A história da 1ª republica

7.136 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
620
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • Inserire una cartina del paese.
  • A história da 1ª republica

    1. 1. História da 1ª REPÚBLICA A Revolução Republicana e a queda da Monarquia 1
    2. 2. Razões da queda daMonarquia: 2
    3. 3. -1- Apesar doDesenvolvimento industrial verificadona 2ª metade do século XIX,grande parte da populaçãoportuguesa continuava a trabalharna agricultura, uma agriculturamuito pobre e pouco produtiva; 3
    4. 4. -2- As fábricas localizavam-sesobretudo nas regiões de Lisboa ePorto; 4
    5. 5. -3-O país tinha grandesdívidas; 5
    6. 6. - 4 - Amaior parteda populaçãovivia mal; 6
    7. 7. - 5 - Grande agitação POLÍTICA ESOCIAL e falta de liberdade. 7
    8. 8. Assim: A MONARQUIA entra em CRISE CRISE POLÍTICO/SOCIAL 1. Grande descontentamento popular resultante do Ultimato Inglês de 1890;
    9. 9. 2. o partido republicano , fundado em 1876, ganha cada vez mais adeptos;
    10. 10. CRISE ECONÓMICO - FINANCEIRA A) aumento da inflação;
    11. 11. INFLAÇÃO –( de forma mais simples , significa ou) É o aumento contínuo do nível geral depreços DE BENS DE CONSUMO ESERVIÇOS e a diminuição do poder decompra do dinheiro. 11
    12. 12. b) aumento dos impostos;
    13. 13. C) aumento do custo de vida;
    14. 14.  D) o Estado não cumpria com o pagamento das suas dívidas às empresas, privadas, estatais e ainda internacionais; (exemplo é: o pedido de empréstimo a bancos estrangeiros.)
    15. 15. e) a família real gastava mais do que recebia de pensão e ajudas de custo do estado.
    16. 16. O PRINCIPIO do FIM :Em 1876, formou-se o Partido Republicano Português, que propunha substituir a Monarquia pela República.Monarquia República-O chefe de Estado é o -O chefe de Estado é orei. presidente.- O rei herda o trono. -O presidente é eleito pelos- Governa até à morte. cidadãos, ou, pelos seus representantes. - A duração do mandato presidencial é limitada por lei. (actualmente é 5 anos.) 16
    17. 17. BANDEIRA E SELO DA MONARQUIA
    18. 18. O PARTIDO REPUBLICANO PORTUGUÊS A partir de 1880, e dascomemorações dotricentenário da morte deCamões aproveitadas paradivulgação das ideiasrepublicanos, torna-se omais importante partido daoposição;(Algumas destas ideias eraminspiradas na revoluçãofrancesa.) 18
    19. 19. O partido republicano defendia o progresso, a liberdade e a justiça; 19
    20. 20. Este partido era formado por intelectuais eestudiosos, profissionais liberais (advogados,médicos, professores), comerciantes, industriais,funcionários e operários; 20
    21. 21. Entre os seusfundadores estáTeófiloBraga, escritore Presidente do 1ºgoverno Provisório. 21
    22. 22. Revendo e explicando: Afinal o que foi o ultimato inglês? Como é que começou? Foi um acontecimento relacionado com as colóniasportuguesas em África e que contribuiu para que oPartido Republicano fosse ganhando cada vez maisapoiantes. 22
    23. 23. E a história do ultimato inglês começapela CONFERÊNCIA DE BERLIM: 23
    24. 24. • Portugal, depois da independência do Brasil, organizou viagens de exploração em África, com o objetivo de dominar as terras compreendidas entre Angola e Moçambique, já que eram os únicos territórios que restavam. 24
    25. 25. Em 1886, Portugal apresentou um mapa (mapa cor-de- rosa), onde constavam esses territórios a que julgava ter direitos.(Estes territórios incluíam as terras de Angola e Moçambique e também as terras entre estes dois futuros países, zonas muito ricas em vários minerais e outras matérias primas.) 25
    26. 26. Ora em 1884 a 1885 tinha havido umaCONFERÊNCIA em BERLIM onde ospaíses mais poderosos da EUROPAtinham feito a PARTILHA DOSTERRITÓRIOS de ÁFRICA. Estes países decidiram que: quem tinha direito e podia ocupar os territórios africanos seriam os países que os ocupassem efetivamente; Substituíram o direito de ocupação histórico (RECLAMADO por Portugal, desde os Descobrimentos).
