SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Numa altura em que o reino atravessava dificuldades económicas extremas
determinadas pela crise da agricultura, pela Peste e pelas repetidas guerras
com Castela, a morte de D. Fernando veio abrir uma nova crise, desta vez
no plano político, que esteve na origem de grandes movimentos e
transformações sociais.
De acordo com o Tratado de Salvaterra
de Magos, assinado com Castela,
estabelecia-se uma nova paz entre os
dois reinos consignada pelo casamento
de D. Beatriz com D. João I de Castela.

Após a morte de D. Fernando, a
Regência do trono seria entregue a D.
Leonor até que D. Beatriz fosse mãe.

A esse filho ou filha seria, na idade
devida, entregue o governo do reino de
Portugal
No entanto, D. Fernando
morreu, sem que do
casamento de sua filha D.
Beatriz com o rei de
Castela resultasse um filho
que ocupasse o trono de
Portugal. E as perspectivas
para que apontava o
tratado de Salvaterra, não
agradavam a grande parte
da população. Sobretudo
ao Povo e à Burguesia.

                              Dona Leonor De TeLes
Com efeito, Dona Leonor sempre
tinha sido vista como defensora
dos grandes proprietários, e as
relações amorosas que mantinha
com o nobre galego Conde
Andeiro, não eram do agrado da
população.

 Por outro lado, temia-se que a
aclamação de Dona Beatriz,
casada com o rei de Castela , fosse
o primeiro passo para a perda da
independência do reino.


                                      Dona Beatriz
Tornava-se assim
necessário encontrar um
outro candidato. Alguém
que unisse a população e
garantisse a independência
do reino.
A escolha recaiu na pessoa
de D. João Mestre da
Ordem Militar de Avis,
filho bastardo de D. Pedro
I e meio-irmão de D .
Fernando, e por isso, um
legítimo pretendente ao
trono.
                             O Mestre de Avis é aclamado
                              pela população de Lisboa
Foram, entretanto, muitos os
tumultos populares que de norte a
sul assolaram o reino, e cedo,
Lisboa se tornou no centro da
contestação à aclamação de Dona
Leonor como rainha.

E ao boato, propositadamente
posto a circular pelos revoltosos,
de que os apoiantes da rainha se
preparavam para matar o Mestre,
respondeu uma multidão
assaltando o Paço Real e matando,
ao que parece com a ajuda do
Mestre ,o odiado conde Andeiro.
Com dona Leonor em fuga para
Castela, era preciso organizar a
defesa face à previsível resposta
de D. João de Castela na defesa
dos seus próprios interesses e
de sua mulher, D. Beatriz.
D. João Mestre de Avis é então
aclamado como regedor e
defensor do reino.
Da organização e comando do
exército português foi
incumbido Nuno Álvares
Pereira, membro da ordem dos
Hospitalários, tornado, à pressa
nesses tempos conturbados,
Condestável do reino.( Chefe
Militar)
A resposta do rei de Castela foi rápida. Invadindo Portugal pelo Alentejo, em
1384 ,cercou durante 4 meses a cidade de Lisboa, e só desistiu quando a Peste se
instalou entre as suas tropas e recebeu a mensagem que sua mulher, D. Beatriz
estava gravemente doente.
Entretanto, no mesmo ano, D. Nuno Álvares Pereira vence o exército
castelhano na Batalha dos Atoleiros.




