SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco
Programa de Residência de Enfermagem em
Cardiologia
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco
– PROCAPE –
ANDREY VIEIRA DE QUEIROGA – R1
Março / 2013
OBJETIVO DO ESTUDO
Descrever a Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE para
aprimorar os conhecimentos vivenciados na práticas de enfermagem.
Garantir maior autonomia na técnica prestada pelo enfermeiro ao cliente,
além de promover a individualização do cuidado, prestando os
cuidados direcionados as necessidades humanas básicas afetadas.
A avaliação vem se constituindo em instrumento de aprovação/reprovação
como uma prática, para se alçar ou não o saber e a ascensão social (FENILI;
et al, 2002)
Não cabe mais simplesmente avaliar apenas as causas da doença ou
problema de um paciente, é preciso conhecê-lo na sua “integralidade” (COSTA
JUNIOR, 2012).
A equipe de enfermagem, de forma geral, é quem tem a responsabilidade de
conduzir essa avaliação inicial e é o que de fato tem se estabelecido nos
hospitais acreditados. Aos médicos, cabe a avaliação clínica e física, que
também tem fundamental importância nesse processo de avaliação (COSTA
JUNIOR, 2012).
Tanure (2008) sustentam que, o foco da Enfermagem deve ser sempre o
cliente e seu bem-estar, e a sistematização da assistência de enfermagem é
um apoio de que precisamos para alcançar nossos objetivos humanitários e a
qualidade da assistência.
RESOLUÇÃO COFEN nº 358/2009
Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a
implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou
privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras
providências.
RESOLVE:
Art. 1º Avaliação de Enfermagem
Por intermédio da Evolução de Enfermagem, evidenciam-se os efeitos, as
repercussões e os benefícios dos cuidados prestados em relação a
determinados parâmetros preestabelecidos, possibilitando indicar a
suspensão, modificação ou manutenção da Prescrição de Enfermagem anterior.
É um importante instrumento para o enfermeiro saber se realmente a
assistência prestada ao cliente está sendo eficaz ou ideal. Este é o momento no
qual ocorre a avaliação propriamente dita deste cliente.
Os profissionais devem ser CAPACITADOS e estar QUALIFICADOS para avaliar
cada paciente e entender seu contexto e necessidades e assim coletar
informações precisas para a melhor definição do PLANO DE CUIDADOS (COSTA
JÚNIOR, 2012);
As atividades da enfermagem devem contemplar as dimensões do
SABER, FAZER E SENTIR (CARPENITO, 1999);
Enquanto a Enfermagem concentrar-se em enfoques de natureza médica, e no
processo de trabalho médico, a hegemonia médica perpetuará;
sendo, portanto, necessário centrar-se mais no paciente, na natureza de suas
respostas humanas e, portanto, no processo de Enfermagem;
O PROCESSO DE ENFERMAGEM é descrita como uma proposta para melhorar
a qualidade do cuidado prestado através do relacionamento dinâmico enfermeiro-
cliente (TANNURE; GONÇALVES, 2009).
O processo de Enfermagem fornece estrutura para TOMA DE DECISÃO durante a
assistência de enfermagem, tornando-a mais CIENTÍFICA e menos INTUITIVA
(TANNURE; GONÇALVES, 2009).
AS ETAPAS DO PROCESSO DE ENFERMAGEM
INVESTIGAÇÃO
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM
PLANEJAMENTO
IMPLEMENTAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
AVALIAÇÃO
1ª
2ª
3ª
4ª
5ª
INVESTIGAÇÃO
Corresponde ao primeiro passo para determinar o estado de saúde do cliente;
Segundo Alfaro-LeFevre (2005) a investigação consiste:
- COLETA DE DADOS:
a) Diretos
b) Indiretos
- VALIDAÇÃO DOS DADOS
- AGRUPAMENTO DOS DADOS
- IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES
- COMUNICAÇÃO E REGISTRO DE DADOS
.
INVESTIGAÇÃO
COLETA DE
DADOS
VALIDAÇÃO DOS
DADOS
AGRUPAMENTOS
DOS DADOS
INDENTIFICAÇÃO
DE PADRÕES
REGISTRO DOS
DADOS
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM
Para realizar o diagnóstico de enfermagem o enfermeiro deverá ter:
- CAPACIDADE DE ANÁLISE;
