SlideShare uma empresa Scribd logo
Principais doenças da Região 
Centro-Oeste 
Turma: 801 
Guilherme Lube 
Júlia Venancio 
Alexandre Barroca 
Patrick Aguiar 
Liandra Curopos 
Luana Copeli 
Leonardo Maximo
Tuberculose 
A tuberculose chamada antigamente de 
"peste cinzenta" é uma das doenças infecciosas 
documentadas desde mais longa data e que 
continua a afligir a Humanidade nos dias atuais. 
A tuberculose é considerada uma doença socialmente 
determinada, pois sua ocorrência está diretamente 
associada à forma como se organizam os processos 
de produção e de reprodução social. Em diversos 
países houve a ideia de que por volta de 2010 a 
doença estaria controlada e inexistente. No entanto, 
o advento do HIV e da AIDS mudaram.
Causador e Transmissor 
●A tuberculose no geral é causada por uma 
infecção por Mycobacterium tuberculosis 
ou Bacilo de Koch. Outras espécies de 
microbactérias também podem causar a 
tuberculose. 
● A transmissão da tuberculose é direta, 
de pessoa a pessoa, portanto, a 
aglomeração de pessoas é o principal 
fator de transmissão. A pessoa com 
tuberculose expele, ao falar, espirrar ou 
tossir, pequenas gotas de saliva que 
contêm o agente infeccioso e podem ser 
aspiradas por outro indivíduo 
contaminando-o. Má alimentação, falta 
de higiene, tabagismo, alcoolismo ou 
qualquer outro fator que gere baixa 
resistência orgânica, também favorece o 
estabelecimento da tuberculose.
Sintomas 
Alguns pacientes não exibem nenhum indício 
da tuberculose, outros apresentam 
sintomas aparentemente simples que são 
ignorados. Contudo, na maioria dos 
infectados com tuberculose, os sintomas 
mais frequentes são: 
- Tosse seca contínua, depois com 
presença de secreção transformando– se, 
na maioria das vezes, em uma tosse com 
pus ou sangue. 
- Cansaço excessivo 
- Febre baixa geralmente à tarde 
- Falta de apetite 
- Palidez 
- Rouquidão 
- Fraqueza 
Os casos graves de tuberculose 
apresentam: 
- Dificuldade na respiração 
- Eliminação de grande quantidade de 
sangue 
- Colapso do pulmão 
- Acúmulo de pus na pleura (membrana 
que reveste o pulmão) e se houver 
comprometimento dessa membrana, pode 
ocorrer dor torácica.
Tratamento e Prevenção 
● Para se prevenir da tuberculose 
recomenda-se tomar a vacina da 
tuberculose (BCG) ainda na infância. 
Mesmo tomando a vacina o indivíduo 
pode ser contaminado e desenvolver a 
doença se houver algum comprometi-mento 
do sistema imunológico. 
● Indivíduos amigos ou familiares de 
pacientes diagnosticados com a 
tuberculose devem evitar permanecer no 
mesmo local que o doente tuberculoso e 
recomenda-se que o paciente use 
continuamente a máscara respiratória e 
lenços de papel descartável sempre que 
tossir ou espirrar. 
● O tratamento da tuberculose à base 
de antibióticos é 100% eficaz, no 
entanto, não pode haver abandono. A 
cura da tuberculose leva seis meses, 
mas muitas vezes o paciente não 
recebe o devido esclarecimento e 
acaba desistindo antes do tempo.
Endemia e Epidemia 
Persistência de problemas como a desnutrição e doenças endêmicas, a 
exemplo da Tuberculose . O número anual de novos casos de tuberculose é 
estimado em cerca de 8,7 milhões no Brasil. 
Goiás e o Distrito Federal tiveram epidemia no ano de 2006 com 7.063 
mortos.
Leishmaniose 
Também conhecida como Leishmaníase, 
a leishmaniose é uma doença crônica, de 
manifestação cutânea (Forma mais comum) ou 
visceral. 
No Brasil existem atualmente 7 espécies 
de Leishmania responsáveis pela doença humana.
Causador e Transmissor 
●Causador da doença: Protozoário Leishmania 
●A leishmaniose é transmitida por insetos hematófagos (que se 
alimentam de sangue). 
●As fontes de infecção das leishmanioses são, principalmente, os animais 
silvestres e os insetos flebotomíneos que abrigam o parasita em seu tubo 
digestivo, porém, o hospedeiro também pode ser o cão doméstico.
Sintomas 
-Leishmaniose visceral: 
● Febre prolongada 
● Anemia 
● Indisposição 
● Palidez da pele e/ou das 
mucosas 
● Falta de apetite 
● Perda de peso 
● Inchaço do abdômen devido ao 
aumento do fígado e do baço 
-Leishmaniose cutânea: 
● Duas a três semanas após a 
picada pelo flebótomo aparece 
uma pequena elevação da pele 
avermelhada que vai 
