SlideShare uma empresa Scribd logo
Os Recursos Hídricos
2.3.1 - A especificidade do clima português
. a estação seca estival
. a irregularidade intra e interanual da precipitação
2.3.2 - As disponibilidades hídricas
. as águas superficiais
. as águas subterrâneas
2.3.3 - A gestão dos recursos hídricos
2.3. Os Recursos Hídricos
Ciclo Hidrológico (ou Ciclo da Água, pág. 164)
A água renova-se num ciclo fechado, denominado Ciclo Hidrológico, e para
seu funcionamento necessita de grandes quantidades de energia – energia
solar.
A quantidade da água na atmosfera é sempre constante, não desaparece
com a sua utilização, apenas se transfere. Desta forma:
1 – quando se verifica um aquecimento do ar, a água, que se encontra no
estado líquido, concentrada nos oceanos e mares, lagos e rios, passa ao
estado gasoso, dá-se a evaporação;
2 – quando há um arrefecimento do ar dá-se a condensação de parte dessa
água, originando as nuvens;
3- com o aumento do tamanho das gotas, aumenta o seu peso, precipitando-
se, ou seja, chove, havendo a libertação de calor, pelo que a temperatura
sobe.
Ciclo Hidrológico (ou Ciclo da Água)
 Evaporação – mudança do estado líquido para gasoso.
 Condensação – mudança do estado gasoso ao estado
líquido.
 Precipitação – Queda de água da atmosfera tanto no
estado líquido (chuva) como no estado sólido (neve ou
granizo).
Ciclo Hidrológico (ou Ciclo da Água)
Disponibilidade hídrica da terra
Processos condicionantes
Aspetos gerais do dinamismo da
atmosfera
1. Humidade atmosférica
Humidade Absoluta - Quantidade de vapor de água existente, num dado instante , em
cada unidade de volume de ar atmosférico (massas de ar) a uma determinada
temperatura.
Exprime-se em gramas por metro cúbico (g/m3).
Humidade Relativa – Razão entre a quantidade de vapor de água contida no ar e a
quantidade máxima que o ar pode conter sob as mesmas condições de temperatura e
pressão.
Expressa-se em percentagem (%) .
Ponto de Saturação – Limite a partir do qual o vapor de água pode condensar.
Relação entre a temperatura e a
humidade
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
 Força exercida pela atmosfera sobre a superfície terrestre.
Expressa-se em milibar (mb) ou hectopascal (hPa): 1mb= 1hPa
A pressão atmosférica normal é de 1013 mb (> 1013mb – alta
pressão; < 1013 mb – baixa pressão)
2.Pressão atmosférica
Varia com
Altitude Temperatura Latitude
Campos de pressão / Centros de ação
(p.166-167)
 Centro de ação em que os valores da pressão atmosférica
diminuem da periferia para o centro, onde se regista uma baixa
pressão.
Cartograficamente representa-se com a letra B ou o sinal - .
Centro de Baixas Pressões ou
Depressões barométricas
 O ar tem um movimento convergente e ascendente (quente) -
vai arrefecendo lentamente - a pressão diminui.
Dá origem a céu nublado com possibilidade de ocorrência de
precipitação.
 Centro de ação em que os valores de pressão atmosférica
aumenta da periferia para o centro, onde regista uma alta
pressão.
Cartograficamente representa-se com a letra A ou o sinal +.
Centro de Altas Pressões ou
Anticiclone
 O ar tem um movimento descendente (frio) e divergente – vai
aquecendo - a pressão aumenta e dá origem a céu limpo com
ausência de precipitação.
As diferenças de pressão originam a deslocação do ar –
VENTO – que sopra sempre das altas para as baixas pressões, no
sentido de estabelecer o equilíbrio barométrico. O movimento do
ar não é retilíneo pois o movimento de rotação da terra dá um
desvio no percurso dos ventos – efeito da força de Coriolis (o ar
em movimento sofre um desvio para a direita no hemisfério norte
e para a esquerda no hemisfério sul).
Circulação do ar na atmosfera
1º os recursos hídricos
 Os centros de pressão distribuem-se, genericamente , em faixas
paralelas ao equador e segundo alternância entre altas e baixas
pressões.
Distribuição dos centros de pressão
na superfície da terra
Em Janeiro, os
centros de ação
atmosférica
posicionam-se
mais a sul,
deslocação essa
que acompanha o
movimento anual
aparente do sol.
Distribuição dos centros de pressão
na superfície da terra em Janeiro
(p.170)
 Nessa altura do ano, Portugal pode ser atingido pelos centros
de baixas pressões vindos das latitudes próximas dos 60ºN. O
centro de baixas pressões da Islândia desce em latitude,
atinge o território nacional, provocando tempo frio, chuva
intensa e vento forte.
Como influencia no estado de tempo
em Portugal
Em Julho os
centros de ação
encontram-se
deslocados a
norte,
acompanhando
também o
movimento anual
aparente do sol.
Distribuição dos centros de pressão
na superfície da terra em Julho
 Nessa altura do ano, Portugal é atingido pelas altas pressões
oriundas das latitudes próximas dos 30ºN. O Anticiclone dos
Açores mantém-se então estacionário, durante longos
períodos de tempo, a norte do território nacional sobre o
Oceano Atlântico. Este facto origina o aumento da
