SlideShare uma empresa Scribd logo
O Mostrengo e
O Adamastor
ff
Análise comparativa
«O Mostrengo»
«Mar Português»
1
«O Mostrengo»
«Mar Português»
O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
A roda da nau voou três vezes,
Voou três vezes a chiar,
E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:
«El-Rei D. João Segundo!»
«O Mostrengo»
«Mar Português»
«De quem são as velas onde me roço?
De quem as quilhas que vejo e ouço?»
Disse o mostrengo, e rodou três vezes,
Três vezes rodou imundo e grosso,
«Quem vem poder o que só eu posso,
Que moro onde nunca ninguém me visse
E escorro os medos do mar sem fundo?»
E o homem do leme tremeu, e disse:
«El-Rei D.João Segundo!»
«O Mostrengo»
«Mar Português»
Três vezes do leme as mãos ergueu,
Três vezes ao leme as reprendeu,
E disse no fim de tremer três vezes:
«Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quer o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me a alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
De El-Rei D. João Segundo!»
«O Mostrengo»
Análise comparativa
2
Análise
comparativa
Caracterização das
personagens
Não acabava, quando ua figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura;
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má e a cor terrena e pálida;
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.
Os Lusíadas, Canto V – Est. 39
Análise
comparativa
Caracterização das
personagens
Texto (não incluído no
PowerPoint – apoio à
apresentação)
Apesar de semelhantes, as duas personagens
apresentam personalidades distintas. O Adamastor é-
nos apresentado como uma criatura horrível, e
Camões referencia, por exemplo, o seu “rosto
carregado”, “a sua postura medonha” e os seus “dentes
amarelos”, como é possível verificar na estrofe
apresentada. Ao longo de 24 estrofes, é relatada a
melancólica história do passado de Adamastor e,
nestas circunstâncias, é exposto o seu fracasso
amoroso, em relação a Tétis. O Adamastor é-nos
apresentado como um indivíduo com atributos e
sentimentos humanos.
Análise
comparativa
Caracterização das
personagens
O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
A roda da nau voou três vezes,
Voou três vezes a chiar,
E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:
«El-Rei D. João Segundo!»
A Mensagem, O Mostrengo – Est. 1
Análise
comparativa
Caracterização das
personagens
Texto (não incluído no
PowerPoint – apoio à
apresentação)
O mesmo não se verifica com o Mostrengo. Em
apenas 3 estrofes, Pessoa apresenta-nos a sua
personagem como a imagem de uma criatura que é
capaz de voar e “chiar”, um ser “imundo e grosso”.
Quando o mostrengo pergunta quem ousou entrar nas
suas cavernas, as quais não desvenda, Pessoa
desumaniza-o, afirmando que este habita nas
“cavernas”, metáfora dos perigos do mar.
Análise
comparativa
Discurso
“E da primeira armada que passagem
Fizer por estas ondas insofridas,
Eu farei de improviso tal castigo
Que seja mor o dano que o perigo!”
Os Lusíadas, Canto V – Est. 43 (vv. 5-8)
Análise
comparativa
Discurso
Texto (não incluído no
PowerPoint – apoio à
apresentação)
A nível do discurso, o Adamastor, inicialmente, intimida Vasco da
Gama e os seus navegadores, iniciando o seu discurso com um tom
assustador, como indicam os versos. Porém, deixa transparecer uma
certa admiração e espanto por este povo aventureiro que ousou
navegar os seus mares. Tentando manter o seu aterrorizante
temperamento, é de notar igualmente a presença de funestas
profecias, por parte do Adamastor. Ao referi-las, ao invés de
assustar os portugueses, o gigante fez com que estes começassem a
admirá-lo. Neste ponto da história, o Adamastor começa a relatar o
seu passado, fazendo com que o seu discurso perdesse o tom
assustador e se convertesse num tom mais melancólico, quando nos
deparamos com o fracasso amoroso entre o Adamastor e a Tétis.
Esta conversão, onde o antagonista demonstra um lado sensível, não
ocorre no poema de Pessoa.
Análise
comparativa
Discurso
“Sou um povo que quer o mar que é teu”
A Mensagem, O Mostrengo – Est. 3 (vv. 5)
Análise
comparativa
Discurso
Texto (não incluído no
PowerPoint – apoio à
apresentação)
O mostrengo não era autor de profecias. No entanto, nota-se um tom
de ameaça e agressividade mais intensos do que o Adamastor, os
quais se mantêm durante todo o seu discurso. Notamos este tom
porque o homem do leme revela sentimentos de temor e receio,
perante a primeira vez que deve responder. Contudo, após as
primeiras hesitações do homem do leme, que sente vontade de
fugir, de largar o leme, este acaba por reunir toda a sua
determinação e permanecer no seu posto. Ele sente que essa não é
apenas a sua vontade, mas a do povo português por ordem de D.
João II, como indica o verso 5, da estrofe 3. Até ao final do poema,
o tom ameaçador do antagonista não o volta a assustar.
Análise
comparativa
Simbologia
Texto (não incluído no
PowerPoint – apoio à
apresentação)
Adamastor e o mostrengo, embora associados à representação do
denominado Cabo das Tormentas, são personificações do medo e do
receio que os navegadores revelavam ao enfrentar o desconhecido e
o nunca antes navegado. Estes monstros também representam
guardiões de um objetivo inatingível, o que obriga o Homem a
praticar um ato heróico e a vencer o medo.
Para além disso, Pessoa decide usar apenas um protagonista na sua
história: o homem do leme, o qual simboliza todo o povo português
em um só. Remete-nos à ideia de unidade entre os portugueses.
Enquanto isso, Camões usa Vasco da Gama, mas este faz sempre
questão de mencionar que pertence a um grupo, cuja visão é
apoiada pelo Adamastor. Neste sentido, Camões não apresenta a
mesma unidade entre os portugueses, como uma só entidade.
O Mostrengo e
O Adamastor
Semelhanças e diferenças
SÍNTESE
3
Semelhanças
▹ Representação da forma
invencível do mar;
▹ Discurso ameaçador do
Adamastor e Mostrengo;
▹ Temor, seguido de
ousadia dos portugueses;
▹ Personificação dos
perigos e receios do mar
desconhecido.
Semelhanças/
Diferenças
Diferenças
▹ Atitude melancólica d’O
Adamastor;
▹ Mostrengo como
criatura desumana e
Adamastor como
sentimentalista;
▹ Unidade protagonista
d’O Mostrengo e entidade
protagonista n’O
Adamastor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Lurdes
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
sin3stesia
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
Quezia Neves
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
Síntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deusesSíntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deuses
Eva Antunes
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
CecliaGomes25
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
Paula Oliveira Cruz
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 