aumentando de tamanho até 
formar uma ferida recoberta por 
crosta ou secreção purulenta. A 
doença também pode se 
manifestar como lesões 
inflamatórias nas mucosas do 
nariz ou da boca.
Tratamento e Prevenção 
● O SUS oferece tratamento 
específico e gratuito para a 
doença. O tratamento é feito 
com uso de medicamentos 
específicos a base de antimônio, 
repouso e uma boa alimentação. 
● Fazer dedetização, quando 
indicada pelas autoridades de 
saúde. 
● Utilizar repelentes na pele, 
quando estiver em matas de 
áreas onde há a doença. 
● Usar mosquiteiros para dormir 
● Usar telas protetoras em janelas 
e portas 
● Eliminar cães com diagnóstico 
positivo para leishmaniose 
visceral, para evitar o 
aparecimento de casos 
humanos.
Epidemia e endemia 
●Mato Grosso do Sul (região 
centro-oeste),houve um 
caso de epidemia em 2009 
com 475 mortos por 
leishmaniose. 
●As leishmanioses (visceral e 
tegumentar),vêm 
expandindo sua área de 
ocorrência.
Doença de Chagas 
A enfermidade foi nomeada em homenagem ao médico 
e epidemiologista brasileiro Carlos Chagas, que foi o 
primeiro a descrevê-la. A maioria das pessoas com a 
doença são indivíduos de baixa renda e grande parte das 
pessoas com a doença não percebem que estão 
infectadas. As casas feitas de pau a pique foram durante 
muitos anos associadas ao inseto barbeiro, transmissor da 
Doença de Chagas.
Causador e Transmissor 
● A doença de Chagas é causada 
pelo Trypanosoma cruzi, um 
parasita. 
● Ela é disseminada por insetos 
reduvídeos (tipos de besouros) e é 
um dos maiores problemas de 
saúde na América do Sul. O nome 
científico do inseto é Triatoma 
infestanis, mas no Brasil são 
conhecidas mais de 30 espécies 
que transmitem a doença de 
Chagas. 
● O homem é infectado pelas fezes contaminadas 
(contendo Trypanosoma cruzi) do barbeiro no 
momento da picada.
Sintomas 
Estágio agudo 
-A fase aguda pode apresentar 
sintomas moderados ou 
nenhum sintoma. Os sintomas 
incluem: 
● Febre 
● Mal-estar 
● Inchaço de um olho 
● Inchaço e vermelhidão no local 
da picada do inseto 
Estágio crônico 
-Passada a fase aguda, a doença 
entra em remissão. Podem-se 
passar anos até que outros 
sintomas apareçam. Quando os 
sintomas finalmente se 
desenvolverem, eles podem 
incluir: 
• Constipação 
• Problemas digestivos 
• Dor no abdome 
• Dificuldades para engolir
Tratamento e Prevenção 
● Tanto o estagio agudo quanto o estagio 
crônico da doença devem ser tratadas. As 
crianças que nascem com a infecção 
também devem ser tratadas. 
● O tratamento para a doença de chagas é 
feito com a tomada de medicamentos 
antiparasitários, eficazes na eliminação do 
parasita do sistema sanguíneo 
● Quando o parasita já não se encontra 
presente na corrente sanguínea e fica 
alojado nos tecidos que formam os órgãos, 
ele pode gerar complicações no órgão 
afetado. Neste caso, o tratamento deverá 
ser direcionado para alívio dos sintomas 
causados pela doença, já que nesta fase 
não há cura para a doença de Chagas. Esse 
tratamento é indicado tanto para adultos 
quanto para crianças. 
● Controle de insetos com inseticidas e 
habitações com menos propensão de ter 
populações de insetos ajudam a controlar 
a disseminação da doença. 
● Os bancos de sangue na América Central e 
do Sul realizam testes em doadores para 
verificar a exposição ao parasita. Quando o 
resultado do teste é positivo, o sangue é 
descartado. A maioria dos bancos de 
sangue nos Estados Unidos começou a 
realizar o teste para verificar a presença da 
doença de Chagas em 2007. 
● E para maior eficácias deveriam ser 
extintas as casas de pau a pique que 
muitas vezes abrigam o Barbeiro.
Endemia e Epidemia 
● A incidência da doença de Chagas é grande na região 
centro-oeste. 
● A incidência da doença de Chagas, no Brasil, esteve alta na 
década de 1970, em torno de 100 mil novos casos por ano . 
Teresina enfrentava o problema, cidades próximas como 
São Luís, no Maranhão, Santarém, no Pará, Montes Claros, 
em Minas Gerais, e Corumbá, no Mato Grosso do Sul 
assistiam à emergência da epidemia. No Centro-Sul do país, 
as regiões de Campo Grande, Três Lagoas, na divisa com 
São Paulo, são atingidas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
Kelton Silva Sena
 