- CAPACIDADE DE JUGAMENTO;
- CAPACIDADE DE SÍNTESE;
- CAPACIDADE DE PERCEPÇÃO.
EIXOS QUE DEVEM SER LEVADOS EM CONTAS NO PROCESSO DIAGNÓSTICO:
EIXO 1: O conceito diagnóstico.
EIXO 2: Tempo.
EIXO 3: Unidade de cuidado.
EIXO 4: Idade.
EIXO 5: Potencialidade.
EIXO 6: Descritores.
EIXO 7: Topologia.
Tipos de diagnósticos de enfermagem segunda a NANDA (2002)
Título
diagnóstico
Fatores Relacionados Características
definidoras
Eliminação Urinária
prejudicada
Definição
Distúrbio na eliminação
de urina
Infecção no trato urinário
Obstrução anatômico
Múltiplas causas
Incontinência
Urgência
Nictúria
Disúria
PLANEJAMENTO DE ENFERMAGEM
O planejamento de enfermagem segundo Tannure e Gonçalves (2009) consiste:
- ESTABELECIMENTO DE PRIORIDADES PARA O PROBLEMA
DIAGNÓSTICO;
- FIXAÇÃO DE RESULTADOS COM O CLIENTE;
- REGISTRO ESCRITO DE DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM, DOS
RESULTADOS ESPERADOS E DAS PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM DE
MODO ORGANIZADO.
IMPLEMENTAÇÃO DA ASSITÊNCIA DE ENFERMAGEM
As prescrições de enfermagem são ações realizadas nesta etapas do processo
de enfermagem e documentadas pelo enfermeiro, visando a monitorar o estado
de saúde, a fim de minimizar riscos, resolver ou controlar um problema, auxiliar
na vida diária e promover a vida e promover a saúde (TANNURE;
GONÇALVES, 2009).
Itens necessários em uma prescrição de enfermagem
Prescrições devem ser completas e objetivas
O que Como Quando Onde Com que
fazer? fazer? fazer? fazer? frêquencia
fazer?
É importante ressaltar que:
- Para cada diagnóstico de enfermagem deve haver um resultado esperado;
- Para alcançar cada resultado o enfermeiro deverá prescrever cuidados de
enfermagem.
AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
A avaliação de enfermagem consiste na ação de acompanhar as respostas do
cliente aos cuidados prescritos, por meio de anotações no prontuários ou nos
locais próprios, da observação direta da resposta do cliente à terapia
proposta, bem como do relato do cliente (TANNURE; GONÇALVES, 2009).
A avaliação cuidadosa, deliberada e detalhada de vários aspectos do atendimento
ao cliente é a chave para a excelência no fornecimento do atendimento de saúde
(ALFARO-LEFEVRE, 2005).
A avaliação de enfermagem ou evolução de enfermagem é o registro feito pelo
enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. Neste registro devem
constar os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos
cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas
subseqüentes (COFEN, 2000). Contudo a SAE objetiva melhorar a assistência ao
ser humano, ressaltando a participação da arte do cuidado da profissão do ser
enfermeiro, sendo para tanto imprescindível conhecer e realizar todas as etapas
do SAE.
CASO CLÍNICO:
I.S, sexo feminino, 70 anos, deu entrada na UTI em pós-operatório imediato de
troca de válvulas mitral e aórtica. Vinha evoluindo nos últimos 20 dias com
taquipnéia, oligúria e com edema de face. Foi feito um diagnóstico de ITU. O
cliente recebeu orientações quanto ao tratamento medicamentoso, porém
evoluiu com escórias nitrogenadas, tendo por esse motivo iniciado o tratamento
dialítico e sendo necessária a internação, dos casos dos picos hipertensivos e
da dispnéias progressiva. A cliente foi submetido a um ecocardiograma, que
evidenciou uma dupla lesão mitral e aórtico, regurgitação tricúspide
importante, aumento do AE, VE com boa função, sendo indicado a cirurgia
cardíaca. Deu entrada na UTI em POI de troca das válvulas mitral e aórtica e
plastia tricúspide. Sob efeito anestésico, com rítmo alternando de FA e BAV de
1º grau.
Exames:
Estado geral: emagrecida, anictérica, cianótica, hipotérmico, mucosas
hipocoradas (+++/4+) e com umidade reduzida. SNG narina D (2ªdia), TOT (2ª
dia); AVC jugular interna D, sem sinais flogíticos. Presença de drenos de tórax à
direita e mediastinal (2ª dia). MV↓, creptaçóes bibasais, FR=15irpm, VM
controlada, PEEP=5, FiO2=100%, SatO2=88%. Solicitado RX do tórax. BCNF e
