SlideShare uma empresa Scribd logo
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS
BRASILEIROS

Professora: Carolina Corrêa
Objetivos

Conceituar;
Identificar os domínios brasileiros;
Caracterizá-los;
Compreender
nossa
riqueza
biodiversidade.

e
Domínio Mares de Morros
Localiza-se na porção oriental do País,
desde o Nordeste até o Sul. Na região
Sudeste,
penetra
para
o
interior,
abrangendo o centro-sul de Minas Gerais e
São Paulo.
Fonte: coceducacao
O aspecto característico do Domínio
dos Mares de Morros encontra-se no relevo
e nos processos erosivos.
O planalto Atlântico (classificação de
Aroldo Azevedo) é a unidade do relevo que
mais se destaca; apresenta terrenos
cristalinos antigos, datados do précambriano, correspondendo ao Escudo
Atlântico.
Entre as várias serras que compõe
este domínio podemos citar a do Mar,
Mantiqueira, Espinhaço, Geral, Caparaó
(Pico da Bandeira = 2 890 m), etc.

Fonte: www.escoladeimagem.com.br
A erosão, provocada pelo clima tropical
úmido, associada a um intemperismo
químico significativo sobre os terrenos
cristalinos (granito/gnaisse), é um dos
fatores responsáveis pela conformação do
relevo, com a presença de morros com
vertentes arredondadas (morros em Meia
Laranja, Pães-de-Açúcar).
Fonte: professorjamesonnig.wordpress.com