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptxDengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Alexandre Naime Barbosa
 
HanseníAse.Ppt
HanseníAse.PptHanseníAse.Ppt
HanseníAse.Ppt
guest0cc73a
 
Principais doenças do norte
Principais doenças do nortePrincipais doenças do norte
Principais doenças do norte
professorajulianafigueirdocamara
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema ImunológicoSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Turma Olímpica
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Laís Hildebrand
 
Regiao nordeste
Regiao nordesteRegiao nordeste
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Alexandre Naime Barbosa
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia
Pelo Siro
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
Jeferson de Paula
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Monara Bittencourt
 
Patologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitosPatologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitos
LarissaComparini
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
Ana Claudia Rodrigues
 
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Eduardo Borges
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
Alexandre Naime Barbosa
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Ronaldo Santana
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
profsempre
 

Mais procurados (20)

Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptxDengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
Dengue - Epidemiologia e Manejo InfectoNNE Out 2022 v2.pptx
 
HanseníAse.Ppt
HanseníAse.PptHanseníAse.Ppt
HanseníAse.Ppt
 
Principais doenças do norte
Principais doenças do nortePrincipais doenças do norte
Principais doenças do norte
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema ImunológicoSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Sistema Imunológico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Regiao nordeste
Regiao nordesteRegiao nordeste
Regiao nordeste
 
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Powerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologiaPowerpoint sobre epidemiologia
Powerpoint sobre epidemiologia
 
Epidemiologia descritiva
Epidemiologia descritivaEpidemiologia descritiva
Epidemiologia descritiva
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Patologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitosPatologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitos
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
 

Destaque

Doenças da região sudeste slides (1)
Doenças da região sudeste slides (1)Doenças da região sudeste slides (1)
Doenças da região sudeste slides (1)
professorajulianafigueirdocamara
 
Região Centro-Oeste
Região Centro-OesteRegião Centro-Oeste
Região Centro-Oeste
Bianca Toledo
 
Principais doenças do sul
Principais doenças do sulPrincipais doenças do sul
Principais doenças do sul
professorajulianafigueirdocamara
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
Prof. Francesco Torres
 
Danças Região Centro-Oeste
Danças Região Centro-OesteDanças Região Centro-Oeste
Danças Região Centro-Oeste
Luciane Ferro da Silva
 
Centro-Oeste
Centro-OesteCentro-Oeste
Centro-Oeste
Conceição Rosa
 
Região Centro Oeste
Região Centro OesteRegião Centro Oeste
Região Centro Oeste
André Moraes
 
Folclore Brasileiro, região centro-oeste
Folclore Brasileiro, região centro-oesteFolclore Brasileiro, região centro-oeste
Folclore Brasileiro, região centro-oeste
Diulha Colombo
 
Região centro oeste musicas e costumes
Região centro oeste musicas e costumesRegião centro oeste musicas e costumes
Região centro oeste musicas e costumes
Arlete Laenzlinger
 
