SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Daniela Luise. Kamila Dias. Scheila Palma. Stephany Lais. 
CONSEGUEM IDENTIFICAR QUAL 
O NOSSO TEMA?
É uma categorização generalizada das 
características de um grupo, referentes a uma 
suposição; pré-julgamentos à respeito de um 
meio social. 
Positiva ou negativamente 
Uma vez interiorizada, o estereótipo é aplicado 
de forma automática; uma construção social.
Faça uma analise da pessoa estereotipada 
O que vê? 
O que pensa? 
Como a conceitua?
Os estereótipos simplificam uma interpretação 
individual, estabelecendo-o especificamente de 
uma forma geral. 
As imagens criadas facilitam nossa orientação no 
meio social. 
Os estereótipos favorecem a seleção, por 
exemplo, quando precisamos escolher a qual 
grupo ‘pertencer’.
1. Discutam o tema 
2. O rótulo deve ser levado em conta nas 
discussões, sem que o possuidor saiba o 
significado. 
3. Exponham suas conclusões 
4. Retirem a etiquetas. 
Conseguem saber quais são seus rótulos?
Nos fornece informação sobre 
as características de um grupo, 
relacionando um sentido à 
realidade, ideias seguras como 
orientações para as relações 
sociais. Pois, ao haver a 
categorização da realidade 
social, esta transmite dados 
que promovem a nossa 
adaptação. 
http://www.criacionismo.com.br/2013/01/a-dessensibilizacao- 
da-consciencia.html
Relacionado ao sentimento de identidade 
social. Como a identificação que criamos de nós 
mesmo com um grupo, reforçando a identidade 
grupal permitindo-o este definir-se em relação 
a outro. Reforçam o sentimento do “nós” por 
oposição aos outros. 
Parte do que somos tem a ver com o grupo 
a qual pertencemos
Os estereótipos não são, no entanto, apenas 
um “atalho” para a nossa compreensão do 
mundo, mas também uma forma de 
projetarmos sobre este o “nosso valor, a nossa 
posição e os nossos direitos” funcionando como 
uma espécie de armadura protetora, que nos 
assegura acerca do nosso lugar no mundo. 
(Lippmann, 1997)
1. Sentem-se em círculos. 
2. Com o presente em mãos, passem-no para 
aquele que você ache que corresponde a 
indicação.
Segundo Pereira, o enfoque da instalação do 
estereótipo observa que pessoas, inicialmente, 
imaginam e definem o mundo e em seguida o 
observam. Ou seja, a interpretação estaria 
fundamentalmente associada à cultura, que 
determinaria de forma estereotipada a noção 
interna sobre o mundo externo. Com isto, já 
haveria uma opinião formada, de acordo com os 
códigos da cultura, para se analisar o mundo 
antes mesmo de observá-lo.
Todos os processos são envolvidos; cognitivos, 
afetivos, motivacionais, sociais e culturais. 
Ambos estão correlacionados aos contatos e 
experiências com as pessoas e agentes de 
socialização. A família tem uma forte influência 
na formação dos estereótipos, assim como os 
mecanismos sociais, políticos, econômicos e 
educacionais que também possuem grande 
influência na formação de estereótipos.
Segundo Serge Moscovici (1978), os 
estereótipos visam à “domesticar o que é 
estranho”. Com isto limitam nossas expectativas 
das atitudes e comportamentos dos membros 
de tal grupo. Moscovici evidencia que é de 
extrema importância considerar que essas 
representações sociais são capazes de 
influenciar o comportamento do individuo, 
como quando há movimentos que alcançam 
uma coletividade.
Segundo Jean Maisonneuve 
(1977), tanto a opinião 
pública quanto a particular 
interferem entre si... 
“de forma sutil e movediça.” 
http://scienceblogs.com.br/socialmente/2014/07 
/preconceito-e-estereotipo/
Conclui-se portanto, segundo os autores 
citados, que a argumentação abordada procede 
que a multicausalidade do fenômeno 
estereótipo, admite-se a ação conjunta dos 
fatores físicos, biológicos, individuais, grupais e 
contextuais envolvidos no processo de 
estereotipização.
Estereótipo, preconceito e discriminação 
Vimos que estereótipo é um conjunto de crenças, ou seja, ideias “feitas”, 
que transmitem uma imagem generalizada de um objeto ou pessoas. 
Portanto, o preconceito também é uma atitude que tem como base o 
estereótipo. Pois, através da informação do estereótipo é feita uma 
avaliação, um pré-juízo em relação aos outros indivíduos e aos grupos que 
os constituem transformando-os em sentimentos estereotipados em 
relação a estes. 
Por sua vez, entra a discriminação, que são os comportamentos que 
derivam dos estereótipos e dos preconceitos. Geralmente são negativos 
podendo acentuar-se em situações de crise (política, econômica, social...), 
constituindo por maioria das vezes, de violência e agressão.
No entanto, as ideias acerca dos grupos estão tão enraizadas que 
podem se transformarem em verdadeiros estereótipos, levando 
ao preconceito, conduzindo, por fim, às discriminações. 
Cognitivo 
Estereótipo 
Crenças 
generalizadas 
Emocional 
Preconceito 
Sentimentos 
sem 
fundamentos 
Comportamental 
Discriminação 
Ações 
negativas
1. Formar uma roda e passar a caixa indicada 
enquanto a música toca. 
2. Quando a música for interrompida, a caixa 
deve ficar com quem estiver no momento. 
3. A pessoa que permanecer com a caixa terá 
que cumprir um desafio indicado dentro 
dela. Sem reclamar, sem ter ajuda, 
independente do que seja.
“Assumimos que o que cada homem faz é 
baseado não em um conhecimento direto e 
certo, mas em imagens feitas por si próprio ou 
que lhe são dadas” 
(Lippmann, 1997)
Referências 
• Moscovici , Serge. Representações Sociais, 1958 
• Maisonneuve, Jean . Introdução a psicosociologia, 1977 
• Pereira, Marcos Emanoel. (2002). Psicologia social dos estereótipos. São 
Paulo, SP: EPU. 
• Monteiro, Manuela Matos. Ferreira, Pedro Tavares. (2007), Ser Humano, 
Psicologia B, Porto Editora. 
• Lippmann, Walter (1997), Public Opinion, New York, Free Press 
Paperbacks. 
• Psicologia social dos estereótipos. Paula Bierrenbach de Castro Guerra. 
Psico-USF (Impr.) vol.7 no.2 Itatiba July/Dec. 2002. Disponível: 
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 
82712002000200013 
• Borges, Susana. Estereotipização e Lutas de Identidade. Disponível: 
http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/38.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoLuis De Sousa Rodrigues
 
