O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2266

31 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2266

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.266 – Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Bloco 1-Almanaque Bloco 2-IrManoel Miguel – Como a compreensão do DNA pode ajudar os Maçons a mudarem o Brasil Bloco 3-IrOsvaldo Pereira Rocha – Dia do Marinheiro Bloco 4-IrAndré Walzburger – A Sabedoria Bloco 5-IrDiógenes de Sínope – O Sagrado e a ciência Bloco 6-IrJosé Anselmo Cícero de Sá – A importância dos fundamentos ontológicos dos diálogos ... Bloco 7-Destaques JB – Breviário Maçônico p/o dia 13 de dezembro e versos do Irmão e Poeta Raimundo Augusto Corado
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 2/31 13 de dezembro 1981- Campeão mundial de clubes, 1992 – Campeão Mundial de Clubes ao vencer o Liverpool por 3x0 ao vencer o Barcelona por 2 x 1  872 — É eleito o Papa João VIII.  1545 — Início do Concílio de Trento.  1294 — Papa Celestino V abdica do papado.  1865 — Guerra do Paraguai: o Paraguai declara guerra ao Brasil.  1918 — É fundada a cidade de Ourinhos no interior de São Paulo .  1962 — Tanzânia: o Tanganhica se torna independente da Inglaterra.  1963 — Espírito Santo: fundada a Associação Atlética São Mateus.  1968 — O governo brasileiro decreta o Ato Institucional nº 5 (AI-5), instrumento de abuso e perseguição aos civis.  1974 — Malta torna-se uma república. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 348 dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Cheia às 21h05) Faltam 18 dias para terminar este ano bissexto Dia da Pessoa com Deficiência Visual, dia do Marinheiro, dia do Pedreiro, dia do Lapidador e dia Nacional do Forró. Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. EVENTOS HISTÓRICOS (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 3/31  1981 — O Clube de Regatas do Flamengo conquista o mundial de clubes, ao vencer o Liverpool Football Club da Inglaterra por 3x0.  1988  Lei 7687/1988 efetiva a Polícia Militar do Distrito Federal do Brasil.  Mauritânia ratifica a Convenção Internacional sobre a Eliminação da Discriminação Racial.  Promulgada no estado mexicano de Chiapas a Ley Orgánica del Poder Judicial.  1992 — O clube brasileiro São Paulo Futebol Clube conquista o mundial de clubes, ao vencer o Fútbol Club Barcelona da Espanha de virada, por 2x1.  2001 — Lançamento da cédula do Brasil: 2 reais.  2003 — Depois de vários meses sem paradeiro conhecido, o ex-presidente iraquiano Saddam Hussein é localizado escondido das tropas aliadas num abrigo subterrâneo.  2007  O jornalista e escritor Cícero Sandroni assume a presidência da Academia Brasileira de Letras.  Os líderes Europeus assinam em Lisboa, o Tratado de Lisboa.  O Senado Federal do Brasil rejeita a prorrogação da CPMF até 2011.  2013 — Beyoncé Knowles libera seu novo álbum de surpresa no iTunes, quebrando recordes, dominando a mídia e marcando a indústria musical. 1815 Porta no Desterro a segunda expedição científica russa, sob o comando do capitão Kotzebue, trazendo consigo o naturalista e poeta alemão Adalberto Chamisso, autor de importante descrição sobre a ilha de Santa Catarina. 1956 Instalado o município de Itá. 1963 Lei Nr. 945 criou o município de Xavantina, desmembrado de Seara. 1797 Nasce Heinrich Heine () poeta alemão iniciado em Paris, na Loja “Les Trinisophes”. 1867 Nasce Francisco Antônio Vieira Caldas Júnior, jornalista gaúcho, fundador do Correio do Povo e membro da Loja “Orientação”, de Porto Alegre. 1912 Nasce Luiz Gonzaga Nascimento, famoso compositor folclórico brasileiro, em Exu, Pernambuco. Em 1971, foi iniciado na Loja “Parapuan”, no Rio de Janeiro. 1952 Fundada a Loja “Campos Lobo” Nr. 1.310 (GOB/SC em Florianópolis 1982 Fundada a Loja “Padre Roma II” Nr. 34 (GLSC) em Florianópolis Venerável Mestre! Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias (Ir João Guilherme) e acervo pessoal Fatos históricos de santa catarina De Irmão para Irmão As publicidades veiculadas nas edições do JB News são cortesia deste informativo, como apoio aos irmãos em suas atividades profissionais. Valorize-os, preferindo o que está sendo anunciado.
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 4/31 Caro Venerável, Desejas criar e manter um site de qualidade da tua Loja? Então atente para este anúncio (Coisa de Irmão para Irmão) Visite o site da Loja Professor Mâncio da Costa nr. 1977 www.manciodacosta.mvu.com.br Florianópolis
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 5/31 Irmão Manoel Miguel é MM da Loja Colunas de São Paulo, 4145 CIM 293-759 - GOB/GOSP – São Paulo Escritor – Palestrante – Coach em Saúde e Estilo de Vida Autor do livro: Viver Mais Com Saúde e Felicidade O Ir Manoel Miguel escreve às terças-feiras neste espaço. COMO A COMPREENSÃO DO DNA PODE AJUDAR OS MAÇONS A MUDAREM O BRASIL “Deoxyribonucleic Acid” - (Ácido Desoxirribonucleico) ou, simplesmente, DNA. Gosto desse nome complicado, que, para simplificar, utilizamos apenas 3 letras muito fortes. É uma molécula orgânica enorme em sua estrutura, mas ao mesmo tempo minúscula, pois está no núcleo de toda célula, que contém carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e fósforo, uma combinação de 5 elementos. Os genes humanos somam 27.000, um outro número bastante interessante para os Maçons, já que 2 + 7 = 9. Sabemos que nove é o número que representa o homem. Até a Livro da Lei afirma isso, em Apocalipse 13: 18 – “Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.” Bom, 666 é uma combinação que novamente chegamos ao 9, já que, 6 + 6 + 6 = 18 e 1+ 8 = 9. Novamente estamos diante do número humano. Para os orientais, a raposa (besta) também é representada pelo número 9, portanto, o número da besta é também um número de homens. O Apocalipse previa que os homens seriam em um determinado momento controlados por um único homem, ou uma besta, que por sua vez, perderia suas forças e seu poder seria passado para outra besta, e assim por diante. Sempre haveria um homem, ou uma besta, manipulando as massas. Cada um entenda isso como queira. Nos seres humanos, cada gene é um segmento de uma molécula DNA. Nossos genes trazem em sua raiz todas as informações necessárias para nossa vida: traços genéticos herdados de nossos pais e de nossa raiz familiar; programação da vida como um todo; pontos positivos para nosso desenvolvimento, nascimento, crescimento, reprodução, etc.; mente, capacidade de nos emocionar, aprender, armazenar dados, sentir, tocar, cheirar, ver, ouvir, falar, interagir, conectar com a natureza e com as pessoas que estão perto de nós; espírito, energia sutil que faz a interação entre a matéria e a mente, mantendo o equilíbrio vital. O DNA traz também os registros daquilo que pode ser nocivo à vida, até para que ela não seja eterna em sua estrutura física, que são os gatilhos de propensão à determinadas doenças, que um dia, quebrando o equilíbrio da homeostase, nos vencerão e farão o corpo físico parar de funcionar. Qualquer coisa que possa causar uma disfunção, uma falta de sintonia ou ressonância vibracional no DNA celular, poderá despertar um ou mais gatilhos ativadores de doenças, e algo destrutivo começa a brotar dentro de nós, podendo nos levar à morte, muitas vezes de forma imperceptível. A vida tem um ciclo biológico natural pré-programado pela Natureza Divina, podendo esse ciclo ser ampliado ou reduzido, de acordo com o tratamento que damos ao DNA de cada uma de nossas células. Boa alimentação, água de 2 – Como a compreensão do DNA pode ajudar os Maçons a mudarem o Brasil Manoel Miguel