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexoProjeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
familiaestagio
 
Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...
Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...
Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...
Marco Aurélio Gondim
 
Estudos regionais
Estudos regionaisEstudos regionais
Estudos regionais
rafaelsoro
 
XIV Feira Cultural
XIV Feira CulturalXIV Feira Cultural
XIV Feira Cultural
Tania Maia
 
Região centro oeste do brasil
Região centro oeste do brasilRegião centro oeste do brasil
Região centro oeste do brasil
HelenPerez08
 
Relatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e Geografia
Relatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e GeografiaRelatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e Geografia
Relatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e Geografia
Escola Estadual Alonso de Morais Andrade
 
Projeto Ar feira cultural
Projeto Ar feira culturalProjeto Ar feira cultural
Projeto Ar feira cultural
Prefeitura Municipal de Tamarana-PR
 
Desafio profissional pronto
Desafio profissional prontoDesafio profissional pronto
Desafio profissional pronto
Cleuza Carus
 
Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
Leandro Freitas Menezes
 
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Feirenses
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
K Pavlichenko
 

Destaque (20)

Doenças da região sudeste slides (1)
Doenças da região sudeste slides (1)Doenças da região sudeste slides (1)
Doenças da região sudeste slides (1)
 
Região Centro-Oeste
Região Centro-OesteRegião Centro-Oeste
Região Centro-Oeste
 
Principais doenças do sul
Principais doenças do sulPrincipais doenças do sul
Principais doenças do sul
 
Região centro oeste
Região centro oesteRegião centro oeste
Região centro oeste
 
Danças Região Centro-Oeste
Danças Região Centro-OesteDanças Região Centro-Oeste
Danças Região Centro-Oeste
 
Centro-Oeste
Centro-OesteCentro-Oeste
Centro-Oeste
 
Região Centro Oeste
Região Centro OesteRegião Centro Oeste
Região Centro Oeste
 
Folclore Brasileiro, região centro-oeste
Folclore Brasileiro, região centro-oesteFolclore Brasileiro, região centro-oeste
Folclore Brasileiro, região centro-oeste
 
Região centro oeste musicas e costumes
Região centro oeste musicas e costumesRegião centro oeste musicas e costumes
Região centro oeste musicas e costumes
 
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexoProjeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
 
Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...
Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...
Atualidades Regiao Centro-Oeste - Migracoes e Conflitos Prof. Marco Aurelio G...
 
Estudos regionais
Estudos regionaisEstudos regionais
Estudos regionais
 
XIV Feira Cultural
XIV Feira CulturalXIV Feira Cultural
XIV Feira Cultural
 
Região centro oeste do brasil
Região centro oeste do brasilRegião centro oeste do brasil
Região centro oeste do brasil
 
Relatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e Geografia
Relatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e GeografiaRelatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e Geografia
Relatório da Bahia ! Trabalho de Feira de História e Geografia
 
Projeto Ar feira cultural
Projeto Ar feira culturalProjeto Ar feira cultural
Projeto Ar feira cultural
 
Desafio profissional pronto
Desafio profissional prontoDesafio profissional pronto
Desafio profissional pronto
 
Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
 
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 

Semelhante a Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)

Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
Augusto Mello
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
Milene Cristina
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Padua Carobrez
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
izabelfonseca
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
DiegoOliveira520215
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
wellington_souzza
 
Viroses
VirosesViroses
Chagas
ChagasChagas
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
Clodomir Araújo
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
3a2011
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
Colégio Nova Geração COC
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
certificado1
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
eld09
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
crishmuler
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
Ismael Costa
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Ismael Costa
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 

Semelhante a Trabalho da feira da cultura centro oeste (801) (20)

Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 
Chagas
ChagasChagas
Chagas
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 

Mais de professorajulianafigueirdocamara

Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
professorajulianafigueirdocamara
 
Apresentação partes do computador
Apresentação partes do computadorApresentação partes do computador
Apresentação partes do computador
professorajulianafigueirdocamara
 
Apresentação partes do computador
Apresentação partes do computadorApresentação partes do computador
Apresentação partes do computador
professorajulianafigueirdocamara
 
Regras no laboratório de informática
Regras no laboratório de informáticaRegras no laboratório de informática
Regras no laboratório de informática
professorajulianafigueirdocamara
 