          O CERCO DE LISBOA                             NUNO ÁLVARES PEREIRA
O golpe definitivo nas pretensões castelhanas ao trono português será dado
em Aljubarrota. Aí, um pequeno exército português, auxiliado por arqueiros
ingleses, e utilizando processos militares inovadores num campo de batalha
habilmente escolhido, conseguiu vencer um inimigo em número muito
superior.
De facto:
Os arcos disparavam, em relação às
bestas, um número maior de setas.
O campo de batalha minado por
covas de lobo fez, por si só, grandes
estragos na cavalaria castelhana.
A famosa táctica do quadrado que
abria a formação do exército
português às tropas inimigas, para
depois as destroçar lateralmente,
revelou-se de grande eficácia.
Tudo isto explica, em parte, aquele
que consideramos o nosso maior
sucesso militar - a Batalha de
Aljubarrota.
Afastada por algum
tempo      a     ameaça
castelhana, tratava-se,
agora, de formalizar e
de fazer aceitar pelos
três Estados do Reino –
Nobreza, Clero e Povo –
a candidatura a Rei de
D. João, Mestre de Avis.
Com este fim, foram imediatamente convocadas, em 1385, as Cortes de Coimbra.
Aí, se distinguiu, na defesa dos argumentos jurídicos e de interesse nacional em
que assentava a candidatura do Mestre, um burguês lisboeta e homem de leis, Dr.
João das Regras. O Mestre da Ordem Militar de Avis tornava-se no rei
D. João I ( O de Boa Memória ) iniciando uma nova dinastia : A Dinastia de Avis
Até então tinham sido
frequentes os conflitos entre
nobres e reis, que degeneraram
por várias vezes em guerras
civis.

Mas, ao contrário de outras
guerras, como as que opuseram
no séc. XIII, D. Afonso III a seu
irmão D. Sancho II, ou as que
tiveram D. Afonso IV (pai) e D.
Pedro (filho) como opositores; a
partir de 1385 com a vitória da
pequena Aristocracia e da
Burguesia, nada ficou como
dantes.
Abriu-se rapidamente um
período de ajuste de contas entre
vencidos e vencedores. Entre ”
patriotas e traidores”.
 Neste processo, o grupo social
mais beneficiado acedendo à
propriedade de terra, a títulos
nobiliários e a cargos da
administração pública, foi a
Burguesia.
Ao poder económico que, em
parte, já detinha acrescentava-se,
agora, um prestígio e uma
influência nunca antes
adquiridos.
À ascensão da Burguesia e
da nova Nobreza (de
pequena tornada grande)
correspondeu um declínio
das principais famílias
comprometidas com a
causa de Castela. A
confiscação dos seus bens
em benefício da Coroa
permitiu acentuar a
política de centralização
do poder real já ensaiada
nos séculos anteriores.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaContextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaAntónia Mancha
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)Laguat
 
D3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivD3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivVítor Santos
 
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumosTeste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumosAcima da Média
 
Crises e revoluções no século 14a
Crises e revoluções no século 14aCrises e revoluções no século 14a
Crises e revoluções no século 14aAlbino217
 
Ppt aula de história final
Ppt   aula de história finalPpt   aula de história final
Ppt aula de história finalturma5C
 
A crise de 1383 a a 1385
A crise de 1383 a a 1385A crise de 1383 a a 1385
A crise de 1383 a a 1385lauracruz20
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
17 A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração
17  A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração17  A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração
17 A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauraçãoguest6298af
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu inessalgado
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IAlexandre Protásio
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaValeria Kosicki
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIVMaria Gomes
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIVCarla Freitas
 
O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipinoguest6298af
 

Mais procurados (20)

Crise de 1383 1385
Crise de 1383 1385Crise de 1383 1385
Crise de 1383 1385
 
Contextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaContextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrota
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
 
Crise 1383 1385
Crise 1383 1385Crise 1383 1385
Crise 1383 1385
 
D3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivD3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xiv
 
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumosTeste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
Teste de história 5. crise em portugal no seculo xiv resumos
 
Crises e revoluções no século 14a
Crises e revoluções no século 14aCrises e revoluções no século 14a
Crises e revoluções no século 14a
 
Ppt aula de história final
Ppt   aula de história finalPpt   aula de história final
Ppt aula de história final
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
 
A crise de 1383 a a 1385
A crise de 1383 a a 1385A crise de 1383 a a 1385
A crise de 1383 a a 1385
 