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 6/31 qualidade, alimentos naturais, não industrializados, bom sono, abstenção às drogas (cigarro, cocaína, açúcar, aspartame, GMS, álcool, refrigerantes, fármacos, produtos químicos, etc.), ambiente limpo e preservado; atividade física adequada, são atitudes e escolhas que podem manter o ciclo biológico inteiro ou até ampliá-lo. Há registros históricos que relatam momentos onde a longevidade foi muito grande, outros muito pequenos, e, atualmente, ela tem uma média de 75 ano no Brasil, mas com qualidade de vida reduzida, em função das escolhas e graças a de utilização de medicamentos de controle de uma série de doenças metabólicas, em função da forma como cuidamos da vida, atualmente. Praticamente, a metade da longevidade atual média de 75 anos é assegurada sob utilização contínua de medicamentos para manter os níveis de pressão arterial, glicemia, colesterol, etc. Isso tem ajudado bastante para atingirmos essa marca, mas há o desconforto dos efeitos colaterais e nocivos das drogas prescritas aos usuários, que muitas vezes reduzem a libido, ereção, disposição, motivação, satisfação, etc., resultando em estresse e depressão, que são, num segundo estágio de administração de drogas, tratados com outras drogas mais incisivas. Enquanto não decidirmos mudar a qualidade de vida, ninguém pode deixar de tomar um medicamento receitado por um profissional de saúde, mesmo com suas consequências, eles ajudam a preservar e salvar vidas. Poderíamos optar por corrigirmos na raiz os problemas, com mudanças de hábitos e abolição de estilos de vida que comprometem a saúde. Mas, fizemos o contrário: optamos por manter o modelo atual e buscarmos drogas que controlem os efeitos nocivos de nossas escolhas. É uma opção. Paga-se o preço. Mede-se os resultados. Se está bom assim, prossegue-se da forma como está e não há o que reclamar. Entretanto, é bom ter ciência de que as bestas estão por aí, controlando a humanidade e tirando proveito disso tudo, talvez, buscando melhorar suas receitas de bolo, de forma que possam causar algum efeito de satisfação e dependência na população, para que não fiquem tão estressadas e insatisfeitas, não reclamem tanto, e prossigam acreditando que tudo um dia será melhor. Por vezes, a sociedade olha para uma ou outra dessas bestas e a escolhe como seu mediador superior, capaz de lutar em benefício coletivo, fazendo o bem e tomando o controle da felicidade. Mas, como são bestas, e estão acostumadas a levar vantagem em tudo, não vai muito longe e estas dão uma abocanhada, levando os sonhos e as esperanças do povo, que sofre as consequências de seu comodismo, excesso de confiança, sentindo-se traída, a ponto de querer matar ou humilhar aqueles que escolheram a bestona. E aí, escolhem outra, que novamente parecem deuses, divindades. Apostam todas as fichas, até sofrerem o próximo golpe. Por isso, vivem voando, mas voos de galinha, em trechos pequenos de felicidade e longos trechos de escravidão, amargura, humilhação e descrédito. Para que um corpo tenha saúde, o foco não pode ser no que é visível aos olhos, simplesmente, mas sim, nas partes mais ocultas que formam o ser: genes, DNA’s, células, tecidos e órgãos, 5 componentes muito importantes. Quando o Grande Arquiteto do Universo nos criou, nos fez para vivermos na Natureza, em ressonância harmônica com ela. O homem evoluiu muito, de acordo com os registros históricos, mas sua composição e estrutura genética nunca se alterou, se mantendo intocável. Claro que, atualmente, aprendemos a interferir no DNA, mas os estudos são muito recentes, e ainda é cedo para sabermos o preço que pagaremos lá na frente por isso. Que terá algum preço, não tenhamos dúvidas, pois, as leis naturais, de ação e reação, causa e efeito, também se mantêm intocáveis, funcionando como um relógio. Se a estrutura genética foi criada para habitar o planeta em harmonia com tudo que nele existe, os alimentos também fazem parte desse processo. Para isso, o Criador nos deixou alimentos vivos, com as mesmas estruturas ternárias do DNA: matéria, mente e energia sutil. Essa combinação foi calibrada nas mesmas vibrações, frequências e pulsações do corpo físico. É o que encontramos nas frutas, nas folhas, nas
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 7/31 sementes, nas raízes, bagas, etc. Deixou também água limpa da melhor qualidade, rios cristalinos, fontes puras, chuva ideal para a produção natural de tudo que precisamos como alimento. Mas o crescimento desordenado nos fez desconectarmos de tudo isso. Em dado momento houve uma desintegração, uma desarmonia, e passamos a viver fora do compasso. Como foi essa a escolha e parece que não há um despertar para mudanças, não creio que evol Um gene doente, um DNA doente, pode associar outros que até então eram saudáveis, somando- se um, outro e outro, crescendo a nível tecidual, formando um tumor, um câncer. A essa altura, já não é possível fazer outra coisa a não ser tratar de cima para baixo, de forma invasiva, com quimioterapia, radioterapia e cirurgia. Já não se pode mais falar em prevenção. Até o nosso conceito de prevenção no mundo moderno é equivocado. Para a grande maioria, prevenção é ir ao médico regularmente, fazer exames de diagnóstico e imagem, etc. Na verdade, isso é um cuidado com a saúde e até um dever, mas não exatamente, prevenção. Para os orientais, prevenir é fazer escolhas saudáveis para evitar que haja alguma disfunção que ative gatilhos de doenças nos DNA’s. Ir ao médico, fazer exames de diagnóstico e imagem é verificar se existe algum tecido lesado por doenças e qual é o tamanho da lesão. Isso é buscar cercar os males antes que cresçam muito, mas não exatamente, prevenção. Prevenção é criar mecanismos de defesa para que o bandido nunca invada nossa casa, e não exatamente expulsá-lo de dentro da nossa casa depois que ele entrou. O esforço de atacar doenças depois que se alojaram é válido e deve ser feito, mas pode não resultar em algo satisfatório que preserve a vida, uma vez que, tumores malignos formam metástases, ou seja, espalham suas células através da corrente sanguínea para outras partes do corpo, outros tecidos. O tratamento é um paliativo, enquanto que, a prevenção é a solução ideal. Entretanto, a prevenção requer maturidade, conscientização, educação, comprometimento e responsabilidade para com a vida. Há pessoas que fumam ou tomam refrigerantes por desconhecer o prejuízo que estão causando à própria vida por tal escolha. Outras, fazem conscientes, apenas são irresponsáveis e descomprometidas com sua própria saúde, com sua própria vida. Ambas merecem respeito. Mas o que isso tem a ver com o Brasil, essa Pátria amada onde nascemos e vivemos? Tem tudo a ver! O Brasil é um corpo como o nosso corpo físico. Os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário são os órgãos responsáveis pela manutenção vital e harmoniosa desse corpo, como o cérebro, o coração, pulmão, fígado e demais órgãos vitais. As pessoas que ocupam os Três Poderes, são temporárias, com mandatos provisórios dentro deles, eleitas pelo povo para exercerem com competência, responsabilidade, ética, moral e responsabilidade com o corpo todo. A reeleição dessas pessoas sempre é desaconselhável para a maturidade e evolução da nação, dando oportunidade para outras pessoas, sem apego a cargos e ao poder. Cada um de nós enquanto cidadão, atua como se fosse uma célula interdependente, com as mesmas responsabilidades, competências, caráter, moral, ética, comprometimento e respeito com cada cidadão e com o sistema que forma o corpo e os Três Poderes que escolhemos como modelo, onde de tempos em tempos escolhemos gestores para lá nos representar. A célula nunca trabalha produzindo energia somente para si próprio, pelo contrário, ela produz muita energia para todas as células, principalmente para o cérebro. A Constituição Federal, os códigos subordinados a ela, tais como Código Civil, Código Penal, Código Comercial, Código Processual, Legislações Trabalhistas, etc., etc., são regimentos, anticorpos que guiam a Nação pelo caminho ideal. Os homens que trabalham nos Três Poderes deveriam atuar como observadores e distribuidores das vacinas e do alimento natural da nação (fazer valer a lei e distribuir recursos dos impostos arrecadados), o sono natural
