SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 2. O dinamismo civilizacional da
 Europa Ocidental nos séc. XIII a XIV
    Espaços, Poderes e Vivências
Níveis de desempenho
1- Caracterizar sucintamente a diversidade politica da Europa Ocidental entre os séculos
    XI e XIII.

2- Explicar as razões que levaram à emergência do feudalismo.

3- Explicitar as vantagens que a burguesia alcançava com a constituição de comunas.

4- Relacionar as inovações técnicas com a expansão agrária e o crescimento demográfico
    na Idade Média.

5- Estabelecer as relações entre a Igreja de Roma, Bizâncio e o mundo islâmico medieval.

6- Compreender de forma genérica o renascimento do comércio e da economia
    monetária nos séculos XI-XIII.

7- Caracterizar o século XIV.
1. A IDENTIDADE CIVILIZACIONAL
DA EUROPA OCIDENTAL
1. 1. MULTIPLICIDADE DE PODERES

 REINO, IMPÉRIO, SENHORIO
 E COMUNAS
Reinos na Europa

•   Em resultado das invasões bárbaras, a Europa fragmenta-se em pequenos reinos.
•   No inicio do séc. IX existiam já vários territórios chefiados por reis, pertencentes a
    famílias nobres e que se tinham destacado na guerra.

•   Entre o séc. IX e o séc. XIII estes reinos foram sendo sucessivamente alargados em
    área e em importância:
     – Castela

     – Portugal

     – Inglaterra
                                                                                 Pág. 12/14
     – França…
Do governo carolíngio à instabilidade política

                         •   Nos finais do séc. V, a grande
                             força política europeia eram os
                             francos.
                         •   Com        Clóvis,   em   497,
                             converteram-se ao cristianismo
                             e foram desenvolvendo um
                             sistema político que conduziria
                             à dinastia Carolíngia da qual
                             Carlos Magno foi o maior
                             representante.
O império de Carlos Magno

•   Grande expansão territorial: domina os saxões, os ávaros e os lombardos; trava os
    muçulmanos e sustém os bizantinos.
•   Torna-se o grande defensor do Cristianismo.
•   É coroado imperador em 800 e personificou a reconstituição do império romano.
•   Preparou as estruturas feudais, ao reorganizar a administração do seu império:
     – Divisão do território em condados (dirigidos por homens da sua confiança – os
        contes e os duques).
     – Os territórios fronteiriços – marcas – foram entregues a nobres com ampla
        autonomia (marqueses).
•   A todos foi exigido um juramento de fidelidade.
Decadência após Carlos Magno

•   Em troca dos apoios recebidos, os reis carolíngios recompensavam os seus nobres
    com doações a que chamavam benefícios.

•   A acumulação de benefícios levou ao surgir de um número restrito de nobres que
    acumulavam poderes administrativos, judiciais e militares, o que conduz ao
    enfraquecimento do poder central.
•   Para os reis francos, o poder era pessoal, pelo que era transmitido ao filho
    primogénito.

•   O filho de Carlos Magno, Luís o Pio, divide o território pelos seus três herdeiros na
    Partilha de Verdun (843): reino franco para Carlos; a faixa central para Lotário e a
    parte Leste para Luís. Daqui nasceriam três reinos distintos: França, Itália e Alemanha.
A instabilidade

•   As invasões dos séc. VIII a X (muçulmanas, normandas e húngaras) ajudam à
    fragmentação política.
•   Na ausência de uma força organizadora, ocorreu a passagem de poder para as
    forças locais (importância da Capitular de Quiersy-sur-Oise – 877).

•   Com a instabilidade política, aumenta a insegurança e a recessão económica.
•   As estruturas carolíngias marcaram, todavia, o futuro de várias regiões:
     – Inglaterra; a tradição franco normanda de Guilherme, o Conquistador;

     – Portugal: os cavaleiros francos da reconquista;

     – Itália: as conquistas.
O sacro-império germano-romano

•   No séc. X o Imperador Otão I aliou-se ao Papa (como antes dele Carlos Magno o
    havia feito) e da união dos territórios germânicos com os italianos nasceu um
    novo e forte império.
•   O sacro-império procurava ter mais sucesso que Carlos Magno e restaurar o
    antigo império romano.

•   Fracassou em resultado das constantes lutas pelo poder dos senhores e pelas
    disputas com a própria Santa Sé.
•   O chefe do Império Romano do Oriente (sediado em Bizâncio) nunca reconheceu
    o governo germânico como verdadeiro herdeiro dos romanos.            Pág. 16
A instabilidade: o cerco da Europa

•   Desde o séc. VIII que os muçulmanos ocupavam a Península Ibérica. Daqui
    tentavam penetrar na Europa, ameaçando o Sul de França e grande número das
    regiões de Itália.
•   Os Normandos, ou Vikings, povos vindos do Norte da Europa, faziam incursões
    nas costas da Grã-Bretanha. Ao longo dos séc. IX e séc. X, estes invadiram a
    Europa.

•   Do Oriente, descendentes dos antigos Hunos e Ávaros, os Magiares dirigiram-se
    para Ocidente conquistando, matando e destruindo o que encontraram pelo
    caminho.
Consequências do cerco da Europa

•   Perante a ameaça dos novos invasores, a Europa fecha-se dentro das suas
    fronteiras.
•   As rotas comerciais que a ligavam via Mediterrâneo à Palestina, desapareceram.
•   As cidades perdem novamente a sua função, pois ninguém se sente em
    segurança.
•   Há uma fuga desordenada da população urbana para o campo, onde pensa
    encontrar protecção.
•   Face à incapacidade política e administrativa do Império, cresce a autoridade dos
    senhores locais. Estes, aumentam cada vez mais o seu poder à custa do imenso
    caudal humano que junto de si busca guarida.
•   A economia baseia-se agora na agricultura, que torna novamente a ser praticada em
    regime de subsistência.
•   A economia de mercado cede lugar a uma economia natural (agrícola), fechada, de
    troca directa devido à falta de excedentes.
•   A moeda praticamente deixa de circular.
•   A pecuária funciona como complemento à agricultura, actividades principais desta
    época.
•   Os poucos pontos de comércio que subsistem estão ligados principalmente aos
    centros de peregrinação.
•   Às mortes pelas fomes, acrescentam-se as mortes pelas pestes. Verifica-se assim uma
    forte recessão demográfica.
A emergência do feudalismo

•   Perante a falta de mão-de-obra, os grandes proprietários tendem a vincular à
    terra camponeses que, a pouco e pouco, se vão tornando dependentes.
    Reforçam-se as relações de dependência pessoal ou de vassalagem. Estas faziam-
    se através de um acordo especial - o contrato de vassalagem.
•   O Senhor possuía assim um conjunto de vassalos na sua dependência. Estes
    vassalos poderiam ter mais do que um Senhor, prestando homenagem a um
    deles.
•   A esta época da história da Europa, marcada por laços de dependência entre os
    homens e por uma economia marcadamente rural, os historiadores chamam
    FEUDALISMO.
Características do feudalismo

     ASPECTO                  ASPECTO                  ASPECTO                ASPECTO
     POLÍTICO                  SOCIAL                ECONÓMICO               RELIGIOSO
• Descentralização do   • Sociedade     forte-   • Economia de base     • Autoridade     espi-
  poder.                  mente hierarqui-         rural (agrária).       ritual e temporal da
                          zada (Clero, No-                                Igreja.
• Enfraquecimento         breza e Terceiro       • Economia fechada.
  do poder do Estado      Estado).                                      • Insersão da Igreja
  Soberano (e do        • Sociedade domina-      • Economia de sub-       na ordem feudal.
  Rei).                   da por laços de de-      sistência.
                          pendência pessoal:                            • Desenvolvimento
• Ascensão política                              • Decadência     ou      do monaquismo.
  da Nobreza.                 Suserano             quase inexistência
                                                   de comércio.         • Papel    primordial
• Autoridade exer-         Grande Vassalo                                 dos Mosteiros no
  cida de pessoa para                            • Insegurança    das     ensino, assistência
  pessoa.                  Pequeno Vassalo         rotas.                 social e manu-
                                                                          tenção da paz.
As relações feudo-vassálicas

•   Os laços estabeleciam-se num sistema de cadeia: o suserano (o rei, primeiro na
    hierarquia), o Grande Vassalo (os vassi dominici ou vassalos directos do rei) e o
    pequeno vassalo (dependente dos vassi dominici).
As relações feudo-vassálicas

•   Em resultado da anarquia que se instalou na Europa, a pouco e pouco, foram-se
    estabelecendo relações de dependência ou vassalagem entre o rei e os senhores
    e entre estes e os seus vassalos, criando uma rede de dependências e
    solidariedades verticais e de laços de vassalagem       (entre os senhores e os
    suseranos) e laços de suserania (entre o suserano e seus vassalos).
•   A sociedade feudal é uma sociedade hierarquizada. Os homens estão
    subordinados uns aos outros, por laços de dependência. Este conjunto de
    relações de dependência pessoal é o que caracteriza a sociedade feudal.
•   Na época carolíngia, estas práticas acentuaram-se, estabelecendo-se verdadeiros
    laços de independência pessoal firmados na cerimónia de vassalagem.
As relações feudo-vassálicas

•   Estas relações de dependência faziam-se através de um contrato que compreendia as
    seguintes cerimónias:
     – Homenagem: cerimónia de entrega do vassalo ao Senhor, considerando-se seu
        homem e colocando-se na sua dependência;
     – Juramento de fidelidade: cerimónia feita pelos dois, em que juram ser fiéis um ao
        outro(sobre as sagradas escrituras), cumprindo o acordado;
     – Investidura: o Senhor investe o vassalo no cargo que vai ocupar e que pode ser
        transmitido de geração em geração.
•   Este contrato feito entre o vassalo e o senhor era vitalício e implicava deveres e
    obrigações mútuas, em particular de fidelidade, ajuda e conselho.
Dependências senhoriais
Reforço do poder local

•   A apropriação dos direitos de bannus (conjunto de poderes exclusivos do rei e
    que correspondiam ao comando do exército e ao poder de punição dos homens
    livres – justiça) pelos senhores, retirou ao poder central a supremacia da
    jurisdição sobre as terras destes.
•   A imunidade (isenção fiscal e autonomia administrativa e judicial) passa, a partir
    do séc. VIII, para as mãos de alguns senhores nobres e para a Igreja.