arrítmicas, pulso filiforme, PIA=60x40mmHg, PVC=1mmHg.
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM: DC diminuído relacionado ao ritmo/FC/pré-carga
alterados, evidenciados por bulhas arrítmicas, pulso filiforme e
arrítmico, PIA=60x40mmHg, PVC=1mmHg, hipocoloração das mucosas, perfusão capilar
diminuída, com ritmo alternando de FA a BAV de 1º grau, oligúria.
RESULTADOS ESPERADOS: O cliente deverá apresentar o débito cardíaco otimizado em
até 12 h.
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM: Perfusão Tissular cardiopumonar, renal e
periférica ineficazes relacionadas à pré-carga e pós-carga
diminuídas, evidenciada por aumentos das escórias nitrogenadas, mucosas
hipocoradas, com umidades reduzidas, cianose, PCO2
=50mmHg, Po2=65mmHg, hipotermia, perfusão capilar
diminuída, PIA=60x40mmHg, pulso filiforme, oligúria, PVC=1mmHg.
RESULTADOS ESPERADOS: O paciente apresentará melhora na perfusão
tissular cardiopulmonar, renal e periférica dentro de 24 h.
PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM:
- Aferir a PA, FC, FR, Tax, de 2/2h, anotar valores e comunicar aos
enfermeiros alterações nos padrão de normalidades;
- Monitorar saturação de o2 com oximetria de pulso, anotar valores de 1/1h e
comunicar os valores abaixo de 92%;
- Monitorar imagens radiológicas do tórax, acompanhando a evolução dos
achados infiltrativos e o aparecimento de outros acometimentos;
- Realizar e Monitorar BH de 12/12h;
- Avaliar a perfusão dos MM de 6/6h. Registrar os dados e comunicar ao
enfermeiro caso o tempo de enchimento capilar esteja acima de 3 segundos.
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DO HISTÓRICO DO PACIENTE
A coleta é tudo aquilo que se refere ao paciente, principalmente o relacionado com
sua doença (anamnese) como também a utilização de variados recursos (incluindo
palpação, testes, RX etc) com a finalidade de firmar o diagnóstico TERAPÊUTICO.
Os questionamentos a serem feitos no decorrer “anamnese” servirão para levantar
suspeitas quanto ao diagnóstico ou descarta-lo.
A avaliação completa do paciente cardiovascular começa pela obtenção de um
histórico completo e realização de um exame físico detalhado. Essas duas etapas
iniciais muitas vezes conduzirão ao diagnóstico correto e ajudarão a excluir
condições de risco à vida.
Os achados da história e do exame físico devem ser avaliados no contexto do
estado clínico geral do paciente, incluindo estilo de vida, comorbidades e
expectativas.
As condições cardiovasculares que necessitam de avaliação com frequência são a
dor torácica, dispneia, palpitações, síncope, claudicação e murmúrios cardíacos.
Cada uma delas é discutida separadamente, enfatizando um algoritmo diagnóstico
e o uso apropriado de testes cardíacos e não cardíacos.
REFERÊNCIAS:
CARPENITO L.J. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. 6°
ed. Porto Alegre: Artmed; 1997.
COFEN 272/2000 – Resolução - Dispõe sobre a sistematização de assistência
de enfermagem – SAE – nas Instituições de Saúde Brasileiras
COSTA JUNIOR, H. Avaliação Inicial do Paciente – um novo contexto para
estabelecer um plano de cuidados individualizado. [S.I.: s.n], 2012. Disponível
em: http://saudeweb.com.br. Acesso em: 04 Mar 2013.
FENILI, R. M.; OLIVEIRA, M. E.; SANTOS, O. M. B.; ECKERT, E. R. Repensando a
avaliação da aprendizagem. Revista Eletrônica de Enfermagem. V.4, n.2, p. 42 – 48.
2002. Disponível em http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen.
TANNURE, M.C. SAE, Sistematização da Assistência de Enfermagem: guia prático. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeAngelica Reis Angel
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAELuana Santos
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemdanilo oliveira
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesLucas Fontes
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágioRosane Garcia
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 