Fonte: extra.globo.com
É o domínio geoecológico brasileiro mais
sujeito aos processos erosivos, consequência
do relevo acidentado e da ação de clima
tropical úmido. O intemperismo químico forma
solos profundos, intensamente trabalhados
pela ação das chuvas e enxurradas. É comum
a ocorrência de deslizamentos, causados pela
destruição da vegetação natural, práticas
agrícolas inadequadas, etc.
As terras altas do Sudeste dividem as
águas de várias bacias hidrográficas: bacia
do São Francisco, bacia Paranaica (Grande,
Tietê, etc.), bacias Secundárias do Leste
(Paraíba do Sul, Doce) e Sul.
A maior parte dos rios são planálticos,
encachoeirados, com grande número de
quedas ou saltos, corredeiras e com
elevado poder de erosão. O potencial
hidráulico é também elevado,
O Domínio dos Mares de Morros
apresenta o predomínio do clima tropical
úmido.
Na região Sudeste, devido a maiores
altitudes, o clima é o tropical de altitude,
com médias térmicas anuais entre 14 °C e
22 °C. As chuvas ocorrem no verão, que é
muito quente. No inverno, as médias
térmicas são mais baixas, por influência da
altitude e da massa de ar Polar Atlântica
(mPa).
No litoral, sobretudo no norte de São
Paulo, a pluviosidade é elevadíssima,
consequência da presença da serra do Mar,
que barra a umidade vinda do Atlântico (chuvas
orográficas ou de relevo). Em Itapanhaú, litoral
de São Paulo, foi registrado o maior total anual
de chuvas (4 514 mm).
Fonte: coceducação
A principal paisagem vegetal desse
domínio era, originariamente, representada
pela mata Atlântica .
Essa formação florestal ocupava as
terras desde o Rio Grande do Norte até o
Rio Grande do Sul, cobrindo as escarpas
voltadas para o mar e os planaltos interiores
do Sudeste. Apresentava, em muitos
trechos, uma vegetação imponente, que
podia chegar a 30 metros de altura, como
perobas, pau-d'alho, figueiras, cedros,
jacarandá, jatobá, jequitibá, etc.
Com o processo
de ocupação dessas
terras brasileiras, essa
floresta sofreu grandes
devastações. No início,
foi a extração do paubrasil; posteriormente, a
agricultura da cana-deaçúcar (Nordeste) e a do
café (Sudeste).
Fonte: geoconceicao.blogspot.com
Fonte: geoconceicao.blogspot.com
Domínio das Araucárias
Abrange áreas altas do Centro-Sul do
País, sobretudo Paraná, Santa Catarina e
Rio Grande do Sul.
As altitudes variam entre 800 e 1 300
metros; apresentam terrenos sedimentares
(Paleozóico), recobertos, em parte, por
lavas vulcânicas (basalto) datadas do
Mesozóico.
Fonte: coceducacao
Na Depressão Periférica aparecem as
cuestas. São relevos salientes, formados
pela erosão diferencial, ou seja, ação
erosiva sobre rochas de diferentes
resistências.
Aparecem, nesse domínio, solos de
grande fertilidade natural, como a terra roxa
a oeste do Paraná, solo de origem
vulcânica, de cor vermelha, formado pela
decomposição do basalto.
Em vários trechos do Rio Grande do
Sul, ocorrem vastas áreas de solo fértil,
denominado brunizem (elevado teor de
matéria orgânica).
São
encontrados
ainda,
nesse
domínio, solos ácidos, pobres em minerais e
de baixa fertilidade natural.
O domínio das araucárias apresenta
como clima predominante o subtropical, isto
é, temperaturas médias não muito elevadas.
As chuvas ocorrem durante o ano todo;
durante o verão elas são provocadas pela
massa de ar Tropical Atlântica (mTa), no
inverno pelo encontro desta com a mPa.
Os
índices
pluviométricos
são
elevados, variando de 1 250 a 2 000 mm
anuais.
Forte influência da massa de ar Polar
Atlântica principalmente no outono e no inverno,
quando é responsável pela formação de
geadas, quedas de neve em São Joaquim (SC),
Gramado (RS) e São José dos Ausentes (RS),
chuvas frontais e redução acentuada de
temperatura.
Originalmente, localizava-se das terras
altas de São Paulo até o Rio Grande do Sul,
sendo o único exemplo brasileiro de
conífera. Também denominada mata dos
Pinhais,
apresenta
as
seguintes
características gerais:
Os pinheiros apresentam folhas em forma
de agulha (aciculifoliadas).
Ocupam principalmente os planaltos
meridionais do Brasil.
Não é uma floresta homogênea.
É uma formação vegetal menos densa.
Foi intensamente devastada.
Área de colonização européia no século
XIX (italianos e alemães).
Os rios deste domínio são rios de planaltos
com belíssimas cachoeiras e quedas, o que
lhes confere um elevado potencial hidráulico.
Embora o Paraná apresente um regime
tropical, com cheias de verão (dezembro a
março), a maior parte dos rios desse domínio
possui regime subtropical (Uruguai, por
exemplo), com duas cheias e duas vazantes
anuais, apresentando pequena variação em
sua vazão, consequência do regime de chuvas,
distribuído durante o ano todo.
Domínio das Pradarias
Também conhecido como Campanha
Gaúcha ou Pampas, abrange vastas áreas
(Centro-Sul) do Rio Grande do Sul,
constituindo-se em um prolongamento dos
campos ou pradarias do Uruguai e
Argentina pelo território brasileiro.
Fonte: coceducacao
Este domínio engloba três unidades do
relevo brasileiro: planaltos e chapadas da bacia
do Paraná (oeste), depressão periférica sul-riograndense (centro) e o planalto sul-riograndense (leste). Trata-se de um baixo
planalto cristalino com altitudes médias entre
200 e 400 metros, onde se destacam conjuntos
de colinas onduladas denominadas coxilhas,
ou seja, pequenas elevações onduladas. As
saliências mais significativas (cristas), de maior
altitude, são chamadas regionalmente de
cerros.
O clima é subtropical com temperatura
média anual baixa, devido a vários fatores,
destacando-se a latitude e a ocorrência de
frentes frias (mPa).
Apresenta considerável amplitude térmica
e, no verão, as áreas mais quentes são o Vale
do Uruguai e a Campanha Gaúcha, que
registram máximas diárias acima de 38°. As
chuvas são regulares.
A paisagem vegetal típica é constituída
pelos Campos Limpos ou Pampas, onde
predominam gramíneas, cuja altura varia de 10
a 50 cm aproximadamente. É a vegetação
brasileira (natural) mais favorável à prática da
pecuária, tradicional atividade dessa região.
Nos vales fluviais, surgem capões de
matas (matas de galerias ou ciliares) que
quebram a monotonia da paisagem rasteira,
formando verdadeiras ilhas de vegetação em
meio aos campos.
Apresentam boa fertilidade natural.
Formação de areais e campos de dunas no
sudoeste do Rio Grande do Sul (Alegrete,
Quaraí, Cacequi).
A
utilização
do
conceito
de
desertificação é considerado inadequado para
a região, porque ela não apresenta um clima
árido ou semi-árido, como também não existem
evidências de que o processo estaria alterando
o clima regional, sendo assim o termo mais
indicado, segundo a pesquisadora Dirce
Suertegaray, é arenização.
Fonte:
http://professoralexeinowatzki.webnode.com.br/pedologia/degrada%C3%A7%C3%A3o%20dos
%20solos/
Envolve partes das bacias hidrográficas
do Uruguai e do Sudeste e Sul. Os rios desse
domínio são perenes mas de baixa densidade
hidrográfica,
com
traçados
meândricos
(curvas), favoráveis à navegação.
Alguns correm para o Leste (bacia
Secundária do Sul), desaguando nas lagoas
litorâneas como Patos (maior do Brasil),
Mangueira e Mirim. Os rios Jacuí (Guaíba) e
Camaquã são exemplos. Outros correm em
direção ao Oeste (bacia do Uruguai), como os
rios Quaraí, Ijuí, etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
williandadalto
 
