SlideShare uma empresa Scribd logo
Governo do Estado do Rio de Janeiro
   Secretaria Estadual de Educação
Colégio Estadual Leopoldina da Silveira




          HISTÓRIA
   Professor Luiz Valentim
Aula I – 2ª Série – Ensino Médio




          ILUMINISMO
Iluminismo
Antigo Regime   Revoluções
O Antigo Regime
Expressão criada a
partir de 1789 pelos
revolucionários
franceses       para
caracterizar         a
sociedade criticada
pelos iluministas e
contra a qual a
Revolução foi feita.
Características
• Absolutismo;
• Forte presença da Igreja;
• Rígida estratificação social;
• Desigualdade e concentração de privilégios;
• Ausência de separação entre as esferas
  pública e privada;
Sociedade Estamental
                                                   Rei
                                                         Alta nobreza: príncipes,
                           Alto clero: cardeais,         duques, condes, marqueses,
                           bispos, etc.                  etc.


   Clero médio: abades e abadessas,
   membros dos conselhos, padres de                         Média nobreza: cavalheiros
   paróquias ricas, etc.                                    e nobres de toga.


                                                                    Baixa nobreza:
           Baixo clero: padres,
                                                                    fidalgos.
           frades e freiras.


                                                                         Ricos: comerciantes, banqueiros,
                                                                         donos de terras, de títulos de
                                                                         propriedade, etc.
Níveis       modestos:
artesãos, profissionais
liberais,   agricultores                                                          Pobres: Camponeses,
com terras, etc.                                                                  jornaleiros,
                                                                                  trabalhadores
                                                                                  urbanos, etc.
O jumento santo e a cidade que se
          acabou antes de começar

     Quem põe ordem no mundo?
     Hoje em dia não predomina a visão religiosa, e
     sim o entendimento de que os homens são os
     responsáveis pela sociedade, por sua ordem e
     desordem.
     Quais foram os desafios trazidos por essa
     mudança de perspectiva para o homem?

BOMENY, Helena; FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Tempos Modernos, Tempos de Sociologia.
Séculos XVII e XVIII
Tem início o processo que
resultou no predomínio da
razão sobre a religião.




                             Ocorre              uma
                             transformação         de
                             valores,
                             comportamentos         e
                             instituições        que
                             conduzem      a      um
                             processo de ‘laicização’
                             do mundo ocidental.
Iluminismo
Também conhecido como Ilustração,
foi definido por Kant como um
processo de “esclarecimento”, a
partir do qual o ser humano sairia de
sua “menoridade” graças ao uso da
razão e ao exercício da liberdade de
pensamento. Sapere aude!
Conceito de Iluminismo

           Conjunto de idéias,
           desenvolvido na Europa
           no século XVIII, que
           defendia o racionalismo
           como valor essencial da
           sociedade.
Conceito de Iluminismo

            Para os filósofos
            iluministas a razão
            é considerada o
            instrumento
            fundamental para o
            ser humano lidar
            com a natureza e a
            sociedade.
Conceito de Iluminismo
          Embora os philosophes não
          seguissem uma única e
          coerente     corrente    de
          pensamento nem tivessem
          um manifesto ou programa
          de idéias, todos defendiam
          o uso do pensamento
          racional e criticavam a
          autoridade religiosa e o
          autoritarismo de qualquer
          tipo, além de se oporem ao
          fanatismo.
Racionalismo
O Iluminismo pôs abaixo as explicações que o
Cristianismo oferecia sobre a natureza e a
humanidade, estimulando a experiência
científica em todas as áreas.
As transformações verificadas na produção do
conhecimento ao longo do século XVIII
abriram as portas para as invenções que
marcaram o século XIX, considerado o “Século
da Ciência”.
Conceito de Racionalismo
Posição filosófica segundo a qual a razão tem
um papel preponderante na aquisição de
conhecimento.
Num sentido mais geral, o racionalismo é a
ideia de que só racionalmente podemos
chegar às verdades acerca do mundo. Tanto a
experiência como a razão são métodos
racionais de aquisição de conhecimento, por
oposição aos processos místicos, como a fé
ou a revelação divina.
              http://www.defnarede.com/
Philosophes iluministas


 Montesquieu             Voltaire                Rousseau


Os filósofos iluministas, embora não tenham
sido eles próprios revolucionários, criticaram
frontalmente a sociedade do Antigo Regime e,
sobretudo, as idéias que a justificavam.


  Lavoisier    Diderot              D’Alembert     Kant
Montesquieu



“Uma injustiça feita ao
indivíduo é uma ameaça
para toda a sociedade.”
Montesquieu


Charles Louis de Secondat, Barão de
Montesquieu, defendeu a divisão do poder do
Estado em três com a criação dos poderes
executivo, legislativo e judiciário, pois, embora
fosse monarquista, era contrário ao
absolutismo. Defendia ainda que a lei deveria
valer para todas as pessoas, sem exceção.
Os Três Poderes
 JUDICIÁRIO




              LEGISLATIVO




        EXECUTIVO
Os Três Poderes
• Legislativo
  – Elabora leis que representem os interesses da
    sociedade;
• Judiciário
  – Interpreta e julga de acordo com as leis
    elaboradas pelo poder legislativo e promulgadas
    pelo executivo;
• Executivo
  – Governa e administra os interesses públicos de
    acordo com as leis vigentes.
Voltaire