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 8/31 da Nação (a certeza de que estamos em boas mãos) e a água natural, nutrindo e restabelecendo a saúde da nação, monitorada 24 horas por cada um de nós. Estão lá para doarem à nação as boas vibrações, os bons nutrientes e a qualidade de vida que o corpo carece. Estão lá como guardiões da lei, da ordem, da harmonia, da segurança, da paz, segurança e progresso da nação. Infelizmente, no caso do Brasil, não há ou não se pode esperar isso deles, mesmo da grande maioria de nossos irmãos Maçons. Estão contaminados. Em contrapartida, cada cidadão deve atuar como uma célula, fazendo como as mitocôndrias (usinas de transformação de nutrientes em energia dentro das células), que trabalham incessantemente, retribuindo com impostos, com muito trabalho e afinco, respeitando nossos compatriotas, nossos direitos e deveres, que são como a energia necessária, o ATP (moeda de troca), que será convertido em forças para o corpo, o País, se locomover de maneira próspera. O resultado deveria ser revertido ao País, com infraestrutura, saúde, segurança, previdência e educação, necessários à vida e à paz social. Como está o Brasil hoje? O que cada um de nós (eu) está fazendo e de que forma está fazendo para a melhora do Brasil? O que realmente queremos? Onde pretendemos chegar? O que estamos fazendo que pode contribuir com nossa evolução e preservação do ciclo biológico do País? O que os Maçons estão fazendo e como estão fazendo para contribuir com a melhora do País, enquanto edifício social? Essas perguntas precisam ser feitas por cada um de nós, refletidas, conscientizadas e respondidas. Atualmente o Brasil está como uma colcha de retalhos, onde cada retalha pensa apenas em si próprio ou em seu partido político, sua bandeira, sua divisa. É preciso que ocorra um acidente muito trágico, como o que aconteceu com a equipe da Chapecoense, para que acordemos e possamos descobrir o amor, o respeito com o outro e até que o outro existe. Através do acidente com os jogadores da Chapecoense, jornalistas e comissão técnica, para que descobríssemos que, na Colômbia, tinha um povo que nos aguardava para jogarmos o mata-mata, vencer ou vencer, mas que, dentro deles, havia algo de bom que seria compartilhado com todos, a solidariedade e a lealdade. Aqui, jogamos pesado na campanha política, cada um defendendo seu partido. Vamos para o segundo turno, cada um defendendo seu partido, seu candidato, sua ideologia. Finalmente, um é escolhido. Pronto. Tudo terminou. Agora seria só nos juntarmos novamente em busca do bem comum, a paz, a segurança, a estabilidade e o desenvolvimento do País enquanto nação. Mas, não é isso que está ocorrendo. Continuamos atuando como células individuais, olhando para nossos problemas de forma individualizada ou partidarizada, bombardeando nossos semelhantes compatriotas, culpando-os pelos erros daquele que está no poder, representando todos nós. Essa briga individual é propícia para a formação de tumores e metástases, que acabarão contaminando o corpo todo e destruindo a possibilidade de vida com qualidade no País. É isso que está acontecendo no Brasil. Pior. A eleição acabou, mas continuamos divididos: um grupo continua apoiando o candidato que ganhou, enxergando-o ainda como candidato, como partido, e não como um representante da Nação, exigindo que este atue com competência, dignidade e caráter. O outro, continua apoiando o candidato que perdeu, vendo-o como candidato, como alguém que tem que lutar para derrubar o outro que não é mais candidato, mas sim, um representante da Nação, embora esteja governando mal, se corrompendo e incompetente.
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 9/31 Para piorar um pouco mais, os Maçons também seguem o povo cego e manipulado, passando a seguir uma luta individual ou partidária, a ponto de dizer que, se o seu irmão defende uma ideologia oposta à sua, não é irmão. Os Maçons estão tão cegos como qualquer profano no embate político e nos interesses individuais ou partidários. É por isso que está cheio de ratos em nosso meio. O resultado disso é que a Força Cega fica extremamente feliz, rindo de tudo e de todos, inclusive dos Maçons, que se apoiaram na divisão partidária e política, colocaram seus indicados no comando, mas o Brasil continua de mal a pior. Claro. Se as células não trabalharem em conjunto, produzindo ATP (energia) para o corpo todo trabalhar em harmonia, é hora da Força Cega (os tumores malignos) se aproveitar e fazer o país bater colunas, solidificando o caos e a desgraça. Se fizéssemos o contrário, passadas as eleições, prosseguíssemos (enquanto Maçons), atuando como os instrumentos de defesa do corpo, tal como fazem os anticorpos, aumentando a resistência do organismo e bombardeando nãos as pessoas, mas sim os problemas, procurando encontrar soluções conjuntas para os problemas, nos vendo como irmãos em busca do ideal, o Brasil seria uma nação forte, próspera, solidária, segura, sem crime organizado, com infraestrutura forte, saúde e educação invejáveis, sem ter que legitimar a previdência social apenas aos decretados mortos pelo atestado de óbito médico. O Brasil está no rumo errado. Os Maçons, também estão. Não iremos a lugar nenhum funcionando como uma colcha de retalhos. As decisões legítimas na democracia, tem de vir pela vontade do povo. Se tiver que ser uma intervenção, ela terá que surgir por pessoas acima de qualquer suspeita, retas, corretas, competentes, comprometidas com a nação, éticas e não envolvidas com a corrupção. Como não temos esse modelo, me parece que precisamos rever nossos paradigmas, e talvez sofrermos uma intervenção cirúrgica, com quimioterapia, rádio e tudo. Os presídios e os condomínios fechados são tumores. São pedaços de uma colcha de retalhos. A diferença entre um e outro é que os presídios são tumores malignos, crescem, invadem órgãos vitais e formam metástases que se espalham no corpo inteiro, levando à morte. A Força Cega se utiliza deles, tornando-os como escolas de formação do crime organizado, que no Brasil, cresce e se estrutura, enquanto os governos se fragilizam pela desarmonia. Já os condomínios, até crescem, incomodam e precisam de intervenção cirúrgica, mas é possível conviver com eles por algum tempo, com a vantagem de que não formam metástases, embora podem evoluir para tumores, mais cedo ou mais tarde. É comum encontrarmos células das facções criminosas dentro dos condomínios, até porque elas invadem até governos, polícias, judiciário, igrejas e até o Vaticano. Já as escolas, essas são como o fígado, que armazena nutrientes para a sobrevivência do corpo mesmo em momentos difíceis, quando o corpo está repousando, sem ingerir alimentos. Fígado saudável é como uma escola: saúde assegurada e futuro promissor. Mas em um país multifacetado, dividido por quase 40 partidos políticos, cada um procurando mirar o argueiro que está no olho do outro, mas achando normal e permitido ter uma trave no seus, a educação e a saúde andam respirando por ventilador, com infecção evoluindo para sepse, prestes ao desfecho final: a morte. É isso que o Brasil receberá em breve, caso não modifiquemos a rota de colisão. Tem que ter combustível no tanque, quer dizer, no fígado, na educação. Ou morreremos todos. Não nos enganemos. O problema que vivemos está no DNA celular, em cada um de nós, no seio da família, nas Lojas, na comunidade, nos condomínios, nos bairros, nas cidades, nos estados e na