Mais procurados (20)

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Síntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deusesSíntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deuses
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 

Destaque

O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
Bruno Freitas
 
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
MARIA INÊS AGUIAR MARÇALO
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Susana Sobrenome
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
António Teixeira
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
AnaGomes40
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
Sofia_Afonso
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
Inês Santos
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
sin3stesia
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 

Destaque (10)

O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
 
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 

Semelhante a Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor

Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Paula Duarte
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
MargaridaMendona10
 
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docxO Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
leniafilipe
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
cristianavieitas
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Paula Vieira
 
Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
armindaalmeida
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
Inês Barão
 
Gramaticaelusiadas
GramaticaelusiadasGramaticaelusiadas
Gramaticaelusiadas
claudiapinto7a
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
antoniosampaio11
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Amanda Assenza Fratucci
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123
luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
luisprista
 
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfFICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
Análise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengaAnálise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarenga
ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125
luisprista
 
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosdProva_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
GiselaAlves15
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
FilipeReis48
 
Camões
CamõesCamões

Semelhante a Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor (20)

Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
 
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docxO Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
O Adamastor é uma figura muito importante na história do nosso país.docx
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 
Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
Gramaticaelusiadas
GramaticaelusiadasGramaticaelusiadas
Gramaticaelusiadas
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 123
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 22
 
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdfFICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
FICHA - FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Gabarito.pdf
 
Análise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengaAnálise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarenga
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 124-125
 
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosdProva_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 

