SlideShare uma empresa Scribd logo
Os Lusíadas

       Temas:

 Preposição

 Invocação

 Dedicatória
Índice
             Tema            Nº Diapositivo

Introdução             3

Proposição             4

Caracterização da      5
Proposição
Invocação              6

Caracterização da      7
invocação
Dedicatória            8

Caracterização da      9
Dedicatória
Conclusão              10

Bibliografia           11
 Com este trabalho pretendemos dar a conhecer
algumas das partes dos Lusíadas como a Preposição,
Invocação e a Dedicatória
Verso 1   As armas e os barões assinalados,
          Que da ocidental praia Lusitana,
          Por mares nunca de antes navegados,
          Passaram ainda além da Taprobana,
          Em perigos e guerras esforçados,
          Mais do que prometia a força humana,
          E entre gente remota edificaram
          Novo Reino, que tanto sublimaram;
É a exposição do assunto do poema.

O poeta declara que espalhará por toda parte a fama dos heróis
lusitanos que fizeram a grande viagem de descobrimento da Índia;
cantará, também, a glória de reis conquistadores de África e
Ásia, para onde levaram a fé cristã
Verso 5   Dai-me uma fúria grande e sonorosa,
          E não de agreste avena ou frauta ruda,
          Mas de tuba canora e belicosa,
          Que o peito acende e a cor ao gesto muda;
          Dai-me igual canto aos feitos da famosa
          Gente vossa, que a Marte tanto ajuda;
          Que se espalhe e se cante no universo,
          Se tão sublime preço cabe em verso.
Na Invocação o Luís Vaz de Camões pede ajuda as Tágides (Ninfas do
Tejo).

Este pede para que tenha um tom digno do povo e dos feitos de que vai
falar.

Também Luís Vaz de Camões pede as Ninfas do Tejo Inspiração,
talento e eloquência para poder escrever OS Lusíadas.
Verso 6   E vós, ó bem nascida segurança
          Da Lusitana antígua liberdade,
          E não menos certíssima esperança
          De aumento da pequena Cristandade;
          Vós, ó novo temor da Maura lança,
          Maravilha fatal da nossa idade,
          Dada ao mundo por Deus, que todo o
          mande,
          Para do mundo a Deus dar parte grande;
Na Dedicatória o narrador elogia e dedica esta obra
poética ao rei, mostrando-lhe quanto é grande o seu
império, desde o Oriente até ao Ocidente.

Diz-lhe ainda que através dos Lusíadas vai conhecer o
povo português.
Este trabalho foi uma grande ajuda, porque,
assim sobem-mos mais alguma coisa sobre
esta fantástica obra poética Os Lusíadas.
 Internet (Google)
Lusiadas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
sin3stesia
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Lurdes
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
Fernanda Soares
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Maria Rodrigues
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Análise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do infernoAnálise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do inferno
ma.no.el.ne.ves
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
Helena Coutinho
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
ElisabeteMarques
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
sin3stesia
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Rita Galrito
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
claudiapinto7a
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexãoO herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
Margarida Tomaz
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
Natália Carvalho
 

Mais procurados (20)

Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Análise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do infernoAnálise de auto da barca do inferno
Análise de auto da barca do inferno
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexãoO herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 

Destaque

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Invocação
InvocaçãoInvocação
Invocação
Lurdes
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
Inês Santos
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Lurdes
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
sin3stesia
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
complementoindirecto
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
julykathy
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
André Cerqueira
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
Rosalina Simão Nunes
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Ficha informativa a dedicatória Lusíadas
Ficha informativa   a dedicatória LusíadasFicha informativa   a dedicatória Lusíadas
Ficha informativa a dedicatória Lusíadas
Lúcia Martins
 
Episodios lusiadas
Episodios lusiadasEpisodios lusiadas
Episodios lusiadas
Elsa Maximiano
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
lurdesmartins
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 

Destaque (17)

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Invocação
InvocaçãoInvocação
Invocação
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Ficha informativa a dedicatória Lusíadas
Ficha informativa   a dedicatória LusíadasFicha informativa   a dedicatória Lusíadas
Ficha informativa a dedicatória Lusíadas
 
