SlideShare uma empresa Scribd logo
A ÉPOCA MEDIEVAL
BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO
UM NOVO TEMPO HISTÓRICO
A NOVA ÉPOCA
• Aparecimento de fomes e epidemias;
• Diminuição da população;
• Retrocesso das cidades;
• Ruralização da economia;
• Esmorecimento da vida cultural;
• Ascensão do poder da Igreja, o único reduto de segurança das populações.
• Chega ao fim a era clássica e inicia-se a Idade Média.
O FEUDALISMO
• As invasões dos séc. VIII a X (muçulmanas, normandas e húngaras) ajudam à fragmentação política.
• Na ausência de um rei forte e com presença organizadora, ocorreu a passagem de poder para os senhores
locais, a quem o rei concedia grandes domínios territoriais e privilégios.
• Com a instabilidade política, aumenta a insegurança e a recessão económica.
• A esta época da história da Europa, marcada por laços de dependência entre os homens e por uma
economia marcadamente rural, os historiadores chamam FEUDALISMO.
A SOCIEDADE SENHORIAL
Dirigir
Fortalecimento do poder
dos senhores
Combater
Orar
Trabalhar
Privilegiados
Não
Privilegiados
A RENOVAÇÃO ECONÓMICA
• A partir do século XI e até ao século XIV, a Europa viveu, novamente, um período de alguma
paz e de prosperidade económica. Para isso contribuíram fatores como:
 O fim das invasões dos Muçulmanos, dos Vikings e dos Húngaros;
 O crescimento demográfico, que conduziu ao arroteamento e drenagem
de terras para cultivo;
 Os progressos técnicos na agricultura e nos transportes.
 Os progressos técnicos ocorridos na agricultura e nos transportes.
O CRESCIMENTO DAS CIDADES
• A reanimação dos antigos burgos
favoreceu o aparecimento de novas cidades
e a reanimação de antigos centros urbanos.
Favoreceu ainda o surgir de um novo grupo
social, ligado ao comércio – a Burguesia.
• As cidades encontravam-se definidas e
delimitadas por uma cinta protetora: a
muralha.
A RECONQUISTA CRISTÃ
• A luta pela Reconquista Cristã, ou seja, para recuperar as terras que os mouros tinham conquistado
aos cristãos que viviam na Península Ibérica, iniciou-se logo no séc. VIII, após a invasão.
• Dessa luta surgem vários reinos cristãos localizados a norte da Península, sendo o mais importante
o de Leão, de D. Afonso VI.
• Em 1017 Afonso VI depois de se
sobrepor aos irmãos assumiu o título
de Imperador de toda a Espanha.
O CONDADO PORTUCALENSE
• A ameaça Almorávida fez enfraquecer novamente o poder de Afonso VI e é como ajuda militar que
surgem Raimundo e Henrique de Borgonha na Península.
• Os dois nobres que se destacaram mais na guerra com os mouros e que foram recompensados pelo
rei: em 1096, D. Afonso VI dá à sua filha ilegítima - D. Teresa - como dote de casamento com D.
Henrique de Borgonha, o Condado Portucalense que se irá transformar, mais tarde, no reino de
Portugal.
O REINO PORTUGUÊS
• Após a morte de D. Henrique surgem dois lados diferentes: o lado de D. Teresa, ligada ao reino de Leão
e Castela e o lado defendido pelo seu filho D. Afonso Henriques, que pretendia a reconquista para Sul.
• A situação irá ser resolvida em 1128 na Batalha de São Mamede entre D. Teresa e D. Afonso Henriques
que, apoiado na nova nobreza portuguesa (os infanções), vence a Batalha.
O REINO PORTUGUÊS
• Entre 1127 e 1137 Afonso Henriques manteve-se em constante rebelião contra o primo, pois queria a
independência de Portugal.
• Mas D. Afonso VII só a reconhece na Conferência de Zamora em 1143.
• No entanto, o Papa só irá conceder o título de rei a D. Afonso Henriques em
1179 com a Bula Manifestis Probatum.
A EVOLUÇÃO DAS FRONTEIRAS
D . Afonso III
D . Afonso Henriques
D . Dinis
A RECUPERAÇÃO DO PODER REAL
