SlideShare uma empresa Scribd logo
A Tempestade é um episódio naturalista, em que se
entrelaçam o planos da viagem e o dos deuses, a
realidade e a fantasia.
É o último dos grandes perigos que Vasco da Gama teve
que ultrapassar antes de cumprir a sua missão, a
chegada à India.
Camões terá aproveitado a sua experiência de viajante,
para descrever de forma tão realista a natureza em
fúria (relâmpagos, raios trovões, ventos, ondas
alterosas) e, sobretudo, a aflição, os gritos, o temor e o
desacordo dos marinheiros, incapazes de controlar a
situação, devido à violência dos ventos.
Perante este som (o apito) que anuncia o perigo, os
marinheiros assumem os seus postos, começando a grande
agitação e precipitação. Surge uma primeira ordem do
mestre para recolher as velas.
Porém, eis que a tempestade se abate sobre as naus.
O mestre dá novamente a mesma ordem, mas
imediatamente os ventos desfazem as velas.
A tempestade é cada vez mais violenta, primeiro o “vento
cresce” e logo surge a tempestade com outros ventos
indignados. O ruído provocado pela tempestade é tão
violento que o mundo parece destruído.
Na terceira ordem, o mestre manda os homens retirar a
água que já inunda a nau e bem ordena “rijamente”, mas
o caos a bordo já está instalado.
Verifica-se uma gradação crescente que ocorre na
descrição da formação da tempestade e se reflecte nas
ordens do mestre.
Os soldados e os marinheiros tentam enfrentar a
tempestade, mas os esforços parecem em vão. Três
marinheiros fortes e experientes tentam assumir o
leme, mas não conseguem fazer frente à força da
tempestade.
Os ventos são tão fortes que tentam derrubar a Torre
de Babel (mastro central). A “pequena grandura dum
bote” mostra até que ponto as naus são frágeis, perante
um mar imenso e revolto, mas fortes pois resistem à
tempestade.
A nau de Paulo da Gama leva o mastro partido e está
toda alagada, como aliás a nau de Coelho. Os homens
apelam a Deus para os salvar.
A descrição remete para os movimentos ascendentes e
descendentes das naus, as quais ora elevam-se no céu,
como descem às «íntimas entranhas» do Inferno. Os
ventos – Noto, Austro, Bóreas, Áquilo – parecem querer
destruir o mundo.
No céu, raios fortes e fulminantes iluminam a noite e
entoam sons tenebrosos.
Também ressente os efeitos da tempestade. Junto à
costa, as aves, num canto triste, levantam voo e fogem; no
mar, os golfinhos refugiam-se nas profundezas, onde não
deixam de estar em perigo. Junto à costa, a tempestade
também provoca estragos: são derrubados montes e
arrancadas árvores velhas, bem enraizadas. No mar, as
areias são revolvidas.
Vendo que perto da Índia a armada se perdia, Vasco da
Gama apela à ajuda de Deus, Senhor das causas
impossíveis.
Enumera outros povos ajudados por Deus em momentos
adversos e, por isso, pede que o povo português também
seja amparado.
Pergunta ainda por que motivo Deus se sente ofendido,
já que a expansão marítima tem como propósito a
expansão da Fé Cristã.
Finalmente, lamenta o triste destino que lhes reserva,
dizendo que melhor teria sido se tivessem lutado nas
guerras a Norte de África, onde a morte lhes teria
trazido honra e reconhecimento.
O poeta retoma a descrição da tempestade, a qual se
torna ainda mais violenta.
Vénus, que visitava a terra e o mar, apercebe-se da
aflição dos portugueses e decide intervir .
Imediatamente atribui a responsabilidade daquela
tempestade a Baco.
Em seguida, ordena às Ninfas que acorram ao local da
tempestade para seduzir os ventos e convencê-los a
abrandar. Para isso, as Ninfas embelezam-se com
grinaldas de flores coloridas nas cabeças.
Os ventos, seduzidos pela beleza, cedem imediatamente
ao pedido das belas Ninfas e abrandam.
Finalmente, já pela manhã, os marinheiros avistam terra.
O piloto Melindano (de Melinde) dirige-se a Vasco da
Gama, dizendo tratar-se da terra de Calecut, sendo que
ali se cumpre o objectivo dos portugueses.
Vasco da Gama, emocionado, põe-se de joelhos e
agradece a Deus.
Neste episódio após as festas de despedida, a armada
larga de Melinde para prosseguir a viagem até à Índia,
levando a bordo um piloto melindano.
Entretanto Baco desce ao palácio de Neptuno, a fim de
incitar os deuses marinhos contra os portugueses, pois
os vê quase a atingir o império que ele tinha na Índia.
Baco é recebido por Neptuno no seu palácio e explica-lhe
os motivos da sua vinda.
Neptuno e Tritão convocam todos os deuses marinhos
para o concílio.
