mineradoras, sobretudo, em Minas Gerais, apresentava características diferentes da civilização do açúcar no Nordeste. Foi uma sociedade predominante urbana, mais complexa do que aquela e de maior mobilidade social. Com a civilização do ouro, os grupos sociais se diversificaram, aparecendo agora, entre eles, grandes ricos mineradores, proprietários de terras e comerciantes, funcionários, artesãos, sacerdotes pequenos mineradores, trabalhadores livres, profissionais liberais e intelectuais (poetas, jornalistas, advogados.), Além de uma multidão de escravos.
  • 17. Quilombo dos Palmares Os quilombos eram espécies de comunidades compostas por ex - escravos que fugiam das fazendas na época do Brasil Colonial. O período de maior formação dos quilombos foi entre os séculos XVI e XIX. Os quilombos tinham uma organização parecida com as aldeias africanas, de onde os quilombolas eram originários. Havia uma divisão de tarefas e todos trabalhavam. Um líder geralmente comandava o quilombo. Viviam, principalmente, da agricultura de subsistência e da pesca. Podiam viver de acordo com seus hábitos culturais africanos e praticar livremente seus cultos religiosos.
  • 18. Era muito comum os fazendeiros e senhores de engenhos contratarem homens armados para desfazerem os quilombos e capturar os escravos fugitivos. Ocorreram vários combates entres estes homens e os quilombolas durante o período colonial. Os quilombolas resistiam e, muitas vezes, protegiam o quilombo mantendo sua existência.
  • 19. Os quilombos representaram uma das formas de resistência e combate à escravidão. Rejeitando a cruel forma de vida, os negros buscavam a liberdade e uma vida com dignidade, resgatando a cultura e a forma de viver que deixaram na África e contribuindo para a formação da cultura afro- brasileira.