SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Saúde coletiva - DT - Profª Lilian Rabello Calderoni
A parotidite infecciosa, popularmente conhecida como papeira ou caxumba, é uma doença
de transmissão respiratória, causada pelo vírus PARAMIXOVÍRUS é uma doença infecciosa
que provoca inflamação não só nas glândulas parótidas, mas também nas glândulas
submaxilares e sublinguais. As parótidas estão entre as orelhas e à frente delas.
Na maior parte das vezes, a infecção se manifesta na infância, nos meses de inverno e no
começo da primavera, é muito mais comum em crianças, e pode afetar uma das glândulas
ou as duas. Era mais comum antes da vacina ser inventada, após as vacinas serem
incorporadas ao calendário dos postos de saúde, o número de casos reduziu drasticamente.
Saúde coletiva - DT
Grupo: Grupo V ((-)ssRNA)...
Ordem: Mononegavirales
Familia: Paramyxoviridae
Gênero: Paramyxovirus
Espécie: Vírus da parotidite
é de RNA simples, de sentido negativo. É envelopado,
pleomórfico variando de 100-600 nm, e de formato esférico,
muitas vezes filamentoso. O envelope contém as proteínas
hemaglutinina e neuraminidas, que participam das reações
imunológicas, sendo antígenos virais.
É um vírus da família dos PARAMYXOVIRIDAE
parente do vírus do sarampo. A caxumba é
causada pelo vírus, Paramyxovirus que se
espalha de pessoa para pessoa.
Saúde coletiva - DT
Vírus da parotidite infecciosa
Parotidite infecciosa
Saúde coletiva - DT
É altamente infeccioso, pode-se contrair caxumba ao conversar muito próximo da pessoa
infectada, por gotas de espirros, tosse, respiração em ambiente fechado ou por contato
direto com a saliva (ex: beijo), por compartilhar utensílios como talheres, copos, pratos, etc.
O vírus também pode sobreviver fora do organismo por algumas horas e, em seguida, ser
transmitido após o contato caso a pessoa encoste nele e depois encoste, na mão, na boca
ou no nariz. A pessoa infectada pode contaminar outros, entre aproximadamente seis dias
antes do início dos sintomas até cerca de 9 dias após início dos sintomas.
O ser humano é o único hospedeiro natural da caxumba. Isso quer dizer que
só é possível contrair pelo contato com outra pessoa infectada, não sendo
possível contraí-la de animais ou plantas.
Saúde coletiva - DT
O período de incubação (tempo até o início dos sintomas) pode ser 14 a 25 dias, em média de
16 a 18, sendo mais comum ocorrer entre 16 a 18 dias. O ser humano é o único hospedeiro
natural da caxumba, isso quer dizer que só é possível contrair pelo contato com outra Pessoa
infectada não é possível contraí-la de animais ou plantas. Os sintomas começam a aparecer
apenas cerca de duas a três semanas depois do contagio.
Saúde coletiva - DT
Saúde coletiva - DT
Algumas pessoas podem ter caxumba sem apresentar qualquer sintoma, ou então sinais muito
brandos da doença. Quando os sintomas se desenvolvem, eles usualmente aparecem após
duas ou três semanas do contato com o vírus. O primeiro e mais importante sintoma é
o inchaço das glândulas salivares.
- Inchaço e dor nas glândulas salivares, em ambos os lados ou em apenas um.
- Febre
- Dor de cabeça
- Fadiga e fraqueza
- Perda de apetite
- Dor ao mastigar e engolir
Outros sintomas incluem:
Saúde coletiva - DT
O diagnóstico é basicamente clínico, caso haja suspeita, o medico coleta uma amostra de sangue
para investigar a presença da doença. Isso porque seu sistema imunológico produz anticorpos
para combater a infecção, e estes circulam pelo seu sangue. Então, se você tem caxumba, o
exame de sangue irá mostrar que os anticorpos estão sendo produzidos para combater o vírus.
Saúde coletiva - DT
C
o
l
u
n
a
1
C
o
l
u
n
a
2
C
o
l
u
n
a
3
As complicações da caxumba são potencialmente sérias, mas raras. A maioria delas ocorria
antes do advento da vacina, mas ainda podem ser encontradas em adultos nos dias de hoje.
O fato das complicações poderem ocorrer mesmo naqueles pacientes que não desenvolvem
parotidite é uma importante causa de atraso no diagnóstico correto da caxumba. A maioria
das complicações da envolvem inflamação e inchaço em alguma parte do corpo, tais como:
Testículos e Seios:
Saúde coletiva - DT
– Orquite: o acometimento dos testículos pelo vírus é a mais
famosa e mais comum complicação da caxumba. É uma
complicação que ocorre em até 40% dos homens que contraem
caxumba após o início da adolescência. Alterações na fertilidade
ocorrem em até 13%, entretanto,
a esterilidade é rara. Sintomas:
são febre alta, dor testicular ou
nos seios e edema na bolsa
escrotal. O intervalo entre a
parotidite e a orquite costuma
ser de 10 dias.
– Ooforite (ou ovarite):
É uma inflamação de um ou de ambos os ovários. A grande resistência da estrutura
dos ovários e a sua localização de difícil acesso aos germes patogênicos, torna raro
o aparecimento de uma inflamação, da mesma forma que ocorre com os homens,
a caxumba também pode atacar os ovários. É menos comum e ocorre em aproximadamente
7% das mulheres em idade pós-puberal (17 aos 20 anos), mas pode estender-se até a idade
adulta. Apresenta alguns sintomas como:
- Dor aguda na região pélvica que pode se