“Somos todos iguais como
homens, mas não somos
iguais na sociedade.”
Voltaire


François-Marie Arouet, Voltaire, ficou
conhecido por defender as liberdades civis e
religiosas. Era a favor de uma ‘monarquia
ilustrada’, pois considerava que o Estado não
deveria existir para servir ao rei, mas para
atender às necessidades dos súditos e
defender a ‘felicidade pública’, embora
defendesse apenas a igualdade civil e não a
igualdade social.
Monarquia Ilustrada
Assim ficaram conhecidas as casas reais que
praticavam o Despotismo Esclarecido. É a
expressão utilizada para caracterizar reis e
ministros que assimilavam parte das ideias
iluministas para modernizar o Estado,
buscando libertá-lo da influência da religião e
fortalecê-lo economicamente, para reformá-lo
socialmente.                               Tudo    pelo
                                           povo, sem o
                                               povo!
Rousseau



“A propriedade privada
introduz a desigualdade
entre os homens.”
Rousseau


Jean-Jacques Rousseau foi o filósofo que mais
influenciou as ações radicais da Revolução
Francesa, antecipando as ideias socialistas que
floresceram no século XIX. Ao contrário de Thomas
Hobbes, afirmava que o homem era naturalmente
bom, embora fosse corrompido pela sociedade, e
defendia a república como a mais perfeita forma
de governo, pois somente nela existiria um Estado
representativo da soberania do povo.
O Contrato Social
                                      Do Contrato Social
                “... O homem é o
                                      Rousseau
                lobo do homem...”
                                      (1762)




Leviathan
Thomas Hobbes
                                    “...o homem é bom
(1651)
                                    por natureza, a
                                    sociedade é quem
                                    o corrompe...”
Até Quando?
           Gabriel, o Pensador
Com qual(is) dos três filósofos analisados
anteriormente podemos identificar esta música de
Gabriel, o Pensador?
Por que as ideias radicais, embora tenham influenciado
em diversos momentos da Revolução Francesa, logo
foram postas de lado, dando lugar à ideologia liberal?
No mundo contemporâneo, predomina o radicalismo
ou a moderação?
L’Enciclopédie
Publicada entre 1751 e
1772,     a    Enciclopédia
tornou-se o símbolo do
Iluminismo.      Organizada
por Denis Diderot e Jean Le
Rond     D’Alembert,      foi
inspirada na obra inglesa
de Ephraim Chambers,
Cyclopedia:       dicionário
universal das ciências e das
artes, publicada em 1728.
L’Enciclopédie
Composta por 17 volumes, foi organizada com
base na árvore do conhecimento humano
elaborada por Francis Bacon em 1620, e
tornou-se uma espécie de manifesto do
pensamento iluminista que, em nome da
razão, valorizava o estudo das ciências, das
artes, da geografia, da história, etc., libertando
o conhecimento dos preceitos religiosos.
L’Enciclopédie
Com posição nitidamente laica, a obra se
opunha às explicações oferecidas pela religião
para a natureza e a sociedade, afirmando que
o conhecimento era um legado humano e não
um legado divino, além de classificar a religião
como somente mais um entre outros tantos
ramos da filosofia. Apesar de incluída no Index
em 1759, continuou a ser publicada até sua
conclusão, em 1772.
Despotismo Esclarecido
Os     chamados     déspotas     esclarecidos
assimilavam parte das ideias iluministas para
modernizar o Estado, buscando libertá-lo da
influência da religião e fortalecê-lo
economicamente,        para       reformá-lo
socialmente,    embora       para      muitos
historiadores a expressão em si apresente
contradições em seus termos, uma vez que
um déspota não poderia, por definição, ser
esclarecido.
Despotismo Esclarecido
Os principais Estados onde ocorreu esta
forma de despotismo foram Espanha,
Portugal, Prússia e Rússia, e funcionou
como um meio de reforçar o
absolutismo.
Na Inglaterra, onde o absolutismo havia
sido extinguido em 1688, não havia
espaço para nenhuma forma de
despotismo.
Na França o absolutismo reinava e as
ideias iluministas, embora dominassem o
cenário, só foram postas em prática com
a Revolução Francesa.
Marques de Pombal

Foi o principal ministro de D. José I, em
Portugal, e governou o país com mão de ferro
por 22 anos, até 1777. Pombal foi o principal
responsável pela reconstrução de Lisboa após o
terremoto de 1755 e conduziu a política
econômica de forma a fortalecer as finanças
reais e incentivar o comércio e as manufaturas,
restringindo ainda privilégios da nobreza. Com
intenção de secularizar a sociedade portuguesa,
Pombal confiscou todos os bens da Companhia
de Jesus e reformou o ensino, priorizando as
ciências naturais, a filosofia e a matemática.
Marques de Pombal

• Incentivou o comércio e a manufatura no
  reino;
• Reforçou os vínculos com as colônias;
• Expulsou os jesuítas e esvaziou o poder da
  Inquisição;
• Valorizou os comerciantes, incluindo os
  cristãos-novos;
• Desafiou a nobreza tradicional;
• Renovou o sistema educacional.
Carlos III da Espanha