Socialização.
Socialização.Socialização.
Socialização.Nuno Cunha
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroMarina Godoy
 
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroEmpatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroVera Lessa
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalLeandro Lopes
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaTurma Olímpica
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...Editora Moderna
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graçaLiene Campos
 
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderAULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderMiriam Gorender
 

Mais procurados (20)

Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Socialização.
Socialização.Socialização.
Socialização.
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Bullying
Bullying Bullying
Bullying
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
 
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroEmpatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Dia das mulheres
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
18 de maio
18 de maio18 de maio
18 de maio
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graça
 
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderAULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
 

Destaque

Stereotype countertype lesson
Stereotype countertype lessonStereotype countertype lesson
Stereotype countertype lessonLiz Davies
 
Stereotypes
StereotypesStereotypes
Stereotypeshammonda
 
Gender stereotypes
Gender stereotypesGender stereotypes
Gender stereotypesStephWebb
 
Gender stereotypes
Gender stereotypesGender stereotypes
Gender stereotypesKim B
 
Cultural stereotypes
Cultural stereotypesCultural stereotypes
Cultural stereotypesHollySheldon
 
Representation of gender and stereotypes
Representation of gender and stereotypesRepresentation of gender and stereotypes
Representation of gender and stereotypesLiz Davies
 
Estereotipos
EstereotiposEstereotipos
Estereotiposximena
 
Lesson 9 Stereotypes
Lesson 9 StereotypesLesson 9 Stereotypes
Lesson 9 StereotypesPatrickwolak
 

Destaque (10)

Stereotype countertype lesson
Stereotype countertype lessonStereotype countertype lesson
Stereotype countertype lesson
 
Stereotpyes
StereotpyesStereotpyes
Stereotpyes
 
Stereotypes
StereotypesStereotypes
Stereotypes
 
Gender stereotypes
Gender stereotypesGender stereotypes
Gender stereotypes
 
Gender stereotypes
Gender stereotypesGender stereotypes
Gender stereotypes
 
Cultural stereotypes
Cultural stereotypesCultural stereotypes
Cultural stereotypes
 