estender a todo o abdome.
- Febre, mal-estar, vômitos.
- Disúria - Sangramento vaginal.
Nenhum desses sintomas, é específico,
o que torna o diagnóstico mais difícil.
Saúde coletiva - DT
COMPLICAÇÕES
– Meningite: ocorre em menos de 10% dos casos
e, ao contrário da meningite bacteriana, costuma ter
bom prognóstico, com resolução espontânea e sem
deixar sequelas. A encefalite, infecção do cérebro,
é uma complicação rara.
Surdez: Antes da vacina, era uma
importante causa de surdez infantil.
Atualmente é uma complicação rara.
Quando, apresenta inchaço de somente
um dos lados da face pode haver surdez
neste lado, pode ser temporária ou não,
e por isso se observar que está com
alguma dificuldade de ouvir qualquer som,
deverá voltar no médico para verificar o
que pode ser feito.
Saúde coletiva - DT
COMPLICAÇÕES
Outras complicações incluem:
- Uma complicação rara é o desenvolvimento de encefalite, podendo levar à edema
cerebral, manifestações neurológicas graves que podem
levar a morte.
- Pancreatite, embora seja raro, a pancreatite pode ocorrer após a caxumba e é
caracterizada pelo surgimento de sintomas como dor abdominal, calafrios, febre
e vômitos persistentes.
- Complicações fetais, caso a mulher grávida contraia a doença no primeiro trimestre
de gestação.
– Miocardite (inflamação do músculo do coração).
Procure ajuda médica se tiver:
- Febre de 39 C ou maior
- Problemas para comer ou beber
- Confusão ou desorientação
- Dor abdominal
- Dor e inchaço dos testículos ou seios.
Saúde coletiva - DT
Não há tratamento específico para caxumba; em geral são prescritos apenas sintomáticos,
tais como analgésicos e antipiréticos. Como é uma doença de origem viral, não há indicação
para o uso de antibióticos. Assim como a maioria das infecções virais, a caxumba é tratada
naturalmente pelo organismo. Felizmente, a maioria dos adultos e crianças se recupera da
caxumba sem grandes complicações em duas semanas. De forma geral, não é considerado
mais contagioso uma semana após o diagnóstico e pode retornar as atividades cotidianas.
Dica:
Um remédio caseiro excelente é o
gengibre, ele tem propriedades
anti-inflamatórias e antivirais e também ajuda a
controlar a dor, sendo ótimo no caso desta doença.
Para fazer uma pasta dele, é preciso desidratar e
moer as raízes do gengibre, aplique a pasta nos locais
afetados, costuma proporcionar um alívio instantâneo da
Inflamação, também pode ser ingerido na alimentação.
PS: Converse com o seu médico antes de experimentar.
Pra quem adquiriu caxumba o tempo e o repouso são os melhores tratamentos. Deve-se tomar
algumas medidas para aliviar a dor e desconforto e evitar que a doença se espalhe:
Esteja ciente de que a caxumba passa sozinha
dentro de uma ou duas semanas. As crianças
se recuperam em cerca de 10 a 12 dias.
Leva aproximadamente uma semana para o
inchaço ceder em cada glândula, para adultos
costuma ser de 16 a 18 dias.
Caso os sintomas não melhorem, ou piorem,
em sete dias de cuidados, entre em contato
com o médico.
Saúde coletiva - DT
Fique em isolamento e de repouso.
Avise que vai faltar no trabalho por pelo menos cinco dias.
Assim, evita-se o contágio de outras pessoas.
A criança não deve ir à escola ou creche por ao
menos cinco dias após o início do inchaço nas glândulas.
Aplique compressas mornas ou frias nas glândulas
inchadas. A compressa ajuda a diminuir o inchaço e
acalmar a dor.
Tome analgésicos de venda livre. O Ibuprofeno ou Tylenol
podem aliviar desconforto ou dor no rosto, ouvido ou maxilar.
No caso de crianças, pergunte ao pediatra quais as melhores
e mais seguras opções. Nunca dê aspirina a uma criança,
os. A aspirina não deve ser usada em doenças virais porque
a sua utilização tem sido associada com o desenvolvimento
de Síndrome de Reye, que pode levar à insuficiência hepática
e morte.
Saúde coletiva - DT
PROGNÓSTICO
- Beba muita água. É importante ficar
hidratado
quando se tem caxumba, Evite alimentos e
bebidas ácidas, como alguns sucos e frutas
cítricas, pois, podem irritar mais as glândulas.
- Consuma alimentos que não exijam
muita mastigação. Prefira comidas
macias, como sopas, aveia, purê de
batata e ovos mexidos.
PROGNÓSTICO
Saúde coletiva - DT
- Tenha boas práticas de higiene, como lavar
sempre muito bem as mãos e usar lenço, ao
espirrar ou tossir, use um lenço para limpar o nariz
e cobrir a boca. Jogue-o fora depois do uso para
que não entre em contato com outras pessoas e a
propagação de germes, não só o da caxumba.
- O vírus da caxumba pode se propagar por meio
de superfícies contaminadas, então não compartilhe
utensílios ou copos com um doente e não deixe de
higienizar as superfícies como (balcões, interruptores,
maçanetas de porta etc.) com produtos de limpeza.
PROGNÓSTICO
Saúde coletiva - DT
- Veja se há inchaço nos testículos ou nos seios.
Se você for homem e tiver mais de 13 anos,
pode acabar ficando com os testículos inchados.
Sendo mulher com mais de 13 anos, o mesmo
pode acontecer nos seios. Tanto no caso de homens
como no de mulheres, o inchaço pode causar dor.
também é bom aplicar
compressas de gelo na
