SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
CrioterapiaHugo Pedrosa 2009
Crioterapia A utilização do frio com objectivos terapêuticos denomina-se  CRIOTERAPIA. Possui indicação no tratamento do trauma agudo e da lesão subaguda e  para diminuir o desconforto após exercício e reabilitação. Hugo Pedrosa 2009
Crioterapia Indicações 	 - Durante a inflamação aguda ou subaguda 	 - Dor aguda 	 - Dor crónica 	 - Controle da hemorragia e edema (inchaço) 	 - Pontos-gatilhomiofasciais 	 - Tensão muscular aguda 	 - Torção ligamentar aguda 	 - Contusão aguda 	 - Bursite 	 - Tenosinovite 	 - Tendinite Hugo Pedrosa 2009
Crioterapia Efeitos fisiológicos na área de aplicação: - Vasoconstrição que limita a passagem da corrente sanguínea - Diminuição da dor ,[object Object]
 Diminuição da excitabilidade muscular
 Diminuição da despolarização do fuso muscular
 Diminuição do fluxo linfático
 Diminuição do metabolismo
 Diminuição da velocidade de condução nervosa
 Diminuição da formação /acumulação de edemaHugo Pedrosa 2009
Crioterapia Fases sensoriais: 	- Quando a crioterapia é utilizada o indivíduo passa por uma  	progressão sensorial que se inicia com o reconhecimento da sensação  	de frio. 	- Passados 4 a 5 minutos, a área de aplicação começa a “arder” e uma  	sensação de dor está normalmente associada. 	- 7 a 10 minutos depois a zona está adormecida. Esta fase significa que 	os efeitos fisiológicos do frio foram alcançados no tecido a ser tratado. 	Neste momento, o terapeuta pode decidir terminar a aplicação, ou  	manter o tratamento (aprofundando o efeito) por mais 5 a 10 min, ou 	realizar  algum alongamento ligeiro  e/ou exercícios dinâmicos. Fases sensoriais comuns na aplicação de gelo (3 a 4) 	    1 – Desconfortável sensação de frio 	    2 – “Ferroada” 	    3 – Ardor ou comichão        4 – Dormência Hugo Pedrosa 2009
Crioterapia Zonas de aplicação: 	- A utilização do frio sobre regiões  pouco profundas, como  	pulso, mão, pé, dedos deve ter a duração de 5 a 10 minutos. 	- Quando a aplicação é sobre áreas mais densas como o quadríceps ou isquiotibiais, a duração pode ir até aos 15/20 min. 	- Os tratamentos de crioterapia não devem prolongar-se por  	mais de 30 minutos com risco de congelarmos o tecido (frostbite). Hugo Pedrosa 2009
Crioterapia Justificações para a sua aplicação - Quando pensamos nos efeitos da crioterapia, é fácil perceber porque é que constitui a modalidade terapêutica preferida durante a fase aguda do ciclo de cicatrização. - A crioterapia alcança os objectivos da fase aguda, criando vasoconstrição para ajudar a controlar a hemorragia, diminuir o edema primário e para interromper o ciclo dor-espasmo. ,[object Object]
 Ao diminuir o espasmo e a dor estamos a criar condições para o início precocedo movimento activo (melhorias na amplitude de movimento). ,[object Object],redução do edema pelo facto de existir contracção muscular (através da facilitação  linfática e venosa associada). Hugo Pedrosa 2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Brasil Telecom/OI
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaNatha Fisioterapia
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaJaqueline Mancini
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Cleanto Santos Vieira
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial FUAD HAZIME
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIRenan Malaquias
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloClaudio Pereira
 
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2Cleanto Santos Vieira
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)FUAD HAZIME
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesDebora_Marques
 
16 aplicacao de-calor_e_frio
16 aplicacao de-calor_e_frio16 aplicacao de-calor_e_frio
16 aplicacao de-calor_e_frioJohnny Martins
 

Mais procurados (20)

Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Massoterapia
MassoterapiaMassoterapia
Massoterapia
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
 
Termoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia AplicadaTermoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia Aplicada
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Coluna Lombar
Coluna LombarColuna Lombar
Coluna Lombar
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marques
 
16 aplicacao de-calor_e_frio
16 aplicacao de-calor_e_frio16 aplicacao de-calor_e_frio
16 aplicacao de-calor_e_frio
 
Pontos gatilho
Pontos gatilhoPontos gatilho
Pontos gatilho
 

Destaque (20)

Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calor
 
crioterapia
crioterapiacrioterapia
crioterapia
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Aplicação de frio
Aplicação de frioAplicação de frio
Aplicação de frio
 
Crioterapia e turbilhão
Crioterapia e turbilhãoCrioterapia e turbilhão
Crioterapia e turbilhão
 
CRIOTERAPIA
CRIOTERAPIA CRIOTERAPIA
CRIOTERAPIA
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Clase 3 crioterapia
Clase 3 crioterapiaClase 3 crioterapia
Clase 3 crioterapia
 
CRIOTERAPIA
CRIOTERAPIACRIOTERAPIA
CRIOTERAPIA
 
Calor e frio
Calor e frioCalor e frio
Calor e frio
 
parafina
parafinaparafina
parafina
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 
Crioterapia
Crioterapia Crioterapia
Crioterapia
 
Radiacao ultravioleta
Radiacao ultravioletaRadiacao ultravioleta
Radiacao ultravioleta
 
parafina-terapeutica
 parafina-terapeutica parafina-terapeutica
parafina-terapeutica
 
7. termoterapia
7.  termoterapia7.  termoterapia
7. termoterapia
 
Crioterapia
CrioterapiaCrioterapia
Crioterapia
 

Semelhante a Crioterapia

Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Cleanto Santos Vieira
 
Friccao Transversa Profunda
Friccao Transversa ProfundaFriccao Transversa Profunda
Friccao Transversa ProfundaHugo Pedrosa
 
Massagem Desportiva
Massagem DesportivaMassagem Desportiva
Massagem DesportivaHugo Pedrosa
 
Crioterapia e Termoterapia 2.pptx
Crioterapia e Termoterapia 2.pptxCrioterapia e Termoterapia 2.pptx
Crioterapia e Termoterapia 2.pptxthiagopennachaves
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaUniversidade Norte do Paraná
 
575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx
575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx
575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptxCristianePires38
 
575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf
575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf
575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdfRodolfoFreitas21
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Cleanto Santos Vieira
 
Termo de Consentimento de Lipoaspiração.doc
Termo de Consentimento de Lipoaspiração.docTermo de Consentimento de Lipoaspiração.doc
Termo de Consentimento de Lipoaspiração.docBrunno Rosique
 

Semelhante a Crioterapia (13)

Aula 5 - CRIOTERAPIA.pdf
Aula 5 - CRIOTERAPIA.pdfAula 5 - CRIOTERAPIA.pdf
Aula 5 - CRIOTERAPIA.pdf
 
Aplicação de frio
Aplicação de frioAplicação de frio
Aplicação de frio
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Friccao Transversa Profunda
Friccao Transversa ProfundaFriccao Transversa Profunda
Friccao Transversa Profunda
 
Massagem Desportiva
Massagem DesportivaMassagem Desportiva
Massagem Desportiva
 
Crioterapia e Termoterapia 2.pptx
Crioterapia e Termoterapia 2.pptxCrioterapia e Termoterapia 2.pptx
Crioterapia e Termoterapia 2.pptx
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
 
575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx
575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx
575428838-Aplicacao-de-Calor-e-Frio.pptx
 
575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf
575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf
575428838-aplicacao-de-calor-e-frio-231010225302-5f6992a8.pdf
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Termo de Consentimento de Lipoaspiração.doc
Termo de Consentimento de Lipoaspiração.docTermo de Consentimento de Lipoaspiração.doc
Termo de Consentimento de Lipoaspiração.doc
 
Hiperidrose primária
Hiperidrose primáriaHiperidrose primária
Hiperidrose primária
 

Mais de Hugo Pedrosa

Reflexologia Podal
Reflexologia PodalReflexologia Podal
Reflexologia PodalHugo Pedrosa
 
Apresentação - Curso de Reflexologia
Apresentação - Curso de ReflexologiaApresentação - Curso de Reflexologia
Apresentação - Curso de ReflexologiaHugo Pedrosa
 
Biblioteca 5 guia de patologias para massoterapeutas
Biblioteca 5   guia de patologias para massoterapeutasBiblioteca 5   guia de patologias para massoterapeutas
Biblioteca 5 guia de patologias para massoterapeutasHugo Pedrosa
 
Portfólio formação Massagem Terapêutica e Desportiva
Portfólio formação Massagem Terapêutica e DesportivaPortfólio formação Massagem Terapêutica e Desportiva
Portfólio formação Massagem Terapêutica e DesportivaHugo Pedrosa
 
