SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
O aluno e a sala de aula virtual
CAPÍTULO 15
Luciano Sathler Rosa Guimarães
Aluno virtual versus novo aprendente
Originalmente, o título deste capítulo seria “O aluno vir-
tual”. A mudança se deu perante alguns fatos que exigem a am-
pliação da abordagem sobre o assunto. Dentre as razões está o
fato de a palavra “aluno”remeter à relação que se estabelece em
sistemas formais de ensino, o que limitaria por demais o tema,
em tempos que a demanda por educação informal acompanha
o ritmo inebriante em que novos conhecimentos são elaborados
e sua informação, difundida. Já o termo “virtual” foi objeto de
numerosos textos, com enfoques filosóficos, metafóricos e até
tecnológicos, algumas vezes estabelecendo o contraponto entre
o “virtual” e o “real”, discussão que aparenta estar esgotada.
Por outro lado, o novo aprendente aponta para algumas
das mudanças profundas que estão acontecendo, seja no modo
como as pessoas aprendem, no que é preciso que aprendam ou
na necessidade de aprender por toda a vida, de maneira cada
vez	mais	autônoma.
Longe de esgotar o assunto, o presente capítulo espera ins-
tigar pesquisadores e educadores a se interessarem pelo tema,
que pode colaborar com alguns dos avanços necessários para
os	sistemas	educacionais	principalmente	no	Brasil,	mas	também	
em outros países que pretendem alcançar o desenvolvimento
sustentável e, para isso, precisam investir mais em práticas edu-
cacionais inovadoras e baseadas em metodologias científicas.
Educação para a base da pirâmide
O	braço	fi	nanceiro	do	Banco	Mundial	estima	que	existam	
quatro bilhões de pessoas ao redor do mundo que estão na base
da	 pirâmide	 econômica	 (International Finance Corporation,
2007, p. 37). Trata-se da maioria da população humana, com
renda anual abaixo dos três mil dólares de capacidade de com-
pra	local.	Isso	inclui	os	miseráveis	e	pobres,	que	no	Brasil	são	
usualmente tratados como classes D e E.
Os mais empobrecidos muitas vezes vivem em áreas rurais
ou nas periferias das grandes cidades, não têm acesso a servi-
ços básicos, atuam na economia informal, de pouca eficiência e
baixa competitividade. Formam a maioria da população na Áfri-
ca, na Ásia, no Leste Europeu, na América Latina e no Caribe.
Além da baixa renda têm em comum:
•	 Necessidades significativas não atendidas, tais como falta
de acesso a serviços bancários, falta de telefone próprio,
residência em locais sem formalização de propriedade, au-
sência de saneamento básico, deficiências no fornecimento
de eletricidade, ausência de segurança pública e inacessibi-
lidade aos serviços básicos de saúde;
•	 Dependência de ambientes econômicos informais ou de
subsistência, sem possibilidade de oferecer seu trabalho
ou o resultado deste em outras localidades, o que aumenta
sua vulnerabilidade e tendência a não mudar a realidade de
uma geração para outra;
•	 A penalidade da base da pirâmide, ou seja, a maioria dos
empobrecidos paga mais caro por serviços e produtos bási-
cos do que os favorecidos, em dinheiro ou no seu esforço
para obter o que precisam, muitas vezes recebendo o que há
de pior qualidade.
No	Brasil,	o	maior	fenômeno	socioeconômico	verifi	cado	em	
anos recentes tem sido o forte crescimento da classe C; famílias
cuja renda mensal varia de 6 mil a 32 mil dólares anuais, antes
faziam parte da classe D. Elevar o poder aquisitivo dessa ampla
parcela da população muda a expectativa de vida, tanto em ter-
mos de busca por reconhecimento perante a sociedade quanto
na visão de mundo. O acesso à educação é considerado fator
primordial para que o indivíduo e sua família consigam continuar
a galgar degraus em sua escalada social.
Outros países experimentam situação semelhante, como
China e Índia. A Unesco (Altbach; Reisberg; Rumbley, 2009, p.
28) informou que as matrículas no ensino superior cresceram 53
por cento em todo mundo do ano 2000 para 2007. Eram cerca
de 150 milhões de estudantes em 2007, somando-se todos os
países, ainda que com fortes desigualdades de acesso entre na-
ções ricas e empobrecidas.
Os números que demonstram a crescente demanda dos sis-
temas	educacionais	formais	no	Brasil	por	parte	das	classes	mais	
empobrecidas estão disponibilizados pelo Instituto Nacional de
Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em suas
edições do Censo Escolar ou do Censo da Educação Superior.
Há	marcadamente	um	novo	perfi	l	socioeconômico	dos	estudan-
tes brasileiros, que aprendem de maneira diferente e desafiam
o elitismo que sempre marcou a educação superior. Trata-se
de um segmento importante que compõe o universo de novos
aprendentes.
Algumas características desse estudante não tradicional,
quando logra chegar à educação superior, são:
•	 Matriculam	-se	 tardiamente	 na	 educação	 superior,	 não	 no	
mesmo ano em que se formam no ensino médio;
EaD.indb 126 1/8/2011 18:27:57
127
Luciano Sathler Rosa Guimarães
Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual
•	 Não conseguem se dedicar à universidade em tempo inte-
gral, concentrando seus estudos no período noturno;
•	 São trabalhadores de tempo parcial ou integral;
•	 Têm independência financeira ou participação expressiva
na renda familiar;
•	 Contam com dependentes, tais como esposos, filhos e ou-
tros parentes;
•	 Há uma elevada ocorrência de mães solteiras, com uma
ou mais crianças dependentes;
•	 Os conhecimentos desenvolvidos na educação básica são
inferiores aos do estudante universitário tradicional, ha-
vendo, inclusive, casos de analfabetos funcionais;
•	 São mais velhos, jovens adultos ou adultos;
•	 Buscam objetivos claros, tais como melhores salários ou
mudar de profissão.
O fato de o acesso aos menos favorecidos à educação for-
mal crescer forte e rapidamente impõe desafios enormes aos
educadores. Esses novos aprendentes são oriundos de contex-
tos diferenciados, onde não raro tiveram poucos estímulos à
leitura, foram privados de alimentação adequada na infância,
desenvolveram­‑se em ambientes de violência extrema e so-
freram — e sofrem — com o preconceito, seja ele racial, de
gênero ou por causa da origem social.
Educação em um mundo saturado de
informação
Desde a massificação do rádio, do cinema e da televisão,
as pessoas passaram a contar com uma multiplicidade inédita
de fontes de informação. Foi um período em que também se
ampliou o número de títulos de jornais, revistas e livros im-
pressos. A disseminação da informática pessoal impôs novo
ritmo à mudança, chegando­‑se à chamada convergência di-
gital. A cada dia, tecnologias de informação e comunicação
(TICs) mais eficientes e variadas estão à disposição. O mundo
passou a contar com um novo fosso de desigualdade, entre os
incluídos digitais e os não incluídos.
É preciso ressaltar que a popularização dos computado-
res pessoais é apenas mais um fato histórico. A televisão, por
exemplo, adentrou na maioria dos lares brasileiros e mudou
algumas das premissas a respeito da aprendizagem: as novelas
demonstram forte poder de influência sobre hábitos, costumes
e até valores; o noticiário influi nos resultados eleitorais; os
desenhos animados alteram o arquétipo dos heróis. A informa-
ção abundante e veloz passou a ser parte da vida das pessoas,
com um impacto cada vez maior.
A Internet aumentou a velocidade de criação e o volume
de informações disponíveis, chegando ao ponto de cada in-
divíduo poder ser um autor com presença na Web, seja por
meio de produções próprias ou colaborativamente em inicia-
tivas coletivas. A descoberta da simultaneidade não espacial
(Thomson, 1998, p.36) existe quando é possível experimentar
eventos simultâneos apesar de ocorrerem em lugares comple-
tamente distintos, o que dá um novo sentido ao “agora”, não
mais ligado a um lugar. Trata­‑se de uma nova realidade, co-
nectada, interligada, instantânea, imediatista, onde a percep-
ção do tempo foi profundamente alterada.
A convergência digital permite ao novo aprendente estar
em contato com diferentes contextos, o que praticamente im-
põe a experiência multicultural que afeta as relações familia-
res, de vizinhança, religiosas e altera radicalmente a relação
que se estabelece no ambiente escolar ou universitário. Para
focar apenas em uma variável, como pensar a autoridade do
professor em um mundo em que os fundamentos relacionais
passam pela contestação permanente do que merece respeito
e atenção? A própria lógica científica, que para alguns rege o
pensamento atual, exige que os fatos só durem até que se en-
contrem novas hipóteses comprovadamente replicáveis.
Com a informação democratizada e a sociedade multicul-
tural permanece a pergunta: de onde emana a autoridade do
professor? Em meio ao permanente relativismo da ciência, o
que aprender e guardar para sempre? Nesse ambiente torna­
‑se cada vez mais vital desenvolver estratégias mentais para
ajudar a esquecer as coisas que não precisam ser lembradas.
É algo importante para manter a sanidade. Atualmente beira o
ridículo encontrar gente com ampla capacidade para decorar
textos ou fórmulas matemáticas e recitá­‑los quando necessá-
rio. Vive­‑se o princípio da chamada cognição distribuída.
No entanto, o excesso de informação também é capaz
de causar distúrbios variados sobre a memória e a atenção.
Schacter (2003) classifica entre os erros de memória, esque-
cimento e distorções nas seguintes categorias: transitorieda-
de, distração, bloqueio, atribuição errada, sugestionabilidade,
distorção e persistência. Transitoriedade está ligada ao enfra-
quecimento da memória com o passar do tempo. Distração é
uma ruptura entre a atenção e a memória, quando não se con-
segue concentrar no que é preciso lembrar. Bloqueio é quan-
do ocorre a busca sem resultados de uma informação que se
deseja recuperar. Tais distorções são chamadas pelo autor de
pecados de omissão.
Os demais seriam pecados de ação. Atribuição errada en-
volve a confusão entre fantasia e realidade, quando se vincu-
la uma memória a uma fonte equivocada (parece ter ouvido
algo de um amigo, mas a notícia estava no jornal, por exem-
plo). Sugestionabilidade é relacionada a lembranças criadas
como resultado de comentários ou sugestões quando se está
tentando lembrar de uma experiência. Distorção reflete as in-
fluências do conhecimento atual e as opiniões sobre o modo
como o passado é lembrado. É comum as pessoas reescre-
verem inteiramente suas vivências com base no que sabem
ou acreditam no presente. Isso é feito de maneira consciente
ou inconsciente. Persistência é a recordação deformada ou
camuflada de informações ou acontecimentos considerados
perturbadores, aqueles em que a pessoa deseja que nunca ti-
vessem existido ou que pudessem ser eliminados da memória,
como um tipo de defesa psíquica.
Como a mente percebe, avalia e guarda a informação? Até
o presente, as escolas e universidades concentram­‑se no sis-
tema mental letrado, teórico e frontal e afirmam ser a melhor
resposta, para usar as palavras de Kerckhove (2009, p. 64). No
entanto, a realidade impõe uma visão crítica às práticas edu-
cativas atuais. Basta observar as possibilidades abertas pela
Web 2.0 (rede social colaborativa), a Web Semântica (concei-
tos buscam conceitos de maneira automatizada na rede), os
games computadorizados (realidade aumentada), aplicações
de busca visual (Google) e a computação oblíqua (interação
natural ou manipulação direta de conteúdo digital).
Quando se sabe que todo o conhecimento está dis-
tribuído e que tudo é conhecido por alguém, em algum
lugar, e que essa informação está acessível, e tem preço,
desenvolve­‑se uma espécie de psicologia just­‑in­‑time.
Para que preocuparmo­‑nos em aprender isso agora se,
EaD.indb 127 1/8/2011 18:27:57
128
O estado da arte
Educação a distância
quando precisarmos, estará acessível? Não saber uma
coisa pode ter o seu valor, já que o processo de desco-
berta pode tornar­‑se mais útil e mais estimulante que
o conteúdo da descoberta. Com os sistemas periciais,
melhorados por redes neurais sofisticadas e com curvas
rápidas de aprendizagem, ninguém precisa ser perito
em nada [...] O sistema de valores está mudando de
um critério de excelência, hierárquico, competitivo, ba-
seado na agressividade em relação ao outro, para um
critério onde se dá valor à interatividade, à colaboração
e ao apoio. (Kerckhove, 2009, p. 80)
As TICs apontam para novas formas de interação entre os
seres humanos e a informação, talvez mais naturais e instin-
tivas do que é até o momento. É preciso que os educadores
— isso inclui professores e gestores educacionais — se per-
guntem quais as opções para incluir nas práticas de ensino as
cercanias socioculturais dos aprendentes e os tipos de com-
preensão que derivam dos instrumentos intelectuais forjados
e utilizados nessas cercanias, bem como, por exemplo, dife-
rentes graus de complexidade culturalmente acumulada na
linguagem para enfrentar a crise hoje instalada (Egan, 2002,
p. 286).
O mundo do trabalho está profundamente alterado pelas
transformações trazidas pela sociedade da informação. Antes
o valor da informação derivava de sua raridade, da capacidade
de limitar temporariamente sua difusão e de tentar regulamen-
tar o acesso, para ter em mãos os poderes econômico, político
e simbólico. Nos tempos de capitalismo cognitivo, digital ou
capital imaterial (Gorz, 2005, p. 30), o essencial é poder contar
com pessoas capazes de inovar, pois se torna praticamente im-
possível manter uma posição competitiva baseada no segredo
ou no encobrimento.
O fundamento ético que devia permear a chamada socie-
dade da informação é a capacidade de selecionar, produzir,
alterar, distribuir e utilizar a informação para fazer avançar o
desenvolvimento humano e a sustentabilidade socioambien-
tal. Trata­‑se de privilegiar a autonomia englobando as noções
de pluralidade, solidariedade e participação. Dois novos pa-
radigmas se impõem nessa chamada Terceira Revolução In-
dustrial, o do imaterial e as chamadas redes (Benkler, 2006).
A crescente substituição do trabalho humano por máqui-
nas, o crescimento da área de serviços e a convergência digi-
tal valorizaram o domínio do imaterial como forma de alcan-
çar vantagens estratégicas, seja como indivíduo, empresa ou
país. Ao mesmo tempo, a multiplicação da velocidade e do
volume de informação transmitida, somada à mundialização
econômica e cultural, ampliou a trama das redes às quais as
pessoas se conectam, sejam elas de cunhos familiar, étnico,
profissional, social, religioso ou político.
