SlideShare uma empresa Scribd logo
O Zika Vírus (ZV) é transmitido
principalmente através da picada do
mosquito do gênero Aedes Aegypti, pode
afetar todas as pessoas independente da
idade e sexo.
Zika vírus
Geralmente a infecção pelo zika vírus apresenta os seguintes sintomas:
- Febre baixa (ou eventualmente sem febre);
- Pontos vermelhos na pele;
- Dor nas articulações e músculos.
- Dor de cabeça;
- Olhos vermelhos
- E com menos frequência pode apresentar: inchaço; tosse seca,
vômitos, podendo levar o paciente a óbito.
Ao aparecimento desses sintomas, deve-se procurar um profissional de
saúde.
ZIKA
QUESTÕES RESPOSTAS
O que é?
O Zika é um vírus transmitido pelo Aedes aegypti e identificado pela
primeira vez no Brasil em abril de 2015.
Quais os sinais e
sintomas?
Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus Zika não desenvolvem
manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre
baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e
vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço
no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos.
Qual o
tratamento?
Não existe tratamento específico para a infecção pelo vírus Zika. Também
não há vacina contra o vírus. O tratamento recomendado para os casos
sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou
dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções
pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados.
Para mais informações:
http://combateaedes.saude.gov.br/index.php/tira-duvidas#tratamento-
zika
Quais os locais de
ocorrência?
Existe confirmação de autoctonia de Zika em todas as UFs do Brasil, com
exceção de SC.
Slide da SVS sobre Zika
validado recentemente no
AVASUS
Atualmente, a incidência de casos de infecção pelo zika vírus impõe
a intensificação do cuidado à mulher grávida e de seu parceiro
durante o acompanhamento do pré-natal, devido à possível
associação com casos atuais de microcefalia em recém-nascidos.
Deve-se considerar também, de acordo com evidências científicas
disponíveis até o momento, a possível transmissão do zika vírus pela
via sexual. O Ministério da Saúde recomenda a utilização correta de
preservativos em todas as relações sexuais, principalmente para as
gestantes e seus parceiros para prevenir a transmissão, além do uso
do preservativo, é importante que o pai/parceiro seja um aliado nas
ações de prevenção, proteção e cuidado no contexto do zika vírus,
saiba como:
Envolvimento dos pais frente ao Zika vírus
- Colocar telas em janelas e portas;
- Fazer uso contínuo de roupas compridas – calças e blusas
- Se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente
nessas áreas.
- Ficar, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros
ou outras barreiras disponíveis.
- Observar o aparecimento de sinais e sintomas de infecção por zika virus
(manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados e febre).
-Buscar um serviço de saúde para atendimento, caso necessário.
-Para febre e dor, usar paracetamol ou dipirona. Não tomar qualquer outra
medicação sem orientação médica.
-Informar-se sobre planejamento reprodutivo e métodos contraceptivos
nas unidades básicas de saúde.
A microcefalia é caracterizada por um perímetro cefálico (tamanho
da cabeça) inferior ao esperado para a idade e sexo e, dependendo
de sua causa, pode ser associada a malformações estruturais do
cérebro. Em geral, as crianças apresentam atraso no
desenvolvimento neuropsicomotor e, em alguns casos, a audição e
visão também são comprometidas.
Crianças com microcefalia e prejuízos do desenvolvimento
neuropsicomotor se beneficiam de Programa de Estimulação Precoce
(PEP), onde são atendidas por uma equipe composta por vários
profissionais da saúde. O PEP tem como objetivo estimular a criança
e ampliar suas competências, abordando os estímulos que
interferem na sua maturação para favorecer o desenvolvimento
motor e cognitivo.
Papel do pai com a criança que apresenta
microcefalia
A criança deve ser inserida nesse programa, tão logo o bebê esteja
clinicamente estável, e se estender até os 3 anos de idade. Esta é a fase
em que o cérebro se desenvolve mais rapidamente, constituindo
oportunidade para o estabelecimento das funções que repercutirão em
maior independência e, consequentemente, melhor qualidade de vida no
futuro.
É imprescindível que os pais e familiares se envolvam nesse programa,
considerando que o ambiente social é o mais rico em estímulos para a
criança. Ficar por dentro sobre a doença e seus desdobramentos, e
aproveitar os momentos como o banho, vestuário, alimentação,
autocuidado e, principalmente, as brincadeiras para estimular o
desenvolvimento do seu(sua) filha(o) é muito importante.
Segue outros cuidados que o pai deve tomar.
- Auxiliar a sua parceira com a amamentação que é indicada até o 2º ano
de vida ou mais, sendo exclusiva nos primeiros 6 meses de vida.
- Levar seu bebê junto com sua parceira para o acompanhamento do
crescimento e do desenvolvimento nas Unidades Básicas Saúde.
-Manter a vacinação em dia, de acordo com o calendário vacinal da
Caderneta da Criança.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripe
Dúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripeDúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripe
Dúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripe
José Ripardo
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 