• Na monarquia feudal portuguesa o rei era o dominus rex (rei senhor). Isto é, o rei assumia-se como um
senhor feudal na sua corte de vassalos. Os reis fundamentavam o seu poder no direito divino: o rei era o
representante de deus na Terra. Apesar disso, existiam muitos abusos por parte dos senhores.
• A partir de Afonso II, os reis procuraram evitar ou punir os abusos do clero e da nobreza. Assim,
ordenaram a realização de Confirmações e Inquirições e publicaram Leis de Desamortização.
Visavam conhecer as terras
e os direitos que
pertenciam ao rei e que
poderiam ter sido
usurpados indevidamente.
Proibição de as ordens
religiosas e os mosteiros
comprarem propriedades
ou herdarem-nas.
Tinham por objetivo
confirmar a legalidade da
posse de propriedades,
por parte do clero e da
nobreza.
ConfirmaçõesInquirições Leis de Desamortização
D. DINIS
• O auge da centralização do poder real foi atingido no governo de D. Dinis: a administração central
mostrou-se forte e rigorosa, os poderes dos senhores foram energeticamente combatidos e as
fronteiras definitivamente fixadas.
• A produção aumentou, incrementaram-se as feiras e o comércio externo.
• Dignificaram-se as artes e as letras (D. Dinis, o trovador) e o português tornou-se a língua oficial, em
detrimento do latim.
• Institui-se a primeira universidade portuguesa e o rei é respeitado no exterior.
A CULTURA MEDIEVAL
AS ESCOLAS MONÁSTICAS
• É nos mosteiros espalhados pela Europa, longe do rebuliço das novas cidades emergentes na Europa, que
surgem as Escolas Monásticas, em regime de internato e, inicialmente, para a formação de futuros
monges.
• Mais tarde abrem-se as escolas externas com o propósito da formação de leigos cultos.
• O programa de ensino, de início, muito elementar: aprender a ler, escrever, conhecer a bíblia (se possível
de cor), canto e um pouco de aritmética.
• Com o tempo, vai-se enriquecendo de forma a incluir o ensino do
latim, gramática, retórica e dialéctica.
• Nas cidades, começam a surgir escolas que funcionam numa
dependência da habitação do bispo.
• Estas visavam, em especial, a formação do clero secular e também
de leigos instruídos que eram preparados para defender a
doutrina da Igreja na vida civil.
• As Escolas Catedrais (escolas urbanas), saídas das antigas escolas episcopais, tornaram-se mais
prestigiadas que as escolas dos mosteiros.
AS ESCOLAS URBANAS
• Antes de 1250, formou-se no Ocidente a primeira geração de universidades medievais.
• Originalmente, estas instituições eram chamadas de studium generale, (Estudos gerais) juntando mestres
e discípulos dedicados ao ensino superior. Porém, com a agitação cultural e urbana da Baixa Idade Média,
logo se passou a fazer referência ao estudo universal do saber, ao conjunto das ciências, sendo o nome
studium generale substituído por universitas.
OS ESTUDOS GERAIS / UNIVERSIDADES
• Provavelmente, a primeira universidade europeia terá surgido na cidade
italiana de Salerno, cujo centro de estudos remonta ao século XI.
 As universidades eram estabelecimentos do ensino superior que
agregavam várias faculdades e que se organizavam numa estrutura mais
rígida e complexa.
 Ao longo dos séculos XIII e XIV, as universidades expandiram-se pela Europa
Ocidental, especializando-se em diferentes saberes: Teologia, Direito,
Medicina.
 As universidades de Bolonha e de Paris estão entre as mais antigas. Outros
exemplos são a Universidade de Oxford e a de Montpellier.
UNIVERSIDADES
• Enquanto nas cidades SE multiplicavam as escolas catedrais e as universidades e nos conventos nasciam
as livrarias (bibliotecas), nas cortes do rei e dos grandes senhores a cultura erudita (acessível apenas aos
