SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
[object Object],[object Object]
 
Traje do médico, na altura da Peste Negra . Os médicos protegiam-se usando luvas, uma túnica e uma máscara em forma de bico de pássaro, onde acumulavam ervas aromáticas com o objectivo de filtrar o ar, sem sucesso, pois desconheciam que a transmissão da doença se fazia pela picada da pulga e pelo ar respirável. O mal estava na ausência de higiene individual e colectiva, nos homens, infestados de pulgas; nos dejectos acumulados nas ruas; no vestuário de lã raramente mudado...
Dança Macabra , Século XV Os terríveis acontecimentos do século XIV fizeram da morte uma presença constante e a sua representação multiplicou-se em inúmeras “danças macabras”. Nunca, como no fim da Idade Média, a morte e a sua inevitabilidade povoou tanto o pensamento dos vivos.
 
 
Conflito que, entre 1337 e 1453, entrecortado por períodos de paz, opôs Inglaterra e França. Este conflito militar foi causado, principalmente, pela rivalidade entre Filipe de Valois, proclamado rei da França depois da morte de Carlos IV (último da  dinastia  dos capetos) e Eduardo III da Inglaterra. Este último pretendia ter direito à coroa francesa por parte de sua mãe. Disputas territoriais e comerciais também influenciaram o conflito Quando o rei Carlos VII subiu ao trono, os ingleses ocupavam quase todo território francês. Surgiu, neste momento, a heroína Joana D’arc, que comandou o exército francês para várias vitórias, sendo a principal o cerco de Orleans. Foi o impulso dado por ela que  fez mudar o caminho da guerra, dando vantagem para o exército francês. A França saiu vitoriosa desta guerra.
 
A história da vida desta heroína francesa é marcada por fatos trágicos. Quando era criança, presenciou o assassinato de membros de sua família por soldados ingleses que invadiram a vila em que morava. Com 13 anos de idade, começou a ter visões e receber mensagens, que ela dizia ser dos santos Miguel, Catarina e Margarida. Nestas mensagens, ela era orientada a entrar para o exército francês e ajudar seu reino na guerra contra a Inglaterra.  Motivada pelas mensagens, cortou o cabelo bem curto, vestiu-se de homem e começou a fazer treinos militares. Foi aceite no exército francês, chegando a comandar tropas.  As suas vitórias importantes e o reconhecimento que ganhou do rei Carlos VII despertaram a inveja em outros líderes militares da  França . Estes começaram a conspirar e diminuíram o apoio de Joana D’arc. cidade de Rouen, no ano de 1431. Em 1430, durante uma batalha em Paris, foi ferida e capturada pelos borgonheses que a venderam para os ingleses. Foi acusada de praticar feitiçaria, em função de suas visões, e condenada a morte na fogueira. Foi queimada viva na
SÉCULO XIV CRISE Escassez de recursos FOME Epidemias (ex. peste bubónica ou peste negra) PESTE Guerras (ex : Guerra dos Cem Anos) GUERRA
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de h
Trabalho de hTrabalho de h
Trabalho de h
joel-msg
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
Sara Catarina
 
Glossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do ConventoGlossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do Convento
ancrispereira
 
Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5
Yara Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Napoleao bonaparte 12
Napoleao bonaparte 12Napoleao bonaparte 12
Napoleao bonaparte 12
 
D.Pedro V
D.Pedro VD.Pedro V
D.Pedro V
 
Trabalho de h
Trabalho de hTrabalho de h
Trabalho de h
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
 
Guião de Trabalho sobre a Guerra de Secessão em Espanha - Tratado de Utreque
Guião de Trabalho sobre a Guerra de Secessão em Espanha - Tratado de UtrequeGuião de Trabalho sobre a Guerra de Secessão em Espanha - Tratado de Utreque
Guião de Trabalho sobre a Guerra de Secessão em Espanha - Tratado de Utreque
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
 
Europa Napoleônica
Europa Napoleônica Europa Napoleônica
Europa Napoleônica
 
A bastilha (Revolução Francesa)
A bastilha (Revolução Francesa)A bastilha (Revolução Francesa)
A bastilha (Revolução Francesa)
 
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
A revolução francesa ( 1789 à 1799 )
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
 
Napoleão no poder
Napoleão no poderNapoleão no poder
Napoleão no poder
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Glossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do ConventoGlossário para compreender Memorial do Convento
Glossário para compreender Memorial do Convento
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5Slide explicativo 2M5 - G5
Slide explicativo 2M5 - G5
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais1820 e o Triunfo Dos Liberais
1820 e o Triunfo Dos Liberais
 
A vida de napoleão
A vida de napoleãoA vida de napoleão
A vida de napoleão
 
O período napoleônico
O período napoleônicoO período napoleônico
O período napoleônico
 

Destaque

A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
Carla Teixeira
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
Carla Teixeira
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
Carla Teixeira
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Carla Teixeira
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regime
Carla Teixeira
 

Destaque (20)

Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
Ficha 4 módulo 4
Ficha 4  módulo 4Ficha 4  módulo 4
Ficha 4 módulo 4
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
 
Ficha 3 islamismo
Ficha 3  islamismoFicha 3  islamismo
Ficha 3 islamismo
 
Ficha 2 módulo 4
Ficha 2  módulo 4Ficha 2  módulo 4
Ficha 2 módulo 4
 
Ficha 3 módulo 4
Ficha 3  módulo 4Ficha 3  módulo 4
Ficha 3 módulo 4
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
 
A sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regimeA sociedade do antigo regime
A sociedade do antigo regime
 
Barroco3
Barroco3Barroco3
Barroco3
 

Semelhante a A crise do século xiv parte 2

Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xivCausas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Ricardo Pinto
 
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xivCausas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Ricardo Pinto
 