Pertencente à dinastia de Bourbon, foi o
responsável pela criação de um sistema de
instrução pública, pela abolição do sistema de
porto único no comércio colonial, pela criação de
companhias de comércio, pela extinção dos
impostos que prejudicavam o mercado interno e
pela restrição de privilégios da nobreza. Assim
como em Portugal, esvaziou o poder da Igreja,
expulsando jesuítas e abolindo as diferenças entre
cristãos-velhos e cristãos-novos. Todavia, manteve
os tribunais da Inquisição, com o objetivo de barrar
as ideias ‘revolucionárias’.
Frederico, o Grande

Soberano da Prússia e filósofo iluminista,
Frederico II publicou diversos textos em que
defendia que o dever do rei era servir ao
Estado e o da religião era manter a fé da
população como fonte de solidariedade e
obediência. Organizou o exército e a
burocracia, além de incentivar a manufatura,
o comércio, a agricultura, o ensino público e
as ciências naturais, apesar de preservar ao
máximo a nobreza.
Catarina, a Grande

Imperatriz Russa, nascida na Prússia e amiga
de filósofos franceses, organizou um forte
exército, incentivou universidades, estimulou
as ciências naturais, apoiou a agricultura e
adotou uma política de tolerância religiosa.
Por outro lado, seu reinado foi marcado pela
repressão violenta de diversas revoltas, pelo
apoio à nobreza e pela opressão do
campesinato, submetido à corveia obrigatória.
Luzes na América


• América Portuguesa
  – As ideias iluministas quase não se fizeram
    presentes na colônia portuguesa. Nem sequer
    havia imprensa, as bibliotecas eram raras e a
    importação de livros era controlada por
    funcionários da Inquisição. Todavia, algumas
    academias literárias surgiram, embora quase
    sempre de vida curta.
Luzes na América
• América Espanhola
  – A produção literária e artística sempre foi
    intensa, pois havia imprensa, escolas de
    pintura e universidades. Todavia, as ideias
    iluministas pouco influenciaram toda esta
    atividade cultural. A educação universitária
    continuava calcada no ensino de São Tomás
    de Aquino e de Aristóteles e tinha como
    principal objetivo formar clérigos e
    burocratas para a administração colonial.
Luzes na América
• América Inglesa
  – A influência do iluminismo foi favorecida pela
    presença da imprensa, de bibliotecas e de livrarias
    em várias cidades, assim como universidades.
    Entretanto, as ideias iluministas inglesas
    prevaleceram nestas colônias, embora a cultura
    francesa também fosse marcante. Nesta parte do
    continente surgiu a primeira revolução contra o
    sistema colonial mercantilista das Américas e a
    primeira revolução baseada nos ideais iluministas
    no mundo.
HQ’s da História
      A turma será dividida em equipes, e cada uma
      deverá:
• Construir uma História em Quadrinhos sobre um hipotético
  encontro entre os três filósofos iluministas analisados em
  aula:
   • Montesquieu, Voltaire e Rousseau;


• O fictício encontro poderá ser ambientado em qualquer local
  e em qualquer época desejada
   • uma Boate, um Bar, uma Igreja, um Programa de TV, um café, um
     debate eleitoral, etc.;
HQ’s da História
• O assunto abordado deverá ser pensado e escolhido pela
  equipe:
  • posse de um determinado presidente, proclamações de
    independência, proclamações de regimes republicanos, revoluções,
    etc.;
• Cada personagem deverá abordar o assunto de acordo com
  suas características pessoais e históricas;
• A história idealizada deverá ter alguma ação e poderá ter
  personagens secundários que movimentem-na;
• Os personagens centrais não deverão dirigir-se diretamente
  ao leitor, explicando suas teorias, mas as mesmas deverão
  ficar claras através dos diálogos realizados.
HQ’s da História

• As imagens utilizadas na confecção da HQ poderão ser
  desenhadas ou construídas através de montagens.
• Todos os recursos disponíveis, digitais ou manuais, deverão
  ser utilizados na confecção da mesma.
• Cada equipe deverá entregar duas cópias impressas e uma
  cópia digitalizada.
• O tamanho do HQ deverá ser de 21 cm (alt.) e 15 cm (larg.),
  ou seja, meia folha de papel A4.
HQ’s da História

• A HQ deverá ter, em sua totalidade, 8 páginas distribuídas da
  seguinte forma.

   •   1ª Página: Capa.
   •   2ª Página: Autores e Agradecimentos.
   •   3ª Página: Início da História.
   •   4 ª e 5ª Páginas: Desenvolvimento da História.
   •   6ª Página: Conclusão da História.
   •   7ª Página: Bibliografia e Glossário.
   •   8ª Página: Contra-capa - catálogo das HQ’s da turma.
HQ’s da História
• Cronograma e Metodologia:
  • 11/03 – 15/03: A equipe deverá pesquisar a vida e a obra
    dos filósofos analisados, e o contexto histórico em que
    acontecerá o hipotético encontro.
  • 18/03 (segunda-feira) – 21/03 (quinta-feira): A equipe
    deverá entregar a sinopse da HQ devidamente digitada,
    identificada e formatada. Uma cópia deverá ser enviada
    por e-mail neste mesmo prazo.
  • 01/04 (segunda-feira) – 04/04 (quinta-feira): A equipe
    deverá enviar a capa da HQ, por e-mail e já finalizada, para
    a confecção das contra-capas de todas as equipes pelo
    professor.
  • 08/04 (segunda-feira) – 11/04 (quinta-feira): Entrega das
    versões finais impressas e digitalizadas.
HQ’s da História
• Toda e qualquer orientação poderá ser dada
  pelo professor as quintas-feiras, de 16:30 às
  17:50, ou durante toda a semana através do e-
  mail luizvalentimjr@gmail.com.
• Nenhum atraso será tolerado no cumprimento
  dos prazos.
• Cada atraso resultará em 1,0 ponto a menos
  na nota final do trabalho.
HQ’s da História
• A distribuição dos pontos do bimestre será
  feita da seguinte forma:
  • Sinopse: 4,0 pontos;
  • HQ: 6,0 pontos;