A sociedade da informação amplia a importância do co-
nhecimento e da cultura como fatores fundamentais à liber-
dade e ao desenvolvimento humano. Há uma mudança es-
trutural em curso, que afeta tanto as relações sociais quanto
econômicas. A maneira como as informações são produzidas,
armazenadas, organizadas, recriadas e distribuídas impede o
controle centralizado desses processos. As inovações tecno-
lógicas permitem que se imprima uma velocidade inédita e
se alcance um volume praticamente imensurável dessa pro-
dução e troca.
Considerando que a informação está sendo criada e re-
criada com velocidade e volume jamais vistos, não é mais
possível fugir da necessidade de aprender sempre e de ma-
neira autônoma. Geralmente essa premência é solucionada
por meio da educação informal, que tem em seu cerne o
respeito aos conhecimentos, às habilidades, às crenças e
aos conceitos prévios que influenciam significativamente o
que as pessoas percebem sobre o ambiente e o modo como
organizam e interpretam essa percepção. Isso, por sua vez,
influencia suas capacidades de recordação, raciocínio, so-
lução de problemas e construção de novos conhecimentos
(Bransford; Brown; Cocking, 2007, p. 27). Algo que a educa-
ção formal precisa aprender a valorizar mais.
Sobre o nativo digital
As pessoas aprendem de maneira diferente em tempos
de convergência digital. O significado de “conhecer” mu-
dou, pois, em vez de ser capaz de lembrar e repetir in-
formações, é mais importante ser competente na busca e
utilização destas. Hoje se encontram padrões distintos de
aprendizagem, que prometem afetar profundamente as ins-
tituições educacionais.
São vários os termos para tratar da nova geração de apren-
dentes. No caso do Brasil, trata­‑se de quem nasceu depois
de 19881
e cresceu em um contexto em que as tecnologias
digitais se tornaram parte do cotidiano, alterando a manei-
ra como pensam, interagem e aprendem. Os que podem ser
considerados partes dessa nova geração já receberam várias
alcunhas, tais como: Nativos Digitais (McLester, 2007), Mil-
lenials (Pedró, 2006), New Millenium Learners (Oecd, 2008),
Neomillenial Learners (Baird; Fisher, 2006), entre outros.
A designação “nativo digital” parece definir bem os que
são habitantes nativos da linguagem própria dos computa-
dores, telefones móveis, videogames e Internet, pois permite
estabelecer sua contraparte, os imigrantes digitais, como a ge-
ração que não conheceu essas possibilidades em sua infância,
tendo de se adaptar ao novo contexto.
Um novo paradigma sobre a aprendizagem se estabeleceu
a partir das mudanças trazidas pela convergência digital. Isso
pode ser sintetizado nas seguintes afirmações:
•	 Existe a necessidade de reaprender como encontrar, sele-
cionar, avaliar, organizar, hierarquizar e recriar a informa-
ção de acordo com sua relevância, em meio ao imenso
volume de dados em circulação;
•	 A aprendizagem em tempos de convergência digital é um
processo fundamentalmente colaborativo, em que as re-
des sociais se destacam ao redor de interesses comuns,
facilitando e orientando a construção do conhecimento;
•	 O aprendente assume um papel central no processo de
aprendizagem e não pode ser tratado como um receptor
passivo da informação, devendo necessariamente ser in-
cluído como um autor, cocriador, avaliador e comenta-
dor crítico;
1.	 Nos países ricos o ano considerado é 1982, mas como o computador pessoal e a Internet demoraram um pouco mais para se espalhar pelo
Brasil, preferimos adotar essa diferença.
EaD.indb 128 1/8/2011 18:27:57
129
Luciano Sathler Rosa Guimarães
Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual
•	 Para dar conta dessa realidade, o processo de aprendiza-
gem se torna cada vez mais personalizado, focado nas ne-
cessidades e nos interesses individuais.
Com a Web 2.0 realmente introduziu­‑se o tempo da
chamada cognição distribuída, o modelo de relações sociais
fundado na colaboração coletiva, tal como se pode exempli-
ficar com os crescentes movimentos de open access e open
source. Em março de 2009, por exemplo, o Massachusetts
Institute of Technology (MIT) aprovou uma política no sen-
tido de os pesquisadores e docentes liberarem à instituição,
sem cobrança de direitos autorais, todos os artigos resultados
de suas pesquisas, para acesso livre e on­‑line dos interessa-
dos. As condições foram a não exclusividade e a garantia
de que não sejam utilizados para venda. Isso é uma séria
ameaça para a forma convencional como a indústria de pu-
blicações científicas atua.
Existe uma cultura característica da Internet que se cons-
trói com a participação de todos os protagonistas, inclusive
pelo simples fato de selecionar e classificar algumas dentre
todas as fontes de que dispõem, contribuindo à circulação
criativa de informação sobre a qual nenhum indivíduo ou ins-
tituição tem o domínio exclusivo.
Nesse sentido, a construção de conhecimentos valoriza-
dos pela sociedade está cada vez menos confinada nas insti-
tuições educativas (espaço), nem se limita à formação inicial
obtida (tempo). Os diplomas passaram a ser uma certificação
social, não significando que o diplomado realmente domine
a área de conhecimento na qual se formou. Se o profissional
não investir em educação continuada e atualização profissio-
nal corre o risco de se tornar informacionalmente obsoleto
muito rapidamente.
Destacam­‑se a seguir algumas das principais caracterís-
ticas do nativo digital quando se trata da sua relação com as
TICs e a informação, segundo Oblinger (2005), que realizou
suas pesquisas com enfoque em alunos da Educação Superior
nos Estados Unidos:
•	 Os nativos digitais são digitalmente alfabetizados: como
cresceram com amplo acesso à tecnologia, são hábeis em
usar uma enorme variedade de TICs e navegar na Internet
de maneira intuitiva. Apesar de se sentirem confortáveis
usando a tecnologia sem consultar manuais de instrução,
sua compreensão sobre a qualidade da fonte de informa-
ção pode ser reduzida. Interagem melhor com a lingua-
gem visual do que as gerações anteriores e muitas vezes se
expressam usando imagens. São capazes de mesclar tex-
tos, imagens e sons de maneira natural. Sua habilidade de
transitar entre o real e o virtual é instantânea, e a disponi-
bilidade abundante de mídia audiovisual os torna menos
desenvolvidos no domínio de textos. Usam intensamente
a Internet para buscar informações, apesar de saberem
que muitas vezes não é o suficiente para alcançar todas
suas necessidades informacionais.
•	 Os nativos digitais são conectados: desde seu nascimen-
to o mundo sempre foi um lugar conectado e, mais do
que qualquer geração precedente, os nativos digitais têm
abraçado o potencial da mídia em rede. Com a difusão da
computação e da comunicação móvel, trata­‑se de pessoas
sempre conectadas.
•	 Os nativos digitais são imediatistas: é uma geração de
pessoas rápidas, seja no imediatismo com que uma res-
posta é esperada ou pela velocidade com que estão acos-
tumados a receber informação. Sua característica é da
multitarefa, movendo­‑se rapidamente de uma atividade a
outra, muitas vezes realizando­‑as simultaneamente. Res-
pondem rapidamente, ao jogar um game ou teclar men-
sagens de texto. Tendem a valorizar mais a velocidade do
que a acurácia.
•	 Os nativos digitais são experimentadores: a maioria dos
nativos digitais prefere aprender fazendo coisas, em vez
de serem ensinados a respeito do que deve ser feito. Esse
papel participativo cresce com a cultura dos games com-
putadorizados, o que os leva a aprender melhor por meio
da descoberta, da exploração pessoal ou colaborativa
com seus pares. O instinto descobridor os torna aptos a
reter melhor a informação e usá­‑la de maneiras criativas,
de modo que façam sentido.
•	 Os nativos digitais são sociais: são comunicadores prolífi-
cos, gravitam ao redor de atividades que promovem e re-
forçam a interação social. Demonstram abertura à diversi-
dade, à alteridade e ao compartilhamento, relacionando­
‑se com desconhecidos na Internet sem muita preocu-
pação. Compartilham facilmente informações pessoais,
inclusive emoções. Incluem no seu âmbito de relaciona-
mentos pessoas não necessariamente de seu círculo indi-
vidual (amigos dos amigos são aceitáveis). Algumas vezes
a interação se dá por meio de identidades alternativas, e
os tímidos costumam se expressar com mais liberdade na
Web. Nesse sentido, preferem trabalhar em equipes ou
grupos, privilegiando a aprendizagem entre pares, muitas
vezes considerados mais confiáveis que professores.
•	 Os nativos digitais são orientados para resultados: prefe-
rem contar com parâmetros, regras, prioridades e proce-
dimentos claros para o que lhes é solicitado realizar. Não
lidam bem com a ambiguidade ou com tarefas demasia-
damente abrangentes e gostam de saber exatamente como
serão avaliados em sua performance.
•	 Os nativos digitais preferem o engajamento e a experi-
ência: os nativos digitais buscam descobrir indutivamente
ou realizar observações, formular hipóteses ou saber es-
tabelecer as regras que estão valendo. O ritmo ágil com
que gostam de receber informação implica que geralmen-
te não conseguem prestar atenção quando a aula não é
interativa, não motiva ou simplesmente está demasiado
lenta. Nesse sentido, é um desafio encorajá­‑los a parar de
experimentar e dedicar algum tempo a refletir.
•	 Os nativos digitais são visuais e cinestésicos: sentem­‑se
mais confortáveis com ambientes ricos de imagens do que
lidar exclusivamente com textos. Recusam­‑se a ler artigos
extensos, o que se percebe bem quando instruções incor-
poram gráficos em vez da simples abordagem passo a pas-
so baseada em texto. Se puderem interagir com a informa-
ção, isso é ainda melhor, pois a multimídia implica fazer
coisas, e não apenas pensar ou falar sobre as mesmas.
•	 Os nativos digitais preferem coisas que importam: os na-
tivos digitais gostam de ser desafiados a tomar parte de ati-
vidades comunitárias. Se lhes é dada a chance, preferem
trabalhar com o que realmente importa, tais como temas
sobre meio ambiente ou problemas sociais. Acreditam
que podem fazer diferença e que a tecnologia deve ser
usada para resolver situações complexas. Aceitam com fa-
cilidade desenvolver novos conhecimentos relacionados a
situações reais e desafiadoras.
EaD.indb 129 1/8/2011 18:27:57
130
O estado da arte
Educação a distância
Novas demandas e expectativas
Contexto, emoção e corpo
É preciso reconhecer que o ser humano tem uma dimen-
são emocional, uma dimensão mental ou linguística e uma
dimensão corporal, como lembra Casassus (2009, p. 133).
Que é possível aprender experimentando, analisando e com-
partilhando. Mais ainda se essas vivências se dão no coletivo,
na coexistência significativa.
Aprender novas maneiras de ser, de trabalhar, de viver e
conviver exige que se estabeleça um apreço verdadeiro na
relação de ensino­‑aprendizagem, além da tolerância com a ig-
norância ou sapiência do outro. A interpretação das informa-
ções tem uma dimensão objetiva, quando a mente organiza
as impressões sensoriais de maneira que se possa determinar
seu significado. Mas também é preciso lembrar­‑se da dimen-
são subjetiva, na qual a mente posiciona os dados factuais em
relação à situação pessoal. Não basta se informar ou fornecer
dados. É preciso ser capaz de articular a informação com o
contexto e com a própria pessoa.
Um professor que se importa com o novo aprendente é
mais apreciado que um gênio incapaz de se relacionar emo-
cionalmente no contexto escolar ou universitário.
Autonomia
Os novos aprendentes buscam estabelecer seus próprios
ritmos para estudar, além de definir quando estão mais dis-
poníveis e dispostos a se dedicar. Essa flexibilidade também
é bem recebida no que se refere ao espaço, onde encontrar
a informação necessária e interagir com outros ao redor dos
assuntos em pauta. Por isso as instituições educacionais pre-
cisam ser capazes de oferecer currículos abertos à escolha
pessoal, cada um se interessa mais ou menos por diferentes
objetivos de aprendizagem e querem ser capazes de escolher
o que estudar.
Aprendizado por pares
Cresce o número de recursos educacionais abertos, infor-
mações preparadas e disponibilizadas para uso no contexto
escolar ou universitário, tendo diferenciadas opções para se-
rem acessadas por quem se interessar, em qualquer lugar e a
qualquer tempo. A lógica da eterna transformação da natureza
se replica no ambiente informacional, onde nada se perde,
tudo se copia, se reproduz ou se reconstrói. O conteúdo ge-
rado pelos aprendentes pode ser mais interessante do que os
dos docentes responsáveis pelo ensino. Buscar informação de
múltiplas fontes torna­‑se não apenas recomendável como ne-
cessário, em um universo de variedade infinita das nuances
sobre um mesmo tema. Para sair do senso comum, confortável
e acomodado, é melhor encontrar caminhos alternativos para
aprender e, nesse sentido, nada mais confiável que os pares,
os que compartilham da mesma idade, estilo de vida ou reli-
gião, entre outros denominadores comuns.
Tecnologia centrada no aluno
Para ficar na educação formal, torna­‑se claro que o con-
texto se tornou mais diverso em termos sociais, culturais, eco-
nômicos, ambientais e tecnológicos. Essa complexidade se
reflete também em uma maior diversidade do corpo discente,
que chega às escolas com novas expectativas e necessidades.
A tecnologia centrada no aluno (Christensen; Horn ; Johnson;
2009, p. 50) pode ser um caminho para evitar a padronização
ora imposta pela formação docente, por currículos projetados
extemporaneamente e impostos de cima para baixo, além da
maneira como espaços educacionais são projetados dentro de
uma lógica industrial e disciplinar.
Personalização
A perspectiva é com base no aprendente individual, sua
bagagem cultural, experiências, talentos, habilidades pes-
soais, interesses, capacidades e necessidades. Existem ferra-
mentas tecnológicas que facilitam esse tipo de atenção pelas
instituições educacionais, tais como: interação individuali-
zada mediada por computadores, emissão e controle de tags
(palavras­‑chave) como guias de percurso ou articulação, mé-
tricas informatizadas sobre o que é visto, mais consultado ou
rapidamente rejeitado na Internet e tutoria pessoal por agentes
inteligentes transmutados em softwares robotizados.
Experiência internacional
O Futurelab (<http://www.futurelab.org.uk>) é uma orga-
nização do terceiro setor dedicada a transformar o ensino e