estratos dominantes da sociedade) desenvolveu-se sob o espírito cavalheiresco, segundo o qual o
cavaleiro, sempre de estirpe nobre, queria tornar-se perfeito.
• O cavaleiro ideal devia ter as seguintes qualidades:
-a honra;
-a coragem;
-a lealdade;
-a virtude;
-a piedade;
-o ideal de cuzada.
A CULTURA CORTESÃ
• Tal como existia um ideal de cavalaria, também as relações entre
nobres e damas, nas cortes, obedeciam a um ideal de amor,
pautado pelo refinamento e pela espiritualidade.
• Era um código de comportamento amoroso em que os cavaleiros
demonstravam que o valor pessoal não se fundamentava apenas no
sangue ou nas proezas militares, mas podia ser identificado no
comportamento social: a cortesia.
• Para conquistar a sua amada, o cavaleiro nobre deveria ser virtuoso,
paciente, elegante no vestir, bem-humorado, respeitoso perante as
mulheres, enquanto a dama, bela e púdica, deveria alimentar o seu
amor com gestos comedidos.
• Na literatura, o ideal de cavalaria eram os Romances e o ideal do amor cortês: a poesia trovadoresca.
• Os senhores feudais contratavam recitadores, cantores e músicos para divertir a corte.
• As cantigas eram compostas, quase sempre, por nobres que se denominavam
trovadores, porque praticavam a arte de trovar.
• O trovador deveria dizer os seus elogios a uma mulher da nobreza, demonstrando
subordinação às damas da corte, que deveriam ser tratadas com cortesia.
• As primeiras cantigas portuguesas datam do séc. XII e são ainda escritas em galego-
-português.
• Diz-se que a primeira foi a Cantiga da Guarvaia, de Paio Soares de Taveirós.
LITERATURA
Cantiga de amor
• As cantigas de amor desenvolviam o tema do sofrimento
pelo amor não correspondido e eram divulgados de forma
oral.
• Neste tipo de cantiga, o trovador destaca todas as
qualidades da mulher amada, colocando-se numa posição
inferior (de vassalo) a ela.
• As cantigas de amor reproduzem o sistema hierárquico na
época do feudalismo, pois o trovador espera receber um
benefício em troca de seus “serviços” (as trovas, o amor
dispensado, sofrimento pelo amor não correspondido).
• Este tipo de cantiga teve as suas origens na Península Ibérica.
• Nela, o eu-lírico é uma mulher, mas o autor era masculino,
devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao conhecimento
da época.
• A mulher canta o seu amor pelo amigo (amigo = namorado),
muitas vezes em ambiente natural, e muitas vezes, também em
diálogo com a sua mãe ou as suas amigas.
• O sujeito poético é, não apenas mulher, mas a donzela, isto é,
uma rapariga solteira, pertencente aos estratos médios do
povo.
• O poeta serve-se assim deste artifício para exprimir os seus
sentimentos pela boca da rapariga.
Cantiga de amigo
• Trovadores: os poetas cultos que compunham
quer as letras, quer as músicas das canções.
• Menestréis: músicos-poetas que viviam na casa
de um fidalgo, para quem trabalhavam.
• Jograis: cantores ambulantes, geralmente de
origem popular.
• Segréis: trovadores profissionais, muitas vezes
nobres caídos em desgraça e que iam de corte
em corte na companhia de um jogral animar as
festas.
OS ARTISTAS DA ÉPOCA MEDIEVAL
• Tipo de poesia satírica. Nas cantigas de escárnio a crítica é
feita de forma encoberta, sem que o objeto de crítica seja
claramente identificado. Nas cantigas de maldizer a vítima da
crítica é claramente identificada.
• Estes poemas satíricos têm um grande valor documental,
visto que nos revelam qual a reação das pessoas face a
determinados acontecimentos e situações.
• Estas cantigas permitem perceber melhor a sociedade da
época e aceder a informações que outros documentos, mais