Mais procurados (19)

A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
 
Sai Zika
Sai ZikaSai Zika
Sai Zika
 
Microcefalia e Zika: os primeiros achados de uma terrível descoberta
Microcefalia e Zika: os primeiros achados de uma terrível descoberta Microcefalia e Zika: os primeiros achados de uma terrível descoberta
Microcefalia e Zika: os primeiros achados de uma terrível descoberta
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Zika vírus
Zika vírusZika vírus
Zika vírus
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Slide zika
Slide zikaSlide zika
Slide zika
 
Zika virus
Zika virusZika virus
Zika virus
 
FEBRE PELO ZIKA VÍRUS
FEBRE PELO ZIKA VÍRUSFEBRE PELO ZIKA VÍRUS
FEBRE PELO ZIKA VÍRUS
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Folder transmissão vertical hiv sífilis
Folder transmissão vertical hiv sífilisFolder transmissão vertical hiv sífilis
Folder transmissão vertical hiv sífilis
 
Trabalho sobre campanhas públicas - POLIOMIELITE
Trabalho sobre campanhas públicas - POLIOMIELITETrabalho sobre campanhas públicas - POLIOMIELITE
Trabalho sobre campanhas públicas - POLIOMIELITE
 
BOATOS ZIKA EM CRIANÇAS jA NASCIDAS MICROCEFALIA
BOATOS ZIKA EM CRIANÇAS jA NASCIDAS MICROCEFALIABOATOS ZIKA EM CRIANÇAS jA NASCIDAS MICROCEFALIA
BOATOS ZIKA EM CRIANÇAS jA NASCIDAS MICROCEFALIA
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Dúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripe
Dúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripeDúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripe
Dúvidas mais comuns sobre a vacina contra gripe
 
Trabalho de biologia slide
Trabalho de biologia slide Trabalho de biologia slide
Trabalho de biologia slide
 
Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Trabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilisTrabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilis
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
 

Destaque (10)

Exercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e conscienteExercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e consciente
 
Exames de rotina_para_o_paciente_com_diabetes_tipo_2_
Exames de rotina_para_o_paciente_com_diabetes_tipo_2_Exames de rotina_para_o_paciente_com_diabetes_tipo_2_
Exames de rotina_para_o_paciente_com_diabetes_tipo_2_
 
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
 
Homero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popularHomero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popular
 
Fator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicasFator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicas
 
Homero_problematizacao
Homero_problematizacaoHomero_problematizacao
Homero_problematizacao
 
Homero_Acolhimento
Homero_AcolhimentoHomero_Acolhimento
Homero_Acolhimento
 
Homero_Praticas_integrativas
Homero_Praticas_integrativasHomero_Praticas_integrativas
Homero_Praticas_integrativas
 
Homero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saudeHomero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saude
 
Vera_Obesidade
Vera_ObesidadeVera_Obesidade
Vera_Obesidade
 

Semelhante a Zika virus validacao_avasus

Power Point Sobre A Sida 1
Power Point Sobre A Sida 1Power Point Sobre A Sida 1
Power Point Sobre A Sida 1
efaesvn
 
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaZika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Felipe Batista
 

Semelhante a Zika virus validacao_avasus (20)

Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Aula denguezika
Aula denguezikaAula denguezika
Aula denguezika
 
Denguezikamt (2)
Denguezikamt (2)Denguezikamt (2)
Denguezikamt (2)
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
 
Denguezikamt (1)
Denguezikamt (1)Denguezikamt (1)
Denguezikamt (1)
 
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
 
Infecção e microcefalia pelo zika virus
Infecção e microcefalia pelo zika virusInfecção e microcefalia pelo zika virus
Infecção e microcefalia pelo zika virus
 
Arbovirose: Microcefalia e dengue
Arbovirose: Microcefalia e dengueArbovirose: Microcefalia e dengue
Arbovirose: Microcefalia e dengue
 
Pibid Ciências Humanas UFMA
Pibid Ciências Humanas UFMAPibid Ciências Humanas UFMA
Pibid Ciências Humanas UFMA
 
Power Point Sobre A Sida 1
Power Point Sobre A Sida 1Power Point Sobre A Sida 1
Power Point Sobre A Sida 1
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPIICT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
 
Trabalho vacinas-2
Trabalho vacinas-2Trabalho vacinas-2
Trabalho vacinas-2
 
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose BacterianaZika Vírus E Vaginose Bacteriana
Zika Vírus E Vaginose Bacteriana
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e EsclarecendoZika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
 
Como trabalhar corona vírus.pdf
Como trabalhar corona vírus.pdfComo trabalhar corona vírus.pdf
Como trabalhar corona vírus.pdf
 
