SlideShare uma empresa Scribd logo
ULTRA-SOM (U.S.)
Eletrotermofototerapia
Profa. Regina Lúcia
ULTRA-SOM
• A energia do U.S não pertence ao espectro eletromagnético
situando-se no espectro acústico.
• Ultra-som: além do som
freqüências além da faixa audível normal
• Ouvido humano: escuta ondas sonoras que variam de 20 a
20.000 Hz
• U.S. terapêutico: 850.000 3.000.000 Hz
(0,85 a 3 MHz)
• As freqüências mais comumente utilizadas são: 1 e 3 MHz.
• Dependendo da freqüência das ondas o U.S. é utilizado para:
- Diagnóstico por imagem
- cura terapêutica de tecidos
- destruição de tecidos
Entre outros: - aparelho de sonar sob a água
- limpeza de metal
• ULTRA-SOM: modalidade de penetração profunda
• Produz alterações nos tecidos por mecanismos térmicos e
não-térmicos (mecânicos).
• O ultra-som é bastante utilizado devido os seus efeitos de
aquecimento profundo mas a sua variedade de efeitos
biofisiológicos o torna uma modalidade potencialmente útil
podendo incluir:
- Aumento da velocidade de reparo do tecido
- aumento do fluxo sangüíneo
- aumento da extensibilidade do tecido
- aumento da velocidade de reparo do tecido e da cura de lesões
- dissolução de depósitos de cálcio
- redução da dor (alteração de condução nervosa)
- Redução do espasmo muscular
- alteração da permeabilidade da membrana celular.
•Em contraste à radiação eletromagnética, o U.S. não é capaz
de viajar no vácuo.
• O ultra-som é produzido por uma corrente alternada que flui
através de um cristal piezoelétrico:
- Quartzo
- titanato de bário
- zirconato de chumbo
- titanato
PRODUÇÃO DE ULTRA-SOM
• Esse cristal fica alojado em um transdutor (converte uma forma
de energia em outra).
• Os cristais piezoelétricos produzem cargas elétricas positivas e
negativas quando se contraem ou se expandem.
• O efeito piezoelétrico direto: os cristais
com propriedades piezoelétricas produzem
cargas elétricas positivas e negativas quando
são comprimidos ou expandidos.
(0) (0)
(+) (-)
• O efeito piezoelétrico inverso (indireto) Os
mesmos cristais se expandem ou se contraem
quando uma corrente elétrica o atravessa.
(+) (-)
(+) (-)
• O U.S. é produzido por meio do efeito
piezoelétrico inverso. A vibração dos cristais
causa a produção mecânica de ondas sonoras
de alta freqüência.
Efeito piezoelétrico no osso
Metabolismo ósseo normal
Equilíbrio entre a ação de osteoblastos e osteoclastos
• Osso íntegro: resistente à fraturas
PERDA DO EQUILÍBRIO GERA:
OSTEOPENIA ou OSTEOPOROSE
Diminuição da
massa
Diminuição da massa
associada a alterações
da geometria óssea
elevando o risco de
fratura
EFEITO PIEZOELÉTRICO
Carga mecânica
(atividade física)
Energia mecânica gera Micro
deformações
Micro deformações: energia
elétrica negativa
E elétrica negativa atrae
osteoblasto
Aula de ultra som 2014.1
• Devido a elevadas freqüências presentes, o U.S. precisa de um
meio denso para percorrer e, portanto, é incapaz de atravessar
o ar. O U.S apresenta uma forma de onda senoidal e exibe
propriedades de comprimento de onda, freqüência, amplitude e
velocidade.
TRANSMISSÃO DE ONDAS DE U.S.
• A energia da onda é transferida por uma molécula colidindo
com sua vizinha e trocando energia cinética, sem originar um
deslocamento verdadeiro de moléculas.
ONDAS LONGITUDINAIS
• As partículas se deslocam paralelamente à direção do som.
• A alternância de pressão alta e baixa exercida pelo feixe de ultra-
som resulta em regiões de elevada densidade de partícula
(compressão) e de baixa densidade de partícula (rarefação) ao
longo do caminho da onda.
COMPRIME
M
EXPANDEM
ESSAS FLUTUAÇÕES SÃO CAPAZES
DE
PRODUZIREM EFEITOS
FISIOLÓGICOS.
ONDASTRANSVERSAIS (Cisalhamento)
• As partículas se deslocam perpendicularmente à direção da
onda sonora.
• As ondas transversais não atravessam fluidos e só aparecem
no corpo quando o ultra-som encontra um osso.
• Como todas as ondas sonoras, as ondas de ultra-som têm as
propriedades de reflexão, refração, penetração e absorção.
A ONDA DE ULTRA-SOM
REFLEXÃO
A reflexão ocorre quando uma onda não
consegue atravessar a próxima
densidade. Pode ser completa ou parcial.
O eco é um exemplo de reflexão
composta de energia acústica.
REFRAÇÃO
A refração é a curvatura das ondas
resultante de uma alteração da
velocidade de uma onda que entra em um
meio com densidade diferente.
Penetração e
ABSORÇÃO
A absorção ocorre através de um meio
que recebe a onda e a transforma em
energia cinética. Os tecidos podem
absorver parte o toda a energia neles
introduzida.
• Em geral, a energia prefere percorrer uma linha reta.
Entretanto, quando percorre um meio, seu trajeto é influenciado
pelas alterações da densidade. A energia que atinge uma interface
entre duas densidades diferentes pode ser refletida, refratada ou