impessoais, não revelam.
Cantiga de escárnio e maldizer
 Na cantiga de escárnio, o eu-lírico faz uma sátira a alguma pessoa.
 Essa sátira era indireta, cheia de duplos sentidos. As cantigas de escárnio (ou "de escarnho", na grafia da
época) definem-se como feitas pelos trovadores para dizer mal de alguém, por meio de ambiguidades,
trocadilhos e jogos semânticos, num processo que os trovadores chamavam "equívoco", por vezes,
bastante mordaz.
 Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de maldizer traz uma sátira direta e sem duplos sentidos. É
comum a agressão verbal à pessoa satirizada, e muitas vezes, são utilizados até palavrões. O nome da
pessoa satirizada pode ou não ser revelado.
A CULTURA POPULAR
• As manifestações populares da cultura passavam pelos conhecimentos transmitidos oralmente nos
locais de convívio como as feiras. Era, no fundo, a tradição oral.
• Para estes, as cantigas (principalmente de escárnio e mal dizer) foram fundamentais na transmissão
do seu dia-a-dia e na comparação com a vida fácil dos senhores. Destaca-se aqui o papel dos Jograis.
• Estas manifestações culturais acabaram por ser fortemente influenciadas pela Igreja e pelas novas
Ordens Mendicantes, tais como os Franciscanos e os Dominicanos (que acabaram mesmo por
controlar a Inquisição).
Clero Povo
Cultura religiosa e erudita
Nobreza
Cultura
monástica
Cultura cortesã Cultura popular
Cultura de transmissão
oral
Difundida de pais para filhosDifundida nas escolas
monásticas e catedralícias
para futuros clérigos
Difundida por jograis e
trovadores
Cultura palaciana e de
corte
Saber ligado à Bíblia e a obras
de autores gregos, latinos,
árabes e judeus
Saber ligado à poesia
trovadoresca, romances de
cavalaria, crónicas e livros de
linhagem
Saber ligado à tradição e
costumes: provérbios, contos,
cantigas, festividades
religiosas
EM RESUMO:
A DECADÊNCIA CULTURAL
• Ao longo do séc. XIV, ocorre uma convergência de factos que explicam a designação de trilogia de morte:
–A crise agrícola que provoca fomes como a de 1315-1317, a oscilação dos preços, o despovoamento dos
campos e o agudizar dos conflitos sociais.
–A Peste Negra (1348) e as várias epidemias que assolam o mundo. A população subalimentada não
resiste.
• As consequências da Peste Negra sobre a mentalidade e a criação artística (e da crise do séc. XIV em
geral) foram muitas:
• incremento das manifestações de piedade coletiva, de que são exemplo os flagelantes e as
peregrinações;
• massacre de grupos marginais, tornados «bodes-expiatórios» e acusados de serem responsáveis pelo
surto epidémico (os judeus e os leprosos);
• reforço das doações à Igreja para efeitos assistenciais, para criação de hospitais e de albergarias;
• representação da figura da morte, em esculturas e pinturas, como aviso da sua constante ameaça
sobre os vivos;
• representação dos defuntos sob a imagem da decomposição do corpo, como advertência para a
fragilidade da vida.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
Susana Simões
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriaisCultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Escola Luis de Freitas Branco
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
cattonia
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Carlos Vieira
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
cattonia
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
Carla Teixeira
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriaisCultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
Cultura leiga e profana das cortes régias e senhoriais
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 

