SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
14 Abril 2016
Exclusiva
SuperHiper (SH) conversou com o professor e consultor de varejo Ricardo
Pastore, cuja trajetória profissional lhe confere autoridade para falar sobre
o setor de comércio e sua necessidade de se transformar sempre
Por Wagner Hilário
Oretail-lab da Escola Superior de Propaganda e
Marketing (ESPM) é um lugar convidativo e agra-
dável a quem aprendeu a gostar do universo do varejo
e, especificamente, dos supermercados. É também o
nome pelo qual o professor e coordenador do Núcleo
de Estudos e Negócios do Varejo da ESPM, Ricardo
Pastore, chama o laboratório experimental da disciplina
que, na prática, funciona como sala de aula e ambiente
de pesquisa sobre hábitos de consumo, estratégias de
exposição e marketing no ponto de venda (PDV).
“A ideia do lab não foi minha, mas precisava de um
maluco, como eu, para realizá-la. A discussão inicial se
deu sobre uma possível dupla função do laboratório:
queriam que fosse também loja, além de sala de aula
e laboratório. Não tinha como: era uma coisa ou outra.
Assim, o espaço virou sala de aula e laboratório para
pesquisa de mercado. Foi um sucesso. Os alunos ado-
ram e os professores também, porque desenvolvem
novos métodos de ensino. Já se passaram dez anos e o
retail-lab é muito procurado pelas indústrias, que fazem
estudos de ‘árvore de decisão de compra’. Já o varejo
não costuma vir.”
O sustentável valor da
transformação
Fotos:LuizMachado
16 Abril 2016
Exclusiva
É nesse espaço que conversamos com Pastore e
é onde ele nos fala de sua trajetória profissional, que,
sem dúvida, credencia-o a ser não só professor de uma
universidade que se notabiliza por ensinar na prática,
mas, também, a ser um consultor e estudioso do tema,
desenvolvendo ideias e fazendo leituras ousadas a res-
peito do futuro do varejo.
“Meu primeiro emprego foi no Grupo Pão de Açúcar
[GPA]. Eu cursava Ciências Econômicas na PUC-SP
[Pontifícia Universidade Católica de São Paulo] e um
amigo comentou sobre vagas no GPA. Assim, fui parar no
Pão, onde fiquei por 11 anos.” Pastore destaca a cultura
corporativa do GPA que, segundo ele, ajudou a formar
seus valores profissionais. Lá, ele trabalhou em análise
de dados, estratégia de mercado, na área comercial e, de-
pois de uma “pós” em Marketing na ESPM, na operação
de lojas. “Foram dois anos como gerente de Vendas da
divisão com o maior número de lojas do grupo, à época,
o Minibox. Quem me deu essa oportunidade foi Ascar
[Antonio Carlos Ascar, colunista de SH e personagem
da seção Perfil SH, desta edição].”
Em 1990, num período crítico para o País e para
o GPA, Pastore foi para o Makro, como gerente de
Compras. “A cultura do Makro era diferente. Era uma
empresa mais fria, enxuta e muito focada em resultado.
Eu me adaptei bem e consegui fazer as mudanças que a
empresa esperava que fossem feitas. Eu fazia a gestão
de compras de frios e laticínios; peguei o departamento
com um budget de [em valores atualizados] R$ 50 mi-
lhões e o entreguei com R$ 150 milhões.”
Isso se deveu a um forte trabalho para melhorar o
desempenho de vendas dos perecíveis do Makro. “Quan-
do fui para lá, outros executivos do GPA também foram
levados: comporíamos uma equipe para atuar na área de
perecíveis, para fortalecer essa divisão no Makro.” Pelo
trabalho benfeito, Pastore foi promovido para gerente
nacional de Operações de toda a área de Alimentos da
empresa. “Nessa época, comecei a trabalhar mais com
gerenciamento por categoria [GC]. Eu fiquei responsável
por implantar o modelo na área de alimentos congelados.”
Porém, seu grande desafio ainda estava por vir.
Depois de sair do Makro, ele assumiu a direção de Opera-
ções da Saraiva, à época, uma rede de livrarias pequenas,
com atendimento de balcão. “Em 1996, a Saraiva era
uma empresa familiar, média, mas que tinha uma visão
de futuro. Perceberam que, com a estabilidade da mo-
eda, havia grandes oportunidades, mas não dispunham
do modelo de negócio adequado. Depois de um ano de
trabalho, inauguramos a primeira megastore do grupo,
no Shopping Eldorado, em São Paulo.” Hoje, é possível
dizer que o modelo de megastore, de autosserviço, é
dominante no varejo físico de livrarias.
Após a experiência na Saraiva, Pastore passou pela
Editora Ática, também num projeto de varejo; esteve
na Andersen Consultoria, em que tocou um projeto na
rede de lojas de ferramentas, De Meo; teve uma rápida
experiência na indústria, na empresa Café Jardim, e, em
seguida, resolveu abrir sua própria consultoria, a Ricardo
Pastore, pela qual atua até hoje. “Comecei com ela em
2002, passei a dar muitas palestras e cursos e isso me
deu visibilidade. Vim parar na ESPM, porque a escola
queria um professor de varejo e eu queria ter um pé na
academia. Comecei a lecionar, em 2004, o programa de
aulas sobre varejo que montei e não parei mais. Estou
Vivemos a era da disrupção, formatos
[de varejo] entram em processo de
arruinamento do dia para noite,
enquanto outros tomam espaço
17Abril 2016
aqui há 12 anos e, para mim, é um orgulho”, diz Pastore,
enquanto conversa conosco no retail-lab da ESPM...
Hoje, transformações conceituais, como a feita
pela megastore da Saraiva, são bem mais comuns
no mercado?
Com certeza. Antes, as mudanças eram mais lentas,
levavam mais tempo. Por exemplo, uma grande inovação
foi o surgimento dos supermercados. Foi revolucionário.
Depois, vieram os hipermercados. Transformações estru-
turais com um intervalo de décadas entre si. Com o avan-
