SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Teoria Crítica - Escola de Frankfurt
Ms. Laércio Torres de Góes
Cultura
 Toda a atividade humana, seu
domínio simbólico e suas relações
estabelecidas.
Cultura
 Sociedade pré-capitalista
 Cultura popular: lugares públicos
(tabernas, praças, mercados, igrejas)
Cultura
 Sociedade pré-capitalista
 Cultura da elite: locais específicos
como escolas, universidades, bibliotecas.
Mercantilização da cultura
 Livro: símbolo da alta cultura seria um dos
primeiros objetos culturais a entrar no
sistema de produção e difusão cultural.
Mercantilização da cultura
 Espetáculos populares: organizados em
moldes empresariais (teatro, circo, etc.).
Mercado de Cultura
 Antes: as trocas se
efetuavam ao ritmo das
necessidades do público.
 Depois: a produção é
ordenada por leis
comerciais e a circulação
de bens culturais é
determinada por critérios
econômicos e não
culturais.
Mercado de Cultura
 Cultura de massa
 Cultura de consumo
 Cultura midiática ou
indústrias de cultura
 Setor de produção,
reprodução e difusão de
bens e serviços culturais
em série, regido por
critérios prioritariamente
econômicos.
Mercado de Cultura
 Contraposição ao conceito de alta cultura,
cultura dominante ou cultura de elite,
que por sua vez se opõe a cultura popular,
pequena tradição ou cultura tradicional.
Escola de Frankfurt (1923)
 Grupo de pensadores e cientistas sociais
alemães, marxistas não-ortodoxos, que
iniciaram a pesquisa crítica em comunicação.
 Theodor Adorno, Max Horkheimer, Erich
Fromm, Herbert Marcuse, Walter Benjamin,
Siegfried Kracauer e Jurgen Habermas.
Escola de Frankfurt (1923)
 Fenômenos de mídia e da cultura de mercado na
formação do modo de vida da sociedade
contemporânea.
 Teoria crítica: A ciência social não deve se reduzir a
mera técnica e pesquisa, de seleção e classificação
de dados objetivos, sem levar em conta as
implicações sociais.
 Denuncia a contradição entre indivíduo e sociedade
como um produto histórico da divisão de classes e se
opõe às análises que representam tal contradição
como um dado natural.
Teoria crítica x Escola
americana
 Escola Americana
 Objeto - estudo do grupo, do comportamento
humano;
 Perspectiva – parte do público;
 Metodologia – pesquisa de campo sobre o
comportamento do público;
 Teoria – afirma a função social dos meios de
comunicação de massa;
 Conclusão – poder da sociedade sobre os meios
de comunicação.
Teoria crítica x Escola
americana
 Teoria crítica
 Objeto - estudo do conteúdo, da ideologia;
 Perspectiva - parte do emissor;
 Metodologia - estudo do conteúdo das
mensagens, portanto da ideologia;
 Teoria - dominação exercia pelos meios de
comunicação de massa;
 Conclusão - poder dos meios de comunicação
de massa sobre a sociedade.
Theodor Adorno e Max
Horkheimer
 A democratização da cultura
promovida pelos meios de
comunicação é enganosa.
 Este processo tende a ser contido
pela sua exploração com finalidades
econômicas.
 Criaram o conceito de indústria
cultural, na obra Dialética do
Iluminismo (1947), que se tornou
central para os estudos culturais e
as análises da mídia.
Theodor Adorno e Max
Horkheimer
 Visão de mundo marxista
revisionada.
 Influenciados pela
experiência traumática do
nazismo, que se utilizou de
forma sistemática dos meios
de comunicação para tomar o
poder e manter-se nele.
Indústria cultural
 Indústria cultural: a produção cultural e
intelectual passa a ser orientada em função
de sua possibilidade de consumo no
mercado.
 Manipulação das massas: o papel da
indústria cultural era de manipular as
massas tirando-lhe o espírito crítico e
fazendo que se conformem com o status
quo.
Indústria cultural
 Sistema: Os meios de
comunicação (cinema,
rádio, revista, TV) formam
um sistema de produção
cultural que impõe
padronização dos
conteúdos, estereótipos e
baixa qualidade,
promovendo a
manipulação do consumo
como forma de domínio.
 Visão elitista e burguesa?
 Valorização da alta cultura
Indústria cultural
 Lazer: a cultura produzida para consumo
massivo e imposta verticalmente ocupa o
espaço de lazer que ainda resta das classes
trabalhadoras, dando-lhes uma falsa ilusão
de felicidade.
 Indivíduo: perde a autonomia, visão
acrítica dos valores impostos, manipulado
como objeto, pseudoindividualidade. Trata
a mentalidade das massas como um dado
imutável.
Indústria cultural
 Incorpora dissidentes,
desconstrói ideologias,
identifica potencial para
o consumo.
 Assimilação da cultura
alternativa ou
contestadora.
 Produz ídolos, mas
também se apropria de
ídolos que foram gerados
de forma espontânea,
fora da indústria cultural.
Indústria cultural
 Características:
 Reprodução em série
 Padronização
 Fácil fruição
 Previsibilidade
 Estereótipos (organização e antecipação da
experiência).
Indústria cultural
 Autonomia do indivíduo: Não leva em
conta a autonomia do indivíduo, sua
predisposição, contexto histórico-social,
gostos e visão de mundo do público.
Walter Benjamin
 A obra de arte na era de sua
reprodutibilidade técnica
(1935).
 Pioneiro ao analisar a nova
cultura de massa
 Aura: o aqui e agora da obra de
arte, sua tradição, sua unicidade
e sua condição de objeto
cultuado. Uma obra a ser
reproduzida em série perde a sua
aura.
Walter Benjamin
 Dimensão de culto
 “Aqui e agora” –
experiência de
contemplar uma
obra original, única
e autêntica.
Walter Benjamin
 Valor de culto (Arte pré-histórica e Arte
sacra na Idade Média)