    27. 27. 28
    28. 28. A INGLATERRAque nos finais doséculo XIX era já amaior potência daEUROPA estavatambém interessadaem ocupar osmesmos territóriosentre Angola eMoçambique 29
    29. 29. LOGO: A Inglaterra opôs- se à ocupação por Portugal destes territórios e, em 1890, um enviou ultimato, exigindo que os portugueses os abandonassem , sob pena de declaração de guerra. O rei D. Carlos e o governo aceitaram a exigência britânica, deixando o país numa posição humilhante. 30
    30. 30. Assim O ULTIMATO INGLÊS foi: A ordem em que Inglaterra impõe a Portugal a retirada imediata dos territórios entre Angola e Moçambique; Portugal, muito dependente economicamente de Inglaterra, devendo dinheiro a este e outros países, cedeu; Não tendo um exército forte e bem armado capaz de fazer frente a uma potência como a Inglaterra, cedeu;
    31. 31. E provocou ondas dedescontentamento, protesto erevoltas nacionalistas napopulação portuguesa,agitadas pelo PARTIDOREPUBLICANO. 32
    32. 32. Rei D. Carlos, o reidiplomata e o reiINCOMPREENDIDO.
    33. 33. Não se esqueçam que:Portugal vai entrar na 1ª GUERRAMUNDIAL, apesar de não ter meiosfinanceiros e económicos e estar a passarpor uma grande crise política, exatamentepara tentar proteger as colónias africanasque conseguiu na conferência de Berlim eque eram ambicionadas pela ALEMANHA, no caso de Angola e pela INGLATERRAno caso de Moçambique, pois já tinhaocupado os territórios entre eles.
    34. 34. 35
    35. 35. Preparando a Revolução Republicana 1- Em 31 de Janeiro de 1891 dá-se noPorto a primeira revolta armada contra amonarquia . 36
    36. 36. 2 - No dia 1 de Fevereiro de 1908,em Lisboa, ocorre o regicídio: sãomortos num atentado o rei D. CarlosI e o príncipe herdeiro, D. LuísFilipe. 37
    37. 37. Assim, O REGICÍDIO em 1908 foi:  A família real é alvo de um ataque, a 1 de Fevereiro de 1908, quando regressava a Lisboa, vinda de Vila Viçosa, em que morrem o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe;  D. Manuel II, com 18 anos, sobe ao trono e demite João Franco, então 1º ministro;  de 1908 a 1910 a monarquia foi incapaz de resolver a grave crise do reino .
    38. 38. REI D. CARLOS E RAINHA D. AMÉLIA
    39. 39. D. MANUEL E D. AMÉLIA APÓS O REGICÍDIO
    40. 40. 3 - Sobe ao trono D. Manuel IIque viria a ser o último rei emPortugal. 41
    41. 41. ACLAMAÇÃO DO ÚLTIMO REI DE PORTUGAL EM 1908 “Real! Real! Real! Pelo Muito Alto, Muito Poderoso e Fidelíssimo Rei de Portugal, o Senhor D. Manuel II.”
    42. 42. E assim estão criadas as condições para ser PROCLAMADA A REPÚBLICA; 43
    43. 43. Vamos rever, em resumo: A MONARQUIA EM CRISE CRISE CRISE ECONÓMICO POLÍTICO/SOCIAL FINANCEIRA Grande descontentamento  Falências de empresas, popular resultante do fábricas e de bancos; Ultimato Inglês de  aumento da inflação; 1890;  aumento dos impostos; o partido republicano, fundado  aumento do custo de em 1876, ganha cada vida; vez mais adeptos;  o Estado não cumpria lutas sociais com as com o pagamento das classes baixas e suas dívidas; médias da população  a família real gastava por viverem em grandes dificuldades. mais do que recebia do estado.
    44. 44. PROCLAMAÇÃO da REPÚBLICA PORTUGUESA 45
    45. 45.  REVOLUCIONÁRIOS E CIVIS juntam-se NAROTUNDA ( do marquês)– LISBOA – 4 de Outubro de 1910
    46. 46. as tropas fieis à monarquia concentraram -se no Rossio;
    47. 47. o Rossio e o Palácio das Necessidades são bombardeados, pelos navios da marinha a partir do Tejo.