Assim que se encontram todos reunidos, Baco profere o
seu discurso, apresentando honesta e claramente as
razões da sua presença.
As lágrimas interrompem-lhe a dado momento as suas
palavras, fazendo com que de imediato todos os deuses se
inflamassem tomando o seu partido.
Neptuno manda a Éolo que solte os ventos, gerando assim
uma tempestade que destrua os portugueses.
Sem nada pressentirem, os portugueses contam histórias
para evitarem o sono, entre as quais a dos Doze de
Inglaterra. Quando se apercebem da chegada da
tempestade, a fúria com que os ventos investem é tal que
não lhes dá tempo de recolher as velas, rompendo-as e
partindo-lhes os mastros.
É tal a fúria dos elementos que nada lhes resiste. As
areias no fundo dos mares vêem-se revolvidas, as árvores
arrancadas e com as raízes para o céu e os montes
derrubados.
Na armada a situação é caótica. As gentes gritam e vêem
perto a perdição, com as naus alagam e os mastros
derribados. Vendo-se perdido, Vasco da Gama pede
ajuda à Divina Guarda.
Vénus apercebe-se do perigo em que os portugueses se
encontram e, adivinhando que se trata de mais uma
acção de Baco, manda as Ninfas amorosas abrandarem a
ira dos ventos. Quando a tempestade se acalma,
amanhecia e o piloto melindano avista a costa de Calecut.
O canto termina com a oração de agradecimento de
Vasco da Gama e com uma reflexão do poeta acerca do
verdadeiro valor da glória.
1.
• A nível do tom de voz do mestre: o tom de voz vai-
se tornando cada vez mais alto de acordo com a
gravidade da situação
• A nível das atitudes do homens: começam por
sentir grande aflição instalando-se depois o pânico
e a desorientação.
2.1
• O movimento da águas: est. 74, 5º a 8º verso
“ Nos altíssimos mares, que cresceram, a pequena
grandura dum batel. Mostra a possante nau, que move
espanto, vendo que se sustém nas ondas tanto.”
• A intensidade dos raios: est. 84, 5º a 6º verso4
“ Relâmpagos medonhos não cessavam, feros trovões,
que vem representado.”
2.2
O recurso estilístico utilizado é a adjectivação
Ex: “Feros trovões, que vem representado.”
3.1
Interpreto que Vasco da Gama dirige-se a sua
“Divina Guarda” pedindo clemência e
argumentando que aquela é uma viagem ao
serviço de Deus
3.2
Qualifica-os de “ditosos” porque morreram por
causas nobres, defendendo a sua pátria e
libertando-se da lei da morte enquanto que eles
que morrem no mar não alcançam a glória.
4.1
• A nível mitológico: entre Vénus e Baco, as ninfas e o vento;
• A nível de acção central: entre os marinheiros e a
tempestade;
4.2
• Os intervenientes mitológicos: as ninfas (a pedido de Vénus)
seduzem os ventos (enviados por Neptuno a pedido de Baco
para destruir as naus);
• Os intervenientes na acção central: os marinheiros tentam
manter os barcos equilibrados e quando já não há nada a
fazer pedem a ajuda de Deus;
4.3
Ao nível mitológico havia um equilíbrio de forças no entanto a
nível de acão central o homem luta contra uma força muito
superior à sua capacidade de luta (a tempestade);
4.4
Se Vénus e as Ninfas conseguirem acalmar a tempestade,
Vasco da Gama e a sua armada podem seguir viagem
calmamente, impedindo Baco de destruir a armada portuguesa.
1.
A imagem que é sugerida é que tudo aconteceu de repente
e que não há salvação possível.
2.
“Amorosa estrela, sol claro, …,”sugerem um ambiente
calmo.
3.
A tenebrosa tempestade queria destruir o mundo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Marisa Ferreira
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
Zé Carlos Barbosa
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
Teresa Cabrita
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Síntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deusesSíntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deuses
Eva Antunes
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Vanda Marques
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
NunoNelasOliveira
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
José Ferreira
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Maria Gomes
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
Lurdes Augusto
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
cristianavieitas
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
Célia Gonçalves
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
Vanda Marques
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
ElisabeteMarques
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
Maria Teresa Soveral
 