Walter Benjamin
 Com a reprodução oferecida,
principalmente pela
fotografia e cinema, se perde
o “aqui e agora”, a aura.
 Diferença principal entre
cópia e reprodução está na
escala que a reprodução
permite.
 Democratização da cultura -
acesso à obras de arte.
Walter Benjamin
 Cinema: não se aplica o critério
de autenticidade –
reprodutibilidade obrigatória -
produto coletivo - reação coletiva
do público.
 Nova percepção: qualquer
pessoa em posição de usar e
gozar a obra de arte. A cultura
de massa baseia-se na percepção
e no uso da obra reproduzida.
 Benjamin foi capaz de ver na
técnica e nas massas um modo de
emancipação da arte.
Walter Benjamin
 Era Digital
 Sociedade da reprodutibilidade
 Críticas à cultura de massa
 Dirige-se a um público heterogêneo, utilizando-se das
“médias de gostos” evitando as soluções originais;
 Destroem as características culturais próprias de cada
grupo étnico;
 Tendência a provocar emoções intensas e não
mediatas;
 Sujeitos à lei da oferta e da procura;
 Quando difundem produtos da cultura superior,
difundem-nos nivelados e condensados;
Apocalípticos e Integrados
(Umberto Eco)
 Críticas à cultura de massa
 Apresenta os produtos da cultura superior de forma
nivelada com outros produtos de entretenimento;
 Encoraja uma visão passiva e acrítica do mundo;
 Informações sem contextualização histórica-social;
 Busca o nível superficial da atenção;
 Tendência a impor símbolos e mitos de fácil
universalidade;
 Favorecem conceitos do status quo.
Apocalípticos e Integrados
(Umberto Eco)
Apocalípticos e Integrados
(Umberto Eco)
 Defesa da cultura de massa
 Não é típica de regime capitalista, mas de qualquer
sociedade de tipo industrial;
 Não tomou o lugar da cultura superior, simplesmente se
difundiu junto a massas que antes não tinham acesso
aos bens culturais;
 A grande quantidade de informação pode levar a uma
mudança qualitativa;
 A difusão de produtos de entretenimentos considerados
negativos não é sinal de decadência dos costumes, pois
sempre a humanidade sentiu-se atraída pelo circo;
Apocalípticos e Integrados
(Umberto Eco)
 Defesa da cultura de massa
 A homogeneização do gosto contribuiria para
eliminar as diferenças sociais e nacionais;
 A difusão de bens culturais intensiva embota as
capacidades receptivas, mas este fenômeno é
comum a todas as épocas.
 As informações fornecidas tornam o ser humano
contemporâneo mais sensível e ativo na sociedade;
 Por constituir um conjunto de novas linguagens,
introduz também inovações estilísticas,
influenciando a cultura superior.
Conclusões
 Os níveis culturais não correspondem a
uma nivelação classista;
 Não representam graus de complexidade;
 Não correspondem com níveis de validade
estética;
 A cultura de massa não tem como fugir
da lei da oferta e da procura.
Fontes
 ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados.
São Paulo: Perspectiva, 1990.
 GONÇALVES, Gisela. Questionamento à volta
de três noções: grande cultura, cultura
popular e cultura de massas. Lisboa: BOCC,
1998. Disponível em www.bocc.ubi.pt.
 HOHFELDT, Antônio, MARTINO, Luiz C. &
FRANÇA, Vera Veiga (orgs.). Teorias da
Comunicação: conceitos, escolas e
tendências. Petrópolis: Vozes, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
paraiba1974
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Aline Corso
 
Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)
Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)
Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)
joao paulo
 

Mais procurados (20)

Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02   Teoria Hipodérmica da ComunicaçãoAula 02   Teoria Hipodérmica da Comunicação
Aula 02 Teoria Hipodérmica da Comunicação
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
 
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart HallAula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
Aula 9c Estudos Culturais - Stuart Hall
 
Cultura de massa - teorias da comunicação
Cultura de massa - teorias da comunicaçãoCultura de massa - teorias da comunicação
Cultura de massa - teorias da comunicação
 
teoria Crítica e Escola de Frankfurt
teoria Crítica e Escola de Frankfurtteoria Crítica e Escola de Frankfurt
teoria Crítica e Escola de Frankfurt
 
Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)
Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)
Maria lucia-aranha-filosofando-introdução-à-filosofia-(doc-livro)
 
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade CulturalDefinições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
Definições de cultura / Etnocentrismo e Identidade Cultural
 
Industria cultural
Industria culturalIndustria cultural
Industria cultural
 
Estudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicaçãoEstudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicação
 
Teoria Critica e Escola de Frankfurt
Teoria Critica e Escola de FrankfurtTeoria Critica e Escola de Frankfurt
Teoria Critica e Escola de Frankfurt
 
Paradigmas da comunicacao
Paradigmas da comunicacaoParadigmas da comunicacao
Paradigmas da comunicacao
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 
Teoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentaçãoTeoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentação
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
 
Teoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicaçãoTeoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicação
 

Semelhante a Teoria Crítica - Escola Frankfurt

Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
AlineCALi
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
aulasgege
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
licasoler
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Ana Dall'Agnol
 

Semelhante a Teoria Crítica - Escola Frankfurt (20)

A teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
A teoria culturológica - abordagem de Edgar MorinA teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
A teoria culturológica - abordagem de Edgar Morin
 
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinema
Cultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinemaCultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinema
Cultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinema
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
 
Design gráfico
Design  gráficoDesign  gráfico
Design gráfico
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cultura e Humanização
Cultura e HumanizaçãoCultura e Humanização
Cultura e Humanização
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
Teorias da comunição resumo teórico
Teorias da comunição resumo teóricoTeorias da comunição resumo teórico
Teorias da comunição resumo teórico
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
 
3162699.ppt
3162699.ppt3162699.ppt
3162699.ppt
 
Dos meios às mediações - Jesús Martin-Barbeiro
Dos meios às mediações - Jesús Martin-BarbeiroDos meios às mediações - Jesús Martin-Barbeiro
Dos meios às mediações - Jesús Martin-Barbeiro
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 
Seminário Cultura de Massa
Seminário Cultura de MassaSeminário Cultura de Massa
Seminário Cultura de Massa
 