Mais de Marisa Ferreira

Bacias Sedimentares - Geologia 12º ano
Bacias Sedimentares - Geologia 12º anoBacias Sedimentares - Geologia 12º ano
Bacias Sedimentares - Geologia 12º ano
Marisa Ferreira
 
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Marisa Ferreira
 
Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano
Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano
Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano
Marisa Ferreira
 
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosRecursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Marisa Ferreira
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 
Glícidos - Biologia & Geologia
Glícidos - Biologia & GeologiaGlícidos - Biologia & Geologia
Glícidos - Biologia & Geologia
Marisa Ferreira
 
Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60
Marisa Ferreira
 

Mais de Marisa Ferreira (7)

Bacias Sedimentares - Geologia 12º ano
Bacias Sedimentares - Geologia 12º anoBacias Sedimentares - Geologia 12º ano
Bacias Sedimentares - Geologia 12º ano
 
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
 
Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano
Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano
Pré-Câmbrico - Geologia 12º ano
 
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosRecursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Glícidos - Biologia & Geologia
Glícidos - Biologia & GeologiaGlícidos - Biologia & Geologia
Glícidos - Biologia & Geologia
 
Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor

  • 1. O Mostrengo e O Adamastor ff Análise comparativa
  • 3. «O Mostrengo» «Mar Português» O mostrengo que está no fim do mar Na noite de breu ergueu-se a voar; A roda da nau voou três vezes, Voou três vezes a chiar, E disse: «Quem é que ousou entrar Nas minhas cavernas que não desvendo, Meus tectos negros do fim do mundo?» E o homem do leme disse, tremendo: «El-Rei D. João Segundo!»
  • 4. «O Mostrengo» «Mar Português» «De quem são as velas onde me roço? De quem as quilhas que vejo e ouço?» Disse o mostrengo, e rodou três vezes, Três vezes rodou imundo e grosso, «Quem vem poder o que só eu posso, Que moro onde nunca ninguém me visse E escorro os medos do mar sem fundo?» E o homem do leme tremeu, e disse: «El-Rei D.João Segundo!»
  • 5. «O Mostrengo» «Mar Português» Três vezes do leme as mãos ergueu, Três vezes ao leme as reprendeu, E disse no fim de tremer três vezes: «Aqui ao leme sou mais do que eu: Sou um povo que quer o mar que é teu; E mais que o mostrengo, que me a alma teme E roda nas trevas do fim do mundo, Manda a vontade, que me ata ao leme, De El-Rei D. João Segundo!»
  • 7. Análise comparativa Caracterização das personagens Não acabava, quando ua figura Se nos mostra no ar, robusta e válida, De disforme e grandíssima estatura; O rosto carregado, a barba esquálida, Os olhos encovados, e a postura Medonha e má e a cor terrena e pálida; Cheios de terra e crespos os cabelos, A boca negra, os dentes amarelos. Os Lusíadas, Canto V – Est. 39
  • 8. Análise comparativa Caracterização das personagens Texto (não incluído no PowerPoint – apoio à apresentação) Apesar de semelhantes, as duas personagens apresentam personalidades distintas. O Adamastor é- nos apresentado como uma criatura horrível, e Camões referencia, por exemplo, o seu “rosto carregado”, “a sua postura medonha” e os seus “dentes amarelos”, como é possível verificar na estrofe apresentada. Ao longo de 24 estrofes, é relatada a melancólica história do passado de Adamastor e, nestas circunstâncias, é exposto o seu fracasso amoroso, em relação a Tétis. O Adamastor é-nos apresentado como um indivíduo com atributos e sentimentos humanos.
  • 9. Análise comparativa Caracterização das personagens O mostrengo que está no fim do mar Na noite de breu ergueu-se a voar; A roda da nau voou três vezes, Voou três vezes a chiar, E disse: «Quem é que ousou entrar Nas minhas cavernas que não desvendo, Meus tectos negros do fim do mundo?» E o homem do leme disse, tremendo: «El-Rei D. João Segundo!» A Mensagem, O Mostrengo – Est. 1