Episodios lusiadas
Episodios lusiadasEpisodios lusiadas
Episodios lusiadas
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 

Semelhante a Lusiadas

Os Lusíadas canto I
Os Lusíadas   canto IOs Lusíadas   canto I
Cantos i e ii lusíadas
Cantos i e ii   lusíadasCantos i e ii   lusíadas
Cantos i e ii lusíadas
Carla Souto
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
Caroliny Santos
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
caioberes
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
Lurdes Augusto
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Amanda Assenza Fratucci
 
Os Lusíadas - Luis Vaz de Camões
Os Lusíadas - Luis Vaz de CamõesOs Lusíadas - Luis Vaz de Camões
Os Lusíadas - Luis Vaz de Camões
Antonio Minharro
 
luis de camões - os lusíadas
 luis de camões - os lusíadas luis de camões - os lusíadas
luis de camões - os lusíadas
José Ermida
 
25
2525
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
Bruno Neves
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
1950casal
 
Camoes
CamoesCamoes
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
Mirceya Lima
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
Maria Barros
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
luisprista
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
ma.no.el.ne.ves
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Jonatas Carlos
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
luisprista
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
Ronald Simoes
 

Semelhante a Lusiadas (20)

Os Lusíadas canto I
Os Lusíadas   canto IOs Lusíadas   canto I
Os Lusíadas canto I
 
Cantos i e ii lusíadas
Cantos i e ii   lusíadasCantos i e ii   lusíadas
Cantos i e ii lusíadas
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Os Lusíadas - Luis Vaz de Camões
Os Lusíadas - Luis Vaz de CamõesOs Lusíadas - Luis Vaz de Camões
Os Lusíadas - Luis Vaz de Camões
 
luis de camões - os lusíadas
 luis de camões - os lusíadas luis de camões - os lusíadas
luis de camões - os lusíadas
 
25
2525
25
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 130-131
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
Apresentação para décimo segundo ano, aula 51
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 

Lusiadas

  • 1. Os Lusíadas Temas:  Preposição  Invocação  Dedicatória
  • 2. Índice Tema Nº Diapositivo Introdução 3 Proposição 4 Caracterização da 5 Proposição Invocação 6 Caracterização da 7 invocação Dedicatória 8 Caracterização da 9 Dedicatória Conclusão 10 Bibliografia 11
  • 3.  Com este trabalho pretendemos dar a conhecer algumas das partes dos Lusíadas como a Preposição, Invocação e a Dedicatória
  • 4. Verso 1 As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados, Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram;
  • 5. É a exposição do assunto do poema. O poeta declara que espalhará por toda parte a fama dos heróis lusitanos que fizeram a grande viagem de descobrimento da Índia; cantará, também, a glória de reis conquistadores de África e Ásia, para onde levaram a fé cristã
  • 6. Verso 5 Dai-me uma fúria grande e sonorosa, E não de agreste avena ou frauta ruda, Mas de tuba canora e belicosa, Que o peito acende e a cor ao gesto muda; Dai-me igual canto aos feitos da famosa Gente vossa, que a Marte tanto ajuda; Que se espalhe e se cante no universo, Se tão sublime preço cabe em verso.
  • 7. Na Invocação o Luís Vaz de Camões pede ajuda as Tágides (Ninfas do Tejo). Este pede para que tenha um tom digno do povo e dos feitos de que vai falar. Também Luís Vaz de Camões pede as Ninfas do Tejo Inspiração, talento e eloquência para poder escrever OS Lusíadas.
  • 8. Verso 6 E vós, ó bem nascida segurança Da Lusitana antígua liberdade, E não menos certíssima esperança De aumento da pequena Cristandade; Vós, ó novo temor da Maura lança, Maravilha fatal da nossa idade, Dada ao mundo por Deus, que todo o mande, Para do mundo a Deus dar parte grande;
  • 9. Na Dedicatória o narrador elogia e dedica esta obra poética ao rei, mostrando-lhe quanto é grande o seu império, desde o Oriente até ao Ocidente. Diz-lhe ainda que através dos Lusíadas vai conhecer o povo português.
  • 10. Este trabalho foi uma grande ajuda, porque, assim sobem-mos mais alguma coisa sobre esta fantástica obra poética Os Lusíadas.