absorvida pelo material, ou pode continuar a atravessar o
material, não sendo afetada pela mudança.
FREQÜÊNCIA
• A freqüência de saída de um gerador de ultra-som é medida em
megahertz (MHz) e descrita como o número de ondas que ocorrem
em 1 segundo.
• A freqüência de saída do ultra-som determina a profundidade de
penetração da energia, com uma correlação linear entre a
freqüência do ultra-som e a profundidade na qual a energia é
absorvida pelo tecido.
• Geradores de ultra-som de alta freqüência (3MHz) são
empregados para tratamento de tecidos superficiais, pois a energia
é rapidamente absorvida.
• O gerador mais utilizado, o de 1 MHz, oferece um ajuste entre a
penetração profunda e um aquecimento adequado, em função da
freqüência relativamente baixa empregada.
Aula de ultra som 2014.1
POTÊNCIA E INTENSIDADE
• Potência: medida emWatts (W)
Quantidade de energia produzida por um transdutor.
• A intensidade representa a força das ondas sonoras, em uma
determinada área, dentro dos tecidos tratados.
E A INTENSIDADE?
Para determinarmos a intensidade, devemos
fazer uma avaliação do local afetado, levando
em consideração que o ultra-som sofre uma
perda de energia no seu trajeto e portanto a
requerida intensidade deve, às vezes, ser
maior nas superfícies dos tecidos,
especialmente na pele, conectivos
subcutâneos e camadas musculares
superficiais
Limites de intensidade do ultra-som:
Intensidade reduzida no caso de maior
proximidade óssea ( ex: joelhos );
Intensidade ligeiramente mais alta, no caso
de maior distância óssea e melhor irrigação
sanguínea ( ex: glúteos ).
Tabela de intensidades de ultra-som
sugeridas:
Estruturas
Nervos
Músculos
Tendões
Cápsúlas
Ligamentos
Bursas
Intensidade(w/cm²)*
0.8 a 1.2
0.7 a 1.0
0.4 a 0.7
0.5 a 0.7
0.3 a 0.6
0.3 a 0.5
Parâmetros importantes no U.S
 Frequências de saída: que possam atingir diferentes
profundidades( 1, 3 ou 5MHZ)
 Modo de emissão contínua e pulsada;
 Frequência modulada- Para emissão pulsada, geralmente variando
de 16 Hz , 48 Hz e 100Hz ;
 Relação de trabalho determinada em percentual (5%, 10%, 20%
e 50%)
 Potenciômetro até 2 W/cm2 podendo chegar até 3W/cm2.
Relação de Trabalho dos pulsos
 On - 0,5 ms SAÍDA DE 5% - Off 9,5 ms
 On- 1,0 ms SAÍDA DE 10%- off 9,0 ms
 On- 2,0 ms SAÍDA DE 20% - Off 8,0 ms
 On -5,0 ms SAÍDA DE 50% - Off 5 ms
 OBS: Para um menor efeito térmico, devemos utilizar uma
menor frequência modulada e menor relação de trabalho.
DURAÇÃO DOTRATAMENTO
• A duração do tratamento depende do tamanho da área a ser
tratada, da intensidade de saída e das metas terapêuticas do
tratamento.
• E principalmente da ERA que é a área de emissão do cabeçote,
medida em cm2. A medidas variam entre 3 podendo ir até 18
W/cm2.
• Tempo:Area( bxa)/ERA
•ou
2 min por ERA ( Levinis e colis, 2001, et al Johne 2011)
MODOS DE APLICAÇÃO DO U.S.
• Dependendo do tipo de saída, o U.S. é capaz de produzir
alterações fisiológicas térmicas e não-térmicas.
• Uma saída contínua (100%) provoca efeitos principalmente
térmicos.
• A aplicação em pulsos breves (ex: 20%) – pulsado - produz,
efeitos não-térmicos.
Como determinar o modo de
aplicação do U.S.? Pulsado ou
contínuo?
• Isso vai depender da avaliação para
determinar o estágio de cura, o estágio da
inflamação e as metas do tratamento.
• As ondas de ultra-som não podem atravessar o ar, portanto deve
ser utilizado um agente de acoplamento para permitir que as ondas
passem do transdutor para os tecidos.
AGENTES E MÉTODOS DE ACOPLAMENTO
• O transdutor é colocado diretamento sobre a pele, junto com um
gel que serve para excluir o ar entre a pele e a fonte sonora.
• os géis acopladores consistem de água destilada e um material
inerte e não-refletor, que aumenta a viscosidade da mistura.
Acoplamento direto
Aula de ultra som 2014.1
• Utilizado para tratamento de áreas irregulares.
• A parte do corpo é imersa em uma banheira de água e o
cabeçote é colocado na água a aproximadamente 2,5 cm de
distância
Imersão em água
Aula de ultra som 2014.1
• Essa técnica emprega um balão cheio de água ou uma bolsa de
plástico (bexiga) coberta com um gel acoplador. A bexiga pode se
adaptar a área irregulares.
• Antes de ser fechada, todas as bolsas de ar devem ser removidas
da bexiga.
Método da bexiga
Aula de ultra som 2014.1
• Mecânico
• Químico ou biológico
• Térmico
• Neural
OS EFEITOS DO U.S.
• Micromassagem:
O U.S. também produz pressões. Quando essas são aplicadas ao
corpo, comprimem e liberam o tecido como na massagem, porém
em velocidades muito mais rápidas.
EFEITO MECÂNICO
• Melhora da permeabilidade de todas as membranas aos íons sódio
e potássio.
• vasodilatação
• analgesia
• alteração do pH tecidual
EFEITOS QUÍMICOS OU BIOLÓGICOS
• Calor: produzido pela fricção criada pela ondas passando
