Parasitologia - Tricomonas

3.075 visualizações

Publicada em

Parasitologia - Tricomonas

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.075
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parasitologia - Tricomonas

  1. 1. Trichomonas
  2. 2. As quatro espécies encontradas no homem são:  Trichomonas vaginalis  Trichomonas tenax  Trichomonas hominis  Trichomitus fecalis
  3. 3. •Reino: Protista •Filo: Sarcomastigophora •Classe: Zoomastigophorea •Ordem: Trichomonadida •Família: Trichomonadidae •Subfamília: Trichomonadinae
  4. 4. Trichomonas vaginalis
  5. 5. Epidemiologia  A tricomoníase é uma das DST mais prevalentes no mundo (170 milhões de casos/ano – OMS, 1998)  A tricomoníase é mais comum em mulheres  Incide de preferência no grupo etário de 16 a 35 anos  O trofozoíta é suscetível a dessecação, mas pode viver fora do seu habitat por algumas horas sob condições de umidade
  6. 6. • flagelado • Apresenta apenas a forma trofozoítica • Organismo anaeróbico facultativo • Se reproduz por divisão binária • Habita o trato genitourinário do homem e da mulher, não sobrevivendo fora do sistema urogenital • Monoxeno
  7. 7. Tricomoníase • A tricomoníase é uma Doença Sexualmente Transmissível causada por um protozoário (Trichomonas vaginalis). Infecta tanto homens como mulheres, mas causa mais efeitos nas mulheres.
  8. 8. Como se transmite a tricomoníase? A transmissão comumente ocorre pela relação sexual. Poderá ocorrer também através do uso comum de roupas íntimas, especulo vaginal, água de uso comum para o asseio íntimo, uso comum de toalhas e até por gotículas de secreção vaginal no assento de vasos sanitários (principalmente em banheiros públicos). O período de incubação varia de 4 dias a 3 ou 4 semanas .
  9. 9. Ciclo Biológico
  10. 10. Sintomas • Mulheres:  Corrimento abundante, amarelo-esverdado ou cinzento, bolhoso, que pode ter um cheiro desagradável.  Comichão ou ardor na ou em volta da vagina
  11. 11.  Em algumas situações dor pélvica  Dor ou ardor ao urinar  As secreções vaginais são examinadas ao microscópio pelo médico para efetuar o diagnóstico.  é possível que o coito também cause dor (evento chamado dispareunia de intróito)
  12. 12. O processo inflamatório intenso na vagina e no colo do útero pode facilitar a penetração do HIV no organismo.
  13. 13. • Homem: • Normalmente não têm sintomas e não sabem que estão infectados • Podem ter desconforto e comichão no pênis, raramente corrimento. • Raramente dor ou ardor ao urinar
  14. 14. Profilaxia • É recomendável o uso de preservativo durante o ato sexual, uso individual de roupas íntimas, tratamento de indivíduos portadores, esterilização dos aparelhos ginecológicos, higiene em relação aos sanitários públicos, etc.
  15. 15. Tratamento • O tratamento é feito com uso de nitroimidazóis, em administração oral e vaginal. • Em todos os casos em que se positiva o diagnóstico da infecção na mulher, deve-se estender também o tratamento ao seu marido ou companheiro, já que, sem tal cuidado, poderá surgir uma nova contaminação da mulher e perpetuação do quadro clínico apresentado.
  16. 16. Trichomonas tenax
  17. 17. • Trofozoíta: morfologicamente semelhante ao Trichomonas vaginalis, porém menor (5 a 12 mm); possui núcleo pequeno e arredondado • Vive na cavidade bucal (tártaro, cáries e lesões ulcerativas) • A transmissão ocorre por contato oral • Não é patogênico
  18. 18. • Transmitido diretamente pela saliva ou indiretamente pelo contato com escovas de dente, alimentos lambidos, • Trabalhos europeus descrevem infecções respiratórias atribuídas a ele.
  19. 19. Trichomonas hominis
  20. 20. • Trofozoíta: apresenta 5 flagelos livres e 1 núcleo; possui membrana ondulante e axóstilo • Não é patogênico • Vive no intestino delgado e grosso • Raramente aparece em fezes formadas • Não produz cistos

×