Mais procurados (20)

Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 

Destaque

Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemPaulo Aragão
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoSelma Silva
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesJuan Figueiredo
 
Hormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualHormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualMiryan Carneiro
 
Saude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebeSaude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebebarbaralourenco
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natalLASM_UIT
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrualUNISUL
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)SMS - Petrópolis
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrualAris HM
 

Destaque (20)

Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
 
Saúde bucal em gestantes
Saúde bucal em gestantesSaúde bucal em gestantes
Saúde bucal em gestantes
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
 
Hormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualHormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrual
 
Saude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebeSaude bucal da gestante e bebe
Saude bucal da gestante e bebe
 
Dheg
Dheg Dheg
Dheg
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
Ciclo Menstrual
Ciclo MenstrualCiclo Menstrual
Ciclo Menstrual
 
Piramide alimentar
Piramide alimentarPiramide alimentar
Piramide alimentar
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 

Semelhante a Cuidados de enfermagem em paciente pós-operatório de troca de válvulas cardíacas

Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]P0rtas
 
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)Centro Universitário Ages
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdfLarissaMachado97
 
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdfmanual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdfcristina798147
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritotatysants
 
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose HepáticaProcesso de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepáticacuidadoaoadulto
 
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose HepáticaProcesso de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepáticacuidadoaoadulto
 
020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosaKelly Centurião
 
5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pbufmaitz
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII EnengeSobragen
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI EnengeSobragen
 
MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdf
MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdfMANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdf
MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdfMariadasGraasReis2
 
apresentação do TCC Dalgisa e Magnória_115130.pptx
apresentação do TCC  Dalgisa e Magnória_115130.pptxapresentação do TCC  Dalgisa e Magnória_115130.pptx
apresentação do TCC Dalgisa e Magnória_115130.pptxnelsonaugusto496
 
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptxSocorro Carneiro
 
Apresentação 1.pptx
Apresentação 1.pptxApresentação 1.pptx
Apresentação 1.pptxclaudia513753
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptJoaraSilva1
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptRicaTatiane2
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptAndriellyFernandaSPi
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptDheniseMikaelly
 

Semelhante a Cuidados de enfermagem em paciente pós-operatório de troca de válvulas cardíacas (20)

Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
Manual proc enfermagem.pdf_imp._a5[1]
 
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
Manual de normas de enfermagem (procedimentos técnicos)
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdfmanual_enfermagem_15_07_2011.pdf
manual_enfermagem_15_07_2011.pdf
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
 
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose HepáticaProcesso de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
 
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose HepáticaProcesso de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
Processo de Enfermagem aplicado a um portador de Cirrose Hepática
 
020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa020 2010 terapia_intravenosa
020 2010 terapia_intravenosa
 
5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdf
MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdfMANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdf
MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA REGISTROS DE ENFERMAGEM.pdf
 
apresentação do TCC Dalgisa e Magnória_115130.pptx
apresentação do TCC  Dalgisa e Magnória_115130.pptxapresentação do TCC  Dalgisa e Magnória_115130.pptx
apresentação do TCC Dalgisa e Magnória_115130.pptx
 
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
 
Apresentação 1.pptx
Apresentação 1.pptxApresentação 1.pptx
Apresentação 1.pptx
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aortaresenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivasresenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulasresenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultosresenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumáticaresenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocarditeresenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonarresenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratóriaresenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterialresenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonarresenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIresenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmãoresenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificialresenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaresenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínearesenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologicoresenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagasresenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátricaresenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresresenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Cuidados de enfermagem em paciente pós-operatório de troca de válvulas cardíacas