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 10/31 Nação. Não há partido puritano ou alguém em quem possamos nos apoiar. Aliás, precisamos deixar esse problema cultural de nos acomodar, achar que o problema não é nosso, e nos acovardar como pintainho que em momentos de tempestade ou quando o gavião se aproxima correr para debaixo das asas da mãe. Precisamos deixar de terceirizar nossa confiança e nossas fragilidades a um Presidente da República, um Governador, um Prefeito, um Vereador, um Deputado ou um Senador. Eles também pensam como nós, e estão com seus DNA’s doentes também. Os gatilhos das doenças foram ativados neles. A solução é nos somarmos a eles como um corpo que reage às doenças, mas tomando os remédios amargos da lei, sem poupar uma pessoa, um partido ou qualquer que seja. A forma como estamos fazendo as mudanças não surtirá efeito positivo. É preciso parar, nos unir, deixar de partidarizar ou individualizar (façamos política apenas nas eleições, na hora de escolher um candidato), chamando a responsabilidade pelos problemas para cada um de nós e de todos nós, abraçando a causa juntos e procurando resultados juntos. Os políticos enganaram a nação e criaram a crise que estamos vivendo, se aproveitando do despreparo do povo, do vício que temos em nossa genética de nos apoiarmos em muletas, e formaram um ambiente tão terrível que talvez, talvez, não chegarão a se beneficiar do projeto equivocado que engenharam. Em 2018, precisamos estar unidos e preparados para, passadas as eleições, debruçarmos na identificação dos problemas e buscando soluções em todas as áreas, juntos com o governo que a nação escolheu, sem cair nas armadilhas de rompimentos no meio do percurso, sem que tenhamos a possibilidade de votarmos e escolhermos um novo governo, se esse for o caso. Enquanto isso, procuremos atuar como células interdependentes, produzindo energia para o corpo inteiro, sem atuação em forma de colcha de retalhos, sem deixar cânceres aparecerem. E se algum tumor mesmo assim, aparecer, que esse seja tratado com os remédios incisivos da lei, não pela partidarização política. Ela só agrada aos aproveitadores e manipuladores do povo. Infelizmente, muitos deles também são Maçons. Pode ser que algum leitor, moldado pelo sistema atual, não goste dessa prancha. Isso não me importa. Afinal, ninguém é obrigado a gostar e a concordar com o que se escreve. Mas estou de consciência tranquila de que estou escrevendo algo que faz sentido na democracia. Tem uma ferramenta que sozinha colocaria o Brasil nos trilhos. Mas ela é pouco divulgada. E quando se divulga, é trabalhada de forma artificial, para inglês ver, um tipo de sabotagem individual ou coletiva para fazer parte do nosso currículo educacional, mas sem o devido tratamento que merece: a Solidariedade. O dia que aprendermos o que realente é a Solidariedade e a praticarmos, acabou-se a corrupção, a roubalheira, o crime organizado, o jeitinho brasileiro, o comodismo, os oportunistas e aproveitadores, e o Brasil será estruturado em todas as áreas. É preciso deixar de nos enganar e escolhermos o que queremos enquanto Maçons e enquanto cidadãos. É preciso que tenhamos bem definidos o que queremos: se queremos ficar tomando remédios para controlar doenças metabólicas e ir sobrevivendo; se queremos fazer prevenção de verdade; ou se preferimos ir para o centro cirúrgico, para a quimioterapia e a radioterapia. Nesse último caso, chamemos as Forças Armadas. Autor: Manoel Miguel. ARLS Colunas de São Paulo 4145 – GOSP/GOB. Or∴ de São Paulo.
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 11/31 Osvaldo Pereira Rocha* Grão-Mestre “Ad Vitam” do GOAM. Colaborador do JB News - Registro DRT/MA 53. São Luiz - MA E-mail rocha.osvaldo@uol.com.br site www.osvaldopereirarocha.com.br DIA DO MARINHEIRO Porta-Aviões São Paulo “O Mar é um curso de força e uma escola de previdência. Todos os seus espetáculos são lições” (Rui Barbosa). O Dia do Marinheiro é legalmente comemorado em 13 de dezembro e surgiu em justa homenagem a Joaquim Marques Lisboa, de origem simples, mas destacado militar, o Marquês de Tamandaré, o mais ilustre Marinheiro da Pátria Brasileira, vulto histórico conhecido como Almirante Tamandaré, que nasceu em 13 de dezembro de 1.807. 3 – Dia do Marinheiro Osvaldo Pereira Rocha
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 12/31 A data homenageia a digna profissão de marinheiro, o responsável pela manutenção, serviço e segurança dos nossos navios, submarinos e demais órgãos flutuantes da Marinha do Brasil - MB, assim como seus órgãos em terra. “O trabalho. é uma forma sublime de realização. É a fé que mantém o homem acordado. Deve, pois, ser o caminho da concretização do sonho de todos nós”. A MB é a mais antiga das Forças Armadas do Brasil, o nosso Poder Naval, seguindo-se o Exército e a Aeronáutica. Os marinheiros da nossa Marinha são responsáveis diretos pela defesa da nossa Nação no mar, rios e outras vias navegáveis interiores. Existem também os marinheiros mercantes, que executam trabalhos diferentes, por exemplo, viajam pelo mundo, de país em país, levando e trazendo produtos ou mercadorias. Seus navios transportam cerca de 90% das mercadorias importadas e ou exportadas por nossa Pátria. Almirante Tamandaré é o Patrono da Marinha do Brasil, devido a sua bravura nos combates da Guerra do Paraguai, com destaque para a Batalha Naval do Riachuelo, celebrada anualmente em 11 de junho, visto ela ocorreu em 11 de junho de 1865, e por todo o seu patriótico serviço prestado à nossa querida MB, exemplos de ontem, hoje e amanhã. A MB é representada em nosso Estado pela Capitania dos Portos do Maranhão – CPMA, de 1ª Classe, sob o Comando de um Capitão-de-Mar-e-Guerra. E este articulista, como Inspetor do Trabalho / Fiscal do Trabalho, cargo este depois transformado em Auditor-Fiscal do Trabalho, exerceu suas funções, inclusive de Chefe do Serviço de Inspeção, Segurança e Medicina do Trabalho e de Chefe de Gabinete do Delegado, na Delegacia do Trabalho Marítimo no Maranhão – DTM/MA, nas décadas de 1970 a 1990, cujo Delegado era o próprio Capitão dos Portos. E pelos exercícios dessas funções, com dedicação e lealdade, recebeu diplomas e medalhas meritórias de Amigo da Marinha, Mérito Tamandaré (MB) e de Tripulante Honorário da CPMA, além de elogios das autoridades competentes. “Qual cisne branco que em noite de lua, vai deslizando num lago azul, o meu navio também flutua nos verdes mares, de norte a sul. Feliz Dia do Marinheiro!” “Quanta alegria nos traz a volta à nossa Pátria, do coração. Dada por finda nossa derrota. Temos cumprido nossa missão! Feliz Dia do Marinheiro!”. Rogo ao Grande Arquiteto do Universo para que continue nos abençoando! *Colaborador, registro DRT/MA nº 53. Amigo da Marinha, Mérito Tamandaré e Tripulante Honorário da CPMA. Site www.osvaldopereirarocha.com.br