• A avaliação será          feita    levando-se      em
  consideração:
  • Sinopse: Coerência textual, correção histórica e
    apresentação final.
  • HQ: Texto, elementos gráficos, coerência em relação à
    sinopse e apresentação final.
Iluminismo
Bibliografia
• VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila   • BOMENY,       Helena;      FREIRE-
  de Castro; FERREIRA, Jorge;         MEDEIROS,      Bianca.    Tempos
  SANTOS, Georgina. História: o       Modernos, Tempos de Sociologia.
  longo século XIX. Vol. 2. São       São Paulo: Editora do Brasil, 2010.
  Paulo: Saraiva, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Babilopestaliuli
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
Daniel Alves Bronstrup
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
Tamires Santos
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Professor Marcelo
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
harlissoncarvalho
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a
Valmir Gomes
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
Nefer19
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Leide Soares Matoso
 
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosA Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
Portal do Vestibulando
 
Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo  Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo
Gustavo de Melo
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosA Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
 
Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo  Socialismo e comunismo
Socialismo e comunismo
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 

Destaque

O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Rui Neto
 
Atividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostas
Atividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostasAtividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostas
Atividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostas
Luiza Bussolo
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
Dênis Ribas
 
As contradicións da sociedade estamental
As contradicións da sociedade estamentalAs contradicións da sociedade estamental
As contradicións da sociedade estamental
Pedrosc25
 
TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.
TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.
TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.
José Andújar
 
Filo ash 24 tp
Filo ash 24 tpFilo ash 24 tp
Filo ash 24 tp
alemisturini
 
12. era napoleônica
12. era napoleônica12. era napoleônica
12. era napoleônica
José Augusto Fiorin
 
Iluminismo - vestibular
Iluminismo - vestibularIluminismo - vestibular
Iluminismo - vestibular
eduardo carneiro
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
Lyssa Martins
 
Slide
SlideSlide
Cartismo
CartismoCartismo
Sociedade e Estado
Sociedade e EstadoSociedade e Estado
Sociedade e Estado
Ellin Cristina Neves
 
Estado e Sociedade
Estado e SociedadeEstado e Sociedade
Estado e Sociedade
Daniel Alves
 
Conhecendo minha escola
Conhecendo minha escolaConhecendo minha escola
Conhecendo minha escola
Letras Mágicas
 
Trabalho sobre iluminismo maria joana morais 11ºj
Trabalho sobre iluminismo  maria joana morais 11ºjTrabalho sobre iluminismo  maria joana morais 11ºj
Trabalho sobre iluminismo maria joana morais 11ºj
JoanaRitaSilva
 
Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção
Aula 2   O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe AssunçãoAula 2   O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção
Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. FilósofosContexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Denise Aguiar
 
3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª
3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª
3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª
Prefeitura Municipal de Sangão
 
Sugestões de atividades e materiais relacionadas ao eca
Sugestões de atividades e materiais relacionadas ao ecaSugestões de atividades e materiais relacionadas ao eca
Sugestões de atividades e materiais relacionadas ao eca
camilasarmento80
 
Poder judiciário
Poder judiciárioPoder judiciário
Poder judiciário
Gabriel Jesus
 

Destaque (20)

O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Atividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostas
Atividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostasAtividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostas
Atividade de-historia os-tres-poderes-5-ano_respostas
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 
As contradicións da sociedade estamental
As contradicións da sociedade estamentalAs contradicións da sociedade estamental
As contradicións da sociedade estamental
 
TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.
TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.
TEMA 9: EL SIGLO XVIII. EL SIGLO DE LAS LUCES.
 
Filo ash 24 tp
Filo ash 24 tpFilo ash 24 tp
Filo ash 24 tp
 
12. era napoleônica
12. era napoleônica12. era napoleônica
12. era napoleônica
 
Iluminismo - vestibular
Iluminismo - vestibularIluminismo - vestibular
Iluminismo - vestibular
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
Cartismo
CartismoCartismo
Cartismo
 
Sociedade e Estado
Sociedade e EstadoSociedade e Estado
Sociedade e Estado
 
Estado e Sociedade
Estado e SociedadeEstado e Sociedade
Estado e Sociedade
 
Conhecendo minha escola
Conhecendo minha escolaConhecendo minha escola
Conhecendo minha escola
 
Trabalho sobre iluminismo maria joana morais 11ºj
Trabalho sobre iluminismo  maria joana morais 11ºjTrabalho sobre iluminismo  maria joana morais 11ºj
Trabalho sobre iluminismo maria joana morais 11ºj
 
Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção
Aula 2   O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe AssunçãoAula 2   O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção
Aula 2 O conceito de estado para marx, weber e durkheim- Prof. Noe Assunção
 
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. FilósofosContexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
 
3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª
3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª
3 textos diferentes e interpretação tipo saresp 3ª,4ª
 