Mais procurados (20)

Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Síntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deusesSíntese do consílio dos deuses
Síntese do consílio dos deuses
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 

Semelhante a Os lusíadas tempestade - Português 9º ano

Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Susana Sobrenome
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
Inês Santos
 
Resumo do episódio de Os Lusíadas - Tempestade
Resumo do episódio de Os Lusíadas - TempestadeResumo do episódio de Os Lusíadas - Tempestade
Resumo do episódio de Os Lusíadas - Tempestade
Paula Vieira
 
Os lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítima
Os lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítimaOs lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítima
Os lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítima
kiko_martins
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
marianelsa
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
FamIndisciplinadAA
 
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDASMISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
melquisedeque Chagas
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
Ronald Simoes
 
Atempestade lusiadas
Atempestade lusiadasAtempestade lusiadas
Atempestade lusiadas
João Ribeiro
 
A tempestade
A tempestadeA tempestade
A tempestade
Vanda Marques
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
MargaridaMendona10
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
Bruno Neves
 
Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
armindaalmeida
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Amanda Assenza Fratucci
 
Documento (7).pdf
Documento (7).pdfDocumento (7).pdf
Documento (7).pdf
peminada1
 
Teste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5anoTeste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5ano
Sandra Nunes
 
Teste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5anoTeste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5ano
6066
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
Tony Abreu
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
maria ceu pita
 
Intertextos
IntertextosIntertextos
Intertextos
António Fraga
 

Semelhante a Os lusíadas tempestade - Português 9º ano (20)

Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à ÍndiaFicha informativa - Tempestade e chegada à Índia
Ficha informativa - Tempestade e chegada à Índia
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
Resumo do episódio de Os Lusíadas - Tempestade
Resumo do episódio de Os Lusíadas - TempestadeResumo do episódio de Os Lusíadas - Tempestade
Resumo do episódio de Os Lusíadas - Tempestade
 
Os lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítima
Os lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítimaOs lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítima
Os lusíadas luís vaz de camões fogo de santelmo tromba marítima
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
 
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDASMISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
MISTÉRIOS E REVELAÇÕES COM BASE TEOLÓGICA SOBRE O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Atempestade lusiadas
Atempestade lusiadasAtempestade lusiadas
Atempestade lusiadas
 
A tempestade
A tempestadeA tempestade
A tempestade
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
 
Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Documento (7).pdf
Documento (7).pdfDocumento (7).pdf
Documento (7).pdf
 
Teste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5anoTeste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5ano
 