temperatura e ausência de precipitação.
Como influencia no estado de tempo
em Portugal
Com a distribuição
latitudinal da
pressão atmosférica
no globo e o efeito
da força Coriolis,
formam-se três
conjuntos de ventos
gerais em cada
hemisfério.
3. Circulação geral da atmosfera
(p.168)
1. Ventos Alísios (e CIT) – sopram das altas pressões subtropicais
para as baixas pressões equatoriais. Os alísios dos dois
hemisférios convergem para o equador e definem uma zona de
descontinuidade designada por CIT (Convergência Intertropical).
3. Ventos de Este polares – ventos que sopram das altas para as
baixas pressões subpolares.
Características dos diferentes ventos
2. Ventos de oeste – sopram das altas pressões subtropicais em
direção às baixas pressões subpolares.
Estes ventos são os que mais afetam o nosso território e,
uma vez que têm um trajeto oceânico, tornam-se mais húmidos.
Por outro lado, ao aproximarem-se de áreas cada vez mais frias,
levam a que a saturação do ar se atinja com uma menor massa de
vapor de água, originando uma maior frequência de precipitação.
Características dos diferentes ventos
 Os ventos alísios e os
ventos de oeste
registam-se na
circulação de massas
de ar tropical;
 Os ventos de leste
polares registam-se
nas movimentações
das massas de ar
polar.
Circulação geral do ar na atmosfera
associada à distribuição das massas de ar
Quando duas massas de ar com características muito diferentes
de temperatura e humidade se encontram, apesar do contacto,
nunca se misturam. Estão separadas por uma superfície de
descontinuidade conhecida por superfície frontal. (esta situação
ocorre em latitudes na ordem dos 60º N ou S)
Superfície frontal (pág. 172-173)
 Frente - Intersecção da superfície frontal com a superfície da
terra (ar frio - frente fria; ar quente - frente quente). As frentes
mais importante a nível global são as frentes polares (resultam
do encontro entre as massas de ar polar e tropical), atendendo
à localização de Portugal, esta frente é a que mais afeta o
estado de tempo em Portugal continental e nas ilhas.
Superfície frontal
A frente polar constitui
uma faixa de "luta" onde
o ar frio polar tende a
deslocar-se para sul e o
ar tropical a movimentar-
se em direção às regiões
polares.
Comportamento da frente polar no
hemisfério norte
O encontro destas duas
massas de ar gera uma
separação ondulada.
Comportamento da frente polar no
hemisfério norte
Nuns casos avança mais o ar frio
(frente fria), noutros o ar quente
(frente quente), resultando daí
ondulações cada vez mais
pronunciadas. Quando o ar frio
alcança o ar quente dá-se o
nome de frente oclusa.
A frente polar apresenta-
se, normalmente, como um
conjunto de frentes
quentes e frias, em
sequência, constituindo um
sistema frontal que se
associa às baixas pressões
subpolares, tomando a
designação de perturbação
frontal.
Perturbação frontal
A passagem da superfície frontal fria e da superfície frontal
quente dá origem à ocorrência de precipitação, uma vez que está
sempre a associada a mecanismos de ascensão de ar. Estes e
outros fatores condicionam a ocorrência de precipitação.
Sistema de frentes e Precipitação
Resulta do encontro de
duas massas de ar com
caraterísticas diferentes de
temperatura e humidade.
A massa de ar quente,
como é mais leve, é
obrigada a subir,
arrefecendo. Dá-se a
condensação, a formação
de nuvens e a precipitação.
4. Tipos de Precipitação (pág. 175)
Chuvas frontais
Resulta da convergência
de ventos numa
determinada zona. O ar é
obrigado a subir, iniciando
o mecanismo de formação
de precipitação.
4. Tipos de Precipitação
Chuvas
Convergentes
Resultam do
sobreaquecimento da
superfície terrestre que
obriga o ar a subir,
aproxima-se do ponto
de saturação, aumenta
a humidade relativa,
condensa e precipita-se.
Ocorrem sobretudo no
Verão.
4. Tipos de Precipitação
Chuvas
Convectivas
Resultam da subida do ar
provocada pela existência
de uma montanha. O ar é
obrigado a subir e arrefece.
A humidade relativa
aumenta, dá-se a
condensação,
consequentemente a
formação de nuvens e
precipitação.
4. Tipos de Precipitação
Chuvas Orográficas ou
de Relevo
- Fluxo de Oeste;
- Altas pressões
subtropicais;
- Depressões subpolares;
- Passagem da frente
polar;
- Massas de ar polar e
tropical, nas suas mais
variantes marítima e
continental.
Massas de ar que mais afetam
Portugal Peninsular e Insular (p.171)
Situações meteorológicas típicas de
Portugal (176 - 177)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
Tânia Vieira
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica Climática
Antonio Reali
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
elsaki72
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontais
acbaptista
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
A dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosferaA dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosfera
Estude Mais
 