através do tecido.
• Vantagem: calor dirigido.
EFEITOS TÉRMICOS
• A pressão sonora produzida pelas ondas de ultra-som faz com que
as moléculas grandes desenvolvam uma carga piezoelétrica que, por
sua vez, estimule os nervos assim como os músculos.
EFEITOS NEURAIS
• Os efeitos da aplicação de U.S. dependem:
- modo de aplicação (contínuo ou pulsado)
- da freqüência
- do tamanho da área a ser tratada
- dos tecidos tratados (vascularização e densidade).
EFEITOS SOBRE O CICLO DE RESPOSTA
À LESÃO
• O U.S. contínuo aumenta o fluxo sangüíneo.
• Outros fatores fisiológicos também podem promover o
aumento do fluxo sangüíneo: alteração da permeabilidade da
membrana celular e a liberação de histamina na área tratada.
FLUXO SANGÜÍNEO
• Acelera a fase inflamatória
• influencia a atividade de macrófagos
• aumenta a adesão de leucócitos nas células endoteliais danificadas
• aplicação durante a fase de proliferação estimula a divisão celular.
CICATRIZAÇÃO DO TECIDO
• O efeito térmico de aumento da extensibilidade dos tecidos
ricos em colágeno pode ser empregado de forma vantajosa
incorporando-se exercícios de amplitude de movimento depois
da aplicação de U.S. contínuo.
ESTIRAMENTO DO TECIDO
• Efeito direto sobre o SNP: influencia na transmissão dos
impulsos nervosos elevando o limiar de dor.
• Efeito indireto: redução da dor decorrente das alterações do
tecido produzidas em função da aplicação do U.S.
CONTROLE DA DOR
• A energia ultra-sônica pode ser utilizada para liberar
medicamentos nos tecidos pelo processo de fonoforese.
• Os efeitos da energia ultra-sônica abrem caminhos que
permitem que a medicação se difunda através da pele e penetre
mais profundamente nos tecidos.
FONOFORESE
• A medicação que penetra nos tecidos dessa maneira não passa
pelo fígado, portanto, diminui a eliminação metabólica das
substâncias.
• A combinação de fatores como composição, hidratação,
vascularização e espessura da ele, estimula ou evita a difusão de
medicamentos através da pele e, portanto, para tecidos mais
profundos.
• Na aplicação da fonoforese, o substituto do gel acoplador
padrão é um gel ou um creme contendo a medicação.
TABELA DAS SUBSTÂNCIAS APLICADAS POR
FONOFORESE.
• A eficácia da fonoforese não foi totalmente comprovada e
ainda existe controvérsia.
• As seguintes recomendações foram estabelecidas, a fim de
fornecer a melhor aplicação de fonoforese:
- Utilizar apenas meios aprovados de transmissão de ultra-som.
- Assegurar-se de que a pele esteja bem úmida; áreas de pele seca
devem ser evitadas.
- aplicar o U.S. ou calor úmido ou tricotomizar a área antes do
tratamento, para melhorar a capacidade de difusão da medicação
através da pele e dentro dos tecidos.
- posicionar a extremidade de forma a estimular a circulação
• Utilizar uma saída contínua para maximizar o efeito da
fonoforese (a menos que os efeitos térmicos do ultra-som sejam
contra-indicados).
• depois do tratamento, cubra a medicação remanescente com
um tecido oclusivo.
• A técnica para a cicatrização de fraturas emprega uma saída de
1,5 MHz, feixe em pulso de baixa intensidade (30 mW/cm2),
aplicado durante uma sessão de 20 minutos por dia.
• Porém, estes parâmetros de saída NÃO estão disponíveis nas
unidades terapêuticas de ultra-som convencionais.
CICATRIZAÇÃO DE FRATURAS
• Contraturas articulares
• Espasmo muscular
• Neuroma
• Tecido cicatricial
• Distúrbios do sistema nervoso simpático
• Pontos-gatilho
• Verrugas
• Espasticidade
INDICAÇÕES
• Redução pós-aguda de miosite ossificante
• Condições inflamatórias agudas (saída em pulso)
• Condições inflamatórias crônicas (saída em pulso ou contínua)
• Patologias agudas (saída contínua)
• áreas isquêmicas
• tendência à hemorragia
• áreas ao redor dos olhos, coração, crânio ou genitália
• gravidez, quando aplicada sobre áreas pélvicas ou lombares
CONTRA INDICAÇÕES
• sobre tumores cancerígenos
• sobre a medula espinhal ou grandes plexos nervosos, em altas doses
• áreas anestesiadas
• sobre locais de fratura, antes que a consolidação esteja completa
• locais de fraturas por tensão
• sobre locais de infecção ativa
• sobre área pélvica ou lombar, em pacientes menstruadas
• áreas cuja circulação esteja prejudicada
• 1 MHz: penetra cerca de 5 cm
• 3 MHz: penetra menos que 2 cm
PROFUNDIDADE DE PENETRAÇÃO
REFERÊNCIAS
JHONE, AGNE. Eu sei eletroterapia. ISBN, 2011
LOW, John; REED, Ann. Eletreterapia Explicada:
Princípios e prática . Ed. Manole: São Paulo, 2009.
KITCHEN, Sheila. Eletroterapia: Prática baseada em
evidências. Ed. Manole: São Paulo, 2006
NELSON, Roger M.; HAYES, Karen W.; CURRIER,
Dean P. Eletroterapia Clínica. Ed. Manole: São Paulo,
2003
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
Paulo Cardoso
 
