SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
O CÉREBRO
  ANTES DE MIM
• É no cérebro
  que reside a
  memória, a
  aprendizagem.
  O pensamento,
  a linguagem, a
  criatividade.
• É no cérebro que
  vemos, ouvimos, sentim
  os e cheiramos; é
  também no cérebro que
  o sono e os sonhos
  habitam.
• É no cérebro
  que a fome, a
  sede, a
  temperatura
  são controladas   .
• o cérebro
  contribui de
  forma decisiva
  para o
  comportamento
  humano.
SISTEMA NERVOSO
    CENTRAL
• O sistema nervoso central
  desempenha essencialmente
  as tarefas associadas ao
  processamento e
  coordenação das
  informações. É formado pelo
  cérebro e pela espinal
  medula, órgãos que
  superintendem no que o ser
  humano pensa, diz e faz, de
  modo a sobreviver e dar
  continuidade à espécie.
• A Espinal-medula é um centro
  coordenador das atividades
  reflexas e, assim, um mecanismo
  de defesa contra agressões do
  meio porque as suas respostas são
  rápidas e ocorrem antes de qualquer
  decisão cerebral, e um centro
  condutor porque conduz os
  impulsos provenientes do
  cérebro, e que para ela são
  dirigidos, que transmitem uma ordem
  como “andar”.
• O cérebro é o coordenador da atividade voluntária, isto é,
  dos atos conscientes, intencionais e que exigem
  planificação e deliberação.
NEURÓNIOS
• Os elementos básicos
  constituintes do sistema
  nervoso são os
  neurónios, células
  especiais que têm a
  capacidade de comunicar
  umas com as outras,
  transmitindo informações .
• O sistema de informação
  veiculado pelos neurónios
  forma um circuito eléctrico
  designado por influxo nervoso.
• A passagem do influxo de um
  para outro neurónio processa-
  se não porque exista entre eles
  continuidade física, mas
  porque se estabelece uma
  relação funcional chamada
  sinapse.
• O influxo transita
  porque a fenda
  sináptica é
  preenchida por
  neurotransmissores,
  substâncias
  químicas
  segregadas pelas
  vesículas
  sinápticas.
HEMISFÉRIOS CEREBRAIS
• O hemisfério esquerdo comanda a sensibilidade e os movimentos do lado
  direito e o hemisfério direito superintende no controlo da sensibilidade e
  dos movimentos do lado esquerdo. Nas pessoas esquerdinas predomina o
  comando do lado direito.
• O Hemisfério esquerdo é especializado em simbologia e lógica e ocupa-
  se do pensamento mais analítico (separa as ideias), linear (um passo a
  seguir ao outro) e verbal (escrito e falado). Constrói frases e resolve
  equações. Faculta ao homem a ciência e a tecnologia.
• Acidentes, tromboses e tumores no hemisfério esquerdo, provocam
  distúrbios na leitura, na escrita, na fala, no raciocínio aritmético e, em geral,
  na capacidade de compreender.
• O Hemisfério direito é responsável pela organização das
  percepções espaciais e encarrega-se do pensamento mais
  sintético (associa as ideias), holístico (encontra as relações
  num só passo, intuitivamente) e imagístico (rege-se por
  imagens). Ouve música e apercebe-se da tridimensionalidade
  dos objetos. É o responsável pela arte e pela imaginação.
• De uma maneira geral, as lesões no hemisfério direito não têm
  efeitos tão dramáticos como as ocorridas no hemisfério
  esquerdo. Daí que, até cerca de 1960, o hemisfério esquerdo
  fosse considerado como “dominante” e o direito como “menor”.
• Os estudos revelam que
  os hemisférios direito e
  esquerdo trabalham
  coordenadamente,
  desempenhando papéis
  complementares.
LOBOS CEREBRAIS
• O córtex que cobre cada
  hemisfério apresenta quatro
  regiões ou lobos cerebrais,
  separados por fendas:


• O lobo occipital, responsável
  pela visão.
• O lobo temporal, responsável
  pela audição.
• O lobo parietal, responsável
  pelas sensações do corpo.
• O lobo frontal responsável
  pelos movimentos.
ÁREA DE WERNICKE E DE BROCA

                  • A área de Broca é a área
                    motora da linguagem.
                    Produz a linguagem falada.
                    Permite que formemos
                    palavras de forma correta.