Trabalho de geografia 702
Trabalho de geografia 702Trabalho de geografia 702
Trabalho de geografia 702
professorajulianafigueirdocamara
 
Cartografia ana carolina
Cartografia ana carolinaCartografia ana carolina
Cartografia ana carolina
professorajulianafigueirdocamara
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Kenzo e victor hugo 402 ok
Kenzo e victor hugo 402 okKenzo e victor hugo 402 ok
Kenzo e victor hugo 402 ok
professorajulianafigueirdocamara
 
Caio norat, guilherme e caike
Caio norat, guilherme e caikeCaio norat, guilherme e caike
Caio norat, guilherme e caike
professorajulianafigueirdocamara
 
Thales,murilo e pedro (2)
Thales,murilo e pedro (2)Thales,murilo e pedro (2)
Thales,murilo e pedro (2)
professorajulianafigueirdocamara
 
Karen e ana beatriz (3)
Karen e ana beatriz (3)Karen e ana beatriz (3)
Karen e ana beatriz (3)
professorajulianafigueirdocamara
 
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
professorajulianafigueirdocamara
 
Kenzo e victor hugo 402
Kenzo e victor hugo 402Kenzo e victor hugo 402
Kenzo e victor hugo 402
professorajulianafigueirdocamara
 
402 samara,luísa e rafaela
402 samara,luísa e rafaela402 samara,luísa e rafaela
402 samara,luísa e rafaela
professorajulianafigueirdocamara
 
Lucas b. e vitor
Lucas b. e vitorLucas b. e vitor
Lia , malu e lara
Lia , malu  e lara Lia , malu  e lara
Natalia leal
Natalia lealNatalia leal
Natalia leal
Natalia lealNatalia leal
Lucas b. e v itor
Lucas b. e v itorLucas b. e v itor
Lia , malu e lara
Lia , malu  e lara Lia , malu  e lara

Mais de professorajulianafigueirdocamara (20)

Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
 
Apresentação partes do computador
Apresentação partes do computadorApresentação partes do computador
Apresentação partes do computador
 
Apresentação partes do computador
Apresentação partes do computadorApresentação partes do computador
Apresentação partes do computador
 
Regras no laboratório de informática
Regras no laboratório de informáticaRegras no laboratório de informática
Regras no laboratório de informática
 
Trabalho de geografia 702
Trabalho de geografia 702Trabalho de geografia 702
Trabalho de geografia 702
 
Cartografia ana carolina
Cartografia ana carolinaCartografia ana carolina
Cartografia ana carolina
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Kenzo e victor hugo 402 ok
Kenzo e victor hugo 402 okKenzo e victor hugo 402 ok
Kenzo e victor hugo 402 ok
 
Caio norat, guilherme e caike
Caio norat, guilherme e caikeCaio norat, guilherme e caike
Caio norat, guilherme e caike
 
Thales,murilo e pedro (2)
Thales,murilo e pedro (2)Thales,murilo e pedro (2)
Thales,murilo e pedro (2)
 
Karen e ana beatriz (3)
Karen e ana beatriz (3)Karen e ana beatriz (3)
Karen e ana beatriz (3)
 
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
 
Kenzo e victor hugo 402
Kenzo e victor hugo 402Kenzo e victor hugo 402
Kenzo e victor hugo 402
 
402 samara,luísa e rafaela
402 samara,luísa e rafaela402 samara,luísa e rafaela
402 samara,luísa e rafaela
 
Lucas b. e vitor
Lucas b. e vitorLucas b. e vitor
Lucas b. e vitor
 
Lia , malu e lara
Lia , malu  e lara Lia , malu  e lara
Lia , malu e lara
 
Natalia leal
Natalia lealNatalia leal
Natalia leal
 
Natalia leal
Natalia lealNatalia leal
Natalia leal
 
Lucas b. e v itor
Lucas b. e v itorLucas b. e v itor
Lucas b. e v itor
 
Lia , malu e lara
Lia , malu  e lara Lia , malu  e lara
Lia , malu e lara
 

Último

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)

