SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 59
Baixar para ler offline
Sistema Nervoso 
Sistema Nervoso
O sistema nervoso é responsável 
pelo ajustamento do organismo ao 
ambiente. Sua função é perceber e 
identificar as condições ambientais 
externas, bem como as condições 
internas e elaborar respostas que 
adaptem a essas condições.
Organização do 
Sistema Nervoso Humano 
Divisão Partes Funções Gerais 
Sistema 
Nervoso 
Central 
(SNC) 
Sistema 
Nervoso 
Periférico 
(SNP) 
Encéfalo e 
Medula 
Espinhal 
Nervos e 
gânglios 
Processamento 
e Integração de 
informações 
Condução de 
informações entre 
órgão receptores de 
estímulos, o SNC e 
órgãos efetores 
(músculos, por ex.)
SISTEMA NERVOSO CENTRAL
Composição do Sistema Nervoso 
• A substância cinzenta é composta de corpos de 
neurônios, enquanto que a branca é composta de 
axônios e a cor branca reflete a gordura, bainha 
de mielina que envolve o axônio.
MEDULA
CEREBELO 
-Tônus muscular 
- Equilíbrio 
- Coordena contrações 
musculares comandadas 
pelo cérebro
PONTE 
Serve de passagem para os impulsos nervosos que vão ao 
cérebro; reflexos das emoções. é transmitir as 
informações da medula e do bulbo até o córtex cerebral. 
Faz conexão com centros hierarquicamente superiores.
BULBO 
O bulbo tem a função relacionada com a respiração e é considerado 
um centro vital. Também está relacionado com os reflexos cardiovasculares 
e transmissão de informações sensoriais e motoras.
MEDULA ESPINHAL 
• Tem cerca de 1cm de 
diâmetro e 45cm de 
comprimento; 
• Centro nervoso de atos 
involuntários; 
• Veículo condutor de 
impulsos nervosos. 
• Há 31 pares de nervos 
raquidianos.
MEDULA ESPINHAL
PROTEÇÕES 
DO 
SNC 
- Por ossos
PROTEÇÕES DO SNC 
- Por meninges (=membranas)
ESTRUTURA EEESSSTTTRRRUUUTTTUUURRRAAA BBBBÁÁÁÁSSSSIIIICCCCAAAA DDDDOOOO NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO 
CCCCOOOORRRRPPPPOOOO CCCCEEEELLLLUUUULLLLAAAARRRR 
DDDDEEEENNNNDDDDRRRRIIIITTTTOOOOSSSSAAAAXXXXÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO 
NNNNúúúúcccclllleeeeoooo 
BBBBaaaaiiiinnnnhhhhaaaa ddddeeee 
mmmmiiiieeeelllliiiinnnnaaaa 
CCCCéééélllluuuullllaaaa ddddeeee 
SSSScccchhhhwwwwaaaannnnnnnn 
AAAAxxxxôôôônnnniiiioooo 
BBBBaaaaiiiinnnnhhhhaaaa ddddeeee 
mmmmiiiieeeelllliiiinnnnaaaa 
NNNNóóóódddduuuulllloooo ddddeeee 
RRRRaaaannnnvvvviiiieeeerrrr
Imagem: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos 
de Biologia. São Paulo, Ed. Moderna, 2001. vol. 2.
Corpo celular – núcleo e 
maioria das organelas 
citoplasmáticas 
Dendritos – 
ramificações do 
corpo celular. 
Função: captar 
estímulos 
Bainha de Mielina 
– células de 
Schwann que se 
enrolam no axônio. 
Isolante elétrico 
Axônio – maior prolongamento. 
Presença de vesículas com 
neurotransmissores na porção 
terminal 
Nódulo de 
Ranvier – 
regiões do axônio 
não recobertas 
por bainha
TTTTIIIIPPPPOOOOSSSS DDDDEEEE NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOOSSSS 
DDDDEEEENNNNDDDDRRRRIIIITTTTOOOOSSSS 
CCCCOOOORRRRPPPPOOOO CCCCEEEELLLLUUUULLLLAAAARRRR CORPO CELULAR CCCOOORRRPPPOOO CCCEEELLLUUULLLAAARRR 
CCCCOOOORRRRPPPPOOOO CCCCEEEELLLLUUUULLLLAAAARRRR 
DDDDEEEENNNNDDDDRRRRIIIITTTTOOOOSSSS 
DDDDiiiirrrreeeeççççããããoooo ddddaaaa ccccoooonnnndddduuuuççççããããoooo AXÔNIO AAAXXXÔÔÔNNNIIIOOO 
AAAAXXXXÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO 
AAAAXXXXÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO 
NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO SSSSEEEENNNNSSSSOOOORRRRIIIIAAAALLLL 
NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO 
AAAASSSSSSSSOOOOCCCCIIIIAAAATTTTIIIIVVVVOOOO 
NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO 
MMMMOOOOTTTTOOOORRRR
======= NEURÔNIO ====== 
===== direção do impulso nervoso ======
http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores 
=== NEURÔNIOS=== 
Quanto à posição 
NEURÔNIO AFERENTE 
Conduz o impulso nervoso do 