região afetada, para
aliviar a dor e o inchaço.
- Use uma coquilha se tiver dor na virilha,
PROGNÓSTICO
Saúde coletiva - DT
- Procure atendimento médico imediato no caso de sintomas graves.
Vá ao hospital mais próximo ou chame a emergência se você começar a apresentar
rigidez na nuca, convulsões, vômitos intensos, fraqueza, paralisia, estado alterado de
consciência ou inconsciência. Estes sintomas podem indicar uma infecção cerebral,
como meningite ou encefalite.Se não for tratada, pode causar problemas neurológicos
e trazer riscos de morte.
- Vá ao médico ao apresentar dor abdominal intensa e vômito.
Isso pode indicar uma inflamação no pâncreas (pancreatite).
- Fique muito atento às crianças. Leve-a ao médico mais próximo se ela tiver
convulsões ou se houver suspeita de desnutrição ou desidratação.
Estes podem ser indícios de uma doença ou condição mais grave.
- Fale com o médico se você estiver grávida e tiver entrado em contato com a doença.
A caxumba pode ser perigosa na gravidez, aumentando o risco de aborto nas primeiras
12 a 16 semanas.
- Consulte-se com um médico se você tiver perda auditiva. Em casos raros, a caxumba
pode causar surdez, temporária ou permanente em um ou nos dois ouvidos.
Saúde coletiva -DT
A vacina contra caxumba é produzida com o vírus vivo atenuado da doença e faz parte do
Calendário Básico de Vacinação. Pode ser aplicada isoladamente. No entanto, em geral, está
associada às vacinas contra sarampo e rubéola. As três juntas compõem a vacina tríplice viral.
A primeira dose deve ser administrada aos doze meses e a segunda, entre 4 e 6 anos.
Exceção feita aos imunodeprimidos e às gestantes, adultos que não foram infectados nem
tomaram a vacina na infância e adolescência devem ser imunizados. A vacina é altamente
eficaz e raramente produz efeitos colaterais. É feita através da vacina tríplice viral (MMR),
geralmente entre 12 e 15 meses de vida (1ª dose), 4 e 6 anos (2ª dose) e 11 e 12 anos (3ª
dose). Caso todas sejam tomadas possui 97% de chance de proteger contra uma infecção
natural. Os anticorpos maternos protegem os filhos durante os primeiros meses de vida.
Adultos e adolescentes que nunca foram infectados nem tomaram a vacina também
devem ser imunizados, especialmente mulheres que planejam engravidar.
Saúde coletiva - DT
Estima-se que 85% dos adultos não vacinados ao longo da vida, mas 33% infectados tem
parotidite(inchaço das glândulas salivais) e acabam não sendo diagnosticados, é mais severa
em adultos, podendo causar meningite e infertilidade. As estações com maior número de casos
são o inverno e a primavera. Surtos são frequentes entre os não vacinados a cada 3-6 anos.
No Estado do Rio de Janeiro a média anual passou de 200 a 300 casos entre 2007 e 2013 para
500 a 600 casos em 2014 e 2015. Durante um surto estima-se que 3% dos vacinados com duas
doses também são infectados. Antigamente surtos infectavam 30% da população e era uma das
principais causas de surdez, pancreatite, aborto e infertilidade. O vírus é encontrado em todo o
mundo. e é endêmico, no final do inverno até o inicio da primavera.
- Conheça as circunstâncias que o isentam da necessidade de tomar a vacina.
Se o médico fizer um exame de sangue e confirmar que você já é imune ao sarampo,
à caxumba e à rubéola, não é preciso tomar a tríplice viral. Do mesmo modo, se você
já tiver tomado as duas doses desta vacina, geralmente não é preciso tomar outra.
No caso de um surto de caxumba, o médico pode recomendar uma terceira dose para
“estimular” o sistema imunológico. A vacina não é recomendada para mulheres grávidas
ou que planejam engravidar nas próximas quatro semanas. Ela também não é indicada
para indivíduos com alergias severas à gelatina ou ao antibiótico neomicina. Antes de
ser vacinado, verifique com o médico se você não tem câncer, algum distúrbio sanguíneo
ou HIV. Avise-o caso você esteja tomando esteroides ou outros remédios que afetem a
imunidade antes de tomar a vacina.
Contra indicações
Saúde coletiva - DT
- Manter repouso no leito
- Fazer higiene oral e gargarejo frequente
- Administrar dieta pastosa (facilita mastigação, deglutição)
- Observar presença de Orquite e Ooforite
- Fazer controle frequente de temperatura
- Observar e comunicar sinais de alterações no comportamento
- Manter precauções respiratórias, principalmente, mascaras e
luvas, durante o período de transmissão.
- Orientar o paciente e a família, sobre os cuidados pós alta.
Saúde coletiva - DT
“JUNTOS SOMOS MAIS FORTES.”
Fontes e Citações:
Www.Google.com
http://pt.wikipedia.org/wiki/Parotidite_infecciosa
http://pt.wikihow.com/Tratar-Caxumba
http://www.medicinenet.com/mumps/article.facts
http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php
http://www.tuasaude.com/caxumba/
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/caxumba
Edição e Montagem: Adriana Bonadia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Apresentação herpes
Apresentação herpesApresentação herpes
Apresentação herpes
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptxDengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
 