Semelhante a A cultura medieval

Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
CarlaRosario
 
Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
CarlaRosario
 
Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
CarlaRosario
 
Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
CarlaRosario
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
CEF Arapoanga
 
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesaA Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
Tatiana Azenha
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
Elisângela Martins Rodrigues
 
Historia vol 3
Historia vol 3Historia vol 3
Historia vol 3
Blaunier Matheus
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
Fatima Freitas
 
Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
André Costa
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
7F
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
IDADE MÉDIA_MONITORIA.ppt
IDADE MÉDIA_MONITORIA.pptIDADE MÉDIA_MONITORIA.ppt
IDADE MÉDIA_MONITORIA.ppt
ScottSummers41
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
Sonia Valente
 
A europa do século VI ao XII.pptx
A europa do século VI ao XII.pptxA europa do século VI ao XII.pptx
A europa do século VI ao XII.pptx
JuditeBarbosa1
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Fatima Freitas
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
cattonia
 
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Daniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a A cultura medieval (20)

Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
 
Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
 
Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
 
Soraia
SoraiaSoraia
Soraia
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesaA Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
A Sociedade Medieval - Literatura portuguesa
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
 
Historia vol 3
Historia vol 3Historia vol 3
Historia vol 3
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
HIST: Ficha Formativa - A Europa Cristã e o Islão Nos Séculos VI a IX # A Soc...
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
IDADE MÉDIA_MONITORIA.ppt
IDADE MÉDIA_MONITORIA.pptIDADE MÉDIA_MONITORIA.ppt
IDADE MÉDIA_MONITORIA.ppt
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
 
A europa do século VI ao XII.pptx
A europa do século VI ao XII.pptxA europa do século VI ao XII.pptx
A europa do século VI ao XII.pptx
 
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
 
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 

Último (20)