    48. 48. De 4 para 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, deu-se a revolução republicana.   49
    49. 49. A revolta partiu de pequenosgrupos de conspiradores a que apopulação aderiu. 50
    50. 50. O exército monárquico não seconseguiu organizar e osrevoltosos venceram. 51
    51. 51. Na manhã de 5 de Outubro de 1910,dirigentes do Partido Republicano, na varandado edifício da Câmara Municipal de Lisboa,proclamaram a implantação da República emPortugal. 52
    52. 52. 5 DE OUTUBRO de 1910PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
    53. 53.  a família real foge para a Ericeira e daí para o exílio, em Inglaterra;
    54. 54. PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA José Relvas proclama a república da varanda da Câmara Municipal de Lisboa;
    55. 55. o resto do país aceitou e aderiu aos festejos.
    56. 56.   Após a proclamação da República foi criado um governo provisório, presidido por Dr. Teófilo Braga. 57
    57. 57. A Revolução Republicana e a queda da Monarquia Primeiras medidas tomadas pelo governo provisório:- Adotou-se uma nova bandeira;- O hino nacional passou a ser A Portuguesa;- A moeda passou a ser o escudo em vez do real;- Estabeleceu-se a igualdade entre filhos legítimos e ilegítimos.  58
    58. 58. Medidas tomadas pelo governo provisório: O hino nacionalpassou a ser APortuguesa;   59
    59. 59. Medidas tomadas pelo governo provisório:- A moeda passou a ser o escudo em vez do real;- Estabeleceu- se a igualdade entre filhos legítimos e ilegítimos.  60
    60. 60. “A PORTUGUESA”  “A portuguesa” foi composta no rescaldo do Ultimato Inglês e foi tocada pela primeira vez em Lisboa.
    61. 61. “A PORTUGUESA”  Tem letra de Henrique Lopes de Mendonça e música de Alfredo Keil.
    62. 62. “A PORTUGUESA”  Foi adaptada e tornou-se o Hino Nacional, depois da implantação da República, em 1910.
    63. 63. 64
    64. 64. 65
    65. 65.  O governo provisório organizou eleições para formar a   Assembleia Constituinte. A função desta Assembleia era a de fazer a nova constituição. A Constituição Republicana ficou conhecida como a Constituição de 1911 pois foi aprovada a 19 de Agosto desse ano. Manuel de Arriaga foi o 1º Presidente da República eleito pelo povo. 66
    66. 66. Assim: DIRIGENTES DO PARTIDOREPUBLICANO  Os dirigentes do Partido Republicano formam um Governo Provisório, presidido por Teófilo Braga, que tem como missão preparar as eleições para a Assembleia Constituinte;  a Assembleia Constituinte elabora a Constituição de 1911 e elege Manuel de Arriaga como primeiro presidente da República Constitucional.
    67. 67. A Revolução Republicana e a queda da Monarquia Segundo a Constituição republicana de 1911: •Todos são iguais perante a lei; •A expressão do pensamento é livre; •Separação dos poderes: legislativo, executivo e judicial.Vejamos melhor, outra vez: 68
    68. 68. A CONSTITUIÇÃO DE 1911 PODER LEGISLATIVO Congresso da República (eleito por sufrágio directo)2 câmaras – a dos Deputados eleita por 4 anos e a do Senado por 6 anos PODER EXECUTIVO Presidente da República Governo (eleito por 4 anos pelo (nomeado e demitido pelo Congresso; tem funções Presidente da República; formado representativas) por um presidente e ministros) PODER JUDICIAL Tribunais
    69. 69. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL ECONÓMICO Agricultura – maior mecanização e maior utilização de adubos; apesar disto a agricultura permanece atrasada porque nem todos tem dinheiro para comprar os meios para a modernização.
    70. 70. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL ECONÓMICOIndústria –desenvolvimento dosector têxtil,moagem,metalurgia,conservas, cortiça,química e cimentos,com aumento detrabalhadoresmas que continuavam atrabalhar com piorescondições e a ganharmuito mal. 71
    71. 71. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL ECONÓMICOTransportes – desenvolvimentoda vias de comunicação,nomeadamente os caminhos-de-ferro e meios de comunicaçãocomo os automóveis, camionetas ecamiões na continuação do que jávinha a ser feito desde o séculoXIX mas muito menos por falta dedinheiro. 72
    72. 72.  A economia permanece atrasada. 73
    73. 73. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA produções agrícolascomércio externo (em milhares de contos)
    74. 74. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
    75. 75. INFLAÇÃOinflação (latim inflatìo, -onis, inchação, tumor) Desequilíbrio económico caracterizado por uma alta geral dos preços e que provém do excesso dopoder de compra da massa dos consumidores (particulares, empresas, Estado) em relação àquantidade de bens e de serviços postos à sua disposição. ≠ DEFLAÇÃO, DESINFLAÇÃO ou Carestia(falta de dinheiro ou produtos) resultante desse desequilíbrio, provoca sempre um Aumentoexcessivo.
