WWWDECNEWSIOVLBR - ANOS - N" 43 ' Jul/ AGO 2015

CODIEHIO '

ll |  I |  llllllllll H

 43
9 771982 820009 | >

    

Para ...
Por Kathlen Ramos II-“F--êi-? râif-: i,FH-eLií«%*É'r>êlÊll: '§a›-"i = :i-rar. --›: ›.~. .--

: ,ç ; u ›-: .

. Mrm-X-uitr:...
ferramenta para aumentar o poder de
venda.  "As ações pontuais fazem com
que os produtos fiquem em evidência
e também com ...
d 4 b 6 /  8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 ? O 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31

ser desenvolvidas a partir do dia 11", ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Roberto Nascimento - Organização da Loja

449 visualizações

Publicada em

Roberto Nascimento - Organização da Loja

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Roberto Nascimento - Organização da Loja

  1. 1. WWWDECNEWSIOVLBR - ANOS - N" 43 ' Jul/ AGO 2015 CODIEHIO ' ll | I | llllllllll H 43 9 771982 820009 | > Para sobreviver em um mercado cada vez mais “ v ç competitivo, a atenção aos detalhes passa a ser fundamental. Manter a loja bem organizada deve fazer parte da lista de estratégias da empresa -w eum-w», - »w
  2. 2. Por Kathlen Ramos II-“F--êi-? râif-: i,FH-eLií«%*É'r>êlÊll: '§a›-"i = :i-rar. --›: ›.~. .-- : ,ç ; u ›-: . . Mrm-X-uitr: Hlâl'v$¡§5k'w w' 'z-u: e~2:snr§i, ›w~r›srmmaeiwidrrwi'v! ~-. r'~: h5"~4:›i4 A. ? mui: 1 : çrrshzávhiiúmictwfímnwzawrmerui. uma-ii Além das datas em que todo o varejo fica atento, é possível que sua loja crie ações exclusivas, se diferenciando da concorrência. Inclua essa tática durante o planejamento anual da empresa pequeno e médio vare- jistas não podem ignorar as datas comemorativas que induzem os consu- midores às compras ao longo do ano. Assim, nas épocas de Natal, Dia das Mães, Páscoa, entre outras, é funda- mental que o varejo se insira no con- 2B- texto de cada um desses eventos, seja por meio da decoração interna, vitrine diferenciada, campanhas de mídia ou outro tipo de ação. "O importante é fazer com que o consumidor que vai pensar naquela data se lembre também da sua loja. Isso só vai acontecer se o seu estabe- Iecimento desenvolver uma conexão entre a data e a possibilidade de com- pra", diz a presidente do Instituto de Estudos em Varejo (IEV), Regina Blessa. O consultor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), Jean de Oliveira, reforça que o varejo só sobre- vive diante de promoções e que o ca- lendário promocional é uma poderosa Fotos Shutterstock
  3. 3. ferramenta para aumentar o poder de venda. "As ações pontuais fazem com que os produtos fiquem em evidência e também com que o consumidor en- xergue as mercadorias de forma dife- rente do que está acostumado a ver habitualmente", analisa. De acordo com os especialistas do mercado, o ideal é desenvolver o plane- jamento desse calendário com bastan- te antecedência. Assim, até setembro/ outubro de cada ano, todas as ações do próximo ano já devem estar previs- tas. "O calendário deve ser desenvolvi- do de modo anual e levando em con- sideração a cultura local, já que cada região tem festividades importantes que precisam ser consideradas", lem- bra o consultor empresarial e profes- sor da ESPM, Roberto Nascimento de Oliveira. Esse planejamento antecipado pode evitar alguns riscos, como o de rupturas na loja em época de alta de- manda. E algumas regiões do País pre- cisam estar ainda mais atentas em re- lação ao abastecimento dos estoques. "De modo geral, as lojas de São Paulo podem pedir suas entregas com um mês de antecedência com garantia de recebimento. No entanto, as lojas do Nordeste e Norte têm de se prepa- rar antes. Do contrário, podem correr o risco de vender produtos de épocas de- pois delas passarem. Tudo vai depen- der da distância entre os Centros de Distribuição e as lojas", adverte Regina. E na hora dos pedidos, também va- le estar atento às quantidades, para manter o sortimento de acordo com as necessidades da loja. Nesse momento, entra o papel importantíssimo de um bom comprador, que tem suas plani- lhas bem ajustadas e uma previsão de > INCLUA NO PLANEJAMENTO DO CALENOARlO PROMOCIONAL - As datas de maior venda da loja. o As datas sazonais do mercado. - A antecipação necessária para cada data e preparativos. - O orçamento para cada uma. o As parcerias que podem ser realizadas. - E o número dos anos anteriores para comparar. Fonte: presidente do Instituto de Estudos em Varejo (IE V), Regina Blessa quanto pode arriscar, pela média dos anos anteriores. No entanto, em periodos atipicos, co- mo está sendo o de 2015, com as ven- das apresentando queda, é importante realizar novos cálculos. "Temos de sen- tir o percentual de queda dos produtos antes de arriscar 'encalhar' estoques sa- zonais, que são ingratos de vender em outras épocas do ano", avisa a presi- dente do IEV. Nesse sentido, as com- pras fracionadas, como as oferecidas pelo DEC (Distribuidor Especializado em Cosméticos), podem ser uma óti- ma saída para evitar prejuizos. Os segredos dos lucros e da diferenciação É fato que as principais datas co- memorativas são exploradas por