SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
29 de Outubro de 2013

CADERNODIÁRIO

EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 4
http://
externatohistoria.blog
spot.pt/
externatohistoria@gm
ail.com

A Revolução Francesa
Por Raul Silva

A 26 de Agosto de 1789, a Assembleia Constituinte terminou a redacção do texto jurídico a
que chamou Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Esta declaração constituía uma espécie
de preâmbulo para a futura Constituição e baseava-se nos princípios da filosofia iluminista e no
articulado da Declaração dos Direitos dos vários Estados americanos.
A liberdade individual foi, de facto, a ideia-base de todo o documento, que começa por afirmar
que todos os homens nascem e permanecem iguais. A liberdade individual é, por consequência, um
direito natural, inviolável e imprescritível, e manifesta-se pelo poder de fazer tudo o que não
prejudique outrem. Inclui a liberdade de opinião e a liberdade de imprensa (Todo o cidadão pode,
portanto, falar, escrever, imprimir livremente), embora nada mencione sobre a liberdade de culto, de
ensino, de domicílio ou de comércio e indústria. Os outros direitos naturais são,
significativamente, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão.
A segunda ideia-base desta Declaração é a igualdade que é, segundo o artigo 1.º, um direito
natural: os homens nascem iguais. O direito à igualdade implicava a igualdade perante a lei,
perante a justiça (Tudo aquilo que não é proibido pela lei não pode impedido (…). Ninguém pode ser acusado,
preso ou detido senão os casos determinados pela lei), perante a administração e perante o imposto. A
aprovação desta Declaração significava, pois, a destruição da sociedade de ordens.
A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi um documento revolucionário que ultrapassou
em muito os ideais iluministas e as declarações americanas. Os seus princípios fundamentais
não se dirigiam unicamente aos franceses, e os seus preceitos eram aplicáveis a qualquer regime
político e não apenas ao da França, em 1789.

1
CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013

A Revolução Francesa
Exercícios
A nobreza rejeita a igualdade fiscal e social
“Declaramos que jamais consentiremos na dos direitos que caraterizaram até aqui a ordem da nobreza e que
recebemos dos nossos antepassados (...). Determinamos formalmente que o nosso deputado aos Estados
Gerais deve opor-se a tudo o que possa limitar os direitos úteis ou honoríficos das nossas terras e entendemos
que não pode aceitar qualquer modificação, seja de que natureza for.”
Caderno de Queixas da nobreza de Montargis

1. Explique qual a posição da nobreza francesa.

As queixas do clero
“Temos nos campos muitos padres mal retribuídos; ninguém ignora que a maior parte vive na penúria. (...)
Há muitas aldeias sem pároco e mesmo sem padre residente, por causa da dureza das grandes décimas que
expuseram os padres à indigência pessoal face ao testemunho da miséria dos seus povos. (...)
Que se poderá desejar para remediar tantos males?
Que nos seja permitido indicar esse remédio. Sem querer alterar a caridade e a piedade dos nossos
fundadores, parece-nos encontrá-lo na riqueza das grandes abadias e nos grandes priorados, cujas receitas
satisfazem o luxo de um só, quando, sendo repartidas com economia e sensatez, chegaria abundantemente
para os pastores mal retribuídos e para a classe ainda mais numerosa dos outros desprotegidos.”
Caderno de Queixas do clero de Bassigny, 1789

2. Avalie os argumentos do clero.

Os pedidos do Terceiro Estado
“Humildemente suplicamos a Vossa Majestade que ordene a supressão de todos os privilégios atribuídos a
todas as terras consideradas nobres (...) e que os impostos, sejam de que natureza forem (...) passem a ser
suportados indistintamente por todas as terras segundo o valor registado no cadastro.
Considerando que este imposto apenas atinge as terras e que é justo que os capitalistas e fundiários
concorram para as necessidades do Estado, conforme a sua fortuna, pedimos ainda que Sua Majestade
determine, na sua sabedoria, o regulamento que julgar necessário para (...) incluir na lista dos impostos (...) as
fortunas de todos os súbditos do rei.
Que conceda à província de Languedoc uma nova constituição e administração, composta por deputados das
três ordens, livremente eleitos, para que sejam verdadeiramente representativos das ditas ordens e que o
Terceiro Estado tenha o mesmo número de representantes que as duas outras ordens juntas.”
Caderno de Queixas do Terceiro Estado da província de Uchau