Dsts herpes
Dsts herpesDsts herpes
Dsts herpes
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 

Semelhante a Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)

Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneJoanaPaiva16
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdfANA FONSECA
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susprofalicebolelli
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaMarco Costa
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaMarco Costa
 
Doenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveis
Doenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveisDoenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveis
Doenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveisTookmed
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa) (20)

Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Patologias Virais III
Patologias Virais IIIPatologias Virais III
Patologias Virais III
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Catapora slide tarba
Catapora slide tarbaCatapora slide tarba
Catapora slide tarba
 
Aula denguezika
Aula denguezikaAula denguezika
Aula denguezika
 
Dst
DstDst
Dst
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
 
Doencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosasDoencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosas
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Doenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveis
Doenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveisDoenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveis
Doenças e infecções sexualmente transmissíveis: 12 DST evitáveis
 
saude_da_criana_9184.pptx
saude_da_criana_9184.pptxsaude_da_criana_9184.pptx
saude_da_criana_9184.pptx
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
 

Mais de Adriana Bonadia dos Santos

Mais de Adriana Bonadia dos Santos (11)

Parasitologia - Malária
Parasitologia - MaláriaParasitologia - Malária
Parasitologia - Malária
 
Psicologia - A Importância do toque.
Psicologia - A Importância do toque.Psicologia - A Importância do toque.
Psicologia - A Importância do toque.
 