    76. 76. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA
    77. 77. PROBLEMAS NAADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
    78. 78. INFLAÇÃO E POBREZA
    79. 79. 80
    80. 80. 81
    81. 81. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA AO NÍVEL DA INSTRUÇÃO E DA CULTURA  Instituiu-se a escolaridade obrigatória dos 7 aos 10 anos;  desenvolveu-se o ensino técnico;  criaram-se as universidades de Lisboa e Porto e reorganizou-se a de Coimbra;  abriram-se jardins-escola, museus e bibliotecas;  apesar destas medidas a taxa de analfabetismo pouco se alterou.
    82. 82. Em 1911, 70% da população portuguesa era analfabeta. Portugal precisava de  trabalhadores mais instruídos e capazes de acompanhar a evolução das técnicas. 83
    83. 83. 84
    84. 84. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA ANALFABETISMO / ENSINO
    85. 85. 86
    86. 86. Os governos republicanos vão tomar medidas para melhorar a instrução dos portugueses:   • criaram o ensino infantil para crianças dos 4 aos 7 anos;• tornaram o ensino primário obrigatório e gratuito para as crianças entre os 7 e os 10 anos;• criaram novas escolas do ensino primário e técnico (escolas agrícolas, comerciais e industriais); 87
    87. 87. Os governos republicanos vão tomar  medidas para melhorar a instrução dos portugueses:  • fundaram "escolas normais" destinadas a formar professores primários;• criaram Institutos Superiores de ensino técnico;• criaram as Universidades de Lisboa e Porto e reformaram a de Coimbra. 88
    88. 88. Medidas para defender os trabalhadores: • direito à greve; • direito a 8 horas de trabalho diário e a um dia de descanso semanal;• criação de um seguro obrigatório para a doença, velhice e acidentes de trabalho. 89
    89. 89. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL SOCIAL Instituiu-se o direito à greve em 1910; o trabalho infantil foi proibido; o horário de trabalho foi fixado, em 1919, em 8 horas por dia, seis dias por semana;
    90. 90. REALIZAÇÕES DA 1ª REPÚBLICA A NÍVEL SOCIAL  foi instituído o divórcio;  o casamento civil passou a ser o único válido;  criam-se instituições de proteção à infância e à velhice;  reconhece-se a igualdade dos direitos da mulher.
    91. 91. INSTABILIDADE SOCIAL
    92. 92. Em 1914, os sindicatos uniram-se e surgiu a União  Operária Nacional, mais tarde (1919) Confederação Geral do Trabalho. A mobilização dos trabalhadores para as greves era grande; algumas estendiam-se a todo o país - greves gerais.   93
    93. 93. A Revolução Republicana e a queda da Monarquia A 1º Guerra Mundial     Entre 1914 e 1918 deu-se uma Grande Guerra na Europa. De umlado estava a Inglaterra e do outro a Alemanha. Lutavam entre sipelo domínio de territórios fora da Europa (nomeadamente emÁfrica). Em 1916 Portugal tornou-se aliado da Inglaterra, prendendo osbarcos alemães que na altura se refugiavam no nosso país. AAlemanha declarou guerra a Portugal e as nossas tropas partirampara a França e para Angola e Moçambique, onde os alemães nosatacavam. 94
    94. 94. Em 1918, a guerra terminou com a derrota daAlemanha e a morte de milhares de portugueses.    Consequências da Guerra -Os preços dos produtos subiram enquanto que ossalários não acompanhavam essa subida; - A guerra aumentou as despesas do Estado e a dividaexterna, pedindo cada vez mais empréstimos aoestrangeiro. Portugal viu-se obrigado a aumentar osimpostos; - Eram frequentes as greves, as revoltas, os assaltosaos armazéns de alimentos e os atentados à bomba. 95
    95. 95.    96
    96. 96. Instabilidade governativa   Os governos iam caindo uns atrás dos outros, porque não apresentavam soluções para acrise e os deputados dos diferentes partidospolíticos não se entendiam. Entre 1910 e 1926 Portugal teve 9Presidentes da Republica e 45 Governos. Em 28 de Maio de 1926, uma acção militarchefiada pelo General Gomes da Costa pôs fim à1ª República. 97
    97. 97. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA INSTABILIDADE POLÍTICA (16 ANOS – 45 GOVERNOS)
    98. 98. INSTABILIDADE POLÍTICAPROMESSAS NÃO CUMPRIDAS
    99. 99. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA assim:  Instabilidade política (em 16 anos tivemos 45 governos e dois períodos de ditadura imposta por golpes militares: 1915 com Pimenta de Castro e em 1917 a 1918 com Sidónio Pais);
    100. 100. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA assim: insegurança pública e agitação social (atentados, agressões várias, ataques bombistas, assassinatos, greves);
    101. 101. DIFICULDADES DA 1ª REPÚBLICA assim:• graves problemas financeiros, Portugal estava na quase bancarrota, agravados pela participação portuguesa na 1ª Guerra Mundial.