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 13/31 Irmão André Walzburger Loja Acácia Riosulense nr. 95 Rioi do Sul – (GLSC) Braço do Trombudo (SC), 10/07/2016 A SABEDORIA Sabedoria é o substantivo feminino que caracteriza uma pessoa sábia, que pode significar um conhecimento extenso e profundo de várias coisas ou de um conhecimento especifico de determinado assunto. Sabedoria do grego “sofia” é o que detém o “sábio” (em grego “sofós”). Desta palavra derivam várias outras, por exemplo, “amor à sabedoria” (Filos/Sofia). Há também o termo “Phronesis”, usado por Aristóteles na obra Ética a Nicômaco, para descrever a “Sabedoria prática”, ou habilidade para agir de maneira certa. Sabedoria humana é a capacidade que ajuda o homem a identificar seus erros e os da sociedade e corrigi-los. As maiores e mais importantes fontes e formas de sabedoria são encontradas desde da antiguidade até nos dias atuais através da filosofia e nas religiões, estas principalmente as monoteístas. Na filosofia está relacionado aos mais profundos e inteligentes Pensadores, englobando temas do cotidiano da vida até temas transcendentais ou metafísicos. A filosofia de caráter religioso encontramos em várias religiões orientais como Budismo e Confucionismo e nas religiões monoteístas, como o Judaísmo, Cristianismo e o Islamismo. Ainda existe outras formas de adquirir sabedoria, que não seja através de estudos escritos, um homem que não tenha frequentado uma escola clássica, mesmo assim pode ser sábio, através dos ensinamentos orais dos ancestrais ou de sua própria observação. Na Bíblia também é mencionado a sabedoria do Rei Salomão, filho do Rei Davi. Sendo o Rei mais prospero de Israel e considerado o homem mais sábio do antigo testamento e um dos mais sábios do toda a Bíblia. Deus deu a Salomão sabedoria, discernimento extraordinário e uma abrangência de conhecimento tão imensurável quanto a areia do mar. A sabedoria de Salomão era maior do que a de todos os homens do oriente e do que toda a sabedoria do Egito (1 Reis 4:29-30) Na Maçonaria aprendemos que temos o papel de construtor social, somos recebidos com Pedra Bruta, para que nós moralmente façamos os desbastes das arestas e asperezas que restam da iniciação, para que nos transformemos em elementos uteis na construção social a que a Maçonaria compete a edificar. 4 – A Sabedoria – André Walzburger
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 14/31 Nos é ensinado que o trabalho do Maçom é “Conhecer-se e aperfeiçoar-se, a fim de que, livre dos preconceitos e vícios do mundo, possa aspirar o estudo da tradição e da história Maçônica, cujos ensinamentos tem iluminado o mundo”. Primeiro, conhecer-se, depois aplicar conhecimento com sabedoria. A Sabedoria, a Força e a Beleza são as três colunas mestres da Maçonaria, no sentido esotérico. É a trilogia sempre em evidencia, pois são os principais atributos da humanidade. A sabedoria é designada a uma das três colunas que sustentam o templo Maçônico, a coluna Dórica do 1º Vigilante representa a força, coluna Coríntia do 2º Vigilante representa a Beleza e a coluna Jônica representa o Venerável Mestre, pois simboliza a sabedoria, que faz lembrar Salomão, o rei sábio. “Sabedoria exige sacrifícios que só podem ser realizados pela força”. “As três qualidades indispensáveis ao Maçom são o Amor ou Sabedoria, a Vontade e a Inteligência, e são absolutamente inseparáveis uma das outras, pois devem agir, em perfeito equilíbrio, no candidato à Iniciação, para que ele possa ter a iniciação real, vivida e não emblemática”. A maçonaria está baseada em normas e expressões nas mais puras fontes do saber filosófico e religioso. Através de nossas instruções, devemos meditar, analisar atentamente e absorver o máximo possível pelo nosso intelecto e espiritualidade, estes ensinamentos sábios não devemos utilizar apenas para proveito próprio, mas sim também com nossos semelhantes. “A Sabedoria é a mãe de todas as virtudes, pois é dela que se origina a prática consciente dos bons hábitos que, incorporados em nossa maneira de pensar, conduzem o homem à Verdade”. Referência Bibliográfica: GIRARDI, João Ivo. DO MEIO DIA A MEIA NOITE, Blumenau, 2005. MAÇONARIA.NET, site internet.
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 15/31 Irmão Diógenes de Sínope MM da Loja Salvador Allende Grande Oriente Lusitano Lisboa – Portugal O SAGRADO E A CIÊNCIA Para quem não faz questão de se preocupar mas que gosta de enriquecer o pensamento por meio do debate sincero e sem primados de dominação que prazer seria de se poder assistir ao diálogo entre Carolus Linnaeus e Charles Darwin, Demócrito e Niels Bohr, Descartes e António Damásio, St. Agostinho e K. Marx e mesmo Jesus o Cristo e F. Nietzsche, aliás como o fizeram na actualidade, na BBC, o Zoólogo Evolucionista Richard Dawkins e o ex-Bispo de Oxford Richard Harries em que abordam sem preconceitos a Criação (lê-se Sagrado) e a Evolução (lê-se Ciência). Serve esta pequena introdução para me debruçar sobre um das mais velhas, e paradoxalmente, mais recentes controvérsias que resumo como o Sagrado e a Ciência. Separadas à nascença muitas mentes brilhantes tentaram re-ligá-las (a palavra Religião vem do Latim relligare que significa tornar a juntar) e desde o pensamento de Diderot (que dizia que o homem só será completamente livre no dia em que o último Rei for enforcado com as entranhas do último Padre) até aos infernais actos como sequência do Paulinismo político (como o célebre matem-nos todos, não-crentes, sábios, mulheres e petizes que Deus reconhecerá os seus e a não menos célebre Inquisição) muita água passou debaixo das pontes. Clássica e tradicionalmente, o Sagrado, está intimamente ligado a todas as Religiões conhecidas, quer as aceites como maioritárias (Judaico-Cristã, Islamismo, Hinduísmo, Budismo ou Taoismo) quer as que, embora de menor expressão e sem as características Major de uma religião, também fizeram da ligação ao Sagrado uma das suas componentes marcantes (Mitologia dos Ameríndios, Africanos, América do Sul, de muitas ilhas espalhadas pelos Oceanos e Confucionismo). É natural que assim fosse pois nas primevas Eras, onde o conhecimento escasseava eram as artes da divinação (adivinhar na sua etimologia) que estipulavam as regras no reino do desconhecido nascendo assim um forte sentimento de dependência com o poderoso, invisível e inalcançável Criador que a tudo deu vida, forma, volume e demais características, residindo, portanto, o Sagrado no cosmos e no divino revelando um Egocentrismo notável, no sentido em que, para se justificarem a si mesmos, projectavam a sua fraqueza num Ser (ou Seres) marcadamente maior, omnipresente, omnipotente e omniconsciente. A Ciência, primitivamente a extraordinária Scala Natura de Aristóteles como pináculo dos pequenos/grandes pensamentos dos Pré-Socráticos, começou tímida e subjugadamente na tríade clássica de observar, comparar e classificar e ao longo dos Séculos foi magnânima e pujantemente relançada, após o período da trevas da Idade Média, em revoluções periódicas mas estáveis e demonstráveis que vão desde a reducionista, fixista e mecanicista (Copérnico, Galileu, Buffon, Lamarck) à evolucionista (Darwin e Wallace) que a partiram em mil ramos sempre na tentativa de explicar o Todo esmiuçando e esventrando as Partes num caminho que a estruturou para sempre ao acrescentarem à tríade a reprodutibilidade e a modelização matemática da experiência. 5 – O Sagrado e a Ciência Diógenes de Sínope