Psiquiatria - Como ajudar, o dependente e familiares
Psiquiatria - Como ajudar, o dependente e familiaresPsiquiatria - Como ajudar, o dependente e familiares
Psiquiatria - Como ajudar, o dependente e familiares
 
Psiquiatria - Conclusão drogas
Psiquiatria - Conclusão drogasPsiquiatria - Conclusão drogas
Psiquiatria - Conclusão drogas
 
Psiquiatria - Uma doença chamada CRACK (Pedra)
Psiquiatria - Uma doença chamada CRACK (Pedra)Psiquiatria - Uma doença chamada CRACK (Pedra)
Psiquiatria - Uma doença chamada CRACK (Pedra)
 
Psiquiatria - Cocaína (Coca, pó, branquinha)
Psiquiatria - Cocaína (Coca, pó, branquinha)Psiquiatria - Cocaína (Coca, pó, branquinha)
Psiquiatria - Cocaína (Coca, pó, branquinha)
 
Psiquiatria - Maconha (Cannabis sativa)
Psiquiatria - Maconha (Cannabis sativa)Psiquiatria - Maconha (Cannabis sativa)
Psiquiatria - Maconha (Cannabis sativa)
 
Psiquiatria - Álcool
Psiquiatria - Álcool  Psiquiatria - Álcool
Psiquiatria - Álcool
 
Psiquiatria - Drogas Definição
Psiquiatria - Drogas DefiniçãoPsiquiatria - Drogas Definição
Psiquiatria - Drogas Definição
 
Incapacidade cognitiva
Incapacidade cognitiva Incapacidade cognitiva
Incapacidade cognitiva
 
Ortopedia - Hérnia do Núcleo Pulposo (Hérnia de disco)
Ortopedia - Hérnia do Núcleo Pulposo (Hérnia de disco)Ortopedia - Hérnia do Núcleo Pulposo (Hérnia de disco)
Ortopedia - Hérnia do Núcleo Pulposo (Hérnia de disco)
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)