O clima
O climaO clima
O clima
anacgafonso
 
Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica Climática
Gerson Coppes
 
Cap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografiaCap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografia
Geová da Silva
 
Climatologia aula 4
Climatologia   aula 4Climatologia   aula 4
Climatologia aula 4
marciotecsoma
 
Ventos
VentosVentos
Ventos
CarlosWagner
 
Geo clima
Geo climaGeo clima
Geo clima
PedroFrancisco84
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
marciotecsoma
 
Massas de ar
Massas de arMassas de ar
Massas de ar
Sofia Baltazar
 
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Idalina Leite
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
ETEC de Barueri
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
Clima - 1º ano
Clima - 1º anoClima - 1º ano
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
Ministério da Educação
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do clima
Gustavo Soares
 

Mais procurados (20)

Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica Climática
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
A dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosferaA dinâmica da atmosfera
A dinâmica da atmosfera
 
O clima
O climaO clima
O clima
 
Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica Climática
 
Cap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografiaCap 8 clima geografia
Cap 8 clima geografia
 
Climatologia aula 4
Climatologia   aula 4Climatologia   aula 4
Climatologia aula 4
 
Ventos
VentosVentos
Ventos
 
Geo clima
Geo climaGeo clima
Geo clima
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
 
Massas de ar
Massas de arMassas de ar
Massas de ar
 
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Clima - 1º ano
Clima - 1º anoClima - 1º ano
Clima - 1º ano
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do clima
 

Semelhante a 1º os recursos hídricos

Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).doc
Aida Cunha
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Carson Souza
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Professor
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 
6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx
6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx
6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx
LutieleChaves
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
Carolina Corrêa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Isackson Mendes
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
EdicarlosDourado
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
Google
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Jonatas Carlos
 
Em cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verificaEm cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verifica
Thepatriciamartins12
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
André Luiz Marques
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Luciano Pessanha
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
Catarina Castro
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Renato Brasil
 

Semelhante a 1º os recursos hídricos (20)

Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).doc
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx
6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx
6 geo- cap.5- Fatores climáticos e precipitação.pptx
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
Em cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verificaEm cada hemisfério verifica
Em cada hemisfério verifica
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 