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
Isabel Amarante
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Cleanto Santos Vieira
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
FUAD HAZIME
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
HTM ELETRÔNICA
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
HTM ELETRÔNICA
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
Hugo Pedrosa
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
IBRAMED
 
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondasDiatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
Danillo Aguiar
 
Infra Vermelho
Infra VermelhoInfra Vermelho
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Cleanto Santos Vieira
 
Beauty Face HTM - Alta Frequencia Portátil
Beauty Face HTM - Alta Frequencia PortátilBeauty Face HTM - Alta Frequencia Portátil
Beauty Face HTM - Alta Frequencia Portátil
AmericanFisio
 
Stimulus Face HTM - manual
Stimulus Face HTM - manualStimulus Face HTM - manual
Stimulus Face HTM - manual
AmericanFisio
 

Mais procurados (20)

Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Termoterapia
TermoterapiaTermoterapia
Termoterapia
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondasDiatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondas
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Infra Vermelho
Infra VermelhoInfra Vermelho
Infra Vermelho
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Beauty Face HTM - Alta Frequencia Portátil
Beauty Face HTM - Alta Frequencia PortátilBeauty Face HTM - Alta Frequencia Portátil
Beauty Face HTM - Alta Frequencia Portátil
 
Stimulus Face HTM - manual
Stimulus Face HTM - manualStimulus Face HTM - manual
Stimulus Face HTM - manual
 

Destaque

Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
laismoraes93
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
Alex Eduardo Ribeiro
 
Análise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóide
Análise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóideAnálise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóide
Análise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóide
vanessamanzini
 
Benefícios do ultra som na celulite
Benefícios do ultra som na celuliteBenefícios do ultra som na celulite
Benefícios do ultra som na celulite
Ana Mafalda Neto
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
oitavo
 
Tapete Piezoelétrico
Tapete PiezoelétricoTapete Piezoelétrico
Tapete Piezoelétrico
Glaucia Fernandes
 
microondas
microondasmicroondas
microondas
Nay Ribeiro
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica UninorteFisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
Daniel Xavier
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
Nay Ribeiro
 
Manual.de.massagem.livro
Manual.de.massagem.livroManual.de.massagem.livro
Manual.de.massagem.livro
Super Senha Amanda Paz
 
Traumatologia2
Traumatologia2Traumatologia2
Traumatologia2
Jane Meneszes
 
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
projetacursosba
 
Recursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoRecursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducao
Nay Ribeiro
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
Mah HS
 