  • 1. Saúde coletiva - DT - Profª Lilian Rabello Calderoni
  • 2. A parotidite infecciosa, popularmente conhecida como papeira ou caxumba, é uma doença de transmissão respiratória, causada pelo vírus PARAMIXOVÍRUS é uma doença infecciosa que provoca inflamação não só nas glândulas parótidas, mas também nas glândulas submaxilares e sublinguais. As parótidas estão entre as orelhas e à frente delas. Na maior parte das vezes, a infecção se manifesta na infância, nos meses de inverno e no começo da primavera, é muito mais comum em crianças, e pode afetar uma das glândulas ou as duas. Era mais comum antes da vacina ser inventada, após as vacinas serem incorporadas ao calendário dos postos de saúde, o número de casos reduziu drasticamente. Saúde coletiva - DT
  • 3. Grupo: Grupo V ((-)ssRNA)... Ordem: Mononegavirales Familia: Paramyxoviridae Gênero: Paramyxovirus Espécie: Vírus da parotidite é de RNA simples, de sentido negativo. É envelopado, pleomórfico variando de 100-600 nm, e de formato esférico, muitas vezes filamentoso. O envelope contém as proteínas hemaglutinina e neuraminidas, que participam das reações imunológicas, sendo antígenos virais. É um vírus da família dos PARAMYXOVIRIDAE parente do vírus do sarampo. A caxumba é causada pelo vírus, Paramyxovirus que se espalha de pessoa para pessoa. Saúde coletiva - DT Vírus da parotidite infecciosa Parotidite infecciosa
  • 5. É altamente infeccioso, pode-se contrair caxumba ao conversar muito próximo da pessoa infectada, por gotas de espirros, tosse, respiração em ambiente fechado ou por contato direto com a saliva (ex: beijo), por compartilhar utensílios como talheres, copos, pratos, etc. O vírus também pode sobreviver fora do organismo por algumas horas e, em seguida, ser transmitido após o contato caso a pessoa encoste nele e depois encoste, na mão, na boca ou no nariz. A pessoa infectada pode contaminar outros, entre aproximadamente seis dias antes do início dos sintomas até cerca de 9 dias após início dos sintomas. O ser humano é o único hospedeiro natural da caxumba. Isso quer dizer que só é possível contrair pelo contato com outra pessoa infectada, não sendo possível contraí-la de animais ou plantas. Saúde coletiva - DT
  • 6. O período de incubação (tempo até o início dos sintomas) pode ser 14 a 25 dias, em média de 16 a 18, sendo mais comum ocorrer entre 16 a 18 dias. O ser humano é o único hospedeiro natural da caxumba, isso quer dizer que só é possível contrair pelo contato com outra Pessoa infectada não é possível contraí-la de animais ou plantas. Os sintomas começam a aparecer apenas cerca de duas a três semanas depois do contagio. Saúde coletiva - DT
  • 8. Algumas pessoas podem ter caxumba sem apresentar qualquer sintoma, ou então sinais muito brandos da doença. Quando os sintomas se desenvolvem, eles usualmente aparecem após duas ou três semanas do contato com o vírus. O primeiro e mais importante sintoma é o inchaço das glândulas salivares. - Inchaço e dor nas glândulas salivares, em ambos os lados ou em apenas um. - Febre - Dor de cabeça - Fadiga e fraqueza - Perda de apetite - Dor ao mastigar e engolir Outros sintomas incluem: Saúde coletiva - DT
  • 9. O diagnóstico é basicamente clínico, caso haja suspeita, o medico coleta uma amostra de sangue para investigar a presença da doença. Isso porque seu sistema imunológico produz anticorpos para combater a infecção, e estes circulam pelo seu sangue. Então, se você tem caxumba, o exame de sangue irá mostrar que os anticorpos estão sendo produzidos para combater o vírus. Saúde coletiva - DT C o l u n a 1 C o l u n a 2 C o l u n a 3
  • 10. As complicações da caxumba são potencialmente sérias, mas raras. A maioria delas ocorria antes do advento da vacina, mas ainda podem ser encontradas em adultos nos dias de hoje. O fato das complicações poderem ocorrer mesmo naqueles pacientes que não desenvolvem parotidite é uma importante causa de atraso no diagnóstico correto da caxumba. A maioria das complicações da envolvem inflamação e inchaço em alguma parte do corpo, tais como: Testículos e Seios: Saúde coletiva - DT – Orquite: o acometimento dos testículos pelo vírus é a mais famosa e mais comum complicação da caxumba. É uma complicação que ocorre em até 40% dos homens que contraem caxumba após o início da adolescência. Alterações na fertilidade ocorrem em até 13%, entretanto, a esterilidade é rara. Sintomas: são febre alta, dor testicular ou nos seios e edema na bolsa escrotal. O intervalo entre a parotidite e a orquite costuma ser de 10 dias.
  • 11. – Ooforite (ou ovarite): É uma inflamação de um ou de ambos os ovários. A grande resistência da estrutura dos ovários e a sua localização de difícil acesso aos germes patogênicos, torna raro o aparecimento de uma inflamação, da mesma forma que ocorre com os homens, a caxumba também pode atacar os ovários. É menos comum e ocorre em aproximadamente 7% das mulheres em idade pós-puberal (17 aos 20 anos), mas pode estender-se até a idade adulta. Apresenta alguns sintomas como: - Dor aguda na região pélvica que pode se estender a todo o abdome. - Febre, mal-estar, vômitos. - Disúria - Sangramento vaginal. Nenhum desses sintomas, é específico, o que torna o diagnóstico mais difícil. Saúde coletiva - DT COMPLICAÇÕES