receptor para o SNC. 
Responsável por levar 
informações da superfície do 
corpo para o interior. 
Relaciona o meio interno com o 
meio externo. 
NEURÔNIO EFERENTE 
Conduz o impulso nervoso do 
SNC ao efetuador (músculo ou 
glândula). 
NEURÔNIO 
INTERNUNCIAL OU DE 
ASSOCIAÇÃO 
Faz a união entre os dois tipos 
anteriores. O corpo celular deste 
está sempre dentro do SNC.
22 
CÉLULAS DA GLIA 
• São células lábeis capazes de exercer uma importância vital aos 
neurônios, sendo a principal função a Nutrição. 
• Não produzem potencial de ação. 
ASTRÓCITOS ....................... Nutrição e metabolismo 
MACRÓGLIA 
CÉLULAS EPENDIMÁRIAS ........Revestimento dos 
Ventrículos cerebrais e do canal espinhal 
OLIGODENDRÓLIA .................. Síntese de mielina 
MICRÓGLIA 
HORTEGÁGLIA .................. Células de limpeza
23 
CÉLULAS DA GLIA 
http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores
Células do Sistema Nervoso: Glia ou Neuróglia 
Oligodendrócitos 
Bainha isolante 
(Bainha de mielina) das 
fibras nervosas no SNC 
Células de Schwann 
Bainha isolante 
(Bainha de mielina) das 
fibras nervosas no SNP 
Astrócitos 
Associado aos capilares 
 Suporte nutricional e 
físico aos neurônios
S 
I 
N 
A 
P 
S 
E
SINAPSES e TRANSMISSÃO DOS 
IMPULSOS NERVOSOS 
 Regiões de comunicação (microespaço) entre os 
neurônios, ou mesmo entre neurônios e células 
musculares e neurônios e células epiteliais glandulares. 
 Pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se 
encontram e o estímulo passa de um neurônio para o 
seguinte por meio de mediadores físico-químicos, os 
neurotransmissores. 
 Sentido da propagação: Dendritos – corpo celular - axônio.
SSSSiiiinnnnaaaappppsssseeee:::: llllooooccccaaaallll ddddeeee 
ccccoooommmmuuuunnnniiiiccccaaaaççççããããoooo eeeennnnttttrrrreeee 
nnnneeeeuuuurrrrôôôônnnniiiioooossss oooouuuu eeeennnnttttrrrreeee 
nnnneeeeuuuurrrrôôôônnnniiiioooossss eeee oooouuuuttttrrrraaaassss ccccéééélllluuuullllaaaassss 
((((mmmmúúúússssccccuuuulllloooossss,,,, ppppoooorrrr eeeexxxx....)))) 
MMMMIIIITTTTOOOOCCCCÔÔÔÔNNNNDDDDRRRRIIIIAAAASSSS 
MMMMIIIIOOOOFFFFIIIIBBBBRRRRIIIILLLLAAAA 
PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee AAAAççççããããoooo 
VVVVeeeessssííííccccuuuullllaaaassss SSSSiiiinnnnááááppppttttiiiiccccaaaassss 
FFFFeeeennnnddddaaaa SSSSiiiinnnnááááppppttttiiiiccccaaaa 
NNNNeeeeuuuurrrroooottttrrrraaaannnnssssmmmmiiiissssssssoooorrrreeeessss 
AAAAxxxxôôôônnnniiiioooo 
PPPPrrrrooootttteeeeíííínnnnaaaassss 
SSSSIIIINNNNAAAAPPPPSSSSEEEE QQQQUUUUÍÍÍÍMMMMIIIICCCCAAAA  NNNNeeeeuuuurrrroooottttrrrraaaannnnssssmmmmiiiissssssssoooorrrreeeessss:::: 
AAAAcccceeeettttiiiillllccccoooolllliiiinnnnaaaa,,,, aaaaddddrrrreeeennnnaaaalllliiiinnnnaaaa 
DDDDooooppppaaaammmmiiiinnnnaaaa,,,, sssseeeerrrroooottttoooonnnniiiinnnnaaaa 
1111.... RRRReeeemmmmooooççççããããoooo ddddoooossss rrrreeeecccceeeeppppttttoooorrrraaaassss 
nnnneeeeuuuurrrroooottttrrrraaaannnnssssmmmmiiiissssssssoooorrrreeeessss 
((((eeeennnnzzzziiiimmmmaaaassss)))) 
2222.... AAAAggggeeeennnntttteeeessss qqqquuuueeee iiiimmmmppppeeeeddddeeeemmmm 
eeeessssttttaaaa rrrreeeemmmmooooççççããããoooo
NEUROTRANSMISSORES
31 
NEUROTRANSMISSORES 
São substâncias encontradas em vesículas próximas as 
sinapses, de natureza química variada, que ao serem 
liberadas pela fibra pré-sináptica na fenda sináptica 
estimulam ou inibem a fibra pós-sináptica. 
CLASSE I .......... Acetil colina 
Noradrenalina (neurônios pós-ganglionares) 
CLASSE II .....................................Adrenalina (medula da adrenal e cérebro) 
Dopamina 
Serotonina 
GABA 
CLASSE III ...............AMINOÁCIDOS Glicina 
Glutamato 
CLASSE IV ............................ PEPTÍDEOS HIPOTALÂMICOS, HIPOFISÁRIOS, DE 
AÇÃO INTESTINAL E CEREBRAL.
Neurotransmissores 
 Dopamina: controla níveis de estimulação e 
controle motor; 
 Serotonina: efeitos no humor, ansiedade e 
agressão (bem-estar); 