to- do o varejo. Então, o ideal é ser cria- tivo para não cair na mesmice e se di- ferenciar diante da concorrência. Um passo importante nesse sentido é bus- car parcerias. "Os fornecedores sem- pre estão à frente no calendário pa- ra atender às lojas parceiras. É preci- so conquistar essa conexão e conse- guir materiais e investimentos da in- dústria para estar sempre por dentro das novidades e pacotes promocio- nais", aconselha Regina. Outro ponto importante é realizar um planejamento bem detalhado do que vai ser feito em cada ação. "O va- rejista precisa ser minucioso ao apon- tar que itens serão destacados e como as ações serão desenvolvidas, passan- do por ambientação, comunicação e promoção. Também deve garantir uma execução extremamente eficiente, con- siderando sortimento, ambiente, ser- viços, equipe, as ações de marketing, merchandising e promoções", analisa a diretora da Connect Shopper e con- sultora de varejo e shopper marketing, Fátima Merlin. Vale, ainda, apostar em datas que vão além do que já é comum a todos os varejistas. "Podem-se criar o dia do batom, o dia da hidratação, o dia do perfume. .. Cada uma dessas ações vai estimular as vendas de diversas cate- gorias dentro da loja", ensina Oliveira, da ESPM. E o ideal é que essas cam- panhas sejam desenvolvidas em épo- cas em que as vendas registram que- da no varejo. "Se o pico de vendas está entre os dias 1° e 10, as campa- nhas promocionais exclusivas devem Decnews- 29
  4. 4. d 4 b 6 / 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 ? O 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 ser desenvolvidas a partir do dia 11", ensina o especialista. E lembre-se de que os produtos em promoção precisam estar em destaque na loja, indo além do ponto natural de exposição. Assim, podem-se explorar, por exemplo, as pontas de gôndola, os corredores, as áreas próximas aos checkouts e às vitrines. "É importante que o consumidor te- nha uma sensação diferente ao entrar na loja e identifique a ação promocional desenvolvida. Portanto, não somente a decoração e exposição da loja devem ser exploradas, mas os colaboradores 30 › '21 -ãuii ; um Í? D/ l > BANCO EílDElAS f Confira, a seguir, as dicas do consultor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), Jean de Oliveira, sobre algumas datas importantes para o varejo. o Início da temporada de primavera/ verão: além do tradicional filtro solar, vale explorar o cross-merchandising com produtos, como hidratantes, já que, após o sol, naturalmente, a pele fica mais ressecada. Nas campanhas de verão, a loja também precisa estar atenta ao ar-condicionado, já que os clientes precisam se sentir à vontade para fazer suas compras. o Dia das Mães/ Dia dos Pais/ Dia das Crianças: vale lembrar que, seja qual for a data, é importante desenvolver não só o dia específico. Assim, o ideal é desenvolver o Mês das Mães, dos Pais ou das Crianças, por exemplo. E, de modo geral, nessa data, o consumidor está propenso a gastar mais, já que não se importa em dar um bom presente. O ideal, então, é desenvolver alguns kits presenteáveis, que podem ter produtos de maior valor agregado. 0 Natal: esta é a principal data comemorativa do Brasil e e quando o cliente tem mais dinheiro (por conta de férias e décimo terceiro) e também está mais disposto a gastar. A ideia, então, é aumentar o poder de compra do cliente. O ideal é apostar numa loja mais 'robusta' em sortimento, garantindo os produtos tradicionais nas gôndolas e oferecendo, ainda, novas opções. 0 Dia dos Namorados: nessa época, vale explorar a ambientação da loja, para que o consumidor se envolva no clima que norteia a data. Pode-se, por exemplo, aromatizar o estabelecimento e decorá-lo com corações. Ter kits presenteáveis funcionais, como um kit de massagens, ou uma cesta de produtos de beleza que também contenha um CD romântico. A loja pode, ainda, realizar uma ação conjunta com um restaurante, por exemplo, a fim de oferecer um jantar ao casal. o Início da temporada de outono/ inverno: esse período do ano também coincide com a temporada de férias. Então vale desenvolver kits exclusivos para aqueles que vão viajar, como sabonetes, pastas de dente e outros artigos essenciais na bolsa de viagem. 0 Não se esqueça: quando um produto está dentro de um kit de presente, o consumidor aumenta a percepção de valor daquele item. O mesmo não acontece se o artigo estiver isolado na gôndola, Vale, ainda, explorar a criatividade, desenvolvendo, por exemplo, no Dia das Mães, kits para a mãe vaidosa, para as clássicas, as ousadas, as aventureiras, entre outros, trazendo apelos e sortimentos diferentes em cada um deles. precisam estar envolvidos na ação e, se possivel, fazendo o papel de demons- tradores dos produtos em destaque. A ideia é surpreender o cliente", mostra o consultor do Sebrae-SP, acrescen- tando que é igualmente importante que a campanha tenha uma data de término. "O consumidor precisa en- tender que aquela oportunidade vai acabar e que ele precisa aproveitar aquele momento", justifica Oliveira, do Sebrae-SP. e

×