Aula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angelaAula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angela
 

Mais de sedis-suporte

C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
sedis-suporte
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
sedis-suporte
 

Mais de sedis-suporte (20)

C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinaisC1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
 
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
 
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinaisC1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 

Último

Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
AdivaldoSantosRibeir
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 

Último (10)

Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 

Zika virus validacao_avasus

  • 1. O Zika Vírus (ZV) é transmitido principalmente através da picada do mosquito do gênero Aedes Aegypti, pode afetar todas as pessoas independente da idade e sexo. Zika vírus
  • 2. Geralmente a infecção pelo zika vírus apresenta os seguintes sintomas: - Febre baixa (ou eventualmente sem febre); - Pontos vermelhos na pele; - Dor nas articulações e músculos. - Dor de cabeça; - Olhos vermelhos - E com menos frequência pode apresentar: inchaço; tosse seca, vômitos, podendo levar o paciente a óbito. Ao aparecimento desses sintomas, deve-se procurar um profissional de saúde.
  • 3. ZIKA QUESTÕES RESPOSTAS O que é? O Zika é um vírus transmitido pelo Aedes aegypti e identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. Quais os sinais e sintomas? Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus Zika não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. Qual o tratamento? Não existe tratamento específico para a infecção pelo vírus Zika. Também não há vacina contra o vírus. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados. Para mais informações: http://combateaedes.saude.gov.br/index.php/tira-duvidas#tratamento- zika Quais os locais de ocorrência? Existe confirmação de autoctonia de Zika em todas as UFs do Brasil, com exceção de SC. Slide da SVS sobre Zika validado recentemente no AVASUS
  • 4. Atualmente, a incidência de casos de infecção pelo zika vírus impõe a intensificação do cuidado à mulher grávida e de seu parceiro durante o acompanhamento do pré-natal, devido à possível associação com casos atuais de microcefalia em recém-nascidos. Deve-se considerar também, de acordo com evidências científicas disponíveis até o momento, a possível transmissão do zika vírus pela via sexual. O Ministério da Saúde recomenda a utilização correta de preservativos em todas as relações sexuais, principalmente para as gestantes e seus parceiros para prevenir a transmissão, além do uso do preservativo, é importante que o pai/parceiro seja um aliado nas ações de prevenção, proteção e cuidado no contexto do zika vírus, saiba como: Envolvimento dos pais frente ao Zika vírus
  • 5. - Colocar telas em janelas e portas; - Fazer uso contínuo de roupas compridas – calças e blusas - Se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas. - Ficar, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis. - Observar o aparecimento de sinais e sintomas de infecção por zika virus (manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados e febre). -Buscar um serviço de saúde para atendimento, caso necessário. -Para febre e dor, usar paracetamol ou dipirona. Não tomar qualquer outra medicação sem orientação médica. -Informar-se sobre planejamento reprodutivo e métodos contraceptivos nas unidades básicas de saúde.
  • 6. A microcefalia é caracterizada por um perímetro cefálico (tamanho da cabeça) inferior ao esperado para a idade e sexo e, dependendo de sua causa, pode ser associada a malformações estruturais do cérebro. Em geral, as crianças apresentam atraso no desenvolvimento neuropsicomotor e, em alguns casos, a audição e visão também são comprometidas. Crianças com microcefalia e prejuízos do desenvolvimento neuropsicomotor se beneficiam de Programa de Estimulação Precoce (PEP), onde são atendidas por uma equipe composta por vários profissionais da saúde. O PEP tem como objetivo estimular a criança e ampliar suas competências, abordando os estímulos que interferem na sua maturação para favorecer o desenvolvimento motor e cognitivo. Papel do pai com a criança que apresenta microcefalia
  • 7. A criança deve ser inserida nesse programa, tão logo o bebê esteja clinicamente estável, e se estender até os 3 anos de idade. Esta é a fase em que o cérebro se desenvolve mais rapidamente, constituindo oportunidade para o estabelecimento das funções que repercutirão em maior independência e, consequentemente, melhor qualidade de vida no futuro. É imprescindível que os pais e familiares se envolvam nesse programa, considerando que o ambiente social é o mais rico em estímulos para a criança. Ficar por dentro sobre a doença e seus desdobramentos, e aproveitar os momentos como o banho, vestuário, alimentação, autocuidado e, principalmente, as brincadeiras para estimular o desenvolvimento do seu(sua) filha(o) é muito importante.
  • 8. Segue outros cuidados que o pai deve tomar. - Auxiliar a sua parceira com a amamentação que é indicada até o 2º ano de vida ou mais, sendo exclusiva nos primeiros 6 meses de vida. - Levar seu bebê junto com sua parceira para o acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento nas Unidades Básicas Saúde. -Manter a vacinação em dia, de acordo com o calendário vacinal da Caderneta da Criança.