Trabalho De Historia

5.001 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre Luís XVI

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.001
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho De Historia

  1. 1. Ano lectivo: 2008/2009 E.B.2,3 de Quarteira nº2 LUÍS XVI Trabalho realizado por: Ivo Adrião Nº15 Pedro Fernandes Nº20 8.A
  2. 2. Introdução----------------------------- página 1 História de Luís XVI------------------ página 2 • O nascimento de Luís XVI • A vida de Luís XVI A Morte de Luís XVI------------------------página 3,4,5 Estilo de Luís XVI-----------------------página 6 Algumas imagens de Luís XVI e de Maria Antonieta--------página7 Bibliografia-----------------------------página 8
  3. 3. Luís XVI, nasceu em 23 de Agosto de 1754 em Versalhes em Paris, foi rei da França entre 1774 e 1791, depois rei dos Franceses entre 1791 e 1792. Era filho do delfim Luís e de Maria Josefa de Saxônia. Casou-se aos 16 anos com Maria Antonieta da Áustria . Faleceu em 21 de Janeiro de 1793.
  4. 4. O NASCIMENTO LUÍS XVI Luís XVI, nasceu em 23 de Agosto de 1754 em Versalhes. Era filho do delfim Luís e de Maria Josefa de Saxônia. A VIDA DE LUÍS XVI Luís XVI, foi rei da França entre 1774e 1791, e depois rei dos Franceses entre 1791 e 1792.Casou-se aos 16 anos com Maria Antonieta da Áustria .Do seu casamento com Maria Antonieta, arquiduquesa da Áustria, teve os seguintes filhos: Maria Teresa Carlota (1778-1851), Madame Royale, casou em 1799 com Luís António de Artois, Duque de Angoulême; Luís José Xavier Francisco (1781-1789), 1º Delfim de França; Luís Carlos (1785-1795) Duque da Normandia, 2ª Delfim de França, futuro Luís XVII; Sofia Beatriz (1786-1787). Quando subiu ao trono, as finanças reais não se encontravam numa situação favorável, e assim permaneceram até ao eclodir da Revolução Francesa, altura em que Luís XVI foi deposto. Aconselhado por Maurepas, escolheu para seus ministros homens de talento como Turgot e Malesherbes. Reconvocou o Parlamento, mas este voltou a fazer-lhe oposição. O rei teve de abandonar seus ministros reformistas (1776), substituindo-os por Necker, também destituído depois de ter publicado a Prestação de contas ao rei sobre o estado das finanças (1781). Não pôde nem evitar a Revolução, apoiando as reformas econômicas e sociais propostas por Turgot e Necker, nem tornar-se líder popular, por não compreender as aspirações do povo. A política externa praticada por Vergennes e o Tratado de Versalhes restauraram o prestígio da França. Mas, no interior do país, a oposição cresceu; Calonne, seguido de Loménie de Brienne, tentou em vão resolver a crise financeira. Convocou a altamente aristocrática Assembléia dos Notáveis (1787) e nada conseguiu. Luís XVI teve de chamar de volta Necker (1788) e prometer a convocação dos Estados Gerais, que estavam à margem do governo havia 175 anos. Os Estados Gerais, que se reuniram em Versalhes em 1789, são a reunião das três ordens da sociedade
  5. 5. desde a Idade Média: o nobre que luta (1º estado), o clero que reza (2º estado) e o camponês que trabalha (3° estado). Estes fatos marcaram o início da Revolução. MORTE DE LUÍS XVI Faleceu em 21 de Janeiro de 1793 em Paris. Executado O julgamento começou no dia 11 de Dezembro de 1792. Converteram os salões em camarotes, como num teatro, nos quais as senhoras vestidas com suas mais atraentes roupas tomavam sorvetes, chupavam laranjas e bebiam licores: Abrindo a sessão, falou o Presidente Barrère: quot;- Luís, a nação francesa vos acusa. A Assembleia Nacional decretou que deveis ser julgado por ela. Vai-se proceder à leitura da lista dos crimes que vos são imputadosquot;. Interrogatório: Finda a leitura, começou o interrogatório do ex-rei, que parecia responder satisfatoriamente ao que lhe perguntavam:quot;-A 27 de Junho de 1789 atentaste contra a soberania popular, extinguindo a assembleia dos representantes do povo. Quisestes ditar leis à Nação. Que respondeis a isto?quot; Respondeu o acusado:quot; - Àquele tempo não havia lei alguma que me proibisse de agir assimquot;. Ao final, foi solicitada pelo acusado a faculdade de escolher um advogado para a defesa. A defesa de Luís foi autorizada, após deliberação do plenário, mas o advogado escolhido (Target) não aceitou o encargo, tendo a defesa ficado, ao final, sob o encargo de Tronchet, Malesherbes e De Sèze.
  6. 6. A defesa foi apresentada no dia 26 de Dezembro por Romain De Sèze, o qual disse que a Constituição não dava autoridade aos deputados para julgarem o rei; ele tinha estado dentro dos seus direitos humanos ao lutar por sua vida. Ele era um dos homens mais bondosos e humanos, bem como um dos governantes mais liberais que jamais sentaram no trono da França. quot;- Enquanto rei ele era inviolável. A abolição da Monarquia não pode, pois, mudar nada de sua condição. Tudo que dela resulta é que não se pode aplicar nada além da pena de abdicação presuntiva da coroa. Se quereis julgar Luís como cidadão, pergunto: onde estão essas formas conservadoras segundo as quais todo cidadão tem o direito de reclamar? Onde está a separação de poderes sem a qual não pode existir constituição nem liberdade? Onde está o escrutínio silencioso que leva o juiz a recolher-se antes da sentença e que encerra, por assim dizer, na mesma arma sua opinião e o testemunho de sua consciência? - Cidadãos! Falo-vos com a franqueza de um homem