Trichuris trichiura

5.402 visualizações

Publicada em

Apresentação para disciplina de Parasitologia - 4º período enfermagem.

Publicada em: Ciências
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.402
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
140
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trichuris trichiura

  1. 1. D I S C E N T E S : B Á R B A R A K E L L Y V . A . P A S S O S M A C H A D O D É B O R A E M A N U E L L Y P A D I L H A F E R N A N D A D E M E L O M L I M A F E R N A N D O M I L T O N D O S S A N T O S N A Y A R A K E L L Y G A L V Ã O FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BELO JARDIM CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: PARASITOLOGIA DOCENTE: MARLI AMORIM
  2. 2. Trichuris trichiura
  3. 3. INTRODUÇÃO  Tricuríase é uma verminose causada pelo nematóide Trichuris trichiura que se localiza no intestino grosso do homem.  Os vermes adultos medem cerca de 3 a 5cm de tamanho, sendo o macho pouco menor que a fêmea; tem cor branca ou rósea e em ambos os sexos.
  4. 4. INTRODUÇÃO
  5. 5. INTRODUÇÃO  Os adultos de Trichuris trichiura em infecções leves ou moderadas ele habitam o ceco e colo ascendente.
  6. 6. INTRODUÇÃO  A infecção de Trichuris trichiuria tem distribuição cosmopolita;  Cerca de 1 bilhão de pessoas infectadas, das quais 350 milhões são menores de 15 anos;  Apesar de amplamente distribuída, ela prevalece em áreas quentes e úmidas (países tropicais).
  7. 7. INTRODUÇÃO  Bastante frequente nas áreas rurais e periferia das grandes cidades sem saneamento básico adequado.
  8. 8. INTRODUÇÃO
  9. 9. TRANSMISSÃO  Ingestão de ovos larvados, procedentes do solo, água ou alimentos contaminados com fezes humanas;
  10. 10. TRANSMISSÃO  Moscas também são vetores que transportam os ovos, depositando-os nos alimentos;  Pelo ar.
  11. 11. CICLO BIOLÓGICO  Ovos são eliminados com as fezes;  São infectantes por longos períodos;  O embrionamento dos parasitos é externo;  A larva infectante forma-se no interior do ovo e aí permanece;  Ingestão do ovo com a larva infectante por parte do homem;  Desenvolvimento das larvas nas criptas cecais;  Número de parasitos normalmente é pequeno;  Acasalamento de parasitos adultos e ovipostura;
  12. 12. CICLO BIOLÓGICO
  13. 13. SINAIS E SINTOMAS  O parasitismo por T. trichiura é geralmente assintomático;  As manifestações mais frequentes nos casos sintomáticos são:  cólicas intestinais, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarréia, insônia e perda de peso.  Nas infecções severas podem ocorrer tenesmo e enterorragia, acompanhada por anemia;
  14. 14. SINAIS E SINTOMAS  Em crianças menores de cinco anos, desnutridas e com elevada carga parasitária pode ocorrer o prolapso retal.
  15. 15. DIAGNÓSTICO  O diagnóstico laboratorial da tricuríase baseia-se no exame parasitológico de fezes com pesquisa de ovos do parasito.  Os vermes adultos podem ser encontrados ao exame macroscópico das fezes.
  16. 16. TRATAMENTO  Benzimidazóis:  Mebendazol, Albendazol...
  17. 17. PREVENÇÃO  Medidas de controle relacionada com parasitos denominados de “geo-helmintos;  Peridomicílio é o local importante de infecção em áreas de alta endemicidade;
  18. 18. PREVENÇÃO  LAVAR BEM AS MÃOS E ALIMENTOS;
  19. 19. PREVENÇÃO  ÁGUA TRATADA
  20. 20. PREVENÇÃO  CUIDADO COM O SOLO CONTAMINADO
  21. 21. PREVENÇÃO  PROMOÇÃO DE SAÚDE
  22. 22. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  MEDIDAS PREVENTIVAS;
  23. 23. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  Orientação, palestras, teatros, educação em saúde...
  24. 24. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  NEVES, D. P. Parasitologia Humana. Editora Atheneu. 11ª Edição, 2005.  REY. Parasitologia Médica.  Disponível em : http://www.parasitologiaclinica.ufsc.br/index.php/info/conteudo/doencas/helmintos es/tricuriase/ Acesso em 13 de Setembro de 2013.  Disponível em : http://lucasqueirozsubrinho.blogspot.com.br/2009/12/tricuriase- trichuris-trichiura.html Acesso em 13 de Setembro de 2013.  Disponível em: http://www.ufrgs.br/parasito/Aulas%20Parasito/Medicina/helmipar12.pdf Acesso em 13 de Setembro de 2013.  Disponível em: http://www.ufrgs.br/parasito/Aulas%20Parasito/Medicina/helmipar12.pdf Acesso em 13 de Setembro de 2013.
  25. 25. OBRIGADO!!!

×