a aprendizagem, tornando esses temas mais relevantes para
a sociedade, se comprometendo com novos aprendentes por
meio de práticas inovadoras e tecnologia. Ela realiza pesqui-
sas de campo e busca demonstrar usos inovadores da tecno-
logia no intuito de colaborar com a mudança sistêmica da
educação, congregando pessoas com interesses convergentes
nessa área vindas dos setores público e empresarial, círculos
acadêmicos e comunidades de prática.
Há um trabalho intenso em parceria com o governo do
Reino Unido, mantendo a independência de seus pontos de
vista e buscando bases decorrentes de investigação cientí-
fica para estabelecer projetos que estimulem a adoção de
novas vivências docentes, com o devido apoio e ferramen-
tas disponíveis. Trata­‑se de uma iniciativa baseada em fa-
tos emanados de pesquisas no campo educacional, tendo a
vantagem da relativa independência em relação aos sistemas
governamentais, nos quais sempre há o risco do imobilismo
ou continuísmo.
O trabalho do Futurelab é realizado em escolas e sistemas
educacionais, com ênfase na inovação curricular, espaços de
aprendizagem, inclusão digital, games de console e computa-
dores, aprendizagem de adultos e em família, avaliação, alfa-
betização e participação cidadã digital.
A Tabela 15.1 apresenta um resumo das fases da apren-
dizagem ao longo da história, em que diferentes públicos
eram privilegiados, os locais variaram, bem como as fontes
de aprendizagem, as tradições pedagógicas, as mídias mais
utilizadas, os conteúdos priorizados e o chamado “currí­
culo oculto”.
Considerações finais
Em qualquer sociedade informações, conhecimentos, ha-
bilidades, crenças e valores precisam ser transmitidos às gera-
ções mais jovens. Ao mesmo tempo, sempre há novas infor-
mações, conhecimentos, habilidades, crenças e valores que
EaD.indb 130 1/8/2011 18:27:58
131
Luciano Sathler Rosa Guimarães
Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual
Tabela15.1–Aprendizagemaolongodotempo.
Períodos
QUEM
aprende
ONDEFontesdaaprendizagemCOMO(pedagogiasdominantes)
Mídiainstrucio-
naldominante
Mídiacul-
turaldomi-
nante
OQUE
(Conteúdopredomi-
nante/currículos)
Conteúdoimplícito/
currículos
Erapré­
‑literária
Todasas
crianças
Família,comunidade,
“escolasde
vizinhança”
Família,comunidadeParticipação,observaçãoInderteminadaOral
Construçãode
significadonocontexto
Sobrevivência,
documentação,
cerimonial
Erapré­
‑moderna
(1439—
XVIII)
Homens
comerciantes
edaelite
TUTORESeescolas
formais
AdultosexperientesesábiosParticipação,observação,instruçãoImagens,textoImagens,texto
Alfabetizaçãobásica,
domíniostécnicosou
especializados
Comércio,obediência,
educaçãoreligiosa
Eramo-
derna(XIX
àdécada
de1950)
Crescimento
daeducação
pública/
maioriadas
criançascom
idadeentre5
e18anos
Formal(saladeaula)
Principalmenteeducadoras,
professorescomoespecialistase
alunoscomoestudantespassivos
Escolaridadeuniforme,conhecimento
recebido,umúnicométododidático
paratodososaprendentes/aprendi-
zagem
Impressa
Crescimento
damidiade
massaimpres-
sa,difusão
(rádio,TV,
filmes)
Humanidadeseidioma/
alfabetização,socializa-
ção,rotina
Preparaçãoparaotraba-
lho,disciplina,cidadania
1960a
2000
Todasas
crianças
Formal(saladeaula)
Professorescomoespecialistas,
estudantescomoreceptores
passivos(emergente:professores
comofacilitadores,alunosmais
ativos)
Escolaridadeuniforme,conhecimento
recebido,umúnicométododidático
paratodososaprendentes/aprendiza-
gem(emergente:construtivismonoiní-
cio,individualizaçãoprecoce,múltiplas
inteligências,aprendizadosocial)
Impressa,alguma
difusão
Mídiade
massa—im-
pressa,difu-
são(rádio/
TV/filmes)
emergente:
mídiadigital
Ênfaseemciência
versushumanidades/
alfabetização
Consumerismo
Com-
putação
pessoal—
EraDigital
(1980até
hoje)
Todasas
crianças
Formal(saladeaula)
emergente—infor-
mal;salasdeaula
continuam,mas
crescecadavezmais
oaprendizadoem
qualquerlugar
Professorescomoespecialistas,
estudantescomoreceptores
passivos(emergente:professores
comofacilitadores,alunoscomo
coarquitetos,ensinoindividual-
mentedirecionado,aprendiza-
gemcompares)
Escolaridadeuniforme,conhecimento
recebido,umúnicométododidático
paratodososaprendentes/apren-
dizagem(emergente:construtivismo,
aprendizagemcontextualizada,apren-
dizagemsocial/cogniçãodistribuída)
Impressa,difusão
(emergente:mídia
digital)
Mídiade
massadigital
(Internet/Web
2.0)emer-
gente:mídia
digitalportátil
Ênfaseemciência
(emergente:interdisci-
plinaridade)
Diversidade,consume-
rismo
Futuro
—apoio
insufi-
ciente
Todos(ao
longoda
vida)
Formalparatodos,
informalparaprivile-
giados
Autoaprendizagem,aprendi-
zagemcompares,professores
menosrelevantes,alunosautô-
nomos,aprendizagemlimitada
devidoadistrações
Divisãoentreinstruçãodiretaetra-
balhoautônomo,instruçãodireta,
pedagogiastradicionaispermanecem,
trabalhoautônomo,construtivismo,
aprendizagemcontextualizada,apren-
dizadosocial/cogniçãodistribuída
Impressa,difusão
digital(Internet/
Web2.0),mídia
digitalportátil,rea-
lidadeaumentada
Digital(Inter-
net/Web2.0),
mídiadigital
portátil
3Rs,disciplinas,inter-
disciplinaridade,meta-
cognição,novaalfabe-
tizaçãoparaasmídias,
globalização,ética
Participaçãoglobalcomo
algoquefazsentidotanto
paraserprodutorde
informação,consumidor
ecidadaniaparaalguns
Futuro
—bem
apoiado
Todos(ao
longoda
vida)
Formaleinformal
paratodos
Ensinoindividualmentedireciona-
do,apoioàaprendizagemcom
pares,professorescomofacilita-
dores,alunoscomocoarquitetos
Equilíbriodeaprendizagemautônoma
eaprendizagemorientada,construti-
vismoapoiado,aprendizagemcontex-
tualizada/cogniçãodistribuída
Impressa,difusão
digital(Internet/
Web2.0),mídia
digitalportátil,rea-
lidadeaumentada
Digital(Inter-
net/Web2.0)
mídiadigital
portátil
3Rs,disciplinas,in-
terdisciplinaridade,
metacognição,novas
mídiasdealfabetização,
globalização,ética
Participaçãoglobalcomo
algoquefazsentidotanto
paraserprodutorde
informação,consumidor
ecidadania
AdaptadodeWeigel,JameseGardner,2009,p.3.
EaD.indb 131 1/8/2011 18:27:58
132
O estado da arte
Educação a distância
Referências
ALTBACH, P.; REISBERG, L.; RUMBLEY, L. Trends in global higher education: tracking an academic revolution. Paris: Unesco, 2009.
BAIRD, D.; FISHER, M. Neomillennial user experience design strategies: utilizing social networking media to support “always on” learning
styles. Journal of Educational Technology Systems 34, 2006, p. 5-32.
BRANSFORD, J.; BROWN, A.; COCKING, R. (Orgs.). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola. São Paulo:
Senac, 2007.
CASASSUS, J. Fundamentos da educação emocional. Brasília: Liber Livro Editora, 2009.
CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; JOHNSON, C. W. Inovação na sala de aula: como a inovação de ruptura muda a forma de apren-
der. Porto Alegre: Bookman, 2009.
DAVIDSON, C.; GOLDBERG, D.; JONES, Z. M. The future of thinking: learning institutions in a digital age. Cambridge, Massachusetts;
London: MIT Press, 2010.
EGAN, K. A mente educada: os males da educação e a ineficiência educacional das escolas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
ENTWISTLEA, N.; PETERSONB, E. Conceptions of learning and knowledge in higher education: relationships with study behavior and
influences of learning environments. International Journal of Educational Research, v. 41, p. 407-428, 2004.
GORZ, A. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.
International Finance Corporation. The next four billion: market size and business strategy at the base of the pyramid. Inter-
national Finance Corporation, 2007.
KERCKHOVE, D. A pele da cultura: investigando a nova realidade eletrônica. São Paulo: Annablume, 2009.
McLESTER, S. Technology literacy and the MySpace generation: they’re not asking permission. Technology & Learning, n. 27, 2007,
p. 16-22.
OBLINGER, D.; OBLINGER, J. (Orgs.). Educating the Net Generation. Boulder: Educause, 2005.
OECD. New Millennium Learners: Initial findings on the effects of digital technologies. OECD-CERI, 2008. Disponível em: <http://
www.oecd.org/dataoecd/39/51/40554230.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2010.
PEDRÓ, F. The new millennium learners: challenging our views on ICT and learning. OECD-CERI, 2006. Disponível em: <http://www.
oecd.org/dataoecd/1/1/38358359.pdf>. Acesso em: 1o
fev. 2010.
SCHACTER, D. L. Os sete pecados da memória: como a mente esquece e lembra. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.
THOMPSON, J. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.
WEIGEL, M.; JAMES, C.; GARDNER, H. Learning: peering backward and looking forward in the digital era. International Journal of
Learning and Media, v. 1, n. 1, 2009.
Leituras adicionais
ANDERSON, T. (Org.). Theory and practice of online learning. 2. ed. Athabasca: Athabasca University, 2008.
BENKLER, Y. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. New Haven: Yale University Press, 2006.
Disponível em: <http://www.benkler.org>. Acesso em: 1o
maio 2009.
BRIGGS, A.; BURKE, P. Uma história social da mídia: de Gutemberg à Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
D’ANTONI, S. (Org.). The virtual university: models and messages, lessons from case studies. Disponível em: <http://www.
unesco.org/iiep/virtualuniversity/home.php>. Acesso em: 3 fev. 2010.
SOUZA, A.; LAMOUNIER, B. A classe média brasileira: ambições, valores e projetos de sociedade. Rio de Janeiro: Campus Elsevier,
2009.
VISSER, J.; VISSER-VALFREY, M. (Orgs.). Learners in a changing learning landscape: reflections from a dialogue on new roles and ex-
pectations. Sidney: Springer, 2008.
Sites recomendados
Canadian Institute of Distance Education Research: <http://cider.athabascau.ca>.
Centre for Educational Research and Innovation OECD: <http://www.oecd.org/edu/ceri>.
Free Technology for Teachers: <http://www.freetech4teachers.com>.
George Siemens / Conectivismo: <http://www.elearnspace.org>.
serão importantes no futuro. Os mais experientes talvez não
sejam capazes de prever ou aptos a compreender plenamente
quais são essas novas competências necessárias.
A tecnologia e as mudanças socioeconômicas mudam
radicalmente o perfil dos aprendentes, o que pede uma
revisão profunda dos papéis dos educadores. Não apenas
para usar bem e apropriadamente os recursos disponíveis.
Abrir e arriscar novos caminhos, ainda não previsíveis, para
construir sentido, propósito, conexões e relacionamentos
que alcancem o mundo além dos muros da escola ou da
universidade. Entender e colaborar para que as fronteiras
se diluam, como uma membrana que organiza, protege e
desempenha melhor ainda suas funções por ser permeável
ao novo.
EaD.indb 132 1/8/2011 18:27:58
133
Luciano Sathler Rosa Guimarães
Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual
Journal	of	Educational	Technology	and	Society:	<http://www.ifets.info>.
Natural Interaction: <http://naturalinteraction.org>.
Online	Journal	of	Distance	Learning	Administration:	<http://www.westga.edu/~distance/ojdla/>.
Online Learning Update: <http://people.uis.edu/rschr1/onlinelearning/blogger.html>.
Pew	Internet	&	America	Life	Project:	<http://pewinternet.org>.
Tech	&	Learning:	<http://www.techlearning.com>.
The	Encyclopaedia	of	Informal	Education:	<http://www.infed.org>.
The	Sloan	Consortium:	<http://www.sloanconsortium.org>.
World	Conference	on	Higher	Education	Unesco:	<http://www.unesco.org/en/wche2009/>.
Luciano Sathler é diretor-adjunto do Centro de Educação a Distância da Universidade Anhanguera (Uniderp) e membro do
Comitê	de	Qualidade	da	Associação	Brasileira	de	Educação	a	Distância;	doutor	em	administração	pela	Universidade	de	São	
Paulo (FEA/USP); mestre em administração pela Universidade Metodista de São Paulo, onde é docente licenciado e atuou,
inclusive, como pró-reitor de Educação a Distância; especialista em gestão universitária pela Organização Universitária Inte-
ramericana e em gestão de marketing pela Cepead/UFMG; bacharel em comunicação social, com habilitação em publicidade
e propaganda pela PUC-MG; presidente para América Latina da Associação Mundial de Comunicação Cristã. Junto com José
Marques de Melo é organizador do livro Direitos à comunicação na sociedade da informação (Umesp, 2005), disponível na
íntegra em http://lucianosathler.pro.br.
Sobre o autor
EaD.indb 133 1/8/2011 18:27:58
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIREITOS REPROGRÁFICOS
Fredric M. Litto
Marcos Formiga
Organizadores
EaD.indb 3 2/8/2011 15:44:46
São Paulo
Brasil Argentina Colômbia Costa Rica Chile Espanha
Guatemala México Peru Porto Rico Venezuela
Litto_v2_pIII_IV.indd 1 02/04/2014 14:38:33
© 2012 by Fredric Michael Litto e Marcos Formiga
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida
de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou
qualquer outro tipo de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem prévia autorização, por
escrito, da Pearson Education do Brasil.
Diretor editorial: Roger Trimer
Gerente editorial: Sabrina Cairo
Coordenadora de produção editorial: Thelma Babaoka
Editor de desenvolvimento: Jean Xavier
Preparação: Olivia Zambone
Revisão: Carmen Teresa Simões da Costa
Capa: Alexandre Mieda
Projeto gráfico e diagramação: Figurativa Editorial MM Ltda..
2011
Direitos exclusivos para a língua portuguesa cedidos à
Pearson Education do Brasil,
uma empresa do grupo Pearson Education
Rua Nelson Francisco, 26 – Limão
Cep: 02712-100 São Paulo – SP
Tel: (11) 2178-8686 – Fax: (11) 2178-8688
e-mail: vendas@pearson.com
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Educação a distância : o estado da arte, volume 2 /
Fredric Michael Litto, Marcos Formiga
(orgs.). -- 2. ed. -- São Paulo : Pearson
Education do Brasil, 2012.
vários autores.
Bibliografia.
ISBN 978-85-7605-883-0
1. Educação a distância - História I. Litto,
Fredric Michael. II. Formiga, Marcos.
11-02298 CDD-371.309
Índice para catálogo sistemático:
1. Educação a distância : História 371.309
EaD.indb 4 1/8/2011 18:27:26
1a
reimpressão – novembro 2012
Direitos exclusivos para a língua portuguesa cedidos à
Pearson Education do Brasil Ltda.,
uma empresa do grupo Pearson Education
Rua Nelson Francisco, 26
CEP 02712-100 – São Paulo – SP – Brasil
Fone: 11 2178-8686 – Fax: 11 2178-8688
e-mail: vendas@pearson.com
2a
reimpressão – abril 2014
Direitos exclusivos para a língua portuguesa cedidos à
Pearson Education do Brasil Ltda.,
uma empresa do grupo Pearson Education
Rua Nelson Francisco, 26
CEP 02712-100 – São Paulo – SP – Brasil
Fone: 11 2178-8686 – Fax: 11 2178-8688
vendas@pearson.com
Litto_v2_pIII_IV.indd 2 02/04/2014 14:38:34