3. Relacione as propostas do Terceiro Estado com os ideais iluministas.

2
CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013

A Revolução Francesa
Exercícios
O agravamento da situação social
“Todas as coisas se unem para tornar crítico, em França, o período atual; a falta de pão é terrível; a todo o
momento se recebem da província notícia de amotinações e levantamentos; é necessário recorrer a tropas
para conservar a paz nos mercados. Os preços citados são os que encontrei em Abbeville e Amiens: 5 soldos
a libra para o pão branco (...), que é o alimento dos pobres; estes preços são superiores aos seus rendimentos
e originaram uma grande miséria. (...)
No dia do mercado vi o trigo ser vendido (...) com um piquete de dragões no meio da praça a fim de
impedir atos violentos. O povo discute com os padeiros, dizendo que os preços que eles pedem pelo pão são
exagerados em relação aos do trigo; das injúrias passam às agressões; é o motim, e foge-se com o pão e o
trigo sem pagar.”
A. Young, Voyages en France, 1789-1848

4. Pronuncie-se sobre a crise económico-financeira que afectava a França?

A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
“Os representantes do povo francês, constituídos em Assembleia Nacional, considerando que a ignorância,
o esquecimento ou o desprezo pelos direitos do Homem são as únicas causas das infelicidades públicas e da
corrupção dos governos, resolveram expor, numa declaração solene, os direitos naturais, inalienáveis e
sagrados do Homem. […] Portanto, a Assembleia Nacional reconhece e declara, na presença e sob os
auspícios do Ser Supremo, os seguintes direitos do Homem e do Cidadão:
Artigo 1.º – Os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos. (…)
Artigo 4.º – A liberdade consiste em poder fazer tudo o que não prejudique outrem. (…)
Artigo 6.º – A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de participar
pessoalmente, ou através dos seus representantes, na sua formação. (…) Sendo todos os cidadãos iguais a
seus olhos, têm igualmente acesso a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua
capacidade, e sem outra distinção que nãos seja a das suas virtudes e talentos.
Artigo 7.º – Nenhum homem pode ser acusado, preso ou detido, a não ser nos casos previstos pela lei (…).
Artigo 9.º – Ninguém deverá ser perturbado pelas suas opiniões, mesmo religiosas. (…)
Artigo 11.º – A livre comunicação de pensamentos e opiniões é um dos direitos mais preciosos do homem;
portanto, todo o homem deve poder falar, escrever, imprimir livremente. (…)
Artigo 13.º  –   Para manter a força pública e para as despesas da Administração, é indispensável uma
contribuição comum; deve ser repartida igualmente por todos os cidadãos, na razão das suas capacidades.
(…)
Artigo 15.º – A sociedade tem o direito de pedir contas a todos os agentes públicos pela sua administração.
(…)
Artigo 17.º – Sendo a propriedade um direito inviolável e sagrado, ninguém pode ser dela privado, a menos
que seja de utilidade pública legalmente constatada e sob condição de justa e prévia indemnização.”
 
Voilliard, Documents d’ Historie (1766-1850), A. Colin, Paris, 1964

5. Em que medida é o Antigo Regime atacado na sua estrutura social e política?
6. De que modo reflecte este documento a defesa da burguesia?

3
CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013

A Revolução Francesa
Guia de estudo
Objetivo 1. Mostrar o anacronismo das estruturas sociais francesas nas vésperas da
Revolução
A crise desta sociedade é determinada pelo antagonismo que opõe uma organização tradicional (fundada na
hierarquia, na desigualdade, na existência das ordens, na defesa dos privilégios) e as novas aspirações das
classes em ascensão. De ano para ano, o desfasamento é acentuado pela deslocação da riqueza, que
empobrece a nobreza e enriquece a burguesia, e pela evolução dos espíritos, a contestação dos fundamentos
jurídicos e intelectuais da ordem tradicional. O endurecimento dos privilegiados, a firmeza com que
defendem os seus lugares, contribuem para exacerbar os antagonismos, para transformar as tensões
inerentes a qualquer sociedade em tensões propriamente revolucionárias, e tanto mais quanto mais o poder
real, até então o árbitro das competições de amor-próprio e das concorrências de interesses, já não está em
posição de as dirimir.