[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste
flaviocosac
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
Stéfano Silveira
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Andre Luiz Nascimento
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
André Luiz Marques
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Suely Takahashi
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
Stéfano Silveira
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
elves0927
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Rogerio Silveira
 
Paisagens Vegetais da Terra
Paisagens Vegetais da Terra Paisagens Vegetais da Terra
Paisagens Vegetais da Terra
Gabriela Fabrin
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
Prof. Francesco Torres
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
flaviocosac
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
João José Ferreira Tojal
 
Cap. 6 - As condições naturais da américa
Cap. 6 - As condições naturais da américaCap. 6 - As condições naturais da américa
Cap. 6 - As condições naturais da américa
profacacio
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
Christie Freitas
 
Relevo
RelevoRelevo
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Roberta Sumar
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
flaviocosac
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Salageo Cristina
 

Mais procurados (20)

Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
 
[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios MorfoclimáticosBrasil – Domínios Morfoclimáticos
Brasil – Domínios Morfoclimáticos
 
Paisagens Vegetais da Terra
Paisagens Vegetais da Terra Paisagens Vegetais da Terra
Paisagens Vegetais da Terra
 
Região norte
Região norteRegião norte
Região norte
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Cap. 6 - As condições naturais da américa
Cap. 6 - As condições naturais da américaCap. 6 - As condições naturais da américa
Cap. 6 - As condições naturais da américa
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil7º ano   unidade 6 - Nordeste do Brasil
7º ano unidade 6 - Nordeste do Brasil
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 

Destaque

Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
karolpoa
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
karolpoa
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
karolpoa
 
Domínios cerrado
Domínios cerradoDomínios cerrado
Domínios cerrado
karolpoa
 
Gabarito exercícios
Gabarito exercíciosGabarito exercícios
Gabarito exercícios
karolpoa
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
karolpoa
 
Tectônica de placas
Tectônica de placasTectônica de placas
Tectônica de placas
karolpoa
 
Projeções
ProjeçõesProjeções
Projeções
karolpoa
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
karolpoa
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
karolpoa
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
Carolina Corrêa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Carolina Corrêa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
Carolina Corrêa
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
karolpoa
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Carolina Corrêa
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
Carolina Corrêa
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Carolina Corrêa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
Carolina Corrêa
 
Revisão
RevisãoRevisão

Destaque (20)

Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientaisDomínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
Domínios morfoclimáticos brasileiros condições ambientais
 
Domínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileirosDomínios morfoclimáticos brasileiros
Domínios morfoclimáticos brasileiros
 
Domínios cerrado
Domínios cerradoDomínios cerrado
Domínios cerrado
 
Gabarito exercícios
Gabarito exercíciosGabarito exercícios
Gabarito exercícios
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
 