Peste negra 2
Peste negra 2Peste negra 2
Peste negra 2
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
17 A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração
17  A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração17  A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração
17 A Revolução De 1640 e a Guerra da Restauração
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
 
O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
 

Destaque

13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaodeR C
 
14 estadonovo
14 estadonovo14 estadonovo
14 estadonovoR C
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na piR C
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugalR C
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxixR C
 
10 revliberal1820
10 revliberal182010 revliberal1820
10 revliberal1820R C
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesaR C
 
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaiseR C
 
9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica9 dauniãoibérica
9 dauniãoibéricaR C
 
1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovosR C
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibéricaR C
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abrilR C
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiiiR C
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...maria.antonia
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xixPelo Siro
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXguestbfbc7a
 
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIXPortugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIXSandra Sousa
 

Destaque (20)

13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
13 daquedadamonarquiaimplantaodarepblicaapresentaode
 
14 estadonovo
14 estadonovo14 estadonovo
14 estadonovo
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal
 
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix12 portugalnasegundametadedoseculoxix
12 portugalnasegundametadedoseculoxix
 
10 revliberal1820
10 revliberal182010 revliberal1820
10 revliberal1820
 
8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa8 aexpansaoportuguesa
8 aexpansaoportuguesa
 
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
11 daindependnciadobrasilslutasliberaise
 
9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica9 dauniãoibérica
9 dauniãoibérica
 
1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos1 ambientenaturaleprimeirospovos
1 ambientenaturaleprimeirospovos
 
2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica2 osromanosnapeninsulaibérica
2 osromanosnapeninsulaibérica
 
15 25abril
15 25abril15 25abril
15 25abril
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
Ficha de avaliação - HGP - 6ºAno - O Império Português no Século XVIII/ D. Jo...
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
1261614021 portugal na_segunda_metade_do_seculo_xix
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
 
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIXPortugal Na Segunda Metade Do Século XIX
Portugal Na Segunda Metade Do Século XIX
 

Semelhante a A vitória de Aljubarrota e a ascensão da burguesia portuguesa

Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-Ana Pereira
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xivCátia Botelho
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1helder33701
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugalanptrinta
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugalanptrinta
 
a Batalha de Aljubarrota
a Batalha de Aljubarrotaa Batalha de Aljubarrota
a Batalha de AljubarrotaMilena Costa
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalHistN
 
D. Beatriz e a Crise de 1383-85
D. Beatriz e a Crise de 1383-85D. Beatriz e a Crise de 1383-85
D. Beatriz e a Crise de 1383-85Carol Guedes
 
Historia de Portugal
Historia de PortugalHistoria de Portugal
Historia de Portugalprofigor
 
Até a segunda dinastia
Até a segunda dinastiaAté a segunda dinastia
Até a segunda dinastiaFroncky
 
Ate a segunda dinastia
Ate a segunda dinastiaAte a segunda dinastia
Ate a segunda dinastiaFroncky
 
Reis De Portugal
Reis De PortugalReis De Portugal
Reis De PortugalHelena
 
resumo de história 5º ano
resumo de história 5º anoresumo de história 5º ano
resumo de história 5º anoSara Ferreira
 
O Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassa
O Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassaO Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassa
O Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassaJosé Mesquita
 

Semelhante a A vitória de Aljubarrota e a ascensão da burguesia portuguesa (20)

Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-Crise 1383 1385-
Crise 1383 1385-
 
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
Acrisede1383 13851-090625104725-phpapp02
Acrisede1383 13851-090625104725-phpapp02Acrisede1383 13851-090625104725-phpapp02
Acrisede1383 13851-090625104725-phpapp02
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
 
Reis de portugal
Reis de portugalReis de portugal
Reis de portugal
 
a Batalha de Aljubarrota
a Batalha de Aljubarrotaa Batalha de Aljubarrota
a Batalha de Aljubarrota
 