Objetivo 2. Analisar a crise económico-financeira
As causas financeiras da revolução têm a ver com o défice orçamental, que desempenhou seguramente um
papel nos acontecimentos, pois está na origem da convocação dos Estados Gerais. A situação cronicamente
deficitária das finanças devida à ausência de administração financeira, a que se juntava a impotência da
monarquia para suprimir os privilégios. A situação era agravada pela guerra de independência da América,
que obriga a despesas consideráveis e implica o recurso ao empréstimo. Por outro lado, as causas
económicas são mais importantes e mais duradouras e dizem respeito ao próprio regime da economia
francesa, isto é, ao modo de organização da produção da riqueza e da distribuição dos bens. Em 1789, a
economia francesa encontrava-se numa situação difícil e atribui-se frequentemente a responsabilidade da
crise que ela atravessava à aplicação dos tratados de comércio e navegação assinados entre a França e os
jovens Estados Unidos, a Inglaterra. Os tratados e as consequências que se lhe atribuíam poderão ter
contribuído para o nascimento de um estado de espírito revolucionário, já que o azedume dos produtores os
afastava de um regime que tão mal defendia a sua existência. A ameaça crónica da penúria faz da fome o
primeiro problema dos indivíduos e dos governos; a França vive na fobia da escassez, na recordação das
fomes. Na verdade, em numerosos ramos de actividade, o trabalho não é livre, mas regulamentado, e só se
pode exercê-lo na condição de se pertencer a uma corporação. O progresso técnico, a multiplicação das
invenções, a acumulação dos capitais, o nascimento de novas formas de indústria, a formação de uma classe
de negociantes, concorrem para tornar caduca esta organização.

4
CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013

A Revolução Francesa
Guia de estudo
Objetivo 3. Explicar o fracasso das tentativas políticas de reforma
As causas políticas são talvez as mais determinantes de todas, pois a revolução vai atacar a própria forma do
regime e a organização do poder. Convém, no entanto, dissipar um equívoco. Há uma interpretação da
Revolução Francesa – que ainda frequentemente inspira os manuais escolares – que apresenta a revolução
de 1789 como uma reacção liberal contra uma monarquia cujo jugo se teria tornado demasiado pesado,
contra a autoridade e o absolutismo. Tem muito disto, sem dúvida, e a tomada da Bastilha é o símbolo do
derrube do despotismo por um povo que quebra as grilhetas. Contudo, observando mais perto, para lá do
simbolismo de acontecimentos espectaculares, acabamos por interrogar-nos se a monarquia não terá
perecido mais por excesso de fraqueza do que de autoridade: por não ter conseguido impor aos
privilegiados o respeito pelo interesse geral. Um poder mais forte, mais respeitado, teria talvez sabido
prevenir uma crise revolucionária.
A revolução começou por ser uma revolta dos privilegiados antes de ser a revolta do Terceiro Estado contra
a sociedade privilegiada. Foram eles que deram o sinal de desobediência e abriram, à sua custa, a vida para
o processo revolucionário. Se a monarquia tivesse sido mais forte, se tivesse disposto de meios ao nível das
suas ambições, teria mantido os privilegiados na ordem e conseguido impor as reformas que lhe eram
ditadas por uma bem entendida preocupação com a razão de Estado. O conluio que é patente nas vésperas
da revolução entre o poder real e os privilegiados lançará a burguesia na oposição revolucionária.