Sugestões de atividades e materiais relacionadas ao eca
Sugestões de atividades e materiais relacionadas ao ecaSugestões de atividades e materiais relacionadas ao eca
Sugestões de atividades e materiais relacionadas ao eca
 
Poder judiciário
Poder judiciárioPoder judiciário
Poder judiciário
 

Semelhante a Iluminismo

Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Mozão Fraga
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
GildetedaConceioGarc
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo desenho
Iluminismo desenhoIluminismo desenho
Iluminismo desenho
Alcidon Cunha
 
Filósofos iluministas
Filósofos iluministasFilósofos iluministas
Filósofos iluministas
Eunice Carmo
 
Ideias revolucionárias ilumismo
Ideias revolucionárias   ilumismoIdeias revolucionárias   ilumismo
Ideias revolucionárias ilumismo
Luise Moura
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
historiando
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Foz
 
Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
cattonia
 
Seculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismoSeculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismo
Teresa Maia
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Valeria Kosicki
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Carla Teixeira
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
ProfessoresColeguium
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Laerciolns12
 
Iluminismo.melissa
Iluminismo.melissaIluminismo.melissa
Iluminismo.melissa
JoanaRitaSilva
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Filósofos Iluministas
Filósofos IluministasFilósofos Iluministas
Filósofos Iluministas
EuniceCarmo
 
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismowww.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
EnsinoFundamental
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
Anna Paula
 

Semelhante a Iluminismo (20)

Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo desenho
Iluminismo desenhoIluminismo desenho
Iluminismo desenho
 
Filósofos iluministas
Filósofos iluministasFilósofos iluministas
Filósofos iluministas
 
Ideias revolucionárias ilumismo
Ideias revolucionárias   ilumismoIdeias revolucionárias   ilumismo
Ideias revolucionárias ilumismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
 
Seculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismoSeculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Iluminismo.melissa
Iluminismo.melissaIluminismo.melissa
Iluminismo.melissa
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Filósofos Iluministas
Filósofos IluministasFilósofos Iluministas
Filósofos Iluministas
 
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismowww.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
 

Mais de Luiz Valentim

Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e EspartaCivilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Luiz Valentim
 
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à HomeroCivilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Luiz Valentim
 
200 anos a família real e a viagem que mudou a história
200 anos a família real e a viagem que mudou a história200 anos a família real e a viagem que mudou a história
200 anos a família real e a viagem que mudou a história
Luiz Valentim
 
Trabalho 2º bimestre
Trabalho   2º bimestreTrabalho   2º bimestre
Trabalho 2º bimestre
Luiz Valentim
 
Prova - 1º bimestre - 3ª série
Prova - 1º bimestre - 3ª sérieProva - 1º bimestre - 3ª série
Prova - 1º bimestre - 3ª série
Luiz Valentim
 
Prova - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª sérieProva - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª série
Luiz Valentim
 
República da Espada
República da EspadaRepública da Espada
República da Espada
Luiz Valentim
 
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da BastilhaRevolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Luiz Valentim
 
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - ExercíciosOcaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Luiz Valentim
 
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - ExercíciosOcaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Luiz Valentim
 
Iluminismo - Exercícios
Iluminismo - ExercíciosIluminismo - Exercícios
Iluminismo - Exercícios
Luiz Valentim
 
Proclamação da República
Proclamação da RepúblicaProclamação da República
Proclamação da República
Luiz Valentim
 
Ocaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império BrasileiroOcaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império Brasileiro
Luiz Valentim
 
Introdução à História
Introdução à HistóriaIntrodução à História
Introdução à História
Luiz Valentim
 
Análise de Imagens
Análise de ImagensAnálise de Imagens
Análise de Imagens
Luiz Valentim
 
Aula Inaugural - História
Aula Inaugural - História Aula Inaugural - História
Aula Inaugural - História
Luiz Valentim
 

Mais de Luiz Valentim (16)

Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e EspartaCivilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
Civilização Greco-Romana - Atenas e Esparta
 
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à HomeroCivilização Greco-Romana - De Minos à Homero
Civilização Greco-Romana - De Minos à Homero
 
200 anos a família real e a viagem que mudou a história
200 anos a família real e a viagem que mudou a história200 anos a família real e a viagem que mudou a história
200 anos a família real e a viagem que mudou a história
 
Trabalho 2º bimestre
Trabalho   2º bimestreTrabalho   2º bimestre
Trabalho 2º bimestre
 
Prova - 1º bimestre - 3ª série
Prova - 1º bimestre - 3ª sérieProva - 1º bimestre - 3ª série
Prova - 1º bimestre - 3ª série
 
Prova - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª sérieProva - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª série
 
República da Espada
República da EspadaRepública da Espada
República da Espada
 
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da BastilhaRevolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
 
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - ExercíciosOcaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
 
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - ExercíciosOcaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
Ocaso do Império / Proclamação da República - Exercícios
 
Iluminismo - Exercícios
Iluminismo - ExercíciosIluminismo - Exercícios
Iluminismo - Exercícios
 
Proclamação da República
Proclamação da RepúblicaProclamação da República
Proclamação da República
 
Ocaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império BrasileiroOcaso do Império Brasileiro
Ocaso do Império Brasileiro
 
Introdução à História
Introdução à HistóriaIntrodução à História
Introdução à História
 