•   Este processo de dependências múltiplas conduziu à criação de um sistema
    designado por Homenagem Lígia (ou seja, a fidelidade era devida ao mais
    importante dos senhores, o rei) como forma de proteger o poder central.
Dependências

•   Para além dos laços de dependência entre senhores, existiam ainda os laços de
    família, que constituíam as solidariedades horizontais. As famílias organizavam-se
    em torno das necessidades de constituir um bom feudo, ocupar um bom cargo ou
    obter benefícios importantes.
•   A criação do sistema de herança de linhagem ou agnático (só o filho mais velho,
    varão é que herda), cria uma classe de filhos segundos, cuja sobrevivência passa
    pela incursão na vida religiosa, na cavalaria ou pela criação de laços de
    dependência verticais, contraídos com o membro mais poderoso da família.
Senhorios

•   Na Europa da Alta Idade Média, o cultivo da terra ocupava a maior parte da
    população. Esta terra encontrava-se, na sua maior parte, nas mãos dos grandes
    senhores da Igreja e da Nobreza. A estas terras pertencentes ao senhor,
    chamamos Senhorio ou Domínio Feudal. Segundo os historiadores, o senhorio
    feudal resulta da apropriação dos direitos de bannus e à transformação da
    imunidade.
•   É a base da sociedade da época:
     – Unidade de produção fundamental,
     – Abastece o mercado local e inter-regional;
                                                                         Pág. 13
     – Garante a imposição e fortalecimento das elites.
Senhorios
                                                                        LEGENDA:
                                                                         LEGENDA:


                                                                       . .Castelo do Senhor
                                                                           Castelo do Senhor
•   Este senhorio era constituído por duas partes distintas:
                                                                       . Torreão feudal
     – a reserva - explorada directamente pelo senhor. Cultivada por feudal
                                                             . Torreão servos
                                                                       . .Reserva senhorial
                                                                           Reserva senhorial
        (trabalhadores rurais não livres; sujeitos à terra onde trabalhavam, podiam ser
        vendidos ou doados com ela e só obtém a sua liberdade no séc. XIII) e criados
                                                                  . .Moinho
                                                                     Moinho
        permanentes e pelos camponeses-vassalos sob a forma de trabalho gratuito. A
                                                                  . Floresta
                                                                        . Floresta
        reserva compreendia o castelo, os campos de cultivo do senhor, os prados,
                                                                       . .Aldeia
                                                                           Aldeia
        bosques, o forno, o moinho e o lagar (normalmente era metade da área do
        domínio, correspondendo à zona mais fértil).                   . .Terras arrendadas
                                                                           Terras arrendadas
     – Os mansos - parcelas do senhorio que o senhor concedia aos .camponeses para
                                                                   .Terras baldia
                                                                     Terras baldia
                                                                      . Áreas de arrotea-
        que estes explorassem, em troca de uma parte da produção . sob a forma de
                                                                          Áreas de arrotea-
        rendas e do trabalho gratuito na reserva. Estes mansos podiam mento (dados a
                                                                      ser livres
                                                                       mento
        camponeses livres) ou concedidos a servos ou escravos (mansos servis).
Senhorios

•   Os camponeses livres ou colonos, que exploravam as terras arrendadas encontravam-
        -se na dependência do senhor. Tinham que explorar a terra e guardar parte da
    produção, bem como deviam aos senhores determinadas obrigações:
     – pagamento de rendas pelo aluguer das terras (em géneros);
     – pagamento de peagens (tributo sobre o trânsito de mercadorias que passavam
        pelas terras do senhor);
     – pagamento da talha (para assegurar a protecção do senhor);
     – cumprimento de corveias (trabalho de um certo número de dias por semana na
        reserva do senhor);
     – cumprimento de banalidades (utilização do moinho, forno… do senhor em troca
        da entrega de parte do produto obtido).
Senhorio banal

    O senhor feudal:
•Possuía jurisdição sobre os seus habitantes (direito de banus).
•Exercia todos os domínios senhoriais (justiça, impostos, guerra).
•Tinha, a partir do séc. VIII, imunidade fiscal.
•Detinha grande autonomia.
    Este poder alargou-se progressivamente a outros senhores, conduzindo à divisão dos
senhores feudais em duas categorias:
     – Grandes senhores (com direito de bannus, como condes, príncipes, abades…);
     – Pequenos senhores (fidalgos e monges) sujeitos ao poder banal da justiça, tal
         como os camponeses.
•   A expansão do senhorio banal por todo o Ocidente Europeu permitiu aos seus
    detentores - a aristocracia guerreira e as altas hierarquias da Igreja - tomarem
    virtualmente as rédeas da vida pública.
•   Os senhores constituíram-se como as únicas autoridades administrativas, judiciais
    e fiscais. Deles dependia a sobrevivência material das comunidades rurais, as
    famílias dos cavaleiros sem terra e a pequena nobreza empobrecida.

•   O senhorio agravou a vida das populações que, em resultado do clima de guerras
    constantes e de insegurança, se colocava sob a sua dependência. Os poucos que
    conseguiam resistir eram os habitantes dos núcleos urbanos.
•   As dependências senhoriais pressupunham a criação de uma rede de
    dependências servis (populares) contra as quais cedo se procurou pôr fim:
     – Camponeses que trabalham em regime de subserviência;
     – Criação de associações de vizinhos ou comunas rurais em que os camponeses
        juravam apoio mútuo e se organizavam para uma resistência contra os
        senhores (solidariedades horizontais) detentores dos direitos sobre a cidade;
     – Luta camponesa por documentos escritos que estipulassem os direitos e
        deveres das duas partes (ex. cartas comunais ou cartas de foral);
•   Paralelamente, mantiveram-se as relações entre senhores e camponeses nos
    domínios senhoriais, correspondendo assim a solidariedades verticais.
Comunas

•   A cidade vai-se desenvolvendo e procurando formas de sobreviver fora da
    dependência dos senhores e livre das taxas e impostos como as portagens.
•   As associações comunais desenvolvem-se, obtendo estes vizinhos regalias e
    isenções importantes, que lhes permitiam uma certa autonomia.

•   A carta comunal ou de franquia, que garantia esses mesmos direitos e isenções
    em troca do pagamento de determinadas compensações monetárias foi, em
    muitos casos, conseguida após lutas e violentas disputas.
•   O movimento comunal contribuiu para o enfraquecimento do poder senhorial e
    para o reforço das cidades.                                            Pág. 17
As instituições urbanas

•   Nas regiões alemãs ou italianas desenvolveram-se algumas cidades reorganizadas
    em novos moldes:
     – Governadas por um conselho de burgueses e um corpo de magistrados
        próprios;

     – Eram os seus habitantes quem definia as normas, lançamento e cobrança de
        impostos, aplicação de justiça…
•   Possuíam símbolos da sua autonomia:
     – Palácio comunal com o sino e o relógio;
                                                                          Pág. 19
     – Selo da cidade comunal.
A sociedade medieval

•   A sociedade feudal é uma sociedade hierarquizada e tripartida. Os homens estão
    subordinados uns aos outros, por laços de dependência.

•   Com as invasões normandas, o sistema feudal passa a vigorar em quase toda a
    Europa, atingindo o seu auge nos séc. X e XI.
•   Os senhores constituíram-se como as únicas autoridades administrativas, judiciais
    e fiscais. Deles dependia a sobrevivência material das comunidades rurais, as
    famílias dos cavaleiros sem terra e a pequena nobreza empobrecida.
•   A Igreja justificava a sociedade trinitária: o Clero como representante de Deus, o
    que reza pelos homens; a Nobreza que protege e o povo que trabalha.
1. 1. MULTIPLICIDADE DE PODERES

 A IGREJA: CRENÇA OU PODER
A unidade da crença

•   Após as invasões, a Igreja era, no Ocidente, a única força organizada:
     – Grupo social de grande força e prestígio, possuía vastas propriedades de
        onde retirava grandes riquezas.

     – Detinha um grande número de privilégios reais, isenções fiscais e benefícios
        (tais como um tribunal próprio). O seu prestígio resulta ainda da força que a
        religião detinha neste período de insegurança e instabilidade. A fé da
        população aumenta.
O Bispo de Roma

•   O Bispo de Roma torna-se o líder da comunidade cristã, passando a ser designado
    por Papa:

     – É a instância suprema;

     – Legítimo sucessor de S. Pedro, representa Cristo na terra;

     – Líder espiritual e temporal da cristandade (só ele podia delegar poderes a
        reis e príncipes);
     – Supremo árbitro, é quem reconhece estados, reis e convoca guerras (A
        Guerra Santa);
                                                                           Pág. 20/21
     – Governa em nome de Deus – teocracia papal.
O Bispo de Roma

•   Sacralizou e educou as populações:
     – evangelizou os invasores;

     – Controlou a nobreza guerreira, instituindo a paz de Deus, a Trégua de Deus e
        a instituição da Cavalaria;
     – Sacralizou e ritualizou todos os atos da vida quotidiana (calendário
        organizado com dias santos, integração das festividades pagãs no
        catolicismo…)
     – Criou instituições de caridade e de ensino (escolas monacais e episcopais)…

     – Manteve viva a cultura (monges copistas).
•   A crescente influência espiritual da Igreja durante a Idade Média efectuou-se em
    dois sentidos:

     – estabilizar as instituições feudais;

     – como suavizadora dos costumes e das mentalidades.

•   Desenvolveu-se um novo conceito de paz, que veio a modificar as características
    da própria guerra: a Paz de Deus e a Trégua de Deus. Através dos concílios de Paz
    (reuniões promovidas pelos Bispos em cada distrito), a Igreja procurou refrear a
    violência e estabelecer regras de conduta, normas morais e espirituais a que
    todos se obrigavam por juramento colectivo.
A Igreja Romana

•   O Papa governa em nome de Deus e é o chefe da hierarquia eclesiástica:

     – Clero regular: que vive segundo uma regra (nos Mosteiros) – abades, monges

     – Clero secular: que vive junto à população – padres, bispos e cardeais

•   A área de influência da igreja romana foi sendo sucessivamente alargada, quer
    com a reconquista cristã, com a evangelização do norte da Europa ou com o
    movimento das cruzadas.
•   Apesar de contestada, a autoridade do Papa e da Igreja foi sendo cada vez mais
    reforçada até ao ponto em que se torna a única fonte de poder espiritual e
    temporal.
A Cristandade face a Bizâncio

•   Bizâncio desenvolveu, ao longo da Idade Média, uma florescente civilização que
    seguia os preceitos do Cristianismo, embora a língua oficial fosse o grego e não o
    latim.
•   O império era chefiado por um patriarca que se recusava a seguir o chefe máximo
    da Igreja romana, o Papa.
•   Esta situação conduziu ao Cisma da Cristandade e a criação da Igreja Ortodoxa.