Objetivo 4. Evidenciar o papel do Iluminismo no movimento revolucionário.
Os fatores de ordem intelectual e o movimento das ideias do século XVIII contribuíram muito para a
génese da revolução. Na verdade, as teorias políticas não são apenas concebidas no silêncio dos gabinetes
por pensadores isolados, mas alimentam também os movimentos de opinião. No entanto, entre o conteúdo
original e a difusão, as teorias alteram-se. É assim que o que é retido dos escritos de Voltaire ou de
Montesquieu está consideravelmente afastado do que estes escreveram ou pensaram. De facto, com os
leitores de Montesquieu e Rosseau ou os assinantes da Encyclopédie não haveria com que fazer uma
revolução: a Encyclopédie não teve mais de 4000 ou 5000 subscritos, menos do que as nossas revistas de
interesse geral.
Paralelamente aos escritos, existe também a virtude dos exemplos, o contributo dos precedentes e das
experiências. O da revolução americana propõe uma solução alternativa a uma parte da opinião pública
que deseja de forma confusa uma renovação profunda e para a qual as simples reformas já não se afiguram
suficientes. É a conjugação de um conjunto de causas que origina o poder explosivo da revolução e nos
impede de a tomarmos por um simples acidente.
Objetivo 5. Sublinhar o significado da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão

A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, um documento de inspiração iluminista,
fundamental, não só para a Revolução Francesa mas também para todos os movimentos
revolucionários que esta inspirou, proclamava o fim da sociedade de ordens (Os homens nascem e são
livres e iguais em direitos); a salvaguarda dos direitos naturais do homem (A liberdade, a propriedade, a
segurança e a resistência à opressão); a defesa da soberania popular contra o absolutismo (O princípio de
toda a soberania reside essencialmente na Nação); a proteção dos cidadãos pela lei (Ninguém pode ser acusado,
preso ou detido senão nos casos determinados pela lei); a tolerância religiosa (Ninguém pode ser inquietado pelas
suas opiniões, incluindo opiniões religiosas); a liberdade de expressão (Todo o cidadão pode falar, escrever,
imprimir livremente); a defesa da burguesia e do direito à propriedade privada (A propriedade é um direito
inviolável e sagrado).
Pela alteração profunda que este documento provocou nas estruturas sociais e políticas do Antigo
Regime, podemos relacioná-lo com o início de um novo período: a Época Contemporânea.

5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)Andreia Pacheco
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revoluçãoCarla Teixeira
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4Vítor Santos
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Culturaleiprofessor
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
Módulo 4 a sociedade de ordens
Módulo 4   a sociedade de ordensMódulo 4   a sociedade de ordens
Módulo 4 a sociedade de ordensEscoladocs
 
O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte Edenilson Morais
 
Sociedade do antigo regime
Sociedade do antigo regimeSociedade do antigo regime
Sociedade do antigo regimeMaria Gomes
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalVítor Santos
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano7 de Setembro
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugalcattonia
 
351 a primeira guerra mundial
351 a primeira guerra mundial351 a primeira guerra mundial
351 a primeira guerra mundialcrpp
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosAulas de História
 

Mais procurados (20)

A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
Módulo 4 a sociedade de ordens
Módulo 4   a sociedade de ordensMódulo 4   a sociedade de ordens
Módulo 4 a sociedade de ordens
 
Apresentação Sociedade de Ordens
Apresentação Sociedade de Ordens Apresentação Sociedade de Ordens
Apresentação Sociedade de Ordens
 
O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte
 
Sociedade do antigo regime
Sociedade do antigo regimeSociedade do antigo regime
Sociedade do antigo regime
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
351 a primeira guerra mundial
351 a primeira guerra mundial351 a primeira guerra mundial
351 a primeira guerra mundial
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
 
Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Caderno diário a filosofia das luzes 1314Caderno diário a filosofia das luzes 1314
Caderno diário a filosofia das luzes 1314
 

Destaque

Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Laboratório de História
 
Apresentação IV Gincana Verde
Apresentação IV Gincana VerdeApresentação IV Gincana Verde
Apresentação IV Gincana VerdeMarRoMar
 
Atividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução FrancesaAtividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução FrancesaDoug Caesar
 