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 

A cultura medieval

  • 1. A ÉPOCA MEDIEVAL BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO
  • 2. UM NOVO TEMPO HISTÓRICO
  • 3. A NOVA ÉPOCA • Aparecimento de fomes e epidemias; • Diminuição da população; • Retrocesso das cidades; • Ruralização da economia; • Esmorecimento da vida cultural; • Ascensão do poder da Igreja, o único reduto de segurança das populações. • Chega ao fim a era clássica e inicia-se a Idade Média.
  • 4.
  • 5. O FEUDALISMO • As invasões dos séc. VIII a X (muçulmanas, normandas e húngaras) ajudam à fragmentação política. • Na ausência de um rei forte e com presença organizadora, ocorreu a passagem de poder para os senhores locais, a quem o rei concedia grandes domínios territoriais e privilégios. • Com a instabilidade política, aumenta a insegurança e a recessão económica. • A esta época da história da Europa, marcada por laços de dependência entre os homens e por uma economia marcadamente rural, os historiadores chamam FEUDALISMO.
  • 6.
  • 7. A SOCIEDADE SENHORIAL Dirigir Fortalecimento do poder dos senhores Combater Orar Trabalhar Privilegiados Não Privilegiados
  • 8. A RENOVAÇÃO ECONÓMICA • A partir do século XI e até ao século XIV, a Europa viveu, novamente, um período de alguma paz e de prosperidade económica. Para isso contribuíram fatores como:  O fim das invasões dos Muçulmanos, dos Vikings e dos Húngaros;  O crescimento demográfico, que conduziu ao arroteamento e drenagem de terras para cultivo;  Os progressos técnicos na agricultura e nos transportes.  Os progressos técnicos ocorridos na agricultura e nos transportes.
  • 9. O CRESCIMENTO DAS CIDADES • A reanimação dos antigos burgos favoreceu o aparecimento de novas cidades e a reanimação de antigos centros urbanos. Favoreceu ainda o surgir de um novo grupo social, ligado ao comércio – a Burguesia. • As cidades encontravam-se definidas e delimitadas por uma cinta protetora: a muralha.
  • 10. A RECONQUISTA CRISTÃ • A luta pela Reconquista Cristã, ou seja, para recuperar as terras que os mouros tinham conquistado aos cristãos que viviam na Península Ibérica, iniciou-se logo no séc. VIII, após a invasão. • Dessa luta surgem vários reinos cristãos localizados a norte da Península, sendo o mais importante o de Leão, de D. Afonso VI. • Em 1017 Afonso VI depois de se sobrepor aos irmãos assumiu o título de Imperador de toda a Espanha.
  • 11. O CONDADO PORTUCALENSE • A ameaça Almorávida fez enfraquecer novamente o poder de Afonso VI e é como ajuda militar que surgem Raimundo e Henrique de Borgonha na Península. • Os dois nobres que se destacaram mais na guerra com os mouros e que foram recompensados pelo rei: em 1096, D. Afonso VI dá à sua filha ilegítima - D. Teresa - como dote de casamento com D. Henrique de Borgonha, o Condado Portucalense que se irá transformar, mais tarde, no reino de Portugal.
  • 12. O REINO PORTUGUÊS • Após a morte de D. Henrique surgem dois lados diferentes: o lado de D. Teresa, ligada ao reino de Leão e Castela e o lado defendido pelo seu filho D. Afonso Henriques, que pretendia a reconquista para Sul. • A situação irá ser resolvida em 1128 na Batalha de São Mamede entre D. Teresa e D. Afonso Henriques que, apoiado na nova nobreza portuguesa (os infanções), vence a Batalha.
  • 13. O REINO PORTUGUÊS • Entre 1127 e 1137 Afonso Henriques manteve-se em constante rebelião contra o primo, pois queria a independência de Portugal. • Mas D. Afonso VII só a reconhece na Conferência de Zamora em 1143. • No entanto, o Papa só irá conceder o título de rei a D. Afonso Henriques em 1179 com a Bula Manifestis Probatum.
  • 14. A EVOLUÇÃO DAS FRONTEIRAS D . Afonso III D . Afonso Henriques D . Dinis
  • 15. A RECUPERAÇÃO DO PODER REAL • Na monarquia feudal portuguesa o rei era o dominus rex (rei senhor). Isto é, o rei assumia-se como um senhor feudal na sua corte de vassalos. Os reis fundamentavam o seu poder no direito divino: o rei era o representante de deus na Terra. Apesar disso, existiam muitos abusos por parte dos senhores. • A partir de Afonso II, os reis procuraram evitar ou punir os abusos do clero e da nobreza. Assim, ordenaram a realização de Confirmações e Inquirições e publicaram Leis de Desamortização. Visavam conhecer as terras e os direitos que pertenciam ao rei e que poderiam ter sido usurpados indevidamente. Proibição de as ordens religiosas e os mosteiros comprarem propriedades ou herdarem-nas. Tinham por objetivo confirmar a legalidade da posse de propriedades, por parte do clero e da nobreza. ConfirmaçõesInquirições Leis de Desamortização