A Sociedade De Massa
A Sociedade De MassaA Sociedade De Massa
A Sociedade De Massa
 
Teoria Culturológica
Teoria CulturológicaTeoria Culturológica
Teoria Culturológica
 
Paradigma critico radical
Paradigma critico radicalParadigma critico radical
Paradigma critico radical
 

Mais de Laércio Góes

Mais de Laércio Góes (20)

Ecologia da comunicação e iconofagia
Ecologia da comunicação e iconofagiaEcologia da comunicação e iconofagia
Ecologia da comunicação e iconofagia
 
Semiótica
SemióticaSemiótica
Semiótica
 
Ferramentas para reportagem multimídia
Ferramentas para reportagem multimídiaFerramentas para reportagem multimídia
Ferramentas para reportagem multimídia
 
Modelos de negócio no jornalismo digital
Modelos de negócio no jornalismo digitalModelos de negócio no jornalismo digital
Modelos de negócio no jornalismo digital
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológico
 
Comunicação e linguagem
Comunicação e linguagemComunicação e linguagem
Comunicação e linguagem
 
Infográfico Multimídia
Infográfico MultimídiaInfográfico Multimídia
Infográfico Multimídia
 
Jornalismo e fake news
Jornalismo e fake newsJornalismo e fake news
Jornalismo e fake news
 
Jornalismo e aplicativos móveis
Jornalismo e aplicativos móveisJornalismo e aplicativos móveis
Jornalismo e aplicativos móveis
 
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicaçãoPesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
 
Características do jornalismo digital
Características do jornalismo digitalCaracterísticas do jornalismo digital
Características do jornalismo digital
 
Reportagem multimídia
Reportagem multimídiaReportagem multimídia
Reportagem multimídia
 
Jornalismo e redes sociais
Jornalismo e redes sociaisJornalismo e redes sociais
Jornalismo e redes sociais
 
Multimidialidade no jornalismo
Multimidialidade no jornalismoMultimidialidade no jornalismo
Multimidialidade no jornalismo
 
Aula - Movimentos sociais em rede
Aula - Movimentos sociais em redeAula - Movimentos sociais em rede
Aula - Movimentos sociais em rede
 
Aula - Jornalismo sindical
Aula - Jornalismo sindicalAula - Jornalismo sindical
Aula - Jornalismo sindical
 
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitáriaAula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
 
Aula - Jornalismo ambiental
Aula - Jornalismo ambientalAula - Jornalismo ambiental
Aula - Jornalismo ambiental
 
Aula - Perfil
Aula - PerfilAula - Perfil
Aula - Perfil
 
Aula - Jornalismo Comunitário
Aula - Jornalismo ComunitárioAula - Jornalismo Comunitário
Aula - Jornalismo Comunitário
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 