Atividades 1º Guerra Mundial III
Atividades 1º Guerra Mundial IIIAtividades 1º Guerra Mundial III
Atividades 1º Guerra Mundial IIIDoug Caesar
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História AAna Catarina
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Esquema periodo napoleonico_modelo
Esquema periodo napoleonico_modeloEsquema periodo napoleonico_modelo
Esquema periodo napoleonico_modeloJana Bento
 
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivasCarlos Zaranza
 
Rev francesa 1ª parte
Rev francesa  1ª parteRev francesa  1ª parte
Rev francesa 1ª parteCarla Teixeira
 
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...Doug Caesar
 

Destaque (13)

Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação IV Gincana Verde
Apresentação IV Gincana VerdeApresentação IV Gincana Verde
Apresentação IV Gincana Verde
 
Atividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução FrancesaAtividades de História: Revolução Francesa
Atividades de História: Revolução Francesa
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
Atividades 1º Guerra Mundial III
Atividades 1º Guerra Mundial IIIAtividades 1º Guerra Mundial III
Atividades 1º Guerra Mundial III
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Esquema periodo napoleonico_modelo
Esquema periodo napoleonico_modeloEsquema periodo napoleonico_modelo
Esquema periodo napoleonico_modelo
 
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
 
Rev francesa 1ª parte
Rev francesa  1ª parteRev francesa  1ª parte
Rev francesa 1ª parte
 
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
Atividades de História: Segunda Revolução Industrial, Imperialismo, Primeira ...
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Semelhante a A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão

Semelhante a A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (20)

Módulo 4 a revolução francesa
Módulo 4   a revolução francesaMódulo 4   a revolução francesa
Módulo 4 a revolução francesa
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
RevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs LiberaisRevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs Liberais
 
38 a revisões- triunfo do liberalismo e da industrialização
38 a   revisões- triunfo do liberalismo e da industrialização38 a   revisões- triunfo do liberalismo e da industrialização
38 a revisões- triunfo do liberalismo e da industrialização
 
História Contemporânea I
História Contemporânea IHistória Contemporânea I
História Contemporânea I
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Revolução francesa alceu
Revolução francesa   alceuRevolução francesa   alceu
Revolução francesa alceu
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1
 
República
RepúblicaRepública
República
 
34 - as revoluções liberais
34 -  as revoluções liberais34 -  as revoluções liberais
34 - as revoluções liberais
 
Diagnostica historia 9ano (1) (1)
Diagnostica historia 9ano (1) (1)Diagnostica historia 9ano (1) (1)
Diagnostica historia 9ano (1) (1)
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumoAs revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
 
Revolução Francesa por Hobsbawm
Revolução Francesa por HobsbawmRevolução Francesa por Hobsbawm
Revolução Francesa por Hobsbawm
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 