 Acetilcolina: atenção, aprendizagem e 
memória; 
 Noradrenalina: excitação física e mental, bom 
humor , mediadora de batimentos cardíacos, 
pressão sanguínea.
Sistema Nervoso Periférico - SNP 
• Com base na sua estrutura e função, o sistema 
nervoso periférico pode ainda subdividir-se em 
duas partes: o sistema nervoso somático e 
o sistema nervoso autônomo ou de vida 
vegetativa. 
• As ações voluntárias resultam da contração de 
músculos estriados esqueléticos, que estão sob o 
controle do sistema nervoso periférico voluntário 
ou somático. Já as ações involuntárias resultam da 
contração das musculaturas lisa e cardíaca, 
controladas pelo sistema nervoso periférico 
autônomo, também chamado involuntário ou 
visceral.
Sistema Nervoso Autônomo
Sistema Simpático 
• Controlar grau de vasoconstrição da pele (perda de 
calor) 
• Controle intensidade da sudorese 
• Frequência cardíaca – Aumento da pressão arterial 
• Inibição de secreções e movimentos 
gastrintestinais 
• Aumento do metabolismo
Sistema Parassimpático 
• Focalização dos olhos 
• Secreção salivar 
• Frequência cardíaca 
• Secreção gástrica 
• Secreção pancreática 
• Contrações gastrintestinais 
• Esvaziamento da bexiga e reto
A R C O R E F L E X O 
- ação involuntária rápida, 
- consciente ou não 
- visa uma proteção ou adaptação do organismo, quando este recebe - 
- um estímulo periférico 
http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso5.asp#reflexo 
COMPONENTES BASICOS - Todos os arcos reflexos 
contem 5 componentes básicos necessários para sua 
função normal. 
1 - RECEPTOR - captam alguma energia ambiental e a 
transformam em Potencial de Ação (EX: luz na retina, 
calor, frio e pressão na pele; estiramento pelos 
receptores do fuso muscular) 
2 - NERVO SENSORIAL - Conduz o P.A. do receptor 
até a sinápse no SNC entrando na medula pela raiz 
dorsal. 
3 - SINAPSE - podendo ser monossinaptica ou 
polissinaptica 
4 - NERVO MOTOR - conduz o P.A. do SNC para o 
órgão efetuador saindo da medula pela raiz ventral. 
Transforma um impulso elétrico em ação mecânica. 
5 - ORGAO ALVO OU EFETUADOR - normalmente é 
um músculo 
**** Os reflexos podem ser usados para avaliar clinicamente o Sistema Nervoso, pois quando se testa um 
reflexo, em verdade se está testando seus componentes básicos.
COMO FUNCIONA 
• Os neurônios sensitivos de nossa pele captam 
o estímulo e a conduzem através do nervo 
aferente ou sensitivo até a medula ou até o 
encéfalo. 
• Nestes centros coordenadores, o impulso 
passa através de sinapses para o nervo 
eferente ou motor, que esta ligado aos 
músculos, realizando a ação
ESTRUTURAS DO ARCO REFLEXO
POTENCIAL DA MEMBRANA
PROPAGAÇÃO PPPRRROOOPPPAAAGGGAAAÇÇÇÃÃÃOOO DDDDOOOO IIIIMMMMPPPPUUUULLLLSSSSOOOO NNNNEEEERRRRVVVVOOOOSSSSOOOO 
- - - - - - - 
+ + + + + 
- - - - - - - 
+ + + + + 
- - - - - - - 
+ + + + + 
+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + ++ + + + + + + + + + + + + + + 
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 
PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee rrrreeeeppppoooouuuussssoooo:::: ddddiiiiffffeeeerrrreeeennnnççççaaaa ddddeeee ppppooootttteeeennnncccciiiiaaaallll eeeennnnttttrrrreeee aaaa ssssuuuuppppeeeerrrrffffíííícccciiiieeee eeeexxxxtttteeeerrrrnnnnaaaa eeee 
iiiinnnntttteeeerrrrnnnnaaaa,,,, mmmmaaaannnnttttiiiiddddaaaa ppppeeeellllaaaa BBBBoooommmmbbbbaaaa NNNNaaaa////KKKK 
PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee aaaaççççããããoooo:::: iiiinnnnvvvveeeerrrrssssããããoooo ((((ddddeeeessssppppoooollllaaaarrrriiiizzzzaaaaççççããããoooo)))) ddddoooo ppppooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee rrrreeeeppppoooouuuussssoooo,,,, 
ooooccccaaaassssiiiioooonnnnaaaaddddoooo ppppeeeellllaaaa mmmmuuuuddddaaaannnnççççaaaa tttteeeemmmmppppoooorrrráááárrrriiiiaaaa ddddeeee ppppeeeerrrrmmmmeeeeaaaabbbbiiiilllliiiiddddaaaaddddeeee aaaaoooossss ííííoooonnnnssss NNNNaaaa////KKKK
CCCCOOOONNNNDDDDUUUUÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO SSSSAAAALLLLTTTTAAAATTTTÓÓÓÓRRRRIIIIAAAA 
PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee AAAAççççããããoooo CCCCoooonnnndddduuuuççççããããoooo ssssaaaallllttttaaaattttóóóórrrriiiiaaaa 
MMMMiiiieeeelllliiiinnnnaaaa 
AAAAxxxxôôôônnnniiiioooo
Uma vez gerado, o potencial de açâo propaga-se 
em direção ao terminal axônico.
CONDUÇAO OU PROPAGAÇAO DO IMPULSO NERVOSO
POTENCIAL DE AÇAO NAS FIBRAS MIELINIZADAS 
Nas fibras mielinizadas o PA só se 
desenvolve nos nodos de Ranvier. Sob a 
bainha não há canais de sódio e de potássio 
voltagem dependentes. 
Consequência: aumento na velocidade de 
condução do impulso nervoso
• As terminações de um axônio podem estabelecer muitas 
sinapses simultâneas. 
• Na maioria das sinapses nervosas, as membranas das 
células que fazem sinapses estão muito próximas, mas 
não se tocam. Há um pequeno espaço entre as 
membranas celulares (o espaço sináptico ou fenda 
sináptica). 
• Quando os impulsos nervosos atingem as extremidades 
do axônio da célula pré-sináptica, ocorre liberação, nos 
espaços sinápticos, de substâncias químicas 
denominadas neurotransmissores ou mediadores 
químicos, que tem a capacidade de se combinar com 
receptores presentes na membrana das célula pós-sináptica, 
desencadeando o impulso nervoso. Esse tipo 
de sinapse, por envolver a participação de mediadores 
químicos, é chamado sinapse química.
LLLLOOOOBBBBOOOOSSSS CCCCEEEERRRREEEEBBBBRRRRAAAAIIIISSSS 
Área motora voluntária 
LOBO FRONTAL: 
Pensamento 
ÁREA DE BROCA 
Parte motora 
da fala 
SULCO CENTRAL Tato e outras áreas 
sensoriais 
LOBO PARIETAL 
Área de interpretação 
LOBO OCCIPTAL 
Visão 
CEREBELO 
Equilíbrio 
PONTE e BULBO 
respiração e 
batimentos cardíacos
Imagem: McCRONE, JOHN. Como o cérebro funciona. Série Mais Ciência. São Paulo, Publifolha, 2002.
CNIDÁRIOS 
Membros do filo dos celenterados, tais como águas-vivas e 
hidras, têm um sistema nervoso simples e difuso. Ela é 
formada por neurônios, ligados por sinapses ou conexões 
celulares. A rede neural é centralizada ao redor da boca, mas 
não há um agrupamento anatômico de neurônios. Algumas 
águas-vivas possuem neurônios sensoriais com os quais 
podem perceber luz, movimento, ou gravidade.
Platelmintos e nematoides 
Possuem um par de gânglios cerebrais ligados a dois cordões 
nervosos longitudinais, de onde partem os nervos. 
Fotorreceptores nos ocelos captam informação sensorial sobre 
luz e escuridão. Porém, os ocelos não são capazes de formar 
imagens. Os platelmintos foram os primeiros animais na 
escala evolutiva a apresentarem um processo de cefalização. 
A partir dos platelmintos até os equinodermos, o sistema 
nervoso é ganglionar ventral.
Moluscos 
• O sistema nervoso ganglionar: composto, basicamente, 
por um anel de nervos ao redor do esôfago e uma série de 
cordões nervosos que seguem para as demais regiões do 
corpo. O sistema sensorial é muito variado e depende do 
grupo. Alguns possuem estruturas, chamadas estatocistos, 
capazes de perceber variações ambientais, outros possuem 
tentáculos sensoriais e olhos. 
Não é possível exibir esta imagem no momento.
Anelídeos 
• Sistema nervoso constituído por uma par de gânglios 
cerebrais e por dois cordões nervosos ventrais, com 
um par de gânglios por metâmeros.
Artrópodes 
Sistema nervoso constituído de uma série de 
gânglios conectados por uma corda nervosa ventral 
feita de conectores paralelos. Muitos artrópodes 
possuem órgãos sensoriais bem desenvolvidos, 
incluindo olhos compostos para visão e antenas para 
olfato e percepção de feromônios. A informação 
sensorial destes órgãos é processada pelo cérebro
Equinodermos 
• Sistema nervoso consiste em um anel 
nervoso situado em torno da boca, do qual 
partem cinco nervos radiais, que se 
ramificam e atingem todo o corpo. 
• Radial Simples