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O aluno e a sala de aula virtual

«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...
«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...
«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...Jurjo Torres Santomé
 
Meus sonhos 2017 propostas para enem.pptx
Meus sonhos 2017 propostas para enem.pptxMeus sonhos 2017 propostas para enem.pptx
Meus sonhos 2017 propostas para enem.pptxMárcio Andrade
 
O ensino público em biritinga e riachão do jacuípe
O ensino público em biritinga e riachão do jacuípeO ensino público em biritinga e riachão do jacuípe
O ensino público em biritinga e riachão do jacuípeUNEB
 
Utf 8''ppt por elisangela costa - tr 45 - cap. 5 os jovens, o em e a comuni...
Utf 8''ppt  por elisangela costa - tr 45 - cap. 5  os jovens, o em e a comuni...Utf 8''ppt  por elisangela costa - tr 45 - cap. 5  os jovens, o em e a comuni...
Utf 8''ppt por elisangela costa - tr 45 - cap. 5 os jovens, o em e a comuni...Isabel Santos
 
MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL
MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL
MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernando Alcoforado
 
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3Claraluz Gris
 
O analfabetismo no brasil - Autor Tadeu Kapron
O analfabetismo no brasil - Autor Tadeu KapronO analfabetismo no brasil - Autor Tadeu Kapron
O analfabetismo no brasil - Autor Tadeu KapronMaike Zaniolo
 
"A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T...
"A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T..."A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T...
"A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T...Jurjo Torres Santomé
 
Educação globalização e desenvolvimento 18dez13
Educação globalização e desenvolvimento 18dez13Educação globalização e desenvolvimento 18dez13
Educação globalização e desenvolvimento 18dez13Paulo Antônio Almeida
 
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaSobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaCursoTICs
 
Novas tecnologias no ensino!
Novas tecnologias no ensino!Novas tecnologias no ensino!
Novas tecnologias no ensino!sergiocrespo
 
Informaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacao
Informaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacaoInformaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacao
Informaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacaoRoberta Fortes
 
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptx
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptxALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptx
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptxThaiziHelena
 
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu..."À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu...TCE
 
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn..."À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn...TCE
 

Semelhante a O aluno e a sala de aula virtual (20)

«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...
«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...
«A escola sempre esteve e estará desajustada (Entrevista a Jurjo Torres Santo...
 
Meus sonhos 2017 propostas para enem.pptx
Meus sonhos 2017 propostas para enem.pptxMeus sonhos 2017 propostas para enem.pptx
Meus sonhos 2017 propostas para enem.pptx
 
O ensino público em biritinga e riachão do jacuípe
O ensino público em biritinga e riachão do jacuípeO ensino público em biritinga e riachão do jacuípe
O ensino público em biritinga e riachão do jacuípe
 
A escola e a formação do leitor crítico da mídia
A escola e a formação do leitor crítico da mídiaA escola e a formação do leitor crítico da mídia
A escola e a formação do leitor crítico da mídia
 
ALUSAO.pptx
ALUSAO.pptxALUSAO.pptx
ALUSAO.pptx
 
Matraca 2013.1
Matraca   2013.1Matraca   2013.1
Matraca 2013.1
 
Utf 8''ppt por elisangela costa - tr 45 - cap. 5 os jovens, o em e a comuni...
Utf 8''ppt  por elisangela costa - tr 45 - cap. 5  os jovens, o em e a comuni...Utf 8''ppt  por elisangela costa - tr 45 - cap. 5  os jovens, o em e a comuni...
Utf 8''ppt por elisangela costa - tr 45 - cap. 5 os jovens, o em e a comuni...
 
MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL
MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL
MUTIRÃO CÍVICO PELA EDUCAÇÃO NO BRASIL
 
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
 
O analfabetismo no brasil - Autor Tadeu Kapron
O analfabetismo no brasil - Autor Tadeu KapronO analfabetismo no brasil - Autor Tadeu Kapron
O analfabetismo no brasil - Autor Tadeu Kapron
 
"A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T...
"A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T..."A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T...
"A rigidez do modelo educativo é uma rigidez militar". Entrevista com Jurjo T...
 
Educação globalização e desenvolvimento 18dez13
Educação globalização e desenvolvimento 18dez13Educação globalização e desenvolvimento 18dez13
Educação globalização e desenvolvimento 18dez13
 
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da SilvaSobradinho - Saionara Carlotto da Silva
Sobradinho - Saionara Carlotto da Silva
 
Novas tecnologias no ensino!
Novas tecnologias no ensino!Novas tecnologias no ensino!
Novas tecnologias no ensino!
 
Informaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacao
Informaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacaoInformaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacao
Informaticae educacao robertafortes_sociedadedainformacao
 
Groppo juventudes universitárias
Groppo juventudes universitáriasGroppo juventudes universitárias
Groppo juventudes universitárias
 
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptx
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptxALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptx
ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM MOVIMENTO.pptx
 
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu..."À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6 do Livro Curricu...
 
Educacao
EducacaoEducacao
Educacao
 
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn..."À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn...
"À modernidade dos Media deve Responder a da Educação" CAP.6_Curriculo e Tecn...
 

Mais de Luciano Sathler

Ensino Híbrido: Fundamentos e melhores práticas
Ensino Híbrido: Fundamentos e melhores práticasEnsino Híbrido: Fundamentos e melhores práticas
Ensino Híbrido: Fundamentos e melhores práticasLuciano Sathler
 
O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...
O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...
O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...Luciano Sathler
 
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisLuciano Sathler
 
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...Luciano Sathler
 
Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...
Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...
Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...Luciano Sathler
 
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digitalEducação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digitalLuciano Sathler
 
Competências para a economia digital
Competências para a economia digitalCompetências para a economia digital
Competências para a economia digitalLuciano Sathler
 
Book de atividades: International School
Book de atividades: International SchoolBook de atividades: International School
Book de atividades: International SchoolLuciano Sathler
 
Prevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadores
Prevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadoresPrevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadores
Prevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadoresLuciano Sathler
 
Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico
Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico
Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico Luciano Sathler
 
A educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digital
A educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digitalA educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digital
A educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digitalLuciano Sathler
 
E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...
E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...
E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...Luciano Sathler
 
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superiore-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação SuperiorLuciano Sathler
 
Cyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressão
Cyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressãoCyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressão
Cyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressãoLuciano Sathler
 
Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...
Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...
Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...Luciano Sathler
 
Impactos da Inteligência Artificial na Educação
Impactos da Inteligência Artificial na Educação Impactos da Inteligência Artificial na Educação
Impactos da Inteligência Artificial na Educação Luciano Sathler
 
Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...
Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...
Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...Luciano Sathler
 
Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...
Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...
Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...Luciano Sathler
 
Competências para a economia digital
Competências para a economia digitalCompetências para a economia digital
Competências para a economia digitalLuciano Sathler
 
Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...
Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...
Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...Luciano Sathler
 

Mais de Luciano Sathler (20)

Ensino Híbrido: Fundamentos e melhores práticas
Ensino Híbrido: Fundamentos e melhores práticasEnsino Híbrido: Fundamentos e melhores práticas
Ensino Híbrido: Fundamentos e melhores práticas
 
O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...
O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...
O suporte ao professor na adoção do Blended Learning: Princípios e melhores p...
 
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
 
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
 
Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...
Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...
Educação Básica: O espelho digital da Crise da Aprendizagem e caminhos para a...
 
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digitalEducação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
Educação Pós-Pandemia, a gestão se prepara para a transformação digital
 
Competências para a economia digital
Competências para a economia digitalCompetências para a economia digital
Competências para a economia digital
 
Book de atividades: International School
Book de atividades: International SchoolBook de atividades: International School
Book de atividades: International School
 
Prevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadores
Prevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadoresPrevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadores
Prevenção do suicídio na Internet: orientações para pais e educadores
 
Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico
Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico
Censo da Educação Básica 2019 - Infográfico
 
A educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digital
A educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digitalA educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digital
A educação e os desafios de formação dos profissionais para a economia digital
 
E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...
E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...
E-Learning para a economia digital: uma proposta para centros regionais de de...
 
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superiore-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
 
Cyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressão
Cyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressãoCyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressão
Cyberbullying e blended learning: Dos riscos e como mitigar essa agressão
 
Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...
Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...
Ensino Médio, possibilidades e fundamentos pedagógicos para as atividades a d...
 
Impactos da Inteligência Artificial na Educação
Impactos da Inteligência Artificial na Educação Impactos da Inteligência Artificial na Educação
Impactos da Inteligência Artificial na Educação
 
Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...
Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...
Why is “thorough and updated content” the top item in the list of elements as...
 
Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...
Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...
Por que “conteúdo correto e atualizado” é o item que encabeça a lista de elem...
 
Competências para a economia digital
Competências para a economia digitalCompetências para a economia digital
Competências para a economia digital
 
Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...
Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...
Qualidade na oferta da Educação Superior na modalidade a Distância: O Estado ...
 