Teoria Crítica - Escola Frankfurt

  • 1. Teoria Crítica - Escola de Frankfurt Ms. Laércio Torres de Góes
  • 2. Cultura  Toda a atividade humana, seu domínio simbólico e suas relações estabelecidas.
  • 3. Cultura  Sociedade pré-capitalista  Cultura popular: lugares públicos (tabernas, praças, mercados, igrejas)
  • 4. Cultura  Sociedade pré-capitalista  Cultura da elite: locais específicos como escolas, universidades, bibliotecas.
  • 5. Mercantilização da cultura  Livro: símbolo da alta cultura seria um dos primeiros objetos culturais a entrar no sistema de produção e difusão cultural.
  • 6. Mercantilização da cultura  Espetáculos populares: organizados em moldes empresariais (teatro, circo, etc.).
  • 7. Mercado de Cultura  Antes: as trocas se efetuavam ao ritmo das necessidades do público.  Depois: a produção é ordenada por leis comerciais e a circulação de bens culturais é determinada por critérios econômicos e não culturais.
  • 8. Mercado de Cultura  Cultura de massa  Cultura de consumo  Cultura midiática ou indústrias de cultura  Setor de produção, reprodução e difusão de bens e serviços culturais em série, regido por critérios prioritariamente econômicos.
  • 9. Mercado de Cultura  Contraposição ao conceito de alta cultura, cultura dominante ou cultura de elite, que por sua vez se opõe a cultura popular, pequena tradição ou cultura tradicional.
  • 10. Escola de Frankfurt (1923)  Grupo de pensadores e cientistas sociais alemães, marxistas não-ortodoxos, que iniciaram a pesquisa crítica em comunicação.  Theodor Adorno, Max Horkheimer, Erich Fromm, Herbert Marcuse, Walter Benjamin, Siegfried Kracauer e Jurgen Habermas.
  • 11. Escola de Frankfurt (1923)  Fenômenos de mídia e da cultura de mercado na formação do modo de vida da sociedade contemporânea.  Teoria crítica: A ciência social não deve se reduzir a mera técnica e pesquisa, de seleção e classificação de dados objetivos, sem levar em conta as implicações sociais.  Denuncia a contradição entre indivíduo e sociedade como um produto histórico da divisão de classes e se opõe às análises que representam tal contradição como um dado natural.
  • 12. Teoria crítica x Escola americana  Escola Americana  Objeto - estudo do grupo, do comportamento humano;  Perspectiva – parte do público;  Metodologia – pesquisa de campo sobre o comportamento do público;  Teoria – afirma a função social dos meios de comunicação de massa;  Conclusão – poder da sociedade sobre os meios de comunicação.
  • 13. Teoria crítica x Escola americana  Teoria crítica  Objeto - estudo do conteúdo, da ideologia;  Perspectiva - parte do emissor;  Metodologia - estudo do conteúdo das mensagens, portanto da ideologia;  Teoria - dominação exercia pelos meios de comunicação de massa;  Conclusão - poder dos meios de comunicação de massa sobre a sociedade.
  • 14. Theodor Adorno e Max Horkheimer  A democratização da cultura promovida pelos meios de comunicação é enganosa.  Este processo tende a ser contido pela sua exploração com finalidades econômicas.  Criaram o conceito de indústria cultural, na obra Dialética do Iluminismo (1947), que se tornou central para os estudos culturais e as análises da mídia.
  • 15. Theodor Adorno e Max Horkheimer  Visão de mundo marxista revisionada.  Influenciados pela experiência traumática do nazismo, que se utilizou de forma sistemática dos meios de comunicação para tomar o poder e manter-se nele.
  • 16. Indústria cultural  Indústria cultural: a produção cultural e intelectual passa a ser orientada em função de sua possibilidade de consumo no mercado.  Manipulação das massas: o papel da indústria cultural era de manipular as massas tirando-lhe o espírito crítico e fazendo que se conformem com o status quo.
  • 17. Indústria cultural  Sistema: Os meios de comunicação (cinema, rádio, revista, TV) formam um sistema de produção cultural que impõe padronização dos conteúdos, estereótipos e baixa qualidade, promovendo a manipulação do consumo como forma de domínio.  Visão elitista e burguesa?  Valorização da alta cultura
  • 18. Indústria cultural  Lazer: a cultura produzida para consumo massivo e imposta verticalmente ocupa o espaço de lazer que ainda resta das classes trabalhadoras, dando-lhes uma falsa ilusão de felicidade.  Indivíduo: perde a autonomia, visão acrítica dos valores impostos, manipulado como objeto, pseudoindividualidade. Trata a mentalidade das massas como um dado imutável.