•   Esta igreja expandiu-se para a Rússia e nunca mais se fundiu com a Igreja Cristã
    Romana, mesmo em épocas em que a luta era com os mesmos inimigos.
                                                                             Pág. 23
O ocidente face ao Islão

•   Em finais do séc. VII, inícios do séc. VIII, os muçulmanos, povos islamitas vindos da
    África e da Arábia, iniciaram um movimento de Guerra Santa.
•   Neste processo de Guerra Santa surge uma civilização que domina todo o Médio e
    Próximo Oriente.
•   As causas principais da sua instalação na Península foram:

     – a proximidade a que ficaram após a conquista do Norte de África (que ocorre
        relativamente rápido. 640 a 700),
     – a situação de crise vivida nesta altura. Nos finais do séc. VII, o peso crescente
        da aristocracia fundiária (detentora de terras) pôs em causa a própria
        monarquia visigoda.
•   Islão significa submissão a Deus.     Surge ligada a Maomé, profeta árabe que

    inscreveu os cinco pilares desta nova fé:

     – Crença em Alá, deus único;

     – Peregrinação a Meca (cidade natal do profeta) pelo menos uma vez na vida);

     – Oração;

     – Esmola;

     – Jejum durante o Ramadão.
                                                                           Pág. 25
•   Civilização florescente e avançada, introduziu na Europa conhecimentos
    como o do fabrico do papel, da pólvora ou a indústria dos tapetes.
•   Foi responsável pela introdução de grandes avanços tecnológicos,
    fundamentais para a evolução agrícola da península, tais como a picota ou
    a charrua.
•   A sua fé e a procura de expansão pela força levaram ao desenvolvimento
    de uma política de resposta, que se formalizou nas cruzadas iniciadas no
    final do séc. XI, sob influência de Urbano II (oito no total).
                                                                         Pág. 26
1. 2. O QUADRO ECONÓMICO E
DEMOGRÁFICO


 RESSURGIMENTO ECONÓMICO
O ocidente em recuperação

•   O ressurgimento económico dos séculos XI a XII permitiu uma reanimação dos
    burgos e o reaparecimento das cidades.

•   Operam-se agora grandes mudanças a nível económico e social:
     – O êxodo rural (muitos colonos e servos abandonam as terras em direcção às
        cidades, onde deixavam de estar sob a dependência do senhor),
     – A produção de excedentes agrícolas para vender nas cidades,

     – O desenvolvimento da produção artesanal, baseada na matéria-prima vinda
        dos campos,
     – A diversificação de culturas e o desenvolvimento da pecuária.
•   A partir de meados do séc. XI surgem sinais evidentes de uma renovação
    económica, política e social. Vários fatores são responsáveis por um novo quadro
    económico-social :

     – O ambiente de paz resultante do recuo dos povos invasores, bem como o
        acalmar das guerras privadas, graças à ação estabilizadora da Igreja.
     – A melhoria das condições climáticas. O clima tornou-se mais ameno,
        favorecendo assim as atividades agrícolas (aumento na produção).
     – O retrocesso das fomes e pestes, permitindo assim o aumento da taxa de
        natalidade e consequente aumento demográfico.
– A esperança média de vida torna-se maior, devido a todos os novos fatores.

– Os progressos técnicos que se fizeram sentir a nível da agricultura e dos
  transportes:
    • os instrumentos passam a ser fabricados em ferro, uma vez que agora
       que se vivia em paz, já não era tão necessário para a construção de
       armas;
    • inventam-se os processos que visavam facilitar a tração animal e, por
       isso, o próprio aproveitamento da terra e a rapidez dos transportes: a
       atrelagem em fila, a ferradura, a coelheira, a charrua.
                                                                      Pág. 30
O desenvolvimento agrícola

– Implementam-se progressos que conduzem ao incremento e expansão da
  produção agrícola:
– novos sistemas de cultivo (a terra passa a ser mais bem aproveitada,
  passando-se a utilizar a técnica do pousio ou o sistema de afolhamento
  trienal; divulgou-se o uso do estrume para aumentar a fertilidade da terra,
  devido a uma maior criação de gado);

– alargamento das áreas cultivadas (arroteamentos, drenagens e secagens de
  pântanos…).

                                                                     Pág. 28/29
O desenvolvimento económico

– Incentiva-se a construção de canais de irrigação, de moinhos de água e
  vento…

– O uso da bússola, da vela triangular e das cartas de marear, permitem o
  transporte de maior tonelagem de mercadorias, com maior rapidez e
  segurança.
– Aumenta a circulação de pessoas e bens.

– Recuperam-se as vias de comunicação e reestruturam-se os portos
  comerciais.
– Desenvolvem-se novas técnicas e associações comerciais.        Pág. 35
O renascimento das cidades

•   A reanimação dos antigos burgos favoreceu o aparecimento de novas cidades e a
    reanimação de antigos centros urbanos.
•   As cidades encontravam-se definidas e delimitadas por uma cinta protectora: a
    muralha.

•   O espaço urbano era irregular, uma vez que resultava de sucessivos acrescentos.
O renascimento das cidades

•   A cidade dispunha de um centro onde se
    localizava um edifício religiosos e uma praça
    onde     se     agrupavam     os     edifícios
    administrativos e o mercado. Daqui partiam
    as   ruas     mais   importantes.   As   ruas
    secundárias (lugares de passagem) ligavam
    as ruas principais (destinadas ao tráfego,
    comércio e festejos da cidade) entre si, de
    uma forma labiríntica e mesmo tortuosa
    (sistema radioconcêntrico).
                                                       Pág. 31
As cidades

•   Nos bairros centrais da cidade habitavam os mais ricos e importantes, ao passo
    que os pobres viviam em zonas mais afastadas da cidade.

•   A cidade era ainda composta pelos arrabaldes e pelo termo. Os primeiros eram os
    bairros fora das muralhas, destinados aqueles que a cidade marginalizava (como
    os árabes - mourarias). O termo era o conjunto dos campos agrícolas que
    rodeavam a cidade e que a abasteciam, em troca de certos privilégios:
     – a protecção em caso de guerra,

     – a isenção de portagens à entrada da cidade,

     – a isenção ou redução fiscal nas mercadorias vendidas na cidade.
                                                                            Pág. 33
Desenvolvimento comercial

•   Devido à melhoria das condições de vida e a todos os progressos que se
    verificaram na agricultura, na técnica e a nível de transportes, as populações
    sentem-se mais seguras, torna-se mais fácil a comunicação entre as várias
    regiões.
•    A Europa que se encontrava fechada sobre si mesma desde as invasões que
    conduziram ao Cerco da Europa, reabriu-se ao comércio internacional.
Desenvolvimento comercial

•   A uma economia natural (agrícola) sucede uma florescente economia monetária
    que o Ocidente desconhecia desde os tempos do Império Romano.
•   A produção agrícola aumenta e criam-se os excedentes necessários para a
    actividade comercial. Abandona-se a economia de subsistência e regressa-se a
    uma economia de mercado.
Feiras e mercados

•   A cidade, habituada às trocas comerciais que estabelecia com o seu termo
    (mercado local), enceta agora trocas com regiões vizinhas e mesmo longínquas,
    desenvolvendo o comércio e possibilitando o aparecimento das feiras.

•   É a criação das feiras que vai dinamizar a atividade comercial.
•   As feiras eram fundadas por reis e senhores, através da CARTA DE FEIRA. Nestes
    documentos fixavam-se os direitos e obrigações dos feirantes, protegendo-os de
    assaltos ou ataques (PAZ DE FEIRA) e/ou isentando-os de impostos (FEIRAS
    FRANCAS).
•   As feiras representam a possibilidade de vender as produções agrícolas locais e o
    abastecimento de produção necessária, mas inexistente na região.

•   Possuíam importantes privilégios:
     – aplicação de penas pesadas a quem perturbasse a paz e a ordem no local da feira;

     – concessão de proteção do príncipe territorial a quem fosse à feira;

     – criação de um corpo de intervenção policial designado por “guardas da feira”;

     – concessão de diversos privilégios a quem frequentasse as feiras (forma de atrair mais
        participantes). D. Dinis, em Portugal, cria as “Feiras Francas”, feiras com isenção de
        impostos e a suspensão de mandatos judiciais que pendessem sobre os mercadores,
        durante a duração da feira.
•   As feiras eram:

     – 1. Lugares de transação de comércio - centros de tráfico;

     – 2. Lugares de cobrança de impostos: sobre a circulação das mercadorias
        (portagens e peagens); sobre as transações (sisa e dízima); sobre o aluguer de
        lojas, licença de vendas; penas pecuniárias sobre delitos cometidos na feira.
     – 3. Lugares de fortalecimento do poder real,

     – 4. Lugares de desenvolvimento de normas jurídicas (ex. Carta e Paz de Feira),

     – 5. Lugares de desenvolvimento de crédito comercial e bancário,

     – 6. Lugares de aproximação entre os povos - expansão da sociabilidade.
Grandes rotas do comércio externo

•   É a criação das feiras que vai dinamizar a actividade comercial. O
    desenvolvimento destas, transformou as cidades ou regiões onde se verificavam
    em grandes mercados internacionais permanentes. Surgem as chamadas
    “Regiões de Vanguarda”, verdadeiros pólos de desenvolvimento económico.

•   Os principais pólos comerciais desta época são:
     – Países Baixos,

     – Liga Hansiática;

     – Norte de Itália;

     – Feiras da Champanhe.                                            Pág. 36
Flandres /Países Baixos

•   Com origem no desenvolvimento económico que a região experimentou durante
    o Império Carolíngio.

•   Destacam-se as cidades de Bruges, Antuérpia, Yprés e Gand, focos de
    desenvolvimento têxtil.
•   Impulsiona-se um comércio ativo com a Inglaterra (fornecedora de lã), com a
    França (fornecedora de trigo e vinho), com a Itália (portadora dos produtos
    vindos do Oriente), com as costas atlânticas de Portugal e Espanha (fornecedoras
    de sal e peixe seco).
•   Bruges torna-se o local mais cosmopolita.                               Pág. 37
Liga Hansiática

•   Associação de mercadores de cidades germânicas como Lubeque, Hamburgo ou
    Dantzig, também conhecida como Hansa Teutónica.