Calor e frio
Calor e frioCalor e frio
Calor e frio
Jhennifa Araujo
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
clinicansl
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor
Rithielly Rocha
 
Atlas de anatomia palpatória colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...
Atlas de anatomia palpatória   colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...Atlas de anatomia palpatória   colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...
Atlas de anatomia palpatória colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...
rocio padilla
 

Destaque (20)

Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
 
Análise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóide
Análise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóideAnálise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóide
Análise da eficácia do ultra som terapêutico na redução do fibro edema gelóide
 
Benefícios do ultra som na celulite
Benefícios do ultra som na celuliteBenefícios do ultra som na celulite
Benefícios do ultra som na celulite
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Tapete Piezoelétrico
Tapete PiezoelétricoTapete Piezoelétrico
Tapete Piezoelétrico
 
microondas
microondasmicroondas
microondas
 
ondas curtas
ondas curtasondas curtas
ondas curtas
 
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica UninorteFisioterapia OncolóGica Uninorte
Fisioterapia OncolóGica Uninorte
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
 
Manual.de.massagem.livro
Manual.de.massagem.livroManual.de.massagem.livro
Manual.de.massagem.livro
 
Traumatologia2
Traumatologia2Traumatologia2
Traumatologia2
 
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
Apostila de Anatomia Palpatória (produção independente)
 
Recursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoRecursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducao
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
 
Calor e frio
Calor e frioCalor e frio
Calor e frio
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor
 
Atlas de anatomia palpatória colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...
Atlas de anatomia palpatória   colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...Atlas de anatomia palpatória   colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...
Atlas de anatomia palpatória colo, tronco e membro superior [mundofisiotera...
 

Semelhante a Aula de ultra som 2014.1

Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Cleanto Santos Vieira
 
Us
UsUs
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
thiagopennachaves
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
marcelamenezes28
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
Marcos Dias
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
Jaqueline da Silva
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Ana Pereira
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
Roosivelt Honorato
 
Ecografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdfEcografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdf
FranciscaBastos3
 
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIAELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Cleanto Santos Vieira
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
Jaqueline da Silva
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
Anna Paulla
 
AULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdf
AULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdfAULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdf
AULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdf
KaioCezar14
 
onda
ondaonda
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
Ailton de Sousa Gonçalves
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
onomekyo
 
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AyrttonAnacleto3
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Nathanael Amparo
 

Semelhante a Aula de ultra som 2014.1 (20)

Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Us
UsUs
Us
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
 
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Ecografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdfEcografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdf
 
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIAELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
 
AULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdf
AULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdfAULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdf
AULA-028---FENOMENOS-ONDULATORIOS.pdf
 
onda
ondaonda
onda
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
AULA 6 COMPLETA AULA 6 COMPLETAAULA 6 COMPLETA
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 