ço tecnológico, essas mudanças passam a acontecer em
períodos mais breves e os modelos existentes ficam sob
risco constante. Então, costumo dizer que as ameaças
aos modelos atuais não são os concorrentes do mesmo
formato; quem tem uma rede de supermercados não
vai perder sua empresa devido à concorrência de outro
supermercadista, mas por algo novo que vai substituir o
formato existente. Vivemos a era da disrupção, forma-
tos entram em processo de arruinamento do dia para
noite, enquanto outros se destacam, tomando o espaço.
Negócios que já surgem inseridos e atrelados às novas
tecnologias ameaçam profundamente a existência de
outros, mais tradicionais. O varejo, eu tenho a impressão,
só começa a sentir essa ameaça de forma mais evidente,
agora. A área de comunicação sente isso de forma mais
evidente há algum tempo e a área de educação, com o
ensino a distância, também começa a sentir.
Ou seja, considerando a evolução do e-commerce, é
possível dizer que o empresário que quer sua empresa
viva por muito mais tempo precisa estar na internet?
É preciso fazer um estudo com os supermercadistas,
com as indústrias e com os clientes. É preciso entender
como cada um, desses entes do processo, enxerga essa
questão da venda digital. Eu acho que os empresários de
todos os setores, com tantas influências tecnológicas, pre-
cisam seguir o exemplo da Apple. Num primeiro momento,
as lojas físicas da Apple foram um fracasso. Aí, Steve Jobs
[fundador da empresa, que estava na ativa, na época], em
reunião, perguntou aos seus executivos especializados em
varejocomosevendia,tradicionalmente,computadoresno
mundo. Eles descreveram uma loja típica, sei lá, uma Best
Buy. Então ele disse ao executivo responsável: “Faz tudo
diferente; vira de ponta cabeça”. Assim, surgiu a Apple
Store, um fenômeno do varejo. O que eles fizeram? Um
exercício de desconstrução...
Seu conselho para o varejista, então, é que ele
procure fazer esse trabalho de desconstrução do seu
próprio negócio?
Se eu pudesse dar um conselho aos supermerca-
distas, hoje, eu diria que, para ter sucesso em um ne-
gócio, é preciso incorporar o conceito que um iPhone
tem. Transforme sua loja em iPhone. Reconstrua seu
negócio inspirado, conceitualmente, no iPhone. Eu sei
que não é fácil para um empresário que levou 20 ou 30
anos construindo seu negócio repensá-lo nesse grau. É
muito difícil. Não só ele, mas também seus executivos e
subordinados, em geral, terão bastante dificuldade para
isso. Mas, de qualquer maneira, a saída é criar um novo
negócio. É importante recomeçar; partir do zero. Jobs
classificava isso de “destruição criativa”. Ele dizia: “Des-
trua o seu negócio e o reconstrua”. A Apple, sem dúvida,
traz muitos exemplos nesse sentido. Quando houve a
substituição do principal executivo da Apple Store, o que
aconteceu há dois anos, assumiu a ex-CEO da Burberry,
uma grife de moda [empresa do setor de cosméticos]. O
Negócios que já surgem inseridos e
atrelados às novas tecnologias ameaçam
profundamente a existência de outros,
mais tradicionais
18 Abril 2016
Exclusiva
disso, para adaptar-se aos novos tempos, não é preciso
arriscar o patrimônio, formado geração após geração, de
umafamília.Nessecaso,oempresáriopodesetornar,como
investidor,oanjodeumastartupque,nofuturo,poderáser
agregada ao seu próprio negócio. É importante mapear os
negóciosnascentesquepodem,embreve,ganharmercado
doseuatualnegócio.Assim,vocêestágarantindo,decerta
forma, o futuro de seu empreendimento. O varejista que
for capaz de se antecipar a uma mudança radical, radical
mesmo, “corre o risco” de se tornar a maior empresa do
mundo. Hoje, a maior empresa do mundo é varejista: o
Walmart. Em breve, deverá ser a Amazon.
Conceitualmente e em termos de proposta, bem
diferentes, por sinal.
Aprincipaldiferençaéqueumaconcentra,atualmente,
suas atividades em lojas físicas, a outra é especialista no
mercado on-line. Mesmo as lojas físicas da Amazon, explo-
ramainteratividade,têmoutraproposta.Averdadeé,com
o passar do tempo, empresas do on-line estão enxergando
apossibilidadedetambémentrarnooff,mastrazendouma
proposta diferente, em linha com o desejo dos consumido-
res contemporâneos que eles conhecem melhor. Então, a
ameaça que as empresas on-line trazem para as tradicio-
nais não é só o e-commerce, aliás, é menos o e-commerce
doqueoaprendizadoqueaexperiênciaon-line lhestrouxe,
permitindo-lhes desenvolver lojas off-line mais atuais e
conectadas às demandas dos consumidores do futuro. A
gente falou da Amazon, mas todas as empresas que têm
sucessonoe-commercequeremtertambémalojafísica.A
fórmulaidealdessenovovarejofísicoaindanãochegou,há
espaçoadesbravar.Todoovarejistadeveriaestudarissoa
fundo, considerar que as pessoas vão querer comprar dele
on e off-line. Ele precisa saber qual é a melhor maneira de
comprar em ambos os canais. Essa expectativa já existe,
não é novidade para ninguém; é preciso se dedicar a isso.
Qual é a principal razão dessa vantagem das em-
presas on-line?
O modelo dessa loja do futuro parte do Big Data. Es-
sas empresas conhecem de perto, pelo comportamento
do consumo digital, as características desses consumido-
res. Sabem o que querem e pelo que se interessam. Eles
têm muitos dados sobre isso. Em breve, serão capazes
de saber que produto você vai comprar no dia seguinte
e a que horas, aproximadamente, com base numa receita
médica que recebeu. As informações disponíveis hoje,
na internet, são inúmeras e as empresas não aproveitam
mercado se perguntou: o que uma mulher da indústria da
