Estrutura das palavras

4.302 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.302
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estrutura das palavras

  1. 1. REVISÃO:Estrutura e formação das palavras
  2. 2. Observe:Ao analisarmos a maioria das palavras,percebemos que elas podem ser divididas emvários seguimentos:cachorr – o (animal canino masculino)cachorr – a (animal canino feminino)cachorr – inh – a (pequeno animal canino fêmea)cachorr – inh – o (pequeno animal canino macho)
  3. 3. A cada um dos elementos significativos queformam a uma palavra dá-se o nome de elementosmórficos ou morfemas. Morfemas, são, portanto,unidades mínimas de caráter significativo. Chama-seanálise mórfica o processo pelo qual se divide apalavra em seus elementos mórficos. Atenção: existem palavras que apresentam umúnico morfema e, portanto, não comportam divisãoem unidades menores:: sol, mar, hoje, luz.
  4. 4. Os morfemas1. Radical2. Desinência nominal verbal3. Vogal temática4. Afixos prefixo sufixo
  5. 5. 1. Radical (também chamado de sentema)E o elemento mórfico que funciona como base do significado. Constitui o elemento comum a palavras da mesma família:• ferr o pedr a• ferr eiro pedr eiro• ferr agem pedr inha radical radical
  6. 6. 1.1.Famílias etimológicas As palavras que provêm do mesmo radical são chamadas de palavras cognatas ou famílias etimológicas:• agrário, agricultor, agrícola• atrofia, distrofia, hipertrofia• acéfalo, bicéfalo, encéfalo
  7. 7. 1.2. Radical primário e radical secundário• RADICAL PRIMÁRIO (radical sem afixos) AM-ar AM-ável JAT-o• RADICAL SECUNDÁRIO (radical com afixos, que formam outras palavras) APEDREJ-ou DESFOLH-ava REJEIT-amos REJEIT-asses ENTERR-assem
  8. 8. 2. Desinências (“extremidade”)São elementos mórficos que se apõem ao radical para assinalar as flexões de palavra (gênero, número, modo, tempo, pessoa). As desinências podem ser:a) Nominal: menin a s (em oposição a menin-o-) desinência desinência nominal nominal de de numero gênerob) verbal:Cant á va mosdesinência desinênciamodo-temporal número-pessoal
  9. 9. 2.a) desinências nominais – casos particulares desinência nominal x vogal temáticaEm palavras como mesa, cadeira, livro e caderno, as vogais a e o que aparecem no final dos vocábulos não são desinências, uma vez que não estabelecem oposição de gênero (mesa, cadeira, livro e caderno não se opõem a meso*, cadeiro*, livra* ou caderna*). Já em menino, aluno, amada e gata, as vogais a e o, que aparecem no final dos vocábulos, são desinências, já que estabelecem a oposição masculino/feminino (menino/menina; aluno/aluna; amada/amado; gata/gato).
  10. 10. 2.a) Outras formas de estabelecimento degênero nos nomes (substantivos)Enquanto uma variedade de palavras na língua “conta” com as desinências para estabelecer as oposições de gênero, outra variedade de palavras “recorre” a outros processos de estabelecimento de gênero, tais como:Os substantivos uniformes...a) epicenos: a onça (macho/fêmea)b) Comuns de dois gêneros: o/a colega; o/a chefe; o/a dentistac) Sobrecomuns: a criança; o cônjuge; a criatura, (contexto, p. ex.: “o homem é uma criatura inteligente”)
  11. 11. O gênero e novas formações nos nomes O sufixo “ente” é acrescido a radical e forma o sentido de nome (substantivo, adjetivo) agente ou paciente, laços consaguíneos: presidente, atendente, parente, vidente, tenente, demente, escrevente... Essas palavras são definidas por gênero ao se colocar a sua frente um artigo masculino ou feminino (o/a presidente; o/a parente; o/a vidente), isto é, o estabelecimento de gênero é feito “fora” da estrutura da palavra; Contudo, existe a formação institucionalizada, quando há uma necessidade cultural e criativa de mudar o sufixo. Essa formação está ocorrendo com a palavra presidente, que agora designa o gênero feminino agente como presidenta.