  • 12. – Meningite: ocorre em menos de 10% dos casos e, ao contrário da meningite bacteriana, costuma ter bom prognóstico, com resolução espontânea e sem deixar sequelas. A encefalite, infecção do cérebro, é uma complicação rara. Surdez: Antes da vacina, era uma importante causa de surdez infantil. Atualmente é uma complicação rara. Quando, apresenta inchaço de somente um dos lados da face pode haver surdez neste lado, pode ser temporária ou não, e por isso se observar que está com alguma dificuldade de ouvir qualquer som, deverá voltar no médico para verificar o que pode ser feito. Saúde coletiva - DT COMPLICAÇÕES
  • 13. Outras complicações incluem: - Uma complicação rara é o desenvolvimento de encefalite, podendo levar à edema cerebral, manifestações neurológicas graves que podem levar a morte. - Pancreatite, embora seja raro, a pancreatite pode ocorrer após a caxumba e é caracterizada pelo surgimento de sintomas como dor abdominal, calafrios, febre e vômitos persistentes. - Complicações fetais, caso a mulher grávida contraia a doença no primeiro trimestre de gestação. – Miocardite (inflamação do músculo do coração). Procure ajuda médica se tiver: - Febre de 39 C ou maior - Problemas para comer ou beber - Confusão ou desorientação - Dor abdominal - Dor e inchaço dos testículos ou seios. Saúde coletiva - DT
  • 14. Não há tratamento específico para caxumba; em geral são prescritos apenas sintomáticos, tais como analgésicos e antipiréticos. Como é uma doença de origem viral, não há indicação para o uso de antibióticos. Assim como a maioria das infecções virais, a caxumba é tratada naturalmente pelo organismo. Felizmente, a maioria dos adultos e crianças se recupera da caxumba sem grandes complicações em duas semanas. De forma geral, não é considerado mais contagioso uma semana após o diagnóstico e pode retornar as atividades cotidianas. Dica: Um remédio caseiro excelente é o gengibre, ele tem propriedades anti-inflamatórias e antivirais e também ajuda a controlar a dor, sendo ótimo no caso desta doença. Para fazer uma pasta dele, é preciso desidratar e moer as raízes do gengibre, aplique a pasta nos locais afetados, costuma proporcionar um alívio instantâneo da Inflamação, também pode ser ingerido na alimentação. PS: Converse com o seu médico antes de experimentar.
  • 15. Pra quem adquiriu caxumba o tempo e o repouso são os melhores tratamentos. Deve-se tomar algumas medidas para aliviar a dor e desconforto e evitar que a doença se espalhe: Esteja ciente de que a caxumba passa sozinha dentro de uma ou duas semanas. As crianças se recuperam em cerca de 10 a 12 dias. Leva aproximadamente uma semana para o inchaço ceder em cada glândula, para adultos costuma ser de 16 a 18 dias. Caso os sintomas não melhorem, ou piorem, em sete dias de cuidados, entre em contato com o médico. Saúde coletiva - DT
  • 16. Fique em isolamento e de repouso. Avise que vai faltar no trabalho por pelo menos cinco dias. Assim, evita-se o contágio de outras pessoas. A criança não deve ir à escola ou creche por ao menos cinco dias após o início do inchaço nas glândulas. Aplique compressas mornas ou frias nas glândulas inchadas. A compressa ajuda a diminuir o inchaço e acalmar a dor. Tome analgésicos de venda livre. O Ibuprofeno ou Tylenol podem aliviar desconforto ou dor no rosto, ouvido ou maxilar. No caso de crianças, pergunte ao pediatra quais as melhores e mais seguras opções. Nunca dê aspirina a uma criança, os. A aspirina não deve ser usada em doenças virais porque a sua utilização tem sido associada com o desenvolvimento de Síndrome de Reye, que pode levar à insuficiência hepática e morte. Saúde coletiva - DT PROGNÓSTICO
  • 17. - Beba muita água. É importante ficar hidratado quando se tem caxumba, Evite alimentos e bebidas ácidas, como alguns sucos e frutas cítricas, pois, podem irritar mais as glândulas. - Consuma alimentos que não exijam muita mastigação. Prefira comidas macias, como sopas, aveia, purê de batata e ovos mexidos. PROGNÓSTICO Saúde coletiva - DT
  • 18. - Tenha boas práticas de higiene, como lavar sempre muito bem as mãos e usar lenço, ao espirrar ou tossir, use um lenço para limpar o nariz e cobrir a boca. Jogue-o fora depois do uso para que não entre em contato com outras pessoas e a propagação de germes, não só o da caxumba. - O vírus da caxumba pode se propagar por meio de superfícies contaminadas, então não compartilhe utensílios ou copos com um doente e não deixe de higienizar as superfícies como (balcões, interruptores, maçanetas de porta etc.) com produtos de limpeza. PROGNÓSTICO Saúde coletiva - DT