Aula de ultra som 2014.1

  • 2. ULTRA-SOM • A energia do U.S não pertence ao espectro eletromagnético situando-se no espectro acústico. • Ultra-som: além do som freqüências além da faixa audível normal
  • 3. • Ouvido humano: escuta ondas sonoras que variam de 20 a 20.000 Hz • U.S. terapêutico: 850.000 3.000.000 Hz (0,85 a 3 MHz) • As freqüências mais comumente utilizadas são: 1 e 3 MHz.
  • 4. • Dependendo da freqüência das ondas o U.S. é utilizado para: - Diagnóstico por imagem - cura terapêutica de tecidos - destruição de tecidos
  • 5. Entre outros: - aparelho de sonar sob a água - limpeza de metal
  • 6. • ULTRA-SOM: modalidade de penetração profunda • Produz alterações nos tecidos por mecanismos térmicos e não-térmicos (mecânicos).
  • 7. • O ultra-som é bastante utilizado devido os seus efeitos de aquecimento profundo mas a sua variedade de efeitos biofisiológicos o torna uma modalidade potencialmente útil podendo incluir: - Aumento da velocidade de reparo do tecido - aumento do fluxo sangüíneo
  • 8. - aumento da extensibilidade do tecido - aumento da velocidade de reparo do tecido e da cura de lesões - dissolução de depósitos de cálcio - redução da dor (alteração de condução nervosa)
  • 9. - Redução do espasmo muscular - alteração da permeabilidade da membrana celular. •Em contraste à radiação eletromagnética, o U.S. não é capaz de viajar no vácuo.
  • 10. • O ultra-som é produzido por uma corrente alternada que flui através de um cristal piezoelétrico: - Quartzo - titanato de bário - zirconato de chumbo - titanato PRODUÇÃO DE ULTRA-SOM
  • 11. • Esse cristal fica alojado em um transdutor (converte uma forma de energia em outra). • Os cristais piezoelétricos produzem cargas elétricas positivas e negativas quando se contraem ou se expandem.
  • 12. • O efeito piezoelétrico direto: os cristais com propriedades piezoelétricas produzem cargas elétricas positivas e negativas quando são comprimidos ou expandidos.
  • 14. • O efeito piezoelétrico inverso (indireto) Os mesmos cristais se expandem ou se contraem quando uma corrente elétrica o atravessa.
  • 16. • O U.S. é produzido por meio do efeito piezoelétrico inverso. A vibração dos cristais causa a produção mecânica de ondas sonoras de alta freqüência.
  • 18. Metabolismo ósseo normal Equilíbrio entre a ação de osteoblastos e osteoclastos • Osso íntegro: resistente à fraturas
  • 19. PERDA DO EQUILÍBRIO GERA: OSTEOPENIA ou OSTEOPOROSE Diminuição da massa Diminuição da massa associada a alterações da geometria óssea elevando o risco de fratura
  • 20. EFEITO PIEZOELÉTRICO Carga mecânica (atividade física) Energia mecânica gera Micro deformações Micro deformações: energia elétrica negativa E elétrica negativa atrae osteoblasto
  • 22. • Devido a elevadas freqüências presentes, o U.S. precisa de um meio denso para percorrer e, portanto, é incapaz de atravessar o ar. O U.S apresenta uma forma de onda senoidal e exibe propriedades de comprimento de onda, freqüência, amplitude e velocidade. TRANSMISSÃO DE ONDAS DE U.S.
  • 23. • A energia da onda é transferida por uma molécula colidindo com sua vizinha e trocando energia cinética, sem originar um deslocamento verdadeiro de moléculas.
  • 24. ONDAS LONGITUDINAIS • As partículas se deslocam paralelamente à direção do som.
  • 25. • A alternância de pressão alta e baixa exercida pelo feixe de ultra- som resulta em regiões de elevada densidade de partícula (compressão) e de baixa densidade de partícula (rarefação) ao longo do caminho da onda.
  • 27. ESSAS FLUTUAÇÕES SÃO CAPAZES DE PRODUZIREM EFEITOS FISIOLÓGICOS.
  • 28. ONDASTRANSVERSAIS (Cisalhamento) • As partículas se deslocam perpendicularmente à direção da onda sonora. • As ondas transversais não atravessam fluidos e só aparecem no corpo quando o ultra-som encontra um osso.
  • 29. • Como todas as ondas sonoras, as ondas de ultra-som têm as propriedades de reflexão, refração, penetração e absorção. A ONDA DE ULTRA-SOM
  • 30. REFLEXÃO A reflexão ocorre quando uma onda não consegue atravessar a próxima densidade. Pode ser completa ou parcial. O eco é um exemplo de reflexão composta de energia acústica.
  • 31. REFRAÇÃO A refração é a curvatura das ondas resultante de uma alteração da velocidade de uma onda que entra em um meio com densidade diferente.
  • 32. Penetração e ABSORÇÃO A absorção ocorre através de um meio que recebe a onda e a transforma em energia cinética. Os tecidos podem absorver parte o toda a energia neles introduzida.
  • 33. • Em geral, a energia prefere percorrer uma linha reta. Entretanto, quando percorre um meio, seu trajeto é influenciado pelas alterações da densidade. A energia que atinge uma interface entre duas densidades diferentes pode ser refletida, refratada ou absorvida pelo material, ou pode continuar a atravessar o material, não sendo afetada pela mudança.