                  • A área de Wernicke atribui
                    significado ao discurso
                    oral, permitindo a
                    compreeensão da linguagem
                    falada.
•   Em cada um dos Lobos existem áreas primárias e áreas secundárias.


•   Áreas primárias – Também chamadas áreas de projecção, funcionam como estações receptoras de
    informação sensorial ou como centros de transmissão de ordens motoras.
•
•   Áreas secundárias - Também chamadas áreas de associação, coordenam, interpretam e integram a
    informação recebida nas áreas primárias.
CORTEX PRÉ-FRONTAL




A PRIMEIRA MARAVILHA DO UNIVERSO
• Responsável pela
  integração e coordenação
  de muitas estruturas
  corticais e subcorticais
  (tálamo, Hipotálamo, p.
  ex.), dos comportamentos
  emocionais e intelectuais,
  o córtex pré-frontal é, o
  núcleo da nossa
  personalidade.
• A ele devemos
  capacidades como o
  pensamento abstracto, a
  imaginação criativa, a
  reflexão, a resolução de
  problemas, planear e
  modificar o curso de uma
  ação, prever e antecipar
  os seus resultados ou
  consequências.
• Sem ele não teríamos
  doutrinas científicas, morais,
  religiosas, jurídicas, nem
  inventos tecnológicos, nem
  produções artísticas e
  literárias. Ele é também os
  nossos centros emocionais, o
  cento das decisões sem as
  quais a vida seria um impasse.
• António e Hanna
  Damásio são dois
  notáveis neurologistas
  e pesquisadores da
  Universidade de Iowa
  que investigaram na
  última década as
  bases neurológicas da
  psicopatologia.
• Os Damásio concluíram em 1990, por exemplo, que indivíduos
  que se tinham submetido a lesões no córtex frontal (e que
  tinham personalidades normais antes da lesão) desenvolveram
  comportamentos sociais anormais, levando a consequências
  pessoais negativas. Entre outras coisas, estes indivíduos
  apresentavam as tomadas de decisões inadequadas e
  inabilidades de planeamento com as quais são conhecidas por
  serem processadas pelo lobo frontal do cérebro.
• Os Damásio também
  reconstituíram
  neurologicamente o
  primeiro caso conhecido da
  alteração de personalidade
  devido a uma lesão frontal
  no cérebro, observado no
  século XIX – o caso de
  Phineas Gage
• Phineas Gage era um
  supervisor de obras
  ferroviárias que perdeu
  parte de seu cérebro
  devido a uma barra de
  ferro que atravessou o
  seu crânio quando uma
  carga explosiva rebentou
  acidentalmente.
• Ele sobreviveu por muitos anos ao
  extenso trauma, mas tornou-se uma
  pessoa inteiramente nova. Tornou-se
  extravagante e antissocial, praguejador
  e mentiroso, com péssimas maneiras, e
  já não conseguia manter-se num
  trabalho por muito tempo ou planear o
  futuro. "Gage já não era Gage",
  disseram seus amigos.
AGNOSIA VISUAL
ESPECIALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO SISTÉMCA
• O cérebro funciona como
  um todo, apesar de
  existirem áreas
  especializadas, pois estas
  não comprometem o
  funcionamento integral do
  cérebro e as suas
  conexões com outras
  estruturas.
FUNÇÃO VICARIANTE
• Função do cérebro que
  permite que uma tarefa
  perdida seja recuperada por
  uma área vizinha da zona
  lesionada. É graças a esta
  função que as pessoas que
  perdem a fala devido a um
  acidente cerebral acabam por
  recuperar a capacidade
  perdida.
AUTO-ORGANIZAÇÃO PERMANENTE
• Apesar de ter todas as
  áreas corticais formadas,
  não quer dizer que o
  desenvolvimento do cérebro
  do recém-nascido esteja
  concluído. Nos primeiros
  seis meses de vida
  produzem-se mais
  modificações na estrutura
  do córtex do que em
  qualquer outro período do
  desenvolvimento.
• As capacidades
  humanas dependem
  da seleção de boas
  conexões, que por sua
  vez dependem das
  condições do meio.
• Os estímulos assimilados
  conduzem a processos de
  adaptação que se refletem
  na formação do cérebro. O
  efeito dos genes e dos
  estímulos do meio atuam
  no desenvolvimento do
  cérebro (processo auto-
  organizado).
LENTIFICAÇÃO E PLASTICIDADE
• O processo de desenvolvimento
  cerebral no Homem é muito mais
  lento que o desenvolvimento do
  sistema nervoso central de outros
  mamíferos.
• Este carácter embrionário do
  cérebro torna-se uma
  vantagem, possibilitando a
  influência do meio e uma maior
  capacidade de aprendizagem.
• Inicialmente a organização cerebral e o
  funcionamento do sistema nervoso eram
  considerados definidos geneticamente, isto
  é, o homem teria um programa
  predeterminado que definia a sua estrutura
  e as funções das várias áreas.