moda vai fazer na Apple? A ideia foi que ela levasse, para
as lojas, os atributos intangíveis da marca. A experiência
dela em uma grife de moda a torna capaz de aumentar
a percepção de valor das lojas, fazendo com que elas
sejam objetos de desejo das pessoas, conectando os
atributos da marca ao PDV. Assim, quem entra na loja
da Apple, precisa ter a mesma sensação de quem usa
seus aparelhos. Tudo tem de ser uma coisa só.
Lançar tendências e se antecipar a transformações
faz as empresas serem menos sensíveis a crises?
Estamos vivendo um momento de crise econômica e
o empresário, nesses momentos, costuma dizer: “estou
em crise, preciso tomar conta do meu negócio, preciso
cortar custos, negociar melhor”. Então, ele se volta para
dentro do próprio negócio. Ele se fecha mais ainda. Ele
se defende, busca a segurança, volta para a toca. Porém,
ao mesmo tempo que se vive uma crise, a gente viven-
cia uma mudança para lá de radical no mercado e essa
mudança não espera, não dá tempo para você arrumar
a sua casa. Não param de surgir novas tecnologias, os
millennials cresceram e estão no mercado de trabalho,
evoluindo, comprando, formando opinião. Eles chegam
aos mercados de consumo com outros hábitos e, se sua
loja não souber atendê-lo, ele vai procurar outro lugar
para comprar o que quer. Em resumo, voltar atrás não
é o caminho. Por que a Saraiva cresceu tanto em me-
ados dos anos 1990? Porque ela inovou radicalmente.
Há dois tipos de inovação: a incremental e a radical. Na
primeira, você incrementa o que já tem, na outra, você
transforma radicalmente. Cada empresa precisa se ava-
liar e procurar a melhor medida, mas num cenário como
o que temos, é preciso ter coragem para inovar sempre.
Considerando o momento vivido, se não houvesse
crise, as empresas menos capazes de inovar estariam
tãoexpostasaofracassoquantoemumcenáriodecrise?
É difícil dar um diagnóstico preciso, mas, na realidade,
o momento favorável costuma provocar outro erro, que
é a acomodação. Confia-se naquela velha máxima: “Em
time que está ganhando, não se mexe”. Então, a crise
agrava a expectativa negativa, mas essas mudanças pro-
fundas, que se tem vivenciado, são mais determinantes
paraasobrevivênciaounãodeumempreendimento.Além
Se eu pudesse dar um conselho aos
supermercadistas, hoje, eu diria:
transforme sua loja em um iPhone.
Reconstrua seu negócio inspirado,
conceitualmente, nele
O varejista que for capaz de se antecipar a
uma mudança radical “corre o risco” de se
tornar a maior empresa do mundo
19Abril 2016
nem 1%. Em resumo, o que vemos é o empresário do
varejo brasileiro esperando para ver o que vai ou não
dar certo para depois escolher seu caminho. O problema
é que, dessa forma, a escolha pode acontecer quando
o concorrente já tiver pavimentado a estrada para a
liderança. Num cenário pior, pode até significar a quebra
da empresa que ficou esperando. Enquanto isso, quem
já se dedica a esse universo, sai na frente.
Essa característica de esperar para ver o que vai
dar certo é uma cultura do nosso empresariado?
Sim, é comum entre nossos empresários, porque
nosso mercado não tem grande competição se compa-
rado a outros mercados mais avançados. Por sermos
emergentes, podemos nos dar ao luxo de esperar. Aliás,
não é à toa que somos um mercado emergente: temos
mais demanda do que oferta e, enquanto for assim, o
dono do ponto de venda terá uma situação de conforto.
Mudando de assunto, vivemos um momento de
extremismos políticos no País, o que, naturalmente,
impacta o varejo. Algumas marcas, como o Habib’s, até
se pronunciaram. Como você vê esse tipo de postura?
Isso tem de ser feito, sim, mas com cuidado. É preciso
se posicionar. Não dá mais para dizer que a empresa
não se mistura com essas questões. Não existe mais
essa conversa de que: em casa eu sou de um jeito e,
no trabalho, de outro, sou profissional. As pessoas são
as pessoas. Consumidor é ser humano e o marketing
moderno deve tratá-lo assim. [Philip] Kotler escreve
isso em seu livro “Marketing 3.0”. “Transforme sua loja
para o ser humano, não para o consumidor”, escreve.
Essa cultura de engajamento em questões políti-
cas e sociais é menos comum aqui do que nos Estados
Unidos, por exemplo, não é?
Sem dúvida, nossos empresários têm bem mais
dificuldade em se posicionar. Lá, é comum as empresas
fazerem o que o Habib’s fez. Na NRF, a gente sempre vê
isso. O presidente da Starbucks, uma vez, deu uma de-
claração crítica ao governo dos EUA. Ele não era contra
o governo, mas divergia em alguns pontos e fez questão
de se posicionar com ênfase. O empresário brasileiro
tem receio, porque não é raro a classe empresarial ser
manipulada em processos políticos e, no fim das contas,
a bomba estourar só nas mãos dos empresários. Mas,
seja como for, eu acho que um setor que representa
mais de 5% do PIB é muito importante e tem de colocar
sua voz. Não acho que tenha de tomar partido, mas tem
de defender sua causa, defender o desenvolvimento do
mercado de consumo e a economia do País. Eu acho
que não importa se de direita ou de esquerda, se o
governo respeita a democracia, as leis e trabalha pelo
desenvolvimento do País, ele deve ser apoiado, senão,
a crítica faz parte.
As informações disponíveis
hoje, na internet, são
inúmeras e as empresas
não aproveitam nem 1%
[...] quem já se dedica a
esse universo, sai na frente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010
Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010
Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010Edmour Saiani
 
Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs
Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs
Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs Ricardo Jordão Magalhaes
 
QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo
QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo
QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo Sergio Silva
 
Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2
Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2
Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2Alessandro Saade
 
Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017
Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017
Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017Ricardo Pastore
 
Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011Paulo Morais
 
Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011Paulo Morais
 
Manifesto do marketing_de_relacionamento
Manifesto do marketing_de_relacionamentoManifesto do marketing_de_relacionamento
Manifesto do marketing_de_relacionamentoIsrael Degasperi
 
APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05
APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05
APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05APAS
 
Comunicação no ponto de venda
Comunicação no ponto de vendaComunicação no ponto de venda
Comunicação no ponto de vendaMarcioveras
 
Palestra o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andrea
Palestra   o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andreaPalestra   o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andrea
Palestra o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andreaChristian Manduca
 

Mais procurados (19)

Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010
Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010
Tendências de Varejo + Gestão Prática de Varejo 2010
 
Shopper Marketing - INVENT
Shopper Marketing - INVENTShopper Marketing - INVENT
Shopper Marketing - INVENT
 
Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs
Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs
Varejo 2.0 Como Transformar Clientes Em Fãs
 
QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo
QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo
QG Retail Lab: Tendencias e inovacoes no varejo
 
Tecnologia - Varejo
Tecnologia - VarejoTecnologia - Varejo
Tecnologia - Varejo
 
Planejamento trade marketing
Planejamento trade marketingPlanejamento trade marketing
Planejamento trade marketing
 
Varejo 2.0 by B4B
Varejo 2.0 by B4BVarejo 2.0 by B4B
Varejo 2.0 by B4B
 
1 introdução ao marketing
1   introdução ao marketing1   introdução ao marketing
1 introdução ao marketing
 
Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2
Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2
Gestão de e commerce estadão pme v.01 flat 2
 
E-book Shopper Marketing
E-book Shopper MarketingE-book Shopper Marketing
E-book Shopper Marketing
 
Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017
Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017
Ricardo pastore revista da espm out_nov_dez 2017
 
Trade & Shopper Marketing 2012
Trade & Shopper Marketing 2012Trade & Shopper Marketing 2012
Trade & Shopper Marketing 2012
 
Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011
 
Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011Tendências de marketing para 2011
Tendências de marketing para 2011
 
Varejo E Oportunidades
Varejo E OportunidadesVarejo E Oportunidades
Varejo E Oportunidades
 
Manifesto do marketing_de_relacionamento
Manifesto do marketing_de_relacionamentoManifesto do marketing_de_relacionamento
Manifesto do marketing_de_relacionamento
 
APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05
APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05
APAS 2010 - Palestra de Alberto C. Lima em 11/05
 
Comunicação no ponto de venda
Comunicação no ponto de vendaComunicação no ponto de venda
Comunicação no ponto de venda
 
Palestra o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andrea
Palestra   o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andreaPalestra   o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andrea
Palestra o futuro da carreira e da área de trade marketing - rafael d'andrea
 

Semelhante a O Sustentável Valor da Transformação - Ricardo Pastore

Livro Grandes Marcas Grandes Negocios
Livro Grandes Marcas Grandes NegociosLivro Grandes Marcas Grandes Negocios
Livro Grandes Marcas Grandes NegociosIsrael Degasperi
 
livro-grandes-marcas-grandes-negocios
livro-grandes-marcas-grandes-negocioslivro-grandes-marcas-grandes-negocios
livro-grandes-marcas-grandes-negociosGuto Xavier
 
Livro grandes-marcas-grandes-negocios
Livro grandes-marcas-grandes-negociosLivro grandes-marcas-grandes-negocios
Livro grandes-marcas-grandes-negociosDavi Montenegro
 
Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito
Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito
Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito Marcio Dupont
 
Livro Grandes Marcas Grandes Negócios
Livro Grandes Marcas Grandes NegóciosLivro Grandes Marcas Grandes Negócios
Livro Grandes Marcas Grandes NegóciosBeto Lima Branding
 
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
Manual de marketing de guerrilha   labor editorialManual de marketing de guerrilha   labor editorial
Manual de marketing de guerrilha labor editorialValber Teixeira
 
Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec
Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec
Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec Flavio Marinho
 
Curso de Vendas Effa Ideal
Curso de Vendas Effa IdealCurso de Vendas Effa Ideal
Curso de Vendas Effa IdealEnrico Cardoso
 
8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI
8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI
8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEIGabriella Sant'Anna
 
Apresentação posicionamento a-batalha_por_sua_mente
Apresentação posicionamento a-batalha_por_sua_menteApresentação posicionamento a-batalha_por_sua_mente
Apresentação posicionamento a-batalha_por_sua_menteSuzi Vitoriano
 
A marca dentro da marca
A marca dentro da marcaA marca dentro da marca
A marca dentro da marcaLuci Bonini
 
Empreendedorismo teleaula 2_tema_2
Empreendedorismo teleaula 2_tema_2Empreendedorismo teleaula 2_tema_2
Empreendedorismo teleaula 2_tema_2Elizabeth Custodio
 
Recorrência - Livro
Recorrência - Livro Recorrência - Livro
Recorrência - Livro Vindi
 

Semelhante a O Sustentável Valor da Transformação - Ricardo Pastore (20)

Me 5 forcas-porter
Me 5 forcas-porterMe 5 forcas-porter
Me 5 forcas-porter
 
PIM III - RENAN - 2023.docx
PIM III - RENAN - 2023.docxPIM III - RENAN - 2023.docx
PIM III - RENAN - 2023.docx
 
Livro Grandes Marcas Grandes Negocios
Livro Grandes Marcas Grandes NegociosLivro Grandes Marcas Grandes Negocios
Livro Grandes Marcas Grandes Negocios
 
Livro Grandes Marcas Grandes Negocios
Livro Grandes Marcas Grandes NegociosLivro Grandes Marcas Grandes Negocios
Livro Grandes Marcas Grandes Negocios
 
livro-grandes-marcas-grandes-negocios
livro-grandes-marcas-grandes-negocioslivro-grandes-marcas-grandes-negocios
livro-grandes-marcas-grandes-negocios
 
Livro grandes-marcas-grandes-negocios
Livro grandes-marcas-grandes-negociosLivro grandes-marcas-grandes-negocios
Livro grandes-marcas-grandes-negocios
 
Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito
Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito
Livro Grandes marcas - Grandes negocios - Download gratuito
 
Branding - Grandes marcas grandes negócios
Branding - Grandes marcas grandes negóciosBranding - Grandes marcas grandes negócios
Branding - Grandes marcas grandes negócios
 
Livro Grandes Marcas Grandes Negócios
Livro Grandes Marcas Grandes NegóciosLivro Grandes Marcas Grandes Negócios
Livro Grandes Marcas Grandes Negócios
 
New Varejologia 2014
New Varejologia 2014New Varejologia 2014
New Varejologia 2014
 
Empreendedorismo e Franchising
Empreendedorismo e FranchisingEmpreendedorismo e Franchising
Empreendedorismo e Franchising
 