  • 1. Principais doenças da Região Centro-Oeste Turma: 801 Guilherme Lube Júlia Venancio Alexandre Barroca Patrick Aguiar Liandra Curopos Luana Copeli Leonardo Maximo
  • 2. Tuberculose A tuberculose chamada antigamente de "peste cinzenta" é uma das doenças infecciosas documentadas desde mais longa data e que continua a afligir a Humanidade nos dias atuais. A tuberculose é considerada uma doença socialmente determinada, pois sua ocorrência está diretamente associada à forma como se organizam os processos de produção e de reprodução social. Em diversos países houve a ideia de que por volta de 2010 a doença estaria controlada e inexistente. No entanto, o advento do HIV e da AIDS mudaram.
  • 3. Causador e Transmissor ●A tuberculose no geral é causada por uma infecção por Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch. Outras espécies de microbactérias também podem causar a tuberculose. ● A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa, portanto, a aglomeração de pessoas é o principal fator de transmissão. A pessoa com tuberculose expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotas de saliva que contêm o agente infeccioso e podem ser aspiradas por outro indivíduo contaminando-o. Má alimentação, falta de higiene, tabagismo, alcoolismo ou qualquer outro fator que gere baixa resistência orgânica, também favorece o estabelecimento da tuberculose.
  • 4. Sintomas Alguns pacientes não exibem nenhum indício da tuberculose, outros apresentam sintomas aparentemente simples que são ignorados. Contudo, na maioria dos infectados com tuberculose, os sintomas mais frequentes são: - Tosse seca contínua, depois com presença de secreção transformando– se, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue. - Cansaço excessivo - Febre baixa geralmente à tarde - Falta de apetite - Palidez - Rouquidão - Fraqueza Os casos graves de tuberculose apresentam: - Dificuldade na respiração - Eliminação de grande quantidade de sangue - Colapso do pulmão - Acúmulo de pus na pleura (membrana que reveste o pulmão) e se houver comprometimento dessa membrana, pode ocorrer dor torácica.
  • 5. Tratamento e Prevenção ● Para se prevenir da tuberculose recomenda-se tomar a vacina da tuberculose (BCG) ainda na infância. Mesmo tomando a vacina o indivíduo pode ser contaminado e desenvolver a doença se houver algum comprometi-mento do sistema imunológico. ● Indivíduos amigos ou familiares de pacientes diagnosticados com a tuberculose devem evitar permanecer no mesmo local que o doente tuberculoso e recomenda-se que o paciente use continuamente a máscara respiratória e lenços de papel descartável sempre que tossir ou espirrar. ● O tratamento da tuberculose à base de antibióticos é 100% eficaz, no entanto, não pode haver abandono. A cura da tuberculose leva seis meses, mas muitas vezes o paciente não recebe o devido esclarecimento e acaba desistindo antes do tempo.
  • 6. Endemia e Epidemia Persistência de problemas como a desnutrição e doenças endêmicas, a exemplo da Tuberculose . O número anual de novos casos de tuberculose é estimado em cerca de 8,7 milhões no Brasil. Goiás e o Distrito Federal tiveram epidemia no ano de 2006 com 7.063 mortos.
  • 7. Leishmaniose Também conhecida como Leishmaníase, a leishmaniose é uma doença crônica, de manifestação cutânea (Forma mais comum) ou visceral. No Brasil existem atualmente 7 espécies de Leishmania responsáveis pela doença humana.
  • 8. Causador e Transmissor ●Causador da doença: Protozoário Leishmania ●A leishmaniose é transmitida por insetos hematófagos (que se alimentam de sangue). ●As fontes de infecção das leishmanioses são, principalmente, os animais silvestres e os insetos flebotomíneos que abrigam o parasita em seu tubo digestivo, porém, o hospedeiro também pode ser o cão doméstico.
  • 9. Sintomas -Leishmaniose visceral: ● Febre prolongada ● Anemia ● Indisposição ● Palidez da pele e/ou das mucosas ● Falta de apetite ● Perda de peso ● Inchaço do abdômen devido ao aumento do fígado e do baço -Leishmaniose cutânea: ● Duas a três semanas após a picada pelo flebótomo aparece uma pequena elevação da pele avermelhada que vai aumentando de tamanho até formar uma ferida recoberta por crosta ou secreção purulenta. A doença também pode se manifestar como lesões inflamatórias nas mucosas do nariz ou da boca.