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaMarília Gomes
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoMarco Antonio
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologiaIeda Dorneles
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascularCésar Milani
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaMarília Gomes
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaHerbert Santana
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfáticoCatir
 
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Bio
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 

Mais procurados (20)

Sistema nervoso
Sistema nervoso Sistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Aula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - NeuroanatomiaAula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - Neuroanatomia
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Sistema sensorial humano
Sistema sensorial humanoSistema sensorial humano
Sistema sensorial humano
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 

Destaque (20)

Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
 
DOI-Digital Object Identifier: introdução (CrossRef)
DOI-Digital Object Identifier: introdução (CrossRef)DOI-Digital Object Identifier: introdução (CrossRef)
DOI-Digital Object Identifier: introdução (CrossRef)
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso 1
Sistema nervoso 1Sistema nervoso 1
Sistema nervoso 1
 
Física 1º ano prof. pedro ivo - (gráfico da função horária da velocidade do...
Física 1º ano   prof. pedro ivo - (gráfico da função horária da velocidade do...Física 1º ano   prof. pedro ivo - (gráfico da função horária da velocidade do...
Física 1º ano prof. pedro ivo - (gráfico da função horária da velocidade do...
 
Revisao zoologia
Revisao zoologiaRevisao zoologia
Revisao zoologia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2Neurofisiologia 2
Neurofisiologia 2
 
Neuronios grupo 1 12 b
Neuronios   grupo 1 12 bNeuronios   grupo 1 12 b
Neuronios grupo 1 12 b
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
 
Aula sobre sistema Neural - Fisiologia
Aula sobre sistema Neural - FisiologiaAula sobre sistema Neural - Fisiologia
Aula sobre sistema Neural - Fisiologia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Líquido cerebrospinal
Líquido cerebrospinal Líquido cerebrospinal
Líquido cerebrospinal
 
Os neurónios
Os neuróniosOs neurónios
Os neurónios
 
Sistema nervoso 130805
Sistema nervoso   130805Sistema nervoso   130805
Sistema nervoso 130805
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃO
 

Semelhante a Sistema Nervoso Central e Periférico em

Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Ivair Mjr
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervosoSimone Alvarenga
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxEsterCome1
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosopropazleite
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulabymau90
 
Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Maíra Cerqueira
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPgarciabohrerdaniel
 
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffffmariagrave
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoLuis Silio
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoLuis Silio
 

Semelhante a Sistema Nervoso Central e Periférico em (20)

Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
Sistemanervoso 1-alterado-140608121341-phpapp01
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
 
Aula Sistema Nervoso
Aula Sistema NervosoAula Sistema Nervoso
Aula Sistema Nervoso
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervoso
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Anatomia - Sistema nervoso
Anatomia - Sistema nervosoAnatomia - Sistema nervoso
Anatomia - Sistema nervoso
 
Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.
 
sistema-nervoso-1.pptx
sistema-nervoso-1.pptxsistema-nervoso-1.pptx
sistema-nervoso-1.pptx
 
Sistema Nervoso.ppt
Sistema Nervoso.pptSistema Nervoso.ppt
Sistema Nervoso.ppt
 
Sist. nervoso
Sist. nervosoSist. nervoso
Sist. nervoso
 
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USPSlides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
Slides SNA - Profa.Glauce Crivelaro - USP
 
Aula sm (sn)
Aula sm (sn)Aula sm (sn)
Aula sm (sn)
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
12_mch9_nervoso.pptx fffffffffffffffffffffffffffffff
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Mais de César Milani

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfCésar Milani
 
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfCésar Milani
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfCésar Milani
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfCésar Milani
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdfCésar Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfCésar Milani
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACésar Milani
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivoCésar Milani
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial César Milani
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoCésar Milani
 
Núcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasNúcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasCésar Milani
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaCésar Milani
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSCésar Milani
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoCésar Milani
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6César Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1César Milani
 

Mais de César Milani (20)

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
 
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
 
ÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOSÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOS
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Núcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasNúcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínas
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membrana
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirão
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
ÁCIDOS NUCLEICOS-PARTE 1
 
Resumo pas 1 em
Resumo pas 1 emResumo pas 1 em
Resumo pas 1 em
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