  • 16. D. DINIS • O auge da centralização do poder real foi atingido no governo de D. Dinis: a administração central mostrou-se forte e rigorosa, os poderes dos senhores foram energeticamente combatidos e as fronteiras definitivamente fixadas. • A produção aumentou, incrementaram-se as feiras e o comércio externo. • Dignificaram-se as artes e as letras (D. Dinis, o trovador) e o português tornou-se a língua oficial, em detrimento do latim. • Institui-se a primeira universidade portuguesa e o rei é respeitado no exterior.
  • 18. AS ESCOLAS MONÁSTICAS • É nos mosteiros espalhados pela Europa, longe do rebuliço das novas cidades emergentes na Europa, que surgem as Escolas Monásticas, em regime de internato e, inicialmente, para a formação de futuros monges. • Mais tarde abrem-se as escolas externas com o propósito da formação de leigos cultos. • O programa de ensino, de início, muito elementar: aprender a ler, escrever, conhecer a bíblia (se possível de cor), canto e um pouco de aritmética. • Com o tempo, vai-se enriquecendo de forma a incluir o ensino do latim, gramática, retórica e dialéctica.
  • 19. • Nas cidades, começam a surgir escolas que funcionam numa dependência da habitação do bispo. • Estas visavam, em especial, a formação do clero secular e também de leigos instruídos que eram preparados para defender a doutrina da Igreja na vida civil. • As Escolas Catedrais (escolas urbanas), saídas das antigas escolas episcopais, tornaram-se mais prestigiadas que as escolas dos mosteiros. AS ESCOLAS URBANAS
  • 20. • Antes de 1250, formou-se no Ocidente a primeira geração de universidades medievais. • Originalmente, estas instituições eram chamadas de studium generale, (Estudos gerais) juntando mestres e discípulos dedicados ao ensino superior. Porém, com a agitação cultural e urbana da Baixa Idade Média, logo se passou a fazer referência ao estudo universal do saber, ao conjunto das ciências, sendo o nome studium generale substituído por universitas. OS ESTUDOS GERAIS / UNIVERSIDADES
  • 21. • Provavelmente, a primeira universidade europeia terá surgido na cidade italiana de Salerno, cujo centro de estudos remonta ao século XI.  As universidades eram estabelecimentos do ensino superior que agregavam várias faculdades e que se organizavam numa estrutura mais rígida e complexa.  Ao longo dos séculos XIII e XIV, as universidades expandiram-se pela Europa Ocidental, especializando-se em diferentes saberes: Teologia, Direito, Medicina.  As universidades de Bolonha e de Paris estão entre as mais antigas. Outros exemplos são a Universidade de Oxford e a de Montpellier. UNIVERSIDADES
  • 22. • Enquanto nas cidades SE multiplicavam as escolas catedrais e as universidades e nos conventos nasciam as livrarias (bibliotecas), nas cortes do rei e dos grandes senhores a cultura erudita (acessível apenas aos estratos dominantes da sociedade) desenvolveu-se sob o espírito cavalheiresco, segundo o qual o cavaleiro, sempre de estirpe nobre, queria tornar-se perfeito. • O cavaleiro ideal devia ter as seguintes qualidades: -a honra; -a coragem; -a lealdade; -a virtude; -a piedade; -o ideal de cuzada. A CULTURA CORTESÃ
  • 23. • Tal como existia um ideal de cavalaria, também as relações entre nobres e damas, nas cortes, obedeciam a um ideal de amor, pautado pelo refinamento e pela espiritualidade. • Era um código de comportamento amoroso em que os cavaleiros demonstravam que o valor pessoal não se fundamentava apenas no sangue ou nas proezas militares, mas podia ser identificado no comportamento social: a cortesia. • Para conquistar a sua amada, o cavaleiro nobre deveria ser virtuoso, paciente, elegante no vestir, bem-humorado, respeitoso perante as mulheres, enquanto a dama, bela e púdica, deveria alimentar o seu amor com gestos comedidos.
  • 24. • Na literatura, o ideal de cavalaria eram os Romances e o ideal do amor cortês: a poesia trovadoresca. • Os senhores feudais contratavam recitadores, cantores e músicos para divertir a corte. • As cantigas eram compostas, quase sempre, por nobres que se denominavam trovadores, porque praticavam a arte de trovar. • O trovador deveria dizer os seus elogios a uma mulher da nobreza, demonstrando subordinação às damas da corte, que deveriam ser tratadas com cortesia. • As primeiras cantigas portuguesas datam do séc. XII e são ainda escritas em galego- -português. • Diz-se que a primeira foi a Cantiga da Guarvaia, de Paio Soares de Taveirós. LITERATURA
  • 25. Cantiga de amor • As cantigas de amor desenvolviam o tema do sofrimento pelo amor não correspondido e eram divulgados de forma oral. • Neste tipo de cantiga, o trovador destaca todas as qualidades da mulher amada, colocando-se numa posição inferior (de vassalo) a ela. • As cantigas de amor reproduzem o sistema hierárquico na época do feudalismo, pois o trovador espera receber um benefício em troca de seus “serviços” (as trovas, o amor dispensado, sofrimento pelo amor não correspondido).