•   Esta associação põe em contacto comercial as cidades do Norte europeu, desde
    as cidades inglesas, à Alemanha, países escandinavos e até à Rússia.
•   Comercializam alimentos (trigo, peixe seco e carne) e matérias-primas (madeira,
    peles e gorduras).
•   Responsáveis pelas trocas comerciais entre o Norte e o Sul da Europa, revelaram
    conhecimentos fundamentais para a prática do comércio que iriam conduzir a um
    grande desenvolvimento desta região.                                   Pág. 38
Norte de Itália

•   Herdeira da tradição romana de vida urbana.

•   Até ao séc. XVI as cidades do norte de Itália irão dominar o Mediterrâneo.
•   As cidades italianas constituíam pequenos estados autónomos e rivais entre si, o
    que desperta a vontade de vencer e superar os seus vizinhos.
•   Constituído em torno das cidades de Veneza, Génova, Florença, Piza, Ferrara…
    principais fornecedores ao Ocidente dos têxteis de luxo, metais preciosos e
    especiarias, produto em que realmente assentava o seu poderio.
•   Cidades prósperas, foram as primeiras a relançar a cunhagem da moeda após o
    clima do cerco da Europa.                                                    Pág. 39
Feiras da Champagne

•   Localizadas no cruzamento das rotas que ligavam os Países Baixos ao Norte de
    Itália.

•   Desenvolvem-se devido à sua boa localização geográfica, na interseção das
    principais rotas terrestres.
•   Tendo em conta que, nesta época, o comércio era realizado por mercadores
    viajantes, que faziam as suas trocas principais nas feiras de toda a Europa, não é
    de estranhar o desenvolvimento desta área.
•   Alternando entre si durante os meses do ano, constituíram um espaço
    permanente de animação comercial e financeira.
                                                                             Pág. 41
Em resumo:
                Onde?           Produtos Produzidos       Regiões c/ que comercializam    Produtos que entram no circuito


                                                             Inglaterra e Escócia                     Lã
              Noroeste
                                                                Báltico (Hansa)           Peles, cera e madeira, …
 Flandres     Europeu        Indústria de Lanifícios
                                                               Cidades Italianas             Especiarias, Ouro
              (Bruges)
                                                              Península Ibérica                  Sal, Azeite

                                                               Rússia, Noruega            Cereais, peles, madeira…
              Norte da                 ---                          França                       Vinho e Sal
   Liga
             Alemanha e       Controlavam todas as                Inglaterra                          Lã
Hanseática
               Báltico      trocas no Báltico e Norte           Mediterrâneo                        Azeite
                                                                   Flandres                        Tecidos

                                                                 Ásia Menor
Cidades do    Veneza        Indústria têxtil e do vidro
                                                                     Síria                  Especiarias, Tecidos,
 Norte de     Génova         Dominavam o comércio
                                                                    Egito                Pérolas, Pedras Preciosas,…
   Itália      Pisa…         cristão do Mediterrânio
                                                                   Europa

             A norte da
                                                              Nelas paravam os
 Feiras de   Liga e a sul
                                        ---                 comerciantes do Norte         Todo o tipo de produtos
Champagne    das cidades
                                                          flamengo e do Sul Italiano
              Italianas
                                                                                                           Pág. 37/41
Novas práticas financeiras

•   A introdução dos sistemas de crédito ficou a dever-se a alguns factores:

     – o risco e dificuldade do transporte de espécies monetárias;

     – a insuficiência de moeda metálica.

•   Instrumentos de crédito utilizados:
     – LETRA DE FEIRA;

     – LETRA DE CÂMBIO (ou carta de pagamento);

     – CHEQUE.

•   A diversidade das espécies monetárias em circulação fez surgir a classe dos
    banqueiros ou cambistas, actividade que permitia um grande enriquecimento.
                                                                               Pág. 42
Formas de associação

•   Com o desenvolvimento comercial, surge a necessidade de obter mais fundos para
    custear as expedições. Assim, surgem novas formas de associação, de onde se
    destacam:
     – Colleganzas e Societas Maris – um sócio investia 2/3 do total e o mercador assumia o
         restante encargo e ocupava-se do negócio, mas apenas numa viagem;
     – Comendas – o sócio investidor financiava em 100% o negócio, recebendo 75% dos
         lucros finais.
     – Companhias – normalmente com capitais de membros de uma mesma família, que
         investia em todas as atividades: comerciais, industriais e bancárias).
     –   Guildas – associações de mercadores de uma cidade.
     – Hansas – associações de cidades mercantis.
A fragilidade demográfica

•   A esperança média de vida não ultrapassa os 30 anos;

•   Apesar das melhorias na agricultura, o esgotamento dos solos leva a novos

    períodos de carência alimentar;

•   O clima arrefece, prejudicando as colheitas;
•   A paragem dos arroteamentos que se verifica já desde finais do séc. XIII associada
    ao baixo rendimento das sementeiras agravam a carência alimentar.
•   A mortalidade era elevada, principalmente nas crianças e mulheres em idade
    fértil;

•   A população para de crescer.                                              Pág. 43
Uma nova conjuntura

•   O séc. XIV corresponde a um período de estagnação e, em alguns casos, mesmo

    de retrocesso. São vários os sinais que apontam para uma conjuntura de crise

    económica e social:

     – o comércio exterior estagna;

     – a colonização alemã em direção ao Leste para;

     – a indústria têxtil da Flandres não consegue manter os seus níveis;

     – em Itália a maioria dos grandes bancos entram em colapso financeiro;

     – as Feiras de Champagne decaem e perdem toda a sua importância…
Fomes, pestes e guerras

•   Ao longo do séc. XIV, ocorre uma confluência de factos que explicam a
    designação de trilogia de morte:
     – A crise agrícola que provoca fomes como a de 1315-1317, a oscilação dos
        preços, o despovoamento dos campos e o agudizar dos conflitos sociais.
     – A Peste Negra (1348) e as várias epidemias que assolam o mundo. A
        população subalimentada não resiste.




                                                                           Pág. 44
Fomes, pestes e guerras

       – As guerras que tornam ainda mais
          negro o quadro económico e
          social, quer pelas mortes que
          provocam, quer pelas pilhagens e
          devastações.
  •   A agravar todo este quadro, as
      tensões, desordens sociais e revoltas
      provocadas pelo sentimento de mal-
      estar generalizado.

                                   Pág. 44/47
Consequências da crise

•   A ruína e abandono dos campos - muitos senhores e camponeses morreram,
    deixando as suas terras sem semear. Os bosques e pântanos alargam a sua área.
    A população rural, que vive numa constante insegurança, inicia uma fuga
    desordenada para as cidades, onde procuravam obter uma vida melhor.
•   Torna-se necessário manter os camponeses na terra, para desenvolver
    novamente a agricultura. É então que em vários países surgem medidas reais,
    como é o caso da Lei das Sesmarias de D. Fernando em Portugal. A rarefação da
    mão-de-obra provocou o aumento dos salários, o que leva ao tabelamento do
    índice de pagamentos - D. Afonso IV e as Leis do Trabalho e as Posturas
    Municipais.
Consequências da crise

•   A quebra dos rendimentos senhoriais - Os senhores reagem contra a decadência
    dos seus rendimentos de formas variadas, mas sempre com vista compensar as
    perdas e adaptar a economia às novas exigências do mercado:
     – endurecimento das cargas fiscais;

     – a busca de novas formas de exploração da terra (cedem parte das suas
        propriedades a camponeses que assumiam por si próprios a administração
        em forma de aluguer ou arrendamento);

     – a especialização agrária (orientam a sua produção para formas mais
        remuneratórias como a madeira, a lã, a carne, o linho…).
Consequências da crise

•   As revoltas sociais -   A Europa é palco de uma série de levantamentos
    revolucionários. As sublevações acontecem mais ou menos por toda a parte,
    suscitadas pelos aumentos das taxas senhoriais.
•   As desordens sociais e o bandoleirismo organizado - a quebra dos valores
    familiares e tradicionais aparece como uma das consequências mais salientes da
    crise, aumentando o roubo e a pilhagem. Ao lado das revoltas camponesas
    baseadas na necessidade de reivindicar melhorias sociais, o bandoleirismo
    organizado desenvolveu-se nesta época. As aldeias e os mercadores,
    principalmente, sofriam o terror dos seus ataques.
Consequências da crise

•   A crise monetária - Todos estes elementos contribuíam para o desequilíbrio das
    estruturas económicas. Como os compradores são menos, os tráfegos reduzem-
    se, os preços tendem a baixar e os salários sobem. A tendência é multiplicar a
    moeda, modificando para isso a relação entre a moeda real e a nominal. Estas
    manipulações permitem resolver os problemas monetários, mas de forma
    temporária.
•   As desvalorizações são constantes. A prática das desvalorizações consistia em
    recolher a moeda corrente, refundi-la aumentando a liga e reduzindo o metal
    precioso e cunha-la de novo como o mesmo valor facial da anterior.
Consequências mentais

•   As crises constantes do século XIV exerceram grande influência na mentalidade
    das populações da época, modificando os comportamentos: surgem os
    movimentos de penitência (como forma de alcançar a vida eterna); as
    manifestações coletivas de piedade...
•   Muitos aproveitavam para gozar a vida, abandonando o trabalho e a família.
                                  •   Em várias regiões europeias reaparecem os
                                      Flagelantes, penitentes que procuravam a
                                      salvação coletiva e individual. Sobreviviam
                                      subalimentados, carregados de chagas e
                                      feridas resultantes da sua mutilação pública.
Medidas para solucionar a crise

    Em Portugal:
•   D. Afonso IV publica a Circular de 1349 (pág. 51):

    - Obrigatoriedade de todos os que antes da peste trabalhavam por conta de outros
    que continuassem a fazê-lo, ainda que tivessem recebido heranças.

    - Tabelamento de salários para combater o excessivo aumento dos mesmos, quer
    para a agricultura, quer para a criação e animais.

    - Impedimento de mobilidade da mão de obra.
•   D. Pedro I publica as Posturas Municipais (1361):

    - Tabelamento de Salários e seu cumprimento.