livre: por mais que procure em vós os juízes, somente vejo acusadores. Desejais decidir a sorte de Luís e acusais a vós mesmos! Será Luís o único francês para quem não existe lei nem qualquer procedimento legal? Não terá ele nem os direitos do cidadão, nem as prerrogativas de rei? Não gozará nem de sua antiga como de sua nova condição? Que estranho e inconcebível destino! O povo desejava a supressão de um imposto desastroso que sobre ele pesava e ele (D.Luís) o suprimiu. O povo pediu a abolição da escravatura e ele deu o exemplo, abolindo-a em seus domínios. O povo solicitou reformas na legislação criminal, a fim de suavizar a sorte dos acusados, e ele procedeu a essas reformas. O povo desejava que milhares de franceses, privados de direitos pertencentes aos cidadãos, os adquirissem, e ele assim o atendeu. O povo quis a liberdade e ele a concedeu, antecipando-se aos seus desejos por meio de seu sacrifício. E não obstante hoje se pede, em nome desse povo. Cidadãos! Não termino a frase. Detenho-me diante da História! Lembrai-vos de que ela julgará o vosso rei e que o seu será o julgamento dos séculosquot;. A condenação deu-se na votação dos seguintes quesitos: 1º - Luís é culpado de conspirar contra a liberdade pública e atentar contra a Segurança do Estado? (Seiscentos e oitenta e três deputados responderam afirmativamente) 2º - Será submetida à sanção popular a sentença que o absolver ou o condenar? (Duzentos e oitenta e cinco deputados admitiram a ratificação popular do povo, enquanto quatrocentos e vinte e quatro julgaram indispensável a aludida ratificação). 3º - Qual a pena a ser imposta? (Trezentos e noventa e sete deputados votaram pela morte enquanto os demais se dividiram entre as penas de prisão, desterro ou morte condicional).quot;
  7. 7. A sentença foi prolatada (14 de Janeiro de 1793) com o seguinte teor: quot;A Convenção Nacional declara Luís Capeto, último rei dos Franceses, culpado de conspiração contra a liberdade da nação e atentado contra a segurança geral do Estado. A Convenção Nacional decreta que Luís Capeto seja submetido à pena de morte. A Convenção Nacional declara nulo o ato de Luís Capeto, levado à barra pelos seus advogados, qualificado de apelo à nação do julgamento contra ele proferido pela Convenção: proíbe a quem quer que seja dar-lhe seguimento, sob pena de perseguição e punição como culpado de atentado contra a segurança geral da República. O Conselho executivo provisório notificará o presente decreto no mesmo dia a Luís Capeto e tomará as medidas de vigilância e segurança necessárias para assegurar a execução dentro de vinte e quatro horas a contar da sua notificação e informará a Convenção Nacional, imediatamente depois de o ter executado.quot; Luís envia uma carta à Convensão, por intermédio de Garat, ministro da Justiça, onde pede: quot;Solicito um prazo de três dias para poder preparar-me diante de Deus...quot; Execução: quot;No dia 21 de Janeiro um coche, rodeado por uma escolta armada, passando por ruas nas quais formavam fileiras a Guarda Nacional, levou Luís XVI à Place de la Révolution (hoje a Place de la Concorde). Junto à guilhotina ele tentou falar à multidão: 'Franceses, morro inocente; é do patíbulo e próximo a comparecer perante Deus que vô- lo digo. Perdôo meus inimigos. Desejo que a França...' Neste ponto Santerre, chefe da Guarda Nacional de Paris, gritou: 'Tambours!' e os tambores afogaram o resto. A populaça presenciou em sombrio silêncio quando a pesada lâmina caiu, contanto carne e osso. 'Naquele dia, um espectador recordou mais tarde, ' todos se retiraram vagarosamente e nós quase não ousávamos olhar-nos uns aos outrosquot;.
  8. 8. O Estilo Luís XVI é um estilo de decoração de interiores e mobiliário que se desenvolve a partir de França durante o reinado de Luís XVI e que se estende além deste, entre aproximadamente 1774 e 1792. Este estilo segue as linhas do anterior, o estilo Luís XV, sendo que, entre o final deste e até 1774, existe um período de transição que se traduz em alterações superficiais do foro decorativo e não estruturais. A transição culmina na afirmação total do novo estilo com a inauguração do Castelo de Louveciennes, decorado por Ledoux para Madame du Barry. O estilo assimila simultaneamente duas características distintas, a do estilo anterior, dentro do espírito do rococó, e a do momento que dá agora os primeiros passos, o neoclassicismo, que só assumirá toda a sua força após a Revolução Francesa. O estilo Luís XVI é, deste modo, um estilo híbrido, que conjuga nas suas peças vários elementos opostos, criando assim uma estética muito própria. A corte vai ser mais uma vez o modelo da nova estética, onde a própria rainha Maria Antonieta, com as suas múltiplas encomendas para o Petit Trianon, se vai tornar numa das peças chave no desenvolvimento do estilo. Também a Madame de Pompadour, que se tinha rendido ao gosto do estilo Luís XV, se começa a interessar pelas novas formas revolucionárias. (Luís XVI, por Jean Duplessis, o pintor da corte, 1780).
  9. 9. (túmulos de Luís XVI e de Maria Antonieta) (Luís XVI e Maria Antonieta num baile)
  10. 10. Internet: http://www.internext.com.br/valois/pena/1793b.htm http://brasilhistoriamyblog.blogspot.com/2008/10/tmulo-de-lus-xvi-e-maria-antonieta.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_XVI_de_Fran%C3%A7a Google em imagens: Luís XVI e Maria Antonieta

×