  • 26. • Este tipo de cantiga teve as suas origens na Península Ibérica. • Nela, o eu-lírico é uma mulher, mas o autor era masculino, devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao conhecimento da época. • A mulher canta o seu amor pelo amigo (amigo = namorado), muitas vezes em ambiente natural, e muitas vezes, também em diálogo com a sua mãe ou as suas amigas. • O sujeito poético é, não apenas mulher, mas a donzela, isto é, uma rapariga solteira, pertencente aos estratos médios do povo. • O poeta serve-se assim deste artifício para exprimir os seus sentimentos pela boca da rapariga. Cantiga de amigo
  • 27. • Trovadores: os poetas cultos que compunham quer as letras, quer as músicas das canções. • Menestréis: músicos-poetas que viviam na casa de um fidalgo, para quem trabalhavam. • Jograis: cantores ambulantes, geralmente de origem popular. • Segréis: trovadores profissionais, muitas vezes nobres caídos em desgraça e que iam de corte em corte na companhia de um jogral animar as festas. OS ARTISTAS DA ÉPOCA MEDIEVAL
  • 28. • Tipo de poesia satírica. Nas cantigas de escárnio a crítica é feita de forma encoberta, sem que o objeto de crítica seja claramente identificado. Nas cantigas de maldizer a vítima da crítica é claramente identificada. • Estes poemas satíricos têm um grande valor documental, visto que nos revelam qual a reação das pessoas face a determinados acontecimentos e situações. • Estas cantigas permitem perceber melhor a sociedade da época e aceder a informações que outros documentos, mais impessoais, não revelam. Cantiga de escárnio e maldizer
  • 29.  Na cantiga de escárnio, o eu-lírico faz uma sátira a alguma pessoa.  Essa sátira era indireta, cheia de duplos sentidos. As cantigas de escárnio (ou "de escarnho", na grafia da época) definem-se como feitas pelos trovadores para dizer mal de alguém, por meio de ambiguidades, trocadilhos e jogos semânticos, num processo que os trovadores chamavam "equívoco", por vezes, bastante mordaz.  Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de maldizer traz uma sátira direta e sem duplos sentidos. É comum a agressão verbal à pessoa satirizada, e muitas vezes, são utilizados até palavrões. O nome da pessoa satirizada pode ou não ser revelado.
  • 30. A CULTURA POPULAR • As manifestações populares da cultura passavam pelos conhecimentos transmitidos oralmente nos locais de convívio como as feiras. Era, no fundo, a tradição oral. • Para estes, as cantigas (principalmente de escárnio e mal dizer) foram fundamentais na transmissão do seu dia-a-dia e na comparação com a vida fácil dos senhores. Destaca-se aqui o papel dos Jograis. • Estas manifestações culturais acabaram por ser fortemente influenciadas pela Igreja e pelas novas Ordens Mendicantes, tais como os Franciscanos e os Dominicanos (que acabaram mesmo por controlar a Inquisição).
  • 31. Clero Povo Cultura religiosa e erudita Nobreza Cultura monástica Cultura cortesã Cultura popular Cultura de transmissão oral Difundida de pais para filhosDifundida nas escolas monásticas e catedralícias para futuros clérigos Difundida por jograis e trovadores Cultura palaciana e de corte Saber ligado à Bíblia e a obras de autores gregos, latinos, árabes e judeus Saber ligado à poesia trovadoresca, romances de cavalaria, crónicas e livros de linhagem Saber ligado à tradição e costumes: provérbios, contos, cantigas, festividades religiosas EM RESUMO:
  • 32. A DECADÊNCIA CULTURAL • Ao longo do séc. XIV, ocorre uma convergência de factos que explicam a designação de trilogia de morte: –A crise agrícola que provoca fomes como a de 1315-1317, a oscilação dos preços, o despovoamento dos campos e o agudizar dos conflitos sociais. –A Peste Negra (1348) e as várias epidemias que assolam o mundo. A população subalimentada não resiste.
  • 33. • As consequências da Peste Negra sobre a mentalidade e a criação artística (e da crise do séc. XIV em geral) foram muitas: • incremento das manifestações de piedade coletiva, de que são exemplo os flagelantes e as peregrinações; • massacre de grupos marginais, tornados «bodes-expiatórios» e acusados de serem responsáveis pelo surto epidémico (os judeus e os leprosos);
  • 34. • reforço das doações à Igreja para efeitos assistenciais, para criação de hospitais e de albergarias; • representação da figura da morte, em esculturas e pinturas, como aviso da sua constante ameaça sobre os vivos; • representação dos defuntos sob a imagem da decomposição do corpo, como advertência para a fragilidade da vida.

Notas do Editor

  1. NOTE: To change the image on this slide, select the picture and delete it. Then click the Pictures icon in the placeholder to insert your own image.