Último

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 

O aluno e a sala de aula virtual

  • 1. O aluno e a sala de aula virtual CAPÍTULO 15 Luciano Sathler Rosa Guimarães Aluno virtual versus novo aprendente Originalmente, o título deste capítulo seria “O aluno vir- tual”. A mudança se deu perante alguns fatos que exigem a am- pliação da abordagem sobre o assunto. Dentre as razões está o fato de a palavra “aluno”remeter à relação que se estabelece em sistemas formais de ensino, o que limitaria por demais o tema, em tempos que a demanda por educação informal acompanha o ritmo inebriante em que novos conhecimentos são elaborados e sua informação, difundida. Já o termo “virtual” foi objeto de numerosos textos, com enfoques filosóficos, metafóricos e até tecnológicos, algumas vezes estabelecendo o contraponto entre o “virtual” e o “real”, discussão que aparenta estar esgotada. Por outro lado, o novo aprendente aponta para algumas das mudanças profundas que estão acontecendo, seja no modo como as pessoas aprendem, no que é preciso que aprendam ou na necessidade de aprender por toda a vida, de maneira cada vez mais autônoma. Longe de esgotar o assunto, o presente capítulo espera ins- tigar pesquisadores e educadores a se interessarem pelo tema, que pode colaborar com alguns dos avanços necessários para os sistemas educacionais principalmente no Brasil, mas também em outros países que pretendem alcançar o desenvolvimento sustentável e, para isso, precisam investir mais em práticas edu- cacionais inovadoras e baseadas em metodologias científicas. Educação para a base da pirâmide O braço fi nanceiro do Banco Mundial estima que existam quatro bilhões de pessoas ao redor do mundo que estão na base da pirâmide econômica (International Finance Corporation, 2007, p. 37). Trata-se da maioria da população humana, com renda anual abaixo dos três mil dólares de capacidade de com- pra local. Isso inclui os miseráveis e pobres, que no Brasil são usualmente tratados como classes D e E. Os mais empobrecidos muitas vezes vivem em áreas rurais ou nas periferias das grandes cidades, não têm acesso a servi- ços básicos, atuam na economia informal, de pouca eficiência e baixa competitividade. Formam a maioria da população na Áfri- ca, na Ásia, no Leste Europeu, na América Latina e no Caribe. Além da baixa renda têm em comum: • Necessidades significativas não atendidas, tais como falta de acesso a serviços bancários, falta de telefone próprio, residência em locais sem formalização de propriedade, au- sência de saneamento básico, deficiências no fornecimento de eletricidade, ausência de segurança pública e inacessibi- lidade aos serviços básicos de saúde; • Dependência de ambientes econômicos informais ou de subsistência, sem possibilidade de oferecer seu trabalho ou o resultado deste em outras localidades, o que aumenta sua vulnerabilidade e tendência a não mudar a realidade de uma geração para outra; • A penalidade da base da pirâmide, ou seja, a maioria dos empobrecidos paga mais caro por serviços e produtos bási- cos do que os favorecidos, em dinheiro ou no seu esforço para obter o que precisam, muitas vezes recebendo o que há de pior qualidade. No Brasil, o maior fenômeno socioeconômico verifi cado em anos recentes tem sido o forte crescimento da classe C; famílias cuja renda mensal varia de 6 mil a 32 mil dólares anuais, antes faziam parte da classe D. Elevar o poder aquisitivo dessa ampla parcela da população muda a expectativa de vida, tanto em ter- mos de busca por reconhecimento perante a sociedade quanto na visão de mundo. O acesso à educação é considerado fator primordial para que o indivíduo e sua família consigam continuar a galgar degraus em sua escalada social. Outros países experimentam situação semelhante, como China e Índia. A Unesco (Altbach; Reisberg; Rumbley, 2009, p. 28) informou que as matrículas no ensino superior cresceram 53 por cento em todo mundo do ano 2000 para 2007. Eram cerca de 150 milhões de estudantes em 2007, somando-se todos os países, ainda que com fortes desigualdades de acesso entre na- ções ricas e empobrecidas. Os números que demonstram a crescente demanda dos sis- temas educacionais formais no Brasil por parte das classes mais empobrecidas estão disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em suas edições do Censo Escolar ou do Censo da Educação Superior. Há marcadamente um novo perfi l socioeconômico dos estudan- tes brasileiros, que aprendem de maneira diferente e desafiam o elitismo que sempre marcou a educação superior. Trata-se de um segmento importante que compõe o universo de novos aprendentes. Algumas características desse estudante não tradicional, quando logra chegar à educação superior, são: • Matriculam -se tardiamente na educação superior, não no mesmo ano em que se formam no ensino médio; EaD.indb 126 1/8/2011 18:27:57
  • 2. 127 Luciano Sathler Rosa Guimarães Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual • Não conseguem se dedicar à universidade em tempo inte- gral, concentrando seus estudos no período noturno; • São trabalhadores de tempo parcial ou integral; • Têm independência financeira ou participação expressiva na renda familiar; • Contam com dependentes, tais como esposos, filhos e ou- tros parentes; • Há uma elevada ocorrência de mães solteiras, com uma ou mais crianças dependentes; • Os conhecimentos desenvolvidos na educação básica são inferiores aos do estudante universitário tradicional, ha- vendo, inclusive, casos de analfabetos funcionais; • São mais velhos, jovens adultos ou adultos; • Buscam objetivos claros, tais como melhores salários ou mudar de profissão. O fato de o acesso aos menos favorecidos à educação for- mal crescer forte e rapidamente impõe desafios enormes aos educadores. Esses novos aprendentes são oriundos de contex- tos diferenciados, onde não raro tiveram poucos estímulos à leitura, foram privados de alimentação adequada na infância, desenvolveram­‑se em ambientes de violência extrema e so- freram — e sofrem — com o preconceito, seja ele racial, de gênero ou por causa da origem social. Educação em um mundo saturado de informação Desde a massificação do rádio, do cinema e da televisão, as pessoas passaram a contar com uma multiplicidade inédita de fontes de informação. Foi um período em que também se ampliou o número de títulos de jornais, revistas e livros im- pressos. A disseminação da informática pessoal impôs novo ritmo à mudança, chegando­‑se à chamada convergência di- gital. A cada dia, tecnologias de informação e comunicação (TICs) mais eficientes e variadas estão à disposição. O mundo passou a contar com um novo fosso de desigualdade, entre os incluídos digitais e os não incluídos. É preciso ressaltar que a popularização dos computado- res pessoais é apenas mais um fato histórico. A televisão, por exemplo, adentrou na maioria dos lares brasileiros e mudou algumas das premissas a respeito da aprendizagem: as novelas demonstram forte poder de influência sobre hábitos, costumes e até valores; o noticiário influi nos resultados eleitorais; os desenhos animados alteram o arquétipo dos heróis. A informa- ção abundante e veloz passou a ser parte da vida das pessoas, com um impacto cada vez maior. A Internet aumentou a velocidade de criação e o volume de informações disponíveis, chegando ao ponto de cada in- divíduo poder ser um autor com presença na Web, seja por meio de produções próprias ou colaborativamente em inicia- tivas coletivas. A descoberta da simultaneidade não espacial (Thomson, 1998, p.36) existe quando é possível experimentar eventos simultâneos apesar de ocorrerem em lugares comple- tamente distintos, o que dá um novo sentido ao “agora”, não mais ligado a um lugar. Trata­‑se de uma nova realidade, co- nectada, interligada, instantânea, imediatista, onde a percep- ção do tempo foi profundamente alterada. A convergência digital permite ao novo aprendente estar em contato com diferentes contextos, o que praticamente im- põe a experiência multicultural que afeta as relações familia- res, de vizinhança, religiosas e altera radicalmente a relação que se estabelece no ambiente escolar ou universitário. Para focar apenas em uma variável, como pensar a autoridade do professor em um mundo em que os fundamentos relacionais passam pela contestação permanente do que merece respeito e atenção? A própria lógica científica, que para alguns rege o pensamento atual, exige que os fatos só durem até que se en- contrem novas hipóteses comprovadamente replicáveis. Com a informação democratizada e a sociedade multicul- tural permanece a pergunta: de onde emana a autoridade do professor? Em meio ao permanente relativismo da ciência, o que aprender e guardar para sempre? Nesse ambiente torna­ ‑se cada vez mais vital desenvolver estratégias mentais para ajudar a esquecer as coisas que não precisam ser lembradas. É algo importante para manter a sanidade. Atualmente beira o ridículo encontrar gente com ampla capacidade para decorar textos ou fórmulas matemáticas e recitá­‑los quando necessá- rio. Vive­‑se o princípio da chamada cognição distribuída. No entanto, o excesso de informação também é capaz de causar distúrbios variados sobre a memória e a atenção. Schacter (2003) classifica entre os erros de memória, esque- cimento e distorções nas seguintes categorias: transitorieda- de, distração, bloqueio, atribuição errada, sugestionabilidade, distorção e persistência. Transitoriedade está ligada ao enfra- quecimento da memória com o passar do tempo. Distração é uma ruptura entre a atenção e a memória, quando não se con- segue concentrar no que é preciso lembrar. Bloqueio é quan- do ocorre a busca sem resultados de uma informação que se deseja recuperar. Tais distorções são chamadas pelo autor de pecados de omissão. Os demais seriam pecados de ação. Atribuição errada en- volve a confusão entre fantasia e realidade, quando se vincu- la uma memória a uma fonte equivocada (parece ter ouvido algo de um amigo, mas a notícia estava no jornal, por exem- plo). Sugestionabilidade é relacionada a lembranças criadas como resultado de comentários ou sugestões quando se está tentando lembrar de uma experiência. Distorção reflete as in- fluências do conhecimento atual e as opiniões sobre o modo como o passado é lembrado. É comum as pessoas reescre- verem inteiramente suas vivências com base no que sabem ou acreditam no presente. Isso é feito de maneira consciente ou inconsciente. Persistência é a recordação deformada ou camuflada de informações ou acontecimentos considerados perturbadores, aqueles em que a pessoa deseja que nunca ti- vessem existido ou que pudessem ser eliminados da memória, como um tipo de defesa psíquica. Como a mente percebe, avalia e guarda a informação? Até o presente, as escolas e universidades concentram­‑se no sis- tema mental letrado, teórico e frontal e afirmam ser a melhor resposta, para usar as palavras de Kerckhove (2009, p. 64). No entanto, a realidade impõe uma visão crítica às práticas edu- cativas atuais. Basta observar as possibilidades abertas pela Web 2.0 (rede social colaborativa), a Web Semântica (concei- tos buscam conceitos de maneira automatizada na rede), os games computadorizados (realidade aumentada), aplicações de busca visual (Google) e a computação oblíqua (interação natural ou manipulação direta de conteúdo digital). Quando se sabe que todo o conhecimento está dis- tribuído e que tudo é conhecido por alguém, em algum lugar, e que essa informação está acessível, e tem preço, desenvolve­‑se uma espécie de psicologia just­‑in­‑time. Para que preocuparmo­‑nos em aprender isso agora se, EaD.indb 127 1/8/2011 18:27:57
  • 3. 128 O estado da arte Educação a distância quando precisarmos, estará acessível? Não saber uma coisa pode ter o seu valor, já que o processo de desco- berta pode tornar­‑se mais útil e mais estimulante que o conteúdo da descoberta. Com os sistemas periciais, melhorados por redes neurais sofisticadas e com curvas rápidas de aprendizagem, ninguém precisa ser perito em nada [...] O sistema de valores está mudando de um critério de excelência, hierárquico, competitivo, ba- seado na agressividade em relação ao outro, para um critério onde se dá valor à interatividade, à colaboração e ao apoio. (Kerckhove, 2009, p. 80) As TICs apontam para novas formas de interação entre os seres humanos e a informação, talvez mais naturais e instin- tivas do que é até o momento. É preciso que os educadores — isso inclui professores e gestores educacionais — se per- guntem quais as opções para incluir nas práticas de ensino as cercanias socioculturais dos aprendentes e os tipos de com- preensão que derivam dos instrumentos intelectuais forjados e utilizados nessas cercanias, bem como, por exemplo, dife- rentes graus de complexidade culturalmente acumulada na linguagem para enfrentar a crise hoje instalada (Egan, 2002, p. 286). O mundo do trabalho está profundamente alterado pelas transformações trazidas pela sociedade da informação. Antes o valor da informação derivava de sua raridade, da capacidade de limitar temporariamente sua difusão e de tentar regulamen- tar o acesso, para ter em mãos os poderes econômico, político e simbólico. Nos tempos de capitalismo cognitivo, digital ou capital imaterial (Gorz, 2005, p. 30), o essencial é poder contar com pessoas capazes de inovar, pois se torna praticamente im- possível manter uma posição competitiva baseada no segredo ou no encobrimento. O fundamento ético que devia permear a chamada socie- dade da informação é a capacidade de selecionar, produzir, alterar, distribuir e utilizar a informação para fazer avançar o desenvolvimento humano e a sustentabilidade socioambien- tal. Trata­‑se de privilegiar a autonomia englobando as noções de pluralidade, solidariedade e participação. Dois novos pa- radigmas se impõem nessa chamada Terceira Revolução In- dustrial, o do imaterial e as chamadas redes (Benkler, 2006). A crescente substituição do trabalho humano por máqui- nas, o crescimento da área de serviços e a convergência digi- tal valorizaram o domínio do imaterial como forma de alcan- çar vantagens estratégicas, seja como indivíduo, empresa ou país. Ao mesmo tempo, a multiplicação da velocidade e do volume de informação transmitida, somada à mundialização econômica e cultural, ampliou a trama das redes às quais as pessoas se conectam, sejam elas de cunhos