    102. 102. CONSEQUÊNCIAS da participação portuguesa na 1ª guerra mundial Milhares de mortos portugueses participantes nos exércitos aliados; decréscimo do número de nascimento de crianças pois houve um desequilíbrio entre o nº de mulheres e homens, ocasionado pela guerra; diminuição da esperança média de vida (fraca alimentação, condições de vida, mutilados e feridos e doenças); envelhecimento da população. desemprego; aumento da emigração; aumento dos conflitos sociais
    103. 103. CONSEQUÊNCIAS da participação portuguesa na 1ª guerra mundial Empobrecimento geral devido aos gastos brutais no esforço de guerra para um país já pobre; enriquecimento dos empresários de guerra e aumento de fraudes; quebra geral das produções e perda de mercados; subida dos preços – inflação; desvalorização da moeda; Aumento do já grande e crónico endividamento ao estrangeiro .
    104. 104. Trincheiras da 1ª guerra mundial 105
    105. 105. O DESCONTENTAMENTO COM A REPÚBLICA Católicos – descontentes com todas as medidas tomadas contra a Igreja Católica que incluíram o corte de relações com a Santa Sé.
    106. 106. O DESCONTENTAMENTO COM A REPÚBLICAMonárquicos – querem restaurar a monarquia e em 1919 chegam a instaurar a Monarquia do Norte durante quase um mês.
    107. 107. O DESCONTENTAMENTO COM A REPÚBLICA Classes Médias (industriais, comerciantes, membros do exército e funcionários públicos) – descontentes com o agravamento das condições de vida e a insegurança que faz parte do dia a dia da república, fome, assaltos, roubos, pobreza, é o dia a dia.
    108. 108. Tarefa para responder no caderno diário:1. Diga algumas das razões para o descontentamento que existia em Portugal no final da monarquia?2. Qual era o partido que estava a frente da implantação da República?3. Em que ano, em que dia foi a implantação da 1ªRepública?4. A implantação da República foi muito difícil? Porquê?5. Diga 3 realizações no trabalho, na educação, na sociedade e na economia da 1ªrepublica.
    109. 109. Golpe militar de 28 DE MAIO DE 1926QUEDA DA 1ª REPÚBLICA
    110. 110.  Em 1926 as instituições republicanasestavam completamente desprestigiadas; 111
    111. 111. em 28 de Maio de 1926 deu-se o golpe militar comandado pelo generalGomes da Costa que teve o seu início em Braga e seestendeu a Lisboa onde se constitui uma juntarevolucionária chefiada pelo comandante MendesCabeçadas; 112
    112. 112.  o governo republicano foi derrubado; 113
    113. 113.  instituiu-se uma ditadura militar até 1928. 114
    114. 114. fez – se de imediato oestabelecimento da censura. 115
    115. 115. Dissolveu-se do Parlamento da República, 116
    116. 116. (extinguiu-se aCarbonáriaque era aprincipalorganizaçãorevolucionária doPartidoRepublicano). 117
    117. 117. O MARECHAL CARMONA  António Óscar de Fragoso Carmona foi eleito Presidente da República em 1928;  nesse mesmo ano chama para ministro das Finanças o Dr. António de Oliveira Salazar.
    118. 118. 119
    119. 119. 120
    120. 120. 121
    121. 121. 122

    ×