  • 10. Tratamento e Prevenção ● O SUS oferece tratamento específico e gratuito para a doença. O tratamento é feito com uso de medicamentos específicos a base de antimônio, repouso e uma boa alimentação. ● Fazer dedetização, quando indicada pelas autoridades de saúde. ● Utilizar repelentes na pele, quando estiver em matas de áreas onde há a doença. ● Usar mosquiteiros para dormir ● Usar telas protetoras em janelas e portas ● Eliminar cães com diagnóstico positivo para leishmaniose visceral, para evitar o aparecimento de casos humanos.
  • 11. Epidemia e endemia ●Mato Grosso do Sul (região centro-oeste),houve um caso de epidemia em 2009 com 475 mortos por leishmaniose. ●As leishmanioses (visceral e tegumentar),vêm expandindo sua área de ocorrência.
  • 12. Doença de Chagas A enfermidade foi nomeada em homenagem ao médico e epidemiologista brasileiro Carlos Chagas, que foi o primeiro a descrevê-la. A maioria das pessoas com a doença são indivíduos de baixa renda e grande parte das pessoas com a doença não percebem que estão infectadas. As casas feitas de pau a pique foram durante muitos anos associadas ao inseto barbeiro, transmissor da Doença de Chagas.
  • 13. Causador e Transmissor ● A doença de Chagas é causada pelo Trypanosoma cruzi, um parasita. ● Ela é disseminada por insetos reduvídeos (tipos de besouros) e é um dos maiores problemas de saúde na América do Sul. O nome científico do inseto é Triatoma infestanis, mas no Brasil são conhecidas mais de 30 espécies que transmitem a doença de Chagas. ● O homem é infectado pelas fezes contaminadas (contendo Trypanosoma cruzi) do barbeiro no momento da picada.
  • 14. Sintomas Estágio agudo -A fase aguda pode apresentar sintomas moderados ou nenhum sintoma. Os sintomas incluem: ● Febre ● Mal-estar ● Inchaço de um olho ● Inchaço e vermelhidão no local da picada do inseto Estágio crônico -Passada a fase aguda, a doença entra em remissão. Podem-se passar anos até que outros sintomas apareçam. Quando os sintomas finalmente se desenvolverem, eles podem incluir: • Constipação • Problemas digestivos • Dor no abdome • Dificuldades para engolir
  • 15. Tratamento e Prevenção ● Tanto o estagio agudo quanto o estagio crônico da doença devem ser tratadas. As crianças que nascem com a infecção também devem ser tratadas. ● O tratamento para a doença de chagas é feito com a tomada de medicamentos antiparasitários, eficazes na eliminação do parasita do sistema sanguíneo ● Quando o parasita já não se encontra presente na corrente sanguínea e fica alojado nos tecidos que formam os órgãos, ele pode gerar complicações no órgão afetado. Neste caso, o tratamento deverá ser direcionado para alívio dos sintomas causados pela doença, já que nesta fase não há cura para a doença de Chagas. Esse tratamento é indicado tanto para adultos quanto para crianças. ● Controle de insetos com inseticidas e habitações com menos propensão de ter populações de insetos ajudam a controlar a disseminação da doença. ● Os bancos de sangue na América Central e do Sul realizam testes em doadores para verificar a exposição ao parasita. Quando o resultado do teste é positivo, o sangue é descartado. A maioria dos bancos de sangue nos Estados Unidos começou a realizar o teste para verificar a presença da doença de Chagas em 2007. ● E para maior eficácias deveriam ser extintas as casas de pau a pique que muitas vezes abrigam o Barbeiro.
  • 16. Endemia e Epidemia ● A incidência da doença de Chagas é grande na região centro-oeste. ● A incidência da doença de Chagas, no Brasil, esteve alta na década de 1970, em torno de 100 mil novos casos por ano . Teresina enfrentava o problema, cidades próximas como São Luís, no Maranhão, Santarém, no Pará, Montes Claros, em Minas Gerais, e Corumbá, no Mato Grosso do Sul assistiam à emergência da epidemia. No Centro-Sul do país, as regiões de Campo Grande, Três Lagoas, na divisa com São Paulo, são atingidas.