  • 34. FREQÜÊNCIA • A freqüência de saída de um gerador de ultra-som é medida em megahertz (MHz) e descrita como o número de ondas que ocorrem em 1 segundo. • A freqüência de saída do ultra-som determina a profundidade de penetração da energia, com uma correlação linear entre a freqüência do ultra-som e a profundidade na qual a energia é absorvida pelo tecido.
  • 35. • Geradores de ultra-som de alta freqüência (3MHz) são empregados para tratamento de tecidos superficiais, pois a energia é rapidamente absorvida. • O gerador mais utilizado, o de 1 MHz, oferece um ajuste entre a penetração profunda e um aquecimento adequado, em função da freqüência relativamente baixa empregada.
  • 37. POTÊNCIA E INTENSIDADE • Potência: medida emWatts (W) Quantidade de energia produzida por um transdutor. • A intensidade representa a força das ondas sonoras, em uma determinada área, dentro dos tecidos tratados.
  • 38. E A INTENSIDADE? Para determinarmos a intensidade, devemos fazer uma avaliação do local afetado, levando em consideração que o ultra-som sofre uma perda de energia no seu trajeto e portanto a requerida intensidade deve, às vezes, ser maior nas superfícies dos tecidos, especialmente na pele, conectivos subcutâneos e camadas musculares superficiais
  • 39. Limites de intensidade do ultra-som: Intensidade reduzida no caso de maior proximidade óssea ( ex: joelhos ); Intensidade ligeiramente mais alta, no caso de maior distância óssea e melhor irrigação sanguínea ( ex: glúteos ).
  • 40. Tabela de intensidades de ultra-som sugeridas: Estruturas Nervos Músculos Tendões Cápsúlas Ligamentos Bursas Intensidade(w/cm²)* 0.8 a 1.2 0.7 a 1.0 0.4 a 0.7 0.5 a 0.7 0.3 a 0.6 0.3 a 0.5
  • 41. Parâmetros importantes no U.S  Frequências de saída: que possam atingir diferentes profundidades( 1, 3 ou 5MHZ)  Modo de emissão contínua e pulsada;  Frequência modulada- Para emissão pulsada, geralmente variando de 16 Hz , 48 Hz e 100Hz ;  Relação de trabalho determinada em percentual (5%, 10%, 20% e 50%)  Potenciômetro até 2 W/cm2 podendo chegar até 3W/cm2.
  • 42. Relação de Trabalho dos pulsos  On - 0,5 ms SAÍDA DE 5% - Off 9,5 ms  On- 1,0 ms SAÍDA DE 10%- off 9,0 ms  On- 2,0 ms SAÍDA DE 20% - Off 8,0 ms  On -5,0 ms SAÍDA DE 50% - Off 5 ms  OBS: Para um menor efeito térmico, devemos utilizar uma menor frequência modulada e menor relação de trabalho.
  • 43. DURAÇÃO DOTRATAMENTO • A duração do tratamento depende do tamanho da área a ser tratada, da intensidade de saída e das metas terapêuticas do tratamento. • E principalmente da ERA que é a área de emissão do cabeçote, medida em cm2. A medidas variam entre 3 podendo ir até 18 W/cm2.
  • 44. • Tempo:Area( bxa)/ERA •ou 2 min por ERA ( Levinis e colis, 2001, et al Johne 2011)
  • 45. MODOS DE APLICAÇÃO DO U.S. • Dependendo do tipo de saída, o U.S. é capaz de produzir alterações fisiológicas térmicas e não-térmicas. • Uma saída contínua (100%) provoca efeitos principalmente térmicos. • A aplicação em pulsos breves (ex: 20%) – pulsado - produz, efeitos não-térmicos.
  • 46. Como determinar o modo de aplicação do U.S.? Pulsado ou contínuo?
  • 47. • Isso vai depender da avaliação para determinar o estágio de cura, o estágio da inflamação e as metas do tratamento.
  • 48. • As ondas de ultra-som não podem atravessar o ar, portanto deve ser utilizado um agente de acoplamento para permitir que as ondas passem do transdutor para os tecidos. AGENTES E MÉTODOS DE ACOPLAMENTO
  • 49. • O transdutor é colocado diretamento sobre a pele, junto com um gel que serve para excluir o ar entre a pele e a fonte sonora. • os géis acopladores consistem de água destilada e um material inerte e não-refletor, que aumenta a viscosidade da mistura. Acoplamento direto
  • 51. • Utilizado para tratamento de áreas irregulares. • A parte do corpo é imersa em uma banheira de água e o cabeçote é colocado na água a aproximadamente 2,5 cm de distância Imersão em água
  • 53. • Essa técnica emprega um balão cheio de água ou uma bolsa de plástico (bexiga) coberta com um gel acoplador. A bexiga pode se adaptar a área irregulares. • Antes de ser fechada, todas as bolsas de ar devem ser removidas da bexiga. Método da bexiga
  • 55. • Mecânico • Químico ou biológico • Térmico • Neural OS EFEITOS DO U.S.
  • 56. • Micromassagem: O U.S. também produz pressões. Quando essas são aplicadas ao corpo, comprimem e liberam o tecido como na massagem, porém em velocidades muito mais rápidas. EFEITO MECÂNICO
  • 57. • Melhora da permeabilidade de todas as membranas aos íons sódio e potássio. • vasodilatação • analgesia • alteração do pH tecidual EFEITOS QUÍMICOS OU BIOLÓGICOS