  • 1. Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Programa de Residência de Enfermagem em Cardiologia Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco – PROCAPE – ANDREY VIEIRA DE QUEIROGA – R1 Março / 2013
  • 2. OBJETIVO DO ESTUDO Descrever a Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE para aprimorar os conhecimentos vivenciados na práticas de enfermagem. Garantir maior autonomia na técnica prestada pelo enfermeiro ao cliente, além de promover a individualização do cuidado, prestando os cuidados direcionados as necessidades humanas básicas afetadas.
  • 3. A avaliação vem se constituindo em instrumento de aprovação/reprovação como uma prática, para se alçar ou não o saber e a ascensão social (FENILI; et al, 2002) Não cabe mais simplesmente avaliar apenas as causas da doença ou problema de um paciente, é preciso conhecê-lo na sua “integralidade” (COSTA JUNIOR, 2012). A equipe de enfermagem, de forma geral, é quem tem a responsabilidade de conduzir essa avaliação inicial e é o que de fato tem se estabelecido nos hospitais acreditados. Aos médicos, cabe a avaliação clínica e física, que também tem fundamental importância nesse processo de avaliação (COSTA JUNIOR, 2012). Tanure (2008) sustentam que, o foco da Enfermagem deve ser sempre o cliente e seu bem-estar, e a sistematização da assistência de enfermagem é um apoio de que precisamos para alcançar nossos objetivos humanitários e a qualidade da assistência.
  • 4. RESOLUÇÃO COFEN nº 358/2009 Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. RESOLVE: Art. 1º Avaliação de Enfermagem Por intermédio da Evolução de Enfermagem, evidenciam-se os efeitos, as repercussões e os benefícios dos cuidados prestados em relação a determinados parâmetros preestabelecidos, possibilitando indicar a suspensão, modificação ou manutenção da Prescrição de Enfermagem anterior. É um importante instrumento para o enfermeiro saber se realmente a assistência prestada ao cliente está sendo eficaz ou ideal. Este é o momento no qual ocorre a avaliação propriamente dita deste cliente.
  • 5. Os profissionais devem ser CAPACITADOS e estar QUALIFICADOS para avaliar cada paciente e entender seu contexto e necessidades e assim coletar informações precisas para a melhor definição do PLANO DE CUIDADOS (COSTA JÚNIOR, 2012); As atividades da enfermagem devem contemplar as dimensões do SABER, FAZER E SENTIR (CARPENITO, 1999); Enquanto a Enfermagem concentrar-se em enfoques de natureza médica, e no processo de trabalho médico, a hegemonia médica perpetuará; sendo, portanto, necessário centrar-se mais no paciente, na natureza de suas respostas humanas e, portanto, no processo de Enfermagem; O PROCESSO DE ENFERMAGEM é descrita como uma proposta para melhorar a qualidade do cuidado prestado através do relacionamento dinâmico enfermeiro- cliente (TANNURE; GONÇALVES, 2009). O processo de Enfermagem fornece estrutura para TOMA DE DECISÃO durante a assistência de enfermagem, tornando-a mais CIENTÍFICA e menos INTUITIVA (TANNURE; GONÇALVES, 2009).
  • 6. AS ETAPAS DO PROCESSO DE ENFERMAGEM INVESTIGAÇÃO DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM PLANEJAMENTO IMPLEMENTAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AVALIAÇÃO 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª
  • 7. INVESTIGAÇÃO Corresponde ao primeiro passo para determinar o estado de saúde do cliente; Segundo Alfaro-LeFevre (2005) a investigação consiste: - COLETA DE DADOS: a) Diretos b) Indiretos - VALIDAÇÃO DOS DADOS - AGRUPAMENTO DOS DADOS - IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES - COMUNICAÇÃO E REGISTRO DE DADOS
  • 8. . INVESTIGAÇÃO COLETA DE DADOS VALIDAÇÃO DOS DADOS AGRUPAMENTOS DOS DADOS INDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES REGISTRO DOS DADOS