Biblioteca 4 - Massoterapia Clínica
Biblioteca 4 - Massoterapia ClínicaBiblioteca 4 - Massoterapia Clínica
Biblioteca 4 - Massoterapia ClínicaHugo Pedrosa
 
Efeitos da Massagem
Efeitos da MassagemEfeitos da Massagem
Efeitos da MassagemHugo Pedrosa
 
Biblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De Anatomia
Biblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De AnatomiaBiblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De Anatomia
Biblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De AnatomiaHugo Pedrosa
 
Biblioteca 2 - Stretching Anatomy
Biblioteca 2 - Stretching AnatomyBiblioteca 2 - Stretching Anatomy
Biblioteca 2 - Stretching AnatomyHugo Pedrosa
 
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares ModernasBiblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares ModernasHugo Pedrosa
 
Expectativas Formador
Expectativas FormadorExpectativas Formador
Expectativas FormadorHugo Pedrosa
 
Ligaduras Funcionais
Ligaduras FuncionaisLigaduras Funcionais
Ligaduras FuncionaisHugo Pedrosa
 
Miologia posterior do tronco
Miologia posterior do troncoMiologia posterior do tronco
Miologia posterior do troncoHugo Pedrosa
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia MuscularHugo Pedrosa
 
CV tradicional versus Portfólio fotografico
CV tradicional versus Portfólio fotograficoCV tradicional versus Portfólio fotografico
CV tradicional versus Portfólio fotograficoHugo Pedrosa
 
Excerto do manual de Massagem dos Tecidos Profundos
Excerto do manual de Massagem dos Tecidos ProfundosExcerto do manual de Massagem dos Tecidos Profundos
Excerto do manual de Massagem dos Tecidos ProfundosHugo Pedrosa
 
Portfolio Massagem Tecidos Profundos
Portfolio Massagem Tecidos ProfundosPortfolio Massagem Tecidos Profundos
Portfolio Massagem Tecidos ProfundosHugo Pedrosa
 

Mais de Hugo Pedrosa (20)

Reflexologia Podal
Reflexologia PodalReflexologia Podal
Reflexologia Podal
 
Bibliografia 1
Bibliografia 1Bibliografia 1
Bibliografia 1
 
Apresentação - Curso de Reflexologia
Apresentação - Curso de ReflexologiaApresentação - Curso de Reflexologia
Apresentação - Curso de Reflexologia
 
Biblioteca 5 guia de patologias para massoterapeutas
Biblioteca 5   guia de patologias para massoterapeutasBiblioteca 5   guia de patologias para massoterapeutas
Biblioteca 5 guia de patologias para massoterapeutas
 
Portfólio formação Massagem Terapêutica e Desportiva
Portfólio formação Massagem Terapêutica e DesportivaPortfólio formação Massagem Terapêutica e Desportiva
Portfólio formação Massagem Terapêutica e Desportiva
 
Biblioteca 4 - Massoterapia Clínica
Biblioteca 4 - Massoterapia ClínicaBiblioteca 4 - Massoterapia Clínica
Biblioteca 4 - Massoterapia Clínica
 
Efeitos da Massagem
Efeitos da MassagemEfeitos da Massagem
Efeitos da Massagem
 
Biblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De Anatomia
Biblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De AnatomiaBiblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De Anatomia
Biblioteca 3 - Yokochi Atlas FotográFico De Anatomia
 
Biblioteca 2 - Stretching Anatomy
Biblioteca 2 - Stretching AnatomyBiblioteca 2 - Stretching Anatomy
Biblioteca 2 - Stretching Anatomy
 
Apresentações
ApresentaçõesApresentações
Apresentações
 
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares ModernasBiblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
 
Expectativas Formador
Expectativas FormadorExpectativas Formador
Expectativas Formador
 
Ligaduras Funcionais
Ligaduras FuncionaisLigaduras Funcionais
Ligaduras Funcionais
 
Miologia posterior do tronco
Miologia posterior do troncoMiologia posterior do tronco
Miologia posterior do tronco
 
Manual Thera Cane
Manual Thera CaneManual Thera Cane
Manual Thera Cane
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia Muscular
 
CV tradicional versus Portfólio fotografico
CV tradicional versus Portfólio fotograficoCV tradicional versus Portfólio fotografico
CV tradicional versus Portfólio fotografico
 
