SlideShare uma empresa Scribd logo
TREINAMENTO
GESTÃO
FINANCEIRA
TÓPICOS:
AUDITORIA DE ESTOQUE
CONFERÊNCIA DE CAIXA
FUNDO DE CAIXA
FLUXO DE CAIXA
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
PONTO DE EQUILÍBRIO
 DRE
AUDITORIA DE ESTOQUE
A ênfase deste trabalho se destina aos cuidados que se
deve tomar quando do acompanhamento das contagens
físicas dos estoques, aspectos relacionados à compras,
procedimentos de controle interno adotados pela
empresa, e a importância dos inventários físicos. A
auditoria de estoques requer muito da atenção , pois os
efeitos dos estoques se fazem repercutir na
determinação do capital de giro e no resultado do
exercício, e a determinação de seu valor que envolve
alguns procedimentos contábeis complexos.
AUDITORIA DE ESTOQUE
O controle adequado e uma boa organização de estoque permite uma série de
vantagens:
Reduz perdas e furtos materiais
Possibilita conhecer a quantidade necessária de mercadoria para um
determinado período
Evita compras desnecessárias
Garante o suprimento de materiais e evita perda de vendas
Assegura a qualidade e conservação dos materiais
A má administração dos estoques resulta:
Dificuldade para realização dos inventários
Desperdício de espaços físicos
Deteriorização de mercadorias
AUDITORIA DE ESTOQUE
Na Afins Cosméticos trabalhamos com dois tipos de contagem:
Contagem Parcial
Feita por amostragem, escolhe de 20 a 30% dos itens
aleatoriamente dando preferência para os produtos de curva A,
em seguida faz uma recontagem dos itens divergentes e ajusta o
estoque parcialmente, contabilizando os custos dentro do DRE e
se necessário penalizando os responsáveis.
Contagem Mensal
Feita a cada três meses com todos os produtos, lançada
diretamente no sistema Jetro, contabilizando os custos dentro do
DRE e se necessário penalizando os responsáveis.
CURVA ABC DE PRODUTOS
A Curva ABC de produtos significa ordem de prioridades
dos materiais estocados, que são separados em três
classe distintas:
Classe A: de maior importância, valor ou quantidade,
correspondendo a 20% do total;
Classe B: com importância, quantidade ou valor
intermediário, correspondendo a 30% do total;
Classe C: de menor importância, valor ou quantidade,
correspondendo a 50% do total.
É importante ressaltar que os parâmetros descritos
acima não podem ser encarados como uma regra
matematicamente fixa e exata. Estes itens podem variar
de acordo com o mês, datas comemorativas nos
percentuais descritos. Por isso, é preciso muita atenção
na hora de realizar a análise. Seu objetivo é buscar a
redução de custos sem comprometer o nível de
atendimento ao cliente.
CONFERÊNCIA DE CAIXA
A conferência de caixa é um ponto importante para ser analisado pois através dele se
pode ver todas as divergências ocorridas.
Ao final do expediente, conte todos os valores e movimentações realizadas:
Dinheiro (notas e moedas);
Cheques;
Tickets;
Cartões de crédito/débito;
Vale funcionário;
Pagamentos diversos.
Durante a contagem podem aparecer algumas divergências devido a vários motivos,
como: troco incorreto, troca de mercadoria em que não houve baixa, sangrias não
registradas, ausências de outros registros etc.
Justamente pelas divergências que podem ocorrer, é aconselhável que o fechamento de
caixa seja feito no mesmo dia, para diminuir as chances de esquecimento do que foi feito
durante o trabalho.
FUNDO DE CAIXA
O fundo de caixa é importante para que as vendedoras não percam
vendas por falta de troco. Tem que ser conferido diariamente na
abertura, passagem de plantão e fechamento para não haver faltas.
Como não trabalhamos com caixa, a própria vendedora é
responsável por passar os produtos no sistema e conferir os valores
constantes no caixa, em caso de faltas a mesma deve repor o valor
da falta.
FLUXO DE CAIXA
Fluxo de caixa é um instrumento de que se utiliza o
empresário para conhecer antecipadamente a
capacidade de pagamento ou liquidez da empresa,
através de recursos financeiros, dentro de um
determinado período de tempo .
FLUXO DE CAIXA
Desta forma, podemos definir:
Entradas: são receitas de origem
operacional(vendas efetuadas), financeiras(juros
recebidos e empréstimos contraídos) ou outras
quaisquer, por exemplo a venda de algum
bem(imobilizado).
Saídas: são todos os pagamentos realizados pela
empresa, quer seja para cobrir gastos, quer para
pagar investimentos realizados..
Obs: é importante não confundir receita com
faturamento. Exemplo: se foi realizado uma
venda em Julho com o prazo de recebimento para
30 dias, esse valor deverá entrar com receita
apenas em Agosto.
OBJETIVO DO FLUXO DE CAIXA
O objetivo do fluxo de caixa é conhecer com antecedência as
dificuldades financeiras, possibilitando o levantamento dos