Análise de Imagens
Análise de ImagensAnálise de Imagens
Análise de Imagens
 
Aula Inaugural - História
Aula Inaugural - História Aula Inaugural - História
Aula Inaugural - História
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Iluminismo

  • 1. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria Estadual de Educação Colégio Estadual Leopoldina da Silveira HISTÓRIA Professor Luiz Valentim
  • 2. Aula I – 2ª Série – Ensino Médio ILUMINISMO
  • 4. O Antigo Regime Expressão criada a partir de 1789 pelos revolucionários franceses para caracterizar a sociedade criticada pelos iluministas e contra a qual a Revolução foi feita.
  • 5. Características • Absolutismo; • Forte presença da Igreja; • Rígida estratificação social; • Desigualdade e concentração de privilégios; • Ausência de separação entre as esferas pública e privada;
  • 6. Sociedade Estamental Rei Alta nobreza: príncipes, Alto clero: cardeais, duques, condes, marqueses, bispos, etc. etc. Clero médio: abades e abadessas, membros dos conselhos, padres de Média nobreza: cavalheiros paróquias ricas, etc. e nobres de toga. Baixa nobreza: Baixo clero: padres, fidalgos. frades e freiras. Ricos: comerciantes, banqueiros, donos de terras, de títulos de propriedade, etc. Níveis modestos: artesãos, profissionais liberais, agricultores Pobres: Camponeses, com terras, etc. jornaleiros, trabalhadores urbanos, etc.
  • 7. O jumento santo e a cidade que se acabou antes de começar Quem põe ordem no mundo? Hoje em dia não predomina a visão religiosa, e sim o entendimento de que os homens são os responsáveis pela sociedade, por sua ordem e desordem. Quais foram os desafios trazidos por essa mudança de perspectiva para o homem? BOMENY, Helena; FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Tempos Modernos, Tempos de Sociologia.
  • 8. Séculos XVII e XVIII Tem início o processo que resultou no predomínio da razão sobre a religião. Ocorre uma transformação de valores, comportamentos e instituições que conduzem a um processo de ‘laicização’ do mundo ocidental.
  • 9. Iluminismo Também conhecido como Ilustração, foi definido por Kant como um processo de “esclarecimento”, a partir do qual o ser humano sairia de sua “menoridade” graças ao uso da razão e ao exercício da liberdade de pensamento. Sapere aude!
  • 10. Conceito de Iluminismo Conjunto de idéias, desenvolvido na Europa no século XVIII, que defendia o racionalismo como valor essencial da sociedade.
  • 11. Conceito de Iluminismo Para os filósofos iluministas a razão é considerada o instrumento fundamental para o ser humano lidar com a natureza e a sociedade.
  • 12. Conceito de Iluminismo Embora os philosophes não seguissem uma única e coerente corrente de pensamento nem tivessem um manifesto ou programa de idéias, todos defendiam o uso do pensamento racional e criticavam a autoridade religiosa e o autoritarismo de qualquer tipo, além de se oporem ao fanatismo.
  • 13. Racionalismo O Iluminismo pôs abaixo as explicações que o Cristianismo oferecia sobre a natureza e a humanidade, estimulando a experiência científica em todas as áreas. As transformações verificadas na produção do conhecimento ao longo do século XVIII abriram as portas para as invenções que marcaram o século XIX, considerado o “Século da Ciência”.
  • 14. Conceito de Racionalismo Posição filosófica segundo a qual a razão tem um papel preponderante na aquisição de conhecimento. Num sentido mais geral, o racionalismo é a ideia de que só racionalmente podemos chegar às verdades acerca do mundo. Tanto a experiência como a razão são métodos racionais de aquisição de conhecimento, por oposição aos processos místicos, como a fé ou a revelação divina. http://www.defnarede.com/
  • 15. Philosophes iluministas Montesquieu Voltaire Rousseau Os filósofos iluministas, embora não tenham sido eles próprios revolucionários, criticaram frontalmente a sociedade do Antigo Regime e, sobretudo, as idéias que a justificavam. Lavoisier Diderot D’Alembert Kant
  • 16. Montesquieu “Uma injustiça feita ao indivíduo é uma ameaça para toda a sociedade.”
  • 17. Montesquieu Charles Louis de Secondat, Barão de Montesquieu, defendeu a divisão do poder do Estado em três com a criação dos poderes executivo, legislativo e judiciário, pois, embora fosse monarquista, era contrário ao absolutismo. Defendia ainda que a lei deveria valer para todas as pessoas, sem exceção.
  • 18. Os Três Poderes JUDICIÁRIO LEGISLATIVO EXECUTIVO
  • 19. Os Três Poderes • Legislativo – Elabora leis que representem os interesses da sociedade; • Judiciário – Interpreta e julga de acordo com as leis elaboradas pelo poder legislativo e promulgadas pelo executivo; • Executivo – Governa e administra os interesses públicos de acordo com as leis vigentes.
  • 20. Voltaire “Somos todos iguais como homens, mas não somos iguais na sociedade.”
  • 21. Voltaire François-Marie Arouet, Voltaire, ficou conhecido por defender as liberdades civis e religiosas. Era a favor de uma ‘monarquia ilustrada’, pois considerava que o Estado não deveria existir para servir ao rei, mas para atender às necessidades dos súditos e defender a ‘felicidade pública’, embora defendesse apenas a igualdade civil e não a igualdade social.