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 16/31 Não vos vou maçar descrevendo o que de admirável se passou em cada uma destas etapas (dou-vos o prazer da leitura em mil e um livros escritos sobre este assunto) em que Sagrado e Ciência de costas voltadas e agredindo-se mutuamente contribuíram, não para um avanço que pareceu notório mas para um atraso inconcebível em que a inteligência malparada grassou e dominou. Explico melhor, nas origens, quer as Teogonias quer as Cosmogonias procederam de um estádio indefinido e quase caótico e dai a facilidade com que se aproximaram da Metafísica, ora, e à medida que se foram acumulando os novos conhecimentos os modelos, quer do Sagrado quer Científicos, começaram por hipóteses que deveriam ser refutadas ou validadas e modificando-se de acordo com a sua demonstração. Aqui, agudizou-se o mau uso da inteligência pois em vez de integrarem a impossibilidade que o Sagrado tem em ser demonstrável por factos (mas stricto sensu experimentáveis) nas verosímeis experiências (insensíveis por natureza) decidiram cada um correr para o seu lado custando isso, à Humanidade, não só um ror de disparates como também, e sobretudo, uma consciência antropomórfica, falocrática e de exclusão que virou homem contra homem, homem contra a mulher, homem contra animais, vegetais e minerais causando uma destruição incontável a que todos, impunemente, assistimos não sem, por um lado uma raiva a crescer-nos nos dentes, e por outro com a esperança de cada vez que morre um vício ressuscita uma virtude (sim, MM.’.QQ.’.IIr.’. a ressuscitação simbólica de Hiram é diária e em exercício constante). Como, perguntarão? E eu respondo nunca como o temos feito até agora, ou seja, sem aporias que no dizer de Aristóteles são igualdades de conclusões contraditórias. E se, com a entrada em cena dos novos Cientistas (Morfologistas, Evolucionistas, Fisiologistas, Etologistas e Cognitivistas) no Estudo do Ser, eles que não pratiquem o jogo que o Sagrado e a Ciência têm vindo a exibir, isto é, não aceitar que a contingência e não-finalidade da Evolução é um avanço, que a reprodutibilidade da experiência seja uma obrigação temporária, que o microcosmos dos insectos é mil vezes mais maravilhoso que a arrogância antropomórfica, que a definição de Modernidade não seja que mais vale o estudo de uma molécula de água em Marte do que evitar a desflorestação da Amazónia, que a insuspeita criatividade de uma vida sem suporte seja o primado vital, que se aceite que à escala nanoscópica corpuscular não se distingue um livro de um homem sem que isso seja um erro mas uma baliza para atingir a diferença da unidade, que não se faça como Platão que através das Ideias o homem consegue e deve desembaraçar-se da Natureza, que a Filosofia se centre mais nas perguntas que nas respostas não substituindo axiomas velhos por novos (a caverna de Platão agora chama-se Constante Cosmológica e as sombras ecrãs catódicos e de plasma), enfim, uma série de inverdades tornadas autênticas (o Sagrado) e de verdades tornadas inautênticas (a Ciência). Infelizmente Freud tinha razão quando afirmou que a Ciência infligiu profundas feridas ao amor-próprio do Homem ao demonstrar que a Terra não era o centro do Universo, na demonstração pela Biologia que o homem não é o topo da criação mas sim mais um elo (o mais elaborado) na Scala Natura e, sobretudo, com a descoberta do inconsciente. A essência da condição humana é não conseguir viver ou existir sem um sentido de vida mas esta Ontologia decorre num Cosmos sem sentido ou senso, logo, o maior dos desafios lhe é dado pela consciência de si e dos outros. Começando por ser bípede forçado (e não natural como os passeiriformes) o desenho da adaptabilidade não foi um utópico desígnio nem um acto experimental matematicamente modelizado, ambos cravados na frigidez das verdades gravadas em mármore (como referiu o Paleoantropólogo Pascal Picq), como também não foi o uso da técnica ou a emancipação Iluminista do pensamento em relação à Religião nem o contra-senso da imposição dos costumes que programaram geneticamente o homem para, simplesmente aprender (tão bem exemplificado no Mito de Prometeu), muito antes pelo
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 17/31 contrário, estas estupendas capacidades são consequência, insuficientemente aproveitadas, da pressão probabilística da liberdade celular com que hoje se define a Humanidade. Então, a pergunta, será que precisarmos do Sagrado e da Ciência, perde a sua força? Claro que não! Necessitamos muito de ambos fazendo como aqui, na nossa Loja, singela, mas carregada de significado simbólico, em que a construção de si é um percurso íntimo virado para os outros e para o Universo. Impõem-se mais uma pergunta: Contribui a Ciência para dessacralizar o Sagrado e este para desciencializar a Ciência? Claro que também não! O que se conseguiu foi que se iluminasse a obscuridade e se hoje o Sagrado não é exclusivo das Religiões foi indubitavelmente devido ao contributo da Ciência bem como se hoje a Ciência não é maioritariamente materialista deve-o ao sagrado no sentido estritamente laico e aqui chega-se ao cerne da questão: a Espiritualidade que tanto dá força e substância ao Sagrado e à Ciência, já não o faz de um modo ortodoxo, fixo ou reducionista e vejamos porquê muito resumidamente para não corrermos o risco de ficar aqui a vida inteira a debitar para nós próprios. Assim: a tão proclamada desconstrução dos valores tradicionais foi enriquecida com formas de natureza cultural e espiritual, mais fortes e mais estáveis, preparando o indivíduo para resistir a um consumo devorador do Sagrado localizado no divino e mesmo no Cosmos, ao invés passou-se a contar com aquilo que podemos chamar a prata da casa, isto é, o Ser Humano que sabe que é mortal e que só pode contar com as exigências da sua lucidez e nunca sem perder o que o liga aos Outros e ao Cosmos, ou seja, o sentido de vida. Há um velhíssimo ditado Árabe que diz: um homem que não encontrou na sua vida um motivo para a perder é um pobre homem, ou outra maneira de dizer que o Sagrado deve ser entendido como um motivo da saída de si suspendendo o Egocentrismo para que, e na sua lógica etimológica e não religiosa, o Sagrado seja aquilo pelo qual nos podemos sacrificar usando o sentimento, a afectividade e o amor que estão dentro de nós e não no exterior. Ao apagar-se o pequeno Eu acende-se a verdadeira relação entre o Uno e o Todo seja no Cristianismo, nos Vedas Indianos, nos Upanixadas Persas ou na materialista Ciência, isto é, para mim traduzo, exactamente, como a consciência de mim entrelaçada aos outros e ao Universos sem que use as palavras Deus, Vixnu ou Tao mas outras mais acessíveis como Bom, Justo e Tolerante que simbolicamente encontro nos utensílios que tradicionalmente fazem parte da Franco-Maçonaria ou naquilo que o Espírito se destaca de corpo e mente. E cada um de nós tem o dever e a exigência de procurar, ser responsável e de realizar esse outro Sagrado que não se resigna com a decadência moral nem com a magnitude da Ciência para destruir o que de mais valioso a natureza exibe: a vida! Esta Transcendência, agora, não exterior (o Sagrado) não pode nem deve ser conotada senão ao maior sinal da sua existência que é a Liberdade, e aqueloutra evidência (a Ciência) não pode ser aliada senão da primeira para combater a tirania da finalidade esgotada pelos mimos trocados entre eles que dividiram em vez de unirem a Humanidade. Por fim peço-vos para, comigo, dizerem não ao significado da peça Teatral The King Lear em que são os loucos que conduzem os cegos e nunca esquecendo que aquele que não ama permanece na morte. Ir.’. Diógenes de Sínope M:.M:. R.’. Salvador Allende G.’.O.’.L.’. Bibliographia -Jules Boucher – “La Symbolique Maçonnique”, Éditions Devry -Pascal Picq – « Nouvelle Histoire de L’Homme » -P. Sonigo et J.J. Kupiec – « Ni Dieu ni Gene » -J. Delacour – « Le Cerveau et L’Esprit »