•   D. Fernando publica a Lei das Sesmarias – 1375 (pág. 1375):

    - Obrigatoriedade de cultivo da terra sob pena de expropriação,

    - Obrigatoriedade de os filhos e netos de lavradores continuarem na mesma
    profissão,

    - Tabelamento dos salários,
    -Obrigatoriedade dos lavradores possuírem gado com moderação,

    -Coação dos mendigos e dos vagabundos ao trabalho rural.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
Isidro Santos
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
Profernanda
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
Fatima Freitas
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
Ana Barreiros
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
Carla Freitas
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Pinheiro
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
Carla Freitas
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais procurados (20)

02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 

Destaque

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Eduardo Sousa
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
cattonia
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
cattonia
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Nelson Faustino
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorial
jorgina8
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
cattonia
 
Renascimento (2)
Renascimento (2)Renascimento (2)
Renascimento (2)
cattonia
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
cattonia
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
Maria Gomes
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
A crise de 1969
A crise de 1969A crise de 1969
A crise de 1969
cattonia
 
A sociedade industrial e urbana 8º
A sociedade industrial e urbana 8ºA sociedade industrial e urbana 8º
A sociedade industrial e urbana 8º
cattonia
 
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoOs Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Edenilson Morais
 
Breve evolução da Democracia
Breve evolução da DemocraciaBreve evolução da Democracia
Breve evolução da Democracia
cattonia
 

Destaque (20)

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorial
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento (2)
Renascimento (2)Renascimento (2)
Renascimento (2)
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
A crise de 1969
A crise de 1969A crise de 1969
A crise de 1969
 
A sociedade industrial e urbana 8º
A sociedade industrial e urbana 8ºA sociedade industrial e urbana 8º
A sociedade industrial e urbana 8º
 
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoOs Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
 
Breve evolução da Democracia
Breve evolução da DemocraciaBreve evolução da Democracia
Breve evolução da Democracia
 

Semelhante a Feudalismo e crise

1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
04 alta idade média
04   alta idade média04   alta idade média
04 alta idade média
Guilherme Albuquerque
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
cattonia
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
Marcus Vinicius Barbosa Silva
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Marilia Pimentel
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
Jonatas Carlos
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
Izaac Erder
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
Izaac Erder
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
O feudalismo
O feudalismoO feudalismo
O feudalismo
Isaquel Silva
 
História medieval francos, bizantinos
História medieval   francos, bizantinosHistória medieval   francos, bizantinos
História medieval francos, bizantinos
pmarisa
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 

Semelhante a Feudalismo e crise (20)

1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
04 alta idade média
04   alta idade média04   alta idade média
04 alta idade média
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
O feudalismo
O feudalismoO feudalismo
O feudalismo
 
História medieval francos, bizantinos
História medieval   francos, bizantinosHistória medieval   francos, bizantinos
História medieval francos, bizantinos
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 
Apos a guerra fria
Apos a guerra friaApos a guerra fria
Apos a guerra fria
 