Teste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5anoTeste diagnostico-portugues-5ano
Teste diagnostico-portugues-5ano
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
 
Intertextos
IntertextosIntertextos
Intertextos
 

Mais de Gabriel Lima

O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Historia da internet - TIC 9º ano
Historia da internet - TIC 9º anoHistoria da internet - TIC 9º ano
Historia da internet - TIC 9º ano
Gabriel Lima
 
Domótica - TIC 9º ano
Domótica - TIC 9º anoDomótica - TIC 9º ano
Domótica - TIC 9º ano
Gabriel Lima
 
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º anoRevoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Gabriel Lima
 
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º anoRevoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
Gabriel Lima
 
Revoluções liberais (3) - História 8º ano
Revoluções liberais (3) - História 8º anoRevoluções liberais (3) - História 8º ano
Revoluções liberais (3) - História 8º ano
Gabriel Lima
 
Revoluções liberais (4) - História 8º ano
Revoluções liberais (4) - História 8º anoRevoluções liberais (4) - História 8º ano
Revoluções liberais (4) - História 8º ano
Gabriel Lima
 
Leitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º ano
Leitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º anoLeitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º ano
Leitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º ano
Gabriel Lima
 
Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano
Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano
Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano
Gabriel Lima
 
China - Inglês 8º ano
China - Inglês 8º anoChina - Inglês 8º ano
China - Inglês 8º ano
Gabriel Lima
 
La pollution maritime - Trabalho de Frances 8º ano
La pollution maritime - Trabalho de Frances 8º anoLa pollution maritime - Trabalho de Frances 8º ano
La pollution maritime - Trabalho de Frances 8º anoGabriel Lima
 

Mais de Gabriel Lima (11)

O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
 
Historia da internet - TIC 9º ano
Historia da internet - TIC 9º anoHistoria da internet - TIC 9º ano
Historia da internet - TIC 9º ano
 
Domótica - TIC 9º ano
Domótica - TIC 9º anoDomótica - TIC 9º ano
Domótica - TIC 9º ano
 
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º anoRevoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
 
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º anoRevoluções liberais (2) - História 8º ano
Revoluções liberais (2) - História 8º ano
 
Revoluções liberais (3) - História 8º ano
Revoluções liberais (3) - História 8º anoRevoluções liberais (3) - História 8º ano
Revoluções liberais (3) - História 8º ano
 
Revoluções liberais (4) - História 8º ano
Revoluções liberais (4) - História 8º anoRevoluções liberais (4) - História 8º ano
Revoluções liberais (4) - História 8º ano
 
Leitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º ano
Leitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º anoLeitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º ano
Leitura recreativa - "O rapaz e o robô - Português 8º ano
 
Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano
Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano
Efeito estufa - Trabalho de Ciências 8º ano
 
China - Inglês 8º ano
China - Inglês 8º anoChina - Inglês 8º ano
China - Inglês 8º ano
 
La pollution maritime - Trabalho de Frances 8º ano
La pollution maritime - Trabalho de Frances 8º anoLa pollution maritime - Trabalho de Frances 8º ano
La pollution maritime - Trabalho de Frances 8º ano
 