  12. 12. 2.a) desinências verbaisIndicam, nos verbos, o tempo e o modo (desinências modo-temporais), a pessoa e o número (desinências número-pessoais). Exemplos: Flexões de modo e tempo:Eu cantei (indicativo, passado perfeito)Se eu cantasse (subjuntivo, passado imperfeito)Cante você (imperativo, presente, positivo) Flexões de número e pessoa:Nós cantaremos (indicativo, 1º pessoa do plural, futuro do presente)Se vós cantásseis (subjuntivo, 2º pessoa do plural, passado imperfeito)
  13. 13. 2.a) desinências verbais Ex.: cantar = futuro do presente do indicativo verbo conjugado radical vt mt np 1º (eu) cantarei cant a is 2º (tu) cantarás cant a s 3º (ele/a) cantará cant a Ø 1º (nós) cantaremos cant a mosp 2º (vós) cantareis cant a is 3º (eles/as) cantarão cant a o
  14. 14. Desinências nas formas verbais nominaisNas formas nominais dos verbos, as desinências vão diferenciá-los em:a) Forma infinitiva: cant-a-r desinência de infinitivob) Forma no gerúndio: cant-a-ndo desinência de gerúndioc) Forma no particípio: cant-ado desinência de particípio
  15. 15. 3. Vogal temática É a vogal que, em alguns casos, agrega-seao radical, preparando-o para receber asdesinências: part i sse (ex. vt verbal)radical vogal desinência modo-temporal temáticaluz e s (ex. vt nominal)radical vogal desinência de número temática
  16. 16. A vogal temática nos verbosNos verbos, a vogal temática indica a que conjugação pertence: cantar (1º conjugação); vender (2º conjugação); partir (3º conjugação).DICA!Para descobrir a vogal temática de um verbo conjugado em um período, escreva-o no infinitivo e descubra seu radical. O que vier após ele no verbo conjugado será a vogal temática (se for diferente do verbo conjugado será vogal temática alomórfica):“Ele cantou aquela música” = infinitivo: cant-a-r Vogal desinência temática verbalcant-o-uVogal temática desinência alomórfica número-pessoal
  17. 17. A vogal temática e o temaO radical já acrescido da vogal temática denomina-se tema. Podemos dizer, portanto, que o tema é o radical pronto para receber uma desinência ou um sufixo:canta -va centra -l- -idadetema desinência tema consoante sufixo de ligaçãoIsto é: radical+vogal temática=tema
  18. 18. Onde a vogal temática não apareceOs nomes terminados em vogal tônica não apresentam vogal temática: maracujá, café, dominó, saci, bambu. Considera-se que essas vogais já fazem parte do radical e, por esse motivo, são chamados radicais atemáticos.Obs.: Por outro lado, a vogal temática aparece, geralmente, em vogais finais átonas: porta, caderno e cadeira.
  19. 19. 4. Os afixosSão elementos que se agregam ao radical a fim de formar palavras novas. Classificam-se em:a) prefixos – quando vêm antes do radical: in feliz des lealprefixo radical prefixo radicalb) sufixos – quando vêm depois do radical: feliz mente leal dade radical sufixo radical sufixo
  20. 20. Vogais e consoantes de ligaçãoAlém dos elementos mórficos assinalados, em certas palavras podem aparecer vogais e consoantes de ligação (também chamados de infixos), que, desprovidas de significação (não sendo, pois, morfemas), intercalam-se no vocábulo tão-somente para facilitar a pronúncia (metafonia). gas ô metro pau l ada paris i ense café t eira vogal de ligação consoante de ligação
  21. 21. Observações finais:Quando os sufixos agregam-se ao radical, podem ocorrer as seguintes mudanças:a) elisão: porta + eiro = porteirob) evitar a crase: porta + aria = portariac) alteração fônica: cantáVAmos / cantáVEisd) Haplogia ou braquilogia (redução): saudade + oso = saudoso idade + oso = idoso
  22. 22. Referências bibliográficasBECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37 ed. rev., ampl. e atual. conforme o novo acordo ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.TERRA, Ernani. Curso prático de gramática: Ensino médio. São Paulo: Scipione, 2002.

×