Último

Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Feudalismo e crise

  • 1. Módulo 2. O dinamismo civilizacional da Europa Ocidental nos séc. XIII a XIV Espaços, Poderes e Vivências
  • 2. Níveis de desempenho 1- Caracterizar sucintamente a diversidade politica da Europa Ocidental entre os séculos XI e XIII. 2- Explicar as razões que levaram à emergência do feudalismo. 3- Explicitar as vantagens que a burguesia alcançava com a constituição de comunas. 4- Relacionar as inovações técnicas com a expansão agrária e o crescimento demográfico na Idade Média. 5- Estabelecer as relações entre a Igreja de Roma, Bizâncio e o mundo islâmico medieval. 6- Compreender de forma genérica o renascimento do comércio e da economia monetária nos séculos XI-XIII. 7- Caracterizar o século XIV.
  • 3. 1. A IDENTIDADE CIVILIZACIONAL DA EUROPA OCIDENTAL
  • 4. 1. 1. MULTIPLICIDADE DE PODERES REINO, IMPÉRIO, SENHORIO E COMUNAS
  • 5. Reinos na Europa • Em resultado das invasões bárbaras, a Europa fragmenta-se em pequenos reinos. • No inicio do séc. IX existiam já vários territórios chefiados por reis, pertencentes a famílias nobres e que se tinham destacado na guerra. • Entre o séc. IX e o séc. XIII estes reinos foram sendo sucessivamente alargados em área e em importância: – Castela – Portugal – Inglaterra Pág. 12/14 – França…
  • 6. Do governo carolíngio à instabilidade política • Nos finais do séc. V, a grande força política europeia eram os francos. • Com Clóvis, em 497, converteram-se ao cristianismo e foram desenvolvendo um sistema político que conduziria à dinastia Carolíngia da qual Carlos Magno foi o maior representante.
  • 7. O império de Carlos Magno • Grande expansão territorial: domina os saxões, os ávaros e os lombardos; trava os muçulmanos e sustém os bizantinos. • Torna-se o grande defensor do Cristianismo. • É coroado imperador em 800 e personificou a reconstituição do império romano. • Preparou as estruturas feudais, ao reorganizar a administração do seu império: – Divisão do território em condados (dirigidos por homens da sua confiança – os contes e os duques). – Os territórios fronteiriços – marcas – foram entregues a nobres com ampla autonomia (marqueses). • A todos foi exigido um juramento de fidelidade.
  • 8. Decadência após Carlos Magno • Em troca dos apoios recebidos, os reis carolíngios recompensavam os seus nobres com doações a que chamavam benefícios. • A acumulação de benefícios levou ao surgir de um número restrito de nobres que acumulavam poderes administrativos, judiciais e militares, o que conduz ao enfraquecimento do poder central. • Para os reis francos, o poder era pessoal, pelo que era transmitido ao filho primogénito. • O filho de Carlos Magno, Luís o Pio, divide o território pelos seus três herdeiros na Partilha de Verdun (843): reino franco para Carlos; a faixa central para Lotário e a parte Leste para Luís. Daqui nasceriam três reinos distintos: França, Itália e Alemanha.
  • 9. A instabilidade • As invasões dos séc. VIII a X (muçulmanas, normandas e húngaras) ajudam à fragmentação política. • Na ausência de uma força organizadora, ocorreu a passagem de poder para as forças locais (importância da Capitular de Quiersy-sur-Oise – 877). • Com a instabilidade política, aumenta a insegurança e a recessão económica. • As estruturas carolíngias marcaram, todavia, o futuro de várias regiões: – Inglaterra; a tradição franco normanda de Guilherme, o Conquistador; – Portugal: os cavaleiros francos da reconquista; – Itália: as conquistas.
  • 10. O sacro-império germano-romano • No séc. X o Imperador Otão I aliou-se ao Papa (como antes dele Carlos Magno o havia feito) e da união dos territórios germânicos com os italianos nasceu um novo e forte império. • O sacro-império procurava ter mais sucesso que Carlos Magno e restaurar o antigo império romano. • Fracassou em resultado das constantes lutas pelo poder dos senhores e pelas disputas com a própria Santa Sé. • O chefe do Império Romano do Oriente (sediado em Bizâncio) nunca reconheceu o governo germânico como verdadeiro herdeiro dos romanos. Pág. 16
  • 11. A instabilidade: o cerco da Europa • Desde o séc. VIII que os muçulmanos ocupavam a Península Ibérica. Daqui tentavam penetrar na Europa, ameaçando o Sul de França e grande número das regiões de Itália. • Os Normandos, ou Vikings, povos vindos do Norte da Europa, faziam incursões nas costas da Grã-Bretanha. Ao longo dos séc. IX e séc. X, estes invadiram a Europa. • Do Oriente, descendentes dos antigos Hunos e Ávaros, os Magiares dirigiram-se para Ocidente conquistando, matando e destruindo o que encontraram pelo caminho.
  • 12. Consequências do cerco da Europa • Perante a ameaça dos novos invasores, a Europa fecha-se dentro das suas fronteiras. • As rotas comerciais que a ligavam via Mediterrâneo à Palestina, desapareceram. • As cidades perdem novamente a sua função, pois ninguém se sente em segurança. • Há uma fuga desordenada da população urbana para o campo, onde pensa encontrar protecção. • Face à incapacidade política e administrativa do Império, cresce a autoridade dos senhores locais. Estes, aumentam cada vez mais o seu poder à custa do imenso caudal humano que junto de si busca guarida.
  • 13. A economia baseia-se agora na agricultura, que torna novamente a ser praticada em regime de subsistência. • A economia de mercado cede lugar a uma economia natural (agrícola), fechada, de troca directa devido à falta de excedentes. • A moeda praticamente deixa de circular. • A pecuária funciona como complemento à agricultura, actividades principais desta época. • Os poucos pontos de comércio que subsistem estão ligados principalmente aos centros de peregrinação. • Às mortes pelas fomes, acrescentam-se as mortes pelas pestes. Verifica-se assim uma forte recessão demográfica.
  • 14. A emergência do feudalismo • Perante a falta de mão-de-obra, os grandes proprietários tendem a vincular à terra camponeses que, a pouco e pouco, se vão tornando dependentes. Reforçam-se as relações de dependência pessoal ou de vassalagem. Estas faziam- se através de um acordo especial - o contrato de vassalagem. • O Senhor possuía assim um conjunto de vassalos na sua dependência. Estes vassalos poderiam ter mais do que um Senhor, prestando homenagem a um deles. • A esta época da história da Europa, marcada por laços de dependência entre os homens e por uma economia marcadamente rural, os historiadores chamam FEUDALISMO.
  • 15. Características do feudalismo ASPECTO ASPECTO ASPECTO ASPECTO POLÍTICO SOCIAL ECONÓMICO RELIGIOSO • Descentralização do • Sociedade forte- • Economia de base • Autoridade espi- poder. mente hierarqui- rural (agrária). ritual e temporal da zada (Clero, No- Igreja. • Enfraquecimento breza e Terceiro • Economia fechada. do poder do Estado Estado). • Insersão da Igreja Soberano (e do • Sociedade domina- • Economia de sub- na ordem feudal. Rei). da por laços de de- sistência. pendência pessoal: • Desenvolvimento • Ascensão política • Decadência ou do monaquismo. da Nobreza. Suserano quase inexistência de comércio. • Papel primordial • Autoridade exer- Grande Vassalo dos Mosteiros no cida de pessoa para • Insegurança das ensino, assistência pessoa. Pequeno Vassalo rotas. social e manu- tenção da paz.
  • 16. As relações feudo-vassálicas • Os laços estabeleciam-se num sistema de cadeia: o suserano (o rei, primeiro na hierarquia), o Grande Vassalo (os vassi dominici ou vassalos directos do rei) e o pequeno vassalo (dependente dos vassi dominici).
  • 17. As relações feudo-vassálicas • Em resultado da anarquia que se instalou na Europa, a pouco e pouco, foram-se estabelecendo relações de dependência ou vassalagem entre o rei e os senhores e entre estes e os seus vassalos, criando uma rede de dependências e solidariedades verticais e de laços de vassalagem (entre os senhores e os suseranos) e laços de suserania (entre o suserano e seus vassalos). • A sociedade feudal é uma sociedade hierarquizada. Os homens estão subordinados uns aos outros, por laços de dependência. Este conjunto de relações de dependência pessoal é o que caracteriza a sociedade feudal. • Na época carolíngia, estas práticas acentuaram-se, estabelecendo-se verdadeiros laços de independência pessoal firmados na cerimónia de vassalagem.
  • 18. As relações feudo-vassálicas • Estas relações de dependência faziam-se através de um contrato que compreendia as seguintes cerimónias: – Homenagem: cerimónia de entrega do vassalo ao Senhor, considerando-se seu homem e colocando-se na sua dependência; – Juramento de fidelidade: cerimónia feita pelos dois, em que juram ser fiéis um ao outro(sobre as sagradas escrituras), cumprindo o acordado; – Investidura: o Senhor investe o vassalo no cargo que vai ocupar e que pode ser transmitido de geração em geração. • Este contrato feito entre o vassalo e o senhor era vitalício e implicava deveres e obrigações mútuas, em particular de fidelidade, ajuda e conselho.
  • 20. Reforço do poder local • A apropriação dos direitos de bannus (conjunto de poderes exclusivos do rei e que correspondiam ao comando do exército e ao poder de punição dos homens livres – justiça) pelos senhores, retirou ao poder central a supremacia da jurisdição sobre as terras destes. • A imunidade (isenção fiscal e autonomia administrativa e judicial) passa, a partir do séc. VIII, para as mãos de alguns senhores nobres e para a Igreja. • Este processo de dependências múltiplas conduziu à criação de um sistema designado por Homenagem Lígia (ou seja, a fidelidade era devida ao mais importante dos senhores, o rei) como forma de proteger o poder central.
  • 21. Dependências • Para além dos laços de dependência entre senhores, existiam ainda os laços de família, que constituíam as solidariedades horizontais. As famílias organizavam-se em torno das necessidades de constituir um bom feudo, ocupar um bom cargo ou obter benefícios importantes. • A criação do sistema de herança de linhagem ou agnático (só o filho mais velho, varão é que herda), cria uma classe de filhos segundos, cuja sobrevivência passa pela incursão na vida religiosa, na cavalaria ou pela criação de laços de dependência verticais, contraídos com o membro mais poderoso da família.
  • 22. Senhorios • Na Europa da Alta Idade Média, o cultivo da terra ocupava a maior parte da população. Esta terra encontrava-se, na sua maior parte, nas mãos dos grandes senhores da Igreja e da Nobreza. A estas terras pertencentes ao senhor, chamamos Senhorio ou Domínio Feudal. Segundo os historiadores, o senhorio feudal resulta da apropriação dos direitos de bannus e à transformação da imunidade. • É a base da sociedade da época: – Unidade de produção fundamental, – Abastece o mercado local e inter-regional; Pág. 13 – Garante a imposição e fortalecimento das elites.
  • 23. Senhorios LEGENDA: LEGENDA: . .Castelo do Senhor Castelo do Senhor • Este senhorio era constituído por duas partes distintas: . Torreão feudal – a reserva - explorada directamente pelo senhor. Cultivada por feudal . Torreão servos . .Reserva senhorial Reserva senhorial (trabalhadores rurais não livres; sujeitos à terra onde trabalhavam, podiam ser vendidos ou doados com ela e só obtém a sua liberdade no séc. XIII) e criados . .Moinho Moinho permanentes e pelos camponeses-vassalos sob a forma de trabalho gratuito. A . Floresta . Floresta reserva compreendia o castelo, os campos de cultivo do senhor, os prados, . .Aldeia Aldeia bosques, o forno, o moinho e o lagar (normalmente era metade da área do domínio, correspondendo à zona mais fértil). . .Terras arrendadas Terras arrendadas – Os mansos - parcelas do senhorio que o senhor concedia aos .camponeses para .Terras baldia Terras baldia . Áreas de arrotea- que estes explorassem, em troca de uma parte da produção . sob a forma de Áreas de arrotea- rendas e do trabalho gratuito na reserva. Estes mansos podiam mento (dados a ser livres mento camponeses livres) ou concedidos a servos ou escravos (mansos servis).
  • 24. Senhorios • Os camponeses livres ou colonos, que exploravam as terras arrendadas encontravam- -se na dependência do senhor. Tinham que explorar a terra e guardar parte da produção, bem como deviam aos senhores determinadas obrigações: – pagamento de rendas pelo aluguer das terras (em géneros); – pagamento de peagens (tributo sobre o trânsito de mercadorias que passavam pelas terras do senhor); – pagamento da talha (para assegurar a protecção do senhor); – cumprimento de corveias (trabalho de um certo número de dias por semana na reserva do senhor); – cumprimento de banalidades (utilização do moinho, forno… do senhor em troca da entrega de parte do produto obtido).