A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1
Carla Teixeira
 
7 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-857 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-85
R C
 
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo portuguêsCrises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
ceufaias
 
Powerpoint Ines Filipe E Ines Costa
Powerpoint Ines Filipe E Ines CostaPowerpoint Ines Filipe E Ines Costa
Powerpoint Ines Filipe E Ines Costa
dmcb
 
Biografia de D Carlota Joaquina
Biografia de D  Carlota JoaquinaBiografia de D  Carlota Joaquina
Biografia de D Carlota Joaquina
gueste0e5e21
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
Hugo Ferreira
 

Semelhante a A crise do século xiv parte 2 (20)

Peste negra 2
Peste negra 2Peste negra 2
Peste negra 2
 
A Guerra dos Cem Anos.pdf
A Guerra dos Cem Anos.pdfA Guerra dos Cem Anos.pdf
A Guerra dos Cem Anos.pdf
 
Crise Do SéCulo Xiv
Crise Do SéCulo XivCrise Do SéCulo Xiv
Crise Do SéCulo Xiv
 
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xivCausas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
 
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xivCausas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
Causas gerais e caracterização da crise do séc. xiv
 
2 dinastia p (1)
2 dinastia p (1)2 dinastia p (1)
2 dinastia p (1)
 
Cruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade médiaCruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade média
 
A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1
 
Crise do séc. xiv
Crise do séc. xivCrise do séc. xiv
Crise do séc. xiv
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do Ocidente
 
Crise do séc. xiv
Crise do séc. xivCrise do séc. xiv
Crise do séc. xiv
 
7 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-857 arevoluode1383-85
7 arevoluode1383-85
 
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo portuguêsCrises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
Crises e revolução no século xiv 7ºc daniela charrua e ricardo português
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
 
Powerpoint Ines Filipe E Ines Costa
Powerpoint Ines Filipe E Ines CostaPowerpoint Ines Filipe E Ines Costa
Powerpoint Ines Filipe E Ines Costa
 
Biografia de D Carlota Joaquina
Biografia de D  Carlota JoaquinaBiografia de D  Carlota Joaquina
Biografia de D Carlota Joaquina
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
 
Afonso henriquesrevd1
Afonso henriquesrevd1Afonso henriquesrevd1
Afonso henriquesrevd1
 
Crise da Idade Média.pdf
Crise da Idade Média.pdfCrise da Idade Média.pdf
Crise da Idade Média.pdf
 
Crise da Idade Média (Peste Negra e Guerras)
Crise da Idade Média (Peste Negra e Guerras)Crise da Idade Média (Peste Negra e Guerras)
Crise da Idade Média (Peste Negra e Guerras)
 

Mais de Carla Teixeira

O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 

A crise do século xiv parte 2

  • 1.
  • 2.  
  • 3. Traje do médico, na altura da Peste Negra . Os médicos protegiam-se usando luvas, uma túnica e uma máscara em forma de bico de pássaro, onde acumulavam ervas aromáticas com o objectivo de filtrar o ar, sem sucesso, pois desconheciam que a transmissão da doença se fazia pela picada da pulga e pelo ar respirável. O mal estava na ausência de higiene individual e colectiva, nos homens, infestados de pulgas; nos dejectos acumulados nas ruas; no vestuário de lã raramente mudado...
  • 4. Dança Macabra , Século XV Os terríveis acontecimentos do século XIV fizeram da morte uma presença constante e a sua representação multiplicou-se em inúmeras “danças macabras”. Nunca, como no fim da Idade Média, a morte e a sua inevitabilidade povoou tanto o pensamento dos vivos.
  • 5.  
  • 6.  
  • 7. Conflito que, entre 1337 e 1453, entrecortado por períodos de paz, opôs Inglaterra e França. Este conflito militar foi causado, principalmente, pela rivalidade entre Filipe de Valois, proclamado rei da França depois da morte de Carlos IV (último da dinastia dos capetos) e Eduardo III da Inglaterra. Este último pretendia ter direito à coroa francesa por parte de sua mãe. Disputas territoriais e comerciais também influenciaram o conflito Quando o rei Carlos VII subiu ao trono, os ingleses ocupavam quase todo território francês. Surgiu, neste momento, a heroína Joana D’arc, que comandou o exército francês para várias vitórias, sendo a principal o cerco de Orleans. Foi o impulso dado por ela que fez mudar o caminho da guerra, dando vantagem para o exército francês. A França saiu vitoriosa desta guerra.
  • 8.  
  • 9. A história da vida desta heroína francesa é marcada por fatos trágicos. Quando era criança, presenciou o assassinato de membros de sua família por soldados ingleses que invadiram a vila em que morava. Com 13 anos de idade, começou a ter visões e receber mensagens, que ela dizia ser dos santos Miguel, Catarina e Margarida. Nestas mensagens, ela era orientada a entrar para o exército francês e ajudar seu reino na guerra contra a Inglaterra.  Motivada pelas mensagens, cortou o cabelo bem curto, vestiu-se de homem e começou a fazer treinos militares. Foi aceite no exército francês, chegando a comandar tropas. As suas vitórias importantes e o reconhecimento que ganhou do rei Carlos VII despertaram a inveja em outros líderes militares da França . Estes começaram a conspirar e diminuíram o apoio de Joana D’arc. cidade de Rouen, no ano de 1431. Em 1430, durante uma batalha em Paris, foi ferida e capturada pelos borgonheses que a venderam para os ingleses. Foi acusada de praticar feitiçaria, em função de suas visões, e condenada a morte na fogueira. Foi queimada viva na
  • 10. SÉCULO XIV CRISE Escassez de recursos FOME Epidemias (ex. peste bubónica ou peste negra) PESTE Guerras (ex : Guerra dos Cem Anos) GUERRA
  • 11.