familiar, étnico, profissional, social, religioso ou político. A sociedade da informação amplia a importância do co- nhecimento e da cultura como fatores fundamentais à liber- dade e ao desenvolvimento humano. Há uma mudança es- trutural em curso, que afeta tanto as relações sociais quanto econômicas. A maneira como as informações são produzidas, armazenadas, organizadas, recriadas e distribuídas impede o controle centralizado desses processos. As inovações tecno- lógicas permitem que se imprima uma velocidade inédita e se alcance um volume praticamente imensurável dessa pro- dução e troca. Considerando que a informação está sendo criada e re- criada com velocidade e volume jamais vistos, não é mais possível fugir da necessidade de aprender sempre e de ma- neira autônoma. Geralmente essa premência é solucionada por meio da educação informal, que tem em seu cerne o respeito aos conhecimentos, às habilidades, às crenças e aos conceitos prévios que influenciam significativamente o que as pessoas percebem sobre o ambiente e o modo como organizam e interpretam essa percepção. Isso, por sua vez, influencia suas capacidades de recordação, raciocínio, so- lução de problemas e construção de novos conhecimentos (Bransford; Brown; Cocking, 2007, p. 27). Algo que a educa- ção formal precisa aprender a valorizar mais. Sobre o nativo digital As pessoas aprendem de maneira diferente em tempos de convergência digital. O significado de “conhecer” mu- dou, pois, em vez de ser capaz de lembrar e repetir in- formações, é mais importante ser competente na busca e utilização destas. Hoje se encontram padrões distintos de aprendizagem, que prometem afetar profundamente as ins- tituições educacionais. São vários os termos para tratar da nova geração de apren- dentes. No caso do Brasil, trata­‑se de quem nasceu depois de 19881 e cresceu em um contexto em que as tecnologias digitais se tornaram parte do cotidiano, alterando a manei- ra como pensam, interagem e aprendem. Os que podem ser considerados partes dessa nova geração já receberam várias alcunhas, tais como: Nativos Digitais (McLester, 2007), Mil- lenials (Pedró, 2006), New Millenium Learners (Oecd, 2008), Neomillenial Learners (Baird; Fisher, 2006), entre outros. A designação “nativo digital” parece definir bem os que são habitantes nativos da linguagem própria dos computa- dores, telefones móveis, videogames e Internet, pois permite estabelecer sua contraparte, os imigrantes digitais, como a ge- ração que não conheceu essas possibilidades em sua infância, tendo de se adaptar ao novo contexto. Um novo paradigma sobre a aprendizagem se estabeleceu a partir das mudanças trazidas pela convergência digital. Isso pode ser sintetizado nas seguintes afirmações: • Existe a necessidade de reaprender como encontrar, sele- cionar, avaliar, organizar, hierarquizar e recriar a informa- ção de acordo com sua relevância, em meio ao imenso volume de dados em circulação; • A aprendizagem em tempos de convergência digital é um processo fundamentalmente colaborativo, em que as re- des sociais se destacam ao redor de interesses comuns, facilitando e orientando a construção do conhecimento; • O aprendente assume um papel central no processo de aprendizagem e não pode ser tratado como um receptor passivo da informação, devendo necessariamente ser in- cluído como um autor, cocriador, avaliador e comenta- dor crítico; 1. Nos países ricos o ano considerado é 1982, mas como o computador pessoal e a Internet demoraram um pouco mais para se espalhar pelo Brasil, preferimos adotar essa diferença. EaD.indb 128 1/8/2011 18:27:57
  • 4. 129 Luciano Sathler Rosa Guimarães Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual • Para dar conta dessa realidade, o processo de aprendiza- gem se torna cada vez mais personalizado, focado nas ne- cessidades e nos interesses individuais. Com a Web 2.0 realmente introduziu­‑se o tempo da chamada cognição distribuída, o modelo de relações sociais fundado na colaboração coletiva, tal como se pode exempli- ficar com os crescentes movimentos de open access e open source. Em março de 2009, por exemplo, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) aprovou uma política no sen- tido de os pesquisadores e docentes liberarem à instituição, sem cobrança de direitos autorais, todos os artigos resultados de suas pesquisas, para acesso livre e on­‑line dos interessa- dos. As condições foram a não exclusividade e a garantia de que não sejam utilizados para venda. Isso é uma séria ameaça para a forma convencional como a indústria de pu- blicações científicas atua. Existe uma cultura característica da Internet que se cons- trói com a participação de todos os protagonistas, inclusive pelo simples fato de selecionar e classificar algumas dentre todas as fontes de que dispõem, contribuindo à circulação criativa de informação sobre a qual nenhum indivíduo ou ins- tituição tem o domínio exclusivo. Nesse sentido, a construção de conhecimentos valoriza- dos pela sociedade está cada vez menos confinada nas insti- tuições educativas (espaço), nem se limita à formação inicial obtida (tempo). Os diplomas passaram a ser uma certificação social, não significando que o diplomado realmente domine a área de conhecimento na qual se formou. Se o profissional não investir em educação continuada e atualização profissio- nal corre o risco de se tornar informacionalmente obsoleto muito rapidamente. Destacam­‑se a seguir algumas das principais caracterís- ticas do nativo digital quando se trata da sua relação com as TICs e a informação, segundo Oblinger (2005), que realizou suas pesquisas com enfoque em alunos da Educação Superior nos Estados Unidos: • Os nativos digitais são digitalmente alfabetizados: como cresceram com amplo acesso à tecnologia, são hábeis em usar uma enorme variedade de TICs e navegar na Internet de maneira intuitiva. Apesar de se sentirem confortáveis usando a tecnologia sem consultar manuais de instrução, sua compreensão sobre a qualidade da fonte de informa- ção pode ser reduzida. Interagem melhor com a lingua- gem visual do que as gerações anteriores e muitas vezes se expressam usando imagens. São capazes de mesclar tex- tos, imagens e sons de maneira natural. Sua habilidade de transitar entre o real e o virtual é instantânea, e a disponi- bilidade abundante de mídia audiovisual os torna menos desenvolvidos no domínio de textos. Usam intensamente a Internet para buscar informações, apesar de saberem que muitas vezes não é o suficiente para alcançar todas suas necessidades informacionais. • Os nativos digitais são conectados: desde seu nascimen- to o mundo sempre foi um lugar conectado e, mais do que qualquer geração precedente, os nativos digitais têm abraçado o potencial da mídia em rede. Com a difusão da computação e da comunicação móvel, trata­‑se de pessoas sempre conectadas. • Os nativos digitais são imediatistas: é uma geração de pessoas rápidas, seja no imediatismo com que uma res- posta é esperada ou pela velocidade com que estão acos- tumados a receber informação. Sua característica é da multitarefa, movendo­‑se rapidamente de uma atividade a outra, muitas vezes realizando­‑as simultaneamente. Res- pondem rapidamente, ao jogar um game ou teclar men- sagens de texto. Tendem a valorizar mais a velocidade do que a acurácia. • Os nativos digitais são experimentadores: a maioria dos nativos digitais prefere aprender fazendo coisas, em vez de serem ensinados a respeito do que deve ser feito. Esse papel participativo cresce com a cultura dos games com- putadorizados, o que os leva a aprender melhor por meio da descoberta, da exploração pessoal ou colaborativa com seus pares. O instinto descobridor os torna aptos a reter melhor a informação e usá­‑la de maneiras criativas, de modo que façam sentido. • Os nativos digitais são sociais: são comunicadores prolífi- cos, gravitam ao redor de atividades que promovem e re- forçam a interação social. Demonstram abertura à diversi- dade, à alteridade e ao compartilhamento, relacionando­ ‑se com desconhecidos na Internet sem muita preocu- pação. Compartilham facilmente informações pessoais, inclusive emoções. Incluem no seu âmbito de relaciona- mentos pessoas não necessariamente de seu círculo indi- vidual (amigos dos amigos são aceitáveis). Algumas vezes a interação se dá por meio de identidades alternativas, e os tímidos costumam se expressar com mais liberdade na Web. Nesse sentido, preferem trabalhar em equipes ou grupos, privilegiando a aprendizagem entre pares, muitas vezes considerados mais confiáveis que professores. • Os nativos digitais são orientados para resultados: prefe- rem contar com parâmetros, regras, prioridades e proce- dimentos claros para o que lhes é solicitado realizar. Não lidam bem com a ambiguidade ou com tarefas demasia- damente abrangentes e gostam de saber exatamente como serão avaliados em sua performance. • Os nativos digitais preferem o engajamento e a experi- ência: os nativos digitais buscam descobrir indutivamente ou realizar observações, formular hipóteses ou saber es- tabelecer as regras que estão valendo. O ritmo ágil com que gostam de receber informação implica que geralmen- te não conseguem prestar atenção quando a aula não é interativa, não motiva ou simplesmente está demasiado lenta. Nesse sentido, é um desafio encorajá­‑los a parar de experimentar e dedicar algum tempo a refletir. • Os nativos digitais são visuais e cinestésicos: sentem­‑se mais confortáveis com ambientes ricos de imagens do que lidar exclusivamente com textos. Recusam­‑se a ler artigos extensos, o que se percebe bem quando instruções incor- poram gráficos em vez da simples abordagem passo a pas- so baseada em texto. Se puderem interagir com a informa- ção, isso é ainda melhor, pois a multimídia implica fazer coisas, e não apenas pensar ou falar sobre as mesmas. • Os nativos digitais preferem coisas que importam: os na- tivos digitais gostam de ser desafiados a tomar parte de ati- vidades comunitárias. Se lhes é dada a chance, preferem trabalhar com o que realmente importa, tais como temas sobre meio ambiente ou problemas sociais. Acreditam que podem fazer diferença e que a tecnologia deve ser usada para resolver situações complexas. Aceitam com fa- cilidade desenvolver novos conhecimentos relacionados a situações reais e desafiadoras. EaD.indb 129 1/8/2011 18:27:57
  • 5. 130 O estado da arte Educação a distância Novas demandas e expectativas Contexto, emoção e corpo É preciso reconhecer que o ser humano tem uma dimen- são emocional, uma dimensão mental ou linguística e uma dimensão corporal, como lembra Casassus (2009, p. 133). Que é possível aprender experimentando, analisando e com- partilhando. Mais ainda se essas vivências se dão no coletivo, na coexistência significativa. Aprender novas maneiras de ser, de trabalhar, de viver e conviver exige que se estabeleça um apreço verdadeiro na relação de ensino­‑aprendizagem, além da tolerância com a ig- norância ou sapiência do outro. A interpretação das informa- ções tem uma dimensão objetiva, quando a mente organiza as impressões sensoriais de maneira que se possa determinar seu significado. Mas também é preciso lembrar­‑se da dimen- são subjetiva, na qual a mente posiciona os dados factuais em relação à situação pessoal. Não basta se informar ou fornecer dados. É preciso ser capaz de articular a informação com o contexto e com a própria pessoa. Um professor que se importa com o novo aprendente é mais apreciado que um gênio incapaz de se relacionar emo- cionalmente no contexto escolar ou universitário. Autonomia Os novos aprendentes buscam estabelecer seus próprios ritmos para estudar, além de definir quando estão mais dis- poníveis e dispostos a se dedicar. Essa flexibilidade também é bem recebida no que se refere ao espaço, onde encontrar a informação necessária e interagir com outros ao redor dos assuntos em pauta. Por isso as instituições educacionais pre- cisam ser capazes de oferecer currículos abertos à escolha pessoal, cada um se interessa mais ou menos por diferentes objetivos de aprendizagem e querem ser capazes de escolher o que estudar. Aprendizado por pares Cresce o número de recursos educacionais abertos, infor- mações preparadas e disponibilizadas para uso no contexto escolar ou universitário, tendo diferenciadas opções para se- rem acessadas por quem se interessar, em qualquer lugar e a qualquer tempo. A lógica da eterna transformação da natureza se replica no ambiente informacional, onde nada se perde, tudo se copia, se reproduz ou se reconstrói. O conteúdo ge- rado pelos aprendentes pode ser mais interessante do que os dos docentes responsáveis pelo ensino. Buscar informação de múltiplas fontes torna­‑se não apenas recomendável como ne- cessário, em um universo de variedade infinita das nuances sobre um mesmo tema. Para sair do senso comum, confortável e acomodado, é melhor encontrar caminhos alternativos para aprender e, nesse sentido, nada mais confiável que os pares, os que compartilham da mesma idade, estilo de vida ou reli- gião, entre outros denominadores comuns. Tecnologia centrada no aluno Para ficar na educação formal, torna­‑se claro que o con- texto se tornou mais diverso em termos sociais, culturais, eco- nômicos, ambientais e tecnológicos. Essa complexidade se reflete também em uma maior diversidade do corpo discente, que chega às escolas com novas expectativas e necessidades. A tecnologia centrada no aluno (Christensen; Horn ; Johnson; 2009, p. 50) pode ser um caminho para evitar a padronização ora imposta pela formação docente, por currículos projetados extemporaneamente e impostos de cima para baixo, além da maneira como espaços educacionais são projetados dentro de uma lógica industrial e disciplinar. Personalização A perspectiva é com base no aprendente individual, sua bagagem cultural, experiências, talentos, habilidades pes- soais, interesses, capacidades e necessidades. Existem ferra- mentas tecnológicas que facilitam esse tipo de atenção pelas instituições educacionais, tais como: interação individuali- zada mediada por computadores, emissão e controle de tags (palavras­‑chave) como guias de percurso ou articulação, mé- tricas informatizadas sobre o que é visto, mais consultado ou rapidamente rejeitado na Internet e tutoria pessoal por agentes inteligentes transmutados em softwares robotizados. Experiência internacional O Futurelab (<http://www.futurelab.org.uk>) é uma orga- nização do terceiro setor dedicada a transformar o ensino e a aprendizagem, tornando esses temas mais relevantes para a sociedade, se comprometendo com novos aprendentes por meio de práticas inovadoras e tecnologia. Ela realiza pesqui- sas de campo e busca demonstrar usos inovadores da tecno- logia no intuito de colaborar com a mudança sistêmica da educação, congregando pessoas com interesses convergentes nessa área vindas dos setores público e empresarial, círculos acadêmicos e comunidades de prática. Há um trabalho intenso em parceria com o governo do Reino Unido, mantendo a independência de seus pontos de vista e buscando bases decorrentes de investigação cientí- fica para estabelecer projetos que estimulem a adoção de novas vivências docentes, com o devido apoio e ferramen- tas disponíveis. Trata­‑se de uma iniciativa baseada em fa- tos emanados de pesquisas no campo educacional, tendo a vantagem da relativa independência em relação aos sistemas governamentais, nos quais sempre há o risco do imobilismo ou continuísmo. O trabalho do Futurelab é realizado em escolas e sistemas educacionais, com ênfase na inovação curricular, espaços de aprendizagem, inclusão digital, games de console e computa- dores, aprendizagem de adultos e em família, avaliação, alfa- betização e participação cidadã digital. A Tabela 15.1 apresenta um resumo das fases da apren- dizagem ao longo da história, em que diferentes públicos eram privilegiados, os locais variaram, bem como as fontes de aprendizagem, as tradições pedagógicas, as mídias mais utilizadas, os conteúdos priorizados e o chamado “currí­ culo oculto”. Considerações finais Em qualquer sociedade informações, conhecimentos, ha- bilidades, crenças e valores precisam ser transmitidos às gera- ções mais jovens. Ao mesmo tempo, sempre há novas infor- mações, conhecimentos, habilidades, crenças e valores que EaD.indb 130 1/8/2011 18:27:58
