Movimentos Sociais na Atualidade

19.963 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre os Movimentos Sociais na Atualidades na UNEB Campus XI.

Publicada em: Educação
1 comentário
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.963
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.314
Comentários
1
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Movimentos Sociais na Atualidade

  1. 1. MANIFESTAÇÕES E CATEGORIAS ANALÍTICAS
  2. 2. Adelson Rios Brenda Grazielle Luerth Lopes Luscielio Lima Patrício Alves Siméia Viana DISCENTES UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DOCENTE: DR.ª JANÚZIA MENDES
  3. 3. Osmovimentossociaissãoaçõescoletivasdecaráter sociopolítico eculturalqueviabilizamdistintasformasda populaçãoseorganizareexpressarsuasdemandas; Es s as formas adotam diferentes es tratégias que variam de s imples denúncia, pas s ando pela pres s ão direta ou ate pres s ões indiretas ;
  4. 4. Eles representam forças sociais organizadas que une as pessoas não como força tarefa, dar ordem numérica, mas como campo de atividade e experimentação social e essas atividades são fontes geradoras de criatividade e inovações socioculturais. Osmovimentossociaisatuampormeioderedeslocais,nacionais einternacionaiseutilizam-semuitodosnovosmeiosde comunicaçãoeinformação,comoainternet;
  5. 5. Touraineafirmouqueosmovimentossociaissãoocoração,o pulsardasociedade.Expressamresistênciadovelhoqueo oprimeefontesrevitalizadasparaaconstruçãodonovo.
  6. 6. Movimentos sociais conservadores, muitos deles fundamentado em xenofobias nacionalistas, religiosas, raciais, etc. que não querem mudanças sociais emancipatória, mas impor as mudanças segundo seus interesses particularistas, pela força, onde utilizam a violência como estratégia principal de suas ações. São movimentos construídos a partir de praticas sectárias, destrutivas e de total negação a ordem social.
  7. 7. Os movimentos sociais progressistas atuam segundo uma agenda emancipatória, realizam diagnósticos sobre a realidade social e constroem propostas. Atuam em redes, articulam ações coletivas que agem como resistência à exclusão e lutam pela inclusão social. As redes são um tipo de relação social que atuam segundo objetivos estratégicos e produzem articulações com resultados relevantes para os movimentos sociais e a sociedade em geral.
  8. 8. DE SOCIABILIDADE; REDES LOCAIS; REDES VIRTUAIS VIA ONLINE; REDES TEMÁTICAS ESPECIFICAS; REDES SOCIOCULTURAIS; REDES GERACIONAIS; REDES HISTÓRICAS; REDES DE GOVERNANÇAS; REDES DE ENTIDADES AFINS.
  9. 9. No inicio deste milênio, os movimentos sociais estão retornando a cena e a mídia. Neles destaca-se quatros pontos: As lutas em defesa das culturas locais contra os efeitos devastadores da globalização; Exercem vigilância sobre a atuação estatal/governamental quando reivindicam ética na política; Os movimentos têm coberto áreas do cotidiano de difícil penetração por outras entidades ou instituições do tipo, partido político, sindicatos ou igrejas; Os movimentos construíram um entendimento sobre a questão da autonomia diferente do que existia nos anos 1980. 1 2 3 4
  10. 10. O associativismo predominante nos anos de 1990 não deriva de processos de mobilização de massa, mas de processos de mobilizações pontuais. Mas, em todos os casos, é no associativismo local que se desenvolvem as formas de mobilização e sociabilidade. O novo associativismo é mais estratégico, propositivo, operativo e menos reivindicativo – produz menos manifestações.
  11. 11. Objetiva fortalecer a sociedade civil no sentido de construir ou apontar caminhos para uma nova realidade social sem desigualdades nem exclusões de qualquer natureza. Dá fundamento às ações do novo associativismo, lastreada num conceito amplo de cidadania, que não se restringe ao direito ao voto, mas constrói o direito à vida do ser humano como um todo. Participação Cidadã: Busca-se a igualdade, mas reconhece a diversidade cultural. Tem em vista a sociedade civil organizada como parceira permanente. A comunidade é tratada como um sujeito ativo e não como coadjuvante de programas definidos de cima para baixo.
  12. 12. M a n i f e s t a ç õ e s n a a t u a l i d a d e 84 92 13 O que se tem das histórias das revoluções no Brasil, era o fato da não participação do povo, este era visto apenas como mero espectador. Foi assim na Proclamação da República e também na Revolução de 30, a qual tinha como frase: “ F a ç a m o s a R e v o l u ç ã o a n t e s q u e o p o v o a f a ç a ” .
  13. 13. G O L P E D E 1 9 6 4 - R E G I M E M I L I T A R Perseguição aos opositores do regime, que sofreram todo tipo de repressão, legitimados pela Doutrina de Segurança Nacional. Castelo Branco Entre os anos 80 e 90 houve uma mudança radical no cenário sociopolítico. Em 1984 Tancredo Neves foi eleito presidente, mas nem chegou a assumir, ficando assim José Sarney, seu vice. Neste período se teve início a nova república, a redemocratização do país, ou a transição democrática.