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 18/31 Irmão José Anselmo Cícero de Sá (33º. REAA- 48 anos de Maçonaria) M I da Loja Estrela da Distinção Maçônica, 953 (GOB/GOERJ) Academia de Artes, Ciências e Letras do Estado do Rio de Janeiro Cadeira nr. 29 - Patrono: Quintino Bocaiuva – A IMPORTÂNCIA DOS FUNDAMENTOS ONTOLÓGICOS DOS DIÁLOGOS DE PLATÃO Diferentemente do seu mestre Sócrates, que era um filho do povo, Platão (427- 347 a.C.), cujo nome próprio era Aristócles, nasceu aristocrata. Era um vigoroso atleta (tanto que Platão, Platus, significa “o de omoplatas largas”), tão grande filósofo quanto excelente poeta, como o fora antes atleta olímpico, o mais bem dotado discípulo de Sócrates, representante característico do gênio grego, da mesma maneira que viveu seu mestre, também encaminhou a filosofia para a realização do bem através do conhecimento. Platão abrange, além da realidade ética, toda a natureza com sua problemática cosmológica e metafísica, muito mais do que Sócrates, que se limitava apenas à área antropológica-moral. Em face da eterna antítese “harmonia versus desordem”, do nascimento e morte de todas as coisas, da antinomia da matéria contrastando com o espírito, da paixão que se opõe à razão, Platão, o grande filósofo, deduziu que somos prisioneiros do corpo, razão pela qual o espírito humano é superior à matéria, sendo, em consequência, “um peregrino neste mundo”. Podemos transpor a realidade corpórea dos sentidos e chegar a contemplação do inteligível, somente por um amor nostálgico, o chamado “Eros Platônico”. Assim, passamos da aparência dos sentidos à realidade das ideias. Entre a matéria e as ideias estão Deus e as almas, sendo que o divino, em Platão, é especialmente representado pela ideia suprema do bem. O mundo ideal Platônico, portanto, teria necessidade de uma base ontológica, somente captada pelo conhecimento verdadeiro, que está acima do conhecimento sensível, justificando os valores, o dever-ser. A natureza sensível, que integra nosso mundo imperfeito, o da aparência, aspira à realidade pelo conceito, pelo objeto adequado ao conhecimento conceptual. O que era simples objeto da experiência passa a ser objeto-conceito, com características individualizadas, universais, eternas, porque são imutáveis. Transferida da categoria lógica à ontológica, a ideia, que é múltipla da experiência sensível, unifica-se numa só ideia agora transformada na realidade suprema do bem. 6 – A Importância dos fundamentos ontológicos dos diálogos de Platão - José Anselmo Cícero de Sá
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 19/31 Como corolário depende dessa ideia (a do bem tornado realidade suprema) não apenas todas as outras ideias, mas também os próprios valores: religiosos, éticos, lógicos, estéticos, científicos, etc., subordinados à percepção sensível. Isto posto o que não é ideia, é pela ideia, pois (o que não é ideia é enquanto participa da própria ideia). Logo, o “Ser é a Ideia”, chave para a compreensão dos fundamentos ontológicos platônicos. Conciliando as posições antagônicas de Parmênides (no eleatismo há um mundo que tem os caracteres da imutabilidade e da eternidade: o Ser Parmênides) e do Heráclito (no heraclitismo há um mundo sensível-cognoscitivo em permanente transformação: o Ser heraclítico), Platão chega a uma concepção própria do mundo, “síntese de matérias e ideias” resultantes de princípios opostos que se conciliam harmonizando-se. Assim para Platão a ideia é o ”ser”, a matéria o “não ser”. A ordem e a desordem, o bem e o mal que aparece no mundo, são o dualismo que é feita a natureza, isto é, o Cosmos. O mal, o mutável o irracional dependem da matéria, que é negativa O bem, a verdade, a beleza fluem na ideia-ser, que é positiva. Submetendo a alma ao corpo (entendendo-se como alma, o espírito encarnado), o homem se degrada, pois a ideia-ser que não admite a concupiscência (sempre dirigida para os gozos materiais) exige quatro virtudes cardeais: a Sabedoria, a Moderação, a Fortaleza e a Justiça. Daí porque, segundo a antropologia filosófico-platônica, o homem se realiza em três distintas áreas assim enunciadas: 1ª Área – ESCALÃO INFERIOR – O corpo físico representado pelos instintos de nutrição e reprodução, pela necessidade de repouso e sonho; 2ª Área – ESCALÃO MÉDIO – Nele atuam o valor, o orgulho e a esperança como forças ativas da alma; 3ª Área – ESCALÃO SUPERIOR – Como explica na “República” sua principal obra, é a razão receptora do divino através do saber. Estas três áreas com seus respectivos escalões constituem o que se chama comumente de fundamento da doutrina do Direito e do Estado em Platão. Assim a natureza platônica não sendo estática e sim dinâmica (compreensão heraclítica), dirigi-se sem cessar para o seu aperfeiçoamento. E o homem, dentro da natureza, vem, pelo aperfeiçoamento, conhecer a idéia, essência do bem e de Deus. Logo, a natureza platônica não se estende pela observação dos fatos e sim pela análise da essência do ser, logo, é uma ontologia metafísica. Platão, pensador filosófico de gênio simultaneamente fantasista e lógico em seus escritos através de 35 Diálogos e 13 Cartas é um extraordinário escritor que, sintetizando as concepções de seus precedentes, nem por isso deixou de ser original e autêntico. Quase todos os seus escritos têm a forma de diálogo, nos quais Sócrates assume sempre o papel principal. Dentre estes Diálogos podemos citar: APOLOGIA – Que descreve Sócrates expondo o sentido da obra de sua vida diante dos juízes, seus acusadores;
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 20/31 CRITON – Que apresenta Sócrates rejeitando as súplicas do discípulo homônimo do diálogo, ansioso por vê-lo fugir à morte. Ao repelir dos rogos de Críton, Sócrates ensina ser um dever para com a pátria e suas leis a aceitação de uma sentença, ainda que injusta; LAQUES – Que estuda a essência da fortaleza; EUTÍFRON – Que tendo por objeto a essência da piedade, que não é apenas uma virtude isolada, mas um sentimento que acompanha a ação justa, recordação do divino como exemplo do bem; GÓRGIAS – Que submete a Retórica a severa crítica, bem como a moral e a política dominante naquele tempo. Cálicles, filósofo sofista e personagem do Diálogo, “é uma figura genial, de saber moderno, que defende sem dissimular o direito do mais forte”. Contudo, contrapõe Platão, que “é preferível sofrer a injustiça, do que praticá-la; PROTÁGORAS - Que mostra os defeitos negativos da sofistica, ridicularizando os seus mais ilustres representantes. Ensina a arte de bem dizer, a Retórica, sem saber o que ensina, não havendo em suas lições nenhuma verdade. Estes Diálogos são escritos do primeiro período, da juventude de Platão, que examinam a problemática moral-social ligada a Sócrates. Esta fase, portanto, está estritamente ligada a Sócrates e aos sofistas. A fase posterior desenvolve progressivamente e sistematiza a doutrina platônica. Existem diversos Diálogos desta fase, dentre os quais destacamos os seguintes:: MÉNON – Considerado o programa da recém-fundada Academia, que ensina ser o conhecimento uma recordação. Um escravo jovem, por meio de perguntas adequadas, consegue demonstrar teoremas, ainda que inculto, não tendo, antes, estudado geometria. Platão tenta provar, assim, que o escravo, em vida anterior, havia possibilitado à sua alma aqueles conhecimentos, limitando-se agora a trazê-los à consciência, (evidenciando com isto, o que denominamos em nossos dias de ”processo reencarnatório”; BANQUETE OU SYMPOSION – Que trata do amor sob uma forma espiritualizada, sendo finalidade única de o amante despertar na alma do ser amado a nostalgia de um ideal perdido. Outro não é o sentido do conhecido e divulgado “amor platônico”. Inicia também, este diálogo, a doutrina das idéias; REPÚBLICA OU POLITÉIA – Esta obra consta de 10 livros que apresenta o Estado dominando de modo absoluto, sustentando a tese da abolição da propriedade privada e da supressão da família com a ausência do casamento monogâmico que conhecemos. Diferentemente da concepção comunista, seu Estado ideal é orientado por preocupações éticas e políticas, não por considerações econômicas, como observa G. Del Vecchio. Enunciaremos a seguir os Diálogos de Reelaboração Crítica, talvez inspirados por Aristóteles, também chamados dialéticos.