Último

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 

1º os recursos hídricos

  • 2. 2.3.1 - A especificidade do clima português . a estação seca estival . a irregularidade intra e interanual da precipitação 2.3.2 - As disponibilidades hídricas . as águas superficiais . as águas subterrâneas 2.3.3 - A gestão dos recursos hídricos 2.3. Os Recursos Hídricos
  • 3. Ciclo Hidrológico (ou Ciclo da Água, pág. 164)
  • 4. A água renova-se num ciclo fechado, denominado Ciclo Hidrológico, e para seu funcionamento necessita de grandes quantidades de energia – energia solar. A quantidade da água na atmosfera é sempre constante, não desaparece com a sua utilização, apenas se transfere. Desta forma: 1 – quando se verifica um aquecimento do ar, a água, que se encontra no estado líquido, concentrada nos oceanos e mares, lagos e rios, passa ao estado gasoso, dá-se a evaporação; 2 – quando há um arrefecimento do ar dá-se a condensação de parte dessa água, originando as nuvens; 3- com o aumento do tamanho das gotas, aumenta o seu peso, precipitando- se, ou seja, chove, havendo a libertação de calor, pelo que a temperatura sobe. Ciclo Hidrológico (ou Ciclo da Água)
  • 5.  Evaporação – mudança do estado líquido para gasoso.  Condensação – mudança do estado gasoso ao estado líquido.  Precipitação – Queda de água da atmosfera tanto no estado líquido (chuva) como no estado sólido (neve ou granizo). Ciclo Hidrológico (ou Ciclo da Água)
  • 7. Processos condicionantes Aspetos gerais do dinamismo da atmosfera 1. Humidade atmosférica Humidade Absoluta - Quantidade de vapor de água existente, num dado instante , em cada unidade de volume de ar atmosférico (massas de ar) a uma determinada temperatura. Exprime-se em gramas por metro cúbico (g/m3). Humidade Relativa – Razão entre a quantidade de vapor de água contida no ar e a quantidade máxima que o ar pode conter sob as mesmas condições de temperatura e pressão. Expressa-se em percentagem (%) . Ponto de Saturação – Limite a partir do qual o vapor de água pode condensar.
  • 8. Relação entre a temperatura e a humidade
  • 11.  Força exercida pela atmosfera sobre a superfície terrestre. Expressa-se em milibar (mb) ou hectopascal (hPa): 1mb= 1hPa A pressão atmosférica normal é de 1013 mb (> 1013mb – alta pressão; < 1013 mb – baixa pressão) 2.Pressão atmosférica Varia com Altitude Temperatura Latitude
  • 12. Campos de pressão / Centros de ação (p.166-167)
  • 13.  Centro de ação em que os valores da pressão atmosférica diminuem da periferia para o centro, onde se regista uma baixa pressão. Cartograficamente representa-se com a letra B ou o sinal - . Centro de Baixas Pressões ou Depressões barométricas
  • 14.  O ar tem um movimento convergente e ascendente (quente) - vai arrefecendo lentamente - a pressão diminui. Dá origem a céu nublado com possibilidade de ocorrência de precipitação.
  • 15.  Centro de ação em que os valores de pressão atmosférica aumenta da periferia para o centro, onde regista uma alta pressão. Cartograficamente representa-se com a letra A ou o sinal +. Centro de Altas Pressões ou Anticiclone
  • 16.  O ar tem um movimento descendente (frio) e divergente – vai aquecendo - a pressão aumenta e dá origem a céu limpo com ausência de precipitação.
  • 17. As diferenças de pressão originam a deslocação do ar – VENTO – que sopra sempre das altas para as baixas pressões, no sentido de estabelecer o equilíbrio barométrico. O movimento do ar não é retilíneo pois o movimento de rotação da terra dá um desvio no percurso dos ventos – efeito da força de Coriolis (o ar em movimento sofre um desvio para a direita no hemisfério norte e para a esquerda no hemisfério sul). Circulação do ar na atmosfera
  • 19.  Os centros de pressão distribuem-se, genericamente , em faixas paralelas ao equador e segundo alternância entre altas e baixas pressões. Distribuição dos centros de pressão na superfície da terra
  • 20. Em Janeiro, os centros de ação atmosférica posicionam-se mais a sul, deslocação essa que acompanha o movimento anual aparente do sol. Distribuição dos centros de pressão na superfície da terra em Janeiro (p.170)
  • 21.  Nessa altura do ano, Portugal pode ser atingido pelos centros de baixas pressões vindos das latitudes próximas dos 60ºN. O centro de baixas pressões da Islândia desce em latitude, atinge o território nacional, provocando tempo frio, chuva intensa e vento forte. Como influencia no estado de tempo em Portugal
  • 22. Em Julho os centros de ação encontram-se deslocados a norte, acompanhando também o movimento anual aparente do sol. Distribuição dos centros de pressão na superfície da terra em Julho
  • 23.  Nessa altura do ano, Portugal é atingido pelas altas pressões oriundas das latitudes próximas dos 30ºN. O Anticiclone dos Açores mantém-se então estacionário, durante longos períodos de tempo, a norte do território nacional sobre o Oceano Atlântico. Este facto origina o aumento da temperatura e ausência de precipitação. Como influencia no estado de tempo em Portugal