recursos suficientes para superá-las, com o fim de não
transtornar as operações econômico-financeiras da empresa;
Aplicar os recursos financeiros da melhor forma possível,
ocasionalmente ociosos, visualizando previamente a melhor
opção oferecida pelo mercado especializado;
Manter a adimplência da empresa, saldando as obrigações
financeiras rigorosamente na data do vencimento ;
Desenvolver o controle dos saldos de caixa e dos créditos a
receber pela empresa.
IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA
O fluxo de caixa é um instrumento fundamental para qualquer
empresa porque:
Obriga a empresa a se auto planejar e a trabalhar utilizando-se de
dados estatísticos;
Proporciona uma visão a curto e médio prazo sobre o
desempenho da empresa;
Oferece uma visão para imobilização, quando os dados, mês a
mês, apresentarem índices de crescimento acentuado;
Proporciona tomadas de decisões rápidas, fundamentadas diante
do surgimento de dificuldades financeiras.
EQUILÍBRIO FINANCEIRO
Podemos dizer que uma empresa encontra-se em equilíbrio
financeiro quando:
Há permanente equilíbrio entre as entradas e saídas do caixa;
O capital próprio tende a aumentar em relação ao capital de
terceiros;
A rentabilidade do capital empregado é satisfatória;
Há menor necessidade de capital de giro;
Apresenta tendência para aumentar o índice de rotação dos
estoques;
Os prazos médios de recebimento e pagamento tendem a
estabilizar-se;
Não há imobilização excessiva de capital e a existente é
suficiente para o volume necessário de produção e
comercialização;
Não apresenta falta de mercadorias para o atendimento das
vendas.
DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO
CAUSAS
Excessos de investimentos em estoques ou
itens de baixa rotação;
Prazo médio de recebimento é maior que o
prazo médio de pagamento;
Excesso de imobilizações.
SINTOMAS
Insuficiência crônica de caixa;
Captação sistemática de recursos através de
empréstimos;
Sensação de esforço desmedido.
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
A preferência cada vez maior dos consumidores pela utilização dos cartões de
crédito e débito como meio de pagamento, e o crescente aumento das vendas
mediante a facilidade de pagamento, obrigou as empresas do mercado varejista
a investir na conciliação das vendas, ou conciliação das transações de
venda. Afinal, em meio a centenas de transações diárias:
Como ter certeza de que os recebimentos estão corretos?
Será que a taxa de aluguel dos POS está sendo descontada
corretamente?
As taxas aplicadas são as mesmas negociadas em contrato?
Quantos cancelamentos ocorrem por dia?
Quantos estornos ocorrem por dia?
Quantas transações as operadoras deixaram de repassar?
Como comprovarei meus direitos a todos estes recebimentos?
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
As 3 etapas da Conciliação de Cartão
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
Etapa 1 – Conciliação de Vendas
A conciliação de vendas consiste em confrontar as informações
contidas no sistema de vendas das empresas com o extrato de
vendas das operadoras de cartão.
O resultado da conciliação de vendas permite acompanhar todas as
transações realizadas no dia anterior, baseando as análises em:
Divergência de valores
Divergência de datas
Vendas canceladas
Chargebacks (estornos)
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
Etapa 2 – Conciliação de Pagamentos
A conciliação de pagamentos consiste em confrontar as
informações registradas e projetadas no extrato de vendas das
operadoras, com o extrato de pagamentos das próprias
operadoras de cartão, evidenciando o recebimento de cada
transação projetada.
O resultado da conciliação de Pagamento permite apurar todas
as evidências em relação à todos os aspectos acima da
conciliação de vendas, além de:
Divergências de taxas
Antecipações de pagamentos
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
Etapa 3 – Conciliação bancária ou de recebimentos
A conciliação bancária, ou de recebimento, consiste em
confrontar as informações contidas no extrato de pagamento das
operadoras de cartão com extrato de recebimento dos bancos.
O resultado da conciliação bancária informa possíveis
divergências nos valores recebidos em conta, em relação aos
valores informados pelas operadoras nos extratos de pagamento
detalhados. Esta conciliação bancária serve para atestar se toda a
projeção de recebimentos para aquela data corresponde com os
créditos disponibilizados em conta corrente, considerando todos
os descontos possíveis e já previstos nas demais conciliações.
CONCILIAÇÃO DE CARTÕES
Mediante ao predomínio dos cartões como meio de pagamentos e
ao crescente aumento das vendas em função da facilidade do