  • 19. - Veja se há inchaço nos testículos ou nos seios. Se você for homem e tiver mais de 13 anos, pode acabar ficando com os testículos inchados. Sendo mulher com mais de 13 anos, o mesmo pode acontecer nos seios. Tanto no caso de homens como no de mulheres, o inchaço pode causar dor. também é bom aplicar compressas de gelo na região afetada, para aliviar a dor e o inchaço. - Use uma coquilha se tiver dor na virilha, PROGNÓSTICO Saúde coletiva - DT
  • 20. - Procure atendimento médico imediato no caso de sintomas graves. Vá ao hospital mais próximo ou chame a emergência se você começar a apresentar rigidez na nuca, convulsões, vômitos intensos, fraqueza, paralisia, estado alterado de consciência ou inconsciência. Estes sintomas podem indicar uma infecção cerebral, como meningite ou encefalite.Se não for tratada, pode causar problemas neurológicos e trazer riscos de morte. - Vá ao médico ao apresentar dor abdominal intensa e vômito. Isso pode indicar uma inflamação no pâncreas (pancreatite). - Fique muito atento às crianças. Leve-a ao médico mais próximo se ela tiver convulsões ou se houver suspeita de desnutrição ou desidratação. Estes podem ser indícios de uma doença ou condição mais grave. - Fale com o médico se você estiver grávida e tiver entrado em contato com a doença. A caxumba pode ser perigosa na gravidez, aumentando o risco de aborto nas primeiras 12 a 16 semanas. - Consulte-se com um médico se você tiver perda auditiva. Em casos raros, a caxumba pode causar surdez, temporária ou permanente em um ou nos dois ouvidos. Saúde coletiva -DT
  • 21. A vacina contra caxumba é produzida com o vírus vivo atenuado da doença e faz parte do Calendário Básico de Vacinação. Pode ser aplicada isoladamente. No entanto, em geral, está associada às vacinas contra sarampo e rubéola. As três juntas compõem a vacina tríplice viral. A primeira dose deve ser administrada aos doze meses e a segunda, entre 4 e 6 anos. Exceção feita aos imunodeprimidos e às gestantes, adultos que não foram infectados nem tomaram a vacina na infância e adolescência devem ser imunizados. A vacina é altamente eficaz e raramente produz efeitos colaterais. É feita através da vacina tríplice viral (MMR), geralmente entre 12 e 15 meses de vida (1ª dose), 4 e 6 anos (2ª dose) e 11 e 12 anos (3ª dose). Caso todas sejam tomadas possui 97% de chance de proteger contra uma infecção natural. Os anticorpos maternos protegem os filhos durante os primeiros meses de vida. Adultos e adolescentes que nunca foram infectados nem tomaram a vacina também devem ser imunizados, especialmente mulheres que planejam engravidar. Saúde coletiva - DT
  • 22. Estima-se que 85% dos adultos não vacinados ao longo da vida, mas 33% infectados tem parotidite(inchaço das glândulas salivais) e acabam não sendo diagnosticados, é mais severa em adultos, podendo causar meningite e infertilidade. As estações com maior número de casos são o inverno e a primavera. Surtos são frequentes entre os não vacinados a cada 3-6 anos. No Estado do Rio de Janeiro a média anual passou de 200 a 300 casos entre 2007 e 2013 para 500 a 600 casos em 2014 e 2015. Durante um surto estima-se que 3% dos vacinados com duas doses também são infectados. Antigamente surtos infectavam 30% da população e era uma das principais causas de surdez, pancreatite, aborto e infertilidade. O vírus é encontrado em todo o mundo. e é endêmico, no final do inverno até o inicio da primavera.
  • 23. - Conheça as circunstâncias que o isentam da necessidade de tomar a vacina. Se o médico fizer um exame de sangue e confirmar que você já é imune ao sarampo, à caxumba e à rubéola, não é preciso tomar a tríplice viral. Do mesmo modo, se você já tiver tomado as duas doses desta vacina, geralmente não é preciso tomar outra. No caso de um surto de caxumba, o médico pode recomendar uma terceira dose para “estimular” o sistema imunológico. A vacina não é recomendada para mulheres grávidas ou que planejam engravidar nas próximas quatro semanas. Ela também não é indicada para indivíduos com alergias severas à gelatina ou ao antibiótico neomicina. Antes de ser vacinado, verifique com o médico se você não tem câncer, algum distúrbio sanguíneo ou HIV. Avise-o caso você esteja tomando esteroides ou outros remédios que afetem a imunidade antes de tomar a vacina. Contra indicações Saúde coletiva - DT
  • 24. - Manter repouso no leito - Fazer higiene oral e gargarejo frequente - Administrar dieta pastosa (facilita mastigação, deglutição) - Observar presença de Orquite e Ooforite - Fazer controle frequente de temperatura - Observar e comunicar sinais de alterações no comportamento - Manter precauções respiratórias, principalmente, mascaras e luvas, durante o período de transmissão. - Orientar o paciente e a família, sobre os cuidados pós alta. Saúde coletiva - DT
  • 25. “JUNTOS SOMOS MAIS FORTES.”