Tectônica de placas
Tectônica de placasTectônica de placas
Tectônica de placas
 
Projeções
ProjeçõesProjeções
Projeções
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 

Semelhante a Domínios mares de morros

Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
Marcela Marangon Ribeiro
 
Aula clima biomas brasil sartre frente2
Aula clima  biomas brasil sartre frente2Aula clima  biomas brasil sartre frente2
Aula clima biomas brasil sartre frente2
CADUCOCFRENTE2
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
ceama
 
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio Morfoclimático
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio MorfoclimáticoDOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio Morfoclimático
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio Morfoclimático
SlviaVieira13
 
Aula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundoAula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundo
Gabriel Lecoque Francisco
 
Geografia 1ano3bim3
Geografia 1ano3bim3Geografia 1ano3bim3
Geografia 1ano3bim3
Junior Oliveira
 
Biogeografia 6
Biogeografia 6Biogeografia 6
Biogeografia 6
Virna Salgado Barra
 
Aula do pré vest sobre climas do brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do brasil e do mundoAula do pré vest sobre climas do brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do brasil e do mundo
Gabriel Lecoque Francisco
 
Regiao Sudeste
Regiao SudesteRegiao Sudeste
Regiao Sudeste
Walquiria Dutra
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Márcio Júlio
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
ricardohenri
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Os domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticosOs domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticos
Rosemildo Lima
 
Trab. de geografia
Trab. de geografiaTrab. de geografia
Trab. de geografia
AnaTajes
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
Pré Master
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
profleofonseca
 
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
Cópia de biomas   janaina e  bruna 6bCópia de biomas   janaina e  bruna 6b
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
pptmeirelles
 
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
Cópia de biomas   janaina e  bruna 6bCópia de biomas   janaina e  bruna 6b
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
pptmeirelles
 
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
Cópia de biomas   janaina e  bruna 6bCópia de biomas   janaina e  bruna 6b
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
pptmeirelles
 

Semelhante a Domínios mares de morros (20)

Geografia do Brasil
Geografia do BrasilGeografia do Brasil
Geografia do Brasil
 
Aula clima biomas brasil sartre frente2
Aula clima  biomas brasil sartre frente2Aula clima  biomas brasil sartre frente2
Aula clima biomas brasil sartre frente2
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio Morfoclimático
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio MorfoclimáticoDOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio Morfoclimático
DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Quql a diferença entre Bioma e Domínio Morfoclimático
 
Aula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundoAula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do Brasil e do mundo
 
Geografia 1ano3bim3
Geografia 1ano3bim3Geografia 1ano3bim3
Geografia 1ano3bim3
 
Biogeografia 6
Biogeografia 6Biogeografia 6
Biogeografia 6
 
Aula do pré vest sobre climas do brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do brasil e do mundoAula do pré vest sobre climas do brasil e do mundo
Aula do pré vest sobre climas do brasil e do mundo
 
Regiao Sudeste
Regiao SudesteRegiao Sudeste
Regiao Sudeste
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Os domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticosOs domínios morfoclimáticos
Os domínios morfoclimáticos
 
Trab. de geografia
Trab. de geografiaTrab. de geografia
Trab. de geografia
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Domínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticosDomínios morfoclimáticos
Domínios morfoclimáticos
 
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
Cópia de biomas   janaina e  bruna 6bCópia de biomas   janaina e  bruna 6b
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
 
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
Cópia de biomas   janaina e  bruna 6bCópia de biomas   janaina e  bruna 6b
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
 
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
Cópia de biomas   janaina e  bruna 6bCópia de biomas   janaina e  bruna 6b
Cópia de biomas janaina e bruna 6b
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 