pagamento via cartão, as conciliações de cartão tornaram-se
imprescindíveis para a gestão financeira e principalmente em
relação às obrigações fiscais.
Porém, este cenário revela um grave problema que as empresas
estão enfrentando atualmente, pois uma empresa sem conciliação
de cartão, ou com conciliação manual ineficiente, está exposta a
grandes perdas financeiras, conforme verificados nos vários tipos
de inconsistências possíveis, tais como divergências de valores,
taxas, cancelamentos e principalmente estornos.
PONTO DE EQUILÍBRIO
PONTO DE EQUILÍBRIO
O Ponto de Equilíbrio (PE ou Break Even Point, em
inglês) é o ponto de igualdade financeira entre as
despesas e as receitas totais em um mesmo período.
Por meio dele, você saberá qual deve ser seu
faturamento mínimo mensal para cobrir seus
gastos fixos e variáveis. Esse número é que determinará
qual será a quantidade de vendas a ser alcançada para
obter lucro.
PONTO DE EQUILÍBRIO
CUSTOS FIXOS
De uma maneira bem simples, podemos definir os custos fixos
como aqueles que não sofrem alterações influenciadas pelo
volume de vendas. Apesar do nome, não se pode afirmar que estes
custos – que podem também ser classificados como “custos de
estrutura” – jamais estarão sujeitos a qualquer modificação. Um
exemplo clássico é o aluguel, que pode sofrer reajustes em
determinados momentos e ainda assim continuar pertencendo ao
grupo dos custos fixos, já que tais reajustes não estarão
relacionados às oscilações na venda da empresa.
Além do aluguel, são também classificados como custos fixos os
gastos com telefonia, limpeza, manutenção e afins.
PONTO DE EQUILÍBRIO
CUSTOS VARIÁVEIS
Os custos variáveis, por sua vez, estão diretamente ligados à
produção da empresa, sofrendo alterações de um período para
outro. O melhor exemplo deste tipo de custo vem das
mercadorias: quanto mais se vende, mais produtos tem que ser
comprados e, portanto, maior é o gasto.
Outros exemplos de custos variáveis são a mão-de-obra direta,
comissões e fretes de venda e insumos diretos.
D.R.E
DEMONSTRATIVO DE
RESULTADO DO
EXERCICIO
DRE
O que significa uma DRE?
Dentro do meio contábil, uma DRE é a sigla para Demonstração do Resultado do
Exercício. Mas o que seria exatamente isso? Uma DRE é uma ferramenta contábil
em que se reproduz o resumo financeiro dos resultados operacionais e não
operacionais de uma empresa em certo período. Na grande maioria das vezes, o
período determinado corresponde ao ciclo anual de janeiro a dezembro (doze
meses), como exercício financeiro da empresa.
Uma DRE, portanto, vai confrontar os indicadores de receitas, despesas,
investimentos, custos e provisões apurados, evidenciando a formação do
resultado líquido da empresa na ocasião. Para fins legais, basta cumprir a DRE
anualmente, mas não é incomum que sejam feitas DREs mensais simplificadas
para fins administrativos e DREs trimestrais para o monitoramento dos gastos
fiscais.
DRE
Como é montada uma DRE?
Uma DRE tem uma sequência bem ordenada de cálculos, que acaba se repetindo em
qualquer demonstração contábil feita para qualquer empresa, independentemente do
porte ou do volume dos fatores ocorridos naquele exercício. Começa-se com o quadro da
receita bruta de vendas, de onde se deduzem as devoluções de vendas, os abatimentos e
descontos comerciais cedidos e os impostos. Já no quadro da receita líquida de vendas,
deduz-se o custo das mercadorias vendidas chegando-se ao lucro bruto.
A partir do montante do lucro bruto, subtraem-se todas as despesas operacionais,
financeiras, comerciais e aquelas gerais ou administrativas. Acrescentam-se aí outras
receitas operacionais, e o resultado será o lucro (ou prejuízo) operacional líquido. A partir
desse saldo, deduzem-se (ou acrescentam-se) os resultados não operacionais, como as
participações de empregados, administradores e partes beneficiárias, por exemplo. Com
isso, chega-se enfim ao lucro (ou prejuízo) líquido do exercício.
Cumprir uma boa gestão financeira na sua empresa vai ajudar a controlar melhor os seus
gastos, a prever certos cenários futuros e a se preparar melhor.
IMPORTANTE
A DRE é um procedimento de suma importância
para avaliar a saúde financeira da empresa. Por ser
um relatório relativamente detalhado
a DRE fornece aos administradores importantes
elementos que são fundamentais para tomada de
decisão. Sem as informações fornecidas pela DRE o
administrador não será capaz de avaliar a
verdadeira realidade da empresa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Adriano Bruni
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
simuladocontabil
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
alunocontabil
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
Eliseu Fortolan
 