• Com o avanço da ciência demonstrou-se
  que o cérebro é um órgão
  maleável, modificando-se com as
  experiências, percepções, ações e
  comportamentos do Homem.
• A plasticidade
  cerebral é a
  capacidade do
  cérebro se remodelar
  em função das
  experiências do
  sujeito, permitindo
  assim uma
  aprendizagem ao
  longo da vida.
• Para comprovar a
  plasticidade do cérebro
  foram realizadas
  investigações com
  cegos adultos, as
  experiências feitas com
  cegos adultos que
  começaram a aprender
  Braille vieram provar a
  neuroadaptabilidade do
  cérebro, ou seja, as
  informações
  provenientes do dedo
  que lê Braille ativavam
  também as partes dos
  córtex visual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosCaio Maximino
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectosguested634f
 
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de AprendizagemAula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de AprendizagemFernando S. S. Barbosa
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoThiago de Almeida
 
História das neurociências
História das neurociênciasHistória das neurociências
História das neurociênciasCaio Maximino
 

Mais procurados (20)

Fundamentos da Neurociência
Fundamentos da NeurociênciaFundamentos da Neurociência
Fundamentos da Neurociência
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Córtex cerebral
Córtex cerebralCórtex cerebral
Córtex cerebral
 
Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
 
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de AprendizagemA Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Princípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologiaPrincípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologia
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Neurociencia e educação
Neurociencia e educaçãoNeurociencia e educação
Neurociencia e educação
 
Neurociência e aprendizagem
Neurociência e aprendizagemNeurociência e aprendizagem
Neurociência e aprendizagem
 
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de AprendizagemAula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
História das neurociências
História das neurociênciasHistória das neurociências
História das neurociências
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 
Desenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatalDesenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatal
 

Semelhante a Cérebro

neurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxneurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxSidney Silva
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Isabel Teixeira
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemglauciacorreaperes
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemglauciacorreaperes
 
Sistema nervoso katya (2)
Sistema nervoso katya (2)Sistema nervoso katya (2)
Sistema nervoso katya (2)Ana Xavier
 
dificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptxdificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptxprofleonardovieira
 
BASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptx
BASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptxBASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptx
BASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptxDanilloPalmeira1
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARAntónia Rocha
 

Semelhante a Cérebro (20)

A entrada na vida
A entrada na vidaA entrada na vida
A entrada na vida
 
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxneurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
AULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptx
AULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptxAULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptx
AULA - DESENVOLVIMETO HUMANO.pptx
 
Funções-Corticais.pdf
Funções-Corticais.pdfFunções-Corticais.pdf
Funções-Corticais.pdf
 
Fundamentos da Neurociência e Bioética
Fundamentos da Neurociência e BioéticaFundamentos da Neurociência e Bioética
Fundamentos da Neurociência e Bioética
 
Aula Medicina
Aula  MedicinaAula  Medicina
Aula Medicina
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
 
Apr brain 1
Apr brain 1Apr brain 1
Apr brain 1
 
Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
Sistema nervoso katya (2)
Sistema nervoso katya (2)Sistema nervoso katya (2)
Sistema nervoso katya (2)
 
Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem   Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem
 
Encéfalo
EncéfaloEncéfalo
Encéfalo
 
dificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptxdificuldades de aprendizagem.pptx
dificuldades de aprendizagem.pptx
 
BASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptx
BASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptxBASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptx
BASES NEUROCOGNITIVAS E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - AULA.pptx
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Como o cérebro funciona
Como o cérebro funcionaComo o cérebro funciona
Como o cérebro funciona
 

Mais de norberto faria (14)

10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada10.psicologia aplicada
10.psicologia aplicada
 
3. freud psicanálise
3. freud   psicanálise3. freud   psicanálise
3. freud psicanálise
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
Teste de rorschach
Teste de rorschachTeste de rorschach
Teste de rorschach
 