A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão

  • 1. 29 de Outubro de 2013 CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 4 http:// externatohistoria.blog spot.pt/ externatohistoria@gm ail.com A Revolução Francesa Por Raul Silva A 26 de Agosto de 1789, a Assembleia Constituinte terminou a redacção do texto jurídico a que chamou Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Esta declaração constituía uma espécie de preâmbulo para a futura Constituição e baseava-se nos princípios da filosofia iluminista e no articulado da Declaração dos Direitos dos vários Estados americanos. A liberdade individual foi, de facto, a ideia-base de todo o documento, que começa por afirmar que todos os homens nascem e permanecem iguais. A liberdade individual é, por consequência, um direito natural, inviolável e imprescritível, e manifesta-se pelo poder de fazer tudo o que não prejudique outrem. Inclui a liberdade de opinião e a liberdade de imprensa (Todo o cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente), embora nada mencione sobre a liberdade de culto, de ensino, de domicílio ou de comércio e indústria. Os outros direitos naturais são, significativamente, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão. A segunda ideia-base desta Declaração é a igualdade que é, segundo o artigo 1.º, um direito natural: os homens nascem iguais. O direito à igualdade implicava a igualdade perante a lei, perante a justiça (Tudo aquilo que não é proibido pela lei não pode impedido (…). Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão os casos determinados pela lei), perante a administração e perante o imposto. A aprovação desta Declaração significava, pois, a destruição da sociedade de ordens. A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi um documento revolucionário que ultrapassou em muito os ideais iluministas e as declarações americanas. Os seus princípios fundamentais não se dirigiam unicamente aos franceses, e os seus preceitos eram aplicáveis a qualquer regime político e não apenas ao da França, em 1789. 1
  • 2. CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013 A Revolução Francesa Exercícios A nobreza rejeita a igualdade fiscal e social “Declaramos que jamais consentiremos na dos direitos que caraterizaram até aqui a ordem da nobreza e que recebemos dos nossos antepassados (...). Determinamos formalmente que o nosso deputado aos Estados Gerais deve opor-se a tudo o que possa limitar os direitos úteis ou honoríficos das nossas terras e entendemos que não pode aceitar qualquer modificação, seja de que natureza for.” Caderno de Queixas da nobreza de Montargis 1. Explique qual a posição da nobreza francesa. As queixas do clero “Temos nos campos muitos padres mal retribuídos; ninguém ignora que a maior parte vive na penúria. (...) Há muitas aldeias sem pároco e mesmo sem padre residente, por causa da dureza das grandes décimas que expuseram os padres à indigência pessoal face ao testemunho da miséria dos seus povos. (...) Que se poderá desejar para remediar tantos males? Que nos seja permitido indicar esse remédio. Sem querer alterar a caridade e a piedade dos nossos fundadores, parece-nos encontrá-lo na riqueza das grandes abadias e nos grandes priorados, cujas receitas satisfazem o luxo de um só, quando, sendo repartidas com economia e sensatez, chegaria abundantemente para os pastores mal retribuídos e para a classe ainda mais numerosa dos outros desprotegidos.” Caderno de Queixas do clero de Bassigny, 1789 2. Avalie os argumentos do clero. Os pedidos do Terceiro Estado “Humildemente suplicamos a Vossa Majestade que ordene a supressão de todos os privilégios atribuídos a todas as terras consideradas nobres (...) e que os impostos, sejam de que natureza forem (...) passem a ser suportados indistintamente por todas as terras segundo o valor registado no cadastro. Considerando que este imposto apenas atinge as terras e que é justo que os capitalistas e fundiários concorram para as necessidades do Estado, conforme a sua fortuna, pedimos ainda que Sua Majestade determine, na sua sabedoria, o regulamento que julgar necessário para (...) incluir na lista dos impostos (...) as fortunas de todos os súbditos do rei. Que conceda à província de Languedoc uma nova constituição e administração, composta por deputados das três ordens, livremente eleitos, para que sejam verdadeiramente representativos das ditas ordens e que o Terceiro Estado tenha o mesmo número de representantes que as duas outras ordens juntas.” Caderno de Queixas do Terceiro Estado da província de Uchau 3. Relacione as propostas do Terceiro Estado com os ideais iluministas. 2