  • 22. Monarquia Ilustrada Assim ficaram conhecidas as casas reais que praticavam o Despotismo Esclarecido. É a expressão utilizada para caracterizar reis e ministros que assimilavam parte das ideias iluministas para modernizar o Estado, buscando libertá-lo da influência da religião e fortalecê-lo economicamente, para reformá-lo socialmente. Tudo pelo povo, sem o povo!
  • 23. Rousseau “A propriedade privada introduz a desigualdade entre os homens.”
  • 24. Rousseau Jean-Jacques Rousseau foi o filósofo que mais influenciou as ações radicais da Revolução Francesa, antecipando as ideias socialistas que floresceram no século XIX. Ao contrário de Thomas Hobbes, afirmava que o homem era naturalmente bom, embora fosse corrompido pela sociedade, e defendia a república como a mais perfeita forma de governo, pois somente nela existiria um Estado representativo da soberania do povo.
  • 25. O Contrato Social Do Contrato Social “... O homem é o Rousseau lobo do homem...” (1762) Leviathan Thomas Hobbes “...o homem é bom (1651) por natureza, a sociedade é quem o corrompe...”
  • 26. Até Quando? Gabriel, o Pensador Com qual(is) dos três filósofos analisados anteriormente podemos identificar esta música de Gabriel, o Pensador? Por que as ideias radicais, embora tenham influenciado em diversos momentos da Revolução Francesa, logo foram postas de lado, dando lugar à ideologia liberal? No mundo contemporâneo, predomina o radicalismo ou a moderação?
  • 27. L’Enciclopédie Publicada entre 1751 e 1772, a Enciclopédia tornou-se o símbolo do Iluminismo. Organizada por Denis Diderot e Jean Le Rond D’Alembert, foi inspirada na obra inglesa de Ephraim Chambers, Cyclopedia: dicionário universal das ciências e das artes, publicada em 1728.
  • 28. L’Enciclopédie Composta por 17 volumes, foi organizada com base na árvore do conhecimento humano elaborada por Francis Bacon em 1620, e tornou-se uma espécie de manifesto do pensamento iluminista que, em nome da razão, valorizava o estudo das ciências, das artes, da geografia, da história, etc., libertando o conhecimento dos preceitos religiosos.
  • 29. L’Enciclopédie Com posição nitidamente laica, a obra se opunha às explicações oferecidas pela religião para a natureza e a sociedade, afirmando que o conhecimento era um legado humano e não um legado divino, além de classificar a religião como somente mais um entre outros tantos ramos da filosofia. Apesar de incluída no Index em 1759, continuou a ser publicada até sua conclusão, em 1772.
  • 30. Despotismo Esclarecido Os chamados déspotas esclarecidos assimilavam parte das ideias iluministas para modernizar o Estado, buscando libertá-lo da influência da religião e fortalecê-lo economicamente, para reformá-lo socialmente, embora para muitos historiadores a expressão em si apresente contradições em seus termos, uma vez que um déspota não poderia, por definição, ser esclarecido.
  • 31. Despotismo Esclarecido Os principais Estados onde ocorreu esta forma de despotismo foram Espanha, Portugal, Prússia e Rússia, e funcionou como um meio de reforçar o absolutismo. Na Inglaterra, onde o absolutismo havia sido extinguido em 1688, não havia espaço para nenhuma forma de despotismo. Na França o absolutismo reinava e as ideias iluministas, embora dominassem o cenário, só foram postas em prática com a Revolução Francesa.
  • 32. Marques de Pombal Foi o principal ministro de D. José I, em Portugal, e governou o país com mão de ferro por 22 anos, até 1777. Pombal foi o principal responsável pela reconstrução de Lisboa após o terremoto de 1755 e conduziu a política econômica de forma a fortalecer as finanças reais e incentivar o comércio e as manufaturas, restringindo ainda privilégios da nobreza. Com intenção de secularizar a sociedade portuguesa, Pombal confiscou todos os bens da Companhia de Jesus e reformou o ensino, priorizando as ciências naturais, a filosofia e a matemática.
  • 33. Marques de Pombal • Incentivou o comércio e a manufatura no reino; • Reforçou os vínculos com as colônias; • Expulsou os jesuítas e esvaziou o poder da Inquisição; • Valorizou os comerciantes, incluindo os cristãos-novos; • Desafiou a nobreza tradicional; • Renovou o sistema educacional.
  • 34. Carlos III da Espanha Pertencente à dinastia de Bourbon, foi o responsável pela criação de um sistema de instrução pública, pela abolição do sistema de porto único no comércio colonial, pela criação de companhias de comércio, pela extinção dos impostos que prejudicavam o mercado interno e pela restrição de privilégios da nobreza. Assim como em Portugal, esvaziou o poder da Igreja, expulsando jesuítas e abolindo as diferenças entre cristãos-velhos e cristãos-novos. Todavia, manteve os tribunais da Inquisição, com o objetivo de barrar as ideias ‘revolucionárias’.
  • 35. Frederico, o Grande Soberano da Prússia e filósofo iluminista, Frederico II publicou diversos textos em que defendia que o dever do rei era servir ao Estado e o da religião era manter a fé da população como fonte de solidariedade e obediência. Organizou o exército e a burocracia, além de incentivar a manufatura, o comércio, a agricultura, o ensino público e as ciências naturais, apesar de preservar ao máximo a nobreza.