Kant
KantKant
Kant
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Cérebro

  • 1. O CÉREBRO ANTES DE MIM
  • 2. • É no cérebro que reside a memória, a aprendizagem. O pensamento, a linguagem, a criatividade.
  • 3. • É no cérebro que vemos, ouvimos, sentim os e cheiramos; é também no cérebro que o sono e os sonhos habitam.
  • 4. • É no cérebro que a fome, a sede, a temperatura são controladas .
  • 5. • o cérebro contribui de forma decisiva para o comportamento humano.
  • 6. SISTEMA NERVOSO CENTRAL
  • 7.
  • 8. • O sistema nervoso central desempenha essencialmente as tarefas associadas ao processamento e coordenação das informações. É formado pelo cérebro e pela espinal medula, órgãos que superintendem no que o ser humano pensa, diz e faz, de modo a sobreviver e dar continuidade à espécie.
  • 9. • A Espinal-medula é um centro coordenador das atividades reflexas e, assim, um mecanismo de defesa contra agressões do meio porque as suas respostas são rápidas e ocorrem antes de qualquer decisão cerebral, e um centro condutor porque conduz os impulsos provenientes do cérebro, e que para ela são dirigidos, que transmitem uma ordem como “andar”.
  • 10. • O cérebro é o coordenador da atividade voluntária, isto é, dos atos conscientes, intencionais e que exigem planificação e deliberação.
  • 12. • Os elementos básicos constituintes do sistema nervoso são os neurónios, células especiais que têm a capacidade de comunicar umas com as outras, transmitindo informações .
  • 13. • O sistema de informação veiculado pelos neurónios forma um circuito eléctrico designado por influxo nervoso. • A passagem do influxo de um para outro neurónio processa- se não porque exista entre eles continuidade física, mas porque se estabelece uma relação funcional chamada sinapse.
  • 14. • O influxo transita porque a fenda sináptica é preenchida por neurotransmissores, substâncias químicas segregadas pelas vesículas sinápticas.
  • 16. • O hemisfério esquerdo comanda a sensibilidade e os movimentos do lado direito e o hemisfério direito superintende no controlo da sensibilidade e dos movimentos do lado esquerdo. Nas pessoas esquerdinas predomina o comando do lado direito. • O Hemisfério esquerdo é especializado em simbologia e lógica e ocupa- se do pensamento mais analítico (separa as ideias), linear (um passo a seguir ao outro) e verbal (escrito e falado). Constrói frases e resolve equações. Faculta ao homem a ciência e a tecnologia. • Acidentes, tromboses e tumores no hemisfério esquerdo, provocam distúrbios na leitura, na escrita, na fala, no raciocínio aritmético e, em geral, na capacidade de compreender.
  • 17. • O Hemisfério direito é responsável pela organização das percepções espaciais e encarrega-se do pensamento mais sintético (associa as ideias), holístico (encontra as relações num só passo, intuitivamente) e imagístico (rege-se por imagens). Ouve música e apercebe-se da tridimensionalidade dos objetos. É o responsável pela arte e pela imaginação. • De uma maneira geral, as lesões no hemisfério direito não têm efeitos tão dramáticos como as ocorridas no hemisfério esquerdo. Daí que, até cerca de 1960, o hemisfério esquerdo fosse considerado como “dominante” e o direito como “menor”.
  • 18. • Os estudos revelam que os hemisférios direito e esquerdo trabalham coordenadamente, desempenhando papéis complementares.
  • 19.
  • 21. • O córtex que cobre cada hemisfério apresenta quatro regiões ou lobos cerebrais, separados por fendas: • O lobo occipital, responsável pela visão. • O lobo temporal, responsável pela audição. • O lobo parietal, responsável pelas sensações do corpo. • O lobo frontal responsável pelos movimentos.
  • 22. ÁREA DE WERNICKE E DE BROCA • A área de Broca é a área motora da linguagem. Produz a linguagem falada. Permite que formemos palavras de forma correta. • A área de Wernicke atribui significado ao discurso oral, permitindo a compreeensão da linguagem falada.
  • 23.
  • 24. Em cada um dos Lobos existem áreas primárias e áreas secundárias. • Áreas primárias – Também chamadas áreas de projecção, funcionam como estações receptoras de informação sensorial ou como centros de transmissão de ordens motoras. • • Áreas secundárias - Também chamadas áreas de associação, coordenam, interpretam e integram a informação recebida nas áreas primárias.
  • 25.