  • 24. Com a distribuição latitudinal da pressão atmosférica no globo e o efeito da força Coriolis, formam-se três conjuntos de ventos gerais em cada hemisfério. 3. Circulação geral da atmosfera (p.168)
  • 25. 1. Ventos Alísios (e CIT) – sopram das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais. Os alísios dos dois hemisférios convergem para o equador e definem uma zona de descontinuidade designada por CIT (Convergência Intertropical). 3. Ventos de Este polares – ventos que sopram das altas para as baixas pressões subpolares. Características dos diferentes ventos
  • 26. 2. Ventos de oeste – sopram das altas pressões subtropicais em direção às baixas pressões subpolares. Estes ventos são os que mais afetam o nosso território e, uma vez que têm um trajeto oceânico, tornam-se mais húmidos. Por outro lado, ao aproximarem-se de áreas cada vez mais frias, levam a que a saturação do ar se atinja com uma menor massa de vapor de água, originando uma maior frequência de precipitação. Características dos diferentes ventos
  • 27.  Os ventos alísios e os ventos de oeste registam-se na circulação de massas de ar tropical;  Os ventos de leste polares registam-se nas movimentações das massas de ar polar. Circulação geral do ar na atmosfera associada à distribuição das massas de ar
  • 28. Quando duas massas de ar com características muito diferentes de temperatura e humidade se encontram, apesar do contacto, nunca se misturam. Estão separadas por uma superfície de descontinuidade conhecida por superfície frontal. (esta situação ocorre em latitudes na ordem dos 60º N ou S) Superfície frontal (pág. 172-173)
  • 29.  Frente - Intersecção da superfície frontal com a superfície da terra (ar frio - frente fria; ar quente - frente quente). As frentes mais importante a nível global são as frentes polares (resultam do encontro entre as massas de ar polar e tropical), atendendo à localização de Portugal, esta frente é a que mais afeta o estado de tempo em Portugal continental e nas ilhas. Superfície frontal
  • 30. A frente polar constitui uma faixa de "luta" onde o ar frio polar tende a deslocar-se para sul e o ar tropical a movimentar- se em direção às regiões polares. Comportamento da frente polar no hemisfério norte
  • 31. O encontro destas duas massas de ar gera uma separação ondulada. Comportamento da frente polar no hemisfério norte Nuns casos avança mais o ar frio (frente fria), noutros o ar quente (frente quente), resultando daí ondulações cada vez mais pronunciadas. Quando o ar frio alcança o ar quente dá-se o nome de frente oclusa.
  • 32. A frente polar apresenta- se, normalmente, como um conjunto de frentes quentes e frias, em sequência, constituindo um sistema frontal que se associa às baixas pressões subpolares, tomando a designação de perturbação frontal. Perturbação frontal
  • 33. A passagem da superfície frontal fria e da superfície frontal quente dá origem à ocorrência de precipitação, uma vez que está sempre a associada a mecanismos de ascensão de ar. Estes e outros fatores condicionam a ocorrência de precipitação. Sistema de frentes e Precipitação
  • 34. Resulta do encontro de duas massas de ar com caraterísticas diferentes de temperatura e humidade. A massa de ar quente, como é mais leve, é obrigada a subir, arrefecendo. Dá-se a condensação, a formação de nuvens e a precipitação. 4. Tipos de Precipitação (pág. 175) Chuvas frontais
  • 35. Resulta da convergência de ventos numa determinada zona. O ar é obrigado a subir, iniciando o mecanismo de formação de precipitação. 4. Tipos de Precipitação Chuvas Convergentes
  • 36. Resultam do sobreaquecimento da superfície terrestre que obriga o ar a subir, aproxima-se do ponto de saturação, aumenta a humidade relativa, condensa e precipita-se. Ocorrem sobretudo no Verão. 4. Tipos de Precipitação Chuvas Convectivas
  • 37. Resultam da subida do ar provocada pela existência de uma montanha. O ar é obrigado a subir e arrefece. A humidade relativa aumenta, dá-se a condensação, consequentemente a formação de nuvens e precipitação. 4. Tipos de Precipitação Chuvas Orográficas ou de Relevo
  • 38. - Fluxo de Oeste; - Altas pressões subtropicais; - Depressões subpolares; - Passagem da frente polar; - Massas de ar polar e tropical, nas suas mais variantes marítima e continental. Massas de ar que mais afetam Portugal Peninsular e Insular (p.171)
  • 39. Situações meteorológicas típicas de Portugal (176 - 177)

Notas do Editor

  1. 1. Indique a situação A, B ou C que poderá corresponder ao Verão. 2. Identifique a situação A, B ou C em que o ar pode conter menos vapor de água. 2.1. Relaciona essa situação com a estação do ano.
  2. Como já foi dito a humidade está relacionada com as condições de tºc e de pressão atmosférica