Sistema Nervoso Central e Periférico em

  • 2. O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições internas e elaborar respostas que adaptem a essas condições.
  • 3. Organização do Sistema Nervoso Humano Divisão Partes Funções Gerais Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Encéfalo e Medula Espinhal Nervos e gânglios Processamento e Integração de informações Condução de informações entre órgão receptores de estímulos, o SNC e órgãos efetores (músculos, por ex.)
  • 5. Composição do Sistema Nervoso • A substância cinzenta é composta de corpos de neurônios, enquanto que a branca é composta de axônios e a cor branca reflete a gordura, bainha de mielina que envolve o axônio.
  • 7.
  • 8. CEREBELO -Tônus muscular - Equilíbrio - Coordena contrações musculares comandadas pelo cérebro
  • 9.
  • 10. PONTE Serve de passagem para os impulsos nervosos que vão ao cérebro; reflexos das emoções. é transmitir as informações da medula e do bulbo até o córtex cerebral. Faz conexão com centros hierarquicamente superiores.
  • 11. BULBO O bulbo tem a função relacionada com a respiração e é considerado um centro vital. Também está relacionado com os reflexos cardiovasculares e transmissão de informações sensoriais e motoras.
  • 12. MEDULA ESPINHAL • Tem cerca de 1cm de diâmetro e 45cm de comprimento; • Centro nervoso de atos involuntários; • Veículo condutor de impulsos nervosos. • Há 31 pares de nervos raquidianos.
  • 14. PROTEÇÕES DO SNC - Por ossos
  • 15. PROTEÇÕES DO SNC - Por meninges (=membranas)
  • 16. ESTRUTURA EEESSSTTTRRRUUUTTTUUURRRAAA BBBBÁÁÁÁSSSSIIIICCCCAAAA DDDDOOOO NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO CCCCOOOORRRRPPPPOOOO CCCCEEEELLLLUUUULLLLAAAARRRR DDDDEEEENNNNDDDDRRRRIIIITTTTOOOOSSSSAAAAXXXXÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO NNNNúúúúcccclllleeeeoooo BBBBaaaaiiiinnnnhhhhaaaa ddddeeee mmmmiiiieeeelllliiiinnnnaaaa CCCCéééélllluuuullllaaaa ddddeeee SSSScccchhhhwwwwaaaannnnnnnn AAAAxxxxôôôônnnniiiioooo BBBBaaaaiiiinnnnhhhhaaaa ddddeeee mmmmiiiieeeelllliiiinnnnaaaa NNNNóóóódddduuuulllloooo ddddeeee RRRRaaaannnnvvvviiiieeeerrrr
  • 17. Imagem: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos de Biologia. São Paulo, Ed. Moderna, 2001. vol. 2.
  • 18. Corpo celular – núcleo e maioria das organelas citoplasmáticas Dendritos – ramificações do corpo celular. Função: captar estímulos Bainha de Mielina – células de Schwann que se enrolam no axônio. Isolante elétrico Axônio – maior prolongamento. Presença de vesículas com neurotransmissores na porção terminal Nódulo de Ranvier – regiões do axônio não recobertas por bainha
  • 19. TTTTIIIIPPPPOOOOSSSS DDDDEEEE NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOOSSSS DDDDEEEENNNNDDDDRRRRIIIITTTTOOOOSSSS CCCCOOOORRRRPPPPOOOO CCCCEEEELLLLUUUULLLLAAAARRRR CORPO CELULAR CCCOOORRRPPPOOO CCCEEELLLUUULLLAAARRR CCCCOOOORRRRPPPPOOOO CCCCEEEELLLLUUUULLLLAAAARRRR DDDDEEEENNNNDDDDRRRRIIIITTTTOOOOSSSS DDDDiiiirrrreeeeççççããããoooo ddddaaaa ccccoooonnnndddduuuuççççããããoooo AXÔNIO AAAXXXÔÔÔNNNIIIOOO AAAAXXXXÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO AAAAXXXXÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO SSSSEEEENNNNSSSSOOOORRRRIIIIAAAALLLL NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO AAAASSSSSSSSOOOOCCCCIIIIAAAATTTTIIIIVVVVOOOO NNNNEEEEUUUURRRRÔÔÔÔNNNNIIIIOOOO MMMMOOOOTTTTOOOORRRR
  • 20. ======= NEURÔNIO ====== ===== direção do impulso nervoso ======
  • 21. http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores === NEURÔNIOS=== Quanto à posição NEURÔNIO AFERENTE Conduz o impulso nervoso do receptor para o SNC. Responsável por levar informações da superfície do corpo para o interior. Relaciona o meio interno com o meio externo. NEURÔNIO EFERENTE Conduz o impulso nervoso do SNC ao efetuador (músculo ou glândula). NEURÔNIO INTERNUNCIAL OU DE ASSOCIAÇÃO Faz a união entre os dois tipos anteriores. O corpo celular deste está sempre dentro do SNC.
  • 22. 22 CÉLULAS DA GLIA • São células lábeis capazes de exercer uma importância vital aos neurônios, sendo a principal função a Nutrição. • Não produzem potencial de ação. ASTRÓCITOS ....................... Nutrição e metabolismo MACRÓGLIA CÉLULAS EPENDIMÁRIAS ........Revestimento dos Ventrículos cerebrais e do canal espinhal OLIGODENDRÓLIA .................. Síntese de mielina MICRÓGLIA HORTEGÁGLIA .................. Células de limpeza
  • 23. 23 CÉLULAS DA GLIA http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores
  • 24.
  • 25. Células do Sistema Nervoso: Glia ou Neuróglia Oligodendrócitos Bainha isolante (Bainha de mielina) das fibras nervosas no SNC Células de Schwann Bainha isolante (Bainha de mielina) das fibras nervosas no SNP Astrócitos Associado aos capilares Suporte nutricional e físico aos neurônios
  • 26. S I N A P S E
  • 27. SINAPSES e TRANSMISSÃO DOS IMPULSOS NERVOSOS Regiões de comunicação (microespaço) entre os neurônios, ou mesmo entre neurônios e células musculares e neurônios e células epiteliais glandulares. Pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores físico-químicos, os neurotransmissores. Sentido da propagação: Dendritos – corpo celular - axônio.