  • 25. Senhorio banal O senhor feudal: •Possuía jurisdição sobre os seus habitantes (direito de banus). •Exercia todos os domínios senhoriais (justiça, impostos, guerra). •Tinha, a partir do séc. VIII, imunidade fiscal. •Detinha grande autonomia. Este poder alargou-se progressivamente a outros senhores, conduzindo à divisão dos senhores feudais em duas categorias: – Grandes senhores (com direito de bannus, como condes, príncipes, abades…); – Pequenos senhores (fidalgos e monges) sujeitos ao poder banal da justiça, tal como os camponeses.
  • 26. A expansão do senhorio banal por todo o Ocidente Europeu permitiu aos seus detentores - a aristocracia guerreira e as altas hierarquias da Igreja - tomarem virtualmente as rédeas da vida pública. • Os senhores constituíram-se como as únicas autoridades administrativas, judiciais e fiscais. Deles dependia a sobrevivência material das comunidades rurais, as famílias dos cavaleiros sem terra e a pequena nobreza empobrecida. • O senhorio agravou a vida das populações que, em resultado do clima de guerras constantes e de insegurança, se colocava sob a sua dependência. Os poucos que conseguiam resistir eram os habitantes dos núcleos urbanos.
  • 27. As dependências senhoriais pressupunham a criação de uma rede de dependências servis (populares) contra as quais cedo se procurou pôr fim: – Camponeses que trabalham em regime de subserviência; – Criação de associações de vizinhos ou comunas rurais em que os camponeses juravam apoio mútuo e se organizavam para uma resistência contra os senhores (solidariedades horizontais) detentores dos direitos sobre a cidade; – Luta camponesa por documentos escritos que estipulassem os direitos e deveres das duas partes (ex. cartas comunais ou cartas de foral); • Paralelamente, mantiveram-se as relações entre senhores e camponeses nos domínios senhoriais, correspondendo assim a solidariedades verticais.
  • 28. Comunas • A cidade vai-se desenvolvendo e procurando formas de sobreviver fora da dependência dos senhores e livre das taxas e impostos como as portagens. • As associações comunais desenvolvem-se, obtendo estes vizinhos regalias e isenções importantes, que lhes permitiam uma certa autonomia. • A carta comunal ou de franquia, que garantia esses mesmos direitos e isenções em troca do pagamento de determinadas compensações monetárias foi, em muitos casos, conseguida após lutas e violentas disputas. • O movimento comunal contribuiu para o enfraquecimento do poder senhorial e para o reforço das cidades. Pág. 17
  • 29. As instituições urbanas • Nas regiões alemãs ou italianas desenvolveram-se algumas cidades reorganizadas em novos moldes: – Governadas por um conselho de burgueses e um corpo de magistrados próprios; – Eram os seus habitantes quem definia as normas, lançamento e cobrança de impostos, aplicação de justiça… • Possuíam símbolos da sua autonomia: – Palácio comunal com o sino e o relógio; Pág. 19 – Selo da cidade comunal.
  • 30. A sociedade medieval • A sociedade feudal é uma sociedade hierarquizada e tripartida. Os homens estão subordinados uns aos outros, por laços de dependência. • Com as invasões normandas, o sistema feudal passa a vigorar em quase toda a Europa, atingindo o seu auge nos séc. X e XI. • Os senhores constituíram-se como as únicas autoridades administrativas, judiciais e fiscais. Deles dependia a sobrevivência material das comunidades rurais, as famílias dos cavaleiros sem terra e a pequena nobreza empobrecida. • A Igreja justificava a sociedade trinitária: o Clero como representante de Deus, o que reza pelos homens; a Nobreza que protege e o povo que trabalha.
  • 31. 1. 1. MULTIPLICIDADE DE PODERES A IGREJA: CRENÇA OU PODER
  • 32. A unidade da crença • Após as invasões, a Igreja era, no Ocidente, a única força organizada: – Grupo social de grande força e prestígio, possuía vastas propriedades de onde retirava grandes riquezas. – Detinha um grande número de privilégios reais, isenções fiscais e benefícios (tais como um tribunal próprio). O seu prestígio resulta ainda da força que a religião detinha neste período de insegurança e instabilidade. A fé da população aumenta.
  • 33. O Bispo de Roma • O Bispo de Roma torna-se o líder da comunidade cristã, passando a ser designado por Papa: – É a instância suprema; – Legítimo sucessor de S. Pedro, representa Cristo na terra; – Líder espiritual e temporal da cristandade (só ele podia delegar poderes a reis e príncipes); – Supremo árbitro, é quem reconhece estados, reis e convoca guerras (A Guerra Santa); Pág. 20/21 – Governa em nome de Deus – teocracia papal.
  • 34. O Bispo de Roma • Sacralizou e educou as populações: – evangelizou os invasores; – Controlou a nobreza guerreira, instituindo a paz de Deus, a Trégua de Deus e a instituição da Cavalaria; – Sacralizou e ritualizou todos os atos da vida quotidiana (calendário organizado com dias santos, integração das festividades pagãs no catolicismo…) – Criou instituições de caridade e de ensino (escolas monacais e episcopais)… – Manteve viva a cultura (monges copistas).
  • 35. A crescente influência espiritual da Igreja durante a Idade Média efectuou-se em dois sentidos: – estabilizar as instituições feudais; – como suavizadora dos costumes e das mentalidades. • Desenvolveu-se um novo conceito de paz, que veio a modificar as características da própria guerra: a Paz de Deus e a Trégua de Deus. Através dos concílios de Paz (reuniões promovidas pelos Bispos em cada distrito), a Igreja procurou refrear a violência e estabelecer regras de conduta, normas morais e espirituais a que todos se obrigavam por juramento colectivo.
  • 36. A Igreja Romana • O Papa governa em nome de Deus e é o chefe da hierarquia eclesiástica: – Clero regular: que vive segundo uma regra (nos Mosteiros) – abades, monges – Clero secular: que vive junto à população – padres, bispos e cardeais • A área de influência da igreja romana foi sendo sucessivamente alargada, quer com a reconquista cristã, com a evangelização do norte da Europa ou com o movimento das cruzadas. • Apesar de contestada, a autoridade do Papa e da Igreja foi sendo cada vez mais reforçada até ao ponto em que se torna a única fonte de poder espiritual e temporal.
  • 37. A Cristandade face a Bizâncio • Bizâncio desenvolveu, ao longo da Idade Média, uma florescente civilização que seguia os preceitos do Cristianismo, embora a língua oficial fosse o grego e não o latim. • O império era chefiado por um patriarca que se recusava a seguir o chefe máximo da Igreja romana, o Papa. • Esta situação conduziu ao Cisma da Cristandade e a criação da Igreja Ortodoxa. • Esta igreja expandiu-se para a Rússia e nunca mais se fundiu com a Igreja Cristã Romana, mesmo em épocas em que a luta era com os mesmos inimigos. Pág. 23
  • 38. O ocidente face ao Islão • Em finais do séc. VII, inícios do séc. VIII, os muçulmanos, povos islamitas vindos da África e da Arábia, iniciaram um movimento de Guerra Santa. • Neste processo de Guerra Santa surge uma civilização que domina todo o Médio e Próximo Oriente. • As causas principais da sua instalação na Península foram: – a proximidade a que ficaram após a conquista do Norte de África (que ocorre relativamente rápido. 640 a 700), – a situação de crise vivida nesta altura. Nos finais do séc. VII, o peso crescente da aristocracia fundiária (detentora de terras) pôs em causa a própria monarquia visigoda.
  • 39. Islão significa submissão a Deus. Surge ligada a Maomé, profeta árabe que inscreveu os cinco pilares desta nova fé: – Crença em Alá, deus único; – Peregrinação a Meca (cidade natal do profeta) pelo menos uma vez na vida); – Oração; – Esmola; – Jejum durante o Ramadão. Pág. 25
  • 40. Civilização florescente e avançada, introduziu na Europa conhecimentos como o do fabrico do papel, da pólvora ou a indústria dos tapetes. • Foi responsável pela introdução de grandes avanços tecnológicos, fundamentais para a evolução agrícola da península, tais como a picota ou a charrua. • A sua fé e a procura de expansão pela força levaram ao desenvolvimento de uma política de resposta, que se formalizou nas cruzadas iniciadas no final do séc. XI, sob influência de Urbano II (oito no total). Pág. 26
  • 41. 1. 2. O QUADRO ECONÓMICO E DEMOGRÁFICO RESSURGIMENTO ECONÓMICO
  • 42. O ocidente em recuperação • O ressurgimento económico dos séculos XI a XII permitiu uma reanimação dos burgos e o reaparecimento das cidades. • Operam-se agora grandes mudanças a nível económico e social: – O êxodo rural (muitos colonos e servos abandonam as terras em direcção às cidades, onde deixavam de estar sob a dependência do senhor), – A produção de excedentes agrícolas para vender nas cidades, – O desenvolvimento da produção artesanal, baseada na matéria-prima vinda dos campos, – A diversificação de culturas e o desenvolvimento da pecuária.
  • 43. A partir de meados do séc. XI surgem sinais evidentes de uma renovação económica, política e social. Vários fatores são responsáveis por um novo quadro económico-social : – O ambiente de paz resultante do recuo dos povos invasores, bem como o acalmar das guerras privadas, graças à ação estabilizadora da Igreja. – A melhoria das condições climáticas. O clima tornou-se mais ameno, favorecendo assim as atividades agrícolas (aumento na produção). – O retrocesso das fomes e pestes, permitindo assim o aumento da taxa de natalidade e consequente aumento demográfico.
  • 44. – A esperança média de vida torna-se maior, devido a todos os novos fatores. – Os progressos técnicos que se fizeram sentir a nível da agricultura e dos transportes: • os instrumentos passam a ser fabricados em ferro, uma vez que agora que se vivia em paz, já não era tão necessário para a construção de armas; • inventam-se os processos que visavam facilitar a tração animal e, por isso, o próprio aproveitamento da terra e a rapidez dos transportes: a atrelagem em fila, a ferradura, a coelheira, a charrua. Pág. 30
  • 45. O desenvolvimento agrícola – Implementam-se progressos que conduzem ao incremento e expansão da produção agrícola: – novos sistemas de cultivo (a terra passa a ser mais bem aproveitada, passando-se a utilizar a técnica do pousio ou o sistema de afolhamento trienal; divulgou-se o uso do estrume para aumentar a fertilidade da terra, devido a uma maior criação de gado); – alargamento das áreas cultivadas (arroteamentos, drenagens e secagens de pântanos…). Pág. 28/29
  • 46. O desenvolvimento económico – Incentiva-se a construção de canais de irrigação, de moinhos de água e vento… – O uso da bússola, da vela triangular e das cartas de marear, permitem o transporte de maior tonelagem de mercadorias, com maior rapidez e segurança. – Aumenta a circulação de pessoas e bens. – Recuperam-se as vias de comunicação e reestruturam-se os portos comerciais. – Desenvolvem-se novas técnicas e associações comerciais. Pág. 35
  • 47. O renascimento das cidades • A reanimação dos antigos burgos favoreceu o aparecimento de novas cidades e a reanimação de antigos centros urbanos. • As cidades encontravam-se definidas e delimitadas por uma cinta protectora: a muralha. • O espaço urbano era irregular, uma vez que resultava de sucessivos acrescentos.
  • 48. O renascimento das cidades • A cidade dispunha de um centro onde se localizava um edifício religiosos e uma praça onde se agrupavam os edifícios administrativos e o mercado. Daqui partiam as ruas mais importantes. As ruas secundárias (lugares de passagem) ligavam as ruas principais (destinadas ao tráfego, comércio e festejos da cidade) entre si, de uma forma labiríntica e mesmo tortuosa (sistema radioconcêntrico). Pág. 31
  • 49. As cidades • Nos bairros centrais da cidade habitavam os mais ricos e importantes, ao passo que os pobres viviam em zonas mais afastadas da cidade. • A cidade era ainda composta pelos arrabaldes e pelo termo. Os primeiros eram os bairros fora das muralhas, destinados aqueles que a cidade marginalizava (como os árabes - mourarias). O termo era o conjunto dos campos agrícolas que rodeavam a cidade e que a abasteciam, em troca de certos privilégios: – a protecção em caso de guerra, – a isenção de portagens à entrada da cidade, – a isenção ou redução fiscal nas mercadorias vendidas na cidade. Pág. 33
  • 50. Desenvolvimento comercial • Devido à melhoria das condições de vida e a todos os progressos que se verificaram na agricultura, na técnica e a nível de transportes, as populações sentem-se mais seguras, torna-se mais fácil a comunicação entre as várias regiões. • A Europa que se encontrava fechada sobre si mesma desde as invasões que conduziram ao Cerco da Europa, reabriu-se ao comércio internacional.