Domínios mares de morros

  • 2. Objetivos Conceituar; Identificar os domínios brasileiros; Caracterizá-los; Compreender nossa riqueza biodiversidade. e
  • 4. Localiza-se na porção oriental do País, desde o Nordeste até o Sul. Na região Sudeste, penetra para o interior, abrangendo o centro-sul de Minas Gerais e São Paulo.
  • 6. O aspecto característico do Domínio dos Mares de Morros encontra-se no relevo e nos processos erosivos. O planalto Atlântico (classificação de Aroldo Azevedo) é a unidade do relevo que mais se destaca; apresenta terrenos cristalinos antigos, datados do précambriano, correspondendo ao Escudo Atlântico.
  • 7. Entre as várias serras que compõe este domínio podemos citar a do Mar, Mantiqueira, Espinhaço, Geral, Caparaó (Pico da Bandeira = 2 890 m), etc. Fonte: www.escoladeimagem.com.br
  • 8. A erosão, provocada pelo clima tropical úmido, associada a um intemperismo químico significativo sobre os terrenos cristalinos (granito/gnaisse), é um dos fatores responsáveis pela conformação do relevo, com a presença de morros com vertentes arredondadas (morros em Meia Laranja, Pães-de-Açúcar).
  • 10. É o domínio geoecológico brasileiro mais sujeito aos processos erosivos, consequência do relevo acidentado e da ação de clima tropical úmido. O intemperismo químico forma solos profundos, intensamente trabalhados pela ação das chuvas e enxurradas. É comum a ocorrência de deslizamentos, causados pela destruição da vegetação natural, práticas agrícolas inadequadas, etc.
  • 11. As terras altas do Sudeste dividem as águas de várias bacias hidrográficas: bacia do São Francisco, bacia Paranaica (Grande, Tietê, etc.), bacias Secundárias do Leste (Paraíba do Sul, Doce) e Sul. A maior parte dos rios são planálticos, encachoeirados, com grande número de quedas ou saltos, corredeiras e com elevado poder de erosão. O potencial hidráulico é também elevado,
  • 12.
  • 13. O Domínio dos Mares de Morros apresenta o predomínio do clima tropical úmido. Na região Sudeste, devido a maiores altitudes, o clima é o tropical de altitude, com médias térmicas anuais entre 14 °C e 22 °C. As chuvas ocorrem no verão, que é muito quente. No inverno, as médias térmicas são mais baixas, por influência da altitude e da massa de ar Polar Atlântica (mPa).
  • 14. No litoral, sobretudo no norte de São Paulo, a pluviosidade é elevadíssima, consequência da presença da serra do Mar, que barra a umidade vinda do Atlântico (chuvas orográficas ou de relevo). Em Itapanhaú, litoral de São Paulo, foi registrado o maior total anual de chuvas (4 514 mm).
  • 16. A principal paisagem vegetal desse domínio era, originariamente, representada pela mata Atlântica . Essa formação florestal ocupava as terras desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul, cobrindo as escarpas voltadas para o mar e os planaltos interiores do Sudeste. Apresentava, em muitos trechos, uma vegetação imponente, que podia chegar a 30 metros de altura, como perobas, pau-d'alho, figueiras, cedros, jacarandá, jatobá, jequitibá, etc.
  • 17. Com o processo de ocupação dessas terras brasileiras, essa floresta sofreu grandes devastações. No início, foi a extração do paubrasil; posteriormente, a agricultura da cana-deaçúcar (Nordeste) e a do café (Sudeste). Fonte: geoconceicao.blogspot.com
  • 20. Abrange áreas altas do Centro-Sul do País, sobretudo Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. As altitudes variam entre 800 e 1 300 metros; apresentam terrenos sedimentares (Paleozóico), recobertos, em parte, por lavas vulcânicas (basalto) datadas do Mesozóico.
  • 22.
  • 23. Na Depressão Periférica aparecem as cuestas. São relevos salientes, formados pela erosão diferencial, ou seja, ação erosiva sobre rochas de diferentes resistências.
  • 24. Aparecem, nesse domínio, solos de grande fertilidade natural, como a terra roxa a oeste do Paraná, solo de origem vulcânica, de cor vermelha, formado pela decomposição do basalto.
  • 25. Em vários trechos do Rio Grande do Sul, ocorrem vastas áreas de solo fértil, denominado brunizem (elevado teor de matéria orgânica). São encontrados ainda, nesse domínio, solos ácidos, pobres em minerais e de baixa fertilidade natural.