DRE
DREDRE
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Universidade de Pernambuco
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
sscutrim
 
Dre
DreDre
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
CONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBERCONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBER
Edno Santos
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Danilo Pereira
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
Ana Paula Bevilacqua
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Grupo Suprema
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
AntonioCarlosMarques20
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Eliseu Fortolan
 
Aula escrituração
Aula   escrituraçãoAula   escrituração
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
Jesus Bandeira
 

Mais procurados (20)

Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
 
DRE
DREDRE
DRE
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
 
Dre
DreDre
Dre
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
CONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBERCONTAS A PAGAR E RECEBER
CONTAS A PAGAR E RECEBER
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdfIntrodução às Finanças Corporativas.pdf
Introdução às Finanças Corporativas.pdf
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 
Aula escrituração
Aula   escrituraçãoAula   escrituração
Aula escrituração
 
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
 

Destaque

Programa de Desenvolvimento de Lideranças
Programa de Desenvolvimento de LiderançasPrograma de Desenvolvimento de Lideranças
Programa de Desenvolvimento de Lideranças
Daniela de Oliveira
 
Palestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - Senac
Palestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - SenacPalestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - Senac
Palestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - Senac
Roberto Bricio
 
Visual merchandise ppt
Visual merchandise   pptVisual merchandise   ppt
Visual merchandise ppt
Vikas Mishra
 
5 treinamento higienização
5 treinamento higienização5 treinamento higienização
5 treinamento higienização
Afins Cosméticos
 
Palestra - Mercado de Trabalho
Palestra - Mercado de TrabalhoPalestra - Mercado de Trabalho
Palestra - Mercado de Trabalho
Daniela de Oliveira
 
Talk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenho
Talk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenhoTalk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenho
Talk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenho
hamilton pinheiro
 
TRABALHE EM EVENTOS
TRABALHE EM EVENTOSTRABALHE EM EVENTOS
TRABALHE EM EVENTOS
Daniela de Oliveira
 
Treinamento para o desenvolvimento comportamental
Treinamento para o desenvolvimento comportamentalTreinamento para o desenvolvimento comportamental
Treinamento para o desenvolvimento comportamental
Estanislao Training & Solutions
 
3 treinamento de produtos
3 treinamento de produtos3 treinamento de produtos
3 treinamento de produtos
Afins Cosméticos
 
4 treinamento de maquiagem
4 treinamento de maquiagem4 treinamento de maquiagem
4 treinamento de maquiagem
Afins Cosméticos
 
6 treinamento gestao de pessoas
6 treinamento gestao de pessoas6 treinamento gestao de pessoas
6 treinamento gestao de pessoas
Afins Cosméticos
 
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia SenaTreinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Patrícia Sena
 
Ampliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel Nepomuceno
Ampliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel NepomucenoAmpliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel Nepomuceno
Ampliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel Nepomuceno
E-Commerce Brasil
 
1 treinamento comportamental
1 treinamento comportamental1 treinamento comportamental
1 treinamento comportamental
Afins Cosméticos
 
7 treinamento gestão de vendas
7 treinamento gestão de vendas7 treinamento gestão de vendas
7 treinamento gestão de vendas
Afins Cosméticos
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
Sarah Karenina
 
2 treinamento de perfumaria completo
2 treinamento de perfumaria completo2 treinamento de perfumaria completo
2 treinamento de perfumaria completo
Afins Cosméticos
 
Técnicas de Merchandising
Técnicas de Merchandising Técnicas de Merchandising
Técnicas de Merchandising
Diogo Velez
 
Trade & Shopper Marketing 2012
Trade & Shopper Marketing 2012Trade & Shopper Marketing 2012
Trade & Shopper Marketing 2012
INVENT® - Conhecimento Estratégico
 
Organização de espaço de venda
Organização de espaço de vendaOrganização de espaço de venda
Organização de espaço de venda
tiaguinho1
 

Destaque (20)

Programa de Desenvolvimento de Lideranças
Programa de Desenvolvimento de LiderançasPrograma de Desenvolvimento de Lideranças
Programa de Desenvolvimento de Lideranças
 
Palestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - Senac
Palestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - SenacPalestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - Senac
Palestra Encontro Rerlacionamento com o Mercado - Senac
 
Visual merchandise ppt
Visual merchandise   pptVisual merchandise   ppt
Visual merchandise ppt
 
5 treinamento higienização
5 treinamento higienização5 treinamento higienização
5 treinamento higienização
 
Palestra - Mercado de Trabalho
Palestra - Mercado de TrabalhoPalestra - Mercado de Trabalho
Palestra - Mercado de Trabalho
 
Talk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenho
Talk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenhoTalk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenho
Talk sobre KPIs - Indicadores chave de desempenho
 