  • 3. CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013 A Revolução Francesa Exercícios O agravamento da situação social “Todas as coisas se unem para tornar crítico, em França, o período atual; a falta de pão é terrível; a todo o momento se recebem da província notícia de amotinações e levantamentos; é necessário recorrer a tropas para conservar a paz nos mercados. Os preços citados são os que encontrei em Abbeville e Amiens: 5 soldos a libra para o pão branco (...), que é o alimento dos pobres; estes preços são superiores aos seus rendimentos e originaram uma grande miséria. (...) No dia do mercado vi o trigo ser vendido (...) com um piquete de dragões no meio da praça a fim de impedir atos violentos. O povo discute com os padeiros, dizendo que os preços que eles pedem pelo pão são exagerados em relação aos do trigo; das injúrias passam às agressões; é o motim, e foge-se com o pão e o trigo sem pagar.” A. Young, Voyages en France, 1789-1848 4. Pronuncie-se sobre a crise económico-financeira que afectava a França? A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão “Os representantes do povo francês, constituídos em Assembleia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo pelos direitos do Homem são as únicas causas das infelicidades públicas e da corrupção dos governos, resolveram expor, numa declaração solene, os direitos naturais, inalienáveis e sagrados do Homem. […] Portanto, a Assembleia Nacional reconhece e declara, na presença e sob os auspícios do Ser Supremo, os seguintes direitos do Homem e do Cidadão: Artigo 1.º – Os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos. (…) Artigo 4.º – A liberdade consiste em poder fazer tudo o que não prejudique outrem. (…) Artigo 6.º – A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de participar pessoalmente, ou através dos seus representantes, na sua formação. (…) Sendo todos os cidadãos iguais a seus olhos, têm igualmente acesso a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua capacidade, e sem outra distinção que nãos seja a das suas virtudes e talentos. Artigo 7.º – Nenhum homem pode ser acusado, preso ou detido, a não ser nos casos previstos pela lei (…). Artigo 9.º – Ninguém deverá ser perturbado pelas suas opiniões, mesmo religiosas. (…) Artigo 11.º – A livre comunicação de pensamentos e opiniões é um dos direitos mais preciosos do homem; portanto, todo o homem deve poder falar, escrever, imprimir livremente. (…) Artigo 13.º  –   Para manter a força pública e para as despesas da Administração, é indispensável uma contribuição comum; deve ser repartida igualmente por todos os cidadãos, na razão das suas capacidades. (…) Artigo 15.º – A sociedade tem o direito de pedir contas a todos os agentes públicos pela sua administração. (…) Artigo 17.º – Sendo a propriedade um direito inviolável e sagrado, ninguém pode ser dela privado, a menos que seja de utilidade pública legalmente constatada e sob condição de justa e prévia indemnização.”   Voilliard, Documents d’ Historie (1766-1850), A. Colin, Paris, 1964 5. Em que medida é o Antigo Regime atacado na sua estrutura social e política? 6. De que modo reflecte este documento a defesa da burguesia? 3
  • 4. CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013 A Revolução Francesa Guia de estudo Objetivo 1. Mostrar o anacronismo das estruturas sociais francesas nas vésperas da Revolução A crise desta sociedade é determinada pelo antagonismo que opõe uma organização tradicional (fundada na hierarquia, na desigualdade, na existência das ordens, na defesa dos privilégios) e as novas aspirações das classes em ascensão. De ano para ano, o desfasamento é acentuado pela deslocação da riqueza, que empobrece a nobreza e enriquece a burguesia, e pela evolução dos espíritos, a contestação dos fundamentos jurídicos e intelectuais da ordem tradicional. O endurecimento dos privilegiados, a firmeza com que defendem os seus lugares, contribuem para exacerbar os antagonismos, para transformar as tensões inerentes a qualquer sociedade em tensões propriamente revolucionárias, e tanto mais quanto mais o poder real, até então o árbitro das competições de amor-próprio e das concorrências de interesses, já não está em posição de as dirimir. Objetivo 2. Analisar a crise económico-financeira As causas financeiras da revolução têm a ver com o défice orçamental, que desempenhou seguramente um papel nos acontecimentos, pois está na origem da convocação dos Estados Gerais. A situação cronicamente deficitária das finanças devida à ausência de administração financeira, a que se juntava a impotência da monarquia para suprimir os privilégios. A situação era agravada pela guerra de independência da América, que obriga a despesas consideráveis e implica o recurso ao empréstimo. Por outro lado, as causas económicas são mais importantes e mais duradouras e dizem respeito ao próprio regime da economia francesa, isto é, ao modo de organização da produção da riqueza e da distribuição dos bens. Em 1789, a economia francesa encontrava-se numa situação difícil e atribui-se frequentemente a responsabilidade da crise que ela atravessava à aplicação dos tratados de comércio e navegação assinados entre