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
Manual de marketing de guerrilha   labor editorialManual de marketing de guerrilha   labor editorial
Manual de marketing de guerrilha labor editorial
 
Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec
Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec
Workshop de modelagem de negócios - 2014 - iBAtec/ SENAI Cimatec
 
Curso de Vendas Effa Ideal
Curso de Vendas Effa IdealCurso de Vendas Effa Ideal
Curso de Vendas Effa Ideal
 
8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI
8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI
8 Fases para Detecção de Oportunidades, Empreendedorismo, UNIFEI
 
Apresentação posicionamento a-batalha_por_sua_mente
Apresentação posicionamento a-batalha_por_sua_menteApresentação posicionamento a-batalha_por_sua_mente
Apresentação posicionamento a-batalha_por_sua_mente
 
Apresentação Completa
Apresentação CompletaApresentação Completa
Apresentação Completa
 
A marca dentro da marca
A marca dentro da marcaA marca dentro da marca
A marca dentro da marca
 
Empreendedorismo teleaula 2_tema_2
Empreendedorismo teleaula 2_tema_2Empreendedorismo teleaula 2_tema_2
Empreendedorismo teleaula 2_tema_2
 
Recorrência - Livro
Recorrência - Livro Recorrência - Livro
Recorrência - Livro
 

Mais de Ricardo Pastore

Conexão varejo ricardo pastore
Conexão varejo ricardo pastoreConexão varejo ricardo pastore
Conexão varejo ricardo pastoreRicardo Pastore
 
Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...
Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...
Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...Ricardo Pastore
 
Ricardo Pastore - Estadão
Ricardo Pastore - EstadãoRicardo Pastore - Estadão
Ricardo Pastore - EstadãoRicardo Pastore
 
Respm jan fev-mar 2017 ricardo-pastore
Respm jan fev-mar 2017 ricardo-pastoreRespm jan fev-mar 2017 ricardo-pastore
Respm jan fev-mar 2017 ricardo-pastoreRicardo Pastore
 
Roberto Nascimento - Organização da Loja
Roberto Nascimento - Organização da LojaRoberto Nascimento - Organização da Loja
Roberto Nascimento - Organização da LojaRicardo Pastore
 
Anuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento
Anuário farmacêutico 2015 - Roberto NascimentoAnuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento
Anuário farmacêutico 2015 - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
Eletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto NascimentoEletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
Eletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto NascimentoEletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
Revista guia da farmácia - Muito além da graduação
Revista guia da farmácia - Muito além da graduação Revista guia da farmácia - Muito além da graduação
Revista guia da farmácia - Muito além da graduação Ricardo Pastore
 
Formação de Preços - Prof. Ricardo pastore
Formação de Preços - Prof. Ricardo pastoreFormação de Preços - Prof. Ricardo pastore
Formação de Preços - Prof. Ricardo pastoreRicardo Pastore
 
Estetica e Saude - Roberto Nascimento
Estetica e Saude - Roberto NascimentoEstetica e Saude - Roberto Nascimento
Estetica e Saude - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
Venda Saudavel - Roberto Nascimento
Venda Saudavel - Roberto NascimentoVenda Saudavel - Roberto Nascimento
Venda Saudavel - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
Faturamento Crocante - Bia Cavalcante
Faturamento Crocante - Bia CavalcanteFaturamento Crocante - Bia Cavalcante
Faturamento Crocante - Bia CavalcanteRicardo Pastore
 
Azeites Prontos - Roberto Nascimento
Azeites Prontos - Roberto NascimentoAzeites Prontos - Roberto Nascimento
Azeites Prontos - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
O abraco ficou maior - Roberto Nascimento
O abraco ficou maior - Roberto NascimentoO abraco ficou maior - Roberto Nascimento
O abraco ficou maior - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014
La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014
La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014Ricardo Pastore
 
Prof. Ricardo Pastore Revista da ESPM
Prof. Ricardo Pastore Revista da ESPMProf. Ricardo Pastore Revista da ESPM
Prof. Ricardo Pastore Revista da ESPMRicardo Pastore
 
A delicada arte de aumentar precos
A delicada arte de aumentar precosA delicada arte de aumentar precos
A delicada arte de aumentar precosRicardo Pastore
 
Jornal garantia de origem - Junho
Jornal garantia de origem - JunhoJornal garantia de origem - Junho
Jornal garantia de origem - JunhoRicardo Pastore
 

Mais de Ricardo Pastore (20)

Conexão varejo ricardo pastore
Conexão varejo ricardo pastoreConexão varejo ricardo pastore
Conexão varejo ricardo pastore
 
Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...
Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...
Revista eletrolar-ed.123-roberto-nascimento/As oportunidades que não podem se...
 
Ricardo Pastore - Estadão
Ricardo Pastore - EstadãoRicardo Pastore - Estadão
Ricardo Pastore - Estadão
 
Respm jan fev-mar 2017 ricardo-pastore
Respm jan fev-mar 2017 ricardo-pastoreRespm jan fev-mar 2017 ricardo-pastore
Respm jan fev-mar 2017 ricardo-pastore
 
Roberto Nascimento - Organização da Loja
Roberto Nascimento - Organização da LojaRoberto Nascimento - Organização da Loja
Roberto Nascimento - Organização da Loja
 
Anuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento
Anuário farmacêutico 2015 - Roberto NascimentoAnuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento
Anuário farmacêutico 2015 - Roberto Nascimento
 
Eletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto NascimentoEletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto Nascimento
 
Eletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto NascimentoEletrolar News - Roberto Nascimento
Eletrolar News - Roberto Nascimento
 
Revista guia da farmácia - Muito além da graduação
Revista guia da farmácia - Muito além da graduação Revista guia da farmácia - Muito além da graduação
Revista guia da farmácia - Muito além da graduação
 
Formação de Preços - Prof. Ricardo pastore
Formação de Preços - Prof. Ricardo pastoreFormação de Preços - Prof. Ricardo pastore
Formação de Preços - Prof. Ricardo pastore
 
Tendências de Consumo
Tendências de ConsumoTendências de Consumo
Tendências de Consumo
 