  14. 14. 1 9 8 4 – D I R E T A S J Á CONTEXTO - DITADURA MILITAR; Governo – João Figueiredo “Eu quero votar para presidente”. 84 92 13 “Um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos elegeropresidentedoBrasil.” Houve um declínio das manifestações populares nas cidades. Devido a perda do seu alvo principal – o regime militar. Contudo o fato inegável é que os movimentos sociais dos anos 70 e 80 contribuíram decisivamente para a conquista de vários direitos sociais novos, que foram inscritos em leis na nova Constituição Brasileira de 1988.
  15. 15. 1 9 9 2 – C A R A S P I N T A D A S - I M P E A C H M E N T Governo de Fernando Collor 84 92 13 O m o v i m e n t o b a s e o u - s e n a s d e n ú n c i a s d e c o r r u p ç ã o q u e p e s a r a m c o n t r a o p r e s i d e n t e e a i n d a e m s u a s m e d i d a s e c o n ô m i c a s , e c o n t o u c o m m i l h a r e s d e j o v e n s e m t o d o o p a í s . O n o m e " c a r a s - p i n t a d a s " r e f e r i u - s e à p r i n c i p a l f o r m a d e e x p r e s s ã o , s í m b o l o d o m o v i m e n t o : a s c o r e s v e r d e e a m a r e l o p i n t a d a s n o r o s t o .
  16. 16. 2 0 1 3 – J U N H O Contexto: “nova” Classe Média - informada 84 92 13 SP, RJ, BH - Centenas de cidades; Consumista; Inflação (2013); Denúncias e escândalos de corrupção; Marco civil da internet redes sociais;
  17. 17. 2 0 1 3 – J U N H O 84 92 13 B A N D E I R A S Combate à corrupção; À homofobia; Meio ambiente; Sociais; Educação; Transporte; Rejeição - PEC 33; PEC 37.
  18. 18. C O P A D O M U N D O 2 0 1 4 84 92 13
  19. 19. Movimentos populares após os anos 70/80 O que houve com eles? Mudaram de perfil? Desapareceram?  Eles sempre foram heterogêneos em termo de temáticas e demandas.  Criação de redes dentro do próprio movimento popular propriamente dito. (1990)  Destaque para o movimento que atuam na questão da moradia.  Perda de visibilidade dos movimentos populares urbanos. (ONGs /lideres e assessores passam a ocupar diferentes escalões do poder publico)
  20. 20. Movimentos populares após os anos 70/80 A noção do novo sujeito histórico:  Resulta desse processo uma identidade diferente, constituída a partir da relação com o outro, e não centrada exclusivamente no campo dos atores populares. ( movimentos populares urbanos/ politica policlassista)
  21. 21. Luta pela moradia • Conquistas importantes do movimento da época, com o Estatuto da cidade, reurbanização de favelas, transferência para projetos do poder publico. (criação de associações de morados) • Dentre os movimentos populares urbanos, o da luta pela moradia, continuou a ter a centralidade como a luta popular mais organizada.
  22. 22. Praticas seguindo modelo do movimento popular rural  As ocupações passaram a ser em prédios públicos e privados, ociosos ou abandonados. (essas pressões continuas levaram o governo a criar politicas publicas para regularizar essas ocupações). Ex-plano de recuperação da região central de São Paulo.
  23. 23. Praticas seguindo modelo do movimento popular rural
  24. 24. M o v i m e n t o s : Movimento pela moradia - protagonizado pelos "moradores de rua" Movimento popular pela saúde - questões sobre preços de convênios, remédios, postos de saúde, entre outros; Movimento pelos transportes - envolvia outros atores como os transportes alternativos;
  25. 25. M o v i m e n t o s : Movimentos ambientalistas - após a Eco 92 passou a ser uma preocupação de movimentos populares de bairros; Novos movimentos populares - após os anos 1990 - questões dos idosos - violência nas periferias; Novo movimento de bairro - diferentes dos movimentos tradicionais. Trata-se de centros comunitários voltados para organização da população em cooperativas ou outras formas de poderem comercializar produtos e serviços; Movimento popular pela educação - LDB nos anos 1990 - mobilização buscando solucionar problemas de falta de vagas, filas para matrícula, progressões continuadas, problemas no repasse de verbas, etc; Movimento pelas creches - anos 1970/1980 - está sendo recriado em várias cidades;
  26. 26. No passado, as regras burocráticas e as prescrições jurídicas eram alteradas pelas ações coletivas dos movimentos. Impactos das novas ações dos movimentos sociais sobre a atuação do Estado Demarcar campo de atuação, negociar, confrontar ideias com o Estado. Fortalecimento de movimentos com perfil de demanda universal e simultânea.
  27. 27. PANORAMA DE ALGUNS MOVIMENTOS SOCIAIS NO INICIO DO MILÊNIO: Lutas e conquistas por condições de habitualidade na cidade. Mobilização popular em busca de participação na estrutura politico- administrativa (orçamento participativo, conselhos gestores). Mobilização contra desemprego. Área rural (MST). Questões de gênero (mulheres e homossexuais). Entre outros.
  28. 28. Movimentos populares no início do novo milênio: MOTIVAÇÕES PARA MOVIMENTOS MAIS INTENSOS E PRECISOS Defender direitos fundamentais (vida, liberdade, igualdade...) e sociais (moradia, educação, saúde....) expressos na CF. A CF defende a liberdade de expressão Exercer cidadania (muito mais do que votar)
  29. 29. “Qualquer cidadão é parte legitima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico e cultural.“ "O poder emana do povo , Movimente-se."
  30. 30. GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais no Início do Século XXI – Antigos e Novos Atores Sociais. Ed. Vozes – 5ª Edição – RJ 2011. RAIZER, Julio. Apostila AlfaConcursos – Atualidades.

×