  • 28.
  • 29. SSSSiiiinnnnaaaappppsssseeee:::: llllooooccccaaaallll ddddeeee ccccoooommmmuuuunnnniiiiccccaaaaççççããããoooo eeeennnnttttrrrreeee nnnneeeeuuuurrrrôôôônnnniiiioooossss oooouuuu eeeennnnttttrrrreeee nnnneeeeuuuurrrrôôôônnnniiiioooossss eeee oooouuuuttttrrrraaaassss ccccéééélllluuuullllaaaassss ((((mmmmúúúússssccccuuuulllloooossss,,,, ppppoooorrrr eeeexxxx....)))) MMMMIIIITTTTOOOOCCCCÔÔÔÔNNNNDDDDRRRRIIIIAAAASSSS MMMMIIIIOOOOFFFFIIIIBBBBRRRRIIIILLLLAAAA PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee AAAAççççããããoooo VVVVeeeessssííííccccuuuullllaaaassss SSSSiiiinnnnááááppppttttiiiiccccaaaassss FFFFeeeennnnddddaaaa SSSSiiiinnnnááááppppttttiiiiccccaaaa NNNNeeeeuuuurrrroooottttrrrraaaannnnssssmmmmiiiissssssssoooorrrreeeessss AAAAxxxxôôôônnnniiiioooo PPPPrrrrooootttteeeeíííínnnnaaaassss SSSSIIIINNNNAAAAPPPPSSSSEEEE QQQQUUUUÍÍÍÍMMMMIIIICCCCAAAA NNNNeeeeuuuurrrroooottttrrrraaaannnnssssmmmmiiiissssssssoooorrrreeeessss:::: AAAAcccceeeettttiiiillllccccoooolllliiiinnnnaaaa,,,, aaaaddddrrrreeeennnnaaaalllliiiinnnnaaaa DDDDooooppppaaaammmmiiiinnnnaaaa,,,, sssseeeerrrroooottttoooonnnniiiinnnnaaaa 1111.... RRRReeeemmmmooooççççããããoooo ddddoooossss rrrreeeecccceeeeppppttttoooorrrraaaassss nnnneeeeuuuurrrroooottttrrrraaaannnnssssmmmmiiiissssssssoooorrrreeeessss ((((eeeennnnzzzziiiimmmmaaaassss)))) 2222.... AAAAggggeeeennnntttteeeessss qqqquuuueeee iiiimmmmppppeeeeddddeeeemmmm eeeessssttttaaaa rrrreeeemmmmooooççççããããoooo
  • 31. 31 NEUROTRANSMISSORES São substâncias encontradas em vesículas próximas as sinapses, de natureza química variada, que ao serem liberadas pela fibra pré-sináptica na fenda sináptica estimulam ou inibem a fibra pós-sináptica. CLASSE I .......... Acetil colina Noradrenalina (neurônios pós-ganglionares) CLASSE II .....................................Adrenalina (medula da adrenal e cérebro) Dopamina Serotonina GABA CLASSE III ...............AMINOÁCIDOS Glicina Glutamato CLASSE IV ............................ PEPTÍDEOS HIPOTALÂMICOS, HIPOFISÁRIOS, DE AÇÃO INTESTINAL E CEREBRAL.
  • 32. Neurotransmissores Dopamina: controla níveis de estimulação e controle motor; Serotonina: efeitos no humor, ansiedade e agressão (bem-estar); Acetilcolina: atenção, aprendizagem e memória; Noradrenalina: excitação física e mental, bom humor , mediadora de batimentos cardíacos, pressão sanguínea.
  • 33. Sistema Nervoso Periférico - SNP • Com base na sua estrutura e função, o sistema nervoso periférico pode ainda subdividir-se em duas partes: o sistema nervoso somático e o sistema nervoso autônomo ou de vida vegetativa. • As ações voluntárias resultam da contração de músculos estriados esqueléticos, que estão sob o controle do sistema nervoso periférico voluntário ou somático. Já as ações involuntárias resultam da contração das musculaturas lisa e cardíaca, controladas pelo sistema nervoso periférico autônomo, também chamado involuntário ou visceral.
  • 35. Sistema Simpático • Controlar grau de vasoconstrição da pele (perda de calor) • Controle intensidade da sudorese • Frequência cardíaca – Aumento da pressão arterial • Inibição de secreções e movimentos gastrintestinais • Aumento do metabolismo
  • 36. Sistema Parassimpático • Focalização dos olhos • Secreção salivar • Frequência cardíaca • Secreção gástrica • Secreção pancreática • Contrações gastrintestinais • Esvaziamento da bexiga e reto
  • 37. A R C O R E F L E X O - ação involuntária rápida, - consciente ou não - visa uma proteção ou adaptação do organismo, quando este recebe - - um estímulo periférico http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso5.asp#reflexo COMPONENTES BASICOS - Todos os arcos reflexos contem 5 componentes básicos necessários para sua função normal. 1 - RECEPTOR - captam alguma energia ambiental e a transformam em Potencial de Ação (EX: luz na retina, calor, frio e pressão na pele; estiramento pelos receptores do fuso muscular) 2 - NERVO SENSORIAL - Conduz o P.A. do receptor até a sinápse no SNC entrando na medula pela raiz dorsal. 3 - SINAPSE - podendo ser monossinaptica ou polissinaptica 4 - NERVO MOTOR - conduz o P.A. do SNC para o órgão efetuador saindo da medula pela raiz ventral. Transforma um impulso elétrico em ação mecânica. 5 - ORGAO ALVO OU EFETUADOR - normalmente é um músculo **** Os reflexos podem ser usados para avaliar clinicamente o Sistema Nervoso, pois quando se testa um reflexo, em verdade se está testando seus componentes básicos.
  • 38. COMO FUNCIONA • Os neurônios sensitivos de nossa pele captam o estímulo e a conduzem através do nervo aferente ou sensitivo até a medula ou até o encéfalo. • Nestes centros coordenadores, o impulso passa através de sinapses para o nervo eferente ou motor, que esta ligado aos músculos, realizando a ação
  • 40.
  • 41.