TRABALHE EM EVENTOS
TRABALHE EM EVENTOSTRABALHE EM EVENTOS
TRABALHE EM EVENTOS
 
Treinamento para o desenvolvimento comportamental
Treinamento para o desenvolvimento comportamentalTreinamento para o desenvolvimento comportamental
Treinamento para o desenvolvimento comportamental
 
3 treinamento de produtos
3 treinamento de produtos3 treinamento de produtos
3 treinamento de produtos
 
4 treinamento de maquiagem
4 treinamento de maquiagem4 treinamento de maquiagem
4 treinamento de maquiagem
 
6 treinamento gestao de pessoas
6 treinamento gestao de pessoas6 treinamento gestao de pessoas
6 treinamento gestao de pessoas
 
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia SenaTreinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
 
Ampliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel Nepomuceno
Ampliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel NepomucenoAmpliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel Nepomuceno
Ampliando ticket médio com venda de produtos agregados - Daniel Nepomuceno
 
1 treinamento comportamental
1 treinamento comportamental1 treinamento comportamental
1 treinamento comportamental
 
7 treinamento gestão de vendas
7 treinamento gestão de vendas7 treinamento gestão de vendas
7 treinamento gestão de vendas
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
 
2 treinamento de perfumaria completo
2 treinamento de perfumaria completo2 treinamento de perfumaria completo
2 treinamento de perfumaria completo
 
Técnicas de Merchandising
Técnicas de Merchandising Técnicas de Merchandising
Técnicas de Merchandising
 
Trade & Shopper Marketing 2012
Trade & Shopper Marketing 2012Trade & Shopper Marketing 2012
Trade & Shopper Marketing 2012
 
Organização de espaço de venda
Organização de espaço de vendaOrganização de espaço de venda
Organização de espaço de venda
 

Semelhante a 8 gestão financeira

Fluxo introdução
Fluxo introduçãoFluxo introdução
Fluxo introdução
bruna5151bruna
 
Pagamento em caixa .pptx
Pagamento em caixa .pptxPagamento em caixa .pptx
Pagamento em caixa .pptx
PedroCabral97
 
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IVPortfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Andréia Cruz
 
Administracao financeira
Administracao financeiraAdministracao financeira
Administracao financeira
Universal.org.mx
 
Adm financeira
Adm financeiraAdm financeira
Adm financeira
Aline Avelar
 
guia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdf
guia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdfguia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdf
guia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdf
Valdecir Buosi
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão financeira
Gestão financeiraGestão financeira
Gestão financeira
HS CONTÁBIL LTDA
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
clubeamadorey
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
clubeamadorey
 
POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...
POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...
POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...
Ivan Tojal
 
Controles Financeiros Inova Brasil
Controles Financeiros   Inova BrasilControles Financeiros   Inova Brasil
Controles Financeiros Inova Brasil
Consultoria Inova Brasil
 
Controles financeiros inova brasil
Controles financeiros   inova brasilControles financeiros   inova brasil
Controles financeiros inova brasil
Carlos Rocha
 
Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa
SALVADOR SERRATO
 
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRAADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
Raissa Gomes dos Santos
 
fluxo de caixa.pdf
fluxo de caixa.pdffluxo de caixa.pdf
fluxo de caixa.pdf
IsabelSuzane
 
Apostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixaApostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixa
NicoleKrisleyAlvesNo
 
Controle financeiro
Controle financeiroControle financeiro
Controle financeiro
B&R Consultoria Empresarial
 
Apresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeiraApresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeira
IG CONSULTORIA
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4 Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 

Semelhante a 8 gestão financeira (20)

Fluxo introdução
Fluxo introduçãoFluxo introdução
Fluxo introdução
 
Pagamento em caixa .pptx
Pagamento em caixa .pptxPagamento em caixa .pptx
Pagamento em caixa .pptx
 
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IVPortfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
Portfolio Administração Financeira e Análise de Investimento IV
 
Administracao financeira
Administracao financeiraAdministracao financeira
Administracao financeira
 
Adm financeira
Adm financeiraAdm financeira
Adm financeira
 
guia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdf
guia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdfguia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdf
guia-definitivo-gestao-financeira-varejo.pdf
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
Gestão financeira
Gestão financeiraGestão financeira
Gestão financeira
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...
POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...
POR QUE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NÃO CONTROLAM ADEQUADAMENTE SEUS CUSTOS E F...
 