  • 6. 131 Luciano Sathler Rosa Guimarães Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual Tabela15.1–Aprendizagemaolongodotempo. Períodos QUEM aprende ONDEFontesdaaprendizagemCOMO(pedagogiasdominantes) Mídiainstrucio- naldominante Mídiacul- turaldomi- nante OQUE (Conteúdopredomi- nante/currículos) Conteúdoimplícito/ currículos Erapré­ ‑literária Todasas crianças Família,comunidade, “escolasde vizinhança” Família,comunidadeParticipação,observaçãoInderteminadaOral Construçãode significadonocontexto Sobrevivência, documentação, cerimonial Erapré­ ‑moderna (1439— XVIII) Homens comerciantes edaelite TUTORESeescolas formais AdultosexperientesesábiosParticipação,observação,instruçãoImagens,textoImagens,texto Alfabetizaçãobásica, domíniostécnicosou especializados Comércio,obediência, educaçãoreligiosa Eramo- derna(XIX àdécada de1950) Crescimento daeducação pública/ maioriadas criançascom idadeentre5 e18anos Formal(saladeaula) Principalmenteeducadoras, professorescomoespecialistase alunoscomoestudantespassivos Escolaridadeuniforme,conhecimento recebido,umúnicométododidático paratodososaprendentes/aprendi- zagem Impressa Crescimento damidiade massaimpres- sa,difusão (rádio,TV, filmes) Humanidadeseidioma/ alfabetização,socializa- ção,rotina Preparaçãoparaotraba- lho,disciplina,cidadania 1960a 2000 Todasas crianças Formal(saladeaula) Professorescomoespecialistas, estudantescomoreceptores passivos(emergente:professores comofacilitadores,alunosmais ativos) Escolaridadeuniforme,conhecimento recebido,umúnicométododidático paratodososaprendentes/aprendiza- gem(emergente:construtivismonoiní- cio,individualizaçãoprecoce,múltiplas inteligências,aprendizadosocial) Impressa,alguma difusão Mídiade massa—im- pressa,difu- são(rádio/ TV/filmes) emergente: mídiadigital Ênfaseemciência versushumanidades/ alfabetização Consumerismo Com- putação pessoal— EraDigital (1980até hoje) Todasas crianças Formal(saladeaula) emergente—infor- mal;salasdeaula continuam,mas crescecadavezmais oaprendizadoem qualquerlugar Professorescomoespecialistas, estudantescomoreceptores passivos(emergente:professores comofacilitadores,alunoscomo coarquitetos,ensinoindividual- mentedirecionado,aprendiza- gemcompares) Escolaridadeuniforme,conhecimento recebido,umúnicométododidático paratodososaprendentes/apren- dizagem(emergente:construtivismo, aprendizagemcontextualizada,apren- dizagemsocial/cogniçãodistribuída) Impressa,difusão (emergente:mídia digital) Mídiade massadigital (Internet/Web 2.0)emer- gente:mídia digitalportátil Ênfaseemciência (emergente:interdisci- plinaridade) Diversidade,consume- rismo Futuro —apoio insufi- ciente Todos(ao longoda vida) Formalparatodos, informalparaprivile- giados Autoaprendizagem,aprendi- zagemcompares,professores menosrelevantes,alunosautô- nomos,aprendizagemlimitada devidoadistrações Divisãoentreinstruçãodiretaetra- balhoautônomo,instruçãodireta, pedagogiastradicionaispermanecem, trabalhoautônomo,construtivismo, aprendizagemcontextualizada,apren- dizadosocial/cogniçãodistribuída Impressa,difusão digital(Internet/ Web2.0),mídia digitalportátil,rea- lidadeaumentada Digital(Inter- net/Web2.0), mídiadigital portátil 3Rs,disciplinas,inter- disciplinaridade,meta- cognição,novaalfabe- tizaçãoparaasmídias, globalização,ética Participaçãoglobalcomo algoquefazsentidotanto paraserprodutorde informação,consumidor ecidadaniaparaalguns Futuro —bem apoiado Todos(ao longoda vida) Formaleinformal paratodos Ensinoindividualmentedireciona- do,apoioàaprendizagemcom pares,professorescomofacilita- dores,alunoscomocoarquitetos Equilíbriodeaprendizagemautônoma eaprendizagemorientada,construti- vismoapoiado,aprendizagemcontex- tualizada/cogniçãodistribuída Impressa,difusão digital(Internet/ Web2.0),mídia digitalportátil,rea- lidadeaumentada Digital(Inter- net/Web2.0) mídiadigital portátil 3Rs,disciplinas,in- terdisciplinaridade, metacognição,novas mídiasdealfabetização, globalização,ética Participaçãoglobalcomo algoquefazsentidotanto paraserprodutorde informação,consumidor ecidadania AdaptadodeWeigel,JameseGardner,2009,p.3. EaD.indb 131 1/8/2011 18:27:58
  • 7. 132 O estado da arte Educação a distância Referências ALTBACH, P.; REISBERG, L.; RUMBLEY, L. Trends in global higher education: tracking an academic revolution. Paris: Unesco, 2009. BAIRD, D.; FISHER, M. Neomillennial user experience design strategies: utilizing social networking media to support “always on” learning styles. Journal of Educational Technology Systems 34, 2006, p. 5-32. BRANSFORD, J.; BROWN, A.; COCKING, R. (Orgs.). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola. São Paulo: Senac, 2007. CASASSUS, J. Fundamentos da educação emocional. Brasília: Liber Livro Editora, 2009. CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; JOHNSON, C. W. Inovação na sala de aula: como a inovação de ruptura muda a forma de apren- der. Porto Alegre: Bookman, 2009. DAVIDSON, C.; GOLDBERG, D.; JONES, Z. M. The future of thinking: learning institutions in a digital age. Cambridge, Massachusetts; London: MIT Press, 2010. EGAN, K. A mente educada: os males da educação e a ineficiência educacional das escolas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. ENTWISTLEA, N.; PETERSONB, E. Conceptions of learning and knowledge in higher education: relationships with study behavior and influences of learning environments. International Journal of Educational Research, v. 41, p. 407-428, 2004. GORZ, A. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005. International Finance Corporation. The next four billion: market size and business strategy at the base of the pyramid. Inter- national Finance Corporation, 2007. KERCKHOVE, D. A pele da cultura: investigando a nova realidade eletrônica. São Paulo: Annablume, 2009. McLESTER, S. Technology literacy and the MySpace generation: they’re not asking permission. Technology & Learning, n. 27, 2007, p. 16-22. OBLINGER, D.; OBLINGER, J. (Orgs.). Educating the Net Generation. Boulder: Educause, 2005. OECD. New Millennium Learners: Initial findings on the effects of digital technologies. OECD-CERI, 2008. Disponível em: <http:// www.oecd.org/dataoecd/39/51/40554230.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2010. PEDRÓ, F. The new millennium learners: challenging our views on ICT and learning. OECD-CERI, 2006. Disponível em: <http://www. oecd.org/dataoecd/1/1/38358359.pdf>. Acesso em: 1o fev. 2010. SCHACTER, D. L. Os sete pecados da memória: como a mente esquece e lembra. Rio de Janeiro: Rocco, 2003. THOMPSON, J. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998. WEIGEL, M.; JAMES, C.; GARDNER, H. Learning: peering backward and looking forward in the digital era. International Journal of Learning and Media, v. 1, n. 1, 2009. Leituras adicionais ANDERSON, T. (Org.). Theory and practice of online learning. 2. ed. Athabasca: Athabasca University, 2008. BENKLER, Y. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. New Haven: Yale University Press, 2006. Disponível em: <http://www.benkler.org>. Acesso em: 1o maio 2009. BRIGGS, A.; BURKE, P. Uma história social da mídia: de Gutemberg à Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004. D’ANTONI, S. (Org.). The virtual university: models and messages, lessons from case studies. Disponível em: <http://www. unesco.org/iiep/virtualuniversity/home.php>. Acesso em: 3 fev. 2010. SOUZA, A.; LAMOUNIER, B. A classe média brasileira: ambições, valores e projetos de sociedade. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2009. VISSER, J.; VISSER-VALFREY, M. (Orgs.). Learners in a changing learning landscape: reflections from a dialogue on new roles and ex- pectations. Sidney: Springer, 2008. Sites recomendados Canadian Institute of Distance Education Research: <http://cider.athabascau.ca>. Centre for Educational Research and Innovation OECD: <http://www.oecd.org/edu/ceri>. Free Technology for Teachers: <http://www.freetech4teachers.com>. George Siemens / Conectivismo: <http://www.elearnspace.org>. serão importantes no futuro. Os mais experientes talvez não sejam capazes de prever ou aptos a compreender plenamente quais são essas novas competências necessárias. A tecnologia e as mudanças socioeconômicas mudam radicalmente o perfil dos aprendentes, o que pede uma revisão profunda dos papéis dos educadores. Não apenas para usar bem e apropriadamente os recursos disponíveis. Abrir e arriscar novos caminhos, ainda não previsíveis, para construir sentido, propósito, conexões e relacionamentos que alcancem o mundo além dos muros da escola ou da universidade. Entender e colaborar para que as fronteiras se diluam, como uma membrana que organiza, protege e desempenha melhor ainda suas funções por ser permeável ao novo. EaD.indb 132 1/8/2011 18:27:58
  • 8. 133 Luciano Sathler Rosa Guimarães Capítulo 15: O aluno e a sala de aula virtual Journal of Educational Technology and Society: <http://www.ifets.info>. Natural Interaction: <http://naturalinteraction.org>. Online Journal of Distance Learning Administration: <http://www.westga.edu/~distance/ojdla/>. Online Learning Update: <http://people.uis.edu/rschr1/onlinelearning/blogger.html>. Pew Internet & America Life Project: <http://pewinternet.org>. Tech & Learning: <http://www.techlearning.com>. The Encyclopaedia of Informal Education: <http://www.infed.org>. The Sloan Consortium: <http://www.sloanconsortium.org>. World Conference on Higher Education Unesco: <http://www.unesco.org/en/wche2009/>. Luciano Sathler é diretor-adjunto do Centro de Educação a Distância da Universidade Anhanguera (Uniderp) e membro do Comitê de Qualidade da Associação Brasileira de Educação a Distância; doutor em administração pela Universidade de São Paulo (FEA/USP); mestre em administração pela Universidade Metodista de São Paulo, onde é docente licenciado e atuou, inclusive, como pró-reitor de Educação a Distância; especialista em gestão universitária pela Organização Universitária Inte- ramericana e em gestão de marketing pela Cepead/UFMG; bacharel em comunicação social, com habilitação em publicidade e propaganda pela PUC-MG; presidente para América Latina da Associação Mundial de Comunicação Cristã. Junto com José Marques de Melo é organizador do livro Direitos à comunicação na sociedade da informação (Umesp, 2005), disponível na íntegra em http://lucianosathler.pro.br. Sobre o autor EaD.indb 133 1/8/2011 18:27:58
  • 9. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIREITOS REPROGRÁFICOS Fredric M. Litto Marcos Formiga Organizadores EaD.indb 3 2/8/2011 15:44:46 São Paulo Brasil Argentina Colômbia Costa Rica Chile Espanha Guatemala México Peru Porto Rico Venezuela Litto_v2_pIII_IV.indd 1 02/04/2014 14:38:33
  • 10. © 2012 by Fredric Michael Litto e Marcos Formiga Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Pearson Education do Brasil. Diretor editorial: Roger Trimer Gerente editorial: Sabrina Cairo Coordenadora de produção editorial: Thelma Babaoka Editor de desenvolvimento: Jean Xavier Preparação: Olivia Zambone Revisão: Carmen Teresa Simões da Costa Capa: Alexandre Mieda Projeto gráfico e diagramação: Figurativa Editorial MM Ltda.. 2011 Direitos exclusivos para a língua portuguesa cedidos à Pearson Education do Brasil, uma empresa do grupo Pearson Education Rua Nelson Francisco, 26 – Limão Cep: 02712-100 São Paulo – SP Tel: (11) 2178-8686 – Fax: (11) 2178-8688 e-mail: vendas@pearson.com Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Educação a distância : o estado da arte, volume 2 / Fredric Michael Litto, Marcos Formiga (orgs.). -- 2. ed. -- São Paulo : Pearson Education do Brasil, 2012. vários autores. Bibliografia. ISBN 978-85-7605-883-0 1. Educação a distância - História I. Litto, Fredric Michael. II. Formiga, Marcos. 11-02298 CDD-371.309 Índice para catálogo sistemático: 1. Educação a distância : História 371.309 EaD.indb 4 1/8/2011 18:27:26 1a reimpressão – novembro 2012 Direitos exclusivos para a língua portuguesa cedidos à Pearson Education do Brasil Ltda., uma empresa do grupo Pearson Education Rua Nelson Francisco, 26 CEP 02712-100 – São Paulo – SP – Brasil Fone: 11 2178-8686 – Fax: 11 2178-8688 e-mail: vendas@pearson.com 2a reimpressão – abril 2014 Direitos exclusivos para a língua portuguesa cedidos à Pearson Education do Brasil Ltda., uma empresa do grupo Pearson Education Rua Nelson Francisco, 26 CEP 02712-100 – São Paulo – SP – Brasil Fone: 11 2178-8686 – Fax: 11 2178-8688 vendas@pearson.com Litto_v2_pIII_IV.indd 2 02/04/2014 14:38:34