Gabriela paixão 5.º f
Gabriela paixão   5.º fGabriela paixão   5.º f
Gabriela paixão 5.º f
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
D. Beatriz e a Crise de 1383-85
D. Beatriz e a Crise de 1383-85D. Beatriz e a Crise de 1383-85
D. Beatriz e a Crise de 1383-85
 
Historia de Portugal
Historia de PortugalHistoria de Portugal
Historia de Portugal
 
Até a segunda dinastia
Até a segunda dinastiaAté a segunda dinastia
Até a segunda dinastia
 
Ate a segunda dinastia
Ate a segunda dinastiaAte a segunda dinastia
Ate a segunda dinastia
 
Reis De Portugal
Reis De PortugalReis De Portugal
Reis De Portugal
 
As crises do século xiv
As crises do século xivAs crises do século xiv
As crises do século xiv
 
resumo de história 5º ano
resumo de história 5º anoresumo de história 5º ano
resumo de história 5º ano
 
O Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassa
O Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassaO Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassa
O Terror Miguelista no Algarve - perseguição e devassa
 
D. joao i História
D. joao i HistóriaD. joao i História
D. joao i História
 

Mais de R C

Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1R C
 
Higiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoHigiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoR C
 
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aOrganizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aR C
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveisR C
 
Toxicodep..
Toxicodep..Toxicodep..
Toxicodep..R C
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiarR C
 
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaAtividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaR C
 
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresDsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresR C
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociaisR C
 

Mais de R C (9)

Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1
 
Higiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismoHigiene na profissão de esteticismo
Higiene na profissão de esteticismo
 
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio aOrganizações da sociedade civil que prestam apoio a
Organizações da sociedade civil que prestam apoio a
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
Toxicodep..
Toxicodep..Toxicodep..
Toxicodep..
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catiaAtividade fisica e repouso clarisse e catia
Atividade fisica e repouso clarisse e catia
 
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentaresDsp alimentação racional e desvios alimentares
Dsp alimentação racional e desvios alimentares
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais
 