  • 9. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM Para realizar o diagnóstico de enfermagem o enfermeiro deverá ter: - CAPACIDADE DE ANÁLISE; - CAPACIDADE DE JUGAMENTO; - CAPACIDADE DE SÍNTESE; - CAPACIDADE DE PERCEPÇÃO. EIXOS QUE DEVEM SER LEVADOS EM CONTAS NO PROCESSO DIAGNÓSTICO: EIXO 1: O conceito diagnóstico. EIXO 2: Tempo. EIXO 3: Unidade de cuidado. EIXO 4: Idade. EIXO 5: Potencialidade. EIXO 6: Descritores. EIXO 7: Topologia.
  • 10. Tipos de diagnósticos de enfermagem segunda a NANDA (2002) Título diagnóstico Fatores Relacionados Características definidoras Eliminação Urinária prejudicada Definição Distúrbio na eliminação de urina Infecção no trato urinário Obstrução anatômico Múltiplas causas Incontinência Urgência Nictúria Disúria
  • 11. PLANEJAMENTO DE ENFERMAGEM O planejamento de enfermagem segundo Tannure e Gonçalves (2009) consiste: - ESTABELECIMENTO DE PRIORIDADES PARA O PROBLEMA DIAGNÓSTICO; - FIXAÇÃO DE RESULTADOS COM O CLIENTE; - REGISTRO ESCRITO DE DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM, DOS RESULTADOS ESPERADOS E DAS PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM DE MODO ORGANIZADO.
  • 12. IMPLEMENTAÇÃO DA ASSITÊNCIA DE ENFERMAGEM As prescrições de enfermagem são ações realizadas nesta etapas do processo de enfermagem e documentadas pelo enfermeiro, visando a monitorar o estado de saúde, a fim de minimizar riscos, resolver ou controlar um problema, auxiliar na vida diária e promover a vida e promover a saúde (TANNURE; GONÇALVES, 2009). Itens necessários em uma prescrição de enfermagem Prescrições devem ser completas e objetivas O que Como Quando Onde Com que fazer? fazer? fazer? fazer? frêquencia fazer? É importante ressaltar que: - Para cada diagnóstico de enfermagem deve haver um resultado esperado; - Para alcançar cada resultado o enfermeiro deverá prescrever cuidados de enfermagem.
  • 13. AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A avaliação de enfermagem consiste na ação de acompanhar as respostas do cliente aos cuidados prescritos, por meio de anotações no prontuários ou nos locais próprios, da observação direta da resposta do cliente à terapia proposta, bem como do relato do cliente (TANNURE; GONÇALVES, 2009). A avaliação cuidadosa, deliberada e detalhada de vários aspectos do atendimento ao cliente é a chave para a excelência no fornecimento do atendimento de saúde (ALFARO-LEFEVRE, 2005). A avaliação de enfermagem ou evolução de enfermagem é o registro feito pelo enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. Neste registro devem constar os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subseqüentes (COFEN, 2000). Contudo a SAE objetiva melhorar a assistência ao ser humano, ressaltando a participação da arte do cuidado da profissão do ser enfermeiro, sendo para tanto imprescindível conhecer e realizar todas as etapas do SAE.
  • 14. CASO CLÍNICO: I.S, sexo feminino, 70 anos, deu entrada na UTI em pós-operatório imediato de troca de válvulas mitral e aórtica. Vinha evoluindo nos últimos 20 dias com taquipnéia, oligúria e com edema de face. Foi feito um diagnóstico de ITU. O cliente recebeu orientações quanto ao tratamento medicamentoso, porém evoluiu com escórias nitrogenadas, tendo por esse motivo iniciado o tratamento dialítico e sendo necessária a internação, dos casos dos picos hipertensivos e da dispnéias progressiva. A cliente foi submetido a um ecocardiograma, que evidenciou uma dupla lesão mitral e aórtico, regurgitação tricúspide importante, aumento do AE, VE com boa função, sendo indicado a cirurgia cardíaca. Deu entrada na UTI em POI de troca das válvulas mitral e aórtica e plastia tricúspide. Sob efeito anestésico, com rítmo alternando de FA e BAV de 1º grau. Exames: Estado geral: emagrecida, anictérica, cianótica, hipotérmico, mucosas hipocoradas (+++/4+) e com umidade reduzida. SNG narina D (2ªdia), TOT (2ª dia); AVC jugular interna D, sem sinais flogíticos. Presença de drenos de tórax à direita e mediastinal (2ª dia). MV↓, creptaçóes bibasais, FR=15irpm, VM controlada, PEEP=5, FiO2=100%, SatO2=88%. Solicitado RX do tórax. BCNF e arrítmicas, pulso filiforme, PIA=60x40mmHg, PVC=1mmHg.