Os lusíadas tempestade - Português 9º ano

  • 1.
  • 2. A Tempestade é um episódio naturalista, em que se entrelaçam o planos da viagem e o dos deuses, a realidade e a fantasia. É o último dos grandes perigos que Vasco da Gama teve que ultrapassar antes de cumprir a sua missão, a chegada à India. Camões terá aproveitado a sua experiência de viajante, para descrever de forma tão realista a natureza em fúria (relâmpagos, raios trovões, ventos, ondas alterosas) e, sobretudo, a aflição, os gritos, o temor e o desacordo dos marinheiros, incapazes de controlar a situação, devido à violência dos ventos.
  • 3. Perante este som (o apito) que anuncia o perigo, os marinheiros assumem os seus postos, começando a grande agitação e precipitação. Surge uma primeira ordem do mestre para recolher as velas. Porém, eis que a tempestade se abate sobre as naus. O mestre dá novamente a mesma ordem, mas imediatamente os ventos desfazem as velas. A tempestade é cada vez mais violenta, primeiro o “vento cresce” e logo surge a tempestade com outros ventos indignados. O ruído provocado pela tempestade é tão violento que o mundo parece destruído.
  • 4. Na terceira ordem, o mestre manda os homens retirar a água que já inunda a nau e bem ordena “rijamente”, mas o caos a bordo já está instalado. Verifica-se uma gradação crescente que ocorre na descrição da formação da tempestade e se reflecte nas ordens do mestre. Os soldados e os marinheiros tentam enfrentar a tempestade, mas os esforços parecem em vão. Três marinheiros fortes e experientes tentam assumir o leme, mas não conseguem fazer frente à força da tempestade.
  • 5. Os ventos são tão fortes que tentam derrubar a Torre de Babel (mastro central). A “pequena grandura dum bote” mostra até que ponto as naus são frágeis, perante um mar imenso e revolto, mas fortes pois resistem à tempestade. A nau de Paulo da Gama leva o mastro partido e está toda alagada, como aliás a nau de Coelho. Os homens apelam a Deus para os salvar.
  • 6. A descrição remete para os movimentos ascendentes e descendentes das naus, as quais ora elevam-se no céu, como descem às «íntimas entranhas» do Inferno. Os ventos – Noto, Austro, Bóreas, Áquilo – parecem querer destruir o mundo. No céu, raios fortes e fulminantes iluminam a noite e entoam sons tenebrosos. Também ressente os efeitos da tempestade. Junto à costa, as aves, num canto triste, levantam voo e fogem; no mar, os golfinhos refugiam-se nas profundezas, onde não deixam de estar em perigo. Junto à costa, a tempestade também provoca estragos: são derrubados montes e arrancadas árvores velhas, bem enraizadas. No mar, as areias são revolvidas.
  • 7. Vendo que perto da Índia a armada se perdia, Vasco da Gama apela à ajuda de Deus, Senhor das causas impossíveis. Enumera outros povos ajudados por Deus em momentos adversos e, por isso, pede que o povo português também seja amparado. Pergunta ainda por que motivo Deus se sente ofendido, já que a expansão marítima tem como propósito a expansão da Fé Cristã.
  • 8. Finalmente, lamenta o triste destino que lhes reserva, dizendo que melhor teria sido se tivessem lutado nas guerras a Norte de África, onde a morte lhes teria trazido honra e reconhecimento. O poeta retoma a descrição da tempestade, a qual se torna ainda mais violenta.
  • 9. Vénus, que visitava a terra e o mar, apercebe-se da aflição dos portugueses e decide intervir . Imediatamente atribui a responsabilidade daquela tempestade a Baco. Em seguida, ordena às Ninfas que acorram ao local da tempestade para seduzir os ventos e convencê-los a abrandar. Para isso, as Ninfas embelezam-se com grinaldas de flores coloridas nas cabeças.
  • 10. Os ventos, seduzidos pela beleza, cedem imediatamente ao pedido das belas Ninfas e abrandam. Finalmente, já pela manhã, os marinheiros avistam terra. O piloto Melindano (de Melinde) dirige-se a Vasco da Gama, dizendo tratar-se da terra de Calecut, sendo que ali se cumpre o objectivo dos portugueses. Vasco da Gama, emocionado, põe-se de joelhos e agradece a Deus.