Estetica e Saude - Roberto Nascimento
Estetica e Saude - Roberto NascimentoEstetica e Saude - Roberto Nascimento
Estetica e Saude - Roberto Nascimento
 
Venda Saudavel - Roberto Nascimento
Venda Saudavel - Roberto NascimentoVenda Saudavel - Roberto Nascimento
Venda Saudavel - Roberto Nascimento
 
Faturamento Crocante - Bia Cavalcante
Faturamento Crocante - Bia CavalcanteFaturamento Crocante - Bia Cavalcante
Faturamento Crocante - Bia Cavalcante
 
Azeites Prontos - Roberto Nascimento
Azeites Prontos - Roberto NascimentoAzeites Prontos - Roberto Nascimento
Azeites Prontos - Roberto Nascimento
 
O abraco ficou maior - Roberto Nascimento
O abraco ficou maior - Roberto NascimentoO abraco ficou maior - Roberto Nascimento
O abraco ficou maior - Roberto Nascimento
 
La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014
La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014
La industria de los centros comerciales en latinoamérica en 2014
 
Prof. Ricardo Pastore Revista da ESPM
Prof. Ricardo Pastore Revista da ESPMProf. Ricardo Pastore Revista da ESPM
Prof. Ricardo Pastore Revista da ESPM
 
A delicada arte de aumentar precos
A delicada arte de aumentar precosA delicada arte de aumentar precos
A delicada arte de aumentar precos
 
Jornal garantia de origem - Junho
Jornal garantia de origem - JunhoJornal garantia de origem - Junho
Jornal garantia de origem - Junho
 