  • 15. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM: DC diminuído relacionado ao ritmo/FC/pré-carga alterados, evidenciados por bulhas arrítmicas, pulso filiforme e arrítmico, PIA=60x40mmHg, PVC=1mmHg, hipocoloração das mucosas, perfusão capilar diminuída, com ritmo alternando de FA a BAV de 1º grau, oligúria. RESULTADOS ESPERADOS: O cliente deverá apresentar o débito cardíaco otimizado em até 12 h. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM: Perfusão Tissular cardiopumonar, renal e periférica ineficazes relacionadas à pré-carga e pós-carga diminuídas, evidenciada por aumentos das escórias nitrogenadas, mucosas hipocoradas, com umidades reduzidas, cianose, PCO2 =50mmHg, Po2=65mmHg, hipotermia, perfusão capilar diminuída, PIA=60x40mmHg, pulso filiforme, oligúria, PVC=1mmHg. RESULTADOS ESPERADOS: O paciente apresentará melhora na perfusão tissular cardiopulmonar, renal e periférica dentro de 24 h.
  • 16. PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM: - Aferir a PA, FC, FR, Tax, de 2/2h, anotar valores e comunicar aos enfermeiros alterações nos padrão de normalidades; - Monitorar saturação de o2 com oximetria de pulso, anotar valores de 1/1h e comunicar os valores abaixo de 92%; - Monitorar imagens radiológicas do tórax, acompanhando a evolução dos achados infiltrativos e o aparecimento de outros acometimentos; - Realizar e Monitorar BH de 12/12h; - Avaliar a perfusão dos MM de 6/6h. Registrar os dados e comunicar ao enfermeiro caso o tempo de enchimento capilar esteja acima de 3 segundos.
  • 17. MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DO HISTÓRICO DO PACIENTE A coleta é tudo aquilo que se refere ao paciente, principalmente o relacionado com sua doença (anamnese) como também a utilização de variados recursos (incluindo palpação, testes, RX etc) com a finalidade de firmar o diagnóstico TERAPÊUTICO. Os questionamentos a serem feitos no decorrer “anamnese” servirão para levantar suspeitas quanto ao diagnóstico ou descarta-lo. A avaliação completa do paciente cardiovascular começa pela obtenção de um histórico completo e realização de um exame físico detalhado. Essas duas etapas iniciais muitas vezes conduzirão ao diagnóstico correto e ajudarão a excluir condições de risco à vida. Os achados da história e do exame físico devem ser avaliados no contexto do estado clínico geral do paciente, incluindo estilo de vida, comorbidades e expectativas. As condições cardiovasculares que necessitam de avaliação com frequência são a dor torácica, dispneia, palpitações, síncope, claudicação e murmúrios cardíacos. Cada uma delas é discutida separadamente, enfatizando um algoritmo diagnóstico e o uso apropriado de testes cardíacos e não cardíacos.
  • 18.
  • 19. REFERÊNCIAS: CARPENITO L.J. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. 6° ed. Porto Alegre: Artmed; 1997. COFEN 272/2000 – Resolução - Dispõe sobre a sistematização de assistência de enfermagem – SAE – nas Instituições de Saúde Brasileiras COSTA JUNIOR, H. Avaliação Inicial do Paciente – um novo contexto para estabelecer um plano de cuidados individualizado. [S.I.: s.n], 2012. Disponível em: http://saudeweb.com.br. Acesso em: 04 Mar 2013. FENILI, R. M.; OLIVEIRA, M. E.; SANTOS, O. M. B.; ECKERT, E. R. Repensando a avaliação da aprendizagem. Revista Eletrônica de Enfermagem. V.4, n.2, p. 42 – 48. 2002. Disponível em http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen. TANNURE, M.C. SAE, Sistematização da Assistência de Enfermagem: guia prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.