  • 26. O domínio das araucárias apresenta como clima predominante o subtropical, isto é, temperaturas médias não muito elevadas. As chuvas ocorrem durante o ano todo; durante o verão elas são provocadas pela massa de ar Tropical Atlântica (mTa), no inverno pelo encontro desta com a mPa. Os índices pluviométricos são elevados, variando de 1 250 a 2 000 mm anuais.
  • 27.
  • 28. Forte influência da massa de ar Polar Atlântica principalmente no outono e no inverno, quando é responsável pela formação de geadas, quedas de neve em São Joaquim (SC), Gramado (RS) e São José dos Ausentes (RS), chuvas frontais e redução acentuada de temperatura.
  • 29. Originalmente, localizava-se das terras altas de São Paulo até o Rio Grande do Sul, sendo o único exemplo brasileiro de conífera. Também denominada mata dos Pinhais, apresenta as seguintes características gerais: Os pinheiros apresentam folhas em forma de agulha (aciculifoliadas). Ocupam principalmente os planaltos meridionais do Brasil.
  • 30. Não é uma floresta homogênea. É uma formação vegetal menos densa. Foi intensamente devastada. Área de colonização européia no século XIX (italianos e alemães).
  • 31. Os rios deste domínio são rios de planaltos com belíssimas cachoeiras e quedas, o que lhes confere um elevado potencial hidráulico. Embora o Paraná apresente um regime tropical, com cheias de verão (dezembro a março), a maior parte dos rios desse domínio possui regime subtropical (Uruguai, por exemplo), com duas cheias e duas vazantes anuais, apresentando pequena variação em sua vazão, consequência do regime de chuvas, distribuído durante o ano todo.
  • 33. Também conhecido como Campanha Gaúcha ou Pampas, abrange vastas áreas (Centro-Sul) do Rio Grande do Sul, constituindo-se em um prolongamento dos campos ou pradarias do Uruguai e Argentina pelo território brasileiro.
  • 35. Este domínio engloba três unidades do relevo brasileiro: planaltos e chapadas da bacia do Paraná (oeste), depressão periférica sul-riograndense (centro) e o planalto sul-riograndense (leste). Trata-se de um baixo planalto cristalino com altitudes médias entre 200 e 400 metros, onde se destacam conjuntos de colinas onduladas denominadas coxilhas, ou seja, pequenas elevações onduladas. As saliências mais significativas (cristas), de maior altitude, são chamadas regionalmente de cerros.
  • 36.
  • 37. O clima é subtropical com temperatura média anual baixa, devido a vários fatores, destacando-se a latitude e a ocorrência de frentes frias (mPa). Apresenta considerável amplitude térmica e, no verão, as áreas mais quentes são o Vale do Uruguai e a Campanha Gaúcha, que registram máximas diárias acima de 38°. As chuvas são regulares.
  • 38.
  • 39. A paisagem vegetal típica é constituída pelos Campos Limpos ou Pampas, onde predominam gramíneas, cuja altura varia de 10 a 50 cm aproximadamente. É a vegetação brasileira (natural) mais favorável à prática da pecuária, tradicional atividade dessa região. Nos vales fluviais, surgem capões de matas (matas de galerias ou ciliares) que quebram a monotonia da paisagem rasteira, formando verdadeiras ilhas de vegetação em meio aos campos.
  • 40. Apresentam boa fertilidade natural. Formação de areais e campos de dunas no sudoeste do Rio Grande do Sul (Alegrete, Quaraí, Cacequi). A utilização do conceito de desertificação é considerado inadequado para a região, porque ela não apresenta um clima árido ou semi-árido, como também não existem evidências de que o processo estaria alterando o clima regional, sendo assim o termo mais indicado, segundo a pesquisadora Dirce Suertegaray, é arenização.
  • 42. Envolve partes das bacias hidrográficas do Uruguai e do Sudeste e Sul. Os rios desse domínio são perenes mas de baixa densidade hidrográfica, com traçados meândricos (curvas), favoráveis à navegação. Alguns correm para o Leste (bacia Secundária do Sul), desaguando nas lagoas litorâneas como Patos (maior do Brasil), Mangueira e Mirim. Os rios Jacuí (Guaíba) e Camaquã são exemplos. Outros correm em direção ao Oeste (bacia do Uruguai), como os rios Quaraí, Ijuí, etc.