  • 36. Catarina, a Grande Imperatriz Russa, nascida na Prússia e amiga de filósofos franceses, organizou um forte exército, incentivou universidades, estimulou as ciências naturais, apoiou a agricultura e adotou uma política de tolerância religiosa. Por outro lado, seu reinado foi marcado pela repressão violenta de diversas revoltas, pelo apoio à nobreza e pela opressão do campesinato, submetido à corveia obrigatória.
  • 37. Luzes na América • América Portuguesa – As ideias iluministas quase não se fizeram presentes na colônia portuguesa. Nem sequer havia imprensa, as bibliotecas eram raras e a importação de livros era controlada por funcionários da Inquisição. Todavia, algumas academias literárias surgiram, embora quase sempre de vida curta.
  • 38. Luzes na América • América Espanhola – A produção literária e artística sempre foi intensa, pois havia imprensa, escolas de pintura e universidades. Todavia, as ideias iluministas pouco influenciaram toda esta atividade cultural. A educação universitária continuava calcada no ensino de São Tomás de Aquino e de Aristóteles e tinha como principal objetivo formar clérigos e burocratas para a administração colonial.
  • 39. Luzes na América • América Inglesa – A influência do iluminismo foi favorecida pela presença da imprensa, de bibliotecas e de livrarias em várias cidades, assim como universidades. Entretanto, as ideias iluministas inglesas prevaleceram nestas colônias, embora a cultura francesa também fosse marcante. Nesta parte do continente surgiu a primeira revolução contra o sistema colonial mercantilista das Américas e a primeira revolução baseada nos ideais iluministas no mundo.
  • 40. HQ’s da História A turma será dividida em equipes, e cada uma deverá: • Construir uma História em Quadrinhos sobre um hipotético encontro entre os três filósofos iluministas analisados em aula: • Montesquieu, Voltaire e Rousseau; • O fictício encontro poderá ser ambientado em qualquer local e em qualquer época desejada • uma Boate, um Bar, uma Igreja, um Programa de TV, um café, um debate eleitoral, etc.;
  • 41. HQ’s da História • O assunto abordado deverá ser pensado e escolhido pela equipe: • posse de um determinado presidente, proclamações de independência, proclamações de regimes republicanos, revoluções, etc.; • Cada personagem deverá abordar o assunto de acordo com suas características pessoais e históricas; • A história idealizada deverá ter alguma ação e poderá ter personagens secundários que movimentem-na; • Os personagens centrais não deverão dirigir-se diretamente ao leitor, explicando suas teorias, mas as mesmas deverão ficar claras através dos diálogos realizados.
  • 42. HQ’s da História • As imagens utilizadas na confecção da HQ poderão ser desenhadas ou construídas através de montagens. • Todos os recursos disponíveis, digitais ou manuais, deverão ser utilizados na confecção da mesma. • Cada equipe deverá entregar duas cópias impressas e uma cópia digitalizada. • O tamanho do HQ deverá ser de 21 cm (alt.) e 15 cm (larg.), ou seja, meia folha de papel A4.
  • 43. HQ’s da História • A HQ deverá ter, em sua totalidade, 8 páginas distribuídas da seguinte forma. • 1ª Página: Capa. • 2ª Página: Autores e Agradecimentos. • 3ª Página: Início da História. • 4 ª e 5ª Páginas: Desenvolvimento da História. • 6ª Página: Conclusão da História. • 7ª Página: Bibliografia e Glossário. • 8ª Página: Contra-capa - catálogo das HQ’s da turma.
  • 44. HQ’s da História • Cronograma e Metodologia: • 11/03 – 15/03: A equipe deverá pesquisar a vida e a obra dos filósofos analisados, e o contexto histórico em que acontecerá o hipotético encontro. • 18/03 (segunda-feira) – 21/03 (quinta-feira): A equipe deverá entregar a sinopse da HQ devidamente digitada, identificada e formatada. Uma cópia deverá ser enviada por e-mail neste mesmo prazo. • 01/04 (segunda-feira) – 04/04 (quinta-feira): A equipe deverá enviar a capa da HQ, por e-mail e já finalizada, para a confecção das contra-capas de todas as equipes pelo professor. • 08/04 (segunda-feira) – 11/04 (quinta-feira): Entrega das versões finais impressas e digitalizadas.
  • 45. HQ’s da História • Toda e qualquer orientação poderá ser dada pelo professor as quintas-feiras, de 16:30 às 17:50, ou durante toda a semana através do e- mail luizvalentimjr@gmail.com. • Nenhum atraso será tolerado no cumprimento dos prazos. • Cada atraso resultará em 1,0 ponto a menos na nota final do trabalho.
  • 46. HQ’s da História • A distribuição dos pontos do bimestre será feita da seguinte forma: • Sinopse: 4,0 pontos; • HQ: 6,0 pontos; • A avaliação será feita levando-se em consideração: • Sinopse: Coerência textual, correção histórica e apresentação final. • HQ: Texto, elementos gráficos, coerência em relação à sinopse e apresentação final.
  • 48. Bibliografia • VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila • BOMENY, Helena; FREIRE- de Castro; FERREIRA, Jorge; MEDEIROS, Bianca. Tempos SANTOS, Georgina. História: o Modernos, Tempos de Sociologia. longo século XIX. Vol. 2. São São Paulo: Editora do Brasil, 2010. Paulo: Saraiva, 2010.