  • 19. Indústria cultural  Incorpora dissidentes, desconstrói ideologias, identifica potencial para o consumo.  Assimilação da cultura alternativa ou contestadora.  Produz ídolos, mas também se apropria de ídolos que foram gerados de forma espontânea, fora da indústria cultural.
  • 20. Indústria cultural  Características:  Reprodução em série  Padronização  Fácil fruição  Previsibilidade  Estereótipos (organização e antecipação da experiência).
  • 21. Indústria cultural  Autonomia do indivíduo: Não leva em conta a autonomia do indivíduo, sua predisposição, contexto histórico-social, gostos e visão de mundo do público.
  • 22. Walter Benjamin  A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1935).  Pioneiro ao analisar a nova cultura de massa  Aura: o aqui e agora da obra de arte, sua tradição, sua unicidade e sua condição de objeto cultuado. Uma obra a ser reproduzida em série perde a sua aura.
  • 23. Walter Benjamin  Dimensão de culto  “Aqui e agora” – experiência de contemplar uma obra original, única e autêntica.
  • 24. Walter Benjamin  Valor de culto (Arte pré-histórica e Arte sacra na Idade Média) 
  • 25. Walter Benjamin  Com a reprodução oferecida, principalmente pela fotografia e cinema, se perde o “aqui e agora”, a aura.  Diferença principal entre cópia e reprodução está na escala que a reprodução permite.  Democratização da cultura - acesso à obras de arte.
  • 26. Walter Benjamin  Cinema: não se aplica o critério de autenticidade – reprodutibilidade obrigatória - produto coletivo - reação coletiva do público.  Nova percepção: qualquer pessoa em posição de usar e gozar a obra de arte. A cultura de massa baseia-se na percepção e no uso da obra reproduzida.  Benjamin foi capaz de ver na técnica e nas massas um modo de emancipação da arte.
  • 27. Walter Benjamin  Era Digital  Sociedade da reprodutibilidade
  • 28.  Críticas à cultura de massa  Dirige-se a um público heterogêneo, utilizando-se das “médias de gostos” evitando as soluções originais;  Destroem as características culturais próprias de cada grupo étnico;  Tendência a provocar emoções intensas e não mediatas;  Sujeitos à lei da oferta e da procura;  Quando difundem produtos da cultura superior, difundem-nos nivelados e condensados; Apocalípticos e Integrados (Umberto Eco)
  • 29.  Críticas à cultura de massa  Apresenta os produtos da cultura superior de forma nivelada com outros produtos de entretenimento;  Encoraja uma visão passiva e acrítica do mundo;  Informações sem contextualização histórica-social;  Busca o nível superficial da atenção;  Tendência a impor símbolos e mitos de fácil universalidade;  Favorecem conceitos do status quo. Apocalípticos e Integrados (Umberto Eco)
  • 30. Apocalípticos e Integrados (Umberto Eco)  Defesa da cultura de massa  Não é típica de regime capitalista, mas de qualquer sociedade de tipo industrial;  Não tomou o lugar da cultura superior, simplesmente se difundiu junto a massas que antes não tinham acesso aos bens culturais;  A grande quantidade de informação pode levar a uma mudança qualitativa;  A difusão de produtos de entretenimentos considerados negativos não é sinal de decadência dos costumes, pois sempre a humanidade sentiu-se atraída pelo circo;
  • 31. Apocalípticos e Integrados (Umberto Eco)  Defesa da cultura de massa  A homogeneização do gosto contribuiria para eliminar as diferenças sociais e nacionais;  A difusão de bens culturais intensiva embota as capacidades receptivas, mas este fenômeno é comum a todas as épocas.  As informações fornecidas tornam o ser humano contemporâneo mais sensível e ativo na sociedade;  Por constituir um conjunto de novas linguagens, introduz também inovações estilísticas, influenciando a cultura superior.
  • 32. Conclusões  Os níveis culturais não correspondem a uma nivelação classista;  Não representam graus de complexidade;  Não correspondem com níveis de validade estética;  A cultura de massa não tem como fugir da lei da oferta e da procura.
  • 33. Fontes  ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1990.  GONÇALVES, Gisela. Questionamento à volta de três noções: grande cultura, cultura popular e cultura de massas. Lisboa: BOCC, 1998. Disponível em www.bocc.ubi.pt.  HOHFELDT, Antônio, MARTINO, Luiz C. & FRANÇA, Vera Veiga (orgs.). Teorias da Comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2002.