  • 51. Desenvolvimento comercial • A uma economia natural (agrícola) sucede uma florescente economia monetária que o Ocidente desconhecia desde os tempos do Império Romano. • A produção agrícola aumenta e criam-se os excedentes necessários para a actividade comercial. Abandona-se a economia de subsistência e regressa-se a uma economia de mercado.
  • 52. Feiras e mercados • A cidade, habituada às trocas comerciais que estabelecia com o seu termo (mercado local), enceta agora trocas com regiões vizinhas e mesmo longínquas, desenvolvendo o comércio e possibilitando o aparecimento das feiras. • É a criação das feiras que vai dinamizar a atividade comercial. • As feiras eram fundadas por reis e senhores, através da CARTA DE FEIRA. Nestes documentos fixavam-se os direitos e obrigações dos feirantes, protegendo-os de assaltos ou ataques (PAZ DE FEIRA) e/ou isentando-os de impostos (FEIRAS FRANCAS).
  • 53. As feiras representam a possibilidade de vender as produções agrícolas locais e o abastecimento de produção necessária, mas inexistente na região. • Possuíam importantes privilégios: – aplicação de penas pesadas a quem perturbasse a paz e a ordem no local da feira; – concessão de proteção do príncipe territorial a quem fosse à feira; – criação de um corpo de intervenção policial designado por “guardas da feira”; – concessão de diversos privilégios a quem frequentasse as feiras (forma de atrair mais participantes). D. Dinis, em Portugal, cria as “Feiras Francas”, feiras com isenção de impostos e a suspensão de mandatos judiciais que pendessem sobre os mercadores, durante a duração da feira.
  • 54. As feiras eram: – 1. Lugares de transação de comércio - centros de tráfico; – 2. Lugares de cobrança de impostos: sobre a circulação das mercadorias (portagens e peagens); sobre as transações (sisa e dízima); sobre o aluguer de lojas, licença de vendas; penas pecuniárias sobre delitos cometidos na feira. – 3. Lugares de fortalecimento do poder real, – 4. Lugares de desenvolvimento de normas jurídicas (ex. Carta e Paz de Feira), – 5. Lugares de desenvolvimento de crédito comercial e bancário, – 6. Lugares de aproximação entre os povos - expansão da sociabilidade.
  • 55. Grandes rotas do comércio externo • É a criação das feiras que vai dinamizar a actividade comercial. O desenvolvimento destas, transformou as cidades ou regiões onde se verificavam em grandes mercados internacionais permanentes. Surgem as chamadas “Regiões de Vanguarda”, verdadeiros pólos de desenvolvimento económico. • Os principais pólos comerciais desta época são: – Países Baixos, – Liga Hansiática; – Norte de Itália; – Feiras da Champanhe. Pág. 36
  • 56. Flandres /Países Baixos • Com origem no desenvolvimento económico que a região experimentou durante o Império Carolíngio. • Destacam-se as cidades de Bruges, Antuérpia, Yprés e Gand, focos de desenvolvimento têxtil. • Impulsiona-se um comércio ativo com a Inglaterra (fornecedora de lã), com a França (fornecedora de trigo e vinho), com a Itália (portadora dos produtos vindos do Oriente), com as costas atlânticas de Portugal e Espanha (fornecedoras de sal e peixe seco). • Bruges torna-se o local mais cosmopolita. Pág. 37
  • 57. Liga Hansiática • Associação de mercadores de cidades germânicas como Lubeque, Hamburgo ou Dantzig, também conhecida como Hansa Teutónica. • Esta associação põe em contacto comercial as cidades do Norte europeu, desde as cidades inglesas, à Alemanha, países escandinavos e até à Rússia. • Comercializam alimentos (trigo, peixe seco e carne) e matérias-primas (madeira, peles e gorduras). • Responsáveis pelas trocas comerciais entre o Norte e o Sul da Europa, revelaram conhecimentos fundamentais para a prática do comércio que iriam conduzir a um grande desenvolvimento desta região. Pág. 38
  • 58. Norte de Itália • Herdeira da tradição romana de vida urbana. • Até ao séc. XVI as cidades do norte de Itália irão dominar o Mediterrâneo. • As cidades italianas constituíam pequenos estados autónomos e rivais entre si, o que desperta a vontade de vencer e superar os seus vizinhos. • Constituído em torno das cidades de Veneza, Génova, Florença, Piza, Ferrara… principais fornecedores ao Ocidente dos têxteis de luxo, metais preciosos e especiarias, produto em que realmente assentava o seu poderio. • Cidades prósperas, foram as primeiras a relançar a cunhagem da moeda após o clima do cerco da Europa. Pág. 39
  • 59. Feiras da Champagne • Localizadas no cruzamento das rotas que ligavam os Países Baixos ao Norte de Itália. • Desenvolvem-se devido à sua boa localização geográfica, na interseção das principais rotas terrestres. • Tendo em conta que, nesta época, o comércio era realizado por mercadores viajantes, que faziam as suas trocas principais nas feiras de toda a Europa, não é de estranhar o desenvolvimento desta área. • Alternando entre si durante os meses do ano, constituíram um espaço permanente de animação comercial e financeira. Pág. 41
  • 60. Em resumo: Onde? Produtos Produzidos Regiões c/ que comercializam Produtos que entram no circuito Inglaterra e Escócia Lã Noroeste Báltico (Hansa) Peles, cera e madeira, … Flandres Europeu Indústria de Lanifícios Cidades Italianas Especiarias, Ouro (Bruges) Península Ibérica Sal, Azeite Rússia, Noruega Cereais, peles, madeira… Norte da --- França Vinho e Sal Liga Alemanha e Controlavam todas as Inglaterra Lã Hanseática Báltico trocas no Báltico e Norte Mediterrâneo Azeite Flandres Tecidos Ásia Menor Cidades do Veneza Indústria têxtil e do vidro Síria Especiarias, Tecidos, Norte de Génova Dominavam o comércio Egito Pérolas, Pedras Preciosas,… Itália Pisa… cristão do Mediterrânio Europa A norte da Nelas paravam os Feiras de Liga e a sul --- comerciantes do Norte Todo o tipo de produtos Champagne das cidades flamengo e do Sul Italiano Italianas Pág. 37/41
  • 61. Novas práticas financeiras • A introdução dos sistemas de crédito ficou a dever-se a alguns factores: – o risco e dificuldade do transporte de espécies monetárias; – a insuficiência de moeda metálica. • Instrumentos de crédito utilizados: – LETRA DE FEIRA; – LETRA DE CÂMBIO (ou carta de pagamento); – CHEQUE. • A diversidade das espécies monetárias em circulação fez surgir a classe dos banqueiros ou cambistas, actividade que permitia um grande enriquecimento. Pág. 42
  • 62. Formas de associação • Com o desenvolvimento comercial, surge a necessidade de obter mais fundos para custear as expedições. Assim, surgem novas formas de associação, de onde se destacam: – Colleganzas e Societas Maris – um sócio investia 2/3 do total e o mercador assumia o restante encargo e ocupava-se do negócio, mas apenas numa viagem; – Comendas – o sócio investidor financiava em 100% o negócio, recebendo 75% dos lucros finais. – Companhias – normalmente com capitais de membros de uma mesma família, que investia em todas as atividades: comerciais, industriais e bancárias). – Guildas – associações de mercadores de uma cidade. – Hansas – associações de cidades mercantis.
  • 63. A fragilidade demográfica • A esperança média de vida não ultrapassa os 30 anos; • Apesar das melhorias na agricultura, o esgotamento dos solos leva a novos períodos de carência alimentar; • O clima arrefece, prejudicando as colheitas; • A paragem dos arroteamentos que se verifica já desde finais do séc. XIII associada ao baixo rendimento das sementeiras agravam a carência alimentar. • A mortalidade era elevada, principalmente nas crianças e mulheres em idade fértil; • A população para de crescer. Pág. 43
  • 64. Uma nova conjuntura • O séc. XIV corresponde a um período de estagnação e, em alguns casos, mesmo de retrocesso. São vários os sinais que apontam para uma conjuntura de crise económica e social: – o comércio exterior estagna; – a colonização alemã em direção ao Leste para; – a indústria têxtil da Flandres não consegue manter os seus níveis; – em Itália a maioria dos grandes bancos entram em colapso financeiro; – as Feiras de Champagne decaem e perdem toda a sua importância…
  • 65. Fomes, pestes e guerras • Ao longo do séc. XIV, ocorre uma confluência de factos que explicam a designação de trilogia de morte: – A crise agrícola que provoca fomes como a de 1315-1317, a oscilação dos preços, o despovoamento dos campos e o agudizar dos conflitos sociais. – A Peste Negra (1348) e as várias epidemias que assolam o mundo. A população subalimentada não resiste. Pág. 44
  • 66. Fomes, pestes e guerras – As guerras que tornam ainda mais negro o quadro económico e social, quer pelas mortes que provocam, quer pelas pilhagens e devastações. • A agravar todo este quadro, as tensões, desordens sociais e revoltas provocadas pelo sentimento de mal- estar generalizado. Pág. 44/47
  • 67. Consequências da crise • A ruína e abandono dos campos - muitos senhores e camponeses morreram, deixando as suas terras sem semear. Os bosques e pântanos alargam a sua área. A população rural, que vive numa constante insegurança, inicia uma fuga desordenada para as cidades, onde procuravam obter uma vida melhor. • Torna-se necessário manter os camponeses na terra, para desenvolver novamente a agricultura. É então que em vários países surgem medidas reais, como é o caso da Lei das Sesmarias de D. Fernando em Portugal. A rarefação da mão-de-obra provocou o aumento dos salários, o que leva ao tabelamento do índice de pagamentos - D. Afonso IV e as Leis do Trabalho e as Posturas Municipais.
  • 68. Consequências da crise • A quebra dos rendimentos senhoriais - Os senhores reagem contra a decadência dos seus rendimentos de formas variadas, mas sempre com vista compensar as perdas e adaptar a economia às novas exigências do mercado: – endurecimento das cargas fiscais; – a busca de novas formas de exploração da terra (cedem parte das suas propriedades a camponeses que assumiam por si próprios a administração em forma de aluguer ou arrendamento); – a especialização agrária (orientam a sua produção para formas mais remuneratórias como a madeira, a lã, a carne, o linho…).
  • 69. Consequências da crise • As revoltas sociais - A Europa é palco de uma série de levantamentos revolucionários. As sublevações acontecem mais ou menos por toda a parte, suscitadas pelos aumentos das taxas senhoriais. • As desordens sociais e o bandoleirismo organizado - a quebra dos valores familiares e tradicionais aparece como uma das consequências mais salientes da crise, aumentando o roubo e a pilhagem. Ao lado das revoltas camponesas baseadas na necessidade de reivindicar melhorias sociais, o bandoleirismo organizado desenvolveu-se nesta época. As aldeias e os mercadores, principalmente, sofriam o terror dos seus ataques.
  • 70. Consequências da crise • A crise monetária - Todos estes elementos contribuíam para o desequilíbrio das estruturas económicas. Como os compradores são menos, os tráfegos reduzem- se, os preços tendem a baixar e os salários sobem. A tendência é multiplicar a moeda, modificando para isso a relação entre a moeda real e a nominal. Estas manipulações permitem resolver os problemas monetários, mas de forma temporária. • As desvalorizações são constantes. A prática das desvalorizações consistia em recolher a moeda corrente, refundi-la aumentando a liga e reduzindo o metal precioso e cunha-la de novo como o mesmo valor facial da anterior.
  • 71. Consequências mentais • As crises constantes do século XIV exerceram grande influência na mentalidade das populações da época, modificando os comportamentos: surgem os movimentos de penitência (como forma de alcançar a vida eterna); as manifestações coletivas de piedade... • Muitos aproveitavam para gozar a vida, abandonando o trabalho e a família. • Em várias regiões europeias reaparecem os Flagelantes, penitentes que procuravam a salvação coletiva e individual. Sobreviviam subalimentados, carregados de chagas e feridas resultantes da sua mutilação pública.
  • 72. Medidas para solucionar a crise Em Portugal: • D. Afonso IV publica a Circular de 1349 (pág. 51): - Obrigatoriedade de todos os que antes da peste trabalhavam por conta de outros que continuassem a fazê-lo, ainda que tivessem recebido heranças. - Tabelamento de salários para combater o excessivo aumento dos mesmos, quer para a agricultura, quer para a criação e animais. - Impedimento de mobilidade da mão de obra.
  • 73. D. Pedro I publica as Posturas Municipais (1361): - Tabelamento de Salários e seu cumprimento. • D. Fernando publica a Lei das Sesmarias – 1375 (pág. 1375): - Obrigatoriedade de cultivo da terra sob pena de expropriação, - Obrigatoriedade de os filhos e netos de lavradores continuarem na mesma profissão, - Tabelamento dos salários, -Obrigatoriedade dos lavradores possuírem gado com moderação, -Coação dos mendigos e dos vagabundos ao trabalho rural.