  • 58. • Calor: produzido pela fricção criada pela ondas passando através do tecido. • Vantagem: calor dirigido. EFEITOS TÉRMICOS
  • 59. • A pressão sonora produzida pelas ondas de ultra-som faz com que as moléculas grandes desenvolvam uma carga piezoelétrica que, por sua vez, estimule os nervos assim como os músculos. EFEITOS NEURAIS
  • 60. • Os efeitos da aplicação de U.S. dependem: - modo de aplicação (contínuo ou pulsado) - da freqüência - do tamanho da área a ser tratada - dos tecidos tratados (vascularização e densidade). EFEITOS SOBRE O CICLO DE RESPOSTA À LESÃO
  • 61. • O U.S. contínuo aumenta o fluxo sangüíneo. • Outros fatores fisiológicos também podem promover o aumento do fluxo sangüíneo: alteração da permeabilidade da membrana celular e a liberação de histamina na área tratada. FLUXO SANGÜÍNEO
  • 62. • Acelera a fase inflamatória • influencia a atividade de macrófagos • aumenta a adesão de leucócitos nas células endoteliais danificadas • aplicação durante a fase de proliferação estimula a divisão celular. CICATRIZAÇÃO DO TECIDO
  • 63. • O efeito térmico de aumento da extensibilidade dos tecidos ricos em colágeno pode ser empregado de forma vantajosa incorporando-se exercícios de amplitude de movimento depois da aplicação de U.S. contínuo. ESTIRAMENTO DO TECIDO
  • 64. • Efeito direto sobre o SNP: influencia na transmissão dos impulsos nervosos elevando o limiar de dor. • Efeito indireto: redução da dor decorrente das alterações do tecido produzidas em função da aplicação do U.S. CONTROLE DA DOR
  • 65. • A energia ultra-sônica pode ser utilizada para liberar medicamentos nos tecidos pelo processo de fonoforese. • Os efeitos da energia ultra-sônica abrem caminhos que permitem que a medicação se difunda através da pele e penetre mais profundamente nos tecidos. FONOFORESE
  • 66. • A medicação que penetra nos tecidos dessa maneira não passa pelo fígado, portanto, diminui a eliminação metabólica das substâncias. • A combinação de fatores como composição, hidratação, vascularização e espessura da ele, estimula ou evita a difusão de medicamentos através da pele e, portanto, para tecidos mais profundos.
  • 67. • Na aplicação da fonoforese, o substituto do gel acoplador padrão é um gel ou um creme contendo a medicação. TABELA DAS SUBSTÂNCIAS APLICADAS POR FONOFORESE.
  • 68. • A eficácia da fonoforese não foi totalmente comprovada e ainda existe controvérsia. • As seguintes recomendações foram estabelecidas, a fim de fornecer a melhor aplicação de fonoforese: - Utilizar apenas meios aprovados de transmissão de ultra-som.
  • 69. - Assegurar-se de que a pele esteja bem úmida; áreas de pele seca devem ser evitadas. - aplicar o U.S. ou calor úmido ou tricotomizar a área antes do tratamento, para melhorar a capacidade de difusão da medicação através da pele e dentro dos tecidos. - posicionar a extremidade de forma a estimular a circulação
  • 70. • Utilizar uma saída contínua para maximizar o efeito da fonoforese (a menos que os efeitos térmicos do ultra-som sejam contra-indicados). • depois do tratamento, cubra a medicação remanescente com um tecido oclusivo.
  • 71. • A técnica para a cicatrização de fraturas emprega uma saída de 1,5 MHz, feixe em pulso de baixa intensidade (30 mW/cm2), aplicado durante uma sessão de 20 minutos por dia. • Porém, estes parâmetros de saída NÃO estão disponíveis nas unidades terapêuticas de ultra-som convencionais. CICATRIZAÇÃO DE FRATURAS
  • 72. • Contraturas articulares • Espasmo muscular • Neuroma • Tecido cicatricial • Distúrbios do sistema nervoso simpático • Pontos-gatilho • Verrugas • Espasticidade INDICAÇÕES
  • 73. • Redução pós-aguda de miosite ossificante • Condições inflamatórias agudas (saída em pulso) • Condições inflamatórias crônicas (saída em pulso ou contínua)
  • 74. • Patologias agudas (saída contínua) • áreas isquêmicas • tendência à hemorragia • áreas ao redor dos olhos, coração, crânio ou genitália • gravidez, quando aplicada sobre áreas pélvicas ou lombares CONTRA INDICAÇÕES
  • 75. • sobre tumores cancerígenos • sobre a medula espinhal ou grandes plexos nervosos, em altas doses • áreas anestesiadas • sobre locais de fratura, antes que a consolidação esteja completa • locais de fraturas por tensão • sobre locais de infecção ativa • sobre área pélvica ou lombar, em pacientes menstruadas • áreas cuja circulação esteja prejudicada
  • 76. • 1 MHz: penetra cerca de 5 cm • 3 MHz: penetra menos que 2 cm PROFUNDIDADE DE PENETRAÇÃO
  • 77. REFERÊNCIAS JHONE, AGNE. Eu sei eletroterapia. ISBN, 2011 LOW, John; REED, Ann. Eletreterapia Explicada: Princípios e prática . Ed. Manole: São Paulo, 2009. KITCHEN, Sheila. Eletroterapia: Prática baseada em evidências. Ed. Manole: São Paulo, 2006 NELSON, Roger M.; HAYES, Karen W.; CURRIER, Dean P. Eletroterapia Clínica. Ed. Manole: São Paulo, 2003