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 21/31 TEETETO – Que procura provar indiretamente a verdade da teoria das idéias, submetendo o conhecimento à severa crítica equiparando o saber com a opinião justa; SOFISTA – Ou o mau filósofo, distinto do verdadeiro. É diálogo importante para a fundamentação da Lógica; POLÍTICO – Trata das formas de Estado e das necessidades das leis, fixando o conceito do governante, isto é, do político e administrador, do homem de Estado. A estes alguns autores acrescentam PARMÊNIDES e CRÁTILO, este incluído nos diálogos de segunda classe, e aquele uma síntese da doutrina eleática da unidade. Por derradeiro, citaremos os Diálogos de Profunda Sistematização da Doutrina Platônica e com tendência ao Pitagorismo. Assim teremos: FÉDON – Que é exposição socrática de provas da persistência da alma depois da morte. É a recomendação de uma moral ascética, visando a defender o corpo da sensualidade, preparando a alma para viver depois da morte; FEDRO – Que nos encaminha para o conhecimento através da virtude. Venha a ser, pois, diálogo importante para a compreensão da Teoria Platônica das Idéias. Agora já distanciado da maneira racionalista e fria de Sócrates, chega à divina loucura, ansioso por encontrar a verdade e a beleza. Diálogo reelaborado, antes era a alma representada por um ser alado, posteriormente substituído por um auriga ou condutor a dominar um carro com dois cavalos, um simbolizando a vontade e o outro os apetites sexuais. O auriga é a razão. A moderação e a justiça ou idéias-verdades somente são contempladas pela razão quando permanece no homem a lembrança daquele mundo ideal, divino, do qual tomou parte sua alma liberta do corpo anterior. Logo, os homens fracos, de almas débeis, pouco ou nada percebem da cavalgada dos deuses; FILEBO – Que continua o estudo em torno da problemática do supremo bem: O conhecimento virtuoso; CRÍTICAS – A 3ª parte da trilogia que tem suas duas partes anteriores em REPÚBLICA e TIMEU restaura o vulto do tio-avô de Platão, tirano e orador muito conhecido em seu tempo. AS LEIS – Uma obra póstuma, que apresenta o Estado por excelência. Platão já mostra um maior respeito pela personalidade individual, ainda que excluídos os escravos, não mais sendo sacrificadas as propriedades imobiliárias e a família, como expôs em sua obra “A REPÚBLICA”. O último diálogo escrito por Platão, ainda que rigorosa autoridade estatal, já não é sobrepujante nem absoluta, porquanto o Estado ideal que concebeu na mocidade veio a tornar-se irrealizável com a reflexão da ancianidade
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 22/31 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome Oriente 01/12/2004 Lysis Brandão da Rocha Florianópolis 01/12/2009 Poço Grande do Rio Tubarão Tubarão 11/12/1993 Phoenix Jaraguá do Sul 13/12/1983 Nova Aurora Criciúma 18/12/1991 Obreiros da Paz Fraiburgo 20/12/2003 Luz Templária Curitibanos 22/12/1992 Ademar Nunes Florianópolis 21/12/1999 Silvio Ávila Içara Data Nome da Loja Oriente 02/12 Fraternidade e Justiça Blumenau 02/12 Lauro Muller São José 06/12 Fraternidade Criciumense Criciúma 07/12 Voluntas Florianópolis 09/12 Igualdade Criciumense Criciumense 11/12 Xaver Arp Joinville 13/12 Padre Roma II São José 14/12 Montes de Sião Chapecó 7 – Destaques (Resenha Final) Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de Dezembro
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 23/31 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Nome Oriente 01.12.04 Luz de São Miguel - 3639 São Miguel do Oeste 02.12.06 Colunas de Antônio Carlos - 3824 Florianópolis 04.12.08 Seara de Luz - 3961 Chapecó 05.12.85 25 de Agosto - 2383 Chapecó 08.12.10 Estrela do Oriente - 4099 Tubarão 11.12.96 Justiça e Paz - 3009 Joinville 11.12.97 União Adonhiramita -3129 São Pedro de Alcântara 11.12.01 Paz do Hermon - 3416 Joinville 12.12.96 Fênix do Sul - 3041 Florianópolis 13.12.52 Campos Lobo - 1310 Florianópolis 13.13.11 Luz do Oriente - 4173 Morro da Fumaça 16.12.96 A Luz Vem do Oriente - 3014 Castelo Branco 16.12.03 Philantropia e Liberdade - 3557 Brusque 17.12.96 Luz do Ocidente - 3015 Chapecó 17.12.96 Perseverança - 3005 Florianópolis 20.12.77 Xv de Novembro - 1998 Caçador 28.12.96 Livre Pensar - 3153 Piçarras 28.12.96 Luz de Navegantes - 3033 (30/06/2010) Navegantes
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 24/31 Um belo Pôr-doSol da Av. Beira Mar Norte em Florianópolis com visual produzido pelo Ir. Itaeli
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 25/31
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 26/31 A Equipa do Museu da Assembleia da República Assembleia da República Av. D. Carlos I, Nº 130, 4º. 1200-651 Lisboa - PORTUGAL e-mail: Museu.Correio@ar.parlamento.pt Tel: (+351) 213914126
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 27/31 Acesse o link se o seu programa de e-mail tem problema para mostrar essa mensagem. NEWSLETTER DEZEMBRO 2016 SAIBA COMO DESTINAR 6% DO IMPOSTO DE RENDA PARA OS NOSSOS PROJETOS SOCIAIS: Basta clicar na imagem para ver as instruções Acesse o link caso você não queira receber mais esse tipo de mensagem.
  28. 28. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 28/31 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) Dia 13 de dezembro: O Trono do Venerável Mestre Do trono do Venerável Mestre é visualizado o Templo todo da duração de uma Sessão da Loja, pois o dirigente da Loja encontra-se centralizado. Nossa atenção deve ser permanente, uma vez que o Venerável Mestre atua como se fosse um maestro de orquestra, tendo o malhete, em vez da batuta. A ritualidade obedece ao seu comando e o ritual encontra desenvolvimento por meio desse comando, feito com a maior perfeição possível, dentro da capacidade maçônica de cada presente. Estar aos pés de um trono induz à veneração que, por sua vez, é uma fonte de inspiração; o Venerável Mestre é o modelo a ser seguido, uma vez que foi guindado ao posto pela vontade da maioria. Nos momentos de indecisão, na jornada da vida, devemos visualizar em nossa mente o trono da Loja e obedecer em espíritos os preceitos que nos foram ensinados, aplicando-os aos casos que surgem. Assim, viveremos pelo menos com tranquilidade. A comunhão entre os irmãos da Loja faz com que jamais nos sintamos sós; é um dos aspectos do amor fraterno. Aspirar maior proximidade, ocupando o Oriente, será uma medida judiciosa e proveitosa. Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014, p. 366.
  29. 29. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 29/31 Stonehenge: Nascer do Sol no Solstício de Inverno.... e no Solscíticio de Verão
  30. 30. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 30/31 (pesquisa e arquivo JB News, vídeos da internet e colaboração de irmãos) 1 --- Este violinista impressionante é um gênio musical americano! 2 – Pare para admirar a beleza destes campos de flores! 3 – Teste: Como Sigmund Freud te descreveria em uma frase? 4 –Cirque du Soleil: http://www.flixxy.com/cirque-du-soleil-oscars-2012-performance.htm 5 –Minas Gerais: https://www.youtube.com/watch?v=j6jvqIG_T3I 6 - Açores: Azores.pps 7 - Filme do dia: “A Lenda de Grendel ” - dublado Adaptado de um poema anglo-saxão chamado Beowulf, o filme é um conto medieval que trata de uma batalha do valente soldado contra uma força mitológica e também traz momentos de beleza poética únicos, já que se trata de um verdadeiro épico universal. Apesar de não ser tão conhecido entre os brasileiros, o filme tem tudo para agradar quem gosta de bons filmes de ação, reunido aventura e uma faceta mais fantástica. O soldado parte em uma caçada em busca dessa criatura, e aos mesmos tempos precisa lidar com jogos internos e também caso de amor. A típica história do herói mítico bem filmada e bem contada. https://www.youtube.com/watch?v=l85uYezwu1Q&t=772s
  31. 31. JB News – Informativo nr. 2.266– Florianópolis (SC) – terça-feira, 13 de dezembro de 2016 Pág. 31/31 A FALSA IMAGEM -o espelho que reflete a vaidade- Autor: Raimundo A. Corado Barreiras, 18 de janeiro de 2016. Como pessoa física ou jurídica; Ou autoridade representante; Mesmo sujeito a duras críticas; Detém poderes que o garante. Poder e orgulho não falta; E buscam-se marcar gestão; Inauguram-se só com placa; Em inacabada construção; Depois, não. Tenho pressa; Pôr a placa é o que interessa; Para encerrar as atividades. Há que deixar o nome gravado; E com isso fazer o ego inflado; Como exercício das vaidades.

×