Último

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

O Sustentável Valor da Transformação - Ricardo Pastore

  • 1. 14 Abril 2016 Exclusiva SuperHiper (SH) conversou com o professor e consultor de varejo Ricardo Pastore, cuja trajetória profissional lhe confere autoridade para falar sobre o setor de comércio e sua necessidade de se transformar sempre Por Wagner Hilário Oretail-lab da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) é um lugar convidativo e agra- dável a quem aprendeu a gostar do universo do varejo e, especificamente, dos supermercados. É também o nome pelo qual o professor e coordenador do Núcleo de Estudos e Negócios do Varejo da ESPM, Ricardo Pastore, chama o laboratório experimental da disciplina que, na prática, funciona como sala de aula e ambiente de pesquisa sobre hábitos de consumo, estratégias de exposição e marketing no ponto de venda (PDV). “A ideia do lab não foi minha, mas precisava de um maluco, como eu, para realizá-la. A discussão inicial se deu sobre uma possível dupla função do laboratório: queriam que fosse também loja, além de sala de aula e laboratório. Não tinha como: era uma coisa ou outra. Assim, o espaço virou sala de aula e laboratório para pesquisa de mercado. Foi um sucesso. Os alunos ado- ram e os professores também, porque desenvolvem novos métodos de ensino. Já se passaram dez anos e o retail-lab é muito procurado pelas indústrias, que fazem estudos de ‘árvore de decisão de compra’. Já o varejo não costuma vir.” O sustentável valor da transformação Fotos:LuizMachado
  • 2. 16 Abril 2016 Exclusiva É nesse espaço que conversamos com Pastore e é onde ele nos fala de sua trajetória profissional, que, sem dúvida, credencia-o a ser não só professor de uma universidade que se notabiliza por ensinar na prática, mas, também, a ser um consultor e estudioso do tema, desenvolvendo ideias e fazendo leituras ousadas a res- peito do futuro do varejo. “Meu primeiro emprego foi no Grupo Pão de Açúcar [GPA]. Eu cursava Ciências Econômicas na PUC-SP [Pontifícia Universidade Católica de São Paulo] e um amigo comentou sobre vagas no GPA. Assim, fui parar no Pão, onde fiquei por 11 anos.” Pastore destaca a cultura corporativa do GPA que, segundo ele, ajudou a formar seus valores profissionais. Lá, ele trabalhou em análise de dados, estratégia de mercado, na área comercial e, de- pois de uma “pós” em Marketing na ESPM, na operação de lojas. “Foram dois anos como gerente de Vendas da divisão com o maior número de lojas do grupo, à época, o Minibox. Quem me deu essa oportunidade foi Ascar [Antonio Carlos Ascar, colunista de SH e personagem da seção Perfil SH, desta edição].” Em 1990, num período crítico para o País e para o GPA, Pastore foi para o Makro, como gerente de Compras. “A cultura do Makro era diferente. Era uma empresa mais fria, enxuta e muito focada em resultado. Eu me adaptei bem e consegui fazer as mudanças que a empresa esperava que fossem feitas. Eu fazia a gestão de compras de frios e laticínios; peguei o departamento com um budget de [em valores atualizados] R$ 50 mi- lhões e o entreguei com R$ 150 milhões.” Isso se deveu a um forte trabalho para melhorar o desempenho de vendas dos perecíveis do Makro. “Quan- do fui para lá, outros executivos do GPA também foram levados: comporíamos uma equipe para atuar na área de perecíveis, para fortalecer essa divisão no Makro.” Pelo trabalho benfeito, Pastore foi promovido para gerente nacional de Operações de toda a área de Alimentos da empresa. “Nessa época, comecei a trabalhar mais com gerenciamento por categoria [GC]. Eu fiquei responsável por implantar o modelo na área de alimentos congelados.” Porém, seu grande desafio ainda estava por vir. Depois de sair do Makro, ele assumiu a direção de Opera- ções da Saraiva, à época, uma rede de livrarias pequenas, com atendimento de balcão. “Em 1996, a Saraiva era uma empresa familiar, média, mas que tinha uma visão de futuro. Perceberam que, com a estabilidade da mo- eda, havia grandes oportunidades, mas não dispunham do modelo de negócio adequado. Depois de um ano de trabalho, inauguramos a primeira megastore do grupo, no Shopping Eldorado, em São Paulo.” Hoje, é possível dizer que o modelo de megastore, de autosserviço, é dominante no varejo físico de livrarias. Após a experiência na Saraiva, Pastore passou pela Editora Ática, também num projeto de varejo; esteve na Andersen Consultoria, em que tocou um projeto na rede de lojas de ferramentas, De Meo; teve uma rápida experiência na indústria, na empresa Café Jardim, e, em seguida, resolveu abrir sua própria consultoria, a Ricardo Pastore, pela qual atua até hoje. “Comecei com ela em 2002, passei a dar muitas palestras e cursos e isso me deu visibilidade. Vim parar na ESPM, porque a escola queria um professor de varejo e eu queria ter um pé na academia. Comecei a lecionar, em 2004, o programa de aulas sobre varejo que montei e não parei mais. Estou Vivemos a era da disrupção, formatos [de varejo] entram em processo de arruinamento do dia para noite, enquanto outros tomam espaço
  • 3. 17Abril 2016 aqui há 12 anos e, para mim, é um orgulho”, diz Pastore, enquanto conversa conosco no retail-lab da ESPM... Hoje, transformações conceituais, como a feita pela megastore da Saraiva, são bem mais comuns no mercado? Com certeza. Antes, as mudanças eram mais lentas, levavam mais tempo. Por exemplo, uma grande inovação foi o surgimento dos supermercados. Foi revolucionário. Depois, vieram os hipermercados. Transformações estru- turais com um intervalo de décadas entre si. Com o avan- ço tecnológico, essas mudanças passam a acontecer em períodos mais breves e os modelos existentes ficam sob risco constante. Então, costumo dizer que as ameaças aos modelos atuais não são os concorrentes do mesmo formato; quem tem uma rede de supermercados não vai perder sua empresa devido à concorrência de outro supermercadista, mas por algo novo que vai substituir o formato existente. Vivemos a era da disrupção, forma- tos entram em processo de arruinamento do dia para noite, enquanto outros se destacam, tomando o espaço. Negócios que já surgem inseridos e atrelados às novas tecnologias ameaçam profundamente a existência de outros, mais tradicionais. O varejo, eu tenho a impressão, só começa a sentir essa ameaça de forma mais evidente, agora. A área de comunicação sente isso de forma mais evidente há algum tempo e a área de educação, com o ensino a distância, também começa a sentir. Ou seja, considerando a evolução do e-commerce, é possível dizer que o empresário que quer sua empresa viva por muito mais tempo precisa estar na internet? É preciso fazer um estudo com os supermercadistas, com as indústrias e com os clientes. É preciso entender como cada um, desses entes do processo, enxerga essa questão da venda digital. Eu acho que os empresários de todos os setores, com tantas influências tecnológicas, pre- cisam seguir o exemplo da Apple. Num primeiro momento, as lojas físicas da Apple foram um fracasso. Aí, Steve Jobs [fundador da empresa, que estava na ativa, na época], em reunião, perguntou aos seus executivos especializados em varejocomosevendia,tradicionalmente,computadoresno mundo. Eles descreveram uma loja típica, sei lá, uma Best Buy. Então ele disse ao executivo responsável: “Faz tudo diferente; vira de ponta cabeça”. Assim, surgiu a Apple Store, um fenômeno do varejo. O que eles fizeram? Um exercício de desconstrução... Seu conselho para o varejista, então, é que ele procure fazer esse trabalho de desconstrução do seu próprio negócio? Se eu pudesse dar um conselho aos supermerca- distas, hoje, eu diria que, para ter sucesso em um ne- gócio, é preciso incorporar o conceito que um iPhone tem. Transforme sua loja em iPhone. Reconstrua seu negócio inspirado, conceitualmente, no iPhone. Eu sei que não é fácil para um empresário que levou 20 ou 30 anos construindo seu negócio repensá-lo nesse grau. É muito difícil. Não só ele, mas também seus executivos e subordinados, em geral, terão bastante dificuldade para isso. Mas, de qualquer maneira, a saída é criar um novo negócio. É importante recomeçar; partir do zero. Jobs classificava isso de “destruição criativa”. Ele dizia: “Des- trua o seu negócio e o reconstrua”. A Apple, sem dúvida, traz muitos exemplos nesse sentido. Quando houve a substituição do principal executivo da Apple Store, o que aconteceu há dois anos, assumiu a ex-CEO da Burberry, uma grife de moda [empresa do setor de cosméticos]. O Negócios que já surgem inseridos e atrelados às novas tecnologias ameaçam profundamente a existência de outros, mais tradicionais