  • 26. CORTEX PRÉ-FRONTAL A PRIMEIRA MARAVILHA DO UNIVERSO
  • 27. • Responsável pela integração e coordenação de muitas estruturas corticais e subcorticais (tálamo, Hipotálamo, p. ex.), dos comportamentos emocionais e intelectuais, o córtex pré-frontal é, o núcleo da nossa personalidade.
  • 28. • A ele devemos capacidades como o pensamento abstracto, a imaginação criativa, a reflexão, a resolução de problemas, planear e modificar o curso de uma ação, prever e antecipar os seus resultados ou consequências.
  • 29. • Sem ele não teríamos doutrinas científicas, morais, religiosas, jurídicas, nem inventos tecnológicos, nem produções artísticas e literárias. Ele é também os nossos centros emocionais, o cento das decisões sem as quais a vida seria um impasse.
  • 30. • António e Hanna Damásio são dois notáveis neurologistas e pesquisadores da Universidade de Iowa que investigaram na última década as bases neurológicas da psicopatologia.
  • 31. • Os Damásio concluíram em 1990, por exemplo, que indivíduos que se tinham submetido a lesões no córtex frontal (e que tinham personalidades normais antes da lesão) desenvolveram comportamentos sociais anormais, levando a consequências pessoais negativas. Entre outras coisas, estes indivíduos apresentavam as tomadas de decisões inadequadas e inabilidades de planeamento com as quais são conhecidas por serem processadas pelo lobo frontal do cérebro.
  • 32. • Os Damásio também reconstituíram neurologicamente o primeiro caso conhecido da alteração de personalidade devido a uma lesão frontal no cérebro, observado no século XIX – o caso de Phineas Gage
  • 33. • Phineas Gage era um supervisor de obras ferroviárias que perdeu parte de seu cérebro devido a uma barra de ferro que atravessou o seu crânio quando uma carga explosiva rebentou acidentalmente.
  • 34. • Ele sobreviveu por muitos anos ao extenso trauma, mas tornou-se uma pessoa inteiramente nova. Tornou-se extravagante e antissocial, praguejador e mentiroso, com péssimas maneiras, e já não conseguia manter-se num trabalho por muito tempo ou planear o futuro. "Gage já não era Gage", disseram seus amigos.
  • 35.
  • 38. • O cérebro funciona como um todo, apesar de existirem áreas especializadas, pois estas não comprometem o funcionamento integral do cérebro e as suas conexões com outras estruturas.
  • 39. FUNÇÃO VICARIANTE • Função do cérebro que permite que uma tarefa perdida seja recuperada por uma área vizinha da zona lesionada. É graças a esta função que as pessoas que perdem a fala devido a um acidente cerebral acabam por recuperar a capacidade perdida.
  • 41. • Apesar de ter todas as áreas corticais formadas, não quer dizer que o desenvolvimento do cérebro do recém-nascido esteja concluído. Nos primeiros seis meses de vida produzem-se mais modificações na estrutura do córtex do que em qualquer outro período do desenvolvimento.
  • 42. • As capacidades humanas dependem da seleção de boas conexões, que por sua vez dependem das condições do meio.
  • 43. • Os estímulos assimilados conduzem a processos de adaptação que se refletem na formação do cérebro. O efeito dos genes e dos estímulos do meio atuam no desenvolvimento do cérebro (processo auto- organizado).
  • 45. • O processo de desenvolvimento cerebral no Homem é muito mais lento que o desenvolvimento do sistema nervoso central de outros mamíferos. • Este carácter embrionário do cérebro torna-se uma vantagem, possibilitando a influência do meio e uma maior capacidade de aprendizagem.
  • 46. • Inicialmente a organização cerebral e o funcionamento do sistema nervoso eram considerados definidos geneticamente, isto é, o homem teria um programa predeterminado que definia a sua estrutura e as funções das várias áreas. • Com o avanço da ciência demonstrou-se que o cérebro é um órgão maleável, modificando-se com as experiências, percepções, ações e comportamentos do Homem.
  • 47. • A plasticidade cerebral é a capacidade do cérebro se remodelar em função das experiências do sujeito, permitindo assim uma aprendizagem ao longo da vida.
  • 48. • Para comprovar a plasticidade do cérebro foram realizadas investigações com cegos adultos, as experiências feitas com cegos adultos que começaram a aprender Braille vieram provar a neuroadaptabilidade do cérebro, ou seja, as informações provenientes do dedo que lê Braille ativavam também as partes dos córtex visual.