a França e os jovens Estados Unidos, a Inglaterra. Os tratados e as consequências que se lhe atribuíam poderão ter contribuído para o nascimento de um estado de espírito revolucionário, já que o azedume dos produtores os afastava de um regime que tão mal defendia a sua existência. A ameaça crónica da penúria faz da fome o primeiro problema dos indivíduos e dos governos; a França vive na fobia da escassez, na recordação das fomes. Na verdade, em numerosos ramos de actividade, o trabalho não é livre, mas regulamentado, e só se pode exercê-lo na condição de se pertencer a uma corporação. O progresso técnico, a multiplicação das invenções, a acumulação dos capitais, o nascimento de novas formas de indústria, a formação de uma classe de negociantes, concorrem para tornar caduca esta organização. 4
  • 5. CADERNODIÁRIO 29 de Outubro de 2013 A Revolução Francesa Guia de estudo Objetivo 3. Explicar o fracasso das tentativas políticas de reforma As causas políticas são talvez as mais determinantes de todas, pois a revolução vai atacar a própria forma do regime e a organização do poder. Convém, no entanto, dissipar um equívoco. Há uma interpretação da Revolução Francesa – que ainda frequentemente inspira os manuais escolares – que apresenta a revolução de 1789 como uma reacção liberal contra uma monarquia cujo jugo se teria tornado demasiado pesado, contra a autoridade e o absolutismo. Tem muito disto, sem dúvida, e a tomada da Bastilha é o símbolo do derrube do despotismo por um povo que quebra as grilhetas. Contudo, observando mais perto, para lá do simbolismo de acontecimentos espectaculares, acabamos por interrogar-nos se a monarquia não terá perecido mais por excesso de fraqueza do que de autoridade: por não ter conseguido impor aos privilegiados o respeito pelo interesse geral. Um poder mais forte, mais respeitado, teria talvez sabido prevenir uma crise revolucionária. A revolução começou por ser uma revolta dos privilegiados antes de ser a revolta do Terceiro Estado contra a sociedade privilegiada. Foram eles que deram o sinal de desobediência e abriram, à sua custa, a vida para o processo revolucionário. Se a monarquia tivesse sido mais forte, se tivesse disposto de meios ao nível das suas ambições, teria mantido os privilegiados na ordem e conseguido impor as reformas que lhe eram ditadas por uma bem entendida preocupação com a razão de Estado. O conluio que é patente nas vésperas da revolução entre o poder real e os privilegiados lançará a burguesia na oposição revolucionária. Objetivo 4. Evidenciar o papel do Iluminismo no movimento revolucionário. Os fatores de ordem intelectual e o movimento das ideias do século XVIII contribuíram muito para a génese da revolução. Na verdade, as teorias políticas não são apenas concebidas no silêncio dos gabinetes por pensadores isolados, mas alimentam também os movimentos de opinião. No entanto, entre o conteúdo original e a difusão, as teorias alteram-se. É assim que o que é retido dos escritos de Voltaire ou de Montesquieu está consideravelmente afastado do que estes escreveram ou pensaram. De facto, com os leitores de Montesquieu e Rosseau ou os assinantes da Encyclopédie não haveria com que fazer uma revolução: a Encyclopédie não teve mais de 4000 ou 5000 subscritos, menos do que as nossas revistas de interesse geral. Paralelamente aos escritos, existe também a virtude dos exemplos, o contributo dos precedentes e das experiências. O da revolução americana propõe uma solução alternativa a uma parte da opinião pública que deseja de forma confusa uma renovação profunda e para a qual as simples reformas já não se afiguram suficientes. É a conjugação de um conjunto de causas que origina o poder explosivo da revolução e nos impede de a tomarmos por um simples acidente. Objetivo 5. Sublinhar o significado da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, um documento de inspiração iluminista, fundamental, não só para a Revolução Francesa mas também para todos os movimentos revolucionários que esta inspirou, proclamava o fim da sociedade de ordens (Os homens nascem e são livres e iguais em direitos); a salvaguarda dos direitos naturais do homem (A liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão); a defesa da soberania popular contra o absolutismo (O princípio de toda a soberania reside essencialmente na Nação); a proteção dos cidadãos pela lei (Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela lei); a tolerância religiosa (Ninguém pode ser inquietado pelas suas opiniões, incluindo opiniões religiosas); a liberdade de expressão (Todo o cidadão pode falar, escrever, imprimir livremente); a defesa da burguesia e do direito à propriedade privada (A propriedade é um direito inviolável e sagrado). Pela alteração profunda que este documento provocou nas estruturas sociais e políticas do Antigo Regime, podemos relacioná-lo com o início de um novo período: a Época Contemporânea. 5