  • 11. Neste episódio após as festas de despedida, a armada larga de Melinde para prosseguir a viagem até à Índia, levando a bordo um piloto melindano. Entretanto Baco desce ao palácio de Neptuno, a fim de incitar os deuses marinhos contra os portugueses, pois os vê quase a atingir o império que ele tinha na Índia. Baco é recebido por Neptuno no seu palácio e explica-lhe os motivos da sua vinda. Neptuno e Tritão convocam todos os deuses marinhos para o concílio. Assim que se encontram todos reunidos, Baco profere o seu discurso, apresentando honesta e claramente as razões da sua presença.
  • 12. As lágrimas interrompem-lhe a dado momento as suas palavras, fazendo com que de imediato todos os deuses se inflamassem tomando o seu partido. Neptuno manda a Éolo que solte os ventos, gerando assim uma tempestade que destrua os portugueses. Sem nada pressentirem, os portugueses contam histórias para evitarem o sono, entre as quais a dos Doze de Inglaterra. Quando se apercebem da chegada da tempestade, a fúria com que os ventos investem é tal que não lhes dá tempo de recolher as velas, rompendo-as e partindo-lhes os mastros. É tal a fúria dos elementos que nada lhes resiste. As areias no fundo dos mares vêem-se revolvidas, as árvores arrancadas e com as raízes para o céu e os montes derrubados.
  • 13. Na armada a situação é caótica. As gentes gritam e vêem perto a perdição, com as naus alagam e os mastros derribados. Vendo-se perdido, Vasco da Gama pede ajuda à Divina Guarda. Vénus apercebe-se do perigo em que os portugueses se encontram e, adivinhando que se trata de mais uma acção de Baco, manda as Ninfas amorosas abrandarem a ira dos ventos. Quando a tempestade se acalma, amanhecia e o piloto melindano avista a costa de Calecut. O canto termina com a oração de agradecimento de Vasco da Gama e com uma reflexão do poeta acerca do verdadeiro valor da glória.
  • 14. 1. • A nível do tom de voz do mestre: o tom de voz vai- se tornando cada vez mais alto de acordo com a gravidade da situação • A nível das atitudes do homens: começam por sentir grande aflição instalando-se depois o pânico e a desorientação.
  • 15. 2.1 • O movimento da águas: est. 74, 5º a 8º verso “ Nos altíssimos mares, que cresceram, a pequena grandura dum batel. Mostra a possante nau, que move espanto, vendo que se sustém nas ondas tanto.” • A intensidade dos raios: est. 84, 5º a 6º verso4 “ Relâmpagos medonhos não cessavam, feros trovões, que vem representado.” 2.2 O recurso estilístico utilizado é a adjectivação Ex: “Feros trovões, que vem representado.”
  • 16. 3.1 Interpreto que Vasco da Gama dirige-se a sua “Divina Guarda” pedindo clemência e argumentando que aquela é uma viagem ao serviço de Deus 3.2 Qualifica-os de “ditosos” porque morreram por causas nobres, defendendo a sua pátria e libertando-se da lei da morte enquanto que eles que morrem no mar não alcançam a glória.
  • 17. 4.1 • A nível mitológico: entre Vénus e Baco, as ninfas e o vento; • A nível de acção central: entre os marinheiros e a tempestade; 4.2 • Os intervenientes mitológicos: as ninfas (a pedido de Vénus) seduzem os ventos (enviados por Neptuno a pedido de Baco para destruir as naus); • Os intervenientes na acção central: os marinheiros tentam manter os barcos equilibrados e quando já não há nada a fazer pedem a ajuda de Deus; 4.3 Ao nível mitológico havia um equilíbrio de forças no entanto a nível de acão central o homem luta contra uma força muito superior à sua capacidade de luta (a tempestade); 4.4 Se Vénus e as Ninfas conseguirem acalmar a tempestade, Vasco da Gama e a sua armada podem seguir viagem calmamente, impedindo Baco de destruir a armada portuguesa.
  • 18. 1. A imagem que é sugerida é que tudo aconteceu de repente e que não há salvação possível. 2. “Amorosa estrela, sol claro, …,”sugerem um ambiente calmo. 3. A tenebrosa tempestade queria destruir o mundo