Representation of gender and stereotypes
Representation of gender and stereotypesRepresentation of gender and stereotypes
Representation of gender and stereotypes
 
Estereotipos
EstereotiposEstereotipos
Estereotipos
 
Lesson 9 Stereotypes
Lesson 9 StereotypesLesson 9 Stereotypes
Lesson 9 Stereotypes
 
Stereotypes
StereotypesStereotypes
Stereotypes
 

Semelhante a Estereótipos e Preconceitos

História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfPedro R. Coutinho
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoroberto mosca junior
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisJhonata Andrade
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisJhonata Andrade
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãomafertoval
 
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoCassia Barbosa
 
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Wilton Moretto
 
Psicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisPsicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisMichelle Mariana
 
Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)
Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)
Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)Jesiel Costa Rosa
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialMarcelo Anjos
 
Trabalho de psicologia»»
Trabalho de psicologia»»Trabalho de psicologia»»
Trabalho de psicologia»»Ze Beto Martins
 
21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...
21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...
21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...JoseGarcia821360
 
Preconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiênciaPreconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiênciaMarcos Pereira
 
O que é a psicologia social silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social   silvia t. maurer laneO que é a psicologia social   silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social silvia t. maurer laneLeandro Santos da Silva
 
[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf
[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf
[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdfthayro
 
Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13Betty Casadei
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptalinerabelo31
 

Semelhante a Estereótipos e Preconceitos (20)

História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociais
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociais
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
 
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
Psicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisPsicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupais
 
Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)
Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)
Estereotipo e-carcere-privado-similitudes-de-uma-agressao-silenciosa (1)
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição social
 
3. psicologia social
3. psicologia social3. psicologia social
3. psicologia social
 
Trabalho de psicologia»»
Trabalho de psicologia»»Trabalho de psicologia»»
Trabalho de psicologia»»
 
21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...
21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...
21026 - COL. PRIMEIROS PASSOS - N. 039 - O QUE É PSICOLOGIA SOCIAL - O-que-é-...
 
Preconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiênciaPreconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiência
 
O que é a psicologia social silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social   silvia t. maurer laneO que é a psicologia social   silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social silvia t. maurer lane
 
[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf
[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf
[Silvia_Lane]_O_que_e_Psicologia_Social(BookFi.org).pdf
 
Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

Estereótipos e Preconceitos

  • 1. Daniela Luise. Kamila Dias. Scheila Palma. Stephany Lais. CONSEGUEM IDENTIFICAR QUAL O NOSSO TEMA?
  • 2.
  • 3. É uma categorização generalizada das características de um grupo, referentes a uma suposição; pré-julgamentos à respeito de um meio social. Positiva ou negativamente Uma vez interiorizada, o estereótipo é aplicado de forma automática; uma construção social.
  • 4. Faça uma analise da pessoa estereotipada O que vê? O que pensa? Como a conceitua?
  • 5. Os estereótipos simplificam uma interpretação individual, estabelecendo-o especificamente de uma forma geral. As imagens criadas facilitam nossa orientação no meio social. Os estereótipos favorecem a seleção, por exemplo, quando precisamos escolher a qual grupo ‘pertencer’.
  • 6. 1. Discutam o tema 2. O rótulo deve ser levado em conta nas discussões, sem que o possuidor saiba o significado. 3. Exponham suas conclusões 4. Retirem a etiquetas. Conseguem saber quais são seus rótulos?
  • 7. Nos fornece informação sobre as características de um grupo, relacionando um sentido à realidade, ideias seguras como orientações para as relações sociais. Pois, ao haver a categorização da realidade social, esta transmite dados que promovem a nossa adaptação. http://www.criacionismo.com.br/2013/01/a-dessensibilizacao- da-consciencia.html
  • 8. Relacionado ao sentimento de identidade social. Como a identificação que criamos de nós mesmo com um grupo, reforçando a identidade grupal permitindo-o este definir-se em relação a outro. Reforçam o sentimento do “nós” por oposição aos outros. Parte do que somos tem a ver com o grupo a qual pertencemos
  • 9. Os estereótipos não são, no entanto, apenas um “atalho” para a nossa compreensão do mundo, mas também uma forma de projetarmos sobre este o “nosso valor, a nossa posição e os nossos direitos” funcionando como uma espécie de armadura protetora, que nos assegura acerca do nosso lugar no mundo. (Lippmann, 1997)
  • 10. 1. Sentem-se em círculos. 2. Com o presente em mãos, passem-no para aquele que você ache que corresponde a indicação.
  • 11. Segundo Pereira, o enfoque da instalação do estereótipo observa que pessoas, inicialmente, imaginam e definem o mundo e em seguida o observam. Ou seja, a interpretação estaria fundamentalmente associada à cultura, que determinaria de forma estereotipada a noção interna sobre o mundo externo. Com isto, já haveria uma opinião formada, de acordo com os códigos da cultura, para se analisar o mundo antes mesmo de observá-lo.
  • 12. Todos os processos são envolvidos; cognitivos, afetivos, motivacionais, sociais e culturais. Ambos estão correlacionados aos contatos e experiências com as pessoas e agentes de socialização. A família tem uma forte influência na formação dos estereótipos, assim como os mecanismos sociais, políticos, econômicos e educacionais que também possuem grande influência na formação de estereótipos.
  • 13. Segundo Serge Moscovici (1978), os estereótipos visam à “domesticar o que é estranho”. Com isto limitam nossas expectativas das atitudes e comportamentos dos membros de tal grupo. Moscovici evidencia que é de extrema importância considerar que essas representações sociais são capazes de influenciar o comportamento do individuo, como quando há movimentos que alcançam uma coletividade.
  • 14. Segundo Jean Maisonneuve (1977), tanto a opinião pública quanto a particular interferem entre si... “de forma sutil e movediça.” http://scienceblogs.com.br/socialmente/2014/07 /preconceito-e-estereotipo/
  • 15. Conclui-se portanto, segundo os autores citados, que a argumentação abordada procede que a multicausalidade do fenômeno estereótipo, admite-se a ação conjunta dos fatores físicos, biológicos, individuais, grupais e contextuais envolvidos no processo de estereotipização.
  • 16. Estereótipo, preconceito e discriminação Vimos que estereótipo é um conjunto de crenças, ou seja, ideias “feitas”, que transmitem uma imagem generalizada de um objeto ou pessoas. Portanto, o preconceito também é uma atitude que tem como base o estereótipo. Pois, através da informação do estereótipo é feita uma avaliação, um pré-juízo em relação aos outros indivíduos e aos grupos que os constituem transformando-os em sentimentos estereotipados em relação a estes. Por sua vez, entra a discriminação, que são os comportamentos que derivam dos estereótipos e dos preconceitos. Geralmente são negativos podendo acentuar-se em situações de crise (política, econômica, social...), constituindo por maioria das vezes, de violência e agressão.
  • 17. No entanto, as ideias acerca dos grupos estão tão enraizadas que podem se transformarem em verdadeiros estereótipos, levando ao preconceito, conduzindo, por fim, às discriminações. Cognitivo Estereótipo Crenças generalizadas Emocional Preconceito Sentimentos sem fundamentos Comportamental Discriminação Ações negativas
  • 18. 1. Formar uma roda e passar a caixa indicada enquanto a música toca. 2. Quando a música for interrompida, a caixa deve ficar com quem estiver no momento. 3. A pessoa que permanecer com a caixa terá que cumprir um desafio indicado dentro dela. Sem reclamar, sem ter ajuda, independente do que seja.
  • 19. “Assumimos que o que cada homem faz é baseado não em um conhecimento direto e certo, mas em imagens feitas por si próprio ou que lhe são dadas” (Lippmann, 1997)
  • 20.
  • 21. Referências • Moscovici , Serge. Representações Sociais, 1958 • Maisonneuve, Jean . Introdução a psicosociologia, 1977 • Pereira, Marcos Emanoel. (2002). Psicologia social dos estereótipos. São Paulo, SP: EPU. • Monteiro, Manuela Matos. Ferreira, Pedro Tavares. (2007), Ser Humano, Psicologia B, Porto Editora. • Lippmann, Walter (1997), Public Opinion, New York, Free Press Paperbacks. • Psicologia social dos estereótipos. Paula Bierrenbach de Castro Guerra. Psico-USF (Impr.) vol.7 no.2 Itatiba July/Dec. 2002. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 82712002000200013 • Borges, Susana. Estereotipização e Lutas de Identidade. Disponível: http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/38.pdf