Excerto do manual de Massagem dos Tecidos Profundos
Excerto do manual de Massagem dos Tecidos ProfundosExcerto do manual de Massagem dos Tecidos Profundos
Excerto do manual de Massagem dos Tecidos Profundos
 
Portfolio Massagem Tecidos Profundos
Portfolio Massagem Tecidos ProfundosPortfolio Massagem Tecidos Profundos
Portfolio Massagem Tecidos Profundos
 

Último

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 

Último (20)

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Crioterapia

  • 2. Crioterapia A utilização do frio com objectivos terapêuticos denomina-se CRIOTERAPIA. Possui indicação no tratamento do trauma agudo e da lesão subaguda e para diminuir o desconforto após exercício e reabilitação. Hugo Pedrosa 2009
  • 3. Crioterapia Indicações - Durante a inflamação aguda ou subaguda - Dor aguda - Dor crónica - Controle da hemorragia e edema (inchaço) - Pontos-gatilhomiofasciais - Tensão muscular aguda - Torção ligamentar aguda - Contusão aguda - Bursite - Tenosinovite - Tendinite Hugo Pedrosa 2009
  • 4.
  • 5. Diminuição da excitabilidade muscular
  • 6. Diminuição da despolarização do fuso muscular
  • 7. Diminuição do fluxo linfático
  • 8. Diminuição do metabolismo
  • 9. Diminuição da velocidade de condução nervosa
  • 10. Diminuição da formação /acumulação de edemaHugo Pedrosa 2009
  • 11. Crioterapia Fases sensoriais: - Quando a crioterapia é utilizada o indivíduo passa por uma progressão sensorial que se inicia com o reconhecimento da sensação de frio. - Passados 4 a 5 minutos, a área de aplicação começa a “arder” e uma sensação de dor está normalmente associada. - 7 a 10 minutos depois a zona está adormecida. Esta fase significa que os efeitos fisiológicos do frio foram alcançados no tecido a ser tratado. Neste momento, o terapeuta pode decidir terminar a aplicação, ou manter o tratamento (aprofundando o efeito) por mais 5 a 10 min, ou realizar algum alongamento ligeiro e/ou exercícios dinâmicos. Fases sensoriais comuns na aplicação de gelo (3 a 4) 1 – Desconfortável sensação de frio 2 – “Ferroada” 3 – Ardor ou comichão 4 – Dormência Hugo Pedrosa 2009
  • 12. Crioterapia Zonas de aplicação: - A utilização do frio sobre regiões pouco profundas, como pulso, mão, pé, dedos deve ter a duração de 5 a 10 minutos. - Quando a aplicação é sobre áreas mais densas como o quadríceps ou isquiotibiais, a duração pode ir até aos 15/20 min. - Os tratamentos de crioterapia não devem prolongar-se por mais de 30 minutos com risco de congelarmos o tecido (frostbite). Hugo Pedrosa 2009
  • 13.
  • 14.
  • 15. Crioterapia - Não esquecer que na fase sub-aguda da cicatrização, o movimento activo é essencial para a criação de um tecido cicatricial bem organizado. CRIOCINÉTICA - Esta técnica que combina gelo e movimento, pode ser utilizada ao longo do ciclo de lesão em vez de mudarmos para uma modalidade de calor (durante as fases sub-aguda e de maturação. - Esta modalidade tem mostrado a sua eficácia, quando comparada com modalidades de calor no decurso do retorno de uma atleta à actividade. Hugo Pedrosa 2009
  • 16. Crioterapia Métodos – O quadro seguinte mostra algumas formas diferenciadas de crioterapia, com vantagens e desvantagens associadas. A maior parte dos técnicos utiliza preferencialmente os sacos e a massagem com gelo. Hugo Pedrosa 2009
  • 17. Crioterapia Contra-indicações - Circulação insuficiente - Doença vascular periférica - Hipersensibilidade ao frio - Anestesia da pele - Feridas abertas ou problemas de pele - Infecção - Síndrome de Raynaud Hugo Pedrosa 2009
  • 18.
  • 19. Toalhas para absorção da água que derrete
  • 20. Algum apoio se necessárioPosições normais 1 – Lateral 2 – Prona 3 – Supina 4 – Sentado 5 – Outras modificadas Hugo Pedrosa 2009
  • 21.
  • 22. Normalmente inclui-se um padrão de passagens circulares e longitudinais.
  • 23.