Controles Financeiros Inova Brasil
Controles Financeiros   Inova BrasilControles Financeiros   Inova Brasil
Controles Financeiros Inova Brasil
 
Controles financeiros inova brasil
Controles financeiros   inova brasilControles financeiros   inova brasil
Controles financeiros inova brasil
 
Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa
 
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRAADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
 
fluxo de caixa.pdf
fluxo de caixa.pdffluxo de caixa.pdf
fluxo de caixa.pdf
 
Apostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixaApostila fluxo-de-caixa
Apostila fluxo-de-caixa
 
Controle financeiro
Controle financeiroControle financeiro
Controle financeiro
 
Apresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeiraApresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeira
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4 Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
 

Último

Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 

Último (13)

Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 

8 gestão financeira

  • 2. TÓPICOS: AUDITORIA DE ESTOQUE CONFERÊNCIA DE CAIXA FUNDO DE CAIXA FLUXO DE CAIXA CONCILIAÇÃO DE CARTÕES PONTO DE EQUILÍBRIO  DRE
  • 3. AUDITORIA DE ESTOQUE A ênfase deste trabalho se destina aos cuidados que se deve tomar quando do acompanhamento das contagens físicas dos estoques, aspectos relacionados à compras, procedimentos de controle interno adotados pela empresa, e a importância dos inventários físicos. A auditoria de estoques requer muito da atenção , pois os efeitos dos estoques se fazem repercutir na determinação do capital de giro e no resultado do exercício, e a determinação de seu valor que envolve alguns procedimentos contábeis complexos.
  • 4. AUDITORIA DE ESTOQUE O controle adequado e uma boa organização de estoque permite uma série de vantagens: Reduz perdas e furtos materiais Possibilita conhecer a quantidade necessária de mercadoria para um determinado período Evita compras desnecessárias Garante o suprimento de materiais e evita perda de vendas Assegura a qualidade e conservação dos materiais A má administração dos estoques resulta: Dificuldade para realização dos inventários Desperdício de espaços físicos Deteriorização de mercadorias
  • 5. AUDITORIA DE ESTOQUE Na Afins Cosméticos trabalhamos com dois tipos de contagem: Contagem Parcial Feita por amostragem, escolhe de 20 a 30% dos itens aleatoriamente dando preferência para os produtos de curva A, em seguida faz uma recontagem dos itens divergentes e ajusta o estoque parcialmente, contabilizando os custos dentro do DRE e se necessário penalizando os responsáveis. Contagem Mensal Feita a cada três meses com todos os produtos, lançada diretamente no sistema Jetro, contabilizando os custos dentro do DRE e se necessário penalizando os responsáveis.
  • 6. CURVA ABC DE PRODUTOS A Curva ABC de produtos significa ordem de prioridades dos materiais estocados, que são separados em três classe distintas: Classe A: de maior importância, valor ou quantidade, correspondendo a 20% do total; Classe B: com importância, quantidade ou valor intermediário, correspondendo a 30% do total; Classe C: de menor importância, valor ou quantidade, correspondendo a 50% do total. É importante ressaltar que os parâmetros descritos acima não podem ser encarados como uma regra matematicamente fixa e exata. Estes itens podem variar de acordo com o mês, datas comemorativas nos percentuais descritos. Por isso, é preciso muita atenção na hora de realizar a análise. Seu objetivo é buscar a redução de custos sem comprometer o nível de atendimento ao cliente.
  • 7. CONFERÊNCIA DE CAIXA A conferência de caixa é um ponto importante para ser analisado pois através dele se pode ver todas as divergências ocorridas. Ao final do expediente, conte todos os valores e movimentações realizadas: Dinheiro (notas e moedas); Cheques; Tickets; Cartões de crédito/débito; Vale funcionário; Pagamentos diversos. Durante a contagem podem aparecer algumas divergências devido a vários motivos, como: troco incorreto, troca de mercadoria em que não houve baixa, sangrias não registradas, ausências de outros registros etc. Justamente pelas divergências que podem ocorrer, é aconselhável que o fechamento de caixa seja feito no mesmo dia, para diminuir as chances de esquecimento do que foi feito durante o trabalho.
  • 8. FUNDO DE CAIXA O fundo de caixa é importante para que as vendedoras não percam vendas por falta de troco. Tem que ser conferido diariamente na abertura, passagem de plantão e fechamento para não haver faltas. Como não trabalhamos com caixa, a própria vendedora é responsável por passar os produtos no sistema e conferir os valores constantes no caixa, em caso de faltas a mesma deve repor o valor da falta.