  • 4. 18 Abril 2016 Exclusiva disso, para adaptar-se aos novos tempos, não é preciso arriscar o patrimônio, formado geração após geração, de umafamília.Nessecaso,oempresáriopodesetornar,como investidor,oanjodeumastartupque,nofuturo,poderáser agregada ao seu próprio negócio. É importante mapear os negóciosnascentesquepodem,embreve,ganharmercado doseuatualnegócio.Assim,vocêestágarantindo,decerta forma, o futuro de seu empreendimento. O varejista que for capaz de se antecipar a uma mudança radical, radical mesmo, “corre o risco” de se tornar a maior empresa do mundo. Hoje, a maior empresa do mundo é varejista: o Walmart. Em breve, deverá ser a Amazon. Conceitualmente e em termos de proposta, bem diferentes, por sinal. Aprincipaldiferençaéqueumaconcentra,atualmente, suas atividades em lojas físicas, a outra é especialista no mercado on-line. Mesmo as lojas físicas da Amazon, explo- ramainteratividade,têmoutraproposta.Averdadeé,com o passar do tempo, empresas do on-line estão enxergando apossibilidadedetambémentrarnooff,mastrazendouma proposta diferente, em linha com o desejo dos consumido- res contemporâneos que eles conhecem melhor. Então, a ameaça que as empresas on-line trazem para as tradicio- nais não é só o e-commerce, aliás, é menos o e-commerce doqueoaprendizadoqueaexperiênciaon-line lhestrouxe, permitindo-lhes desenvolver lojas off-line mais atuais e conectadas às demandas dos consumidores do futuro. A gente falou da Amazon, mas todas as empresas que têm sucessonoe-commercequeremtertambémalojafísica.A fórmulaidealdessenovovarejofísicoaindanãochegou,há espaçoadesbravar.Todoovarejistadeveriaestudarissoa fundo, considerar que as pessoas vão querer comprar dele on e off-line. Ele precisa saber qual é a melhor maneira de comprar em ambos os canais. Essa expectativa já existe, não é novidade para ninguém; é preciso se dedicar a isso. Qual é a principal razão dessa vantagem das em- presas on-line? O modelo dessa loja do futuro parte do Big Data. Es- sas empresas conhecem de perto, pelo comportamento do consumo digital, as características desses consumido- res. Sabem o que querem e pelo que se interessam. Eles têm muitos dados sobre isso. Em breve, serão capazes de saber que produto você vai comprar no dia seguinte e a que horas, aproximadamente, com base numa receita médica que recebeu. As informações disponíveis hoje, na internet, são inúmeras e as empresas não aproveitam mercado se perguntou: o que uma mulher da indústria da moda vai fazer na Apple? A ideia foi que ela levasse, para as lojas, os atributos intangíveis da marca. A experiência dela em uma grife de moda a torna capaz de aumentar a percepção de valor das lojas, fazendo com que elas sejam objetos de desejo das pessoas, conectando os atributos da marca ao PDV. Assim, quem entra na loja da Apple, precisa ter a mesma sensação de quem usa seus aparelhos. Tudo tem de ser uma coisa só. Lançar tendências e se antecipar a transformações faz as empresas serem menos sensíveis a crises? Estamos vivendo um momento de crise econômica e o empresário, nesses momentos, costuma dizer: “estou em crise, preciso tomar conta do meu negócio, preciso cortar custos, negociar melhor”. Então, ele se volta para dentro do próprio negócio. Ele se fecha mais ainda. Ele se defende, busca a segurança, volta para a toca. Porém, ao mesmo tempo que se vive uma crise, a gente viven- cia uma mudança para lá de radical no mercado e essa mudança não espera, não dá tempo para você arrumar a sua casa. Não param de surgir novas tecnologias, os millennials cresceram e estão no mercado de trabalho, evoluindo, comprando, formando opinião. Eles chegam aos mercados de consumo com outros hábitos e, se sua loja não souber atendê-lo, ele vai procurar outro lugar para comprar o que quer. Em resumo, voltar atrás não é o caminho. Por que a Saraiva cresceu tanto em me- ados dos anos 1990? Porque ela inovou radicalmente. Há dois tipos de inovação: a incremental e a radical. Na primeira, você incrementa o que já tem, na outra, você transforma radicalmente. Cada empresa precisa se ava- liar e procurar a melhor medida, mas num cenário como o que temos, é preciso ter coragem para inovar sempre. Considerando o momento vivido, se não houvesse crise, as empresas menos capazes de inovar estariam tãoexpostasaofracassoquantoemumcenáriodecrise? É difícil dar um diagnóstico preciso, mas, na realidade, o momento favorável costuma provocar outro erro, que é a acomodação. Confia-se naquela velha máxima: “Em time que está ganhando, não se mexe”. Então, a crise agrava a expectativa negativa, mas essas mudanças pro- fundas, que se tem vivenciado, são mais determinantes paraasobrevivênciaounãodeumempreendimento.Além Se eu pudesse dar um conselho aos supermercadistas, hoje, eu diria: transforme sua loja em um iPhone. Reconstrua seu negócio inspirado, conceitualmente, nele O varejista que for capaz de se antecipar a uma mudança radical “corre o risco” de se tornar a maior empresa do mundo
  • 5. 19Abril 2016 nem 1%. Em resumo, o que vemos é o empresário do varejo brasileiro esperando para ver o que vai ou não dar certo para depois escolher seu caminho. O problema é que, dessa forma, a escolha pode acontecer quando o concorrente já tiver pavimentado a estrada para a liderança. Num cenário pior, pode até significar a quebra da empresa que ficou esperando. Enquanto isso, quem já se dedica a esse universo, sai na frente. Essa característica de esperar para ver o que vai dar certo é uma cultura do nosso empresariado? Sim, é comum entre nossos empresários, porque nosso mercado não tem grande competição se compa- rado a outros mercados mais avançados. Por sermos emergentes, podemos nos dar ao luxo de esperar. Aliás, não é à toa que somos um mercado emergente: temos mais demanda do que oferta e, enquanto for assim, o dono do ponto de venda terá uma situação de conforto. Mudando de assunto, vivemos um momento de extremismos políticos no País, o que, naturalmente, impacta o varejo. Algumas marcas, como o Habib’s, até se pronunciaram. Como você vê esse tipo de postura? Isso tem de ser feito, sim, mas com cuidado. É preciso se posicionar. Não dá mais para dizer que a empresa não se mistura com essas questões. Não existe mais essa conversa de que: em casa eu sou de um jeito e, no trabalho, de outro, sou profissional. As pessoas são as pessoas. Consumidor é ser humano e o marketing moderno deve tratá-lo assim. [Philip] Kotler escreve isso em seu livro “Marketing 3.0”. “Transforme sua loja para o ser humano, não para o consumidor”, escreve. Essa cultura de engajamento em questões políti- cas e sociais é menos comum aqui do que nos Estados Unidos, por exemplo, não é? Sem dúvida, nossos empresários têm bem mais dificuldade em se posicionar. Lá, é comum as empresas fazerem o que o Habib’s fez. Na NRF, a gente sempre vê isso. O presidente da Starbucks, uma vez, deu uma de- claração crítica ao governo dos EUA. Ele não era contra o governo, mas divergia em alguns pontos e fez questão de se posicionar com ênfase. O empresário brasileiro tem receio, porque não é raro a classe empresarial ser manipulada em processos políticos e, no fim das contas, a bomba estourar só nas mãos dos empresários. Mas, seja como for, eu acho que um setor que representa mais de 5% do PIB é muito importante e tem de colocar sua voz. Não acho que tenha de tomar partido, mas tem de defender sua causa, defender o desenvolvimento do mercado de consumo e a economia do País. Eu acho que não importa se de direita ou de esquerda, se o governo respeita a democracia, as leis e trabalha pelo desenvolvimento do País, ele deve ser apoiado, senão, a crítica faz parte. As informações disponíveis hoje, na internet, são inúmeras e as empresas não aproveitam nem 1% [...] quem já se dedica a esse universo, sai na frente