  • 43. PROPAGAÇÃO PPPRRROOOPPPAAAGGGAAAÇÇÇÃÃÃOOO DDDDOOOO IIIIMMMMPPPPUUUULLLLSSSSOOOO NNNNEEEERRRRVVVVOOOOSSSSOOOO - - - - - - - + + + + + - - - - - - - + + + + + - - - - - - - + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + ++ + + + + + + + + + + + + + + _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee rrrreeeeppppoooouuuussssoooo:::: ddddiiiiffffeeeerrrreeeennnnççççaaaa ddddeeee ppppooootttteeeennnncccciiiiaaaallll eeeennnnttttrrrreeee aaaa ssssuuuuppppeeeerrrrffffíííícccciiiieeee eeeexxxxtttteeeerrrrnnnnaaaa eeee iiiinnnntttteeeerrrrnnnnaaaa,,,, mmmmaaaannnnttttiiiiddddaaaa ppppeeeellllaaaa BBBBoooommmmbbbbaaaa NNNNaaaa////KKKK PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee aaaaççççããããoooo:::: iiiinnnnvvvveeeerrrrssssããããoooo ((((ddddeeeessssppppoooollllaaaarrrriiiizzzzaaaaççççããããoooo)))) ddddoooo ppppooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee rrrreeeeppppoooouuuussssoooo,,,, ooooccccaaaassssiiiioooonnnnaaaaddddoooo ppppeeeellllaaaa mmmmuuuuddddaaaannnnççççaaaa tttteeeemmmmppppoooorrrráááárrrriiiiaaaa ddddeeee ppppeeeerrrrmmmmeeeeaaaabbbbiiiilllliiiiddddaaaaddddeeee aaaaoooossss ííííoooonnnnssss NNNNaaaa////KKKK
  • 44.
  • 45. CCCCOOOONNNNDDDDUUUUÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO SSSSAAAALLLLTTTTAAAATTTTÓÓÓÓRRRRIIIIAAAA PPPPooootttteeeennnncccciiiiaaaallll ddddeeee AAAAççççããããoooo CCCCoooonnnndddduuuuççççããããoooo ssssaaaallllttttaaaattttóóóórrrriiiiaaaa MMMMiiiieeeelllliiiinnnnaaaa AAAAxxxxôôôônnnniiiioooo
  • 46. Uma vez gerado, o potencial de açâo propaga-se em direção ao terminal axônico.
  • 47. CONDUÇAO OU PROPAGAÇAO DO IMPULSO NERVOSO
  • 48.
  • 49. POTENCIAL DE AÇAO NAS FIBRAS MIELINIZADAS Nas fibras mielinizadas o PA só se desenvolve nos nodos de Ranvier. Sob a bainha não há canais de sódio e de potássio voltagem dependentes. Consequência: aumento na velocidade de condução do impulso nervoso
  • 50.
  • 51. • As terminações de um axônio podem estabelecer muitas sinapses simultâneas. • Na maioria das sinapses nervosas, as membranas das células que fazem sinapses estão muito próximas, mas não se tocam. Há um pequeno espaço entre as membranas celulares (o espaço sináptico ou fenda sináptica). • Quando os impulsos nervosos atingem as extremidades do axônio da célula pré-sináptica, ocorre liberação, nos espaços sinápticos, de substâncias químicas denominadas neurotransmissores ou mediadores químicos, que tem a capacidade de se combinar com receptores presentes na membrana das célula pós-sináptica, desencadeando o impulso nervoso. Esse tipo de sinapse, por envolver a participação de mediadores químicos, é chamado sinapse química.
  • 52. LLLLOOOOBBBBOOOOSSSS CCCCEEEERRRREEEEBBBBRRRRAAAAIIIISSSS Área motora voluntária LOBO FRONTAL: Pensamento ÁREA DE BROCA Parte motora da fala SULCO CENTRAL Tato e outras áreas sensoriais LOBO PARIETAL Área de interpretação LOBO OCCIPTAL Visão CEREBELO Equilíbrio PONTE e BULBO respiração e batimentos cardíacos
  • 53. Imagem: McCRONE, JOHN. Como o cérebro funciona. Série Mais Ciência. São Paulo, Publifolha, 2002.
  • 54. CNIDÁRIOS Membros do filo dos celenterados, tais como águas-vivas e hidras, têm um sistema nervoso simples e difuso. Ela é formada por neurônios, ligados por sinapses ou conexões celulares. A rede neural é centralizada ao redor da boca, mas não há um agrupamento anatômico de neurônios. Algumas águas-vivas possuem neurônios sensoriais com os quais podem perceber luz, movimento, ou gravidade.
  • 55. Platelmintos e nematoides Possuem um par de gânglios cerebrais ligados a dois cordões nervosos longitudinais, de onde partem os nervos. Fotorreceptores nos ocelos captam informação sensorial sobre luz e escuridão. Porém, os ocelos não são capazes de formar imagens. Os platelmintos foram os primeiros animais na escala evolutiva a apresentarem um processo de cefalização. A partir dos platelmintos até os equinodermos, o sistema nervoso é ganglionar ventral.
  • 56. Moluscos • O sistema nervoso ganglionar: composto, basicamente, por um anel de nervos ao redor do esôfago e uma série de cordões nervosos que seguem para as demais regiões do corpo. O sistema sensorial é muito variado e depende do grupo. Alguns possuem estruturas, chamadas estatocistos, capazes de perceber variações ambientais, outros possuem tentáculos sensoriais e olhos. Não é possível exibir esta imagem no momento.
  • 57. Anelídeos • Sistema nervoso constituído por uma par de gânglios cerebrais e por dois cordões nervosos ventrais, com um par de gânglios por metâmeros.
  • 58. Artrópodes Sistema nervoso constituído de uma série de gânglios conectados por uma corda nervosa ventral feita de conectores paralelos. Muitos artrópodes possuem órgãos sensoriais bem desenvolvidos, incluindo olhos compostos para visão e antenas para olfato e percepção de feromônios. A informação sensorial destes órgãos é processada pelo cérebro
  • 59. Equinodermos • Sistema nervoso consiste em um anel nervoso situado em torno da boca, do qual partem cinco nervos radiais, que se ramificam e atingem todo o corpo. • Radial Simples