  • 9. FLUXO DE CAIXA Fluxo de caixa é um instrumento de que se utiliza o empresário para conhecer antecipadamente a capacidade de pagamento ou liquidez da empresa, através de recursos financeiros, dentro de um determinado período de tempo .
  • 10. FLUXO DE CAIXA Desta forma, podemos definir: Entradas: são receitas de origem operacional(vendas efetuadas), financeiras(juros recebidos e empréstimos contraídos) ou outras quaisquer, por exemplo a venda de algum bem(imobilizado). Saídas: são todos os pagamentos realizados pela empresa, quer seja para cobrir gastos, quer para pagar investimentos realizados.. Obs: é importante não confundir receita com faturamento. Exemplo: se foi realizado uma venda em Julho com o prazo de recebimento para 30 dias, esse valor deverá entrar com receita apenas em Agosto.
  • 11. OBJETIVO DO FLUXO DE CAIXA O objetivo do fluxo de caixa é conhecer com antecedência as dificuldades financeiras, possibilitando o levantamento dos recursos suficientes para superá-las, com o fim de não transtornar as operações econômico-financeiras da empresa; Aplicar os recursos financeiros da melhor forma possível, ocasionalmente ociosos, visualizando previamente a melhor opção oferecida pelo mercado especializado; Manter a adimplência da empresa, saldando as obrigações financeiras rigorosamente na data do vencimento ; Desenvolver o controle dos saldos de caixa e dos créditos a receber pela empresa.
  • 12. IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é um instrumento fundamental para qualquer empresa porque: Obriga a empresa a se auto planejar e a trabalhar utilizando-se de dados estatísticos; Proporciona uma visão a curto e médio prazo sobre o desempenho da empresa; Oferece uma visão para imobilização, quando os dados, mês a mês, apresentarem índices de crescimento acentuado; Proporciona tomadas de decisões rápidas, fundamentadas diante do surgimento de dificuldades financeiras.
  • 13. EQUILÍBRIO FINANCEIRO Podemos dizer que uma empresa encontra-se em equilíbrio financeiro quando: Há permanente equilíbrio entre as entradas e saídas do caixa; O capital próprio tende a aumentar em relação ao capital de terceiros; A rentabilidade do capital empregado é satisfatória; Há menor necessidade de capital de giro; Apresenta tendência para aumentar o índice de rotação dos estoques; Os prazos médios de recebimento e pagamento tendem a estabilizar-se; Não há imobilização excessiva de capital e a existente é suficiente para o volume necessário de produção e comercialização; Não apresenta falta de mercadorias para o atendimento das vendas.
  • 14. DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO CAUSAS Excessos de investimentos em estoques ou itens de baixa rotação; Prazo médio de recebimento é maior que o prazo médio de pagamento; Excesso de imobilizações. SINTOMAS Insuficiência crônica de caixa; Captação sistemática de recursos através de empréstimos; Sensação de esforço desmedido.
  • 16. CONCILIAÇÃO DE CARTÕES A preferência cada vez maior dos consumidores pela utilização dos cartões de crédito e débito como meio de pagamento, e o crescente aumento das vendas mediante a facilidade de pagamento, obrigou as empresas do mercado varejista a investir na conciliação das vendas, ou conciliação das transações de venda. Afinal, em meio a centenas de transações diárias: Como ter certeza de que os recebimentos estão corretos? Será que a taxa de aluguel dos POS está sendo descontada corretamente? As taxas aplicadas são as mesmas negociadas em contrato? Quantos cancelamentos ocorrem por dia? Quantos estornos ocorrem por dia? Quantas transações as operadoras deixaram de repassar? Como comprovarei meus direitos a todos estes recebimentos?
  • 17. CONCILIAÇÃO DE CARTÕES As 3 etapas da Conciliação de Cartão
  • 18. CONCILIAÇÃO DE CARTÕES Etapa 1 – Conciliação de Vendas A conciliação de vendas consiste em confrontar as informações contidas no sistema de vendas das empresas com o extrato de vendas das operadoras de cartão. O resultado da conciliação de vendas permite acompanhar todas as transações realizadas no dia anterior, baseando as análises em: Divergência de valores Divergência de datas Vendas canceladas Chargebacks (estornos)
  • 19. CONCILIAÇÃO DE CARTÕES Etapa 2 – Conciliação de Pagamentos A conciliação de pagamentos consiste em confrontar as informações registradas e projetadas no extrato de vendas das operadoras, com o extrato de pagamentos das próprias operadoras de cartão, evidenciando o recebimento de cada transação projetada. O resultado da conciliação de Pagamento permite apurar todas as evidências em relação à todos os aspectos acima da conciliação de vendas, além de: Divergências de taxas Antecipações de pagamentos