A vitória de Aljubarrota e a ascensão da burguesia portuguesa

  • 1.
  • 2. Numa altura em que o reino atravessava dificuldades económicas extremas determinadas pela crise da agricultura, pela Peste e pelas repetidas guerras com Castela, a morte de D. Fernando veio abrir uma nova crise, desta vez no plano político, que esteve na origem de grandes movimentos e transformações sociais.
  • 3. De acordo com o Tratado de Salvaterra de Magos, assinado com Castela, estabelecia-se uma nova paz entre os dois reinos consignada pelo casamento de D. Beatriz com D. João I de Castela. Após a morte de D. Fernando, a Regência do trono seria entregue a D. Leonor até que D. Beatriz fosse mãe. A esse filho ou filha seria, na idade devida, entregue o governo do reino de Portugal
  • 4. No entanto, D. Fernando morreu, sem que do casamento de sua filha D. Beatriz com o rei de Castela resultasse um filho que ocupasse o trono de Portugal. E as perspectivas para que apontava o tratado de Salvaterra, não agradavam a grande parte da população. Sobretudo ao Povo e à Burguesia. Dona Leonor De TeLes
  • 5. Com efeito, Dona Leonor sempre tinha sido vista como defensora dos grandes proprietários, e as relações amorosas que mantinha com o nobre galego Conde Andeiro, não eram do agrado da população. Por outro lado, temia-se que a aclamação de Dona Beatriz, casada com o rei de Castela , fosse o primeiro passo para a perda da independência do reino. Dona Beatriz
  • 6. Tornava-se assim necessário encontrar um outro candidato. Alguém que unisse a população e garantisse a independência do reino. A escolha recaiu na pessoa de D. João Mestre da Ordem Militar de Avis, filho bastardo de D. Pedro I e meio-irmão de D . Fernando, e por isso, um legítimo pretendente ao trono. O Mestre de Avis é aclamado pela população de Lisboa
  • 7. Foram, entretanto, muitos os tumultos populares que de norte a sul assolaram o reino, e cedo, Lisboa se tornou no centro da contestação à aclamação de Dona Leonor como rainha. E ao boato, propositadamente posto a circular pelos revoltosos, de que os apoiantes da rainha se preparavam para matar o Mestre, respondeu uma multidão assaltando o Paço Real e matando, ao que parece com a ajuda do Mestre ,o odiado conde Andeiro.
  • 8. Com dona Leonor em fuga para Castela, era preciso organizar a defesa face à previsível resposta de D. João de Castela na defesa dos seus próprios interesses e de sua mulher, D. Beatriz. D. João Mestre de Avis é então aclamado como regedor e defensor do reino. Da organização e comando do exército português foi incumbido Nuno Álvares Pereira, membro da ordem dos Hospitalários, tornado, à pressa nesses tempos conturbados, Condestável do reino.( Chefe Militar)
  • 9. A resposta do rei de Castela foi rápida. Invadindo Portugal pelo Alentejo, em 1384 ,cercou durante 4 meses a cidade de Lisboa, e só desistiu quando a Peste se instalou entre as suas tropas e recebeu a mensagem que sua mulher, D. Beatriz estava gravemente doente. Entretanto, no mesmo ano, D. Nuno Álvares Pereira vence o exército castelhano na Batalha dos Atoleiros. O CERCO DE LISBOA NUNO ÁLVARES PEREIRA
  • 10. O golpe definitivo nas pretensões castelhanas ao trono português será dado em Aljubarrota. Aí, um pequeno exército português, auxiliado por arqueiros ingleses, e utilizando processos militares inovadores num campo de batalha habilmente escolhido, conseguiu vencer um inimigo em número muito superior.
  • 11. De facto: Os arcos disparavam, em relação às bestas, um número maior de setas. O campo de batalha minado por covas de lobo fez, por si só, grandes estragos na cavalaria castelhana. A famosa táctica do quadrado que abria a formação do exército português às tropas inimigas, para depois as destroçar lateralmente, revelou-se de grande eficácia. Tudo isto explica, em parte, aquele que consideramos o nosso maior sucesso militar - a Batalha de Aljubarrota.
  • 12. Afastada por algum tempo a ameaça castelhana, tratava-se, agora, de formalizar e de fazer aceitar pelos três Estados do Reino – Nobreza, Clero e Povo – a candidatura a Rei de D. João, Mestre de Avis.
  • 13. Com este fim, foram imediatamente convocadas, em 1385, as Cortes de Coimbra. Aí, se distinguiu, na defesa dos argumentos jurídicos e de interesse nacional em que assentava a candidatura do Mestre, um burguês lisboeta e homem de leis, Dr. João das Regras. O Mestre da Ordem Militar de Avis tornava-se no rei D. João I ( O de Boa Memória ) iniciando uma nova dinastia : A Dinastia de Avis
  • 14. Até então tinham sido frequentes os conflitos entre nobres e reis, que degeneraram por várias vezes em guerras civis. Mas, ao contrário de outras guerras, como as que opuseram no séc. XIII, D. Afonso III a seu irmão D. Sancho II, ou as que tiveram D. Afonso IV (pai) e D. Pedro (filho) como opositores; a partir de 1385 com a vitória da pequena Aristocracia e da Burguesia, nada ficou como dantes.
  • 15. Abriu-se rapidamente um período de ajuste de contas entre vencidos e vencedores. Entre ” patriotas e traidores”. Neste processo, o grupo social mais beneficiado acedendo à propriedade de terra, a títulos nobiliários e a cargos da administração pública, foi a Burguesia. Ao poder económico que, em parte, já detinha acrescentava-se, agora, um prestígio e uma influência nunca antes adquiridos.
  • 16. À ascensão da Burguesia e da nova Nobreza (de pequena tornada grande) correspondeu um declínio das principais famílias comprometidas com a causa de Castela. A confiscação dos seus bens em benefício da Coroa permitiu acentuar a política de centralização do poder real já ensaiada nos séculos anteriores.