  • 10. Análise comparativa Caracterização das personagens Texto (não incluído no PowerPoint – apoio à apresentação) O mesmo não se verifica com o Mostrengo. Em apenas 3 estrofes, Pessoa apresenta-nos a sua personagem como a imagem de uma criatura que é capaz de voar e “chiar”, um ser “imundo e grosso”. Quando o mostrengo pergunta quem ousou entrar nas suas cavernas, as quais não desvenda, Pessoa desumaniza-o, afirmando que este habita nas “cavernas”, metáfora dos perigos do mar.
  • 11. Análise comparativa Discurso “E da primeira armada que passagem Fizer por estas ondas insofridas, Eu farei de improviso tal castigo Que seja mor o dano que o perigo!” Os Lusíadas, Canto V – Est. 43 (vv. 5-8)
  • 12. Análise comparativa Discurso Texto (não incluído no PowerPoint – apoio à apresentação) A nível do discurso, o Adamastor, inicialmente, intimida Vasco da Gama e os seus navegadores, iniciando o seu discurso com um tom assustador, como indicam os versos. Porém, deixa transparecer uma certa admiração e espanto por este povo aventureiro que ousou navegar os seus mares. Tentando manter o seu aterrorizante temperamento, é de notar igualmente a presença de funestas profecias, por parte do Adamastor. Ao referi-las, ao invés de assustar os portugueses, o gigante fez com que estes começassem a admirá-lo. Neste ponto da história, o Adamastor começa a relatar o seu passado, fazendo com que o seu discurso perdesse o tom assustador e se convertesse num tom mais melancólico, quando nos deparamos com o fracasso amoroso entre o Adamastor e a Tétis. Esta conversão, onde o antagonista demonstra um lado sensível, não ocorre no poema de Pessoa.
  • 13. Análise comparativa Discurso “Sou um povo que quer o mar que é teu” A Mensagem, O Mostrengo – Est. 3 (vv. 5)
  • 14. Análise comparativa Discurso Texto (não incluído no PowerPoint – apoio à apresentação) O mostrengo não era autor de profecias. No entanto, nota-se um tom de ameaça e agressividade mais intensos do que o Adamastor, os quais se mantêm durante todo o seu discurso. Notamos este tom porque o homem do leme revela sentimentos de temor e receio, perante a primeira vez que deve responder. Contudo, após as primeiras hesitações do homem do leme, que sente vontade de fugir, de largar o leme, este acaba por reunir toda a sua determinação e permanecer no seu posto. Ele sente que essa não é apenas a sua vontade, mas a do povo português por ordem de D. João II, como indica o verso 5, da estrofe 3. Até ao final do poema, o tom ameaçador do antagonista não o volta a assustar.
  • 15. Análise comparativa Simbologia Texto (não incluído no PowerPoint – apoio à apresentação) Adamastor e o mostrengo, embora associados à representação do denominado Cabo das Tormentas, são personificações do medo e do receio que os navegadores revelavam ao enfrentar o desconhecido e o nunca antes navegado. Estes monstros também representam guardiões de um objetivo inatingível, o que obriga o Homem a praticar um ato heróico e a vencer o medo. Para além disso, Pessoa decide usar apenas um protagonista na sua história: o homem do leme, o qual simboliza todo o povo português em um só. Remete-nos à ideia de unidade entre os portugueses. Enquanto isso, Camões usa Vasco da Gama, mas este faz sempre questão de mencionar que pertence a um grupo, cuja visão é apoiada pelo Adamastor. Neste sentido, Camões não apresenta a mesma unidade entre os portugueses, como uma só entidade.
  • 16. O Mostrengo e O Adamastor Semelhanças e diferenças SÍNTESE 3
  • 17. Semelhanças ▹ Representação da forma invencível do mar; ▹ Discurso ameaçador do Adamastor e Mostrengo; ▹ Temor, seguido de ousadia dos portugueses; ▹ Personificação dos perigos e receios do mar desconhecido. Semelhanças/ Diferenças Diferenças ▹ Atitude melancólica d’O Adamastor; ▹ Mostrengo como criatura desumana e Adamastor como sentimentalista; ▹ Unidade protagonista d’O Mostrengo e entidade protagonista n’O Adamastor.