  • 20. CONCILIAÇÃO DE CARTÕES Etapa 3 – Conciliação bancária ou de recebimentos A conciliação bancária, ou de recebimento, consiste em confrontar as informações contidas no extrato de pagamento das operadoras de cartão com extrato de recebimento dos bancos. O resultado da conciliação bancária informa possíveis divergências nos valores recebidos em conta, em relação aos valores informados pelas operadoras nos extratos de pagamento detalhados. Esta conciliação bancária serve para atestar se toda a projeção de recebimentos para aquela data corresponde com os créditos disponibilizados em conta corrente, considerando todos os descontos possíveis e já previstos nas demais conciliações.
  • 21. CONCILIAÇÃO DE CARTÕES Mediante ao predomínio dos cartões como meio de pagamentos e ao crescente aumento das vendas em função da facilidade do pagamento via cartão, as conciliações de cartão tornaram-se imprescindíveis para a gestão financeira e principalmente em relação às obrigações fiscais. Porém, este cenário revela um grave problema que as empresas estão enfrentando atualmente, pois uma empresa sem conciliação de cartão, ou com conciliação manual ineficiente, está exposta a grandes perdas financeiras, conforme verificados nos vários tipos de inconsistências possíveis, tais como divergências de valores, taxas, cancelamentos e principalmente estornos.
  • 23. PONTO DE EQUILÍBRIO O Ponto de Equilíbrio (PE ou Break Even Point, em inglês) é o ponto de igualdade financeira entre as despesas e as receitas totais em um mesmo período. Por meio dele, você saberá qual deve ser seu faturamento mínimo mensal para cobrir seus gastos fixos e variáveis. Esse número é que determinará qual será a quantidade de vendas a ser alcançada para obter lucro.
  • 24. PONTO DE EQUILÍBRIO CUSTOS FIXOS De uma maneira bem simples, podemos definir os custos fixos como aqueles que não sofrem alterações influenciadas pelo volume de vendas. Apesar do nome, não se pode afirmar que estes custos – que podem também ser classificados como “custos de estrutura” – jamais estarão sujeitos a qualquer modificação. Um exemplo clássico é o aluguel, que pode sofrer reajustes em determinados momentos e ainda assim continuar pertencendo ao grupo dos custos fixos, já que tais reajustes não estarão relacionados às oscilações na venda da empresa. Além do aluguel, são também classificados como custos fixos os gastos com telefonia, limpeza, manutenção e afins.
  • 25. PONTO DE EQUILÍBRIO CUSTOS VARIÁVEIS Os custos variáveis, por sua vez, estão diretamente ligados à produção da empresa, sofrendo alterações de um período para outro. O melhor exemplo deste tipo de custo vem das mercadorias: quanto mais se vende, mais produtos tem que ser comprados e, portanto, maior é o gasto. Outros exemplos de custos variáveis são a mão-de-obra direta, comissões e fretes de venda e insumos diretos.
  • 27. DRE O que significa uma DRE? Dentro do meio contábil, uma DRE é a sigla para Demonstração do Resultado do Exercício. Mas o que seria exatamente isso? Uma DRE é uma ferramenta contábil em que se reproduz o resumo financeiro dos resultados operacionais e não operacionais de uma empresa em certo período. Na grande maioria das vezes, o período determinado corresponde ao ciclo anual de janeiro a dezembro (doze meses), como exercício financeiro da empresa. Uma DRE, portanto, vai confrontar os indicadores de receitas, despesas, investimentos, custos e provisões apurados, evidenciando a formação do resultado líquido da empresa na ocasião. Para fins legais, basta cumprir a DRE anualmente, mas não é incomum que sejam feitas DREs mensais simplificadas para fins administrativos e DREs trimestrais para o monitoramento dos gastos fiscais.
  • 28. DRE Como é montada uma DRE? Uma DRE tem uma sequência bem ordenada de cálculos, que acaba se repetindo em qualquer demonstração contábil feita para qualquer empresa, independentemente do porte ou do volume dos fatores ocorridos naquele exercício. Começa-se com o quadro da receita bruta de vendas, de onde se deduzem as devoluções de vendas, os abatimentos e descontos comerciais cedidos e os impostos. Já no quadro da receita líquida de vendas, deduz-se o custo das mercadorias vendidas chegando-se ao lucro bruto. A partir do montante do lucro bruto, subtraem-se todas as despesas operacionais, financeiras, comerciais e aquelas gerais ou administrativas. Acrescentam-se aí outras receitas operacionais, e o resultado será o lucro (ou prejuízo) operacional líquido. A partir desse saldo, deduzem-se (ou acrescentam-se) os resultados não operacionais, como as participações de empregados, administradores e partes beneficiárias, por exemplo. Com isso, chega-se enfim ao lucro (ou prejuízo) líquido do exercício. Cumprir uma boa gestão financeira na sua empresa vai ajudar a controlar melhor os seus gastos, a prever certos cenários futuros e a se preparar melhor.
  • 29. IMPORTANTE A DRE é um procedimento de suma importância para avaliar a saúde financeira da empresa. Por ser um relatório relativamente detalhado a DRE fornece aos administradores importantes elementos que são fundamentais para tomada de decisão. Sem as informações fornecidas pela DRE o administrador não será capaz de avaliar a verdadeira realidade da empresa.